Trabalho nº 1 Transformador Monofásico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trabalho nº 1 Transformador Monofásico"

Transcrição

1 Trabalho nº 1 Transformador Monofásico O presente trabalho prático laboratorial é composto por um conjunto de ensaios que visam obter o circuito eléctrico equivalente dum transformador. Material necessário 1 Transformador para ensaio (T) 1 Auto-transformador para alimentação (AT) 1 Amperímetro 1 Voltímetro 1 Wattímetro 1. Traçado da Característica de Magnetização Pretende-se obter a característica de magnetização do material ferromagnético do transformador em ensaio. Atendendo à proporcionalidade existente entre as funções U 20 =f(i 0 ) e B=f(H) ou Ψ=f(I 0 ), pretende-se obter a característica de magnetização do transformador em estudo através da medição dos valores eficazes da corrente no primário em vazio, I 0, e da tensão no secundário em vazio, U 20 (figura 1). Figura 1: Circuito do ensaio Modo de proceder e cuidados a observar Efectue as ligações indicadas na Figura Certifique-se de que o auto-transformador está no mínimo da tensão. 2. Ligue os interruptores de alimentação. 1

2 3. Aumente gradualmente a tensão de alimentação actuando sobre o auto-transformador até atingir 1,1 a 1,2 vezes a tensão nominal, registando não menos de 10 valores lidos nos aparelhos de medida. Trace a curva U 20 =f(i 0 ) e Ψ=g(I 0 ). Responda às seguintes questões: 1. Explique a razão porque a característica de magnetização do transformador se pode obter de forma aproximada pela relação U 20 =f(i 10 ) 2. Porque é que a obtenção da característica de magnetização se deve fazer com o secundário em circuito aberto. 2. Esquema equivalente de um transformador Recorrendo aos ensaios económicos (ensaio em vazio e em curto-circuito) vai-se determinar o esquema equivalente simplificado de um transformador. 2.1 Ensaio em Vazio Modo de proceder e cuidados a observar 1. Efectue as ligações indicadas no esquema da figura 2 e alimente o transformador com a tensão nominal do primário. 2. Ligue os interruptores de alimentação. 3. Registe os valores lidos nos aparelhos de medida da figura Desligue a alimentação Com base nos resultados experimentais: Figura 2: Esquema do ensaio em vazio 5. Determine a reactância e a resistência de magnetização. 6. Determine a impedância transversal. 2

3 2.2 Ensaio em curto-circuito Modo de proceder e cuidados a observar 1. Efectue as ligações indicadas no esquema da figura Certifique-se de que o auto-transformador está no mínimo da tensão. 3. Ligue os interruptores de alimentação. 4. Aumente gradualmente a tensão de alimentação actuando sobre o auto-transformador até que a intensidade de corrente no secundário seja igual ao valor nominal. Nessa altura, registe rapidamente os valores nos diferentes aparelhos de medida da figura Reduza a tensão do auto-transformador até ao seu valor mínimo e desligue alimentação. Figura 3: Esquema do ensaio em curto-circuito Com base nos resultados experimentais: 6. Determine a tensão de curto-circuito em percentagem. 7. Determine a resistência dos enrolamentos vista do secundário e a reactância de fugas do transformador vista do secundário. 8. Determine a impedância longitudinal. 9. Com as respostas às questões do primeiro ensaio e com os resultados anteriores desenhe o esquema equivalente do transformador. 3. Característica de carga de um transformador Pretende-se determinar a queda de tensão aos terminais de um transformador com uma carga resistiva. O transformador é alimentado com a tensão nominal do primário. Modo de proceder e cuidados a observar 1. Efectue as ligações indicadas no esquema da figura Certifique-se de que a resistência de carga está ligada com o seu valor máximo. 3

4 3. Ligue os interruptores de alimentação. 4. Ligue a carga e aumente gradualmente a corrente no primário actuando sobre reóstato até atingir 1,1 a 1,2 vezes a corrente nominal no secundário, registando não menos de 10 valores lidos nos aparelhos de medida. 5. Volte a colocar o reóstato no valor de resistência máximo e desligue a alimentação. Figura 4: Esquema de ligação para o ensaio de carga Com base no esquema equivalente do transformador: 6. Desenhe a curva de carga do transformador, U 2 =f(i 1 ). 7. Determine o rendimento do transformador para os pontos de medição. 8. Para que intervalo de valores é atingido o rendimento máximo? 9. Compare os valores experimentais lidos com os resultados calculados através do circuito eléctrico equivalente para as mesmas situações de carga. 4

5 Trabalho nº 2 Motor de indução trifásico Objectivo Pretende-se estudar as ligações em estrela e em triângulo dum motor de indução com o rotor em gaiola e os seus circuitos de comando. 1. Caracterização do motor Observe a constituição interna dum motor deste tipo. Registe os dados da placa sinalética do motor da bancada e interprete os seus dados. Identifique as tensões a que os enrolamentos do estator podem ser ligados. Responda justificadamente às seguintes questões: 1.1 Qual é a potência nominal do motor quando é ligado em estrela? 1.2 Qual é a potência nominal do motor quando é ligado em triângulo? 1.3 Quantos pólos tem? 1.4 Qual é o escorregamento à potência nominal? 1.5 Qual é a corrente nominal do motor quando é ligado em estrela? 1.6 Qual é a corrente nominal do motor quando é ligado em triângulo? 1.7 Qual é o factor de potência em ambos os casos? Nota: As respostas baseiam-se na leitura da chapa sinalética do motor e devem ser confirmadas através de cálculo. 2. Caracterização do sistema de alimentação Com o disjuntor da bancada desligado, retire a tampa do circuito de alimentação, comando e protecção do motor e observe a sua constituição interna. Identifique os seus componentes e desenhe os diagramas de potência e de comando do circuito de alimentação. Qual é a necessidade do transformador trifásico incluído no sistema de alimentação? Justifique porque o motor em estudo não pode ser indiferentemente ligado em estrela ou em triângulo quando alimentado à tensão da rede de baixa tensão, U c =380V a 50 Hz. A caixa de ligações do motor tem os terminais da Fig. 1. As ligações em estrela e em triângulo estão esquematizadas na Fig. 2. 5

6 Fig. 1: Identificação dos bornes de ligação. a) estrela b) triângulo Fig. 2: Esquemas de ligação. Os terminais do sistema de alimentação arrancador estrela-triângulo manual são os da Fig Ensaios do motor Com o motor desligado, utilizando um ohmímetro determine a resistência dos enrolamentos do estator: R S = Ω. 6

7 Com o ohmímetro, certifique-se das ligações da Fig. 1. Fig. 3: Terminais do sistema de alimentação. Com o disjuntor da bancada desligado, estabeleça as ligações entre o motor e o circuito de alimentação com os terminais da Fig. 3. Consulte também a Fig. 4. Ligue o disjuntor da bancada. Arranque com o motor em estrela e passe depois para triângulo. Observe o sentido de rotação do veio do motor. Pare o motor. Troque duas fases da alimentação (nos terminais UVW). Arranque com o motor em estrela e passe depois para triângulo. Observe o sentido de rotação do veio. Justifique a diferença. Como se pode alterar o sentido de rotação dum motor assíncrono? E o que faz um inversor automático do sentido de rotação? 3.1 Ligação em estrela Aparelhos de medida: amperímetro e voltímetro, fasímetro e taquímetro. Pretende-se medir a tensão e a corrente nos enrolamentos do estator ligados em estrela. Com o disjuntor da bancada desligado, estabeleça as ligações da Fig. 4. Ligue o disjuntor da bancada. Arranque com o motor em estrela. (Note que o motor se encontra em vazio). a) Efectue as medições e registe os valores da tabela seguinte. 7

8 Fig. 4: Medição das tensões e da corrente com ligação em estrela. Tabela 1: Resultados experimentais com o motor ligado em estrela funcionando em vazio. Corrente na linha, I [A] Tensão simples, V s [V] (c-b) Tensão composta, V c [V] (c-a) FP cos φ Velocidade N [rpm] b) Com base nos resultados da tabela 1, calcule os seguintes valores: Escorregamento, s: Potência aparente, S: Potencia activa, P: Potencia reactiva, Q: Impedância equivalente, Z e : Corrente de magnetização, I m = I sen(φ) : Perdas por efeito de Joule no estator: Perdas no ferro e mecânicas: c) Obtenha os valores aproximados de R Fe e de X m. Nota: considere que a resistência equivalente das perdas do ferro, R Fe, é muito maior que R S, e que a reactância de dispersão do estator, X ds, é muito menor que a reactância de magnetização, X m. 8

9 3.2 Ligação em triângulo Pretende-se medir a tensão e a corrente nos enrolamentos do estator ligados em triângulo. Com o disjuntor da bancada desligado, estabeleça as ligações da Fig. 5. Ligue o disjuntor da bancada. Arranque com o motor em triângulo. Note que o motor se encontra em vazio. Neste ensaio procede-se de modo semelhante ao de 3.1. Fig. 5: Medição das tensões e da corrente com ligação em triângulo. a) Efectue as medições e registe os valores da tabela 2. Tabela 2: Resultados experimentais com o motor ligado em triângulo funcionando em vazio. Corrente na linha, I [A] Corrente na fase, I f [A] Tensão composta, V c [V] (c-a) FP cos φ Velocidade N [rpm] b) Com base nos resultados da tabela 2, calcule os seguintes valores: Escorregamento, s: Potência aparente, S: Potencia activa, P: Potencia reactiva, Q: Impedância equivalente, Z e : Corrente de magnetização, I m = I sen(φ) : Perdas por efeito de Joule no estator: Perdas no ferro e mecânicas: 9

10 c) Obtenha os valores aproximados de R Fe e de X m. Compare e comente estes resultados com os do ensaio em estrela. 4. Considere os diagramas de comando e de potência para o arranque em estrela-triângulo da Fig. 6. Explique o funcionamento. 10

11 Arrancador estrela-triângulo Fig. 6: Arrancador estrela-triangulo. 11

12 Trabalho nº 3 Ensaio da máquina assíncrona Objectivo Pretende-se determinar os parâmetros do circuito eléctrico equivalente dum motor de indução através dos ensaios em vazio e em curto-circuito. Estes ensaios são semelhantes aos do transformador do trabalho nº 1. Nota: o ensaio em curto-circuito deve ser realizado com rapidez para evitar o sobreaquecimento da máquina porque com o rotor bloqueado não existe ventilação forçada do motor. A máquina assíncrona será alimentada através dum auto-transformador trifásico. A tensão de alimentação deve ser aumentada progressivamente a partir de zero. Os aparelhos de medida utilizar são amperímetro, voltímetro e fasímetro. O circuito está representado na Fig. 1, na qual um gerador de imanes permanentes é utilizado como carga do motor. Fig. 1: Esquema das ligações para os ensaios. 12

13 a) Registe os valores nominais do motor da placa sinalética e o modo de ligação dos enrolamentos do estator do motor. b) Meça a resistência dos enrolamentos do estator do motor: R S = Ω 1. Ensaio em vazio O motor roda em vazio. A tensão do auto-transformador deve ser aumentada progressivamente até atingir a tensão nominal. Ligue o circuito e aumente progressivamente a tensão de alimentação até ao valor nominal do motor. Nesta situação registe os seguintes valores: Tabela 1: Resultados experimentais com o motor em vazio. Corrente na linha, I [A] Tensão composta, V c [V] Potência, P [W] FP cos φ Após a leitura dos valores, reduza gradualmente a tensão de alimentação até zero. O motor deve parar. 2. Ensaio em curto-circuito O veio do motor é bloqueado. O motor é alimentado através do auto-transformador trifásico, cuja tensão deve ser aumentada progressivamente, a partir de zero, até que a corrente nos enrolamentos do estator atinja o valor nominal I=I N. Nesta situação, registe rapidamente os valores das grandezas da tabela 2. Nota: o ensaio em curto-circuito deve ser realizado com rapidez para evitar o sobreaquecimento da máquina porque com o rotor bloqueado não existe ventilação forçada do motor. Tabela 2: Resultados experimentais com o motor em curto-circuito. Corrente na linha, I [A] Tensão composta, V c [V] Potência, P [W] FP cos φ Após a leitura dos valores, reduza gradualmente a tensão de alimentação até zero. O motor deve parar. 13

14 3. Esquema equivalente A potência absorvida pela máquina com o rotor bloqueado é praticamente igual às perdas no cobre do estator e do rotor (porquê?). a) A partir dos valores experimentais das tabelas 1 e 2, determine a resistência equivalente total do estator e rotor. b) Tendo em conta a resistência dos enrolamentos do estator, estime o valor da resistência rotórica. c) Com base nos resultados experimentais dos ensaios, obtenha o esquema equivalente da máquina assíncrona. d) Reduza o esquema equivalente da máquina a valores pu. e) Com base no esquema, calcule os valores nominais da máquina em regime permanente a plena carga. Calcule também os seguintes valores para a carga nominal: Escorregamento, s: Potência aparente, S: Potencia activa, P: Potencia reactiva, Q: O binário electromagnético, T ag : A potência no entreferro, P ag : Corrente de magnetização, I m = I sen(φ) : Perdas por efeito de Joule no estator: Perdas no ferro e mecânicas: A corrente no estator, I s : O rendimento do motor, η. Compare os resultados obtidos com os da placa sinalética do motor. 4. Simulação Como elemento valorativo do trabalho, pode simular o comportamento do motor testado utilizando o PSIM, Matlab, Scilab, ou outro, e comparar com os resultados obtidos. 14

15 Trabalho nº 4 Máquina assíncrona em carga 1. Objectivo As máquinas assíncronas são normalmente utilizadas como motores mas podem também funcionar como geradores. Por exemplo, são utilizadas em sistemas baseados em energias renováveis (eólicos, mini-hídricos), no aproveitamento de biogás, hidrogénio e vapor. Em geral, às máquinas assíncronas funcionam como geradores quando o escorregamento é negativo, isto é, quando giram a uma velocidade superior à de sincronismo. O objectivo deste trabalho é evidenciar o funcionamento em carga duma máquina assíncrona com o rotor em gaiola, como motor e como gerador. 1. Ensaio como motor O sistema a usar nos ensaios está representado na Fig. 1. Um servomotor com controlo de velocidade e binário é utilizado como carga da máquina assíncrona. Para velocidades menores que a de sincronismo, o servomotor comporta-se como uma carga no veio do motor assíncrono. Se a velocidade for superior à de sincronismo, o servomotor arrasta a máquina assíncrona e esta funciona como gerador. Fig. 1: Esquema da bancada de ensaio. Com base na placa sinalética do motor assíncrono, tome nota dos seguintes valores: Velocidade de sincronismo: rpm. 15

16 Número de pares de pólos: Ligue o motor para ser alimentado em estrela. Nos ensaios seguintes utilizará um analisador de redes. Ligue as sondas de corrente e de tensão respeitando a correcta sequência de fases. Ligue a bancada e arranque com o motor em vazio. Gradualmente, aumente o binário de carga do servomotor até atingir a velocidade nominal a plena carga e, para diferentes velocidades, tome nota dos valores das grandezas da Tabela 1. Tabela1: ensaio como motor em carga T [Nm] N [rpm] P [W] I linha [A] cos φ s [%] η [%] η - rendimento Calcule o rendimento para cada valor de carga. Organize os resultados experimentais apresente os gráficos correspondentes a T(s), P(s), I(s), e cos φ(s). Comente e justifique os resultados. 2. Ensaio como gerador Ligue o motor assíncrono em vazio. Com base no sistema da Fig. 1, arranque com o motor em vazio e aumente gradualmente a velocidade do servomotor acima da velocidade de sincronismo. Neste caso, a máquina assíncrona funcionará como gerador. Para diferentes velocidades, tome nota dos valores das grandezas da Tabela 2. Calcule o rendimento para cada valor de carga. Organize os resultados experimentais apresente os gráficos correspondentes a T(s), P(s), I(s), e cos φ(s). Comente e justifique os resultados. 16

17 Tabela2: ensaio como gerador. N [rpm] T [Nm] P [W] I linha [A] cos φ s [%] η [%] 3. Comentários Compare os resultados experimentais do funcionamento como motor e como gerador. Comente as seguintes afirmações: a) a máquina assíncrona não é adequada para funcionar como gerador autónomo, isto é, isolado da rede. b) o gerador assíncrono pode funcionar autonomamente com uma bateria de condensadores ligada em paralelo com o estator, mas é indispensável que exista um campo magnético remanescente no ferro do rotor c) a potência fornecida pelo gerador assíncrono é função da potência no veio Os geradores assíncronos são usados em aproveitamentos eólicos e mini-hídricos. Explique o processo da sua ligação em paralelo com a rede. 17

18 Trabalho nº 5 Máquina Síncrona 1. Objectivo As máquinas síncronas com excitação variável são normalmente utilizadas como geradores (vulgo alternadores) mas, como qualquer máquina eléctrica rotativa, são reversíveis, isto é, podem também funcionar como motores. Como alternadores, são normalmente utilizadas em sistemas centralizados de produção de energia eléctrica ligados a uma rede trifásica infinita (sistemas termoeléctricos e hidroeléctricos), sendo também utilizados como geradores de emergência ou para alimentação de redes isoladas. Também são largamente utilizadas em aproveitamentos de energias renováveis, com funcionamento autónomo ou interligadas com a rede. O objectivo deste trabalho é proporcionar a experiência prática deste tipo de máquinas funcionando como gerador (alternador) em sistemas trifásicos e obter o seu esquema equivalente em regime estacionário. O sistema a usar nos ensaios está representado na Fig. 1. Um motor assíncrono com rotor bobinado (M) acciona um alternador síncrono trifásico (G). O controlo de velocidade, dentro de certos limites, é realizado através das resistências rotóricas (R r ); a corrente de excitação do alternador é regulada através dum reóstato de campo (R c ). Fig. 1: Esquema do quadro do gerador síncrono. Resistências, ou outras cargas, podem ser ligadas ao barramento do alternador. 18

19 O arranque do grupo motor-gerador da Fig. 1 realiza-se da seguinte forma: com R r no valor máximo, arranca-se o motor M e, reduzindo progressivamente R r, acelera-se o motor até à sua velocidade máxima. Responda às seguintes questões: 1. a) Porque se trata dum motor assíncrono, os 50 Hz nunca serão atingidos. Porquê? 1. b) Com o gerador em vazio, qual é o escorregamento de M quando as resistências rotóricas são curto-circuitadas? 1. c) Qual é o número de pares de pólos do motor M? 1. d) Qual é o número de pares de pólos do alternador G? Tome nota das características das placas sinaléticas do motor e do alternador. 2. Ensaio em vazio As resistências R r e R c são colocadas no seu valor máximo. Com o alternador em vazio, arranque o motor reduzindo progressivamente R r até que este atinja a sua velocidade máxima. Reduza então R c progressivamente (aumenta a corrente de excitação) até que a tensão composta do alternador, U c, seja igual a 380V. Observe a variação de U c com a velocidade e com a corrente de excitação. Que conclui? Arranque com o grupo até à sua velocidade máxima, e pelo processo descrito e ajuste progressivamente I ex, até que que a tensão composta do alternador, U c, seja igual a 380V e registe os valores da tabela 1. Proceda igualmente para valores decrescentes de I ex,. Registe os valores e represente graficamente U c =f(i ex ). Corrente de campo, I ex [A] Tensão composta, U c [V] Tabela 1: característica de vazio. 3. Ensaio em curto-circuito A saída do alternador é curto-circuitada. Com R c no valor máximo, arranca-se o grupo até à sua velocidade máxima. A corrente de campo, I ex, deve ser aumentada lenta e progressivamente, a 19

20 partir de zero, até que a corrente nos enrolamentos do estator atinja o valor nominal I=I N. Para cada valor de I ex registe os valores das grandezas da tabela 2. Represente graficamente I a =f(i ex ). Corrente de campo, I ex [A] Corrente no estator, I a [A] Tabela 2: característica de curto-circuito. 4. Esquema equivalente em regime estacionário Com um ohmímetro, meça a resistência dos enrolamentos do estator (induzido). A partir dos valores experimentais das tabelas 1 e 2, desprezando a resistência do estator, determine a reactância síncrona, X s, correspondente a cada valor de I ex. Nota: poderá verificar que X s não é constante; é usual adoptar para X s o menor dos valores; o circuito equivalente em regime estacionário duma fase do alternador será o da Fig. 2. Fig. 2: esquema equivalente por fase. 5. Ensaio em carga Ligue as resistências de carga trifásicas ao barramento do alternador. Com o alternador em vazio, arranque o motor M reduzindo progressivamente Rr até que este atinja a sua velocidade máxima. Reduza então Rc progressivamente (aumenta a corrente de excitação) até que a tensão composta do alternador em vazio, U co, seja igual a 350V. Ajuste Rr para manter f=49hz. Ligue progressivamente as cargas e para cada uma delas registe os valores da tabela 3. 20

21 5. a) Com base no circuito da Fig. 2, trace os diagramas vectoriais com E, U e I. 5. b) Obtenha os correspondentes ângulos de potência. 5. c) Compare os resultados experimentais com os correspondentes valores teóricos. 5. d) Para cada caso, calcule a queda de tensão. Tabela 3: resultados experimentais em carga. Corrente de campo, I ex [A] Corrente no estator, I a [A] Tensão composta, U c [V] Potência activa, P a [W] frequência [Hz] cos φ 6. Características externas As características externas são as funções U c =f(i a ), para I ex = const e f = const, traçadas para diferentes valores de cos φ constante. Essas características estão representadas na Fig

22 Fig. 3: características externas. Ligue as resistências de carga trifásicas ao barramento do alternador (cos φ=1) e arranque o grupo pelo processo descrito no ponto 5. Ajuste I ex para que a tensão em vazio seja igual a 360V; ajuste Rr sempre que necessário para manter f=49hz constante, sempre que a carga variar. Ligue progressivamente as cargas e, para cada uma delas, registe os valores da tabela 4. Calcule a queda de tensão para cada carga. Justifique os resultados. Represente graficamente U c =f(i a ). Tensão do gerador, Uc [V] Corrente no estator, I a [A] Queda de tensão, U [%] Tabela 4: característica de curto-circuito. 7. Característica de regulação 22

23 As características de regulação são as funções I ex =f(i a ), para U c = const e f = const, traçadas para diferentes valores de cos φ constante. Essas características estão representadas na Fig. 4. Para manter U c constante com cargas resistivas ou indutivas crescentes, será necessário aumentar I ex, ao passo que com cargas capacitivas crescentes será necessário diminuir I ex. Fig. 4: características de regulação. Para obter as características de regulação com cos φ=1, ligue as resistências de carga trifásicas ao barramento do alternador; arranque o grupo pelo processo descrito no ponto 5. Ajuste I ex para que a tensão em vazio seja igual a 360V e mantenha esta tensão constante ao longo do ensaio. Ajuste Rr sempre que necessário para manter f=49hz constante ao longo do ensaio. Ligue progressivamente as cargas e, para cada uma delas, registe os valores da tabela 5. Calcule a queda de tensão para cada carga. Justifique os resultados. Represente graficamente Iex =f(i a ). Tensão do gerador, I ex [A] Corrente no estator, I a [A] Tabela 5: característica de regulação. 23

24 8.Comentários Compare os resultados experimentais do funcionamento da máquina síncrona em carga com os que pode obter do esquema equivalente e das características externas e de regulação. Calcule a razão de curto-circuito da máquina. Calcule a reactância síncrona em valores pu. Comente as seguintes afirmações: a) quanto maior for a razão de curto-circuito menor é a queda de tensão. b) no arranque do gerador síncrono é indispensável que exista um campo magnético remanescente no ferro do rotor c) a potência activa fornecida pelo gerador síncrono é função da potência no veio 24

25 Trabalho nº 6 Máquinas síncronas funcionando em paralelo 1. Introdução Para a produção de energia eléctrica são normalmente utilizados geradores síncronos em paralelo. Isto acontece porque as cargas variam ao longo do dia diária ou até sazonalmente e a utilização de um gerador único provocaria fuma grande variação de carga que iria desde quase em vazio até situações de alguma sobrecarga. Para aumentar a eficiência e até a redundância da produção usam-se vários geradores de menor potência que funcionam, quando necessário, em paralelo, repartindo a carga entre eles. Quando se ligam geradores em paralelo, há regras têm que ser observadas para o gerador que vai ser ligado em paralelo com um barramento já em carga: 1) o valor eficaz da tensão em vazio (fem) do gerador tem que ser igual à do barramento; 2) a frequência da tensão em vazio do gerador tem que ser igual à da tensão do barramento; 3) a sequência de fases do gerador e do barramento têm que ser iguais; 4) as tensões do gerador e do barramento têm que estar em fase. Para se efectuar o paralelo, a operação mais usual, que pode ser feita manual ou automaticamente, consiste em: a) levar o grupo motor-gerador a uma velocidade próxima da de sincronismo; b) ajustar a corrente de excitação para que o valor da tensão do alternador para seja muito aproximadamente igual à tensão do barramento; c) verificar se as tensões do alternador e da rede estão em fase. Quando as condições (a), (b) são conseguidas e a sequência de fases seja a mesma, no instante em que se verifique a condição (c), verificada através do sincronoscópio, fecha-se o disjuntor do alternador a lançar que o liga ao barramento. d) Depois de feito o paralelo, regula-se a potência activa fornecida à rede através do ajuste da velocidade do motor do grupo e actua-se sobre a corrente de excitação para se ajustar a potência reactiva fornecida pelo alternador. O objectivo deste trabalho é verificar os procedimentos para a colocação em paralelo de dois alternadores síncronos, e estudar o seu funcionamento nestas condições, com particular relevo para a repartição e transferência de cargas entre eles, com a regulação individual das potências activa e reactiva. 25

26 2. Condução do trabalho Os grupos motor-gerador a usar nos ensaios, que têm iguais características, estão representados esquematicamente na Fig. 1. O barramento pode ser alimentado por qualquer dos geradores e os dois podem funcionar em paralelo. As operações são todas realizadas manualmente. Fig. 1: Sistema de alimentação com duas máquinas síncronas. Qualquer dos geradores pode ser ligado ao barramento. Para isso, com o alternador em vazio, arranque o motor M reduzindo progressivamente Rr até que este atinja a sua velocidade máxima. Reduza então Rc progressivamente (aumenta-se a corrente de excitação) até que a tensão composta do alternador, U c, seja igual a 350V. A velocidade deve ser ajustada para que f=49 Hz. Liga-se então o gerador ao barramento. As cargas podem ser então ligadas e observa-se a variação da corrente e da potência activa do gerador. Com o primeiro gerador em carga, pretende-se agora ligar o segundo gerador em paralelo e repartir as cargas pelos dois geradores. Arranque com o segundo grupo do mesmo modo que o primeiro sem o ligar ao barramento. Dado que a sequência de fases está já garantida pela instalação, deve-se manobrar para que: 1) a valor eficaz da tensão em vazio (fem) do gerador tem que ser igual à do barramento; 2) a frequência da tensão em vazio do gerador tem que ser igual à da tensão do barramento; Observando o ponteiro do sincronoscópio, no instante em que as tensões do gerador e do barramento estão em fase, liga-se o gerador ao barramento. Observa-se que os geradores ficam sincronizados e em paralelo. 26

27 Seguidamente, ajustam-se as correntes de excitação ou a velocidade dos grupos para se obter a correcta repartição de cargas. 3. Repartição de cargas 3.1 Que acontece quando se varia a velocidade de um dos grupos? Refira-se às variações das seguintes grandezas: a) potência activa; b) potência reactiva; c) frequência; d) tensão no barramento. 3.2 Como se procede para transferir a carga para um dos geradores? 3.3 Como se procede para desligar um dos geradores do barramento? 3.4 Que acontece quando se varia a corrente de excitação de um dos geradores? Refira-se às variações das seguintes grandezas: a) potência activa; b) potência reactiva; c) frequência; d) tensão no barramento. 3.5 Como se procede para ajustar a potência reactiva de qualquer dos geradores? 3.6 Coloca-se um dos geradores em vazio, reduzindo a sua velocidade e observando a transferência de cargas para o outro gerador. Que acontece quando se varia a sua corrente de excitação do gerador em vazio? Refira-se às variações das seguintes grandezas: a) potência activa; b) potência reactiva; c) frequência; d) tensão no barramento. 3.7 Como funciona um condensador síncrono? Refira uma utilização deste modo de funcionamento. 27

TRABALHO LABORATORIAL Nº 4

TRABALHO LABORATORIAL Nº 4 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M422 - SISTEMAS E INSTRALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS TRABALHO LABORATORIAL Nº 4 ENSAIO DA MÁQUINA SÍNCRONA Por: Prof. José

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL Nº 3

TRABALHO LABORATORIAL Nº 3 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M422 - SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS TRABALHO LABORATORIAL Nº 3 ENSAIO DE UMA MÁQUINA ASSÍNCRONA TRIFÁSICA

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL Nº 5

TRABALHO LABORATORIAL Nº 5 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M422 SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS TRABALHO LABORATORIAL Nº 5 ENSAIO DE MÁQUINAS SÍNCRONAS A FUNCIONAR EM PARALELO

Leia mais

DEPT. DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES MÁQUINAS ELÉCTRICAS. Caracterização do Transformador Monofásico em Termos de Circuito Equivalente

DEPT. DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES MÁQUINAS ELÉCTRICAS. Caracterização do Transformador Monofásico em Termos de Circuito Equivalente DEPT. DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES MÁQUINAS ELÉCTRICAS Caracterização do Transformador Monofásico em Termos de Circuito Equivalente 1 Primário 220 V c 55 V 55 V 55 V 55 V Secundário Figure

Leia mais

SISTEMAS ELECTROMECÂNICOS

SISTEMAS ELECTROMECÂNICOS Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores GUIAS DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS ELECTROMECÂNICOS (LIC. ENGENHARIA AEROESPACIAL) Funcionamento motor da máquina de corrente contínua: características

Leia mais

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Motores CA Os motores CA são classificados em: -> Motores Síncronos; -> Motores Assíncronos (Motor de Indução) O motor de indução é o motor CA mais usado, por causa de sua

Leia mais

Máquinas Eléctricas I

Máquinas Eléctricas I I Máquinas Síncronas Luis Pestana Resumo Máquinas Síncronas Generalidades Principio de funcionamento Aspectos construtivos O gerador síncrono em carga com cargas isoladas Curvas de regulação ligado a um

Leia mais

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua Experiência IV Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua 1. Introdução A máquina de corrente contínua de fabricação ANEL que será usada nesta experiência é a mostrada

Leia mais

MÁQUINAS ELÉCTRICAS I

MÁQUINAS ELÉCTRICAS I SECÇÃO DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS E ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA MÁQUINAS ELÉCTRICAS I Máquina Corrente Contínua 2005/2006 1. Máquina Corrente Contínua Objectivos do trabalho: Parte I: Ensaio dos motores de corrente

Leia mais

Conhecer as características de conjugado mecânico

Conhecer as características de conjugado mecânico H4- Conhecer as características da velocidade síncrona e do escorregamento em um motor trifásico; H5- Conhecer as características do fator de potência de um motor de indução; Conhecer as características

Leia mais

LABORATÓRIOS INTEGRADOS II TRABALHOS PRÁTICOS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

LABORATÓRIOS INTEGRADOS II TRABALHOS PRÁTICOS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS Laboratórios Integrados II Trabalhos Práticos de Máquinas Eléctricas 2004/2005 LABORATÓRIOS INTEGRADOS II TRABALHOS PRÁTICOS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS Introdução Estes trabalhos consistem na utilização, ensaio

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos 1 Classificação 2 3 Estator O estator do motor e também constituido por um núcleo ferromagnético laminado, nas cavas do qual são colocados os enrolamentos alimentados

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL. EXPERIÊNCIA TRANSFORMADORES E MOTORES Código: TRM RELATÓRIO -

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL. EXPERIÊNCIA TRANSFORMADORES E MOTORES Código: TRM RELATÓRIO - LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL EXPERIÊNCIA TRANSFORMADORES E MOTORES Código: TRM RELATÓRIO - NOTA... Grupo:............. Professor:... Data:..... Objetivo:............. 1. Transformador 1.1 Transformador

Leia mais

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA INTRODUÇÃO Nesta exposição apresentam-se as equações e os conhecimentos necessários para a resolução dos exercícios.

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Trifásico A verificação do desempenho,

Leia mais

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é:

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é: Questão 1: A tensão E no circuito abaixo vale: a) 0,5 V b) 1,0 V c) 2,0 V d) 5,0 V e) 10,0 V Questão 2: A resistência equivalente entre os pontos A e B na associação abaixo é de: a) 5 Ohms b) 10 Ohms c)

Leia mais

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS 1. Um dinamo octopolar de 600 r.p.m. com enrolamento em série de 300 condutores activos tem um fluxo por pólo de 5x10 6 Maxwell. Calcule a força electromotriz produzida.

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 6: Máquina Síncrona em Barramento Infinito Objetivo: Verificar, experimentalmente, como é feita a ligação de um gerador síncrono no barramento infinito. Teoria: As necessidades de energia elétrica

Leia mais

EXERCÍCIOS CORRIGIDOS

EXERCÍCIOS CORRIGIDOS Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção EXERCÍCIOS CORRIGIDOS INTRODUÇÃO Vamos testar os conhecimentos adquiridos; para o efeito, propõem-se seis exercícios de diferentes dificuldades:

Leia mais

PARALELO DE TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS

PARALELO DE TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS PARALELO DE TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS Quando temos por exemplo um transformador ligado a um barramento que alimenta um receptor de 50 KVA, se este receptor aumentar a procura de potência para 100KVA,

Leia mais

Transformador Monofásico [de Isolamento]

Transformador Monofásico [de Isolamento] Transformador Monofásico [de Isolamento] Determinação do rendimento para a carga nominal Curva característica do rendimento η = f (S 2 ), para vários factores de potência 1 - Informação Geral A potência

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Electrotécnica e de Computadores 3. Ciclo

Leia mais

MANUTENÇÃO ELÉTRICA INDUSTRIAL * ENROLAMENTOS P/ MOTORES CA *

MANUTENÇÃO ELÉTRICA INDUSTRIAL * ENROLAMENTOS P/ MOTORES CA * MANUTENÇÃO ELÉTRICA INDUSTRIAL * ENROLAMENTOS P/ MOTORES CA * Vitória ES 2006 7. ENROLAMENTOS PARA MOTORES DE CORRENTE ALTERNADA A maneira mais conveniente de associar vários condutores de um enrolamento

Leia mais

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS 2.1 INTRODUÇÃO O objetivo do presente trabalho é estudar o funcionamento em regime permanente e em regime dinâmico da Máquina Assíncrona Trifásica

Leia mais

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Motor de Indução Geração do campo girante do estator Revisão Motor de Indução Velocidade de rotação do campo girante do estator

Leia mais

Auto - Transformador Monofásico

Auto - Transformador Monofásico Auto - Transformador Monofásico Transformação de Tensão Transformação de tensão para várias tensões de entrada: U 2, U 3, U 23 = f (U 1 ) 1.1. - Generalidades A função do transformador é transformar a

Leia mais

Fundamentos de Máquinas Elétricas

Fundamentos de Máquinas Elétricas Universidade Federal do C Engenharia de nstrumentação, utomação e Robótica Fundamentos de Máquinas Elétricas rof. Dr. José Luis zcue uma Regulação de tensão Rendimento Ensaios de curto-circuito e circuito

Leia mais

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores Um gerador é qualquer máquina que transforma energia mecânica em elétrica por meio da indução magnética. Um gerador de corrente

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA ENE095 Proteção de Sistemas Elétricos de Potência Prof. Luís Henrique Lopes Lima 1 TRANSFORMADORES DE MEDIDAS

Leia mais

Compensação. de Factor de Potência

Compensação. de Factor de Potência Compensação de Factor de Potência oje em dia, praticamente todas as instalações eléctricas têm associadas aparelhos indutivos, nomeadamente, motores e transformadores. Este equipamentos necessitam de energia

Leia mais

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos Possuem velocidade fixa e são utilizados para grandes cargas, (em função do seu alto custo que faz com que ele não seja viável para aparelhos menores)

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Monofásico 1.1 Introdução 1.1.1 Motores

Leia mais

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW APÊNDICE B Ensaio da Performance do Protótipo MATRBDA-HAW560-75kW 282 LABORATÓRIO DE ENSAIOS ELÉTRICOS - BAIXA TENSÃO WEG MÁQUINAS RELATÓRIO DE ENSAIO DE PROTÓTIPO MATRBDA 560 POTÊNCIA: 75KW / 25KW TENSÃO

Leia mais

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção AS DIFERENTES TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Nesta secção apresentam-se as diferentes tecnologias usadas nos sistemas eólicos, nomeadamente, na exploração

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES - PERDAS EM VAZIO Potência absorvida pelo transformador quando alimentado em tensão e frequência nominais,

Leia mais

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Capítulo 0 Transformadores DESTAQE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Os geradores elétricos, que fornecem tensões relativamente baixas (da ordem de 5 a 5 kv), são ligados

Leia mais

. analogamente. Np Ns. a = Ns

. analogamente. Np Ns. a = Ns - Transformadores O transformador é um equipamento elétrico formado por bobinas isoladas eletricamente em torno de um núcleo comum. A bobina que recebe energia de uma fonte ca é chamada de primário. A

Leia mais

SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS (M422)

SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS (M422) ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS (M422) TRABALHO LABORATORIAL Nº 1 ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉCTRICOS EM REGIME FORÇADO

Leia mais

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA. RUA SECUNDINO DOMINGUES 787, JARDIM INDEPENDÊNCIA, SÃO PAULO, SP TELEFONE (011) 2100-0777 - FAX (011) 2100-0779 - CEP 03223-110 INTERNET: http://www.equacional.com.br

Leia mais

Partida do Motor de Indução Trifásico

Partida do Motor de Indução Trifásico Partida do Motor de Indução Trifásico 1.Introdução Os motores elétricos durante solicitam da rede de alimentação uma corrente elevada na partida. Essa corrente é da ordem de 6 a 10 vezes a sua corrente

Leia mais

Mestrado Integrado em Engenharia Electrónica Industrial e Computadores 2006/2007 Máquinas Eléctricas - Exercícios

Mestrado Integrado em Engenharia Electrónica Industrial e Computadores 2006/2007 Máquinas Eléctricas - Exercícios Mestrado Integrado em Engenharia Electrónica Industrial e Computadores 2006/2007 Máquinas Eléctricas - Exercícios Nome Nº ATENÇÃO: A justificação clara e concisa das afirmações e cálculos mais relevantes

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila.

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Ex. 0) Resolver todos os exercícios do Capítulo 7 (Máquinas

Leia mais

Amplificadores Operacionais

Amplificadores Operacionais Análise de Circuitos LEE 2006/07 Guia de Laboratório Trabalho 2 Amplificadores Operacionais INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Paulo Flores 1 Objectivos

Leia mais

Sistemas de Accionamento Electromecânico

Sistemas de Accionamento Electromecânico Sistemas de Accionamento Electromecânico Comando e protecção de motores Introdução SISTEMAS de ACCIONAMENTO ELECTROMECÂNICO, O que são? Sistemas capazes de converter energia eléctrica em energia mecânica

Leia mais

Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA.

Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA. Motores elétricos Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA. Para melhor entender o funcionamento desse

Leia mais

LABORATÓRIOS INTEGRADOS II

LABORATÓRIOS INTEGRADOS II LABORATÓRIOS INTEGRADOS II Trabalhos de MÁQUINAS ELÉCTRICAS 98 / 99 1 INTRODUÇÃO Estes trabalhos consistem na utilização, ensaio ou montagem de algumas das máquinas eléctricas de uso mais frequente, nomeadamente:

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

Laboratórios de Sistemas Eléctricos e Electromecânicos

Laboratórios de Sistemas Eléctricos e Electromecânicos Laboratórios de Sistemas Eléctricos e Electromecânicos Mestrado em Engenharia Mecânica Mestrado em Engenharia Aeroespacial Licenciatura de Engenharia Naval 2010/2011 DEEC Área Científica de Energia Prof.

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 3: Gerador síncrono Exercícios 3.1 Dois geradores síncronos estão montados no mesmo eixo e devem fornecer tensões em 60 Hz e 50 Hz, respectivamente. Determinar

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: Técnico de Instalações Elétricas DISCIPLINA: Eletricidade / Eletrónica N.º TOTAL DE MÓDULOS: 8 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 N.º 1 30 Corrente Contínua Identificar

Leia mais

1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova

1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova EE.UFMG - ESCOLA DE ENGENHARIA DA UFMG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ELE 0 - CIRCUITOS POLIFÁSICOS E MAGNÉTICOS PROF: CLEVER PEREIRA 1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 MOTORES ELÉTRICOS Aula 1 Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 CONTEÚDO INTRODUÇÃO; 1.1 TIPOS DE MOTORES; 1.2 FATORES DE SELEÇÃO; 1.3 MOTORES DE INDUÇÃO; 1.4 MOTORES

Leia mais

Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores. Medições preliminares bancada R S R T S T R N S N T N

Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores. Medições preliminares bancada R S R T S T R N S N T N Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores Objetivos da aula Partir motores de indução trifásicos; Entender a ligação estrela e seus conceitos básicos; e Cálculos úteis para motores. Medições

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17 ........... Sumário APRESENTAÇÃO.... 13 Unidade 1: Revisão de eletricidade básica 1.1 Primeiras palavras.... 17 1.2 Problematizando o tema... 17 1.3 Texto básico para estudos.... 17 1.3.1 Tensão Contínua

Leia mais

Trabalho Prático Nº 6.

Trabalho Prático Nº 6. Trabalho Prático Nº 6. Título: Carga Predominantemente Resistiva, Carga Predominantemente Indutiva e Carga Resistiva e Indutiva em paralelo. Objetivo: Este trabalho prático teve como objetivo montar três

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS. Princípios e fundamentos. Eng. Agríc. Luciano Vieira

MOTORES ELÉTRICOS. Princípios e fundamentos. Eng. Agríc. Luciano Vieira Universidade Estadual de Maringá Departamento de Engenharia Agrícola Campus do Arenito MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos Eng. Agríc. Luciano Vieira CLASSIFICAÇÃO Classificação dos motores de

Leia mais

Eletromecânicos de Manutenção Industrial

Eletromecânicos de Manutenção Industrial Eletromecânicos de Manutenção Industrial 2013/ 2014 1 Motor de indução trifásico Máquina capaz de transformar energia elétrica em energia mecânica 2 Motor elétrico Noções fundamentais Máquina destinada

Leia mais

EESC-USP LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA

EESC-USP LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA Professores: Eduardo Nobuhiro Asada Luís Fernando Costa Alberto Colaborador: Elmer Pablo Tito Cari LABORATÓRIO N 9: MAQUINA SÍNCRONA: (ângulo de carga,

Leia mais

Figura 1: Ensaio em vazio implementado

Figura 1: Ensaio em vazio implementado Ensaios do Motor Estes ensaios foram indispensáveis, pois foi necessário estimar a resistência por fase e indutância de fugas do motor. Isto foi conseguido operando o motor DC brushless como gerador, com

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

Prof.: Geraldo Barbosa Filho

Prof.: Geraldo Barbosa Filho AULA 07 GERADORES E RECEPTORES 5- CURVA CARACTERÍSTICA DO GERADOR 1- GERADOR ELÉTRICO Gerador é um elemento de circuito que transforma qualquer tipo de energia, exceto a elétrica, em energia elétrica.

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG) Departamento de Ensino de II Grau Coordenação do Curso Técnico de Eletrotécnica e Automação Industrial Disciplina: Prática de Laboratório

Leia mais

Curso Profissional Técnico de Eletrónica, Automação e Comando

Curso Profissional Técnico de Eletrónica, Automação e Comando Curso Profissional Técnico de Eletrónica, Automação e Comando Disciplina de Eletricidade e Eletrónica Módulo 1 Corrente Contínua Trabalho Prático nº 2 Verificação da lei de Ohm Trabalho realizado por:

Leia mais

LABORATÓRIOS E PRÁTICAS INTEGRADAS I PRÁTICAS LABORATORIAIS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

LABORATÓRIOS E PRÁTICAS INTEGRADAS I PRÁTICAS LABORATORIAIS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS LABORATÓRIOS E PRÁTICAS INTEGRADAS I PRÁTICAS LABORATORIAIS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS Introdução Estas Práticas Laboratoriais consistem na utilização, ensaio ou montagem de algumas das máquinas eléctricas

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

Eletrotécnica. Comandos Elétricos

Eletrotécnica. Comandos Elétricos Eletrotécnica Comandos Elétricos Teoria e Aplicações Escola Técnica de Brasília - ETB Prof. Roberto Leal Ligação de Motores 1 Motor Elétrico Transformar energia elétrica em energia mecânica Motores de

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Electrotécnica e de Computadores 3. Ciclo

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL Nº2

TRABALHO LABORATORIAL Nº2 ECOLA UERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIUE DEARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M422 ITEMA E INTALAÇÕE ELÉCTRICA DE NAVIO TRABALHO LABORATORIAL Nº2 ENAIO DE UM CIRCUITO ELÉCTRICO TRIFÁICO (ETRELA/TRIÂNGULO)

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos motores elétricos de corrente contínua, o papel do comutador, as características e relações

Leia mais

Motores eléctricos em sistemas de controlo

Motores eléctricos em sistemas de controlo Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Electrotécnica Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores SISEL - Sistemas Electromecânicos Exercícios de 26 1. Considere

Leia mais

PROVA DE AVALIAÇÃO TÉCNICO-MILITAR (PARTE ESPECÍFICA) Mecânicos de Electricidade MELECT

PROVA DE AVALIAÇÃO TÉCNICO-MILITAR (PARTE ESPECÍFICA) Mecânicos de Electricidade MELECT PROVA DE AVALIAÇÃO TÉCNICO-MILITAR (PARTE ESPECÍFICA) Mecânicos de MELECT ESTRUTURA DA PROVA Disciplina Capítulo Nº de questões Automação 01 3 02 2 03 2 01 1 Instalações Eléctricas 03 1 04 1 05 1 06 1

Leia mais

ISEL. Subestação de Alto Mira. Relatório de Visita de Estudo. 27 Maio 2005. Secção de Sistemas de Energia

ISEL. Subestação de Alto Mira. Relatório de Visita de Estudo. 27 Maio 2005. Secção de Sistemas de Energia ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Relatório de Visita de Estudo 27 Maio 2005 Secção de Sistemas de Energia Junho 2005 Índice 1. Enquadramento

Leia mais

EXPERIÊNCIA 8 TRANSFORMADORES, CIRCUITOS EM CORRENTE ALTERNADA E FATOR DE POTÊNCIA

EXPERIÊNCIA 8 TRANSFORMADORES, CIRCUITOS EM CORRENTE ALTERNADA E FATOR DE POTÊNCIA EXPEÊNA 8 ANSFOMADOES, UOS EM OENE AENADA E FAO DE POÊNA 1 NODUÇÃO O transformador é um dispositivo elétrico que permite modificar a amplitude de tensões e correntes onsiste basicamente de duas bobinas

Leia mais

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Transformadores Para Instrumentos Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Sumário 1. Tipos de Transformadores. 2. Transformadores de Corrente - TCs. 3. Transformadores de Potencial TPs. 4. Ligação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE DOMINGOS SEQUEIRA Ano Lectivo 2006/2007

ESCOLA SECUNDÁRIA DE DOMINGOS SEQUEIRA Ano Lectivo 2006/2007 Ano Lectivo 006/007 Ano º Turma K Curso Tecnológico de Eletrotecnia e Electrónica Apresentação do programa da disciplina ª SEA Texto Lírico Fernando Pessoa e seus heterónimos 6 ºP Português ª SEA Texto

Leia mais

GUIA DE APLICAÇÃO DE CAPACITORES BT

GUIA DE APLICAÇÃO DE CAPACITORES BT GUIA DE APLICAÇÃO DE Neste guia você tem um resumo detalhado dos aspectos mais importantes sobre aplicação de capacitores de baixa tensão para correção do fator de potência. Apresentando desde conceitos

Leia mais

ANÁLISE DE CIRCUITOS

ANÁLISE DE CIRCUITOS NÁLISE DE CIRCUITOS Corrente Contínua 1 Na figura seguinte representa um voltímetro e um amperímetro. Se indicar 0,6 m, quanto deverá marcar? U 50kΩ Figura 1 2 Se R b = 3R a, qual a tensão entre e B (sabendo

Leia mais

Nota Técnica 003/2010

Nota Técnica 003/2010 Nota Técnica 003/2010 Produto: Crowbar Aplicação: Acionamento da resistência de descarga em motores síncronos Serão discutidos os tópicos a seguir: 1) Conceito de Motores Síncronos 2) Determinação da Resistência

Leia mais

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Aplicações dos Geradores CC Atualmente com o uso de inversores de frequência e transformadores, tornou-se fácil a manipulação da Corrente Alternada. Como os geradores

Leia mais

Exercícios de Física sobre Circuitos Elétricos com Gabarito

Exercícios de Física sobre Circuitos Elétricos com Gabarito Exercícios de Física sobre Circuitos Elétricos com Gabarito (Unicamp-999 Um técnico em eletricidade notou que a lâmpada que ele havia retirado do almoxarifado tinha seus valores nominais (valores impressos

Leia mais

Circuitos Elétricos 1º parte. Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento

Circuitos Elétricos 1º parte. Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento Circuitos Elétricos 1º parte Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento Introdução Um circuito elétrico é constituido de interconexão de vários

Leia mais

TLME-2.3 MÁQUINAS ELÉCTRICAS II. Motor Síncrono Trifásico sincronização e arranque. no laboratório. 1. Introdução

TLME-2.3 MÁQUINAS ELÉCTRICAS II. Motor Síncrono Trifásico sincronização e arranque. no laboratório. 1. Introdução ÁQINS ELÉCTRICS II TLE-2.3 1 ** 2001 / 2002 ** SE FEP LEEC TLE-2.3 otor Síncrono Trifásico sincronização e arranque 1. Introdução s máquinas eléctricas síncronas têm funcionamento reversível podendo trabalhar

Leia mais

ESTUDO DO AUTOTRANSFORMADOR

ESTUDO DO AUTOTRANSFORMADOR ESTUDO DO UTOTRNSFORMDOR. onceito. O autotransformador é um equipamento semelhante ao transformador, possuindo a mesma finalidade. única diferença é que existe apenas um único enrolamento.. Estudo do utotransformador

Leia mais

-Transformadores Corrente de energização - inrush

-Transformadores Corrente de energização - inrush -Transformadores Corrente de energização - inrush Definição Corrente de magnetização (corrente de inrush) durante a energização do transformador Estas correntes aparecem durante a energização do transformador,

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO MÁQUINAS ELÉTRICAS

Leia mais

Introdução à Máquina de Indução

Introdução à Máquina de Indução Introdução à Máquina de Indução 1. Introdução Nesta apostila são abordados os aspectos básicos das máquinas de indução. A abordagem tem um caráter introdutório; os conceitos abordados serão aprofundados

Leia mais

EQUIPAMENTO AGRÍCOLA

EQUIPAMENTO AGRÍCOLA EQUIPAMENTO AGRÍCOLA PARA GERAÇÃO DE ENERGIA Aproveite a força do seu trator! Práticos, versáteis e seguros, os equipamentos com alternadores da linha Agribam, do grupo Bambozzi, são ideais para propriedades

Leia mais

O esquema da Fig.1 mostra como montar a resistência de teste para medidas de tensão, corrente e resistência.

O esquema da Fig.1 mostra como montar a resistência de teste para medidas de tensão, corrente e resistência. Ano lectivo: 200-20 Medição de Tensões e Correntes Eléctricas. Leis de Ohm e de Kirchhoff. OBJECTIO Aprender a utilizar um osciloscópio e um multímetro digital. Medição de grandezas AC e DC. Conceito de

Leia mais

Em termos de estrutura, um transformador é composto essencialmente pelas seguintes partes:

Em termos de estrutura, um transformador é composto essencialmente pelas seguintes partes: ransformadores são equipamentos utilizados na transformação de valores de tensão e corrente, além de serem usados na modificação de impedâncias em circuitos eléctricos. Inventado em 1831 por Michael Faraday,

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Automação Industrial Porto Alegre, Maio de 2014 Revisão: A Prof Vander Campos Conhecer os princípios básicos do inversor de frequência; Saber interpretar

Leia mais

Motor de Corrente Contínua e Motor Universal

Motor de Corrente Contínua e Motor Universal Capítulo 14 Motor de Corrente Contínua e Motor Universal Objetivos: Entender o princípio de funcionamento Analisar as características operacionais destes motores ONDE EXISTE ESTE TIPO DE ROTOR? ESPIRA

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS O que é um Servomotor? O servomotor é uma máquina síncrona composta por uma parte fixa (o estator) e outra móvel (o rotor). O estator é bombinado como no motor elétrico convencional, porém, apesar de utilizar

Leia mais

- Para se aumentar a quantidade de líquido (W), para o mesmo copo de chopp, deve-se reduzir a quantidade de espuma (VAr). Desta forma, melhora-se a

- Para se aumentar a quantidade de líquido (W), para o mesmo copo de chopp, deve-se reduzir a quantidade de espuma (VAr). Desta forma, melhora-se a 6. FATOR DE POTÊNCIA O fator de potência é uma relação entre potência ativa e potência reativa, conseqüentemente energia ativa e reativa. Ele indica a eficiência com a qual a energia está sendo usada.

Leia mais

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 6 TRANSFORMADORES

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 6 TRANSFORMADORES GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 6 TRANSFORMADORES 1. RESUMO Verificação das relações entre tensões e correntes no circuito primário e secundário de um transformador ideal. Realização da experiência do

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA TLHO PÁTCO DETEMNÇÃO D ESSTÊNC NTEN DE UM PLH Objectivo Este trabalho compreende as seguintes partes: comparação entre as resistências internas de dois voltímetros, um analógico e um digital; medida da

Leia mais

Geradores de corrente alternada

Geradores de corrente alternada Geradores de corrente alternada Introdução: A função do gerador elétrico é bastante conhecida, converter energia mecânica em energia elétrica podendo esta ser alternada ou contínua. Um gerador de corrente

Leia mais

MÁQUINAS ELÉCTRICAS II TLME-2.3. Ensaios Económicos. 1. Introdução R2 X2

MÁQUINAS ELÉCTRICAS II TLME-2.3. Ensaios Económicos. 1. Introdução R2 X2 TLME-2.3 1 MÁQUINAS ELÉCTRICAS II SE 2004 / 2005 FEUP LEEC TLME-2.3 Ensaios Económicos 1. Introdução Na utilização quotidiana de transformadores eléctricos podem ocorrer dois tipos de ensaios: ensaios

Leia mais