Boletim Mensal. Novembro/ 2.014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boletim Mensal. Novembro/ 2.014"

Transcrição

1 Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Boletim Mensal Novembro/ Acumulado janeiro a novembro/2014

2 N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados como preliminares nos últimos três meses e, portanto passíveis de merecer alteração retroativa mensal. Os dados do nosso Boletim Mensal contemplam as alterações mensais retroativas realizadas pelo BACEN, de tal forma que nossos registros estão sempre atualizados. 2

3 Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Í N D I C E Sistema Financeiro 5 - Crédito do Sistema Financeiro Nacional 6 - Saldo Total das Carteiras de Veículos - Financiamento (CDC) e Leasing 7 - Saldo da Carteira de Financiamento (CDC) Pessoa Física e Juridica 8 - Saldo da Carteira de Leasing Pessoa Física e Juridica 9 - Total Acumulado de Recursos Liberados Veículos Financiamento (CDC) e Leasing 10 - Total Acumulado de Recursos Liberados Veículos - Financiamento (CDC) 11- Recursos Liberados no Mês Veículos - Financiamento (CDC) 12- Total Acumulado de Recursos Liberados Veículos Leasing 13- Recursos Liberados no Mês Veículos - Leasing 14- Taxas de Juros 15- Planos e Prazos de Financiamento 16- Atrasos de 15 a 90 dias Pessoa Física e Pessoa Jurídica 17- Inadimplência Acima de 90 dias Pessoa Física 18- Inadimplência Acima de 90 dias - Pessoa Jurídica Formas de Escoamento das Vendas no Mercado Interno 20- Modalidades de Pagamento na Venda de Veículos e Comerciais Leves 21- Modalidades de Pagamento na Venda de Veículos Comerciais (Caminhões e Ônibus) 22- Modalidades de Pagamento na Venda de Motocicletas Perfil da Frota de Autoveículos e Motocicletas por Gravame 24- Gravame sobre a frota estimada até setembro 2014 Setor Comercial Novos e Usados 26- Consolidado dos Licenciamentos Unidades Novas 27- Veículos e Comerciais Leves 28- Veículos Comerciais (Caminhões e Ônibus) 29- Motocicletas Setor Industrial 31- Veículos e Comerciais Leves 32- Veículos Comerciais (Caminhões e Ônibus) 33- Motocicletas Projeções Ano

4 O Saldo do Crédito Bancário Brasileiro alcançou em novembro de 2014 o valor de R$ 2,963 trilhões, passando a representar 58,0% do PIB (estimado em R$ 5,108 trilhões), registrando assim um crescimento de 2,9 p.p frente a novembro O Saldo do Crédito para aquisição de veículos pelas Pessoas Físicas e Jurídicas corresponde a 4,1% do PIB contra 4,8% no mesmo período do ano anterior, um decréscimo de 0,7 p.p., passando a representar 7,2% do total do crédito do SFN e 13,6% do total das operações de crédito Recursos Livres. 4

5 Relação Crédito/PIB 49,1% 53,9% 56,0% 55,1% 58,0% 2.034, , , , , , , , , ,1 244,9 242,2 228,6 229,8 211, nov-13 nov-14 Saldo do Crédito do SFN Total Oper.de Crédito - Recursos Livres CDC+Leasing PF e PJ (Veículos) Saldo do Crédito do SFN = R$ 2.963,2 bi: ( +1,3% mês; +9,1% no ano; +11,8% em doze meses) Total Oper. de Crédito Recursos Livres = R$ 1.553,1 bi: ( +0,9% mês; +3,0% no ano; +4,7% em doze meses) Saldo CDC + Leasing PF e PJ (Veículos) = R$ 211,9 bi: ( -0,2% mês; -7,3% no ano; -7,8% em doze meses) Fonte: Banco Central 5

6 244,9 242,2 228,6 229,8 46,9 26,6 14,1 14,8 211,9 8,6 198,0 215,6 214,5 215,0 203, nov-13 nov-14 Financiamento - CDC Leasing Soma dos Saldos das Carteiras de Veículos = R$ 211,9 bi: ( -0,2% mês; -7,3% no ano; -7,8% em doze meses) Saldo Financiamentos (CDC) = R$ 203,3 bi: ( -0,1% mês; -5,2% no ano; -5,4% em doze meses) Saldo Leasing = R$ 8,6 bi: ( -2,3% mês; -39,0% no ano; -41,9% em doze meses) Fonte: Banco Central 6

7 nov-13 nov-14 Total Pessoa Fisica Pessoa Juridica Saldo Total da Carteira de Financiamento (CDC) = R$ 203,3 bi : ( -0,1% mês; -5,2% no ano; -5,4% em doze meses) Saldo da Carteira Pessoa Física = R$ 183,5 bi: ( 0,0% mês; -4,8% no ano; -4,9% em doze meses) Saldo da Carteira Pessoa Juridica = R$ 19,8 bi: ( -1,0% mês; -8,9% no ano; -9,8% em doze meses) Fonte: Banco Central 7

8 nov-13 nov-14 Total Pessoa Fisica Pessoa Juridica Saldo Total da Carteira de Leasing = R$ 8,6 bi: ( -2,9% mês; -39,0% no ano; -41,9% em doze meses) Saldo da Carteira Pessoa Física = R$ 3,3 bi: ( -6,5% mês; -56,8% no ano; -59,9% em doze meses) Saldo da Carteira Pessoa Juridica = R$ 5,3 bi: ( -0,5% mês; -17,5% no ano; -18,9% em doze meses) Fonte: Banco Central 8

