PRODUTO CARNES PERÍODO: 15 a 19/09/2003. Carne bovina

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRODUTO CARNES PERÍODO: 15 a 19/09/2003. Carne bovina"

Transcrição

1 PRODUTO CARNES PERÍODO: 15 a 19/09/2003 Carne bovina A estimativa da Conab para a produção brasileira de carne bovina, no ano de 2003, as previsões quanto às importações, exportações e a disponibilidade interna, foram atualizadas em 07/05/2003 (Tabela 1). Tabela 1: B O V I N O S EVOLUÇÃO DA DISPONIBILIDADE "PER CAPITA" NO BRASIL ( t equiv. carcaça ) DISPONIB. POPULAÇÃO DISPONIB. ANO PRODUÇÃO IMPORTAÇÃO EXPORTAÇÃO "PER CAPITA" INTERNA (milhões hab.) (kg/hab/ano) ,3 62,5 559, ,3 163,90 36, ,8 76,5 580, ,6 169,54 35, ,6 42,2 821, ,9 172,39 35,1 2002* 7.141,5 73,8 964, ,5 174,63 35,8 2003** 7.620,0 57, , ,2 176,90 36,5 (*) Estimativa (**) Previsão. FONTE: Conab (produção); SECEX / DECEX (importação e exportação); IBGE (população). ELAB.: Conab / Digem / Sugof / Geole - 07/05/2003. O preço médio da arroba de boi gordo, no contexto dos principais estados produtores, acusou baixa semanal de 2,08%. Em São Paulo e no Mato Grosso do Sul, as cotações médias mantiveram-se estáveis. O atual patamar de preço em São Paulo situa-se 3,97% acima da média registrada em agosto, enquanto no Mato Grosso do Sul, o atual nível de preço está 6,13% acima da média registrada no mês passado. Na semana em apreço, a oferta de gado para o abate continuou bastante folgada. As condições climáticas nas principais regiões produtoras da Região Centro-Sul forçaram os pecuaristas a desovar os animais prontos. Dessa maneira, não houve dificuldade para o preenchimento das escalas de abate por intermédio dos frigoríficos. O mercado continua pagando diferencial de mais R$ para o boi rastreado (cuja carne terá a União Européia como destino). No atacado de São Paulo, passado o período de pagamento salarial, não houve pressão de compra para os cortes bovinos. Com isso, o dianteiro mostrou retração de 4,93% no preço médio semanal, ao passo que o traseiro apresentou recuo de 0,97%, conforme destacado na Tabela 2.

2 Tabela 2: CARNE BOVINA PREÇOS PAGOS AOS PRODUTORES - em R$ PRODUTO UNID. UF Boi SP* 55,83 57,71 60,00 60,00 (*) Presidente Prudente PREÇOS NO ATACADO - em R$ Dianteiro kg SP 2,47 2,84 2,84 2,70 Traseiro kg SP 3,77 4,04 4,14 4,10 A tendência, na próxima semana, a julgar pela facilidade que os frigoríficos conseguiram preencher suas escalas de abate no período de 15 a 19, é de menor pressão de alta para os preços médios do boi gordo, nos principais estados produtores. A entressafra característica da pecuária nacional no segundo semestre acirra a disputa entre pecuaristas e frigoríficos. lmente, dependendo, inclusive, de fatores climáticos, esse embate resulta em ágio ou deságio no preço médio da arroba. Contudo, a tendência predominante, nesse período do ano, é de alta. O atacado paulista deverá manter-se menos pressionado na próxima semana, o que gera a expectativa de queda para as cotações médias do dianteiro e do traseiro. A Secex divulgou, na semana de 15 a 19, os dados relativos à exportação e importação efetivadas em agosto último. A análise dos números acumulados no período janeiro/agosto demonstra que a carne industrializada participou com 33,19% do volume embarcado (em equivalente carcaça), para um faturamento que correspondeu a 23,8% dos US$ 896,8 milhões auferidos com as vendas externas, no período. A carne in natura (congelada e resfriada) que totaliza as carnes com osso e sem osso, miúdos e salgadas perfez os 66,81% restantes, em termos quantitativos, e 76,2% da receita total. Esses números dão suporte à projeção dos totais de volume e faturamento deste ano na suposição de que seja mantido o desempenho do período janeiro/agosto, em termos de quantidade, e os preços médios de US$ 803/ tonelada para a carne industrializada e US$ 1.276/ tonelada para a carne in natura. A projeção é de que o faturamento alcance US$ 1,345 bilhão com a exportação de carne bovina em 2003, representando acréscimo de 21,56% sobre a receita de 2002 e volume de 1,202 milhão de toneladas em equivalente carcaça, isto é, mais 24,6% sobre o número final do ano passado. O preço médio da carne industrializada está 0,62% inferior à média anual de 2002, enquanto a cotação média relativa à carne in natura apresenta queda de 5,97% comparativamente à média do ano passado. Essa é a razão para que a taxa de crescimento da quantidade seja superior à do faturamento, na projeção dos dados médios de janeiro/agosto para o final de A volta da Argentina e do Uruguai à cena internacional e a retomada das vendas externas de países europeus que são tradicionais exportadores de carne bovina, são os fatores principais para a constatação de baixa dos preços recebidos pelas empresas 2

3 brasileiras no mercado externo, no decorrer de No entanto, a confirmação de um novo foco de febre aftosa na província argentina de Salta conforme divulgado pelo governo da Argentina na sexta-feira, dia 5, possibilita o aumento do poder de barganha das empresas brasileiras no mercado internacional e, consequentemente, gera a expectativa de elevação dos níveis de seus preços. Carne de frango A estimativa da Conab para a produção brasileira de carne de frango, no ano de 2003, as previsões quanto às importações, exportações e a disponibilidade interna, foram atualizadas em 07/05/2003 (Tabela 3). Tabela 3: F R A N G O S EVOLUÇÃO DA DISPONIBILIDADE "PER CAPITA" NO BRASIL ( t ) DISPONIB. POPULAÇÃO DISPONIB. ANO PRODUÇÃO IMPORTAÇÃO EXPORTAÇÃO "PER CAPITA" INTERNA (milhões hab.) (kg/hab/ano) ,0 0,2 776, ,6 163,90 29, ,6 0,3 916, ,5 169,54 29, ,3 0, , ,4 172,39 30, ,0 0, , ,1 174,63 33,4 2003* 7.485,3 0, , ,4 176,90 31,2 (*) Estimativa. FONTE: Produção (IBGE - até 1979; CFP /89; CONAB - desde 1990); Importação e Exportação: (Conab) e (dados da SECEX / DECEX). Para 2003, as exportações foram estimadas pela Conab, a partir dos dados disponibilizados pela SECEX, relativamente ao período janeiro/março. ELAB.: Conab / Digem / Sugof / Geole - 07/05/2003. O preço médio do frango vivo, transacionado nas granjas dos principais estados produtores acusou alta de 3,1%. Em São Paulo, a cotação média elevou-se em 11,03%. O atual patamar paulista encontra-se 11,81% superior à média verificada em agosto. Tais resultados advêm, em grande parte, do desempenho das exportações de carne de frango brasileira, ao longo deste ano. No tocante ao atacado, o preço médio do frango inteiro resfriado, no contexto dos estados constantes da pesquisa semanal PR, SC, RS, SP, MG, GO, CE, PE e PA mostrou alta de 3,86%. Em São Paulo, a cotação média subiu 10%, o que dá ao patamar atual posição 18,08% além da observada no mês de agosto (Tabela 4). 3

4 Tabela 4: CARNE DE FRANGO PREÇOS PAGOS AOS PRODUTORES - em R$ Frango Vivo kg SP 1,30 1,44 1,45 1,61 PREÇOS NO ATACADO - em R$ Frango inteiro resfriado kg SP 1,71 1,77 1,90 2,09 O preço médio do frango inteiro resfriado encontra-se 22,59% inferior à cotação média do dianteiro bovino no atacado bandeirante, o que lhe confere grande competitividade para obter a preferência do consumidor. A próxima semana deverá continuar mostrando um quadro de firmeza para os preços do frango vivo e do resfriado, pois embora já se tenha passado a semana de pagamento salarial da massa consumidora, as exportações continuam muito fortes, o que dá sustentação aos níveis de preços ora observados no atacado de São Paulo. A divulgação, pela Secex, dos últimos números de exportação e importação da carne de frango registrados em agosto, permite que se observe o resultado acumulado em janeiro/agosto deste ano, quando as vendas externas brasileiras alcançaram o volume de 1,266 milhão de toneladas, para um faturamento de US$ 1,110 bilhão. Esses números ensejam a projeção mantidos os mesmos parâmetros até aqui observados do quantitativo de 1,899 milhão de toneladas e receita de US$ 1,664 bilhão, ao final de 2003, significando acréscimo de 16,86% em volume e mais 19,5% no faturamento, confrontandose essa projeção com os dados finais do ano passado. O preço médio da carne de frango exportada no período janeiro/agosto subiu, quando observados os segmentos de frango inteiro e industrializado, enquanto mostrou queda, no tocante aos cortes de frango. No segmento do frango inteiro, que apresentou cotação média de US$ 739 /tonelada, a alta foi de 9,81%, frente à média anual obtida em 2002; para o frango em partes, cuja cotação média alcançou US$ 920 /tonelada, a retração foi de 3,36%; no segmento de frango industrializado, com preço médio de US$ /tonelada, a elevação atingiu 2,59%. A participação desses segmentos, em termos das quantidades embarcadas, no período janeiro/agosto de 2003 foi de 39,1% para o frango inteiro; 59,01% para o frango em partes e 1,89% para o industrializado. Tal distribuição mostrou alta na participação do frango em partes, cuja representação, em 2002, ficou em 56,96% e baixa no caso do frango inteiro, que no ano passado representou 41,5% das vendas externas. O segmento do frango industrializado incrementou sua participação, pois em 2002, esta foi de 1,54% das exportações. 4

5 Carne suína A estimativa da Conab para a produção brasileira de carne suína, no ano de 2003, as previsões quanto às importações, exportações e a disponibilidade interna, foram atualizadas em 07/05/2003 (Tabela 5). Tabela 5: S U Í N O S EVOLUÇÃO DA DISPONIBILIDADE "PER CAPITA" NO BRASIL ( t equiv. carcaça ) DISPONIB. POPULAÇÃO DISPONIB. ANO PRODUÇÃO IMPORTAÇÃO EXPORTAÇÃO "PER CAPITA" INTERNA (milhões hab.) (kg/hab/ano) ,6 1,3 99, ,5 163,90 9, ,8 0,5 141, ,2 169,54 10, ,5 0,3 283, ,5 172,39 11,5 2002* 2.686,7 0,2 474, ,6 174,63 12,7 2003** 2.874,7 0,2 462, ,1 176,90 13,6 (*) Estim ativa (**) Previsão. FONTE: Produção (IBGE - até 1979; CFP-1980/89; CONAB - a partir de 1990); Importação e Exportação (SECEX / DECEX); População (IBGE). ELAB.: Conab / Digem / Sugof / Geole - 07/05/2003. No Estado de São Paulo, o suíno vivo posto no frigorífico apresentou alta de 5,86% no preço médio, relativamente ao praticado na semana anterior. Esse nível situa-se 13,87% acima da média observada em agosto (Tabela 6). Tabela 6: CARNE SUÍNA PREÇOS PAGOS AOS PRODUTORES - em R$ Suíno vivo kg SP* 2,19 2,38 2,71 2,86 Suíno vivo kg SC 1,38 1,44 1,60 1,69 (*) CIF - frigorífico PREÇOS NO ATACADO - em R$ Pernil kg SP 2,90 3,27 4,08 4,50 Com respeito aos oito estados considerados na amostra pesquisada PR, SC, RS, SP, MG, MS, GO e MT observou-se acréscimo de 5,08% no preço médio semanal, enquanto nas integrações de Santa Catarina, constatou-se elevação de 5,63% no preço médio do suíno vivo, relativamente ao patamar registrado na semana anterior, o que confere ao atual nível de preços posição 17,36% acima da média de agosto passado. 5

6 O mercado do suíno vivo não vinha demonstrando a firmeza desejada, com vistas ao atendimento do maior consumo interno esperado no período de inverno a segunda melhor época do ano, em termos de demanda interna, só ficando atrás dos volumes negociados no período de festas de Natal e Ano Novo mas, a partir da retomada dos embarques da carne suína produzida nos Estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul com destino à Rússia, durante o mês de junho, o mercado se tornou mais enxuto. A redução dos estoques que as empresas vinham acumulando, permitiu a melhora das cotações do suíno vivo e da carne transacionada nos principais estados. No atacado de São Paulo, o pernil o corte de maior apelo popular apresentou cotação média semanal 10,29% mais alta, em relação à semana anterior, estando o atual nível 37,61% acima da média apurada em agosto. A próxima semana poderá apresentar um quadro semelhante ao atual, no caso do suíno vivo comercializado nas granjas dos principais estados produtores, pois a indústria se mostra mais ativa nas aquisições, objetivando atender os mercados interno e externo. Neste período do ano, já começa a movimentação de compras com vistas à formação de estoques e sua posterior venda no final do ano, a melhor época de comercialização da carne suína no mercado interno. Os abates de suínos na Região Sul e Estado de São Paulo que, no conjunto, representam cerca de 65% dos abates nacionais, registraram 9,685 milhões de cabeças, durante o período janeiro/julho de 2003, significando elevação de 0,3% sobre o volume de abates de idêntico período do ano passado. Esse desempenho, embora não tenha encontrado maior respaldo nas demandas interna e externa, nos primeiros cinco meses do ano, passou a obter melhor resultado em ambos os mercados, a partir de junho último. Parece que o volume de abates está mais ajustado ao atual nível da procura, o que poderá dar sustentação aos preços internos. Na semana de 8 a 12 do corrente, foram confirmados dois focos da doença de Aujeszky no município gaúcho de Aratiba, localizado no Norte do Estado (região de Erechim). As providências de praxe (interdição das propriedades, sacrifício dos plantéis atingidos, etc) estão sendo tomadas. Apesar disso, apenas o município de Aratiba ficará impedido de exportar para a Rússia (destino de 70% das exportações de carne suína gaúcha no período janeiro/maio deste ano) durante os próximos 12 meses. As demais regiões do Estado não serão afetadas, conforme reza o acordo sanitário Brasil/Rússia, recentemente alterado. De acordo com os dados da Secex, no tocante à exportação de carne suína, verifica-se que o período janeiro/agosto acumulou vendas de toneladas, em equivalente carcaça, responsáveis pela receita de US$ 326,186 milhões. Do volume embarcado ao exterior, 97,76% foram de carne in natura (fresca e congelada) que totaliza as carnes com osso e sem osso, salgada e miúdos cujo preço médio alcançou US$ /tonelada, posicionando-se 1,56% acima da média praticada em A carne industrializada representou 2,24% das vendas e teve preço médio de US$ 393 /tonelada, 10,27% inferior à média do ano passado. Os números referentes às vendas externas, durante o período janeiro/agosto, propiciam a projeção de 475,4 mil toneladas e receita de US$ 489 milhões, ao encerramento deste ano mantidos os mesmos parâmetros até aqui observados o que contempla acréscimos de 0,22% nas quantidades e 1,51% no faturamento, relativamente ao desempenho final do ano passado. Em 2002, as vendas para os seis principais destinos totalizaram 96,96% das quantidades líquidas de carne suína endereçadas ao exterior, tendo sido responsáveis pela receita cambial de US$ 465,5 milhões, ou 96,58% do faturamento total com a exportação. A Rússia teve participação significativa nesse contexto: foi responsável por 79,24% das quantidades totais negociadas no exterior e receita de US$ 374,178 milhões, isto é, 77,63% do faturamento total. 6

7 Os dados relativos ao período janeiro/agosto de 2003 mostram que esse mesmo grupo de clientes absorveu 90,69% do volume líquido de carne suína negociado pelo Brasil no mercado internacional, tendo sido responsável pela receita de US$ 298,680 milhões (91,57% do total faturado no período), sendo que a Rússia, isoladamente, recebeu 63,52% do volume, que deram origem a 63,87% do faturamento total do período.(tabela7) Tabela 7 BRASIL - EXPORTAÇÕES DE CARNE SUÍNA PRINCIPAIS DESTINOS DESTINO jan./ago Part. % Part. % Part. % Part. % US$/FOB kg Líquido Part. % Preço Médio Argentina ,43 1,11 2,14 14,92 28,73 36, Cingapura ,64 1,38 1,44 0,67-0, Hong Kong ,13 0,96 11,14 18,53 39,86 48, Países Baixos ,40 1,16 1,72 1,74 3,86 1, Rússia ,52 1,05 79,24 56,49 17, Uruguai ,57 0,97 1,28 2,91 3,60 7,23 Subtotal ,69 1,05 96,96 95,26 93,38 94,61 Outros ,31 0,95 TOTAL ,00 1,04 Fonte: Secex / Decex Elab.: Conab / Digem / Sugof / Geole - 18/09/2003. (Rogério Dias Coimbra. Fone: (61) Fax: (61) http//www.conab.gov.br Home Page: 7

PRODUTO CARNES PERÍODO: 29/09 a 03/10/2003. Carne bovina

PRODUTO CARNES PERÍODO: 29/09 a 03/10/2003. Carne bovina PRODUTO CARNES PERÍODO: 29/09 a 03/10/2003 Carne bovina A estimativa da Conab para a produção brasileira de carne bovina, no ano de 2003, as previsões quanto às importações, exportações e a disponibilidade

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Produção mundial deve recuar em 2007/08 Segundo o relatório de oferta e demanda divulgado pelo Usda em setembro

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Ano 6 - Edição 25 Agosto 2014 VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Por Prof. Dr. Sergio De Zen, Pesquisador; Equipe Pecuária de Corte As cotações praticadas em todos os elos da cadeia pecuária

Leia mais

InfoCarne Informativo Sinduscarne: Notícias do setor da carne Edição 27

InfoCarne Informativo Sinduscarne: Notícias do setor da carne Edição 27 21 de Dezembro de 2015 InfoCarne Informativo Sinduscarne: Notícias do setor da carne Edição 27 Nesta Edição Destaque Guia para o Exportador é lançado na FIEMG / apoio do Sinduscarne A FORÇA DA INDÚSTRIA

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Maio de 2015 Benefício do câmbio mais depreciado sobre as exportações de carnes será limitado pela queda da demanda de mercados relevantes Regina Helena Couto Silva Departamento de Pesquisas e Estudos

Leia mais

BOVINOCULTURA DE CORTE

BOVINOCULTURA DE CORTE ISS 36-9 BOVINOCULTURA DE CORTE Os preços médios da arroba do boi e da vaca, em Mato Grosso do Sul, no mês de fevereiro, foram de R$8,8 e R$,99, respectivamente. Em relação ao mês anterior, houve um avanço

Leia mais

ALGODÃO Período: 19 a 23/09/2011

ALGODÃO Período: 19 a 23/09/2011 ALGODÃO Período: 9 a 23/09/20 Quadro I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR Algodão em Pluma - (em R$/unidade) Períodos anteriores Semana Atual Centros de Produção Unid. 2 meses () mês () semana () Média do mercado

Leia mais

PANORAMA SEMANAL DO MERCADO SUÍNO DO DF 06/02/2015

PANORAMA SEMANAL DO MERCADO SUÍNO DO DF 06/02/2015 PANORAMA SEMANAL DO MERCADO SUÍNO DO DF 06/02/2015 Cotação Diária do Suíno Vivo, por Unidade da Federação Data MG SP PR SC RS DF MT Carcaça CEPEA 05/02/2015 R$ 3,68 R$ 3,35 R$ 3,17 R$ 3,23 R$ 3,28 R$ 4,01

Leia mais

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte Se, de um lado, a forte alta do dólar frente ao Real tem contribuído para elevar

Leia mais

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 21/06/2013 a 27/06/2013 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 Prof. Ms.

Leia mais

CARNE BOVINA Período: JULHO/2011

CARNE BOVINA Período: JULHO/2011 CARNE BOVINA Período: JULHO/2011 MERCADO INTERNO BOVINO Quadro I - PREÇOS PAGOS AOS PRODUTORES - R$/unidade PERÍODOS ANTERIORES PRAÇA UF UNID 12 MESES 6 MESES 1 MÊS Barretos SP @ 81,55 104,88 100,70 97,27

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

SOJA NEGOCIA POUCO EM NOVEMBRO POR DÓLAR E CHICAGO EM BAIXA

SOJA NEGOCIA POUCO EM NOVEMBRO POR DÓLAR E CHICAGO EM BAIXA Panorama Geral dos Mercados Agrícolas Ano IV n o 194 30 de novembro de 2015 www.sistemafaep.org SOJA NEGOCIA POUCO EM NOVEMBRO POR DÓLAR E CHICAGO EM BAIXA O mercado brasileiro de soja teve uma comercialização

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas sexta-feira, 13 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 139,70 0,00 0,00-0,55 SET13 116,25 116,10 115,75-0,20

Leia mais

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR Aspectos abordados Carne no mundo (Visão Geral) Histórico: ambiente institucional e

Leia mais

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 05/07/2013 a 11/07/2013 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 Prof. Ms.

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

FUNDAÇÃO PROCON-SP CONSTATA VARIAÇÃO DA CESTA BÁSICA DE 3,10% EM ABRIL/2010

FUNDAÇÃO PROCON-SP CONSTATA VARIAÇÃO DA CESTA BÁSICA DE 3,10% EM ABRIL/2010 FUNDAÇÃO PROCON-SP CONSTATA VARIAÇÃO DA CESTA BÁSICA DE 3,10% EM ABRIL/2010 No mês de abril de 2010, o valor da cesta básica do paulistano teve alta de 3,10%, revela pesquisa diária da Fundação Procon-SP,

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas sábado, 14 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 139,00 0,00 0,00-0,70 SET13 115,55 115,70 115,70-0,70

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR CAEM 42% EM FEVEREIRO

EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR CAEM 42% EM FEVEREIRO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 16/março/2015 n. 566 EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR CAEM 42% EM FEVEREIRO Os dados mais recentes de exportação de açúcar disponibilizados pela Secretaria de

Leia mais

Aumento do consumo mundial de alimentos é destaque nas Nações Unidas

Aumento do consumo mundial de alimentos é destaque nas Nações Unidas Edição 04 - Outubro de 2014 Aumento do consumo mundial de alimentos é destaque nas Nações Unidas Mais de 100 milhões de pessoas deixaram de passar fome na última década. É o que revela o relatório O estado

Leia mais

Perspectivas de Mercado

Perspectivas de Mercado Perspectivas de Mercado Estratégico Nível Gestão Gerencial Nível Caixa Nível Operacional Pecuária Custos de Corte Tecnologia do uso da informa ção Alcides Torres Insumos Bens de Fabiano R. Tito Rosa Scot

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 I Resultados do mês (comparativo Agosto/2015 Agosto/2014)

Leia mais

Balança Comercial. Manoela Oliveira E-mail: manoela.teixeira@agricultura.mg.gov.br Tel: (31) 3915-8603 - Belo Horizonte/MG

Balança Comercial. Manoela Oliveira E-mail: manoela.teixeira@agricultura.mg.gov.br Tel: (31) 3915-8603 - Belo Horizonte/MG Edição 01 Janeiro Balança Comercial Manoela Oliveira E-mail: manoela.teixeira@agricultura.mg.gov.br Tel: (31) 3915-8603 - Belo Horizonte/MG 3 Exportações As exportações do agronegócio mineiro totalizaram

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO Produção de carnes NACIONAL - USDA - mil ton DO COMPLEXO CARNES - 2014 Carne Bovina

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: AGOSTO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Mercado Halal para Carne de Frango

Mercado Halal para Carne de Frango RICARDO SANTIN Vice Presidente Mercado Halal para Carne de Frango Principais Produtores Mundiais de Carne de Frango (milhões de ton) Brasil continua como terceiro maior produtor mundial de carne de frango.

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

HIDRATADO CONTINUA PERDENDO COMPETITIVIDADE FRENTE A GASOLINA EM SP

HIDRATADO CONTINUA PERDENDO COMPETITIVIDADE FRENTE A GASOLINA EM SP Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano X 15/janeiro/2015 n. 428 HIDRATADO CONTINUA PERDENDO COMPETITIVIDADE FRENTE A GASOLINA EM SP Os dados mais recentes referentes aos preços dos combustíveis

Leia mais

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte A rentabilidade em propriedades típicas de recria-engorda do estado

Leia mais

DADOS DA CONAB TRAZEM AJUSTES E INDICAM MUDANÇA NA TENDÊNCIA DO MERCADO

DADOS DA CONAB TRAZEM AJUSTES E INDICAM MUDANÇA NA TENDÊNCIA DO MERCADO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 17/agosto/2015 n. 588 DADOS DA CONAB TRAZEM AJUSTES E INDICAM MUDANÇA NA TENDÊNCIA DO MERCADO A quinta-feira foi iniciada com a atualização de um importante

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Março/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Março/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Março/2015 I Resultados do mês (comparativo Mar/2015 Mar/2014)

Leia mais

Os Produtores (gado corte) diante do SISBOV e Novo SISBOV

Os Produtores (gado corte) diante do SISBOV e Novo SISBOV Os Produtores (gado corte) diante do SISBOV e Novo SISBOV RESUMO: EXIGENCIAS DA UE 40 DIAS ULTIMA PROPRIEDADE 90 DIAS AREA HABILITADA ESTOQUES ANIMAIS : BND=AG.DEFESA = FAZENDAS VALORIZAR O BOI APTO A

Leia mais

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil Revista Ovinos, Ano 4, N 12, Porto Alegre, Março de 2008. Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil João Garibaldi Almeida Viana 1 Os ovinos foram uma das primeiras espécies de animais domesticadas

Leia mais

Mercado do Boi Gordo

Mercado do Boi Gordo Mercado do Boi Gordo Perspectivas para os próximos anos SIC Esteio - RS Agosto 2006 Fabiano R. Tito Rosa Scot Consultoria Índice 1. Brasil: país pecuário 2. Comportamento dos preços internos 3. Perspectivas

Leia mais

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 dezembro, 2012 Índice 1. Algodão 2. Soja 3. Milho 4. Boi Gordo 5. Valor Bruto da Produção ALGODÃO Mil toneladas

Leia mais

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Prevenção, controle e erradicação de doenças e pragas animais e vegetais de interesse econômico e de importância para a saúde pública. Assegurar a sanidade,

Leia mais

TRIGO Período de 12 a 16/10/2015

TRIGO Período de 12 a 16/10/2015 TRIGO Período de 2 a 6/0/205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,5 34,0 35,42 35,94 Semana Atual

Leia mais

Análise Bovinocultura

Análise Bovinocultura Análise Bovinocultura BOLETIM SEMANAL MÊS PARADO: No primeiro mês do ano de 2013 o preço da arroba do boi gordo à vista em Mato Grosso seguiu firme na casa dos R$ 84/@, registrando na última cotação de

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Outubro/2015 I Resultados do mês (comparativo Outubro/2015 Outubro/2014)

Leia mais

PERFIL SETORIAL E TENDÊNCIAS DOS MERCADOS DE HORTÍCOLAS E FRUTAS NO RS, NO BRASIL E NO MUNDO

PERFIL SETORIAL E TENDÊNCIAS DOS MERCADOS DE HORTÍCOLAS E FRUTAS NO RS, NO BRASIL E NO MUNDO PERFIL SETORIAL E TENDÊNCIAS DOS MERCADOS DE HORTÍCOLAS E FRUTAS NO RS, NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Maio/2015 CLIMA Anomalia da Temperatura da Superfície do Mar sobre o Pacífico Equatorial El Niño

Leia mais

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria VII Seminário ABMR&A da Cadeia Produtiva de Carne Bovina Feicorte 2007 Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria Médica Veterinária Andréa Veríssimo M. Appl. Sc. Farm Management Lincoln

Leia mais

Preço Médio da Soja em Mato Grosso do Sul - Junho de 2011 - Em R$ por saca de 60 kg.

Preço Médio da Soja em Mato Grosso do Sul - Junho de 2011 - Em R$ por saca de 60 kg. 1 2 NORTE Os preços pagos aos Produtores Rurais na região Norte do Estado neste mês de junho variaram entre a mínima de R$ 38,5 no dia 3/6 no município de São Gabriel do Oeste e a máxima de R$ 4, no dia

Leia mais

Quadro II - PREÇO DO AÇÚCAR CRISTAL COLOCADO NO PORTO DE SANTOS - SP NA CONDIÇÃO SOBRE RODAS - (Em R$/Saca de 50kg*)

Quadro II - PREÇO DO AÇÚCAR CRISTAL COLOCADO NO PORTO DE SANTOS - SP NA CONDIÇÃO SOBRE RODAS - (Em R$/Saca de 50kg*) CANA-DE-AÇÚCAR Período: Janeiro/2016 Quadro I - PREÇO NA USINA EM SÃO PAULO (Em R$/unidade*) Produtos Unidade 24 12 1 Mês Mês Atual Açúcar Cristal Cor ICUMSA 130 a 180 Saco/50 kg 50,20 51,05 80,57 83,75

Leia mais

Help for poultry and beef

Help for poultry and beef Página 1 de 5 Caso não esteja visualizando este e-mail, clique aqui ABIEC - CLIPPING Ano 1 Número 1 Terça, 14 de agosto de 2012 ABIEC NA MÍDIA ABIEC NA MÍDIA Help for poultry and beef FIJI ambassador to

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Janeiro/2016 I Resultados do mês (comparativo jan/2016 jan/2015)

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

Ano V - Edição 34 Agosto 2014

Ano V - Edição 34 Agosto 2014 da pecuária de leite Ano V - Edição 34 Agosto 2014 PODER DE COMPRA AUMENTA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2014 Por Pedro de Lima, equipe Gado de Leite Cepea O poder de compra do pecuarista de leite esteve maior,

Leia mais

Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 4% em junho de 2014

Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 4% em junho de 2014 1 Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 4% em junho de 2014 Porto Alegre, 07 de julho de 2014. NOTA À IMPRENSA Em junho de 2014, a Cesta Básica de Porto Alegre registrou queda de 4,00%, passando

Leia mais

110,0 105,0 100,0 95,0 90,0 85,0 80,0

110,0 105,0 100,0 95,0 90,0 85,0 80,0 BOI GORDO O ano de 2013 registrou preços elevados para a arroba do boi gordo, em todas as praças pecuárias acompanhadas pelo Sistema FAEB/SENAR. No acumulado do ano, foram verificadas as seguintes valorizações:

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Pecuária. Junho de 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Pecuária. Junho de 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Pecuária Junho de 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Roussef Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

Perspectivas para as Carnes Bovina, de Frango e Suína 2013-2014

Perspectivas para as Carnes Bovina, de Frango e Suína 2013-2014 Perspectivas para as Carnes Bovina, de Frango e Suína 2013-2014 Brasil PARTICIPAÇÃO NO SUPRIMENTO MUNDIAL DE CARNES 2013 Bovino Frango Suíno Produção 2º 3º 4º Consumo 2º 3º 5º Exportação 2º 1º 4º Fonte:

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS. Novembro de 2013

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS. Novembro de 2013 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Novembro de 2013 Milho: Neste mês o mercado de milho registrou comportamento diferenciado. Em algumas localidades ocorreram quedas nos preços, caso do Paraná, e sustentação em outras,

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº58 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Índice de Vendas acumula queda de -1,02% até outubro Vendas do setor

Leia mais

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO A soja é a commodity mais importante do Brasil, pelo valor da produção obtida de grão, óleo e farelo, significativa parcela na receita cambial, área plantada, consumo de

Leia mais

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13 NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Comercialização Safra-2011/12 60,00 55,00 50,00 45,00 40,00 35,00 30,00 25,00 20,00 S oja Grã o P re ços

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA DE CAFÉ

CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA DE CAFÉ 1727-2002 275 ANOS NOVO INSTRUMENTO DE POLÍTICA AGRÍCOLA CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA DE CAFÉ GOVERNO LANÇA CONTRATOS DE OPÇÃO DE VENDA PARA SUSTENTAR OS PREÇOS DO CAFÉ Os cafeicultores brasileiros terão,

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE ETANOL CAEM 45% EM JUNHO

EXPORTAÇÕES DE ETANOL CAEM 45% EM JUNHO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano X 16/julho/2015 n. 454 EXPORTAÇÕES DE ETANOL CAEM 45% EM JUNHO O mês de junho foi marcado por um forte retrocesso nas exportações de etanol que caíram de

Leia mais

CLIPPING 06/02/2014 Acesse: www.cncafe.com.br

CLIPPING 06/02/2014 Acesse: www.cncafe.com.br CLIPPING Acesse: www.cncafe.com.br Após altas, produtor não deve exercer opção de venda de café Valor Econômico Tarso Veloso e Carine Ferreira Após a sequência de altas do café arábica na bolsa de Nova

Leia mais

ALGODÃO EM MATO GROSSO JULHO/15

ALGODÃO EM MATO GROSSO JULHO/15 ALGODÃO EM MATO GROSSO JULHO/15 CONJUNTURA MENSAL ANO 1. Nº 3 O 11º Levantamento de Grãos da Conab, divulgado em 11 de agosto de 2015, manteve suas estimativas para a safra 2014/15, de algodão em pluma

Leia mais

Milho Período: 19 a 23/10/2015

Milho Período: 19 a 23/10/2015 Milho Período: 19 a 23/10/2015 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços médios semanais apresentados nas praças de

Leia mais

Indicadores de Desempenho Maio/2014. Fatos Relevantes RESUMO EXECUTIVO. Vendas Industriais

Indicadores de Desempenho Maio/2014. Fatos Relevantes RESUMO EXECUTIVO. Vendas Industriais Fatos Relevantes Maio/2014 Maio/2008 Vendas Industriais A Variável Indústria apresenta Química recuo com de (- aumento 8,42%), de incluso 9,16% em o maio setor fornece sucroenergético a maior contribuição

Leia mais

Figura 1 Principais índices de inflação, em variação % jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 jan/14 fev/14 mar/14 abr/14 mai/14 jun/14 jul/14

Figura 1 Principais índices de inflação, em variação % jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 jan/14 fev/14 mar/14 abr/14 mai/14 jun/14 jul/14 Conjuntura Econômica A conjuntura econômica do último mês e da primeira quinzena de agosto foi marcada por redução do IPCA no Mato Grosso do Sul e estabilidade no Brasil. Além disso, acertou-se a expansão

Leia mais

Preço médio da Soja em MS Período: 06/03 á 11/03 de 2014 - Em R$ por saca de 60 kg

Preço médio da Soja em MS Período: 06/03 á 11/03 de 2014 - Em R$ por saca de 60 kg SOJA» MERCADO INTERNO Na primeira semana de março houve leve apreciação nos preços da saca de 6 Kg de soja em grãos, estes cresceram em média 1,2% em relação aos preços observados 6/mar. Mas em comparação

Leia mais

Panorama do setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos

Panorama do setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos Panorama do setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos Página 1 Evolução A Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos apresentou um crescimento médio deflacionado composto

Leia mais

Aglomerações Industriais Especializadas no Brasil

Aglomerações Industriais Especializadas no Brasil Projeto de Pesquisa Arranjos e Sistemas Produtivos Locais e as Novas Políticas de Desenvolvimento Industrial e Tecnológico Aglomerações Industriais Especializadas no Brasil João Saboia (Instituto de Economia

Leia mais

RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente. Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira

RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente. Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira Localização da Suinocultura Norte e Nordeste Abates: 2% Exportações: 0% Matrizes

Leia mais

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 03/05/2013 a 09/05/2013 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 Prof. Ms.

Leia mais

50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias

50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias 50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias Pesquisa realizada pela Rizzo Franchise e divulgada pela revista Exame listou as 50 cidades com as melhores oportunidades para abertura de

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL LAPBOV

INFORMATIVO MENSAL LAPBOV Cenário positivo para a pecuária Paranaense. Com pequena participação nas exportações brasileiras de carne bovina, o Paraná vem registrando aumento nas vendas externas acima do crescimento médio nacional,

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

Análise da Conjuntura Agropecuária

Análise da Conjuntura Agropecuária Análise da Conjuntura Agropecuária Ano 2012/13 PECUÁRIA DE CORTE MUNDO No ano de 2011 o Brasil perdeu a condição de maior exportador mundial de carne bovina para os Estados Unidos. Neste ano, os EUA exportaram

Leia mais

MERCADO FUTURO: BOI GORDO

MERCADO FUTURO: BOI GORDO MERCADO FUTURO: BOI GORDO Sergio De Zen Mestre em Economia Aplicada, Pesquisador do CEPEA/ESALQ/USP Os anos noventa têm sido marcados por termos modernos na terminologia do mercado financeiro. Dentre essas

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas segunda-feira, 23 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 134,55 0,00 0,00 0,00 DEZ13 117,75 121,95 121,50-1,25

Leia mais

ÍNDIA ATUALIZA SUAS PERSPECTIVAS DE PRODUÇÃO E FRUSTRA RECUPERAÇÃO EM NOVA YORK E LONDRES

ÍNDIA ATUALIZA SUAS PERSPECTIVAS DE PRODUÇÃO E FRUSTRA RECUPERAÇÃO EM NOVA YORK E LONDRES Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 08/junho/2015 n. 578 ÍNDIA ATUALIZA SUAS PERSPECTIVAS DE PRODUÇÃO E FRUSTRA RECUPERAÇÃO EM NOVA YORK E LONDRES O segundo maior produtor mundial da

Leia mais

Figura 1 - Precipitação pluviométrica acumulada - Brasil - 2011

Figura 1 - Precipitação pluviométrica acumulada - Brasil - 2011 Comentários pecuária brasileira, no ano de 2011, foi afetada pelo agravamento da A crise de algumas das mais importantes economias mundiais, sobretudo a europeia. Como reflexo da desaceleração econômica

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas quinta-feira, 12 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 140,25 0,00 0,00 4,40 SET13 116,45 116,00 114,00

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas quarta-feira, 18 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 133,50 0,00 0,00-4,85 SET13 111,05 114,75 111,10-3,75

Leia mais

Edição 40 (Março/2014)

Edição 40 (Março/2014) Edição 40 (Março/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação oficial acelera por alimentos e transportes (Fonte: Terra) O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) avançou 0,73% em março

Leia mais

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 27 de abril de 2016 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 ROTEIRO I. Considerações sobre a atual situação do setor sucroenergético II. Bioeletricidade III. Condições climáticas e agronômicas

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº57 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015 Setor de supermercados acumula queda de -0,96% Renda e inflação afetam

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL LAPBOV

INFORMATIVO MENSAL LAPBOV Com o mercado aquecido, agosto tem pouca variação O custo da produção na pecuária de corte aumentou no primeiro semestre deste ano, mais que em todo o ano de 2012. Com a alta do dólar, o cenário da exportação

Leia mais

Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento Setorial, Panorama da Indústria e Análise da Política Industrial

Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento Setorial, Panorama da Indústria e Análise da Política Industrial Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial Universidade Estadual de Campinas Instituto de Economia Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

COTAÇÕES CAEM 12% EM NOVA YORK DURANTE OUTUBRO

COTAÇÕES CAEM 12% EM NOVA YORK DURANTE OUTUBRO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVI 10/novembro/2014 n. 550 COTAÇÕES CAEM 12% EM NOVA YORK DURANTE OUTUBRO Encerrado o mês de outubro foi possível notar uma queda de 12,42% na média de

Leia mais

Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia. Novembro de 2009

Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia. Novembro de 2009 Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia Novembro de 2009 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. METODOLOGIA... 2 2.1. BASE DE DADOS... 2 2.2. MÉTODO DE ANÁLISE... 3 3. EVOLUÇÃO DOS

Leia mais

VENDAS DE ETANOL HIDRATADO CRESCEM 56% NO BRASIL EM JUNHO

VENDAS DE ETANOL HIDRATADO CRESCEM 56% NO BRASIL EM JUNHO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano X 13/agosto/2015 n. 458 VENDAS DE ETANOL HIDRATADO CRESCEM 56% NO BRASIL EM JUNHO Os dados mais atualizados disponibilizados pela ANP sobre a venda de combustíveis

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNES. Perfil da Produção Bovina no Brasil

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNES. Perfil da Produção Bovina no Brasil ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNES Perfil da Produção Bovina no Brasil BRASIL NO MERCADO MUNDIAL, 2008 % MUNDIAL REBANHO CABEÇAS ABATE ANUAL PRODUÇÃO ANUAL EXPORTAÇÕES CONSUMO

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas CAFÉ CAFÉ Bolsas BM&F ICE FUTURES Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação SET13 136,80 136,50 135,80-1,80 SET 113,50 115,70 113,25-1,45

Leia mais