Gerenciamento Estratégico de Carreira: A Experiência de Duas Empresas Multinacionais. Autoria: Alexandra Silveira Mastella

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gerenciamento Estratégico de Carreira: A Experiência de Duas Empresas Multinacionais. Autoria: Alexandra Silveira Mastella"

Transcrição

1 Gerenciamento Estratégico de Carreira: A Experiência de Duas Empresas Multinacionais Autoria: Alexandra Silveira Mastella Resumo Diante do atual cenário competitivo, questões relacionadas ao gerenciamento estratégico de recursos humanos tem se tornado essenciais para a tomada de decisões no mundo dos negócios. Este artigo tem como objetivo trazer algumas reflexões a respeito do Gerenciamento Estratégico de Carreiras nas empresas. Para realização da pesquisa, foi utilizada a metodologia de estudo de caso, sendo realizadas entrevistas semi - estruturadas em duas empresas multinacionais da região de Campinas, permitindo verificar, na prática, como as empresas estão trabalhando com a questão do gerenciamento de carreira de seus funcionários e como isso tem afetado as decisões estratégicas das mesmas. A partir da pesquisa realizada foi possível constatar que as empresas estão a caminho de uma prática de recursos humanos mais moderna e de uma carreira flexível; no entanto, ainda existe muito a avançar, principalmente em indústrias mais tradicionais, como aquelas estudadas. Uma das idéias verificadas na prática empresarial foi a de que os resultados positivos estão vinculados a uma carreira compartilhada entre os funcionários e a empresa. 1. Introdução Pretende-se confrontar a teoria a respeito de gestão estratégica de carreiras e a prática gerencial, discutindo a aplicabilidade dos conceitos, bem como apontar a importância do Gerenciamento Estratégico de Carreiras no atual cenário competitivo das empresas, buscando evidenciar os benefícios de tal gerenciamento, tanto para o indivíduo quanto para o desempenho da empresa. Na seqüência é apresentada a metodologia proposta, seguida de uma revisão bibliográfica a respeito do tema e por fim são apresentados os estudos de caso e os resultados da confrontação entre o tema pesquisado e as práticas de gestão. 2. Metodologia O artigo foi elaborado a partir da revisão bibliográfica sobre o tema Gestão de Carreira e sua implicação na estratégia empresarial, proporcionando uma visão da gestão de recursos humanos na atualidade. Para confrontar a teoria com a prática gerencial, foi realizada uma pesquisa descritiva. De acordo com Gil (1996), as pesquisas descritivas podem ter por objetivo estudar as características de um grupo, levantar opiniões, atitudes e crenças de uma população. Neste sentido, para a realização da pesquisa, foi utilizada a técnica de estudo de casos, havendo um estudo aprofundado de duas empresas multinacionais, da região de Campinas. Nestas empresas foram utilizados os seguintes instrumentos de coleta de dados: análise documental e entrevistas semi - estruturadas. Com relação a análise documental foram fornecidos relatórios da área de recursos humanos, bem como, instrumentos de avaliação que permitiram conhecer algumas práticas de gestão adotadas pelas empresas. 1

2 Foram realizadas entrevistas semi - estruturadas com funcionários e gestores da área de Recursos Humanos das duas empresas pesquisadas. As entrevistas foram distribuídas da seguinte forma: TABELA 1: ENTREVISTAS DA PESQUISA EMPRESAS PESQUISADAS EMPRESA MULTINACIONAL ITALIANA ENTREVISTAS Entrevistas com o Gerente de REALIZADAS Recursos Humanos Entrevistas com 2 funcionários da área de Recursos Humanos Entrevistas com 4 funcionários, de diferentes áreas da empresa. (escolhidos aleatoriamente) EMPRESA MULTINACIONAL AMERICANA Entrevistas com o Gerente de Recursos Humanos Entrevistas com 2 consultores de Recursos Humanos Entrevistas com 4 funcionários, de diferentes áreas da empresa. (escolhidos aleatoriamente) Com relação às entrevistas realizadas, buscou-se obter tanto a visão por parte dos integrantes da gestão da empresa, quanto a visão dos funcionários de diferentes áreas. Uma outra observação em relação às entrevistas realizadas, diz respeito ao fato da empresa multinacional americana possuir a figura do consultor de recursos humanos, que é um coordenador de uma equipe de funcionários, e a multinacional italiana não possuir tal cargo. Sendo assim, no caso da multinacional italiana as entrevistas foram realizadas com dois funcionários administrativos da área de recursos humanos. A escolha das empresas se justifica em função do interesse em verificar a prática de empresas reconhecidas como bem sucedidas no mercado, tanto em termos de resultados alcançados quanto em termos de gestão e inovação. O estudo permitiu verificar como as empresas pesquisadas estão trabalhando com a questão do gerenciamento de carreira de seus funcionários e como tem obtido resultados neste sentido. 3. Revisão Bibliográfica A busca das causas da competitividade tem sido discutida por muitos autores da área de estratégia empresarial. Hamel & Prahalad (1996), por exemplo, questionaram o por que de algumas empresas crescerem e outras ficarem estagnadas. E perceberam que a questão da competitividade tem sido tratada cientificamente de forma rigorosa, porém limitada e superficial. Geralmente, as causas da competitividade tem ficado restrita em termos de espaço de tempo, unidade de análise e arena competitiva abrangida. Albuquerque (1999), estuda a importância do fator humano e das estratégias de gestão de recursos humanos como fatores de competitividade empresarial, a partir de um novo paradigma de relações de trabalho e gestão de recursos humanos que contribui para tornar as empresas mais competitivas. De acordo com o autor, prevalecem nos debates atuais duas concepções sobre as organizações competitivas e seu papel na sociedade. Uma é a Concepção Tradicional, cujo objetivo maior da organização é maximizar a riqueza dos acionistas e a outra é a Visão Transformada, cujo objetivo maior é atender aos variados interesses e necessidades dos múltiplos envolvidos na organização: acionistas, empregados, consumidores e sociedade. A partir destas duas concepções é possível comparar a transformação tanto das relações de trabalho quanto das políticas de recursos humanos. Porém, para efeitos deste trabalho, optou- 2

3 se por estudar apenas a transformação das políticas de recursos humanos e, mais especialmente, a política de carreiras. Na Concepção Tradicional o foco é no cargo e no trabalho a curto prazo. O funcionário é contratado para um cargo ou conjunto especializado de cargos. A política de treinamento visa o aumento do desempenho na função atual. As carreiras são rígidas e especializadas, de pequeno horizonte e amarradas na estrutura de cargos. A política salarial também é focada na estrutura de cargos, com alto grau de diferenciação salarial entre eles. Quanto à política de incentivos, são utilizados incentivos individuais. Por outro lado, na Visão Transformada, o foco é no encarreiramento flexível e no trabalho a longo prazo. O funcionário é contratado para uma carreira longa na empresa. A política de treinamento visa a preparar o empregado para as funções futuras. As carreiras são flexíveis, de longo alcance, com permeabilidade entre diferentes carreiras. A política salarial é focada na posição, na carreira e no desempenho, com baixa diferenciação entre níveis. Quanto à política de incentivos, o foco são os incentivos grupais, vinculados a resultados empresariais. É importante ressaltar que, as características de cada uma das concepções podem estar relacionadas, a apresentação de forma estremada e individualizada é apenas analítica e didática. Ainda segundo Albuquerque (1999), para guardar coerência com os novos padrões tecnológicos de organização da produção e do trabalho e relações de trabalho na nova concepção, as políticas de recursos humanos deverão assumir como premissas as necessidades de: - valorização dos talentos humanos na empresa; - atração e manutenção de pessoas de alto potencial e qualificação para o trabalho; - criação de condições favoráveis à motivação individual e à mobilização dos grupos em torno das metas organizacionais; - possibilidades de crescimento funcional e desenvolvimento profissional na própria empresa; - oferecimentos de incentivos vinculados a resultados da atividade empresarial, de preferência com base grupal ou coletiva; e - adaptação de políticas integradas de recursos humanos à realidade da empresa e ao contexto externo econômico-social e político na qual atua. Essas premissas complementam a proposição maior que está vinculada a Visão Transformada, que é a orientação para resultados. A tendência moderna tem sido a de utilizar indicadores de resultados ou de desempenho empresarial, considerando as diversas áreas de uma empresa. Com relação ao planejamento individual de carreira, Dutra (1996), aponta uma resistência ainda muito grande no Brasil, as pessoas tendem a guiar suas carreiras mais por apelos externos, tais como: remuneração, status, prestígio etc.,do que por preferências pessoais. Pode-se observar ainda que, em momentos de crise e escassez de emprego, as pessoas tornam-se naturalmente mais preocupadas em planejar suas carreiras, buscando conselhos, métodos e instrumentos que as ajude nesse processo. Por outro lado, é possível verificar que a empresa está cada vez mais preocupada em estimular as pessoas a planejarem suas carreiras. Os motivos que tem levado a isso são: - A busca de um posicionamento mais competitivo em seus mercados e; - estímulo para que as pessoas planejem suas carreiras tem sido um instrumento importante para torná-las empreendedoras consigo próprias. - Além dos aspectos ligados aos estímulos gerados pela empresa, o ambiente social também pressiona as pessoas para que planejem suas carreiras em função de alguns argumentos: - Aumento na diversificação das oportunidades profissionais; 3

4 - Disseminação cada vez maior da idéia de que as pessoas são capazes de influenciarem suas próprias carreiras; - Valorização social do contínuo crescimento, da mobilidade, da flexibilidade e da notoriedade. A grande maioria das pessoas encara a reflexão sobrem suas carreiras apenas como a identificação de oportunidades e a busca de seu aproveitamento. Ao proceder desta maneira, subordina suas carreiras a uma realidade dada pelo ambiente e perde a condição de atuar sobre esta realidade. Atualmente, discute-se o planejamento de carreira no contexto da organização e propõe-se processos compartilhados em que as expectativas individuais de carreira são negociadas com as necessidades organizacionais. Colocando a empresa como pólo dinâmico da revisão de carreiras. De acordo com Waterman s & Collard (apud Ulrich, 2000), alguns gurus do gerenciamento argumentam que, em vez de foco tradicional no emprego, o foco deve ser agora na empregabilidade. A idéia é criar um novo contrato sob o qual o empregador e o funcionário dividam a responsabilidade de manter e reforçar a empregabilidade individual dentro e fora da empresa. Sob o novo contrato, os empregadores dão aos indivíduos oportunidades de desenvolver uma empregabilidade maior em troca de melhor produtividade e algum grau de compromisso com o propósito da empresa e da comunidade, enquanto o indivíduo estiver na organização. É responsabilidade dos funcionários gerenciar suas próprias carreiras. É responsabilidade da empresa fornecer-lhes ferramentas, ambiente aberto e oportunidades para que eles possam avaliar e desenvolver suas habilidades. Para Dutra (1996), a carreira deve ser pensada, como uma estrada que está sempre sendo construída pela pessoa e pela empresa. Uma empresa que administre de forma compartilhada as carreiras terá diante de si várias estradas sendo construídas. Assim, para conciliar as diferentes expectativas de carreira das pessoas com as necessidades organizacionais, uma empresa deve possuir diretrizes, estruturas de carreira e instrumentos de gestão, ou seja, deve possuir um Sistema de Administração de Carreiras. Esse Sistema não deve ser entendido como uma moldura na qual as pessoas devem obrigatoriamente se encaixar, mas sim como a estruturação de opções, como forma de organizar possibilidades, como suporte para que as pessoas possam planejar suas carreiras dentro da empresa. Também conforme Dutra (2001), um Sistema de Administração de Carreiras pode ser dividido nas seguintes partes: princípios, estrutura de carreira, instrumentos de gestão e papéis na administração de carreiras. O sistema deve estar assentado sobre princípios que representem os compromissos que nasçam de um consenso entre a empresa e a pessoa. Os princípios garantem a consistência do sistema ao longo do tempo e servirão de base para toda e qualquer revisão das partes do sistema. A estrutura de carreira é o que dá concretude ao Sistema, na medida em que define a sucessão de posições, sua valorização e seus requisitos de acesso. A estrutura de carreira tem os seguintes tipos básicos: - Em linha: sua característica principal é a de que a seqüência de posições está alinhada numa única direção, não oferecendo alternativa às pessoas. - Em rede: sua característica principal é a de oferecer várias opções para cada posição na empresa. - Paralelas: esse tipo caracteriza-se por permitir às pessoas orientar suas trajetórias profissionais em duas direções: uma de natureza profissional e outra de natureza gerencial. A 4

5 forma mais conhecida é a carreira em Y, composta de três partes: uma base comum, um braço técnico e um braço gerencial. Esses tipos básicos de estrutura de carreira podem ser combinados de diferentes maneiras, para atender às especificidades e às necessidades das empresas e das pessoas. Os instrumentos de gestão apóiam a relação contínua entre as pessoas e a empresa e garantem o nível de informação das pessoas em relação à organização, e vice-versa. Os instrumentos de gestão destinados à administração de carreiras podem ser caracterizados e categorizados como um conjunto de políticas e práticas que oferecem suporte a: - decisões individuais sobre carreira: incluem-se aqui os instrumentos de auto-avaliação, os processos de aconselhamento profissional, as informações estruturadas sobre as oportunidades profissionais internas e externas, os processos estruturados de feedback, etc. - gerenciamento de carreira pela empresa: inclui previsão de demanda por recursos humanos, programas de desenvolvimento, de captação interna, processos de acompanhamento do desempenho e do crescimento profissional. - Comunicação entre as pessoas e a empresa: inclui programas de preparação e de aperfeiçoamento dos gestores como conselheiros e orientadores, processos de negociação de objetivos de carreira e desenvolvimento. As pessoas e as empresas assumem papéis na administração de carreiras. Os principais agentes do sistema são as próprias pessoas, a quem cabe gerir sua carreira. Á empresa, por sua vez, deve estimular e apoiar as pessoas em sua vida e em seu crescimento profissional. O papel da organização é amplo e pode ser dividido em três categorias: - definição estratégica: se refere às decisões ligadas à compatibilização do sistema de administração de carreiras aos princípios que balizam a gestão de RH e às estratégias organizacionais e de negócios da empresa. Exemplo de decisões nessa categoria: conciliação entre desenvolvimento da empresa e das pessoas; grau de liberdade dado às pessoas para fazer opções de carreira; grau de compartilhamento das decisões sobre trajetórias profissionais, entre outras. - definição do sistema de administração de carreiras: nessa categoria as decisões são ligadas à configuração técnica do sistema, devendo portanto estar alinhadas à definição estratégica. As decisões que podem ser incluídas aqui são: formatação e caracterização das estruturas de carreiras; níveis dentro de cada estrutura de carreira e requisitos de acesso a cada nível; escolha dos instrumentos de gestão a serem incorporados ao sistema. - definição da metodologia de modelagem, implementação e atualização do sistema: a efetividade de um sistema de administração de carreiras se verifica somente se forem considerados os padrões culturais da empresa, seu momento histórico e suas necessidades concretas. Portanto, o processo utilizado para a concepção do sistema é decisivo para seu sucesso e adequação. Exemplo de decisões nessa categoria: pessoas abrangidas pelo sistema e grau de envolvimento na sua modelagem, implementação e atualização; grau de compatibilização do sistema com os demais instrumentos de gestão de RH, entre outras. Conforme Waterman s & Collard (apud Ulrich, 2000), uma força de trabalho para uma carreira flexível é um grupo de funcionários não apenas dedicado à idéia de aprendizado contínuo, mas também pronto a se remodelar para acompanhar o ritmo da mudança. Tomam para si a responsabilidade pela condução de suas carreiras e se comprometem com o sucesso da empresa. Isso significa estar ciente das tendências do mercado e conhecer as habilidades e os comportamentos de que a empresa necessitará no futuro, também estar consciente de suas habilidades e ter um plano para aumentar seu desempenho e sua empregabilidade no longo prazo. 5

6 Se trata de uma força de trabalho que está constantemente realizando benchmarking e atualizando suas habilidades, não apenas para responder às mudanças, mas também para antecipar-se a elas. Essa abordagem exige uma grande mudança em atitudes e valores: em primeiro lugar, a definição tradicional de lealdade deve desaparecer; em segundo lugar, a visão usual da trajetória de carreira deve mudar; e em terceiro lugar, todos os funcionários devem estar conscientes de que o propósito da organização é fornecer os bens e serviços que os consumidores valorizam, e que, se a organização não o fizer, ninguém que faça parte dela terá um emprego. Um dos ingredientes de um programa bem-sucedido é um sistema que ajude os funcionários a avaliar suas habilidades, seus interesses, seus valores e seu temperamento em bases regulares para que possam descobrir o tipo de trabalho a que se adaptam melhor. As empresas precisam dar aos funcionários as ferramentas para realizarem benchmarking de suas habilidades e a experiência que o mercado de trabalho, dentro ou fora da organização, está exigindo. Também conforme Waterman s & Collard (apud Ulrich, 2000), para permitir que os funcionários realizem o benchmarking de suas habilidades, as empresas terão que ser muito mais abertas com eles, e a maioria tem se comportado da maneira tradicional. Uma empresa deve ajudar as pessoas a explorar as oportunidades de emprego, facilitar o aprendizado contínuo e a mobilidade no emprego e, se for o caso, servir de apoio em demissões sem justa causa. Os gerentes devem ser receptivos a transferências horizontais e até a recolocar o funcionário para aumentar sua experiência ou fazê-lo mais feliz ou produtivo. Se um funcionário não está qualificado para um cargo desejado, ele e a empresa devem, em conjunto, tentar disponibilizar o treinamento necessário. Se os funcionários não estiverem convencidos de que o programa de flexibilização de carreira atende verdadeiramente a seus interesses, eles simplesmente não participarão dele. Estabelecer um centro de gerenciamento de carreiras ajuda um programa a ganhar credibilidade. Por exemplo, empresas como a Sun, a Raychem e a Apple estabeleceram esses centros como refúgios, em que os funcionários podem trabalhar sua auto-avaliação, receber aconselhamento e participar de diversos seminários. A localização do centro é muito importante. Estando ele bem visível e de fácil acesso, a empresa transmite a mensagem de que ele não está apenas disponível, mas também é indispensável para os funcionários. Um programa de flexibilização de carreira não sairá do papel sem o apoio visível do topo. Sem o suporte da alta gerência é inviável pensar que os gerentes de nível intermediário compartilharão com seus funcionários, de forma consistente, seu conhecimento sobre estratégia e condições de mercado para que eles possam prever as necessidades da empresa e tomar decisões de carreira. Em algumas empresas, a convicção de que ajudar os funcionários a se tornarem flexíveis em suas carreiras deve ser uma alta prioridade ainda parece estar confinada no departamento de recursos humanos. Esse é um bom começo, mas a responsabilidade de construir uma força de trabalho deve também envolver a alta gerência, para que o processo de conversão se alastre hierarquia abaixo até que todos na empresa estejam convertidos. O gerente é responsável por criar um ambiente no qual os funcionários têm a oportunidade de se desenvolver. Isso significa três coisas: manter os funcionários bem informados a respeito do direcionamento dos negócios; ajudá-los a entender que a responsabilidade em assegurar que suas habilidades sejam competitivas é deles próprios, e manter o direito do funcionário de ser um agente livre. 6

7 A mudança de dependência de carreira para a flexibilização de carreira não é apenas imperativo, mas também inevitável. A empresa que reconhece isso conquista uma grande vantagem estratégica. 4. Estudo de Caso 1: Gestão Estratégica de Carreira em uma Empresa Multinacional Italiana Caracterização da Empresa A empresa pesquisada pertence ao setor automobilístico e atua no fornecimento de peças para montadoras tanto no Brasil quanto no exterior. Está sediada na região da grande Campinas SP, e possui atualmente 350 funcionários na fábrica brasileira. Os principais produtos produzidos pela empresa são: centralinas e painel de instrumentos. A origem do capital da empresa é italiano. Este estudo foi desenvolvido a partir da fábrica brasileira, considerando portanto, somente a parte de eletrônica. Os demais segmentos estão sediados em outros países. Gestão Estratégica de Recursos Humanos e Carreira A estrutura organizacional da empresa é bastante tradicional sendo que, além da direção geral existem os seguintes departamentos funcionais: Recursos Humanos, Comercial, Engenharia (P&D), Industrial e Controladoria. Atualmente a empresa possui cinco níveis hierárquicos, sendo que a carreira está estruturada da seguinte forma: mão de obra direta e mão de obra indireta, que trabalham como horistas, funcionários mensalistas, tanto técnicos quanto administrativos e executivos. No nível operacional existe a possibilidade de ascenção, porém é uma carreira limitada, onde a pessoa entra como ajudante pode passar para operador 1, operador 2, operador 3, operador 4 e algumas vezes chegar a supervisor de produção. Dentro da categoria de executivos existe uma carreira bastante distinta. Havendo três posições principais: expert, master e sênior. Neste nível de executivos existem programas específicos que vem da Europa e a base é a avaliação por competências, já aplicada na empresa há cinco anos. Além da avaliação por competências existem outros quesitos para uma escalada na carreira executiva. São eles: idade e internacionalidade (experiência internacional). Quando o executivo se destaca na pontuação de sua avaliação por competências e preenche os demais quesitos citados, pode entrar para um banco de dados mundial, uma espécie de banco de talentos e vir a trabalhar em qualquer empresa do grupo. Atualmente existem vários estrangeiros trabalhando na fábrica brasileira e muitos brasileiros trabalhando em fábricas no exterior. O que significa dizer que o executivo brasileiro, ao contrário de alguns anos atrás, já é bastante competitivo a nível mundial. Com relação a carreira Y, formalmente não existe na empresa, no entanto, algumas pessoas que se destacam na carreira técnica e tem interesse em seguir uma carreira gerencial podem fazê-lo, sendo raro acontecer isso no Brasil. Quanto a treinamentos específicos às funções de cada funcionário, a empresa oferece, de acordo com a necessidade apontada pelo gerente da área em concordância com o funcionário. Geralmente estes treinamentos respeitam uma ação geradora e possuem como indicador de validade um número de três meses para sua utilização. Caso o treinando não utilize em três meses o que foi aprendido no curso, o treinamento é considerado sem validade, para isso não ocorrer é feito um acompanhamento da real necessidade do treinamento em dado momento. Ainda a respeito de treinamentos houve uma mudança de paradigma na empresa, pois antigamente um indicador estratégico da área de recursos humanos era o número de horas de treinamento por funcionário. Atualmente, isso não faz mais nenhum sentido. O treinamento deve representar uma necessidade efetiva e não ser observado de forma quantitativa. 7

8 Um fator apontado como limitador de ações positivas de RH em relação ao pessoal de nível operacional foi a legislação, ou seja, a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) foi apontada como um impedimento para ações de motivação das pessoas na empresa. Uma outra limitação apontada foi a questão da transparência das revisões de cargos e salários. Infelizmente ainda existem algumas desigualdades entre funcionários de um mesmo nível hierárquico, e a empresa pretende, rapidamente, resolver essas questões. No futuro a empresa pretende aprimorar seus instrumentos de avaliação, principalmente no que diz respeito à avaliação por competências e já está trabalhando para incorporar ao instrumento existente a avaliação por responsabilidades. 5. Estudo de Caso 2: Gestão Estratégica de Carreira em uma Empresa Multinacional Americana Caracterização da Empresa A empresa pesquisada iniciou suas atividades no setor químico e atualmente possui vinte e três unidades de negócios, nos mais diferentes setores, como por exemplo: setor hospitalar, setor automotivo, setor industrial (B2B), entre outros. Trata-se de multinacional americana que está localizada na região da grande Campinas SP, com um total de funcionários nessa fábrica brasileira. Quarenta por cento do faturamento da empresa está relacionado aos produtos industriais, ou seja, equipamentos elaborados para outras indústrias. Gestão Estratégica de Recursos Humanos e Carreira A estrutura organizacional da empresa está dividida em nível operacional e nível administrativo. No nível operacional estão sediados 1300 (hum mil e trezentos) horistas e no nível administrativo 1200 (hum mil e duzentos) mensalistas. No nível operacional existe a possibilidade de ascenção, porém, a exemplo da outra empresa pesquisada, é uma carreira bastante limitada, raramente alcançando o nível administrativo. A carreira neste caso é por habilidades. A carreira do pessoal de nível administrativo está estruturada em cinco degraus antes de chegar a gerência. A partir da gerência existem 7 degraus, sendo que os três primeiros estão no nível gerencial em si e os outros quatro degraus estão no nível do board da corporação. A carreira em Y é bastante utilizada na empresa, a partir do nível administrativo, sendo muito bem vista e adequada ao tipo de carreira da empresa. Existem muitas pessoas trabalhando em pesquisas na área de P&D que acabam por assumir a frente de grandes projetos e portanto, assumem funções gerenciais. A empresa em questão demonstra grande preocupação com seus talentos, a partir de um programa chamado High Potential detecta seus melhores funcionários que irão fazer parte de um banco de dados disponível para todas as suas unidades a nível mundial. Muitos dos que se destacam são enviados aos Estados Unidos, onde é a sede da empresa. Com exceção dos funcionários do nível operacional, todos os outros são avaliados por competência, tendo disponível um formulário de avaliação informatizado, que faz parte da base de dados da empresa, e que possibilitará ao final de um período de trabalho ter a elaboração do Plano de Desenvolvimento do funcionário a partir de sua avaliação. O formulário de avaliação é dividido em duas partes: uma diz respeito às competências comportamentais e a outra diz respeito às competências de conhecimento. Esse formulário é considerado um feedback de múltiplas fontes, possuindo trinta perguntas e sendo enviado à diferentes pessoas que possuem relacionamento profissional com o avaliado. Assim, além da 8

9 auto-avaliação de suas competências o avaliado tem também o feedback de algumas pessoas como: o superior imediato, alguns clientes internos, fornecedores internos e de seus pares. A idéia do formulário de avaliação é o auto-desenvolvimento, após concluída a avaliação o superior imediato se reúne com o avaliado para colocar o feedback. O processo pretende ser transparente e não tem valor punitivo, no entanto, ainda existem algumas dificuldades na prática, sendo que alguns gestores não utilizam o intrumento de maneira adequada, dificultando inclusive ao avaliado o acesso ao seu feedback, criando assim grande expectativa e mal estar. O Instrumento de avaliação é a base para o Plano de Desenvolvimento, ou seja, a partir dos resultados da avaliação o avaliado programa junto com seu superior a sua carreira. Com isso, é elaborado o plano de treinamento e em alguns casos recorre-se também a liderança coaching. Os treinamentos indicados para cada funcionário são avaliados por um grupo de RH que verifica a real necessidade junto ao avaliado e seu superior. Historicamente a empresa se destaca por seus recrutamentos internos, e portanto, seus funcionários fazem carreira na empresa a partir das promoções internas. Atualmente, porém, a empresa está revendo esta postura, pois tem percebido a necessidade de oxigenação da equipe e tem alcançado vantagens junto à profissionais que vem do mercado. Essa revisão de postura citada, faz parte de um processo mais amplo de modernização da área de RH da empresa, passando de uma concepção tradicional e burocrática para uma concepção moderna onde imperam novos processos e novas ferramentas. O próprio instrumento de avaliação utilizado na empresa também já faz parte do processo de modernização da área de RH e está continuamente sendo revisado a fim de possibilitar maior aproximação com o avaliado. O fato do instrumento estar totalmente informatizado e disponível via on-line para todos os participantes tem facilitado muito a atuação da área de RH, que pode com isso, atuar de maneira mais estratégica e menos operacional, como era no passado. Faz parte do processo de modernização da área de RH da empresa acompanhar o ritmo das mudanças do mercado e participar de forma efetiva para o alcance dos principais direcionadores da empresa. Pretende-se, com isso, ter indicadores que possibilitem a atuação estratégica de RH, prova disso é o início da utilização da metodologia de 6Sigma na empresa. Foram também apontadas algumas limitações a respeito desse processo de modernização da área de RH da empresa. A principal limitação diz respeito a uma mudança cultural que está se pretendendo. Tem se percebido a dificuldade de muitos gestores, que estavam acostumados com um RH que atuava de forma operacional e com poder de polícia, em aceitar um RH que atua de forma estratégica e está integrado na busca dos objetivos e resultados da empresa. Um dos grandes desafios de RH é fazer com que as pessoas percebam a mudança da área a partir do aprimoramento de seus processos e ferramentas e possam ter na área de RH um aliado para seu auto-desenvolvimento. 6. Análise Comparativa das Empresas Pesquisadas: Para enriquecer a análise foram considerados alguns tópicos destacados na bibliografia e confrontados à pratica gerencial das empresas pesquisadas. A fim de facilitar a identificação das empresas pesquisadas será adotada a seguinte nomenclatura: Empresa 1, para identificar a empresa multinacional italiana e Empresa 2, para identificar a empresa multinacional americana. De acordo com a bibliografia citada anteriormente, foi possível distingüir duas concepções em termos de política de recursos humanos e encarreiramento: a Concepção 9

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira Cargos e suas estruturas são hoje um tema complexo, com várias leituras e diferentes entendimentos. Drucker (1999, p.21) aponta que, na nova sociedade do conhecimento, a estrutura

Leia mais

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização (versão 2011) Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Evento técnico mensal

Evento técnico mensal Evento técnico mensal GERENCIAMENTO DE CARREIRA PARA O SUCESSO DO GESTOR DE PROJETOS Fernanda Schröder Gonçalves Organização Apoio 1 de xx APRESENTAÇÃO Fernanda Schröder Gonçalves Coordenadora do Ibmec

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. Outra característica marcante: Cada palestra é um projeto

Leia mais

MBA Executivo em Gestão de Pessoas

MBA Executivo em Gestão de Pessoas ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Gestão de Pessoas www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX: (11) 3711-1000 MBA

Leia mais

Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS. COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor

Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS. COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor OBJETIVO: A Gestão de Pessoas vem passando por inúmeras transformações nestes últimos anos.

Leia mais

O RH dos sonhos dos CEOs

O RH dos sonhos dos CEOs O RH dos sonhos dos CEOs Expectativas e estratégias da liderança para os Recursos Humanos Presidentes de empresas de todos os portes falaram sobre a importância dos Recursos Humanos para as suas empresas

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

Manual de instruções para o desenvolvimento do Caderno de Evidências Book

Manual de instruções para o desenvolvimento do Caderno de Evidências Book Manual de instruções para o desenvolvimento do Caderno de Evidências Book O Caderno de Evidências (Book) acompanhará o questionário da empresa na pesquisa. É importante lembrar que o envio desse material,

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

Perfil do Líder no Paraná

Perfil do Líder no Paraná Perfil do Líder no Paraná O importante é não parar nunca de questionar Albert Einstein Em 2006, a Caliper do Brasil, empresa multinacional de consultoria em gestão estratégica de talentos, buscando inovar,

Leia mais

Saber de Verdade! Gestão de Pessoas

Saber de Verdade! Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas PROPÓSITO E RESULTADOS ESPERADOS DO PROGRAMA Tornar-se um programa de educação corporativa capaz de desenvolver competências individuais aplicadas de seus participantes, como, em igual

Leia mais

componentes e fatores condicionantes Modelo de Gestão de Pessoas: definição, elementos Glaucia Falcone Fonseca

componentes e fatores condicionantes Modelo de Gestão de Pessoas: definição, elementos Glaucia Falcone Fonseca Modelo de Gestão de Pessoas: definição, elementos componentes e fatores condicionantes Glaucia Falcone Fonseca Nos dias de hoje, em todas as organizações, seja ela voltada para serviços, ramo industrial

Leia mais

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME Felipe Barbetta Soares da Silva 1, Vilma da Silva Santos 2, Paulo

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Treinamento do Sistema RH1000

Treinamento do Sistema RH1000 Treinamento do Sistema RH1000 = Conceitos de Gestão por Competências = Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial Atualizado em 21Ago2015 1 Tópicos abordados Principais processos 4 Vantagens 5 Avaliação de

Leia mais

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Objetivos da aula: Nesta aula o objetivo será Apresentar uma visão diferenciada sobre como as ações integradas de planejamento estratégico de Recursos Humanos (RH)

Leia mais

Inscrições Abertas. Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal

Inscrições Abertas. Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal MBA Recursos Humanos Inscrições Abertas Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal Carga horária: 600 Horas Duração: 24 meses *As informações podem sofrer

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO DE PESSOAS PARA DIVIDIR CONHECIMENTO E MULTIPLICAR RIQUEZAS

FERRAMENTAS DE GESTÃO DE PESSOAS PARA DIVIDIR CONHECIMENTO E MULTIPLICAR RIQUEZAS FERRAMENTAS DE GESTÃO DE PESSOAS PARA DIVIDIR CONHECIMENTO E MULTIPLICAR RIQUEZAS ROGERIO LEME rogerio@lemeconsultoria.com.br /rogeriolemeoficial PUBLICAÇÕES ALGUNS DOS NOSSOS CLIENTES SETOR PÚBLICO SERVIÇOS

Leia mais

O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO

O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO 1 O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO CURITIBA PR MAIO DE 2014 Margarete Teresinha Fabbris de Oliveira Santos Faculdade de Administração, Educação,

Leia mais

Gestão de carreiras nas organizações

Gestão de carreiras nas organizações Gestão de carreiras nas organizações A expressão "Plano de carreira", nas organizações, sempre corre o risco de ser interpretada como algo antiquado, retrógrado, que interessa aos funcionários e, principalmente,

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Gestão de Pessoas: Retrospectiva Histórica

Gestão de Pessoas: Retrospectiva Histórica Glaucia Falcone Fonseca O objetivo dessa aula é que você conheça as quatro grandes correntes existentes com relação ao tema gestão de pessoas. (Glaucia Falcone Fonseca) 1 Vimos na aula passada o que é

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro

As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro DAVE ULRICH, JON YOUNGER, WAYNE BROCKBANK E MIKE ULRICH Qualquer bom profissional de RH quer ser melhor. Isto começa com um desejo

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

PLANO DE CARREIRA. Rosangela Ferreira Leal Fernandes *

PLANO DE CARREIRA. Rosangela Ferreira Leal Fernandes * PLANO DE CARREIRA Rosangela Ferreira Leal Fernandes * As mudanças no cenário político, econômico, social e ambiental das últimas décadas vêm exigindo uma mudança de postura das organizações e dos profissionais

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br BENEFÍCIOS SOCIAIS: um modelo para retenção de talentos Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br Introdução Este artigo aborda

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Catálogo de treinamentos

Catálogo de treinamentos Catálogo de treinamentos 11 3892-9572 www.institutonobile.com.br Desenvolvendo seus Talentos O Instituto Nobile desenvolve as mais modernas soluções em treinamento e desenvolvimento. Oferecemos programas

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

Desenvolvimento de pessoas.

Desenvolvimento de pessoas. Desenvolvimento de pessoas. 2.2 FORMULAÇÃO DE UM PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Gestão de Pessoas (Antonio Carlos Gil) e Gestão de Pessoas (Idalberto Chiavenato) "Se ensinardes alguma coisa a um

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor

Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. A maioria absoluta das avaliações obtêm excelentes resultados,

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS

COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS RESUMO Priscila Alves Moreira Robésio Teixeira Gomes Partindo do pressuposto de que o coaching

Leia mais

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT Conhecimento para a ação em organizações vivas CONHECIMENTO O ativo intangível que fundamenta a realização dos seus sonhos e aspirações empresariais. NOSSO NEGÓCIO EDUCAÇÃO

Leia mais

TENDÊNCIAS E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS 2015

TENDÊNCIAS E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS 2015 TENDÊNCIAS E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS 2015 CONTEÚDO 1. Como estamos até agora? 2. O que vem por aí... 3. Prioridades do RH para 2015 4. Nossa visão de 2015 01 COMO ESTAMOS ATÉ AGORA? PERFIL DOS PARTICIPANTES

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

MBA em gestão de negócios

MBA em gestão de negócios MBA em gestão de negócios MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS O MBA Executivo em Gestão de Negócios do Grupo Ibmec foi desenvolvido para responder à demanda do mercado por profissionais cada vez mais qualificados

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Sustentabilidade nos Negócios

Sustentabilidade nos Negócios Sustentabilidade nos Negócios Apresentação O programa Gestão Estratégica para a Sustentabilidade foi oferecido pelo Uniethos por nove anos. Neste período os temas ligados à sustentabilidade começam a provocar

Leia mais

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente Portfólio QUEM SOMOS Somos uma empresa de consultoria organizacional que vem desenvolvendo e implementando em diversas clientes projetos nas áreas de Gestão Recursos Humanos e Comercial/Vendas. Silmar

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

MBA EM DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS

MBA EM DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS MBA EM DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS O programa irá capacitá-lo a interagir em um contexto empresarial de inúmeras transformações e mudanças, desenvolvendo competências para conhecer,

Leia mais

Sustentabilidade nos Negócios

Sustentabilidade nos Negócios Sustentabilidade nos Negócios Apresentação O programa Gestão Estratégica para a Sustentabilidade foi oferecido pelo Uniethos por nove anos. Neste período os temas ligados à sustentabilidade começam a provocar

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional

Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional 9115 Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional 20 de Outubro, 2011 2011 Accenture. Todos os direitos reservados. Accenture, seu logo e High performance. Delivered. são marcas

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE GESTORES DE RH

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE GESTORES DE RH PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE GESTORES DE RH PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE GESTORES DE RH OBJETIVO Oferecer um curso diferenciado para o desenvolvimento de profissionais da área de Recursos Humanos e

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO. Prof. WAGNER RABELLO JR

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO. Prof. WAGNER RABELLO JR TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Prof. WAGNER RABELLO JR TREINAMENTO Treinamentoéoprocessoeducacional,aplicadode maneira sistemática e organizada, pelo qual as pessoas aprendem conhecimentos, atitudes e habilidades

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

CBA. Gestão de Negócios PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Gestão de Negócios

CBA. Gestão de Negócios PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Gestão de Negócios CBA Gestão de Negócios Gestão de Negócios O curso desenvolve a capacidade de compreender, de forma ampla e sistêmica, a interação entre as diversas áreas funcionais de uma empresa, além dos aspectos externos

Leia mais

Pesquisa Thomas: Tendências em Gestão de Pessoas 2012

Pesquisa Thomas: Tendências em Gestão de Pessoas 2012 Pesquisa Thomas: Tendências em Gestão de Pessoas 2012 O estudo foi realizado no mês de novembro de 2012, e contou com a participação de 224 empresas de diferentes portes e segmentos de negócio. Podemos

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS:

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: Implantação do sistema de Avaliação de Desempenho com Foco em Competências no Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região Belém PA 2013 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores.

Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores. Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores. Período: Março 2010 a junho 2011 Categoria: Adesão dos Colaboradores Sumário: O trabalho relata

Leia mais

competências e habilidades

competências e habilidades Remuneração e Carreira com base em competências e habilidades Reflexão inicial Qual o percentual de pessoas desmotivadas nas organizações? Até que ponto e de que forma a remuneração influencia na desmotivação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você.

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. A HR Academy e a NextView realizaram uma pesquisa focada em geração y, com executivos de RH das principais

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

Guia CARREIRAS E SALÁRIOS

Guia CARREIRAS E SALÁRIOS Guia CARREIRAS E SALÁRIOS em contabilidade Guia Carreiras e Salários Se você é gestor de alguma empresa contábil, está procurando melhorar sua posição profissional ou é dono de um escritório de contabilidade:

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo para

Leia mais

Evolução do uso de competências para remuneração

Evolução do uso de competências para remuneração Tema: Competências e Instrumentos de Análise de Desempenho na Gestão da Remuneração: Experiências e Lições dos Principais Grupos Empresariais do Brasil José Hipólito Evolução do uso de competências para

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

Escola de Engenharia

Escola de Engenharia Unidade Universitária: Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Gestão em Recursos Humanos Professor(es): Roberto Pallesi Carga horária: 4hs/aula por semana Escola de Engenharia DRT: 1140127 Código da

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS PROGRAMA DA PROVA

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS PROGRAMA DA PROVA CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS PROGRAMA DA PROVA O exame a ser aplicado na Certificação por Prova, na ênfase Recursos

Leia mais

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di?

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di? GESTÃO DE DESEMPENHO Prof. WAGNER RABELLO JR Conceito de desempenho Níveis de desempenho O di? O que medir? Resultados Desempenho Competências Fatores críticos de desempenho 1 Segundo Chiavenato, existem

Leia mais

Palavras chave: Estratégias; Gestão por Competências; Práticas.

Palavras chave: Estratégias; Gestão por Competências; Práticas. Posicionamento Estratégico: Práticas Inovadoras em Gestão de Pessoas por Competências. Paulo Lot Jr. (PUC Campinas e USF- Universidade São Francisco) contato@paulolot.com.br Resumo A gestão de pessoas

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS O CBA em Gestão de Negócios é um curso que proporciona aos participantes sólidos fundamentos em gestão e liderança. O programa tem o objetivo de formar

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO 18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO Autor(es) ALINE MOREIRA Orientador(es) ARSÊNIO FIRMINO DE NOVAES NETTO Apoio

Leia mais

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL 1.Osnei FranciscoAlves 2. Jéssica Barros 1. Professor das Faculdades Integradas Santa Cruz. Administrador, MBA Executivo em Gestão de Pessoas e

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ CLEBERTON LUIS GOMES DESENVOLVIMENTO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, UM FATOR ESTRATÉGICO PARA QUALQUER ORGANIZAÇÃO

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ CLEBERTON LUIS GOMES DESENVOLVIMENTO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, UM FATOR ESTRATÉGICO PARA QUALQUER ORGANIZAÇÃO UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ CLEBERTON LUIS GOMES DESENVOLVIMENTO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, UM FATOR ESTRATÉGICO PARA QUALQUER ORGANIZAÇÃO Curitiba 2012 CLEBERTON LUIS GOMES DESENVOLVIMENTO E FORMAÇÃO

Leia mais