Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico"

Transcrição

1 Guia de Aplicação de Partida Suave e Inversores CA Walter J Lukitsch PE Gary Woltersdorf John Streicher Allen-Bradley Company Milwaukee, WI Resumo: Normalmente, existem várias opções para partidas de motores. Duas destas opções, os inversores de freqüência variável (VFD s) e as partidas suaves, parecem ter características semelhantes. Os termos e descrições usados na literatura de produto são quase os mesmos, a lista de possíveis aplicações também é semelhante. Todavia, a tecnologia e o desempenho são significativamente diferentes. Quando estas diferenças forem compreendidas, será mais fácil saber quando e onde aplicar cada uma delas. I. Introdução O objetivo deste documento é fornecer informações técnicas básicas para que as diferenças sejam compreendidas. O primeiro aspecto abordado é o princípio de operação do VFD e da partida suave. Como o desempenho do motor é afetado é outro ponto crucial para a seleção do método de partida adequado. Finalmente, as orientações serão apresentadas. II. Inversores de Velocidade Variável O VFD funciona de acordo com o princípio de que a tensão da linha CA é convertida a uma tensão CC. Esta tensão CC é então convertida em CC pulsada cujo valor RMS simula uma tensão CA. Normalmente, a freqüência de saída desta tensão CA varia de 0 até a freqüência da linha de entrada CA. Em algumas aplicações, a freqüência pode, realmente, ultrapassar a freqüência da linha. Embora os inversores CA regulados com corrente e alta performance, capazes de operar em modo de torque estejam disponíveis, o inversor volts por hertz é o que, predominantemente, abordaremos aqui. O VFD mais comum produzido atualmente é aquele que utiliza a modulação por largura de pulso para criar a onda de saída. Os componentes ativos usados nos inversores são diodos, SCR s, transistores e IGBT s. Estes inversores têm três seções diferentes e distintas de seu circuito de alimentação, conforme mostrado no diagrama de bloco de um inversor típico (figura 1 abaixo). A primeira seção usa uma ponte de SCR s de onda completa para converter a tensão de linha CA em CC. A filtragem dessa tensão CC é realizada na segunda seção com um capacitor para alimentar a ponte inversora com uma tensão CC estável. Um filtro de barramento CC existe, geralmente, em inversores de 10 Hp ou mais. A seção final utiliza uma ponte a IGBT ou transistor para fornecer ao motor uma tensão CC com largura modulada por pulso (PWM). A tensão RMS efetiva fornecida ao motor é dependente da freqüência de saída fundamental que a ponte inversora está comandando. Isto é o que conduz ao termo inversor volts por hertz. A seção de controle ou lógica do inversor e as configurações programadas do usuário determinam a saída de freqüência do inversor. Durante a aceleração, a freqüência variará de acordo com um algoritmo predeterminado como rampa linear ou curva S, desde o mínimo ou 0 até a velocidade comandada. O inversor também pode ser programado para pular determinadas freqüências que possam causar uma ressonância mecânica. LINHA CA MOTOR CA CONVERSOR FILTRO INVERSOR Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico

2 III. Partidas Suaves A partida suave opera em uma premissa diferente. Este princípio significa que ao ajustar a tensão aplicada ao motor durante a partida, as características de corrente e torque podem ser limitadas e controladas. Para motores de indução, o torque de partida (LRT) é aproximadamente proporcional ao quadrado da corrente de partida (LRA) consumida da linha. LRT I 2. Esta corrente de partida é proporcional à tensão aplicada (V).Dessa forma, o torque também pode ser considerado, aproximadamente, proporcional à tensão aplicada. LRT V 2. Por meio do ajuste da tensão durante a partida, a corrente consumida pelo motor e o torque produzido pelo motor podem ser reduzidos e controlados. Figura 3 -Tensão de Linha A forma de onda, figura 4, mostra algumas correntes contínuas quando as transições de condução vão de um diodo ao próximo. Isto é normal quando o reator é usado no barramento CC do inversor e há alguma carga. Utilizando seis SCR s com uma configuração back to back, conforme mostrado na figura 2, a partida suave é capaz de regular a tensão aplicada ao motor durante a partida de 0 volts até a tensão da linha. Diferentemente do VFD, a freqüência da linha sempre é aplicada ao motor; somente a tensão é alterada. Figura 4. Tensão e Corrente de Linha e Retificadora a Diodo de Onda Completa de Seis Pulsos MOTOR Os inversores utilizam modulação por largura de pulso para criar as formas de ondas de saída. Uma forma de onda triangular é gerada na freqüência portadora na qual os IGBT s do inversor comutarão. Figura 2 - Configuração Back to Back de Seis SCR s A realimentação do motor para o circuito da lógica que controla o disparo do SCR é necessária para estabilizar a aceleração do motor. IV. Operação do Inversor de Velocidade Variável A tensão da linha CA, figura 3, é retificada por uma ponte passiva de diodos. Isto significa que o(s) diodo(s) conduz(em) sempre que a tensão da linha for maior que a tensão da seção do capacitor. A forma de onda resultante tem dois pulsos durante cada meio ciclo, um para cada janela de condução do diodo. Figura 5 Forma de Onda de Tensão de Saída do Inversor Esta forma de onda é comparada a uma forma de onda senoidal na freqüência fundamental que deve ser fornecida ao motor. O resultado é a forma de onda de tensão mostrada na figura 5.

3 A figura 6 mostra a forma de onda da corrente resultante no motor com um sinal de PWM aplicado. A tensão de entrada para a partida suave é a mesma que o VFD mostra na figura 3. O resultado de phasing back dos SCR s é uma tensão reduzida não senoidal nos terminais do motor que é mostrado na figura 7. Como o motor é indutivo a corrente induz a tensão, o SCR permanece ligado e conduz até a corrente chegar a zero. Isto acontece após a tensão passar de negativo Saída de Tensão do SCR Individual Figura 6 - Forma de Onda da Corrente de Saída do Inversor Bipolar (superior) e IGBT A saída do inversor pode estar em qualquer freqüência, acima ou abaixo, da freqüência da linha até os limites do inversor e/ou os limites mecânicos do motor. Observe que o inversor está sempre operando dentro da taxa de escorregamento do motor. V. Operação de Partidas Suaves A temporização de quando disparar os SCR s é primordial para controlar a saída da tensão de uma partida suave. Durante a seqüência de partida, a lógica da partida suave determina quando disparar os SCR s. A lógica não dispara o SCR no ponto que a tensão passa de negativo para positivo, mas espera durante algum tempo. Isto é conhecido como phasing back os SCR s, ou seja, o ângulo de disparo do SCR é atrasado ou fechado. O ponto no qual os SCR s são disparados é configurado ou programado de acordo com o que chamamos de torque inicial ou configuração de limite de corrente ou de corrente inicial. Figura 7 Forma de Onda da Tensão da Partida Suave Se comparado à forma de onda de plena tensão na figura 3, pode-se observar que a tensão de pico é a mesma que a onda de plena tensão. Entretanto, a corrente não aumenta para o mesmo nível de quando a plena tensão é aplicada, devido à natureza indutiva dos motores. Quando esta tensão é aplicada ao motor, a corrente de saída é semelhante à figura 8. Como a freqüência da tensão é a mesma que a freqüência da linha, a freqüência da corrente também é a mesma. Como os ângulos dos SCR s são abertos para a condução plena, as lacunas na corrente são preenchidas até que a forma de onda seja igual a da aplicação do motor ligado diretamente na linha. Figura 8 - Onda de Corrente na Inicialização da Partida Suave

4 VI. Características do Motor que Utiliza VFD s Durante a aceleração, o inversor aplica diferentes freqüências ao motor. Ele também altera a tensão, mas na proporção direta da freqüência. Este processo é conhecido como volts por hertz constante e fornece o torque constante enquanto o motor acelera. Na figura 9, mostra-se uma série de curvas de torque em função da velocidade. Estas curvas relacionam-se às curvas de torque em função da velocidade em várias freqüências. A linha de Torque Constante representa a plena carga ou torque nominal do motor. Esta linha de Torque Constante é, na verdade, o ponto de plena carga em um ponto das curvas que representa as curvas de torque em função da velocidade do motor de 0 até a velocidade nominal. TORQUE TORQUE CONSTANTE VELOCIDADE Figura 9 - Curvas de Torque de Velocidade do Inversor O inversor produz o torque nominal do motor de 0 à velocidade nominal. Além disso, ele produzirá o torque de plena carga, embora consuma muito menos que a corrente de plena carga da linha de alimentação durante a partida. Isto ocorre devido ao fato de que o motor está sempre operando na velocidade de regime, efetivamente, para a freqüência aplicada. Ao dar a partida direta, o escorregamento do motor na velocidade 0 é 100% e o motor é altamente indutivo. Isto resulta em uma corrente de partida muito alta (600 a 800%) e em um torque de partida relativamente baixo (150 a 180% do torque de plena carga), se comparado ao consumo da corrente. Aqui, quase toda a corrente do motor é reativa. Devido a sua natureza, a corrente reativa não produz torque. Quando um motor opera na velocidade de regime, o escorregamento, normalmente, está na faixa de 1 a 3%. Sob esta condição, a corrente reativa é muito menor e o motor produz um torque nominal na corrente nominal. Com um VFD, o motor opera, praticamente, na velocidade de regime durante a aceleração. Como a tensão é reduzida a baixas velocidades, a corrente de entrada pode ser 10% ou menos com um torque maior que 150%. Como o motor sempre opera na velocidade de regime, ou dentro do escorregamento nominal, o tempo de aceleração é dependente da configuração do tempo de rampa. Isto pressupõe que o inversor foi selecionado adequadamente para a carga. VII. Características do Motor que Utiliza Partidas Suaves Diferentemente do inversor CA, a corrente da linha e a corrente do motor para uma partida suave são sempre as mesmas. Durante a partida, a corrente varia, diretamente, de acordo com a grandeza da tensão aplicada. O torque do motor varia de acordo com o quadrado da tensão ou corrente aplicada. Ao avaliar a partida suave, o torque do motor é o fator mais crítico. Os motores padrão produzem, aproximadamente, 180% do torque de plena carga na partida. Portanto, uma redução de 25% na tensão ou na corrente resultará no torque de rotor bloqueado igual ao torque de plena carga (180%*(0,75) 2 = 101%). Caso o motor consuma 600% da corrente de plena carga na partida, neste exemplo, a corrente de partida será reduzida de 600% para 450% da corrente nominal. A tabela 1 (abaixo) mostra mais exemplos dos efeitos da redução da tensão ou da corrente no torque de rotor bloqueado de um motor. Estes dados são válidos para a partida suave e partida por impedância em série. Eles não se aplicam a outros tipos de partida de tensão reduzida como autotransformadores e partidas estrela-triângulo. Tabela 1 - Torque de Rotor Bloqueado vs. Corrente de Rotor Bloqueado para Partidas Suaves Corrente ou Tensão (%) Corrente de Plena Carga (%) Torque de Plena Carga (%)

5 Ao aplicar partidas suaves, a mesma restrição das partidas reduzidas eletromecânicas é aplicada. Tal restrição é o motor será capaz de produzir torque suficiente para conseguir a partida da carga com a corrente que a partida suave está liberando para o fluxo do motor? As partidas suaves têm uma vantagem sobre a partida de tensão reduzida convencional. Elas são capazes de ajustar a tensão, a corrente e, conseqüentemente, o torque sobre uma ampla faixa ao invés de um valor único ou alguns valores fixos (isto pode ser visto na Figura 10). Quando a tensão ou a corrente for mantida em um valor constante, a curva de velocidadetorque, chamada de Limite de Corrente, é produzida. Esta curva move-se para cima ou para baixo de acordo com a configuração de limite da corrente. A escala superior deste ajuste é a curva Plena Tensão. TORQUE PARTIDA SUAVE PLENA TENSÃO LIMITAÇÃO DE CORRENTE VELOCIDADE Figura 10 - Curvas de Torque em Função da Velocidade de Partida Suave A partida suave também pode acelerar em rampa a tensão desde um valor inicial ajustável até a plena tensão em uma faixa ajustável de tempo. Isto é representado pela curva Partida Suave. Uma transição sem degraus, que é projetada para eliminar os transiente de corrente/torque, é produzida por esta rampa. A velocidade de operação do motor não pode ser modificada, pois a partida suave ajusta apenas a tensão para o motor e não a freqüência. A freqüência aplicada ao motor é sempre a freqüência da linha. Devido a isto, o tempo de aceleração é mais dependente da carga do que do tempo de aceleração em rampa. VIII. Diferenças de Aplicação Ao conhecer os princípios de operação do VFD e da partida suave e o desempenho do motor com cada um desses recursos, as diferenças de aplicação podem ser revistas. Como as listas de aplicações são muito parecidas, os parâmetros gerais de aplicação serão abordados nestes diversos exemplos de aplicação. A velocidade do motor é um parâmetro em que um VFD tem uma vantagem sobre as partidas suaves. A primeira vantagem, e a mais óbvia, é quando a velocidade do motor precisa ser modificada de 0 para a freqüência da linha e, algumas vezes, ultrapassar a freqüência da linha. A partida suave aplica tensão e a freqüência da linha e, por conseqüência, a velocidade de operação é fixa. A segunda vantagem relacionada à velocidade que o inversor possui diz respeito aos processos que requerem uma velocidade constante. Caso uma freqüência fixa seja aplicada ao motor, a velocidade real daquele motor não é, precisamente, regulada pela freqüência de entrada. A velocidade de saída é, na verdade, regulada pela carga aplicada ao motor. Portanto, se um processo precisar de uma regulagem de velocidade muito rígida, a freqüência aplicada ao motor deve ser alterada em relação à carga que estiver sendo aplicada. Isto pode ser alcançado por meio do uso da realimentação para o VFD. Novamente, a partida suave se aplica apenas à freqüência da linha, não sendo possível nenhuma regulagem da velocidade. Em aplicações em que o tempo de aceleração precise ser constante, um inversor deve ser usado, pois o tempo de aceleração para uma partida suave é mais dependente da carga que o tempo selecionado para a rampa de aceleração. Se o tempo de aceleração não for um problema e o controle do torque e da corrente for o necessário, uma partida suave é uma boa opção para a aplicação. (Obs.: algumas partidas suaves usam a realimentação, como por exemplo, os tacômetros. Estas unidades podem fornecer uma aceleração temporizada com variação de cargas. Deve-se observar que realimentação da corrente durante a aceleração pode atingir o mesmo nível que em partida a plena tensão 600 a 800% da corrente de plena carga).

6 Com relação à parada, um VFD trará o motor para descanso em um tempo especificado. Isto já pode estar incorporado a um inversor ou pode solicitar uma função opcional de frenagem dinâmica para cargas com alta inércia ou de que provocam regeneração. A partida suave com um recurso de parada suave pode estender somente o tempo de parada. Além disso, assim como a aceleração, o tempo de parada é dependente da carga. Caso o tempo e as características de parada não sejam críticos, uma partida suave pode ser adequada à aplicação. Algumas partidas suaves especialmente projetadas também podem fornecer a frenagem. Estes tipos de partidas são projetados para reduzir o tempo de parada em que a parada por inércia é muito longa. Caso a carga não seja somente a inércia pura e possa variar, o tempo de parada também variará. Quando a limitação de corrente for o motivo principal para não dar a partida em plena tensão, o primeiro método a ser considerado, atualmente, é normalmente a partida suave. Isto devido à diferença de custo entre a partida suave e um VFD nas faixas de corrente em que a limitação de corrente torna-se um fator. Em muitos casos, a partida suave é uma escolha adequada. Existem aplicações em que o custo adicional de um inversor é apropriado, como por exemplo, quando o motor não tem condições de fornecer torque suficiente para dar a partida na carga com as limitações de corrente impostas pelo sistema de distribuição. A Tabela 1 mostra o torque do motor fornecido em vários níveis de limite de corrente de partida suave. Diferentemente das partidas suaves, os inversores podem acelerar um motor até a velocidade plena com torque nominal, sem que a corrente de linha exceda a corrente de plena carga do motor. Lembre-se de que a potência de entrada no VFD é igual à potência de saída mais as perdas. Portanto, para as cargas que requerem um torque mais alto que a partida suave pode fornecer com os limites impostos pela distribuição do sistema, um inversor pode ser a solução necessária. Se o torque de partida for um fator preocupante ao selecionar um inversor ou uma partida, considere a drástica diferença na quantidade de torque que pode ser desenvolvido por uma determinada quantidade de corrente de linha. O inversor tem um torque muito mais alto por ampére. IX. Exemplos de Aplicações Aqui, são fornecidos quatro exemplos de aplicações, dois referentes às bombas e dois referentes a transportadores. Estes exemplos não requerem velocidade variável ou regulagem precisa da velocidade, de forma que tanto um VFD ou uma partida suave possa ser usado. Aplicação 1) Uma bomba está partindo em plena tensão. Há um golpe de aríete e o escoramento do tubo precisa de manutenção constante. Resposta: Uma partida suave será mais adequada à aplicação, pois ela fornece o torque controlado durante a aceleração e é usada para minimizar e, em muitos casos, eliminar o golpe de aríete. Não há nenhuma preocupação relacionada às limitações de corrente, pois a aplicação está partindo em plena tensão. Aplicação 2) Uma nova bomba de irrigação está sendo instalada em uma área rural. Devido a isto, a corrente de consumo máximo da rede elétrica sem queda de tensão significativa foi calculada em 200% da leitura da placa de identificação do motor. Resposta: Um inversor é mais indicado que uma partida suave. Em alguns casos, as partidas suaves podem acelerar a bomba com apenas 200% da corrente. A experiência de aplicação indica que, freqüentemente, é necessário de 250 a 300% da corrente. O VFD pode fornecer o torque necessário para acelerar a bomba dentro das restrições de limite de corrente do sistema de distribuição. Aplicação 3) Um transportador terrestre precisa de 100% de torque para acelerar quando completamente carregada. O consumo de corrente máximo da rede elétrica está limitado a 500% da corrente de plena carga do motor. Normalmente, o transportador será inicializado sem carga, entretanto, em alguns casos, pode ser necessário que este transportador seja inicializado com carga. A taxa de aceleração é crucial para evitar que a esteira transportadora seja danificada. Resposta: Inicialmente, uma partida suave parece ser a escolha certa. A partida suave pode fornecer um torque de 101% com corrente de 450% (tabela 1). Entretanto, a taxa de aceleração, que equivale ao tempo de partida, é crítica. A carga também varia de descarregada para plenamente carregada. Neste caso um VFD seria a solução correta.

7 Aplicação 4) Um motor de 20 Hp aciona um transportador aéreo por corrente de plástico por meio de uma engrenagem que parte e pára freqüentemente. A partida em plena tensão pode ser usada mas, se o transportador inicia muito rapidamente, o produto balançará e pode ser danificado ou a corrente pode quebrar. Resposta: Uma partida suave se adequaria a esta aplicação. Não há restrição de tempo e nem limitação de corrente. A partida em rampa deveria ser usada permitir pequenas variações de carga refletida de volta para o motor. Se a redução da engrenagem for alta suficiente, uma partida por limitação de corrente pode fornecer uma partida ainda mais suave. X. Conclusão: Estes exemplos foram desenvolvidos para mostrar como variações sutis das aplicações podem alterar o tipo de partida do motor requisitado. Cada aplicação deve ser avaliada de acordo com suas próprias particularidades. Nem as partidas suaves nem os VFD s são a solução perfeita para todas as situações.

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA)

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) 1. Introdução 1.1 Inversor de Frequência A necessidade de aumento de produção e diminuição de custos faz surgir uma grande infinidade de equipamentos desenvolvidos

Leia mais

Inversores de freqüência. Introdução

Inversores de freqüência. Introdução Inversores de freqüência Introdução Desde que os primeiros motores surgiram, os projetistas perceberam uma necessidade básica, controlar sua velocidade, várias técnicas foram utilizadas ao longo dos anos

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 9: Acionamento de Motores Assíncronos Trifásicos e Monofásicos Objetivo: Verificar alguns tipos de acionamento de motores elétricos de indução trifásicos e monofásicos. Teoria: Os motores elétricos,

Leia mais

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 Curso Técnico em Eletrônica Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM Prof. Ariovaldo Ghirardello INTRODUÇÃO Os controles de potência,

Leia mais

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Leia mais

Introdução: Inversor de Freqüência: Princípios Básicos:

Introdução: Inversor de Freqüência: Princípios Básicos: Introdução: Inversor de Freqüência: Atualmente, a necessidade de aumento de produção e diminuição de custos, se fez dentro deste cenário surgir a automação, ainda em fase inicial no Brasil, com isto uma

Leia mais

Introdução. Aplicações

Introdução. Aplicações Motor de Passo Introdução Os motores de passo preenchem um nicho único no mundo dos motores controlados. Estes motores são usualmente empregados em aplicações de medição e de controle. Aplicações Aplicações

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais

PEA 2404 - MÁQUINAS ELÉTRICAS E ACIONAMENTOS 113 MÉTODOS DE ALIMENTAÇÃO DOS MOTORES UTILIZADOS EM ACIONAMENTOS

PEA 2404 - MÁQUINAS ELÉTRICAS E ACIONAMENTOS 113 MÉTODOS DE ALIMENTAÇÃO DOS MOTORES UTILIZADOS EM ACIONAMENTOS PEA 2404 - MÁQUINAS ELÉTRICAS E ACIONAMENTOS 113 MÉTODOS DE ALIMENTAÇÃO DOS MOTORES UTILIZADOS EM ACIONAMENTOS Acionamentos de velocidade variável PEA 2404 - MÁQUINAS ELÉTRICAS E ACIONAMENTOS 114 MÉTODOS

Leia mais

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS Autores : Marina PADILHA, Tiago DEQUIGIOVANI. Identificação autores: Engenharia de Controle e Automação - Bolsista Interno; Orientador IFC - Campus

Leia mais

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 1 Componente Curricular: Práticas de Acionamentos Eletrônicos PAE 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 OBJETIVO: 1) Efetuar a programação por meio de comandos de parametrização para

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP5-1.7A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 2 SUMÁRIO

Leia mais

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP16-4.2A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

Leia mais

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Eletrônica Básica e Projetos Eletrônicos Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Clóvis Antônio Petry,

Leia mais

Eletrônica Analógica e de Potência

Eletrônica Analógica e de Potência Eletrônica Analógica e de Potência Conversores CC-CC Prof.: Welbert Rodrigues Introdução Em certas aplicações é necessário transformar uma tensão contínua em outra com amplitude regulada; Em sistemas CA

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA 26. Com relação aos materiais semicondutores, utilizados na fabricação de componentes eletrônicos, analise as afirmativas abaixo. I. Os materiais semicondutores

Leia mais

APOSTILA MÓDULO - 4. figura 2 HALL. figura 3. tomada de entrada balanceada CANON

APOSTILA MÓDULO - 4. figura 2 HALL. figura 3. tomada de entrada balanceada CANON APOSTILA MÓDULO 4 AULA 4 AMPLIFICADORES OPERACIONAIS 2 Amplificação de sinais diferenciais bobina magnética e HALL O circuito Schmitt Trigger analisado detalhadamente Os pontos NSD e NID (Nível Superior

Leia mais

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 16 SOFT START

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 16 SOFT START AULA 16 SOFT START 1- Introdução Soft-starters são utilizados basicamente para partidas de motores de indução CA (corrente alternada) tipo gaiola, em substituição aos métodos estrela-triângulo, chave compensadora

Leia mais

Boletim Te cnico. Tema: BT002 Fontes para lâmpadas UV

Boletim Te cnico. Tema: BT002 Fontes para lâmpadas UV Boletim Te cnico Tema: BT002 Fontes para lâmpadas UV As fontes para lâmpadas ultravioleta são os circuitos de potência responsáveis pela alimentação das lâmpadas de média pressão. São também conhecidas

Leia mais

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS 01 - Questão Esta questão deve ser corrigida? SIM NÃO Um transformador de isolação monofásico, com relação de espiras N

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Automação Industrial Porto Alegre, Maio de 2014 Revisão: A Prof Vander Campos Conhecer os princípios básicos do inversor de frequência; Saber interpretar

Leia mais

Aula 4 Corrente Alternada e Corrente Contínua

Aula 4 Corrente Alternada e Corrente Contínua FUNDMENTOS DE ENGENHI ELÉTIC PONTIFÍCI UNIVESIDDE CTÓLIC DO IO GNDE DO SUL FCULDDE DE ENGENHI ula 4 Corrente lternada e Corrente Contínua Introdução Corrente lternada e Corrente Contínua Transformadores

Leia mais

Conhecer as características de conjugado mecânico

Conhecer as características de conjugado mecânico H4- Conhecer as características da velocidade síncrona e do escorregamento em um motor trifásico; H5- Conhecer as características do fator de potência de um motor de indução; Conhecer as características

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

Sensores e Atuadores (2)

Sensores e Atuadores (2) (2) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Atuadores São componentes que convertem energia elétrica, hidráulica ou pneumática em energia mecânica. Através dos sistemas

Leia mais

Circuitos Retificadores

Circuitos Retificadores Circuitos Retificadores 1- INTRODUÇÃO Os circuito retificadores, são circuitos elétricos utilizados em sua maioria para a conversão de tensões alternadas em contínuas, utilizando para isto no processo

Leia mais

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica Instituição Escola Técnica Sandra Silva Direção Sandra Silva Título do Trabalho Fonte de Alimentação Áreas Eletrônica Coordenador Geral Carlos Augusto Gomes Neves Professores Orientadores Chrystian Pereira

Leia mais

Elétricos. Prof. Josemar dos Santos prof.josemar@gmail.com

Elétricos. Prof. Josemar dos Santos prof.josemar@gmail.com Controle de Motores Elétricos Prof. Josemar dos Santos prof.josemar@gmail.com Introdução Eletrônica de Potência Produtos de alta potência Controle de motores; Iluminação; Fontes de potência; Sistemas de

Leia mais

Circuitos de Comando para MOSFETs e IGBTs de Potência

Circuitos de Comando para MOSFETs e IGBTs de Potência Universidade Federal do Ceará PET Engenharia Elétrica Fortaleza CE, Brasil, Abril, 2013 Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica PET Engenharia Elétrica UFC Circuitos de Comando

Leia mais

Topologias de UPS estático. apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida e mantida em operação, utilizamos equipamentos

Topologias de UPS estático. apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida e mantida em operação, utilizamos equipamentos 36 Capítulo II Topologias de UPS estático Luis Tossi * Para evitarmos que os distúrbios elétricos de tensão DC, que se altera em nível DC em função de apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 FILTRO ATIVO DE POTÊNCIA SÉRIE PARALELO APRESENTADOR: MÁRCIO STEFANELLO,

Leia mais

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Motor de Indução Geração do campo girante do estator Revisão Motor de Indução Velocidade de rotação do campo girante do estator

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO MÁQUINAS ELÉTRICAS

Leia mais

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva anobra de capacitores Na ligação de capacitores a uma rede ocorre um processo transitório severo até que seja atingido

Leia mais

GUIA DE APLICAÇÃO DE INVERSORES DE FREQÜÊNCIA 2ª EDIÇÃO

GUIA DE APLICAÇÃO DE INVERSORES DE FREQÜÊNCIA 2ª EDIÇÃO GUIA DE APLICAÇÃO DE INVERSORES DE FREQÜÊNCIA 2ª EDIÇÃO ÍNDICE 2ª EDIÇÃO 1 INTRODUÇÃO 1.1 Sistemas de velocidade variável 11 1.2 Sistemas de variação de velocidade tradicionais 14 1.2.1 Variadores mecânicos

Leia mais

Aplicação de soft-start e conversores de freqüência no acionamento de motores assíncronos

Aplicação de soft-start e conversores de freqüência no acionamento de motores assíncronos Aplicação de soft-start e conversores de freqüência no acionamento de motores assíncronos João Batista de Oliveira, Luciano Antônio de Oliveira, Luiz Octávio Mattos dos Reis, Ronaldo Rossi Universidade

Leia mais

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem.

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem. Fator de Potência e sua correção A energia elétrica consumida em uma instalação industrial é composta basicamente por duas parcelas distintas, que são: BANCO DE CAPACITORES Nota: Energia consumida por

Leia mais

CENTRO DE UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA

CENTRO DE UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA CENTRO DE UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA Inversor de frequência Grupo: Energe Introdução FEC Uniara - 2012- Eng. Elétrica O presente trabalho abordará sobre inversor de frequência, um dispositivo capaz de

Leia mais

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM Introdução Os motores de tração são os equipamentos responsáveis pela propulsão dos trens. Sua falha implica na diminuição do desempenho

Leia mais

2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA

2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA 2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA A instalação de máquinas diversas requer uma grande gama de dispositivos que possibilitem o perfeito funcionamento, de preferência o mais automatizado possível,

Leia mais

Ponte de Wien Oscilador de quadratura Oscilador duplo T Oscilador Colpitt Etc.

Ponte de Wien Oscilador de quadratura Oscilador duplo T Oscilador Colpitt Etc. Amplificadores operacionais como Osciladores Em muitas aplicações é necessário gerar um sinal, que pode ter as mais diversas formas, retangular, senoidal, triangular, etc. Entretanto, o único sinal disponível

Leia mais

Parte 1 Introdução... 1

Parte 1 Introdução... 1 Sumário SUMÁRIO V Parte 1 Introdução... 1 Capítulo 1 Unidades de Medida... 3 Introdução...3 Grandezas Físicas...3 Múltiplos e Submúltiplos...4 Arredondamentos...6 Exercícios...7 Capítulo 2 Simbologia...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

Nota Técnica 003/2010

Nota Técnica 003/2010 Nota Técnica 003/2010 Produto: Crowbar Aplicação: Acionamento da resistência de descarga em motores síncronos Serão discutidos os tópicos a seguir: 1) Conceito de Motores Síncronos 2) Determinação da Resistência

Leia mais

Automação Hidráulica

Automação Hidráulica Automação Hidráulica Definição de Sistema hidráulico Conjunto de elementos físicos associados que, utilizando um fluido como meio de transferência de energia, permite a transmissão e o controle de força

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

Motores em miniatura proporcionam um grande desempenho para analisadores médicos

Motores em miniatura proporcionam um grande desempenho para analisadores médicos thinkmotion Motores em miniatura proporcionam um grande desempenho para analisadores médicos Os analisadores médicos são elementos fundamentais do setor de diagnósticos médicos. São ferramentas versáteis

Leia mais

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica

Leia mais

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC.

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. I - MULTÍMETRO O multímetro, também denominado multiteste, é um equipamento versátil, capaz de desempenhar 3 funções básicas distintas, selecionadas

Leia mais

O que é o motor de passo?

O que é o motor de passo? Universidade Federal Fluminense Centro Tecnológico Escola de Engenharia Curso de Engenharia de Telecomunicações Programa de Educação Tutorial Grupo PET-Tele Motor de Passo Autor atual: Felipe Gonçalves

Leia mais

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS 8.1 - Motores de Corrente Contínua 8.2 - Motores de Corrente Alternada 8.3 - Motores Especiais 8.4 - Exercícios Propostos Na natureza a energia se encontra distribuída sob

Leia mais

dv dt Fig.19 Pulso de tensão típico nos terminais do motor

dv dt Fig.19 Pulso de tensão típico nos terminais do motor INFLUÊNCIA DO INVERSOR NO SISTEMA DE ISOLAMENTO DO MOTOR Os inversores de freqüência modernos utilizam transistores (atualmente IGBTs) de potência cujos os chaveamentos (khz) são muito elevados. Para atingirem

Leia mais

Estabilizada de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006

Estabilizada de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Fonte Estabilizada de 5 Volts Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Motores eléctricos em sistemas de controlo

Motores eléctricos em sistemas de controlo Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Electrotécnica Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores SISEL - Sistemas Electromecânicos Exercícios de 26 1. Considere

Leia mais

Capítulo. Meta deste capítulo Entender o princípio de funcionamento de osciladores a cristal.

Capítulo. Meta deste capítulo Entender o princípio de funcionamento de osciladores a cristal. 9 Osciladores Capítulo a Cristal Meta deste capítulo Entender o princípio de funcionamento de osciladores a cristal. objetivos Entender o princípio de funcionamento de osciladores a cristal; Analisar osciladores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

GUIA DE APLICAÇÃO DE INVERSORES DE FREQÜÊNCIA 2ª EDIÇÃO

GUIA DE APLICAÇÃO DE INVERSORES DE FREQÜÊNCIA 2ª EDIÇÃO GUIA DE APLICAÇÃO DE INVERSORES DE FREQÜÊNCIA 2ª EDIÇÃO WEG AUTOMAÇÃO www.weg.com.br AUTORIA AUTORIA AUTORIA AUTORIA AUTORIA AUTORIA: Este Guia de Inversores de Freqüência foi escrito pelos M. Eng o.

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

Aula 09. Memórias e Circuitos Digitais Seqüenciais

Aula 09. Memórias e Circuitos Digitais Seqüenciais Aula 09 Memórias e Circuitos Digitais Seqüenciais Introdução Os circuitos lógicos estudados até aqui são chamados de combinacionais (ou combinatórios). São assim chamados porque a sua saída depende apenas

Leia mais

INVERSOR DE FREQUÊNCIA ESCALAR DE BAIXO CUSTO PARA MOTORES MONOFÁSICOS

INVERSOR DE FREQUÊNCIA ESCALAR DE BAIXO CUSTO PARA MOTORES MONOFÁSICOS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 INVERSOR DE FREQUÊNCIA ESCALAR DE BAIXO CUSTO PARA MOTORES MONOFÁSICOS Gustavo Peloi da Silva 1 ; Abel Fidalgo Alves 2 RESUMO: O avanço da eletronica de

Leia mais

DRIVER MOTOR DE PASSO AKDMPD8/220

DRIVER MOTOR DE PASSO AKDMPD8/220 DRIVER MOTOR DE PASSO AKDMPD8/220 D8/220-8.2A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMPD8/220-8.2A Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva

Leia mais

Controle de Motores de Indução

Controle de Motores de Indução Controle de Motores de UERJ PROMINP Prof. José Paulo V. S. da Cunha Referência: Bose, B. K., Modern Power Electronics and AC Drives, Upper Saddle River: Prentice Hall PTR, 2001. Seções 5.3, 7.1, 7.2 e

Leia mais

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada ELETRICIDADE Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Associação de impedâncias As impedâncias

Leia mais

I Retificador de meia onda

I Retificador de meia onda Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica é alternada ao passo que os dispositivos eletrônicos operam com tensão contínua. Então é necessário retificá-la

Leia mais

Inversor GV3000/SE CA para Operação Volts/Hertz e Vetorial Manual de Referência e Start-up do Software Versão 6.0. Manual de Instruções D2-3359-2PT

Inversor GV3000/SE CA para Operação Volts/Hertz e Vetorial Manual de Referência e Start-up do Software Versão 6.0. Manual de Instruções D2-3359-2PT Inversor GV3000/SE CA para Operação Volts/Hertz e Vetorial Manual de Referência e Start-up do Software Versão 6.0 Manual de Instruções D2-3359-2PT As informações contidas neste manual estão sujeitas à

Leia mais

CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA E SOFT STARTERS

CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA E SOFT STARTERS CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA E SOFT STARTERS Sumário Introdução... 3 Motores Elétricos... 4 Motores Assíncronos... 5 Estator... 6 Rotor... 8 Escorregamento, torque e velocidade.... 9 Eficiência e Perdas...

Leia mais

CAPÍTULO 9 OSCILADORES TRANSISTORIZADOS

CAPÍTULO 9 OSCILADORES TRANSISTORIZADOS CAPÍTULO 9 OSCILADORES TRANSISTORIZADOS INTRODUÇÃO Os osciladores são dispositivos cuja função principal é transformar energia CC aplicada, em energia AC. Para que haja essa transformação é necessário

Leia mais

Motor de Indução de Corrente Alternada

Motor de Indução de Corrente Alternada Notas Técnicas Motores NT-1 Motor de Indução de Corrente Alternada Introdução O motor de indução ou assíncrono de corrente alternada tem sido o motor preferido da indústria desde o principio do uso da

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

(1) Slide 1. Osciladores e temporizadores

(1) Slide 1. Osciladores e temporizadores (1) Slide 1 Osciladores e temporizadores A maioria dos equipamentos eletrônicos inclui alguma forma de oscilador ou temporizador, que podem ser com formatos de onda pulsada, senoidal, quadrada, em dente-de-serra

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ENERGIA

RECUPERAÇÃO DE ENERGIA FRENAGEM RECUPERAÇÃO DE ENERGIA Em certos trabalhos efetuados por motores elétricos, há ocasiões em que o motor deixa de ser necessário e há energia de sobra a qual poderá, porventura ser aproveitada.

Leia mais

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los 1/ 9 Imprimir PROJETOS / Energia 20/08/2012 10:20:00 Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los Na primeira parte deste artigo vimos que a energia

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

Eletrotécnica. Comandos Elétricos

Eletrotécnica. Comandos Elétricos Eletrotécnica Comandos Elétricos Teoria e Aplicações Escola Técnica de Brasília - ETB Prof. Roberto Leal Ligação de Motores 1 Motor Elétrico Transformar energia elétrica em energia mecânica Motores de

Leia mais

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a.

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. 1. A Figura abaixo apresenta o oscilograma da forma de onda de tensão em um determinado nó de um circuito

Leia mais

CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE. Circuitos de retificação monofásicos

CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE. Circuitos de retificação monofásicos CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE Um conversor é um equipamento utilizado para converter potência alternada em potência contínua. Num conversor simples, que usa somente diodos retificadores, a tensão

Leia mais

CAPÍTULO 14 MONOESTÁVEIS E ASTÁVEIS

CAPÍTULO 14 MONOESTÁVEIS E ASTÁVEIS 1 CAPÍTULO 14 MONOESTÁVEIS E ASTÁVEIS INTRODUÇÃO Basicamente tem-se dois tipos de multivibradores: os monoestáveis e os astáveis ou osciladores. Como o próprio nome indica, um monoestável tem somente um

Leia mais

Filtros de sinais. Conhecendo os filtros de sinais.

Filtros de sinais. Conhecendo os filtros de sinais. Filtros de sinais Nas aulas anteriores estudamos alguns conceitos importantes sobre a produção e propagação das ondas eletromagnéticas, além de analisarmos a constituição de um sistema básico de comunicações.

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

PROGRAMAÇÃO FÁCIL DO. Micro Master. Midi Master

PROGRAMAÇÃO FÁCIL DO. Micro Master. Midi Master 1 PROGRAMAÇÃO FÁCIL DO Micro Master E Midi Master Preparado por ASI 1 PS 2 1. PARAMETRIZAÇÃO BÁSICA INICIAL...3 1.1 AJUSTES INICIAIS DO APARELHO...3 1.2 AJUSTE DE TEMPOS DE ACELERAÇÃO E DESACELERAÇÃO...3

Leia mais

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Introdução O objetivo deste Laboratório de EE-641 é proporcionar ao aluno um ambiente

Leia mais

Servoconversores SCA 04 Servomotores SWA

Servoconversores SCA 04 Servomotores SWA Servoconversores SCA 04 Servomotores SWA Os Servoacionamentos WEG são utilizados nas mais diversas aplicações industriais, onde, elevada dinâmica, controle de torque, precisão de velocidade e posicionamento

Leia mais

Eletrônica de Potência II Capítulo 1. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org

Eletrônica de Potência II Capítulo 1. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org Eletrônica de Potência II Capítulo 1 cassiano@ieee.org 1 Componentes semicondutores em Eletrônica de Potência Diodo MOSFET IGBT GTO 2 Introdução Eletrônica de Potência é uma ciência aplicada que aborda

Leia mais

Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica

Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Cronograma Introdução a Robótica Estrutura e Características Gerais dos Robôs Robôs e seus Periféricos

Leia mais

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Diodo A natureza de uma junção p-n é que a corrente elétrica será conduzida em apenas uma direção (direção direta) no sentido da seta e não na direção contrária (reversa).

Leia mais

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Inversor de Freqüência

Inversor de Freqüência Descrição do Funcionamento. Inversor de Freqüência Atualmente, a necessidade de aumento de produção e diminuição de custos, se fez dentro deste cenário surgir a automação, ainda em fase inicial no Brasil,

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Monofásico 1.1 Introdução 1.1.1 Motores

Leia mais

Retificadores Monofásicos de Meia Onda com Carga Resistiva-Indutiva

Retificadores Monofásicos de Meia Onda com Carga Resistiva-Indutiva 6 Capítulo Retificadores Monofásicos de Meia Onda com Carga Resistiva-Indutiva Meta deste capítulo Estudar os conversores ca-cc monofásicos operando com carga resistiva-indutiva objetivos Entender o funcionamento

Leia mais

LABORATÓRIO INTEGRADO II

LABORATÓRIO INTEGRADO II FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO INTEGRADO II Experiência 07: MOTOR TRIFÁSICO DE INDUÇÃO ENSAIOS: CURVAS DE CORRENTE E CONJUGADO CARACTERÍSTICAS DE DESEMPENHO

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Câmpus Ponta Grossa Coordenação do Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Câmpus Ponta Grossa Coordenação do Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Ponta Grossa Coordenação do Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial Jhonathan Junio de Souza Motores de Passo Trabalho apresentado à disciplina

Leia mais

Aplicações com OpAmp. 1) Amplificadores básicos. Amplificador Inversor

Aplicações com OpAmp. 1) Amplificadores básicos. Amplificador Inversor 225 Aplicações com OpAmp A quantidade de circuitos que podem ser implementados com opamps é ilimitada. Selecionamos aqueles circuitos mais comuns na prática e agrupamos por categorias. A A seguir passaremos

Leia mais

Os Diferentes tipos de No-Breaks

Os Diferentes tipos de No-Breaks Os Diferentes tipos de No-Breaks White Paper # 1 Revisão 4 Resumo Executivo Existe muita confusão no mercado a respeito dos diferentes tipos de No-Breaks e suas características. Cada um desses tipos será

Leia mais

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br

Leia mais