9 nov-13 nov-14 Financiamento - CDC Leasing Total Acumulado de Recursos Liberados = R$ 106,082 milhões: ( +0,3% em doze meses) Recursos Liberados - Financiamentos (CDC) = R$ 103,106 milhões: ( +0,5% em doze meses) Recursos Liberados - Leasing = R$ 2,976 milhões: ( -5,7% em doze meses) Fonte: Banco Central 9

10 nov-13 nov-14 Pessoa Física Pessoa Juridica Total Acumulado de Recursos Liberados = R$ 103,106 milhões: ( +0,5% em doze meses) Pessoa Física = R$ 85,271 milhões: ( +2,1% em doze meses) Pessoa Juridica = R$ 17,835 milhões: ( -6,4% em doze meses) Fonte: Banco Central 10

11 jan-13 fev-13 mar-13 abr-13 mai-13 jun-13 jul-13 ago-13 set-13 out-13 nov-13 dez-13 jan-14 fev-14 mar-14 abr-14 mai-14 jun-14 jul-14 ago-14 set-14 out-14 nov-14 Total Pessoa Fisica Pessoa Juridica Total de Recursos Liberados no mês = R$ 9,789 milhões : ( -6,1% no mês; -14,4% no ano; -0,5% em doze meses) Pessoa Física = R$ 8,138 milhões: ( -6,0% no mês; -14,0% no ano; -0,6% em doze meses) Pessoa Jurídica = R$ 1,651 milhões: ( -6,7% no mês; -16,6% no ano; -0,1% em doze meses) Fonte: Banco Central 11

12 nov-13 nov-14 Pessoa Juridica Pessoa Fisica Recursos Acumulado de Recursos Liberados = R$ 2,976 milhões: ( -5,7% em doze meses) Pessoa Física = R$ 0,596milhões: ( -4,8% em doze meses) Pessoa Jurídica = R$ 2,380 milhões: ( -5,9% em doze meses) Fonte: Banco Central 12

13 jan-13 fev-13 mar-13 abr-13 mai-13 jun-13 jul-13 ago-13 set-13 out-13 nov-13 dez-13 jan-14 fev-14 mar-14 abr-14 mai-14 jun-14 jul-14 ago-14 set-14 out-14 nov-14 Total Pessoa Fisica Pessoa Juridica Total de Recursos Liberados no mês = R$ 0,289 milhões : ( -1,0% no mês; -14,5% no ano; +4,0% em doze meses) Pessoa Física = R$ 0,059 milhões: ( +3,5% no mês; -23,4% no ano; -11,9% em doze meses) Pessoa Juridica = R$ 0,230 milhões: ( -2,1% no mês; -11,9% no ano; +9,0% em doze meses) Fonte: Banco Central 13

14 MÊS TAXA ANEF TAXA SELIC PESSOA FISICA CDC PESSOA JURIDICA CDC % a.m. % a.a. % a.m. % a.a. % a.m. % a.a. % a.m. % a.a. dez/11 1,50 19,56 0,87 11,00 1,90 25,3 1,21 15,5 dez/12 1,25 16,08 0,58 7,25 1,52 19,8 1,18 15,1 jan/13 1,25 16,08 0,58 7,25 1,57 20,5 1,22 15,7 fev/13 1,25 16,08 0,58 7,25 1,57 20,5 1,21 15,5 mar/13 1,23 15,80 0,58 7,25 1,51 19,7 1,24 16,0 abr/13 1,25 16,08 0,60 7,50 1,52 19,9 1,26 16,2 mai/13 1,24 15,94 0,64 8,00 1,51 19,7 1,26 16,2 jun/13 1,23 15,80 0,64 8,00 1,50 19,5 1,27 16,4 jul/13 1,25 16,08 0,68 8,50 1,55 20,3 1,27 16,4 ago/13 1,27 16,35 0,72 9,00 1,62 21,2 1,32 17,0 set/13 1,27 16,35 0,72 9,00 1,64 21,6 1,34 17,3 out/13 1,25 16,08 0,76 9,50 1,59 20,8 1,35 17,5 nov/13 1,27 16,35 0,80 10,00 1,62 21,3 1,34 17,3 dez/13 1,27 16,35 0,80 10,00 1,62 21,3 1,34 17,3 jan/14 1,32 17,04 0,84 10,50 1,72 22,7 1,41 18,3 fev/14 1,35 17,46 0,85 10,75 1,80 23,9 1,44 18,7 mar/14 1,35 17,46 0,85 10,75 1,77 23,5 1,42 18,5 abr/14 1,35 17,46 0,87 11,00 1,71 22,6 1,44 18,7 mai/14 1,41 18,30 0,87 11,00 1,74 23,0 1,43 18,6 jun/14 1,41 18,30 0,87 11,00 1,74 23,0 1,43 18,6 jul/14 1,41 18,30 0,87 11,00 1,75 23,2 1,50 19,5 ago/14 1,41 18,30 0,87 11,00 1,75 23,2 1,44 18,7 set/14 1,40 18,16 0,87 11,00 1,73 22,8 1,45 18,8 out/14 1,41 18,30 0,89 11,25 1,74 23,0 1,45 18,8 nov/14 1,40 18,16 0,89 11,25 1,72 22,7 1,47 19,2 Fonte: Banco Central e Anef 14

15 Em meses ,0 15,3 15,9 15,8 15,0 dez-11 dez-12 dez-13 nov-13 nov-14 Plano Máximo Prazo Médio das Concessões Prazo Médio da Carteira Planos Máximos disponibilizados pelos Bancos aos Consumidores, ficaram em 60 meses vigentes em novembro 2014 e novembro Prazo Médio das Concessões indica o prazo a decorrer desde a contratação até o vencimento da última prestação, que manteve-se em 42 meses no período novembro 2013/2014. Prazo Médio da Carteira indica o prazo remanescente do saldo total das operações em carteira, que em novembro 2014 foi de 15,0 meses frente a 15,8 meses no mesmo período de Fonte: Banco Central/ Anef 15

16 18,0 16,0 14,0 13,7 13,5 13,5 14,1 14,4 14,7 14,1 15,3 14,5 15,2 15,0 14,6 14,5 14,6 13,9 15,6 15,6 15,2 15,4 14,8 14,1 14,1 13,8 13,1 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 9,0 8,4 8,3 8,4 8,6 8,5 8,2 8,2 7,9 8,2 8,1 8,0 7,7 7,7 7,5 6,4 6,2 6,3 6,4 6,0 5,9 5,6 5,7 5,7 5,8 5,6 5,5 5,8 5,9 5,7 5,8 5,4 5,6 5,7 5,6 5,6 5,3 5,5 4,6 4,8 4,3 4,4 4,2 3,9 4 8,4 8,4 8,1 8,1 7,7 7,4 7,2 7,1 7,0 6,4 6,6 6,1 6,5 6,3 5,9 5,7 5,6 5,7 5,2 4,7 4,3 3,7 3,9 3,7 4,0 4,1 3,8 - Financiamento (CDC) - P.Física Leasing - P.Física Financiamento (CDC) - P. Juridica Leasing - P. Juridica % Atrasos do total da Carteira - Financiamentos (CDC) - P. Fisica = 7,0% ( -0,1 p.p. mês; -0,7 p.p. no ano; -1,0 p.p. em doze meses) % Atrasos do total da Carteira - LEASING - P.Física = 13,1% ( -0,7 p.p. mês; -1,4 p.p. no ano; -1,5 p.p. em doze meses) % Atrasos do total da Carteira - Financiamentos (CDC) - P.Juridica = 5,7% ( +0,1 p.p. mês; -0,1 p.p. no ano; +0,2 p.p. em doze meses) % Atrasos do total da Carteira - LEASING - P. Juridica = 3,8% ( -0,3 p.p. mês; -0,4 p.p. no ano; -0,6 p.p. em doze meses) Fonte: Banco Central 16

17 9,9 11,6 11,3 9,6 7,5 6,0 6,4 5,2 5,3 4,0 7,7 8,0 6,7 6,6 6,5 dez-11 dez-12 dez-13 nov-13 nov-14 TOTAL - Recursos Livres Financiamentos (CDC) LEASING % Inadimplência do Total do Cred.Sist.Fin. Recursos Livres = 6,5% ( 0,0 p.p. mês; -0,2 p.p. no ano; -0,1 p.p. em doze meses) % Inadimplência do total da Carteira - Financiamentos (CDC) = 4,0% ( -0,2 p.p. mês; -1,2 p.p. no ano; -1,3 p.p. em doze meses) % Inadimplência do total da Carteira - LEASING = 9,6% ( -0,4 p.p. mês; -2,0 p.p. no ano; -1,7 p.p. em doze meses) Fonte: Banco Central 17

18 4,7 3,8 4,4 5,0 4,2 4,3 4,0 4,0 3,7 2,9 3,4 3,7 3,1 3,3 3,5 dez-11 dez-12 dez-13 nov-13 nov-14 TOTAL - Recursos Livres Financiamentos (CDC) LEASING % Inadimplência do Total do Cred.Sist.Fin. Recursos Livres = 3,5% ( -0,1 p.p. mês; +0,4 p.p. no ano; +2,0 p.p. em doze meses) % Inadimplência do total da Carteira - Financiamentos (CDC) = 3,7% ( -0,1 p.p. mês; - 0,3 p.p. no ano; -0,3 p.p. em doze meses) % Inadimplência do total da Carteira - LEASING = 2,9% ( -0,1 p.p. mês; -1,3 p.p. no ano; -1,4 p.p. em doze meses) Fonte: Banco Central 18

19 19

20 4% 4% 5% 6% 7% 8% 8% 8% 32% 22% 33% 46% 50% 51% 53% 52% 30% 38% 23% 11% 5% 2% 2% 2% 34% 36% 39% 37% 38% 39% 37% 38% set/14 À Vista Leasing Financiados Consórcio Fonte: ANEF 20

21 3% 2% 2% 2% 2% 2% 2% 2% 51% 50% 66% 69% 70% 75% 77% 71% 29% 30% 13% 7% 3% 2% 9% 8% 8% 12% 13% 2% 1% 10% 11% 9% 8% 10% 11% 10% 12% 11% 11% 14% set/14 À Vista Financiados Leasing (incluso Finame Leasing) Finame Consórcio Fonte: ANEF 21

22 24% 22% 27% 26% 27% 35% 36% 35% 56% 52% 48% 51% 52% 40% 36% 32% 8% 2% 1% 5% 15% 18% 23% 22% 21% 25% 28% 33% set/14 À Vista Leasing Financiados Consórcio Fonte: ANEF 22

23 23

24 Frota Estimada: 42,08 milhões 24,74 milhões financiadas = 58,8% Frota Estimada: 2,229 milhões 1,573 milhão financiadas = 70,6% Frota Estimada: 20,62 milhões 13,68 milhões financiadas = 66,3% 3,1% 3,9% 8,0% 44,7% 57,2% 56,1% 11,0% 9,5% 2,2% 41,2% 29,4% 33,7% Sem Gravame Arrendamento (Leasing) Alienação Outros (Penhor Mercantil, Res.de Dominio, etc.) Fonte: Fenabrave/Renavam 24

25 25

26 Fonte: Fenabrave 26 Unidades/ Nov-2013 Nov-2014 Var. % Veículos 2.479, , , , , , ,5-10,9% Com. Leves 530,0 677,4 780,3 792,6 820,8 743,2 750,7 1,0% Veíc. + Leves 3.009, , , , , , ,2-8,2% Caminhões 109,1 157,5 172,6 137,8 155,7 140,2 123,4-12,0% Ônibus 22,6 28,5 34,9 29,5 35,6 33,2 29,3-11,7% Caminhões +Ônibus 131,7 186,0 207,5 167,3 191,3 173,4 152,7-11,9% Motos 1.609, , , , , , ,2-5,3% Total 4.750, , , , , , ,1-7,5%

27 Unidades / milhões NOVOS USADOS , , , , , , , , , , , , , , , nov-13 nov-14 Total Veículos e Com. Leves = ,2: ( -5,8% mês; +2,0% em doze meses) Total Novos = 2.975,2: ( -4,0% mês; -8,2% em doze meses) Total Usados = 9.075,0: ( -6,4% mês; +5,9% em doze meses) Os veículos e comerciais leves usados na relação com os novos em novembro 2013 era 2,6 passando a 3,1 em novembro de Fonte: Fenabrave / Renavam 27

28 Unidades / mil NOVOS 593,7 586,7 544,1 536,8 506,7 USADOS 207,4 167,3 191,3 173,4 152,7 386,3 376,8 395,4 363,4 354, nov-13 nov-14 Total Veículos Comerciais = 506,7: ( -9,6% mês; -5,6% em doze meses) Total Novos = 152,7: ( -4,3% mês; -11,9% em doze meses) Total Usados = 354,0: ( -11,8% mês; -2,6 em doze meses) Os veículos comerciais usados na relação com os novos em novembro 2013 era 2,1 passando a 2,3 em novembro Fonte: Fenabrave / Renavam 28

29 Unidades / milhões NOVAS 4.241, , , , ,4 USADAS 1.940, , , , , , , , , , nov-13 nov-14 Total Motocicletas = 3.841,4: ( -7,7% mês; +4,0% em doze meses) Total Novas = 1.302,2: ( -7,0% mês; -5,3% em doze meses) Total Usadas = 2.539,2: ( -8,0% mês; +9,5% em doze meses) As motocicletas usadas na relação com as novas em novembro 2013 era 1,7 passando a 1,9 em novembro de Fonte: Fenabrave / Renavam 29

30 30

31 Unidades/000 MERCADO DE VEÍCULOS E COMERCIAIS LEVES Produção e Licenciamento - Acumulado 3.425, , , ,9 Produção Licenciamento 2.975, , , , , , nov-13 nov-14 Produção = 2.773,8: ( -9,7% mês; -15,0% em doze meses) Licenciamentos = 2.975,2: ( -4,0% mês; -8,2% em doze meses) OBS.: No gráfico acima, a diferença entre a produção realizada e os licenciamentos efetuados correspondem às exportações/importações de unidades ocorridas mais estoques nos Revendedores e/ou no pátio da própria Montadora. Fonte: Anfavea/Fenabrave/Renavam 31

32 Unidades/ ,4 167,3 191,3 173,4 152,7 272,8 169,6 230,4 218,2 168, nov-13 nov-14 Produção Licenciamento Produção = 168,6: ( -9,8% mês; -22,7% em doze meses ) Licenciamentos = 152,7: ( -4,3% mês; -11,9% em doze meses) OBS.: No gráfico acima, a diferença entre a produção realizada e os licenciamentos efetuados correspondem às exportações de unidades ocorridas mais estoques nos Revendedores e/ou no pátio da própria Montadora. Fonte: Anfavea/Fenabrave/Renavam 32

33 Unidades/ , , , , , , , , , , nov-13 nov-14 Produção Licenciamento Produção = 1.429,0: ( -15,8% mês; -10,2% em doze meses) Licenciamentos = 1.302,2: ( -7,0% mês; -5,3% em doze meses) OBS.: No gráfico acima, a diferença entre a produção realizada e os licenciamentos efetuados correspondem às exportações de unidades ocorridas mais estoques nos Revendedores e/ou no pátio da própria Montadora. Fonte: Abraciclo/Fenabrave 33

34 Autoveículos: Produção Licenciamento (mil unidades) - Fonte Anfavea ,0% ,4% Exportações (mil unidades) - Fonte Anfavea ,1% Motocicletas: Produção Licenciamento (mil unidades) - Fonte Abraciclo ,0% ,0% Autoveículos e Motocicletas Saldo de Financiamento Recursos Liberados (bilhões de Reais) Fonte ANEF 228,6 206,0-9,9% 117,5 117,5 0,0% 34

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim Anual 2.013

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim Anual 2.013 Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Boletim Anual 2.013 N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados como preliminares nos últimos três meses e,

Leia mais

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados como preliminares nos últimos três meses e, portanto passíveis

Leia mais

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados como preliminares nos últimos três meses e, portanto passíveis

Leia mais

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados como preliminares nos últimos três meses e, portanto passíveis

Leia mais

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim 1º Semestre 2016

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim 1º Semestre 2016 Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Boletim 1º Semestre 2016 N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados como preliminares nos últimos três meses

Leia mais

BOLETIM MENSAL. 1º Trimestre 2009

BOLETIM MENSAL. 1º Trimestre 2009 BOLETIM MENSAL 1º Trimestre 2009 Sistema Financeiro 4 - Crédito do Sistema Financeiro 5 - Carteiras de Financiamento (CDC) e Leasing Aquisição de Veículos 6 - Saldo e Recursos Liberados Financiamento CDC

Leia mais

Panorama do Mercado de Crédito

Panorama do Mercado de Crédito Panorama do Mercado de Crédito FEBRABAN Dezembro de 2011 Rubens Sardenberg Economista-chefe ÍNDICE I. Evolução do Crédito II. Pessoa Física III. Pessoa Jurídica IV. Inadimplência V. Spread VI. Projeções

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO SFN DEZEMBRO / 2008

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO SFN DEZEMBRO / 2008 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO SFN DEZEMBRO / 2008 Fonte: Bacen 27/01/2009 DESTAQUES DE DEZEMBRO / 2008 As operações de crédito no SFN, incluindo recursos livres e direcionados, finalizaram o ano com um incremento

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 (dados junho de 2015) A SPE não é a fonte primária das informações disponibilizadas nesta apresentação. A SPE apenas consolida e organiza as informações

Leia mais

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Em Abril de 2009, operações de crédito atingiram

Leia mais

CRÉDITO IMOBILIÁRIO NO BRASIL Crescimento Sustentável. ESTRATÉGIA DO BRADESCO Posicionamento/Estratégia

CRÉDITO IMOBILIÁRIO NO BRASIL Crescimento Sustentável. ESTRATÉGIA DO BRADESCO Posicionamento/Estratégia CRÉDITO IMOBILIÁRIO NO BRASIL Crescimento Sustentável ESTRATÉGIA DO BRADESCO Posicionamento/Estratégia 1 DE 28 1 Crédito Imobiliário no Brasil Crescimento contínuo e sustentável nos últimos anos, aumento

Leia mais

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Em maio, a carteira de crédito do SFN totalizou aproximadamente 56,2% do PIB, indicando crescimento de 12,7% em 12 meses. O maior dinamismo

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

Bancos financiam crescentemente a produção

Bancos financiam crescentemente a produção Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nota do dia 25 de julho de 2007 Fontes: Bacen, IBGE e CNI Elaboração: Febraban Bancos financiam crescentemente a produção Pessoa Jurídica O crédito destinado

Leia mais

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Encontro Econômico Brasil-Alemanha Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Jackson Schneider Presidente Anfavea Blumenau, 19 de novembro de 2007 1 Conteúdo 2 1. Representatividade

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 29-07-2008) Edição de 30 de julho de 2008 Crédito à pessoa jurídica permanece forte Em junho

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO MARÇO/ 2009

OPERAÇÕES DE CRÉDITO MARÇO/ 2009 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO SFN MARÇO/ 2009 Fonte: Bacen 23/04/2009 DESTAQUES DE MARÇO/ 2009 O estoque total de crédito contratado no SFN totalizou R$ 1,23 trilhões em Março. Esse montante representou uma

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Dados de Crédito agosto

Dados de Crédito agosto 29/09/09 Dados de Crédito agosto O Banco Central divulgou relatório de política monetária e crédito referente ao mês de agosto. O crédito com recursos livres teve aumento real de 6, nos últimos 12 meses.

Leia mais

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015 Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Mercado Imobiliário Brasileiro - VGL 2011-7% 2012 13% 2013 R$ 85,6 bilhões R$ 79,7 bilhões R$ 90,4 bilhões

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL Comissão de Acompanhamento da Crise Financeira e da Empregabilidade 26 DE MARÇO DE 2009 Fábio Colletti Barbosa Presidente ÍNDICE 1. A Crise Financeira Mundial 2. O Brasil, a Crise

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC RELATÓRIO CEMEC MENSAL DE DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA. Junho

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC RELATÓRIO CEMEC MENSAL DE DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA. Junho CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS RELATÓRIO CEMEC MENSAL DE DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA Junho 2011 ÍNDICE 1. Objetivo do Relatório... 3 2. Modelo

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

200 180 Indice (abr/2004=100) 160 140 120 100 80 dez/97 jun/98 dez/98 jun/99 dez/99 jun/00 dez/00 jun/01 dez/01 jun/02 dez/02 jun/03 dez/03 jun/04 dez/04 jun/05 dez/05 jun/06 dez/06 jun/07 dez/07 Faturamento

Leia mais

Volume de crédito segue em expansão em 2008

Volume de crédito segue em expansão em 2008 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 25-03-2008) Edição de 25 de março de 2008 Volume de crédito segue em expansão em 2008 O ritmo

Leia mais

Tabela 1 - OPERACOES DE CREDITO (milhões de R$) Ano I Nov/13. Fonte: ESTBAN, Banco Central do Brasil

Tabela 1 - OPERACOES DE CREDITO (milhões de R$) Ano I Nov/13. Fonte: ESTBAN, Banco Central do Brasil De acordo com a Estatística Bancária por Município (ESTBAN), divulgada pelo Banco Central, o saldo das operações de crédito, em agosto desse ano, chegou a R$ 2,320 trilhões no país, um crescimento de 10,9%

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Banco Central do Brasil: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em agosto de 2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,13 trilhões

Leia mais

Atravessando a Crise Mundial

Atravessando a Crise Mundial 1 Atravessando a Crise Mundial LIDE Ministro Guido Mantega Fevereiro de 2009 1 2 Agravamento da Crise Mundial Crise Financeira externa não foi suficientemente equacionada Recessão global vai tomando corpo

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 24-06-2008) Edição de 25 de junho de 2008 Operações de crédito à pessoa física apresentam

Leia mais

A taxa de câmbio na economia brasileira está fora de equilíbrio? 31/05/2007

A taxa de câmbio na economia brasileira está fora de equilíbrio? 31/05/2007 A taxa de câmbio na economia brasileira está fora de equilíbrio? 31/05/2007 Preliminares Paridade do Poder de Compra (PPC) Equilíbrio de longo prazo Bens comercializáveis (PPC) e não-comercializáveis Câmbio

Leia mais

Tendências importantes para o spread e inadimplência

Tendências importantes para o spread e inadimplência Tendências importantes para o spread e inadimplência A inadimplência confirma mínima histórica em 3,0% e o spread bancário volta a se elevar, alcançando 13,1%. Os dois movimentos são os principais destaques

Leia mais

Desempenho de vendas do setor segue forte

Desempenho de vendas do setor segue forte Macro Setorial segunda-feira, 20 de maio de 2013 Veículos Desempenho de vendas do setor segue forte Depois de obter recorde na venda de automóveis e comerciais leves em 2012, impulsionado por incentivos

Leia mais

Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito

Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito 25 de junho de 2010 Sobre este estudo Este estudo foi desenvolvido no início de 2009 e atualizado parcialmente em junho de 2010 2 A operação do cartão

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional em fev/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,03 trilhões em fev/15, após alta de 0,5% no mês

Leia mais

Balanço de Pagamentos

Balanço de Pagamentos Balanço de Pagamentos Agosto/2015 22 de setembro de 2015 Resumo dos Resultados Em agosto de 2015, o déficit em Transações Correntes foi de US$ 2,5 bilhões, resultado superior ao observado em agosto de

Leia mais

Financiamento de veículos. Crédito Pessoa Física Principais Produtos

Financiamento de veículos. Crédito Pessoa Física Principais Produtos Financiamento de veículos Crédito Pessoa Física Principais Produtos 115 +11% Carteira de Crédito 124 +3% 127 Crédito ao Consumo Veículos R$ Bilhões Pessoa Física Crédito Consignado 1 32 Cartão de Crédito

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Oper. Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em julho/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,11 trilhões em julho/15, após alta de 0,3% no

Leia mais

Balanço do Tesouro Direto - Fevereiro 2013

Balanço do Tesouro Direto - Fevereiro 2013 Balanço do Tesouro Direto - Fevereiro 2013 1. Vendas e Resgates Em fevereiro, o montante financeiro vendido no Tesouro Direto foi de R$ 236,1 hões, valor 63% inferior ao mês anterior e 18% menor que o

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP RESUMO 1 Março de 2009 Cenário Internacional 2 Evoluçã ção o da Crise - Em sete dos últimos 20 anos a taxa de crescimento do PIB foi inferior

Leia mais

Coletiva de Imprensa - ABECIP. Índice

Coletiva de Imprensa - ABECIP. Índice Coletiva de Imprensa - ABECIP Índice 1. Ambiente Macroeconômico 2. Mercado Imobiliário 3. Financiamento Imobiliário - SBPE 4. Inadimplência 5. Ativos Financeiros 6. Poupança SBPE 7. Expectativas 2013 2

Leia mais

Nova Estrutura de Dados de Crédito

Nova Estrutura de Dados de Crédito Nova Estrutura de Dados de Crédito Este boxe apresenta as principais alterações introduzidas recentemente nas estatísticas de crédito publicadas pelo Banco Central 1. A reformulação objetivou ampliar a

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC INFORMATIVO CEMEC MENSAL - POUPANÇA FINANCEIRA. Outubro

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC INFORMATIVO CEMEC MENSAL - POUPANÇA FINANCEIRA. Outubro CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS INFORMATIVO CEMEC MENSAL - POUPANÇA FINANCEIRA Outubro 2011 ÍNDICE 1. Objetivo do Relatório... 3 1. Análise da Poupança

Leia mais

DPGE - COM ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA DE RECEBÍVEIS CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE

DPGE - COM ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA DE RECEBÍVEIS CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE DPGE - COM ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA DE RECEBÍVEIS CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE Regras Gerais São aceitos em alienação recebíveis de operações de Consignado do Setor Público, de Veículos (Leves, Pesados e Motos)

Leia mais

5 MOEDA E CRÉDITO. ipea SUMÁRIO

5 MOEDA E CRÉDITO. ipea SUMÁRIO 5 MOEDA E CRÉDITO SUMÁRIO Na reunião de fevereiro último, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a meta para a taxa Selic em 25 pontos-base (pb), fazendo-a chegar a 10,75% ao ano (a.a.). Essa redução

Leia mais

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009 Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009 Agenda Estrutura do Mercado de Cartões Principais Números da Indústria de Cartões no Brasil Situação Atual da Indústria

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

105,9% 105,4% 102,5% 102,8% 102,9% 101,1% 102,7% 104,0% 105,5% 30,7% 31,1% 30,5% 31,0% 31,5% 32,2% 32,2% 32,8% 33,9% 35,5%

105,9% 105,4% 102,5% 102,8% 102,9% 101,1% 102,7% 104,0% 105,5% 30,7% 31,1% 30,5% 31,0% 31,5% 32,2% 32,2% 32,8% 33,9% 35,5% FINANCIAMENTO EMPRESAS, GOVERNO E FAMÍLIAS INFORMATIVO MENSAL DEZEMBRO/2011 1. FINANCIAMENTO GERAL DE ENTIDADES NÃO FINANCEIRAS: DÍVIDA CONSOLIDADA. O Financiamento geral consolidado de entidades não financeiras,

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander.

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander. ANÁLISE COMPARATIVA RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2013 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza & Papel dos Bancos como Alavancadores do Crescimento do Setor

Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza & Papel dos Bancos como Alavancadores do Crescimento do Setor MB ASSOCIADOS XVIII Congresso Fenabrave Federação Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores Curitiba, 22 de agosto de 2008 1 Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza

Leia mais

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços.

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. Construção Civil Construção Civil Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. edificações residenciais; edificações

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

CAIXA e o NORDESTE. NELSON ANTÔNIO DE SOUZA SUPERINTENDENTE NACIONAL DA ÁREA B - NORDESTE Novembro de 2009

CAIXA e o NORDESTE. NELSON ANTÔNIO DE SOUZA SUPERINTENDENTE NACIONAL DA ÁREA B - NORDESTE Novembro de 2009 CAIXA e o NORDESTE NELSON ANTÔNIO DE SOUZA SUPERINTENDENTE NACIONAL DA ÁREA B - NORDESTE Novembro de 2009 ATENDIMENTOS CAIXA Total de Transações 921 milhões em terminais de Auto- Atendimento 131 milhões

Leia mais

SINCOR-SP 2016 FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 6 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

Mercado de Capitais 18/08/2015

Mercado de Capitais 18/08/2015 Mercado de Capitais 18/08/2015 O que é Cetip? CTIP3; Novo Mercado; Integradora do mercado financeiro; Utiliza a tecnologia para oferecer serviços de infraestrutura; Maior depositária de títulos de renda

Leia mais

1. Atividade Econômica

1. Atividade Econômica Julho/212 O Núcleo de Pesquisa da FECAP apresenta no seu Boletim Econômico uma compilação dos principais indicadores macroeconômicos nacionais que foram publicados ao longo do mês de referência deste boletim.

Leia mais

Perspectivas para o crédito imobiliário em 2015. José Aguiar Superintendente Abecip

Perspectivas para o crédito imobiliário em 2015. José Aguiar Superintendente Abecip Perspectivas para o crédito imobiliário em 2015 José Aguiar Superintendente Abecip São Paulo, 29 de Outubro de 2014 AGENDA: Overview Pilares do crescimento Crédito imobiliário: situação atual E o funding?

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA CONTRATO 07/2013 EXERCÍCIO 2013 jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 Número da Nota Fiscal emitida - - - - - - 92 99 110 121/133-157 - - Depósitos realizados

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira

Panorama da Economia Brasileira Panorama da Economia Brasileira Nelson Barbosa Secretário de Política Econômica Brasília, 23 de novembro de 2009 1 PRODUÇÃO INDUSTRIAL Índice com ajuste sazonal (jan/2007 = 100) 115 110 110,9 105 101,89

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional Dez/14 e 2014 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3.022 bilhões em dezembro de 2014, após expansão

Leia mais

Experiência do BNDES no Financiamento ao Setor de Bens de Capital

Experiência do BNDES no Financiamento ao Setor de Bens de Capital Experiência do BNDES no Financiamento ao Setor de Bens de Capital Fabio Stefano Erber Diretor Jose Oswaldo Barros de Souza Superintendente Caio Britto de Azevedo Chefe do DEPIP Rio de Janeiro Julho de

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de Juros Reais e Expectativas de Mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de Juros Reais e Expectativas de Mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic III Mercado Financeiro e de Capitais Taxas de Juros Reais e Expectativas de Mercado A taxa Selic efetiva totalizou 8,2% em 213 e a taxa Selic real acumulada no ano, deflacionada pelo IPCA, atingiu 2,2%.

Leia mais

Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL

Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL Papel das Centrais de Informações Comerciais Os objetivos das centrais de informação de crédito são: Apoio à gestão de risco de crédito para

Leia mais

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIO GLOBAL Crescimento global de 3,4 % em 2013 O mundo retoma a média histórica de crescimento (3,4% a.a) Zona do Euro sai da recessão Os EEUU

Leia mais

Brasil: Perspectivas para o setor bancário e o mercado de crédito. Espírito Santo, 06/04/2015. Murilo Portugal Presidente

Brasil: Perspectivas para o setor bancário e o mercado de crédito. Espírito Santo, 06/04/2015. Murilo Portugal Presidente Brasil: Perspectivas para o setor bancário e o mercado de crédito Espírito Santo, 06/04/2015 Murilo Portugal Presidente 1 or Bancário O sistema bancário brasileiro comporta atualmente 132 bancos múltiplos,

Leia mais

SINCOR-SP 2015 NOVEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 NOVEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS NOVEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 SUMÁRIO Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita de

Leia mais

Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL. Outubro de 2010

Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL. Outubro de 2010 Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL Outubro de 2010 Aviso Esta apresentação contém declarações prospectivas. Tais informações não são apenas fatos históricos, mas refletem as metas e as expectativas

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS CENTRO DE ESTUDOS DE CEMEC

MERCADO DE CAPITAIS CENTRO DE ESTUDOS DE CEMEC 10º. SEMINÁRIO CEMEC DE MERCADO DE CAPITAIS CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Financiamento de Investimentos no Brasil e nas Empresas São Paulo 29/Novembro/2011 10º. SEMINÁRIO CEMEC DE MERCADO

Leia mais

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas CICLO APIMEC 2010 Índice RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas 3 RS no Brasil DADOS DEMOGRÁFICOS RS BRASIL População

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

PESQUISA ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - MARÇO DE 2013 -

PESQUISA ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - MARÇO DE 2013 - PESQUISA DE ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - - Pesquisa de Aluguéis de Imóveis em Goiânia Índice Apresentação... pág. 02 Objetivo... pág. 02 Metodologia... pág. 02 Contratos reajustados e indicadores econômicos...

Leia mais

PESQUISA ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - AGOSTO DE 2013 -

PESQUISA ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - AGOSTO DE 2013 - PESQUISA DE ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - - Pesquisa de Aluguéis de Imóveis em Goiânia Índice Apresentação... pág. 02 Objetivo... pág. 02 Metodologia... pág. 02 Contratos reajustados e indicadores econômicos...

Leia mais

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS DEZEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

PESQUISA ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - DEZEMBRO DE 2013 -

PESQUISA ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - DEZEMBRO DE 2013 - PESQUISA DE ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - - Pesquisa de Aluguéis de Imóveis em Goiânia Índice Apresentação... pág. 02 Objetivo... pág. 02 Metodologia... pág. 02 Contratos reajustados e indicadores econômicos...

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP Ritmo da atividade econômica e mudança nas regras da poupança Grupo de Economia / Fundap Introdução A frustração com o ritmo de crescimento da economia brasileira é evidente. A produção industrial permaneceu,

Leia mais

Relatório da Pesquisa Conjuntural

Relatório da Pesquisa Conjuntural -12,3% -13, -13,5% -13,1% -12,7% -12,4% -12,7% -7,9% -9,3% -6,9% -2,7% -0,2% I Resultado Nacional Os dados divulgados no Relatório da Pesquisa Conjuntural, elaborados com base nas informações das empresas

Leia mais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais 1. Calcule o Valor Presente Líquido do fluxo de caixa que segue, para as taxas de desconto de 8% a.a., 10% a.a.

Leia mais

Banco Panamericano S.A. Release de Resultados 1T13

Banco Panamericano S.A. Release de Resultados 1T13 Banco Panamericano S.A. Release de Resultados 1T13 06 de Maio de 2013 Teleconferência - Português 07 de maio de 2013 10h00 (Brasília) / 09h00 (US-EST) Telefone de Conexão: +55(11) 3728-5971 Cód. de Acesso:

Leia mais

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL TESOURO DIRETO BALANÇO DE JULHO DE 2008

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL TESOURO DIRETO BALANÇO DE JULHO DE 2008 TESOURO DIRETO BALANÇO DE JULHO DE 2008 O Programa Tesouro Direto, que possibilita a aquisição de títulos públicos por parte de pessoas físicas pela internet, foi implementado pelo Tesouro Nacional em

Leia mais

ASSESSORIA DE IMPRENSA

ASSESSORIA DE IMPRENSA ASSESSORIA DE IMPRENSA Claudio Licciardi Celular: (11) 9.8258-0444 E-mail: prscc@dglnet.com.br JULHO DE 2015 VENDAS DE COTAS DE IMÓVEIS CRESCEM 40% E SISTEMA ULTRAPASSA UM MILHÃO DE ADESÕES NO PRIMEIRO

Leia mais

O crédito ao setor privado atingiu R$1.948 bilhões no final de 2011, após acréscimos de 2,2% no mês e de 18,9% em relação a dezembro de 2010.

O crédito ao setor privado atingiu R$1.948 bilhões no final de 2011, após acréscimos de 2,2% no mês e de 18,9% em relação a dezembro de 2010. O volume total de crédito do sistema financeiro, computadas as operações com recursos livres e direcionados, atingiu R$2.030 bilhões em dezembro, após crescimento mensal de 2,3%. Ao longo de 2011, o crédito

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

Informativo Semanal de Economia Bancária

Informativo Semanal de Economia Bancária 1 Comentário Semanal A semana começa ainda sob impacto do debate acerca da evolução do quadro fiscal e seus possíveis efeitos sobre o crescimento da economia e, conseqüentemente, sobre os juros em 2010.

Leia mais

Crédito no Cartão Evolução do saldo e análise da taxa de juros cobrada

Crédito no Cartão Evolução do saldo e análise da taxa de juros cobrada Crédito no Cartão Evolução do saldo e análise da taxa de juros cobrada Estudo elaborado por: Boanerges Ramos Freire boanerges@boanergesecia.com.br Rafael Durer rafael@boanergesecia.com.br Fabricio Winter

Leia mais

Série 34 E 35 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-14

Série 34 E 35 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-14 31-jan-14 a - Juros 6.691.919,50 a - Juros 1.672.979,81 b - Amortização 3.757.333,97 b - Amortização 939.333,65 a - Saldo atual dos CRI Seniors (984.936.461,48) b - Saldo atual dos CRI Junior (246.234.105,79)

Leia mais

Ativa Corretora. Novembro de 2010

Ativa Corretora. Novembro de 2010 Ativa Corretora Novembro de 2010 Roteiro A economia global passa por ajustes severos, quase que simultaneamente, o que torna o trabalho de previsão ainda mais complexo do que o normal. Existem ainda questões

Leia mais