CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC INFORMATIVO CEMEC MENSAL - POUPANÇA FINANCEIRA. Outubro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC INFORMATIVO CEMEC MENSAL - POUPANÇA FINANCEIRA. Outubro"

Transcrição

1 CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS INFORMATIVO CEMEC MENSAL - POUPANÇA FINANCEIRA Outubro 2011

2 ÍNDICE 1. Objetivo do Relatório Análise da Poupança Financeira - Fluxos de Captação Líquida Fluxos de Captação Líquida por Investidores Modelo de Contas Financeiras CEMEC Estoques de Ativos Financeiros - Contas Financeiras CEMEC Poupança Financeira por diferença nos estoques - Contas Financeiras CEMEC Algumas Conclusões Equipe Técnica: Diretor: Carlos Antônio Rocca Consultores Seniores: Lauro Modesto, Renê Coppe Pimentel e Tatiana Albanez Analistas: Elaine Alves Pinheiro e Erik Martins Valim Dúvidas e Comentários: *As opiniões emitidas nesta publicação são de inteira e exclusiva responsabilidade dos autores, não exprimindo, necessariamente, o ponto de vista do Centro de Estudos de Mercado de Capitais, do IBMEC ou de qualquer de seus apoiadores. ** Todos os dados utilizados foram obtidos das fontes citadas e podem sofrer revisões. *** A publicação foi produzida com as informações existentes em 15/Outubro/

3 DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA RELATÓRIO MENSAL 1. Objetivo do Relatório Apresentar uma análise da evolução recente da poupança financeira voluntária aplicada em ativos financeiros (por exemplo: ações, CDBs, poupança, fundos de investimento, títulos públicos etc.) no nível agregado e, sempre que possível, por tipos de investidores, utilizando o modelo de análise do CEMEC que combina informações provenientes de várias fontes de dados 1 num modelo de contas financeiras que elimina a dupla contagem e permite estimar o que ocorre com a carteira total de ativos financeiros. Este relatório apresenta dados até agosto de 2011, mas cabe salientar que devido ao esforço de consolidação de dados há alguma defasagem nos dados de alguns indicadores divulgados nesse relatório, a saber: a carteira de fundos de pensão (ABRAPP - Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar) contém dados disponíveis até março de 2011 e as carteiras de companhias de seguros e capitalização (SUSEP Superintendência de Seguros Privados) contêm dados até maio de As informações deste relatório são resultantes de informações preliminares das fontes citadas, portanto estão circunscritas às informações preliminares existentes e à capacidade de projeção no momento atual. O CEMEC não se responsabiliza pelo uso dessas informações para finalidade de aplicação financeira ou qualquer outra que possa causar algum prejuízo, de qualquer natureza, aos usuários da informação. 1 Banco Central do Brasil, CVM, ANBIMA, ABRAPP, BM&F BOVESPA, CETIP, SUSEP, entre outras. 3

4 1. Análise da Poupança Financeira - Fluxos de Captação Líquida Os movimentos recentes da poupança financeira podem ser analisados na forma de fluxo de captação líquida (aplicações menos resgates) para alguns dos ativos para os quais essa informação é disponível. A figura 1, a seguir, apresenta a captação líquida acumulada desde dezembro de Figura 1 Captação Líquida Acumulada desde Dezembro de em reais milhões 4

5 Verifica-se, na figura 1, nos últimos meses, uma expansão das captações líquidas acumuladas em depósitos a prazo, fundos de renda fixa e depósitos de poupança e uma estagnação das captações em outros tipos de fundos (multimercados, ações, cambial, etc.). Vamos analisar os movimentos recentes desses instrumentos financeiros. A figura 2, a seguir, apresenta as captações líquidas dos depósitos de poupança; uma aplicação tradicional das pessoas físicas. Captação Líquida de Depósitos de Poupança - em reais milhões ago-10 set-10 out-10 nov-10 dez-10 jan-11 fev-11 mar-11 abr-11 mai-11 jun-11 jul-11 ago-11 Captação Líq. no Mês Soma Móvel Anual Figura 2 Captação Líquida de Depósitos de Poupança - em reais milhões Na figura 2 verifica-se que as captações de depósitos de poupança sofreram, a partir de janeiro de 2011, grandes retiradas nos primeiros meses do ano, provavelmente devido aos reflexos da baixa remuneração face ao aumento dos juros e da inflação, retomando seu crescimento a partir de julho de No mês de julho verifica-se uma recuperação devido a um fator sazonal 2 de aumento da renda das pessoas físicas, os grandes aplicadores nesse instrumento financeiro e no mês de 2 A captação líquida de poupança apresenta sazonalidade relevante nos meses de julho (21,5%), setembro (11,2%), novembro (13,7%) e dezembro (35,6%). 5

6 agosto de 2011 verifica-se, pela primeira vez desde outubro de 2010, um crescimento do acumulado móvel anual. Os depósitos a prazo mostram grandes captações líquidas em 2011, como se verifica na figura 3, a seguir. Captação Líquida de Depósitos a Prazo - em reais milhões ago-10 set-10 out-10 nov-10 dez-10 jan-11 fev-11 mar-11 abr-11 mai-11 jun-11 jul-11 ago-11 Captação Líq. no Mês Soma Móvel Anual Figura 3 Captação Líquida de Depósitos a Prazo - em reais milhões Verifica-se um crescimento quase contínuo nas aplicações em depósitos a prazo, com acumulado móvel de 12 meses negativo em R$ 4 bilhões em agosto de 2010 e positivo em R$ 113,6 bilhões em agosto de Finalmente, os dados de captação líquida de fundos de investimento mostram ou captações líquidas negativas ou captações muito baixas, a partir de abril de 2011; devido a retirada de fundos de ações e multimercados, como mostra a figura 4, a seguir. 6

7 Figura 4 Captação Líquida de Fundos de Investimento Renda Fixa - em reais milhões Esses movimentos de aplicações e retiradas líquidas provavelmente refletem os movimentos das taxas de retorno desses ativos financeiros. A figura 5, a seguir, apresenta as taxas de retorno médias do CDB, líquidas de imposto de renda, dos fundos de investimentos total e renda fixa 3, líquidos de imposto de renda e taxa de administração, e a remuneração dos depósitos de poupança. 3 Foi considerado como fundos de investimento de renda fixa a agregação das categorias ANBIMA de curto prazo, referenciado DI, renda fixa, renda fixa crédito livre e renda fixa índices. 7

8 Figura 5 Taxas de Retorno Líquidas de IR de CDB, Fundos Total e Renda Fixa e Depósitos de Poupança - % ao ano Constata-se, na figura 5, que as remunerações líquidas dos ativos analisados induziram os movimentos de retirada ou aplicação de recursos: os fundos de investimentos nas categorias ações, multimercados e outros sofreram com as baixas do Ibovespa enquanto os depósitos a prazo e fundos de renda fixa ganharam com as altas taxas de juros. Os depósitos de poupança, com captação líquida desprezível desde o início do ano, sofreram por causa de sua parte fixa 4 de remuneração fixada em 6%, mas retomam captações positivas com o início da queda dos juros SELIC. 2. Fluxos de Captação Líquida por Investidores As figuras, a seguir, apresentam as captações líquidas por detentores ou categoria de investidores nos últimos meses. Devem ser feitas as seguintes observações: a) A captação líquida dos fundos de investimento considera a variação do patrimônio líquido de cada detentor, dado da ANBIMA, descontando-se o efeito da rentabilidade média; 4 Como já ocorreu em passado recente, em momentos de baixa da taxa de juros referencial do Banco Central o percentual fixo dos depósitos de poupança pode ser um atrativo dessa aplicação. 8

9 b) A captação líquida dos depósitos a prazo não distingue os investidores estrangeiros, que estão alocados entre os investidores pessoas física e jurídica não financeira; c) A captação líquida de depósitos de poupança foi alocada em sua totalidade para pessoas físicas. 2.1 Pessoas Físicas A figura 6, a seguir, apresenta a captação líquida de ações, depósitos de poupança, depósitos a prazo e fundos de investimento dos investidores pessoas físicas. Investidores Pessoas Físicas: Compra e Venda de Ações e Captação Líquida de Poupança, Depósitos a Prazo e fundos de Investimento - R$ milhões Fonte: BM&FBovespa, ANBIMA e BACEN Elaboração:CEMEC ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 Poupança Fundos de Investimento Depósitos a Prazo Ações Soma Móvel Anual - Fundos Soma Móvel Anual - Poupança Soma Móvel Anual - Dep. Prazo Soma Móvel Anual - Ações Figura 6 Captação Líquida dos Investidores Pessoas Físicas - em reais milhões Verifica-se, na figura 6, que os investidores pessoas físicas estão colocando recursos em depósitos a prazo e de poupança e retiraram, em agosto de 2011, recursos das demais aplicações: fundos de investimento e ações. No acumulado móvel de 12 meses verifica-se que os investidores pessoas físicas continuam preferindo aplicar em depósitos a prazo, crescimento contínuo desde agosto de 2010, e retirando recursos de ações. 9

10 1.2 Pessoas Jurídicas Não Financeiras CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS A figura 7, a seguir, apresenta a captação líquida de ações, depósitos a prazo e fundos de investimento dos investidores pessoas jurídicas não financeiras 5. Investidores Pessoas Jurídicas: Compra e Venda de Ações e Captação Líquida de Poupança, Depósitos a Prazo e fundos de Investimento - R$ milhões Fonte: BM&FBovespa, ANBIMA e BACEN Elaboração:CEMEC ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 Fundos de Investimento Depósitos a Prazo Ações Soma Móvel Anual - Fundos Soma Móvel Anual - Dep. Prazo Soma Móvel Anual - Ações Figura 7 Captação Líquida de Investidores Pessoas Jurídicas Não Financeiras - em reais milhões Os investidores pessoas jurídicas não financeiras estão, em agosto de 2011, colocando recursos em ações, depósitos a prazo 6 e fundos de investimento. O acumulado móvel de 12 meses permite verificar uma preferência por fundos de investimentos e depósitos a prazo em relação a aplicações em ações; as aplicações no mercado acionário continuam pequenas, mas positivas. 1.3 Institucionais A figura 8, a seguir, apresenta a captação líquida de ações, depósitos a prazo e fundos de investimento dos investidores institucionais. 5 Para fundos de investimentos Inclui poder público. 6 No caso de investidores pessoas jurídicas a captação de fundos de investimento e depósitos a prazo engloba os eventuais investidores estrangeiros; o que não ocorre para ações. 10

11 Investidores Institucionais: Compra e Venda de Ações e Captação Líquida de Poupança, Depósitos a Prazo e fundos de Investimento - R$ milhões Fonte: BM&FBovespa, ANBIMA e BACEN Elaboração:CEMEC ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 Fundos de Investimento Depósitos a Prazo Ações Soma Móvel Anual - Fundos Soma Móvel Anual - Dep. Prazo Soma Móvel Anual - Ações Figura 8 Captação Líquida de Investidores Institucionais - em reais milhões Em agosto de 2011, os investidores institucionais estão retirando recursos de ações; e estão colocando recursos em depósitos a prazo e fundos de investimento. No acumulado móvel de 12 meses pode-se constatar uma preferência pelas aplicações em depósitos a prazo; estas aplicações apresentam crescimento contínuo desde agosto de Estrangeiros Existem dados para investidores estrangeiros somente para compra e venda de ações. A figura 9, a seguir, apresenta a captação líquida positiva em ações dos investidores estrangeiros no mês apesar da queda de valor do estoque do mercado como um todo. 11

12 Investidores Estrangeiros: Compra e Venda de ações - R$ milhões Fonte: BM&FBOVESPA- Elaboração:CEMEC ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 Ações Soma Móvel Anual - Ações Figura 9 Investidores Estrangeiros Compra, Venda e Captação Líquida de Ações em R$ milhões Apesar de um descolamento nos últimos meses, na figura 10, adiante, se pode observar alta correlação entre a entrada líquida de investimento estrangeiro na BOVESPA e as flutuações do IBOVESPA Investimento estrangeiro e Ibovespa Fontes: CVM e BM&FBovespa - Elaboracão CEMEC Correlação 72% Saldo Líquido de Investidores Estrangeiros (R$ milhões) Variação Mensal do Ibovespa Figura 10 Investimento Estrangeiro e Ibovespa 12

13 A seguir, vamos analisar, com o apoio das contas financeiras CEMEC, como esses movimentos de captações líquidas dos ativos financeiros afetaram os estoques desses ativos para em seguida analisar a poupança financeira através da diferença verificada entre esses estoques. 3. Modelo de Contas Financeiras CEMEC O modelo de contas financeiras CEMEC combina informações provenientes de várias fontes de dados num modelo de contas financeiras que elimina a dupla contagem e permite estimar o que ocorre com a carteira total consolidada de ativos financeiros domésticos 7. A utilização de saldos totais de aplicações nos ativos financeiros (ex: fundos de investimento, depósitos a prazo, poupança, etc.) e a comparação de tendências de crescimento ou queda entre eles envolve riscos de dupla contagem e pode levar a interpretações equivocadas quanto ao comportamento dos investidores. Exemplificando, se somarmos o total da dívida pública mobiliária aos depósitos à vista, depósitos a prazo e depósitos de poupança estarão fazendo dupla contagem, uma vez que parte dos depósitos bancários é compulsoriamente alocado pelos bancos em títulos da dívida pública. 4. Estoques de Ativos Financeiros - Contas Financeiras CEMEC A figura 11, a seguir, apresenta o modelo 8 de contas financeiras CEMEC para a poupança voluntária, sem poupança compulsória 9, do mês de agosto de Com exceção de pequenas aplicações dos fundos de investimento, o relatório considera apenas os ativos do mercado doméstico, não incluindo aplicações de recursos no exterior. 8 Para uma apresentação mais detalhada do modelo de contas financeiras veja-se Relatório CEMEC 01 Retrospecto A poupança compulsória é construída pelos recursos do FGTS, FAT e carteira remanescente do extinto PIS/PASEP para os quais não há informações detalhadas sobre a composição de suas carteiras. 13

14 CARTEIRA DE ATIVOS FINANCEIROS - sem poupança compulsória (R$ milhões) ago-11 Investidores ações 356 EAPC APLICAM RECURSOS Fundos Investimento EAPC dep. à vista 0 FINANCEIROS dep. a prazo Fundos Invest. Cias Capitalização dep. poupança 0 Cias Capitalização APLICAM RECURSOS tít. dívida privada FINANCEIROS Outros Ativos Financ. Cias Capit tít. públicos outros 0 Pessoas Físicas e Pessoas Jurídicas não financeiras Estrangeiros ações dep. à vista 0 Cias de Seguros APLICAM RECURSOS Fundos Invest. Cias Seguro dep. a prazo FINANCEIROS dep. poupança 0 Outros Ativos Financ. Cias Seguro tít. dívida privada tít. públicos outros 0 ações dep. à vista 0 Fundos Pensão - EFPC Fundos Investimento EFPC dep. a prazo APLICAM RECURSOS FINANCEIROS dep. poupança 0 Outros Ativos Financ. EFPC tít. dívida privada tít. públicos outros Fundos de Invest. PF e PJ CARTEIRA CONSOLIDADA DE ATIVOS FINANCEIROS ações dep. à vista 0 Total PF e PJ Instituc dep. a prazo Fundos Investimento Consolidado dep. poupança 0 ações tít. dívida privada dep. à vista tít. públicos dep. a prazo tít. priv. bancários dep. poupança outros tít. dívida privada tít. públicos ações tít. dívida privada bancários dep. à vista PF e PJ Fora de Institu Ativos Financeiros dep. a prazo Fora de Fundos Investimento dep. poupança ações tít. dívida privada Títulos da Dívida Privada tít. públicos Depósitos a Prazo tít. priv. bancários Títulos Públicos outros Fundos de Investimento Total Estrangeiros ações dep. à vista dep. a prazo Total Institucionais Carteira Consolidada dep. poupança tít. dívida privada Total Invest. Nacionais tít. públicos tít. priv. bancários Total de Ativos Financ outros Figura 11 - Composição da Carteira de Ativos Financeiros Voluntários reais milhões agosto 2011 Como se verifica na figura 11, as pessoas físicas, jurídicas e outras entidades não financeiras aplicam seus recursos diretamente em instrumentos financeiros (ações, títulos públicos, títulos de dívida privada, depósitos bancários e outros) e também investem em institucionais (veículos) tais como: entidades abertas de previdência complementar (EAPC), companhias de capitalização, companhias de seguros, fundos de pensão (EFPC) e fundos de investimentos. Os institucionais, por sua vez, também investem diretamente em instrumentos financeiros e fundos de investimento que por 14

15 sua vez investem em instrumentos financeiros. Os investidores estrangeiros também investem diretamente em instrumentos financeiros, mas também investem no institucional (veículo) fundo de investimento. Dessa forma, a carteira consolidada de ativos financeiros domésticos é a composição de decisão de investimento de vários agentes e faz-se necessário uma consolidação para evitar duplas contagens. A metodologia de contas financeiras do CEMEC permite fazer, sem dupla contagem, estimativas da carteira de três tipos diferentes de investidores: investidores estrangeiros, investidores institucionais (fundos de pensão, fundos de previdência aberta, companhias de seguros e capitalização e fundos de investimento) e investidores pessoas físicas e jurídicas não financeiras. Cabe salientar que a soma da carteira dos institucionais com a carteira das pessoas físicas e jurídicas não financeiras representa o total da carteira dos investidores nacionais. A figura 12, a seguir, reúne os resultados da figura 11 em termos de detentores da poupança voluntária doméstica total. Carteira dos Detentores em R$ milhões em % do PIB % do Total Total Investidores Nacionais ,3% 90,2% Total Institucionais ,2% 38,1% Total PF e PJ fora de institucionais ,5% 52,4% Total Investidores Estrangeiros ,9% 9,8% Total de Ativos Financeiros ,2% 100,0% Figura 12 - Carteira Consolidada de Ativos Financeiros Domésticos por detentores - reais milhões agosto 2011 Como se observa na figura 12 a carteira consolidada de ativos financeiros domésticos atingiu R$ 5,6 trilhões em agosto de 2011 com 90,2% de participação de investidores nacionais e 9,8% de investidores estrangeiros no total. A figura 13, a seguir, apresenta a evolução recente da carteira total consolidada desses investidores. 15

16 Carteira Consolidada de Ativos Domésticos em % do PIB Fontes: Bacen, CVM, CETIP, BM&FBOVESPA, ABRAPP, SUSEP e Anbima - Elaboração CEMEC 143,8% 150,4% 151,5% 149,3% 152,3% 148,5% 150,4% 151,6% 148,8% 146,8% 146,0% 142,6% 141,1% 127,4% 133,1% 134,0% 132,3% 135,3% 132,5% 133,1% 134,0% 131,7% 129,4% 129,3% 128,1% 127,3% 16,4% 17,2% 17,5% 16,9% 17,1% 16,0% 17,3% 17,6% 17,2% 17,3% 16,7% 14,6% 13,8% Investidor Estrangeiro Investidor Nacional Figura 13 Carteira Consolidada de Ativos Domésticos em % do PIB por detentores A figura 13 mostra que a carteira dos investidores estrangeiros, atinge 13,8% do PIB em agosto de Como veremos mais adiante nesse relatório, essa evolução está muito condicionada ao comportamento da renda variável, isto é, aos preços das ações negociadas em bolsa. A figura 14 abaixo representa as estimativas de participação percentual e valor da carteira cada tipo de investidor na carteira consolidada da economia brasileira em agosto de

17 Total de Ativos Financeiros: Distribuição entre Investidores Institucionais, Estrangeiro e Outros não Financeiros R$ milhões e % Total - Elaboração CEMEC agosto/ % % INVESTIDORES INSTITUCIONAIS OUTROS INVESTIDORES NÃO FINANCEIROS Figura 14 Carteira Consolidada de Ativos Domésticos em reais milhões e % do total por detentores Note-se, na figura 14, que os investidores institucionais (líquidos de fundos de investimentos dos estrangeiros) comandam 38% dos recursos da poupança doméstica enquanto os estrangeiros, 10%, e os outros investidores não financeiros 10, 52%. A figura 15, a seguir, apresenta a carteira consolidada de ativos financeiros por instrumentos financeiros % INVESTIDORES ESTRANGEIROS 10 A carteira de outros investidores é estimada por diferença; inicialmente é calculada a carteira total de posse dos investidores não financeiros pela diferença entre o saldo total de cada classe de ativo e o existente no ativo das instituições financeiras; desse valor, é deduzido o valor existente na carteira dos investidores institucionais e estrangeiros, cujo resultado é a carteira de outros investidores não financeiros; por insuficiência de dados, o valor das ações atribuído a essa carteira contém ações de posse das instituições financeiras e ações de propriedade de investidores estrangeiros adquiridas em bolsas do exterior mediante compra de DR s. 17

18 Carteira Consolidada de Ativos Financeiros Fontes: Bacen, CVM, CETIP, BM&FBOVESPA, ABRAPP, SUSEP e Anbima - Elaboração CEMEC R$ bilhões Depósitos à Vista Depósitos de Poupança Depósitos à Prazo Títulos de Dívida Privada Captação Bancária Títulos de Dívida Privada Títulos Públicos Outros (inclui operações compromissadas) Ações Figura 15 Carteira Consolidada de Ativos Financeiros por instrumentos financeiros em reais bilhões Conforme a figura 15, a carteira consolidada de ativos financeiros apresenta uma diminuição de cerca de R$ 17 bilhões em agosto de 2011 contra o mês anterior. Essa diminuição da carteira total de ativos financeiros está muito relacionada aos movimentos da carteira de ações; e esses movimentos estão relacionados com a variação de preços desse ativo. A figura 16 apresenta, então, a carteira de ativos totais domésticos sem esse instrumento financeiro. 18

19 R$ milhões Carteira Consolidada de Ativos Financeiros Fontes: Bacen, CVM, CETIP, BM&FBOVESPA, ABRAPP, SUSEP e Anbima - Elaboração CEMEC Depósitos à Vista Depósitos de Poupança Depósitos à Prazo Títulos de Dívida Privada Captação Bancária Títulos de Dívida Privada Títulos Públicos Outros (inclui operações compromissadas) Figura 16 Carteira Consolidada de Ativos Financeiros ex-ações em reais bilhões Quando se analisa a carteira consolidada ex-ações percebe-se, figura 16, uma contínua expansão da carteira de ativos financeiros, com expansão de cerca de R$ 66 bilhões em agosto de 2011 contra o mês imediatamente anterior. A figura 17, a seguir, apresenta as taxas de variações anuais dos ativos financeiros da carteira consolidada. Figura 17 Carteira Consolidada de Ativos Financeiros taxas de variação anuais 19

20 Verifica-se na figura 17, grandes taxas de expansão dos estoques de títulos de dívida privada de captação bancária, devido ao crescimento das letras financeiras, e contínuo aumento nas taxas de depósitos a prazo, o que se observou nos movimentos de captações líquidas analisado anteriormente. 5. Poupança Financeira por diferença nos estoques - Contas Financeiras CEMEC Podemos também analisar os movimentos de expansão e retração dos diversos instrumentos da carteira consolidada em agosto de 2011 através da diferença de saldos (estoques) 11. A metodologia das contas financeiras do CEMEC permite que se visualizem as variações de saldos de cada instrumento financeiro por parte de cada detentor: investidor estrangeiro, investidor pessoa física e jurídica não financeira e institucionais 12 (veículos). A figura 18 apresenta as variações de saldos por detentor entre os meses de agosto e julho de 2011: Detentores/Instrumentos Financeiros Ações Títulos de Dívida Privada Títulos de Dívida Depósitos Depósitos Privada Cap. à Vista à Prazo Bancária Depósitos de Poupança Títulos Públicos Operações Comprom. Outros com Títulos (1) Públicos Investidores Nacionais Fundos de Investimento (2) PF e PJ Não Financeiros Investidores Estrangeiros Total da Poupança Doméstica (1) Outras aplicações de fundos de investimento como derivativos e outros; (2) Não inclui os fundos de investimentos dos investidores estrangeiros. Figura 18 Variação Mensal dos Ativos Financeiros da Carteira Consolidada por Detentores agosto em reais milhões Total 11 Note-se que a variação de saldos de um momento para outro é o resultado de aplicações menos resgates mais ou menos uma variação de valor do ativo (pode ser variação de preços de mercado, capitalização de juros, etc.). 12 Para a poupança financeira, por diferença de estoques, os institucionais restringem-se ao fundo de investimento porque não são disponíveis os dados de estoque dos demais institucionais para os meses de julho e agosto de

21 Como a diferença de saldos de ações reflete basicamente mudanças de preços e não compra ou venda do instrumento financeiro, substituímos esse ativo pelos dados de captação líquida, compra menos venda de ações no mercado secundário, fornecidos pela BM&FBOVESPA 13. A figura 19 a seguir, apresenta a poupança financeira por detentores no conceito de diferença de saldos. Detentores/Instrumentos Financeiros Ações Títulos de Dívida Privada Total da Poupança Doméstica (1) Outras aplicações de fundos de investimento como derivativos e outros; (2) Não inclui os fundos de investimentos dos investidores estrangeiros. Figura 19 Poupança Financeira por Detentores agosto em reais milhões Verifica-se que, nesse conceito 14, a poupança financeira total, cerca de R$ 65,5 bilhões deveu-se inteiramente aos investidores nacionais que cresceram seus estoques financeiros em cerca de R$ 57,0 bilhões enquanto os estrangeiros aumentaram seus estoques financeiros em R$ 8,5 bilhões. Títulos de Dívida Depósitos Depósitos Privada Cap. à Vista à Prazo Bancária Depósitos de Poupança Títulos Públicos Operações Comprom. Outros com Títulos (1) Públicos Investidores Nacionais Fundos de Investimento (2) PF e PJ Não Financeiros Investidores Estrangeiros Total No mês de agosto, observam-se os seguintes movimentos dos instrumentos financeiros por detentor: Ações Os investidores pessoas física e jurídica não financeira foram os únicos aplicadores em ações com compras superando em R$ 1,9 bilhões as vendas do mês; os fundos de investimento venderam liquidamente R$ 1,5 bilhões e os investidores estrangeiros venderam liquidamente R$ 0,4 bilhão. 13 A poupança financeira nesse conceito, utilizando o mercado secundário de ações e a diferença de estoques das contas financeiras CEMEC, não inclui as emissões primárias realizadas no mês de agosto de 2011, mas essas foram nulas no mês. 14 O conceito de poupança financeira utilizado nessa parte do relatório é a diferença de saldos (estoque final menos inicial) e, portanto, engloba tanto captação líquida do ativo financeiro quanto rendimentos sobre o estoque inicial. 21

22 Títulos de Dívida Privada Os títulos de dívida privada de captação corporativa como debêntures, CRIs, etc. tiveram compras líquidas dos estrangeiros, R$ 1,5 bilhões, das pessoas física e jurídica não financeira, R$ 2,3 bilhões e dos fundos de investimento em R$ 6,7 bilhões; o que representou um aumento de R$ 10,5 bilhões no estoque desses ativos. Títulos de Dívida Privada de Captação Bancária Os títulos de dívida privada de captação bancária como letras financeiras, letras de crédito imobiliário, etc. tiveram um incremento total de R$ 15,5 bilhões, principalmente devido ao avanço das letras financeiras, cerca de R$ 9,2 bilhões no mês. Os fundos de investimento, R$ 8,3 bilhões, e as pessoas física e jurídica não financeira, R$ 7,2 bilhões, foram os detentores responsáveis por essa expansão 15. Depósitos à Vista Os investidores pessoas física e jurídica não financeiras reduziram seus depósitos à vista em R$ 4,3 bilhões; não existem dados de depósitos à vista para estrangeiros e fundos de investimento. Depósitos a Prazo Os depósitos a prazo tiveram um incremento de R$ 17,3 bilhões devido a um incremento de R$ 12,4 bilhões das pessoas física e jurídica não financeiras e R$ 1,4 bilhão dos fundos de investimento; os estrangeiros aumentaram seus depósitos a prazo em R$ 3,5 bilhões. Depósitos de Poupança Os investidores pessoas física e jurídica não financeiras aumentaram seus depósitos de poupança em R$ 4,7 bilhões; não existem dados de depósitos de poupança para estrangeiros e fundos de investimento. 15 Não existem dados disponíveis sobre a captação de títulos privados de captação bancária nos estrangeiros. 22

23 Títulos Públicos Os títulos públicos de entidades não financeiras tiveram um aumento de estoques de R$ 29,1 bilhões devido ao aumento dos estoques dos fundos de investimento R$ 24,4 bilhões; os investidores estrangeiros aumentaram seus estoques em R$ 3,9 bilhões e as pessoas física e jurídica não financeiras em R$ 0,8 bilhão. Operações Compromissadas com Títulos Públicos Os fundos de investimento, único detentor para o qual se dispõe de informações para esse ativo, diminuíram seus estoques em R$ 2,9 bilhões. 6. Algumas Conclusões A análise do comportamento da poupança financeira, no mês de agosto de 2011, pelos dados de captações líquidas de alguns ativos com dados disponíveis e diferença de saldos de ativos financeiros pelas contas financeiras CEMEC permite indicar algumas constatações sobre os ativos financeiros e seus detentores: a) Os investidores estrangeiros tiveram uma diminuição no valor de sua carteira de ativos financeiros, riqueza financeira, de R$ 26,5 bilhões; R$ 35,4 bilhões, devido a queda de preços do IBOVESPA; e R$ 8,9 bilhões em compra de outros ativos financeiros: depósitos a prazo, R$ 3,5 bilhões, títulos de dívida privada, R$ 1,5 bilhões e R$ 3,9 bilhões em títulos públicos. Substituindo-se a queda do valor da carteira de ações de R$ 35,4 bilhões pelas vendas líquidas de ações no mês em R$ 0,4 bilhão, totaliza-se uma variação positiva de saldos total, poupança financeira, em R$ 8,5 bilhões; b) Os investidores pessoas física e jurídica não financeira também tiveram uma diminuição no valor de sua carteira de ativos financeiros, riqueza financeira, em R$ 15,6 bilhões; R$ 38,6 bilhões, devido à queda de preços do IBOVESPA e R$ 27,4 bilhões devido ao aumento no saldo de títulos de dívida privada de captação corporativa, R$ 2,3 bilhões, depósitos a prazo em R$ 12,3 bilhões, depósitos de poupança R$ 4,7 bilhões e títulos privados de captação bancária em R$ 7,2 bilhões; esses investidores diminuíram seus estoques de depósitos à 23

24 vista em R$ 4,3 bilhões. Substituindo-se a queda do valor da carteira de ações de R$ 38,6 bilhões pelas compras líquidas de ações em R$ 1,9 bilhão totaliza-se uma variação positiva de saldos total, poupança financeira, em R$ 24,9 bilhões; c) Os fundos de investimento tiveram um aumento no valor de sua carteira de ativos financeiros, riqueza financeira, de R$ 25,6 bilhões; com aumento de R$ 40,8 bilhões nos estoques dos seguintes ativos financeiros: títulos de dívida privada de captação corporativa, R$ 6,7 bilhões, títulos de dívida privada de captação bancária, R$ 8,3 bilhões, depósitos a prazo R$ 1,5 bilhão e R$ 9,8 bilhões em títulos públicos; e com queda de R$ 15,2 bilhões nos seguintes ativos: R$ 8,0 bilhões em ações, devido a queda de preços do IBOVESPA, e queda em operações compromissadas em R$ 2,9 bilhões e outros ativos em R$ 4,3 bilhões. Substituindo-se a queda do valor da carteira de ações de R$ 8,0 bilhões pelas vendas líquidas de ações em R$ 1,5 bilhão totaliza-se uma variação de saldos total, poupança financeira, de R$ 32,1 bilhões; d) Pelos dados de captações líquidas conclui-se que os investidores pessoas físicas continuam preferindo aplicar em depósitos a prazo, crescimento contínuo desde agosto de 2010, e continuam retirando recursos de ações; e) Pelos dados de captações líquidas conclui-se que os investidores pessoas jurídicas não financeiras têm preferência por fundos de investimentos e depósitos a prazo 16 em relação a aplicações em ações; as aplicações no mercado acionário continuam pequenas, mas positivas; f) Pelos dados de captações líquidas conclui-se que os investidores institucionais estão retirando recursos de ações; e estão colocando recursos em depósitos a prazo e fundos de investimento. 16 No caso de investidores pessoas jurídicas a captação de fundos de investimento e depósitos a prazo engloba os eventuais investidores estrangeiros; o que não ocorre para ações. 24

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC RELATÓRIO CEMEC MENSAL DE DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA. Junho

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC RELATÓRIO CEMEC MENSAL DE DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA. Junho CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS RELATÓRIO CEMEC MENSAL DE DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA Junho 2011 ÍNDICE 1. Objetivo do Relatório... 3 2. Modelo

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS CENTRO DE ESTUDOS DE CEMEC

MERCADO DE CAPITAIS CENTRO DE ESTUDOS DE CEMEC 10º. SEMINÁRIO CEMEC DE MERCADO DE CAPITAIS CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Financiamento de Investimentos no Brasil e nas Empresas São Paulo 29/Novembro/2011 10º. SEMINÁRIO CEMEC DE MERCADO

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL. Abril 2015

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL. Abril 2015 RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL Abril 2015 Equipe Técnica: Diretor: Carlos Antônio Rocca Superintendente: Lauro Modesto Santos Jr. Analistas: Elaine Alves Pinheiro e Fernando

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL- 2012/2013

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL- 2012/2013 ESTUDO ESPECIAL REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL- 2012/2013 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Novembro 2013 SUMÁRIO 1. Sumário e conclusões... 3 2. Entre

Leia mais

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 Fevereiro de 2015 NOTA CEMEC 1 02/2015 SUMÁRIO São apresentadas estimativas

Leia mais

HSM EXPOMANAGEMENT 2014 Mercado de Capitais e Direito Internacional PAINEL 5

HSM EXPOMANAGEMENT 2014 Mercado de Capitais e Direito Internacional PAINEL 5 HSM EXPOMANAGEMENT 2014 Mercado de Capitais e Direito Internacional PAINEL 5 ACESSO DAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS 04 DE NOVEMBRO DE 2014 INSTITUTO IBMEC MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Centro de Estudos

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

Contas Financeiras CEMEC Informativo Poupança Financeira São Paulo Maio/2015

Contas Financeiras CEMEC Informativo Poupança Financeira São Paulo Maio/2015 Contas Financeiras CEMEC Informativo Poupança Financeira São Paulo Maio/2015 Este relatório apresenta dados disponíveis em maio de 2015, mas cabe salientar que devido ao esforço de consolidação de dados

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic III Mercado Financeiro e de Capitais Taxas de juros reais e expectativas de mercado A meta para a taxa Selic foi mantida durante o primeiro trimestre de 21 em 8,75% a.a. Em resposta a pressões inflacionárias

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL Outubro 2013 SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Visão macroeconômica: investimento e poupança na economia brasileira... 4 3. Padrão de financiamento

Leia mais

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto *

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * O mercado de capitais brasileiro vai fechar o ano de 2007 consolidando a tendência estrutural

Leia mais

NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA

NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA Agosto de 2015 O CEMEC não se responsabiliza pelo uso dessas informações para tomada de decisões de compra

Leia mais

PROPOSTA DO IBMEC PROJETO ACESSO DAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS SÃO PAULO 29/06/2012

PROPOSTA DO IBMEC PROJETO ACESSO DAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS SÃO PAULO 29/06/2012 PROPOSTA DO IBMEC PROJETO ACESSO DAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS CEMEC SÃO PAULO 29/06/2012 C.A.ROCCA INDICE 1. Bases da proposta do IBMEC 2. Mercado de capitais brasileiro: regulação, funcionalidade

Leia mais

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras As principais modalidades de aplicação financeira disponíveis no mercado doméstico caderneta de poupança, fundos de investimento e depósitos a prazo

Leia mais

Proposta do Ibmec estratégia nacional de acesso ao mercado de capitais

Proposta do Ibmec estratégia nacional de acesso ao mercado de capitais ESTUDOS E PESQUISAS Nº 417 Proposta do Ibmec estratégia nacional de acesso ao mercado de capitais Carlos A. Rocca * XXIV Fórum Nacional Rumo ao Brasil Desenvolvido (Em Duas Décadas): Estratégia de Desenvolvimento

Leia mais

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL SEMINARIO FIESP REINDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL: CHAVE PARA UM PROJETO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO 4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL 26 agosto 2013 Carlos

Leia mais

NOTA CEMEC 07/2015 FATORES DA DECISÃO DE INVESTIR DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS UM MODELO SIMPLES

NOTA CEMEC 07/2015 FATORES DA DECISÃO DE INVESTIR DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS UM MODELO SIMPLES NOTA CEMEC 07/2015 FATORES DA DECISÃO DE INVESTIR DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS UM MODELO SIMPLES Setembro de 2015 O CEMEC não se responsabiliza pelo uso dessas informações para tomada de decisões de compra

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de Juros Reais e Expectativas de Mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de Juros Reais e Expectativas de Mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic III Mercado Financeiro e de Capitais Taxas de Juros Reais e Expectativas de Mercado A taxa Selic efetiva totalizou 8,2% em 213 e a taxa Selic real acumulada no ano, deflacionada pelo IPCA, atingiu 2,2%.

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

Evolução do Mercado de Renda Fixa Local

Evolução do Mercado de Renda Fixa Local Evolução do Mercado de Renda Fixa Local Dyogo Henrique de Oliveira Secretário-Executivo Adjunto Ministério da Fazenda IV Seminário ANBIMA de Finanças Corporativas 1 24 de maio de 2012 1. Intermediação

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte:

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos: São condomínios, que reúnem aplicações de vários indivíduos para investimento

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Financiamento do Investimento no Brasil

Financiamento do Investimento no Brasil ESTUDOS E PESQUISAS Nº 407 Financiamento do Investimento no Brasil Carlos A. Rocca * Fórum Especial Na Grande Recessão Novo Modelo de Desenvolvimento e Grandes Oportunidades (Como em 1929): New Deal Verde.

Leia mais

Mercado de Capitais 18/08/2015

Mercado de Capitais 18/08/2015 Mercado de Capitais 18/08/2015 O que é Cetip? CTIP3; Novo Mercado; Integradora do mercado financeiro; Utiliza a tecnologia para oferecer serviços de infraestrutura; Maior depositária de títulos de renda

Leia mais

105,9% 105,4% 102,5% 102,8% 102,9% 101,1% 102,7% 104,0% 105,5% 30,7% 31,1% 30,5% 31,0% 31,5% 32,2% 32,2% 32,8% 33,9% 35,5%

105,9% 105,4% 102,5% 102,8% 102,9% 101,1% 102,7% 104,0% 105,5% 30,7% 31,1% 30,5% 31,0% 31,5% 32,2% 32,2% 32,8% 33,9% 35,5% FINANCIAMENTO EMPRESAS, GOVERNO E FAMÍLIAS INFORMATIVO MENSAL DEZEMBRO/2011 1. FINANCIAMENTO GERAL DE ENTIDADES NÃO FINANCEIRAS: DÍVIDA CONSOLIDADA. O Financiamento geral consolidado de entidades não financeiras,

Leia mais

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

1. Objetivo e Descrição do fundo

1. Objetivo e Descrição do fundo FATOR VERITÀ FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ: 11.664.201/0001-00 Administrado pelo Banco Fator S.A. CNPJ: 33.644.196/0001-06 RELATÓRIO SEMESTRAL 1º. SEM. 2012 1. Objetivo e Descrição do fundo

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A ANBID A ANBID Associação Nacional dos Bancos de Investimentos Criada em 1967, é a maior representante das

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 NOTAS CEMEC 01/2015 REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Fevereiro de 2015 1 1. Introdução No Estudo Especial CEMEC de novembro

Leia mais

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Em Abril de 2009, operações de crédito atingiram

Leia mais

A popularização e expansão do mercado de capitais. Diretoria de Desenvolvimento e Fomento de Negócios Maio/2010

A popularização e expansão do mercado de capitais. Diretoria de Desenvolvimento e Fomento de Negócios Maio/2010 A popularização e expansão do mercado de capitais Diretoria de Desenvolvimento e Fomento de Negócios Maio/2010 POPULARIZAÇÃO Objetivos dos Programas de Popularização Divulgar os segmentos de atuação da

Leia mais

AS EMPRESAS SEGURADORAS E RESSEGURADORAS COMO INVESTIDORAS DO MERCADO DE CAPITAIS

AS EMPRESAS SEGURADORAS E RESSEGURADORAS COMO INVESTIDORAS DO MERCADO DE CAPITAIS AS EMPRESAS SEGURADORAS E RESSEGURADORAS COMO INVESTIDORAS DO MERCADO DE CAPITAIS HSM EXPO MANAGEMENT 2014 4 de novembro de 2014 Alexandre H. Leal Neto Superintendente de Regulação CNseg Agenda Representação

Leia mais

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022 2.7 Financiamento Por que Financiamento? O ritmo de crescimento de uma economia e a competitividade da sua indústria dependem da disponibilidade de recursos para investimento e da capacidade do sistema

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF

I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF 1 I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF 2 Crédito ainda em Expansão, mas Desacelerando 30,7% Crescimento do Crédito 15,1% 20,6% 18,8% 16,4% 14,7% 11,7% 2008

Leia mais

A Importância do Mercado Secundário

A Importância do Mercado Secundário A Importância do Mercado Secundário Apresentação ao Conselho Superior de Estudos Avançados CONSEA da FIESP Agosto / 2015 Agosto/2015 Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno X Público 1 Sobre a BM&FBOVESPA

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

Private Banking. Segmento private cresce 9,5% e atinge R$ 577,2 bilhões. Destaque do Mês. Evolução das aplicações em Títulos Privados (R$ Bilhões)

Private Banking. Segmento private cresce 9,5% e atinge R$ 577,2 bilhões. Destaque do Mês. Evolução das aplicações em Títulos Privados (R$ Bilhões) Private Banking Ano IV Nº 5 Fevereiro/214 Segmento private cresce 9,5% e atinge R$ 577,2 bilhões Em 213, o patrimônio do segmento de Private Banking atingiu R$ 577,2 bilhões, volume 9,5% superior ao de

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento de Empresas e Projetos

A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento de Empresas e Projetos A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento de Empresas e Projetos A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento de Empresas e Projetos Prof. William Eid Junior Professor Titular

Leia mais

Instrumentos de Financiamento Imobiliário no Brasil Jorge Sant Anna

Instrumentos de Financiamento Imobiliário no Brasil Jorge Sant Anna Instrumentos de Financiamento Imobiliário no Brasil Jorge Sant Anna 1 Março /2010 Evolução do Financiamento Imobiliário 1964 Base Legal Sistema Financeiro de Habitação Lei 4.328 /64 Lei 5.170/66 1997 Base

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic III Mercado Financeiro e de Capitais Taxas de juros reais e expectativas de mercado O ciclo de flexibilização monetária iniciado em janeiro, quando a meta para a taxa básica de juros foi reduzida em p.b.,

Leia mais

Custo de Capital das Empresas Industriais e as Novas Oportunidades do Mercado de Capitais -FIESP

Custo de Capital das Empresas Industriais e as Novas Oportunidades do Mercado de Capitais -FIESP CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Custo de Capital das Empresas Industriais e as Novas Oportunidades do Mercado de Capitais -FIESP 12/03/2012 São Paulo C. A. Rocca INDICE 1. CEMEC: natureza,

Leia mais

NOTA CEMEC 09/2015 COMPOSIÇÃO DA DÍVIDA DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS

NOTA CEMEC 09/2015 COMPOSIÇÃO DA DÍVIDA DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS NOTA CEMEC 09/2015 COMPOSIÇÃO DA DÍVIDA DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS Novembro de 2015 SUMÁRIO NOTA CEMEC 09/2015 São apresentadas adiante estimativas da composição da divida (exigível financeiro) das empresas

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Fundos de Investimento Ano IX N 99 julho/214 Fundos de Ações são destaque de rentabilidade em junho Impulsionados pela alta dos principais índices acionários, os fundos da categoria Ações apresentaram

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

Dyogo Henrique de Oliveira. Secretário-Executivo Adjunto do Ministério da Fazenda

Dyogo Henrique de Oliveira. Secretário-Executivo Adjunto do Ministério da Fazenda 1 Dyogo Henrique de Oliveira Secretário-Executivo Adjunto do Ministério da Fazenda 2 Conferência Cetip de Renda Fixa Desenvolvimento do Mercado de Renda Fixa de Longo Prazo no Brasil Dyogo Henrique de

Leia mais

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim Anual 2.013

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim Anual 2.013 Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Boletim Anual 2.013 N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados como preliminares nos últimos três meses e,

Leia mais

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015 Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Mercado Imobiliário Brasileiro - VGL 2011-7% 2012 13% 2013 R$ 85,6 bilhões R$ 79,7 bilhões R$ 90,4 bilhões

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P J U L H O, 2 0 1 5 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: - R$ 2,4 bilhões Saldo: R$ 504,6 bilhões Financiamentos

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Setembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem

Leia mais

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Tema Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Apresentação JOCELI DA SILVA SILVA Analista Administrativo/Gestão Pública Lotado na Assessoria de Coordenação 3ª CCR Especialização UNB Clube

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20 BENCHMARK RF:80.00% ( 100.00%CDI ) + RV:20.00% ( 100.00%IBRX 100 ) Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

RELATÓRIO CEMEC 06 COMPARAÇÕES INTERNACIONAIS

RELATÓRIO CEMEC 06 COMPARAÇÕES INTERNACIONAIS RELATÓRIO 06 COMPARAÇÕES INTERNACIONAIS Setembro/2012 COMPARAÇÕES INTERNACIONAIS Apresentação O objetivo deste relatório é apresentar alguns indicadores que permitam a comparação do desempenho econômico-financeiro

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARAZINHO/RS. RELATÓRIO BIMESTRAL DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS Fevereiro/15

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARAZINHO/RS. RELATÓRIO BIMESTRAL DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS Fevereiro/15 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARAZINHO/RS RELATÓRIO BIMESTRAL DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS Fevereiro/15 INTRODUÇÃO Informamos que o conteúdo deste relatório bem como

Leia mais

Política Fiscal do Brasil: pós-crise x pré-crise?

Política Fiscal do Brasil: pós-crise x pré-crise? Política Fiscal do Brasil: pós-crise x pré-crise? José Roberto R. Afonso ANBIMA 14/6/213 2 Pós-Crise Metas Fiscais: contabilidade criativa esconde mudanças mais profundas como modelo de crescente endividamento

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº 10.446.951/0001-42

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº 10.446.951/0001-42 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº Informações referentes à Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o

Leia mais

Tabela 1 - OPERACOES DE CREDITO (milhões de R$) Ano I Nov/13. Fonte: ESTBAN, Banco Central do Brasil

Tabela 1 - OPERACOES DE CREDITO (milhões de R$) Ano I Nov/13. Fonte: ESTBAN, Banco Central do Brasil De acordo com a Estatística Bancária por Município (ESTBAN), divulgada pelo Banco Central, o saldo das operações de crédito, em agosto desse ano, chegou a R$ 2,320 trilhões no país, um crescimento de 10,9%

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 SUMÁRIO Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita de

Leia mais

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão Kinea Rendimentos Imobiliários - FII Relatório de Gestão Maio de 2013 Palavra do Gestor Prezado investidor, O Kinea Rendimentos Imobiliários FII ( Fundo ) é dedicado ao investimento em Ativos de renda

Leia mais

Nosso presente é cuidar do seu futuro

Nosso presente é cuidar do seu futuro Nosso presente é cuidar do seu futuro Quem quer ser um milionário? Investimento Mensal - R$ 1.000,00 R$ 1.200.000,00 Evolução Patrimonial R$ 1.000.000,00 R$ 800.000,00 R$ 600.000,00 R$ 400.000,00 R$ 200.000,00

Leia mais

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI.

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS 1. Público-alvo dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG VERDE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO.

Leia mais

Balanço de Pagamentos

Balanço de Pagamentos Balanço de Pagamentos Agosto/2015 22 de setembro de 2015 Resumo dos Resultados Em agosto de 2015, o déficit em Transações Correntes foi de US$ 2,5 bilhões, resultado superior ao observado em agosto de

Leia mais

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características Guia de Renda Fixa Os títulos de renda fixa se caracterizam por possuírem regras definidas de remuneração. Isto é, são aqueles títulos cujo rendimento é conhecido previamente (juro prefixado) ou que depende

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV INVESTIMENTOS Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV Uma questão de suma importância para a consolidação e perenidade de um Fundo de Pensão é a sua saúde financeira, que garante

Leia mais

Financiamento de Investimentos no Brasil e nas Empresas -FIESP

Financiamento de Investimentos no Brasil e nas Empresas -FIESP CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Financiamento de Investimentos no Brasil e nas Empresas -FIESP 06/03/2012 São Paulo FINANCIAMENTO DE INVESTIMENTOS NO BRASIL E NAS EMPRESAS SUMÁRIO 1. CEMEC:

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA ABRIL

RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA ABRIL 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA ABRIL Expectativas de Mercado BACEN (15/05/2015) Pág. 2 maio de 2015 CARTEIRA DE INVESTIMENTO ATIVOS % MARÇO ABRIL DISTRIBUIÇÃO POR INSTITUIÇÃO FINANCEIRA

Leia mais

Trabalho de Discussão Interna - TDI CEMEC 05

Trabalho de Discussão Interna - TDI CEMEC 05 CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Trabalho de Discussão Interna - FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL E O PAPEL DO MERCADO DE CAPITAIS Junho 2011 SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Visão

Leia mais

Boletim Mensal. Novembro/ 2.014

Boletim Mensal. Novembro/ 2.014 Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Boletim Mensal Novembro/ 2.014 Acumulado janeiro a novembro/2014 N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX BENCHMARK 100.00%CDI Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética dos Ativos em 30/04/2015 Financeiro % PL FUNDOS

Leia mais

A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015

A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015 A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015 A RETOMADA DOS INVESTIMENTOS E O MERCADO DE CAPITAIS Sumário I. O MERCADO DE TÍTULOS DE DÍVIDA PRIVADA NO BRASIL II. A AGENDA

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Vida Feliz Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Setembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CLIC FUNDO DE INVEST. EM ACOES

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CLIC FUNDO DE INVEST. EM ACOES LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Novembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Bolsa de Valores As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 8ª aula Início da

Leia mais

Panorama do Mercado de Crédito

Panorama do Mercado de Crédito Panorama do Mercado de Crédito FEBRABAN Dezembro de 2011 Rubens Sardenberg Economista-chefe ÍNDICE I. Evolução do Crédito II. Pessoa Física III. Pessoa Jurídica IV. Inadimplência V. Spread VI. Projeções

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA MARÇO

RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA MARÇO 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA MARÇO Expectativas de Mercado BACEN (17/04/2015) Pág. 2 abril de 2015 CARTEIRA DE INVESTIMENTO ATIVOS % FEVEREIRO MARÇO DISTRIBUIÇÃO POR INSTITUIÇÃO FINANCEIRA

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

BM&FBOVESPA divulga balanço de operações de novembro de 2010. Empréstimos de ações têm recorde de volume financeiro

BM&FBOVESPA divulga balanço de operações de novembro de 2010. Empréstimos de ações têm recorde de volume financeiro BM&FBOVESPA divulga balanço de operações de novembro de 2010 Empréstimos de ações têm recorde de volume financeiro Total de negócios com ETFs passa de 17,9 mil para 25,6 mil Futuro de juro (DI) totaliza

Leia mais

NOTA CEMEC 10/2015 ALGUNS FATORES ECONÔMICOS DA ABERTURA E FECHAMENTO DO CAPITAL DAS EMPRESAS NO BRASIL. Novembro de 2015

NOTA CEMEC 10/2015 ALGUNS FATORES ECONÔMICOS DA ABERTURA E FECHAMENTO DO CAPITAL DAS EMPRESAS NO BRASIL. Novembro de 2015 NOTA CEMEC 10/2015 ALGUNS FATORES ECONÔMICOS DA ABERTURA E FECHAMENTO DO CAPITAL DAS EMPRESAS NO BRASIL Novembro de 2015 SUMÁRIO NOTA CEMEC 10/2015 1 O CEMEC não se responsabiliza pelo uso dessas informações

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Oper. Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em julho/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,11 trilhões em julho/15, após alta de 0,3% no

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O MB HORIZONTE FIC FIA

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O MB HORIZONTE FIC FIA LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Janeiro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem ser

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 (dados junho de 2015) A SPE não é a fonte primária das informações disponibilizadas nesta apresentação. A SPE apenas consolida e organiza as informações

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP Ritmo da atividade econômica e mudança nas regras da poupança Grupo de Economia / Fundap Introdução A frustração com o ritmo de crescimento da economia brasileira é evidente. A produção industrial permaneceu,

Leia mais