Ciclo de Crédito uma Visão integrada

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ciclo de Crédito uma Visão integrada"

Transcrição

1 Ciclo de Crédito uma Visão integrada Analitix Soluções em Finanças ABBC São Paulo, 18 de junho de 2013

2 Agenda Processo do Ciclo de Crédito Descrição das etapas e processos do ciclo do crédito Concessão, Preço, Gestão e Recuperação Considerações Finais

3 Ciclo de Crédito Concessão Politicas Credit Scoring Preço Spread RAROC VISÃO INTEGRADA Recuperação LGD Políticas e processos Gestão PD, EAD e LGD

4 Ciclo de Crédito Concessão Politicas Credit Scoring Preço Spread RAROC VISÃO INTEGRADA Recuperação LGD Políticas e processos Gestão PD, EAD e LGD

5 Ciclo de Crédito - Concessão Políticas e Modelos Momento da Concessão: Concessão Politicas Credit Scoring Preço Spread RAROC Definição de políticas e estratégias de concessão Recuperação LGD Políticas e processos Gestão PD, EAD e LGD Definição dos modelos PF e PJ Indicadores de performance dos modelos Por ex: FPD1 e over30 e over60 e performance de safras Impacto direto : Gestão e Recuperação

6 Políticas de Crédito O principais fundamentos de uma política de crédito são: Análise de crédito: Definição do tipo de análise a ser empregada e sua abrangência é seguramente um dos pontos mais importantes na avaliação de risco dos clientes. (Por ex: Análise Massificada ou Individualizada) Limites de crédito (próximo slide) Normais legais Reguladores

7 Limites de Crédito A concessão dos limites é mais abrangente do que uma simples análise de crédito. Alguns tipos de limites utilizados: Exposição Concentração (setor, cliente etc...) Qualidade do cliente Garantias associadas às operações. Prazo das operações

8 Modelos PF - Credit Scoring variável resposta é binária (Bom ou Ruim) p log 0 1X1 1 p Probabilidade do evento de interesse Parâmetros do modelo... p X p Variáveis explicativas ou independentes = Escore p 1 exp exp X 1 1 X p X p p X p

9 Resultado da regressão Idade do Cliente peso menor de 23 anos 0 de 23 a 25 anos 8 de 26 a 30 anos 17 de 31 a 32 anos 22 de 33 a 40 anos 28 de 41 a 51 anos 36 de 52 a 59 anos anos ou mais 51 sem informação 8 Quantidade de Dias com Adiantamento peso a Depositantes ou ou mais 0 sem informação 26 Nível de Escolaridade peso Básico Incompleto Básico Completo 0 Colegial 17 Superior Incompleto 25 Superior Completo Pós-Graduação 33 sem informação 8 Tempo de Relacionamento do Cliente com o peso Banco menos de 6 meses 0 de 6 a 16 meses 12 de 17 a 19 meses 23 de 20 a 59 meses meses ou mais 46 sem informação 16 Cliente 30 anos Estado Civil 9 peso Casado 32 Marital 27 Solteiro 15 Divorciado 12 Viúvo 18 sem informação 8 pós-graduação casado 1 dia de adiantamento a depositantes 3 anos relacionamento com o banco Escore ESCORE 129

10 Modelos PJ - Julgamental

11 O que é o Risk Rating Metodologia utilizada para avaliar o risco de crédito de uma empresa baseada em duas dimensões: 1- Dimensão Quantitativa Indicadores de Balanço 2- Dimensão Qualitativa Visitas de acompanhamento

12 Exemplo Formulário Quantitativo

13 Formulário de avaliação qualitativa

14 Ciclo de Crédito Concessão Politicas Credit Scoring Preço Spread RAROC VISÃO INTEGRADA Recuperação LGD Políticas e processos Gestão PD, EAD e LGD

15 Ciclo de Crédito Preço Métrica: Por ex: RAROC (Risco x Retorno) Concessão Politicas Credit Scoring Preço Spread RAROC Spread mínimo dado um RAROC desejado PE = PD x LGD x EAD (Perda Esperada) PDD (2682) Recuperação LGD Políticas e processos Gestão PD, EAD e LGD Capital Regulatório e/ou Econômico Impacto direto : Gestão e Recuperação

16 RAROC - Risco x Retorno O que é melhor? Uma aplicação renda fixa, com baixo risco e baixo retorno Um empréstimo para empresa rating A com baixo spread Um empréstimo para empresa rating D com alto spread Um empréstimo garantia veículos, com taxas baixas O ponto ideal do risco x retorno Para o Banco, o desafio é encontrar a melhor relação entre o resultado obtido na operação e o risco incorrido

17 Resultado e RAROC (Exemplo) O resultado de cada operação inclui as receitas, despesas, perda esperada e remuneração do capital RAROC= Receitas despesas PE + remuneração do capital Capital econômico Receitas: spread, tarifas e comissões recebidas Despesas: custos diretos e indiretos, comissões pagas e impostos Perda esperada: para risco de crédito e risco operacional, se houver Remuneração do capital: CDI aplicado ao capital alocado na operação

18 Exemplo: Cálculo do RAROC Qual o Raroc da operação abaixo? Empréstimo de R$2000 para cliente B, com garantia de veículo. Dados: Spread da operação: 5% ao ano; PD (rating B): 2%; LGD: 55% Comissão ganha na contratação: R$ 75 Custos diretos: R$ 40; Custos indiretos: R$ 30. Remuneração do capital: 10% CEA da operação: R$160 Alíquota de IR: 40% RAROC= (5%* %*55%* %*160)*(1-40%) 160 = 37,1%

19 Ciclo de Crédito Concessão Politicas Credit Scoring Preço Spread RAROC VISÃO INTEGRADA Recuperação LGD Políticas e processos Gestão PD, EAD e LGD

20 Ciclo de Crédito - Gestão Gestão da carteira: Concessão Politicas Credit Scoring Preço Spread RAROC Monitoramento Indicadores Longos e curtos (Overs e FPDs): safra e estoque Probabilidade de Default Exposição no Default (EAD) Perda efetiva Monitoramento das políticas Recuperaçã o LGD Políticas e processos Gestão PD, EAD e LGD PDD: Apuração, acompanhamento e definição de regras Capital Regulatório e Econômico ( VaR de Crédito) Medidas de resultado da carteira(estoque), por exemplo RAROC Impacto direto: Preço e Concessão

21 Tipos de Probabilidade de Default Probabilidade de Default Histórica: Extraída a partir de eventos de default históricos. Modelos Estatísticos (Regressão Logística) Back test Análise de Sobrevivência Probabilidade de Default Risk Neutral: Extraída de forma implícita de título ou derivativos de crédito

22 Exposição na Inadimplência EAD= Exposure at Default Definição : A exposição na inadimplência é quantia que uma instituição financeira pode perder junto a uma contraparte(devedor) no momento da inadimplência da respectiva contraparte.

23 EAD - Derivativos Risco de Crédito da Contraparte (Derivativos de Balcão) Jon Gregory

24 compra compra Exemplo NDF Pré x US$ ( Banco Ativo em variação cambial) Contrato: US$ 1MM F=2 (IF x Cliente) F=1.9 (IF x Bolsa) Mercado(T) = 1.5 Default do Cliente venda venda IF compra Cliente... IF compra Cliente Bolsa Bolsa t=0 t=t Resultado IF = 0.1x1MM= 100mil Resultado IF = -400mil

25 compra compra Exemplo NDF Pré x US$ ( Banco Ativo em variação cambial) Contrato: US$ 1MM F=2 (IF x Cliente) F=1.9 (IF x Bolsa) IF venda compra Cliente... Mercado (t<t) = 1.8 Cliente é afetado aumento do spread de crédito! IF venda compra Cliente Bolsa Bolsa CVA!! t=0 t<t Resultado IF = 0.1x1MM= 100mil Piora do Resultado da IF

26 Exemplo NDF Banco compra NDF Prazo de 1 ano Notional : US$ EPE = 225 mil reais

27 Exemplo Swap (com reset) Banco ativo em DI Prazo de 1 ano Notional =100MM reais EPE = 88mil reais

28 VaR de Crédito Definição VaR : É um método de mensuração de risco que utiliza técnicas estatísticas. Formalmente o VaR mede a pior perda dado um intervalo de confiança e ao longo de determinado horizonte de tempo.

29 Ciclo de Crédito Concessão Politicas Credit Scoring Preço Spread RAROC VISÃO INTEGRADA Recuperação LGD Políticas e processos Gestão PD, EAD e LGD

30 Ciclo de Crédito - Recuperação Recuperação da carteira: Loss Given Default Estratégias de cobrança: Concessão Politicas Credit Scoring Recuperação LGD Políticas e processos Preço Spread RAROC Gestão PD, EAD e LGD Monitoramento do cliente e garantias Modelo de cobrança Impacto direto : Gestão e Preços

31 Taxa de Recuperação A Taxa de Recuperação (RR) representa a fração recuperada de uma operação de crédito, dado que ocorreu o evento de inadimplência. Cálculo da Taxa de Recuperação : (1-RR) = LGD (Loss Given Default) 1. Setores de Cobrança e Recuperação : Utilização de taxas históricas de recuperação. 2. Preços de Mercado : A partir de um mercado líquido de crédito, por exemplo:títulos, Derivativos de Crédito (CDS, CLOs,CDOs e Credit Default Digital). CLO: Collateralized Loan Obligation CDO: Collateralized Debt Obligation

32 Monitoramento Antes mesmo da inadimplência do cliente é necessário o acompanhamento e monitoramento. Alertas: Aparecimentos de apontamentos de restritivos (PF e PJ) Deterioração dos índices contábeis e financeiros(pj) Pedidos constantes de prorrogação de prazo de pagamento (PJ) Dificuldades para se obter informações cadastrais (PF e PJ) Medidas Preventivas Renegociação

33 Recuperação Após a inadimplência do cliente inicia-se o processo de recuperação do crédito, composto por algumas etapas: Contato telefônico ou Cartas Visitas pessoais Uso de agências de cobrança Protesto judicial

34 Cuidados e Desafios na Recuperação PD e LGD são correlacionados Base de dados para o cálculo da LGD (crédito) Informações sobre o custo de cobrança LGD para PJ ( poucos eventos)

35 Considerações Finais Cada uma das etapas/processos do ciclo de crédito estão interligados; A visão e gestão integrada do ciclo de crédito possibilita a maior eficiência da atividade de crédito para a instituição; Diminuição do preço do crédito/ spread Como integrar? (Por ex:) Políticas interligando as etapas Metas correlacionadas/ conjuntas

36 OBRIGADO!!! Cláudio Paiva João Chela Mário Prado Analitix Soluções em Finanças

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO Setembro 2013 2 1 INTRODUÇÃO Este documento resume as informações relativas à estrutura de gerenciamento do risco de crédito do BR Partners Banco de Investimentos

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras AUDIT CONECT PDD - Imparidade II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras 26 de novembro de 2010 José Claudio Costa / Simon Fishley Introdução Comentários Gerais Práticas Contábeis

Leia mais

B R A S I L. Resumo dos temas discutidos em conference call em 26/ fev /08 e 04/ mar/08

B R A S I L. Resumo dos temas discutidos em conference call em 26/ fev /08 e 04/ mar/08 B R A S I L Resumo dos temas discutidos em conference call em 26/ fev /08 e 04/ mar/08 Participantes da Conference Call em 26 de fevereiro de 2008 Wagner Roberto Pugliese - Brasil Gilson Oliveira Marques

Leia mais

As oportunidades em Analytics com Basiléia

As oportunidades em Analytics com Basiléia Evento Gestão do Risco de Crédito e a Resolução 3721 As oportunidades em Analytics com Basiléia Julio Guedes Experian Head of Analytics for Latin America 22/03/2012 Agenda Visão geral do Controle de Risco

Leia mais

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2013 Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS...

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

ABS, MBS, CDOs: Nova Intermediação Financeira, Ativos de. Alexandre Lowenkron Banco BBM

ABS, MBS, CDOs: Nova Intermediação Financeira, Ativos de. Alexandre Lowenkron Banco BBM ABS, MBS, CDOs: Nova Intermediação Financeira, Ativos de Crédito e a Crise Alexandre Lowenkron Banco BBM Nos anos que precederam a crise atual, foram criadas diversas classes alternativas de ativos financeiros

Leia mais

O Seguro de Crédito na Gestão de Capital

O Seguro de Crédito na Gestão de Capital O Seguro de Crédito na Gestão de Capital Dr. Lourenço Miranda Banco ABN AMRO REAL S.A. Superintendente de Modelos de Risco e Gestão Integrada Diretoria de Gerenciamento de Riscos para América Latina Cláudio

Leia mais

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos Dezembro de 2011 Introdução Este relatório foi elaborado com o objetivo de apresentar as atividades relacionadas à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

Cenário e Tecnologias de Crédito ANDAP

Cenário e Tecnologias de Crédito ANDAP Cenário e Tecnologias de Crédito ANDAP AGENDA NOSSA PROPOSTA DE VALOR CICLO DE CRÉDITO CONCESSÃO GESTÃO DE CARTEIRA FRAUDE COBRANÇA Grupo Experian Experiência global, inteligência e dedicação locais No

Leia mais

Relatório de Análise dos Investimentos. da OABPREV SP. Julho de 2015

Relatório de Análise dos Investimentos. da OABPREV SP. Julho de 2015 Relatório de Análise dos Investimentos da OABPREV SP Julho de 2015 1. Introdução O presente Relatório de Análise dos Investimentos visa fornecer algumas análises quantitativas do mercado (indicadores financeiros),

Leia mais

Crédito Privado e os riscos no atual cenário econômico. Elber Kenji Numata Ogasavara

Crédito Privado e os riscos no atual cenário econômico. Elber Kenji Numata Ogasavara Crédito Privado e os riscos no atual cenário econômico Elber Kenji Numata Ogasavara Risco de Crédito - Características do Mercado de Títulos Privados Baixa liquidez de títulos privados Brasileiro Preponderância

Leia mais

Gestão de Recebíveis, Crédito e Cobrança. José Abraão Bezerra Maia Tatiana Parente Gress do Vale

Gestão de Recebíveis, Crédito e Cobrança. José Abraão Bezerra Maia Tatiana Parente Gress do Vale Gestão de Recebíveis, Crédito e Cobrança José Abraão Bezerra Maia Tatiana Parente Gress do Vale CRÉDITO Crédito diz respeito à troca de bens presentes por bens futuros. Função crédito não é exclusividade

Leia mais

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2015

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2015 1/9 Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2015 I Apresentação 1. Aprimorando a harmonização, a integração

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - SECRETARIA EXECUTIVA

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - SECRETARIA EXECUTIVA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - SECRETARIA EXECUTIVA DELIBERAÇÃO Nº 550, DE 17 DE OUTUBRO DE 2008: Dispõe sobre a apresentação de informações sobre instrumentos financeiros derivativos em nota explicativa

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos Objetivo As instituições financeiras estão expostas a riscos inerentes ao desenvolvimento de seus negócios e operações. A gestão e o controle de tais riscos constituem aspectos centrais da administração

Leia mais

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A.

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Gestão de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. 1º Trimestre de 2012 Conteúdo Introdução 3 Perfil do Banco 3 Princípios da Gestão de Riscos 3 Tipos de Riscos 4 Gerenciamento de Riscos 4 Risco

Leia mais

I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF

I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF 1 I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF 2 Crédito ainda em Expansão, mas Desacelerando 30,7% Crescimento do Crédito 15,1% 20,6% 18,8% 16,4% 14,7% 11,7% 2008

Leia mais

O gerenciamento de Risco de Mercado abrange todas as empresas do Conglomerado que constam do Balanço Consolidado do Banco Safra.

O gerenciamento de Risco de Mercado abrange todas as empresas do Conglomerado que constam do Balanço Consolidado do Banco Safra. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1 Objetivo Apresentar o modelo de gerenciamento de Risco de Mercado no Banco Safra e os princípios, as diretrizes e instrumentos de gestão em que este modelo

Leia mais

RISCO DE MERCADO E DE LIQUIDEZ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

RISCO DE MERCADO E DE LIQUIDEZ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO RISCO DE MERCADO E DE LIQUIDEZ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO RESUMO DESCRITIVO Princípios, Diretrizes e Instrumentos de Gerenciamento de Risco de Mercado. 1) Objetivo 2) Abrangência 3)

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA FIDELIDADE II RENDA FIXA CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA FIDELIDADE II RENDA FIXA CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA FIDELIDADE II RENDA FIXA CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO Data de Competência: 06/10/2015 1. CNPJ 10.322.668/0001-09 2. PERIODICIDADE MÍNIMA

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

Resolução 3.721 e Default Management. Setembro de 2010

Resolução 3.721 e Default Management. Setembro de 2010 Resolução 3.721 e Default Management. Setembro de 2010 1 Agenda Parte I Risco de Crédito Parte II Estrutura de Cobrança 2 I. Risco de Crédito Visão Geral de Basiléia II Regulamentação Adequação à Resolução

Leia mais

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE Engenharia de Computação Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Aplicações de Behavior Scoring Roteiro - Introdução - Diferença entre Credit scoring e

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

O acordo da Basiléia:

O acordo da Basiléia: Soluções e serviços Serasa Experian e a Resolução CMN/BACEN 3.721/09 1 O acordo da Basiléia: Conjunto de recomendações visando melhoramento das práticas de supervisão bancária e aperfeiçoamento de ferramentas

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS Superintendência de Controles e Gerenciamentos de Riscos - SUCOR Gerência de Riscos GERIS Primeiro Trimestre de 2011 Índice APRESENTAÇÃO 3 1. GERENCIAMENTO

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 475, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008

INSTRUÇÃO CVM Nº 475, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008 Dispõe sobre a apresentação de informações sobre instrumentos financeiros, em nota explicativa específica, e sobre a divulgação do quadro demonstrativo de análise de sensibilidade. Revoga a Instrução CVM

Leia mais

RISCO DE CRÉDITO E FUNDOS PRÓPRIOS Miguel A. Ferreira. Seminário ASFAC-APELEASE Novembro 2003

RISCO DE CRÉDITO E FUNDOS PRÓPRIOS Miguel A. Ferreira. Seminário ASFAC-APELEASE Novembro 2003 RISCO DE CRÉDITO E FUNDOS PRÓPRIOS Miguel A. Ferreira Seminário ASFAC-APELEASE Novembro 2003 Basileia I (1988) IF sujeitas a requisitos mínimos de capital para fazer face a risco Apenas risco de crédito

Leia mais

Modelos de Risco de Crédito em Carteiras Uma Comparação Aplicada ao Caso Brasileiro

Modelos de Risco de Crédito em Carteiras Uma Comparação Aplicada ao Caso Brasileiro Modelos de Risco de Crédito em Carteiras Uma Comparação Aplicada ao Caso Brasileiro Alexandre de Oliveira - out/2013 No atual estágio de desenvolvimento das metodologias para mensuração do risco de crédito

Leia mais

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Comunica orientações preliminares relativas à utilização das abordagens baseadas em classificação interna de exposições segundo o risco de crédito, para fins da apuração

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS. Introdução

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS. Introdução - 1 - RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS Introdução A Administração acredita que a gestão efetiva de riscos é vital para o sucesso da Instituição e conseqüentemente mantém um ambiente de gerenciamento de riscos

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

2.1. Risco de Crédito De acordo com resolução 3721 - CMN-, define-se o risco de crédito como:

2.1. Risco de Crédito De acordo com resolução 3721 - CMN-, define-se o risco de crédito como: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO 1. Introdução A Diretoria da Grazziotin em atendimento ã Resolução 3721 de abril/2009, divulga sua Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito alinhada

Leia mais

Gerenciamento de Risco de Crédito Santander Brasil

Gerenciamento de Risco de Crédito Santander Brasil Gerenciamento de Risco de Crédito Santander Brasil Abril/2011 1 Índice 1. Objetivos, abrangência e atualização da política... 03 2. Estrutura organizacional de Gerenciamento de Risco de Crédito... 03 a.

Leia mais

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A.

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Gestão de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. 2010 Conteúdo Introdução 2 Perfil do Banco 2 Princípios da Gestão de Riscos 2 Tipos de Riscos 3 Gerenciamento de Riscos 3 Risco de Crédito 4 Risco

Leia mais

Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito

Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito Dezembro/2008 Agenda 1. Histórico 2. Escopo de Aplicação 3. Estrutura da Norma 4. Detalhamento da Norma Normativos similares Histórico Resolução

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Diretoria Executiva / Dir. Risco de Credito Área de Crédito e Risco Área Comercial Área de Tecnologia da Informação Compliance Officer Elementos de Apoio:

Leia mais

Disponibilização de relatórios de acesso público. RB Capital DTVM

Disponibilização de relatórios de acesso público. RB Capital DTVM Disponibilização de relatórios de acesso público RB Capital DTVM Maio 2011 Objetivo Este documento tem como objetivo estabelecer um guia para a elaboração da descrição da estrutura de gestão de risco de

Leia mais

Gerenciamento de Risco de Crédito Santander Brasil

Gerenciamento de Risco de Crédito Santander Brasil Gerenciamento de Risco de Crédito Santander Brasil São Paulo, 28 de Abril de 2010 1 Índice 1. Objetivos, abrangência e atualização da política... 02 2. Estrutura organizacional de Gerenciamento de Risco

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Pilar 3

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Pilar 3 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. Pilar 3 3º Trimestre de 2013 Conteúdo Introdução... 3 Perfil do Banco... 3 Princípios da Gestão de Riscos... 4 Tipos de Riscos...

Leia mais

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014 Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta Novembro de 2014 OFERTA VOLUNTÁRIA DE PERMUTA DE AÇÕES No dia 30 de outubro realizamos o leilão da oferta voluntária. A adesão dos minoritários do Santander

Leia mais

ÍNDICE GERAL. Política de Gerenciamento do Risco de Mercado. 1 Introdução. 2 Definição de Risco de Mercado. 3 Metodologia.

ÍNDICE GERAL. Política de Gerenciamento do Risco de Mercado. 1 Introdução. 2 Definição de Risco de Mercado. 3 Metodologia. Política de Gerenciamento do Risco de Mercado ÍNDICE GERAL 1 Introdução 2 Definição de Risco de Mercado 3 Metodologia 4 Gestão de Risco 5 Qualificação de novas operações 1. Introdução A Política de Gerenciamento

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Politica de Investimentos tem como objetivo

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45 Divulgação de Participações em Outras Entidades Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 12 (IASB - BV 2012) Índice Item

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CAIXA MULTIMERCADO MULTIGESTOR

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CAIXA MULTIMERCADO MULTIGESTOR FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CAIXA MULTIMERCADO MULTIGESTOR Data de Competência: 13/11/2015 1. CNPJ 18.007.710/0001-09 2. PERIODICIDADE

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A.

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. Page 1 (13) ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ORGANOGRAMA DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 2.1. Responsabilidades... 4 3. RISCO DE CRÉDITO...

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco

Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco 36 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&FBOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) GERENCIAMENTO

Leia mais

GRADE DE DISCIPLINAS MBA em Gestão de Crédito

GRADE DE DISCIPLINAS MBA em Gestão de Crédito GRADE DE DISCIPLINAS MBA em Gestão de Crédito Disciplinas (*) Modalidade H/A (**) Núcleo Contabilidade Contabilidade Financeira Presencial 24 Contabilidade dos Investimentos em Participações Societárias

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A.

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. Page 1 (13) 1. Introdução O Scania Banco iniciou suas operações em Novembro de 2009, com o objetivo de fornecer produtos e serviços financeiros exclusivamente

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CAIXA GIRO MPE RF REF DI LP

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CAIXA GIRO MPE RF REF DI LP FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CAIXA GIRO MPE RF REF DI LP Data de Competência: 28/10/2015 1. CNPJ 10.551.370/0001-70 2. PERIODICIDADE

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO OBJETIVO Atender as disposições trazidas pela Resolução CMN 3.721, de 30 de abril de 2009 ( Resolução 3.721/09 ), a qual determinou a implementação

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

WESTERN UNION CORRETORA DE CÂMBIO S.A. E BANCO WESTERN UNION DO BRASIL S.A. ( WU BRASIL ) Relatório de Gerenciamento de Risco de Crédito

WESTERN UNION CORRETORA DE CÂMBIO S.A. E BANCO WESTERN UNION DO BRASIL S.A. ( WU BRASIL ) Relatório de Gerenciamento de Risco de Crédito WESTERN UNION CORRETORA DE CÂMBIO S.A. E BANCO WESTERN UNION DO BRASIL S.A. ( WU BRASIL ) Relatório de Gerenciamento de Risco de Crédito Data base 31/12/2014 WU Brasil Rua Tabapuã, 1227, 7º andar - Itaim

Leia mais

Por dentro da Política de Investimentos IPERGS Porto Alegre (RS) Fev/2015

Por dentro da Política de Investimentos IPERGS Porto Alegre (RS) Fev/2015 Por dentro da Política de Investimentos IPERGS Porto Alegre (RS) Fev/2015 Política de Investimento Os RPPS possuem obrigação legal de elaborar anualmente sua política de investimentos; Essa política deve

Leia mais

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão Kinea Rendimentos Imobiliários - FII Relatório de Gestão Maio de 2013 Palavra do Gestor Prezado investidor, O Kinea Rendimentos Imobiliários FII ( Fundo ) é dedicado ao investimento em Ativos de renda

Leia mais

Evolução da implantação de Basileia III e gestão de riscos no Sistema Financeiro Nacional

Evolução da implantação de Basileia III e gestão de riscos no Sistema Financeiro Nacional Encontro de Gestão de Riscos para IFDs Evolução da implantação de Basileia III e gestão de riscos no Sistema Financeiro Nacional Outubro de 2014 Agenda 1. Entendendo Basileia III 1.1 Nova composição do

Leia mais

Relatório sobre a Gestão de Riscos. Circular 3.477 Banco Central do Brasil

Relatório sobre a Gestão de Riscos. Circular 3.477 Banco Central do Brasil Relatório sobre a Gestão de Riscos Circular 3.477 Banco Central do Brasil Dezembro/2010 1. INTRODUÇÃO O presente relatório apresenta informações relativas à gestão de risco, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

Mercado de Derivativos $

Mercado de Derivativos $ Mercado de Derivativos SWAPS Prof. Bertolo O que são SWAPS? São acordos estabelecidos entre duas partes visando a uma troca de fluxos de caixa futuros (sem trocar o principal) por um certo período de tempo.

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

Risco de Crédito. Risco de Crédito. 1. Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Risco de Crédito. Risco de Crédito. 1. Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito 1. Estrutura de Gerenciamento de Em observância à resolução 3.721/2009 do Banco Central do Brasil, o Banco GMAC S.A, doravante denominado Chevrolet Serviços Financeiros, instituiu sua estrutura de gerenciamento

Leia mais

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014 Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014 Índice Introdução e Perfil 3 Crédito Política de Risco de Crédito 4 Exposição, exposição média e maiores clientes 6 Distribuição

Leia mais

Instrumentos Financeiros Derivativos. Gerenciamento e Controle

Instrumentos Financeiros Derivativos. Gerenciamento e Controle Instrumentos Financeiros Derivativos Gerenciamento e Controle Agenda Objetivos e Visão Geral da Tesouraria; Principais Funções da Tesouraria; Mesas de Operação; Processos de Tesouraria; Mercados. Instrumentos

Leia mais

Relatório da Gestão de Riscos. 1º Trimestre 2014. w w w. b a n c o g u a n a b a r a. c o m. b r

Relatório da Gestão de Riscos. 1º Trimestre 2014. w w w. b a n c o g u a n a b a r a. c o m. b r 1º Trimestre 2014 w w w. b a n c o g u a n a b a r a. c o m. b r Sumário I. Introdução...2 I.1 Apresentação...2 II. Aspectos Qualitativos da Estrutura de Gestão de Riscos...2 II.1 Gestão Integrada de Riscos...

Leia mais

2. Operações de Venda ou de Transferência de Ativos Financeiros

2. Operações de Venda ou de Transferência de Ativos Financeiros TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 35. Instrumentos Financeiros 1. Conceitos 1 - Para fins de registro contábil, considera-se: (Res 3534 art 2º) a) instrumento

Leia mais

Informações sobre os Sistemas Internos de Classificação do Risco de Crédito (abordagens IRB) I INSTRUÇÕES

Informações sobre os Sistemas Internos de Classificação do Risco de Crédito (abordagens IRB) I INSTRUÇÕES Informações sobre os Sistemas Internos de Classificação do Risco de Crédito (abordagens IRB) I INSTRUÇÕES As informações a seguir devem compor relatório a ser fornecido pelas instituições financeiras que

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL Comissão de Acompanhamento da Crise Financeira e da Empregabilidade 26 DE MARÇO DE 2009 Fábio Colletti Barbosa Presidente ÍNDICE 1. A Crise Financeira Mundial 2. O Brasil, a Crise

Leia mais

BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A. DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES REFERENTES À GESTÃO DE RISCOS E PATRIMONIO EXIGIDO

BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A. DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES REFERENTES À GESTÃO DE RISCOS E PATRIMONIO EXIGIDO Introdução 1. REQUERIMENTOS GERAIS DE INFORMAÇÕES... 6 1.1. OBJETIVOS DE GESTÃO DE RISCO E POLITICAS DO GRUPO... 6 1.1.1. Princípios corporativos de gestão de riscos... 6 1.1.2. Governança Corporativa

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS 1º Trimestre de 2012 Conteúdo Perfil Corporativo...3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos...4 Atribuições...4 Risco Operacional...5 Limite de Tolerância ao Risco Operacional...6

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Portoseg ) é uma instituição financeira privada,

Leia mais

Seminário Internacional

Seminário Internacional Seminário Internacional Possíveis desdobramentos da crise financeira internacional: aperfeiçoamento na regulamentação dos sistemas financeiros e na governança global A crise e a re-regulamentação do sistema

Leia mais

Relatório da Gestão de Riscos. 1º Trimestre 2013. w w w. b a n c o g u a n a b a r a. c o m. b r

Relatório da Gestão de Riscos. 1º Trimestre 2013. w w w. b a n c o g u a n a b a r a. c o m. b r 1º Trimestre 2013 w w w. b a n c o g u a n a b a r a. c o m. b r Sumário I. Introdução... 2 I.1 Apresentação... 2 II. Aspectos Qualitativos da Estrutura de Gestão de Riscos... 3 II.1 Gestão Integrada de

Leia mais

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão Kinea Rendimentos Imobiliários - FII Relatório de Gestão Janeiro de 2013 Palavra do Gestor Prezado investidor, O Kinea Rendimentos Imobiliário FII ( Fundo ) é dedicado ao investimento em Ativos de renda

Leia mais

Como funcionam os fundos de investimentos

Como funcionam os fundos de investimentos Como funcionam os fundos de investimentos Fundos de Investimentos: são como condomínios, que reúnem recursos financeiros de um grupo de investidores, chamados de cotistas, e realizam operações no mercado

Leia mais

GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO - Resolução Bacen 3.721

GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO - Resolução Bacen 3.721 GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO - Resolução Bacen 3.721 RESOLUÇÃO 3.721 RISCO DE CRÉDITO Possibilidade de ocorrência de perdas associadas ao não cumprimento pelo tomador ou contraparte de suas respectivas

Leia mais

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO Documento tipo /Document type RELATÓRIO Título / Title Relatório Público Anual da Estrutura de Gerenciamento de Riscos do Scania Banco Nome do arquivo / File name Relatorio Publico Anual_Gerenciamento

Leia mais

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas Derivativos Prática Igor Forte Pedro Jonas Jul/2013 Mini-case 1 Hedge com DOL Dólar Usado para transferência de risco cambial em US$. Empresas importadoras exportadoras e/ou com ativos e passivos indexados

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Crédito Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Crédito do conglomerado CRÉDIT AGRICOLE Brasil e estabelece as suas principais

Leia mais

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Banrisul Extra Fundo de Investimento Renda Fixa (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - e 2011 Com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional Objetivo Este relatório tem como objetivo atender a Circular 3.678, de 31 de outubro de 2013, apresentando as informações referentes a gestão de riscos, à apuração do montante dos ativos ponderados pelo

Leia mais

SABESPREV: PESQUISA DE IMAGEM E SATISFAÇÃO 2011 TOTAL

SABESPREV: PESQUISA DE IMAGEM E SATISFAÇÃO 2011 TOTAL TOTAL Objetivos: avaliar o processo de Comunicação da SABESPREV; avaliar o processo de Atendimento Pessoal e Telefônico aos Beneficiários e Participantes da SABESPREV; avaliar o processo de atendimento

Leia mais

CADASTRO POSITIVO. Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF

CADASTRO POSITIVO. Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF CADASTRO POSITIVO Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF AGENDA O QUE É O BUREAU POSITIVO IMPORTÂNCIA E EFEITOS SOBRE O CRÉDITO BENCHMARKING EXPECTATIVAS DE UTILIZAÇÃO NOS NEGÓCIOS EXPERIÊNCIAS DA SERASA

Leia mais

Financiamento de veículos. Crédito Pessoa Física Principais Produtos

Financiamento de veículos. Crédito Pessoa Física Principais Produtos Financiamento de veículos Crédito Pessoa Física Principais Produtos 115 +11% Carteira de Crédito 124 +3% 127 Crédito ao Consumo Veículos R$ Bilhões Pessoa Física Crédito Consignado 1 32 Cartão de Crédito

Leia mais

Alternativas de Funding para Infraestrutura no Mercado de Capitais Brasileiro

Alternativas de Funding para Infraestrutura no Mercado de Capitais Brasileiro Alternativas de Funding para Infraestrutura no Mercado de Capitais Brasileiro DEBÊNTURES DE INFRAESTRUTURA - CONCEITO Debêntures: título de crédito, representativo de dívida da companhia emissora (art.

Leia mais

Governança de Riscos em Instituições Financeiras

Governança de Riscos em Instituições Financeiras 1 Governança de Riscos em Instituições Financeiras Sérgio Ribeiro da Costa Werlang Vice Presidente Executivo da Área de Controle de Risco e Financeiro Itaú - Unibanco São Paulo, 20 de outubro de 2011 2

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Módulo VI CPA10 Demais produtos de Investimentos Pg 70 De 8 a 13 Questões na prova (15% a 25%) Demais produtos de

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR 2013 RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR Dez / 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. RISCO DE MERCADO... 1 3. RISCO DE LIQUIDEZ... 2 4. GESTÃO DE CAPITAL... 4 5. RISCO DE CRÉDITO... 6 6. RISCO OPERACIONAL...

Leia mais

Financiamento estudantil privado: tendências e novas alternativas. Carlos Furlan Diretor Executivo-Ideal Invest

Financiamento estudantil privado: tendências e novas alternativas. Carlos Furlan Diretor Executivo-Ideal Invest Financiamento estudantil privado: tendências e novas alternativas Carlos Furlan Diretor Executivo-Ideal Invest NOSSA HISTÓRIA DE CONQUISTAS E INVESTIMENTO EM EDUCAÇÃO 200 universidades parceiras +1960

Leia mais

Loss Given Default: Um Estudo sobre Perdas em Operações Prefixadas no Mercado Brasileiro

Loss Given Default: Um Estudo sobre Perdas em Operações Prefixadas no Mercado Brasileiro Loss Given Default: Um Estudo sobre Perdas em Operações Prefixadas no Mercado Brasileiro Antonio Carlos Magalhães da Silva DEPEP/RJ Jaqueline Terra Moura Marins DEPEP/RJ Myrian Beatriz Eiras das Neves

Leia mais

PROSPECTO OUTUBRO/2008 INFINITY UNIQUE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: 07.878.282/0001-73

PROSPECTO OUTUBRO/2008 INFINITY UNIQUE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: 07.878.282/0001-73 PROSPECTO OUTUBRO/2008 INFINITY UNIQUE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: 07.878.282/0001-73 Classificação CVM: Multimercado Classificação ANBID: Multimercado com Renda Variável com Alavancagem (cód.:

Leia mais

Edição 2010 Estágios Curriculares

Edição 2010 Estágios Curriculares Edição 2010 Estágios Curriculares Direcção de Auditoria Crédito Descrição Sumária do Projecto 01/24 Desenvolvimento de metodologias de análise dos critérios de validação técnica dos modelos de rating de

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais