UMA ESTRATÉGIA DE CRIAÇÃO DE VALOR PARA O CLIENTE: O SISTEMA DE PRODUÇÃO CUSTOMIZADA EM MASSA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA ESTRATÉGIA DE CRIAÇÃO DE VALOR PARA O CLIENTE: O SISTEMA DE PRODUÇÃO CUSTOMIZADA EM MASSA"

Transcrição

1 UMA ESTRATÉGIA DE CRIAÇÃO DE VALOR PARA O CLIENTE: O SISTEMA DE PRODUÇÃO CUSTOMIZADA EM MASSA Rita de Cássia Oliveira doutoranda em Eng. de Produção/UFSC Silvia Maria Gomes doutoranda em EP/UFSC - Profª Drª Olga Regina Cardoso Professora do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção/UFSC Resumo: Atualmente, a realidade enfrentada pela maioria das organizações é a competição cada vez mais acirrada. Para se manterem no mercado, buscam formas de se diferenciarem de seus concorrentes para conquistar e manter clientes. O objetivo deste trabalho é demonstrar a relação existente entre o sistema de produção em massa customizada e o valor percebido pelo cliente. Dentre os aspectos abordados no estudo estão; a revisão sucinta da evolução do sistema de produção, a definição de valor econômico e customização em massa e as estratégias de customização, que têm sido adotadas por muitas empresas devido ao diferencial competitivo que propicia. Constatou-se a existência de uma relação direta entre a estratégia de customização em massa e valor econômico. Pois, na busca pela vantagem competitiva, o diferencial das empresas é o valor percebido pelo cliente, em relação ao serviço ou produto oferecido; e hoje; onde quase não existe diferença entre os produtos, os consumidores estão buscando algo personalizado, diferenciado, individualizado. Assim, a customização em massa, surge como a resposta para a maioria das empresas, ou seja, satisfazer as necessidades individuais do mercado consumidor, produzindo com preços semelhantes aos da produção em massa. Palavras-chave: vantagem competitiva; valor percebido; sistema de produção; customização em massa. 1 Introdução Atualmente, devido ao mercado globalizado e altamente competitivo, aumenta cada vez mais a pressão para que as empresas busquem maneiras novas de criar e entregar valor aos clientes; com o objetivo de assegurar os lucros nos negócios e manter vantagem competitiva. A origem da vantagem competitiva está na capacidade da empresa de se diferenciar de seus concorrentes, aos olhos dos clientes, e em operar a custo baixo, ou seja, com maior lucro. A busca pela vantagem competitiva tem sido o desafio dos gestores que estão conscientes da realidade dos mercados atuais onde não se pode mais supor que bons produtos se vendem por si mesmos e nem é viável pensar que o sucesso de hoje estará garantido no futuro (Christopher, 2007). Dentro do contexto competitivo, sabe-se que as empresas de sucesso ou tem vantagem de custo ou possuem vantagem de valor, ou uma combinação de ambas. A vantagem de valor concede ao produto um diferencial sobre a concorrência; valor para o cliente é definido como a diferença entre os benefícios percebidos de uma transação e os custos totais incorridos. Sabe-se que os desejos dos consumidores são ilimitados, porém seus recursos são limitados, esse fato, os obriga a escolher produtos com maior valor e satisfação pelo menor esforço. Assim, empresas bem-sucedidas, geralmente, são aquelas que entregam mais valor ao cliente que seus concorrentes. Hoje, as empresas procuram cada vez mais,

2 diferenciar seus produtos e serviços, agregando valor para o cliente, na tentativa de superar a concorrência. Para Possamai (s/d), a busca incessante por produtos que satisfaçam plenamente o consumidor exigiu um aprimoramento da empresa com vistas a aumentar a flexibilidade de seu sistema produtivo. Ou seja, a empresa deve possuir a capacidade para oferecer produtos diferenciados para o mesmo mercado alvo. Produtos personalizados apresentam um diferencial competitivo importante. Contudo, sabe-se que produzir produtos sob encomenda em lotes pequenos, que atendam às necessidades individuais dos clientes, torna-se caro para a empresa e para o consumidor. De acordo com Pine II (1994), as empresas líderes de mercado criam processos para baixar os custos, obter volume de produção de grandes variedades, e ao mesmo tempo produzir serviços e produtos para consumidores individuais. Essas empresas descobriram a chave para a competição nos negócios: a Customização Massiva. O objetivo da Customização em Massa é oferecer produtos e serviços que atendam as necessidades de cada grupo de clientes, mas com as características da produção em massa; eficiência e menor custo. Nesse sistema de produção, a riqueza de variedade e personalização é disponibilizada aos consumidores e empresas por meio de flexibilidade e resposta rápida das companhias que o praticam. Portanto, segundo Christopher (2007), as novas regras da competição exigem que as organizações criem sistemas de fornecimento com valor agregado, que sejam mais responsivos a mercados em rápida transformação. Para isso é necessário que a cadeia de suprimentos seja focada como um todo. O gerenciamento da cadeia de suprimentos e de distribuição, atualmente, é vista como uma capacidade fundamental para a empresa obter sucesso no mercado. Ainda de acordo Pine II (1994), as empresas bem sucedidas de diferentes setores, automobilístico, vestuário, controles de precisão, tecnologia, etc. buscam por métodos de controle que encurtem os ciclos de produção, diminuem custos, aumentem a flexibilidade, incrementem sua variedade e personalização, na busca pela satisfação das necessidades e desejos individuais dos consumidores. Nesse contexto, esse trabalho tem como objetivo demonstrar a relação entre o sistema de produção customizada em massa e o valor econômico. Para tal, apresenta uma revisão sucinta da evolução do sistema de produção, traz a definição de valor econômico e customização em massa. 2- Relevância Teórica A escolha do tema justifica-se por tratar-se de um assunto atual e importante. Pois, se por um lado, cada vez mais as empresas, para obter a vantagem competitiva, precisam buscar estratégias que conquistem o cliente, através da satisfação de suas necessidades, superando as suas expectativas. Por outro, buscam sistema de produção que sejam eficientes e com baixo custo. Para tanto, precisam avaliar sob a ótica do cliente o que agrega valor a seus produtos. Portanto, é relevante conhecer o que é sistema de valor e sua relação com a estratégia de customização em massa, como alternativa de produção. 3. Referencial Teórico 3.1. O valor econômico e a estratégia competitiva Inicialmente entende-se valor como algo referente à estima, a mérito ou preço de alguma coisa que, pode ser produto ou serviço ou algo que possa ser avaliado. Entretanto, o valor se trata de algo abrangente, complexo e antigo que vem acompanhando a trajetória da civilização humana. A abrangência depende sobre que ótica se analisa: se no sentido macroeconômico e

3 microeconômico; baseado na teoria do valor nas suas diversas correntes de pensamento econômico e financeiro, ou se no sentido administrativo, ou filosófico e até religioso e tecnológico. Enquanto, a complexidade está na aplicação do seu conceito nas diversas áreas do conhecimento humano como ferramenta de medição, peso e avaliação dos fenômenos em estudo, inclusive referente ao enfoque do artigo. O conceito de valor tem evoluído; paulatinamente, através da linha do tempo. E ampliado como, por exemplo, para o conhecido modelo de Porter (1989) de cadeia de valor, referente aos agentes e processos que agregam o valor à medida que o fluxo de material vai sofrendo ao passar pelos diversos processos de transformação ou movimentação dentro de uma empresa. O conceito pode ser expandido a sistema de valores, quando a agregação de valor ocorre em uma cadeia de suprimentos. Representa uma rede complexa de instalações e organizações, com objetivos distintos e conflitantes, mas com fundamentos que devem harmonizar as relações entre si, agindo como uma entidade única, através de responsabilidades compartilhadas e colaborativas que tem com objetivo justamente criar valor ao seu cliente final. A saber, a humanidade tem ponderado diferentes tipos de valores, classificados segundo Aristóteles (apud POSSAMAI, s/d) em: valor moral, social, político, jurídico, econômico, etc. E o valor se equaliza como a relação entre a soma dos diferentes tipos de valor dividido pelos todos os esforços necessários ou valor de custo, como mostra a figura 1. Valor = CONJUNTO de BENEFÍCIOS = Valor de Uso +...+Valor de Estima + Valor de Troca ESFORÇO Valor de Custo FIGURA 1 - Equação do valor. Fonte: Possamai (s/d, p.28). Na ótica do mercado, valor econômico denomina-se valor agregado, como a percepção do cliente final em relação a um bem (produto e/ou serviço); para atender a suas necessidades, considerando o binômio benefício- custo, em comparação com um bem disponível de igual natureza pelo concorrente e que justifica seu diferencial percebido na hora da escolha da compra e do consumo. Faz-se interessante focar no valor como a força de atração que se estabelece entre o cliente e a empresa, [...] já que o valor, e somente o valor é capaz de unir a empresa ao seu mercado. (POSSAMAI, s/d). E o conceito de valor tem evoluído; à medida, que o cliente tende a possuir maiores e melhores opções de produtos e serviços no mercado; maior quantidade e qualidade nas informações, a comportar-se de forma mais exigente na hora da escolha de qual produto ou serviço; buscando o máximo de benefícios a um menor preço e inclusive até de atuar com maior prudência e conservadorismo, não comprando e, portanto, não consumindo e poupando. Sendo uma das razões de um maior acirramento entre as diferentes empresas concorrentes em conquistar a preferência do consumidor, o que leva, entre outras coisas, aprimorar suas estratégias de competição. A partir desse entendimento de valor é que se decide a estratégia competitiva e de posicionamento no mercado da empresa e sua cadeia de suprimentos. Por isso, ao referi-se ao projeto e aplicação da estratégia competitiva significa primeiramente, determinar o valor econômico do seu produto e serviços para o mercado, além de outros aspectos que fogem dos objetivos deste trabalho. E a empresa que [..] consegue oferecer maior valor agregado aos seus consumidores, através seus produtos e serviços, e ao mesmo tempo obter lucro.

4 (POSSAMAI, s/d) se caracteriza por ser competitiva. Ao se realizar a análise de valor, relacionando o valor de custo x valor de preço, demonstra-se que; a posição mais promissora, de competitividade e de sustentabilidade duradoura, é aquela que consegue a equalização de equilíbrio entre ambas variáveis, ou seja, que o valor de custo seja aproximadamente igual ao valor de preço (figura 2). Vc Vc Vp 2 Vp FIGURA. 2 - Relação entre Vc e Vp para um produto hipotético. Fonte: Adaptado de Possamai, (S/d, p.32) Portanto, se discorrem quais as implicâncias e decisões estratégicas que a empresa deve tomar depois de ter analisado a viabilidade de colocar o produto e/ou serviço a disposição do consumidor em função dos benefícios propostos, condizentes a todos os esforços, em desenvolvê-los, em fabricá-lo e criá-lo e colocá-los em disponibilidade, além da pós venda, do retorno do pós- consumo e o custo de oportunidade de capital aplicado por parte do fabricante ou do investidor, e o fundamental, a obtenção da a lucratividade planejada. Nesse sentido, deve-se traçar a estratégia competitiva da empresa. O que significa na visão de Merli (1994) abordar acerca das vantagens competitivas a fim de garantir o sucesso do produto e serviço, da cadeia de suprimentos ou da empresa no mercado. Para o autor supracitado, as vantagens competitivas se fundamentam em quatro alternativas estratégicas: custos, serviços, qualidade e inovação, e que podem ser agrupadas em dois grandes campos: custo x preço para a análise da linha de competitividade (figura 3). As combinações de cada uma das estratégias devem ser com a dimensão tempo, o que resulta de indispensável importância para o sucesso na aplicação de qualquer uma delas e qual o papel do sistema de produção customizada como uma das principais ferramentas de aplicação para a estratégia escolhida. Dentro dessa ótica, se e a estratégia é de custo significa tempo de atravessamento curto, tempos de espera reduzidos ou a aplicação da filosofia just in time. Se for de serviços, como de entrega, por exemplo, corresponde a resposta rápida de atendimento, de giros rápidos de estoque. Se de qualidade, que esta seja observada desde a primeira vez, para se evitar desperdício e retrabalho. Se de inovação, que sua introdução seja no menor tempo possível, porque senão se transforma em serviço para os concorrentes e, portanto, se transformam em pontos fracos (MERLI, 1994). Portanto, nesse contexto de valor econômico unido a escolha da estratégia, pretende-se entender a evolução dos sistemas produtivos e da customização em massa, em função da maturidade do mercado e o tratamento em diferentes níveis que a empresa em forma de sistema de valor, se planeja e se organiza. 3.2 Sistemas Produtivos evolução e principais variáveis dentro da concepção de sistema de valor

5 Há na literatura, abundantes acervos e estudos sobre o atual momento do ambiente de negócio e modelos de estágio de evolução dos sistemas de produção. Doll e Vonderembese (apud Pires 1995) caracterizam o ambiente pós-industrial, pelo aumento da incerteza, complexidades e mudanças. Kotler (2009) aponta que a normalidade ambiental são as incertezas, mudanças, riscos e turbulências de todo tipo e natureza e não mais o ciclo de equilíbrio e crises de curta duração. Entretanto, para o estudo da evolução dos sistemas produtivos, se distinguem três fases bem definidas da evolução da indústria: artesanal, industrial e digital cujas orientações de valor apontam para a habilidade do artesão; na segunda, o produto e por último, o cliente (PIRES, 1995). Merli (1994) propôs um modelo que permite uma visão geral da relação, entre a orientação do valor e mercado e sistema produtivo, e a organização interna de empresa, e a relação com seus fornecedores, a partir da década de 50 até a década de 90. Consideram-se quatro configurações estratégicas de empresas: a funcional taylorista (décadas de 50 e 60), a mercadológica norte-americana (60 e 70), a japonesa (70 e 80) e o atual modelo classe mundial (80 e 90) que tem avançado e se adaptados as novas exigências figura 3. CONFIGURAÇÕES ESTRATÉGICAS- ORGANIZACIONAIS RELAÇÃO COM O MERCADO ORIENTADA PARA AS OPERAÇÕES ORIENTADA PARA O MERCADO Orientada para a organização e produtos ORGANIZAÇÃO INTERNA BUROCRÁTICA/ TAYLORISTA/ PRODUCT OUT Décadas de 50 e 60 MERCADOLÓGIA PRODUCT IN Décadas de 60 e 70 Orientada para as pessoas e os processos COMPROMETIDA COM A MELHORIA DOS PROCESSOS/JAPONESA Décadas de 70 e 80 EMPREENDIMENTO MARKET IN Décadas de 80 e 90 Figura 3 adaptado do modelo de evolução pós-industrial das organizações empresariais. Fonte: Merli (1994, p. 12) Empresa Taylorista/ product out: o relacionamento com o mercado se baseia em que o valor do mercado era o produto e ou a tecnologia, e o domínio exclusivo da tecnologia e do produto e o seu Know- how era o fator de negócio mais importante. O cenário mercadológico é insaturado, a oferta é menor que a procura, portanto, qualquer produto que se lançava no mercado era consumido. Segundo Merli (1994), a liderança operacional do sistema de produção e seus tecnólogos decidiam quais eram as necessidades do mercado e o valor da função do produto vendido. Em termos de tempo de entrega, qualidade, diversificação não havia grandes riscos, existindo uma estabilidade e previsibilidade no cenário do mercado e de negócios, com relação aos custos de mão de obra, de matérias primas e de capital que eram relativamente baratos, além da estabilidade econômica, financeira e social imperantes. Quanto ao sistema produtivo, o credo era maximização dos volumes produtivos, se possível, um único lote, tendo como limite a disponibilidade financeira para investimentos tecnológicos. Além da maximização da eficiência produtiva, principalmente sobre os custos

6 de operação, especialmente os custos com a mão de obra (MERLI, 1994). Sendo o investimento em inovação tecnológica e de produto fundamental assim como a sua padronização. A política de relacionamento com os fornecedores era de comprar ao mais baixo preço possível, sem garantia ao fornecedor, baseada em uma relação de força e de ganha- perde. O fornecimento tinha como credo, obter ao menor preço, todo e qualquer material comprado, com relacionamentos de curta duração contratual e sem grandes compromissos. Empresa Mercadológica/ product in: neste tipo de empresa, o eixo principal deixa de ser dos tecnólogos e passa para a força de venda e sua equipe de vendedores. A questão era identificar uma oportunidade de mercado e colocar os seus produtos independentemente do know-how tecnológico. Aqui se apresenta um mercado saturado com excesso de oferta, caracterizado por uma forte concorrência, mas ainda não está maduro, ou seja, que o cliente não é exigente. A organização interna da empresa é do tipo funcional. Quanto ao sistema de produção e sua organização, surgem às divisões e as linhas de produtos, começam as diversificações de produtos. Os fatores limitantes da produção são a previsibilidade econômica e de mercado (MERLI, 1994). O relacionamento com os fornecedores se manteve como no caso anterior e o fornecimento era baseado, portanto, em manter os fornecedores sempre em concorrência, assim como realizando pesquisas de mercado no fornecimento, auxiliado pela produção e a qualidade. Empresa japonesa: existe uma mudança fundamental com a introdução do estilo japonês de se relacionar com o mercado, principalmente quando concorre no mercado internacional, disputando fatias importantes com as empresas e indústrias ocidentais. A concepção de valor passa a pertencer definitivamente ao cliente e o credo passa a ser a satisfação do cliente como principal objetivo estratégico do negócio. A qualidade total como sistema de gestão e sua filosofia passa a nortear a cultura empresarial em que os processos constituem o sistema organizacional. O contexto de mercado se resume em um mercado maduro, em que o cliente deve apreciar a qualidade do produto (MERLI, 1994). Quanto ao sistema de produção; a ênfase permeia o gerenciamento dos processos, controle da melhoria contínua, sistemas flexíveis, forte verticalização dos processos, envolvimento do chão de fábrica que se direcionam as famílias de produtos, assim como a aplicação de conceitos filosóficos como JIT, estoque zero, gestão à vista e eliminação de desperdícios. Alta descentralização da produção de partes e itens e elevada flexibilidade para compor mix de produtos de forma diversificada, exige uma mudança diametralmente oposta aos modelos anteriores, quando se trata de relacionamento com os fornecedores. Busca-se uma relação de ganha- ganha, e de longo prazo, através de políticas com a participação deles no desenvolvimento do produto, além de fornecimento JIT, baseado em pedidos abertos, sincronizando os processos além das fronteiras organizacionais (MERLI, 1994). Empresa Market In: é uma síntese de duas escolas de gestão industrial, a japonesa e a ocidental. É uma abordagem com o mercado de satisfação do cliente, e que o negócio é orientado a cadeia de suprimento como objeto de agregação de valor para o cliente final. O comportamento do mercado é maduro e abundante. Existe forte segmentação dos mercados, forte competição entre os concorrentes, necessidade de personalização dos produtos. Além de turbulência econômica o que leva a rápidas adaptações no ambiente de negócio e mercado. O tempo passa ser um fator importante como componente da vantagem competitiva. Quanto ao sistema de produção, a flexibilidade e o tempo são elementos fundamentais conciliados com a automação e a personalização dos produtos. Os fornecedores e a empresa,

7 além dos clientes trabalham em forma de cadeia de suprimentos. A relação entre os fornecedores empresas e clientes se baseia na confiança mútua, relações de co-gestão e colaborativas. Criam-se redes onde flui a troca de informação, a formação de equipes de trabalho, e metodologias de gestão comum como o supply chain (MERLI, 1994). Observa-se que ocorreu uma evolução nos mercados de consumo, do mercado de massa até mercados com evidente diferenciação de produtos; ou seja, chega-se ao sistema de produção customizada massiva (CM). De acordo com a literatura consultada, inicialmente a CM foi descrita como um conceito de marketing, como resultado automático da evolução do mercado de consumo. È resultado de uma crescente diferenciação de nichos de mercado para mercados individuais. 3.3 Customização em Massa definição, conceito e estratégias De acordo com Pine II (1994), o termo customização em massa foi impresso pela primeira vez, por Stan Davis em seu livro Future Perfect, em Pode ser definida como a habilidade de prover produtos e serviços projetados individualmente para cada cliente através da implementação de processos em série baseados em flexibilidade, agilidade e integração. Existem muitos trabalhos dentro da literatura, que relatam que a customização em massa está relacionada à capacidade de oferecer rapidamente bens ou serviços personalizados, em grandes volumes, a custos semelhantes aos de produtos padronizados e disponibilizados por meio da produção em massa. Ressalta-se que, nem todos os mercados são apropriados para a customização em massa, assim como, a customização não é relevante para todos os produtos. Em muitos casos, as necessidades dos consumidores podem ser facilmente satisfeitas por produtos fabricados em massa. Nos casos que envolvem produtos de commodity, por exemplo, a maioria dos clientes não demanda diferenciação (PINE II 1994). Berman (apud Gonçalves, 2009) sugere que as empresas que estariam mais aptas a adotar a customização em massa em seus negócios seriam aquelas que: (a) lidam com modelos de vendas diretas, cujos pedidos possam ser efetivados pela internet e que possuam uma infraestrutura logística capaz de entregar pequenos pedidos para muitos clientes individuais; (b) lidam com mercados industriais e recebem grande quantidade de pedido, de um único cliente; (c) usam, correntemente, conceitos associados ao marketing de relacionamento; (d) fabricam produtos usando componentes padronizados modulares, e (e) têm clientes exigentes, insatisfeitos com o desempenho dos produtos e serviços oferecidos no mercado, de forma padronizada, e estão ansiosos por serem atendidos de forma personalizada. Frutos (2006) argumenta que algumas questões podem ajudar a medir a necessidade pela customização: (1) qual é a percepção dos clientes sobre os benefícios de produtos customizados? (2) o cliente decidirá por algum produto padronizado oferecido ou preferirá assumir opções que preencham as suas necessidades de forma particular? (3) quanto o cliente está disposto a pagar por um determinado grau de customização? (4) quanto tempo o cliente está disposto a esperar pela customização? Assim, de acordo com as respostas, a empresa traça a estratégia de implementação da Customização Massiva. Com o objetivo de propor caminhos para a empresa na implementação da customização em massa, Pine II (1994), propõe algumas estratégias: customizar serviços em torno de produtos e serviços padronizados, criar produtos e serviços customizáveis, prover pontos de entrega de customização, fornecer respostas rápidas por toda a cadeia de valor e modularizar componentes para customizar produtos finais e serviços. Essas estratégias se diferem conforme esforços empregados nas diferentes atividades projeto, produto, marketing e

8 distribuição que compõem a cadeia de valor, com o intuito de oferecer serviços e produtos padronizados e customizados. Conforme a literatura consultada, existem outras abordagens para se classificar as estratégias de customização em massa, entre elas estão, as propostas por Pine (1994), que são classificadas como: colaborativa, adaptativa, transparente e cosmética. Na abordagem colaborativa deve haver um diálogo com o cliente para ajudá-lo a expor suas necessidades. Apropriada a negócios onde os clientes têm dificuldades de exprimir o que querem. A customização adaptativa oferece produtos com um padrão, porém customizáveis. O produto é desenhado para que o usuário possa alterá-lo por conta própria. Apropriada para negócios onde o cliente usará os produtos de diferentes formas ou ocasiões. Já a abordagem cosmética apresenta um produto padrão e o que é customizado é a sua forma de apresentação. Apropriada para quando os clientes usam o produto da mesma maneira e diferem apenas em como eles querem a apresentação do mesmo. Por último a customização transparente fornece aos clientes produtos ou serviços sem deixá-los saber explicitamente que estes produtos ou serviços foram customizados. Apropriada quando as necessidades do cliente são previsíveis e especialmente, quando os clientes não querem declarar suas necessidades repetidamente. A análise importante que deve ser feita, sempre, pelos gestores das empresas, é avaliar se as padronizações de componentes agregam mais valor do que custos. Decisões como estas envolvem pelo menos quatro setores: 1- Marketing: determina a dimensão na qual a customização em massa é necessária para atender as necessidades dos clientes. 2- Desenvolvimento de Produto: redesenha os produtos para permitir sua customização. 3- Produção e Suprimentos: coordenam os suprimentos, redefinem os materiais e situam processos de fabricação. 4- Finanças: informa a base de custos e análises financeiras alternativas da customização em massa. Um dos elementos chave que contribui para a eficácia da customização em massa é o adiamento dos produtos e serviços para o último estágio possível na cadeia de suprimentos. Essa estratégia é conhecida como postponement. Corresponde ao retardamento de certas atividades de diferenciação do produto ou do serviço até o recebimento do pedido do cliente. Nota-se que, a Customização em Massa está associada fortemente à flexibilidade; entende-se flexibilidade como a habilidade de um sistema de produção em lidar de maneira eficaz com as mudanças não planejadas. Assim, a proposta da CM é incorporar flexibilidade ao sistema produtivo para atender aos anseios de cada consumidor. Outro fator que interfere no processo de valor do consumidor é o tempo; segundo Christopher (2007), os clientes estão cada vez mais sensíveis ao fator tempo, escolhem entre as marcas disponíveis no momento, se a marca preferida não estiver no estoque, provavelmente adquirirão uma marca substituta. Portanto, além da flexibilidade, é necessário que ocorra integração e agilidade em todo o sistema produtivo. Para tanto, é fundamental um bom gerenciamento da cadeia de suprimentos (supply chain management), que é também uma maneira das empresas obterem vantagem competitiva. 4. Considerações Finais

9 A realidade enfrentada pela maioria das organizações é a competição cada vez mais acirrada; para se manterem no mercado, buscam formas de se diferenciarem de seus concorrentes para conquistar e manter clientes. Num cenário onde o aumento da competitividade é constante, onde o lançamento de novos produtos com ciclo de vida, cada vez mais curtos é freqüente; bem como a existência de consumidores mais bem informados e exigentes, é fundamental que as organizações sejam mais ágeis, flexíveis e criativas, na busca pela vantagem competitiva. Dentro desse contexto competitivo, as empresas de sucesso buscam a vantagem de valor, ou seja, procuram cada vez mais, diferenciar seus produtos e serviços, agregando valor para o cliente, na tentativa de superar a concorrência. O desafio a ser superado é como resolver a questão: agregar mais valor ao produto, para que seja percebido pelo cliente e ao mesmo tempo e reduzir custos, garantindo a lucratividade da empresa. A solução encontrada, pelas empresas de sucesso, foi uma mudança no sistema produtivo - a estratégia da customização em massa - que é atrativa; partindo-se da idéia que um produto ou serviço personalizado pelo próprio cliente, atenderá melhor às suas necessidades, aumentando o valor de utilidade percebido. Assim, a customização em massa, surge como a resposta para a maioria das empresas, ou seja, satisfazer as necessidades individuais do mercado consumidor, produzindo com preços semelhantes aos da produção em massa. Portanto, verifica-se a existência de uma relação direta entre customização em massa e valor econômico agregado. Referências CHRISTOPHER, M. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos: criando redes que agregam valor. 2ª Ed. São Paulo: Thomson Learning, DOLL, W, VOLDERENSE, J. The evolution of manufacturing systems: Towards the Post- industrial Enterprise. Omega: the international Journal of Management Science, v.19,n. 5, p , FRUTOS, J. D. Um modelo para configuração de produtos oferecidos em um ambiente de customização em massa. Tese apresentada à Universidade Federal do Rio Grande do Sul para a obtenção do título de Doutor em Administração. Porto Alegre, GONÇALVES, H.M. Postponement de forma como fator crítico no desenvolvimento de um produto customizável. Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis KOTLER, P. Administração de Marketing. 12 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall KOTLER, P, CASLIONE. Vencer no Caos- lições de um guru de administração e marketing para a gestão eficaz em tempos de turbulência. São Paulo: Pearson Campus, PINE II, B.J. Personalizando Produtos e Serviços Customização Maciça. Tradução Edna Emi Once Veiga; revisão técnica Heitor M. Quintella. São Paulo: Makron Books PIRES, S. Gestão Estratégica da Produção. Piracicaba: UNIMEP, p. PORTER, M.E Vantagem competitiva. Tradução: Elizabeth de P. Braga. Rio de Janeiro: Campus, Tradução de: Competitive advantage POSSAMAI, O. Apostila de Gestão Industrial. Curitiba: UFPR. s/d.75p.

10 MACHADO, A. G. C & MORAES, W. R. A. Estratégias de Customização em Massa: Evidências e Análises no Setor Brasileiro de Confecção de Vestuário. Base-Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos. v.5, n.1, jan/fev MERLI, G. Comakership - A nova estratégia para os suprimentos. Rio de Janeiro: Qualitymak Ed p. SANTOS, et al, Customização Massiva. Paper elaborado como requisito da disciplina Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos, no programa de Pós Graduação MBA em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Prof: Carlos Alberto

Prof: Carlos Alberto AULA 1 Marketing Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração de Empresas

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

PARCERIAS ENTRE FORNECEDOR-CLIENTE NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO FONTE DE COMPETITIVIDADE

PARCERIAS ENTRE FORNECEDOR-CLIENTE NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO FONTE DE COMPETITIVIDADE PARCERIAS ENTRE FORNECEDOR-CLIENTE NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO FONTE DE COMPETITIVIDADE Érika Márcia de Souza 1 Maria José Rainho 2 Resumo: Uma das características dos mercados deste século é que concorrer

Leia mais

1 O PROBLEMA 1.1 INTRODUÇÃO

1 O PROBLEMA 1.1 INTRODUÇÃO 1 O PROBLEMA 1.1 INTRODUÇÃO Ao analisar-se o mercado imobiliário de apartamentos novos, em particular os lançamentos voltados para a classe média no Município do Rio de Janeiro, observa-se que a indústria

Leia mais

A função produção apresenta três papéis importantes para a estratégia empresarial:

A função produção apresenta três papéis importantes para a estratégia empresarial: FASCÍCULO 2 Papel estratégico e objetivo da produção Segundo Slack, para que se entenda a contribuição da função produção devese responder a duas questões: qual papel se espera que a produção desempenhe

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação Janniele Aparecida Como uma empresa consegue administrar toda a informação presente nesses sistemas? Não fica caro manter tantos sistemas diferentes? Como os

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

QUALIDADE NO ATENDIMENTO AO CLIENTE QUALITY IN CUSTOMER SERVICE

QUALIDADE NO ATENDIMENTO AO CLIENTE QUALITY IN CUSTOMER SERVICE QUALIDADE NO ATENDIMENTO AO CLIENTE QUALITY IN CUSTOMER SERVICE Alisson Pereira da Silva Graduando em Administração Centro Universitário Católico Salesiano alisson_pesilva@hotmail.com Ana Paula de Souza

Leia mais

COMAKERSHIP: UMA PARCERIA ENTRE FORNECEDOR-CLIENTE RESUMO

COMAKERSHIP: UMA PARCERIA ENTRE FORNECEDOR-CLIENTE RESUMO COMAKERSHIP: UMA PARCERIA ENTRE FORNECEDOR-CLIENTE Profª. M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro maris@unisalesiano.edu.br ; Unisalesiano Jaqueline Possas Rocha jaquelineprocha@terra.com.br; Unisalesiano Juliana

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

Nosso sucesso é sua logística bem-sucedida!

Nosso sucesso é sua logística bem-sucedida! Nosso sucesso é sua logística bem-sucedida! Sobre a Store Automação A Store Automação é uma das empresas líderes em TI no Brasil. Especializada em softwares orientados à logística e com vinte anos de atuação,

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE NEGÓCIOS E CRIAÇÃO DE VALOR NA EMPRESA MODERNA

ESTRATÉGIAS DE NEGÓCIOS E CRIAÇÃO DE VALOR NA EMPRESA MODERNA ESTRATÉGIAS DE NEGÓCIOS E CRIAÇÃO DE VALOR NA EMPRESA MODERNA Natália Igreja da Silva Ferreira 1, Vilma da Silva Santos 2, Paulo Cesar Ribeiro Quintairos 3, Edson Aparecida de Araújo Querido Oliveira 4

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Os SIs têm o objetivo de automatizar os diversos processos empresariais, visando aumentar o controle e a produtividade, bem

Leia mais

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 Arquivo Título: Flexibilidade: Um Novo Formato das Organizações Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 RESUMO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 3 - AS PERSPECTIVAS DO BSC - FINANCEIRA E CLIENTES PLANEJAMENTO E GESTÃO ESTRATÉGICA

Leia mais

Prof. Marcopolo Marinho

Prof. Marcopolo Marinho Prof. Marcopolo Marinho Acompanhamento do Cronograma Conceitos essenciais: Aula de Hoje Estratégia, Inovação, Competitividade, Diferenciais competitivos. Análise do Ambiente Externo; Turbulência e Vulnerabilidade;Análise

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

MBA em Gestão de Negócios (Sexta e Sábado)

MBA em Gestão de Negócios (Sexta e Sábado) MBA em Gestão de Negócios (Sexta e Sábado) Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 14 (Nova) -->Início Confirmado:05/07/2013 Mercados dinâmicos têm imposto desafios crescentes para as empresas:

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

1 Introdução 2 Comportamento do Consumidor e Diferenciação para Estratégia e para o Marketing

1 Introdução  2 Comportamento do Consumidor e Diferenciação para Estratégia e para o Marketing Diferenciação Informada: um Estudo sobre os Efeitos da Informação sobre a Disposição a Pagar João Roberto Lo Turco Martinez joaoadm01@yahoo.com.br UFG Lorena Estrela Peixoto lorenapeixoto18@yahoo.com.br

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Carolina K. Souza Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Engenharia de Produção, Campus universitário

Leia mais

Gestão da Produção e Operações. Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima O Papel Estratégico e Estratégia de Produção

Gestão da Produção e Operações. Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima O Papel Estratégico e Estratégia de Produção Gestão da Produção e Operações Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima O Papel Estratégico e Estratégia de Produção Objetivos Discutir o papel da função produção nos planos estratégicos da organização e analisar

Leia mais

A Cadeia de Suprimentos

A Cadeia de Suprimentos Tema A Cadeia de Suprimentos Curso Disciplina Tema Professor MBA em Engenharia da Produção Gestão da Produção A Cadeia de Suprimentos John Jackson Buettgen Introdução Quando o assunto é Gestão de Produção,

Leia mais

Conceituação e Entendimento da Gestão Estratégica Parte 02

Conceituação e Entendimento da Gestão Estratégica Parte 02 Conceituação e Entendimento da Gestão Estratégica Parte 02 Agenda: Organização X Empresa Empresas de Serviços Classificação Tipos de Clientes Ciclo de Vida Por que gerenciar estrategicamente uma empresa

Leia mais

Conquistando vantagem competitiva com os sistemas de informação

Conquistando vantagem competitiva com os sistemas de informação Conquistando vantagem competitiva com os sistemas de informação slide 1 3.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Como o modelo das cinco forças competitivas

Leia mais

1. Administração Estratégica, o Mercado Mundial e as Estratégias de nível empresarial

1. Administração Estratégica, o Mercado Mundial e as Estratégias de nível empresarial 1. Administração Estratégica, o Mercado Mundial e as Estratégias de nível empresarial Lembrete! Conforme vimos no início da Disciplina, a administração estratégica é definida como uma administração do

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DA CADEIA LOGÍSTICA

GESTÃO ESTRATÉGICA DA CADEIA LOGÍSTICA http://www.administradores.com.br/artigos/ GESTÃO ESTRATÉGICA DA CADEIA LOGÍSTICA DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS), Bacharel em Administração (FAE), Especialista em Gestão de Negócios

Leia mais

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA Douglas Prates Magalhães 1 Resumo Uma revisão teórica e rápida conceituação da Logística e Vantagem competitiva. Foco em vantagem

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC.

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC. PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC. César Gomes de Freitas, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre, Campus Cruzeiro do Sul/Acre, Brasil

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 1 OBJETIVOS 1. O que os administradores precisam saber sobre organizações para montar e usar sistemas de informação com sucesso? 2. Que

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E SUSTENTABILIDADE: ENFOQUE ECONÔMICO E AMBIENTAL

LOGÍSTICA REVERSA E SUSTENTABILIDADE: ENFOQUE ECONÔMICO E AMBIENTAL LOGÍSTICA REVERSA E SUSTENTABILIDADE: ENFOQUE ECONÔMICO E AMBIENTAL Aline Pereira dos Anjos 1 Larissa Fabiana Oliveira Caetano 1 Luciana Pereira Mendonça 1 Clézio Antônio Lara 2 RESUMO O objetivo deste

Leia mais

Objetivos da Produção

Objetivos da Produção Objetivos da Produção Aula 3 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Objetivos da aula 1. Apresentar os objetivos e estratégias da produção 2 Produção: É o processo de obtenção de qualquer

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2

MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2 MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2 RESUMO O marketing é uma função da administração que

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Neófita Maria de Oliveira (UERN) neofita_maria@yahoo.com.br Athenágoras José de Oliveira (UERN) mara_suy@hotmail.com Mara

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

BPM - Sem Processos, Sem Nada!

BPM - Sem Processos, Sem Nada! BPM - Sem Processos, Sem Nada! Márcio Teschima email: marcio@teschima.com Cientista da Informação, Pós Graduado em Qualidade, Processos e Projetos e com MBA em Gestão Empresarial, busco a oportunidade

Leia mais

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico.

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Resumo A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Edwin Aldrin Januário da Silva (UFRN) aldrin@sebraern.com.br Neste trabalho, iremos descrever sinteticamente o modelo de Porte sobre

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Ementa: Identificar os elementos básicos das organizações: recursos, objetivos e decisões. Desenvolver

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Informação

Conceitos de Sistemas de Informação Conceitos de Sistemas de Informação Prof. Miguel Damasco AEDB 1 Objetivos da Unidade 1 Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos ADMINISTRAÇÃO 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Administração PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos Máximo = 8 anos 2. HISTÓRICO DO CURSO

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

A Integração da Cadeia de Suprimentos de uma Usina Siderúrgica e Sua Relação com o Desempenho Logístico

A Integração da Cadeia de Suprimentos de uma Usina Siderúrgica e Sua Relação com o Desempenho Logístico A Integração da Cadeia de Suprimentos de uma Usina Siderúrgica e Sua Relação com o Desempenho Logístico Jeová Alves Araújo jeova.a.a@unisantos.br UNISANTOS Ricardo Kenji Oi prof_oi@ymail.com UNISANTOS

Leia mais

Fiorella Del Bianco. 3º estágio: maturidade. Tema: Estágios de maturidade e declínio do ciclo de vida do produto.

Fiorella Del Bianco. 3º estágio: maturidade. Tema: Estágios de maturidade e declínio do ciclo de vida do produto. Fiorella Del Bianco Tema: Estágios de maturidade e declínio do ciclo de vida do produto. Objetivo: Nessa aula o aluno conhecerá em detalhes os estágios de maturidade e declínio do ciclo de vida do produto

Leia mais

6 Modelo proposto: projeto de serviços dos sites de compras coletivas

6 Modelo proposto: projeto de serviços dos sites de compras coletivas 6 Modelo proposto: projeto de serviços dos sites de compras coletivas A partir do exposto, primeiramente apresentam-se as fases discriminadas no modelo proposto por Mello (2005), porém agora direcionadas

Leia mais

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE MARKETING

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE MARKETING O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE MARKETING Mayara Sanches de Souza 1 Hiroshi Wilson Yonemoto 2 RESUMO: O estratégico de marketing é um processo de variáveis controláveis e incontroláveis que afetam as relações

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente Portfólio QUEM SOMOS Somos uma empresa de consultoria organizacional que vem desenvolvendo e implementando em diversas clientes projetos nas áreas de Gestão Recursos Humanos e Comercial/Vendas. Silmar

Leia mais

ANEXO I ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE NEGÓCIO

ANEXO I ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE NEGÓCIO ANEXO I ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE NEGÓCIO Os itens do roteiro deverão ser redigidos seguindo as normas de formatação abaixo descritas, em folhas separadas com seus respectivos títulos e numeradas:

Leia mais

Consultoria Empresarial

Consultoria Empresarial Consultoria Empresarial Referência : OLIVEIRA, Djalma CROCCO, Luciano; GUTIMANNN, Erick Prof- Daciane de O.Silva SURGIMENTO- Desde os tempos imemoriais COMO ISSO ACONTECIA? Os rabinos aconselhavam os fieis,

Leia mais