HSM EXPOMANAGEMENT 2014 Mercado de Capitais e Direito Internacional PAINEL 5

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HSM EXPOMANAGEMENT 2014 Mercado de Capitais e Direito Internacional PAINEL 5"

Transcrição

1 HSM EXPOMANAGEMENT 2014 Mercado de Capitais e Direito Internacional PAINEL 5 ACESSO DAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS 04 DE NOVEMBRO DE 2014 INSTITUTO IBMEC MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Centro de Estudos do IBMEC CFO Consulting Carlos A. Rocca

2 INDICE 1. Mercado de capitais brasileiro lidera captação de poupança mas tem participação secundaria no financiamento da economia 2. Mercado de capitais brasileiro : participação de um pequeno numero de grandes empresas 3. Acesso ao mercado de capitais brasileiro: alguns elementos de diagnóstico 4. Sinais de mudança 5. Observações Finais

3 1. Mercado de capitais brasileiro lidera captação de poupança mas tem participação secundária no financiamento da economia

4 Instrumentos e veículos do mercado de capitais representam quase 70% da captação de poupança financeira Fonte: CEMEC/IBMEC

5 Títulos de divida do mercado de capitais respondem por 20% do exigível financeiro das empresas (10% do PIB) Fonte: CEMEC/IBMEC

6 Recursos captados no mercado de capitais financiam cerca de 13% dos investimentos de empresas e famílias Fonte: CEMEC/IBMEC

7 Setor publico absorve cerca de 43% da poupança financeira (2007/2013) 100,0% 90,0% 80,0% 70,0% 60,0% 50,0% 40,0% 30,0% 20,0% 10,0% 0,0% Fluxo Anual de Financiamentos Domésticos e Externos de Entidades Não Financeiras - % do Total 2,6% 7,9% 5,7% 17,1% 23,2% 43,5% Média Governo com oper. BACEN Consumo PF Pessoa Jurídica mercado de capitais Fonte: CEMEC/IBMEC Pessoa Jurídica crédito bancário Financiamento Imobiliário PF PJ recursos externos

8 TOTAL 38,4% 14,1% 47,5% 100,0% * Não há informações CVM para segregar Títulos de Dívida Privada de Captação Bancária em estrangeiros. ** Investidores Institucionais líquido de Fundos de Investimento dos estrangeiros contabilizado em títulos da dívida pública dos investidores estrangeiros *** Operações compromissadas de fundos de investimentos com bancos Fonte: CEMEC/IBMEC ago/14 Investidores Investidores Outros Inv.não institucionais Estrangeiros Financeiros TOTAL 1.1. Instrumentos do Mercado de Capitais: 20,9% 18,6% 60,6% 100,0% a) Ações 15,5% 19,4% 65,1% 100,0% b) Títulos de Dívida Privada 61,9% 12,0% 26,1% 100,0% b1) Debêntures Corporativas 77,7% 4,6% 17,7% 100,0% b2) Outros ex Debêntures Corporativas 50,3% 17,4% 32,3% 100,0% 1.2. Títulos de Dívida Privada de Captação Bancária * 51,2% 0,0% 48,8% 100,0% 1.3. Depósitos Bancários 8,5% 0,1% 91,4% 100,0% 1.4. Títulos da Dívida Pública ** 67,2% 31,3% 1,5% 100,0% 1.5. Operações Compromissadas *** 100,0% 0,0% 0,0% 100,0% 1.6. Outros Ativos Financeiros 100,0% 0,0% 0,0% 100,0%

9 Fundos de investimento: predominam títulos públicos; ativos de mercado de capitais tem participação menor (14% de ações e 8% de títulos de divida) Fonte: CEMEC/IBMEC

10 jan-05 mai-05 set-05 jan-06 mai-06 set-06 jan-07 mai-07 set-07 jan-08 mai-08 set-08 jan-09 mai-09 set-09 jan-10 mai-10 set-10 jan-11 mai-11 set-11 jan-12 mai-12 set-12 jan-13 mai-13 set-13 jan-14 14,0% 13,0% 12,0% 11,0% 10,0% 9,0% 8,0% 7,0% 6,0% 5,0% 4,0% 3,0% 2,0% 1,0% EVOLUÇÃO DA TAXA REAL DE JUROS (SWAP PRE-DI 720 DIAS DEFLACIONADO PELA EXPECTATIVA DE IPCA 12 MESES) Juro Real ex ante Juro Real Debêntures Fonte: CEMEC/IBMEC

11 2. Mercado de capitais brasileiro: participação de um pequeno numero de grandes empresas

12 No Brasil, o mercado de capitais é bastante restrito. Olhando só o mercado de ações, que é uma das modalidades do mercado de capitais, temos um número de empresas listadas em bolsa de apenas 363 na Bovespa... Fonte: WFE (World Federation of Exchanges)

13

14 2/3 DAS EMPRESAS QUE PARTICIPAM DO MERCADO DE CAPITAIS SÃO GRANDES (294/444) MAS APENAS 6% DAS GRANDES USAM MERCADO DE CAPITAIS TAMANHO (faturam.) Grande(acima de R$ 400 milhões) Média (entre 20 e 400 milhões) Pequena (menor de 20 milhões) Número Empresas Brasil Cias Abertas Não Financeiras % Empresas Fechadas que emitiram debêntures (2009 a 2012) % Número Empresas Não Financeiras que participam do mercado de capitais (*) ,90% 99 1,98% 294 5,88% ,26% 72 0,24% 150 0,50% ,00% 0 0,00% 0 0,00% Total ,01% 171 0,00% 444 0,01% (*) Estimativa só considera empresas SA fechadas que emitiram debêntures, não considera a utilização de outros títulos corporativos como FDICs, CRIs, Venture Capital, etc. Fonte: IBGE, BM&FBOVESPA, ANBIMA e Centro de Estudos do IBMEC % Fonte: CEMEC/IBMEC

