Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza & Papel dos Bancos como Alavancadores do Crescimento do Setor

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza & Papel dos Bancos como Alavancadores do Crescimento do Setor"

Transcrição

1 MB ASSOCIADOS XVIII Congresso Fenabrave Federação Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores Curitiba, 22 de agosto de Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza & Papel dos Bancos como Alavancadores do Crescimento do Setor 2 1

2 ÍNDICE 1.Setor Automobilístico Internacional 2. Economia Brasileira 3.Setor Automobilístico Nacional 4.Papel dos Bancos 3 Considerações Gerais: A industria automotiva mundial fabricou 70 milhões de unidades (automóveis e comerciais leves, caminhões e ônibus) em Em 2005, quando produziu 66 milhões de unidades apresentou uma receita bruta de aproximadamente 2 trilhões. Para produzir 60 milhões de unidades são criados 9 milhões de empregos diretos(incluindo auto peças). A estimativa é de que para cada emprego na indústria são criados 5 empregos indiretos o que significa criação total de 50 milhões de empregos (siderurgia, minério de ferro, alumínio, vidro, plástico, têxtil, tapetes, peças computadorizadas, borracha, etc.). 4 2

3 Considerações Gerais: Se o setor automotivo fosse um país, seria equivalente a 6ª maior economia do mundo. Indústria mundial avançou em duas direções: I. Reestruturação na busca de ganho de produtividade: Criação de plataformas (aumentar lucratividade, aumentar a flexibilidade operacional, maximizar retornos de investimentos em desenvolvimento de novos modelos, ganhar economia de escala, etc.) As 10 maiores plataformas produziram, em 2005, 13 milhões de veículos. Para cada 5 veículos montados no mundo,1foimontadoemumadas10plataformas. 5 Considerações Gerais Baixar custos é um dos objetivos como a do Logan da RenaulteaqueestásendodesenvolvidapelaTatapara vender carros por US$ em países emergentes. Mudanças na estrutura dos fornecedores: integradores e nas relações: Toyota & Denso; GM & Delphi; Peugeot/Citroen & Faurecia; etc. II. Ampliação de atuação geográfica: Ações das empresas transnacionais ampliando produção nos mercados tradicionais: Estados Unidos, Europa, Japão e Coréia e direcionamento para novas regiões: China, Índia e Rússia. 6 3

4 Variação no Market Share na produção mundial de automóveis em pontos percentuais: Outras regiões: África do Sul e Turquia, principalmente O setor automobilístico tem crescido no mundo como um todo, mas esse crescimento tem sido maior nos países emergentes. Fonte: IMF Auto Report 2006/ Variação no Market Share mundial das principais montadoras em pontos percentuais: Em 2006, uma variação de 1% equivalia a aproximadamente 500 mil unidades de automóveis comercializados. Fonte: Polk Market Systems, in IMF Auto Report 2006/

5 Produção e Vendas por Região Europa: tem uma situação balanceada entre produção e consumo. Alguns países são fortemente exportadores: Alemanha, França e Espanha. Outros são importadores: UK e Itália. Nafta: é a região que mais importa por causa dos Estados Unidos, cujo volume importado é 1/3 do se consumo. Canadá e México seguem exportadores, mas com volumes declinantes pelo aumento dos respectivos mercados internos. Japão: produz uma quantidade 2 vezes maior que o seu consumo. 9 Produção e Vendas por Região Ásia: AssimcomooJapão, a Coréia produz2vezes mais que o seu consumo enquanto a Tailândia fabrica 50% acima do seu consumo. A Austrália é importadora líquida produzindo apenas 40% do seu volume comercializado internamente. América do Sul: a região ainda é uma exportadora líquida por causa do Brasil. Mais recentemente a Argentina se transformou em um importador líquido. Leste Europeu e Europa Central: regionalmente produz 11 automóveis para cada 10 consumidores. República Tcheca, Polônia e Eslováquia produzem duas vezes o seu consumo. Rússia: Ainda importa 2/3 do seu consumo 10 5

6 Produção Mundial de Veículos por Região 2007 mil unidades Carros Caminhões Total 2007 Total 2006 % Asia Pacífico ,85 Europa ,19 América do Norte ,97 Américas Central/Sul ,33 Leste Europeu ,79 África ,17 Total ,15 Reflete a produção de auto e comerciais leves, caminhões e ônibus Fonte: Automotive News Vendas Mundiais de Veículos por Região 2007 mil unidades Carros Caminhões Total 2007 Total 2006 % Europa ,43 Ásia Pacífico ,06 América do Norte ,09 Américas Central/Sul ,84 Leste Europeu ,38 África ,40 Total ,01 Reflete vendas de auto e comerciais leves, caminhões e ônibus Fonte: Automotive News

7 Projeção de Crescimento de Vendas % Base:Vendas de ,76 41,93 24,07 19,32 17,46 14,38 11,30 14,26 14,55 9,38 8,08 5,09 2,64 3,45 1,11 0,42 1,86-2,51 China Índia Argentina Brasil Coréia do Sul Australia Europa Japão América do Norte Fonte: Automotive News EUA Empréstimo Financeiro para aquisição de carros novos por empresas especializadas (FED) Interest rates 64 Maturity (months) 5,4 5,28 63,5 63,5 5, ,5 4,8 62 4,6 61,5 4, Q Q Q Q Q1 r 2008 Q2 p Q Q Q Q Q1 r 2008 Q2 p Loan-to-value ratio Amount financed (dollars) 96, , , , , Q Q Q Q Q1 r 2008 Q2 p Q Q Q Q Q1 r 2008 Q2 p 7

8 ÍNDICE 1.Setor Automobilístico Internacional 2. Economia Brasileira 3.Setor Automobilístico Nacional 4.Papel dos Bancos 15 Cenário Nacional: 2008/2009 Redução do saldo comercial e deterioração do transações correntes. Piso para o câmbio começa a aparecer; nível de reservas impede mudança de patamar. Brasil saiu na frente no ajuste da política monetária. A inflaçãodevevoltaraocentrodametaapenasem2010. Elevação de juros vai afetar crescimento da economia. Intensidade da desaceleração vai depender do tamanho do ciclo de aperto monetário. Investimentos devem desacelerar em menor velocidade. Com inflação controlada, política monetária deve ser revertida em 2009 sinalizando retorno de maior crescimento em

9 Evolução das Reservas Internacionais (US$ Bilhões) F2009 F Fonte: Banco Central. Elaboração: MB Associados. 17 Novo ciclo de alta da taxa de Juros (Selic % ao ano) 15,00 14,50 14,00 13,50 14,25 13,75 14,75 14,75 13,75 13,25 13,00 12,75 12,50 12,00 11,50 11,00 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 abr/09 jul/09 out/09 Fonte: Bacen. Elaboração e projeção: MB Associados. Fonte: Bacen. Elaboração: MB Associados. 18 9

10 Brasil PIB (crescimento em %) 5.7% 5.4% 4.8% 2.7% 3.2% 3.8% 3.5% 4.0% 1.3% 1.1% Fonte: IBGE. Elaboração e projeção: MB Associados. 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 4,3 3,6 Crescimento da massa real de renda, por faixa de salário mínimo - % Entre o crescimento médio de famílias que receberão R$ 2.000,00oumaiséde porano. 35,0 2007/ /07 29,9 30,0 27,527,6 26,4 12,1 9,2 16,1 12,5 22,3 21,2 16,3 18,5 0,0 Até 1 Mais de 1 a 2 Mais de 2 a 3 Mais de 3 a 5 Fonte: IBGE. Elaboração e projeções: MB Associados. Mais de 5 a 10 Mais de 10 a 20 Mais de

11 Fatores limitantes a sustentação de taxas de crescimento mais aceleradas no médio prazo Fatores que contribuíram para a aceleração do crescimento econômico nos últimos cinco anos Estabilização interna e externa; Fortereduçãodataxadejuros; Aumento dos investimentos; Maior internacionalização das empresas brasileiras com o exterior; Aumento da formalização economia; da Redução da pobreza, forte expansão do crédito e da demanda doméstica; Fatores Limitantes a sustentação de taxas de crescimento econômico acima de 5,0% Reformas que englobassem a redução de impostos; Aumento dos investimentos em infra-estrutura; Melhoria expressiva da qualidade da educação no país; Diminuição e melhora do perfil dos gastos correntes do setor público. 21 Premissas do Cenário No mundo: Economia mundial em acomodação pela necessidade de aumento nas taxas de juros, principalmente nos países emergentes (+3% em 2009), retomando à partir de 2010, com recuperação nos preços da commodities. Volatilidade segue presente no segundo semestre. Situação americana mais difícil. Europa e Japão. Emergentes. Preços de commodities

12 Premissas do Cenário No Brasil: Desaceleração/queda nas exportações afetam a balança comercial, com possibilidade de déficit comercial em Câmbio volta a se depreciar de maneira suave. Massa real desacelera o crescimento em 2009 (+3,5%) mas retoma à partir de 2010 para médias próximas a 4,0 4,5%. Evolução mais dependente do crescimento da renda da classe média e desempenho de emprego estável ou ligeiramente crescente. 23 Premissas do Cenário Reformas econômicas (previdenciária, tributária, melhora na regulação, etc.) não avançam. Sistema de meta de inflação continua valendo. Taxas de juros devem retornar para a faixa de 11% em Taxa de juros reais tendem a recuar. O PIB cresce na faixa de 4 4,5%, sem perspectivas de aceleração. Taxa de investimento não atinge 25% do PIB crescimento de 3,5%. Investment Grade teve pouco impacto no curto prazo, mas contribui para manutenção do fluxo de investimentos. Situação Fiscal ainda preocupa 24 12

13 Brasil: Resumo das Projeções econômicas de Longo Prazo PIB (a preços de mercado) 5,40 4,80 3,50 4,00 4,30 4,50 4,50 Indústria Geral (%) 6,00 4,90 3,50 3,90 4,20 4,30 4,50 Massa real de rendimentos (%) 6,30 4,60 3,50 3,80 4,50 5,00 4,50 Câmbio (R$/ US$) - Médio 1,95 1,65 1,71 1,90 2,10 2,10 2,40 IPCA 4,50 6,70 5,00 4,50 4,50 4,50 4,00 IGP-M 7,70 10,50 6,00 4,50 4,50 4,50 4,00 Selic (acumulada) 11,8 12,8 13,8 11,5 10,5 10,0 8,5 Fonte: IBGE, Banco Central Projeções: MB Associados ( ). 25 ÍNDICE 1.Setor Automobilístico Internacional 2. Economia Brasileira 3.Setor Automobilístico Nacional 4.Papel dos Bancos 26 13

14 Considerações Gerais 2007: Brasil =6º fabricante e 8º mercado (OICA Organização Internacional de Veículos a Motor). O setor emprega atualmente 127,6 mil pessoas (junho/2008 Anfavea) Crescimento de mercado tem atraído novos investimentos: Estimativas da ANFAVEA superam US$ 20 bilhões entre 2008e2012,nacadeia. Estimativas da ANFAVEA estimam que em 2013 a produção de veículos no país alcançará 5,1 milhões de unidades. 27 Considerações Gerais Habitantes por automóvel: Brasil=8 Argentina=5 Estados Unidos= 1,6 Crescimento populacional Brasil: 2008 = 1,5% a.a.; 2018 = 1,1%a.a.;Médio=1,3%a.a

15 Considerações Gerais Razões para a manutenção do crescimento das vendas: Automóveis e Comerciais Leves: Manutenção do emprego em níveis próximos aos atuais e com a continuidade da formalização. Renovaçãodefrota:ocarroflexéumprogramanatural de renovação de frota pelo preço do álcool. Motos: Manutenção do emprego em níveis próximos aos atuais e com a continuidade da formalização. Novas utilizações e renovação mais rápida. 29 Considerações Gerais Caminhões: Setores que são atendidos por caminhões devem seguir crescendo: Agronegócio, Mineração, Construção Civil, Corrente de Comércio, Varejo, Empresas de Logística 30 15

16 Evolução dos Preços dos combustíveis Número índice - jan/2005 Base ,0 Petróleo Álcool 300,0 Alcool dom Gasolina 250,0 200,0 150,0 100,0 50,0 jan/05 jul/05 jan/06 jul/06 jan/07 jul/07 jan/08 jul/08 Fontes: CBOT, EIA e ANP. Elaboração: MB Associados. 31 Participação das Vendas de Carros Bicombustível (em %) 100% 90% 88% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 24% jul/04 mar/05 nov/05 jul/06 mar/07 nov/07 jul/08 32 Fonte: ANFAVEA. Elaboração: MB Associados 16

17 Evolução da Frota (mil unidades) 33 ÍNDICE 1.Setor Automobilístico Internacional 2. Economia Brasileira 3.Setor Automobilístico Nacional 4.Papel dos Bancos 34 17

18 Considerações Gerais O mercado de crédito brasileiro passou a se ampliar a partir de 2004 com a consolidação da estabilização e a possibilidade de ampliação de prazo; O aumento de volume indica que no final do ano, a relação crédito/pib deve atingir 41%. Do total do crédito da economia 1/3 é para pessoa física e deste total 1/3 é direcionado para o mercado de veículos. ModalidadedeLeasingéaquemaiscresceem2008. Comovaievoluirocréditonospróximosanos? 35 Saldo Total de Crédito do Sistema Financeiro (R$ bilhões) Fonte: ANEF 36 18

19 Saldo total das carteiras CDC + Leasing Aquisição de bens veículos Pessoa Física Fonte: ANEF 37 CDC Aquisição de Veículos (milhões de Reais) Fonte: ANEF 38 19

20 Moderada redução da expansão do crédito em2008 e 2009(%) Crescimento Acum 12 Meses -% % % % % crédito à pessoa física - recursos livres crédito veículos Dec/02 Jan/04 Jan/05 Jan/06 Jan/07 Jan/08 Jan/09 Fonte: Bacen. Elaboração e projeção: MB Associados. 39 Saldo das Operações de Leasing (R$ bilhões) Valor das operações cresceu 100% em relação ao primeiro semestre de Fonte: ANEF 40 20

21 Consórcio: Participantes Ativos (Unidades 000) Fonte: ANEF 41 Modalidade de pagamento na venda de veículos Consórcio Leasing Financiados À Vista 19% 8% 49% 14% 12% 13% 9% 7% 5% 4% 4% 3% 3% 3% 5% 10% 15% 18% 30% 35% 38% 51% 53% 44% 47% 45% 45% 38% 31% 25% 24% 32% 32% 38% 34% 33% 32% 28% 30% 34% º tri Fonte: ANEF. Elaboração: MB Associados º sem

22 Modalidade de Pagamentos na venda de Veículos Comerciais Caminhões e Ônibus Fonte: ANEF 43 Modalidade de Pagamento na venda de Motos Fonte: ANEF 44 22

23 Prazo de Financiamento de Veículos Fonte: ANEF 45 Usados X Novos: Automóveis Automóveis Auto Selic tx automóveis prazo médio Selic, txde auto. e prazo médio 45,0 40,0 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 jan/04 jul/04 jan/05 jul/05 jan/06 jul/06 jan/07 jul/07 jan/08 jul/08 Fonte: Fenabrave, Banco Central Elaboração: MB Associados 46 23

24 Usados X Novos: Comerciais Leves Automóveis Comercial Leve Selic tx automóveis prazo médio Selic, txde auto. e prazo médio 45,0 40,0 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 jan/04 jul/04 jan/05 jul/05 jan/06 jul/06 jan/07 jul/07 jan/08 jul/08 Fonte: Fenabrave, Banco Central Elaboração: MB Associados 47 Financiamento de Veículos Inadimplência acima de 90 dias X Taxa de Juros X Sprea d Fonte: ANEF e Banco Itaú 48 24

25 Projeções de vendas no mercado interno: Auto e comerciais leves , , Dec-94 Dec-96 Dec-98 Dec-00 Dec-02 Dec-04 Dec-06 Dec-08 Dec-10 Fonte: Fenabrave. Elaboração e projeção: MB Associados Projeções de vendas no mercado interno: Caminhões Fonte: Fenabrave. Elaboração e projeção: MB Associados

26 Projeções de vendas no mercado interno: Motos Dec-94 Dec-96 Dec-98 Dec-00 Dec-02 Dec-04 Dec-06 Dec-08 Dec-10 Fonte: Fenabrave. Elaboração e projeção: MB Associados. 51 Conclusões: Desaceleração de meio de ciclo Economias mundial e brasileira crescem menos voltam a se recuperar. Setor automobilístico desacelera mas segue com crescimento Crédito fica mais seletivo: Inadimplência maior, juros mais altos e menor spreads menor margem e portanto maior cautela

27 Obrigado MB Associados Av. Paulista, andar São Paulo SP Telefone: (011) Fax: (011)

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC)

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Situação da economia e perspectivas Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Recessão se aprofunda e situação fiscal é cada vez mais grave Quadro geral PIB brasileiro deve cair 2,9% em 2015 e aumentam

Leia mais

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Encontro Econômico Brasil-Alemanha Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Jackson Schneider Presidente Anfavea Blumenau, 19 de novembro de 2007 1 Conteúdo 2 1. Representatividade

Leia mais

Prazo das concessões e a crise econômica

Prazo das concessões e a crise econômica Prazo das concessões e a crise econômica ABCE 25 de Setembro de 2012 1 1. Economia Internacional 2. Economia Brasileira 3. O crescimento a médio prazo e a infraestrutura 2 Cenário internacional continua

Leia mais

Tendências importantes para o spread e inadimplência

Tendências importantes para o spread e inadimplência Tendências importantes para o spread e inadimplência A inadimplência confirma mínima histórica em 3,0% e o spread bancário volta a se elevar, alcançando 13,1%. Os dois movimentos são os principais destaques

Leia mais

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Cenário macroeconômico e perspectivas para 2014/2018 maio de 2014 Perspectivas para a economia mundial Perspectivas para a economia brasileira Perspectivas para os Pequenos

Leia mais

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO - Diante do cenário de crise financeira internacional, o estudo mostra as expectativas de mercado

Leia mais

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim Anual 2.013

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim Anual 2.013 Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Boletim Anual 2.013 N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados como preliminares nos últimos três meses e,

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO AUDIÊNCIA PÚBLICA 23/11/2011

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO AUDIÊNCIA PÚBLICA 23/11/2011 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO AUDIÊNCIA PÚBLICA 23/11/2011 PwC 1 PwC 2 2.7 2.5 Setor automotivo Fumo Multiplicador 2.3 Couros Borracha e Plástico 1.9 Metalurgia e Siderurgia

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE ALÉM DA CONJUNTURA

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE ALÉM DA CONJUNTURA PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE ALÉM DA CONJUNTURA PROF.DR. HERON CARLOS ESVAEL DO CARMO Dezembro de 2006 Rua Líbero Badaró, 425-14.º andar - Tel (11) 3291-8700 O controle do processo

Leia mais

Boletim Mensal. Novembro/ 2.014

Boletim Mensal. Novembro/ 2.014 Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Boletim Mensal Novembro/ 2.014 Acumulado janeiro a novembro/2014 N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados

Leia mais

Informativo Semanal de Economia Bancária

Informativo Semanal de Economia Bancária 1 Comentário Semanal A semana começa ainda sob impacto do debate acerca da evolução do quadro fiscal e seus possíveis efeitos sobre o crescimento da economia e, conseqüentemente, sobre os juros em 2010.

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO- DEZEMBRO -2011

RELATÓRIO DE GESTÃO- DEZEMBRO -2011 O ano de 11 terminou sem grandes surpresas. Na tentativa de manter aquecido o mercado consumidor brasileiro, a taxa básica de juros, que chegou a 1,5% ao longo do ano, encerrou o período em 11%. O crescimento

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Economia Brasileira: Perspectivas para os próximos 10 anos

Economia Brasileira: Perspectivas para os próximos 10 anos Economia Brasileira: Perspectivas para os próximos 10 anos Conjuntura Economia Americana Crescimento e Mercado de trabalho PIB EUA (%) 11 Desemprego EUA 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 1,6 3,9 2,8 2,8 3,2 1,4

Leia mais

Economia em Perspectiva 2012-2013

Economia em Perspectiva 2012-2013 Economia em Perspectiva 2012-2013 Porto Alegre, 28 Nov 2012 Igor Morais igor@vokin.com.br Porto Alegre, 13 de março de 2012 Economia Internacional EUA Recuperação Lenta Evolução da Produção Industrial

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Setor de construção surpreende positivamente nos EUA. Cenário de atividade fraca no Brasil impacta o mercado de trabalho. Nos EUA, os indicadores do setor de construção registraram

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP ANEXO ESTATÍSTICO Produto Interno Bruto Tabela 1. Produto Interno Bruto Em R$ milhões Em U$ milhões 1 (último dado: 3º trimestre/) do índice de volume 2009 2010 (3ºtri) 2009 2010 (3ºtri) Trimestre com

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

para 2006 Everton Freire de Carvalho*

para 2006 Everton Freire de Carvalho* para 2006 Everton Freire de Carvalho* O ano de 2005 foi marcado por uma política econômica que alcançou bastante êxito, dentro dos objetivos traçados. Os principais índices de preços registraram altas

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

A Economia Brasileira e o Governo Dilma: Desafios e Oportunidades. Britcham São Paulo. Rubens Sardenberg Economista-chefe. 25 de fevereiro de 2011

A Economia Brasileira e o Governo Dilma: Desafios e Oportunidades. Britcham São Paulo. Rubens Sardenberg Economista-chefe. 25 de fevereiro de 2011 A Economia Brasileira e o Governo Dilma: Desafios e Oportunidades Britcham São Paulo 25 de fevereiro de 2011 Rubens Sardenberg Economista-chefe Onde estamos? Indicadores de Conjuntura Inflação em alta

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO 7 ECONOMIA MUNDIAL SUMÁRIO A situação econômica mundial evoluiu de maneira favorável no final de 2013, consolidando sinais de recuperação do crescimento nos países desenvolvidos. Mesmo que o desempenho

Leia mais

XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015

XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015 XVIIIª Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015 Recife, 18 de dezembro de 2014 Temas que serão discutidos na XVIII Análise Ceplan: 1. A economia em 2014: Mundo Brasil Nordeste, com ênfase em Pernambuco

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram bom desempenho em abril. A produção industrial

Leia mais

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos Fevereiro/2014 Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Retrospectiva 2013 Frustração das Expectativas 2 Deterioração das expectativas

Leia mais

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008 1 Crise Financeira Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo Nelson Barbosa Novembro de 20 1 2 Impactos da Crise Financeira nas Economias Avançadas Primeiro impacto: grandes perdas patrimoniais, crise

Leia mais

Seminário Anual de Saúde 2013

Seminário Anual de Saúde 2013 Seminário Anual de Saúde 2013 Sustentabilidade dos programas de saúde: desafios e oportunidades Luiz Augusto Carneiro Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) 16 de maio de 2013 2013 Towers Watson.

Leia mais

BOLETIM MENSAL. 1º Trimestre 2009

BOLETIM MENSAL. 1º Trimestre 2009 BOLETIM MENSAL 1º Trimestre 2009 Sistema Financeiro 4 - Crédito do Sistema Financeiro 5 - Carteiras de Financiamento (CDC) e Leasing Aquisição de Veículos 6 - Saldo e Recursos Liberados Financiamento CDC

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Em geral as estatísticas sobre a economia brasileira nesse início de ano não têm sido animadoras

Leia mais

Perspectivas da economia brasileira e mundial para 2014"

Perspectivas da economia brasileira e mundial para 2014 Perspectivas da economia brasileira e mundial para 2014" ABIT & Sinditêxtil - SP Paulo Rabello de Castro Janeiro 2014 PIB Mundial: Evolução até 2017 4,5% 4,0% PIB Mundial Crescimento quinquenal médio (%

Leia mais

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIO GLOBAL Crescimento global de 3,4 % em 2013 O mundo retoma a média histórica de crescimento (3,4% a.a) Zona do Euro sai da recessão Os EEUU

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Ministério da Fazenda. Junho 20041

Ministério da Fazenda. Junho 20041 Ministério da Fazenda Junho 20041 Roteiro Os avanços do Governo Lula O Brasil está crescendo Consolidando a agenda para o crescimento 2 Os avanços do Governo Lula 3 Consolidando a estabilidade macroeconômica

Leia mais

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços.

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. Construção Civil Construção Civil Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. edificações residenciais; edificações

Leia mais

O BNDES como instrumento de fomento do mercado automotivo

O BNDES como instrumento de fomento do mercado automotivo O BNDES como instrumento de fomento do mercado automotivo XXI CONGRESSO FENABRAVE São Paulo, 25 de novembro de 2011 Luciano Coutinho Presidente Conjuntura econômica recente 2 Persiste a deterioração do

Leia mais

Turbulência Internacional e Impacto para as Exportações do Brasil

Turbulência Internacional e Impacto para as Exportações do Brasil Brasil África do Sul Chile México Coréia do Sul Rússia Austrália Índia Suíça Turquia Malásia Europa China Argentina São Paulo, 26 de setembro de 2011. Turbulência Internacional e Impacto para as Exportações

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Economia global não dá sinais de retomada da atividade. No Brasil, o relatório de crédito apresentou leve melhora em março. Nos EUA, os dados de atividade seguem compatíveis

Leia mais

UM ROTEIRO ESTRATÉGICO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO. 31 de agosto de 2015. Sindirações

UM ROTEIRO ESTRATÉGICO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO. 31 de agosto de 2015. Sindirações UM ROTEIRO ESTRATÉGICO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO 31 de agosto de 2015 Sindirações 1 1. Cenário macroeconômico 2. Economia Implicações Brasileira para empresas 3. Um roteiro estratégico para o agronegócio

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Maio de 2013. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Maio de 2013. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Maio de 2013 Turim Family Office & Investment Management TÓPICOS Economia Global: Estados Unidos...Pág.3 Europa...Pág.4 Economia Brasileira: Produto Interno Bruto...Pág.5 Política

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

PANORAMA NOVEMBRO / 2014

PANORAMA NOVEMBRO / 2014 PANORAMA NOVEMBRO / 2014 O mês de novembro foi pautado pelas expectativas em torno da formação da equipe econômica do governo central brasileiro. Muito se especulou em torno dos nomes que ocuparão as principais

Leia mais

Brasil: A cultura do CDI ainda vai durar Luis Stuhlberger

Brasil: A cultura do CDI ainda vai durar Luis Stuhlberger Brasil: A cultura do CDI ainda vai durar Luis Stuhlberger Maio 2011 Este material foi preparado para a apresentação Brasil: A cultura do CDI ainda vai durar, maio de 2011. Não pode ser copiado, reproduzido

Leia mais

RELATÓRIO 2º TRIMESTRE

RELATÓRIO 2º TRIMESTRE RELATÓRIO 2º TRIMESTRE FPMSMS FUNDO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE SÃO MATEUS DO SUL 2º TRIMESTRE 2014 ÍNDICE CENÁRIO MACROECONÔMICO ------------------------------------------------------------------ 4

Leia mais

abrimos mercados. 2015: Um Ano Perdido para o Brasil?

abrimos mercados. 2015: Um Ano Perdido para o Brasil? abrimos mercados. 2015: Um Ano Perdido para o Brasil? Lígia Heise Panorama Geral Brasil: Crise política agrava problemas econômicos Recessão Melhora da balança comercial Pautas-bomba Aumento do risco país

Leia mais

Ativos de Base Imobiliária O Mercado de Capitais como fonte de recursos e alternativa de investimento. Maio 2015

Ativos de Base Imobiliária O Mercado de Capitais como fonte de recursos e alternativa de investimento. Maio 2015 Ativos de Base Imobiliária O Mercado de Capitais como fonte de recursos e alternativa de investimento. 1 Maio 2015 Seção 1 Panorama do Mercado Imobiliário Seção 2 Produtos Financeiros i de Base Imobiliária

Leia mais

A taxa de câmbio na economia brasileira está fora de equilíbrio? 31/05/2007

A taxa de câmbio na economia brasileira está fora de equilíbrio? 31/05/2007 A taxa de câmbio na economia brasileira está fora de equilíbrio? 31/05/2007 Preliminares Paridade do Poder de Compra (PPC) Equilíbrio de longo prazo Bens comercializáveis (PPC) e não-comercializáveis Câmbio

Leia mais

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0%

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0% Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 58 1 a 15 de setembro de 2010 PIB TRIMESTRAL Segundo os dados

Leia mais

Carta Mensal Iporanga Julho de 2015

Carta Mensal Iporanga Julho de 2015 O fundo Iporanga Macro FIC FIM apresentou rendimento mensal de 3.7% (318% do CDI) em Julho. O mês também marca os primeiros doze meses de atividades do fundo, que durante o período obteve um rendimento

Leia mais

MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7%

MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7% MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7% Mogi Guaçu (SP), 11 de agosto de 2014 - A MAHLE Metal Leve S.A. (BM&FBOVESPA: LEVE3), Companhia líder na fabricação e comercialização de

Leia mais

Economic Outlook October 2012

Economic Outlook October 2012 Economic Outlook October 2012 Agenda Economia global Consolidação de crescimento global fraco. Bancos centrais estão atuando para reduzir riscos de crise. Brasil Crescimento de longo prazo entre 3.5% e

Leia mais

Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal

Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda São Paulo, 07 de Outubro de 2015 1 2 3 4 5 O quadro internacional A

Leia mais

Inovar para Sustentar o Crescimento

Inovar para Sustentar o Crescimento Café & Debate Escola Nacional de Administração Pública ENAP Inovar para Sustentar o Crescimento Glauco Depto. de Sociologia USP Brasília, 19 de abril de 2007 2007 China: volta ao patamar natural? Data

Leia mais

O Desempenho do Mercado Internacional de Rochas Ornamentais em 2012: Principais Produtores, Exportadores e Importadores 1

O Desempenho do Mercado Internacional de Rochas Ornamentais em 2012: Principais Produtores, Exportadores e Importadores 1 Informe 18/2013 O Desempenho do Mercado Internacional de Rochas Ornamentais em 2012: Principais Produtores, Exportadores e Importadores Associação Brasileira da Indústria de Rochas Ornamentais ABIROCHAS

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Cenários. Cenário Internacional. Cenário Nacional

Cenários. Cenário Internacional. Cenário Nacional Ano 7 Edição: maio/2015 nº 57 Informações referentes a abril/2015 Cenários Cenário Internacional No mês de abril, o crescimento dos EUA se mostrou enfraquecido, com criação de empregos abaixo do esperado

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

Nossos serviços e práticas

Nossos serviços e práticas Ferramentas online para identificação de características da liderança Nossos serviços e práticas Nosso propósito Transformando estratégias em realidade Nossas práticas Construindo uma organização eficaz

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

Econ. Paulo Zoldan SEF/Dior

Econ. Paulo Zoldan SEF/Dior Econ. Paulo Zoldan SEF/Dior Estrutura da Apresentação População - distribuição e estrutura Produção (PIB) distribuição e evolução Agricultura Industria Serviços Emprego - distribuição e evolução Balança

Leia mais

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2015 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real?

As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real? As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real? Paulo Springer de Freitas 1 No final de 2007, o saldo da balança comercial começou a apresentar uma trajetória declinante,

Leia mais

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS Julho de RESULTADOS DOS INVESTIMENTOS Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) PGA PB TOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI

Leia mais

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Os países em desenvolvimento estão se recuperando da crise recente mais rapidamente do que se esperava, mas o

Leia mais

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles As mudanças estruturais da economia brasileira Henrique de Campos Meirelles Julho de 20 Inflação 18 16 14 12 8 6 4 2 IPCA (acumulado em doze meses) projeção de mercado 0 03 06 11 Fontes: IBGE e Banco Central

Leia mais

A Evolução da Inflação no Biênio 2008/2009 no Brasil e na Economia Mundial

A Evolução da Inflação no Biênio 2008/2009 no Brasil e na Economia Mundial A Evolução da Inflação no Biênio / no Brasil e na Economia Mundial A variação dos índices de preços ao consumidor (IPCs) registrou, ao longo do biênio encerrado em, desaceleração expressiva nas economias

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

1. Objeto do Fundo. 2. Conjuntura Econômica e Perspectivas

1. Objeto do Fundo. 2. Conjuntura Econômica e Perspectivas Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2014 JS Real Estate Renda Imobiliária Fundo de Investimento Imobiliário C.N.P.J. nº 13.842.733/0001-15 1. Objeto do Fundo O Fundo JS Real Estate

Leia mais

Informativo Semanal de Economia Bancária

Informativo Semanal de Economia Bancária Comentário Semanal A pesquisa Focus desta semana trouxe uma nova rodada de elevação das projeções para o IPCA, tanto para este ano como para 2011. Para 2010, a mediana das estimativas subiu para 5,29%

Leia mais

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

Receita Operacional Líquida alcança R$ 20,9 milhões, aumento de 9,7% ante o trimestre anterior

Receita Operacional Líquida alcança R$ 20,9 milhões, aumento de 9,7% ante o trimestre anterior Última Cotação em 30/09/2014 FBMC4 - R$ 20,60 por ação Total de Ações: 726.514 FBMC3: 265.160 FBMC4: 461.354 Valor de Mercado (30/09/2014): R$ 20.269,7 mil US$ 9.234,5 mil São Bernardo do Campo, 12 de

Leia mais

Informe Econômico SEFAZ/RJ

Informe Econômico SEFAZ/RJ Economia Mundial. Em julho, o cenário geopolítico internacional apresentou-se bastante conturbado. Entre os acontecimentos que têm gerado grande apreensão internacional, são destaques: (i) o aumento das

Leia mais

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Internacional Cenário mundial ainda cercado de incertezas (1) EUA: Recuperação lenta; juros à frente (2) Europa:

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Introdução Guilherme R. S. Souza e Silva * Lucas Lautert Dezordi ** Este artigo pretende

Leia mais

Tendências e perspectivas

Tendências e perspectivas Economia brasileira Tendências e perspectivas Apresentação para o VIII Seminário Econômico da Fundação CEEE Gustavo H. B. Franco Porto Alegre, 23 de novembro de 2006 4 Temas Fundamentais Para entender

Leia mais

Ativa Corretora. Novembro de 2010

Ativa Corretora. Novembro de 2010 Ativa Corretora Novembro de 2010 Roteiro A economia global passa por ajustes severos, quase que simultaneamente, o que torna o trabalho de previsão ainda mais complexo do que o normal. Existem ainda questões

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015 Sumário SUMÁRIO Governo do Estado da Bahia Rui Costa Secretaria do Planejamento João Leão Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais

Leia mais

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL Uma análise do período 2000 2011 Abril de 2012 A competitividade da ind. de transformação e de BK A evolução do período 2000 2011, do:

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

Bancos financiam crescentemente a produção

Bancos financiam crescentemente a produção Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nota do dia 25 de julho de 2007 Fontes: Bacen, IBGE e CNI Elaboração: Febraban Bancos financiam crescentemente a produção Pessoa Jurídica O crédito destinado

Leia mais

HSBC Global Asset Management Apresentação para HP Prev

HSBC Global Asset Management Apresentação para HP Prev HSBC Global Asset Management Apresentação para HP Prev Cenário Macroeconômio Destaques Perspectiva positiva para o cenário internacional Retomada do crescimento global, com maior equilíbrio entre desenvolvidos

Leia mais

PRECIFICAÇÃO NUM CENÁRIO DE INFLAÇÃO

PRECIFICAÇÃO NUM CENÁRIO DE INFLAÇÃO PRECIFICAÇÃO NUM CENÁRIO DE INFLAÇÃO 4º. ENCONTRO NACIONAL DE ATUÁRIOS (ENA) PROF. LUIZ ROBERTO CUNHA - PUC-RIO SETEMBRO 2015 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO I. BRASIL: DE ONDE VIEMOS... II. BRASIL: PARA ONDE

Leia mais

Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil. Taxa de câmbio volta a superar 2,30 reais por dólar

Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil. Taxa de câmbio volta a superar 2,30 reais por dólar Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil Publicamos nesta semana nossa revisão mensal de cenários (acesse aqui). No Brasil, entendemos que o espaço para expansão adicional da política

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM OUTUBRO São Paulo, 04 de novembro de 2010. O mês de outubro foi marcado pela continuidade do processo de lenta recuperação das economias maduras, porém com bons resultados no setor

Leia mais

Trajetória do Mercado Imobiliário e Cenários Futuros. Octavio de Lazari Junior Presidente - Abecip

Trajetória do Mercado Imobiliário e Cenários Futuros. Octavio de Lazari Junior Presidente - Abecip Trajetória do Mercado Imobiliário e Cenários Futuros Octavio de Lazari Junior Presidente - Abecip Índice 1. Evolução do Crédito Imobiliário 2. Novo Governo 3. Crédito Imobiliário: Jan Jul.2015 4. Condições

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO- JANEIRO -2012

RELATÓRIO DE GESTÃO- JANEIRO -2012 O pessimismo amplamente precificado em bolsa ao longo de 2011 parece ter sofrido uma mudança de rota em direção a céus mais azuis. Em janeiro de 2012, o Ibovespa subiu 11,13%, de tal forma a recuperar

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais