EQUIPAMENTO ELÉCTRICO DOS GERADORES EÓLICOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EQUIPAMENTO ELÉCTRICO DOS GERADORES EÓLICOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO DEEC / Secção de Energia Energias Renováveis e Produção Descentralizada EQUIPAMENTO ELÉCTRICO DOS GERADORES EÓLICOS 1ª Parte Princípio de funcionamento J.M. Ferreira de Jesus Rui M.G. Castro Março de 2004 (edição 0)

2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. MÁQUINA DE INDUÇÃO COM ROTOR EM GAIOLA 7 3. MÁQUINA DE INDUÇÃO DUPLAMENTE ALIMENTADA MÁQUINA SÍNCRONA DE VELOCIDADE VARIÁVEL BIBLIOGRAFIA 20 ii

3 Introdução 3 1. INTRODUÇÃO Os primeiros Geradores Eólicos (GEOL) que se instalaram em Portugal (no final dos anos 80, início dos anos 90) encontravam-se equipados com máquinas de indução de rotor em gaiola. A diferença entre os diversos sistemas residia na forma como a turbina controlava a potência mecânica: turbinas em que o controlo da potência mecânica é conseguido através do desenho das pás do rotor, denominadas turbinas tipo stall na literatura, e turbinas em que o controlo da potência mecânica é realizado por variação do passo das pás do rotor, denominadas turbinas tipo pitch. Estes GEOL caracterizavam-se por possuírem uma velocidade de rotação praticamente constante (sendo as variações da velocidade de rotação contabilizadas pelo escorregamento) e por possuírem caixas de velocidade para adaptação da velocidade de rotação nominal da turbina (cerca de 38 rpm) à velocidade de sincronismo da máquina de indução (tipicamente 1500 rpm). No final da década de 90 foram instalados, em Portugal, os primeiros GEOL equipados com máquinas síncronas, operadas a velocidade variável. Estes caracterizam-se pela ausência de caixa de velocidades, sendo a adaptação da frequência das grandezas eléctricas do gerador à frequência da rede, realizada através de um sistema de conversão corrente alternada / corrente contínua / corrente alternada (ca/cc/ca). As turbinas que equipam estes GEOL são do tipo pitch. No final da década de 90, são ainda instalados em Portugal GEOL equipados com máquinas de indução de rotor bobinado, em que existe a possibilidade de variar uma resistência colocada em série com o rotor da máquina e, consequentemente, a gama de variação de velocidade do rotor. As turbinas que equipam estes GEOL são do tipo pitch, sendo a adaptação da velocidade do rotor da turbina ao rotor da máquina de indução realizada através de uma caixa de velocidades. Actualmente encontram-se em instalação em Portugal GEOL equipados com máquinas de indução de rotor bobinado com aproveitamento da energia do escorregamento, uma montagem designada na literatura por máquina de indução de

4 Introdução 4 dupla alimentação 1. Estes GEOL são equipados com turbinas do tipo pitch e possuem uma caixa de velocidades por forma a adaptar a velocidade da turbina à velocidade de rotação da máquina de indução. Os diferentes tipos de tecnologia que, ao longo do tempo, têm sido instalados em Portugal, reflectem a evolução tecnológica que se tem verificado nos GEOL ao longo dos anos. A Figura 1 ilustra os diferentes tipo de configuração possíveis para os GEOL. Tanto quanto é do conhecimento dos autores, das configurações ilustradas, apenas a correspondente à utilização da máquina de indução de rotor em gaiola ligada à rede de energia eléctrica através de um sistema de conversão ca/cc/ca, não é oferecida pelos fabricantes de GEOL. Figura 1 Configurações dos GEOL. [Cigrè]. 1 Em inglês estas máquinas designam-se por DFIG Double Fed Induction Generator ou DOIG Double Output Induction Generators.

5 Introdução 5 As turbinas que equipam as configurações ilustradas na Figura 1 podem ser quer do tipo pitch quer do tipo stall, contudo, nas configurações equipadas com sistemas de conversão ca/cc/ca para interligação com a rede de energia eléctrica, as turbinas são geralmente do tipo pitch. Dados disponibilizados pelo INEGI 2 com data de Março de 2003, que se apresentam no Quadro 1, permitem quantificar a potência instalada e em construção em Portugal Continental por tipo de GEOL. Quadro 1 Potência instalada em operação/construção por tipo de configuração dos GEOL em Março de Tipo Turbina Tipo Gerador Ligação à Rede P instalado [MW] P construção [MW] Stall Indução, Gaiola de Esquilo Directa 39,4 38,1 Indução, Gaiola de Esquilo Directa 36,7 - Pitch Indução, Duplamente alimentado Sistema de conversão ca/cc/ca (rotor) 7,85 21 Síncrono Sistema de conversão ca/cc/ca 100,5 6 Os dados constantes no Quadro 1 reflectem uma tendência que se vem verificando por parte dos fabricantes que ofereciam sistemas baseados em máquinas de indução de rotor em gaiola com turbinas de tipo pitch, que consiste em, para a gama de potências actualmente disponibilizadas nos GEOL (2-3 MW), passarem a oferecer máquinas de indução duplamente alimentadas. Idêntica filosofia pode ser observada nos fabricantes que oferecem turbinas de tipo stall acopladas a máquinas de indução de rotor em gaiola: na gama dos GEOL com potência nominal de 2-3 MW começam a oferecer turbinas do tipo pitch acopladas a máquinas de indução duplamente alimentadas. É assim expectável que a penetração de GEOL equipados com turbinas do tipo pitch e máquinas de indução duplamente alimentadas aumente consideravelmente num futuro próximo. 2 Instituto Nacional de Engenharia e Gestão Industrial, ligado à Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.

6 Introdução 6 No horizonte temporal de 2010, é expectável que em Portugal Continental os parque eólicos sejam predominantemente equipados com GEOL de três tipos a saber: Turbinas tipo stall com geradores de indução de rotor em gaiola. Turbinas tipo pitch com geradores síncronos de velocidade variável ligados à rede de energia eléctrica através de conversores ca/cc/ca. Turbinas tipo pitch com geradores de indução duplamente alimentados, com o estator directamente ligado à rede de energia eléctrica e o rotor ligado à rede de energia eléctrica através de conversores ca/cc/ca. Neste documento descrevem-se os tipos de GEOL que, previsivelmente, estarão instalados em Portugal até A caracterização dos GEOL é realizada separadamente para a máquina de indução com rotor em gaiola (MIRG), para a máquina de indução duplamente alimentada (MIDA) e para a máquina síncrona de velocidade variável (MSVV).

7 Máquina de Indução com Rotor em Gaiola 7 2. MÁQUINA DE INDUÇÃO COM ROTOR EM GAIOLA A máquina de indução com o rotor em gaiola (MIRG) funciona como gerador nas situações em que a velocidade angular do rotor é superior à velocidade angular do campo girante, ou seja, para escorregamentos, s, negativos, conforme ilustrado na Figura Tmec [Nm] ,5-1 -0,5 0 0,5 1 s 1, Figura 2 Característica binário velocidade da máquina de indução de rotor em gaiola. No modo de funcionamento como gerador a máquina funciona entre os pontos correspondentes ao escorregamento (aproximadamente) nulo e o correspondente ao valor máximo da intensidade de corrente admissível no estator, o qual, para a máquina a que corresponde a característica representada na Figura 2, se verifica para um valor de s igual a -0.8%. Este valor é consideravelmente inferior àquele para o qual ocorre o binário máximo (cerca de -8% para a característica representada na Figura 2). Em virtude da variação da velocidade admissível da máquina em relação à velocidade de sincronismo ser muito pequena, na prática, esta máquina comporta-se como tendo velocidade constante.

8 Máquina de Indução com Rotor em Gaiola 8 A Figura 3 ilustra a potência reactiva consumida pela máquina de indução em função da potência activa gerada Q [kvar] P [kw] Figura 3 Potência reactiva, Q, consumida em função da potência activa gerada, P. Na MIRG, o campo electromagnético, essencial para a conversão de energia mecânica em energia eléctrica, é estabelecido através do estator da máquina. Tal facto implica que a máquina absorve sempre potência reactiva da rede, conforme ilustrado na Figura 3. Note-se a escala negativa no eixo dos y, para ilustrar a absorção de potência reactiva, na convenção gerador. O factor de potência da máquina aumenta com o aumento da potência activa gerada, sendo esta variação não linear, conforme ilustrado nesta figura. Para a máquina com a característica ilustrada na Figura 3, o factor de potência varia entre 0,18 e 0,91 (capacitivo) para valores da potência activa entre 40 kw e 660 kw, respectivamente.

9 Máquina de Indução com Rotor em Gaiola 9 Os GEOL equipados com MIRG são sempre equipados com baterias de condensadores por forma a compensar o factor de potência das máquinas. Os fabricantes compensam, geralmente, o factor de potência para o valor unitário, por meio de bancos de condensadores, tipicamente com dois escalões. Alguns fabricantes oferecem MIRG com um número variável de pares de pólos (tipicamente 2-3): o número a usar depende da velocidade da turbina. Esta solução permite adaptar a velocidade específica da ponta da pá, λ, a um valor que maximize o coeficiente de potência, C p.

10 Máquina de Indução Duplamente Alimentada MÁQUINA DE INDUÇÃO DUPLAMENTE ALIMENTADA O principio de funcionamento da máquina de indução (com rotor bobinado) duplamente alimentada (MIDA) baseia-se na possibilidade de controlar a sua velocidade por variação da resistência do rotor. A Figura 4 ilustra a alteração das curvas binário / escorregamento da máquina de indução devido à variação de uma resistência ligada em série com a do enrolamento do rotor. Rr1 Rr2 Rr3 Rr4 Tmec 60 T [Nm] ,8-0,6-0,4-0,2 0 0,2 0,4 0,6 0,8 1 s [pu] Figura 4 Curvas características binário - velocidade para diferentes valores de resistência do rotor: R r4 > R r3 > R r2 > R r1 Na Figura 4 observa-se que, para um dado binário mecânico, T, é possível variar a velocidade da máquina de indução variando a resistência rotórica. Se em lugar de uma resistência variável, se instalar um sistema de conversão ca/cc/ca ligado ao rotor, é possível extrair potência activa pelo rotor da máquina e assim controlar a velocidade. É este o princípio do aproveitamento da energia de escorregamento nos motores de indução de rotor bobinado.

11 Máquina de Indução Duplamente Alimentada 11 O modo de funcionamento das MIDA utilizadas nos GEOL baseia-se no princípio acima descrito: para escorregamentos negativos, até se atingir a intensidade de corrente nominal do estator da máquina, a potência extraída pelo rotor da máquina é controlada por forma a optimizar a velocidade específica da ponta da pá do rotor, λ, e assim maximizar o valor do coeficiente de potência, C p, da turbina. Para escorregamentos negativos, superiores (em módulo) àquele em que a intensidade da corrente no estator atinge o valor nominal, a potência activa no estator e rotor permanecem constantes. Este princípio do controlo da velocidade por aproveitamento da energia de escorregamento, leva a que esta máquina possa funcionar como gerador para escorregamentos positivos. Por forma a garantir este modo de operação, torna-se necessário fornecer potência activa ao rotor. A Figura 5 ilustra a característica C p (v) para turbinas de velocidade fixa (v f) e de velocidade variável (v v). v v v f 0,5 0,45 0,4 0,35 0,3 Cp 0,25 0,2 0,15 0,1 0, v [m/s] Figura 5 Característica C p (v) para turbinas de velocidade fixa (v f) e de velocidade variável (v v).

12 Máquina de Indução Duplamente Alimentada 12 Para a mesma velocidade do vento incidente, as turbinas apresentam as características P mec (v) representadas na Figura 6. v v v f Pmec [kw] v [m/s] Figura 6 Características P mec (v) para turbinas de velocidade variável (vv) e explorada a velocidade fixa (vf). A Figura 5 e a Figura 6 ilustram as vantagens de explorar uma turbina a velocidade variável: a potência mecânica disponível para conversão em potência eléctrica é claramente superior, quer na zona das mais baixas quer na das mais elevadas velocidades de vento. A Figura 7 ilustra a velocidade do rotor de uma máquina de indução com dois pares de pólos acoplada a uma turbina eólica operada a velocidade fixa ou variável. Da Figura 7 conclui-se que, para a máquina ser operada a velocidade variável e assim optimizar o valor de C p da turbina, necessita funcionar como gerador para velocidades abaixo da velocidade de sincronismo (1500 rpm neste caso).

13 Máquina de Indução Duplamente Alimentada 13 v v v f Nr [rpm] v [m/s] Figura 7 Velocidade do rotor em função da velocidade do vento de uma máquina de indução com 2 pares de pólos num sistema operado a velocidade fixa (v f) ou a velocidade variável (v v). A Figura 8 ilustra as potências activas no estator, P s (vv), no rotor, P r, e total P t (vv) (=P s -P r ) de uma MIDA que equipa o GEOL explorado a velocidade variável e a potência activa no estator, P s (vf), da MIRG de velocidade constante. A análise da Figura 8 permite a identificação de três zonas na característica potência velocidade de rotação da MIDA: uma zona abaixo da velocidade de sincronismo em que é fornecida potência activa ao rotor da máquina; uma zona próximo da velocidade de sincronismo em que o trânsito de potência activa no rotor da máquina é praticamente nulo; uma zona, a partir de cerca de 1512 rpm, em que a máquina fornece potência activa à rede pelo estator e pelo rotor. Estas zonas que se observam na Figura 8 são típicas nos GEOL equipados com MIDA correntemente comercializados.

14 Máquina de Indução Duplamente Alimentada Ps (v v) Pr Ps (v f) Pt (v v) P [kw] Nr [rpm] Figura 8 Potências activas das MIRG (v f) e MIDA (v v) em função da velocidade do rotor. Na Figura 9 apresenta-se o esquema de ligações da máquina de indução duplamente alimentada. Figura 9 Esquema de ligações da máquina de indução duplamente alimentada [Ekanayake]. O estator da máquina de indução encontra-se directamente ligado à rede de energia eléctrica; o rotor está ligado à rede através de um sistema de conversão ca/cc/ca e de um transformador elevador.

15 Máquina de Indução Duplamente Alimentada 15 Os conversores ca/cc/ca que interligam o rotor da máquina à rede, através do transformador elevador, são pontes conversoras a seis pulsos equipados com transistores bipolares de porta isolada (IGBT s) com um sistema de comando por modulação da largura do impulso. Tipicamente, nos GEOL equipados com MIDA, o conversor ligado ao transformador elevador controla a tensão contínua aos terminais do condensador do subsistema de corrente contínua e controla o factor de potência no ponto comum aos circuitos do rotor e estator. O conversor directamente ligado ao rotor da máquina de indução controla o módulo e argumento da intensidade de corrente injectada / extraída pelo circuito rotórico. O princípio de funcionamento do sistema de controlo por modulação da largura de impulso dos conversores permite impor uma forma de onda alternada sinusoidal com frequência, amplitude e fase ajustáveis aos terminais de corrente alternada dos conversores [Mohan]. No caso que ora se apresenta, o conversor ca/cc ligado ao rotor da máquina de indução, permite o controlo da frequência da forma de onda aplicada ao rotor (igual à frequência de escorregamento da máquina num dado ponto de operação) e, simultaneamente, o controlo do módulo e argumento da intensidade de corrente no rotor. No conversor ca/cc ligado ao transformador elevador, é controlada a amplitude da tensão contínua aos terminais do condensador, a frequência da onda de corrente alternada é igual á frequência da rede com que o conversor se encontra interligado e o controlo de fase permite impor o factor de potência. Esta propriedade do sistema de comando por modulação da largura do impulso de ajustar a fase da onda de tensão/intensidade de corrente, permite dispensar a utilização de baterias de condensadores na grande maioria dos casos. Tipicamente, os fabricantes asseguram um controlo do factor de potência entre cerca de 0,9 indutivo e cerca de 0,9 capacitivo aos terminais da máquina.

16 Máquina de Indução Duplamente Alimentada 16 O sistema de controlo dos conversores ca/cc/ca visa assegurar a maximização do valor do coeficiente de potência, C p, da turbina, na região da característica P(v) em que a potência não é controlada. Adicionalmente, o sistema de controlo destes conversores mantém um dado valor do factor de potência no ponto de interligação da MIDA com a rede de energia eléctrica. Na região de potência controlada da característica P(v) da turbina, o controlador do sistema de conversão ca/cc/ca mantém constante a potência total, P t, extraída pelo estator e rotor da máquina, sendo complementado pelo sistema de controlo do ângulo de passo das pás do rotor. Do exposto conclui-se que o sistema de controlo dos GEOL equipados com MIDA visa maximizar a potência eléctrica entregue à rede na gama de variação da velocidade do vento.

17 Máquina Síncrona de Velocidade Variável MÁQUINA SÍNCRONA DE VELOCIDADE VARIÁVEL A Figura 10 ilustra o esquema de ligações dos geradores eólicos equipados com máquinas síncronas de velocidade variável (MSVV). Figura 10 Esquema de Ligações de um GEOL equipado com um gerador síncrono explorado a velocidade variável. Nestes sistemas a máquina síncrona encontra-se ligada à rede através de um sistema de conversão ca/cc/ca, já que a frequência das grandezas estatóricas (idêntica à frequência angular de rotação do rotor) é diferente da frequência da rede de energia eléctrica. Os GEOL deste tipo instalados em Portugal, não possuem caixa de velocidades, pelo que a velocidade mecânica de rotação do rotor é idêntica à velocidade de rotação da turbina. Tipicamente a velocidade de rotação da turbina (e do rotor da máquina síncrona) varia entre 17 rpm e 36 rpm, pelo que a máquina possui um número de pares de pólos elevado (32 nalgumas das instalações existentes).

18 Máquina Síncrona de Velocidade Variável 18 O estator da máquina síncrona é hexafásico e encontra-se ligado a dois sistemas de conversão ca/cc/ca independentes. O paralelo entre os dois sistemas de conversão é efectuado à saída dos conversores cc/ca (conversores de rede) que se encontram ligados ao transformador elevador. Cada um dos conversores ca/cc ligados ao gerador (conversores de gerador) é constituído por uma ponte conversora a seis pulsos equipadas com tiristores. Estes tiristores funcionam com um ângulo de disparo constante. A tensão contínua aos terminais do condensador colocado em paralelo na ligação em corrente contínua tem de ser regulada para um valor constante. Contudo, para valores baixos da velocidade do rotor, o sistema de excitação da máquina síncrona não tem capacidade para assegurar aquele valor, sendo necessário recorrer a um chopper (conversor cc/cc) instalado entre o conversor do gerador e o condensador, o qual é desligado quando a velocidade do rotor excede um determinado valor. O conversor de rede é constituído por uma ponte conversora a seis pulsos equipada com IGBT s, com um sistema de comando por modulação da largura do impulso. Este conversor controla a potência activa injectada na rede e o factor de potência. O controlo de potência activa no conversor de rede permite a imposição de um binário electromagnético (resistente) ao gerador, tornando assim possível o controlo da velocidade de rotação do grupo turbina eólica gerador, por forma a obter a velocidade específica da ponta da pá óptima, λ, para cada valor da velocidade de vento. A Figura 11 ilustra a potência activa e reactiva fornecida pelo conversor de rede de um GEOL deste tipo em função da velocidade de rotação do rotor.

19 Máquina Síncrona de Velocidade Variável 19 P Q P; Q [kw/kvar] Nr [rpm] Figura 11 Potência activa e reactiva fornecida por um GEOL equipado com gerador síncrono explorado a velocidade variável em função da velocidade do rotor.

20 Bibliografia BIBLIOGRAFIA [Akhmatov] Akhmatov; Variable-Speed Wind Turbines with Doubly-Fed Induction Generators Part I: Modelling in Dynamic Simulation Tools, Wind Engineering, Vol 26, nº 2, [Cigrè] CIGRÉ Task Force , [Ekanayake] Ekanayake; Holdsworth; Wu; Jenkins; Dynamic Modelling of Doubly Fed Induction Generator Wind Turbines, IEEE Transactions on Power Systems, vol.18, nº 2, May [Manwell] Manwell; McGowan; Rogers; Wind Energy Explained, John Wiley & Sons, [Mohan] Mohan; Undeland; Robbins; Power Electronics Converters, Applications and Design, John Wiley & Sons, 2003.

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção AS DIFERENTES TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Nesta secção apresentam-se as diferentes tecnologias usadas nos sistemas eólicos, nomeadamente, na exploração

Leia mais

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA INTRODUÇÃO Nesta exposição apresentam-se as equações e os conhecimentos necessários para a resolução dos exercícios.

Leia mais

Sistemas de Geração Eólica

Sistemas de Geração Eólica Cronograma Aula 1. Panorâma de geração eólica 22/11 Sistemas de Geração Eólica Aula 2. Operação de sistemas de geração eólica 29/11 Prof. Romeu Reginato Outubro de 2010 1 Aula 3. Tecnologias de geração

Leia mais

Potência Instalada (GW)

Potência Instalada (GW) Modelagem e simulação de um aerogerador a velocidade constante Marcelo Henrique Granza (UTFPR) Email: marcelo.granza@hotmail.com Bruno Sanways dos Santos (UTFPR) Email: sir_yoshi7@hotmail.com Eduardo Miara

Leia mais

EXERCÍCIOS CORRIGIDOS

EXERCÍCIOS CORRIGIDOS Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção EXERCÍCIOS CORRIGIDOS INTRODUÇÃO Vamos testar os conhecimentos adquiridos; para o efeito, propõem-se seis exercícios de diferentes dificuldades:

Leia mais

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS 1. Um dinamo octopolar de 600 r.p.m. com enrolamento em série de 300 condutores activos tem um fluxo por pólo de 5x10 6 Maxwell. Calcule a força electromotriz produzida.

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL Nº 3

TRABALHO LABORATORIAL Nº 3 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M422 - SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS TRABALHO LABORATORIAL Nº 3 ENSAIO DE UMA MÁQUINA ASSÍNCRONA TRIFÁSICA

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Electrotécnica e de Computadores 3. Ciclo

Leia mais

Máquinas Eléctricas I

Máquinas Eléctricas I I Máquinas Síncronas Luis Pestana Resumo Máquinas Síncronas Generalidades Principio de funcionamento Aspectos construtivos O gerador síncrono em carga com cargas isoladas Curvas de regulação ligado a um

Leia mais

A Simplified State Model for Wind Turbines. Engenharia Eletrotécnica e de Computadores

A Simplified State Model for Wind Turbines. Engenharia Eletrotécnica e de Computadores 1. A Simplified State Model for Wind Turbines Nuno Miguel Libório Bernardo Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores Júri Presidente: Prof. Doutora Maria

Leia mais

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS 2.1 INTRODUÇÃO O objetivo do presente trabalho é estudar o funcionamento em regime permanente e em regime dinâmico da Máquina Assíncrona Trifásica

Leia mais

Compensação. de Factor de Potência

Compensação. de Factor de Potência Compensação de Factor de Potência oje em dia, praticamente todas as instalações eléctricas têm associadas aparelhos indutivos, nomeadamente, motores e transformadores. Este equipamentos necessitam de energia

Leia mais

Motores eléctricos em sistemas de controlo

Motores eléctricos em sistemas de controlo Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Electrotécnica Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores SISEL - Sistemas Electromecânicos Exercícios de 26 1. Considere

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

Estudos Pré-Operacionais do Controle de Corrente para Geradores Eólicos

Estudos Pré-Operacionais do Controle de Corrente para Geradores Eólicos Estudos Pré-Operacionais do Controle de Corrente para Geradores Eólicos Camila M. V. Barros 1, Luciano S. Barros 2, Aislânia A. Araújo 1, Iguatemi E. Fonseca 2 1 Mestrado em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Motores CA Os motores CA são classificados em: -> Motores Síncronos; -> Motores Assíncronos (Motor de Indução) O motor de indução é o motor CA mais usado, por causa de sua

Leia mais

Conhecer as características de conjugado mecânico

Conhecer as características de conjugado mecânico H4- Conhecer as características da velocidade síncrona e do escorregamento em um motor trifásico; H5- Conhecer as características do fator de potência de um motor de indução; Conhecer as características

Leia mais

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Motor de Indução Geração do campo girante do estator Revisão Motor de Indução Velocidade de rotação do campo girante do estator

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 MOTORES ELÉTRICOS Aula 1 Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 CONTEÚDO INTRODUÇÃO; 1.1 TIPOS DE MOTORES; 1.2 FATORES DE SELEÇÃO; 1.3 MOTORES DE INDUÇÃO; 1.4 MOTORES

Leia mais

Trabalho nº 1 Transformador Monofásico

Trabalho nº 1 Transformador Monofásico Trabalho nº 1 Transformador Monofásico O presente trabalho prático laboratorial é composto por um conjunto de ensaios que visam obter o circuito eléctrico equivalente dum transformador. Material necessário

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular CONVERSORES DE ENERGIA Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Electrotécnica e de Computadores 3. Ciclo

Leia mais

Palavras-chave: turbina eólica, gerador eólico, energia sustentável.

Palavras-chave: turbina eólica, gerador eólico, energia sustentável. Implementação do modelo de uma turbina eólica baseado no controle de torque do motor cc utilizando ambiente matlab/simulink via arduino Vítor Trannin Vinholi Moreira (UTFPR) E-mail: vitor_tvm@hotmail.com

Leia mais

5 Controle de Tensão em Redes Elétricas

5 Controle de Tensão em Redes Elétricas 5 Controle de Tensão em Redes Elétricas 5.1 Introdução O objetivo principal de um sistema elétrico de potência é transmitir potência dos geradores para as cargas e esta responsabilidade é dos agentes que

Leia mais

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua Experiência IV Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua 1. Introdução A máquina de corrente contínua de fabricação ANEL que será usada nesta experiência é a mostrada

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL Nº 4

TRABALHO LABORATORIAL Nº 4 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M422 - SISTEMAS E INSTRALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS TRABALHO LABORATORIAL Nº 4 ENSAIO DA MÁQUINA SÍNCRONA Por: Prof. José

Leia mais

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM Introdução Os motores de tração são os equipamentos responsáveis pela propulsão dos trens. Sua falha implica na diminuição do desempenho

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos 1 Classificação 2 3 Estator O estator do motor e também constituido por um núcleo ferromagnético laminado, nas cavas do qual são colocados os enrolamentos alimentados

Leia mais

Controlo da injecção de energia reactiva na rede por um parque eólico.

Controlo da injecção de energia reactiva na rede por um parque eólico. Controlo da injecção de energia reactiva na rede por um parque eólico. Estudo concreto da solução para o controlo e operação do Parque Eólico da Serra do Barroso Ricardo Filipe Mendes André Dissertação

Leia mais

LABORATÓRIOS INTEGRADOS II TRABALHOS PRÁTICOS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

LABORATÓRIOS INTEGRADOS II TRABALHOS PRÁTICOS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS Laboratórios Integrados II Trabalhos Práticos de Máquinas Eléctricas 2004/2005 LABORATÓRIOS INTEGRADOS II TRABALHOS PRÁTICOS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS Introdução Estes trabalhos consistem na utilização, ensaio

Leia mais

Produção e Transporte de Energia 2. Produção e Transporte de Energia 2 - Definição de Condições de Ligação à Rede. J. A.

Produção e Transporte de Energia 2. Produção e Transporte de Energia 2 - Definição de Condições de Ligação à Rede. J. A. - Definição de Condições de Ligação à Rede J. A. Peças Lopes Introdução Grande Aumento da Produção Distribuída (PRE): A ligar fundamentalmente nas redes de distribuição e subtransmissão (MT e AT); Aparecimento

Leia mais

Impacto da Ligação de Geradores Eólicos na Rede de Distribuição

Impacto da Ligação de Geradores Eólicos na Rede de Distribuição Impacto da Ligação de Geradores Eólicos na Rede de Distribuição Nuno Ricardo Gonçalves Duarte Fernandes Dissertação para a obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Júri

Leia mais

Energia Eólica. História

Energia Eólica. História Energia Eólica História Com o avanço da agricultura, o homem necessitava cada vez mais de ferramentas que o auxiliassem nas diversas etapas do trabalho. Isso levou ao desenvolvimento de uma forma primitiva

Leia mais

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Aplicações dos Geradores CC Atualmente com o uso de inversores de frequência e transformadores, tornou-se fácil a manipulação da Corrente Alternada. Como os geradores

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Monofásico 1.1 Introdução 1.1.1 Motores

Leia mais

Eletromecânicos de Manutenção Industrial

Eletromecânicos de Manutenção Industrial Eletromecânicos de Manutenção Industrial 2013/ 2014 1 Motor de indução trifásico Máquina capaz de transformar energia elétrica em energia mecânica 2 Motor elétrico Noções fundamentais Máquina destinada

Leia mais

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA)

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) 1. Introdução 1.1 Inversor de Frequência A necessidade de aumento de produção e diminuição de custos faz surgir uma grande infinidade de equipamentos desenvolvidos

Leia mais

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA. RUA SECUNDINO DOMINGUES 787, JARDIM INDEPENDÊNCIA, SÃO PAULO, SP TELEFONE (011) 2100-0777 - FAX (011) 2100-0779 - CEP 03223-110 INTERNET: http://www.equacional.com.br

Leia mais

Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores. Medições preliminares bancada R S R T S T R N S N T N

Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores. Medições preliminares bancada R S R T S T R N S N T N Atividade prática Partida estrela + cálculos para motores Objetivos da aula Partir motores de indução trifásicos; Entender a ligação estrela e seus conceitos básicos; e Cálculos úteis para motores. Medições

Leia mais

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Nesta secção, estuda-se o comportamento ideal de alguns dos dipolos que mais frequentemente se podem encontrar nos circuitos

Leia mais

Controlo Directo de Potência Aplicado a Geradores de Indução Duplamente Alimentados

Controlo Directo de Potência Aplicado a Geradores de Indução Duplamente Alimentados Fábio José Marques Alves Licenciado em Ciências da Engenharia Electrotécnica e de Computadores Controlo Directo de Potência Aplicado a Geradores de Indução Duplamente Alimentados Dissertação para obtenção

Leia mais

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores Um gerador é qualquer máquina que transforma energia mecânica em elétrica por meio da indução magnética. Um gerador de corrente

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE MÁQUINA DE INDUÇÃO DUPLAMENTE ALIMENTADA SEM ESCOVAS (BDFM) COMO GERADOR EÓLICO

UTILIZAÇÃO DE MÁQUINA DE INDUÇÃO DUPLAMENTE ALIMENTADA SEM ESCOVAS (BDFM) COMO GERADOR EÓLICO UTILIZAÇÃO DE MÁQUINA DE INDUÇÃO DUPLAMENTE ALIMENTADA SEM ESCOVAS (BDFM) COMO GERADOR EÓLICO Andrei Silva Jardim Projeto de Graduação apresentado ao curso de Engenharia Elétrica da Escola Politécnica,

Leia mais

Controlo Inercial em Geradores Eólicos Equipados com Máquina Síncrona de Velocidade Variável

Controlo Inercial em Geradores Eólicos Equipados com Máquina Síncrona de Velocidade Variável Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Controlo Inercial em Geradores Eólicos Equipados com Máquina Síncrona de Velocidade Variável Miguel Fernando Martins Costa Gomes VERSÃO FINAL Dissertação

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM Geradores de turbinas eólicas O aerogerador converte a energia mecânica em energia elétrica. Os aerogeradores são não usuais, se comparados com outros equipamentos geradores conectados a rede elétrica.

Leia mais

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS Autores : Marina PADILHA, Tiago DEQUIGIOVANI. Identificação autores: Engenharia de Controle e Automação - Bolsista Interno; Orientador IFC - Campus

Leia mais

Análise Transitória de Parques Eólicos Mistos, compostos por Geradores de Indução Gaiola de Esquilo e Duplamente Alimentados

Análise Transitória de Parques Eólicos Mistos, compostos por Geradores de Indução Gaiola de Esquilo e Duplamente Alimentados Análise Transitória de Parques Eólicos Mistos, compostos por Geradores de Indução Gaiola de Esquilo e Duplamente Alimentados Helleson Jorthan Brito da Silva 1, Carolina de Matos Affonso 2 12 Grupo de Sistemas

Leia mais

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos Possuem velocidade fixa e são utilizados para grandes cargas, (em função do seu alto custo que faz com que ele não seja viável para aparelhos menores)

Leia mais

SISTEMAS ELECTROMECÂNICOS

SISTEMAS ELECTROMECÂNICOS Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores GUIAS DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS ELECTROMECÂNICOS (LIC. ENGENHARIA AEROESPACIAL) Funcionamento motor da máquina de corrente contínua: características

Leia mais

Eletromecânicos de Manutenção Industrial

Eletromecânicos de Manutenção Industrial Eletromecânicos de Manutenção Industrial Motor de passo a passo 2013/ 2014 1 Motores passo a passo Os motores de passo são dispositivos eletromecânicos que convertem pulsos elétricos em movimentos mecânicos

Leia mais

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos Nº Pág.s: 6 nº 04 20. Novembro. 2006 Painéis Fotovoltaicos 01 Uma das tecnologias renováveis mais promissoras e recentes de geração de energia eléctrica

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA CONVERSORES CC/CC Redutor, Ampliador e Redutor-Ampliador GRUPO: TURNO: DIA: HORAS: ALUNO: ALUNO: ALUNO: ALUNO: Nº: Nº: Nº: Nº: IST DEEC 2003 Profª Beatriz Vieira Borges 1 CONVERSORES

Leia mais

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 1 Componente Curricular: Práticas de Acionamentos Eletrônicos PAE 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 OBJETIVO: 1) Efetuar a programação por meio de comandos de parametrização para

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM Como funciona um aerogerador Componentes de um aerogerador Gôndola:contém os componentes chaves do aerogerador. Pás do rotor:captura o vento e transmite sua potência até o cubo que está acoplado ao eixo

Leia mais

DEPT. DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES MÁQUINAS ELÉCTRICAS. Caracterização do Transformador Monofásico em Termos de Circuito Equivalente

DEPT. DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES MÁQUINAS ELÉCTRICAS. Caracterização do Transformador Monofásico em Termos de Circuito Equivalente DEPT. DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES MÁQUINAS ELÉCTRICAS Caracterização do Transformador Monofásico em Termos de Circuito Equivalente 1 Primário 220 V c 55 V 55 V 55 V 55 V Secundário Figure

Leia mais

Curso de Energias Renováveis. Princípio de funcionamento de turbinas eólicas: parte I

Curso de Energias Renováveis. Princípio de funcionamento de turbinas eólicas: parte I Curso de Energias Renováveis Ana Estanqueiro Princípio de funcionamento de turbinas eólicas: parte I Turbinas Eólicas Princípio de funcionamento 2 Turbinas Eólicas: Princípio de funcionamento 3 Turbinas

Leia mais

Introdução à Eletrônica de Potência

Introdução à Eletrônica de Potência Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Eletrônica de Potência Introdução à Eletrônica de Potência Florianópolis, setembro de 2012. Prof.

Leia mais

GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA

GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA Todo dispositivo cuja finalidade é produzir energia elétrica à custa de energia mecânica constitui uma máquina geradora de energia elétrica. O funcionamento do

Leia mais

EQUIPAMENTO AGRÍCOLA

EQUIPAMENTO AGRÍCOLA EQUIPAMENTO AGRÍCOLA PARA GERAÇÃO DE ENERGIA Aproveite a força do seu trator! Práticos, versáteis e seguros, os equipamentos com alternadores da linha Agribam, do grupo Bambozzi, são ideais para propriedades

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 9: Acionamento de Motores Assíncronos Trifásicos e Monofásicos Objetivo: Verificar alguns tipos de acionamento de motores elétricos de indução trifásicos e monofásicos. Teoria: Os motores elétricos,

Leia mais

Eletrônica de Potência II Capítulo 1. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org

Eletrônica de Potência II Capítulo 1. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org Eletrônica de Potência II Capítulo 1 cassiano@ieee.org 1 Componentes semicondutores em Eletrônica de Potência Diodo MOSFET IGBT GTO 2 Introdução Eletrônica de Potência é uma ciência aplicada que aborda

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Trifásico A verificação do desempenho,

Leia mais

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 Curso Técnico em Eletrônica Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM Prof. Ariovaldo Ghirardello INTRODUÇÃO Os controles de potência,

Leia mais

EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DOS SISTEMAS DE CONVERSÃO DE ENERGIA EÓLICA PARA LIGAÇÃO À REDE

EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DOS SISTEMAS DE CONVERSÃO DE ENERGIA EÓLICA PARA LIGAÇÃO À REDE EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DOS SISTEMAS DE CONVERSÃO DE ENERGIA EÓLICA PARA LIGAÇÃO À REDE FERNANDA DE OLIVEIRA RESENDE Universidade Lusófona do Porto foresende@sapo.pt Resumo: Desde muito cedo, na história

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL Nº 5

TRABALHO LABORATORIAL Nº 5 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M422 SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS TRABALHO LABORATORIAL Nº 5 ENSAIO DE MÁQUINAS SÍNCRONAS A FUNCIONAR EM PARALELO

Leia mais

CRITÉRIOS COMPARATIVOS PARA CLASSIFICAR MODELOS DE GERADORES EÓLICOS QUANTO A SUA APLICAÇÃO EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

CRITÉRIOS COMPARATIVOS PARA CLASSIFICAR MODELOS DE GERADORES EÓLICOS QUANTO A SUA APLICAÇÃO EM SISTEMAS DE POTÊNCIA CRITÉRIOS COMPARATIVOS PARA CLASSIFICAR MODELOS DE GERADORES EÓLICOS QUANTO A SUA APLICAÇÃO EM SISTEMAS DE POTÊNCIA DANUSIA DE OLIVEIRA DE LIMA Rio Grande Energia RGE Departamento de Engenharia e Construções

Leia mais

Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana

Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana INTRODUÇÃO Um gerador de corrente continua é uma máquina elétrica capaz de converter energia mecânica em energia elétrica. Também

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila.

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Ex. 0) Resolver todos os exercícios do Capítulo 7 (Máquinas

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS. Princípios e fundamentos. Eng. Agríc. Luciano Vieira

MOTORES ELÉTRICOS. Princípios e fundamentos. Eng. Agríc. Luciano Vieira Universidade Estadual de Maringá Departamento de Engenharia Agrícola Campus do Arenito MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos Eng. Agríc. Luciano Vieira CLASSIFICAÇÃO Classificação dos motores de

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL. EXPERIÊNCIA TRANSFORMADORES E MOTORES Código: TRM RELATÓRIO -

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL. EXPERIÊNCIA TRANSFORMADORES E MOTORES Código: TRM RELATÓRIO - LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL EXPERIÊNCIA TRANSFORMADORES E MOTORES Código: TRM RELATÓRIO - NOTA... Grupo:............. Professor:... Data:..... Objetivo:............. 1. Transformador 1.1 Transformador

Leia mais

Nota Técnica 003/2010

Nota Técnica 003/2010 Nota Técnica 003/2010 Produto: Crowbar Aplicação: Acionamento da resistência de descarga em motores síncronos Serão discutidos os tópicos a seguir: 1) Conceito de Motores Síncronos 2) Determinação da Resistência

Leia mais

Geradores de corrente alternada

Geradores de corrente alternada Geradores de corrente alternada Introdução: A função do gerador elétrico é bastante conhecida, converter energia mecânica em energia elétrica podendo esta ser alternada ou contínua. Um gerador de corrente

Leia mais

Eletrotécnica. Comandos Elétricos

Eletrotécnica. Comandos Elétricos Eletrotécnica Comandos Elétricos Teoria e Aplicações Escola Técnica de Brasília - ETB Prof. Roberto Leal Ligação de Motores 1 Motor Elétrico Transformar energia elétrica em energia mecânica Motores de

Leia mais

PROVA DE AVALIAÇÃO TÉCNICO-MILITAR (PARTE ESPECÍFICA) Mecânicos de Electricidade MELECT

PROVA DE AVALIAÇÃO TÉCNICO-MILITAR (PARTE ESPECÍFICA) Mecânicos de Electricidade MELECT PROVA DE AVALIAÇÃO TÉCNICO-MILITAR (PARTE ESPECÍFICA) Mecânicos de MELECT ESTRUTURA DA PROVA Disciplina Capítulo Nº de questões Automação 01 3 02 2 03 2 01 1 Instalações Eléctricas 03 1 04 1 05 1 06 1

Leia mais

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW APÊNDICE B Ensaio da Performance do Protótipo MATRBDA-HAW560-75kW 282 LABORATÓRIO DE ENSAIOS ELÉTRICOS - BAIXA TENSÃO WEG MÁQUINAS RELATÓRIO DE ENSAIO DE PROTÓTIPO MATRBDA 560 POTÊNCIA: 75KW / 25KW TENSÃO

Leia mais

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO 3.1 Introdução. 3.1.1 Estator e Rotor. As máquinas elétricas girantes normalmente são constituídas por duas partes básicas: o estator e o rotor.

Leia mais

CONVERSORES DIRECTOS

CONVERSORES DIRECTOS Temática Electrónica de Potência Capítulo Generalidades Secção Estruturas de conversão CONVERSORES DIRECTOS INTRODUÇÃO Neste curso, define-se o que se entende por conversor directo: é um circuito electrónico,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE DOMINGOS SEQUEIRA Ano Lectivo 2006/2007

ESCOLA SECUNDÁRIA DE DOMINGOS SEQUEIRA Ano Lectivo 2006/2007 Ano Lectivo 006/007 Ano º Turma K Curso Tecnológico de Eletrotecnia e Electrónica Apresentação do programa da disciplina ª SEA Texto Lírico Fernando Pessoa e seus heterónimos 6 ºP Português ª SEA Texto

Leia mais

LABORATÓRIOS E PRÁTICAS INTEGRADAS I PRÁTICAS LABORATORIAIS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

LABORATÓRIOS E PRÁTICAS INTEGRADAS I PRÁTICAS LABORATORIAIS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS LABORATÓRIOS E PRÁTICAS INTEGRADAS I PRÁTICAS LABORATORIAIS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS Introdução Estas Práticas Laboratoriais consistem na utilização, ensaio ou montagem de algumas das máquinas eléctricas

Leia mais

Auto - Transformador Monofásico

Auto - Transformador Monofásico Auto - Transformador Monofásico Transformação de Tensão Transformação de tensão para várias tensões de entrada: U 2, U 3, U 23 = f (U 1 ) 1.1. - Generalidades A função do transformador é transformar a

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA ELECTRÓNIC DE POTÊNCI PRTE CONVERSOR C/CC MONOFÁSICO COMNDDO DE MEI OND Rectificador de meia onda com carga RL, e de meia onda e diodo de roda livre GRUPO: TURNO: DI: HORS: LUNO: LUNO: LUNO: LUNO: Nº:

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE CONVERSOR CC-CC PARA APLICAÇÃO EM PAINÉIS FOTOVOLTAICOS

RESULTADOS PARCIAIS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE CONVERSOR CC-CC PARA APLICAÇÃO EM PAINÉIS FOTOVOLTAICOS RESULTADOS PARCIAIS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE CONVERSOR CC-CC PARA APLICAÇÃO EM PAINÉIS FOTOVOLTAICOS Autores: Felipe JUNG, Tiago DEQUIGIOVANI, Jessé de PELEGRIN, Marcos FIORIN Identificação autores:

Leia mais

Introdução. Aplicações

Introdução. Aplicações Motor de Passo Introdução Os motores de passo preenchem um nicho único no mundo dos motores controlados. Estes motores são usualmente empregados em aplicações de medição e de controle. Aplicações Aplicações

Leia mais

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS 01 - Questão Esta questão deve ser corrigida? SIM NÃO Um transformador de isolação monofásico, com relação de espiras N

Leia mais

AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica AULAS 03-04 UNIDADE 1 DINÂMICA DE MÁQUINAS ELÉTRICAS (DME) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

Leia mais

Economia de Energia com Eficiência nos Accionamentos Eficientes

Economia de Energia com Eficiência nos Accionamentos Eficientes Economia de Energia com Eficiência nos Accionamentos Eficientes 1 João Pratas SEW-EURODRIVE EURODRIVE PORTUGAL Departamento de Engenharia Apresentação da SEW-EURODRIVE Portugal Introdução 2 Sistemas de

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17 ........... Sumário APRESENTAÇÃO.... 13 Unidade 1: Revisão de eletricidade básica 1.1 Primeiras palavras.... 17 1.2 Problematizando o tema... 17 1.3 Texto básico para estudos.... 17 1.3.1 Tensão Contínua

Leia mais

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA A tensão alternada senoidal é a qual utilizamos em nossos lares, na indústria e no comércio. Dentre as vantagens, destacamos: Facilidade de geração em larga escala; Facilidade

Leia mais

ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS PERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS PERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ART458-07 - CD - 6-07 - ÁG.: 1 ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS ERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS João Roberto Cogo*, Ângelo Stano Júnior* Evandro Santos onzetto** Artigo publicado na

Leia mais

Geradores de corrente contínua

Geradores de corrente contínua Geradores de corrente contínua Introdução: Um motor é uma máquina que tem a função de converter energia elétrica em energia mecânica e um gerador tem a função tem função contrária, ou seja, converter a

Leia mais

Pedro Alexandre da Silva Costa Duarte. Interface de um Gerador Eólico de Pequena Potência com a Rede Eléctrica

Pedro Alexandre da Silva Costa Duarte. Interface de um Gerador Eólico de Pequena Potência com a Rede Eléctrica Universidade do Minho Escola de Engenharia Pedro Alexandre da Silva Costa Duarte Interface de um Gerador Eólico de Pequena Potência com a Rede Eléctrica UMinho 2010 Pedro Alexandre da S. Costa Duarte Interface

Leia mais

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA CENTRAL TÉRMICA DO PORTO SANTO EEM/DSP 1 16 MWe Central Térmica do Porto Santo 1 Descrição Geral A Central Térmica do Porto Santo entrou em funcionamento em 1992,

Leia mais

PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO. Máquinas de corrente contínua

PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO. Máquinas de corrente contínua PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO de corrente contínua GERADOR ELEMENTAR GERADOR ELEMENTAR Regra da Mão Direita e = Blv F = Bli Bornes das de Corrente Contínua Nomenclatura a utilizar nos enrolamentos de máquinas

Leia mais

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS 8.1 - Motores de Corrente Contínua 8.2 - Motores de Corrente Alternada 8.3 - Motores Especiais 8.4 - Exercícios Propostos Na natureza a energia se encontra distribuída sob

Leia mais

CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA

CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA Departamento de Física da Faculdade de iências da Universidade de Lisboa Electromagnetismo 2007/08 IRUITOS DE ORRENTE ONTÍNU 1. Objectivo Verificar as leis fundamentais de conservação da energia e da carga

Leia mais

Acionamento de Motores CA

Acionamento de Motores CA Fundação Universidade Federal ACIONAMENTOS de Mato Grosso do CA Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Acionamento de Motores CA Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto Universidade Federal

Leia mais