A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS NO DESEMPENHO DOS FUNCIONÁRIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS NO DESEMPENHO DOS FUNCIONÁRIOS"

Transcrição

1 ALYSSON ALVES DE SOUSA PAULA PINTO RAMALHO A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS NO DESEMPENHO DOS FUNCIONÁRIOS Tese apresentada ao curso de Especialização em Gestão de Pessoas, da Escola de Administração de Universidade Federal da Bahia, como requisito parcial para a obtenção do grau de especialista em Gestão de Pessoas. Orientador: Prof. Dr. Robinson Tenório SALVADOR

2 AGRADECIMENTOS Agradecemos primeiramente à Deus, por nos dar a Vida. Aos nossos pais, que sempre incentivaram, apoiaram nossos planos, sonhos e projetos. Aos nossos amigos queridos e colegas, que muito contribuíram para o desenvolvimento das nossas idéias. Ao querido orientador, Robinson Tenório, que dedicou seu tempo, sua paciência e seus conhecimentos para nos ajudar na construção deste projeto, sempre com muita atenção e carinho. Ao Núcleo de Especialização em Gestão de Pessoas da UFBA (NPGA), pelo apoio, pelo ensino, pelo carinho de todos professores e funcionários. A todos os entrevistados, que muito nos ajudaram a construir este projeto. 2

3 Nada é tão bom e perfeito que não possa ser melhorado e superado. William Edwards Deming 3

4 RESUMO O objetivo deste estudo é analisar até que ponto a influência da participação nos lucros vivenciada pela empresa interfere no desempenho dos funcionários. A pesquisa foi desenvolvida numa empresa do ramo jurídico, na qual foram abordadas questões para averiguar a percepção do ponto de vista do gestor e do colaborador, onde foram aplicados questionários com perguntas objetivas/subjetivas, além de uma analise documental. A pesquisa desenvolvida indicou que a participação nos lucros apresenta resultados positivos tanto para empresa quanto para seus integrantes, uma vez que acarretou aumento do desempenho e do resultado, após sua implementação. Todavia, um fator relevante detectado no estudo refere-se a desinformação por parte dos colaboradores quanto as regras estabelecidas. Em função destes fatores recomenda-se que a empresa deve disponibilizar informações precisas sobre o programa e sobre o desempenho do grupo, a fim de evitar interpretações equivocadas pelos colaboradores gerando conseqüentemente conflitos e desmotivação. ABSTRACT The goal of this study is to analyze until point the influence of the participation by the company interferes in the employees' performance. The research was developed in a company of the juridical branch, in which were boarded matters to ascertain the perception of the point of view of the manager and of the collaborator, where they were applied questionnaires, besides one analyzes documental. The developed research indicated that the participation in the profits introduces positive results so much for company as for your members, once that carried increase of the performance and of the result, after your implementacion. However, an important factor detected in the study refers to disinformation by the collaborators how much the established rules. In function of these factors it recommends that the company should make available precise information about the program and about the performance of the group, in order to avoid interpretations mistaken by the collaborators generating consequently conflicts and insatisfation. 4

5 Palavras-Chave: Remuneração variável; Participação nos lucros; Desempenho; Motivação 5

6 SUMÁRIO LISTA DE GRAFICOS LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DO PROBLEMA/JUSTIFICATIVA A PESQUISA FUNDAMENTOS TEÓRICOS REMUNERAÇÃO VARIÁVEL/PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS O CONTEXTO AMBIENTAL DAS EMPRESAS CONTEXTO DE DESEMPENHO CONCEITO DE MOTIVAÇÃO TEORIA DE MASLOW TEORIA DE MC GREGOR TEORIA DE HERZBERG TEORIA DE SKINNER TEORIA DE VROMM E ROTTER HISTÓRICO NA PARTICIPAÇÃO DOS LUCROS ASPECTOS LEGAIS CARACTERÍSTICAS DA PLR QUESTÕES DE PESQUISA SOUZA & RAMALHO: CASO EM ESTUDO HISTÓRICO ASPECTOS ESTRUTURAIS TRATAMENTO ESTATÍSTICO/ ANÁLISE DOS DADOS ANÁLISE DOS DADOS QUESTÕES SUBJETIVAS ANÁLISE DOCUMENTAL 25 6 TRATAMENTO DAS QUESTÕES DE PESQUISA CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 32 9 BIBLIOGRAFIA ANEXOS 34 6

7 LISTA DE GRAFICOS Gráfico 1.0 Sexo (Colaborador)... Pg 17 Gráfico 1.1 Sexo (Gestor)... Pg 17 Gráfico 2.0 Idade (Colaborador)... Pg 17 Gráfico 2.1 Idade (Gestor)... Pg 17 Gráfico 3.0 Grau de Instrução (Colaborador)... Pg 18 Gráfico 3.1 Grau de Instrução (Gestor)... Pg 18 Gráfico 4.0 Tempo de serviço na empresa (Colaborador)... Pg 18 Gráfico 4.1 Tempo de serviço na empresa (Gestor)... Pg 18 Gráfico 5.0 Tipo de Contrato (Colaborador)... Pg 19 Gráfico 5.1 Tipo de Contrato (Gestor)... Pg 19 Gráfico 6.0 Motivação (Colaborador)... Pg 19 Gráfico 6.1 Motivação (Gestor)... Pg 19 Gráfico 7.0 Realização pessoa/ profissional (Colaborador... Pg 20 Gráfico 7.1 Realização pessoa/ profissional (Gestor)... Pg 20 Gráfico 8.0 Expectativa à PLR (Colaborador)... Pg 20 Gráfico 8.1 Expectativa à PLR (Gestor)... Pg 20 Gráfico 9.0 Regras Claras (Colaborador)... Pg 21 Gráfico 9.1 Regras Claras (Gestor)... Pg 21 Gráfico 10.0 Cobrança por resultados (Colaborador)... Pg 21 Gráfico 10.1 Cobrança por resultados (Gestor)... Pg 21 Gráfico 11.0 Competitividade após PLR (Colaborador)... Pg 22 Gráfico 11.1 Competitividade após PLR (Gestor)... Pg 22 7

8 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS PLR PIS PASEP CF EEUU Participação nos Lucros e Resultados Programa de Integração Social Patrimônio do Servidor Público Constituição Federal Estados Unidos da América 8

9 1. INTRODUÇÃO 1.1 DEFINIÇÃO DO PROBLEMA/JUSTIFICATIVA A vantagem competitiva nas empresas se concentra no talento humano pois as pessoas são consideradas o principal ativo nas organizações. A escassez de capital humano tornou-se uma forte ameaça ao sucesso empresarial. A reengenharia modificou as estruturas organizacionais e as empresas passaram a realizar cada vez mais o trabalho em equipes mistas, interligando os departamentos. Os departamentos funcionam com menos pessoas e, por isso, esse novo modelo de trabalho exige de cada funcionário um amplo conjunto de habilidades. Sendo assim, as empresas devem recrutar e manter pessoas capazes para desempenhar múltiplas tarefas. Portanto, para extrair o máximo do potencial das novas tecnologias existentes no mercado, aumentar a produtividade e incrementar a eficiência, é necessário manter os funcionários interessados no trabalho. As pessoas trabalham nas organizações em função de certas expectativas e resultados e o seu desempenho no trabalho vai depender do grau de reciprocidade percebido por elas. A produtividade das pessoas vai aumentar se elas tiverem interesse em produzir mais. Elas estão dispostas a se dedicarem ao trabalho e às metas e objetivos da organização desde que isso lhe traga algum retorno significativo pelo seu esforço e dedicação. Daí a importância em projetar um sistema de recompensa capaz de aumentar o comprometimento das pessoas nos negócios da organização. Uma das ferramentas mais justas de recompensar os talentos e as equipes é a remuneração flexível ou variável. A remuneração flexível varia conforme critérios previamente definidos como metas e lucros da organização e interfere na produtividade do funcionário que se torna um parceiro nos negócios da empresa. A participação nos lucros surge como um modelo de remuneração variável muito importante para assegurar vantagem competitiva no mercado profissional. As empresas estão cada vez mais se conscientizando de que os funcionários devem participar do sucesso que eles tornaram possível. Este estudo pretende investigar até que ponto essa participação nos lucros interfere no desempenho dos funcionários. 9

10 1.2 A PESQUISA Esta pesquisa foi desenvolvida em Salvador-Ba, por considerar um local que está em constante crescimento no segmento de serviços, numa empresa do segmento de jurídico. A população desta pesquisa constitui-se de 25 funcionários, incluindo os 3 gestores, selecionados na empresa Souza e Ramalho Advogados Associados.1 Nesta pesquisa, procura-se investigar até que ponto a participação nos lucros influencia no desempenho dos colaboradores. Aplicou-se questionários com colaboradores e gestores de uma determinada empresa, para verificar a percepção do ponto de vista dos dois lados. As análises foram direcionadas a PLR, confrontando com o que foi visto e exposto nas literaturas que tratam sobre o assunto. Durante o período de realização da pesquisa sobre participação nos lucros, foram realizadas algumas visitas na empresa em estudo. A metodologia de pesquisa utilizada pela dupla foi: análise da documentação disponibilizada pela empresa e questionários aplicados aos colaboradores e gestores da empresa, com perguntas objetivas e subjetivas. Entendemos que estas seriam as mais adequadas ferramentas para a abordagem do trabalho. 2- FUNDAMENTOS TEÓRICOS 2.1 REMUNERAÇÃO VARIÁVEL/PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS Para Xavier (1999), a Remuneração Variável é um sistema de remuneração cuja premissa básica para o reconhecimento e recompensa é o alcance dos objetivos desejados. Segundo Chiavenato (1998, p.405), remuneração variável é a parcela da remuneração total creditada periodicamente trimestral, semestral ou anualmente a favor do funcionário. 1 Este é um nome fictício, criado para preservar a identidade da empresa em estudo, a qual não autorizou a sua divulgação, identificação. 10

11 A remuneração variável normalmente está associada à produtividade, programas de incentivo ao trabalho em equipe, distribuição de lucros e participação nos resultados dos trabalhadores por meio do "pagamento". O objetivo de se adotar a premiação do empregado visa direcionar o colaborador para atingir as metas da organização. Uma forma muito utilizada de remuneração variável é a participação nos lucros, que tem como base os resultados globais da empresa. Estabelece-se uma fórmula que determina a divisão de lucros após terem atingido certo nível. O lucro é a diferença entre despesa e receita que uma empresa possui, durante um determinado período, podendo deste modo ser positivo ou negativo, conforme sua variável. Por sua vez, resultado é a conclusão a que se chegou no final do exercício da empresa, aspecto contábil, considerando-se necessariamente os ganhos econômicos resultantes da produtividade do trabalho do empregado. O sistema de participação nos lucros vem sendo gradualmente adotado nos países mais avançados como incentivo à parceria e redutor de conflitos. Por meio dele, os trabalhadores torcem pelo sucesso da empresa e se empenham na melhoria da sua produtividade. A empresa, por sua vez, premia quem se esforça, reconhecendo sua contribuição. A Participação nos Lucros ou resultados é, obrigatoriamente, objeto de negociação entre a empresa e seus empregados, mediante procedimentos claramente definidos, escolhidos pelas partes de comum acordo. Sendo assim, certas precauções devem ser tomadas quando da definição e implantação do benefício na organização, para que não haja desentendimentos futuros entre o conceito de lucro e resultados: Lucro: No sentido técnico do comércio, lucro significa a diferença entre o capital empregado e aquilo que ele produziu, dentro de um certo tempo. Os lucros são os frutos produzidos pelo capital investido nos diversos negócios. funcionários. Resultado: São os efeitos das metas e objetivos negociados entre empresas e 11

12 A PLR não substitui ou completa a remuneração e nem constitui base de incidência de qualquer encargo trabalhista, não lhe aplicando o princípio de habitualidade. 2.2 O CONTEXTO AMBIENTAL DAS EMPRESAS O processo de rápidas mudanças ocorridas atualmente no mercado mundial identificam inúmeras variáveis atuando simultaneamente: incertezas econômicas, avanço da tecnologia, complexidade das relações, questionamento dos hábitos de vida e dos valores, contradições políticas e sociais, posicionamento ecológico, confrontações ideológicas, expectativas dos trabalhadores, agressividade da concorrência e exigências de mercado. Tudo isso ocorre sem responder a uma ação integrada e equilibrada de objetivos, de melhorias de qualidade de vida, de cooperação, enfim, sem responder a um desenvolvimento planejado da sociedade. Muitas vezes, as mudanças são até conflitantes, causando instabilidade nas pessoas, que se sentem perdidas. No entanto, as organizações enfrentam esse ambiente, interagindo com ele e recebendo o impacto dessas mudanças e das incertezas decorrentes. Esse ambiente de mudanças aceleradas impõe às empresas uma dinâmica permanente no sentido de ajustar-se às demandas de transformações, exigindo uma visão empresarial que vai muito além da preocupação e da iniciativa de colocar um produto no mercado e obter um retorno imediato. Essa visão empresarial requer um exercício da percepção para analisar o negócio na sua dimensão presente, nas suas interações com as variáveis do ambiente, porém, tendo em vista as expectativas do futuro. Tais expectativas demandam obrigatoriamente revisões e atualizações constantes do ambiente organizacional e a implementação de ações criativas e inovadoras que assegurem qualidade, rapidez, credibilidade, e competitividade. A rigidez dos padrões administrativos terá de ser substituída pela flexibilidade na formulação de novas diretrizes, novas estruturas organizacionais e atualização de políticas, normas e procedimentos operacionais que possibilitem criar o comprometimento com os desafios que se impõem. Todas essas transformações impactam no desempenho humano. 12

13 2.3 DESEMPENHO Desempenho refere-se à atuação do empregado em face de um cargo que ocupa na organização, cujo conteúdo especifica as responsabilidades, tarefas, desafios que lhe foram atribuídos. O desempenho pode ser reconhecido como uma manifestação concreta, objetiva do que o empregado é capaz de fazer. É algo que pode ser definido, acompanhado e mensurado. A força de trabalho promove mudanças no ambiente organizacional, o que requer esforço permanente de readaptação e de assimilação de novos conhecimentos. O fator humano, nesse contexto, constitui a força vital para a realização do empreendimento empresarial. Como conseqüência, os problemas de equacionamento das necessidades humanas não se esgotam com a aparente simplicidade de manter os que apresentam bom desempenho e substituir aqueles que não correspondem. Toda essa movimentação da empresa para manter-se atualizada e bem sucedida é o resultado de decisões tomadas e de ações operacionalizadas. As decisões são tomadas e praticadas por pessoas. Portanto, são as pessoas que promovem as mudanças para manter a empresa em ritmo evolutivo Isso significa que o sucesso da empresa apóia-se na competência, na capacidade inovadora e no desempenho positivo da sua força de trabalho. O grande desafio que se apresenta para as empresas será desenvolver a qualificação e o potencial de seus colaboradores para obter em contrapartida alto desempenho, aceitação de maiores responsabilidades e comprometimento com os resultados desejados, criando condições mais favoráveis à inovação, ao aprimoramento da qualidade, ao intercâmbio de informações, internamente e com o mercado e ao relacionamento com os clientes. Portanto, a preocupação permanente com o desempenho humano e como torna-lo mais eficaz na obtenção de resultados é o ponto de atenção máxima para o aumento da produtividade, objetivando o retorno rentável e a participação no sucesso do negócio. E, para haver bom desempenho do funcionário, é necessário que ele esteja motivado com o seu trabalho. 13

14 2.4 MOTIVAÇÃO Segundo Carvalho (1998, p.169), motivação é tudo aquilo capaz de impelir alguém a determinada forma de comportamento. Ela traduz o princípio que identifica o indivíduo que nunca está satisfeito consigo mesmo, sempre buscando novas formas de executar seu trabalho. A motivação humana é um tema que desperta as atenções dos cientistas e estudiosos desde o início do século XX, quando oficialmente se tem notícia das primeiras pesquisas e estudos científicos nessa área, como podemos ver a seguir: Teoria de Maslow Abraham H. Maslow foi professor de psicologia da Brandeis University e presidente da American Psychological Association. Com seu livro Motivação e Personalidade, publicado em 1954 nos Estados Unidos, tornou-se conhecido pela sua teoria da hierarquização das necessidades humanas. Maslow defendia que as necessidades subjacentes a toda motivação humana poderiam ser organizadas em uma hierarquia em cinco níveis básicos. A teoria ainda propunha que as necessidades de nível mais baixo de um indivíduo precisavam estar satisfeitas antes que ele pudesse se interessar pelas de nível superior. São elas: Necessidade fisiológica: necessidades físicas como comida, bebida, sexo, sono etc. Necessidade de segurança: Estabilidade, proteção, abrigo... Necessidades sociais: Amor, amizades, vínculos familiares etc. Necessidade de estima: sentir-se valorizado, importante, competente e valorizado. Auto-Realização: Desejo de renovar o seu potencial Para Maslow, os indivíduos possuem necessidades distintas de acordo com uma série de variáveis intrínsecas e/ou extrínsecas e somente passam a buscar a satisfação de uma necessidade de nível superior quando a inferior já estiver satisfeita de modo pleno. 14

15 2.4.2 Teoria de McGregor Posteriormente à idéia de Maslow, Douglas McGregor (1960), psicólogo, professor do Instituto de tecnologia de Massachusetts (EUA) e estudioso da área social, complementa tais afirmações dizendo que essas necessidades encontram satisfação no próprio trabalho. A obra maior de McGregor The human side of enterprise é o registro da denominada Teoria X e Y. Essa teoria mostra duas formas distintas do ser do trabalhador ou duas formas distintas de ver o trabalhador, ou seja, o trabalhador pode não ser X, mas pode ser visto como tal pelo gerente ou vice-versa. A teoria de McGregor, entre outros esclarecimentos, veio reforçar e instrumentalizar ainda mais a maneira de ver as pessoas na sociedade industrial: não somente como membros de grupos, mas, principalmente, como indivíduos Teoria de Herzberg No seu livro The Motivation to work, o professor Frederick Herzberg (1959) foi quem mais ressaltou a questão da importância da motivação no trabalho. Como resultado de seus estudos, afirmou que o maior fator motivacional para o homem encontra-se no interior do seu próprio trabalho. De acordo com a chamada Teoria dos Dois Fatores, Herzberg aponta para a idéia de que no campo motivacional existem dois tipos de fatores: a) Os que causam, predominantemente, satisfação; b) Os que causam, predominantemente, insatisfação. Os primeiros fatores, segundo Herzberg, causam satisfação ou motivação, mas a sua falta não causa necessariamente insatisfação ou desmotivação: observa-se apenas nenhuma satisfação presente. São os fatores motivadores. No segundo grupo encontram-se os fatores higiênicos que são aqueles que não motivam. Sua presença não necessariamente causa satisfação no trabalho, enquanto sua ausência causa insatisfação. Isso significa dizer que o fato de existir uma boa supervisão não é necessariamente um fator motivador, contudo, uma má supervisão ou a falta dela pode causar insatisfação no ambiente de trabalho 15

16 2.4.4 Teoria de Skinner B.F. Skinner, cientista comportamental no campo da psicologia, foi professor na universidade de Harvard (EEUU). Após exaustivas pesquisas nesse campo emitiu o conceito do reforço no comportamento, ou seja, o trabalhador que experimenta o sucesso após assumir uma atitude tende a repetir aquela atitude, na espera de um novo sucesso. Resumindo, um comportamento recompensado tende a ser repetido. Esse conceito é importante no mundo de trabalho como instrumento de gerenciamento pois as pessoas têm necessidades e, em função disso, procuram satisfaze-las. Se tiverem sucesso e tornarem a sentir as mesmas necessidades, tenderão a repetir o comportamento igualmente aos anteriores. A reflexão nos leva a pensar que um gerente pode, graças ao modelo skinneriano, por um lado suprir os reforços positivos necessários para provocar atitudes ou comportamentos que ele deseja, e, por outro, inversamente, reprimir comportamentos indesejados, deixando de recompensar o que não lhe interessa Teoria de Vromm e Rotter Dois psicólogos americanos, ambos professores de universidades americanas, desenvolveram em conjunto um modelo comportamental, publicando suas teorias e pesquisas empíricas baseadas nos seguintes campos: AUTOR Rotter Vromm CAMPO DE PESQUISA Teoria do aprendizado social Modelo de expectância A linha central de trabalho de Vromm e Rotter permeia a reflexão de que o comportamento humano é sempre orientado para resultados: as pessoas fazem coisas esperando sempre outras em troca. 16

17 Segundo o modelo desses autores, há duas variáveis que determinam a ação das pessoas: a) o valor da recompensa; b) o que se espera como recompensa A resposta que o indivíduo se coloca, diante da questão do que fazer, é diretamente proporcional não só ao que efetivamente ele deve receber em troca ao terminar a missão, mas, também, aos níveis de expectativa que ele tem em relação ao que deve receber. Nessa linha de raciocínio, por exemplo, um gerente deve ser capaz de observar seus subordinados, e saber questionar se as condições oferecidas pela organização são ideais para que eles consigam o que realmente desejam. O gerente está realmente habilitado e é competente para facilitar os caminhos que levam ao alcance dos objetivos individuais de cada um de seus subordinados. Se a resposta a essa questão for positiva, certamente grande parte do ambiente motivacional será propício HISTÓRICO DA PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS Os primeiros registros referentes à participação dos empregados nos lucros das empresas ocidentais foram feitos nos primórdios da Revolução Industrial. Em 1797 foi encontrado um sistema de participação nos lucros numa indústria de vidro nos EEUU (Lobos, 1990, p.12). Na França, em 1812, um decreto de Napoleão Bonaparte concede a participação nos lucros aos artistas da Comedie Française (Sussekind, 1997); em 1842 o industrial Leclaire implantou um sistema de participação nos lucros na sua empresa de pintura em Paris (Levering, 1997, p.239). O plano ininterrupto de participação nos lucros mais antigo em vigor na indústria americana pertence a Procter & Gamble e data de 1887 (Collins e Porras, 1995, p.196). Em 1912, na Inglaterra, tem início o plano de Eastman Kodak (Lobos, 1990, p.24). Existem países que a PLR é obrigatória, determinada por lei., como é caso do México. No México, as participações nos lucros surgiram no âmbito normativo constitucional, a qual determinou a sua compulsoriedade nas empresas industriais, agrícolas, comerciais e de mineração. Martins (2000,233) entende que esse período histórico estava enfrentando uma forma de transição 17

18 entre o sistema capitalista e o regime socialista, de maneira a haver uma participação social do trabalhador na empresa, de cooperação entre o trabalhador e o empregador, de se associar o capital ao trabalho. O dispositivo constitucional só foi regulamentado anos mais tarde. A constituição mexicana foi influenciada pelas convenções coletivas na Europa, no século XX (Sussekind, 1997). A Igreja Católica também teve grande influência na participação dos empregados nos lucros da empresa, conforme ensina Gomes (1998,244) ao afirmar que a participação nos lucros tem sido, historicamente o leit motiv de reformistas sociais, filantropos e políticos. A doutrina social da Igreja (desde as encíclicas papais e o Código de Malines até os programas do sindicalismo cristão) defende, calorosamente, a idéia da participação como instrumento de atenuação das lutas sociais. A participação nos lucros não se restringe às grandes empresas. A utilização do sistema está vinculada à ideologia do fundador, ao acreditar que o partilhamento do sucesso entre os empregados aumenta a produtividade e os lucros. Henry Ford acreditava que para o trabalhador aumentar a produtividade o mesmo deveria ser bem remunerado. Taylor, que desenvolveu estudos sobre o tempo necessário para execução de cada tarefa na fábrica chegou a propor um sistema de incentivo e remuneração para aumentar a produtividade. O Brasil possui pouca tradição de adoção do sistema de participação nos lucros mas este assunto foi tratado em todas constituições brasileiras desde A cada ano, o número de casos de aplicação da remuneração variável vem crescendo no país. 2.6 ASPECTOS LEGAIS No Brasil, o sistema de participação nos lucros das empresas surgiu pela primeira vez na Constituição Federal de 1946, em seu artigo 157, inciso IV, o qual determinava a participação direta dos empregados nos lucros da empresa, nos termos e pela forma que a lei determinar. Desta forma, a participação dos empregados nos lucros da empresa era obrigatória e direta, dependendo de regulamentação de lei ordinária que definisse o que é lucro, a forma de repartição, se dependeria de certo número de anos do trabalhador na empresa, sua produção, assiduidade, quem teria direito, o valor do pagamento e outras questões. 18

19 Com o efeito, a Constituição de 1967 assegurou a integração do trabalhador na vida e no desenvolvimento da empresa, com participação nos lucros e, excepcionalmente, na gestão, nos casos e condições que forem estabelecidos. Em 1969, alterou-se um pouco a redação do art. 158, V da CF/67 ao estabelecer que a integração na vida e no desenvolvimento da empresa, com participação nos lucros e, excepcionalmente, na gestão, segundo for estabelecido em lei. Em 1970, surgiu a Lei Complementar nº 7, que institui o programa de Integração social (PIS), custeado por um Fundo de Participação formado por contribuições dos empregadores. No mesmo ano, a lei complementar nº8 criou o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PASEP), formando o PIS-PASEP. Por fim, a Constituição Federal de 1998, institui em seu artigo 7º, inciso XI, que a participação nos lucros, está desvinculada da remuneração e, excepcionalmente, na gestão da empresa, conforme definido em lei. A participação no lucro da empresa pode decorrer de previsão legal, de acordo com a convenção coletiva, de regulamento da empresa ou contrato de trabalho (Sussekind, 1997;194) A participação no lucro da empresa está condicionada à existência de lucro líquido,ou seja, aquele existente depois de deduzidas todas as despesa da receita obtida pela empresa CARACTERÍSTICAS DA PLR Segundo (CHAVIER, 1999, pg 09) além de ser uma tendência de modernização das relações entre o capital e o trabalho, a Participação nos Lucros é uma poderosa ferramenta para o alcance de metas empresariais e de motivação para os empregados. A participação nos lucros e resultados (PLR) possui vantagens em relação a outros benefícios porque o funcionário só recebe mais dinheiro se a empresa tiver os ganhos de produtividade negociados no início do acordo. A PLR não pressiona o custo das empresas. Ela é autofinanciada com o aumento da produtividade e com a redução de custos. Com o sufoco da crise e da abertura de mercado, as empresas travaram nos últimos anos uma luta contra os custos altos e, qualquer aumento de salário seria perigoso à empresa. A divisão dos lucros foi a saída. A 19

20 motivação gerada por ela tornou-se um importante empurrão para a retomada dos negócios pois obriga o funcionário a buscar resultados e ser um empreendedor. Quanto às formas para a consumação da participação nos lucros, variadas são as experiências adotadas nos diversos ramos empresariais existentes, inclusive através de acordos coletivos. Pode-se adotar alguns critérios, como: a) Identificar as tarefas dos grupos de trabalhadores, ou individualmente, e estabelecer parâmetros para a realização destas mesmas tarefas em prazo inferior ao adotado; b) Prever metas de economia de material, redução de desperdícios, melhor aproveitamento do tempo e métodos do trabalho; c) Definir um tempo mínimo de contratação no trabalho, bem como de assiduidade no serviço e seu rendimento, estabelecendo a proporcionalidade ao tempo de serviço de cada empregado no decorrer de cada ano.. 20

21 3. QUESTÕES DE PESQUISA 1- Como os funcionários reagem ao trocarem seus benefícios relacionados à remuneração variável 2- O programa de remuneração variável melhora a produtividade do empregado? 3- Como era o quadro da remuneração antes da PLR? 4- Como era o quadro do desempenho antes da PLR? 5- Qual o quadro de desempenho depois da PLR? 6- Qual o quadro da remuneração depois da PLR? 7- Qual o objetivo da empresa ao adotar a prática da remuneração variável? 8- Quais as expectativas em relação ao programa de remuneração variável? 9- Quais as dificuldades/ facilidades para se implantar um programa de remuneração? 10- Quais as características do programa adotado? (Periodicidade, Percentual, Distribuição do prêmio) 21

22 4.0 SOUZA & RAMALHO: CASO EM ESTUDO 4.1 HISTÓRICO Em meado de 1990, um renomado advogado e seus dois filhos recém-formados em direito, decidiram montar um escritório de advocacia. Inicialmente, apenas uma secretária fazia parte do grupo. Devido à motivação, ao empreendimento e ao bom serviço prestado, o escritório adquiriu novos clientes, e, tornou-se necessário a contratação de novos advogados. Três anos depois, o escritório triplicou de tamanho, surgindo assim alguns setores como o financeiro, o administrativo e o operacional. Hoje, O SOUZA & RAMALHO Advogados Associados está entre os dez maiores escritórios (voltado basicamente para a área trabalhista) mais renomados do país. 4.2 ASPECTOS ESTRUTURAIS Trabalham na SOUZA & RAMALHO hoje 13 advogados, 1 consultor jurídico (renomado juiz aposentado), 10 estudantes de direito (estagiários), 1 gerente financeiro, 2 gerentes administrativos, 2 secretárias, 1 recepcionista, 2 bibliotecárias, 3 motoristas, 1 office-boy, 1 auxiliar de escritório, além de aproximadamente 15 advogados residentes em outras cidades que prestam serviços ao escritório. Toda esta equipe presta serviço para mais de 200 empresas, cuidando de aproximadamente processos em andamento (sendo 95% área trabalhista, 3% área cível e 2% da Justiça Federal). 22

Título: Tributação nos Planos de Participação nos Lucros e Resultados, Stock Option, Hiring Bônus, Retainer Fee OSWALDO OTHON DE PONTES SARAIVA FILHO

Título: Tributação nos Planos de Participação nos Lucros e Resultados, Stock Option, Hiring Bônus, Retainer Fee OSWALDO OTHON DE PONTES SARAIVA FILHO Título: Tributação nos Planos de Participação nos Lucros e Resultados, Stock Option, Hiring Bônus, Retainer Fee OSWALDO OTHON DE PONTES SARAIVA FILHO A Regra é a incidência do IR e das contribuições para

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

11. Abordagem Comportamental

11. Abordagem Comportamental 11. Abordagem Comportamental Conteúdo 1. Behaviorismo 2. Novas Proposições sobre a Motivação Humana 3. Teoria da Hierarquia das de Maslow 4. Teoria dos dois fatores 5. Teoria X & Y de McGregor 6. Outros

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Motivação para o Desempenho Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Heitor Duarte asbornyduarte@hotmail.com Márcio Almeida marciobalmeid@yahoo.com.br Paulo F Mascarenhas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

João Telles Corrêa Filho Março de 2010

João Telles Corrêa Filho Março de 2010 Administrar é medir. Esta frase dá bem a medida da importância de contarmos com bons indicadores. Mas, afinal, o que são e porque usar medidas de desempenho? Estas medidas, também chamadas de indicadores

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região. Sindicato dos Químicos e Plásticos de São Paulo e Região

Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região. Sindicato dos Químicos e Plásticos de São Paulo e Região 1 Entidades proponentes: Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região Sindicato dos Metalúrgicos do ABC Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté Sindicato dos Químicos e Plásticos

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO DE UM NOVO PARADIGMA PARA A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA.

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO DE UM NOVO PARADIGMA PARA A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO DE UM NOVO PARADIGMA PARA A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. INTRODUÇÃO A democratização da economia, as frequentes mudanças que se processam

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL

RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL programação do evento 4ª edição RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL 10 de abril de 2014 Staybridge Suites São Paulo PATROCÍNIO GOLD PATROCÍNIO SILVER EXPO BRAND APOIO REALIZAÇÃO Os desafios do futuro na

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MOTIVAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO NA EMPRESA MAHRRY CONFECÇÕES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Com a competição por talentos e a cobrança maior por resultados financeiros, as empresas vem procurando criar ou alterar

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Lajeado 4811 Administração LFE em Administração

Leia mais

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE Elaborado em: 22/09/2010 Autora: Walleska Vila Nova Maranhão

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF.

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Visão estratégica Visão estratégica está relacionada com alcançar os objetivos empresariais. Considera: Tipos psicológicos, Motivação:

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP PLR: pressupostos para caracterização conforme jurisprudência do CARF e a tributação dos planos de stock option Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP A TRIBUTAÇÃO DOS PLANOS DE STOCK OPTION Hipótese

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

2. Classificar atos e fatos contábeis.

2. Classificar atos e fatos contábeis. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio de ASSISTENTE FINANCEIRO II.1 PROCESSOS DE OPERAÇÕES CONTÁBEIS Função: Planejamento de Processos Contábeis 1. Interpretar os fundamentos e conceitos da contabilidade.

Leia mais

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Os papéis do executivo de RH Pessoas são os principais ativos de uma empresa e o executivo de Recursos Humanos (RH), como responsável por administrar

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

MANTENEDOR E CONTADOR

MANTENEDOR E CONTADOR MANTENEDOR E CONTADOR No ano de 2000, Darci de Paula, Contador formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em Ciências Contábeis e Pós graduado em MBA IFRS(Normas Internacionais de Contabilidade),

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Empregabilidade: uma análise das competências e habilidades pessoais e acadêmicas desenvolvidas pelos graduandos do IFMG - Campus Bambuí, necessárias ao ingresso no mercado de trabalho FRANCIELE CLÁUDIA

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2015

Programa de Remuneração Variável 2015 Programa de Remuneração Variável 2015 APRESENTAÇÃO A Remuneração Variável é parte representativa nas práticas de gestão de pessoas. O modelo tradicional de pagamento através de salário fixo, tornou-se

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

O RH dos sonhos dos CEOs

O RH dos sonhos dos CEOs O RH dos sonhos dos CEOs Expectativas e estratégias da liderança para os Recursos Humanos Presidentes de empresas de todos os portes falaram sobre a importância dos Recursos Humanos para as suas empresas

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930 AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS SEGUNDO A PERCEPÇÃO DOS COLABORADORES Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita Menezes Coutinho

Leia mais

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI CLIPPING Mídias de Primeiro Foco Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI Cliente: Fharos Data: 10/09/08 Veículo: Executivos Financeiros 2 3 Cliente: Fharos Data: 12/09/08 Veículo: Canal Executivo 4

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

*Aderbal Nicolas Müller **Everson Luiz Breda Carlin. ,1752'8d 2

*Aderbal Nicolas Müller **Everson Luiz Breda Carlin. ,1752'8d 2 $6(;,*Ç1&,$6'20(5&$'2($*(67 2'((035(6$6)$0,/,$5(6 *Aderbal Nicolas Müller **Everson Luiz Breda Carlin,1752'8d 2 A experiência dos autores com empresas familiares surgiu em processos de avaliação de empresas

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional

LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional Ao investir em pessoas o seu resultado é garantido! Tenha ganhos significativos em sua gestão pessoal e profissional com o treinamento

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Trabalho de Gestão de Pessoas Alunos: Nilce Faleiro Machado Goiânia,4 de dezembro de 2015 1 Sumário Capa...1 Sumário...2 Introdução...3

Leia mais

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL

Leia mais

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES?

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? Andrieli Ariane Borges Avelar, UNESPAR/FECILCAM João Marcos Borges Avelar,

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF

A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline de Oliveira Rocha 4

Leia mais

Blue Mind Desenvolvimento Humano

Blue Mind Desenvolvimento Humano Conhecendo o Coaching Por Fábio Ferreira Professional & Self Coach pelo Instituto Brasileiro de Coaching, com certificação internacional pela European Coaching Association e Global Coaching Community,

Leia mais