MEEC / MEM Energias Renováveis Energia Eólica. Energia Eólica. Tipos de Aerogeradores Modelização, Controlo e Protecções. J. A.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MEEC / MEM Energias Renováveis Energia Eólica. Energia Eólica. Tipos de Aerogeradores Modelização, Controlo e Protecções. J. A."

Transcrição

1 Tipo de Aerogeradore Modelização, Controlo e Protecçõe J. A. Peça Lope Introdução Exitem fundamentalmente 3 tipo de aerogeradore com aplicação indutrial: Máquina aíncrona (com e em controlo do ângulo de pitch); Máquina aíncrona duplamente alimentada - (Doubly fed induction wind generator -DFIWG); Máquina íncrona de velocidade variável. (a máquina aíncrona começaram por er inicialmente utilizada, tendo hoje uma quota de mercado muito reduzida) Converore Electrónico 1

2 CIGRE TF Tipo de Geradore Componente aerodinâmica Trê variávei aerodinâmica definem o comportamento da turbina eólica: λ - relação de velocidade de extremidade da pá (tip peed ratio) Cp - O coeficiente de potência; θ - O ângulo de pitch. Definem-e etratégia de controlo para o modo de operação em velocidade fixa ou em velocidade variável. 2

3 Potência diponível 1 P = ρc AV 3 w p w onde: 2 P w é a potência mecânica do rotor (W) V w velocidade do vento no centro do rotor (m/) Α=πR 2 uperfície varrida pela pá (m 2 ) R raio da pá (m) ρ denidade do ar (kg/m 3 ) 1,23 kg/m3 C p coeficiente aerodinâmico do rotor (típico = 0,4) O binário mecânico pode er calculado a partir de P w : T w = P ω w R Potência diponível O coeficiente, C p, é a percentagem da Wc da maa de ar incidente no rotor que é convertida em energia mecânica, endo dada por: 116 λi C p ( λ, θ ) = θ 5 e λ i Onde: β ó ângulo de pao da pá (pitch angle) λ é a relação de velocidade da pá (tip peed ratio), definida como: Rω R λ = V w

4 Curva C p = f(λ,θ) Potência Diponível Valor máximo teórico: C p_max 0.59 Turbina de vel. Variável ão operada de forma a obter o melhor rendimento Potência diponível Operação da turbina com máxima potência mecânica P max = K op ω 3 Onde: K 1 5 p op =. ρ. R. π. 3 2 C λ 4

5 Controlo do ângulo de Pitch Modelização do comportamento do controlo de pitch P mec_ref [pu] - Σ k p ki Ângulo de referêcia θ ref [grau] Σ - k T 1 1 Ângulo de pitch θ [grau] P mec [pu] 0 Outra técnica: -Active tall ( θ negativo); -Paive tall Repota ao controlo do ângulo da pá 5

6 Potência diponível Comportamento do Gerador de Indução em Regime Etacionário O funcionamento de um gerador de indução é em todo emelhante ao de um motor de indução, com a diferença de que funciona em hiper-incronimo; Equema equivalente: P M 2 1 lip = R I 2 2 lip (1) 6

7 Comportamento do Gerador de Indução em Regime Etacionário Em termo de potência: P Qgi (potência reactiva) Gerador de indução Q potência conumida na reactância da máquina (magnetização X e Xr) Comportamento do Gerador de Indução em Regime Etacionário Em termo de potência: Soluçõe para evitar minimizar o conumo de pot. reactiva P Bateria de condenadore Qc Qgi (potência reactiva) 7

8 Comportamento do Gerador de Indução em Regime Etacionário Soluçõe de dimenionamento da bateria de condenadore: Compenação em vazio; Compenação para factor de potência unitário à plena carga Sobre-compenação para permitir fornecer energia reactiva capacitiva à rede Problema: Acrécimo de invetimento; Rico de auto-excitação Modelo do Gerador de Indução para Etudo de Regime Etacionário A integração do aerogeradore de indução pode requerer a realização de etudo de impacto na rede eléctrica: Avaliar a variação do perfi de tenão; Avaliar a variação da perda na rede; Avaliar da ocorrência de congetionamento no ramo. Etudo de trânito de potência Repreentação do geradore de indução convencionai em etudo de TP: Barramento PQ Barramento PQ modificado: Barra PX Barra RX Alteraçõe no algoritmo de cálculo do TP 8

9 Modelo Matemático para Etudo Dinâmico No modelo dinâmico de geradore aíncrono é uual definir um conjunto de preupoto e implificaçõe: A taxa de variação do fluxo magnético do etator (dλ/dt) é deprezada; O rotor apreenta uma etrutura imétrica; A força elática e a força reultante de torção do eixo da máquina ão deprezado; A aturação magnética é deprezada; A ditribuição do fluxo é coniderada inuoidal; A perda mecânica ão deprezado. Eta implificaçõe reduzem a complexidade da modelização, em comprometer a qualidade do reultado em etudo de comportamento dinâmico Modelo Matemático para Etudo Dinâmico Modelo implificado para efeito de etudo dinâmico fem induzida no rotor Quando exitirem também converore electrónico 9

10 Modelo eléctrico Gerador aíncrono convencional (modelo de 3º ordem) Electrical behavior Electrical behavior E' re 1 = 2 π f E' im ( E' re ( X X' ) I im ) t T o E' im 1 = 2 π f E' re ( E' im ( X X' ) I re ) t T o X X X' X m r X = e ; r X X = Xe Xm; T m o = X m X r 2 π f 0 R ( ) r V re = E' re R e I re X' I im V im = E' im X' I re R e I im P g = E' re I re E' im I im Q g = E' im I re E' re I im 2. π.f ω = 2. π.f Mechanical behavior ( ) ω πf = P mec P g t H Gerador Aíncrono Duplamente Alimentado Gerador aíncrono: Directamente ligado à rede; Ligado à rede via DC; Com controlo dinâmico de delizamento; Double-fed induction machine P jq g g ig v ia i ωr v a v r ir C2 v dc C1 dc / ac Controller ac / dc Controller Crowbar Protection 10

11 Modelo Eléctrico Geradore aíncrono duplamente alimentado ded 1 ' L m ed ( X X ) i = q eq vqr dt T ω ω o Lrr (6) deq 1 ' Lm = eq ( X X ) i d ωed ω vdr dt T o Lrr rotor peed control Iqr ω dω r 1 ref - KI1 = ( Tm Te ) KP1 (7) dt J Kv T 1 v Iqref - K P2 K I 2 v qr ωra Terminal voltage control Idr Vtref - K P3 KI 3 Kt T1 t Idref - K P2 K I 2 v dr Vt Modelo eléctrico Equema genérico de controlo de geradore DFIM P jq g g i g v ia i ω r va vr i r C2 vdc C1 ac / dc Controller dc / ac Controller Crowbar Protection 11

12 Equaçõe Algébrica e Dinâmica Obervaçõe importante: A grandeza do gerador de indução podem er controlada atravé de injecçõe de tenõe controlada a partir do rotor. Na modelização adoptada a dinâmica do rotor é aim coniderada; Há modelo em que a máquina é upota controlada por injecçõe de corrente e o modelo matemático é definido apena por equaçõe algébrica. Função do Controladore A tenõe controlada do rotor podem er obtida a partir de controladore PI. Controlo de velocidade do rotor Wr - Wref Vt Vtef - kp1ki1 iqref - - kp3ki3 idref iqr idr kp2ki2 kp4ki4 vqr vdr Modelo do Gerador de Indução Controlo de tenão terminal 12

13 Função do Controladore Equema de controle do Converor ligado ao rotor Converter C1 va, vb, vc iar, ibr, icr Park' Tranformation PWM var, vbr, vcr 2 2 1/2 (vd vq) Wr Park' Tranformation Invere Park' Tranformation - Vt Vtref Wref - vqr vdr kp1ki1 iqr - iqref kp2ki2 kp4ki4 idr - idref kp3ki3 Speed rotor control Terminal voltge control Função do Controladore Vdcref Controlo da tenão do link DC - Sinal de controle para o converor k ωc Pref - Pc Pr kp2ki2 Vdc Sinai de corrente de referência de controle a partir da potencia activa e reactiva de referência Teoria da potência Intantânea i i i * ca * cb * cc = vα ( t) 2 vβ ( t) vβ ( t) v ( t) α pc ( t) qc ( t) 13

14 Função do Controladore Equema de controle do Converor ligado à rede eléctrica Converter C2 va, vb, vc Vdc - Clark' Tranformation PWM ia, ib, ic vα Int. Power Theory Vβ pc qc = 0 kp2ki2 - Pr Pref k ωc Vdcref Controlo optimizado Nick Jenki etal. 14

15 Função do Controladore Potência activa e reactiva do gerador podem er controlada utilizando-e a mema configuração referente a malha de controlo de velocidade e de tenão terminal. Além do controlo da máquina atravé do converore, a turbina também pode er controlada pelo controlo de pitch. O controlo do pitch er utilizado para limitar a velocidade rotacional ou a potência mecânica em limite etabelecido. Modelo eléctrico Gerador aíncrono duplamente alimentado (Operação do crow bar) P jq g g i g v ia i ω r va C2 v dc v r C1 i r ac / dc Controller dc / ac Controller Crowbar Protection Tem como objectivo garantir a integridade fíica do converore; 15

16 Operação do crow-bar Potência Activa do rotor Corrente Tenão do rotor Tenão Terminal Corrente do rotor Reultado da Operação com controlo cláico PI Comportamento perante úbito acrécimo da velocidade do vento: (a) Regime ub-íncrono (ω r = 0.95 e V t = 1.02); (b) Regime hiper íncrono (ω r = 1.05 e V t = 1.02). Comportamento perante curto-circuito: (c) Regime ub-íncrono (ω r = 0.95 e V t = 1.02); (d) Regime hiper íncrono (ω r = 1.05 e V t = 1.02). 16

17 Velocidade do rotor (p.u.) Reultado da Operação com controlo cláico PI Cao (a) - Regime ub-íncrono (ω r = 0.95 e V t = 1.02) Potencia Activa (MW) Potencia do etator P otenc ia Total (P P c ) 4 Tenão Terminal (p.u.) Vento (m/) Reultado da Operação com controlo cláico PI Cao (a) cont. Tenão CC (p.u.) Torque Eléctrico (p.u.) Torque Mecanico (p.u.) corrente do etator corrente do rotor

18 Reultado da Operação com controlo cláico PI Cao (b) - Regime hiper íncrono (ω r = 1.05 e V t = 1.02) : Velocidade do rotor (p.u.) Potencia Activa (MW) Potencia total Potencia do etator 4 Tenão Terminal (p.u.) Vento (m/) Reultado da Operação com controlo cláico PI Cao (b) cont. Tenão CC (p.u.) Torque Eléctrico (p.u.) Torque mecanico (p.u.) Corrente (p.u.) C orrente do etator C orrente do rotor

19 Reultado da Operação com controlo cláico PI Pitch a actuar para limitar a velocidade do rotor Variação de vento (m/) Velocidade do rotor (p.u.) Potencia Activa (MW) Angulo de pitch (grau) Velocidade do rotor (p.u.) Reultado da Operação com controlo cláico PI Cao (c) - Regime ub-íncrono (ω r = 0.95 e V t = 1.02) : Potencia Activa (MW) Potencia total Potencia do etator -20 Tenão Terminal (p.u.) Potencia Reactiva (MVAr)

20 Reultado da Operação com controlo cláico PI Cao (c) cont. Tenão CC (p.u.) Torque Eléctrico (p.u.) Torque Mecanico (p.u.) Corrente (p.u.) C orrente do etator C orrente do rotor 0 Reultado da Operação Cao (c) - Regime ub-íncrono (com a actuação do crowbar) 20

21 Reultado da Operação Cao (c) - Regime ub-íncrono (crowbar permanente) Reultado da Operação com controlo cláico PI Cao (d) Regime hiper íncrono (ω r = 1.05 e V t = 1.02) : Velocidade do rotor (p.u.) Potencia Activa (MW) Potencia total Potencia do etator -20 Tenão Terminal Potencia Reactiva (MVAr)

22 Reultado da Operação com controlo cláico PI Cao (d) cont. Tenão CC (p.u.) Torque Eléctrico (p.u.) Torque Mecanico (p.u.) Corrente (p.u.) C orrente do etator C orrente do rotor 0 Gerador Síncrono de Velocidade Variável A utilização de máquina íncrona de velocidade variável tem por objectivo a maximização do aproveitamento energético na exploração da energia eólica. Fabricante: Enercon; O conceito 22

23 Gerador Síncrono de Velocidade Variável Gerador Síncrono de Velocidade Variável 23

24 Gerador Síncrono de Velocidade Variável Modelo do Gerador Síncrono de Velocidade Variável Modelo implificado onde: O modelo aerodinâmico é igual ao utilizado na máquina aíncrona 1 3 Pw = ρcp( λ, θ) AVw 2 No gerador íncrono ão deprezado o fenómeno tranitório rápido; O converor é coniderado ideal; Apena ão coniderado á interacçõe da turbina com a rede e o eu itema de controlo Em etudo de TP o GSVV pode er repreentado como um nó tipo PQ (ou em ituaçõe em que o it de controlo eteja preparado, como um nó PV). 24

25 ωr Popt - Modelo do Gerador Síncrono de Velocidade Variável Outro Modelo Poívei Modelo do Gerador Síncrono de Velocidade Variável Repreentação em Simulink/Matlab Curva Óptima de Potência GS ~ AVR PWM-C1 Controlador PWM-C1 Controlador vt jx Rede Eléctrica Turbina Eolica Velocidade de Vento Tm vento Tm Vento wt -K- Pm Pm Gain pitch Pmax Controlo de Pitch Pmax Pm teta (grau) Tm Wm Wr Clock Vtref t To Workpace16 O converor PWM-C1 controla a tenão de campo do gerador íncrono e a potência activa do aerogerador GSVV de modo a operar com potência mecânica máxima extraída da turbina eólica. Com efeito, a turbina eólica apreenta controlo de pitch. O converor PWM-C2 ligado na rede eléctrica controla a tenão de aída e a tenão do barramento CC 1.05 Curva Optima Vt Ef dc Gerador Síncrono Convencional Vdq Wr Te Pm Pg Ef dc Qg Malha de controlo Converor C1 Vtref Vdq Wref Wr Pg Vt Vt Qg Pg Vcc Pcv Link CC1 Vtc_ref 1.05 Vcc_ref Vcc Malha de Controlo Converor C2 Vtc_ref Vdcv Vcc_ref Vcc Vqcv idcv iqcv Vtdqc Qcv Rede Eléctrica idcv Idcv Vdcv iqcv Iqcv Pcv Pcv Vqcv Qcv Qcv AVR 25

26 Lay-out de parque eólico Controlo de Geração Solução genérica uual Lay-out de parque eólico SUBESTAÇÃO Optimização da olução: Ecolha do cabo; Admitir ligaçõe alternativa Ligação obrigatória Ligação uplementar 26

27 Soluçõe típica Lay-out de parque eólico 2 AG 1 23 AG 2 AG 3 AG 4 AG 5 AG 6 AG 7 AG 8 AG 9 AG 10 AG 11 AG 12 AG 13 AG Comprimento (m) Secção (mm 2 ) SUBESTAÇÃO 2 AG 1 AG 2 AG 3 AG 4 AG 5 AG 6 AG AG 15 AG 16 AG 17 AG 18 AG 19 AG Comprimento (m) Secção (mm 2 ) Comprimento (m) Secção (mm 2 ) AG 8 AG 9 AG 10 AG 11 AG 12 AG 13 AG SUBESTAÇÃO AG 15 AG 16 AG 17 AG 18 AG 19 AG Comprimento (m) Secção (mm 2 ) Lay-out de parque eólico Intalação de bateria de condenadore (com ecalõe) Compenação individual Para compenação global 27

28 Tipo de Controlo Controlo de produção de potência activa e reactiva Tipo de Controlo Repota de um cluter de parque eólico a variaçõe de frequência da rede (participação no controlo de primário de frequência: controlo inercial, equilíbrio geração / conumo) e et-point (P,Q) impoto pelo depacho; Unidade de Controlo TSO Cluter de Grupo Geradore DE RES Grupo de Geradore Gerador Simple Requi ito de Operação : Garantia de Fornecimento de quantidade de energia Fornecimento de Serviço de Sitema (Pot. r eactiva e reerva) Minimização de devio em programa de produção Requi ito de Operação : Limitação de potência a injectar Controlo de tenão e potência reactiva Cut-off de emergência (deconexão) por período de interrupção de erviço da rede Procedimento de entrada e aída de erviço coordenado (limitação do gradiente damping) Requi ito de Operação Operação egura e confiável Máxima produção de energia Redução de pertubaçõe na qualidade da onda Cluter de Grupo Geradore Grupo de Grupo de Grupo de Geradore 1 Geradore 2 Geradore N Gen 1, 1 Gen 1,. 2 Gen 1, 3 Gen 2,. 1 Gen 2, 2 Gen n, n 28

29 Tipo de Controlo Controlo no ponto de ligação do parque à rede Depacho do aerogeradore (P, Q) e bateria de condenadore Tomar em conideração a perda interna no parque. Definição de condiçõe técnica epeciai Caracterização do controlo inercial Wy - Wy_ref 1/R Droop (controlo proporcional) Controlo de potencia activa Pdfig Vento Wr Pref Pmax - Pmin Q Qref iqr - - kp1ki1 kp3ki3 iqref idr - - idref kp2ki2 kp4ki4 vqr vdr Modelo do Gerador de Indução Controlo de potencia reactiva 29

30 Definição de condiçõe técnica epeciai A Potência activa injectada pelo converore deve eguir uma curva óptima pré-etabelecida. Definição de condiçõe técnica epeciai Repota do cluter perante variação de carga no itema 50 Comportamento da frequencia do itema 9.5 Potencia Activa injectada (droop de 0.015) Potencia activa injectada (droop de 0.05) Hz DFIM com droop Potencia Activa 8.5 Potencia Activa injectada (DFIM em droop) 49.8 DFIM com droop de DFIM em controlo de frequencia Tempo() Tempo() 30

31 Participação do DFIWG no equilíbrio de geração / conumo Curva de Potência Máxima com reerva. Para que o aerogeradore poam aumentar a ua geração quando peritir um erro de frequência é neceário que o geradore eólico operem com curva de potência máxima com margem de reerva -> Potencia Mecanica (MW) Potencia Mecancia Máxima Curva de Potencia Óptima pré-definida 13m/ 12m/ 20% reerva 9 m/ 11m/ 10 m/ 8 m/ m/ 6 m/ 5 m/ Velocidade angular do rotor referido ao gerador (p.u.) Participação do DFIWG no equilíbrio de geração / conumo Equema de controlo do aerogerador DFIWG com margem de reerva de potência - A margem de reerva poibilita também que o DFWIG reponda a uma olicitação de potência do operador do parque eólico Controlo de inércia ωy_ref - ωy Curva Óptima de Potência com reerva ωr vento Pdel Pinj ΔP2 1/R ΔP1 - Central de Controlo e Supervião do Parque Eólico Qinj Pmin Qmin Pmax Pref Qmax Qref Q PDFIG Malha de Controlo de Potência Activa - - kp1ki1 iqref - - kp3ki3 idref iqr idr kp2ki2 kp4ki4 Malha de Controlo de Potência Reactiva vqr vdr Modelo do Gerador Eólico DFIWG E'd E'q REDE ELECT. Algoritimo de Optimização 31

32 Reultado de um cao de etudo Comportamento do aerogeradore DFWIG com e em controlo primário de frequência Frquência do itema com o DFWIG em controlo primário DFIGW ligado na barra Frequência do itema com o DFIWG com controlo primário DFIWG ligado na barra 4 DFIGW ligado na barra 6 DFIGW ligado na barra 8 DFIGW ligado na barra Hz 49.9 MW DFIWG em etatimo R de 5% DFIWG com etatimo R de 5% Tempo () Tempo () Frequência do itema Potência activa injectada de cada DFIWG Sobre-equipamento de parque eólico Intalar ΣS > Capacidade do ponto de interligação 32

33 Produção eperada A potência intalada tem uma probabilidade baixa de vir a er produzida Curva de duração da produção anual de um parque eólico normalizada para a potência intalada Aumento da produção de energia Aumento da potência intalada P intalada (MW) PintB C PintA B A 8760 (h) Curva de duração da produção anual de um parque eólico para doi valore de potência intalada 33

34 Protecçõe A protecçõe ão de doi tipo: Protecçõe do aerogeradore (dependente da tecnologia) Protecçõe de interligação à rede, para comandar o dijuntor de interligação. Protecçõe Requiito do Sitema de Protecção: O PE apena poderá permanecer ligado à rede e exitir tenão na trê fae da rede e eta tenõe e encontrem dentro do limite de operação; O PE deve er deligado da rede pública e uma anomalia ocorrida no itema provocar devio não aceitávei na tenão ou na frequência no ponto de conexão ( interligação); O PE deve er deligado da rede e uma ou mai fae da rede é perdida no ponto de conexão; O PE deve er deligado automaticamente ou manualmente da rede de ditribuição pública e um qualquer falha de alimentação do equipamento de protecção inibe a ua correcta operação; Saída de erviço do PE quando ão detectado defeito na rede, por forma a garantir a extinção do arco eléctrico aociado a c.c. fugitivo e permitir o uceo de religaçõe. 34

35 Protecçõe de Interligação A configuração mínima exigida à equipa de protecção conite no eguinte relé: Relé de máximo e mínimo de tenão, 27 e 59; Relé de máximo e mínima de frequência, 81U e 81O; Relé de máximo de intenidade, com tempo de actuação intantâneo, 50, e temporizado, 51; Relé para detecção de defeito à terra com tempo de actuação intantâneo e temporizado, 50N e 51N; ou Relé de tenão de equência de zero ou homopolar, 59N. Protecçõe de Interligação Relé de MI aeguram protecção contra defeito polifáico e defeito fae-terra (pouco impedante) próximo do PI; Tipo de relé: Diparo intantâneo ou temporizado Utilização de relé 50V e 51V (MI int. ou temporizado, controlado por tenão) Detecção de corrente de terra: 50N e 51N 35

36 Protecçõe de Interligação Protecçõe de Interligação Relé de mínimo de tenão (27) é utilizado para detecção de defeito polifáico pouco impedante na rede; Valor de regulação típico: 0,95 Un; Relé de máximo de tenão (59) permite detectar obretenõe aociada por exemplo a ituação de autoexcitação de geradore aíncrono; Valor de regulação 1,1Un; Temporizaçõe intantânea quando em REE (Regime Epecial de Exploração) Relé 81U e 81O utilizado para detectar ituaçõe anómala de exploração da rede; Regulaçõe na Europa: 47 a 49 Hz, para tempo de actuação (< 1 eg). 50,5 a 52 Hz, para tempo de actuação (< 1 eg). 36

37 Protecçõe de Interligação Protecção de interligação (50,51,81U, 81O,27,59N) 50 MI intantânea 51 MI temporizada 81U, 81O min e máx freq. 27 Máx tenão; 59N Máx tenão de eq. zero Protecçõe de Interligação Situaçõe de defeito fae-terra na rede ditribuição e ub-tranmião 37

38 Protecçõe de Interligação Dua ituaçõe podem ocorrer no cao de defeito Fae- Terra: 1. O defeito é facilmente detectável pelo relé 59N, conduzindo à aída de erviço do PI e do feeder, na ubetação da rede receptora; 2. O defeito é muito impedante, não provocando a actuação do relé 59N do PI, endo contudo a ituação detectada pela protecçõe da ubetação que deligam o feeder, conduzindo ao funcionamento em rede iolada e em regime de neutro iolado. Protecçõe de Interligação 38

39 Protecçõe de Interligação V = Z. I o o o V o = U 1 9. ω. C. R o def Problema: funcionamento intempetivo do relé 59N Protecçõe de Interligação Alguma Recomendaçõe Ligaçõe à rede de 220 kv e 150 kv: Nete cao, atendendo à ligação directa do neutro à terra e à utilização da protecçõe 21/21N e 67N, com teleprotecção, para protecção da entrada de linha, recomenda-e a utilização do eguinte relé: Relé de máximo e mínimo de tenão, 27 e 59; Relé de máximo e mínimo de frequência, 81U e 810; Relé de máximo de intenidade, com tempo de actuação intantâneo, 50, e temporizado, 51; Relé para detecção de defeito à terra com tempo de actuação intantâneo e temporizado, 50N e 51N; Relé 21 e 21N, aociado a teleprotecção, com trê zona; Relé de máximo de intenidade direccional de neutro, 67N, complementando a anteriore. Diálogo com o OS (TSO e DNO) é fundamental! 39

40 Concluõe Tendência para a utilização de máquina de potência cada vez maiore MW; 3MW, 4,5 MW; Utilização crecente de itema baeado em electrónica de potência para optimização da produção e melhor integração no itema (algun problema preitem contudo); Aparecimento futuro da produção off-hore Impacto crecente na operação do itema; Nova funcionalidade no itema de getão e controlo Do tipo EMS e DMS Neceidade de harmonizar a regulamentação e tandard para permitir a integração na rede deta produção; Nova ferramenta de planeamento. 40

Produção e Transporte de Energia 2. Produção e Transporte de Energia 2 - Definição de Condições de Ligação à Rede. J. A.

Produção e Transporte de Energia 2. Produção e Transporte de Energia 2 - Definição de Condições de Ligação à Rede. J. A. - Definição de Condições de Ligação à Rede J. A. Peças Lopes Introdução Grande Aumento da Produção Distribuída (PRE): A ligar fundamentalmente nas redes de distribuição e subtransmissão (MT e AT); Aparecimento

Leia mais

Máquinas Eléctricas. Motores de indução. Motores assíncronos. Arranque

Máquinas Eléctricas. Motores de indução. Motores assíncronos. Arranque Motore de indução Arranque São motore robuto e barato (fabricado em maa), embora tendo o inconveniente de não erem regulávei. Conequentemente, uma vez definido um binário e uma corrente, ete apena dependem

Leia mais

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA INTRODUÇÃO Nesta exposição apresentam-se as equações e os conhecimentos necessários para a resolução dos exercícios.

Leia mais

EQUIPAMENTO ELÉCTRICO DOS GERADORES EÓLICOS

EQUIPAMENTO ELÉCTRICO DOS GERADORES EÓLICOS UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO DEEC / Secção de Energia Energias Renováveis e Produção Descentralizada EQUIPAMENTO ELÉCTRICO DOS GERADORES EÓLICOS 1ª Parte Princípio de funcionamento

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

EXPERIÊNCIA 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO - UNICAMP EE-832 - LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA INDUSTRIAL EXPERIÊNCIA 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS 7. Introdução A máquina de corrente

Leia mais

Sistemas de Geração Eólica

Sistemas de Geração Eólica Cronograma Aula 1. Panorâma de geração eólica 22/11 Sistemas de Geração Eólica Aula 2. Operação de sistemas de geração eólica 29/11 Prof. Romeu Reginato Outubro de 2010 1 Aula 3. Tecnologias de geração

Leia mais

EXERCÍCIOS CORRIGIDOS

EXERCÍCIOS CORRIGIDOS Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção EXERCÍCIOS CORRIGIDOS INTRODUÇÃO Vamos testar os conhecimentos adquiridos; para o efeito, propõem-se seis exercícios de diferentes dificuldades:

Leia mais

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada.

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada. Compenadore 0.1 Introdução Controle 1 - DAELN - UTFPR Prof. Paulo Roberto Brero de Campo O compenadore ão utilizado para alterar alguma caracterítica do itema em malha fechada. 1. Avanço de fae (lead):

Leia mais

1. Introdução... 1. 1.1 Âmbito... 1 1.2 Motivação... 2 1.3 Objectivo... 3 1.4 Organização... 3. 2. O Motor de Indução Trifásico...

1. Introdução... 1. 1.1 Âmbito... 1 1.2 Motivação... 2 1.3 Objectivo... 3 1.4 Organização... 3. 2. O Motor de Indução Trifásico... Indice Índice Pág. 1. Introdução... 1 1.1 Âmbito... 1 1. Motivação... 1.3 Objectivo... 3 1.4 Organização... 3. O Motor de Indução Trifáico... 5.1 Parâmetro que Caracterizam o eu Funcionamento... 5. Modelo

Leia mais

Programa de Formação Técnica Continuada. Categoria de Emprego para Motores CA / CC

Programa de Formação Técnica Continuada. Categoria de Emprego para Motores CA / CC Programa de Formação Técnica Continuada Categoria de Emprego para Motore CA / CC Índice.Introdução.... Chave manuai etrela triângulo.... O motore.... Motore de indução tipo gaiola.... Motore de indução

Leia mais

Análise Transitória de Parques Eólicos Mistos, compostos por Geradores de Indução Gaiola de Esquilo e Duplamente Alimentados

Análise Transitória de Parques Eólicos Mistos, compostos por Geradores de Indução Gaiola de Esquilo e Duplamente Alimentados Análise Transitória de Parques Eólicos Mistos, compostos por Geradores de Indução Gaiola de Esquilo e Duplamente Alimentados Helleson Jorthan Brito da Silva 1, Carolina de Matos Affonso 2 12 Grupo de Sistemas

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS PARÂMETROS ELÉTRICOS DE UM MOTOR DE CORRENTE ALTERNADA

IDENTIFICAÇÃO DOS PARÂMETROS ELÉTRICOS DE UM MOTOR DE CORRENTE ALTERNADA Anai do 12 O Encontro de Iniciação Científica e Pó-Graduação do ITA XII ENCITA / 26 Intituto Tecnológico de Aeronáutica São Joé do Campo SP Brail Outubro 16 a 19 26 IDENTIFICAÇÃO DOS PARÂMETROS ELÉTRICOS

Leia mais

Máquinas Eléctricas I

Máquinas Eléctricas I I Máquinas Síncronas Luis Pestana Resumo Máquinas Síncronas Generalidades Principio de funcionamento Aspectos construtivos O gerador síncrono em carga com cargas isoladas Curvas de regulação ligado a um

Leia mais

Tensão Induzida por Fluxo Magnético Transformador

Tensão Induzida por Fluxo Magnético Transformador defi deartamento de fíica Laboratório de Fíica www.defi.ie.i.t Tenão Induzida or Fluxo Magnético Tranformador Intituto Suerior de Engenharia do Porto- Deartamento de Fíica Rua Dr. António Bernardino de

Leia mais

Capítulo 5: Análise através de volume de controle

Capítulo 5: Análise através de volume de controle Capítulo 5: Análie atravé de volume de controle Volume de controle Conervação de maa Introdução Exite um fluxo de maa da ubtância de trabalho em cada equipamento deta uina, ou eja, na bomba, caldeira,

Leia mais

JÚLIO VÍTOR KUNZLER JÚNIOR ANÁLISES TEÓRICA E EXPERIMENTAL DO GERADOR ASSÍNCRONO DE DUPLA ALIMENTAÇÃO O GEADA, E CONTRIBUIÇÃO À SUA OPERAÇÃO

JÚLIO VÍTOR KUNZLER JÚNIOR ANÁLISES TEÓRICA E EXPERIMENTAL DO GERADOR ASSÍNCRONO DE DUPLA ALIMENTAÇÃO O GEADA, E CONTRIBUIÇÃO À SUA OPERAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA JÚLIO VÍTOR KUNZLER JÚNIOR ANÁLISES TEÓRICA E EXPERIMENTAL DO GERADOR ASSÍNCRONO DE DUPLA ALIMENTAÇÃO

Leia mais

Estrutura geral de um sistema com realimentação unitária negativa, com um compensador (G c (s) em série com a planta G p (s).

Estrutura geral de um sistema com realimentação unitária negativa, com um compensador (G c (s) em série com a planta G p (s). 2 CONTROLADORES PID Introdução Etrutura geral de um itema com realimentação unitária negativa, com um compenador (G c () em érie com a planta G p (). 2 Controladore PID 2. Acção proporcional (P) G c ()

Leia mais

Potência Instalada (GW)

Potência Instalada (GW) Modelagem e simulação de um aerogerador a velocidade constante Marcelo Henrique Granza (UTFPR) Email: marcelo.granza@hotmail.com Bruno Sanways dos Santos (UTFPR) Email: sir_yoshi7@hotmail.com Eduardo Miara

Leia mais

Vestibular 2013 2 a fase Gabarito Física

Vestibular 2013 2 a fase Gabarito Física etibular 203 2 a fae Gabarito Fíica Quetão 0 (alor: 5 ponto) Cálculo da variação da quantidade de movimento A velocidade inicial no momento do impacto erá a velocidade final da queda Aplicando conervação

Leia mais

Vicente Leite (1), Henrique Teixeira (1), Rui Araújo (2), Diamantino Freitas (2) Resumo

Vicente Leite (1), Henrique Teixeira (1), Rui Araújo (2), Diamantino Freitas (2) Resumo Sitema Electrónico de Condicionamento e Proceamento, em Tempo Real, da Tenõe e Corrente do Motor de Indução Trifáico Alimentado por Converore de Frequência Vicente Leite (1), Henrique Teieira (1), Rui

Leia mais

SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS Reumo Luca Franco de Ai¹ Marcelo Semenato² ¹Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia/Campu Jataí/Engenharia Elétrica/PIBIT-CNPQ lucafranco_jty@hotmail.com

Leia mais

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção AS DIFERENTES TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Nesta secção apresentam-se as diferentes tecnologias usadas nos sistemas eólicos, nomeadamente, na exploração

Leia mais

A Simplified State Model for Wind Turbines. Engenharia Eletrotécnica e de Computadores

A Simplified State Model for Wind Turbines. Engenharia Eletrotécnica e de Computadores 1. A Simplified State Model for Wind Turbines Nuno Miguel Libório Bernardo Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores Júri Presidente: Prof. Doutora Maria

Leia mais

Nestas notas será analisado o comportamento deste motor em regime permanente.

Nestas notas será analisado o comportamento deste motor em regime permanente. MOTO DE INDUÇÃO TIFÁSICO 8/0/006 Ivan Camargo Introdução O motor de indução trifáico correponde a, aproximadamente, 5 % da carga elétrica do Brail, ou eja, 50 % da carga indutrial que, por ua vez, correponde

Leia mais

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B eolução Fíica FM.9 1. e Com bae na tabela, obervamo que o atleta etá com 5 kg acima do peo ideal. No gráfico, temo, para a meia maratona: 1 kg,7 min 5 kg x x,5 min. Na configuração apreentada, a força

Leia mais

Cap. 3 Máquinas de Indução Polifásicas 1. Máquinas de Indução Polifásicas

Cap. 3 Máquinas de Indução Polifásicas 1. Máquinas de Indução Polifásicas Cap. 3 Máquina de Indução Polifáica Máquina de Indução Polifáica Cap. 3 Máquina de Indução Polifáica Índice ÍNDICE... CAPÍTULO 3... MÁQUINAS DE INDUÇÃO POLIFÁSICAS... A. Decrição geral da máquina de indução

Leia mais

MÉTODO ANALÍTICO PARA ANÁLISE DA ESTABILIDADE DO GERADOR ASSÍNCRONO ATRAVÉS DO MONITORAMENTO DA TENSÃO

MÉTODO ANALÍTICO PARA ANÁLISE DA ESTABILIDADE DO GERADOR ASSÍNCRONO ATRAVÉS DO MONITORAMENTO DA TENSÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA MÉTODO ANALÍTICO PARA ANÁLISE DA ESTABILIDADE DO GERADOR ASSÍNCRONO ATRAVÉS DO MONITORAMENTO

Leia mais

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores 22 Capítulo I Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Novo! As retiradas de geradores do sistema de potência devido a curto-circuitos, operação anormal ou

Leia mais

Controlo Inercial em Geradores Eólicos Equipados com Máquina Síncrona de Velocidade Variável

Controlo Inercial em Geradores Eólicos Equipados com Máquina Síncrona de Velocidade Variável Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Controlo Inercial em Geradores Eólicos Equipados com Máquina Síncrona de Velocidade Variável Miguel Fernando Martins Costa Gomes VERSÃO FINAL Dissertação

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Verão.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC GAT

Leia mais

Palavras-chave: turbina eólica, gerador eólico, energia sustentável.

Palavras-chave: turbina eólica, gerador eólico, energia sustentável. Implementação do modelo de uma turbina eólica baseado no controle de torque do motor cc utilizando ambiente matlab/simulink via arduino Vítor Trannin Vinholi Moreira (UTFPR) E-mail: vitor_tvm@hotmail.com

Leia mais

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos CAPÍTULO 10 Modelagem e repota de itema dicreto 10.1 Introdução O itema dicreto podem er repreentado, do memo modo que o itema contínuo, no domínio do tempo atravé de uma tranformação, nete cao a tranformada

Leia mais

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Motor de Indução Geração do campo girante do estator Revisão Motor de Indução Velocidade de rotação do campo girante do estator

Leia mais

Anais do XIX Congresso Brasileiro de Automática, CBA 2012.

Anais do XIX Congresso Brasileiro de Automática, CBA 2012. Anai do XIX Congreo Braileiro de Automática, CBA. ESTRATÉGIAS DE CONTROLE APLICADAS A AEROGERADORES DUPLAMENTE EXCITADOS DURANTE AFUNDAMENTOS DE TENSÃO DESEQUILIBRADOS VICTOR F. MENDES,, CLODUALDO V. DE

Leia mais

Contribuições para a Avaliação da Capacidade de Fornecimento de Serviços de Sistema por parte de Aerogeradores de Indução Duplamente Alimentados

Contribuições para a Avaliação da Capacidade de Fornecimento de Serviços de Sistema por parte de Aerogeradores de Indução Duplamente Alimentados Contribuições para a Avaliação da Capacidade de Fornecimento de Serviços de Sistema por parte de Aerogeradores de Indução Duplamente Alimentados Rogério Gaspar de Almeida Dissertação apresentada à Faculdade

Leia mais

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação Confrontando Reultado Experimentai e de Simulação Jorge A. W. Gut Departamento de Engenharia Química Ecola Politécnica da Univeridade de São Paulo E mail: jorgewgut@up.br Um modelo de imulação é uma repreentação

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Votos e Contribuição

PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Votos e Contribuição PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Voto e Contribuição Reponável pelo PM: Acompanhamento do Mercado CONTROLE DE ALTERAÇÕES Verão Data Decrição da Alteração Elaborada por Aprovada por PM AM.04 - Cálculo

Leia mais

Trabalho nº 1 Transformador Monofásico

Trabalho nº 1 Transformador Monofásico Trabalho nº 1 Transformador Monofásico O presente trabalho prático laboratorial é composto por um conjunto de ensaios que visam obter o circuito eléctrico equivalente dum transformador. Material necessário

Leia mais

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS 1. Um dinamo octopolar de 600 r.p.m. com enrolamento em série de 300 condutores activos tem um fluxo por pólo de 5x10 6 Maxwell. Calcule a força electromotriz produzida.

Leia mais

PROTEÇÕES COLETIVAS. Modelo de Dimensionamento de um Sistema de Guarda-Corpo

PROTEÇÕES COLETIVAS. Modelo de Dimensionamento de um Sistema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema

Leia mais

TRANSMISSÃO DE CALOR II. Prof. Eduardo C. M. Loureiro, DSc.

TRANSMISSÃO DE CALOR II. Prof. Eduardo C. M. Loureiro, DSc. TRANSMISSÃO DE CAOR II Prof. Eduardo C. M. oureiro, DSc. MECANISMOS FÍSICOS T T at A condenação ocorre quando a temperatura de um vapor é reduzida a vaore inferiore ao de ua temperatura de aturação. Em

Leia mais

Competências/ Objetivos Especifica(o)s

Competências/ Objetivos Especifica(o)s Tema B- Terra em Tranformação Nº previta Materiai Contituição do mundo material Relacionar apecto do quotidiano com a Química. Reconhecer que é enorme a variedade de materiai que no rodeiam. Identificar

Leia mais

Curso de Análise Matricial de Estruturas 1 I - INTRODUÇÃO

Curso de Análise Matricial de Estruturas 1 I - INTRODUÇÃO Curo de Análie Matricial de Etrutura 1 I - INTRODUÇÃO I.1 - Introdução O proceo de um projeto etrutural envolve a determinação de força interna e de ligaçõe e de delocamento de uma etrutura. Eta fae do

Leia mais

Estudos Pré-Operacionais do Controle de Corrente para Geradores Eólicos

Estudos Pré-Operacionais do Controle de Corrente para Geradores Eólicos Estudos Pré-Operacionais do Controle de Corrente para Geradores Eólicos Camila M. V. Barros 1, Luciano S. Barros 2, Aislânia A. Araújo 1, Iguatemi E. Fonseca 2 1 Mestrado em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

Curso de Energias Renováveis. Princípio de funcionamento de turbinas eólicas: parte I

Curso de Energias Renováveis. Princípio de funcionamento de turbinas eólicas: parte I Curso de Energias Renováveis Ana Estanqueiro Princípio de funcionamento de turbinas eólicas: parte I Turbinas Eólicas Princípio de funcionamento 2 Turbinas Eólicas: Princípio de funcionamento 3 Turbinas

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Electrotécnica e de Computadores 3. Ciclo

Leia mais

COMPORTAMENTO DO GERADOR EÓLICO DUPLAMENTE ALIMENTADO SUBMETIDO DISTÚRBIOS NA REDE ELÉTRICA E À VARIAÇÃO DA VELOCIDADE DO VENTO

COMPORTAMENTO DO GERADOR EÓLICO DUPLAMENTE ALIMENTADO SUBMETIDO DISTÚRBIOS NA REDE ELÉTRICA E À VARIAÇÃO DA VELOCIDADE DO VENTO Revista Brasileira de Energia, Vol. 20, N o. 1, 1 o Sem. 2014, pp. 129-157 129 COMPORTAMENTO DO GERADOR EÓLICO DUPLAMENTE ALIMENTADO SUBMETIDO DISTÚRBIOS NA REDE ELÉTRICA E À VARIAÇÃO DA VELOCIDADE DO

Leia mais

PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO. Máquinas de corrente contínua

PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO. Máquinas de corrente contínua PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO de corrente contínua GERADOR ELEMENTAR GERADOR ELEMENTAR Regra da Mão Direita e = Blv F = Bli Bornes das de Corrente Contínua Nomenclatura a utilizar nos enrolamentos de máquinas

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL Nº 4

TRABALHO LABORATORIAL Nº 4 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M422 - SISTEMAS E INSTRALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS TRABALHO LABORATORIAL Nº 4 ENSAIO DA MÁQUINA SÍNCRONA Por: Prof. José

Leia mais

Cap. 8 - Controlador P-I-D

Cap. 8 - Controlador P-I-D CONTROLADOR ID Metrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Comptadore (MEEC) Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Comptadore (DEEC) CONTROLO º emetre 7/8 Tranparência de apoio à ala teórica

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Função de automatismo: pesquisa de terras resistentes Especificação funcional Elaboração: INTS, ICTS, ISTS e DNT Homologação: conforme despacho CA de 2007-02-13

Leia mais

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras Livro para a SBEA (material em contrução) Edmundo Rodrigue 9 4.1. Análie granulométrica Granulometria, graduação ou compoição granulométrica de um agregado é a ditribuição percentual do eu divero tamanho

Leia mais

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas.

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas. Ecola Báic a 2º º e 3º º Ciclo Tema 1 Viver com o outro Tema Conteúdo Competência Actividade Tema 1 Viver com o outro Valore Direito e Devere Noção de valor O valore como referenciai para a acção: - o

Leia mais

Professora FLORENCE. Resolução:

Professora FLORENCE. Resolução: 1. (FEI-SP) Qual o valor, em newton, da reultante da força que agem obre uma maa de 10 kg, abendo-e que a mema poui aceleração de 5 m/? Reolução: F m. a F 10. 5 F 50N. Uma força contante F é aplicada num

Leia mais

Apresentação de Motores Elétricos Trifásicos ABNT

Apresentação de Motores Elétricos Trifásicos ABNT Apreentação de Motore Elétrico Trifáico ABNT Apreentação de Motore Elétrico Apreentação de Motore Elétrico Caixa de Ligação Olhal para Prena-cabo Ventilador Rolamento de Efera Chaveta Ponta de Eixo Tampa

Leia mais

5 Controle de Tensão em Redes Elétricas

5 Controle de Tensão em Redes Elétricas 5 Controle de Tensão em Redes Elétricas 5.1 Introdução O objetivo principal de um sistema elétrico de potência é transmitir potência dos geradores para as cargas e esta responsabilidade é dos agentes que

Leia mais

SILECTRIS Sistemas de Energia Eléctrica, Lda

SILECTRIS Sistemas de Energia Eléctrica, Lda SILECTRIS Sistemas de Energia Eléctrica, Lda Rua João Eloy do Amaral, 116 2900-414 Setúbal Tel.: 265 229 180 Fax: 265 237 371 www.silectris.pt SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO, CONTROLO, MEDIDA E AUTOMAÇÃO

Leia mais

IX SIMPÓSIO DE ESPECIALISTAS EM PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO E EXPANSÃO ELÉTRICA

IX SIMPÓSIO DE ESPECIALISTAS EM PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO E EXPANSÃO ELÉTRICA IX SEPOPE 3 a 7 de maio de 4 May, 3 th to 7 rd 4 Rio de Janeiro (RJ) Brail IX SIMPÓSIO DE ESPECIALISTAS EM PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO E EXPANSÃO ELÉTRICA IX SYMPOSIUM OF SPECIALISTS IN ELECTRIC OPERATIONAL

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara FUDAMETOS DE COTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 4 Modelagem de itema no domínio da requência Pro. Marcio impara Unieridade Federal de Mato Groo do Sul Sitema mecânico tranlação Elemento Força deloc. tempo Laplace

Leia mais

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.)

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.) Um exemplo de Análie de Covariância A Regreão Linear e a Análie de Variância etudada até aqui, ão cao particulare do Modelo Linear, que inclui também a Análie de Covariância Em qualquer deta trê ituaçõe

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade Enterprie Quality Management [EQM] Excelência em Getão da Qualidade A Getão da Qualidade Total, do inglê Total Quality Management - TQM é uma etratégia de adminitração completa que tem como objetivo principal

Leia mais

Análise do PRODIST módulo 3

Análise do PRODIST módulo 3 2005SET14 Análise do PRODIST módulo 3 J. Peças Lopes, Manuel Matos, J. Pereira da Silva, Vladimiro Miranda INESC Porto - Portugal INESC Porto Campus da FEUP R. Dr. Roberto Frias, nº 378 4200-465 Porto

Leia mais

Motores eléctricos em sistemas de controlo

Motores eléctricos em sistemas de controlo Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Electrotécnica Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores SISEL - Sistemas Electromecânicos Exercícios de 26 1. Considere

Leia mais

Sistemas de Accionamento Electromecânico

Sistemas de Accionamento Electromecânico Sistemas de Accionamento Electromecânico Comando e protecção de motores Introdução SISTEMAS de ACCIONAMENTO ELECTROMECÂNICO, O que são? Sistemas capazes de converter energia eléctrica em energia mecânica

Leia mais

Geração de Energia Elétrica. Aula 5 Cenário para a Geração de Energia Elétrica

Geração de Energia Elétrica. Aula 5 Cenário para a Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Eétrica - GEE Geração de Energia Eétrica Aua 5 Cenário para a Geração de Energia Eétrica rofeor Saimon Miranda Fagunde 1 Geração de Energia Eétrica - GEE Atua ituação do Sitema Interigado

Leia mais

AULA 02 POTÊNCIA MECÂNICA. = τ. P ot

AULA 02 POTÊNCIA MECÂNICA. = τ. P ot AULA 0 POTÊNCIA MECÂNICA 1- POTÊNCIA Uma força pode realizar um memo trabalho em intervalo de tempo diferente. Quando colocamo um corpo de maa m obre uma mea de altura H num local onde a aceleração da

Leia mais

Simulação de um sistema aerogerador com controlo óptimo predictivo

Simulação de um sistema aerogerador com controlo óptimo predictivo Centro de Competências das Ciências Exactas e da Engenharia Simulação de um sistema aerogerador com controlo óptimo predictivo Élvio Gilberto Andrade de Jesus Dissertação para obtenção do Grau de Mestre

Leia mais

Preditiva de Geradores. Inácio Fonseca, Torres Farinha, F. Maciel Barbosa, António Simões. Eólicos

Preditiva de Geradores. Inácio Fonseca, Torres Farinha, F. Maciel Barbosa, António Simões. Eólicos Manutenção Preditiva de Geradores Inácio Fonseca, Torres Farinha, F. Maciel Barbosa, António Simões Eólicos Sumário: 1. Introdução aos aero-geradores 2. Recursos de energia eólica 3. Sistema integrado

Leia mais

. analogamente. Np Ns. a = Ns

. analogamente. Np Ns. a = Ns - Transformadores O transformador é um equipamento elétrico formado por bobinas isoladas eletricamente em torno de um núcleo comum. A bobina que recebe energia de uma fonte ca é chamada de primário. A

Leia mais

Geração de Energia Elétrica

Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica Aspectos Dinâmicos da Geração Hidroelétrica Joinville, 21 de Março de 2012 Escopo dos Tópicos Abordados Controle de Carga-Frequência Regulação Primária Modelo do Sistema de

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 20 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Seja um circuito RLC série alimentado por uma fonte de tensão e sem energia inicialmente armazenada.

Leia mais

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Nesta secção, estuda-se o comportamento ideal de alguns dos dipolos que mais frequentemente se podem encontrar nos circuitos

Leia mais

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS Autores : Marina PADILHA, Tiago DEQUIGIOVANI. Identificação autores: Engenharia de Controle e Automação - Bolsista Interno; Orientador IFC - Campus

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM Como funciona um aerogerador Componentes de um aerogerador Gôndola:contém os componentes chaves do aerogerador. Pás do rotor:captura o vento e transmite sua potência até o cubo que está acoplado ao eixo

Leia mais

Formulário para Elaboração de. Projectos de Parques Eólicos. (Cálculo Eléctrico e de Fundações)

Formulário para Elaboração de. Projectos de Parques Eólicos. (Cálculo Eléctrico e de Fundações) Formulário para Elaboração de Projectos de Parques Eólicos (Cálculo Eléctrico e de Fundações) Elaborado por: António Pina e-mail: apina@gamesaenerg.com Índice 1. Dimensionamento rede MT...3 1.1. Intensidade

Leia mais

1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência

1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência 1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência 1.1 Introdução Em sistemas de potência, as unidades geradoras compreendem os equipamentos conectados ao sistema capazes de transformar vários tipos de energia

Leia mais

Comparação Entre Modelos Equivalentes de Aerogeradores Síncronos Utilizando o Programa ATP

Comparação Entre Modelos Equivalentes de Aerogeradores Síncronos Utilizando o Programa ATP Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Tecnologia Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica e de Computação Comparação Entre s Equivalentes de Aerogeradores Síncronos Utilizando o

Leia mais

Análise de Sensibilidade de Anemômetros a Temperatura Constante Baseados em Sensores Termo-resistivos

Análise de Sensibilidade de Anemômetros a Temperatura Constante Baseados em Sensores Termo-resistivos UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE ELETRICIDADE Análie de Senibilidade de Anemômetro a Temperatura Contante Baeado em Senore Termo-reitivo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO LABORATÓRIO DE CONTROLE (PEE/COPPE) RELATÓRIO TÉCNICO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA INTRODUÇÃO AO FUNCIONAMENTO E AO ACIONAMENTO DE MOTORES DC André Euler Torres Orientador:

Leia mais

Nota Técnica 003/2010

Nota Técnica 003/2010 Nota Técnica 003/2010 Produto: Crowbar Aplicação: Acionamento da resistência de descarga em motores síncronos Serão discutidos os tópicos a seguir: 1) Conceito de Motores Síncronos 2) Determinação da Resistência

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP Diciplina: Mecânica do Fluido Aplicada Lita de Exercício Reolvido Profeor: 1 de 11 Data: 13/0/08 Caruo 1. Um menino, na tentativa de melhor conhecer o fundo do mar, pretende chegar a uma profundidade de

Leia mais

Software comercial para planeamento da distribuição

Software comercial para planeamento da distribuição Software comercial para planeamento da distribuição Existe uma grande variedade de software comercial para planeamento e análise de sistemas eléctricos de distribuição (ver tabela). Muitas das empresas

Leia mais

Estabilidade Transitória

Estabilidade Transitória Estabilidade Transitória Revisão em janeiro 003. 1 Introdução A geração de energia elétrica dos sistemas de potência é constituída de máquinas síncronas. que operam com uma determinada freqüência. O sistema

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL Nº 3

TRABALHO LABORATORIAL Nº 3 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M422 - SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS TRABALHO LABORATORIAL Nº 3 ENSAIO DE UMA MÁQUINA ASSÍNCRONA TRIFÁSICA

Leia mais

Quantas equações existem?

Quantas equações existem? www2.jatai.ufg.br/oj/index.php/matematica Quanta equaçõe exitem? Rogério Céar do Santo Profeor da UnB - FUP profeorrogeriocear@gmail.com Reumo O trabalho conite em denir a altura de uma equação polinomial

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais

MODELAGEM DE TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS DE DISTRIBUIÇÃO PARA ESTUDOS DE FLUXO DE POTÊNCIA

MODELAGEM DE TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS DE DISTRIBUIÇÃO PARA ESTUDOS DE FLUXO DE POTÊNCIA MODELAGEM DE TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS DE DISTRIBUIÇÃO PARA ESTUDOS DE FLUXO DE POTÊNCIA FABRÍCIO LUIZ SILA DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA

Leia mais

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW APÊNDICE B Ensaio da Performance do Protótipo MATRBDA-HAW560-75kW 282 LABORATÓRIO DE ENSAIOS ELÉTRICOS - BAIXA TENSÃO WEG MÁQUINAS RELATÓRIO DE ENSAIO DE PROTÓTIPO MATRBDA 560 POTÊNCIA: 75KW / 25KW TENSÃO

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Função de automatismo: regulação de tensão Especificação funcional Elaboração: INTS, ICTS, ISTS, DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13

Leia mais

Sistema de Excitação e Regulação Digital de Tensão RG3 para geradores síncronos

Sistema de Excitação e Regulação Digital de Tensão RG3 para geradores síncronos Sistema de Excitação e Regulação Digital de Tensão RG3 para geradores síncronos Características operacionais Equipamento padrão Confiabilidade Elevada disponibilidade Facilidades da tecnologia digital

Leia mais

Oferta e Eficiência Energética em Sistemas Eléctricos

Oferta e Eficiência Energética em Sistemas Eléctricos As Energias do Presente e do Futuro Oferta e Eficiência Energética em Sistemas Eléctricos J. A. Peças Lopes (jpl@fe.up.pt) Introdução Caracterização da Situação 1. Aumento do consumo de electricidade 2.

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico Guia de Aplicação de Partida Suave e Inversores CA Walter J Lukitsch PE Gary Woltersdorf John Streicher Allen-Bradley Company Milwaukee, WI Resumo: Normalmente, existem várias opções para partidas de motores.

Leia mais

Simulação de um sistema aerogerador com controlo óptimo predictivo

Simulação de um sistema aerogerador com controlo óptimo predictivo Centro de Competências das Ciências Exactas e da Engenharia Simulação de um sistema aerogerador com controlo óptimo predictivo Élvio Gilberto Andrade de Jesus Dissertação para obtenção do Grau de Mestre

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila.

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Ex. 0) Resolver todos os exercícios do Capítulo 7 (Máquinas

Leia mais

INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT

INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ETUDANTE ERAMU OUT Dede já, agradecemo a ua participação neta nova etapa do Projecto de Tutoria a Etudante ERAMU verão OUT. Com ete inquérito, pretendemo dar a conhecer

Leia mais

Um Estudo da Aplicação do Relé de Taxa de Variação de Frequência para Detecção de Ilhamento de Geração Distribuída *

Um Estudo da Aplicação do Relé de Taxa de Variação de Frequência para Detecção de Ilhamento de Geração Distribuída * Um Estudo da Aplicação do Relé de Taxa de Variação de Frequência para Detecção de Ilhamento de Geração Distribuída * Rafael Brenner Sousa Campos, Sérgio Garcia Oliveira, Igor Kopcak, Wander Gonçalves da

Leia mais

Central Hidroeléctrica da Calheta de Inverno

Central Hidroeléctrica da Calheta de Inverno Central Hidroeléctrica da Calheta de Inverno Descrição Geral A Central da Calheta de Inverno foi construída em 1992, com o objectivo de aproveitar os caudais excedentários ao abastecimento público e garantidos

Leia mais