A CONTROLADORIA COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA NA MELHORIA DA GESTÃO DE PEQUENAS EMPRESAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CONTROLADORIA COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA NA MELHORIA DA GESTÃO DE PEQUENAS EMPRESAS"

Transcrição

1 A CONTROLADORIA COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA NA MELHORIA DA GESTÃO DE PEQUENAS EMPRESAS Josecleia Oliveira Bezerra Uillams Morais Lemos Prof. Me. Sérgio Henrique da Conceição (Orientador) RESUMO O presente trabalho que tem como tema A controladoria como ferramenta estratégica na melhoria da gestão de pequenas empresas aborda questões ligadas à importância dessas empresas para a economia do país e os fatores de insucesso que contribuem para a sua mortalidade precoce, haja vista que muitas delas não conseguem sobreviver aos dois primeiros anos de vida, período em que estão se adaptando ao mercado. Assim sendo, este trabalho como por objetivo geral demonstrar a aplicação da controladoria como ferramenta estratégica na melhoria da gestão de pequenas empresas. Para isso, determina como objetivos específicos: evidenciar a relevância das pequenas empresas para a economia brasileira; enfatizar a importância da controladoria para a gestão das pequenas empresas e; destacar os benefícios da controladoria através do profissional da área. A metodologia utilizada neste trabalho foi a pesquisa bibliográfica, elaborada através de publicações já existentes acerca do tema proposto como livros, artigos, boletins, dissertações, meios eletrônicos e outras contribuições. Dessa forma, constatou-se que a implantação da controladoria através do profissional da área pode proporcionar resultados significativos a essas empresas. Palavras-chave: Controladoria. Ferramenta Estratégica. Pequenas Empresas. ABSTRACT This work, which has as its theme "The controllership as a strategic tool to improve the management of small businesses", addresses issues of importance linked to those companies importance to the country economy as a whole and failure factors that contribute to their early bankruptcy, considering that many of them fail to survive the first two years of life, during which they are adapting to the market. Therefore, this study aimed to demonstrate the application of the general controllership as a strategic tool to improve the management of small businesses. For that, determines as specific objectives: highlight the importance of small businesses for the Brazilian economy, emphasize the importance of controllership for the management of small business and highlight the benefits of controllership through the professional people of that field. The methodology used was the literature research, elaborated through already existing publications on the topic proposed as books, articles, reports, dissertations, electronic media and other contributions. Thus, it was found that the 101

2 implementation of the controllership through the professional people of that field can provide meaningful results to those companies. Key-words: Controllership. Strategic Tool. Small Business. 1 INTRODUÇÃO Surgem a cada ano no Brasil mais de um milhão de novos empreendimentos, num país constituído de empreendedores motivados pela vontade de abrir o seu próprio negócio. É neste cenário que cerca de 99% são representadas por pequenas empresas. Não obstante a esse fato, essas pequenas empresas são responsáveis por mais da metade dos postos de trabalho no país. É de grande importância a existência das pequenas empresas para a economia brasileira, visto que geram emprego e renda, e ainda contribuem com 20% do PIB. E a partir de pesquisas coletadas acerca dessas empresas, descobre-se que elas possuem carências e, principalmente, dificuldades para sobreviver. Várias delas fecham as portas nos dois primeiros anos de existência, ou seja, período em que estão se adaptando ao mercado. Dessa forma, apura-se que diversos fatores podem contribuir para a mortalidade dessas organizações, entre os quais: falhas gerenciais e falta de informação, haja vista que os gestores nem sempre dispõem de conhecimentos sobre a gestão dos negócios. O número de empresas cresce consideravelmente a cada ano, implicando na urgência de um gerenciamento cada vez mais eficiente, atual e comprometido com a gestão empresarial. Esse gerenciamento também deve conduzir a empresa a criar estratégias que visem o seu crescimento, oriente seus sócios a lidarem com as dificuldades que surgem a cada dia e apresente alternativas eficazes para um melhor desempenho diante destas. Diante das dificuldades que as pequenas empresas enfrentam para sobreviver, faz-se necessário um estudo para pontua-las e, a partir disso, propor melhorias através da controladoria, uma ferramenta eficaz na otimização da gestão das empresas. A falta de conhecimento por parte dos gestores impede o crescimento e a melhoria dos negócios. Assim, o presente artigo destaca os benefícios da aplicabilidade da controladoria, como ferramenta estratégica, através do profissional da área o personal controller para 102

3 contribuir com a melhoria da gestão das pequenas empresas. Para isso, este artigo alinhouse às carências expostas por essas empresas e apresenta uma proposta de aplicação da controladoria através do planejamento estratégico. Assim sendo, o presente trabalho tem por objetivo geral demonstrar a aplicação da controladoria como ferramenta estratégica na melhoria da gestão de pequenas empresas. Para isso, determina como objetivos específicos: evidenciar a relevância das pequenas empresas para a economia brasileira; enfatizar a importância da controladoria para a gestão das pequenas empresas e; destacar os benefícios da controladoria através do profissional da área. Diante da competitividade do mercado, torna-se necessária a implantação de ferramentas eficazes que possam contribuir com a melhoria da gestão empresarial, uma vez que as decisões dos administradores influenciam os ambientes interno e externo da empresa. Com o estudo feito baseado em livros e trabalhos já publicados, foi possível formar a pesquisa bibliográfica e determinar a Controladoria como ferramenta estratégica na melhoria da gestão de pequenas empresas. Em suma, a metodologia utilizada nesse trabalho contribuiu para a construção de uma pesquisa aplicada, já que os dados apresentados poderão constituir uma aplicação prática que certamente será de grande utilidade para as Pequenas Empresas. 2 REFERENCIAL TEORICO 2.1 As Pequenas Empresas no Brasil Conforme pesquisa do Sebrae 1, mais de 1,2 milhões de novos empreendimentos surgem anualmente no Brasil. E desse total, mais de 99% são micro e pequenas empresas. Vale ressaltar que o Brasil é um dos países mais empreendedores do mundo, ou seja, um 1 Taxa de Sobrevivência das Empresas no Brasil Outubro/

4 país constituído de pessoas com espírito empreendedor para explorar algum tipo de negócio, segundo pesquisa da Global Entrepreneurshirp Monitor (GEM) 2. É grande a importância dessas pequenas empresas para a economia brasileira, pois devido a esse constante surgimento, o sonho do primeiro emprego se torna possível para as pessoas que têm dificuldade em ingressar no mercado de trabalho, haja vista a contratação de mão-de-obra, mesmo sem experiência profissional. Longenecker, Moore e Petty (2007, p.34) citam que muitas das oportunidades de emprego de que uma economia em crescimento precisa, bem como a própria sociedade, são as pequenas empresas que fornecem. Num universo de mais de 6 milhões de empresas, esses pequenos negócios representam 99% dos empreendimentos formais no país, são responsáveis por mais da metade dos empregos gerados e ainda contribuem com 20% do Produto Interno Bruto PIB, segundo dados do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE). As pequenas empresas são fundamentais para o desenvolvimento econômico, pois promovem o crescimento empregatício, o aumento da renda e a melhora da condição de vida da população. Contudo, as pequenas empresas têm dificuldade para sobreviver, principalmente, nos dois primeiros anos de vida. Nesse período elas estão se firmando num mercado competitivo e que exige, sobretudo dos gestores, um gerenciamento eficaz para sobreviver frente à concorrência (SEBRAE, 2007). Nesse cenário, segundo pesquisa do Sebrae 3, fatores como falhas gerenciais têm contribuído para a mortalidade dessas pequenas empresas. Entretanto, é bom ressaltar que em grande parte dessas empresas quem administra é o próprio dono. Este por sua vez, nem sempre tem formação contábil e nem de gestão de negócios, o que dificulta ainda mais a administração e o controle da empresa Raza, (2008, p.16). Dessa forma, coloca em risco tudo aquilo que foi investido na empresa, devido à falta de conhecimento e de ferramentas que o auxiliem no dia-a-dia. Daí, a importância de planejar e estabelecer planos para alcançar os objetivos. Acerca 2 GEM 2011 Empreendedorismo no Brasil 3 Fatores Condicionantes e Taxa de Mortalidade das Micro e Pequenas Empresas no Brasil (2007) 104

5 disso, Almeida, citada por Souza (2010, p.29), enfatiza a necessidade do planejamento e sugere os seguintes pontos: estabelecer uma clara direção do futuro; mobilizar a empresa através de uma visão comum de sucesso e de referências para alcançá-la; definir prioridades para facilitar a tomada de decisão gerencial; determinar melhor alocação de recursos para investimentos; definir necessidades de rever a concepção atual de negócios; antecipar mudanças a partir do conhecimento do ambiente onde atua, marcando presença no seu segmento de mercado; cumprir a missão social implícita e inerente a qualquer organização; e possibilitar a transformação de suas estratégias em ações efetivas e eficazes. Através da aplicação de ferramentas gerenciais os gestores das pequenas empresas podem alcançar esses objetivos, uma vez que é inerente a uma boa gestão empresarial buscar soluções para melhorar o desempenho dos negócios. 2.2 As Perspectivas para as Pequenas Empresas no Brasil A globalização tem exigido cada vez mais das empresas uma constante atualização das práticas empresariais, do aprimoramento da qualidade dos produtos, da desburocratização dos processos. Apesar das dificuldades que as pequenas empresas enfrentam para sobreviver nos primeiros anos de vida, pesquisas mais recentes mostram que as taxas de sobrevivência delas estão aumentando. A cada 100 novos empreendimentos, 73 conseguem sobreviver aos dois primeiros anos de vida (SEBRAE, Taxa de Sobrevivência das Empresas no Brasil Out/2011). Esse cenário é reflexo do atual momento da economia brasileira que, além disso, conta com um conjunto de ações desenvolvidas por instituições dedicadas ao apoio dos pequenos negócios, como o SEBRAE. De acordo com Koteski (2004), o aumento dos pequenos empreendimentos é fruto da 105

6 globalização, já que esse fenômeno exige das grandes empresas a terceirização das atividades que dão suporte ao negócio principal, para que assim aumentem a sua eficiência. Souza (2010, p.30) reforça e diz que a globalização da economia tem proporcionado o fortalecimento dos pequenos negócios. Ele ainda ressalta a importância do administrador da pequena empresa saber o que ocorre na economia do país vizinho, pois lá pode estar uma fonte de renda a ser somada à sua atividade empresarial. E com o advento da Copa de 2014 e das Olimpíadas de 2016, o Brasil tem atraído diversos investimentos. Nesse segmento, as pequenas empresas podem encontrar um horizonte de oportunidades a ser explorado. Contudo, segundo pesquisa da Deloitte 4 (2010), as pequenas empresas que contarem com planos estratégicos bem definidos e melhores condições de atendimento às necessidades do mercado estarão melhor posicionadas para aproveitar as oportunidades que surgirão. Consoante com essa pesquisa, elas precisam se adequar às novas exigências do mercado, assim como devem superar os desafios para que possam se beneficiar dessa nova fase de expansão. Sendo assim, é imprescindível a essas empresas a implantação de ferramentas estratégicas de apoio à gestão empresarial, que possam dar suporte nas decisões em busca de alcançar os objetivos. Ainda de acordo com a pesquisa da Deloitte (2010), as empresas devem manter como objetivo contínuo a conquista de novos clientes para que continuem crescendo, uma vez que uma carteira de clientes mais diversidade e maior pode deixa-las menos expostas às oscilações do mercado. Para isso, a elaboração de um planejamento estratégico para formular os objetivos e metas, com o delineamento de ações focadas no cumprimento destas, será parte imprescindível no processo de crescimento. É um mercado emergente e próspero. E diante dessa pujança de oportunidades para o cenário brasileiro, as pequenas empresas vão precisar também de profissionais qualificados, com visão estratégica, proativa, que deem respaldo à gestão empresarial com a aplicação de ferramentas eficazes. Pode-se dizer, então, um profissional capaz de propor melhorias a partir de um plano de ações estratégicas. 4 As PMES que mais crescem no Brasil Um estudo sobre as empresas que cultivam as bases da sua expansão 106

7 2.3 A Controladoria A Controladoria começou a se fundir no final do século XIX com o crescimento acirrado das empresas, porém com controle centralizado, ou seja, onde o poder decisório partia somente do proprietário, algumas organizações ainda permanecem com esse tipo de visão empresarial. Lunkes e Schnorrenberger (2009) afirmam que não existe uma data precisa para o surgimento da Controladoria no Brasil. Contudo, segundo registros, esse surgimento se deu com a chegada das grandes corporações internacionais ao país, e foi partindo desse crescimento conglomerado que surgiu a necessidade de controlar os departamentos, e logo se expandiu mundialmente. É possível encontrar, na literatura pesquisada, diversas abordagens conceituais sobre a Controladoria, isto é, vários conceitos sobre diferentes enfoques. No entanto, esta pesquisa adota o conceito apresentado por Oliveira, Perez Jr. e Silva (2011, p.5), onde a definem com um departamento responsável pelo projeto, elaboração, implementação e manutenção do sistema integrado de informações operacionais, financeiras e contábeis de uma entidade, com ou sem fins lucrativos. Nesse sentido, Almeida, Parisi e Pereira (2001, p. 346) asseveram que a missão da Controladoria é assegurar a otimização do resultado econômico da organização. Para isso, é necessário que o profissional da Controladoria esteja participando ativamente da gestão empresarial, para que assim possa interagir e apoiar no processo de planejamento. Oliveira, Perez Jr. e Silva (2011, p.6) reforçam ao dizer que: para poder contribuir com sucesso nessa missão, a Controladoria deve exercer um papel preponderante, apoiando e fornecendo subsídios para os diversos gestores no planejamento e controle das atividades operacionais (...), por meio da manutenção de um sistema de informações que permita integrar as várias funções e especialidades. A Controladoria visa garantir que a empresa cumpra sua missão, através de ferramentas estratégicas de apoio à gestão empresarial. Essas ferramentas devem atender 107

8 às necessidades da organização e ser intrinsecamente estratégica e de caráter epistemológico, pois as empresas vivem num ambiente volátil e competitivo. Segundo Oliveira, Perez Jr. e Silva (2011, p.6), o objeto principal da Controladoria é o estudo e a prática das funções de planejamento, controle, registro e a divulgação dos fenômenos da administração econômica e financeira das empresas em geral. Com isso, entende-se que a controladoria tem papel fundamental na elaboração do planejamento de uma organização, além de servir de instrumento de controle e mensuração dos resultados econômico e financeiro Funções da controladoria De acordo com o Financial Executive Institute, citado por Oliveira, Perez Jr. e Silva (2011, p.9), as principais funções da Controladoria compreendem: estabelecer, coordenar e manter um plano integrado para o controle das operações; medir a performance entre os planos operacionais aprovados e os padrões, reportar e interpretar os resultados das operações dos diversos níveis gerenciais; medir e reportar a eficiência dos objetivos do negócio e a efetividade das políticas, estrutura organizacional e procedimentos para o atingimento desses objetivos; prover proteção para os ativos da empresa. Isso inclui adequados controles internos e cobertura de seguros; analisar a eficiência dos sistemas operacionais; sugerir melhorias para a redução de custos; verificar sistematicamente o cumprimento dos planos e objetivos traçados pela organização; analisar as causas de desvios e sugerir correção desses planos ou dos instrumentos e sistemas de controle; analisar a adequação na utilização dos recursos materiais e humanos da organização; 108

9 em suma, revisar e analisar os objetivos e métodos de todas as áreas da organização, sem exceção. Para Fernandes (2000), citado por Souza (2003, p.32), considerando todas as variáveis que envolvem a gestão, o papel da atividade de controladoria é assessorar a gestão da empresa, integrando as diversas áreas com o fornecimento de informações que auxiliem os gestores no processo decisório, norteando-os na busca da eficácia. Dessa forma, a controladoria pode contribuir significativamente com a gestão dessas pequenas organizações. Para isso, é preciso alinhar suas funções às necessidades prementes expostas por essas empresas A controladoria na pequena empresa Conforme já citado por diversos autores, a Controladoria exerce um papel importante na gestão de qualquer empresa. Entretanto, esses mesmos autores abordam a controladoria num contexto encontrado somente em grandes organizações. Para Souza (2010, p.45), as observações feitas por esses autores levam a acreditar que numa pequena empresa só existirá o órgão de Controladoria quando estiver num processo de desenvolvimento. Porém, ele diz que a Controladoria poderá ser exercida em uma pequena empresa, independentemente, do estágio em que ela se encontre. Por fim, ele sugere que as pequenas organizações utilizem a controladoria terceirizada, cujas funções são exercidas por um profissional da área o personal controller. O personal controller é o responsável pelas funções da controladoria aplicada aos pequenos negócios, ou seja, a pessoa que propõe aos gestores a implantação de um planejamento e de controles adequados, auxiliando-os na implementação dessas ferramentas (SOUZA, 2010, p.46). A utilização do personal controller numa pequena organização pode ajudar os gestores a superar suas deficiências gerenciais através da implantação da controladoria, pois trata-se de um profissional tecnicamente preparado para fornecer instrumentos eficazes na melhoria dos processos e, consequentemente, no aprimoramento das informações para o 109

10 processo de tomada de decisão. Todavia, é importante ressaltar que as funções da controladoria podem se ajustar às pequenas empresas. O prof. Kanitz, citado por Souza (2010), aponta importantes pontos relacionados a essas funções, conforme a seguir: Informação: compreende os sistemas contábeis, financeiros e gerenciais; Motivação: refere-se aos efeitos dos sistemas de controle sobre o comportamento; Coordenação: visa centralizar informações com vistas à aceitação dos planos. O controller toma conhecimento de eventuais inconsistências dentro da empresa e assessora a direção, sugerindo soluções. Avaliação: interpreta fatos, informações e relatórios, avaliando os resultados por área de responsabilidade, por processos, por atividades, etc. Planejamento: assessora a direção da empresa na determinação e mensuração dos planos e objetivos; Acompanhamento: verifica e controla a evolução e o desempenho dos planos traçados a fim de corrigir falhas ou de revisá-los (os planos). 2.4 Personal Controller Para Souza (2010, p.47), o personal controller é a pessoa responsável por desenvolver uma atividade com base num programa particular e especialmente para uma pequena empresa, com respeito às suas crenças e valores, e que tem a função de planejar, informar, controlar e decidir sobre o seu desempenho, voltado para a missão e objetivos da empresa. O Personal Controller é a pessoa responsável pelo departamento de Controladoria dentro de uma empresa. E numa pequena organização, onde nem sempre dispõe de pessoal qualificado, surge então a figura do profissional da área, responsável por fornecer ferramentas estratégicas para a gestão empresarial. De acordo com Souza (2010, p.48), através do profissional da área o personal controller os gestores podem superar deficiências gerenciais, pois terão alguém tecnicamente preparado para orientá-los no processo de tomada de decisão. 110

11 E segundo Figueiredo e Cagianno (2004, p.29) para que o controller tenha um bom desempenho, este deve atender a alguns requisitos, tais como: um bom conhecimento do ramo de atividade do qual a empresa faz parte, assim como dos problemas e das vantagens que afetam o setor; um conhecimento da história da empresa e uma identificação com seus objetivos, suas metas e suas políticas, assim como com seus problemas básicos e suas possibilidades estratégicas; habilidade para analisar dados contábeis e estatísticos que são a base direcionadora de sua ação e conhecimento de informática suficiente para propor modelos de aglutinação e simulação das diversas combinações de dados; habilidade de se expressar bem, oralmente e por escrito, e ter profundo conhecimento dos princípios contábeis e das implicações fiscais que afetam o resultado empresarial. Dessa forma, considera-se que o controller deve está atento às adversidades que surgem nas organizações e ser um profissional versátil, ou seja, deve estar preparado para enfrentar as dificuldades e se dispor a buscar constantemente as atualizações e o aperfeiçoamento da sua profissão Benefícios da controladoria através do profissional da área Em sua plenitude, Souza (2010) tece que o personal controller pode ajudar a pequena empresa a aprimorar seus sistemas de informações para a tomada de decisão através de uma melhor organização dos controles com a aplicação de suas técnicas de análise. Siqueira e Soltelinho (2001) asseveram que estes controles internos devem ser montados à luz dos objetivos empresariais, de suas necessidades e de sua cultura organizacional. É necessário que os administradores das pequenas organizações entendam a importância da contribuição do profissional de controladoria para a sua empresa. Para isso, Souza (2010, p.49) enfatiza alguns benefícios proporcionados pelo personal controller, tais como: lucratividade maior, controle de custos e despesas, agregação de valor, aumento de receitas, expansão de novos negócios, criar e manter novos clientes, promover o desenvolvimento dos funcionários, habilidades para negociação, entre várias possibilidades. 111

12 Para reforçar a dimensão de possibilidades que a controladoria pode agregar à organização através do profissional da área, Lunkes e Shnorrenberger (2009, p.37) apresentam um mapa conceitual, alicerçado nas funções de planejamento, controle, sistema de informações, gestão de pessoal e organizacional, conforme figura a seguir. Figura 1 Mapa conceitual da Controladoria Fonte: Adaptado de Lunkes e Schnorrenberger (2009, p.37) E esses mesmos autores acrescentam que o controller torna-se um poderoso aliado do gestor ao lhe prover informações sobre resultados e desempenhos, comportamentos e indicações sobre possíveis medidas corretivas a serem implantadas. Auxilia também no planejamento, pois fornece informações robustas sobre erros e acertos do passado. Em suma, Oliveira, Perez Jr. e Silva (2011, p.20-21) asseguram que a Controladoria é vital para o planejamento a longo prazo de qualquer tipo de organização, com ou sem finalidades lucrativas. A dinâmica dos negócios exige cada vez mais um gerenciamento eficiente e eficaz por parte dos gestores. E como forma de contribuir com o sucesso da missão da empresa, a controladoria como ferramenta estratégica pode ser incisiva na melhoria da gestão das pequenas empresas, através do personal controller. 112

13 2.5 Planejamento Estratégico As empresas começaram a perceber, devido às constantes mudanças na sociedade bem como no ambiente dos negócios, que as estratégias por elas criadas nem sempre refletiam o que era esperado. Com isso, entende-se que os resultados devem ser monitorados constantemente para avaliar as estratégias e propor adaptações caso sejam necessárias (ANDRADE e FRAZÃO, 2011). Nesse contexto, surge o planejamento estratégico que segundo Silva e outros (2011, p.18) pode ser definido como um processo gerencial voltado a criar a adequação dos objetivos e recursos da empresa às mudanças de oportunidades de mercados. Ainda segundo esse autor o planejamento estratégico direciona as ações da empresa em busca de resultados, lucros, crescimento e desenvolvimento que assegurem seu sucesso. A implantação dessa ferramenta vem a assegurar que a empresa cumpra seu papel na sociedade, gerando riqueza e agregando valor aos negócios. Assim, o planejamento estratégico permite que os gestores definam seus objetivos, para determinar, por exemplo, aonde a empresa quer chegar; qual a razão de existência dela; quais os valores que norteiam toda a administração. Oliveira, Perez Jr. e Silva (2011, p.46) citam que uma das maiores dificuldades da gestão empresarial é criar um clima, de modo que possa antecipar as tendências. E ainda acrescentam indagações a respeito disso, conforme a seguir: Como uma empresa decide uma mudança de direção antes que seja tarde demais? Como a equipe administrativa aprende a antecipar tendências antes que surja uma grave crise que pode dificultar a reação da empresa? Como os executivos podem resistir à tentação de pretender explicar que o sucesso no passado continue a ser indicador fidedigno para o futuro? Com o mesmo sentido, esses mesmos autores afirmam que trata-se de informação estratégica, ou seja, informações que a empresa precisa obter sobre seu ambiente operacional para poder mudar e desenvolver estratégias adequadas capazes de criar valor para os clientes e de ser vantajosas em novos mercados e indústrias, em um tempo futuro. 113

14 Para Andrade e Frazão (2011, p.22), o propósito do planejamento pode ser definido como o desenvolvimento de processos, técnicas e atitudes administrativas, as quais proporcionam uma situação viável de avaliar as implicações futuras de decisões presentes em função dos objetivos empresariais que facilitam a tomada de decisão no futuro, de modo mais rápido, coerente, eficiente e eficaz. O exercício metódico do planejamento tende a reduzir as incertezas envolvidas no processo decisório e, consequentemente, provocar o aumento da possibilidade de alcance dos objetivos, desafios e metas estabelecidas para a organização. O planejamento estratégico tem muito a contribuir com a gestão das pequenas empresas, uma vez que nem sempre os gestores possuem uma visão acerca dos negócios, ou seja, não sabe aonde querem chegar, quais resultados pretendem alcançar, quais as dificuldades que impedem o crescimento, onde estão as melhores oportunidades. A aplicação do planejamento estratégico passa a ser fundamental a esses gestores para que definam com clareza o caminho a ser trilhado pela empresa. A figura a seguir demonstra o escopo do planejamento estratégico, permitindo um melhor entendimento dessa ferramenta. ONDE ESTAMOS? Diagnóstico da situação atual Figura 2 Planejamento Estratégico Fonte: Silva e outros (2011, p.31) PARA ONDE QUEREMOS IR? Missões Objetivos Políticas Estratégias COMO IREMOS? Estratégia de solução Antecipar eventos futuros é um dos desafios das empresas contemporâneas, pois maximizar o potencial existente, inibir e corrigir os pontos fracos, desenvolver e agregar novas capacidades e competências são pontos imprescindíveis à continuidade da organização (LUNKES e SCHNORRENBERGER, 2009). Mas afinal, o que compõe o Planejamento Estratégico? Quais são os elementos que podem contribuir com a melhoria da gestão da pequena empresa? 114

15 2.5.1 Componentes do planejamento estratégico Os componentes do planejamento estratégico constituem-se das etapas do plano estratégico que a empresa deve adotar a fim de alcançar as metas e objetivos. De acordo com Silva e outros (2011, p.20) o planejamento estratégico se inicia pela conceituação básica de uma empresa: visão, valores empresariais, políticas adotadas, missão e a própria definição de negócio. Ainda segundo esses autores, as empresas nascem e existem com uma finalidade, e que quando o negócio é iniciado os donos têm uma visão de futuro e valores pessoais definidos, ainda que não sejam formalizados. Além de que, com o passar do tempo várias coisas acontecem, como as condições do mercado que mudam. Daí, a importância de se definir a visão, missão e as políticas que vão nortear o rumo da empresa. Para Souza (2010, p.36-37) o gestor da pequena empresa precisa ter uma declaração de visão para que possa imaginar como a empresa será daqui a alguns anos, em termos de vendas, produção, desenvolvimento, utilização dos recursos humanos, solidificação dos negócios, entre outras coisas. E segundo Salim e outros (2005), citados por Souza (2010, p.37), a visão é uma direção estratégica, um sonho de longo prazo que deve ser perseguido, pois é isso que mantém a empresa viva. A visão empresarial deve ser alicerçada em seus valores e crenças. Segundo Joyce (1999), citado por Silva e outros (2011, p.23), os valores podem ser entendidos como as crenças básicas, os ideais e ética que são levados em conta no processo decisório da empresa. E à medida que a gestão empresarial passa a implantar seus parâmetros, todos na organização começam a entender a importância da empresa na sociedade, revistos assim de uma missão, isto é, a razão pela qual ela existe. Para Salim e outros (2005), citados por Souza (2010, p.37), a missão é aquilo que você quer que sua empresa seja. Deve ser desafiadora, mas tangível. Uma declaração de missão bem feita deve deixar claro que você entende qual é o negócio, tem uma estratégia definida e sabe como atingir seus objetivos. Nesse aspecto, para que o planejamento estratégico aconteça de forma plena é necessário ter a definição de negócio, ou seja, definir quais são os negócios da empresa, enquanto capacidade produtiva, oferta de produtos, benefícios ao consumidor, entre outros. 115

16 O quadro a seguir apresenta um breve resumo dos principais pontos do planejamento estratégico em sua etapa inicial. Destaca-se que os fatores podem influenciar as decisões da organização e que contribuem com o sucesso da empresa. Para Silva e outros (2011, p.32), para que uma organização atinja seus objetivos, é necessário que o seu desempenho no gerenciamento desses fatores considerados mais importantes os chamados fatores críticos de sucesso seja excelente. Esses fatores de sucesso são importantes para identificar variáveis ambientais crítica que pode representar os pontos fortes e fracos à organização, de modo que seu comportamento impacta de forma positiva ou negativamente um ou mais fatores de sucesso (OLIVEIRA, PEREZ JR. e SILVA, 2011, p.34). Dessa forma, na análise das variáveis externas devem-se identificar as ameaças e oportunidades, ou seja, as condições do ambiente externo que podem influenciar os rumos do negócio. Acerca disso, Fernandes (2009, p.62) cita que as ameaças se caracterizam pelos fatores que podem impedir a organização de atingir suas metas estratégicas. As oportunidades são características do ambiente externo que têm potencial para ajudar a empresa a atingir ou superar as metas estratégicas. E como forma de contribuir com a gestão empresarial na identificação dessas variáveis, sugere-se a utilização da Matriz SWOT, uma ferramenta de análise das variáveis internas e externas e que, de forma clara e objetiva, aponta os principais pontos identificados. Visão O que a empresa deseja ser no futuro Missão A razão de ser da empresa hoje Negócio Necessidades do mercado atendidas pela empresa Quadro 1 Resumo de Visão, Missão e Definição de Negócio Fonte: Silva e outros (2011, p.32) 116

17 MATRIZ SWOT FORÇAS Strengths FRAQUEZAS Weakness OPORTUNIDADES Opportunities AMEAÇAS Threats Figura 4 Matriz SWOT Fonte: Adaptado de Silva e outros (2011, p.47) Através da Matriz SWOT os gestores das pequenas empresas podem listar nos quadrantes os pontos fortes, as fraquezas, as oportunidades e ameaças, resultando num checklist dos aspectos mais importantes para determinar o plano estratégico da organização. O quadro a seguir apresenta algumas sugestões aos gestores da pequena empresa a fim de listar pontos importantes no processo de elaboração do planejamento estratégico. Forças As competências essenciais da sua empresa A capacidade para inovações Competências em vendas Competências operacionais Aumento significativo nas vendas O maior concorrente saiu do mercado Distribuição onde o concorrente não chega Quadro 2 Sugestões para Análise SWOT Fonte: Silva e outros (2011, p.49) Fraquezas Falta de domínio em competências essenciais Resistência interna à inovação Tímida participação no mercado Pouca flexibilidade operacional para crescer Gerência despreparada Concorrente a lançar algo melhor em poucos meses O diferencial competitivo não ser entendido rapidamente 117

18 Diante da elevada competitividade que as empresas enfrentam em seu ambiente de negócios, a sugestão apresentada no quadro 2 reforça a importância da utilização da Matriz SWOT como ferramenta estratégica. Corroborando a isso, Porter (1986), citado por Silva e outros (2011, p.58), listou 5 forças competitivas para dar suporte ao processo de elaboração do plano estratégico da organização, sendo: poder de negociação dos fornecedores; ameaças de novos entrantes potenciais; poder de negociação dos compradores; ameaças de produtos substitutos; e rivalidade entre as empresas existentes. Vale ressaltar a importância da análise dos novos entrantes, isto é, o ingresso de novos concorrentes, assim como a ameaça de produtos substitutos. Portanto, a implantação do planejamento estratégico vem contribuir em caráter estratégico com a gestão das pequenas no processo de elaboração do plano de ações estratégicas da organização. A figura a seguir mostra uma síntese de todo o processo de elaboração do planejamento estratégico. Crença s Valores Propósitos Princípios MISSÃO DIAGNÓTISCO ESTRATÉGICO VISÃO ANÁLISE DO AMBIENTE Análise externa Análise interna Oportunidades Pontos fortes Ameaças Pontos fracos OBJETIVOS ESTRATÉGIAS PLANO DE AÇÃO E METAS Figura 5 Síntese do processo de desenvolvimento do planejamento estratégico Fonte: Lunkes e Schnorrenberger (2009, p.51) 118

19 CONSIDERAÇÕES FINAIS O presente trabalho buscou demonstrar, de forma prática, a aplicação da controladoria como ferramenta estratégica na melhoria das pequenas empresas, pois independente do porte da empresa, sua utilização torna-se necessária a qualquer gestão que busca melhorar seus resultados de forma segura e eficaz. Com base em pesquisas realizadas sobre essas organizações, evidenciou-se a importância delas para a economia brasileira, haja vista que juntas representam 99% dos empreendimentos formais no país e ainda são responsáveis por mais da metade dos empregos gerados, além de contribuir com 20% do PIB. Apesar disso, constatou-se que elas possuem dificuldades para sobreviver, principalmente nos dois primeiros anos, período em que estão se firmando no mercado. E dentre as possíveis causas de insucesso, foram apontadas as falhas gerenciais, uma vez que nesse tipo de empresa geralmente que administra é o próprio dono, e este por sua vez, nem sempre possui conhecimentos necessários para conduzir os negócios. Dessa forma, foram destacados os benefícios da controladoria através do profissional da área o personal controller, ou seja, a pessoa que será responsável por implantar as ferramentas propostas por esta pesquisa. Nesse contexto, enfatizou-se a importância de utilizar a controladoria como ferramenta estratégica através da implantação do planejamento estratégico. Essa ferramenta vem contribuir de forma eficaz com a gestão das pequenas empresas, uma vez que sua função é estabelecer as metas e objetivos para delinear o rumo da empresa, identificando os pontos fortes e fracos, as ameaças e oportunidades, ou seja, as variáveis para se atingir tais objetivos. Sendo assim, o presente estudo abordou que a implantação da controladoria através do profissional da área pode proporcionar melhorias significantes à gestão das pequenas empresas por fornecer ferramentas eficazes de controle e planejamento. 119

20 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALMEIDA, L. B.; PARISI, C.; PEREIRA, C. A. Controladoria. In: CATELLI, A. (Coord.). Controladoria: uma abordagem da Gestão Econômica Gecon. 2. ed. São Paulo: Atlas, ANDRADE, Inacilma Rita Silva; FRAZÃO, Maria de Fátima Araújo. Estratégia em ação: Planejamento Estratégico e Balanced Scorecard na OSID. Revista Finanças, Gestão e Contabilidade (UNEB): Salvador, Disponível em: <http://www.revistas.uneb.br/index.php/financ/article/view/28>. Acesso em: 16 out DELOITTE. As PMEs que mais crescem no Brasil Um estudo sobre as empresas que cultivam as bases da sua expansão Disponível em: < 10VgnVCM a56f00aRCRD.htm>. Acesso em: 28 jul FERNANDES, Claiton. Dissertação. Um estudo exploratório das funções da controladoria em pequenas e médias empresas. Unimep: São Paulo, Disponível em: <https://www.unimep.br/phpg/bibdig/pdfs/2006/clvjyrniniib.pdf>. Acesso em: 05 ago FIGUEIREDO, S.; CAGGIANO, P. C. Controladoria: teoria e Prática. 3. ed. São Paulo: Atlas, GEM. Empreendedorismo no Brasil Disponível em: < Acesso em: 30 jul KOTESKI, Marcos Antônio. As Micro e Pequenas Empresas no Contexto Econômico Brasileiro. Revista FAE Business, n.8 maio Disponível em: < f>. Acesso em: 28 jul LONGENECKER, Justin G.; MOORE, Carlos W.; PETTY, J. William. Administração de pequenas empresas. São Paulo: Makron Books, LUNKES, Rogério João; SCHNORRENBERGER, Darci. Controladoria: na coordenação dos sistemas de gestão. São Paulo: Atlas, OLIVEIRA, Luís Martins de; PEREZ JR., José Hernandez; SILVA, Carlos Alberto dos Santos. Controladoria Estratégica. Textos e Casos Práticos com Solução. 8.ed. São Paulo: Altas, RAZA, Cláudio. Informações contábeis: o cliente não sabe pedir e o escritório contábil, 120

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO.

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO THE COMPUTING IN ADMINISTRATION Heber Ridão Silva * Leônidas da Silva JosuéAmaral Fabio Ferreira Paula Sergio Peter Albertini Aparecida Vanif.Gaion

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA

CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA CONTABILIDADE GERENCIAL: SUA APLICAÇÃO E UTILIDADE NA PEQUENA EMPRESA Marco Antonio Henrique 1, Marlene Ferreira Santiago 2, Monica Franchi Carniello 3, Fábio Ricci 4 1,2,3,4 Universidade de Taubaté/ Pró-reitoria

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS 8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Autor(es) CLAUDIO JAIR DE ALMEIDA Orientador(es) CLÓVIS LUIS PADOVEZE 1. Introdução Boa parte da literatura

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

SOBREVIVÊNCIA E MORTALIDADE DAS MICRO E PEQUENAS EMPRE- SAS: estudo dos fatores determinantes e condicionantes.

SOBREVIVÊNCIA E MORTALIDADE DAS MICRO E PEQUENAS EMPRE- SAS: estudo dos fatores determinantes e condicionantes. SOBREVIVÊNCIA E MORTALIDADE DAS MICRO E PEQUENAS EMPRE- SAS: estudo dos fatores determinantes e condicionantes. Regiane Paulo Borges 1, Dora Maria de Oliveira 2 Universidade Federal de Goiás Av. Dr. Lamartine

Leia mais

Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas

Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº150 31/08/2015 Título: Gestão dos custos em Micro e Pequenas empresas Geanderson Geraldo Silva Oliveira geandersongg@yahoo.com.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

CONTROLADORIA COMO FERRAMENTA PARA TOMADAS DE DECISÕES

CONTROLADORIA COMO FERRAMENTA PARA TOMADAS DE DECISÕES CONTROLADORIA COMO FERRAMENTA PARA TOMADAS DE DECISÕES Samira da Silva Scodeler* Acadêmico do Curso Ciências Contábeis Univás - Pouso Alegre/MG Fabio Luiz Carvalho** Univás - Pouso Alegre/MG e-mail: fabio@ipecont.com.br

Leia mais

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 GELAIN, Anna Júlia Lorenzzon 2 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; GODOY, Taís Pentiado 4 ; LOSEKANN, Andresa Girardi

Leia mais

ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL

ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL 1 ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL ORGANIZATION THE FIRST STEP TO BUSINESS CONTROL Adriane C. Lopes * Elisiane Godoy* Emanuel O. Batista* Sheila C. M. Guilherme* Aparecida Vani Frasson

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

AUTOR(ES): ALAN PONTES BATISTA, PRISCILA APARECIDA SILVA, VÂNIA DE MATOS CARDOSO

AUTOR(ES): ALAN PONTES BATISTA, PRISCILA APARECIDA SILVA, VÂNIA DE MATOS CARDOSO TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO CONTROLLER NA GESTÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): ALAN PONTES BATISTA, PRISCILA

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 9 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1 OBSERVAÇÃO: Esta apresentação é quase que a totalidade de uma apresentação do consultor em planejamento estratégico e palestrante Mario

Leia mais

Processo de Planejamento Estratégico

Processo de Planejamento Estratégico Processo de Planejamento Estratégico conduzimos o nosso negócio? Onde estamos? Definição do do Negócio Missão Visão Análise do do Ambiente Externo e Interno Onde queremos Chegar? poderemos chegar lá? saberemos

Leia mais

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT Conhecimento para a ação em organizações vivas CONHECIMENTO O ativo intangível que fundamenta a realização dos seus sonhos e aspirações empresariais. NOSSO NEGÓCIO EDUCAÇÃO

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

CONTROLADORIA: DIFERENCIAL COMPETITIVO NO PROCESSO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL

CONTROLADORIA: DIFERENCIAL COMPETITIVO NO PROCESSO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL CONTROLADORIA: DIFERENCIAL COMPETITIVO NO PROCESSO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL Ítalo Alves Gomes Rafael Rocha Salvador Prof Esp. Francisco César Vendrame Profª Esp. Jovira Maria Saraceni Profª M. Sc. Máris

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

CONTROLADORIA: TOMANDO DECISÕES EM BUSCA DA EFICÁCIA

CONTROLADORIA: TOMANDO DECISÕES EM BUSCA DA EFICÁCIA CONTROLADORIA: TOMANDO DECISÕES EM BUSCA DA EFICÁCIA NETO, Antonio Rodrigues¹ PORFÍRIO, Anderson Cassiano¹ SILVA, Carlos Eduardo Candido da¹ OLIVEIRA, Dirce Benedita de¹ SARAIVA, Antonio W. Pereira² RESUMO

Leia mais

PEMPEC - Planejamento Estratégico para Micro e Pequenas Empresas

PEMPEC - Planejamento Estratégico para Micro e Pequenas Empresas PEMPEC - Planejamento Estratégico para Micro e Pequenas Empresas Resumo. PEMPEC é um software de distribuição gratuita que visa auxiliar o gestor das micro e pequenas empresas na tomada de decisão, utilizando

Leia mais

CONTABILIDADE OU CONTROLADORIA: qual a sua escolha? José Luiz Vailatti

CONTABILIDADE OU CONTROLADORIA: qual a sua escolha? José Luiz Vailatti 1 CONTABILIDADE OU CONTROLADORIA: qual a sua escolha? José Luiz Vailatti Empresário do Ramo de Contabilidade e Controladoria, Assessor Contábil do Sincodiv-SC, Professor do Instituto Fayal de Ensino Superior

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

UMA ANÁLISE QUALITATIVA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO CONJUNTO ENTRE A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A CONTROLADORIA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL

UMA ANÁLISE QUALITATIVA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO CONJUNTO ENTRE A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A CONTROLADORIA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UMA ANÁLISE QUALITATIVA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO CONJUNTO ENTRE A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A CONTROLADORIA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL ANDRADE, Luís¹ Filipe Veri de VEGGIAN, Viviane¹ Amaro SCARPINELLI,

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO: UMA FERRAMENTA COM MULTIPLAS APLICAÇÕES

PLANO DE NEGÓCIO: UMA FERRAMENTA COM MULTIPLAS APLICAÇÕES 1 PLANO DE NEGÓCIO: UMA FERRAMENTA COM MULTIPLAS APLICAÇÕES Angela Brasil (Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas -AEMS) E-mail:angelabrasil@ibest.com.br Cleucimar Aparecida Pereira Prudente

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

A Função da Controladoria Estratégica na Competitividade de uma Empresa de Telefonia Móvel

A Função da Controladoria Estratégica na Competitividade de uma Empresa de Telefonia Móvel A Função da Controladoria Estratégica na Competitividade de uma Empresa de Telefonia Móvel Kairo William de Carvalho kairo-william@hotmail.com IPTAN Rafael de Paula Portela rafael050589@gmail.com IPTAN

Leia mais

A Importância do Planejamento Estratégico para as Pequenas Empresas

A Importância do Planejamento Estratégico para as Pequenas Empresas A Importância do Planejamento Estratégico para as Pequenas Empresas Carlos Alberto Chagas Teixeira nelson.alonso@uninove.br UNI9 nelson.alonso@uninove.br nelson.alonso@uninove.br UNI9 Vera Lucia Chaves

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Ementa Conceitos básicos de informática; evolução do uso da TI e sua influência na administração; benefícios; negócios na era digital; administração

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

A Controladoria no Processo de Gestão. Clóvis Luís Padoveze

A Controladoria no Processo de Gestão. Clóvis Luís Padoveze 1 A Controladoria no Processo de Gestão Clóvis Luís Padoveze Cascavel - 21.10.2003 2 1. Controladoria 2. Processo de Gestão 3. A Controladoria no Processo de Gestão 3 Visão da Ciência da Controladoria

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

A CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

A CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES A CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Juliana Costa Santos Prof. Me.Sérgio Henrique da Conceição (Orientador) RESUMO O presente artigo tem como tema A controladoria no processo de gestão

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

A CONTROLADORIA, O CONTROLLER E AS EMPRESAS

A CONTROLADORIA, O CONTROLLER E AS EMPRESAS A CONTROLADORIA, O CONTROLLER E AS EMPRESAS Francklin Luan da Silva 1 * RESUMO O sucesso e o equilíbrio de uma organização no ambiente atual é um dos maiores desafios para acionistas e empresários. É uma

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: GESTÃO NO RAMO DE TRANSPORTES.

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: GESTÃO NO RAMO DE TRANSPORTES. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: GESTÃO NO RAMO DE TRANSPORTES. 1 Antonia Maria Gimenes, 2 Altair Roberto Mata, 3 Ana Luiza de Oliveira Silva, 4 Pamela Andrielle Fernandes. RESUMO O presente artigo leva em consideração

Leia mais

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado.

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado. GLOSSÁRIO Accountability: obrigação de prestar contas. Responsabilização. Envolve não apenas a transparência dos processos como também a definição de responsabilidades e identificação dos responsáveis.

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Este material resulta da reunião de fragmentos do módulo I do Curso Gestão Estratégica com uso do Balanced Scorecard (BSC) realizado pelo CNJ. 1. Conceitos de Planejamento Estratégico

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios É evidente a importância de um bom plano de negócios para o empreendedor, mas ainda existem algumas questões a serem respondidas, por exemplo: Como desenvolver

Leia mais

ESTRATÉGIA DE EMPRESAS

ESTRATÉGIA DE EMPRESAS ESTRATÉGIA DE EMPRESAS Professor: Alexander Baer Fundação Getúlio Vargas MBA em Gestão de Negócios Imobiliários e da Construção Civil Resumo: Abdala Carim Nabut Neto, M.Sc. 26/02/2014 1) O que é ESTRATÉGIA?

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA MODELO CONCEITUAL DE DECISÃO RELATIVO AO EVENTO MANTER/ELIMINAR/REORGANIZAR ATIVIDADES: UMA CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

TÍTULO: O PAPEL DA EDUCAÇÃO CONTÁBIL NA GESTÃO FINANCEIRA DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

TÍTULO: O PAPEL DA EDUCAÇÃO CONTÁBIL NA GESTÃO FINANCEIRA DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS TÍTULO: O PAPEL DA EDUCAÇÃO CONTÁBIL NA GESTÃO FINANCEIRA DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico.

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Resumo A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Edwin Aldrin Januário da Silva (UFRN) aldrin@sebraern.com.br Neste trabalho, iremos descrever sinteticamente o modelo de Porte sobre

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Credenciais da 2Finance -Rápida análise da situação da empresa, elaborando relatórios que permitam ao empreendedor e seus dirigentes compreenderem a real situação da empresa

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Diferenças entre Plano de negócio e Planejamento estratégico: Perspectivas e Características.

Diferenças entre Plano de negócio e Planejamento estratégico: Perspectivas e Características. Diferenças entre Plano de negócio e Planejamento estratégico: Perspectivas e Características. Ari Melo Mariano (Universidade de Brasília-UNB) mktmariano@yahoo.es Tarcilla Mariano Mello (Universidade Salvador)

Leia mais

OS SUBSISTEMAS EMPRESARIAIS E A TOMADA DE DECISÃO

OS SUBSISTEMAS EMPRESARIAIS E A TOMADA DE DECISÃO OS SUBSISTEMAS EMPRESARIAIS E A TOMADA DE DECISÃO KELLY REGINA NASCIMENTO SILVA Discente do Curso de Tecnologia em Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS MARCELO HENRIQUE DE ABREU

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira²

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE UM MELHOR APROVEITAMENTO DO GESTOR NA ORGANIZAÇÃO BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² RESUMO O mundo tem passado por constantes mudanças, que têm

Leia mais

G t es ã tão E t s t ra é té i g? ca O Que é isso? TEORIA TE DAS DA ORGANIZA OR Ç GANIZA Õ Ç ES E Prof. Marcio Peres

G t es ã tão E t s t ra é té i g? ca O Que é isso? TEORIA TE DAS DA ORGANIZA OR Ç GANIZA Õ Ç ES E Prof. Marcio Peres Gestão Et Estratégica? téi O Que é isso? TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES Prof. Marcio Peres Estratégias Linhas de ação ou iniciativas altamente relevantes que indicam como serão alcançados os Objetivos Estratégicos.

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE S (ÁREA: GESTÃO) TECNÓLOGO SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização:A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

UMA ANALISE DO IMPACTO DA LEI DO SIMPLES NACIONAL EM MICRO EMPRESAS NO MUNICÍPIO DE LONDRINA

UMA ANALISE DO IMPACTO DA LEI DO SIMPLES NACIONAL EM MICRO EMPRESAS NO MUNICÍPIO DE LONDRINA UMA ANALISE DO IMPACTO DA LEI DO SIMPLES NACIONAL EM MICRO EMPRESAS NO MUNICÍPIO DE LONDRINA Paola Guariso Crepaldi¹, Renato Nogueira Perez Avila² Ernando Amorim Souza³, Francis Henrique Betteto 4 RESUMO

Leia mais

ANÁLISE DE CUSTOS. Prof. Dr. Armando Catelli

ANÁLISE DE CUSTOS. Prof. Dr. Armando Catelli Universidade de São Paulo Mestrado em Controladoria e Contabilidade ANÁLISE DE CUSTOS MODELO CONCEITUAL DE DECISÃO RELATIVO AO EVENTO MANTER / ELIMINAR / REORG. ATIVIDADES Prof. Dr. Armando Catelli Orientador

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Ciências Contábeis 7ª série Controladoria e Sistemas de Informações Contábeis A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido

Leia mais

A CONTROLADORIA E O SISTEMA DE INFORMAÇÕES NO PROCESSO DE GESTÃO THE CONTROLLING AND INFORMATION SYSTEM IN MANAGEMENT PROCESS

A CONTROLADORIA E O SISTEMA DE INFORMAÇÕES NO PROCESSO DE GESTÃO THE CONTROLLING AND INFORMATION SYSTEM IN MANAGEMENT PROCESS 61 A CONTROLADORIA E O SISTEMA DE INFORMAÇÕES NO PROCESSO DE GESTÃO THE CONTROLLING AND INFORMATION SYSTEM IN MANAGEMENT PROCESS Vanessa Nunes Barreto RESUMO Este artigo tem o intuito conhecer algumas

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: CONTROLADORIA PLANO DE CURSO

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: CONTROLADORIA PLANO DE CURSO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: CONTROLADORIA Código: CTB-404 Pré-requisito: ------- Período Letivo: 2013.1 Professor: ROMAR

Leia mais

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES 1 AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES Alessandra Cristina Rubio¹ Josiane Marcacini Silva² RESUMO Thiago Silva Guimarães³ A auditoria interna é de suma importância para as organizações,

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

PRÁTICAS GERENCIAIS COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO COMERCIO VAREJISTA DE CONFECÇÃO EM IPORÁ-GO

PRÁTICAS GERENCIAIS COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO COMERCIO VAREJISTA DE CONFECÇÃO EM IPORÁ-GO 4 PRÁTICAS GERENCIAIS COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO COMERCIO VAREJISTA DE CONFECÇÃO EM IPORÁ-GO RESUMO Ricardo Daher Oliveira Faculdades Alves Faria E-mail: ricardo.daher@alfa.br

Leia mais

Introdução a Gestão de Projetos e Pequenos Negócios: introdução a pequena empresa Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Introdução a Gestão de Projetos e Pequenos Negócios: introdução a pequena empresa Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Introdução a Gestão de Projetos e Pequenos Negócios: introdução a pequena empresa Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo

Leia mais

Ilmara de Jesus Oliveira 1, Cleide Ane Barbosa da Cruz 2

Ilmara de Jesus Oliveira 1, Cleide Ane Barbosa da Cruz 2 A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DO TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO NAS ORGANIZAÇÕES Ilmara de Jesus Oliveira 1, Cleide Ane Barbosa da Cruz 2. O presente artigo apresenta os conhecimentos teóricos acerca da importância

Leia mais

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alexandre Assaf Neto O artigo está direcionado essencialmente aos aspectos técnicos e metodológicos do

Leia mais