15 2009/2014: CIAS ABERTAS TEM MENOR CUSTO DE DIVIDA

16 3. Acesso ao mercado de capitais brasileiro: alguns elementos de diagnóstico

17 3.1 Análise do ciclo de IPOs e emissões primárias de 2006/2007

18 2006/2007: CICLO RECORDE DE IPOs Número de Emissões fonte:anbima Número Total de Emissões Número de Emissões IPO Elaboração: CEMEC/IBMEC

19 CICLO RECORDE DE IPOs DE 2006/2007: Empresas emissoras são grandes e maiores que as existentes; colocação das ações: 70% em investidores estrangeiros Ativo Médio (R$ Mil) Padrão Pré 2007 Padrão IPO's 2007 Fonte: CEMEC/IBMEC

20 Numero de emissões primárias de ações por tamanho Tamanho % Total % Grande % % Média % % Pequena % % Total % % Fonte: CEMEC/IBMEC

21 1T05 2T05 3T05 4T05 1T06 2T06 3T06 4T06 1T07 2T07 3T07 4T07 1T08 2T08 3T08 4T08 1T09 2T09 3T09 4T09 1T10 2T10 3T10 4T10 1T11 2T11 3T11 4T11 1T12 2T12 19,0% 17,0% Baixo custo de capital próprio no período é um fator explicativo desse ciclo. Custo de Capital Próprio e Número de IPOs CORRELAÇÃO - 0, ,0% 13,0% 11,0% ,0% 5 7,0% 0 Custo de Capital Próprio Real - método 3 Soma Trimestral de IPOs - eixo da direita Fonte: CEMEC/IBMEC

22 /2007: 43% DOS IPOS SÃO DE EMPRESAS INVESTIDAS POR FUNDOS DE VC/PE (FIPs); 40% DO DESINVESTIMENTO FEITO POR IPO; 2008/2009: APENAS 5% DO DESINVESTIMENTO FEITOS POR IPO Fonte: Segundo Censo Brasileiro de Private Equity e Venture Capital ABDI IPO Secondary Sale Trade Sale Buyback Write-off Elaboração: CEMEC/IBMEC

23 Ciclo de 2006/2007: Algumas conclusões 1. Empresas grandes respondem pela maioria das emissões em todo o período; 2. As empresas que abriram o capital no ciclo 2006/2007 eram ainda maiores que as cias abertas existentes; 3. Custo de capital próprio é variável fundamental: estratégia de desinvestimento de FIPs; 4. Resposta é contemporânea : estoque de empresas em condições de abrir o capital; janela de oportunidade; 5. Mais de 70% das ações foram compradas por investidores estrangeiros: mercado doméstico limitado; somente grandes emissões suportam custos.

24 3.3 Mercado de ações de PME

25 a. Investidores em ações de PME: importância da base de investidores pessoa física

26 Países com mercado de acesso significativo em geral tem importante participação de pessoas físicas no mercado acionário PAIS MERCADO ALTERNATIVO EMPRESAS MERCADO PRINCIPAL EMPRESAS TOTAL EMPRESAS LISTADAS Canadá Inglaterra Austrália Não tem Coreia China Polônia Brasil Espanha

27 % da população que investe em ações é pequena 31,00% 29,00% 15,00% 13,00% 11,00% 5,00% 4,00% 0,70% 0,30% Fonte: Renato Issatugo BM&FBOVESPA -Strategic Treasury Summit Maio 2013

28 mar/07 jun/07 set/07 dez/07 mar/08 jun/08 set/08 dez/08 mar/09 jun/09 set/09 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 dez/10 mar/11 jun/11 set/11 dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 dez/13 mar/14 57,0% 54,5% 52,0% 49,5% 47,0% 44,5% 42,0% 39,5% 37,0% 34,5% 32,0% 29,5% 27,0% 24,5% 22,0% 19,5% 17,0% 14,5% 12,0% Participação dos Estrangeiro, Institucionais e PF na BOVESPA Estrangeiros institucionais Pessoas Físicas Fonte: BM&FBOVESPA Elaboração: CEMEC/IBMEC

29 Participação de pessoa física no mercado de ações: algumas observações 1. Base de pessoas físicas é pequena: forte preferência por renda fixa; ausência de tradição e educação financeira; 2. Forte redução de sua participação no mercado secundário nos últimos anos: a. Crise 2008; b. Petrobras, Elétricas; c. Vale; d. Grupo X 3. Importância para o mercado acionário: países com mercado de acesso significativo tem importante participação de pessoas físicas no mercado acionário(*). (*)Fonte: Relatório do Grupo de Trabalho de Pequenas Ofertas

30 Renda variável na carteira de fundos de investimento: 14% no Brasil, 40% no mundo Ativos sob gestão de fundos de investimentos no MUNDO Renda Fixa 25% Renda Variável 40% Cambiais 20% Outros 4% Balanceados Mistos 11% Fonte: Relatório do Grupo PAC-PME

31 b. Dificuldades das empresas

32 FATORES INFLUENCIADORES PARA A DECISÃO DE NÃO ABERTURA DE CAPITAL Empresas industriais de Capital Fechado ota de 0 (Nenhuma influência) a 10 (Extrema influência) Fonte: CEMEC: Estudos IBMEC 7 Fatores A abertura de capital seria indesejável, devido às dificuldades relativas a partilhar controle. A abertura de capital seria indesejável devido aos custos excessivos do processo de abertura de capital. A abertura de capital seria indesejável devido aos requisitos excessivos exigidos para abertura de capital. A abertura de capital seria indesejável porque o tamanho da operação seria de pequeno porte e não encontraria interesse por parte de bancos, corretoras e outros agentes de mercado. A abertura de capital seria desejável porque possibilitaria o crescimento da empresa. A abertura de capital seria desejável porque possibilitaria liquidez à participação acionária dos sócios. A abertura de capital seria indesejável devido às dificuldades relativas a transparecer informações para concorrentes. Nota média (n= 9) 7,10 6,56 5,22 5,00 3,90 3,90 3,89

33 4. Sinais de mudança

34 Sinais de mudança 1. ICVM jan/2009: distribuição com esforços restritos de títulos de divida empresas de capital fechado (até 50 investidores qualificados) 2. ICVM 551- set/2014: idem para ações 3. MP 651 jul/2014: 1. Isenção do IR s/ ganhos de capital pessoas físicas: ações e quotas de fundos FIA Mercado de Acesso empresas valor de mercado<r&700mm, ROB<R$ 500MM 2. Redução de custos: divulgação pela internet 4. BNDESPAR: participação em fundos mercado de acesso

35 ICVM476/09: Impacto positivo no mercado de debentures

36

37 5. Observações finais

38 5. Observações finais 1. Mercado de capitais brasileiro lidera captação de poupança mas ainda tem participação secundaria no financiamento da economia 2. Carga da dívida pública e altos juros reais tem sido o principal fator de inibição de desenvolvimento do mercado de capitais; 3. Somente pequeno numero de grandes empresas tem acesso ao mercado de capitais e se beneficiam de menor custo de capital; 4. Ciclo de 2006/2007: oportunidade foi baixo custo de capital próprio; limitação da capacidade de absorção do mercado doméstico transferiu colocação de ações para investidores estrangeiros, somente viável para grandes operações.

39 5. Observações finais 5. Ações para desenvolver mercado de capitais: a. Redução sustentável da taxa real de juros: ajuste fiscal b. Abertura de capital de empresas de menor porte: efeitos médio prazo i. Aumento da base de pessoas físicas: isenção de impostos de renda (MP651);educação financeira; previdência complementar; ii. Empresas: simplificação (ICVM551) e redução de custos; informação; cultura de transparência e governança iii. Papel de FIPs e FIEMs. c. Mercado de divida corporativa: i. Crescente participação de empresas fechadas de menor porte; ii. Grande potencial: sinergia com BNDES: infraestrutura

40 Mercado e capitais: quatro segmentos EMPRESAS AÇÕES DIVIDA GRANDES MEDIAS PME POTENCIAL ATUAL MEDIO PRAZO POTENCIAL ATUAL PASSO INICIAL PARA AÇÕES POTENCIAL ATUAL PASSO INICIAL PARA AÇÕES

41 OBRIGADO (11)

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL SEMINARIO FIESP REINDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL: CHAVE PARA UM PROJETO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO 4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL 26 agosto 2013 Carlos

Leia mais

Proposta do Ibmec estratégia nacional de acesso ao mercado de capitais

Proposta do Ibmec estratégia nacional de acesso ao mercado de capitais ESTUDOS E PESQUISAS Nº 417 Proposta do Ibmec estratégia nacional de acesso ao mercado de capitais Carlos A. Rocca * XXIV Fórum Nacional Rumo ao Brasil Desenvolvido (Em Duas Décadas): Estratégia de Desenvolvimento

Leia mais

PROPOSTA DO IBMEC PROJETO ACESSO DAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS SÃO PAULO 29/06/2012

PROPOSTA DO IBMEC PROJETO ACESSO DAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS SÃO PAULO 29/06/2012 PROPOSTA DO IBMEC PROJETO ACESSO DAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS CEMEC SÃO PAULO 29/06/2012 C.A.ROCCA INDICE 1. Bases da proposta do IBMEC 2. Mercado de capitais brasileiro: regulação, funcionalidade

Leia mais

ELEMENTOS PARA UMA ESTRATÉGIA NACIONAL DE ACESSO AO MERCADO DE CAPITAIS MARÇO 2013

ELEMENTOS PARA UMA ESTRATÉGIA NACIONAL DE ACESSO AO MERCADO DE CAPITAIS MARÇO 2013 ELEMENTOS PARA UMA ESTRATÉGIA NACIONAL DE ACESSO AO MERCADO DE CAPITAIS MARÇO 2013 Carlos A. Rocca Lauro M. dos Santos Jr 1 INDICE 1. Objetivo e foco do projeto 2. Colocação do problema 3. Financiamento

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC INFORMATIVO CEMEC MENSAL - POUPANÇA FINANCEIRA. Outubro

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC INFORMATIVO CEMEC MENSAL - POUPANÇA FINANCEIRA. Outubro CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS INFORMATIVO CEMEC MENSAL - POUPANÇA FINANCEIRA Outubro 2011 ÍNDICE 1. Objetivo do Relatório... 3 1. Análise da Poupança

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC RELATÓRIO CEMEC MENSAL DE DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA. Junho

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC RELATÓRIO CEMEC MENSAL DE DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA. Junho CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS RELATÓRIO CEMEC MENSAL DE DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA Junho 2011 ÍNDICE 1. Objetivo do Relatório... 3 2. Modelo

Leia mais

Financiamento do Investimento no Brasil

Financiamento do Investimento no Brasil ESTUDOS E PESQUISAS Nº 407 Financiamento do Investimento no Brasil Carlos A. Rocca * Fórum Especial Na Grande Recessão Novo Modelo de Desenvolvimento e Grandes Oportunidades (Como em 1929): New Deal Verde.

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS CENTRO DE ESTUDOS DE CEMEC

MERCADO DE CAPITAIS CENTRO DE ESTUDOS DE CEMEC 10º. SEMINÁRIO CEMEC DE MERCADO DE CAPITAIS CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Financiamento de Investimentos no Brasil e nas Empresas São Paulo 29/Novembro/2011 10º. SEMINÁRIO CEMEC DE MERCADO

Leia mais

Novo Mercado de Acesso no Brasil: Bovespa Mais e Bovespa Mais Nível 2

Novo Mercado de Acesso no Brasil: Bovespa Mais e Bovespa Mais Nível 2 Novo Mercado de Acesso no Brasil: Bovespa Mais e Bovespa Mais Nível 2 MERCADO jun/15 E O AMBIENTE PARA IPOS NO BRASIL Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno X Público 1 HISTÓRICO DO MERCADO DE

Leia mais

O Setor de Mineração no contexto do Mercado de Capitais

O Setor de Mineração no contexto do Mercado de Capitais O Setor de Mineração no contexto do Mercado de Capitais Set/2013 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): x CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO PÚBLICO Introdução O setor de mineração

Leia mais

EM PAUTA O QUE É PRECISO FAZER PARA VIABILIZAR O ACESSO DE PEQUENAS & MÉDIAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL?

EM PAUTA O QUE É PRECISO FAZER PARA VIABILIZAR O ACESSO DE PEQUENAS & MÉDIAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL? O QUE É PRECISO FAZER PARA VIABILIZAR O ACESSO DE PEQUENAS & MÉDIAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL? 8 REVISTA RI Setembro 2013 É o mercado de capitais brasileiro que precisa das pequenas e médias

Leia mais

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022 2.7 Financiamento Por que Financiamento? O ritmo de crescimento de uma economia e a competitividade da sua indústria dependem da disponibilidade de recursos para investimento e da capacidade do sistema

Leia mais

RELATÓRIO CEMEC 06 COMPARAÇÕES INTERNACIONAIS

RELATÓRIO CEMEC 06 COMPARAÇÕES INTERNACIONAIS RELATÓRIO 06 COMPARAÇÕES INTERNACIONAIS Setembro/2012 COMPARAÇÕES INTERNACIONAIS Apresentação O objetivo deste relatório é apresentar alguns indicadores que permitam a comparação do desempenho econômico-financeiro

Leia mais

Custo de Capital das Empresas Industriais e as Novas Oportunidades do Mercado de Capitais -FIESP

Custo de Capital das Empresas Industriais e as Novas Oportunidades do Mercado de Capitais -FIESP CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Custo de Capital das Empresas Industriais e as Novas Oportunidades do Mercado de Capitais -FIESP 12/03/2012 São Paulo C. A. Rocca INDICE 1. CEMEC: natureza,

Leia mais

NOTA CEMEC 10/2015 ALGUNS FATORES ECONÔMICOS DA ABERTURA E FECHAMENTO DO CAPITAL DAS EMPRESAS NO BRASIL. Novembro de 2015

NOTA CEMEC 10/2015 ALGUNS FATORES ECONÔMICOS DA ABERTURA E FECHAMENTO DO CAPITAL DAS EMPRESAS NO BRASIL. Novembro de 2015 NOTA CEMEC 10/2015 ALGUNS FATORES ECONÔMICOS DA ABERTURA E FECHAMENTO DO CAPITAL DAS EMPRESAS NO BRASIL Novembro de 2015 SUMÁRIO NOTA CEMEC 10/2015 1 O CEMEC não se responsabiliza pelo uso dessas informações

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Os Segmentos de Listagem da BM&FBOVESPA para Pequenas e Médias Empresas 15/10/13

Os Segmentos de Listagem da BM&FBOVESPA para Pequenas e Médias Empresas 15/10/13 Os Segmentos de Listagem da BM&FBOVESPA para Pequenas e Médias Empresas 15/10/13 Apresentação no Congresso de Governança Corporativa do IBGC 14 e 15 de outubro de 2013 Projeto Ofertas Menores Resumo do

Leia mais

NOTA CEMEC 09/2015 COMPOSIÇÃO DA DÍVIDA DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS

NOTA CEMEC 09/2015 COMPOSIÇÃO DA DÍVIDA DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS NOTA CEMEC 09/2015 COMPOSIÇÃO DA DÍVIDA DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS Novembro de 2015 SUMÁRIO NOTA CEMEC 09/2015 São apresentadas adiante estimativas da composição da divida (exigível financeiro) das empresas

Leia mais

A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015

A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015 A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015 A RETOMADA DOS INVESTIMENTOS E O MERCADO DE CAPITAIS Sumário I. O MERCADO DE TÍTULOS DE DÍVIDA PRIVADA NO BRASIL II. A AGENDA

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC SEMINÁRIO BANCO MUNDIAL CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Financiamento de Investimentos no Brasil São Paulo 28/Abril/2011 SEMINÁRIO BANCO MUNDIAL SUMÁRIO 1. COMO AS EMPRESAS BRASILEIRAS SE

Leia mais

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto *

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * O mercado de capitais brasileiro vai fechar o ano de 2007 consolidando a tendência estrutural

Leia mais

Fundos de Investimento Imobiliário - FII

Fundos de Investimento Imobiliário - FII CONCEITO: Instrumento na forma de condomínio fechado, portanto não admitem resgate (saída a qualquer momento), para aplicação em empreendimentos imobiliários: Ativos imobiliários: propriedade direta de

Leia mais

PAINEL III - O MERCADO DE CAPITAIS CHAVE DO DESENVOLVIMENTO BRASILEIRO: COMO UNIVERSALIZAR O USO DO MERCADO DE CAPITAIS PELAS EMPRESAS DO PAÍS

PAINEL III - O MERCADO DE CAPITAIS CHAVE DO DESENVOLVIMENTO BRASILEIRO: COMO UNIVERSALIZAR O USO DO MERCADO DE CAPITAIS PELAS EMPRESAS DO PAÍS PAINEL III - O MERCADO DE CAPITAIS CHAVE DO DESENVOLVIMENTO BRASILEIRO: COMO UNIVERSALIZAR O USO DO MERCADO DE CAPITAIS PELAS EMPRESAS DO PAÍS Rio de Janeiro, 18/05/2016 Carlos A. Rocca CEMEC Centro de

