TÓPICOS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: COMBINATÓRIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÓPICOS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: COMBINATÓRIA"

Transcrição

1 TÓPICOS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: COMBINATÓRIA Heitor Achilles Dutra da Rosa CEFET RJ Introdução Entendemos por Combinatória o ramo da Matemática que nos permite resolver problemas em que basicamente, é necessário escolher e organizar os objetos de um conjunto, isto é, a parte da Matemática em que estudamos as técnicas de contagem de agrupamentos que podem ser feitos com elementos de um dado conjunto Tendo sua origem basicamente no estudo dos jogos de azar, tais como lançamentos de dados, jogos de carta, etc, a Combinatória sofreu e sofre até hoje, intenso desenvolvimento Seus métodos são aplicados em diversas áreas como no cálculo das probabilidades, em problemas de transporte, de confecção de horários, de elaboração de planos de produção, de programação linear, de estatística, de teoria da informação, de biologia molecular, de economia, de lógica, etc Além disso, esses métodos são também utilizados em problemas de Matemática Pura, como na teoria dos grupos e de representações, no estudo dos fundamentos da geometria, nas álgebras não associativas, etc Diante de tamanha importância, não só para a Matemática, mas em diversas áreas, acredita-se que seu estudo merece maior destaque e atenção já nas séries iniciais da Educação Básica, bem como, na sua etapa final, uma vez que a combinatória pode exercer uma função não apenas de levar o aluno a ter acesso à Matemática como ciência, com suas peculiaridades e conceitos específicos, mas também possibilitar que ele ao se apropriar da linguagem que as ciências naturais e sociais utilizam para descrever fenômenos diversos e de aprofundar seu conhecimento sobre procedimentos matemáticos de enfrentamento e resolução de situações-problema Tradicionalmente, o estudo de Combinatória é calcado em definições e fórmulas que automatizam os estudantes num trabalho mecânico que muitas vezes fica distante da compreensão do que estão fazendo E é aí que começam a surgir equívocos,

2 2 como por exemplo, entre definições como a de arranjos e combinações Isso traz a impossibilidade do professor ir além do desenvolvimento dos agrupamentos simples, já que a situação se complica quando se tenta abordar os agrupamentos com repetição Já é consenso entre educadores e matemáticos que, no ensino bemsucedido, os alunos precisam compreender aquilo que aprendem e que essa compreensão é garantida quando eles participam da construção das idéias matemáticas Dessa forma alcançar tais objetivos só é possível quando os próprios professores compreendem os conceitos matemáticos abstratos Diante de tais considerações este mini-curso é uma proposta oferecida a professores de Ensino fundamental e médio, bem como, dirigido também a alunos de graduação em licenciatura de Matemática Assim, o mini-curso dará ênfase a resolução de problemas contextualizados, que mostram várias aplicações da combinatória É também um dos objetivos do mini-curso demonstrar, por meio de conceitos da combinatória alguns resultados matemáticos que se mostram bastante freqüentes ao longo das séries do ensino fundamental e médio O princípio multiplicativo Problema 1: Três estradas X, Y e Z conduzem ao topo de morro De quantos modos diferentes uma pessoa pode subir e descer este morro? Se a pessoa pode subir por X então pode descer por X, Y ou Z Diante disso escolhendo uma das três estradas para subir temos 3 possibilidades de escolha de estradas para descer Podemos dispor todas as maneiras de percursos na tabela abaixo: subida\descida X Y Z X (X, X) (X, Y) (X, Z) Y (Y, X) (Y, Y) (Y, Z) Z (Z, X) (Z, Y) (Z, Z) A tabela mostra facilmente que há 33 =9percursos possíveis de ida e volta Problema 2: Suponha que no problema 1 a pessoa não queira descer o morro pela mesma estrada que usou para subir Quantos caminhos diferentes de ida e volta ela pode efetuar?

3 3 Neste caso temos que há 3 maneiras diferentes para subir e 2 diferentes para descer Logo, o número de percursos diferentes possíveis é igual a 32 = 6 A partir dos problemas acima podemos enunciar um dos princípios básicos da combinatória, o princípio multiplicativo Princípio multiplicativo: Se um acontecimento A pode ocorrer de m maneiras diferentes e se, para cada uma das m maneiras possíveis de ocorrências de A, um segundo acontecimento B pode ocorrer de n maneiras diferentes então o número de maneiras de ocorrer o acontecimento A seguido do acontecimento B é m n Mas, como verificar a validade de tal princípio? Podemos fazer isso de forma bastante simples, isto é, verificando a validade do Princípio intuitivamente Denote por a1, a 2,, am as m maneiras de ocorrências de A e por b1, b2,, bn as n maneiras de ocorrências de B, após A ter ocorrido da maneira a (onde i = 1,2,, m) Diante disso, podemos construir o seguinte uma tabela como a do problema 1: i A \ B b 1 b 2 b n a 1 (a 1,b 1 ) (a 2,b 2 ) (a 1,b n ) a 2 (a 2,b 1 ) (a 2,b 2 ) (a 2,b n ) a m (a m,b 1 ) (a m,b 2 ) (a m,b n ) Diante da tabela temos que existem m n pares ordenados e em cada par ordenado ( a, b ), representa uma das m possibilidades de ocorrer o acontecimento A, i j enquanto que b representa uma das n possibilidades de ocorrer o acontecimento B j a i Segue de imediatamente a constatação da validade do princípio multiplicativo

4 4 Problema 3: Quantos números de três algarismos podem ser formados no sistema decimal? Considere um número de três algarismo, como algo representado por P 1 P 2 P 3 Daí, temos: d 1 : escolher um algarismo, diferente de zero, para a posição P 1 ; d 2 : escolher um algarismo para a posição P 2 ; d 3: escolher um algarismo para a posição P 3 Assim, temos que # d 1 = 9, # d 2 = 10 e # d 3 = 10 Logo, pelo princípio multiplicativo temos que = 900números Problema 4: Quantos números de três algarismos distintos podem ser formados no sistema decimal? Considere um número de três algarismo, como algo representado por P 1 P 2 P 3 Daí, temos: d 1 : escolher um algarismo, diferente de zero, para a posição P 1 ; d 2 : escolher um algarismo, diferente do escolhido em d 1, para a posição P 2 ; d 3: escolher um algarismo, diferente dos escolhidos em d 1 e d 2, para a posição P 3 Assim, temos que # d 1 = 9, # d 2 = 9 e # d 3 = 8 Logo, pelo princípio multiplicativo temos que 998 = 648números Os dois últimos problemas ilustram que nunca devemos, quando estamos resolvendo um problema de combinatória, deixar uma dificuldade para depois Ou seja: se existe uma restrição causando dificuldades então devemos satisfaze-la em primeiro lugar

5 5 Problema 5: Quantos números pares de três algarismos distintos podem ser formados no sistema decimal? Este problema apresenta uma dificuldade maior por isso vamos resolve-lo em duas etapas Etapa 1: Calcular a quantidade de números de três algarismos distintos terminados em zero Considere um número de três algarismo, como algo representado por P 1 P 2 P 3 Daí, temos: d 1 : colocar o número zero na posiçãop 3 ; d 2 : escolher um algarismo, diferente de zero, para a posição P 1 ; d 3: escolher um algarismo, diferente dos escolhidos em d 1 e d 2, para a posição P 2 Assim, temos que # d 1 = 1, # d 2 = 9 e # d 3 = 8 Logo, pelo princípio multiplicativo temos que 198 = 72números Etapa 2: Determinar a quantidade de números pares de três algarismos distintos não terminados em zero Considere um número de três algarismo, como algo representado por P 1 P 2 P 3 Daí, temos: d 1 : escolher um algarismo, dentre 2, 4, 6, 8 para a posiçãop 3 ; d 2 : escolher um algarismo, diferente de zero e diferente do escolhido em d 1, para a posição P 1 ; d 3: escolher um algarismo, diferente dos escolhidos em d 1 e d 2, para a posição P 2 Assim, temos que # d 1 = 4, # d 2 = 8 e # d 3 = 8 Logo, pelo princípio multiplicativo temos que 488 = 256números Portanto, temos que a solução do nosso problema inicial é dada por = 328 números Do problema 5 podemos tirar a seguinte lição: se em certa posição um objeto causa dificuldade para escolha de ocorrência de objetos em outra posição, então devemos dividir o problema em duas etapas, conforme o objeto ocupe ou não a posição considerada Problema 6: Um dado é lançado 4 vezes Qual o número de maneiras nas quais o 6 pode aparecer em seqüência, precisamente duas vezes

6 6 Usando a lição tirada do problema 5, vamos dividir em etapas a solução desse problema Etapa 1: Cálculo do número de maneiras de aparecer o número 6 em seqüência nos dois primeiros lançamentos A 1 : resultado do lançamento do dado pela 3 a vez A 2 : resultado do lançamento do dado pela 4 a vez 6 6 Assim, temos que # A 1 = 5 e # A 2 = 6 Logo, pelo princípio multiplicativo temos que 56 =30 Etapa 2: Cálculo do número de maneiras de aparecer o número 6 em seqüência no 2 o e no 3 o lançamento A 1 : resultado do lançamento do dado pela 1 a vez A 2 : resultado do lançamento do dado pela 4 a vez 6 6 Assim, temos que # A 1 = 5 e # A 2 = 5 Logo, pelo princípio multiplicativo temos que 55 = 25 Etapa 3: Cálculo do número de maneiras de aparecer o número 6 em seqüência nos dois últimos lançamentos A 1 : resultado do lançamento do dado pela 1 a vez A 2 : resultado do lançamento do dado pela 2 a vez 6 6 Assim, temos que # A 1 = 6 e # A 2 = 5 Logo, pelo princípio multiplicativo temos que 65 =30 Portanto, a resposta do problema é = 85 Problema 7: De quantos modos 3 pessoas podem sentar-se em 7 cadeiras em fila? d 1 : escolher uma cadeira para a primeira pessoa; d 2 : escolher uma cadeira para a segunda pessoa depois de ter ocorrido d 1; ; d 3: escolher uma cadeira para a terceira pessoa, após ter ocorrido d 1 e d 2 Assim, temos que # d 1 = 7, # d 2 = 6 e # d 3 = 5 Logo, pelo princípio multiplicativo temos que = 210 números Problema 8: Quantos divisores naturais possui o número 108? 2 3 Temos que o número 108 pode ser escrito como 108 = 2 3 Com isso temos que qualquer divisor de 108 e da forma 2 x en =1 3 y a com de e y {0,1, 2, Dessa forma, para obter um 11 s t (A)= aa+aa++aa n 1n sen 3} 1

7 7 divisor de 108 devemos substituir em 2 x y 3 expoente y por um dos números 0, 1, 2,3 Então: d 1 : escolha de um valor para x d 2 : escolha de um valor para y o expoente x por um dos números 0, 1,2 e o Assim, temos que # d 1 = 3, # d 2 = 4 Logo, pelo princípio multiplicativo temos que 34 = 12números divisores Problema 9: Quantos subconjuntos possui um conjunto com n elementos? Seja o conjunto A= { a1, a2,, a n } Cada subconjunto de A possui x 1 elementos, x 2 elementos a,, x n elementos a, onde xi {0,1} com i = 1,2,, n Para se formar um subconjunto de A devemos escolher um valor para x 1, um valor para x 2,, um valor para x n d 1 : escolher um valor para x 1 d 2 : escolher um valor para x 2 d n : escolher um valor pára x n a1 2 Assim, temos que # d 1 = 2, # d 2 = 2,, # d n = 2 Logo, pelo princípio multiplicativo temos que 2222 = 2 n subconjuntos n Problema 10: n automóveis devem entrar sucessivamente numa rua que dá mão para um único lado e estacionar em n vagas existentes Cada carro deve justapor-se a um carro já estacionado Podendo o primeiro carro ocupar qualquer das vagas, quantas filas distintas podem ser formadas? O número de maneiras de arrumar automóveis os n automóveis nas n vagas, nas condições do problema é igual ao número de maneiras de arruma-los fora das vagas e em seguida encaixa-los nas mesmas d 1 : colocar o 1 o carro d 2: colocação do 2 o carro, após ter ocorrido d 1 d 3 : colocação do 3 o carro, após terem ocorrido d 1 e d 2

8 8 d n : colocação do n-ésimo carro, após ter ocorrido d 1, d 2,, d n Assim, temos que # d 1 = 1 (já que o primeiro carro não há condição de ser satisfeita); # d 2 =2 (na frente ou atrás do 1 o carro), # d 3 = 2 (na frente ou atrás dos dois carros já arrumados),, # d n = 2 (na frente ou atrás dos n 1 carros já arrumados) Logo, pelo princípio multiplicativo temos que = 2 n 1 modos Problema 11: Sejam os conjuntos A= { a1, a2,, ap} e B = { b1, b2,, bm} Quantas aplicações f:a B podem ser definidas? d 1 : escolher uma imagem para o elemento ; a 1 d 2 : escolher uma imagem para o elemento, após ter ocorrido d 1 ; a 2 d 3: escolher uma imagem para o elemento, após ter ocorrido d 1 e d 2 ; a 3 d p : escolher uma imagem para o elemento, após ter ocorrido d 1, d 2,, d p ; a p Assim, temos que # d 1 = m, # d 2 = m, # d 3 = m,, # d p = m Logo, pelo princípio multiplicativo temos que m m m m = m p aplicações f:a B podem Problema 12: Sejam os conjuntos A= { a1, a2,, ap} e B = { b1, b2,, bm} Quantas aplicações injetoras f:a B podem ser definidas? d 1 : escolher uma imagem para o elemento ; a 1 d 2 : escolher uma imagem para o elemento, após ter ocorrido d 1 ; a 2 d 3: escolher uma imagem para o elemento, após ter ocorrido d 1 e d 2 ; a 3 d p : escolher uma imagem para o elemento, após ter ocorrido d 1, d 2,, d p ; a p

9 9 Assim, temos que # d 1 = m, # d 2 = m - 1, # d 3 = m - 2,, # d p = m (p + 1) Logo, pelo princípio multiplicativo temos que m ( m 1) ( m 2) ( m ( p 1)) = m ( m 1) ( m 2) ( m p+ 1) aplicações injetoras f:a B Problema 12: Sejam os conjuntos A= { a1, a2,, an} e B = { b1, b2,, bn} Quantas aplicações bijetoras f:a B podem ser definidas? d 1 : escolher uma imagem para o elemento ; a 1 d 2 : escolher uma imagem para o elemento, após ter ocorrido d 1 ; a 2 d 3: escolher uma imagem para o elemento, após ter ocorrido d 1 e d 2 ; a 3 d n : escolher uma imagem para o elemento, após ter ocorrido d 1, d 2,, d n ; a n Assim, temos que # d 1 =n, # d 2 = n - 1, # d 3 = n - 2,, # d p = n (n - 1) Logo, pelo princípio multiplicativo temos que bijetoras f:a B n ( n 1) ( n 2) ( n ( n 1)) = n ( n 1) ( n 2) 1 aplicações Problema 13: Dados n objetos distintos a1, a2,, an, de quantos modos é possível ordena-los? Para os objetos a, b, c há 6 ordenações: abc, acb, bac, bca, cba, cab No caso geral temos n modos de escolher o objeto que ocupará o primeiro lugar, n q modos de escolher o que ocupará o segundo lugar,, 1 modo de escolher o objeto que ocupará o último lugar Temos então que o problema é equivalente ao problema 12, logo o número de modos de ordenar n objetos distintos é n ( n 1) ( n 2) 1 A partir do problema 13 definimos cada ordenação dos n objetos como uma permutação simples de n objetos e o número de permutações de n objetos distintos, representado por P n é

10 10 igual a n! = n ( n 1) ( n 2) 1 (Já que 0!=1, define-se P 0 = 1) Em outras palavras uma permutação nada mais é que uma função bijetora P: A A Problema 14: Quantos são os anagramas da palavra QUADRO que começam por vogal? Considere as posições de cada letra da palavra quadro P 1 P 2 P 3 P 4 P 5 P 6 d 1 : escolher uma vogal, dentre a, o, u para a posição P 1 ; d 2 : permutar as letras restantes Assim, temos que # d 1 = 3, # d 2 = 5!=120 Logo, pelo princípio multiplicativo temos que = 360 anagramas Problema 15: De quantos modos podemos formar uma roda com 6 crianças? À primeira vista parece que para formar uma roda com as 6 crianças basta escolher uma ordem para eles, o que pode ser feito de120!= 720 modos Mas, há rodas iguais como por exemplo, ABCDE e EABCD (onde A, B, C, D e E representam as crianças) Daí, a contagem de 720 rodas contou cada roda 6 vezes Portanto, temos como resposta para o problema = Problema 16: De quantos modos podemos dividir 12 pessoas em dois grupos de 6? A divisão pode ser feita colocando as 12 pessoas em fila e dividindo-as de modo que um dos grupos seja formado pelas 6 primeiras pessoas e o outro pelas 6 últimas Temos que tomar cuidado que a solução, embora pareça ser 12! não é Pois em 12! maneiras temos que cada divisão foi contada vezes (2 por causa da ordem dos grupos, 6! Por causa da ordem dos elementos no 1 o grupo e 6! Por causa da ordem dos elementos no 2 o grupo) Portanto, temos como resposta 26!6! 12! 26!6! = 462 Problema 17: De quantos modos podemos escolher p objetos distintos entre n objetos distintos dados? Cada subconjunto com p elementos é chamado de uma combinação simples de classe p dos n objetos a 1, a 2,, a n

11 11 Assim, por exemplo, as combinações simples de classe 3 dos objetos a 1, a 2, a 3, a 4, a 5 são: {a 1,a 2,a 3 } {a 1,a 2,a 4 } {a 1,a 2,a 5 } {a 1,a 3,a 4 } {a 1,a 3,a 5 } {a 1,a 4,a 5 } {a 2,a 3,a 4 } {a 2,a 3,a 5 } {a 2,a 4,a 5 } {a 3,a 4,a 5 } O número de combinações simples de classe p de n Objetos é representado por 3 C Assim, C 5 = 10 p n Analisemos esta resposta: a escolha do 1º elemento da combinação pode ser feita de 5 modos; a do 2º, de 4 modos e a do 3º, de 3 modos A resposta parece ser 54 3= 60 Entretanto, se pensarmos numa combinação, por exemplo, {a 1,a 2,a 3 }, verificamos que as combinações {a 1,a 2,a 3 }, {a 1,a 3,a 2 }, {a 2,a 1,a 3 }, etc são idênticas e foram contadas como se fossem diferentes Com efeito, se dissermos que há 5 modos de escolher o 1º elemento da combinação é porque estamos considerando as escolhas a 1 e a 2 como diferentes e portanto estamos contando {a 1,a 2,a 3 } como diferente de {a 2,a 1,a 3 } Em suma, na resposta 60 estamos contando cada combinação uma vez para cada ordem de escrever seus elementos Como em cada combinação os elementos podem ser escritos em P 3 = 3! = 6 ordens, cada combinação foi contada 6 vezes Logo, a resposta é 60/6 = 10 p nn ( 1)( n p+ 1) 0 No caso geral temos Cn =,0 < p n, C n = 1 p! Uma expressão alternativa pode ser obtida multiplicando o numerador e o denominador por ( n p)! Obtemos n! C p n =,0 p n p!( n p)! Problema 15: Em uma urna há fichas numeradas de 1 a 10 De quantos modos se podem retirar 3 fichas de modo que a soma dessas fichas seja menor que 9? Primeiro temos que o número de modos de retirar 3 fichas é C São 4 grupos de 3 fichas cuja 3 soma é inferior a 9: , , e Logo temos como resposta C Problema 16: De quantos modos se podem repartir 27 livros diferentes entre as pessoas A, B e C, de modo que A e B, juntas, recebam o dobro de C? Primeiramente temos que se C recebe x livros, então A e B devem receber 2x Daí, 2x + x = 27 x = 9 d 1 : escolher 9 livros dentre os 27 para dar a C d 2 : distribuir os 18 livros restantes entre A e B 9 Assim, temos que # d 1 =C, # d 2 = Logo, pelo princípio multiplicativo temos que C 2 18 modos 27 27

12 12 Problema 17: Quantas diagonais possui um polígono convexo de n lados? O número de segmentos que tem extremidades nos vértices desse polígono é 2 n! n ( n 1) ( n 2)! n ( n 1) n ( n 1) Cn = = = Mas, destes segmentos n são lados do 2! ( n 2)! 2 ( n 2)! 2 2 polígono Logo, o número de diagonais de um polígono de n lados é dado por n ( n 1) n ( n 1) 2 n n ( n 1 2) n ( n 3) n = = = Problema 18: De quantas maneiras se podem escolher 3 números distintos do conjunto A = { 1, 2, 3, 4, 5, 6,, 100}, de modo que sua soma seja um múltiplo de 3? Sejam os conjuntos: X = { x A: x = multiplo de 3} = {1,3,6,9,,99} Y = { x A: x = multiplo de 3+ 1} = {1, 4,7,10,,100} Z = { x A: x = multiplo de 3 + 2} = {2,5,8,11,,98} Assim temos que # X = 33, # Y = 34 e # Z = 33 Observe que cada número escolhido em A têm por soma um múltiplo de 3, cada 3 números escolhidos em B têm por soma um múltiplo de 3, cada 3 números escolhidos em C têm por soma um múltiplo de 3 e escolhendo-se um número em A, um em B e um em C, a soma das 3 números é múltiplo de 3 Daí: C + C + C + C C C = 2 C + C + ( C ) C Palavras-chave: Ensino de Combinatória, Principio multiplicativo, Combinações Referências Bibliográficas: BRASIL Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias Brasília: MEC, 1999 LACAZ, N F A Lições de Análise Combinatória São Paulo: Livraria Nobel, 1956 LIMA, E L, CARVALHO, P C P, et al A Matemática do Ensino Médio Rio de Janeiro: SBM, vol 2, 2000 LIMA, E L, CARVALHO, P, et al Temas e Problemas3 ed Rio de Janeiro: SBM, 2003 LIMA, E LMatemática e ensino2 ed Rio de Janeiro: SBM, 2003

13 13 MORGADO, ACO et alli Análise Combinatória e Probabilidade Rio de Janeiro: SBM, 1991 ( Coleção do Professor de Matemática ) ROBERTS, F S Applied Combinatorics New Jersey: Prentice Hall, 1984 TUCKER, A Applied Combinatorics Nova Iorque: John Wiley and Sons, 2 Ed, 1984

Exemplos de Problemas Aplicando o Princípio Fundamental da Contagem. Professor: Flávio dos Reis Moura Skype; mineironegrogalo75

Exemplos de Problemas Aplicando o Princípio Fundamental da Contagem. Professor: Flávio dos Reis Moura Skype; mineironegrogalo75 Exemplos de Problemas Aplicando o Princípio Fundamental da Contagem Professor: Flávio dos Reis Moura Skype; mineironegrogalo75 Este material tem por objetivo ajudar o aluno a aplicar o Princípio Fundamental

Leia mais

Teoria das Probabilidades

Teoria das Probabilidades Teoria das Probabilidades Qual a probabilidade de eu passar no vestibular? Leandro Augusto Ferreira Centro de Divulgação Científica e Cultural Universidade de São Paulo São Carlos - Abril / 2009 Sumário

Leia mais

Material Teórico - Aplicações das Técnicas Desenvolvidas. Exercícios e Tópicos Relacionados a Combinatória. Segundo Ano do Ensino Médio

Material Teórico - Aplicações das Técnicas Desenvolvidas. Exercícios e Tópicos Relacionados a Combinatória. Segundo Ano do Ensino Médio Material Teórico - Aplicações das Técnicas Desenvolvidas Exercícios e Tópicos Relacionados a Combinatória Segundo Ano do Ensino Médio Prof Cícero Thiago Bernardino Magalhães Prof Antonio Caminha Muniz

Leia mais

Álgebra. SeM MiSTéRio

Álgebra. SeM MiSTéRio Álgebra SeM MiSTéRio Série SeM MiSTéRio Alemão Sem Mistério Álgebra Sem Mistério Cálculo Sem Mistério Conversação em Alemão Sem Mistério Conversação em Espanhol Sem Mistério Conversação em Francês Sem

Leia mais

PROFMAT - UNIRIO COORDENADOR GLADSON ANTUNES ALUNO JOÃO CARLOS CATALDO ANÁLISE COMBINATÓRIA

PROFMAT - UNIRIO COORDENADOR GLADSON ANTUNES ALUNO JOÃO CARLOS CATALDO ANÁLISE COMBINATÓRIA PROFMAT - UNIRIO COORDENADOR GLADSON ANTUNES ALUNO JOÃO CARLOS CATALDO ANÁLISE COMBINATÓRIA Questão 1: Entre duas cidades A e B existem três empresas de avião e cinco de ônibus. Uma pessoa precisa fazer

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM REDE NACIONAL PROFMAT

SOCIEDADE BRASILEIRA DE MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM REDE NACIONAL PROFMAT SOCIEDADE BRASILEIRA DE MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM REDE NACIONAL PROFMAT GABARITO da 3 a Avaliação Nacional de Aritmética - MA14-21/12/2013 Questão 1. (pontuação: 2) (1,0) a) Enuncie e demonstre

Leia mais

por séries de potências

por séries de potências Seção 23: Resolução de equações diferenciais por séries de potências Até este ponto, quando resolvemos equações diferenciais ordinárias, nosso objetivo foi sempre encontrar as soluções expressas por meio

Leia mais

TEXTO DE REVISÃO: Uso da calculadora científica e potências de 10.

TEXTO DE REVISÃO: Uso da calculadora científica e potências de 10. TEXTO DE REVISÃO: Uso da calculadora científica e potências de 10. Caro aluno (a): No livro texto (Halliday) cap.01 - Medidas alguns conceitos muito importantes são apresentados. Por exemplo, é muito importante

Leia mais

I. Princípio Fundamental da Contagem (P.F.C.)

I. Princípio Fundamental da Contagem (P.F.C.) ANÁLISE OMBINATÓRIA A principal finalidade da Análise ombinatória é estabelecer métodos de contagem. I. Princípio Fundamental da ontagem (P.F..) O P.F.., ou princípio multiplicativo, determina o número

Leia mais

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980 Questão 1. Uma venda imobiliária envolve o pagamento de 12 prestações mensais iguais a R$ 10.000,00, a primeira no ato da venda, acrescidas de uma parcela final de R$ 100.000,00, 12 meses após a venda.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA 7.º ANO PLANIFICAÇÃO GLOBAL Planificação 7º ano 2012/2013 Página 1 DOMÍNIO TEMÁTICO: NÚMEROS

Leia mais

Contagem (2) Anjolina Grisi de Oliveira. 2007.1 / CIn-UFPE. Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco

Contagem (2) Anjolina Grisi de Oliveira. 2007.1 / CIn-UFPE. Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco 1 / 24 Contagem (2) Anjolina Grisi de Oliveira Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco 2007.1 / CIn-UFPE 2 / 24 O princípio da multiplicação de outra forma O princípio da multiplicação

Leia mais

Princ ıpios b asicos Exemplo 1. Exemplo 2. Exemplo 3.

Princ ıpios b asicos Exemplo 1. Exemplo 2. Exemplo 3. Capítulo 6 Combinatória 1 Princípios básicos O princípio fundamental da contagem diz que se há x modos de tomar uma decisão D ½ e, tomada a decisão D ½,há y modos de tomar a decisão D ¾, então o número

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

O princípio multiplicativo

O princípio multiplicativo A UA UL L A O princípio multiplicativo Introdução A palavra Matemática, para um adulto ou uma criança, está diretamente relacionada com atividades e técnicas para contagem do número de elementos de algum

Leia mais

Abordagem de geometria no ensino médio partindo de poliedros

Abordagem de geometria no ensino médio partindo de poliedros Abordagem de geometria no ensino médio partindo de poliedros José Luiz Magalhães de Freitas INMA/UFMS e-mail: joseluizufms2@gmail.com Marilena Bittar INMA/UFMS e-mail: marilenabittar@gmail.com O objetivo

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

Análise Combinatória. Prof. Thiago Figueiredo

Análise Combinatória. Prof. Thiago Figueiredo Análise Combinatória Prof. Thiago Figueiredo (Escola Naval) Um tapete de 8 faixas deve ser pintado com cores azul, preta e branca. A quantidade de maneiras que podemos pintar esse tapete de modo que as

Leia mais

B 01. Combinações e Permutações

B 01. Combinações e Permutações IME ITA Apostila ITA B 0 Combinações e Permutações Introdução Neste capítulo são apresentadas as ferramentas básicas que nos permitem determinar o número de elementos de conjuntos formados de acordo com

Leia mais

ANÁLISE COMBINATÓRIA

ANÁLISE COMBINATÓRIA MATEMÁTICA IV ANÁLISE COMBINATÓRIA DISCURSIVAS SÉRIE AULA AULA 0 1 (UP 01 A Mega Sena é a maior loteria do Brasil realizada pela Caixa Econômica Federal (CEF. Para ganhar o prêmio da Mega Sena, o apostador

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE SIGNIFICADO NA MATEMÁTICA ESCOLAR

REFLEXÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE SIGNIFICADO NA MATEMÁTICA ESCOLAR REFLEXÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE SIGNIFICADO NA MATEMÁTICA ESCOLAR Patrícia Lima da Silva¹ Brunna Sordi Stock² RESUMO No segundo semestre do ano de 2009, em uma das disciplinas obrigatórias do currículo de

Leia mais

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Objetivos

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

MATEMÁTICA EM TODA PARTE II

MATEMÁTICA EM TODA PARTE II MATEMÁTICA EM TODA PARTE II Episódio: Matemática na Cidade Resumo O Episódio Matemática na Cidade, o segundo da série Matemática em Toda Parte II, vai abordar situações envolvendo fluxo e movimento nas

Leia mais

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas?

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas? Recorrências Muitas vezes não é possível resolver problemas de contagem diretamente combinando os princípios aditivo e multiplicativo. Para resolver esses problemas recorremos a outros recursos: as recursões

Leia mais

+ Do que xxx e escadas

+ Do que xxx e escadas Reforço escolar M ate mática + Do que xxx e escadas Dinâmica 6 1º Série 2º Bimestre DISCIPLINA Série CAMPO CONCEITO Matemática Ensino Médio 1ª Campo Geométrico DINÂMICA + Do que xxx e escadas Razões trigonométricas

Leia mais

ANALISE COMBINATORIA Um pouco de probabilidade

ANALISE COMBINATORIA Um pouco de probabilidade ANALISE COMBINATORIA Um pouco de probabilidade Programa Pró-Ciência Fapesp/IME-USP-setembro de 1999 Antônio L. Pereira -IME USP (s. 234A) tel 818 6214 email:alpereir@ime.usp.br 1 Um carro e dois bodes

Leia mais

Texto de Aprofundamento / Apoio Conceito de Função

Texto de Aprofundamento / Apoio Conceito de Função Texto de Aprofundamento / Apoio Conceito de Função Texto baseado no material preparado por Ângela Patricia Spilimbergo, Cleusa Jucela Meller Auth e Lecir Dalabrida da Universidade Regional do Noroeste

Leia mais

Karine Nayara F. Valle. Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta

Karine Nayara F. Valle. Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Karine Nayara F. Valle Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Professor Orientador: Alberto Berly Sarmiento Vera Belo Horizonte 2012 Karine Nayara F. Valle Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Monografia

Leia mais

Soluções Nível 1 5 a e 6 a séries (6º e 7º anos) do Ensino Fundamental

Soluções Nível 1 5 a e 6 a séries (6º e 7º anos) do Ensino Fundamental a e 6 a séries (6º e 7º anos) do Ensino Fundamental 1. (alternativa C) Os números 0,01 e 0,119 são menores que 0,12. Por outro lado, 0,1 e 0,7 são maiores que 0,. Finalmente, 0,29 é maior que 0,12 e menor

Leia mais

Probabilidade - aula I

Probabilidade - aula I e 27 de Fevereiro de 2015 e e Experimentos Aleatórios e Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Entender e descrever espaços amostrais e eventos para experimentos aleatórios. Interpretar

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES Taciany da Silva Pereira¹, Nora Olinda Cabrera Zúñiga² ¹Universidade Federal de Minas Gerais / Departamento

Leia mais

Resolverei neste artigo uma prova da fundação VUNESP realizada em 2010.

Resolverei neste artigo uma prova da fundação VUNESP realizada em 2010. Olá pessoal! Resolverei neste artigo uma prova da fundação VUNESP realizada em 2010. 01. (Fundação CASA 2010/VUNESP) Em um jogo de basquete, um dos times, muito mais forte, fez 62 pontos a mais que o seu

Leia mais

Um jogo de preencher casas

Um jogo de preencher casas Um jogo de preencher casas 12 de Janeiro de 2015 Resumo Objetivos principais da aula de hoje: resolver um jogo com a ajuda de problemas de divisibilidade. Descrevemos nestas notas um jogo que estudamos

Leia mais

Matemática, Raciocínio Lógico e suas Tecnologias

Matemática, Raciocínio Lógico e suas Tecnologias Matemática, Raciocínio Lógico e suas Tecnologias 21. (UFAL 2008) Uma copiadora pratica os preços expressos na tabela a seguir: Número de cópias Preço unitário (em reais) 1 a 10 0,20 11 a 50 0,15 51 a 200

Leia mais

A Magia da Matemática Oficina Pedagógica Prof. Ilydio P. de Sá www.magiadamatematica.com

A Magia da Matemática Oficina Pedagógica Prof. Ilydio P. de Sá www.magiadamatematica.com 26 27 28 Atividades sugeridas: 1) Aprendendo com as formas da história: Ao ler a história pela primeira vez para os seus alunos, aproveite para explorar os aspectos matemáticos referentes às formas geométricas

Leia mais

Qual o melhor caminho?

Qual o melhor caminho? Qual o melhor caminho? Série Matemática na Escola Objetivos 1. Introduzir a métrica do taxista através de um exemplo cotidiano; 2. Aplicar o conceito de permutação com repetição; 3. Mostrar algumas identidades

Leia mais

3 - CONJUNTO DOS NÚMEROS RACIONAIS

3 - CONJUNTO DOS NÚMEROS RACIONAIS 3 - CONJUNTO DOS NÚMEROS RACIONAIS Introdução É o conjunto de todos os números que estão ou podem ser colocados em forma de fração. Fração Quando dividimos um todo em partes iguais e queremos representar

Leia mais

PROBABILIDADE ESTATÍSTICA

PROBABILIDADE ESTATÍSTICA PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA (1000 ton) 2500 Gráfico 4.1. Produção de Arroz do Município X - 1984-1994 2000 1500 1000 500 0 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 M. Bastos 2005 SUMÁRIO 1 TEORIA DOS CONJUNTOS

Leia mais

Numa turma de 26 alunos, o número de raparigas excede em 4 o número de rapazes. Quantos rapazes há nesta turma?

Numa turma de 26 alunos, o número de raparigas excede em 4 o número de rapazes. Quantos rapazes há nesta turma? GUIÃO REVISÕES Equações e Inequações Equações Numa turma de 6 alunos, o número de raparigas ecede em 4 o número de rapazes. Quantos rapazes há nesta turma? O objectivo do problema é determinar o número

Leia mais

Texto 07 - Sistemas de Partículas. A figura ao lado mostra uma bola lançada por um malabarista, descrevendo uma trajetória parabólica.

Texto 07 - Sistemas de Partículas. A figura ao lado mostra uma bola lançada por um malabarista, descrevendo uma trajetória parabólica. Texto 07 - Sistemas de Partículas Um ponto especial A figura ao lado mostra uma bola lançada por um malabarista, descrevendo uma trajetória parabólica. Porém objetos que apresentam uma geometria, diferenciada,

Leia mais

Ambos têm os algarismos 7854 seguidos, a potência de dez apenas moverá a vírgula, que não afeta a quantidade de algarismos significativos.

Ambos têm os algarismos 7854 seguidos, a potência de dez apenas moverá a vírgula, que não afeta a quantidade de algarismos significativos. ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Os algarismos significativos são os algarismos que têm importância na exatidão de um número, por exemplo, o número 2,67 tem três algarismos significativos. Se expressarmos o número

Leia mais

MATEMÁTICA COMBINATÓRIA: INTRODUÇÃO

MATEMÁTICA COMBINATÓRIA: INTRODUÇÃO INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA 2ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Prof. Ilydio Pereira de Sá www.magiadamatematica.com MATEMÁTICA COMBINATÓRIA: INTRODUÇÃO Princípio Fundamental da Contagem

Leia mais

a soma dois números anteriores da primeira coluna está na segunda coluna: (3m +1) + (3n +1) = 3(m + n) + 2.

a soma dois números anteriores da primeira coluna está na segunda coluna: (3m +1) + (3n +1) = 3(m + n) + 2. OBMEP 01 Nível 3 1 QUESTÃO 1 ALTERNATIVA A Basta verificar que após oito giros sucessivos o quadrado menor retorna à sua posição inicial. Como 01 = 8 1+ 4, após o 01º giro o quadrado cinza terá dado 1

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: Matemática Ano: 6º ano Ano Letivo: 2015 OBJETIVO GERAL

Planejamento Anual. Componente Curricular: Matemática Ano: 6º ano Ano Letivo: 2015 OBJETIVO GERAL Planejamento Anual Componente Curricular: Matemática Ano: 6º ano Ano Letivo: 2015 Professor(s): Eni e Patrícia OBJETIVO GERAL Desenvolver e aprimorar estruturas cognitivas de interpretação, análise, síntese,

Leia mais

Hotel de Hilbert. Série Matemática na Escola. Objetivos 1. Introduzir o conceito matemático de infinito.

Hotel de Hilbert. Série Matemática na Escola. Objetivos 1. Introduzir o conceito matemático de infinito. Hotel de Hilbert Série Matemática na Escola Objetivos 1. Introduzir o conceito matemático de infinito. Hotel de Hilbert Série Matemática na Escola Conteúdos Conceito de infinitos, injetividade de funções

Leia mais

PROVA BRASIL: DESCRITORES DE AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA

PROVA BRASIL: DESCRITORES DE AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA PROVA BRASIL: DESCRITORES DE AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA Isabel Cristina Ribeiro 1 Mary Ângela Teixeira Branda lise 2 Resumo Este trabalho tem por objetivo realizar um estudo sobre as habilidades e competências

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática

A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática I. O jogo A Torre de Hanói consiste de uma base com três pinos e um certo número n de discos de diâmetros diferentes, colocados um sobre o outro em

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO

INSTITUTO TECNOLÓGICO PAC - PROGRAMA DE APRIMORAMENTO DE CONTEÚDOS. ATIVIDADES DE NIVELAMENTO BÁSICO. DISCIPLINAS: MATEMÁTICA & ESTATÍSTICA. PROFº.: PROF. DR. AUSTER RUZANTE 1ª SEMANA DE ATIVIDADES DOS CURSOS DE TECNOLOGIA

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS LENIMAR NUNES DE ANDRADE INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA: QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS 1 a edição ISBN 978-85-917238-0-5 João Pessoa Edição do Autor 2014 Prefácio Este texto foi elaborado para a disciplina Introdução

Leia mais

4. A FUNÇÃO AFIM. Uma função f: R R chama-se afim quando existem números reais a e b tais que f(x) = ax + b para todo x R. Casos particulares

4. A FUNÇÃO AFIM. Uma função f: R R chama-se afim quando existem números reais a e b tais que f(x) = ax + b para todo x R. Casos particulares 38 4. A FUNÇÃO AFIM Uma função f: R R chama-se afim quando existem números reais a e b tais que f(x) = ax + b para todo x R. Casos particulares 1) A função identidade fr : Rdefinida por f(x) = x para todo

Leia mais

FUNÇÕES E INEQUAÇÕES

FUNÇÕES E INEQUAÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA ANDRÉIA SCHMIDT GEHHANNY ASSIS JAQUELINI ROCHA SIMÃO LARISSA VANESSA DOMINGUES FUNÇÕES E INEQUAÇÕES CURITIBA 2012

Leia mais

Coordenadoria de Educação CADERNO DE REVISÃO-2011. Matemática Aluno (a) 5º ANO

Coordenadoria de Educação CADERNO DE REVISÃO-2011. Matemática Aluno (a) 5º ANO CADERNO DE REVISÃO-2011 Matemática Aluno (a) 5º ANO Caderno de revisão FICHA 1 COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO examesqueiros Os Números gloriabrindes.com.br noticias.terra.com.br cidadesaopaulo.olx... displaypaineis.com.br

Leia mais

CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI

CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI MATEMÁTICA ENSINO MÉDIO APOSTILA 03 Parabéns!!! Você já é um vencedor! Voltar a estudar é uma vitória que poucos podem dizer que conseguiram. É para você, caro aluno, que desenvolvemos

Leia mais

Actividade: Semelhança de triângulos

Actividade: Semelhança de triângulos Apêndice 5 A Nota Explicativa Actividade: Semelhança de triângulos A tarefa de geometria dinâmica proposta, tem como principal objectivo proporcionar o envolvimento dos alunos em ambientes geométricos

Leia mais

Unidade 11 - Probabilidade. Probabilidade Empírica Probabilidade Teórica

Unidade 11 - Probabilidade. Probabilidade Empírica Probabilidade Teórica Unidade 11 - Probabilidade Probabilidade Empírica Probabilidade Teórica Probabilidade Empírica Existem probabilidade que são baseadas apenas uma experiência de fatos, sem necessariamente apresentar uma

Leia mais

O MÉTODO HÚNGARO PARA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO

O MÉTODO HÚNGARO PARA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO O MÉTODO HÚNGARO PARA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO João Cesar Guirado Universidade Estadual de Maringá E-mail: jcguirado@gmail.com Márcio Roberto da Rocha Universidade Estadual de Maringá E-mail:

Leia mais

Fração como porcentagem. Sexto Ano do Ensino Fundamental. Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M.

Fração como porcentagem. Sexto Ano do Ensino Fundamental. Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Material Teórico - Módulo de FRAÇÕES COMO PORCENTAGEM E PROBABILIDADE Fração como porcentagem Sexto Ano do Ensino Fundamental Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto

Leia mais

Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Análise Combinatória 2º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO

Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Análise Combinatória 2º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Análise Combinatória 2º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO Professor: Hermes Jardim Disciplina: Matemática Lista 5 3º Bimestre/2013 Aluno(a): Número: Turma: 1) Resolva

Leia mais

Resolvendo problemas com logaritmos

Resolvendo problemas com logaritmos A UA UL LA Resolvendo problemas com logaritmos Introdução Na aula anterior descobrimos as propriedades dos logaritmos e tivemos um primeiro contato com a tábua de logarítmos. Agora você deverá aplicar

Leia mais

Álgebra Linear. André Arbex Hallack Frederico Sercio Feitosa

Álgebra Linear. André Arbex Hallack Frederico Sercio Feitosa Álgebra Linear André Arbex Hallack Frederico Sercio Feitosa Janeiro/2006 Índice 1 Sistemas Lineares 1 11 Corpos 1 12 Sistemas de Equações Lineares 3 13 Sistemas equivalentes 4 14 Operações elementares

Leia mais

Sistemas Lineares. Módulo 3 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e suas Tecnologias Matemática

Sistemas Lineares. Módulo 3 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e suas Tecnologias Matemática Módulo 3 Unidade 10 Sistemas Lineares Para início de conversa... Diversos problemas interessantes em matemática são resolvidos utilizando sistemas lineares. A seguir, encontraremos exemplos de alguns desses

Leia mais

ANALISANDO O USO DE JOGOS COMO AUXÍLIO NAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA

ANALISANDO O USO DE JOGOS COMO AUXÍLIO NAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA ANALISANDO O USO DE JOGOS COMO AUXÍLIO NAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA Amanda dos Santos Souza (Licencianda em Matemática/UFPB - amanda.souza13@hotmail.com) Carla Manuelle Silva de Almeida

Leia mais

Faculdade de Computação

Faculdade de Computação UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Disciplina : Teoria da Computação Professora : Sandra Aparecida de Amo Lista de Exercícios n o 2 Exercícios sobre Modelos de Máquinas de Turing

Leia mais

Conceitos: A fração como coeficiente. A fração e a sua representação gráfica. Termos que compõem uma fração. Fração unidade. Fração de um número.

Conceitos: A fração como coeficiente. A fração e a sua representação gráfica. Termos que compõem uma fração. Fração unidade. Fração de um número. Unidade 1. As frações. Enquadramento Curricular em Espanha: Objetos de aprendizagem: 1.1. Conceito de fração Identificar os termos de uma fração. Escrever e ler frações. Comparar frações com igual denominador.

Leia mais

Roda Roda. Série Matemática na Escola. Objetivos 1. Introduzir o conceito de permutação circular; 2. Aplicar o conceito de permutação simples.

Roda Roda. Série Matemática na Escola. Objetivos 1. Introduzir o conceito de permutação circular; 2. Aplicar o conceito de permutação simples. Roda Roda Série Matemática na Escola Objetivos 1. Introduzir o conceito de permutação circular; 2. Aplicar o conceito de permutação simples. Roda Roda Série Matemática na Escola Conteúdos Permutações e

Leia mais

Elementos de Matemática Discreta

Elementos de Matemática Discreta Elementos de Matemática Discreta Prof. Marcus Vinícius Midena Ramos Universidade Federal do Vale do São Francisco 9 de junho de 2013 marcus.ramos@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~marcus.ramos Marcus

Leia mais

Eventos independentes

Eventos independentes Eventos independentes Adaptado do artigo de Flávio Wagner Rodrigues Neste artigo são discutidos alguns aspectos ligados à noção de independência de dois eventos na Teoria das Probabilidades. Os objetivos

Leia mais

Matemática em Toda Parte II

Matemática em Toda Parte II Matemática em Toda Parte II Episódio: Matemática nas Brincadeiras Resumo O episódio Matemática nas Brincadeiras explora o mundo dos jogos para identificar o uso dos conceitos de combinatória e probabilidade.

Leia mais

http://www.matematica.br/programas/icg. 5. Uma lousa denominada EPI (registrador de endereço de próxima instrução).

http://www.matematica.br/programas/icg. 5. Uma lousa denominada EPI (registrador de endereço de próxima instrução). Universidade de São Paulo Instituto de Matemática e Estatística DCC Leônidas O. Brandão 1 Computador à Gaveta O objetivo deste texto é introduzir os primeiros conceitos de algoritmos a partir de um modelo

Leia mais

Lista de Exercícios - Potenciação

Lista de Exercícios - Potenciação Nota: Os exercícios desta aula são referentes ao seguinte vídeo Matemática Zero 2.0 - Aula 14 - Potenciação ou Exponenciação - (parte 1 de 2) Endereço: https://www.youtube.com/watch?v=20lm2lx6r0g Gabaritos

Leia mais

Sessão 2 UFCD 0804 Algoritmos

Sessão 2 UFCD 0804 Algoritmos Sessão 2 UFCD 0804 Algoritmos Revisões Sessão 1 Algoritmo - Definição Um algoritmo é formalmente uma sequência finita de passos que levam a execução de uma tarefa, é uma sequência de instruções para atingir

Leia mais

SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS. 1. Com 5 homens e 5 mulheres, de quantos modos se pode formar um casal?

SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS. 1. Com 5 homens e 5 mulheres, de quantos modos se pode formar um casal? SOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS 1. Com 5 homens e 5 mulheres, de quantos modos se pode formar um casal? Temos 5 grupos com 5 possibilidades cada uma, então: 5.5=25 casais Se fossem duplas: Teríamos 10

Leia mais

Preparação para o teste intermédio de Matemática 8º ano

Preparação para o teste intermédio de Matemática 8º ano Preparação para o teste intermédio de Matemática 8º ano Conteúdos do 7º ano Conteúdos do 8º ano Conteúdos do 8º Ano Teorema de Pitágoras Funções Semelhança de triângulos Ainda os números Lugares geométricos

Leia mais

SEGEMENTAÇÃO DE IMAGENS. Nielsen Castelo Damasceno

SEGEMENTAÇÃO DE IMAGENS. Nielsen Castelo Damasceno SEGEMENTAÇÃO DE IMAGENS Nielsen Castelo Damasceno Segmentação Segmentação Representação e descrição Préprocessamento Problema Aquisição de imagem Base do conhecimento Reconhecimento e interpretação Resultado

Leia mais

C O L É G I O F R A N C O - B R A S I L E I R O

C O L É G I O F R A N C O - B R A S I L E I R O C O L É G I O F R A N C O - B R A S I L E I R O Nome: N.º: Turma: Professor: Ano: 6º Data: / 07 / 2014 EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO DE MATEMÁTICA 1) Numa divisão, qual é o dividendo, se o divisor for 12,

Leia mais

A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA As Fronteiras do Espaço

A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA As Fronteiras do Espaço A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA As Fronteiras do Espaço Resumo O interesse do Homem pelo espaço em que vive é coisa muito antiga. Ao longo de muitos séculos, o Homem vem tentando conhecer e representar as diferentes

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ ESTÊVÃO. DEPARTAMENTO DE 1.º CICLO Planificação Anual da Disciplina de Português 3.º ano Ano Letivo de 2015/2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ ESTÊVÃO. DEPARTAMENTO DE 1.º CICLO Planificação Anual da Disciplina de Português 3.º ano Ano Letivo de 2015/2016 1º PERÍODO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ ESTÊVÃO DEPARTAMENTO DE 1.º CICLO Planificação Anual da Disciplina de Português 3.º ano Ano Letivo de 2015/2016 Unidades/Conteúdos Tempos Oralidade -Escutar para

Leia mais

PROBABILIDADE Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr.

PROBABILIDADE Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. PROBABILIDADE Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística - PPGEMQ / PPGEP - UFSM - O intelecto faz pouco na estrada que leva à descoberta, acontece um salto na consciência, chameo de

Leia mais

DISCIPLINA DE MATEMÁTICA

DISCIPLINA DE MATEMÁTICA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA OBJETIVOS: 6 ano Levar os estudantes a reconhecerem, em situações cotidianas, as diferentes funções, os diferentes significados e as representações dos números, operações, medidas

Leia mais

PROVA DO VESTIBULAR ESAMC-2003-1 RESOLUÇÃO E COMENTÁRIO DA PROFA. MARIA ANTÔNIA GOUVEIA M A T E M Á T I C A

PROVA DO VESTIBULAR ESAMC-2003-1 RESOLUÇÃO E COMENTÁRIO DA PROFA. MARIA ANTÔNIA GOUVEIA M A T E M Á T I C A PROVA DO VESTIBULAR ESAMC-- RESOLUÇÃO E COMENTÁRIO DA PROFA. MARIA ANTÔNIA GOUVEIA M A T E M Á T I C A Q. O valor da epressão para = é : A, B, C, D, E, ( (,..., ( ( RESPOSTA: Alternativa A. Q. Sejam A

Leia mais

Resolução de sistemas lineares

Resolução de sistemas lineares Resolução de sistemas lineares J M Martínez A Friedlander 1 Alguns exemplos Comecemos mostrando alguns exemplos de sistemas lineares: 3x + 2y = 5 x 2y = 1 (1) 045x 1 2x 2 + 6x 3 x 4 = 10 x 2 x 5 = 0 (2)

Leia mais

36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase

36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase 36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase Problema 1 Turbo, o caracol, está participando de uma corrida Nos últimos 1000 mm, Turbo, que está a 1 mm por hora, se motiva e

Leia mais

Exercícios resolvidos sobre Função de probabilidade e densidade de probabilidade

Exercícios resolvidos sobre Função de probabilidade e densidade de probabilidade Exercícios resolvidos sobre Função de probabilidade e densidade de probabilidade Você aprendeu o que é função probabilidade e função densidade de probabilidade e viu como esses conceitos são importantes

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº10 Prof. Daniel Szente

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº10 Prof. Daniel Szente Nome: Ano: º Ano do E.M. Escola: Data: / / 3º Ano do Ensino Médio Aula nº10 Prof. Daniel Szente Assunto: Função exponencial e logarítmica 1. Potenciação e suas propriedades Definição: Potenciação é a operação

Leia mais

Frações. Números Racionais

Frações. Números Racionais Frações Números Racionais Consideremos a operação 4:5 =? onde o dividendo não é múltiplo do divisor. Vemos que não é possível determinar o quociente dessa divisão no conjunto dos números porque não há

Leia mais

Unidade II - Sistemas de Equações Lineares

Unidade II - Sistemas de Equações Lineares Unidade II - Sistemas de Equações Lineares 1- Situando a Temática Discutiremos agora um dos mais importantes temas da matemática: Sistemas de Equações Lineares Trata-se de um tema que tem aplicações dentro

Leia mais

Cronograma de Estudos de Matemática - Projeto Medicina - www.projetomedicina.com.br

Cronograma de Estudos de Matemática - Projeto Medicina - www.projetomedicina.com.br Cronograma de Estudos de Matemática - Projeto Medicina - www.projetomedicina.com.br Área Assunto Início Fim Teoria Exercícios Álgebra Médias Álgebra Noções de Estatística Álgebra Razão de Proporção Análise

Leia mais

Notas de Cálculo Numérico

Notas de Cálculo Numérico Notas de Cálculo Numérico Túlio Carvalho 6 de novembro de 2002 2 Cálculo Numérico Capítulo 1 Elementos sobre erros numéricos Neste primeiro capítulo, vamos falar de uma limitação importante do cálculo

Leia mais

PROPOSTAS DE TRABALHO PARA OS ALUNOS A PARTIR DE JOGOS 2º ANO. Adriana da Silva Santi Coordenação Pedagógica de Matemática

PROPOSTAS DE TRABALHO PARA OS ALUNOS A PARTIR DE JOGOS 2º ANO. Adriana da Silva Santi Coordenação Pedagógica de Matemática PROPOSTAS DE TRABALHO PARA OS ALUNOS A PARTIR DE JOGOS 2º ANO Adriana da Silva Santi Coordenação Pedagógica de Matemática Piraquara Abril/214 1 JOGOS E PROPOSTAS DE TRABALHO PARA OS ALUNOS JOGO DOS 6 PALITOS

Leia mais

Módulo de Probabilidade Miscelânea de Exercícios. Cálculo de Probabilidades. Professores Tiago Miranda e Cleber Assis

Módulo de Probabilidade Miscelânea de Exercícios. Cálculo de Probabilidades. Professores Tiago Miranda e Cleber Assis Módulo de Probabilidade Miscelânea de Exercícios Cálculo de Probabilidades a série E.M. Professores Tiago Miranda e Cleber Assis Probabilidade Miscelânea de Exercícios Cálculo de Probabilidades 1 Exercícios

Leia mais

Seu pé direito nas melhores faculdades

Seu pé direito nas melhores faculdades Seu pé direito nas melhores faculdades IM - maio 006 MTMÁTI 0. a) atore a epressão 3 3 + 6. b) Resolva, em, a inequação 3 3 + 6 +. a) 3 3 + 6 = (3 ) 6(3 ) = ( 6)(3 ) = ( + 6 )( 6 )(3 ) é a forma fatorada

Leia mais

Um estudo sobre funções contínuas que não são diferenciáveis em nenhum ponto

Um estudo sobre funções contínuas que não são diferenciáveis em nenhum ponto Um estudo sobre funções contínuas que não são diferenciáveis em nenhum ponto Maria Angélica Araújo Universidade Federal de Uberlândia - Faculdade de Matemática Graduanda em Matemática - Programa de Educação

Leia mais

Solução da prova da 1 a fase OBMEP 2008 Nível 1

Solução da prova da 1 a fase OBMEP 2008 Nível 1 OBMEP 00 Nível 1 1 QUESTÃO 1 Como Leonardo da Vinci nasceu 91 anos antes de Pedro Américo, ele nasceu no ano 14 91 = 145. Por outro lado, Portinari nasceu 451 anos depois de Leonardo da Vinci, ou seja,

Leia mais

Preparatório para Colégio Naval, EPCAr, Colégio Militar (ensino médio) e parcial (ver conteúdo abaixo) para Pré-IME, Pré-ITA, EsPCEx, EEAer, ENEM.

Preparatório para Colégio Naval, EPCAr, Colégio Militar (ensino médio) e parcial (ver conteúdo abaixo) para Pré-IME, Pré-ITA, EsPCEx, EEAer, ENEM. O ALGEBRISTA Autor: Laércio Vasconcelos www.laercio.com.br Livro de ÁLGEBRA do ensino fundamental (6º ao 9º ano) Preparatório para Colégio Naval, EPCAr, Colégio Militar (ensino médio) e parcial (ver conteúdo

Leia mais

Módulo 1 Combinações Completas

Módulo 1 Combinações Completas Professor: Rômulo Garcia Email: machadogarcia@gmail.com Conteúdo Programático: Análise Combinatória - Outros Métodos de Contagem Material exclusivo para preparação do vestibular para o IME Módulo 1 Combinações

Leia mais

FRAÇÕES DE UMA QUANTIDADE

FRAÇÕES DE UMA QUANTIDADE FRAÇÕES DE UMA QUANTIDADE FRAÇÕES DE UMA QUANTIDADE PREPARANDO O BOLO DICAS Helena comprou 4 ovos. Ela precisa de dessa quantidade para fazer o bolo de aniversário de Mariana. De quantos ovos Helena vai

Leia mais

NIVELAMENTO 2007/1 MATEMÁTICA BÁSICA. Núcleo Básico da Primeira Fase

NIVELAMENTO 2007/1 MATEMÁTICA BÁSICA. Núcleo Básico da Primeira Fase NIVELAMENTO 00/ MATEMÁTICA BÁSICA Núcleo Básico da Primeira Fase Instituto Superior Tupy Nivelamento de Matemática Básica ÍNDICE. Regras dos Sinais.... Operações com frações.... Adição e Subtração....

Leia mais

A educadora avalia a formação de nossos professores para o ensino da Matemática e os caminhos para trabalhar a disciplina na Educação Infantil.

A educadora avalia a formação de nossos professores para o ensino da Matemática e os caminhos para trabalhar a disciplina na Educação Infantil. Matemática na Educação Infantil: é possível A educadora avalia a formação de nossos professores para o ensino da Matemática e os caminhos para trabalhar a disciplina na Educação Infantil. Nas avaliações

Leia mais