BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014"

Transcrição

1 BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014 Porto Alegre, 4 de fevereiro de 2014

2 a CENÁRIO INTERNACIONAL CRESCIMENTO ANUAL DO PIB VAR. % ESTADOS UNIDOS: Focos de incerteza Política fiscal restritiva Retirada dos estímulos (QE3) ZONA DO EURO: O pior já passou Ajustes mais severos já foram feitos Brasil sairá do Sistema Geral de Preferências da União Europeia 1,9 1,7 PAÍSES DESENVOLVIDOS 2,5 2,6 2,6 2,5 2,0 1,5 1,2 Média Fonte: FMI.

3 a a CENÁRIO INTERNACIONAL CRESCIMENTO ANUAL DO PIB VAR. % ESTADOS UNIDOS: Focos de incerteza Política fiscal restritiva Retirada dos estímulos (QE3) ZONA DO EURO: O pior já passou Ajustes mais severos já foram feitos Brasil sairá do Sistema Geral de Preferências da União Europeia 6,3 6,2 Média Fonte: FMI. PAÍSES EMERGENTES 4,9 4,5 5,1 5,3 5,4 5,5 5, EMERGENTES: Desequilíbrios ficam mais evidentes Riscos para o comércio exterior do Brasil Desaceleração da China impactando nas commodities Redução do potencial de crescimento dos BRICS

4 CENÁRIO NACIONAL PIB do Brasil (Var. %) MODELO PAUTADO NA DEMANDA POR QUE FUNCIONOU ATÉ A CRISE? 7,5 Alta liquidez mundial 5,7 3,2 4,0 6,1 5,2 2,7 Estabilidade macroeconômica Boom das commodities 2,2 1,0-0, * 4,8% a.a. (média) Fonte: IBGE. *Estimativa FIERGS/UEE

5 CENÁRIO NACIONAL 5,7 3,2 4,0 6,1 PIB do Brasil (Var. %) 5,2 7,5 2,7 2,2 MODELO PAUTADO NA DEMANDA POR QUE FUNCIONOU PARA TIRAR O BRASIL DA CRISE? Alto grau de ociosidade na economia Espaço para endividamento 1,0-0, * 3,5% a.a. (média) Fonte: IBGE. *Estimativa FIERGS/UEE

6 CENÁRIO NACIONAL PIB do Brasil (Var. %) MODELO PAUTADO NA DEMANDA POR QUE NÃO FUNCIONA MAIS? 5,7 3,2 4,0 6,1 5,2 7,5 2,7 Não houve encaminhamento dos problemas estruturais, o que aprofundou desequilíbrios 2,2 1,0-0, * 2,0% a.a. (média) Fonte: IBGE. *Estimativa FIERGS/UEE

7 CENÁRIO NACIONAL 5,7 3,2 4,0 6,1 PIB do Brasil (Var. %) 5,2 7,5 2,7 1,0 2,2 MODELO PAUTADO NA DEMANDA OS DESEQUILÍBRIOS EXISTENTES SUGEREM QUE O PROBLEMA NÃO É A DEMANDA: 1. Inflação elevada 2. Deterioração das contas públicas 3. Baixa poupança e investimentos Fonte: IBGE. *Estimativa FIERGS/UEE -0, * 2,0% a.a. (média) 4. Estagnação da indústria 5. Elevado déficit externo

8 CENÁRIO REGIONAL: RIO GRANDE DO SUL PIB do RS e do Brasil (Var. %) -1,4 RS BR 6,1 2,2 2,3 1,6 1, * Média * A real situação da economia gaúcha não pode ser analisada apenas sob o ponto de vista do desempenho de 2013 Fonte: IBGE. FEE. *Estimativa FIERGS/UEE

9 CENÁRIO REGIONAL: RIO GRANDE DO SUL Produção e Índice de Desempenho Industrial (RS var. %) Componentes do IDI (RS var. % média *) Faturamento real + 4,9 6,8 4,9 0,9 1,5 Massa de salários + 3,7 Compras + 3,3 UCI - 0,1-1,9 Produção IDI/RS -5, * Média * Horas trabalhadas - 0,3 Emprego - 0,6 Fonte: IBGE. FIERGS/Indicadores Industriais. *Estimativa FIERGS/UEE

10 CENÁRIO REGIONAL: RIO GRANDE DO SUL Produção e Índice de Desempenho Industrial (RS var. %) IDI: Setores (RS var. % média de Jan-Nov ) Máquinas e equipamentos + 7,9 Materiais elétricos + 5,8 6,8 4,9 0,9 1,5-1,9 Produção IDI/RS -5, * Média * Móveis + 4,7 Veículos automotores + 3,4 Produtos de metal + 3,0 Alimentos + 2,1 Borracha e plástico - 0,1 Químicos - 1,5 Couro e Calçados - 2,1 Derivados de Petróleo - 2,5 Metalurgia - 4,9 Vestuário e acessórios - 7,5 Têxteis - 7,6 Fonte: IBGE. FIERGS/Indicadores Industriais. *Estimativa FIERGS/UEE

11 jan/04 out/04 jul/05 abr/06 jan/07 out/07 jul/08 abr/09 jan/10 out/10 jul/11 abr/12 jan/13 out/13 CENÁRIO REGIONAL: RIO GRANDE DO SUL Na última década, o setor industrial tem crescido a taxas menores do que o comércio A baixa produtividade tem sido o entrave para o avanço da indústria Produção Industrial e Vendas do Comércio (Índice de base mensal Jan/04=100) Vendas do Comércio (BR) Produção Industrial (RS) Fatores que afetaram negativamente a produtividade nos últimos 5 anos* (RS % de respostas em 2013/III) Qualid. da mão de obra Infraestrutura de transporte Telecomunicações Escala de produção Fornecimento de energia 22,4 19,9 14,7 52,6 49,4 Fonte: IBGE. FIERGS/Sondagem Especial. * O respondente pode escolher mais da uma opção

12 CENÁRIO REGIONAL: RIO GRANDE DO SUL Na última década, o setor industrial tem crescido a taxas menores do que o comércio A baixa produtividade tem sido o entrave para o avanço da indústria Os importados têm suprido o déficit interno de manufaturados 4,8 8,6 5,1 Saldo comercial dos Manufaturados (Brasil US$ bilhões) -9,2-39,8-36,5-71,2-92,5-94,2-105, Fonte: MDIC.

13 jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 CENÁRIO REGIONAL: RIO GRANDE DO SUL O QUE ESPERAR PARA 2014? Estoques estão elevados UCI está baixa Expectativas deterioradas 51,5 49,1 Estoques e UCI (RS em pontos) Acima Abaixo 55, ,6 59,7 Expectativas para os próximos 6 meses (RS em pontos) Estoques/Planejado UCI/usual 55,5 Geral Economia brasileira 54, ,2 Otimista Pessimista As más condições da economia brasileira têm sido imperativas para o enfraquecimento das expectativas Fonte: FIERGS/Sondagem Industrial.

14 CENÁRIO REGIONAL: RIO GRANDE DO SUL O QUE ESPERAR PARA 2014? Estoques estão elevados UCI está baixa 56,2 EXPECTATIVAS PARA OS PRÓXIMOS 6 MESES (RS em pontos) COMPRA DE INSUMOS 52,3 EMPREGO Expectativas deterioradas Compras de insumos 50,5 49,2 Contratação de novos trabalhadores Média nov/13 Média nov/13 Demanda dos produtos A expectativa para as exportações está positiva Efeito esperado da desvalorização cambial 58,0 DEMANDA DOS PRODUTOS 52 EXPORTAÇÕES 50,0 52,4 Média nov/13 Média nov/13 Fonte: FIERGS/Sondagem Industrial.

15 2/1/ /1/ /1/2013 7/2/ /2/2013 3/3/ /3/ /3/2013 8/4/ /4/2013 2/5/ /5/ /5/2013 7/6/ /6/2013 1/7/ /7/ /7/2013 6/8/ /8/ /8/ /9/ /9/2013 5/10/ /10/ /10/ /11/ /11/2013 4/12/ /12/ /12/2013 CENÁRIO REGIONAL: RIO GRANDE DO SUL Taxa de Câmbio (R$/US$) 2,45 2,34 2,04 2,04 Média: 2,00 Média: 2,27 52,4 A expectativa para as exportações está positiva Efeito esperado da desvalorização cambial EXPORTAÇÕES 50,0 Média nov/13 Fonte: FIERGS/Sondagem Industrial. BCB. MDIC/SECEX.

16 PREVISÕES PARA 2014 PRODUTO INTERNO BRUTO Brasil (Var. %) * Cenários 2014** Inferior Base Superior Agropecuária -2,1 7,2 1,0 1,6 3,3 Indústria Total -0,8 1,4 0,4 2,0 3,2 Serviços 1,9 2,0 1,5 2,0 3,8 PIB total 1,0 2,2 0,8 1,9 3,6 Cotação desfavorável das commodities Política monetária e fiscal mais restritivas Endividamento e comprometimento da renda ainda elevados Inflação aquecida e pouco espaço para o crescimento do crédito Fonte: IBGE. *Estimativa FIERGS/UEE. **Projeções FIERGS/UEE

17 PREVISÕES PARA 2014 PRODUTO INTERNO BRUTO Rio Grande do Sul (Var. %) * Cenários 2014 Inferior Base Superior Agropecuária -28,2 34,4 1,3 2,5 3,8 Indústria Total -2,1 3,9 0,3 1,9 3,0 Serviços 2,5 2,9 1,5 2,3 4,0 PIB total** -1,4 6,1 0,2 2,1 3,4 Custos de produção em elevação (logística, salários, insumos) O efeito estatístico será desfavorável Agravamento dos problemas de financiamento externo da Argentina Boas perspectivas para a safra 2013/2014 Fonte: FEE. *Estimativa FIERGS/UEE. **Projeções FIERGS/UEE

18 jan/09 mai/09 set/09 jan/10 mai/10 set/10 jan/11 mai/11 set/11 jan/12 mai/12 set/12 jan/13 mai/13 set/13 CONSTRUÇÃO CIVIL: DETERMINANTES DA ATIVIDADE EDIFICAÇÕES 1 Emprego e Renda Taxa de desemprego (% médio em 12 meses) OBRAS DE INFRAESTRUTURA 7,9 8,1 5,9 Crescimento real da renda ( ): 10,6% 5,4 Fonte: IBGE.

19 CONSTRUÇÃO CIVIL: DETERMINANTES DA ATIVIDADE EDIFICAÇÕES OBRAS DE INFRAESTRUTURA 1 Emprego e Renda 2 Crédito Saldo de Crédito/PIB (%) 49,1 53,8 56,5 Saldo de Crédito (Var. % real ) 214,6 43,9 45,4 51,2 85, Total Direcionado Imobiliário Fonte: BCB.

20 CONSTRUÇÃO CIVIL: DETERMINANTES DA ATIVIDADE EDIFICAÇÕES OBRAS DE INFRAESTRUTURA 1 Emprego e Renda 2 Crédito 3 Endividamento Total 35,4 28,8 Endividamento das famílias (% da renda anual) Sem Financ. Habitacional 39,2 41,7 43,4 45,4 30,4 31,0 30,5 30, * Comprometimento da renda (% da renda comprometida com serviços da dívida) 18,6 19,2 19,8 21, * Sem Financ. Imobiliário Total Fonte: BCB. * Referente à renda acumulada em 12 meses terminados em outubro.

21 out/10 jan/11 abr/11 jul/11 out/11 jan/12 abr/12 jul/12 out/12 jan/13 abr/13 jul/13 out/13 CONSTRUÇÃO CIVIL: DETERMINANTES DA ATIVIDADE EDIFICAÇÕES OBRAS DE INFRAESTRUTURA 1 Emprego e Renda 2 Crédito 3 Endividamento 4 Confiança do Consumidor Vendas de Mat. de Construção e ICC (Var. % em 12 meses Brasil) 12,7 Vendas de Construção ICC 2,9-6,5 Fonte: IBGE/PMC. FGV.

22 CONSTRUÇÃO CIVIL: DETERMINANTES DA ATIVIDADE EDIFICAÇÕES 1 Emprego e Renda 2 Crédito 3 Endividamento 4 Confiança do Consumidor OBRAS DE INFRAESTRUTURA 1 Investimento Público Gastos com PAC (Valores deflacionados pelo IPCA de 2013) 50,8 Empenhado Pago 43,6 40,0 34,3 35,5 22,4 22,4 6,3 5,0 11,2 11,3 10,6 12,0 16, Em média, apenas 28,8% dos valores empenhados foram pagos Fonte: SIAFI.

23 CONSTRUÇÃO CIVIL: DETERMINANTES DA ATIVIDADE EDIFICAÇÕES 1 Emprego e Renda 2 Crédito 3 Endividamento 4 Confiança do Consumidor PAC - Infraestrutura (Valores deflacionados pelo IPCA de 2013) 15,6 15,1 14,5 OBRAS DE INFRAESTRUTURA 1 Investimento Público Gastos com PAC (Valores deflacionados pelo IPCA de 2013) 50,8 Empenhado Pago 43,6 40,0 34,3 35,5 22,4 22,4 6,3 5,0 11,2 11,3 10,6 12,0 16,6 7,0 5,1 4, Empenhado Pago Fonte: SIAFI. Em média, 34% dos gastos foram empenhados para a infraestrutura

24 CONSTRUÇÃO CIVIL: DETERMINANTES DA ATIVIDADE EDIFICAÇÕES OBRAS DE INFRAESTRUTURA 1 Emprego e Renda 2 Crédito 3 Endividamento 4 Confiança do Consumidor 663,5 1 Investimento Público 2 Crédito Externo IED Participação no Capital (Em US$ milhões) 1.163,8 784,5 Construção de Edifícios Infraestrutura 954,8 688,5 748,0 647,9 208,9 Fonte: SIAFI. Part. % no total ,7 2,8 2,7 2,8

25 jan/07 jul/07 jan/08 jul/08 jan/09 jul/09 jan/10 jul/10 jan/11 jul/11 jan/12 jul/12 jan/13 jul/13 Produção Industrial (Número índice, jan/07=100) UCI (Grau médio) CONSTRUÇÃO CIVIL: DETERMINANTES DA ATIVIDADE EDIFICAÇÕES OBRAS DE INFRAESTRUTURA 1 Emprego e Renda 2 Crédito 3 Endividamento 1 Investimento Público 2 Crédito Externo 3 Produção Industrial e UCI 4 Confiança do Consumidor Produção Industrial e UCI (Brasil Ind. Transformação) 113,0 85,0 84,0 108,0 83,0 103,0 82,0 98,0 93,0 Produção UCI 81,0 80,0 79,0 88,0 78,0 Fonte: SIAFI.

26 /2003 /2003 /2004 /2005 /2006 /2006 /2007 /2008 /2009 /2009 /2010 /2011 /2012 /2012 /2013 CONSTRUÇÃO CIVIL: DETERMINANTES DA ATIVIDADE EDIFICAÇÕES OBRAS DE INFRAESTRUTURA 1 Emprego e Renda 2 Crédito 3 Endividamento 4 Confiança do Consumidor 1 Investimento Público 2 Crédito Externo 3 Produção Industrial e UCI 4 Confiança do Empresário Investimentos e ICEI (Var. % em 12 meses Brasil) Investimentos ICEI 16,6 21,2 9,1 3,7-2,2-8,2-4,0 Fonte: SIAFI.

27 CONSTRUÇÃO CIVIL: DETERMINANTES DA ATIVIDADE EDIFICAÇÕES OBRAS DE INFRAESTRUTURA 1 Emprego e Renda 2 Crédito 3 Endividamento 4 Confiança do Consumidor 1 Investimento Público 2 Crédito Externo 3 Produção Industrial e UCI 4 Confiança do Empresário 5 Concessões Fonte: SIAFI.

28 CONSTRUÇÃO CIVIL: DETERMINANTES DA ATIVIDADE Distribuição das concessões (Part. % ) 8,7 35,7 8,6 3,0 44,0 OBRAS DE INFRAESTRUTURA 1 Investimento Público 2 Crédito Externo 3 Produção Industrial e UCI 4 Confiança do Empresário 5 Concessões Energia Rodovias Aeroportos Petróleo e Gás Portos Total: R$ 80,3 bi Diferença em relação ao anunciado em 2013: R$ 52,7 bi Concessões esperadas para o 1ºSem. 2014: Ferrovias Portos Fonte: SIAFI.

29 PERSPECTIVAS PARA O INVESTIMENTO Perspectiva de investimento* (Total Brasil) Em R$ bi do de Energia Elétrica ,9 Telecomunicações ,4 Saneamento ,5 Transp. Rodoviário ,8 Ferrovias ,7 Portos ,7 Aeroportos ,3 Infraestrutura ,8 Investimentos contabilizados: Concessões; PPP s; Var. % Fonte: BNDES. Ministério dos Transportes. *Não se restringe apenas aos projetos apoiados pelo BNDES.

30 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 dez/10 mar/11 jun/11 set/11 dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 dez/13 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 dez/10 mar/11 jun/11 set/11 dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 dez/13 O SETOR PASSOU POR DOIS ANOS DE AJUSTE... EDIFICAÇÕES OBRAS DE INFRAESTRUTURA Nível de atividade em relação ao usual (em pontos - mensal) Acima Abaixo Margem de lucro operacional (em pontos - trimestre) 49,5 53,5 49,2 48,1 46,6 Satisfatória Insatisfatória 52,6 48,1 47,8 49,1 46, Fonte: CNI UNIDADE 2011 DE ESTUDOS 2012 ECONÔMICOS 2013

31 ...E A SITUAÇÃO FINANCEIRA E OS CANAIS DE CRÉDITO EDIFICAÇÕES OBRAS DE INFRAESTRUTURA 55,1 57,1 53,2 Situação financeira (em pontos - trimestre) 51,1 50,5 Ruim 59,9 51,5 49,2 50,7 49,4 Boa ,8 50,2 50,2 47,7 41,7 Acesso ao crédito (em pontos - trimestre) Fácil Difícil ,6 48,5 47,7 48,6 41, Fonte: CNI

32 AS EXPECTATIVAS PARA OS PRÓXIMOS SEIS MESES MELHORARAM Nível de atividade (em pontos) Construção de Edifícios Obras de Infraestrutura 59,1 Novos empreendimentos e serviços (em pontos - trimestre) Construção de Edifícios Obras de Infraestrutura 59,5 58,6 57,0 57,0 57,6 57,2 56,5 Média de 2013 Janeiro 2014 Compras de insumos e matérias-primas (em pontos - trimestre) Construção de Edifícios Obras de Infraestrutura 58,4 57,2 56,6 55,3 Média de 2013 Janeiro 2014 O maior otimismo com relação à atividade gerou aumento na expectativa com relação à compra de insumos e matérias-primas. O indicador situa-se acima da linha divisória dos 50 pontos e da média do biênio Fonte: CNI Média de 2013 Janeiro 2014

33 Economista-Chefe André Francisco Nunes de Nunes Núcleo de Análise de Conjuntura Economistas Oscar André Frank Jr. Thais Waideman Niquito Vanessa Neumann Sulzbach Núcleo Estatístico Economista Responsável: Ricardo Nogueira Assistente Administrativa: Cristina da Silva Casto Estagiários Thais Ayd Estevam Gabriela Klein Netto Estagiários Carine Irber Paola Guilardi Av. Assis Brasil, 8787 Fone: (051) Fax: (051) Porto Alegre- RS

Santa Cruz do Sul, 25 de setembro de 2013 UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Santa Cruz do Sul, 25 de setembro de 2013 UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS ESTATÍSTICA ACIDENTÁRIA DADOS QUE COMPROVAM OUTRA REALIDADE Santa Cruz do Sul, 25 de setembro de 2013 A UTILIZAÇÃO DA TAXA DE INCIDÊNCIA DE ACIDENTES DE TRABALHO Por que o correto é trabalhar com as taxas

Leia mais

Economia em Perspectiva 2012-2013

Economia em Perspectiva 2012-2013 Economia em Perspectiva 2012-2013 Porto Alegre, 28 Nov 2012 Igor Morais igor@vokin.com.br Porto Alegre, 13 de março de 2012 Economia Internacional EUA Recuperação Lenta Evolução da Produção Industrial

Leia mais

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC)

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Situação da economia e perspectivas Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Recessão se aprofunda e situação fiscal é cada vez mais grave Quadro geral PIB brasileiro deve cair 2,9% em 2015 e aumentam

Leia mais

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos Fevereiro/2014 Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Retrospectiva 2013 Frustração das Expectativas 2 Deterioração das expectativas

Leia mais

A Economia Brasileira e o Governo Dilma: Desafios e Oportunidades. Britcham São Paulo. Rubens Sardenberg Economista-chefe. 25 de fevereiro de 2011

A Economia Brasileira e o Governo Dilma: Desafios e Oportunidades. Britcham São Paulo. Rubens Sardenberg Economista-chefe. 25 de fevereiro de 2011 A Economia Brasileira e o Governo Dilma: Desafios e Oportunidades Britcham São Paulo 25 de fevereiro de 2011 Rubens Sardenberg Economista-chefe Onde estamos? Indicadores de Conjuntura Inflação em alta

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Cenário macroeconômico e perspectivas para 2014/2018 maio de 2014 Perspectivas para a economia mundial Perspectivas para a economia brasileira Perspectivas para os Pequenos

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 Indústria espera que as exportações cresçam no primeiro semestre de 2016 A Sondagem industrial, realizada junto a 154 indústrias catarinenses no mês de dezembro, mostrou

Leia mais

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL Uma análise do período 2000 2011 Abril de 2012 A competitividade da ind. de transformação e de BK A evolução do período 2000 2011, do:

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente Atratividade do Brasil: avanços e desafios Fórum de Atratividade BRAiN Brasil São Paulo, 03 de junho de 2011 Luciano Coutinho Presidente O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia

Leia mais

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

Prazo das concessões e a crise econômica

Prazo das concessões e a crise econômica Prazo das concessões e a crise econômica ABCE 25 de Setembro de 2012 1 1. Economia Internacional 2. Economia Brasileira 3. O crescimento a médio prazo e a infraestrutura 2 Cenário internacional continua

Leia mais

Econ. Paulo Zoldan SEF/Dior

Econ. Paulo Zoldan SEF/Dior Econ. Paulo Zoldan SEF/Dior Estrutura da Apresentação População - distribuição e estrutura Produção (PIB) distribuição e evolução Agricultura Industria Serviços Emprego - distribuição e evolução Balança

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indicadores CNI SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indústria da construção aprofunda deterioração A indústria da construção continua a se deteriorar. O índice de nível de atividade e o número de empregados

Leia mais

Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal

Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda São Paulo, 07 de Outubro de 2015 1 2 3 4 5 O quadro internacional A

Leia mais

Ministério da Fazenda. Junho 20041

Ministério da Fazenda. Junho 20041 Ministério da Fazenda Junho 20041 Roteiro Os avanços do Governo Lula O Brasil está crescendo Consolidando a agenda para o crescimento 2 Os avanços do Governo Lula 3 Consolidando a estabilidade macroeconômica

Leia mais

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 2/2 - Janeiro de 2014

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 2/2 - Janeiro de 2014 Notícias Economia Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 2/2 - Janeiro de 2014 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais

12º FÓRUM PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS 2016. The asset manager for a changing world

12º FÓRUM PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS 2016. The asset manager for a changing world 12º FÓRUM PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS 2016 The asset manager for a changing world CENÁRIO ECONÔMICO EDUARDO YUKI ECONOMISTA CHEFE The asset manager for a changing world RITMO DE CRESCIMENTO MUNDIAL ESTÁ

Leia mais

Desafio da qualidade e produtividade no setor público brasileiro

Desafio da qualidade e produtividade no setor público brasileiro Desafio da qualidade e produtividade no setor público brasileiro FNQ- Reunião do Conselho Curador São Paulo, 26 de agosto de 2010 Luciano Coutinho 1 Brasil retomou o ciclo de crescimento sustentado pela

Leia mais

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles As mudanças estruturais da economia brasileira Henrique de Campos Meirelles Julho de 20 Inflação 18 16 14 12 8 6 4 2 IPCA (acumulado em doze meses) projeção de mercado 0 03 06 11 Fontes: IBGE e Banco Central

Leia mais

Informativo Semanal de Economia Bancária

Informativo Semanal de Economia Bancária 1 Comentário Semanal A semana começa ainda sob impacto do debate acerca da evolução do quadro fiscal e seus possíveis efeitos sobre o crescimento da economia e, conseqüentemente, sobre os juros em 2010.

Leia mais

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços.

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. Construção Civil Construção Civil Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. edificações residenciais; edificações

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL RIO GRANDE DO SUL COPA DO MUNDO

SONDAGEM ESPECIAL RIO GRANDE DO SUL COPA DO MUNDO SONDAGEM ESPECIAL COPA DO MUNDO 72,7% dos empresários da construção civil do RS esperam impactos positivos com a realização da copa do mundo 39% acredita que esses impactos se materializem entre 2012-14

Leia mais

Classificação da Informação: Uso Irrestrito

Classificação da Informação: Uso Irrestrito Cenário Econômico Qual caminho escolheremos? Cenário Econômico 2015 Estamos no caminho correto? Estamos no caminho correto? Qual é nossa visão sobre a economia? Estrutura da economia sinaliza baixa capacidade

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015

XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015 XVIIIª Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015 Recife, 18 de dezembro de 2014 Temas que serão discutidos na XVIII Análise Ceplan: 1. A economia em 2014: Mundo Brasil Nordeste, com ênfase em Pernambuco

Leia mais

Perspectivas 2014 Brasil e Mundo

Perspectivas 2014 Brasil e Mundo 1 Perspectivas 2014 Brasil e Mundo 2 Agenda EUA: Fim dos estímulos em 2013? China: Hard landing? Zona do Euro: Crescimento econômico? Brasil: Deixamos de ser rumo de investimentos? EUA Manutenção de estímulos

Leia mais

Indicadores de Desempenho Junho de 2014

Indicadores de Desempenho Junho de 2014 Junho de 2014 PANORAMA CONJUNTURAL FIEA Lenta recuperação da economia global Os dados do último relatório World Economic Outlook do FMI, como podem ser observado nos gráficos nº 1 e 2, deixam claro que

Leia mais

Porto Alegre FEDERAÇÃO DAS SANTAS CASAS DO RS. Cenário Econômico e Perspectivas 2017

Porto Alegre FEDERAÇÃO DAS SANTAS CASAS DO RS. Cenário Econômico e Perspectivas 2017 Porto Alegre FEDERAÇÃO DAS SANTAS CASAS DO RS Cenário Econômico e Perspectivas 2017 16 de dezembro 2016 1985 T3 1986 T4 1988 T1 1989 T2 1990 T3 1991 T4 1993 T1 1994 T2 1995 T3 1996 T4 1998 T1 1999 T2 2000

Leia mais

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO - Diante do cenário de crise financeira internacional, o estudo mostra as expectativas de mercado

Leia mais

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12

Leia mais

A Evolução da Inflação no Biênio 2008/2009 no Brasil e na Economia Mundial

A Evolução da Inflação no Biênio 2008/2009 no Brasil e na Economia Mundial A Evolução da Inflação no Biênio / no Brasil e na Economia Mundial A variação dos índices de preços ao consumidor (IPCs) registrou, ao longo do biênio encerrado em, desaceleração expressiva nas economias

Leia mais

Ministério da Fazenda

Ministério da Fazenda Ministério da Fazenda Fevereiro 20051 Pilares da Política Macroeconômica - Equilíbrio fiscal - Manutenção da carga tributária do Governo Federal no nível de 2002 - Solidez das contas externas - Medidas

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio Nº 45- Maio/2015 1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio O volume de vendas do comércio varejista restrito do estado do Rio de Janeiro registrou, em fevereiro de 2015, alta de 0,8% em relação ao mesmo

Leia mais

UM ROTEIRO ESTRATÉGICO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO. 31 de agosto de 2015. Sindirações

UM ROTEIRO ESTRATÉGICO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO. 31 de agosto de 2015. Sindirações UM ROTEIRO ESTRATÉGICO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO 31 de agosto de 2015 Sindirações 1 1. Cenário macroeconômico 2. Economia Implicações Brasileira para empresas 3. Um roteiro estratégico para o agronegócio

Leia mais

Porto Alegre, Dezembro de 2015

Porto Alegre, Dezembro de 2015 Porto Alegre, Dezembro de 2015 Análise de indicadores do mês de novembro No mês, a exportação alcançou cifra de US$ 13,806 bilhões. Sobre novembro de 2014, as exportações registraram retração de 11,8%,

Leia mais

Tendências importantes para o spread e inadimplência

Tendências importantes para o spread e inadimplência Tendências importantes para o spread e inadimplência A inadimplência confirma mínima histórica em 3,0% e o spread bancário volta a se elevar, alcançando 13,1%. Os dois movimentos são os principais destaques

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015 A exportação se consolida como perspectiva positiva para os próximos meses A Sondagem industrial, realizada junto a 162 indústrias catarinenses no mês de março, mostrou

Leia mais

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE ALÉM DA CONJUNTURA

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE ALÉM DA CONJUNTURA PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE ALÉM DA CONJUNTURA PROF.DR. HERON CARLOS ESVAEL DO CARMO Dezembro de 2006 Rua Líbero Badaró, 425-14.º andar - Tel (11) 3291-8700 O controle do processo

Leia mais

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil VII Congresso Anbima de Fundos de Investimentos Rodrigo R. Azevedo Maio 2013 2 Principal direcionador macro de estratégias de

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

3 INFLAÇÃO. Carta de Conjuntura 26 mar. 2015 43

3 INFLAÇÃO. Carta de Conjuntura 26 mar. 2015 43 3 INFLAÇÃO SUMÁRIO A inflação brasileira, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), vinha apresentando uma trajetória de aceleração desde o início de 2014, mas mantinha-se dentro

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008 1 Crise Financeira Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo Nelson Barbosa Novembro de 20 1 2 Impactos da Crise Financeira nas Economias Avançadas Primeiro impacto: grandes perdas patrimoniais, crise

Leia mais

Construção civil: desempenho e perspectivas 10/02/2015

Construção civil: desempenho e perspectivas 10/02/2015 Construção civil: desempenho e perspectivas 10/02/2015 Emprego com Carteira Evolução Recente Fonte: MTE, SindusCon-SP/FGV Emprego com Carteira Segmento Dez 2014 / Dez 2013 Dez 2014 / Nov 2014 dessaz. Acumulado

Leia mais

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica Escola Nacional de Administração Pública - ENAP Curso: Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Professor: José Luiz Pagnussat Período: 11 a 13 de novembro de 2013 Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO 7 ECONOMIA MUNDIAL SUMÁRIO A situação econômica mundial evoluiu de maneira favorável no final de 2013, consolidando sinais de recuperação do crescimento nos países desenvolvidos. Mesmo que o desempenho

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM OUTUBRO São Paulo, 04 de novembro de 2010. O mês de outubro foi marcado pela continuidade do processo de lenta recuperação das economias maduras, porém com bons resultados no setor

Leia mais

Indústria. Prof. Dr. Rudinei Toneto Júnior Renata de Lacerda Antunes Borges

Indústria. Prof. Dr. Rudinei Toneto Júnior Renata de Lacerda Antunes Borges A Sondagem Industrial (SI) e o Índice de Confiança (ICEI) são elaborados pela unidade de Política Econômica da Confederação Nacional das s (CNI) em conjunto com as Federações das s dos 23 estados brasileiros

Leia mais

Boletim Econômico da Scot Consultoria

Boletim Econômico da Scot Consultoria Boletim Econômico da Scot Consultoria ano 1 edição 2 22 a 28 de abril de 2013 Destaque da semana Alta na taxa Selic O Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu elevar a taxa Selic para 7,50% ao ano,

Leia mais

SINCOR-SP 2016 FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 6 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

Recuperação Econômica e Geração de Empregos no Brasil Pós-Crise

Recuperação Econômica e Geração de Empregos no Brasil Pós-Crise Recuperação Econômica e Geração de Empregos no Brasil Pós-Crise Henrique de Campos Meirelles Outubro de 20 1 Brasil entrou na crise forte, com fundamentos macroeconômicos sólidos 2 US$ bilhões Reservas

Leia mais

Dificuldade no acesso ao crédito é disseminada na construção

Dificuldade no acesso ao crédito é disseminada na construção SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 5 Número 6 Junho de 2014 www.cni.org.br ISSN 2317-7322 Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Falta de crédito dificulta recuperação

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 25 número 07 agosto 2010 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Julho de 2010 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

abrimos mercados. 2015: Um Ano Perdido para o Brasil?

abrimos mercados. 2015: Um Ano Perdido para o Brasil? abrimos mercados. 2015: Um Ano Perdido para o Brasil? Lígia Heise Panorama Geral Brasil: Crise política agrava problemas econômicos Recessão Melhora da balança comercial Pautas-bomba Aumento do risco país

Leia mais

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional 9 dez 2008 Nº 58 Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional Por Fernando Pimentel Puga e Marcelo Machado Nascimento Economistas da APE Levantamento do BNDES indica

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS DEZEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Economia Brasileira: Perspectivas para os próximos 10 anos

Economia Brasileira: Perspectivas para os próximos 10 anos Economia Brasileira: Perspectivas para os próximos 10 anos Conjuntura Economia Americana Crescimento e Mercado de trabalho PIB EUA (%) 11 Desemprego EUA 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 1,6 3,9 2,8 2,8 3,2 1,4

Leia mais

SONDAGEM ECONÔMICA DA AMÉRICA LATINA. Sondagem da América Latina

SONDAGEM ECONÔMICA DA AMÉRICA LATINA. Sondagem da América Latina SONDAGEM ECONÔMICA DA AMÉRICA LATINA Novembro, 2013 O QUE É A SONDAGEM IFO/FGV? Decisões econômicas são pautadas por avaliações a respeito da situação atual e na expectativa de comportamento futuro das

Leia mais

Palavras de Saudação

Palavras de Saudação ESTUDOS E PESQUISAS Nº 327 Palavras de Saudação Luciano Coutinho* Fórum Especial 2009 - Na Crise Esperança e Oportunidade, Desenvolvimento como Sonho Brasileiro, Oportunidade para as Favelas 17 e 18 de

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA: NENHUM PROBLEMA INSOLÚVEL CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO EM UM AMBIENTE DE INCIPIENTE RECUPERAÇÃO GLOBAL

ECONOMIA BRASILEIRA: NENHUM PROBLEMA INSOLÚVEL CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO EM UM AMBIENTE DE INCIPIENTE RECUPERAÇÃO GLOBAL APRESENTAÇÃO INSTITUTO DE ECONOMIA DA UNICAMP ECONOMIA BRASILEIRA: NENHUM PROBLEMA INSOLÚVEL CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO EM UM AMBIENTE DE INCIPIENTE RECUPERAÇÃO GLOBAL 1 1 5 de setembro de 2014

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

Perspectivas da economia brasileira e mundial para 2014"

Perspectivas da economia brasileira e mundial para 2014 Perspectivas da economia brasileira e mundial para 2014" ABIT & Sinditêxtil - SP Paulo Rabello de Castro Janeiro 2014 PIB Mundial: Evolução até 2017 4,5% 4,0% PIB Mundial Crescimento quinquenal médio (%

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Economia global não dá sinais de retomada da atividade. No Brasil, o relatório de crédito apresentou leve melhora em março. Nos EUA, os dados de atividade seguem compatíveis

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Construção Civil, Habitação e Programa Minha Casa Minha Vida

Construção Civil, Habitação e Programa Minha Casa Minha Vida Construção Civil, Habitação e Programa Minha Casa Minha Vida Ministro Paulo Bernardo Brasília - DF, outubro de 2009 Sumário 1. Situação recente do setor da construção civil 2. Medidas já adotadas pelo

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015 Sumário SUMÁRIO Governo do Estado da Bahia Rui Costa Secretaria do Planejamento João Leão Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais

Leia mais

BOLETIM ECONÔMICO CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE

BOLETIM ECONÔMICO CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE BOLETIM ECONÔMICO CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE Nº 01 JANEIRO 2016 1 ÍNDICE SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO... 2 1 INDICADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL... 3 1.1 CUB PARÁ - DEZEMBRO

Leia mais

MONITOR ECONÔMICO. Balanço Anual 2014 e Perspectivas 2015

MONITOR ECONÔMICO. Balanço Anual 2014 e Perspectivas 2015 MONITOR ECONÔMICO Balanço Anual 2014 e Perspectivas 2015 Mensagem do Presidente Encerramos mais um ano com a economia mundial dando sinais de gradual recuperação, e, ao que tudo indica, entrando numa

Leia mais

e Indicadores Brasileiros Nº 2/2 Maio de 2012

e Indicadores Brasileiros Nº 2/2 Maio de 2012 Notícias do Comércio Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 2/2 Maio de 2012 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais

Release de Resultados 3T13. 23 de outubro de 2013

Release de Resultados 3T13. 23 de outubro de 2013 Release de Resultados 3T13 23 de outubro de 2013 Ressalvas As informações e declarações sobre eventos futuros estão sujeitas a riscos e incertezas, as quais têm como base estimativas e suposições da Administração

Leia mais

Ativa Corretora. Novembro de 2010

Ativa Corretora. Novembro de 2010 Ativa Corretora Novembro de 2010 Roteiro A economia global passa por ajustes severos, quase que simultaneamente, o que torna o trabalho de previsão ainda mais complexo do que o normal. Existem ainda questões

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

Relatório Econômico Mensal. Abril - 2012

Relatório Econômico Mensal. Abril - 2012 Relatório Econômico Mensal Abril - 2012 Índice Indicadores Financeiros...3 Projeções...4 Cenário Externo...5 Cenário Doméstico...7 Renda Fixa...8 Renda Variável...9 Indicadores - Março 2012 Eduardo Castro

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Carta Mensal Iporanga Julho de 2015

Carta Mensal Iporanga Julho de 2015 O fundo Iporanga Macro FIC FIM apresentou rendimento mensal de 3.7% (318% do CDI) em Julho. O mês também marca os primeiros doze meses de atividades do fundo, que durante o período obteve um rendimento

Leia mais

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015 Publicado em Novembro de 2015 Fatos Relevantes Agosto/2015 Vendas Industriais As vendas industriais registraram expansão de 28,40% em agosto. Trata-se do maior aumento dos últimos três meses e aponta para

Leia mais

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Senhor acionista e demais interessados: Apresentamos o Relatório da Administração e as informações

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

Prof. Roberto Macedo E-mail: roberto.macedo@post.harvard.edu

Prof. Roberto Macedo E-mail: roberto.macedo@post.harvard.edu Perspectivas, Tendências e Impactos da atual Crise Econômica Palestra para o COFECON Brasília-DF, 20-3-0909 Prof. Roberto Macedo E-mail: roberto.macedo@post.harvard.edu A ECONOMIA MUNDIAL Corrente de Comércio

Leia mais

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar)

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar) MERCADOS Bolsa O Ibovespa não conseguiu sustentar o movimento de alta do começo da tarde e terminou o dia em queda de 0,15% aos 53.100 pontos, com baixo volume financeiro de R$ 4,7 bilhões, acumulando

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA. Economia segue paralisada ante riscos e incertezas

ECONOMIA BRASILEIRA. Economia segue paralisada ante riscos e incertezas Informativo CNI ECONOMIA BRASILEIRA Edição Especial do Informe Conjuntural Economia segue paralisada ante riscos e incertezas PAÍS NÃO ENFRENTOU ADEQUADAMENTE SUAS DIFICULDADES EM 2015. O desafio posto

Leia mais

FEVEREIRO DE 2013 1 1. SUMÁRIO EXECUTIVO

FEVEREIRO DE 2013 1 1. SUMÁRIO EXECUTIVO FEVEREIRO DE 2013 1 1. SUMÁRIO EXECUTIVO A economia norte-americana ficou praticamente estagnada no último trimestre de 2012. Parte significativa desse fraco desempenho da atividade econômica pode ser

Leia mais

Informe Econômico SEFAZ/RJ

Informe Econômico SEFAZ/RJ Economia Mundial. Em julho, o cenário geopolítico internacional apresentou-se bastante conturbado. Entre os acontecimentos que têm gerado grande apreensão internacional, são destaques: (i) o aumento das

Leia mais

Crédito imobiliário e funding

Crédito imobiliário e funding Crédito imobiliário e funding Filipe F. Pontual Diretor Executivo São Paulo, SP 19 de Junho de 2015 Comissão da Indústria Imobiliária O crédito imobiliário Contextualização O financiamento imobiliário

Leia mais

SINCOR-SP 2015 NOVEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 NOVEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS NOVEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP ANEXO ESTATÍSTICO Produto Interno Bruto Tabela 1. Produto Interno Bruto Em R$ milhões Em U$ milhões 1 (último dado: 3º trimestre/) do índice de volume 2009 2010 (3ºtri) 2009 2010 (3ºtri) Trimestre com

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal maio 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIO GLOBAL Crescimento global de 3,4 % em 2013 O mundo retoma a média histórica de crescimento (3,4% a.a) Zona do Euro sai da recessão Os EEUU

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA. Duplo desafio para crescer mais

ECONOMIA BRASILEIRA. Duplo desafio para crescer mais Informativo CNI ECONOMIA BRASILEIRA Edição Especial do Informe Conjuntural Duplo desafio para crescer mais O BRASIL TEM UM DUPLO DESAFIO EM 2015: restaurar os fundamentos macroeconômicos e elevar a competitividade.

Leia mais

Release de Resultados 3T14. 22 de outubro de 2014

Release de Resultados 3T14. 22 de outubro de 2014 Release de Resultados 3T14 22 de outubro de 2014 Ressalvas As informações e declarações sobre eventos futuros estão sujeitas a riscos e incertezas, as quais têm como base estimativas e suposições da Administração

Leia mais

A DÍVIDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

A DÍVIDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL A DÍVIDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Porto Alegre, 27 de março de 2012. CONDIÇÕES DE RENEGOCIAÇÃO DAS DÍVIDAS ESTADUAIS 1997/98 1997 Lei 9.496/97 Os entes federados renegociaram suas dívidas contratuais

Leia mais

Relatório Mensal - Julho

Relatório Mensal - Julho Relatório Mensal - Julho (Este relatório foi redigido pela Kapitalo Investimentos ) Cenário Global A economia global apresentou uma relevante desaceleração nos primeiros meses do ano. Nosso indicador de

Leia mais

Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo. Setembro 2013

Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo. Setembro 2013 Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo Setembro 2013 2 Melhoras institucionais do Brasil desde 1994: aceleração do crescimento e queda da inflação 9% Brasil: Crescimento do PIB 24% IPCA Inflação Anual 7%

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais