MERCADO DE CAPITAIS CENTRO DE ESTUDOS DE CEMEC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MERCADO DE CAPITAIS CENTRO DE ESTUDOS DE CEMEC"

Transcrição

1 10º. SEMINÁRIO CEMEC DE MERCADO DE CAPITAIS CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Financiamento de Investimentos no Brasil e nas Empresas São Paulo 29/Novembro/2011

2 10º. SEMINÁRIO CEMEC DE MERCADO DE CAPITAIS SUMÁRIO 1. FINANCIAMENTO E CONJUNTURA MACROECONÔMICA 2. FINANCIAMENTO DO INVESTIMENTO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2.1 INVESTIMENTO E POUPANÇA 2.2 FONTES DE FINANCIAMENTO DO INVESTIMENTO PRIVADO 3. FINANCIAMENTO DO INVESTIMENTO DAS EMPRESAS 3.1 FINANCIAMENTO DO INVESTIMENTO - COMPANHIAS ABERTAS 3.2 FINANCIAMENTO DO INVESTIMENTO - COMPANHIAS FECHADAS 3.3 FINANCIAMENTO DO INVESTIMENTO EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS

3 1. FINANCIAMENTO E CONJUNTURA MACROECONÔMICA

4

5 Evoluçãodo Volume de Vendasdo ComércioVarejista taxasanuaisde variaçãono mêse acumuladodos últimos12 meses Fonte: PMC IBGE (*) relaçãomêst/mêst-12

6 40,0% Financiamento de entidades não financeiras - Mercado Doméstico Operações de Dívida -Taxa de Variação Anual (%) 35,0% 1. Setor Privado TOTAL 2. Setor Público 30,0% 25,0% 20,0% 15,0% 10,0% 5,0% 0,0%

7 45,0% 40,0% 35,0% Op. Crédito por Inst.Financeiras Públicas x Privadas Taxa de Variação Anual (%) Públicas Privadas Nacionais Privadas Estrangeiras 30,0% 25,0% 20,0% 15,0% 10,0% 5,0% 0,0% 1T08 2T08 3T08 4T08 1T09 2T09 3T09 4T09 1T10 2T10 3T10 4T10 1T11 2T11 3T11-5,0%

8 100,0% 90,0% Total de Crédito Bancário - Composição Percentual 21,4% 21,4% 21,0% 20,5% 19,8% 18,7% 18,2% 18,0% 17,6% 17,6% 17,4% 17,3% 17,2% 80,0% 70,0% 60,0% 44,1% 44,4% 42,8% 42,0% 41,6% 40,7% 40,3% 40,4% 40,1% 40,5% 40,8% 40,8% 40,8% 50,0% 40,0% 30,0% 20,0% 34,5% 34,2% 36,3% 37,5% 38,6% 40,6% 41,5% 41,5% 42,3% 41,9% 41,9% 41,9% 41,9% 10,0% 0,0% 2T08 3T08 4T08 1T09 2T09 3T09 4T09 1T10 2T10 3T10 4T10 1T11 2T11 Privadas Estrangeiras Privadas Nacionais Públicas

9 Exigível financeiro de pessoas jurídicas não financeiras -%PIB 40,0% 35,0% 30,0% 25,0% 20,0% 31,6% 3,6% 2,8% 6,0% 34,0% 33,6% 33,3% 4,4% 4,3% 3,7% 2,9% 2,8% 2,8% 6,6% 6,8% 6,9% 34,4% 34,8% 34,3% 34,9% 35,2% 3,3% 3,1% 3,1% 3,2% 2,9% 2,9% 2,8% 2,8% 2,7% 2,7% 8,0% 8,5% 8,5% 8,8% 9,1% 37,9% 36,3% 36,3% 36,8% 3,2% 3,3% 3,2% 3,7% 2,7% 2,7% 2,7% 2,7% 9,3% 9,2% 9,1% 9,3% 15,0% 10,0% 15,0% 15,7% 15,2% 15,1% 15,2% 15,2% 14,7% 14,9% 15,0% 15,1% 15,1% 15,4% 15,5% 5,0% 0,0% 4,2% 4,4% 4,4% 4,7% 5,0% 5,1% 5,2% 5,4% 5,5% 5,9% 6,1% 6,4% 6,6% Sep-08 Dec-08 Mar-09 Jun-09 Sep-09 Dec-09 Mar-10 Jun-10 Sep-10 Dec-10 Mar-11 Jun-11 Sep Títulos de Dívida Crédito Bancário - Recursos livres Crédito Direcionado BNDES Crédito Direcionado Rural 2. Mercado Internacional Total

10 100,0% Exigível Financeiro de Pessoa Jurídica não Financeira (Operações de Dívida nos Mercados) 90,0% 80,0% 70,0% 60,0% 79,7% 78,3% 78,7% 81,7% 84,5% 86,0% 86,2% 86,5% 87,5% 87,5% 87,3% 87,5% 86,3% 50,0% 40,0% 30,0% 20,0% 10,0% 0,0% 9,0% 8,8% 8,4% 7,3% 5,9% 5,0% 4,7% 4,3% 4,1% 3,7% 3,8% 3,9% 3,9% 11,3% 12,9% 12,9% 11,1% 9,6% 9,0% 9,2% 9,1% 8,4% 8,8% 9,0% 8,6% 9,8% set-08 dez-08 mar-09 jun-09 set-09 dez-09 mar-10 jun-10 set-10 dez-10 mar-11 jun-11 set-11 Moeda Estrangeira - Mercado Internacional Moeda Estrangeira - Mercado Doméstico Moeda Nacional - Mercado Doméstico

11 70,0% Exigível Financeiro de Pessoa Jurídica Percentual de Variação Anual (%) 60,0% 50,0% 40,0% 1. Mercado Doméstico TOTAL 2. Mercado Internacional 30,0% 20,0% 10,0% 0,0% -10,0% -20,0% -30,0%

12 45.0% 40.0% 35.0% 30.0% Exigível Financeiro de Pessoa Jurídica Percentual de Variação Anual (%) - CAMBIO CONGELADO Mercado Doméstico Total em Moeda Estrangeira Mercado Internacional 25.0% 20.0% 15.0% 10.0% 5.0% 0.0% Valores atualizados até Junho de 2011 Dados de Setembro estimados

13 60,0% Exigível Financeiro de Pessoa Jurídica Percentual de Variação Anual (%) - BNDES, Créd.Rural e Títulos de Dívida 50,0% 40,0% 30,0% 20,0% 10,0% 0,0% 1.1.Doméstico - Títulos de Dívida Crédito Direcionado BNDES Crédito Direcionado Rural 1.2. Doméstico - Crédito Bancário - Recursos livres

14

15 Carteira Consolidada de Ativos - taxas de variação anuais Fontes: Bacen, CVM, CETIP, BM&FBOVESPA, ABRAPP, SUSEP e Anbima - Elaboração CEMEC 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% -10% ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 Ações Tít. Privados de Captação Bancária Títulos Públicos Depósitos de Poupança Depósitos à Prazo Depósitos à Vista Títulos de Dívida Privada

16

17 DEBÊNTURES TAXA MÉDIA % DI 125 AAA AA A Jan/2007 a Setembro/2011

18

19 Custo de Capital de Terceiros Crédito Bancário (Aquisição de Bens), Debêntures, DI, TJLP e Média Geral PJ (% nominal ao ano) 35,0 35,0 30,0 30,0 25,0 25,0 % ao ano 20,0 15,0 10,0 20,0 15,0 10,0 5,0 5,0 0,0 - Crédito Bancário - Aq. Bens Debêntures TJLP DI Média Geral PJ

20 Custo de Capital Próprio Nominal (Método 2) versus Taxa Nominal de Debêntures 24,0% 22,0% 20,0% 18,0% 16,0% 14,0% 12,0% 21,6% 21,8% 20,3% 19,0% 18,4% 18,0% 18,3% 17,5% 17,3% 17,7% 17,2% 16,9% 16,4% 16,1% 15,7% 15,7% 15,9% 14,7% 14,2% 14,1% 13,7% 12,9% 13,2% 13,0% 13,4% 12,9% 13,3% 12,4% 12,4% 11,7% 10,0% 8,0% 1T08 2T08 3T08 4T08 1T09 2T09 3T09 4T09 1T10 2T10 3T10 4T10 1T11 2T11 3T11 Custo de Capital de Terceiros (Debêntures) Custo de Capital Próprio Nominal (Método 2)

21

22

23

24

25

26 2. FINANCIAMENTO DO INVESTIMENTO NA ECONOMIA BRASILEIRA

27 2.1 INVESTIMENTO E POUPANÇA

28 Composição do Investimento -em % do PIB 18,3% 18,0% 16,2% 15,8% 17,1% 16,2% 16,8% 18,3% 20,7% 17,8% 4,6% 4,4% 4,4% 4,4% 4,3% 4,1% 4,3% 4,3% 4,3% 4,6% 11,7% 11,5% 9,7% 9,8% 11,0% 10,2% 10,3% 11,8% 13,8% 10,5% 0,2% 0,1% 0,1% 0,0% 0,1% 0,2% 0,1% 0,1% 0,1% 0,1% 1,81% 1,99% 2,06% 1,51% 1,72% 1,75% 2,04% 2,10% 2,45% 2,57% Série5 Famílias e Inst. sem fins lucrativos Empresas Não Financeiras Empresas Financeiras

29 25,0% Investimentos e Poupança Nacional Bruta -em % do PIB 2,0% 20,0% 15,0% 10,0% 1,36% 1,14% 18,25% 18,03% 18,47% 0,83% 17,35% 17,58% 0,18% 15,95% 14,69% 13,96% 13,52% -1,51% 16,20% 15,77% 17,12% 16,21% 16,76% 20,69% 18,33% 16,51% 18,08% 18,77% -0,25% 14,65% -1,92% -1,86% 19,25% 19,25% 16,53% 16,73% 1,0% 0,0% -1,0% -2,0% 5,0% -2,71% -2,52% -3,0% -4,0% 0,0% -4,29% -4,51% acum. anual em 2T11 Investimento = FBCF + var. estoques Poupança Nacional Bruta Déficit (eixo da direita) -5,0% Fonte: IBGE Elaboração: CEMEC

30 Fonte: IBGE Obs.: FBCF das Adm. Públicas em 2010 e 2T2011 estimativa CEMEC

31 Nas últimas três décadas poupança do setor público caiu; 2010 pequena recuperação; poupança do setor privado é positiva e estável PERÍODO CARGA TRIBUTÁRIA BRUTA: % DO PIB POUPANÇA DO SETOR PÚBLICO: % DA CARGA TRIBUTÁRIA POUPANÇA SETOR PRIVADO: % (PIB menos CARGA TRIBUTÁRIA) ,9% 1,8% 27,3% ,8% -8,1% 26,1% ,0% -8,5% 28,7% Variação + 8,2 pontos de % -10,3 pontos de % +1,4 pontos de % ,6% -5,7% 27,8%

32

33

34

35 FONTES: IBGE, BACEN e IPEA. Elaboração: CEMEC Obs.: Poupança do Setor Público de 2010 estimada pelo CEMEC

36 Composição da Poupança Nacional Bruta -em % do PIB 14,0% 13,5% 14,7% 16,0% 18,5% 17,3% 17,6% 18,1% 18,8% 15,9% 5,2% 5,4% 5,7% 5,6% 5,2% 4,5% 4,7% 4,5% 4,5% 4,5% 10,8% 10,4% 8,9% 11,3% 12,6% 11,2% 11,5% 10,9% 11,8% 10,6% 1,2% -3,5% 2,3% 4,4% -4,8% -4,5% 2,5% 1,9% 2,8% -1,4% -1,3% -3,5% 4,0% 5,4% -2,8% -2,9% 3,0% 2,7% -0,7% -2,1% Série5 Famílias e Inst. sem fins lucrativos Empresas Não Financeiras Empresas Financeiras

37 2.2 FONTES DE FINANCIAMENTO DO INVESTIMENTO PRIVADO

38 Padrão de financiamento dos investimentos privados(fbcf): empresas e famílias no período de 2000 ao segundo trimestre de 2011 Adotou-se a metodologia de identificar os fluxos anuais das principais fontes de financiamento de médio e longo prazo disponíveis na economia brasileira nesse período e cuja destinação supõe-se ser prioritariamente destinada ao financiamento de investimentos Investimento Estrangeiro Direto; Desembolsos BNDES em financiamentos a empreendimentos e máquinas e equipamentos; Desembolsos FGTS em financiamentos à produção habitacional (construção e reforma) e saneamento; Desembolsos SBPE em financiamentos à produção habitacional (construção e reformas); Emissões externas (bond e notes) de empresas não financeiras pela taxa de câmbio média; Mercado de capitais: emissão primária de ações e títulos de dívida privada (debêntures de empresas não financeiras e Certificados de Recebíveis Imobiliários).

39

40 Padrão de Financiamento dos Investimentos de Empresas e Famílias 2000 a acumulado de 4 Trimestres terminados em 2T11 -em % do Total 1,1% 0,8% 1,0% 1,0% 1,9% 3,8% 2,0% 2,0% 1,7% 2,1% 3,1% 3,9% 3,6% 3,6% 5,1% 7,0% 3,4% 1,1% 7,8% 8,8% 8,7% 7,3% 5,0% 7,2% 5,2% 5,0% 9,0% 7,6% 4,8% 6,0% 2,4% 22,4% 13,2% 12,2% 18,9% 34,1% 27,0% 7,9% 9,4% 10,8% 8,9% 8,5% 8,7% 10,9% 11,5% 16,2% 12,0% 16,5% 10,0% 11,1% 9,7% 13,3% 12,2% 23,2% 13,3% 12,8% 14,5% 19,0% 22,4% 21,3% 49,1% 52,4% 66,5% 67,1% 58,9% 61,8% 57,7% 53,8% 56,8% 43,3% 37,1% 30,9% 3,2% 4,6% 8,2% 18,1% 13,0% 53,0% T11 Média 2000 a 2T11 RECURSOS PRÓPRIOS (poupança e lucros retidos) INVESTIMENTO ESTRANGEIRO DIRETO FONTES FINANC. MERCADO INTERNACIONAL DESEMBOLSO BNDES (FINEM e FINAME) MERCADO DE CAPITAIS HABITACIONAL (FGTS+SBPE)

41 Disponível das Cias Abertas Estoque de Disponível sobre estoques de PL e Ativo Variação do Disponível sobre variações do PL e Ativo 30% 25% 20% 15% 10% 5% 24% 20% 20% 8% 10% 10% 28% 27% 23% 11% 11% 12% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 24% 15% 43% 17% 16% 9% 58% 16% 20% 11% 26% 14% 0% % DISPONÍVEL/PL DISPONÍVEL/ATIVO DISPONÍVEL/PL DISPONÍVEL/ATIVO

42 Padrão de Financiamento dos Investimentos em Indústria e Infra estrutura ( ) (elaboração BNDES*) 100% 90% 80% 70% 60% 5,9% 8,1% 2,0% 2,0% 5,0% 7,0% 9,0% 10,0% 10,7% 13,0% 10,0% 19,0% 21,0% 26,1% 15,0% 7,0% 9,0% 17,0% 26,0% 15,6% 3,1% 6,1% 30,0% 3,7% 4,2% 8,9% 39,6% 50% 21,0% 40% 30% 20% 49,3% 57,0% 57,0% 42,0% 51,0% 45,3% 43,6% 10% 0% Média e 2009p e-estimado p-previsto Lucros Retidos BNDES Captações Externas Debêntures Ações * Ernani Torres Teixeira Filho - 3º Seminário de Finanças Corporativas Superintendente da Área de Pesquisa e Acompanhamento Econômico do BNDES

43 A) SIMULAÇÃO DE ALGUMAS FONTES DE FINANCIAMENTO DO INVESTIMENTO DE EMPRESAS E FAMÍLIAS HIPÓTESES DE SIMULAÇÃO Variáveis Cenário I Cenário II PIB 4,5% 5,0% INVESTIMENTO EM FBCF NECESSÁRIO 21,0% 25,0% IED média expectativa média expectativa FOCUS 2011/2015 FOCUS 2011/2015 RECURSOS PRÓPRIOS média histórica máximo histórico 2005/ /2010 desembolsos BNDES (finame e finem) média histórica pouco acima da 2005/2010 média histórica HABITACIONAL - apoio à produção CAPTAÇÃO EXTERNA o dobro da média histórica 2005/2010, pouco acima do máximo máximo histórico 2005/2010 Obs.: BNDES com ausência de transferências do Tesouro a partir de % acima do máximo histórico 2005/2010 máximo histórico 2005/2010

44 B) CRESCIMENTO DE 4,5 A 5,0% a.a. REQUER DOBRAR OU TRIPLICAR A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE CAPITAIS DE em % do PIB Média 05/ PROJEÇÃO Cenário I Cenário II PIB (IBGE) 4,5% 5,0% INVESTIMENTO EM FBCF (IBGE) (1) 17,4% 18,4% 21,0% 25,0% (-) Investimento Administração Pública (2) -2,1% -2,7% -2,7% -2,7% INVESTIMENTO EMPRESAS E FAMÍLIAS (IBGE) (3)=(1)-(2) 15,2% 15,7% 18,3% 22,3% INVESTIMENTO ESTRANGEIRO DIRETO -2,1% -2,3% -2,1% -2,1% DESEMBOLSO BNDES (FINEM e FINAME) (4) -2,3% -3,5% -2,3% -2,4% HABITACIONAL (FGTS+SBPE) (5) -0,7% -1,3% -1,4% -1,9% RECURSOS PRÓPRIOS (poupança e lucros retidos) (6) -7,5% -5,8% -7,5% -9,3% NECESSIDADE DE FINAN. ADICIONAL (7) = (3) -(4 a 6) 2,6% 2,8% 5,0% 6,5% FINANC. MERCADO INTERNACIONAL (8) -0,8% -0,8% -1,2% -1,2% MERCADO DE CAPITAIS (9) 1,8% 2,0% 3,8% 5,3%

45 3. FINANCIAMENTO DO INVESTIMENTO DAS EMPRESAS

46 3.1 FINANCIAMENTO DO INVESTIMENTO COMPANHIAS ABERTAS

47 Amostra Cias Abertas Todas as companhias abertas ativas na Bovespa, excluindo: Bancos Seguradoras Fundos Holdings Total: 322 empresas Fontes: Economatica; IBGE; Melhores& Maiores; Cemec. Período 2005 a 2010

48 Financiamento do Investimento - Cias Abertas Período Financiamento do Investimento em Imobilizado Financiamento do Investimento em Ativo Total 36% 27% 26% 43% 31% 20% 15% Emissões Primárias Lucros Retidos Emissões Primárias Lucros Retidos Dívida Dívida Pas. Não Oneroso R$ Mil Emissões Primárias Lucros Retidos Nota: as contas constituem o somatório das variações (fluxos) no período Dívida Passivo Não Oneroso

49 Financiamento do Investimento - Cias Abertas (Excluindo Petrobras) Período Financiamento do Investimento em Imobilizado Financiamento do Investimento em Ativo Total 41% 32% 28% 45% 14% 31% 9% Emissões Primárias Lucros Retidos Dívida Emissões Primárias Lucros Retidos Dívida Pas. Não Oneroso R$ Mil Emissões Primárias Lucros Retidos Dívida Passivo Não Oneroso

50 Cias Abertas Fluxos Anuais: Variação de Saldos - Imobilizado, Exigível Financeiro e Patrimônio Líquido (em bilhões R$): correlação maior com dívida Correlações Imob_Dívida 0,88 Imob_PL 0, Imobilizado Dívida PL

51 Cias Abertas Sub Amostras Fluxos Anuais: Variação de Saldos -Imobilizado, Exigível Financeiro e Patrimônio Líquido (em bilhões R$): correlação maior com PL na amostra Petro e Vale. Amostra: Petro e Vale Amostra: Total (-) Petro e Vale (50) (20) Imobilizado Dívida PL Imobilizado Dívida PL Correlações Imob_Dívida 0,24 Imob_PL 0,98 Correlações Imob_Dívida 0,76 Imob_PL 0,30

52 Cias Abertas Fluxos Anuais: Variação de Saldos - Ativo, Exigível Financeiro e Patrimônio Líquido (em bilhões R$): correlação maior com dívida Correlações Ativo_Dívida 0,95 Ativo_PL 0, (50) Ativo Dívida PL

53 Cias Abertas Sub Amostras Fluxos Anuais: Variação de Saldos Ativo, Exigível Financeiro e Patrimônio Líquido (em bilhões R$): correlação maior com PL na amostra Petro e Vale. Amostra: Petro e Vale Amostra: Total (-) Petro e Vale (50) Ativo Dívida PL (50) Ativo Dívida PL Correlações Ativo_Dívida 0,37 Ativo_PL 0,95 Correlações Ativo_Dívida 0,84 Ativo_PL 0,61

54 Custo Médio do Passivo Oneroso x ROA: alavancagem é rentável Cias Abertas 12% 16% 11% 15% 15% 15% 14% 11% 13% 9% 8% 8% Desp. Fin. (Líq. IR)/Passivo Oneroso ROA Notas: Considerou-se no cálculo valores médios de passivo oneroso e ativo; Retorno Sobre Ativo = (Lucro Líquido + Desp. Fin. Líq. IR) / (Ativo - Passivo de Funcionamento).

55 Custo de Capital Próprio Nominal (Método 2) versus Taxa Nominal de Debêntures 24,0% 22,0% 20,0% 18,0% 16,0% 14,0% 12,0% 21,6% 21,8% 20,3% 19,0% 18,4% 18,0% 18,3% 17,5% 17,3% 17,7% 17,2% 16,9% 16,4% 16,1% 15,7% 15,7% 15,9% 14,7% 14,2% 14,1% 13,7% 12,9% 13,2% 13,0% 13,4% 12,9% 13,3% 12,4% 12,4% 11,7% 10,0% 8,0% 1T08 2T08 3T08 4T08 1T09 2T09 3T09 4T09 1T10 2T10 3T10 4T10 1T11 2T11 3T11 Custo de Capital de Terceiros (Debêntures) Custo de Capital Próprio Nominal (Método 2)

56 Leverage Companhias Abertas 1,42 1,47 1,34 1,51 1,45 1,30 0,65 0,69 0,58 0,73 0,72 0, Passivo Oneroso/PL Passivo/PL Notas: Considerou-se no cálculo valores médios do patrimônio líquido.

57 Custo Médio do Passivo das Cias Abertas versus Taxa Nominal de Debêntures 22% 18% 16% 17% 15% 14% 12% 15% 12% 13% 13% 13% Desp. Financeira/Passivo Oneroso Taxa Nominal Estimada para Debêntures Nota: Custo Médio do Passivo Oneroso = Desp. Financeira Bruta / Passivo Oneroso.

58 3.2 FINANCIAMENTO DO INVESTIMENTO COMPANHIAS FECHADAS

59 Financiamento do Investimento - Maiores Cias Fechadas Imobilizado Ano No. Cias Fechadas Disponibilidade Imob. Total Dívida PL Ativo Total R$ Mil ( ) ( ) Nota: Fluxos anuais (variação de saldos) Disponibilidade Imobilizado Dívida PL Correlação do Imobilizado com: Disponível -0,73 Dívida 0,89 PL 0,16

60 Financiamento do Investimento - Maiores Cias Fechadas Ativo Total Ano No. Cias Fechadas Disponibilidade Imob. Total Dívida PL Ativo Total R$ Mil ( ) Nota: Fluxos anuais (variação de saldos) Disponibilidade Ativo Total Dívida PL Correlação do Ativo com: Disponível -0,84 Dívida 0,91 PL 0,09

61 Financiamento do Investimento - Maiores Cias Fechadas Período Composição: Financiamento do Investimento em Imobilizado Composição: Financiamento do Investimento em Ativo Total 73% 49% 33% 27% 18% Passivo Oneroso Patrimônio Líquido Passivo Oneroso Passivo Não Oneroso Patrimônio Líquido

62 Custo Médio do Passivo Oneroso x Retorno sobre o Ativo (ROA) Maiores Cias Fechadas 22,9% 12,9% 14,1% 14,9% 11,8% 12,8% 13,9% 11,4% 11,6% 11,7% 13,2% 12,5% Desp. Fin. (Líq. IR)/Passivo Oneroso ROA Notas: Considerou-se no cálculo valores médios de passivo oneroso e ativo; Retorno Sobre Ativo = (Lucro Líquido + Desp. Fin. Líq. IR) / (Ativo - Passivo de Funcionamento).

63 Retorno sobre o Ativo (ROA) versus Retorno sobre Patrimônio Líquido (ROE) Maiores Cias Fechadas 12,9% 13,6% 11,8% 11,9% 14,1% 13,3% 12,8% 10,0% 15,8% 14,9% 13,9% 14,5% ROA ROE Notas: Considerou-se no cálculo valores médios de ativo e patrimônio líquido; Retorno Sobre Ativo = (Lucro Líquido + Desp. Fin. Líq. IR) / (Ativo - Passivo de Funcionamento); Retorno Sobre Patrimônio Líquido = Lucro Líquido / Patrimônio Líquido.

64 Leverage Maiores Cias Fechadas 1,14 1,13 1,08 1,29 1,22 1,17 0,42 0,42 0,40 0,52 0,43 0, Passivo Oneroso/PL Passivo/PL Notas: Considerou-se no cálculo valores médios do patrimônio líquido.

65 3.3 FINANCIAMENTO DO INVESTIMENTO EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS

66 Estimativa Outras Cias Fechadas Nota: Supõe-se que a relação Valor Adicionado/ Ativo Total para as Outras fechadas seja equivalente da relação obtida para as maiores fechadas, que é de 32,9%. A partir disto e dos dados de Contas Nacionais, estima-se o Ativo Total e o PL Total o que permite obter os dados das outras cias fechadas. Custo da Dívida = Desp. Fin. Líq. IR/Pass. Oneroso médio ROA = (Luc. Líq. + Desp. Fin. Liq. IR) / (Ativo (-) Passivo de Funcionamento (médio)) ROE = Luc. Líq. / PL médio 66

67 Custo de Capital Nota: Taxas Nominais Custo Médio do Passivo Oneroso = Desp. Fin. / Passivo Oneroso Médio 67

68

69 Obrigado CEMEC: (11)

Financiamento de Investimentos no Brasil e nas Empresas -FIESP

Financiamento de Investimentos no Brasil e nas Empresas -FIESP CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Financiamento de Investimentos no Brasil e nas Empresas -FIESP 06/03/2012 São Paulo FINANCIAMENTO DE INVESTIMENTOS NO BRASIL E NAS EMPRESAS SUMÁRIO 1. CEMEC:

Leia mais

Custo de Capital das Empresas Industriais e as Novas Oportunidades do Mercado de Capitais -FIESP

Custo de Capital das Empresas Industriais e as Novas Oportunidades do Mercado de Capitais -FIESP CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Custo de Capital das Empresas Industriais e as Novas Oportunidades do Mercado de Capitais -FIESP 12/03/2012 São Paulo C. A. Rocca INDICE 1. CEMEC: natureza,

Leia mais

Financiamento do Investimento no Brasil

Financiamento do Investimento no Brasil ESTUDOS E PESQUISAS Nº 407 Financiamento do Investimento no Brasil Carlos A. Rocca * Fórum Especial Na Grande Recessão Novo Modelo de Desenvolvimento e Grandes Oportunidades (Como em 1929): New Deal Verde.

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL. Abril 2015

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL. Abril 2015 RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL Abril 2015 Equipe Técnica: Diretor: Carlos Antônio Rocca Superintendente: Lauro Modesto Santos Jr. Analistas: Elaine Alves Pinheiro e Fernando

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL- 2012/2013

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL- 2012/2013 ESTUDO ESPECIAL REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL- 2012/2013 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Novembro 2013 SUMÁRIO 1. Sumário e conclusões... 3 2. Entre

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL Outubro 2013 SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Visão macroeconômica: investimento e poupança na economia brasileira... 4 3. Padrão de financiamento

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC SEMINÁRIO BANCO MUNDIAL CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Financiamento de Investimentos no Brasil São Paulo 28/Abril/2011 SEMINÁRIO BANCO MUNDIAL SUMÁRIO 1. COMO AS EMPRESAS BRASILEIRAS SE

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC INFORMATIVO CEMEC MENSAL - POUPANÇA FINANCEIRA. Outubro

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC INFORMATIVO CEMEC MENSAL - POUPANÇA FINANCEIRA. Outubro CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS INFORMATIVO CEMEC MENSAL - POUPANÇA FINANCEIRA Outubro 2011 ÍNDICE 1. Objetivo do Relatório... 3 1. Análise da Poupança

Leia mais

Workshop Financiamento da Economia Brasileira. INVESTIMENTOS Cenário e Simulações

Workshop Financiamento da Economia Brasileira. INVESTIMENTOS Cenário e Simulações Workshop Financiamento da Economia Brasileira III - FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS Cenário e Simulações Brasília 15/Setembro/2010 - Objetivo CENTRO DE ESTUDOS DE Utilizar a visão consolidada do sistema

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC RELATÓRIO CEMEC MENSAL DE DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA. Junho

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC RELATÓRIO CEMEC MENSAL DE DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA. Junho CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS RELATÓRIO CEMEC MENSAL DE DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA Junho 2011 ÍNDICE 1. Objetivo do Relatório... 3 2. Modelo

Leia mais

Proposta do Ibmec estratégia nacional de acesso ao mercado de capitais

Proposta do Ibmec estratégia nacional de acesso ao mercado de capitais ESTUDOS E PESQUISAS Nº 417 Proposta do Ibmec estratégia nacional de acesso ao mercado de capitais Carlos A. Rocca * XXIV Fórum Nacional Rumo ao Brasil Desenvolvido (Em Duas Décadas): Estratégia de Desenvolvimento

Leia mais

PROPOSTA DO IBMEC PROJETO ACESSO DAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS SÃO PAULO 29/06/2012

PROPOSTA DO IBMEC PROJETO ACESSO DAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS SÃO PAULO 29/06/2012 PROPOSTA DO IBMEC PROJETO ACESSO DAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS CEMEC SÃO PAULO 29/06/2012 C.A.ROCCA INDICE 1. Bases da proposta do IBMEC 2. Mercado de capitais brasileiro: regulação, funcionalidade

Leia mais

NOTA CEMEC 09/2015 COMPOSIÇÃO DA DÍVIDA DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS

NOTA CEMEC 09/2015 COMPOSIÇÃO DA DÍVIDA DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS NOTA CEMEC 09/2015 COMPOSIÇÃO DA DÍVIDA DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS Novembro de 2015 SUMÁRIO NOTA CEMEC 09/2015 São apresentadas adiante estimativas da composição da divida (exigível financeiro) das empresas

Leia mais

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015 Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Mercado Imobiliário Brasileiro - VGL 2011-7% 2012 13% 2013 R$ 85,6 bilhões R$ 79,7 bilhões R$ 90,4 bilhões

Leia mais

Mercado de Capitais 18/08/2015

Mercado de Capitais 18/08/2015 Mercado de Capitais 18/08/2015 O que é Cetip? CTIP3; Novo Mercado; Integradora do mercado financeiro; Utiliza a tecnologia para oferecer serviços de infraestrutura; Maior depositária de títulos de renda

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

HSM EXPOMANAGEMENT 2014 Mercado de Capitais e Direito Internacional PAINEL 5

HSM EXPOMANAGEMENT 2014 Mercado de Capitais e Direito Internacional PAINEL 5 HSM EXPOMANAGEMENT 2014 Mercado de Capitais e Direito Internacional PAINEL 5 ACESSO DAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS 04 DE NOVEMBRO DE 2014 INSTITUTO IBMEC MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Centro de Estudos

Leia mais

Panorama do Mercado de Crédito

Panorama do Mercado de Crédito Panorama do Mercado de Crédito FEBRABAN Dezembro de 2011 Rubens Sardenberg Economista-chefe ÍNDICE I. Evolução do Crédito II. Pessoa Física III. Pessoa Jurídica IV. Inadimplência V. Spread VI. Projeções

Leia mais

1. Objetivo e Descrição do fundo

1. Objetivo e Descrição do fundo FATOR VERITÀ FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ: 11.664.201/0001-00 Administrado pelo Banco Fator S.A. CNPJ: 33.644.196/0001-06 RELATÓRIO SEMESTRAL 1º. SEM. 2012 1. Objetivo e Descrição do fundo

Leia mais

Dyogo Henrique de Oliveira. Secretário-Executivo Adjunto do Ministério da Fazenda

Dyogo Henrique de Oliveira. Secretário-Executivo Adjunto do Ministério da Fazenda 1 Dyogo Henrique de Oliveira Secretário-Executivo Adjunto do Ministério da Fazenda 2 Conferência Cetip de Renda Fixa Desenvolvimento do Mercado de Renda Fixa de Longo Prazo no Brasil Dyogo Henrique de

Leia mais

105,9% 105,4% 102,5% 102,8% 102,9% 101,1% 102,7% 104,0% 105,5% 30,7% 31,1% 30,5% 31,0% 31,5% 32,2% 32,2% 32,8% 33,9% 35,5%

105,9% 105,4% 102,5% 102,8% 102,9% 101,1% 102,7% 104,0% 105,5% 30,7% 31,1% 30,5% 31,0% 31,5% 32,2% 32,2% 32,8% 33,9% 35,5% FINANCIAMENTO EMPRESAS, GOVERNO E FAMÍLIAS INFORMATIVO MENSAL DEZEMBRO/2011 1. FINANCIAMENTO GERAL DE ENTIDADES NÃO FINANCEIRAS: DÍVIDA CONSOLIDADA. O Financiamento geral consolidado de entidades não financeiras,

Leia mais

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008 1 Crise Financeira Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo Nelson Barbosa Novembro de 20 1 2 Impactos da Crise Financeira nas Economias Avançadas Primeiro impacto: grandes perdas patrimoniais, crise

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 NOTAS CEMEC 01/2015 REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Fevereiro de 2015 1 1. Introdução No Estudo Especial CEMEC de novembro

Leia mais

Trabalho de Discussão Interna - TDI CEMEC 05

Trabalho de Discussão Interna - TDI CEMEC 05 CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Trabalho de Discussão Interna - FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL E O PAPEL DO MERCADO DE CAPITAIS Junho 2011 SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Visão

Leia mais

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

ELEMENTOS PARA UMA ESTRATÉGIA NACIONAL DE ACESSO AO MERCADO DE CAPITAIS MARÇO 2013

ELEMENTOS PARA UMA ESTRATÉGIA NACIONAL DE ACESSO AO MERCADO DE CAPITAIS MARÇO 2013 ELEMENTOS PARA UMA ESTRATÉGIA NACIONAL DE ACESSO AO MERCADO DE CAPITAIS MARÇO 2013 Carlos A. Rocca Lauro M. dos Santos Jr 1 INDICE 1. Objetivo e foco do projeto 2. Colocação do problema 3. Financiamento

Leia mais

Instrumentos de Financiamento Imobiliário no Brasil Jorge Sant Anna

Instrumentos de Financiamento Imobiliário no Brasil Jorge Sant Anna Instrumentos de Financiamento Imobiliário no Brasil Jorge Sant Anna 1 Março /2010 Evolução do Financiamento Imobiliário 1964 Base Legal Sistema Financeiro de Habitação Lei 4.328 /64 Lei 5.170/66 1997 Base

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Fevereiro 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Fevereiro 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Fevereiro 2012 DISCUSSÃO SOBRE O ATUAL NÍVEL DE ENDIVIDAMENTO DAS EMPRESAS DE REAL ESTATE Fernando Ferreira de Araujo Souza O ano de 2012

Leia mais

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL SEMINARIO FIESP REINDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL: CHAVE PARA UM PROJETO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO 4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL 26 agosto 2013 Carlos

Leia mais

Coletiva de Imprensa. 1º Trimestre 2012

Coletiva de Imprensa. 1º Trimestre 2012 Coletiva de Imprensa 1º Trimestre 2012 25 de abril de 2012 ABECIP ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POUPANÇA Agenda 1 - Ambiente Macroeconômico 2 - Financiamento Imobiliário

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

RELATÓRIO CEMEC 06 COMPARAÇÕES INTERNACIONAIS

RELATÓRIO CEMEC 06 COMPARAÇÕES INTERNACIONAIS RELATÓRIO 06 COMPARAÇÕES INTERNACIONAIS Setembro/2012 COMPARAÇÕES INTERNACIONAIS Apresentação O objetivo deste relatório é apresentar alguns indicadores que permitam a comparação do desempenho econômico-financeiro

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic III Mercado Financeiro e de Capitais Taxas de juros reais e expectativas de mercado A meta para a taxa Selic foi mantida durante o primeiro trimestre de 21 em 8,75% a.a. Em resposta a pressões inflacionárias

Leia mais

Coletiva de Imprensa - ABECIP. Índice

Coletiva de Imprensa - ABECIP. Índice Coletiva de Imprensa - ABECIP Índice 1. Ambiente Macroeconômico 2. Mercado Imobiliário 3. Financiamento Imobiliário - SBPE 4. Inadimplência 5. Ativos Financeiros 6. Poupança SBPE 7. Expectativas 2013 2

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 (dados junho de 2015) A SPE não é a fonte primária das informações disponibilizadas nesta apresentação. A SPE apenas consolida e organiza as informações

Leia mais

Balanço de Pagamentos

Balanço de Pagamentos Balanço de Pagamentos Agosto/2015 22 de setembro de 2015 Resumo dos Resultados Em agosto de 2015, o déficit em Transações Correntes foi de US$ 2,5 bilhões, resultado superior ao observado em agosto de

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 Fevereiro de 2015 NOTA CEMEC 1 02/2015 SUMÁRIO São apresentadas estimativas

Leia mais

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Em Abril de 2009, operações de crédito atingiram

Leia mais

AJUSTE FISCAL E A RECUPERAÇÃO DO INVESTIMENTO 25/06/2014

AJUSTE FISCAL E A RECUPERAÇÃO DO INVESTIMENTO 25/06/2014 14º SEMINARIO CEMEC DE MERCADO DE CAPITAIS AJUSTE FISCAL E A RECUPERAÇÃO DO INVESTIMENTO 25/06/2014 Carlos A. Rocca INDICE 1. Ajuste fiscal e retomada do crescimento 2. Visão Macro: poupança, investimento

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

EXAME FORUM INFRAESTRUTURA

EXAME FORUM INFRAESTRUTURA EXAME FORUM INFRAESTRUTURA O MERCADO DE CAPITAIS E O FINANCIAMENTO DA INFRAESTRUTURA Carlos A. Rocca 24092014 CEMEC Centro de Estudos do IBMEC INDICE 1. Colocação do problema 2. A necessidade de um novo

Leia mais

BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15

BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15 BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15 Brasília, 26 de agosto de 2015 O BRB - Banco de Brasília S.A., sociedade de economia mista, cujo acionista majoritário é o Governo de Brasília, anuncia seus resultados do

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas CICLO APIMEC 2010 Índice RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas 3 RS no Brasil DADOS DEMOGRÁFICOS RS BRASIL População

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL - 2010-2013

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL - 2010-2013 VERSÃO FINAL F ESTUDO ESPECIAL REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL - 2010-2013 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Novembro de 2014 INDICE 1. RESUMO E CONCLUSÕES...

Leia mais

Filipe F. Pontual Diretor Executivo - ABECIP

Filipe F. Pontual Diretor Executivo - ABECIP Filipe F. Pontual Diretor Executivo - ABECIP Fortaleza CE, Brasil 4 de outubro de 2013 Pauta Descolamento recente: Renda X Preço dos Imóveis Uma Breve História o Pré estabilização o Pós estabilização Crédito

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

Política Fiscal do Brasil: pós-crise x pré-crise?

Política Fiscal do Brasil: pós-crise x pré-crise? Política Fiscal do Brasil: pós-crise x pré-crise? José Roberto R. Afonso ANBIMA 14/6/213 2 Pós-Crise Metas Fiscais: contabilidade criativa esconde mudanças mais profundas como modelo de crescente endividamento

Leia mais

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito 3 ago 2006 Nº 7 O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito Por Ernani Teixeira Torres Filho Superintendente da SAE Nas crises, sistema bancário contrai o crédito. BNDES atua em sentido contrário e sua

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022 2.7 Financiamento Por que Financiamento? O ritmo de crescimento de uma economia e a competitividade da sua indústria dependem da disponibilidade de recursos para investimento e da capacidade do sistema

Leia mais

A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015

A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015 A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015 A RETOMADA DOS INVESTIMENTOS E O MERCADO DE CAPITAIS Sumário I. O MERCADO DE TÍTULOS DE DÍVIDA PRIVADA NO BRASIL II. A AGENDA

Leia mais

O cenárioeconômicoe as MPE. Brasília, 1º de setembro de 2010. Luciano Coutinho

O cenárioeconômicoe as MPE. Brasília, 1º de setembro de 2010. Luciano Coutinho O cenárioeconômicoe as MPE Brasília, 1º de setembro de 2010 Luciano Coutinho O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira pode crescer acima de 5% a.a. nos próximos cinco

Leia mais

Ministério da Fazenda. Conferência Internacional de Crédito Imobiliário Salvador - Bahia

Ministério da Fazenda. Conferência Internacional de Crédito Imobiliário Salvador - Bahia Conferência Internacional de Crédito Imobiliário Salvador - Bahia Novembro 2007 1 Política Governamental e Propostas para Combate do Déficit Habitacional Crédito Imobiliário: Desenvolvendo Mecanismos de

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação Nesta 17ª Carta de Conjuntura da Saúde Suplementar, constam os principais indicadores econômicos de 2011 e uma a n á l i s e d o i m p a c t o d o crescimento da renda e do emprego sobre o

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL Comissão de Acompanhamento da Crise Financeira e da Empregabilidade 26 DE MARÇO DE 2009 Fábio Colletti Barbosa Presidente ÍNDICE 1. A Crise Financeira Mundial 2. O Brasil, a Crise

Leia mais

Perspectivas para o crédito imobiliário em 2015. José Aguiar Superintendente Abecip

Perspectivas para o crédito imobiliário em 2015. José Aguiar Superintendente Abecip Perspectivas para o crédito imobiliário em 2015 José Aguiar Superintendente Abecip São Paulo, 29 de Outubro de 2014 AGENDA: Overview Pilares do crescimento Crédito imobiliário: situação atual E o funding?

Leia mais

Volume de crédito segue em expansão em 2008

Volume de crédito segue em expansão em 2008 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 25-03-2008) Edição de 25 de março de 2008 Volume de crédito segue em expansão em 2008 O ritmo

Leia mais

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07 113 6. SETOR EXTERNO Fernando Ribeiro de Leite Neto 6.1 Balanço de Pagamentos 6.1.1 Resultado Global do Balanço de Pagamentos Ao longo de 2006, o setor externo da economia brasileira logrou registrar o

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Vida Feliz Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES

INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES O Instituto Assaf comparou diversos indicadores de desempenho dos bancos grandes e dos bancos médios de 2009 a 2011. Primeiramente

Leia mais

Comitê Estratégico de Economia - AMCHAM São Paulo, 2 de setembro de 2010

Comitê Estratégico de Economia - AMCHAM São Paulo, 2 de setembro de 2010 Desafiosdo BNDES no ciclode investimentos em curso na economia brasileira Comitê Estratégico de Economia - AMCHAM São Paulo, 2 de setembro de 2010 Luciano Coutinho A trajetória recente da economia brasileira

Leia mais

Divulgação de Resultados 2014

Divulgação de Resultados 2014 São Paulo - SP, 10 de Fevereiro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity

Leia mais

Osvaldo Correa Fonseca Diretor Geral da ABECI P Rio de Janeiro, 16/ 5/ 2007

Osvaldo Correa Fonseca Diretor Geral da ABECI P Rio de Janeiro, 16/ 5/ 2007 Osvaldo Correa Fonseca Diretor Geral da ABECI P Rio de Janeiro, 16/ 5/ 2007 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POUPANÇA Av. Brigadeiro Faria Lima 1.485 13º Andar São Paulo CEP

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DFC A DFC é uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período e que provocaram modificações nas disponibilidades da empresa

Leia mais

Teleconferência Resultados 1T10

Teleconferência Resultados 1T10 Teleconferência Resultados 1T10 18 de maio de 2010 Visão Geral da Administração Venda da estrutura de Varejo + Foco no segmento de crédito a Empresas Transferência das atividades de originação e crédito

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 A Evolução do Funding e as Letras Imobiliárias Garantidas Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP O crédito imobiliário

Leia mais

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014 Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta Novembro de 2014 OFERTA VOLUNTÁRIA DE PERMUTA DE AÇÕES No dia 30 de outubro realizamos o leilão da oferta voluntária. A adesão dos minoritários do Santander

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

A popularização e expansão do mercado de capitais. Diretoria de Desenvolvimento e Fomento de Negócios Maio/2010

A popularização e expansão do mercado de capitais. Diretoria de Desenvolvimento e Fomento de Negócios Maio/2010 A popularização e expansão do mercado de capitais Diretoria de Desenvolvimento e Fomento de Negócios Maio/2010 POPULARIZAÇÃO Objetivos dos Programas de Popularização Divulgar os segmentos de atuação da

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente Como Financiar os Investimentos em Infraestrutura no Brasil? FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO - OS NÓS DA INFRAESTRUTURA São Paulo, 13 de setembro de 2012 Luciano Coutinho Presidente No longo prazo, economia

Leia mais

Workshop Financiamento da Economia Brasileira MERCADO DE CAPITAIS

Workshop Financiamento da Economia Brasileira MERCADO DE CAPITAIS Workshop Financiamento da Economia Brasileira INDICADORES DO Brasília 15/Setembro/2010 Índice 1. 2. MODELO DE CONTAS FINANCEIRAS 3. INDICADORES DE PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE CAPITAIS 2000-2009 3.1 Mobilização

Leia mais

I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF

I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF 1 I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF 2 Crédito ainda em Expansão, mas Desacelerando 30,7% Crescimento do Crédito 15,1% 20,6% 18,8% 16,4% 14,7% 11,7% 2008

Leia mais

CRÉDITO IMOBILIÁRIO NO BRASIL Crescimento Sustentável. ESTRATÉGIA DO BRADESCO Posicionamento/Estratégia

CRÉDITO IMOBILIÁRIO NO BRASIL Crescimento Sustentável. ESTRATÉGIA DO BRADESCO Posicionamento/Estratégia CRÉDITO IMOBILIÁRIO NO BRASIL Crescimento Sustentável ESTRATÉGIA DO BRADESCO Posicionamento/Estratégia 1 DE 28 1 Crédito Imobiliário no Brasil Crescimento contínuo e sustentável nos últimos anos, aumento

Leia mais

5 MOEDA E CRÉDITO. ipea SUMÁRIO

5 MOEDA E CRÉDITO. ipea SUMÁRIO 5 MOEDA E CRÉDITO SUMÁRIO Na reunião de fevereiro último, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a meta para a taxa Selic em 25 pontos-base (pb), fazendo-a chegar a 10,75% ao ano (a.a.). Essa redução

Leia mais

Bancos Públicos e Desenvolvimento

Bancos Públicos e Desenvolvimento Bancos Públicos e Desenvolvimento Ministro Guido Mantega junho 2009 Seminário Valor Econômico e CEF 1 IMPORTÂNCIA DOS BANCOS PÚBLICOS Crise financeira demostrou a bancos públicos. importância dos Economias

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 29-07-2008) Edição de 30 de julho de 2008 Crédito à pessoa jurídica permanece forte Em junho

Leia mais

SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006. Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais

SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006. Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006 Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais Carlos Alberto Rosa Coordenador de Participações 07/11/2006 FUNCEF Visão

Leia mais

Sem indústria não há Desenvolvimento

Sem indústria não há Desenvolvimento ESTUDOS E PESQUISAS Nº 622 Sem indústria não há Desenvolvimento Carlos Pastoriza * Fórum Nacional (Sessão Especial) O Brasil que Queremos Nova Grande Concepção: Sair da Crise e Enfrentar os Desafios do

Leia mais

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto *

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * O mercado de capitais brasileiro vai fechar o ano de 2007 consolidando a tendência estrutural

Leia mais

Os valores indicados como totais em algumas tabelas podem não ser a soma aritmética dos números que os precedem devido a ajustes de arredondamento.

Os valores indicados como totais em algumas tabelas podem não ser a soma aritmética dos números que os precedem devido a ajustes de arredondamento. Este relatório se baseia nas Demonstrações Financeiras Consolidadas da CAIXA em 30 de junho de 2013. Entretanto, os valores e suas formas de apresentação são frutos de ajustes gerenciais, podendo haver

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Divulgação dos Resultados 1T15

Divulgação dos Resultados 1T15 Divulgação dos Resultados 1T15 Sumário Resultado Itens Patrimoniais Índices Financeiros e Estruturais Guidance 2 Resultado Margem Financeira (em e %) * 1T15 / 1T14 1T15 / 4T14 1T15 / 1T14 21,1% 5,4% 21,1%

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais