A Simplified State Model for Wind Turbines. Engenharia Eletrotécnica e de Computadores

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Simplified State Model for Wind Turbines. Engenharia Eletrotécnica e de Computadores"

Transcrição

1 1. A Simplified State Model for Wind Turbines Nuno Miguel Libório Bernardo Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores Júri Presidente: Prof. Doutora Maria Eduarda de Sampaio Pinto de Almeida Pedro Orientador: Prof. Doutora Célia Maria Santos Cardoso de Jesus Co-Orientador: Prof. Doutor Luís António Fialho Marcelino Ferreira Vogal: Prof. Doutor José Manuel Dias Ferreira de Jesus Abril 2013

2

3 Agradecimentos Agradeço à Professora Célia de Jesus e ao Professor Luís Marcelino Ferreira, por todo o apoio, confiança e motivação que me deram ao longo destes meses. Os seus conselhos foram um forte contributo para a realização deste trabalho, assim como o serão para a minha vida profissional. À minha família, agradeço a ajuda e o incentivo que me deram ao longo de todo o percurso académico. Um especial obrigado aos meus pais e irmã, que sempre me apoiaram de forma incondicional e que me proporcionaram todas as condições necessárias para que os meus objectivos pudessem ser atingidos. Por fim, deixo uma palavra de apreço a todos os meus amigos que, directa ou indirectamente, me ajudaram a concretizar esta dissertação. i

4 ii

5 Abstract This thesis presents studies relatively for the dynamics power systems, including renewable energy sources. The control of conventional generators (steam turbine and hydro turbine) and renewable generator (wind turbines and solar panels) require control systems of terminal active and reactive power, or in other words terminal voltage and frequency control. This work analyzes a dynamic model of induction machine, as well as model of the control system of active and reactive power. Simulations are done for interconnected networks having conventional generators and renewable generators. Therefore, with these simulations will be done an evaluated the dynamic behavior of the network and the dynamic behavior of the generators in relation to disturbances. Keywords: Active Power Control, Reactive Power Control, Wind Turbine, Dynamic Behavior, Doubly Fed Induction Machine. iii

6 iv

7 Resumo Este trabalho realiza o estudo de Sistemas Dinâmicos de Energia Eléctrica, incluindo fontes renováveis de energia. Tanto as fontes de geração convencionais (turbinas a vapor e turbinas hídricas), como as fontes de geração renováveis (turbina eólica e painéis solares) requerem sistemas de controlo de geração: controlo de tensão e controlo de velocidade. O presente trabalho apresenta um modelo dinâmico do gerador assíncrono da turbina eólica, bem como o esquema de controlo de tensão e de velocidade. Serão realizadas simulações para o caso de uma rede interligada que possuem fontes de geração convencional e fontes de geração renovável. Através dessas simulações será efectuada uma avaliação do comportamento dinâmico da rede e dos geradores face às perturbações existentes. Palavras Chave: Controlo de Tensão, Controlo de Velocidade, Turbina Eólica, Comportamento dinâmico, Gerador assíncrono duplamente alimentado. v

8 vi

9 Índice Agradecimentos... i Abstract... iii Resumo... v Índice... vii Índice de tabelas... ix Índice de figuras... x Nomenclatura... xii Abreviaturas... xiii 1. Introdução Integração da produção eólica em redes de energia Motivação Objetivos Estrutura do trabalho Geração Eólica Turbina eólica Tipos de geradores eólicos Gerador de indução com rotor em gaiola de esquilo Gerador de indução com rotor bobinado e resistências rotóricas Gerador de indução duplamente alimentado Gerador síncrono de velocidade variável Modelo de estado da turbina eólica Modelização da turbina eólica Controlo da turbina eólica Modelo dinâmico de um gerador assíncrono duplamente alimentado Característica mecânica Conversores electrónicos vii

10 4.1. Controlo da potência reactiva Controlo da potência activa Modelo de estado em análise Modelo sem controlo do ângulo de inclinação das pás do rotor da turbina eólica Modelo com controlo do ângulo de inclinação das pás do rotor da turbina eólica Conclusão Trabalho futuro Referencias Anexos A. Trânsito de energia A.1. Método de Newton-Raphson B. Equações Diferenciais Métodos de Euler modificado C. Modelo dinâmico do gerador síncrono C.1. Modelo electromagnético do rotor C.2. Controlador de tensão C.3. Regulador de velocidade viii

11 Índice de tabelas Tabela 3.1: Valores do coeficiente c1 c Tabela 5.I: Valores das contantes do gerador síncrono Tabela 5.II: Valores das constantes do gerador eólico Tabela A.1: Tipos de Barramentos ix

12 Índice de figuras Figura 2.1: Esquema típico de uma turbina eólica... 4 Figura 2.2: Potência em função da velocidade do vento com regulação por stall-passivo... 6 Figura 2.3: Potência em função da velocidade do vento com regulação por regulação do ângulo de inclinação das pás... 7 Figura 2.4: Potência em função da velocidade do vento com regulação por perda aerodinâmica activa (active-stall)... 8 Figura 2.5: Turbina eólica de velocidade fixa... 9 Figura 2.6: Turbina eólica com gerador de indução com rotor bobinado e resistências rotóricas Figura 2.7: Turbina eólica com gerador de indução duplamente alimentado Figura 2.8: Turbina eólica com gerador síncrono Figura 3.1: Curvas Cp para β=0º, 6º, 12º, 18º e 24º Figura 3.2: Perfil de uma pá da turbina eólica Figura 3.3: Diagrama de controlo do ângulo de inclinação das pás da turbina Figura 3.4: Aumento em escalão do valor de βref Figura 3.5: Ângulo de inclinação das pás ta turbina eólica Figura 3.6: Coeficiente de potência Figura 3.7: Potência mecânica extraída pela turbina eólica Figura 3.8: Potência elétrica gerado pela MIDA Figura 4.1: Conversor eletrónico de potência CA/CC/CA Figura 4.2: Referencial dq adaptado ao estudo dinâmico do gerador assíncrono duplamente alimentado Figura 4.3: Diagrama de blocos do controlo de potência reactiva Figura 4.4: Potência vs velocidade de rotação Figura 4.5: Diagrama de blocos do controlo de potência activa Figura 5.1: Rede de 3 barramentos Figura 5.2: Frequências dos geradores. Azul frequência do gerador síncrono e a verde a frequência do gerador eólico Figura 5.3: Potência eléctrica e potência mecânica do gerador síncrono Figura 5.4: Potência eléctrica e potência mecânica do gerador eólico Figura 5.5: Binário electromagnético e binário mecânico do gerador eólico Figura 5.6: Força electromotriz do gerador síncrono Figura 5.7: Força electromotriz do gerador eólico Figura 5.8: Componentes d e q da tensão do rotor do gerador eólico Figura 5.9: Componente d da corrente do rotor do gerador eólico Figura 5.10: Componente q da corrente do rotor do gerador eólico Figura 5.11: Potência reactiva do gerador eólico Figura 5.12: Tensão no barramento x

13 Figura 5.13: Corrente no barramento Figura 5.14: Tensão no barramento Figura 5.15: Corrente no barramento Figura 5.16: Tensão no barramento Figura 5.17: Corrente no barramento Figura 5.18: Potência mecânica do gerador eólico Figura 5.19: Binário mecânico da turbina eólica Figura 5.20: Diagrama de controlo do ângulo de inclinação das pás da turbina Figura 5.21: Potência eléctrica e potência mecânica do gerador eólico com controlo de β. 47 Figura 5.22: Binário electromagnético e binário mecânico do gerador eólico com controlo de β Figura 5.23: Ângulo de inclinação das pás do rotor da turbina eólica com controlo de β Figura 5.24: Binário mecânico da turbina eólica com controlo de β Figura 5.25: Frequências dos geradores. Azul frequência do gerador síncrono e a verde a frequência do gerador eólico com controlo de β Figura B.1: Representação gráfica de uma solução genérica de uma equação diferencial. 60 Figura B.2: Exemplo gráfico da aplicação do método de Euler modificado Figura B.3: Fluxograma para a resolução de uma equação diferencial usando o método de Euler modificado Figura C.1: Modelo do gerador síncrono em regime transitório Figura C.2: Diagrama de fasores do gerador síncrono em regime transitório Figura C.3: Diagrama esquemático do sistema e regulação de tensão Figura C.4: Diagrama de blocos do controlador de tensão Figura C.5: Diagrama de blocos do regulador de velocidade xi

14 Nomenclatura CA/CC/CA f.e.m. IGBT MIDA MS PI P.U. SEE TE Corrente alternada/corrente contínua/corrente alternada Força electromotriz Insulated Gate Bipolar Transistor Máquina de indução duplamente alimentado Máquina síncrona Proporcional Integral Por Unidade Sistemas de Energia Eléctrica Trânsito de Energia xii

15 Abreviaturas P P P V ω ω ω ω R β J H H H Tm Te M W S D V V V V Potência mecânica produzida pela turbina Potência eléctrica à saída do gerador Potência de atrito Velocidade do vento Velocidade angular do rotor da turbina Velocidade angular do rotor do gerador eléctrico Velocidade angular do estator do gerado eléctrico Velocidade angular de sincronismo Raio da turbina Ângulo de inclinação das pás Momento de inércia do conjunto turbina gerador Contante de inercia da turbina eólica Constante de inercia do gerador assíncrono Constante de inercia total do sistema Binário mecânico produzido pela turbina Binário electromagnético produzido pelo gerador eléctrico Peso total do rotor da turbina Energia cinética armazenada no rotor da turbina Potência aparente nominal do gerador eléctrico Coeficiente de atrito Componente directa da tensão do estator Componente em quadratura da tensão do estator Componente directa da tensão do rotor Componente em quadratura da tensão do rotor xiii

16 ψ ψ ψ ψ i i i i E E R R L L L X X X X X θ θ T K p R Componente directa do fluxo do estator Componente em quadratura do fluxo do estator Componente directa do fluxo do rotor Componente em quadratura do fluxo do rotor Componente directa da corrente do estator Componente em quadratura da corrente do estator Componente directa da corrente do rotor Componente em quadratura da corrente do rotor Força electromotriz transitória do eixo directo do estator Força electromotriz transitória do eixo em quadratura do rotor Resistência do estator Resistência do rotor Indutância própria dos enrolamentos do estator Indutância própria dos enrolamentos do rotor Indutância mútua Reactância dos enrolamentos do estator Reactância dos enrolamentos do rotor Reactância mútua Nova reactância do estator Reactância transitória dos enrolamentos do estator Posição angular dos enrolamentos do estator Posição angular dos enrolamentos do rotor Constante de tempo transitória de circuito aberto do gerador assíncrono Rácio de conversão da caixa de velocidades Número de pólos do gerador eléctrico Estatismo xiv

17 1. Introdução 1.1. Integração da produção eólica em redes de energia A produção e transmissão de energia eléctrica são hoje em dia elementos essenciais para qualquer país no que diz respeito ao seu desenvolvimento económico e social. Face ao crescente consumo energético e também às crescentes preocupações ambientais, é vital que exista uma maior diversificação das fontes energéticas, assim como o aumento da eficiência na geração e transporte de energia. Devido às preocupações ambientais e a uma constante procura de fontes de energia economicamente mais rentáveis, verifica-se que a integração de fontes de energia renováveis nas redes eléctricas a nível mundial tem vindo a aumentar nos últimos anos. Tendo-se verificado em particular um aumento significativo da energia eólica. O destaque que se tem vindo a dar à produção eólica deve-se não só ao facto de ser uma fonte de energia limpa e inesgotável, mas também por ter custos de exploração competitivos quando comparados com as outras fontes de energia renováveis (hídricas e fotovoltaicas) e também com centrais de ciclo combinado a gás. Segundo a EWEA (European Wind Energy Association) até finais de 2011 existia na Europa 96,607 GW de potência eólica instalada. Portugal ocupa o sexto lugar no ranking europeu da potência instalada com 4,083 GW até finais de 2011, o que corresponde a 4,23% do total europeu. O ranking é liderado pela Alemanha com GW [1]. Tendo em conta este aumento da integração de energia eólica nos SEE, é necessário perceber até que ponto os SEE existentes suportam um crescente aumento de geração eólica sem que exista degradação da qualidade da energia. O aproveitamento eólico tem como principal problema o facto de estar sujeito factores difíceis de prever ou controlar como é o caso da variação da força e da direção do vento, que pode provocar grandes flutuações na produção de energia eólica. Existe ainda a possibilidade de saída de serviço de geradores eólicos devido à velocidade do vento atingir valores situados fora da gama dos limites de funcionamento. Os problemas apresentados no parágrafo anterior são facilmente resolvidos ou atenuados pois os parques eólicos existentes têm normalmente uma potência instalada inferior em relação a outros sistemas de geração de energia e têm localizações geográficas dispersas, o que faz com que haja um efeito de atenuação das variações de produção eólica. Partindo do princípio que o SEE está preparado para lidar com este tipo de perturbações, é possível concluir que a variação do vento não tem um grande impacto num SEE. Os geradores eólicos têm nos últimos anos registado um grande desenvolvimento baseado no conceito de velocidade variável que permite explorar com maior eficiência a produção de energia, conseguindo assim acomodar os efeitos das variações do vento e evitando que esses efeitos se façam sentir ao nível do SEE. A 1

18 utilização de geradores eólicos de velocidade variável conduziu a um aumento da capacidade instalada nos parques eólicos e, consequentemente a um aumento da potência injectada no SEE, o que faz com que a saída de serviço de um parque eólico já comece a ser uma perda significativa na produção de energia. Com o objectivo de assegurar a segurança de operação do SEE face à crescente integração de produção eólica, foram estabelecidas regras específicas que estabelecem condições de ligação e operação das diversas fontes de energia distribuída, e em especial de parques eólicos. Essas regras são usualmente designadas por Códigos de Rede ( Grid Codes ) [2]. De forma a responder a estas novas exigências, os fabricantes de geradores eólicos têm apostado no desenvolvimento de interfaces electrónicas, aumentado assim o aproveitamento do recurso eólico e aumentado o nível de eficiência do gerador eólico Motivação Como foi referido anteriormente, a produção de energia tendo como fonte o vento tem vindo a ganhar cada vez mais significado nos sistemas de energia a nível mundial. Para tal contribuíram vários factores como, preocupações ambientais e principalmente os desenvolvimentos tecnológicos que permitiram que a obtenção de energia eléctrica através do vento fosse mais eficaz e economicamente mais rentável. Para isso muito contribuiu a utilização de máquinas de velocidade variável com potências nominais mais elevadas. A máquina eléctrica mais usada neste tipo de produção de energia é a máquina de indução duplamente alimentada. No entanto, a integração de quantidades significativas de energia eólica num SEE tem impacto ao nível da estabilidade do sistema, razão pela qual é exigido o cumprimento do Código de Rede por parte dos parques eólicos [2]. O Código de Rede estabelece algumas condições como, o parque eólico seja capaz de contribuir para o suporte da tensão na rede mediante a injecção de corrente reactiva durante a permanência do defeito, sendo igualmente exigido que contribua para restabelecer o equilíbrio geração/consumo através da injecção imediata de potência activa após a eliminação do defeito. A avaliação da estabilidade transitória de um SEE que integra fontes de energia renovável, em particular energia eólica, é efectuada recorrendo a modelos matemáticos que possibilitam a simulação em regime dinâmico do comportamento do gerador eólico. É então necessário desenvolver modelos de estado que permitam o estudo do comportamento destes geradores numa situação de curto-circuito. No presente trabalho, é desenvolvido um modelo de um gerador eólico equipado com uma máquina assíncrona duplamente alimentada. 2

19 1.3. Objectivos O principal objectivo deste trabalho é estudar o comportamento de um gerador eólico equipado com uma máquina de indução duplamente alimentada e ligado a um SEE a quando a ocorrência de um curto-circuito. Para que se consiga estudar o comportamento é preciso: Modelar adequadamente o gerador eólico, nomeadamente a MIDA e os conversores electrónicos usados na sua ligação à rede; Desenvolver estratégias de controlo que permitam o bom funcionamento do gerador durante a ocorrência de um curto-circuito Estrutura do trabalho Este trabalho encontra-se dividido em 7 capítulos, de modo a proporcionar uma melhor compreensão do mesmo. No presente capítulo (capítulo 1) é realizada a introdução do trabalho efectuado, onde é descrito de uma forma sucinta a motivação e os objectivos deste trabalho. No (capítulo 2), Geração Eólica, são apresentados os principais componentes de um gerador eólico, bem como os diferentes tipos de geradores usados. O (capítulo 3), Modelo de estado da turbina eólica, tem como objectivo o estudo das características mecânicas da turbina eólica, bem como as características da máquina assíncrona duplamente alimentada. No (capítulo 4), Conversores electrónicos, tem uma referência aos conversores electrónico que são usados para controlar da máquina. No (capítulo 5), Modelo de estado em analise, é apresentado o estudo do modelo descrito no capítulo 3. É feita a descrição da rede que se vai estudar, bem como das equações algébricas e diferenciais que caracterizam o gerador e os controladores. É realizado um estudo ao comportamento da rede quando ocorre uma perturbação, é feita uma análise dos resultados de modo a compreender melhor os mesmos. Por fim no (capítulo 6), Conclusão, são apresentadas as considerações finais do trabalho, bem como possíveis soluções de melhoramento. 3

20 2. Geração Eólica A produção de energia através do vento é um sistema complexo que vai desde as pás do rotor à potência de saída do gerador como mostra na Figura 2.1. Figura 2.1: Esquema típico de uma turbina eólica Rotor O rotor é a componente mais importante da turbina pois é onde se encontram as pás que são elementos fundamentais na conversão da energia que está disponível no vento em energia mecânica que permitirá o funcionamento do gerador. A parte da turbina responsável por ligar as pás ao eixo do gerador chama-se cubo. Cabina È na cabina que estão situados a maior parte dos componentes, como a caixa de velocidades, o gerador, o eixo que é responsável pela ligação das pás ao gerador, o travão e os mecanismos de orientação. Em algumas topologias a caixa de velocidades não é utilizada, sendo que nesses casos a velocidade de rotação do gerador é a mesma do rotor. O travão é um elemento de segurança apenas utilizado em situações de emergência para evitar danos graves na estrutura. 4

21 O anemómetro é um medidor da velocidade do vento, é utilizado no controlo da turbina, nomeadamente a entrada e a saída de funcionamento da turbina. Quando a velocidade do vento estiver fora dos limites estipulados, quer seja inferior à velocidade de entrada em funcionamento quer seja superior à velocidade considerada limite, o anemómetro envia um sinal ao mecanismo de controlo que por sua vez trata de travar ou parar a turbina eólica. Existe ainda um sistema de orientação, que recebe do sensor de direção qual a direção das rajadas e posiciona a cabina de modo a que esta fique de frente para o vento conseguindo-se assim a máxima extração da energia proveniente do vento. Torre A torre é o que suporta toda a estrutura, serve também para elevar a cabina a uma cota ma qual a velocidade do vento é maior e com menor perturbação Turbina eólica As turbinas eólicas podem ser caracterizadas segundo a sua capacidade de limitar a produção de potência no caso da velocidade do vento atingir valores superiores à velocidade limite e assim evitar que a turbina sofra danos físicos [2]. O método de controlo mais simples e mais barato é o chamado de stall-passivo. Neste método a turbina tem os ângulos das pás fixas, ou seja as pás do rotor da turbina não giram em torno no seu eixo horizontal. O ângulo das pás do rotor é escolhido para que a turbina entre em perda aerodinâmica para velocidades superiores à velocidade nominal do vento (este valor depende do fabricante). Na Figura 2.2 está representada uma curva Potência - Velocidade do vento para uma turbina do tipo stall-passivo. Ainda é possível se encontrar turbinas eólicas equipadas com este tipo de controlo, principalmente em geradores eólicos de baixa potência, por ser um método mais barato e simples, pois não precisa de nenhum mecanismo para posicionar as pás da turbina. E o facto de ter poucas peças móveis torna a manutenção deste tipo de turbina menos dispendiosa. 5

22 Figura 2.2: Potência em função da velocidade do vento com regulação por stall-passivo Outro modo de controlo da potência baseia-se na variação do ângulo de inclinação das pás. Neste caso as pás do rotor da turbina não estão fixas e existe um mecanismo mecânico que faz girar as pás para um determinado ângulo especificado por um controlador, de modo a limitar a potência produzida pela turbina. Quando a potência gerada atinge o seu valor nominal, o controlador envia um sinal ao mecanismo de controlo e este faz girar as pás do rotor da turbina de modo a diminuir a superfície frontal em relação ao vento e assim manter a potência produzida no seu valor nominal. Para todas as velocidades do vento superior à nominal é escolhido um ângulo para que a potência produzida seja a potência nominal da turbina. Quando a velocidade do vento diminuir e volta a ser menor que a velocidade nominal o mecanismo de controlo volta a rodar as pás de modo a voltarem a aumentar a superfície frontal em relação ao vento. As turbinas equipadas com este tipo de controlo têm vantagens em relação às turbinas equipadas com o controlo do tipo stall-passivo, pois ao permitir a variação do ângulo de inclinação das pás consegue-se ter um arranque assistido, sem ser necessário nenhum motor auxiliar nem utilizar o gerador como motor de arranque. Consegue-se também um maior aproveitamento para velocidades do vento mais baixas, diminuindo o valor do ângulo de inclinação das pás, a força que é preciso para que a turbina comece a girar também é menor o que permite o funcionamento do gerador eólico numa gama de velocidades do vento mais alargada em comparação ao caso anterior. A variação do ângulo permite ainda a travagem da 6

23 turbina sem ser necessário o auxílio do gerador, o que é uma enorme redução de fadiga da estrutura em caso de ventos fortes. Figura 2.3: Potência em função da velocidade do vento com regulação por regulação do ângulo de inclinação das pás Existe ainda outro método de controlo que é baseado na regulação activa com perda aerodinâmica (active-stall control). Este método de controlo é uma mistura dos dois métodos anteriores, neste método de controlo também as pás giram em torno do seu eixo e quando a turbina atinge o seu valor de potência nominal entra em perda aerodinâmica. A diferença deste caso para o caso em que existe variação do ângulo de inclinação das pás da turbina é que quando é atingida a potência nominal, as pás do rotor giram de modo a aumentar a sua superfície frontal em relação ao vento, ao contrário do que acontecia na regulação por variação do ângulo de passo. A Figura 2.4 mostra variação da potência com a velocidade do vento para uma turbina do tipo active-stall. Neste caso o número de vezes que se efetua a mudança do valor do ângulo é menor e consegue-se extrair a máxima potência para qualquer velocidade do vento. Os geradores eólicos equipados com este tipo de turbinas permitem um controlo mais preciso da potência gerada. 7

24 Figura 2.4: Potência em função da velocidade do vento com regulação por perda aerodinâmica activa (active-stall) Devido à possibilidade de se ter um melhor aproveitamento da potência disponível no vento, as turbinas eólicas modernas são equipadas com controlo por regulação do ângulo de inclinação das pás, mas ultimamente tem-se assistido a um aumento da utilização do método stall-activo. O método de stall-passivo ainda é utilizado em turbinas com capacidade mais baixa por motivos económicos Tipos de geradores eólicos Na produção de energia são utilizados diferentes tipos de geradores. Os mais comuns são [2]. Gerador de indução com rotor em gaiola de esquilo sistema de velocidade fixa Gerador de indução com rotor bobinado e resistências rotóricas sistema de velocidade variável Gerador de indução duplamente alimentado sistema de velocidade variável Gerador síncrono de velocidade variável sistema de velocidade variável No início da exploração dos sistemas eólicos para produção de electricidade, os geradores mais utilizados eram os geradores de indução com rotor em gaiola de esquilo, pois são bastantes robustos e apresentam baixos custos operacionais. Presentemente, estes têm vindo a ser substituídos por geradores com maior capacidade de controlo. Devido à crescente importância da produção eólica no sector eléctrico quer nacional, quer internacional, é exigido 8

25 aos geradores eólicos um conjunto de funcionalidades de controlo que não é possível assegurar através dos geradores de indução com rotor em gaiola de esquilo Gerador de indução com rotor em gaiola de esquilo Os sistemas de geração que utilizam um gerador de indução com rotor em gaiola de esquilo caracterizam-se por operarem a uma velocidade praticamente constante, resultado de um acoplamento direto do gerador à rede. Isto significa que qualquer que seja a velocidade do vento, a velocidade de rotação do rotor é fixa e imposta pela frequência da rede. Devido a esse acoplamento, os efeitos no gerador eólico são transferidos de forma directa para a rede eléctrica, e da mesma forma, perturbações na rede eléctrica têm reflexo directo no gerador. Então as variações do vento que se traduzem em oscilações mecânicas e consequentemente em variações da potência elétrica injectada na rede, o que pode vir a afetar os padrões de qualidade da energia eléctrica. Na Figura 2.5 está representado os principais componentes de um aerogerador de velocidade fixa. Figura 2.5: Turbina eólica de velocidade fixa A caixa de velocidades tem como objetivo multiplicar a velocidade angular proveniente da das pás da turbina para uma gama superior para que se faça coincidir com a gama de velocidade óptima do gerador. Este tipo de geradores tem vantagens tais como a elevada robustez, maior simplicidade e menores custos operacionais que os restantes geradores. Apesar disso apresentam algumas características indesejáveis como por exemplo a impossibilidade de controlar as potências activas e reactivas. Outro grande problema deste tipo de geração eólica é o facto de consumirem muita energia reactiva. Este problema pode ser resolvido utilizando um ou mais bancos de condensadores nos terminais do gerador, para compensar parte da potência reactiva solicitada pelo circuito magnético da máquina, visando a continuação em serviço dos aerogeradores equipados com este tipo de gerador eléctrico, durante um defeito na rede. 9

26 Mas esta solução normalmente não é suficiente pois a quando um curto-circuito a tensão aos terminais do gerador baixa muito e na fase de recuperação a seguir ao curto-circuito, o gerador necessita de consumir muita potência reactiva, logo a potência reactiva requerida pelo gerador torna-se quase exclusivamente procedente da rede elétrica. Este consumo de potência reactiva é a principal causa da saída de serviço de aerogeradores equipados com este tipo de gerador após um curto-circuito. Durante um curto-circuito a queda de tensão nos terminais do gerador de indução causa uma enorme redução do binário eletromagnético, originando assim um aumento do módulo do escorregamento do gerador, provocando uma redução da sua eficiência, que se traduz numa perda de potência activa injectada no sistema eléctrico. Como foi dito anteriormente, após a eliminação do curto-circuito, o gerador absorve potência reactiva da rede elétrica de modo a equilibrar os binários elétrico e mecânico retomando assim a sua condição normal. Se a rede elétrica for uma rede forte, grande parte destes aerogeradores conseguem permanecer ligados à rede durante o curto-circuito, pois é possível haver uma rápida recuperação da potência activa entregue à rede pelo aerogerador após a eliminação do curtocircuito. No caso de a rede ser fraca a quantidade de potência reactiva necessária para manter o gerador em funcionamento é muito elevada em relação à disponível na rede e isso pode comprometer a recuperação da tensão caso os geradores permaneçam ligados à rede elétrica. Tendo em conta este problema foi necessário desenvolver técnicas mais avançadas de controlo para garantir a estabilidade do sistema eléctrico Gerador de indução com rotor bobinado e resistências rotóricas Este tipo de conversão de energia eólica está representado na Figura 2.6. Figura 2.6: Turbina eólica com gerador de indução com rotor bobinado e resistências rotóricas Este tipo de aerogeradores foram os primeiros com a capacidade de funcionarem a velocidade variável, com o objetivo de minimizar a carga no aerogerador durante ventos fortes. Este tipo de gerador permite obter um escorregamento variável em função das condições de 10

27 operação. O escorregamento variável é bastante simples, fiável e é uma forma eficaz de conseguir reduções de carga no aerogerador quando comparado com topologias mais complexas. O gerador de indução com rotor bobinado e resistências rotóricas, tem como está representado na Figura 2.6 uma resistência externa ligada aos enrolamentos do rotor. O escorregamento é alterado modificando a resistência do rotor por meio de um conversor implementado no eixo do rotor. Este tipo de gerador necessita também de um sistema de suavização no arranque para limitar a sua corrente bem como baterias de condensadores para compensar o factor de potência. A vantagem em relação ao caso anterior é que se consegue obter uma variação na velocidade de funcionamento. Este tipo de conversor tem como desvantagens o facto de a variação da velocidade de funcionamento ser reduzida, dissipar potência nas resistências e o facto de não conseguir evitar que as variações bruscas na velocidade do vento afectem a potência injectada na rede Gerador de indução duplamente alimentado O gerador de indução duplamente alimentado é um gerador de indução que tem o rotor bobinado e que está ligado directamente à rede eléctrica através do estator e indirectamente (através de conversores electrónicos) pelo rotor, como mostra a Figura 2.7. Figura 2.7: Turbina eólica com gerador de indução duplamente alimentado Estes tipos de geradores têm como principal vantagem a capacidade em funcionar em velocidade variável, devido ao estator estar sujeito à tensão da rede e sobre o rotor estar ser aplicada uma tensão sintetizada por um conversor de potência. O conversor compensa a diferença entre a frequência do rotor e a frequência da rede eléctrica, injectando uma corrente no rotor com frequência variável. O conversor de potência é constituído por dois conversores CA/CC e CC/CA, controlados independentemente um do outro. O objectivo do conversor do lado do rotor é controlar as potências activas e reactivas, controlo esse que se faz através do controlo das componentes 11

28 da corrente do rotor, enquanto o conversor do lado da rede controla a tensão no barramento CC e assegura o funcionamento com um factor de potência unitário ou então capacitivo. O conversor do lado do rotor funciona com diferentes frequências de acordo com a velocidade do aerogerador. O controlo do gerador é feito essencialmente pelo conversor do lado do rotor, que injecta tensões e correntes controladas no rotor do gerador a partir de estratégias de controlos pré-definidas. Os dispositivos mais usados actualmente nos conversores electrónicos de potência em turbinas eólicas são os IGBT s (Insulated Gate Bipolar Transístor), estes dispositivos electrónicos permitem que a troca de potência activa entre o gerador e a rede seja bidireccional. No regime de funcionamento supersíncrono (velocidade angular do aerogerador superior à velocidade de sincronismos) a potência activa é entregue a rede quer pelo rotor quer pelo estator. No regime de funcionamento subsíncrono (velocidade angular do aerogerador inferior à velocidade de sincronismo) o aerogerador pode receber potência activa da rede através do rotor e entregar potência activa à rede através do estator, sendo que a potência entregue pelo estator é sempre superior à absorvida pelo rotor. Nos últimos anos com o avanço da electrónica de potência esta topologia tornou-se bastante vantajosa e eficiente, sendo por isso a mais utilizada em aerogeradores de maior potência Gerador síncrono de velocidade variável No caso de se usar um gerador síncrono para converter a energia mecânica da turbina para energia eléctrica existe duas possibilidades, gerador síncrono de excitação independente e o gerador síncrono de ímanes permanentes. Em ambos os casos o gerador está ligado à rede através de um conversor electrónico, estes sistemas são conhecidos por sistemas de conversão integral. Esta topologia assegura o desacoplamento total entre a frequência da rede e a frequência do gerador, permitindo assim alargar a gama da variação de velocidade de operação do sistema a velocidades do vento reduzidas. Figura 2.8: Turbina eólica com gerador síncrono O gerador síncrono de excitação independente obtém a sua excitação através da ligação de corrente contínua existente no conversor que liga o gerador à rede eléctrica. Esta máquina 12

29 tem a vantagem de fornecer uma resposta mais estável diante das variações da velocidade do vento. Relativamente ao gerador síncrono de ímanes permanentes, este é bastante eficaz devido à sua auto-excitação, o que lhe permite um funcionamento com alto factor de potência e alta eficiência. Como possui ímanes permanentes, este gerador tem a vantagem de não necessitar de anéis de deslizamento ou escovas para a excitação do seu rotor. Tanto num caso como no outro os geradores estão ligados à rede por um conversor CA/CC/CA. Alguns aerogeradores deste tipo não apresentam caixa de velocidades, estando o rotor ligado directamente ao gerador. Como a velocidade de rotação da turbina varia entre 17 rpm e 36 rpm, estas máquinas apresentam de um elevado número de pares de pólos, em alguns casos, estes geradores são equipados com 32 pares de pólos. Este tipo de aerogeradores tem como grandes desvantagens, o custo mais elevado da máquina síncrona em relação à de indução, a dificuldade em operar sobre o gerador durante a produção de energia e no caso do gerador síncrono de ímanes permanente existe a possibilidade da desmagnetização os ímanes a altas temperaturas. Contudo, as suas vantagens são bastantes mais significativas que as desvantagens. E nos últimos anos o uso de geradores síncronos de ímanes permanentes tem vindo a aumentar devido ao melhoramento da sua performance. Os sistemas de velocidade variável são projetados para alcançar a máxima eficiência aerodinâmica numa ampla faixa de velocidades. A possibilidade de operação em velocidade variável permite o funcionamento do sistema de forma satisfatória em pontos próximos do valor óptimo do Tip Speed Ratio para cada velocidade de vento. Além disso a utilização de conversores electrónicos equipados com IGBT s permite, adicionalmente o controlo simultâneo dos fluxos das potências activa e reactiva. Dessa maneira a relação de velocidade do Tip Speed Ratio é mantida num valor constante pré-definido, de maneira a alcançar uma velocidade tal que leve a um ponto de operação de máximo coeficiente de potência. 13

30 3. Modelo de estado da turbina eólica O gerador eólico tem como principal função transformar a energia cinética proveniente do vento em energia elétrica. A turbina eólica como parte mecânica tem como objetivo fornecer a potência mecânica ao gerador eléctrico e a função deste é gerar potência eléctrica. O modelo de uma turbina eólica envolve conceitos mecânicos e aerodinâmicos. A energia do vento está associada ao deslocamento de uma massa de ar de velocidade (V ) e com uma massa específica de ρ = 1,225 Kg/m. Para determinar com exactidão essa energia é necessário conhecer os dados relacionados com perdas por atrito, rajadas e turbulência de vento, o comportamento da massa de ar no dorso e na borda do perfil das pás [2], [3]. Mas esse cálculo exige um esforço numérico elevado e para o caso do estudo do comportamento dinâmico da turbina eólica não trás grandes vantagens e ainda há que ter em conta a imprevisibilidade do vento o que torna quase impossível ter um conhecimento exacto das suas características. Para contornar esse problema, utiliza-se uma forma simplificada que conduz a resultados satisfatórios Modelização da turbina eólica A energia cinética da massa de ar tem uma dependência cúbica em relação à velocidade do vento que é dada pela equação E = 1 2 ρav t (3.1) Onde: A é a área atravessada pela massa de ar V é a velocidade do vento ρ é a massa especifica do ar t é o intervalo de tempo Então a potência disponível no vento é: P = E t = 1 2 ρav (3.2) No entanto nem toda a potência é transformada em energia mecânica pelas pás da turbina, pois a massa de ar depois de atravessar o plano das pás sai com uma velocidade diferente de 14

31 zero. Para calcular essa parte da potência que é aproveitada é necessário introduzir um factor que é chamado coeficiente de potência (C ) que representa a fracção de potência que é efectivamente extraída pelas pás do rotor da turbina. C expressa portanto o rendimento aerodinâmico da turbina. O C tem um valor máximo que é conhecido como valor de Betz, devido ao físico alemão Albert Betz, que chegou a conclusão que uma turbina eólica tem o seu valor máximo quando o vento ao deixar as pás do rotor, tem um terço da velocidade que tinha antes. Nesse caso C = = 0.59, ou seja 59%. Na prática as turbinas eólicas têm um rendimento aerodinâmico na ordem de 40%. O coeficiente de potência pode ser calculado como o quociente entre a potência mecânica P e a potência disponível no vento P. P C = P = P 1 2 ρav (3.3) Então a potência mecânica que é transmitida da turbina para o gerador eléctrico é calculada pela seguinte equação P = 1 2 ρac V (3.4) Outro coeficiente que é utilizado na modelização de uma turbina eólica é a razão entre a velocidade na ponta da pá e a velocidade do vento (tip speed ratio). λ = V á V = ω R V (3.5) Os tipos de controlo descritos na secção 2.1, são modelados tendo em conta a curva de C (λ, β). Portanto para cada valor de β é definida uma curva C (λ). A expressão usada para calcular C (λ, β) é [14]: C (λ, β) = c c c λ β c β c e (3.6) Onde: 1 λ = 1 λ c β c β + 1 (3.7) Os valores dos coeficientes c c estão representados na tabela. Estes valores variam dos sistemas de velocidade fixa para os sistemas de velocidade variável [4]. 15

32 Tipo de Turbina Velocidade constante Velocidade variável Tabela 3.1: Valores do coeficiente c 1 c 9 c c c c c c c c c C (λ). Com estes valores dos coeficientes, e fixando vários valores de β, obtêm-se as curvas Figura 3.1: Curvas C p para β=0º, 6º, 12º, 18º e 24º Pela visualização da Figura 3.1 verifica-se que quanto maior for o valor de β menor é o valor de C, logo segundo a equação (3.4) menor é a potência mecânica que é transmitida pela turbina ao gerador. O binário mecânico que é usado na equação do movimento do grupo turbina/gerador é dado pela expressão: T = P = 1 ω 2 ρ C (λ, β) πr λ V (3.8) A expressão (3.8) representa o movimento da turbina que por sua vez representa o modelo aerodinâmico do rotor, o ângulo de inclinação das pás e o sistema de eixos. 16

33 O sistema de eixos que faz a ligação entre a turbina e o gerador visível na Figura 2.7 é representado pelo chamado modelo de uma massa [3]. Este modelo de uma massa corresponde a assumir que o sistema de eixos é rígido e que as partes rotativas estão agrupadas, segundo [3] isso corresponde a adicionar a constante de inercia da turbina, H com a constante de inercia do gerador, H. Outra simplificação que foi feita, foi considerar que a caixa de velocidades é ideal, ou seja, é vista como um coeficiente de relação entre a velocidade da turbina e a velocidade do gerador e despreza-se qualquer parte mecânica existente, como se verifica em (3.9). ω = p 2 Kω (3.9) Em que K é o rácio de conversão da caixa de velocidades e p são os pares de polos do gerador elétrico Controlo da turbina eólica O controlo do ângulo de inclinação das pás de uma turbina eólica tem como os principais objetivos a optimização da potência produzida, ou seja, que a turbina/gerador eólico consiga produzir a maior quantidade de potência possível para uma determinada velocidade de vento, outro propósito do controlo do ângulo de inclinação das pás é prevenir que a potência mecânica exceda o seu valor máximo, funcionando neste caso para proteger a estrutura contra as elevadas cargas mecânicas provocadas por ventos fortes. Analisando as equações (3.6) e (3.7) verifica-se que sempre que o valor do ângulo β aumenta o valor do coeficiente de potência C diminui o que segundo (3.4), faz com que a potência gerada para a mesma velocidade de vento seja menor. O aumento de β provoca uma diminuição do ângulo de ataque, α, como se pode ver na Figura 3.2. Com a diminuição do ângulo α, a força de sustentação também diminui, e é por isso que existe uma diminuição da potência gerada quando o valor de β aumenta. Figura 3.2: Perfil de uma pá da turbina eólica 17

34 O sistema de controlo do ângulo de inclinação das pás é um sistema mecânico, ou seja, este sistema têm dinâmica, isto significa que quando se pretende alterar o valor de β, este não muda instantaneamente, as pás do rotor da turbina demoram cerca de 4 segundos até atingirem a posição desejada. Um esquema de controlo genérico para o ângulo de inclinação das pás é ilustrado na Figura 3.3. Figura 3.3: Diagrama de controlo do ângulo de inclinação das pás da turbina No esquema da Figura 3.3, a velocidade angular do gerador eólico é comparada com a velocidade de referência que depende directamente da velocidade do vento. Essa diferença passa por um controlador do tipo proporcional integral que calcular o ângulo de referência. O ângulo actual é obtido através de um integrador e um bloco que representa o atraso do sistema mecânico que posiciona as pás do rotor da turbina no ângulo desejado. Este modo de funcionamento é denominado o modo de operação normal, em que o ângulo β só é alterado quando a velocidade do vento se torna muito elevada. Porem existe outro modo de funcionamento, que tem como objectivo reduzir a potência produzida, este modo de funcionamento só é utilizado quando existe uma ordem exterior para uma redução de potência produzida [3]. Neste caso o modo de operação normal é desligado, ou seja, não existe o cálculo do valor de referência do ângulo β como no caso anterior, o valor de β é definido de modo a que se obtenha a potência desejada. Em caso de ser necessário parar a turbina eólica ( safety stop ) o modo de operação normal é igualmente desligado e o valor de β é alterado para o seu valor máximo, para que o ângulo de ataque, α, seja zero graus e assim as pás de turbina deixem de girar. Do diagrama presente na Figura 3.3 tira-se as equações diferenciais do movimento do ângulo de passo das pás da turbina. dx dt = K ω ω (3.10) Na equação (3.10) considera-se que: x = β K ω ω (3.11) 18

35 A variável β resulta da passagem da diferença entre o valor do ângulo de inclinação das pás e do ângulo de referência. dβ dt = K T β K T β K T β (3.12) Por sua vez o valor do ângulo de inclinação das pás obtém-se através da integração da variável β. dβ dt = β (3.13) Com este tipo de controlador considera-se que o valor óptimo de β é zero como se pode verificar pelas equações (3.4) e (3.6) é com esse valor β que se consegue extrair a máxima potência. Portanto usou-se a seguinte simplificação para ventos com velocidade inferior à velocidade nominal β fica sempre igual a zero e para ventos com velocidades superiores à velocidade nominal β vai aumentado gradualmente com o aumento da velocidade do vento. Para mostrar o funcionamento do sistema de controlo de inclinação do ângulo das pás da turbina eólica provocou-se o aumento em escalão do valor de referência do ângulo β de zero graus para 20 graus, em t = 0. Figura 3.4: Aumento em escalão do valor de β ref 19

36 Figura 3.5: Ângulo de inclinação das pás ta turbina eólica Como se previa da análise do diagrama de blocos da Figura 3.3, o posicionamento do ângulo de inclinação das pás do rotor não é instantânea, levando cerca de 4 segundos até as pás ficarem na posição pretendida. É de notar ainda que o gráfico da Figura 3.5 não apresenta grandes oscilações, isto deve-se à existência do bloco integrador antes da saída que faz com que qualquer oscilação que possa existir seja atenuada. Como é referido na secção 3.1 o aumento do ângulo de inclinação das pás faz com que a força sustentação diminua e isso leva a um abrandamento da velocidade de rotação da turbina. Por outras palavras o aumento do ângulo β provoca uma diminuição da potência que se extrai do vento, portanto para uma determinada velocidade do vento a potência mecânica que se consegue extrair do vento é tanto menor quanto maior é o valor de β. Isso está demonstrado nas Figura 3.6, 3.7 e 3.8. Devido ao aumento de β o valor do coeficiente de potência diminui como e consequentemente a potência mecânica transmitida pela turbina eólica ao gerador eléctrico também diminuem. Como foi referido anteriormente, este sistema de controlo da inclinação do ângulo dás pás da turbina pode ser usado para limitar a potência gerada pelo aerogerador. Apesar de ser um método eficaz de limitar a potência não é muito usado pois o uso das pás como travão da velocidade de rotação faz com que exista um aumento muito acentuado da carga mecânica sobre a estrutura que pode limitar o tempo de utilização da mesma. É para evitar esse aumento de carga provocada pelo vento que a limitação de potência através da variação do ângulo β só é usada no caso de se verificar velocidades de vento muito elevadas que poderiam por em risco a estrutura do gerador eólico. 20

37 Figura 3.6: Coeficiente de potência Figura 3.7: Potência mecânica extraída pela turbina eólica 21

38 Figura 3.8: Potência elétrica gerado pela MIDA 22

39 3.3. Modelo dinâmico de um gerador assíncrono duplamente alimentado As equações que descrevem o comportamento dinâmico de um gerador assíncrono duplamente alimentado são idênticas às equações de um gerador assíncrono com o rotor em gaiola de esquilo, mas com a diferença que no gerador assíncrono duplamente alimentado a tensão do rotor não é nula, pois o rotor não está curto-circuitado, mas sim bobinado de modo a se conseguir ter acesso aos enrolamentos do rotor e consequentemente controlar as correntes rotóricas. Para a modelagem do gerador utilizou-se a transformação de Park, ou seja, o referencial utilizado é o referencial DQ. V = R I dθ dt ψ + dψ dt V = R I + dθ dt ψ + dψ dt V = R I dθ dt ψ + dψ dt (3.14) V = R I + dθ dt ψ + dψ dt T = ψ I ψ I Em que: ψ = (L + L )i + L i ψ = (L + L )i + L i ψ = (L + L )i + L i ψ = (L + L )i + L i (3.15) dθ dt = ω dθ dt = ω ω As siglas d e q são referentes às coordenadas do eixo direto e do eixo em quadratura respetivamente. As siglas s e r diferenciam as grandezas como sendo pertencentes ao estator ou ao rotor do gerador de indução. Como o estator da MIDA está ligado directamente à rede eléctrica, a sua frequência é igual à frequência da rede eléctrica. 23

40 Quando se pretende estudar o regime transitório da MIDA, uma aproximação que é usualmente feita é considerar que o fluxo do estator é constante, ou seja, = 0 e Esta aproximação deve-se ao facto de o transitório das variáveis do rotor ser mais lento que o transitório das variáveis do estator. Por isso despreza-se o transitório do estator [7],[8]. = 0. V = R i + X i + E (3.16) V = R i X i + E (3.17) As equações diferenciais do rotor são: de dt de dt = 1 T E + (X X )i sω E + ω L (L L ) V (3.18) = 1 T E + (X X )i sω E + ω L (L + L ) V (3.19) Por sua vez a f.e.m. transitória é calculado através do fluxo do rotor. E = ω L L ψ (3.20) E = ω L L ψ (3.21) Assumindo que L = L + L e L = L + L Para finalizar a descrição do modelo transitório da MIDA falta obter a expressão que permita calcular a nova reactância do estator, a reactância transitória e a constante de tempo em circuito aberto. X = ω (L + L ) = X + X (3.22) X = ω L + L = X L + L + X X (3.23) X + X L T = L R (3.24) 24

41 3.4. Característica mecânica A velocidade de rotação do gerador resulta da diferença entre o binário eléctrico produzido pelo gerador e o binário mecânico transmitido pela turbina eólica. A variação da velocidade de rotação do gerador é dada pela equação de Newton do movimento de rotação. Desprezando a dinâmica da parte mecânica da turbina, ou seja, não tendo em conta a torção do eixo, usa-se o modelo de massa única, a equação de balanço é a equação (3.26). J dω dt = T T (3.25) Como se pode verificar sempre que o binário mecânico entregue ao gerador pela turbina for maior que o binário eléctrico que o gerador consegue produzir, a velocidade do conjunto turbina/gerador aumenta e sempre que o binário eléctrico for superior ao binário mecânico a velocidade do conjunto turbina/gerador diminui. O momento de inércia pode ser calculado segundo a equação (3.26) [3]. J = 1 2 MR (3.26) Esta equação só é valida se consideramos que o peso do rotor da turbina se encontra uniformemente distribuído pelas pás. A equação (3.25) também é usualmente escrita em função da constante de inércia H, que é dada pela razão entre a energia cinética armazenada à velocidade de sincronismo e potência nominal da máquina [6]. H = W S (3.27) O valor da constante de inércia é o valor da junção das duas constantes de inércia, a do gerador e a da turbina. A energia cinética armazenada numa turbina é: W = 1 2 Jω (3.28) Substituindo a equação (3.27) na equação (3.26) tem-se a relação entre a constante de inércia e o momento de inércia. J = 2H ω S (3.29) 25

42 A equação (3.25) pode ser escrita em função das potências eléctricas e mecânicas em vez dos binários multiplicando ambos os lados da equação por ω obtêm-se: ω J dω dt = P P (3.30) Isto porque P = T ω e P = T ω. Utilizando a equação (3.29) podemos reescrever a equação (3.25): 2H ω ω S dω dt = P P (3.31) Se dividirmos tudo por S ficamos com a equação (3.31) em pu. ω 2H ω dω dt = P P (3.32) forma. A equação (3.32) é conhecida pela equação do movimento do gerador elétrico. Considerando o amortecimento devido ao atrito, a equação (3.32) reescreve-se da seguinte ω 2H ω dω dt = P P P (3.33) Onde a potência de atrito é dado por [6]: P = Dω (3.34) Atrito esse que não será utilizado para o programa de simulação pois, trás um acréscimo de complexidade ao sistema a simular e a sua inclusão praticamente não afecta os resultados finais. Se na equação (3.34) passarmos a velocidade ω para o lado direito da equação e se considerarmos que as variáveis estão em valores p.u., então (3.34) passa a ser escrita da seguinte forma. 2H dω dt = T T (3.35) O conjunto formado pelas equações diferencias (3.18), (3.19) e pela equação (3.35) fazem o modelo transitório da MIDA. Como está referido na secção 3.1, usa-se o modelo de uma massa para representar o movimento da turbina e do gerador, ou seja, considera-se que a turbina e o gerador estão agrupados e ligados diretamente através e um eixo rígido como se fossem um só elemento. 26

43 Isso significa que H = H + H, mas como H > H então pode-se desprezar H ficando a equação do movimento como está escrito em (3.35). Ao se considerar este modelo está-se a desprezar a influência da torsão dos eixos no funcionamento do gerador elétrico. A torção do eixo pode-se fazer sentir na velocidade do gerador, mas não afecta a tensão aos terminais do gerador [3], por isso pode-se usar o modelo de uma massa sem prejuízo no resultado final da simulação. 27

44 4. Conversores electrónicos Como foi descrito na secção e está mostrado na Figura 2.7, o gerador eólico é equipado com um gerador assíncrono duplamente alimentado que tem o estator ligado directamente à rede eléctrica e o rotor ligado à rede por intermédio de um conversor CA/CC/CA. Neste tipo conversor electrónico os dispositivos comutáveis normalmente utilizados são transístores IGBT s como mostra a Figura 4.1. Figura 4.1: Conversor eletrónico de potência CA/CC/CA Deu-se preferência à utilização de IGBT s, pois estes dispositivos permitem o fluxo bidireccional da potência, praticamente não injectam harmónicas de ordem inferior na rede eléctrica e permitem a regulação do factor de potência de saída. Estes dispositivos funcionam com frequências muito elevadas em comparação com os sistemas eléctricos que funciona com uma frequência de 50Hz o que faz com que estes dispositivos tenham uma resposta praticamente instantânea. Assim sendo para este estudo assume-se que os conversores são ideias e que a ligação CC é constante. O controlo destes conversores electrónicos de potência é realizado através da variação das componentes d e q da corrente do rotor do gerador assíncrono. Devido à existência do desacoplamento das componentes d e q da corrente do rotor os controlos das potências activas e reactivas são realizados de forma independente um do outro. A corrente I controla a velocidade do rotor, ou seja, controla a potência activa à saída do gerador e a corrente I controla a tensão aos terminais do gerador, ou seja, controla a potência reactiva injectada na rede pelo gerador. O controlo da máquina tem como base o controlo por orientação do campo magnético, conseguindo com isso um desacoplamento entre a potência activa e a potência reactiva. Se o 28

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção AS DIFERENTES TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Nesta secção apresentam-se as diferentes tecnologias usadas nos sistemas eólicos, nomeadamente, na exploração

Leia mais

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA INTRODUÇÃO Nesta exposição apresentam-se as equações e os conhecimentos necessários para a resolução dos exercícios.

Leia mais

EQUIPAMENTO ELÉCTRICO DOS GERADORES EÓLICOS

EQUIPAMENTO ELÉCTRICO DOS GERADORES EÓLICOS UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO DEEC / Secção de Energia Energias Renováveis e Produção Descentralizada EQUIPAMENTO ELÉCTRICO DOS GERADORES EÓLICOS 1ª Parte Princípio de funcionamento

Leia mais

EXERCÍCIOS CORRIGIDOS

EXERCÍCIOS CORRIGIDOS Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção EXERCÍCIOS CORRIGIDOS INTRODUÇÃO Vamos testar os conhecimentos adquiridos; para o efeito, propõem-se seis exercícios de diferentes dificuldades:

Leia mais

Potência Instalada (GW)

Potência Instalada (GW) Modelagem e simulação de um aerogerador a velocidade constante Marcelo Henrique Granza (UTFPR) Email: marcelo.granza@hotmail.com Bruno Sanways dos Santos (UTFPR) Email: sir_yoshi7@hotmail.com Eduardo Miara

Leia mais

Palavras-chave: turbina eólica, gerador eólico, energia sustentável.

Palavras-chave: turbina eólica, gerador eólico, energia sustentável. Implementação do modelo de uma turbina eólica baseado no controle de torque do motor cc utilizando ambiente matlab/simulink via arduino Vítor Trannin Vinholi Moreira (UTFPR) E-mail: vitor_tvm@hotmail.com

Leia mais

Máquinas Eléctricas I

Máquinas Eléctricas I I Máquinas Síncronas Luis Pestana Resumo Máquinas Síncronas Generalidades Principio de funcionamento Aspectos construtivos O gerador síncrono em carga com cargas isoladas Curvas de regulação ligado a um

Leia mais

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS 2.1 INTRODUÇÃO O objetivo do presente trabalho é estudar o funcionamento em regime permanente e em regime dinâmico da Máquina Assíncrona Trifásica

Leia mais

Sistemas de Geração Eólica

Sistemas de Geração Eólica Cronograma Aula 1. Panorâma de geração eólica 22/11 Sistemas de Geração Eólica Aula 2. Operação de sistemas de geração eólica 29/11 Prof. Romeu Reginato Outubro de 2010 1 Aula 3. Tecnologias de geração

Leia mais

Compensação. de Factor de Potência

Compensação. de Factor de Potência Compensação de Factor de Potência oje em dia, praticamente todas as instalações eléctricas têm associadas aparelhos indutivos, nomeadamente, motores e transformadores. Este equipamentos necessitam de energia

Leia mais

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS Autores : Marina PADILHA, Tiago DEQUIGIOVANI. Identificação autores: Engenharia de Controle e Automação - Bolsista Interno; Orientador IFC - Campus

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL Nº 3

TRABALHO LABORATORIAL Nº 3 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M422 - SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS TRABALHO LABORATORIAL Nº 3 ENSAIO DE UMA MÁQUINA ASSÍNCRONA TRIFÁSICA

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM Como funciona um aerogerador Componentes de um aerogerador Gôndola:contém os componentes chaves do aerogerador. Pás do rotor:captura o vento e transmite sua potência até o cubo que está acoplado ao eixo

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL Nº 4

TRABALHO LABORATORIAL Nº 4 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M422 - SISTEMAS E INSTRALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS TRABALHO LABORATORIAL Nº 4 ENSAIO DA MÁQUINA SÍNCRONA Por: Prof. José

Leia mais

5 Controle de Tensão em Redes Elétricas

5 Controle de Tensão em Redes Elétricas 5 Controle de Tensão em Redes Elétricas 5.1 Introdução O objetivo principal de um sistema elétrico de potência é transmitir potência dos geradores para as cargas e esta responsabilidade é dos agentes que

Leia mais

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Motor de Indução Geração do campo girante do estator Revisão Motor de Indução Velocidade de rotação do campo girante do estator

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos 1 Classificação 2 3 Estator O estator do motor e também constituido por um núcleo ferromagnético laminado, nas cavas do qual são colocados os enrolamentos alimentados

Leia mais

Energia Eólica. História

Energia Eólica. História Energia Eólica História Com o avanço da agricultura, o homem necessitava cada vez mais de ferramentas que o auxiliassem nas diversas etapas do trabalho. Isso levou ao desenvolvimento de uma forma primitiva

Leia mais

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Motores CA Os motores CA são classificados em: -> Motores Síncronos; -> Motores Assíncronos (Motor de Indução) O motor de indução é o motor CA mais usado, por causa de sua

Leia mais

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Nesta secção, estuda-se o comportamento ideal de alguns dos dipolos que mais frequentemente se podem encontrar nos circuitos

Leia mais

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos motores elétricos de corrente contínua, o papel do comutador, as características e relações

Leia mais

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos Possuem velocidade fixa e são utilizados para grandes cargas, (em função do seu alto custo que faz com que ele não seja viável para aparelhos menores)

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Electrotécnica e de Computadores 3. Ciclo

Leia mais

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Aplicações dos Geradores CC Atualmente com o uso de inversores de frequência e transformadores, tornou-se fácil a manipulação da Corrente Alternada. Como os geradores

Leia mais

Auto - Transformador Monofásico

Auto - Transformador Monofásico Auto - Transformador Monofásico Transformação de Tensão Transformação de tensão para várias tensões de entrada: U 2, U 3, U 23 = f (U 1 ) 1.1. - Generalidades A função do transformador é transformar a

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Monofásico 1.1 Introdução 1.1.1 Motores

Leia mais

Motores eléctricos em sistemas de controlo

Motores eléctricos em sistemas de controlo Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Electrotécnica Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores SISEL - Sistemas Electromecânicos Exercícios de 26 1. Considere

Leia mais

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS 1. Um dinamo octopolar de 600 r.p.m. com enrolamento em série de 300 condutores activos tem um fluxo por pólo de 5x10 6 Maxwell. Calcule a força electromotriz produzida.

Leia mais

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto TEMA: Distribuição eléctrica na FEUP PROBLEMA: Como é feita a distribuição de energia eléctrica na FEUP ALUNOS: Ana Barros, João Carvalho, Maria Ribeiro,

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 1 Componente Curricular: Práticas de Acionamentos Eletrônicos PAE 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 OBJETIVO: 1) Efetuar a programação por meio de comandos de parametrização para

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Florianópolis, agosto de 2000 Capítulo 1 Introdução 1.1 Controle de Freqüência e Tensão na Operação

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM Geradores de turbinas eólicas O aerogerador converte a energia mecânica em energia elétrica. Os aerogeradores são não usuais, se comparados com outros equipamentos geradores conectados a rede elétrica.

Leia mais

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua Experiência IV Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua 1. Introdução A máquina de corrente contínua de fabricação ANEL que será usada nesta experiência é a mostrada

Leia mais

Controlo Inercial em Geradores Eólicos Equipados com Máquina Síncrona de Velocidade Variável

Controlo Inercial em Geradores Eólicos Equipados com Máquina Síncrona de Velocidade Variável Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Controlo Inercial em Geradores Eólicos Equipados com Máquina Síncrona de Velocidade Variável Miguel Fernando Martins Costa Gomes VERSÃO FINAL Dissertação

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

Eletromecânicos de Manutenção Industrial

Eletromecânicos de Manutenção Industrial Eletromecânicos de Manutenção Industrial Motor de passo a passo 2013/ 2014 1 Motores passo a passo Os motores de passo são dispositivos eletromecânicos que convertem pulsos elétricos em movimentos mecânicos

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS PERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS PERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ART458-07 - CD - 6-07 - ÁG.: 1 ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS ERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS João Roberto Cogo*, Ângelo Stano Júnior* Evandro Santos onzetto** Artigo publicado na

Leia mais

Acionamento de Motores CA

Acionamento de Motores CA Fundação Universidade Federal ACIONAMENTOS de Mato Grosso do CA Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Acionamento de Motores CA Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto Universidade Federal

Leia mais

Software comercial para planeamento da distribuição

Software comercial para planeamento da distribuição Software comercial para planeamento da distribuição Existe uma grande variedade de software comercial para planeamento e análise de sistemas eléctricos de distribuição (ver tabela). Muitas das empresas

Leia mais

VANTAGENS DAS CORREIAS TRAPEZOIDAIS DENTADAS SOBRE AS CLÁSSICAS LISAS

VANTAGENS DAS CORREIAS TRAPEZOIDAIS DENTADAS SOBRE AS CLÁSSICAS LISAS VANTAGENS DAS CORREIAS TRAPEZOIDAIS DENTADAS SOBRE AS CLÁSSICAS LISAS 1. Introdução... 1 2. Estudo... 3 2.1 Condições do estudo... 3 2.2 Consumo de energia... 3 2.3 Estudo de degradação da tensão com o

Leia mais

PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO. Máquinas de corrente contínua

PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO. Máquinas de corrente contínua PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO de corrente contínua GERADOR ELEMENTAR GERADOR ELEMENTAR Regra da Mão Direita e = Blv F = Bli Bornes das de Corrente Contínua Nomenclatura a utilizar nos enrolamentos de máquinas

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 MOTORES ELÉTRICOS Aula 1 Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 CONTEÚDO INTRODUÇÃO; 1.1 TIPOS DE MOTORES; 1.2 FATORES DE SELEÇÃO; 1.3 MOTORES DE INDUÇÃO; 1.4 MOTORES

Leia mais

O que são controladores elétricos? Dispositivo Electronico que melhora a passagem de corrente electrica no circuito Home ou Empresarial.

O que são controladores elétricos? Dispositivo Electronico que melhora a passagem de corrente electrica no circuito Home ou Empresarial. O que são controladores elétricos? Dispositivo Electronico que melhora a passagem de corrente electrica no circuito Home ou Empresarial. Ligue o controlador Power Saver na primeira tomada mais próxima

Leia mais

CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA

CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA Departamento de Física da Faculdade de iências da Universidade de Lisboa Electromagnetismo 2007/08 IRUITOS DE ORRENTE ONTÍNU 1. Objectivo Verificar as leis fundamentais de conservação da energia e da carga

Leia mais

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores Um gerador é qualquer máquina que transforma energia mecânica em elétrica por meio da indução magnética. Um gerador de corrente

Leia mais

LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA

LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA LIVRETO EXPLICATIVO LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA DEZEMBRO/2009 ELABORADO POR: CLÁUDIO F. DE ALBUQUERQUE ENG ELETRICISTA EDITADO POR: NELSON FUCHIKAMI LOPES ENG ELETRICISTA Índice 1 O que

Leia mais

Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos

Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101 - Aula 7 p.1/47

Leia mais

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO 3.1 Introdução. 3.1.1 Estator e Rotor. As máquinas elétricas girantes normalmente são constituídas por duas partes básicas: o estator e o rotor.

Leia mais

Introdução à Máquina Síncrona

Introdução à Máquina Síncrona Apostila 2 Disciplina de Conversão de Energia B 1. Introdução Introdução à Máquina Síncrona Esta apostila descreve resumidamente as principais características construtivas e tecnológicas das máquinas síncronas.

Leia mais

Introdução à Eletrônica de Potência

Introdução à Eletrônica de Potência Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Eletrônica de Potência Introdução à Eletrônica de Potência Florianópolis, setembro de 2012. Prof.

Leia mais

GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS

GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS Motor Elétrico: É um tipo de máquina elétrica que converte energia elétrica em energia mecânica quando um grupo de bobinas que conduz corrente é obrigado a girar por um campo

Leia mais

Estudos Pré-Operacionais do Controle de Corrente para Geradores Eólicos

Estudos Pré-Operacionais do Controle de Corrente para Geradores Eólicos Estudos Pré-Operacionais do Controle de Corrente para Geradores Eólicos Camila M. V. Barros 1, Luciano S. Barros 2, Aislânia A. Araújo 1, Iguatemi E. Fonseca 2 1 Mestrado em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA)

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) 1. Introdução 1.1 Inversor de Frequência A necessidade de aumento de produção e diminuição de custos faz surgir uma grande infinidade de equipamentos desenvolvidos

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 3: Gerador síncrono Exercícios 3.1 Dois geradores síncronos estão montados no mesmo eixo e devem fornecer tensões em 60 Hz e 50 Hz, respectivamente. Determinar

Leia mais

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Autor: Pedro Machado de Almeida O aproveitamento da energia gerada pelo sol, considerada inesgotável na escala de

Leia mais

Conjunto de motor de relutância síncrono de potência aumentada e conversor de frequência Custo de propriedade otimizado para aplicações de bombagem e

Conjunto de motor de relutância síncrono de potência aumentada e conversor de frequência Custo de propriedade otimizado para aplicações de bombagem e Conjunto de de relutância síncrono de potência aumentada e conversor de frequência Custo de propriedade otimizado para aplicações de bombagem e ventilação Po Novo conjunto de de relutância síncrono e conversor

Leia mais

Produção e Transporte de Energia 2. Produção e Transporte de Energia 2 - Definição de Condições de Ligação à Rede. J. A.

Produção e Transporte de Energia 2. Produção e Transporte de Energia 2 - Definição de Condições de Ligação à Rede. J. A. - Definição de Condições de Ligação à Rede J. A. Peças Lopes Introdução Grande Aumento da Produção Distribuída (PRE): A ligar fundamentalmente nas redes de distribuição e subtransmissão (MT e AT); Aparecimento

Leia mais

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof.

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof. DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica Prof.: Hélio Henrique INTRODUÇÃO IFRN - Campus Mossoró 2 MOTORES TRIFÁSICOS CA Os motores

Leia mais

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração.

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração. Quais são os métodos mais utilizados para controle de vibrações? Defina um absorvedor de vibração? Qual é função de um isolador de vibração? Por que um eixo rotativo sempre vibra? Qual é a fonte da força

Leia mais

Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana

Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana INTRODUÇÃO Um gerador de corrente continua é uma máquina elétrica capaz de converter energia mecânica em energia elétrica. Também

Leia mais

Simulação e Avaliação dos Esquemas de Proteção de Geradores Síncronos Contra Perda de Sincronismo

Simulação e Avaliação dos Esquemas de Proteção de Geradores Síncronos Contra Perda de Sincronismo 1 Simulação e Avaliação dos Esquemas de Proteção de Geradores Síncronos Contra Perda de Sincronismo Bernardo R. Bordeira e Sebastião E. M. de Oliveira Resumo--O presente trabalho avalia os principais esquemas

Leia mais

Eletromecânicos de Manutenção Industrial

Eletromecânicos de Manutenção Industrial Eletromecânicos de Manutenção Industrial 2013/ 2014 1 Motor de indução trifásico Máquina capaz de transformar energia elétrica em energia mecânica 2 Motor elétrico Noções fundamentais Máquina destinada

Leia mais

Aula 19. Modelagem de geradores síncronos trifásicos

Aula 19. Modelagem de geradores síncronos trifásicos Aula 19 Modelagem de geradores síncronos trifásicos Geradores Em problemas de fluxo de potência normalmente são especificadas as tensões desejadas para a operação do gerador e calculadas as injeções de

Leia mais

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM Introdução Os motores de tração são os equipamentos responsáveis pela propulsão dos trens. Sua falha implica na diminuição do desempenho

Leia mais

CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA

CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa T3 Física Experimental I - 2007/08 CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA 1. Objectivo Verificar a conservação da energia mecânica de

Leia mais

Trabalho nº 1 Transformador Monofásico

Trabalho nº 1 Transformador Monofásico Trabalho nº 1 Transformador Monofásico O presente trabalho prático laboratorial é composto por um conjunto de ensaios que visam obter o circuito eléctrico equivalente dum transformador. Material necessário

Leia mais

Análise Transitória de Parques Eólicos Mistos, compostos por Geradores de Indução Gaiola de Esquilo e Duplamente Alimentados

Análise Transitória de Parques Eólicos Mistos, compostos por Geradores de Indução Gaiola de Esquilo e Duplamente Alimentados Análise Transitória de Parques Eólicos Mistos, compostos por Geradores de Indução Gaiola de Esquilo e Duplamente Alimentados Helleson Jorthan Brito da Silva 1, Carolina de Matos Affonso 2 12 Grupo de Sistemas

Leia mais

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes)

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) 1 Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) ISO 9001 Quality Management System ISO 14001 Environmental Management System 2 Sazonalidade das

Leia mais

OBJETIVOS: CARGA HORÁRIA MÍNIMA CRONOGRAMA:

OBJETIVOS: CARGA HORÁRIA MÍNIMA CRONOGRAMA: ESTUDO DIRIGIDO COMPONENTE CURRICULAR: Controle de Processos e Instrumentação PROFESSOR: Dorival Rosa Brito ESTUDO DIRIGIDO: Métodos de Determinação de Parâmetros de Processos APRESENTAÇÃO: O rápido desenvolvimento

Leia mais

Relatório do trabalho sobre medição de temperatura com PT100

Relatório do trabalho sobre medição de temperatura com PT100 Relatório do trabalho sobre medição de temperatura com PT100 Alunos: António Azevedo António Silva Docente: Paulo Portugal Objectivos Este trabalho prático tem como finalidade implementar uma montagem

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Electrotécnica e de Computadores 3. Ciclo

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS. Princípios e fundamentos. Eng. Agríc. Luciano Vieira

MOTORES ELÉTRICOS. Princípios e fundamentos. Eng. Agríc. Luciano Vieira Universidade Estadual de Maringá Departamento de Engenharia Agrícola Campus do Arenito MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos Eng. Agríc. Luciano Vieira CLASSIFICAÇÃO Classificação dos motores de

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila.

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Ex. 0) Resolver todos os exercícios do Capítulo 7 (Máquinas

Leia mais

5 Circuitos Equivalentes

5 Circuitos Equivalentes 5 Circuitos Equivalentes 5.1 Circuitos Equivalentes Nos capítulos anteriores já se apresentaram diversos exemplos de circuitos equivalentes, por exemplo, resistências em série e em paralelo ou a chamada

Leia mais

Eletrotécnica. Comandos Elétricos

Eletrotécnica. Comandos Elétricos Eletrotécnica Comandos Elétricos Teoria e Aplicações Escola Técnica de Brasília - ETB Prof. Roberto Leal Ligação de Motores 1 Motor Elétrico Transformar energia elétrica em energia mecânica Motores de

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO 1 DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO Durante um curto-circuito, surge uma corrente de elevada intensidade

Leia mais

Strain Gages e Pontes de Wheatstone. Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna

Strain Gages e Pontes de Wheatstone. Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna Strain Gages e Pontes de Wheatstone Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna Referência Aula baseada no material dos livros: - Instrumentação e Fundamentos de Medidas

Leia mais

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS 8.1 - Motores de Corrente Contínua 8.2 - Motores de Corrente Alternada 8.3 - Motores Especiais 8.4 - Exercícios Propostos Na natureza a energia se encontra distribuída sob

Leia mais

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios.

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios. Conteúdo programático: Elementos armazenadores de energia: capacitores e indutores. Revisão de características técnicas e relações V x I. Caracterização de regime permanente. Caracterização temporal de

Leia mais

Nota Técnica 003/2010

Nota Técnica 003/2010 Nota Técnica 003/2010 Produto: Crowbar Aplicação: Acionamento da resistência de descarga em motores síncronos Serão discutidos os tópicos a seguir: 1) Conceito de Motores Síncronos 2) Determinação da Resistência

Leia mais

Física. Resolução. Q uestão 01 - A

Física. Resolução. Q uestão 01 - A Q uestão 01 - A Uma forma de observarmos a velocidade de um móvel em um gráfico d t é analisarmos a inclinação da curva como no exemplo abaixo: A inclinação do gráfico do móvel A é maior do que a inclinação

Leia mais

ANEXO 02- EXEMPLO DE VEÍCULOS ELÉCTRICOS HÍBRIDOS

ANEXO 02- EXEMPLO DE VEÍCULOS ELÉCTRICOS HÍBRIDOS ANEXO 02- EXEMPLO DE VEÍCULOS ELÉCTRICOS HÍBRIDOS 123 Conteúdo 1 Exemplo de Veículos eléctricos Híbridos... 124 1.1 Exemplo de Híbrido Paralelo... 124 1.1.1 Toyota Hybrid System II... 124 1.2 Exemplo de

Leia mais

CRITÉRIOS COMPARATIVOS PARA CLASSIFICAR MODELOS DE GERADORES EÓLICOS QUANTO A SUA APLICAÇÃO EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

CRITÉRIOS COMPARATIVOS PARA CLASSIFICAR MODELOS DE GERADORES EÓLICOS QUANTO A SUA APLICAÇÃO EM SISTEMAS DE POTÊNCIA CRITÉRIOS COMPARATIVOS PARA CLASSIFICAR MODELOS DE GERADORES EÓLICOS QUANTO A SUA APLICAÇÃO EM SISTEMAS DE POTÊNCIA DANUSIA DE OLIVEIRA DE LIMA Rio Grande Energia RGE Departamento de Engenharia e Construções

Leia mais

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Capítulo 0 Transformadores DESTAQE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Os geradores elétricos, que fornecem tensões relativamente baixas (da ordem de 5 a 5 kv), são ligados

Leia mais

Estabilidade Transitória

Estabilidade Transitória Estabilidade Transitória Revisão em janeiro 003. 1 Introdução A geração de energia elétrica dos sistemas de potência é constituída de máquinas síncronas. que operam com uma determinada freqüência. O sistema

Leia mais

Microfone e altifalante. Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. sinal elétrico num sinal sonoro.

Microfone e altifalante. Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. sinal elétrico num sinal sonoro. Microfone e altifalante Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. Conversão de um sinal elétrico num sinal sonoro. O funcionamento dos microfones e dos altifalantes baseia-se na: - acústica; - no

Leia mais

EMULAÇÃO DE UMA TURBINA EÓLICA E CONTROLE VETORIAL DO GERADOR DE INDUÇÃO ROTOR GAIOLA DE ESQUILO PARA UM SISTEMA EÓLICO. Renato Ferreira Silva

EMULAÇÃO DE UMA TURBINA EÓLICA E CONTROLE VETORIAL DO GERADOR DE INDUÇÃO ROTOR GAIOLA DE ESQUILO PARA UM SISTEMA EÓLICO. Renato Ferreira Silva EMULAÇÃO DE UMA TURBINA EÓLICA E CONTROLE VETORIAL DO GERADOR DE INDUÇÃO ROTOR GAIOLA DE ESQUILO PARA UM SISTEMA EÓLICO Renato Ferreira Silva PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA

Leia mais

Fundamentos de Máquinas Elétricas

Fundamentos de Máquinas Elétricas Universidade Federal do C Engenharia de nstrumentação, utomação e Robótica Fundamentos de Máquinas Elétricas rof. Dr. José Luis zcue uma Regulação de tensão Rendimento Ensaios de curto-circuito e circuito

Leia mais

CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES

CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES MÓDULO 2 Aula 4 Professor: Ricardo Rizzo MAGNETISMO É uma propriedade muito conhecida dos imãs, de atrair o ferro. Um imã possui dois pólos magnéticos denominados norte

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE MÁQUINA DE INDUÇÃO DUPLAMENTE ALIMENTADA SEM ESCOVAS (BDFM) COMO GERADOR EÓLICO

UTILIZAÇÃO DE MÁQUINA DE INDUÇÃO DUPLAMENTE ALIMENTADA SEM ESCOVAS (BDFM) COMO GERADOR EÓLICO UTILIZAÇÃO DE MÁQUINA DE INDUÇÃO DUPLAMENTE ALIMENTADA SEM ESCOVAS (BDFM) COMO GERADOR EÓLICO Andrei Silva Jardim Projeto de Graduação apresentado ao curso de Engenharia Elétrica da Escola Politécnica,

Leia mais

Relativamente ao tipo de inversor utilizado, estes sistemas, Figura 1, podem ser classificados em quatro grupos:

Relativamente ao tipo de inversor utilizado, estes sistemas, Figura 1, podem ser classificados em quatro grupos: Artigo Técnico: Análise de configurações de Sistemas Híbridos Fotovoltaicos. O progressivo aumento da factura de electricidade e dos combustíveis colocou novamente na actualidade o uso de Sistemas Fotovoltaicos

Leia mais

Motor de Indução de Corrente Alternada

Motor de Indução de Corrente Alternada Notas Técnicas Motores NT-1 Motor de Indução de Corrente Alternada Introdução O motor de indução ou assíncrono de corrente alternada tem sido o motor preferido da indústria desde o principio do uso da

Leia mais

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO TESTE INTERMÉDIO - 2014 (VERSÃO 1) GRUPO I 1. H vap (H 2O) = 420 4 H vap (H 2O) = 1,69 10 3 H vap (H 2O) = 1,7 10 3 kj kg 1 Tendo em consideração a informação dada no texto o calor

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A22 (1) O circuito a seguir amplifica a diferença de

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais