GUIA DE EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM. Este guia esclarece os principais procedimentos a serem adotados para a emissão do Certificado de Origem.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA DE EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM. Este guia esclarece os principais procedimentos a serem adotados para a emissão do Certificado de Origem."

Transcrição

1 01/2012 CERTIFICADO DE ORIGEM GUIA DE EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM Este guia esclarece os principais procedimentos a serem adotados para a emissão do Certificado de Origem.

2 APRESENTAÇÃO O Certificado de Origem é um documento importante, pois confere ao seu detentor o direito a se beneficiar dos acordos internacionais que concedem alíquotas preferenciais aos países signatários. Com o Certificado de Origem, seu importador conta com uma redução substancial nos tributos a pagar. Assim, seu produto se torna mais competitivo e tem mais oportunidade de penetração nos mercados que o Brasil mantém acordos comerciais. Por força de acordos firmados pelo Brasil, tanto no âmbito da Aladi, como do Mercosul, o Sistema FIRJAN está credenciado a emitir Certificados de Origem, figurando como corresponsável, junto com o exportador, no que se refere à autenticidade dos dados contidos nos respectivos documentos. Para a sua segurança, certifique-se de que todos os procedimentos estão sendo respeitados, observe os prazos, assim como os horários de funcionamento. Essas informações e medidas visam orientar as empresas no sentido de oferecer maior agilidade e praticidade à emissão dos certificados. 2

3 DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA 5 vias do Certificado de Origem 1 via da fatura comercial Declaração do Produtor Não é necessário apresentar a Declaração do produtor a cada emissão, desde que esteja dentro da validade: 6 meses FORMAS DE EMISSÃO: Emissão tradicional: os documentos acima são entregues no Sistema FIRJAN e a emissão é imediata. Emissão tradicional via o Certificado de Origem e a fatura comercial são enviados por e é disponibilizado para retirada apenas alguns minutos depois. Emissão digital: realizada através do site: cod. A empresa insere os dados da declaração do produtor e fatura comercial e o Certificado de Origem é gerado automaticamente. A emissão é imediata! Assim que a empresa gera o certificado ela já pode vir retirá-lo. PREÇOS: Valor da emissão do Certificado de Origem: R$ 20,00 associados* ao CIRJ e ao Movimento Sindical Firjan e R$ 30,00 não associados. Os valores são fixos, independente do modelo, acordo ou número de páginas e o Sistema FIRJAN não cobra taxa de urgência. * Entre em contato conosco para saber se sua empresa é associada. 3

4 FORMAS DE PAGAMENTO O pagamento poderá ser efetuado na retirada do documento em dinheiro ou cheque, via depósito ou transferência. Os dados para depósito ou transferência são: BANCO DO BRASIL Agência: 3309-X C/C: Favorecido: FIRJAN CNPJ: / CONDIÇÕES ESPECIAIS: pagamento único no final do mês para empresas que emitem volume mensal significativo. DESPACHANTES ADUANEIROS: condições especiais também para despachantes aduaneiros, o pagamento poderá ser único no final do mês para volume mensal significativo. OUTROS SERVIÇOS Declaração de Livre Venda: R$ 20,00 associados* ao CIRJ e ao Movimento Sindical Firjan e R$ 30,00 não associados (independente do modelo, acordo ou número de páginas). Documentação exigida: declaração com igual teor emitida em papel timbrado da empresa exportadora. * Entre em contato conosco para saber se sua empresa é associada. 4

5 HORÁRIOS O horário de funcionamento é das 9h as 18h. De maneira geral, a emissão dos Certificados de Origem seguirá os horários descritos abaixo: Entregues ao Sistema FIRJAN Entre 15h e 17h (do dia anterior) Entre 17h do dia anterior e 10h30 do dia atual Entre 10h30 e 13h Entre 13h e 15h Retirada a partir de 10h 11h30 14h 16h Esse horário é válido tanto para os certificados enviados por quanto os protocolados em nossa portaria de serviço. * Todos os Certificados de Origem poderão ser emitidos na hora, desde que previamente solicitado pela empresa. 5

6 CERTIFICADOS DE ORIGEM EMITIDOS PELA FIRJAN 1. Mercosul (ACE18, ACE14, ACE02) 2. Aladi (PTR4, ACE53, ACE55, ACE58 e ACE62) 3. Comum 4. Mercosul Chile (ACE35) 5. Mercosul Bolívia (ACE36) 6. Mercosul - Colômbia, Equador e Venezuela (ACE59) 7. Mercosul Índia 8. Mercosul Israel 9. Anexo III México 10. Livre Venda 11. SGPC 12. GATT * Entre em contato conosco para verificar o modelo de Certificado a ser usado, as instruções de preenchimento e solicitar o modelo via . OUTROS CERTIFICADOS FORM A: produtos negociados no âmbito do SGP, esse documento é emitido somente pelo Banco do Brasil. 6

7 DECLARAÇÃO DO PRODUTOR 1. A emissão do Certificado de Origem será precedida da apresentação de uma declaração, subscrita pelo responsável da empresa, indicando as características e componentes do produto, processos de sua elaboração e demais informações, conforme modelo a seguir. Essa declaração, em geral, terá a validade de 6 meses (180 dias). * A declaração do produtor não poderá ser assinada por comissária ou despachante. 2. Como as entidades são corresponsáveis com o solicitante no que se refere à autenticidade dos dados contidos no Certificado de origem e na declaração do produtor, haverá rigor nas exigências e eventual solicitação de comprovação dos dados apresentados. 3. A cada 180 dias, a empresa deverá providenciar a atualização dos dados contidos na declaração do produtor. 7

8 ROTEIRO E INSTRUÇÕES GERAIS PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DO PRODUTOR DECLARAÇÃO DO PRODUTOR (papel timbrado da empresa) ESTE MODELO DEVE SER INTEGRALMENTE REPRODUZIDO E PREENCHIDO. NENHUM DOS ITENS PODERÁ PERMANECER EM BRANCO. a) Razão Social e CNPJ: b) Endereço: c) Denominação do produto a exportar (nome comercial) e posição NCM e Naldi: d) Valor US$ FOB (valor unitário de venda do produto a exportar): e) Descrição do processo produtivo (como partir das matérias-primas e chegar ao produto a ser exportado): f) Elementos demonstrativos dos componentes do produto: 1. Materiais, componentes e/ou partes e peças nacionais (relacionar): 2. Materiais, componentes e/ou partes e peças originários dos outros países do Mercosul - Argentina, Paraguai e Uruguai (caso nada tenha sido importado, indicar: PREJUDICADO OU NÃO EXISTE): PAÍS (de onde foi importado o material) NCM VALOR US$/CIF (do material importado) PART. NO VALOR US$/FOB DO PRODUTO FINAL (%) (valor CIF x 100/valor FOB) 3. Materiais, componentes e/ou partes e peças originários de terceiros países, ou seja, não integrantes do Mercosul (caso nada tenha sido importado, indicar: PREJUDICADO OU NÃO EXISTE): PAÍS (de onde foi importado o material) NCM VALOR US$/CIF (do material importado) PART. NO VALOR US$/FOB DO PRODUTO FINAL (%) (valor CIF x 100/valor FOB) Declaramos, para os devidos fins, que as informações contidas neste documento são verdadeiras, submetendo-nos às penalidades legais, por omissão ou falsa informação, definidas na legislação brasileira. Rio de Janeiro, de de. Assinatura de pessoa autorizada (nome e cargo) 8

9 Para mais informações, entre em contato com nossa equipe. Av. Graça Aranha, 1, 6 andar Centro, Rio de Janeiro RJ Letícia Lima Mariana Meirelles Tels.: (21) Fax: (21) Também oferecemos treinamento individual e gratuito. Entre em contato e reserve seu horário. 9

10

Normas de Procedimentos para Expedição do Certificado de Origem do Acordo de Livre Comércio entre o MERCOSUL e o Estado de Israel. (MERCOSUL - ISRAEL)

Normas de Procedimentos para Expedição do Certificado de Origem do Acordo de Livre Comércio entre o MERCOSUL e o Estado de Israel. (MERCOSUL - ISRAEL) Normas de Procedimentos para Expedição do Certificado de Origem do Acordo de Livre Comércio entre o MERCOSUL e o Estado de Israel. (MERCOSUL - ISRAEL) Decreto Nº 7.159, de 29.05 - D.O.U. 27.04.2010 Comunicamos

Leia mais

NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM DO ACE 36

NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM DO ACE 36 NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM DO ACE 36 BRASIL - BOLÍVIA APROVADO PELO DECRETO N os 2.240 DE 17/12/1.996 E 4.161 DE 12/03/2.002 1 Notas Explicativas 1. Declaração 1.1. A

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO COMERCIO EXTERIOR FATEC FRANCA PROF. DR. DALTRO OLIVEIRA DE CARVALHO

DOCUMENTAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO COMERCIO EXTERIOR FATEC FRANCA PROF. DR. DALTRO OLIVEIRA DE CARVALHO DOCUMENTOS EXIGIDOS NAS OPERAÇÕES DE EXPORTAÇÃO DISPONIVEL EM: HTTP://WWW.APRENDENDOAEXPORTAR.GOV.BR/SITIO/PAGINAS/COMEXPORTAR/CONTRATOS.HTML No comércio internacional, os documentos desempenham importante

Leia mais

NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM ACE 59 MERCOSUL E PAÍSES MEMBROS DA CAN (COLOMBIA EQUADOR VENEZUELA)

NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM ACE 59 MERCOSUL E PAÍSES MEMBROS DA CAN (COLOMBIA EQUADOR VENEZUELA) NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM ACE 59 MERCOSUL E PAÍSES MEMBROS DA CAN (COLOMBIA EQUADOR VENEZUELA) APROVADO PELO DECRETO Nº 5.361 DE 31/01/2.005 Notas Explicativas 1. Declaração

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PETIÇÃO RELATIVA À APLICAÇÂO DE MEDIDA DE SALVAGUARDA PELO MERCOSUL EM NOME DE UM ESTADO PARTE

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PETIÇÃO RELATIVA À APLICAÇÂO DE MEDIDA DE SALVAGUARDA PELO MERCOSUL EM NOME DE UM ESTADO PARTE MERCOSUL/CCM/DIR Nº 15/98 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PETIÇÃO RELATIVA À APLICAÇÂO DE MEDIDA DE SALVAGUARDA PELO MERCOSUL EM NOME DE UM ESTADO PARTE TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de

Leia mais

REGRAS DE ATUAÇÃO DO BANCO ITAÚ BBA S.A NOS MERCADOS ORGANIZADOS DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S.A.

REGRAS DE ATUAÇÃO DO BANCO ITAÚ BBA S.A NOS MERCADOS ORGANIZADOS DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S.A. REGRAS DE ATUAÇÃO DO BANCO ITAÚ BBA S.A NOS MERCADOS ORGANIZADOS DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S.A. 1 O participante indicado abaixo, objetivando atuar na qualidade de Intermediário,

Leia mais

Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD

Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD Sumário: 1. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EFD 1. 1 APRESENTAÇÃO 1. 2 LEGISLAÇÃO 1. 3 DA APRESENTAÇÃO DO ARQUIVO DA EFD 1. 4

Leia mais

Produto. Modelo Tipo de Literatura Arquivo Número de Ordem. Normas de Procedimentos para GARANTIA

Produto. Modelo Tipo de Literatura Arquivo Número de Ordem. Normas de Procedimentos para GARANTIA Norma de Garantia Produto Modelo Tipo de Literatura Arquivo Número de Ordem NG 1.0 Aquecedores de passagem Bombas de Calor Todos Informe de Procedimento Garantia Modelo: Todos Normas de Procedimentos para

Leia mais

MANUAL PARA REGISTRO DE CERTIFICADO DE DEPÓSITO DE VALORES MOBILIÁRIOS - BDR NÍVEL I NÃO PATROCINADO

MANUAL PARA REGISTRO DE CERTIFICADO DE DEPÓSITO DE VALORES MOBILIÁRIOS - BDR NÍVEL I NÃO PATROCINADO MANUAL PARA REGISTRO DE CERTIFICADO DE DEPÓSITO DE VALORES MOBILIÁRIOS - BDR NÍVEL I NÃO PATROCINADO Artigo 1º. Para registro do Certificado de Depósito de Valores Mobiliários - BDR Nível I Não Patrocinado

Leia mais

CENTRO INTERNACIONAL DE NEGÓCIOS. Itajaí, 06 de abril de 2011

CENTRO INTERNACIONAL DE NEGÓCIOS. Itajaí, 06 de abril de 2011 CENTRO INTERNACIONAL DE NEGÓCIOS Itajaí, 06 de abril de 2011 Apresentação DVD Institucional da FIESC Contextualização de Santa Catarina Centro Internacional de Negócios CIN Sistema de Emissão de Certificados

Leia mais

ANEXO (Portaria Interministerial MCT/MDIC nº 291, de 07.05.2008)

ANEXO (Portaria Interministerial MCT/MDIC nº 291, de 07.05.2008) ANEXO (Portaria Interministerial MCT/MDIC nº 291, de 07.05.2008) ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETO LEI Nº 11.484/2007 CAPÍTULO II PATVD I INTRODUÇÃO O presente roteiro orienta a elaboração

Leia mais

2º O regime de drawback integrado isenção aplica-se também à aquisição no mercado interno ou à importação de mercadoria equivalente à empregada:

2º O regime de drawback integrado isenção aplica-se também à aquisição no mercado interno ou à importação de mercadoria equivalente à empregada: Portaria SECEX s/nº, de 15.02.2010 - DOU 1 de 16.02.2011 Dispõe sobre drawback integrado isenção. A Secretária de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior no uso

Leia mais

México HORÁRIO DE ATENDIMENTO AO PÚBLICO

México HORÁRIO DE ATENDIMENTO AO PÚBLICO México ATENÇÃO VERIFIQUE ATENTAMENTE AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTA PÁGINA PARA FACILITAR SEU ATENDIMENTO. SEM A APRESENTAÇÃO DOS REQUISITOS OBRIGATÓRIOS, O ATENDIMENTO NÃO SERÁ REALIZADO. O Consulado Geral

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS UFMG COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR COPEVE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS UFMG COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR COPEVE UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS UFMG COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR COPEVE EDITAL DO PROGRAMA DE ISENÇÃO DA TAXA DE INSCRIÇÃO AO VESTIBULAR (PITV) UFMG 2014 A Universidade Federal de Minas Gerais

Leia mais

CONVITE Nº 11/2010. DATA E HORÁRIO PARA RECEBIMENTO E ABERTURA DOS ENVELOPES Dia 13 / 05 / 2010 às 15 horas

CONVITE Nº 11/2010. DATA E HORÁRIO PARA RECEBIMENTO E ABERTURA DOS ENVELOPES Dia 13 / 05 / 2010 às 15 horas CONVITE Nº 11/2010 DATA E HORÁRIO PARA RECEBIMENTO E ABERTURA DOS ENVELOPES Dia 13 / 05 / 2010 às 15 horas 01. DISPOSIÇÕES INICIAIS 1.1 O Senac Departamento Nacional torna público que, na Seção de Material,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TIETÊ

PREFEITURA MUNICIPAL DE TIETÊ PREFEITURA MUNICIPAL DE TIETÊ Nota Fiscal Digital de Serviços A Nota Fiscal Digital é um documento cujo valor é de um arquivo eletrônico assinado digitalmente, que apresenta algumas características como

Leia mais

INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO SELEÇÃO PÚBLICA TIPO: MENOR PREÇO

INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO SELEÇÃO PÚBLICA TIPO: MENOR PREÇO SELEÇÃO PÚBLICA Nº: 075/2015 PROCESSO Nº 6389/2015/FAPEPE INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO SELEÇÃO PÚBLICA TIPO: MENOR PREÇO DATA MÁXIMA PARA ENVIO DA PROPOSTA ELETRÔNICA: 05/06/2015 às 16H00min. DATA SESSÃO DE

Leia mais

MANUAL. Certificado de Origem Digital PERFIL ENTIDADE. Versão 2.2.15

MANUAL. Certificado de Origem Digital PERFIL ENTIDADE. Versão 2.2.15 MANUAL Certificado de Origem Digital PERFIL ENTIDADE Versão 2.2.15 Sumário 1. Inicializando no sistema... 4 2. Perfil de Emissores do Sistema... 4 3. Analisando os certificados emitidos... 5 3.1. Certificados

Leia mais

PORTARIA MDIC Nº 251, DE 22 DE OUTUBRO 2001. Art. 2º Para os efeitos do Acordo Bilateral, e desta Portaria definir:

PORTARIA MDIC Nº 251, DE 22 DE OUTUBRO 2001. Art. 2º Para os efeitos do Acordo Bilateral, e desta Portaria definir: PORTARIA MDIC Nº 251, DE 22 DE OUTUBRO 2001. Regulamenta a execução do Trigésimo Protocolo Adicional ao Acordo de Complementação Econômica nº 14, entre os Governos da República Federativa do Brasil e da

Leia mais

ANEXO 30 PROCEDIMENTOS ADOTADOS PELO DEPOSITÁRIO ESTABELECIDO EM RECINTO ALFANDEGADO.

ANEXO 30 PROCEDIMENTOS ADOTADOS PELO DEPOSITÁRIO ESTABELECIDO EM RECINTO ALFANDEGADO. ANEXO 30 PROCEDIMENTOS ADOTADOS PELO DEPOSITÁRIO ESTABELECIDO EM RECINTO ALFANDEGADO. Acrescentado pelo Decreto 24.441 de 14 de agosto de 2008. Publicado no DOE de 14.08.2008 Convênio ICMS nº 143/02 e

Leia mais

Regulamento para Concessão do Selo Plantamos Árvores para reduzir os efeitos das emissões de CO 2 - Fundação SOS Mata Atlântica e Instituto Totum

Regulamento para Concessão do Selo Plantamos Árvores para reduzir os efeitos das emissões de CO 2 - Fundação SOS Mata Atlântica e Instituto Totum Controle de alterações 10 de março de 2008 emissão inicial 1 ÍNDICE 0. Condições Gerais... 3 1. Condições de Admissão e Visão Geral do Processo... 4 2. Abertura de Processo... 5 3. Processo Técnico Reconhecimento

Leia mais

REGULAMENTO DO CREDENCIAMENTO PARA COMPOR O CADASTRO DE CONSULTORES DO MOVIMENTO CATARINENSE PARA EXCELÊNCIA

REGULAMENTO DO CREDENCIAMENTO PARA COMPOR O CADASTRO DE CONSULTORES DO MOVIMENTO CATARINENSE PARA EXCELÊNCIA REGULAMENTO DO CREDENCIAMENTO PARA COMPOR O CADASTRO DE CONSULTORES DO MOVIMENTO CATARINENSE PARA EXCELÊNCIA O processo de credenciamento acontecerá de acordo com as etapas abaixo, a serem aplicadas a

Leia mais

Passo a passo Aditamento a Contrato de Arrendamento Mercantil Cessão de Direitos e Obrigações.

Passo a passo Aditamento a Contrato de Arrendamento Mercantil Cessão de Direitos e Obrigações. Passo a passo Aditamento a Contrato de Arrendamento Mercantil Cessão de Direitos e Obrigações. Para dar início ao processo de transferência do contrato primeiramente é necessário preencher a proposta para

Leia mais

GUIA COMERCIAL PCMULTITEF+

GUIA COMERCIAL PCMULTITEF+ GUIA COMERCIAL PCMULTITEF+ DATAREGIS S. A. FORM-7.2-037r00 Página 1 de 6 ÍNDICE 1. Definição do produto PCMULTITEF+ 2. Normas de comercialização do produto PCMULTITEF+ 3. Responsabilidades do Integrador

Leia mais

A N C I N E. ANCINE e a nova lei de incentivo ao desenvolvimento da indústria cinematográfica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGÊNCIAS DE PUBLICIDADE

A N C I N E. ANCINE e a nova lei de incentivo ao desenvolvimento da indústria cinematográfica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGÊNCIAS DE PUBLICIDADE A N C I N E ANCINE e a nova lei de incentivo ao desenvolvimento da indústria cinematográfica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGÊNCIAS DE PUBLICIDADE 1 ANCINE e a nova lei de incentivo ao desenvolvimento da indústria

Leia mais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais QSP Informe Reservado Nº 42 Janeiro/2005 ISO/IEC 17050-1 Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais Tradução livre especialmente preparada para os Associados

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.541, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. Dispõe sobre a execução do Sexagésimo Quarto Protocolo Adicional ao Acordo de Complementação

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

Execução de Despesa. DNT/SSSCI/SF Abril 2013

Execução de Despesa. DNT/SSSCI/SF Abril 2013 DNT/SSSCI/SF Abril 2013 Realização Secretaria da Fazenda Subsecretaria do Sistema de Controle Interno Departamento de Normas Técnicas Apresentação David Fabri Monique Junqueira Ferraz Zanella INTRODUÇÃO

Leia mais

CONVITE Nº 09/2010. DATA E HORÁRIO PARA RECEBIMENTO E ABERTURA DOS ENVELOPES Dia 30 / 04 / 2010 às 14 horas

CONVITE Nº 09/2010. DATA E HORÁRIO PARA RECEBIMENTO E ABERTURA DOS ENVELOPES Dia 30 / 04 / 2010 às 14 horas CONVITE Nº 09/2010 DATA E HORÁRIO PARA RECEBIMENTO E ABERTURA DOS ENVELOPES Dia 30 / 04 / 2010 às 14 horas 01. DISPOSIÇÕES INICIAIS 1.1 O Senac Departamento Nacional torna público que, na Seção de Material,

Leia mais

A/C: Dra. Carolina Pecorari

A/C: Dra. Carolina Pecorari Proposta Comercial SP 0190/14 E Empresa: AMBEV S/A A/C: Dra. Carolina Pecorari Proposta SP 0190/14 E São Paulo, 25 de julho de 2014. AMBEV S/A Rua Dr. Renato Paes de Barros, 1017-4º andar Itaim Bibi São

Leia mais

Processo de declaração de conformidade de software PEM-H

Processo de declaração de conformidade de software PEM-H Processo de declaração de conformidade de software PEM-H Março, 2014 Versão 3,0 Os direitos de autor deste trabalho pertencem à SPMS e a informação nele contida é confidencial. Este trabalho não pode ser

Leia mais

ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11

ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11 MANUAL DE USO DO SISTEMA GOVERNO DIGITAL ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11 2.0. SOLICITAÇÕES DE AIDF E AUTORIZAÇÃO DE EMISSÃO DE NOTA

Leia mais

O Processo de Importação e Suas Etapas

O Processo de Importação e Suas Etapas O Processo de Importação e Suas Etapas CURSO: Administração / DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas, 2004.

Leia mais

I. A Rede de Câmaras Alemãs no Brasil Onde nos encontrar 3. II. Identificação de potenciais parceiros Lista de endereços 4

I. A Rede de Câmaras Alemãs no Brasil Onde nos encontrar 3. II. Identificação de potenciais parceiros Lista de endereços 4 P E M A Plataforma de Entrada no Mercado Alemão PORTIFÓLIO DE SERVIÇOS DE COMÉRCIO EXTERIOR DA CÂMARA BRASIL-ALEMANHA DE SANTA CATARINA Departamento de Projetos Internacionais www.ahkbrasil.com Indíce

Leia mais

Sistema Serviço de Valet

Sistema Serviço de Valet Sistema Serviço de Valet Manual do Usuário Página 1 Sistema Serviço de Valet Manual do Usuário Versão 1.0.0 Sistema Serviço de Valet Manual do Usuário Página 2 Índice 1. Informações gerais... 3 2. Passo-a-passo...

Leia mais

Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX. Tratamento Administrativo na Importação e atuação do DECEX

Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX. Tratamento Administrativo na Importação e atuação do DECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Tratamento Administrativo na Importação e atuação do DECEX Controle Administrativo - Definição Controle exercido por órgãos da Administração Federal

Leia mais

Sobre o Cancelamento de Gravames

Sobre o Cancelamento de Gravames Sobre o Cancelamento de Gravames Cancelamento de Reserva de Gravames - DETRAN/RS Procedimentos para solicitação do desbloqueio de cancelamento de gravame. De acordo com a portaria 246 de 13 de Outubro

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Processo 50618.000923/2008-47 1. OBJETO 01.01. Contratação de empresa para fornecimento de combustível para abastecimento dos veículos a serviço da Superintendência Regional

Leia mais

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 Procedimento de Comercialização MANUTENÇÃO DE CADASTRO DE AGENTES DA CCEE E USUÁRIOS DO SCL Versão: 3 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 ÍNDICE

Leia mais

Processo de Compras GENS

Processo de Compras GENS Processo de Compras GENS Manual do Colaborador Versão 2.0 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1 Objetivos... 3 1.1.1 Objetivo da definição do Processo de Compras... 3 1.1.2 Objetivo deste Manual... 3 2. PROCESSO

Leia mais

Capitulo 5: O Comércio Internacional

Capitulo 5: O Comércio Internacional Capitulo 5: O Comércio Internacional O comércio nacional é regido por leis e diretrizes que regulamentam as negociações de bens e serviços entre duas ou mais pessoas, sejam físicas ou jurídicas. Dessa

Leia mais

Manual de Exportação e Formação de Preço

Manual de Exportação e Formação de Preço Manual de e Formação de Preço. Sumário FASE 1ª 1 - Planejamento de 2 - Planejamento Estratégico 3 - Canais de Distribuição FASE 2ª 4 - Procedimentos Operacionais de FASE 3ª 5 - Formação de Preço O sumário

Leia mais

Formulário para Solicitação de Patrocínio

Formulário para Solicitação de Patrocínio ANEXO 1 Formulário para Solicitação de Patrocínio Procedimentos para o envio de projeto ao CAU/SP: 1. Após preencher o Formulário para Solicitação de Patrocínio ao CAU/SP, confira os itens de CONTRAPARTIDA.

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema para Administração de Condomínios MANUAL USUÁRIO C H E Q U E S CONTROLE POR LEITURA DE CÓDIGO DE BARRAS. ENG Sistemas - 1 -

Manual do Usuário. Sistema para Administração de Condomínios MANUAL USUÁRIO C H E Q U E S CONTROLE POR LEITURA DE CÓDIGO DE BARRAS. ENG Sistemas - 1 - Sistema para Administração de Condomínios MANUAL DO USUÁRIO C H E Q U E S CONTROLE POR LEITURA DE CÓDIGO DE BARRAS ENG Sistemas - 1 - As informações abaixo dizem respeito às empresas que optaram por manter

Leia mais

QUESTIONAMENTOS NO ÂMBITO DO PE 019/2013

QUESTIONAMENTOS NO ÂMBITO DO PE 019/2013 QUESTIONAMENTOS NO ÂMBITO DO PE 019/2013 A Contratante poderá estabelecer junto a Contratada um cronograma para execução do objeto, ou seja, poderá haver um planejamento para que o atendimento seja feito

Leia mais

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço 1 - Aplicação Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço Plano Nº 045 - Claro Online Sem internet Requerimento de Homologação Nº 8879 Este Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço é aplicável pela autorizatária

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATANTE: Aqui designado apenas como a empresa que fez o cadastro pelo sistema de vendas online no site www.netflexfidelidade.com.br CONTRATADA: Openhaus Soluções Tecnológicas

Leia mais

PARCERIA COMERCIAL 1

PARCERIA COMERCIAL 1 PARCERIA COMERCIAL 1 1. POLÍTICA COMERCIAL Seja um parceiro da TECNO SOLUÇÕES EM INFORMÁTICA LTDA e ofereça ao mercado o JPONTO5 para a informatização de controle de cartão ponto de colaboradores. O programa

Leia mais

INTRODUÇÃO. Assim, a Marítima disponibiliza nesse comunicado algumas dicas para agilizar os processos de análise de risco de proposta. DICAS!

INTRODUÇÃO. Assim, a Marítima disponibiliza nesse comunicado algumas dicas para agilizar os processos de análise de risco de proposta. DICAS! INTRODUÇÃO Prezado corretor, Tendo como princípio o bom atendimento e a prestação de serviço com qualidade, a Marítima Seguros frequentemente revisa seus processos, desenvolve e aperfeiçoa os diversos

Leia mais

PEI Peticionamento eletrônico de importação

PEI Peticionamento eletrônico de importação PEI Peticionamento eletrônico de importação MÔNICA FIGUEIREDO P VPA F J O I NVILLE RESOLUÇÃO - RDC Nº 74, DE 2 DE MAIO DE 2016 Os processos protocolados eletronicamente deverão conter a documentação prevista

Leia mais

Serviços de Comércio Exterior. Gerência Regional de Apoio ao Comércio Exterior GECEX São Paulo III

Serviços de Comércio Exterior. Gerência Regional de Apoio ao Comércio Exterior GECEX São Paulo III BANCO DO BRASIL Serviços de Comércio Exterior Gerência Regional de Apoio ao Comércio Exterior GECEX São Paulo III Programação 1) Acesso ao Gerenciador Financeiro 2) Criação de Chave de Acesso 3) Autorização

Leia mais

AJUDA AOS PROCESSOS DE CRIAÇÃO DRAMATÚRGICA E COREOGRÁFICA, EM RESIDÊNCIA 1. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA IBERESCENA

AJUDA AOS PROCESSOS DE CRIAÇÃO DRAMATÚRGICA E COREOGRÁFICA, EM RESIDÊNCIA 1. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA IBERESCENA AJUDA AOS PROCESSOS DE CRIAÇÃO DRAMATÚRGICA E COREOGRÁFICA, EM RESIDÊNCIA 1. APRESENTAÇÃO DO 1. Origem e objetivos O Fundo de ajuda para as Artes Cênicas Ibero-americanas IBERESCENA foi criado em novembro

Leia mais

INFORMAÇÕES REFERENTES À RESERVA TOTAL RESPONSABILIDADE DA AGÊNCIA VERIFICAR TODOS OS ITEMS DESTE DOCUMENTO.

INFORMAÇÕES REFERENTES À RESERVA TOTAL RESPONSABILIDADE DA AGÊNCIA VERIFICAR TODOS OS ITEMS DESTE DOCUMENTO. INFORMAÇÕES REFERENTES À RESERVA TOTAL RESPONSABILIDADE DA AGÊNCIA VERIFICAR TODOS OS ITEMS DESTE DOCUMENTO. INFORMAÇÕES CORRETAS DE TODOS OS PASSAGEIROS: Nº de passaporte (cruzeiros internacionais) e

Leia mais

Manual do Usuário - Cliente Externo

Manual do Usuário - Cliente Externo Versão 3.0 SGCL - Sistema de Gestão de Conteúdo Local SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1. Referências... 4 2. COMO ESTÁ ORGANIZADO O MANUAL... 4 3. FUNCIONALIDADES GERAIS DO SISTEMA... 5 3.1. Acessar a Central

Leia mais

Manual Espelho de NF para Materiais

Manual Espelho de NF para Materiais Manual Espelho de NF para Materiais Índice 1 Objetivo... 3 2 O Projeto e-suprir... 3 3 Introdução... 3 4 Informações Básicas... 4 4.1 Painel de Controle Vendas... 4 5 Acessando o Pedido... 5 5.1 Lista

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho ATENDIMENTO IT. 14 16 1 / 23 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para o atendimento realizado pelo Crea GO ao profissional, empresa e público em geral. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Lei n 5.194 24 de dezembro

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015. (DOU Seção 1, nº 164, pag. 47, 27.08.2015) (Retificação DOU Seção 1, nº 165, pag. 69, 28.08.

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015. (DOU Seção 1, nº 164, pag. 47, 27.08.2015) (Retificação DOU Seção 1, nº 165, pag. 69, 28.08. RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 (DOU Seção 1, nº 164, pag. 47, 27.08.2015) (Retificação DOU Seção 1, nº 165, pag. 69, 28.08.2015) Define os requisitos do cadastro de produtos médicos. A

Leia mais

ANEXO À COMEX 067/2012 Sugestões Abiquim - Portaria Secex 13/2012 Consulta Pública Consolidação de Portaria Secex

ANEXO À COMEX 067/2012 Sugestões Abiquim - Portaria Secex 13/2012 Consulta Pública Consolidação de Portaria Secex ANEXO À COMEX 067/2012 Sugestões Abiquim - Portaria Secex 13/2012 Consulta Pública Consolidação de Portaria Secex Capítulo II TRATAMENTO ADMINISTRATIVO DAS IMPORTAÇÕES -Seção I. Licenciamento das Importações

Leia mais

1. DA FORMA DE ASSOCIAÇÃO

1. DA FORMA DE ASSOCIAÇÃO Por este Termo de Associação, o(a) PROPONENTE qualificado(a) através do site: , manifesta sua vontade de adesão ao quadro social, ou de benefícios, do ESPORTE CLUBE ARACRUZ,

Leia mais

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL Nº DA CÉDULA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) (S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL RENAVAN CHASSI PLACA NOTA FISCAL (CASO VEÍCULO

Leia mais

Comentário: Todo Plano de Serviço Pré-Pago, qualquer que seja a

Comentário: Todo Plano de Serviço Pré-Pago, qualquer que seja a Ítem: 2.1 2.1 Plano de Serviço Pré-Pago no Serviço Móvel Celular: Plano de Serviço do SMC, homologado pela Agência Nacional de Telecomunicações, caracterizado pelo pagamento, por parte do usuário, previamente

Leia mais

Manual de orientação para participantes do Programa Professor Visitante do Exterior Programa CAPES/PVE

Manual de orientação para participantes do Programa Professor Visitante do Exterior Programa CAPES/PVE Manual de orientação para participantes do Programa Professor Visitante do Exterior Programa CAPES/PVE I APRESENTAÇÃO Este manual tem o objetivo de esclarecer aspectos práticos da bolsa, tais como: a obtenção

Leia mais

Roteiro Básico para Exportação

Roteiro Básico para Exportação Roteiro Básico para Exportação As empresas interessadas em efetuar exportações deverão, em primeiro lugar, inscrever-se no RADAR, que corresponde ao Registro de Exportadores e Importadores da Inspetoria

Leia mais

Portaria SECEX Nº 47 DE 11/12/2014

Portaria SECEX Nº 47 DE 11/12/2014 Portaria SECEX Nº 47 DE 11/12/2014 Publicado no DO em 12 dez 2014 Altera a Portaria SECEX nº 23, de 14 de julho de 2011, para adequar os processos de habilitação ao regime de drawback integrado isenção

Leia mais

3.3 - O Processo de Importação e Suas Etapas

3.3 - O Processo de Importação e Suas Etapas 3.3 - O Processo de Importação e Suas Etapas DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas, 2004. SILVA, Luiz Augusto

Leia mais

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014 N 628

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014 N 628 LEI N 812 de 12 de maio de 2014. Institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica - NFS-e, a Ferramenta de Declaração Eletrônica de Serviços - DES, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUAPIMIRIM,,

Leia mais

SISTEMA ADM-SOFT VERSÃO WINDOWS DEPARTAMENTO ADMINISTRATIVO COM CONTROLE DE CONTAS A PAGAR FOLHAMATIC SISTEMAS

SISTEMA ADM-SOFT VERSÃO WINDOWS DEPARTAMENTO ADMINISTRATIVO COM CONTROLE DE CONTAS A PAGAR FOLHAMATIC SISTEMAS SISTEMA ADM-SOFT VERSÃO WINDOWS DEPARTAMENTO ADMINISTRATIVO COM CONTROLE DE CONTAS A PAGAR FOLHAMATIC SISTEMAS Visual Adm - Soft Administrador de Escritório Contábil. Pág : 1 Sumário Menu Arquivos Empresas...

Leia mais

Plano alternativo específico para a modalidade LDN (Longa Distância Nacional) utilizando o CSP (Código de Seleção da Prestadora) 17 da Transit.

Plano alternativo específico para a modalidade LDN (Longa Distância Nacional) utilizando o CSP (Código de Seleção da Prestadora) 17 da Transit. A. NOME DA EMPRESA Transit do Brasil S.A. B. NOME DO PLANO Plano Alternativo de Serviço LDN (Longa Distância Nacional). C. IDENTIFICAÇÃO PARA A ANATEL PA-28 - LDN (LONGA DISTÂNCIA NACIONAL). D. MODALIDADE

Leia mais

Manual relativo a Viagem de Menores Brasileiros ao Exterior

Manual relativo a Viagem de Menores Brasileiros ao Exterior Manual relativo a Viagem de Menores Brasileiros ao Exterior Polícia Federal Senhores pais ou responsáveis, A Polícia Federal elaborou o Manual relativo a Viagem de Menores Brasileiros ao Exterior, o qual

Leia mais

NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM ACE 18 (44º PROTOCOLO ADICIONAL) BRASIL ARGENTINA PARAGUAI - URUGUAI

NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM ACE 18 (44º PROTOCOLO ADICIONAL) BRASIL ARGENTINA PARAGUAI - URUGUAI NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM ACE 18 (44º PROTOCOLO ADICIONAL) BRASIL ARGENTINA PARAGUAI - URUGUAI APROVADO PELO Decreto N 5.455 de 02/06/2005 - Vigor em 26/02/2006. Emissão

Leia mais

GUIA DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MBA EXECUTIVO

GUIA DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MBA EXECUTIVO GUIA DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MBA EXECUTIVO INÍCIO DO CURSO - Por se tratar de um modelo de ensino individualizado e exclusivo, não é necessário a formação de turmas, e o Aluno pode

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS PORTARIA Nº 160, DE 5 DE MARÇO DE 2013 Dispõe sobre a habilitação das instituições privadas de ensino superior e de educação profissional técnica de nível médio e sobre a adesão das respectivas mantenedoras

Leia mais

Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO

Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO Janeiro de 2014 Versão 1.3 1. INTRODUÇÃO O presente Regulamento é fundamental para reger as operações-chave do programa de Certificação Profissional FEBRABAN.

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Contabilidade e Finanças DCF/PROPLAN

Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Contabilidade e Finanças DCF/PROPLAN GUILHERME MARTINS SANTANA Endereço Eletrônico: g.santana@ufsc.br Documentos Obrigatórios Os documentos obrigatórios que devem acompanhar qualquer solicitação de pagamento de uma compra são: Documento fiscal

Leia mais

Estado: CEP: Fone: Fax: CONTA PARA PAGAMENTO Banco: Agência: Conta Corrente: REPRESENTANTE CREDENCIADO (PREENCHIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL)

Estado: CEP: Fone: Fax: CONTA PARA PAGAMENTO Banco: Agência: Conta Corrente: REPRESENTANTE CREDENCIADO (PREENCHIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL) EMPRESA INTERESSADA Nome/Razão Social: Nome Fantasia: E-mail: E-mail vendas: Site na web: N.º INSCRIÇÃO CNPJ: Estadual: Junta Comercial: Municipal: ENDEREÇO Endereço: Nº: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Fone:

Leia mais

Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio FAN - CEUNSP SALTO. Campus V

Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio FAN - CEUNSP SALTO. Campus V Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio FAN - CEUNSP SALTO Campus V Regulamento Interno de Estágio Supervisionado e ou Trabalho Pedagógico Supervisionado FAN-CEUNSP-SALTO -Campus V O presente

Leia mais

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal Banco do Setor público 2 Sumário Introdução 04 Cartão de Pagamento do Governo Federal CPGF 04 Passo a Passo 10 Perguntas e Respostas 12 Legislação I Ementa

Leia mais

EDITAL SOLICITAÇÃO DE VAGAS 1º/2016

EDITAL SOLICITAÇÃO DE VAGAS 1º/2016 EDITAL SOLICITAÇÃO DE VAGAS 1º/2016 O DIRETOR GERAL, da FACULDADE FIA DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS (FIA), no uso de suas atribuições regimentais, através do presente, DIVULGA as datas e os procedimentos

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica Avulsa Tributada NF-e Avulsa

Nota Fiscal Eletrônica Avulsa Tributada NF-e Avulsa Nota Fiscal Eletrônica Avulsa Tributada NF-e Avulsa 1 TRIBUTADA. MANUAL PARA EMISSÃO. 2014. INTRODUÇÃO A Nota Fiscal Eletrônica Avulsa - NF-e avulsa implementada pela Secretaria de Estado da Fazenda do

Leia mais

Como consultar o histórico de pagamentos

Como consultar o histórico de pagamentos Histórico de Pagamentos Como consultar o histórico de pagamentos O histórico de pagamentos registra todos os pagamentos feitos no estabelecimento para todos os tipos de vendas. Pode ser considerado uma

Leia mais

DECLARAÇÕES DE PRODUTO

DECLARAÇÕES DE PRODUTO CERTIFICADO DE ORIGEM ON LINE FIERGS MANUAL DE OPERAÇÕES DECLARAÇÕES DE PRODUTO Inovação tecnológica através do uso de Ferramenta de WEB para maximização da qualidade e eficiência no atendimento, com redução

Leia mais

1. Quais são os casos em que determinada importação estará sujeita a contingenciamento?

1. Quais são os casos em que determinada importação estará sujeita a contingenciamento? 1. Quais são os casos em que determinada importação estará sujeita a contingenciamento? 2. Quais são as características das Cotas Tarifárias concedidas sob os Acordos no âmbito 3. Quais são as características

Leia mais

O SERVIÇO DE EXPORTAÇÃO SIMPLIFICADA DOS CORREIOS. Prefeitura de Santo André Março/2013

O SERVIÇO DE EXPORTAÇÃO SIMPLIFICADA DOS CORREIOS. Prefeitura de Santo André Março/2013 O SERVIÇO DE EXPORTAÇÃO SIMPLIFICADA DOS CORREIOS Prefeitura de Santo André Março/2013 Exporta Fácil Conceito e Objetivo Conceito: É o serviço de exportação dos Correios, desenvolvido em parceria com a

Leia mais

INSTITUTO DAS APÓSTOLAS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS Rua Coronel Melo de Oliveira, 221 Pompéia São Paulo SP - CNPJ: 61.015.

INSTITUTO DAS APÓSTOLAS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS Rua Coronel Melo de Oliveira, 221 Pompéia São Paulo SP - CNPJ: 61.015. INSTITUTO DAS APÓSTOLAS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS Rua Coronel Melo de Oliveira, 221 Pompéia São Paulo SP - CNPJ: 61.015.087/0001-65 UNIDADE EXECUTORA: COLÉGIO COR JESU AV. L2 SUL /SGAS 615 - BRASÍLIA/DF

Leia mais

1 OBJETIVO Estabelecer diretrizes e procedimentos para o pagamento de pequenas despesas, através do Fundo Fixo.

1 OBJETIVO Estabelecer diretrizes e procedimentos para o pagamento de pequenas despesas, através do Fundo Fixo. PS 02/28 1 OBJETIVO Estabelecer diretrizes e procedimentos para o pagamento de pequenas despesas, através do. 2 ABRANGÊNCIA. 3 CONCEITOS E DEFINIÇÕES 3.1 Valor disponibilizado em Caixa da SEDE Seccional

Leia mais

EDITAL Nº 01/2012 CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDOS FILANTRÓPICA INTEGRAL E PARCIAL-2013

EDITAL Nº 01/2012 CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDOS FILANTRÓPICA INTEGRAL E PARCIAL-2013 INSTITUTO DAS APÓSTOLAS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS Colégio Cor Jesu Endereço SGAS, 615. Bloco G Asa Sul, Brasília /DF Fone: (61) 2105-6800 Fax (61) 2105-6843 E-mail: colegio@corjesu.org.br CNPJ 61.015.087/0020-28

Leia mais

Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A.

Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A. Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A. 1. Quem somos Biva Serviços Financeiros S.A. ( BIVA ) é uma plataforma online de prestação

Leia mais

CONTRATO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE ANIMAL PLANO PETMEDIC

CONTRATO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE ANIMAL PLANO PETMEDIC CONTRATO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE ANIMAL PLANO PETMEDIC QUALIFICAÇÃO Nome: DO(A) CONTRATANTE: Filiação: / Data de nascimento: / / CPF: RG: Órgão emissor: Endereço: Nº Complemento: Bairro: CEP Cidade: UF:

Leia mais

Estabelecer a rotina, diretrizes e prazos para processamento da folha de pagamento do Grupo.

Estabelecer a rotina, diretrizes e prazos para processamento da folha de pagamento do Grupo. 1/8 1. OBJETIVO Estabelecer a rotina, diretrizes e prazos para processamento da folha de pagamento do Grupo. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO DHO Desenvolvimento Humano Organizacional; SISTEMA RUBI Sistema operacional

Leia mais

Regimento Interno do Sistema

Regimento Interno do Sistema Identificação: R.01 Revisão: 05 Folha: 1 / 14 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma planta de produção com o SELO

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO CLASSIFICATÓRIO 2013

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO CLASSIFICATÓRIO 2013 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO CLASSIFICATÓRIO 2013 A Diretora Geral da Escola Superior de Propaganda e Marketing Unidade Rio de Janeiro, de acordo com o regimento interno, torna pública as normas do Processo

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 28.06.2012. Sumário:

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 28.06.2012. Sumário: NOTA FISCAL AVULSA ELETRÔNICA (NFA-e) - Preenchimento por não Contribuinte do ICMS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 28.06.2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - NOTA FISCAL AVULSA ELETRÔNICA

Leia mais

ROTEIRO OPERACIONAL DO CARTÃO BI CARD CONSIGNADO GOV. ACRE

ROTEIRO OPERACIONAL DO CARTÃO BI CARD CONSIGNADO GOV. ACRE 1. PUBLICO ALVO O publico alvo é constituído por servidores ativos e inativos do Governo do Estado do Acre com o objetivo de concessão do Cartão BI CARD possibilitando saque antecipado, saques eletrônicos,

Leia mais

PROGRAMA DE MESTRADO EM GESTÃO INTERNACIONAL EDITAL SELEÇÃO 2015

PROGRAMA DE MESTRADO EM GESTÃO INTERNACIONAL EDITAL SELEÇÃO 2015 PROGRAMA DE MESTRADO EM GESTÃO INTERNACIONAL EDITAL SELEÇÃO 2015 A ESPM torna público, para conhecimento dos interessados, que estará aberto o processo de seleção para o Programa de Pós-Graduação Mestrado

Leia mais

FORMA DE PAGAMENTO. Faturamento para órgãos públicos: apresentação de Nota de Empenho;

FORMA DE PAGAMENTO. Faturamento para órgãos públicos: apresentação de Nota de Empenho; FORMA DE PAGAMENTO Boleto bancário: O primeiro pagamento deverá ser realizado em três dias corridos após a entrega da documentação, com a emissão do boleto pela FGV. Para emissão de uma 2ª via, por atraso,

Leia mais

Palestra. SPED - Escrituração Contábil Digital - ECD - Roteiro. Julho 2012. Elaborado por: Antonio Sérgio de Oliveira

Palestra. SPED - Escrituração Contábil Digital - ECD - Roteiro. Julho 2012. Elaborado por: Antonio Sérgio de Oliveira Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

PROGRAMA INTERNACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO MONTEVIDÉU URUGUAI MESTRADO EM MARKETING E DIREÇÃO COMERCIAL

PROGRAMA INTERNACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO MONTEVIDÉU URUGUAI MESTRADO EM MARKETING E DIREÇÃO COMERCIAL PROGRAMA INTERNACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO MONTEVIDÉU URUGUAI MESTRADO EM MARKETING E DIREÇÃO COMERCIAL INFORMAÇÕES GERAIS PARA INGRESSO EM JANEIRO DE 2013 As informações abaixo visam facilitar seu entendimento

Leia mais

Resultados Consolidados

Resultados Consolidados 1ª Consulta aos associados para identificar as dificuldades enfrentadas para exportar e sobre temas de comércio exterior Resultados Consolidados Equipe de Assuntos de Comércio Exterior Maio de 2012 Total

Leia mais

Layout Padrão Febraban 240 posições V08.4 http://www.febraban.org.br. 3.5 - Vendor

Layout Padrão Febraban 240 posições V08.4 http://www.febraban.org.br. 3.5 - Vendor 3.5 - Vendor 89 3.5.1 - Descrição do Processo Objetivo O produto Vendor tem por objetivo disponibilizar, aos clientes (Vendedores) do Banco, os meios de viabilizar o processo de financiamento de suas vendas,

Leia mais