Leia mais

Dyogo Henrique de Oliveira. Secretário-Executivo Adjunto do Ministério da Fazenda

Dyogo Henrique de Oliveira. Secretário-Executivo Adjunto do Ministério da Fazenda 1 Dyogo Henrique de Oliveira Secretário-Executivo Adjunto do Ministério da Fazenda 2 Conferência Cetip de Renda Fixa Desenvolvimento do Mercado de Renda Fixa de Longo Prazo no Brasil Dyogo Henrique de

Leia mais

EXAME FORUM INFRAESTRUTURA

EXAME FORUM INFRAESTRUTURA EXAME FORUM INFRAESTRUTURA O MERCADO DE CAPITAIS E O FINANCIAMENTO DA INFRAESTRUTURA Carlos A. Rocca 24092014 CEMEC Centro de Estudos do IBMEC INDICE 1. Colocação do problema 2. A necessidade de um novo

Leia mais

A popularização e expansão do mercado de capitais. Diretoria de Desenvolvimento e Fomento de Negócios Maio/2010

A popularização e expansão do mercado de capitais. Diretoria de Desenvolvimento e Fomento de Negócios Maio/2010 A popularização e expansão do mercado de capitais Diretoria de Desenvolvimento e Fomento de Negócios Maio/2010 POPULARIZAÇÃO Objetivos dos Programas de Popularização Divulgar os segmentos de atuação da

Leia mais

A Importância do Mercado Secundário

A Importância do Mercado Secundário A Importância do Mercado Secundário Apresentação ao Conselho Superior de Estudos Avançados CONSEA da FIESP Agosto / 2015 Agosto/2015 Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno X Público 1 Sobre a BM&FBOVESPA

Leia mais

Mercado de Capitais 18/08/2015

Mercado de Capitais 18/08/2015 Mercado de Capitais 18/08/2015 O que é Cetip? CTIP3; Novo Mercado; Integradora do mercado financeiro; Utiliza a tecnologia para oferecer serviços de infraestrutura; Maior depositária de títulos de renda

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL- 2012/2013

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL- 2012/2013 ESTUDO ESPECIAL REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL- 2012/2013 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Novembro 2013 SUMÁRIO 1. Sumário e conclusões... 3 2. Entre

Leia mais

A NECESSIDADE DE UM NOVO MODELO

A NECESSIDADE DE UM NOVO MODELO A NECESSIDADE DE UM NOVO MODELO DE FINANCIAMENTO DE INFRAESTRUTURA BM&F BOVESPA 30/01/2015 CEMEC Centro de Estudos do IBMEC Carlos A. Rocca INDICE 1. Investimentos crescimento em infraestrutura e retomada

Leia mais

Financiamento de Investimentos no Brasil e nas Empresas -FIESP

Financiamento de Investimentos no Brasil e nas Empresas -FIESP CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Financiamento de Investimentos no Brasil e nas Empresas -FIESP 06/03/2012 São Paulo FINANCIAMENTO DE INVESTIMENTOS NO BRASIL E NAS EMPRESAS SUMÁRIO 1. CEMEC:

Leia mais

Fonte: AZ Investimentos / Andima. Fonte: AZ Investimentos / Andima

Fonte: AZ Investimentos / Andima. Fonte: AZ Investimentos / Andima ANÁLISE CAPTAÇÃO DE RECURSOS VIA OFERTAS PUBLICAS DE AÇÕES Por: Ricardo Zeno 55 21 3431 3831 27 de Fevereiro, 2008 Em 2007, o destaque foi para as emissões de Renda Variável, o volume total das ofertas

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic III Mercado Financeiro e de Capitais Taxas de juros reais e expectativas de mercado A meta para a taxa Selic foi mantida durante o primeiro trimestre de 21 em 8,75% a.a. Em resposta a pressões inflacionárias

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006. Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais

SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006. Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006 Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais Carlos Alberto Rosa Coordenador de Participações 07/11/2006 FUNCEF Visão

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL. Abril 2015

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL. Abril 2015 RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL Abril 2015 Equipe Técnica: Diretor: Carlos Antônio Rocca Superintendente: Lauro Modesto Santos Jr. Analistas: Elaine Alves Pinheiro e Fernando

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP DESEMPENHO do Mercado de CAPITAL NO Brasil 1 1. A autora agradece os comentários da equipe do Grupo de Economia / Fundap. Na elaboração desta nota, foram utilizadas informações disponíveis até o dia 31

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

Panorama do Mercado de Crédito

Panorama do Mercado de Crédito Panorama do Mercado de Crédito FEBRABAN Dezembro de 2011 Rubens Sardenberg Economista-chefe ÍNDICE I. Evolução do Crédito II. Pessoa Física III. Pessoa Jurídica IV. Inadimplência V. Spread VI. Projeções

Leia mais

Oferta Pública. Mercado de Capitais

Oferta Pública. Mercado de Capitais Oferta Pública Mercado de Capitais Oferta Pública Para ter suas ações negociadas na Bolsa, as empresas precisam abrir o capital. O primeiro procedimento para a empresa abrir o capital é entrar com o pedido

Leia mais

O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO

O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO Antônio Emygdio Circuito Universitário CVM 2ª Semana Nacional de Educação Financeira http://www.semanaenef.gov.br http://www.vidaedinheiro.gov.br Agenda 1. Mercado de Capitais

Leia mais

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas CICLO APIMEC 2010 Índice RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas 3 RS no Brasil DADOS DEMOGRÁFICOS RS BRASIL População

Leia mais

Programa de Estímulo ao Mercado de Capitais

Programa de Estímulo ao Mercado de Capitais Programa de Estímulo ao Mercado de Capitais Guido Mantega Ministro da Fazenda São Paulo, 16 de junho de 2014 1 Apresentação de medidas para: 1 VIABILIZAR a capitalização das empresas de porte médio 2 ATRAIR

Leia mais

Workshop Financiamento da Economia Brasileira. INVESTIMENTOS Cenário e Simulações

Workshop Financiamento da Economia Brasileira. INVESTIMENTOS Cenário e Simulações Workshop Financiamento da Economia Brasileira III - FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS Cenário e Simulações Brasília 15/Setembro/2010 - Objetivo CENTRO DE ESTUDOS DE Utilizar a visão consolidada do sistema

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

Definição. A sua criação baseia-se em dois princípios distintos

Definição. A sua criação baseia-se em dois princípios distintos Definição Pode ser definido como sendo um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com titulos e valores mobiliarios, tendo como objetivo a canalização de recursos de agentes compradores

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Módulo VI CPA10 Demais produtos de Investimentos Pg 70 De 8 a 13 Questões na prova (15% a 25%) Demais produtos de

Leia mais

Tendências do Mercado de Capitais BM&FBOVESPA

Tendências do Mercado de Capitais BM&FBOVESPA Tendências do Mercado de Capitais BM&FBOVESPA Ago/215 Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno Público X AGENDA Opções de captação de recursos Histórico do mercado Tendências BM&FBOVESPA Confidencial

Leia mais

DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A INDÚSTRIA DE FUNDOS IMOBILIÁRIOS NO BRASIL

DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A INDÚSTRIA DE FUNDOS IMOBILIÁRIOS NO BRASIL DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A INDÚSTRIA DE FUNDOS IMOBILIÁRIOS NO BRASIL Valdery Albuquerque 2ª Conferência Internacional de Crédito Imobiliário De 17 a 19 de março de 2010 Índice 1. Conceitos e Características

Leia mais

Evolução do Mercado de Renda Fixa Local

Evolução do Mercado de Renda Fixa Local Evolução do Mercado de Renda Fixa Local Dyogo Henrique de Oliveira Secretário-Executivo Adjunto Ministério da Fazenda IV Seminário ANBIMA de Finanças Corporativas 1 24 de maio de 2012 1. Intermediação

Leia mais

ENTENDENDO O MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS

ENTENDENDO O MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS ENTENDENDO O MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS O Sistema Financeiro O sistema financeiro pode ser definido como o conjunto de instituições, produtos e instrumentos que viabiliza a transferência de recursos

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS NO FINANCIAMENTO PRIVADO DE INFRAESTRUTURA

MERCADO DE CAPITAIS NO FINANCIAMENTO PRIVADO DE INFRAESTRUTURA MERCADO DE CAPITAIS NO FINANCIAMENTO PRIVADO DE INFRAESTRUTURA FIESP CONSELHO SUPERIOR DE ESTUDOS AVANÇADOS (CONSEA) 17 DE AGOSTO DE 2015 CARLOS A. ROCCA INDICE 1. Importância do investimento em infraestrutura

Leia mais

1. Objetivo e Descrição do fundo

1. Objetivo e Descrição do fundo FATOR VERITÀ FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ: 11.664.201/0001-00 Administrado pelo Banco Fator S.A. CNPJ: 33.644.196/0001-06 RELATÓRIO SEMESTRAL 1º. SEM. 2012 1. Objetivo e Descrição do fundo

Leia mais

Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES

Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES Uso de instrumentos de mercado de capitais em Projetos de Longo Prazo Laura Bedeschi Agosto/2015 Debêntures Adquiridas 2 BNDES Investidor Debêntures

Leia mais

Debêntures: Iniciativas para Aumento de Liquidez e Fomento ao Mercado Secundário

Debêntures: Iniciativas para Aumento de Liquidez e Fomento ao Mercado Secundário Debêntures: Iniciativas para Aumento de Liquidez e Fomento ao Mercado Secundário São Paulo 7 de agosto de 2014 O que são debêntures? Conceito: Títulos representativos de dívida, em geral de médio e longo

Leia mais

Mercado de Títulos Ligados ao Setor Imobiliário para Fundos de Pensão

Mercado de Títulos Ligados ao Setor Imobiliário para Fundos de Pensão Mercado de Títulos Ligados ao Setor Imobiliário para Fundos de Pensão Marielle Brugnari dos Santos Gerência de Produtos Imobiliários Junho/20111 Desenvolvimento do Mercado Imobiliário Cédula de Crédito

Leia mais

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 Fevereiro de 2015 NOTA CEMEC 1 02/2015 SUMÁRIO São apresentadas estimativas

Leia mais

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

Diretoria Executiva de Desenvolvimento e Fomento de Negócios. Novembro de 2010

Diretoria Executiva de Desenvolvimento e Fomento de Negócios. Novembro de 2010 Governança Corporativa e o desenvolvimento do mercado de capitais brasileiro Diretoria Executiva de Desenvolvimento e Fomento de Negócios Novembro de 2010 Representatividade da bolsa no mundo Maior bolsa

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

A BOVESPA E O MERCADO DE AÇÕES

A BOVESPA E O MERCADO DE AÇÕES A BOVESPA E O MERCADO DE AÇÕES 1 Mercado Financeiro 2 Sistema Financeiro Conjunto de instituições dedicadas a manter um fluxo de recursos dos poupadores para o investimento das empresas e gastos das famílias

Leia mais

Rumo à abertura de capital

Rumo à abertura de capital Rumo à abertura de capital Percepções das empresas emergentes sobre os entraves e benefícios 15º Encontro Nacional de Relações com Investidores e Mercado de Capitais 4 de julho de 2013 Pontos de partida

Leia mais

ENCONTRO ANUAL DO PAEX

ENCONTRO ANUAL DO PAEX ENCONTRO ANUAL DO PAEX Sustentabilidade Financeira para a Competitividade Prof. Haroldo Mota 2007 O CONFORTO DE CURTO PRAZO Empresa Acomodada Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 EBITDA 940 890 820 800 ( ) Var. NCG

Leia mais

1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE ECONOMIA, FINANÇAS E ESTATÍSTICA

1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE ECONOMIA, FINANÇAS E ESTATÍSTICA CONTEÚDO CURSO PREPARATÓRIO PARA A REALIZAÇÃO DE PROVA DE CERTIFICAÇÃO PARA RESPONSÁVEIS PELA GESTÃO DOS RECURSOS DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS (CPA-20, CPA-10 e ANCOR) 1. PRINCÍPIOS

Leia mais

Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu Lorena Dutra Gerência de Análise de Negócios (GMN)

Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu Lorena Dutra Gerência de Análise de Negócios (GMN) Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015 Marcos Galileu Lorena Dutra Gerência de Análise de Negócios (GMN) As opiniões e conclusões externadas nesta apresentação são de inteira responsabilidade

Leia mais

UMA REALIDADE COMO CANAL DE FINANCIAMENTO

UMA REALIDADE COMO CANAL DE FINANCIAMENTO BOLSA DE VALORES: UMA REALIDADE COMO CANAL DE FINANCIAMENTO EMISSÕES BATEM RECORDE EM 2010 Quando há uma expansão da bolsa, é importante ver como os preços altos das ações se transmitem ao resto da economia.

Leia mais

Contribuições ao Desenvolvimento do Mercado de Renda Fixa. Outubro / 2011

Contribuições ao Desenvolvimento do Mercado de Renda Fixa. Outubro / 2011 Contribuições ao Desenvolvimento do Mercado de Renda Fixa Outubro / 2011 Contribuições do BNDES Pacote de Medidas de Estímulo ao Financiamento de LP Iniciativas do BNDES Novo Programa de Aquisição de Debêntures

Leia mais

Bancos Públicos e Desenvolvimento

Bancos Públicos e Desenvolvimento Bancos Públicos e Desenvolvimento Ministro Guido Mantega junho 2009 Seminário Valor Econômico e CEF 1 IMPORTÂNCIA DOS BANCOS PÚBLICOS Crise financeira demostrou a bancos públicos. importância dos Economias

Leia mais

PETROBRAS E O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO

PETROBRAS E O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO PETROBRAS E O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO Edemir Pinto Diretor-Presidente BM&FBOVESPA Setembro/2009 Evolução Recente do Mercado de Capitais Brasileiro 2 Mercado de capitais brasileiro Fatores que influenciaram

Leia mais

I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF

I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF 1 I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF 2 Crédito ainda em Expansão, mas Desacelerando 30,7% Crescimento do Crédito 15,1% 20,6% 18,8% 16,4% 14,7% 11,7% 2008

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

Incentivos Fiscais na Emissão de Debêntures - Lei nº 12.431/2011. Fernando Tonanni. 16 de Agosto de 2011

Incentivos Fiscais na Emissão de Debêntures - Lei nº 12.431/2011. Fernando Tonanni. 16 de Agosto de 2011 Incentivos Fiscais na Emissão de Debêntures - Lei nº 12.431/2011 Fernando Tonanni 16 de Agosto de 2011 1 A Lei nº 12.431/2011 Publicada em 27 de junho de 2011; conversão em Lei da Medida Provisória nº

Leia mais

Fontes de Financiamento para Pequenas e Médias Empresas

Fontes de Financiamento para Pequenas e Médias Empresas Fontes de Financiamento para Pequenas e Médias Empresas Bruno Boetger Managing Director, Bradesco BBI 30 de Novembro de 2010 Estritamente Confidencial Fontes de financiamento para as empresas Instrumentos

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

mcaffonso\home\mcaffonso\aaapaulo Leme\Apresentacoes PPT\Cetip_ Paulo Leme Painel I v6.pptx

mcaffonso\home\mcaffonso\aaapaulo Leme\Apresentacoes PPT\Cetip_ Paulo Leme Painel I v6.pptx mcaffonso\home\mcaffonso\aaapaulo Leme\Apresentacoes PPT\Cetip_ Paulo Leme Painel I v6.pptx 1 Debêntures Ideias para fomentar o mercado Marco Antonio Sudano Diretor de Trading do Itaú BBA I. Overview do

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL Outubro 2013 SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Visão macroeconômica: investimento e poupança na economia brasileira... 4 3. Padrão de financiamento

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 E Solange Honorato Facilitadora Certificação Profissional ANBIMA - CPA-10 Destina-se aos profissionais que desempenham

Leia mais

Nosso presente é cuidar do seu futuro

Nosso presente é cuidar do seu futuro Nosso presente é cuidar do seu futuro Quem quer ser um milionário? Investimento Mensal - R$ 1.000,00 R$ 1.200.000,00 Evolução Patrimonial R$ 1.000.000,00 R$ 800.000,00 R$ 600.000,00 R$ 400.000,00 R$ 200.000,00

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

Como funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013

Como funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013 José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013 Segmentação do Mercado MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CRÉDITO MERCADO FINANCEIRO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO CAMBIAL Conceito de Sistema Financeiro Conjunto

Leia mais

Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES/ANBIMA

Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES/ANBIMA Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES/ANBIMA Uso de instrumentos de mercado de capitais em Projetos de Longo Prazo Ministro Joaquim Levy Luciano Coutinho Denise Pavarina ANBIMA, 5 de Junho

Leia mais

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383 Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10 www.eadempresarial.net.br SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Uma conceituação bastante abrangente de sistema financeiro poderia ser a de um conjunto de

Leia mais

Governança Corporativa Profa. Patricia Maria Bortolon

Governança Corporativa Profa. Patricia Maria Bortolon Governança Corporativa Investidores Institucionais e Governança Corporativa Aula 11 Participação Acionária de Investidores Institucionais No Reino Unido: Tipo de Investidor 1963 % 2006 % Indivíduos 54

Leia mais

Desenvolvendo a Governança Corporativa. Eduardo Rath Fingerl Diretor

Desenvolvendo a Governança Corporativa. Eduardo Rath Fingerl Diretor Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES Área de Mercado de Capitais BNDES Desenvolvendo a Governança Corporativa Eduardo Rath Fingerl Diretor 02/06/2006 www.bndes.gov.br 1 de 23 Atuação

Leia mais

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP 2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP São Paulo, 21 de Agosto de 2013 Hotel Caesar Park Patrocínio Os Setores Mais Promissores Para Os Fundos Imobiliários/ Rodrigo Machado Apresentação

Leia mais

Por que abrir o capital?

Por que abrir o capital? Por que abrir capital? Por que abrir o capital? Vantagens e desafios de abrir o capital Roberto Faldini Fortaleza - Agosto de 2015 - PERFIL ABRASCA Associação Brasileira de Companhias Abertas associação

Leia mais

2 Abertura de capital

2 Abertura de capital 2 Abertura de capital 2.1. Mercado de capitais O Sistema Financeiro pode ser segmentado, de acordo com os produtos e serviços financeiros prestados, em quatro tipos de mercado: mercado monetário, mercado

Leia mais

O Brasil Plural é um Grupo Financeiro fundado em 2009 que possui escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo e Nova York. Nossos sócios possuem um amplo

O Brasil Plural é um Grupo Financeiro fundado em 2009 que possui escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo e Nova York. Nossos sócios possuem um amplo O Brasil Plural é um Grupo Financeiro fundado em 2009 que possui escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo e Nova York. Nossos sócios possuem um amplo histórico de sucesso no mercado de capitais brasileiro

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII Crédito lastreado em imóveis, alta rentabilidade e fluxo de caixa constante, com a solidez do concreto.

Leia mais

Tendência e Desafios: Mercado de ETFs no Brasil. Itaú Asset Management - Maio de 2011

Tendência e Desafios: Mercado de ETFs no Brasil. Itaú Asset Management - Maio de 2011 Tendência e Desafios: Mercado de ETFs no Brasil Itaú Asset Management - Maio de 2011 Demanda por ETFs nos EUA 4 Ingresso em ETFs acelerou na última década. Investidores Institucionais: conveniência nas

Leia mais

O efeito da rentabilidade...

O efeito da rentabilidade... O efeito da rentabilidade... A importância da variável taxa: R$ 500 reais mensais, por 25 anos 0,80% 1,17% 1,53% 1,88% 2,21% 10% 15% 20% 25% 30% 10% aa 15% aa 20% aa 25% aa 30% aa Ano 0 R$ 0 R$ 0 R$ 0

Leia mais

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Julho/2008 Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Principal instrumento de captação de recursos de médio e longo prazos, a debênture representa para muitas companhias a porta de entrada no mercado

Leia mais

Mercado de Capitais. Renda Variável. Mercado Primário de Ações. Mercado Primário - ETAPAS. Mercado Primário - ETAPAS

Mercado de Capitais. Renda Variável. Mercado Primário de Ações. Mercado Primário - ETAPAS. Mercado Primário - ETAPAS Mercado Primário de Ações Mercado de Capitais Renda Variável Mestrando: Paulo Jordão. 03/04/2012 Venda direta aos investidores através de ofertas públicas (IPOs) ou subscrição particular; Motivos: Expansão

Leia mais

Reunião Pública Apresentação de Resultados 1º Semestre 2011

Reunião Pública Apresentação de Resultados 1º Semestre 2011 Reunião Pública Apresentação de Resultados 1º Semestre 2011 Rio de Janeiro, 09 de Agosto 2011 1 Informação importante Esta apresentação foi preparada pelo Banco Santander (Brasil) S.A., eventuais declarações

Leia mais

Curso Introdução ao Mercado de Ações

Curso Introdução ao Mercado de Ações Curso Introdução ao Mercado de Ações Módulo 1 www.tradernauta.com.br I - Sistema Financeiro Nacional CMN Conselho Monetário Nacional Min. Fazenda, Min. Planej., Pres. BaCen Banco Central Mercado Cambial,

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012 Prof. Cid Roberto Concurso 2012 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7 São realizadas por bancos de investimentos e demais

Leia mais

ABECIP / SECOVI / ORDEM DOS ECONOMISTAS DO BRASIL IMPLEMENTAÇÃO DO SECURITIZAÇÃO NO BRASIL 05/08/2010

ABECIP / SECOVI / ORDEM DOS ECONOMISTAS DO BRASIL IMPLEMENTAÇÃO DO SECURITIZAÇÃO NO BRASIL 05/08/2010 ABECIP / SECOVI / ORDEM DOS ECONOMISTAS DO BRASIL IMPLEMENTAÇÃO DO S.F.I. SECURITIZAÇÃO NO BRASIL 05/08/2010 A IMPORTÂNCIA DO SFI NO BRASIL LEGISLAÇÃO REGULAMENTAÇÃO ARCABOUÇO LEGAL PRONTO Base Legal Fonte

Leia mais

Investimentos para Investidores Institucionais Fernando Lovisotto

Investimentos para Investidores Institucionais Fernando Lovisotto Investimentos para Investidores Institucionais Fernando Lovisotto Importante: Este documento não constitui uma opinião ou recomendação, legal ou de qualquer outra natureza, por parte da Vinci Partners,

Leia mais