Aglomerações Industriais Especializadas no Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aglomerações Industriais Especializadas no Brasil"

Transcrição

1 Projeto de Pesquisa Arranjos e Sistemas Produtivos Locais e as Novas Políticas de Desenvolvimento Industrial e Tecnológico Aglomerações Industriais Especializadas no Brasil João Saboia (Instituto de Economia da UFRJ) Nota Técnica nº 32/00 (Versão Preliminar) Rio de Janeiro, Junho de 2000 Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro - IE/UFRJ Patrocínio: Ministério da Ciência e Tecnologia Organização dos Estados Americanos Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada

2 Aglomerações Industriais Especializadas no Brasil João Saboia 1 1. Introdução Artigo recente identificou a existência de 155 aglomerações industriais no Brasil com cinco mil ou mais empregos no final de Tais aglomerações possuem características bastante heterogêneas, estando localizadas nas mais distintas regiões do país e apresentando estruturas setoriais específicas 3. Foi observado também um intenso processo de desconcentração industrial no país, com redução do emprego nos principais pólos industriais do Sul/Sudeste e aumento do emprego no interior dos estados e em algumas regiões menos desenvolvidas. O principal objetivo do texto aqui apresentado é destacar o comportamento de um subconjunto de 45 dentre as 155 principais aglomerações industriais ao longo dos anos noventa. O critério de escolha foi a seleção daquelas microrregiões onde pelo menos metade do emprego industrial se concentra num único setor 4, denominadas aglomerações especializadas 5. A idéia subjacente à seleção destas aglomerações é a expectativa de que a concentração de empresas de um determinado setor numa região deve produzir um comportamento diferenciado, resultante das possíveis vantagens de aglomeração para as empresas nela instaladas. Na próxima seção, procura-se caracterizar os dados globais das 45 aglomerações especializadas identificadas no país. Em seguida, são analisados os dados das aglomerações segundo seu principal setor de concentração. Finalmente, são apresentadas algumas conclusões. 2. Características Gerais das Aglomerações Industriais Especializadas As 45 aglomerações identificadas estão localizadas em 16 dos 27 estados brasileiros 6. São Paulo e Santa Catarina possuem seis aglomerações cada; Paraná e Minas Gerais, cinco; Pernambuco, quatro; Rio Grande do Sul e Alagoas, três. Quatro outros estados possuem duas aglomerações e cinco apenas uma aglomeração. Portanto, a maior parte das aglomerações especializadas localizam-se nas nas duas regiões mais desenvolvidas do país - Sudeste (15) e Sul (14). O 1 Professor titular do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. O autor agradece a Daniel Halac e Wagner Martins pela organização do material empírico utilizado neste artigo. 2 Ver Saboia, J., Desconcentração Industrial no Brasil nos Anos 90: Um Enfoque Regional, XXVII Encontro Nacional de Economia, ANPEC, Belém, 7/10 de dezembro de O artigo utilizou dados da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) para a indústria de transformação e extrativa mineral. As informações básicas d RAIS referem-se a emprego e número de estabelecimentos. 3 Em termos espaciais, as aglomerações foram identificadas a partir da noção de microrregião do IBGE, havendo 558 microrregiões no país. 4 Como o critério utilizado para a seleção das aglomerações é o emprego relativo, é perfeitamente possível encontrar outras aglomerações onde o emprego absoluto em um determinado setor seja superior ao encontrado naquelas selecionadas. selecionada. 5 A noção de setor aqui utilizada corresponde à classificação de subsetor do IBGE, estando a economia brasileira dividida em 26 subsetores. A indústria de transformação possui 12 subsetores e a indústria extrativa mineral corresponde a um único subsetor. Tendo em vista as mudanças de classificação da indústria realizadas em meados dos anos noventa pela RAIS, os especialistas não aconselham a utilização de um nível maior de desagregação setorial para estudos comparativos intertemporais. 6 Na realidade, 26 estados e o Distrito Federal. 2

3 Nordeste também possui importante parcela das aglomerações especializadas do país (11). A participação das regiões Centro-Oeste (3) e Norte (2) é bastante reduzida. Tais dados refletem, portanto, a maior importância da indústria brasileira no Centro-Sul do país. Cabe, entretanto, destacar a elevada participação relativa da região Nordeste, representando cerca da quarta parte das aglomerações especializadas identificadas 7. O tamanho das aglomerações é bastante diferenciado. A maior é Blumenau (SC) com empregos, em Seguem-se Gramado-Canela (RS) com , Vale do Paraíba Fluminense (RJ) com , São Miguel dos Campos (AL) com , Mata Meridional Pernambucana (PE) com e Ipatinga (MG) com A menor é a microrregião Litoral Lagunar (RS) com empregos. Em 1997, foram levantados 587 mil empregos nas 45 aglomerações especializadas, representando cerca de 12% do emprego da indústria de transformação e extrativa mineral levantado pela RAIS naquele ano. Em termos setoriais, as aglomerações concentram atividades de setores tradicionais da indústria. A indústria de produtos alimentares, bebidas e álcool etílico responde por 21 aglomerações, seguindo-se madeira e mobiliário com dez aglomerações. Têxtil, vestuário e artefatos de tecidos são responsáveis cinco aglomerações, enquanto o setor de calçados está representado em quatro e metalúrgica em três. Há apenas uma aglomeração especializada em produtos minerais não metálicos e outra na indústria extrativa mineral. Segundo o critério utilizado neste trabalho, não foi observada qualquer aglomeração especializada em segmentos mais modernos da indústria brasileira como mecânica, material elétrico de comunicação e material de transporte 8. As tabelas 1 e 2 apresentam a distribuição setorial do emprego segundo os vários setores nas 45 aglomerações selecionadas em 1989 e Algumas aglomerações são extremamente especializadas. Em 6 casos, mais de 90% do emprego industrial concentra-se em um único setor em 1997, sendo quatro em produtos alimentares, bebidas e álcool etílico e duas em madeira e mobiliário. Em outras duas aglomerações especializadas em alimentos, bebidas e álcool etílico, mais de 80% do emprego era encontrado neste setor. Em termos de número de estabelecimentos, foram levantados 5512 estabelecimentos em 1989 e 9514 em 1997, representando um crescimento de 73%. Por sinal, este crescimento é bem superior ao encontrado para o total da indústria, onde não passou de 24% no mesmo período 9. Conforme esperado, a grande maioria dos estabelecimentos é de pequeno porte até 19 empregados. Algumas aglomerações possuem um elevado número de estabelecimentos. O caso extremo é Blumenau, onde foram levantados 1570 estabelecimentos da indústria têxtil, do vestuário e de artefatos de tecidos, em O menor número foi encontrado em Sobral, com apenas três estabelecimentos de calçados. As tabelas 3 e 4 mostram a distribuição dos estabelecimentos segundo o porte nos setores selecionadas das 45 aglomerações especializadas, em 1989 e Há uma grande heterogeneidade no porte dos estabelecimentos, segundo os vários setores de especialização. As menores empresas são aquelas de produtos minerais não metálicos, com 16 empregados, em média, por estabelecimento, em As maiores são encontradas na metalurgia, com a média de 137 empregados por estabelecimento. As tabelas 5 e 6 apresentam a 7 Em 1997, o Nordeste era responsável por apenas 11,5% do emprego industrial do país. 8 Segundo Saboia (1999), op. cit., a maior concentração na indústria mecânica ocorre na microrregião de São Carlos (SP), onde 37,3% do emprego é encontrado neste setor; na indústria de material elétrico e de comunicação, em Itajubá (MG), com 40,9%; e em material de transporte, em Botucatu (SP), com 24,3% do emprego. 9 Ver Saboia (1999), op. cit.. 3

4 distribuição do emprego segundo o tamanho dos estabelecimentos e o respectivo tamanho médio nas aglomerações selecionadas, em 1989 e Há também grande diferenciação em termos do nível de escolaridade dos empregados. O número médio de anos de estudo é mais elevado nas aglomerações metalúrgicas, atingindo a média de 8,7 anos de estudo por empregado, em Seguem-se a extrativa mineral (7,8), têxtil, vestuário e artefatos de tecidos (6,8), calçados (6,6), produtos minerais não metálicos (5,7), madeira e mobiliário (5,0) e alimentos, bebidas e álcool etílico (4,0). A tabela 7 informa o número médio de anos de estudos dos trabalhadores nas diversas aglomerações, em 1989 e Conforme esperado, há uma certa correlação entre o nível de escolaridade e de remuneração. Em 1997, os maiores salários eram encontrados nas aglomerações especializadas nos dois setores com maiores níveis de escolaridade metalurgia (11,6 SM 10 ) e extrativa mineral (9,0 SM). Nas aglomerações dos demais setores, os níveis salariais eram bem mais baixos, variando entre 2,7 SM em calçados e 4,0 SM em têxtil, vestuário e artefatos de tecidos. A tabela 8 apresenta o nível médio de remuneração nas microrregiões selecionadas, em 1989 e Um dos resultados mais interessantes encontrados na análise das 45 microrregiões especializadas é o fato de que a quase totalidade destas aglomerações já eram especializadas nos mesmos setores no final da década de oitenta. Apenas 12 microrregiões possuíam menos de 50% do emprego industrial em seu principal setor de especialização em 1989, sendo que 8 delas já possuíam mais de 40%. A exceção notável é o caso de Sobral, no Ceará, que não possuía um único emprego industrial em calçados em 1989, passando a empregos em 1997, i.e. 78,2% do total da indústria local 11. A especialização setorial não impediu que a queda do emprego industrial ocorrida no país ao longo da década de noventa atingisse em cheio metade das aglomerações estudadas 23 das 45 microrregiões Aglomerações de Produtos Alimentares, Bebidas e Álcool Etílico As 21 aglomerações especializadas em produtos alimentares, bebidas e álcool etílico localizamse majoritariamente nas regiões Nordeste e Sul oito e sete, respectivamente. A região Sudeste possui quatro e a Centro-Oeste, três. São Paulo e Pernambuco respondem por quatro aglomerações, Alagoas e Paraná, três, Santa Catarina e Mato Grossso do Sul, duas e Rio Grande do Norte, uma. Há, portanto, uma enorme diversificação regional entre elas As duas maiores aglomerações de produtos alimentares, bebidas e álcool etílico são encontradas na região nordeste. São elas São Miguel dos Campos (AL) com empregos no setor e Mata Meridional Pernambucana (PE) com empregos, em A menor é Lins (SP) com apenas empregos no setor 13. A maior concentração do emprego ocorre em aglomerações localizadas na região Nordeste. Em São Miguel dos Campos (AL), 97,6% do emprego era encontrado no setor de produtos 10 Salários mínimos. 11 Os casos restantes são Montes Claros e Ubá em Minas Gerais e Vale do Paraíba Fluminense no Rio de Janeiro. Neste último caso, entretanto, parece ter havido alguma mudança na classificação setorial entre 1989 e 1997, com troca entre os setores de produtos minerais não metálicos e metalurgia. 12 Este dado é ainda mais significativo tendo em vista o aumento do número de estabelecimentos verificado em quase todas as aglomerações. 13 Cabe lembrar, que o número mínimo de empregos industriais das microrregiões consideradas neste trabalho é cinco mil. 4

5 alimentares, bebidas e álcool etílico, em No Litoral Sul (RN) atingia 97,3%. Na Mata Alagoana (AL), 97,0% e na Mata Meridional Pernambucana, 96,7%. Percentuais bastante elevados eram encontrados ainda na Mata Setentrional Pernambucana, 81,9% e em Concórdia (SC), 81,1%. Ao desagregar o setor de produtos alimentares, bebidas e álcool etílico verifica-se que o segmento de produtos alimentares absorve o grosso do emprego destas aglomerações industriais 14. Apenas no caso da microrregião Litoral Sul (RN), o segmento de álcool etílico torna-se mais importante, atingindo 57% do emprego setorial, em Em geral, as microrregiões da região Nordeste são especializadas em fabricação e refino de açúcar 15. Nas demais regiões, a especialização se dá no abate, produção de carne e de produtos de carne e pescado. São relativamente raros os casos de diversificação no interior do setor de especialização, como Paranavaí (PR), onde 36% do emprego setorial é encontrado na fabricação e refino de açúcar, 24% no abate e produção de carne e de produtos de carne e de pescado e 18% na moagem, produção de amidos e de alimentos preparados para animais. Outras aglomerações, como Pelotas (RS) e Umuarama (PR) mostram-se também relativamente diversificadas dentro de seu setor de especialização. As tabelas 9, 10 e 11 apresentam os dados setoriais desagregados. Houve redução do emprego ao longo da década de noventa em 10 das 21 aglomerações. Em geral, são regiões especializadas na produção e refino de acúcar. Em contrapartida, houve aumento do emprego na maior parte das aglomerações voltadas ao abate e produção de carne. Em 1997, foram encontrados estabelecimentos de produtos alimentares, bebidas e álcool etílico nas 21 aglomerações, representando um crescimento de 89% durante a década. Seu porte é bastante variado. Os maiores estabelecimentos são encontrados no Litoral Sul (RN), onde havia, em média, empregados por estabelecimento, em Em geral, os portes são relativamente elevados nas microrregiões nordestinas especializadas na produção de açúcar São Miguel dos Campos, Mata Alagoana e Mata Meridional Pernambucana. Os menores portes médios são da ordem de 30 empregados por estabelecimento. O nível médio de escolaridade no setor é relativamente baixo, porém bastante variado, dependendo da microrregião considerada. Conforme esperado, ele é bem mais elevado nas regiões Sul e Sudeste, chegando a atingir 7,1 anos de estudo em Toledo (PR). Em seis outras microrregiões do Sul/Sudeste, além de Campo Grande (MS), a média supera 6 anos de estudo. Os menores níveis são encontrados na Mata Meridional Pernambucana (PE), Itamaracá (PE) e São Miguel dos Campos (AL) com apenas 2 anos de estudo, em média. Os salários médios são relativamente baixos. A única exceção é Catanduva (SP) onde atinge 7,0 SM. Os menores valores são encontrados na região Nordeste, variando entre 2,0 SM em Itamaracá (PE) e 3,4 SM em Suape (PE). Nas microrregiões do Sul/Sudeste eles variam em torno de 3 a 4 SM. 4. Aglomerações de Madeira e Mobiliário As aglomerações especializadas em madeira e mobiliário podem ser encontradas em todas as cinco regiões do país. Cinco estão localizadas na região Sul Santa Catarina e Paraná; duas na 14 A desagregação setorial realizada nesta e nas duas próximas seções utiliza o nível correspondente à subatividade econômica CNAE. 15 Assis e Catanduva, em São Paulo, também são especializadas na fabricação e refino de açúcar, porém em menor intensidade. 5

6 região Norte Pará e Roraima; uma na região Sudeste Minas Gerais; uma na região Nordeste Maranhão; e uma na região Centro-Oeste Mato Grosso. A maior é São Bento do Sul (SC) com empregos, seguindo-se Sinop (MT) com 8.785, Paragominas (PA) com e Ubá (MG) com A menor é Curitibanos (SC) com Entre 1989 e 1997, houve aumento de 20% no emprego e de 62% no número de estabelecimentos do setor. A concentração do emprego industrial local em madeira e mobiliário chega a atingir 90,9% em Sinop (MT) e 95,6% em Paragominas (PA). Nas demais aglomerações varia entre 55,2% em Canoinhas (SC) e Guarapuava (PR) e 74,2% em União da Vitória (PR). A desagregação setorial nos dois segmentos de madeira e mobiliário mostra que apenas Ubá (MG) e São Bento do Sul (SC) são especializadas em mobiliário. As demais concentram sua atividades em madeira. Não há nenhum caso de diversificação nos dois segmentos 16. Entre as oito aglomerações especializadas no segmento de madeira, entretanto, ocorre uma divisão entre atividades de desdobramento de madeira e de fabricação de produtos de madeira, cortiça e material trançado (exclusive móveis). Para mais informações sobre os dados desagregados de madeira e mobiliário ver as tabelas 12, 13 e 14. A queda do emprego industrial atingiu metade das 10 aglomerações, sendo 4 de madeira e uma de mobiliário. Os resultados mais favoráveis ocorreram nas aglomerações localizadas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Apenas Imperatriz apresentou redução no número de estabelecimentos na década. Os estabelecimentos de madeira e mobiliário das 10 microrregiões levantados em 1997 são relativamente pequenos, possuindo 24 empregados, em média, por estabelecimento. Os maiores estabelecimentos são encontrados em Paragominas (41 empregados por estabelecimento) e os menores em Sinop (18 empregados por estabelecimento). A escolaridade média dos empregados é de 5 anos de estudo. Há, entretanto, grande diferenciação entre as aglomerações. A melhor situação é encontrada em Curitibanos (SC) com 6,6 anos e São Bento do Sul (SC) com 6,1. A menor escolaridade ocorre em Paragominas (PA) com apenas 2,6 anos de estudo, em média. Os salários médios são bastante baixos, não passando de 3,0 SM, em A situação mais favorável é encontrada em São Bento do Sul (SC) com 4,4 SM, enquanto os menores salários são pagos em Paragominas (PA) e Imperatriz (MA) 1,6 e 1,7 SM, respectivamente. Na aglomeração de maior nível de escolaridade Curitibanos (PR) o salário médio não passa de 2,7 SM. 5. Aglomerações de Têxtil, Vestuário e Artefatos de Tecidos Uma aglomeração destaca-se entre as cinco voltadas para atividades industriais no setor têxtil e de vestuário e artefatos de tecidos. Trata-se de Blumenau, que é um importante pólo industrial de Santa Catarina, sendo o décimo terceiro do país em termos de emprego. Em 1997, foram levantados empregos, sendo 63,3% em sua área de especialização. Suas atividades estão bem distribuídas entre a indústria têxtil e de vestuário, especialmente na fabricação de artefatos 16 A maior diversificação ocorre em Imperatriz (MA) onde 79% do emprego é encontrado em madeira e 21% em mobiliário. 6

7 têxteis, fabricação de tecidos e artigos de malha e confecção de artigos de vestuário. Apesar disso, Blumenau não escapou da queda do emprego durante a década (17%). As demais aglomerações possuem portes bem menores. Duas são especializadas na área têxtil Macaíba (RN) e Montes Claros (MG). As outras duas, em vestuário Colatina (ES) e Nova Friburgo (RJ). Apenas Colatina e Montes Claros apresentaram crescimento do emprego no período. As tabelas 15, 16 e 17 apresentam os dados desagregados das cinco aglomerações selecionadas da indústria têxtil, de vestuário e de artefatos de tecidos. Em 1997, as cinco aglomerações possuíam estabelecimentos têxteis, de vestuário e de artefatos de tecidos, representando um acréscimo de quase 100% em relação a Há uma grande diferenciação no porte médio dos estabelecimentos, variando entre 16 empregados por estabelecimento em Nova Friburgo e 174 em Macaíba. O porte dos estabelecimentos tende a ser maior nas aglomerações voltadas para o setor têxtil. O nível médio de escolaridade é relativamente homogêneo nas 5 aglomerações, variando entre 6,8 e 7,8 anos de estudo. Apenas Blumenau destaca-se pelos maiores níveis de remuneração - 4,6 SM, em Os menores salários são pagos em Colatina (1,5 SM). 6. Aglomerações de Calçados Foram encontradas 4 aglomerações especializadas na produção de calçados Gramado-Canela (RS), Franca (SP), Birigui (SP) e Sobral (CE). Em 1997, havia entre empregos em Sobral e em Gramado-Canela. Esta última era a vigésima aglomeração industrial do país pelo critério de emprego da RAIS. As três principais aglomerações apresentaram queda do emprego na década. Conforme já mencionado anteriormente, Sobral não possuía um único emprego em calçados em Em 1997, entretanto, 78,2% do emprego industrial em Sobral era encontrado no setor de calçados. Foram levantados 1680 estabelecimentos industriais na indústria de calçados, em 1997, sendo 898 em Franca, 520 em Gramado-Canela e 232 em Birigui. No caso de Sobral, havia apenas 3 estabelecimentos, cujo tamanho médio atingia empregados por estabelecimento. Nas demais aglomerações, o tamanho médio é relativamente pequeno, variando, em 1997, entre 14 empregados por estabelecimento em Franca e 52 em Gramado-Canela. O número total de estabelecimentos em calçados na quatro aglomerações aumentou cerca de 50% no período analisado. O nível médio de escolaridade apresenta certa homogeneidade nas 4 microrregiões, em torno de 6 a 7 anos de estudo. Os salários, entretanto, são bem mais elevados nas 3 aglomerações do Sul/Sudeste que em Sobral. No primeiro caso, varia entre 2,6 e 3,1 SM. Em Sobral, não passava de 1,7 SM, em Este dado ilustra a busca das empresas que se instalam no Nordeste por menores salários Aglomerações de Metalurgia Vale do Paraíba Fluminense (RJ) e Ipatinga (MG) são as duas principais aglomerações especializadas em metalurgia. Em 1997, apresentavam e empregos, respectivamente, nas diversas indústrias instaladas localmente. A terceira aglomeração é 17 Sobre esta questão ver Saboia (1999), op. cit.. 7

8 Conselheiro Lafaiete (MG), com empregos. As três aglomerações sofreram queda do emprego industrial ao longo da década de noventa. A concentração do emprego do emprego industrial em metalurgia é mais elevada em Ipatinga (73%) e Conselheiro Lafaiete (70%). No Vale do Paraíba Fluminense não passa de 60%. A RAIS encontrou 271 estabelecimentos metalúrgicos nas 3 regiões, em Seu tamanho médio atinge 92 empregados por estabelecimento em Conselheiro Lafaiete, 134 no Vale do Paraíba Fluminense e 158 em Ipatinga. As três aglomerações apresentam os maiores níveis de escolaridade entre as 45 pesquisadas neste trabalho, variando entre 8,3 anos de estudo em Ipatinga a 9,4 em Conselheiro Lafaiete, em São elas também que apresentam os maiores níveis de remuneração 11,3 SM em Ipatinga, 11,7 SM no Vale do Paraíba Fluminense e 12,1 SM em Conselheiro Lafaiete. 8. Outras Aglomerações Especializadas Apenas uma aglomeração especializada na indústria extrativa mineral foi identificada Ouro Preto (MG). Em 1997, havia empregos, sendo 56,4% na extração mineral. Segundo a RAIS, esta microrregião sofreu uma queda de 36,7% no emprego industrial ao longo da década de noventa. Havia 40 estabelecimentos na indústria extrativa mineral de Ouro Preto em O tamanho médio dos estabelecimentos atingia 87 empregados, bem menos que os 116 empregados encontrados em O nível médio de escolaridade é relativamente elevado em comparação com o restante da indústria, atingindo 7,8 anos de estudo, em 1997, sendo superados apenas pelas aglomerações metalúrgicas. Os salários médios também só são ultrapassados pela metalurgia, chegando a 9,0 SM. Cachoeiro do Itapemirim é a única aglomeração especializada em minerais não metálicos. Em 1997, foram encontrados empregos industriais, sendo 51% na indústria de minerais não metálicos. Esta região apresentou crescimento do emprego na década de noventa, tanto em termos da indústria como um todo, quanto do segmento de minerais não metálicos. A RAIS registrou 359 estabelecimentos no setor de minerais não metálicos em 1997, correspondendo a 16 empregados por estabelecimento. Trata-se do menor tamanho médio entre os 7 setores industriais selecionados neste estudo. O nível médio de escolaridade atingia 5,7 anos de estudo, enquanto a média salarial não passava de 3,5 SM, em Conclusão O estudo das 45 aglomerações especializadas selecionadas neste trabalho mostrou resultados bastante diferenciados, tanto em termos regionais quanto setoriais. Conforme esperado, as aglomerações das regiões Sul e Sudeste possuem trabalhadores com maior nível de escolaridade e salários mais elevados. Este resultado, entretanto, depende muito do setor considerado, sendo mais favorável nas aglomerações da indústria metalúrgica e extrativa mineral. Houve 8

9 crescimento do número de estabelecimentos na imensa maioria das aglomerações. Em termos de emprego, entretanto, não há uma regra geral. Dependendo da região e do setor considerado, há aglomerações que apresentaram crescimento e outras que sofreram queda do emprego. Duas microrregiões merecem ser destacadas. Em primeiro lugar, Blumenau, pelo porte e complexidade de sua indústria têxtil, de vestuário e de artefatos de tecidos. Em segundo lugar Sobral, onde não havia um único emprego em calçados no início da década, tornando-se uma aglomeração relativamente importante neste segmento em Há um grande número de aglomerações especializadas na produção de alimentos. Elas mostramse produtoras de praticamente um único produto na região Nordeste, onde a regra geral é a fabricação e refino de açúcar. Nas regiões Sul e Sudeste, por outro lado, dedicam-se, principalmente, ao abate e produção de carne. Apenas uma aglomeração é especializada na produção de álcool. A diversificação no interior do segmento de alimentos, bebida e álcool etílico nestas regiões ainda é pouco comum. O nível de escolaridade de seus trabalhadores é o mais baixo e o salário médio um dos menores. Foram encontradas oito aglomerações especializadas em madeira e apenas duas em mobiliário, sendo rara a produção simultânea de madeira e produtos de mobiliário. Este setor paga salários bastante baixos, inclusive nas regiões Sul e Sudeste. Blumenau é a única aglomeração importante especializada em têxtil, vestuário e artefatos de tecidos entre as cinco selecionadas. As demais têm um número bem menor de empregados e estabelecimentos, sendo duas voltadas para o setor têxtil e as outras duas para o vestuário. As aglomerações especializadas na produção de calçados sofreram bastante durante a década de noventa, com forte redução do emprego nas regiões tradicionais, não compensada pelo surgimento da indústria calçadista de Sobral. O nível salarial de seus empregados é o menor entre os segmentos industriais analisados neste artigo. Um último resultado a ser destacado é o fato da maioria das 45 aglomeração já ser especializada em seu respectivo setor no início da década. Portanto, a evolução mais ou menos favorável do emprego em cada uma na década de noventa parece estar associada à boa ou má especialização escolhida no passado. 9

Descentralização Industrial no Brasil na Década de Noventa Um Processo Dinâmico e Diferenciado Regionalmente

Descentralização Industrial no Brasil na Década de Noventa Um Processo Dinâmico e Diferenciado Regionalmente Descentralização Industrial no Brasil na Década de Noventa Um Processo Dinâmico e Diferenciado Regionalmente João Saboia 1 Resumo: A indústria brasileira tem passado por um forte processo de modernização

Leia mais

Experiências de APLs e outros Arranjos de Empresas no Estado do Rio de Janeiro: resultados alcançados e cenários futuros

Experiências de APLs e outros Arranjos de Empresas no Estado do Rio de Janeiro: resultados alcançados e cenários futuros Experiências de APLs e outros Arranjos de Empresas no Estado do Rio de Janeiro: resultados alcançados e cenários futuros > Lia Hasenclever (IE/UFRJ) 10º Encontro da ReINC 08 e 09 de novembro de 2007 Grupo

Leia mais

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Um total de 131 municípios da região Norte participou do Levantamento Nacional do Transporte Escolar. No Acre, 36% dos municípios responderam

Leia mais

Saldo de Empregos Celetistas Cearense - Fevereiro de 2014

Saldo de Empregos Celetistas Cearense - Fevereiro de 2014 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL

IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL Brasília, Novembro/ 2013 Unidade de Políticas Públicas NOTA TÉCNICA IMPACTOS DAS DISTORÇOES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL Este estudo

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA

PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA 5ª Edição Última atualização 17 de Dezembro de 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 1. A DESINDUSTRIALIZAÇÃO NO BRASIL... 6 1.1. Evolução da Participação da

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JULHO DE 2014 BRASIL O mês de julho de 2014 fechou com um saldo líquido positivo de 11.796 novos empregos em todo país, segundo dados do Cadastro

Leia mais

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das Comentários dos resultados As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das despesas das famílias e da distribuição dessas despesas, segundo os diversos itens adquiridos ou pagos, possibilitam

Leia mais

A NECESSIDADE DE AUDITORES-FISCAIS DO TRABALHO NO BRASIL: UMA ANÁLISE CONTEMPLANDO O GRAU DE DESCUMPRIMENTO DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA

A NECESSIDADE DE AUDITORES-FISCAIS DO TRABALHO NO BRASIL: UMA ANÁLISE CONTEMPLANDO O GRAU DE DESCUMPRIMENTO DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA A NECESSIDADE DE AUDITORES-FISCAIS DO TRABALHO NO BRASIL: UMA ANÁLISE CONTEMPLANDO O GRAU DE DESCUMPRIMENTO DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA RELATÓRIO FINAL ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA IPEA/SINAIT Nº 25/2010

Leia mais

Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015

Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015 Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015 PRESIDENTE: Marciano Gianerini Freire EQUIPE TÉCNICA: Coordenação: Mariana Nery Pesquisadores: Heike Duske César Melo

Leia mais

Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente

Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente João Saboia 1 1. Introdução A questão do salário mínimo está na ordem do dia. Há um reconhecimento generalizado de que seu valor é muito

Leia mais

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015 ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/015 O COMÉRCIO VAREJISTA NO BRASIL APRESENTA RETRAÇÃO NAS VENDAS EM FEVEREIRO A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) realizada pelo Instituto Brasileiro

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010 ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL PROFESSORES DAS REDES ESTADUAIS NO BRASIL A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES

Leia mais

Ranking Município P2i - Lead Alto Padrão Médio Padrão Baixo Padrão

Ranking Município P2i - Lead Alto Padrão Médio Padrão Baixo Padrão 1 São Bernardo do Campo -SP 0,8200 Ótimo Ótimo Ótimo 2 Campo Grande -MS 0,7670 Ótimo Ótimo Ótimo 3 Santo André -SP 0,7670 Ótimo Ótimo Ótimo 4 Osasco -SP 0,7460 Ótimo Ótimo Ótimo 5 Natal -RN 0,7390 Ótimo

Leia mais

Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil

Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil O Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil é mais uma publicação do Plano Juventude Viva, que reúne ações de prevenção para reduzir a vulnerabilidade de jovens

Leia mais

ÁREA PARA ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 45 julho 2002 POUPANÇA PÚBLICA VALE EM AÇÃO : PERFIL DOS COMPRADORES COM RECURSOS DO FGTS

ÁREA PARA ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 45 julho 2002 POUPANÇA PÚBLICA VALE EM AÇÃO : PERFIL DOS COMPRADORES COM RECURSOS DO FGTS INFORME-SE ÁREA PARA ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 45 julho 2002 POUPANÇA PÚBLICA VALE EM AÇÃO : PERFIL DOS COMPRADORES COM RECURSOS DO FGTS Em março de 2002, os trabalhadores puderam usar, pela

Leia mais

ECONOMIA DA CULTURA - EQUIPAMENTOS AUDIOVISUAIS NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS

ECONOMIA DA CULTURA - EQUIPAMENTOS AUDIOVISUAIS NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS IV ENECULT - Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura 28 a 30 de maio de 2008 Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. ECONOMIA DA CULTURA - EQUIPAMENTOS AUDIOVISUAIS NOS MUNICÍPIOS

Leia mais

Sondagem Festas Juninas 2015

Sondagem Festas Juninas 2015 Sondagem Festas Juninas 0 de Maio de 0 0 Copyright Boa Vista Serviços Índice o Objetivo, metodologia e amostra... 0 o Perfil dos respondentes... 0 o Comemoração das Festas Juninas... 09 o Do que os consumidores

Leia mais

50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias

50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias 50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias Pesquisa realizada pela Rizzo Franchise e divulgada pela revista Exame listou as 50 cidades com as melhores oportunidades para abertura de

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA Safra 2013/2014 Segundo Levantamento Agosto/2013 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento de CanadeAçúcar e Agroenergia DCAA Companhia

Leia mais

Memória de Reunião Grupo de Trabalho Permanente para Arranjos Produtivos Locais GTP APL 6ª REUNIÃO PLENÁRIA DO GTP APL

Memória de Reunião Grupo de Trabalho Permanente para Arranjos Produtivos Locais GTP APL 6ª REUNIÃO PLENÁRIA DO GTP APL Memória de Reunião Grupo de Trabalho Permanente para Arranjos Produtivos Locais GTP APL 6ª REUNIÃO PLENÁRIA DO GTP APL Data: 26/04/2006, quarta-feira Horário: 10h às 12h Local: sala 614, MDIC, Brasília/DF

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (julho/2015) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL CONCURSO PÚBLICO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA PARA O CARGO DE TÉCNICO BANCÁRIO NOVO CARREIRA ADMINISTRATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL CONCURSO PÚBLICO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA PARA O CARGO DE TÉCNICO BANCÁRIO NOVO CARREIRA ADMINISTRATIVA Técnico Bancário Novo AC Cruzeiro do Sul 1618 CR* Técnico Bancário Novo AC Rio Branco 6648 CR * Técnico Bancário Novo AC Sena Madureira 1065 CR* Técnico Bancário Novo AL Maceió 22524 CR * Técnico Bancário

Leia mais

SECRETARIA DE CIDADANIA E

SECRETARIA DE CIDADANIA E SECRETARIA DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL 2012 O Programa Arte, Cultura e Cidadania - Cultura Viva, iniciado em 2004 pelo Ministério da Cultura, objetiva reconhecer e potencializar iniciativas culturais

Leia mais

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011 Geração de Emprego Formal no RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 211 1 211 O crescimento da economia fluminense nos últimos

Leia mais

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing Edson José de Lemos Júnior Ermeson Gomes da Silva Jardson Prado Coriolano da Silva Marcos Antonio Santos Marinho Rosinaldo Ferreira da Cunha RELATÓRIO GERENCIAL

Leia mais

MINAS, IDEB E PROVA BRASIL

MINAS, IDEB E PROVA BRASIL MINAS, IDEB E PROVA BRASIL Vanessa Guimarães 1 João Filocre 2 I I. SOBRE O 5º ANO DO EF 1. O IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) foi criado há um ano pelo MEC e adotado como indicador da

Leia mais

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense Nº 23 Março 2012 Perfil da Raça da População Cearense Análise a partir dos dados do Censo Demográfico 2010 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

Leia mais

A MULHER TRABALHADORA NO SETOR DA HOTELARIA E GASTRONOMIA EM SÃO PAULO E NO BRASIL

A MULHER TRABALHADORA NO SETOR DA HOTELARIA E GASTRONOMIA EM SÃO PAULO E NO BRASIL A MULHER TRABALHADORA NO SETOR DA HOTELARIA E GASTRONOMIA EM SÃO PAULO E NO BRASIL Um estudo de perfil sócio-econômico para subsidiar ações estratégicas na categoria MARÇO DE 2010 ALOISIO LEÃO DA COSTA

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

Análise Demográfica das Empresas da IBSS

Análise Demográfica das Empresas da IBSS CAPÍTULO 4 Análise Demográfica das Empresas da IBSS Apresentação A demografia de empresas investiga a estrutura do estoque de empresas em dado momento e a sua evolução, como os movimentos de crescimento,

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

Indicadores de Desempenho Maio/2014. Fatos Relevantes RESUMO EXECUTIVO. Vendas Industriais

Indicadores de Desempenho Maio/2014. Fatos Relevantes RESUMO EXECUTIVO. Vendas Industriais Fatos Relevantes Maio/2014 Maio/2008 Vendas Industriais A Variável Indústria apresenta Química recuo com de (- aumento 8,42%), de incluso 9,16% em o maio setor fornece sucroenergético a maior contribuição

Leia mais

SUFICIÊNCIA DE REDE: Ligia Bahia Ronir Raggio Luiz Maria Lucia Werneck Vianna. Edital 005/2014 ANS/OPAS

SUFICIÊNCIA DE REDE: Ligia Bahia Ronir Raggio Luiz Maria Lucia Werneck Vianna. Edital 005/2014 ANS/OPAS SUFICIÊNCIA DE REDE: UM ESTUDO ECOLÓGICO SOBRE BENEFICIÁRIOS E REDES DE CUIDADOS À SAÚDE A PARTIR DE ANÁLISES EXPLORATÓRIAS DAS PROPORÇÕES DE PARTOS CESARIANOS E TAXAS DE MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA

Leia mais

EMPRESAS DO BRASIL E NORDESTE Ano IV N O 20

EMPRESAS DO BRASIL E NORDESTE Ano IV N O 20 O nosso negócio é o desenvolvimento EMPRESAS DO BRASIL E NORDESTE Ano IV N O 20 ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE Superintendente José Narciso Sobrinho Ambiente de Estudos, Pesquisas

Leia mais

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA.

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA. 1 - INTRODUÇÃO No período de 01 a 14 de abril de 2007, os técnicos da CONAB e das instituições com as quais mantém parceria visitaram municípios produtores de café em Minas Gerais, Espírito Santo, São

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 ( t ) ( US$ / t ) 450.000 120.000 400.000 100.000 350.000 80.000 300.000 250.000 60.000 200.000 150.000 40.

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 ( t ) ( US$ / t ) 450.000 120.000 400.000 100.000 350.000 80.000 300.000 250.000 60.000 200.000 150.000 40. BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 (POR PAÍS) PAÍSES ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 269.719,83 387.213,30 406.882,12 310.956,48 318.530,07 375.612,10 414.745,41 233.717,31 309.486,24 320.128,57 267.045,80 205.498,88

Leia mais

Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e

Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e ERRATA A página 19 foi substituída pela página abaixo: Quadro de servidores públicos municipais 1999-2002 Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e passando por uma redistribuição de poderes

Leia mais

Regiões Metropolitanas do Brasil

Regiões Metropolitanas do Brasil Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia IPPUR/UFRJ CNPQ FAPERJ Regiões Metropolitanas do Brasil Equipe responsável Sol Garson Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Juciano Martins Rodrigues Regiões Metropolitanas

Leia mais

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE.

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE. O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE Ano 4 200 Nº 20 O nosso negócio

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2011 % Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2012 x Jan a Dez 2011 Morte 58.134 16% 60.752 12% 5% Invalidez Permanente 239.738 65% 352.495 69% 47% Despesas Médicas (DAMS) 68.484

Leia mais

Panorama da Educação em Enfermagem no Brasil

Panorama da Educação em Enfermagem no Brasil Panorama da Educação em Enfermagem no Brasil Rede ABEn de Pesquisa em Educação em Enfermagem GT EDUCAÇÃO 2012 Portaria Nº 17/2012 Realizar a Pesquisa Panorama da Formação em Enfermagem no Brasil no período

Leia mais

A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO

A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO COM BASE NA LEI Nº 11738 DO PISO NACIONAL NA SUA FORMA ORIGINAL

Leia mais

RIO ALÉM DO PETRÓLEO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Adriana Fontes Mauricio Blanco Valéria Pero. Inovação tecnológica

RIO ALÉM DO PETRÓLEO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Adriana Fontes Mauricio Blanco Valéria Pero. Inovação tecnológica RIO ALÉM DO PETRÓLEO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Adriana Fontes Mauricio Blanco Valéria Pero Inovação tecnológica Uma das faces do desenvolvimento econômico pode ser vista

Leia mais

RESULTADOS DO ENEM 2014

RESULTADOS DO ENEM 2014 RESULTADOS DO ENEM 2014 Boletim IDados da Educação nº 2015-02 Dezembro 2015 RESULTADOS DO ENEM 2014 Boletim IDados da Educação Dezembro 2015 APRESENTAÇÃO O Boletim IDados da Educação é uma publicação do

Leia mais

Hábitos de Consumo Dia dos Namorados 2015

Hábitos de Consumo Dia dos Namorados 2015 Hábitos de Consumo Dia dos Namorados 2015 3 de junho de 2015 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: a sondagem ter por objetivo identificar os hábitos de compras

Leia mais

Atlas dos Municípios da Mata Atlântica

Atlas dos Municípios da Mata Atlântica Atlas dos Municípios da Mata Atlântica 2015 Realização: Patrocínio: Execução Técnica: MATA ATLÂNTICA De acordo com o Mapa da Área de Aplicação da Lei nº 11.428, de 2006, segundo Decreto nº 6.660, de 21

Leia mais

Mapa do Ensino Superior no Brasil

Mapa do Ensino Superior no Brasil Mapa do Ensino Superior no Brasil 2015 Índice Índice Palavra do Presidente...5 Brasil...6 Região Sudeste... 16 Estado de São Paulo...17 Estado de Minas Gerais...24 Estado do Rio de Janeiro...31 Estado

Leia mais

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 Situação da microcefalia no Brasil Até 21 de novembro, foram notificados 739 casos suspeitos de microcefalia, identificados em 160 municípios de nove

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE MAIO/2013

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE MAIO/2013 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE MAIO/2013 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia -5,12% em Maio O Índice Nacional da Construção

Leia mais

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012.

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. Os casos de Invalidez Permanente representaram a maioria das indenizações pagas

Leia mais

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Dezembro 2013

Região Zona da Mata. Regional Dezembro 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

PLURI Especial Valor de mercado dos Campeonatos Estaduais e Copa do Nordeste 2014

PLURI Especial Valor de mercado dos Campeonatos Estaduais e Copa do Nordeste 2014 PLURI Especial Valor de mercado dos Campeonatos Estaduais e Copa do Nordeste 2014 PLURI Consultoria Pesquisa, Valuation, Gestão e marketing Esportivo. Twitter: @pluriconsult www.facebook/pluriconsultoria

Leia mais

PRODUTO CARNES PERÍODO: 15 a 19/09/2003. Carne bovina

PRODUTO CARNES PERÍODO: 15 a 19/09/2003. Carne bovina PRODUTO CARNES PERÍODO: 15 a 19/09/2003 Carne bovina A estimativa da Conab para a produção brasileira de carne bovina, no ano de 2003, as previsões quanto às importações, exportações e a disponibilidade

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 Retratos da Sociedade Brasileira: Problemas e Prioridades do Brasil para 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro FEVEREIRO DE 2014 BRASIL O saldo líquido de empregos formais em fevereiro deste ano foi de 260.823 em todo o país, segundo o Cadastro Geral de Empregados

Leia mais

LOCALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA ESCALA SUBNACIONAL: ÁGUA E ESGOTO

LOCALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA ESCALA SUBNACIONAL: ÁGUA E ESGOTO LOCALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA ESCALA SUBNACIONAL: ÁGUA E ESGOTO Maria da Piedade Morais 1º Seminário Franco-Brasileiro sobre Saúde Ambiental Brasília, 28 de junho de 2011 Objetivos

Leia mais

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS APRESENTAÇÃO POPULAÇÃO CARCERÁRIA BRASILEIRA O objetivo deste trabalho, elaborado pela Comissão de Monitoramento e Avaliação do DEPEN, é realizar um levantamento, de forma sucinta, sobre o quadro evolutivo

Leia mais

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres O TERRITÓRIO BRASILEIRO 6. Fronteiras Terrestres Até o começo do século XVII, os colonizadores se concentraram em cidades fundadas na região litorânea do Brasil, principalmente no Nordeste. A principal

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 7.938 0,37 0 0,00-7.938 0,37

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2004 RESULTADOS DE RIO BRANCO - ACRE

SONDAGEM INDUSTRIAL PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2004 RESULTADOS DE RIO BRANCO - ACRE O QUE É A SONDAGEM INDUSTRIAL A Sondagem é uma pesquisa qualitativa realizada trimestralmente pela CNI e pelas Federações das s de 19 estados do país (AC, AL, AM, BA, CE, ES, GO, MG, MS, MT, PA, PB, PE,

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/2015 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/2015 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/215 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) divulgou os dados do Cadastro Geral de Empregados

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES Brasília, janeiro/2011 Objetivos específicos da pesquisa 2 Avaliar a quantidade e a qualidade da rede credenciada. Avaliar os serviços oferecidos: o Plano CASSI Família

Leia mais

6. A SVS/MS agradece a todas as Instituições que enviaram suas propostas. Instituição proponente. Universidade Federal do Rio de Janeiro

6. A SVS/MS agradece a todas as Instituições que enviaram suas propostas. Instituição proponente. Universidade Federal do Rio de Janeiro A Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (SVS/MS) torna público o resultado da análise das propostas e projetos submetidos ao Chamamento Público nº 05/2014 Iniciativas Educacionais Aplicadas

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Perspectivas da economia / Comprometimento de renda Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para

Leia mais

Diretoria de Geociências Coordenação de Geografia. Regiões de Influência das Cidades

Diretoria de Geociências Coordenação de Geografia. Regiões de Influência das Cidades Diretoria de Geociências Coordenação de Geografia Regiões de Influência das Cidades 2007 Objetivos Gerais Hierarquizar os centros urbanos Delimitar as regiões de influência associadas aos centros urbanos

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO SOBRE PARTICIPAÇÃO DOS EMPREGADOS NOS LUCROS OU RESULTADOS DOS BANCOS EM 2009

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO SOBRE PARTICIPAÇÃO DOS EMPREGADOS NOS LUCROS OU RESULTADOS DOS BANCOS EM 2009 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO SOBRE PARTICIPAÇÃO DOS EMPREGADOS NOS LUCROS OU RESULTADOS DOS BANCOS EM 2009 OS SINDICATOS DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS BANCÁRIOS infra-assinados, por delegação recebida

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para mapear os hábitos de consumo e compras para época

Leia mais

Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática

Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática CAPÍTULO 9 Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática Apresentação Com base em metodologia desenvolvida pelo Observatório SOFTEX, busca-se conhecer o Sistema de Educação

Leia mais

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Produção mundial deve recuar em 2007/08 Segundo o relatório de oferta e demanda divulgado pelo Usda em setembro

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

Produção Industrial Setembro de 2014

Produção Industrial Setembro de 2014 Produção Industrial Setembro de 2014 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA - SETEMBRO/14 Conforme esperado, o segundo semestre está sendo melhor do que o primeiro. Estamos no terceiro mês consecutivo de

Leia mais

Desenvolvimento Regional e Aglomerações Produtivas na Bahia: Territórios de Identidade. Francisco Teixeira EAUFBA

Desenvolvimento Regional e Aglomerações Produtivas na Bahia: Territórios de Identidade. Francisco Teixeira EAUFBA Desenvolvimento Regional e Aglomerações Produtivas na Bahia: uma visão a partir do emprego e dos Territórios de Identidade Francisco Teixeira EAUFBA Questão Central Desenvolvimento exógeno x desenvolvimento

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1

VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1 VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1 Alfredo Tsunechiro 2 Vagner Azarias Martins 3 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 Qual a verdadeira magnitude do valor da produção agropecuária

Leia mais

DIFERENCIAIS SOCIODEMOGRÁFICOS ENTRE OS IDOSOS NO BRASIL

DIFERENCIAIS SOCIODEMOGRÁFICOS ENTRE OS IDOSOS NO BRASIL Seminário sobre Educação Superior e Envelhecimento Populacional no Brasil MEC - SESU/CAPES DIFERENCIAIS SOCIODEMOGRÁFICOS ENTRE OS IDOSOS NO BRASIL Maria Isabel Parahyba Coordenação de População e Indicadores

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Ano 6 - Edição 25 Agosto 2014 VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Por Prof. Dr. Sergio De Zen, Pesquisador; Equipe Pecuária de Corte As cotações praticadas em todos os elos da cadeia pecuária

Leia mais

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO INDÍGENA 9.1.1 Objetivos gerais A Constituição Federal assegura às comunidades indígenas o direito de uma educação escolar diferenciada e a utilização

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NO BRASIL 2012 EXPORTAÇÕES US$ 43 Bilhões (23%) 23% Ásia 22% União Europeia FATURAMENTO

Leia mais

Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012

Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012 ARTIGOS Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012 Fabiana Karine S. Andrade* Os investimentos industriais

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 23/01/15

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 23/01/15 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil Subseção Dieese Força Sindical Elaboração: 23/01/15 Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged),

Leia mais

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

Falta de mão-de-obra qualificada dificulta aumento da competitividade da indústria

Falta de mão-de-obra qualificada dificulta aumento da competitividade da indústria Sondagem Especial da Confederação Nacional da Indústria CNI O N D A G E M Especial Ano 5, Nº.3 - setembro de 2007 Falta de mão-de-obra qualificada dificulta aumento da competitividade da indústria Mais

Leia mais

Guia do Usuário Prosoft Analir versão 7.0. Introdução... 2. Liberação das licenças... 3

Guia do Usuário Prosoft Analir versão 7.0. Introdução... 2. Liberação das licenças... 3 Área Universidade Prosoft Autor Clécio Esteves Cavalcante Revisor Ricardo Sales Criação 26/02/2014 Publicação Edição 02-14/10/2014 Distribuição Franqueadora, Franquias e Clientes. Guia do Usuário Prosoft

Leia mais

Diagnóstico Regional. e) Habitantes por dentista - Número de habitantes por dentista.

Diagnóstico Regional. e) Habitantes por dentista - Número de habitantes por dentista. Diagnóstico Regional O objetivo do diagnóstico regional é identificar as principais características: econômicas e sociais da região, bem como salientar as diferenças e semelhanças entre as 29 regiões do

Leia mais

PERFIL DO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA

PERFIL DO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA PERFIL DO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA São Paulo 2009 CONTEÚDO 1. PERFIL DO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA... 3 1.1 O segmento... 3 1.2 As empresas... 6 1.3 - Postos de trabalho

Leia mais

Caracterização da coleta seletiva de resíduos sólidos no Brasil: avanços e dificuldades

Caracterização da coleta seletiva de resíduos sólidos no Brasil: avanços e dificuldades Revista Economia & Tecnologia (RET) Volume 9, Número 4, p. 129-136, Out/Dez 2013 Seção: Tecnologia & Inovação Caracterização da coleta seletiva de resíduos sólidos no Brasil: avanços e dificuldades Alessandra

Leia mais

PERFIL DOS RADIOLOGISTAS NO BRASIL: análise dos dados INTRODUÇÃO

PERFIL DOS RADIOLOGISTAS NO BRASIL: análise dos dados INTRODUÇÃO 1 PERFIL DOS RADIOLOGISTAS NO BRASIL: análise dos dados INTRODUÇÃO O Brasil conta hoje, com 254.886 médicos em atividade profissional (CFM, 2003). O contingente de radiologistas é da ordem de 5388, o que

Leia mais

Instituto Nacional do Seguro Social INSS Concurso Público para Analista do Seguro Social

Instituto Nacional do Seguro Social INSS Concurso Público para Analista do Seguro Social As inscrições para o concurso público do Instituto Nacional do Seguro Social INSS estarão abertas no período de 12 de agosto a 13 de setembro. São 300 vagas para o cargo de Analista do Seguro Social, sendo

Leia mais

Cresce o emprego formal em todos os setores de atividade

Cresce o emprego formal em todos os setores de atividade 6 jul 2006 Nº 3 Cresce o emprego formal em todos os setores de atividade Por Antonio Marcos Ambrozio Economista da Secr. de Assuntos Econômicos Recuperação dos Houve um postos de trabalho grande aumento

Leia mais

textos para discussão

textos para discussão Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa textos para discussão 1/ O impacto da Lei de Cotas nos estados: um estudo preliminar Flávio Carvalhaes IESP-UERJ João Feres Júnior IESP-UERJ Verônica

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Nota: A reprodução do artigo abaixo ou de trechos do mesmo é autorizada, sendo obrigatória a citação do nome dos autores. O texto abaixo está publicado em: www.cepea.esalq.usp.br/macro/ 1. Introdução EXPORTAÇÕES

Leia mais

2014 JUNHO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2014 JUNHO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2014 JUNHO Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários,

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011 SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL COINT - Coordenação-Geral de Análise e Informações das Transferências Financeiras Intergovernamentais TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011

Leia mais

Municípios com maior quantidade de portarias reconhecendo desastres relacionados à chuva de 2003 a 2010

Municípios com maior quantidade de portarias reconhecendo desastres relacionados à chuva de 2003 a 2010 Municípios com maior quantidade de portarias reconhecendo desastres relacionados à chuva de 2003 a 2010 Ocorre no Brasil, todos os anos, uma repetição cíclica de desastres naturais, que se configuram em

Leia mais