Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa"

Transcrição

1 Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa

2 Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita. O trabalho com leitura e escrita. O papel do professor na construção da escrita.

3 Conteúdo programático Unidade II: Ler e escrever é muito mais do que simplesmente codificar e decodificar O fim das cartilhas em sala de aula; Comunicação e linguagem; Sondagem da escrita infantil; Ao desenhar, a criança escreve; Concepções da criança sobre símbolos linguísticos antes da alfabetização; A linguagem escrita Textos; Jogos de análise linguística; Letra cursiva e letra de fôrma; Ortografia e gramática; Avaliar o aluno:avaliação normativa e Avaliação qualitativa; O papel do erro.

4 O fim das cartilhas em sala de aula Os primeiros trabalhos escolares de Alfabetização, na época do Brasil colônia foram com cartilhas ( quando ainda se aprendia Latim na escola).

5 Método Fônico. Enfatizava a menor unidade da fala, o fonema, e sua representação na escrita, ensinando formas e os sons das vogais. Aumentando o nível de complexidade conforme o tempo de escolaridade. A letra aprendida tem um som que mais outro som, forma sílabas e palavras.

6 Cartilha brasileira

7 Cartilha... Assim o Brasil caminhou com a escolaridade infantil, a partir da década de 1980, a discussão sobre como ensinar foi substituída pela discussão sobre como se aprende a ler e a escrever, o que refletiu em novos materiais didáticos.

8 Interatividade Qual a razão de se condenar o uso da Cartilha nos dias de hoje? a) Sua linguagem é irreal. b) Sua abordagem é didática. c) Suas letras mudaram no alfabeto. d) Seus textos são expressivos. e) Sua lógica é muito infantil.

9 Ao desenhar, a criança escreve No segundo ano de vida a criança é capaz de executar uma série de ações que evidenciam seu progresso ao controlar movimentos. No terceiro ano começa a ter prazer em rabiscar. Assim o controle aumenta e aos quatro anos começa a desenhar formas, curvas em direções contrárias. Começa a atribuir significado ao seu desenho. Aos cinco anos, o desenho e a escrita envolvem a representação, a oralidade, o faz de conta, o movimento.

10 A escrita infantil A criança inicia seu processo de Alfabetização quando passa a usar um nome. Tem Vida, história, nome, significado social.

11 O percurso da criança alfabetizada: homem ao longo da história Pictórico: desenho; Símbolo: reconstrução do código linguístico.

12 O percurso da criança alfabetizada: homem ao longo da história Inicialmente, desenha de memória, depois substitui traços que lembram o objeto desenhado por sinais indicativos ou figuras e, por último, utiliza-se dos signos. Como a humanidade, parte do desenho (pictórico) para a simbologia (alfabeto).

13 Concepções da criança sobre símbolos linguísticos antes da alfabetização A criança precisa do adulto para buscar semelhanças entre o que produz e o objeto representado. Busca estímulos para fazer seus registros. Os avanços na capacidade representativa chegam com os seis anos de vida. O que acontece em seus desenhos reflete suas construções mentais.

14 Escrevendo lendo A criança alcança um determinado nível de raciocínio à medida que sua capacidade de criação é respeitada. Os conhecimentos evoluem porque a criança internaliza o que lhe falam e passa a agir com o que observou e entendeu.

15 Interatividade Considerando o contexto da escrita para a criança, é correto assumir que: a) A criança pensa a escrita e percebe os símbolos que se apresentam no mundo. b) A criança só entende a função da escrita quando vai à escola. c) A criança só inicia a alfabetização aos sete anos. d) A criança não pensa a escrita, cabe ao educador produzir esse pensamento. e) O professor determina o ritmo da alfabetização.

16 Comunicação e linguagem Magda Soares. Pesquisadora da linguagem. Introdução do conceito de Letramento.

17 Magda Soares M-Mineira de Belo Horizonte, Doutora, Criadora: A-A fundadora do CEALE-Centro de Alfabetização G-Garantida ação na qualidade da Leitura e Escrita D-Da Faculdade Federal. Professora merecedora: A-A detentora da digna Comenda Lúcia Casasanta. B-Benfeitora Emérita da Universidade Federal E-ExcelentesExcelentes obras didáticas vem publicando C-Como instrumentos de transformação social, K-Km, quilômetros de linhas vem divulgando E-Especialmente em defesa da Língua Portuguesa, R-Referente Comunicação de Massa, com certeza. S-Sua pesquisa transcende a Alfabetização, O-Orienta Orienta planos educacionais internacionais, A-A filha do Médico-Professor Caio Líbano Soares. R-Referência para Consultoria e Conferências. E-E Membro de várias Comissões Nacionais S-Serviços de Avaliação: MG, SP, MEC e AMAE. Belo Horizonte, 24 de outubro de 2001Fonte: Silvia Araujo Motta. Publicado no Recanto das Letras em 01/12/2005 Código do texto: T79708

18 Magda Soares Aborda a questão do letramento, conceito introduzido há pouco tempo no campo da educação, se refere ao resultado da ação de ensinar e aprender as práticas sociais de leitura e escrita, ao estado ou condição que adquire um grupo social ou um indivíduo, como conseqüência de ter-se apropriado da escrita e de suas práticas sociais.

19 A autora Não considera a língua como instrumento de transmissão de mensagens, como veículo de comunicação por meio do qual alguém diz algo para alguém que simplesmente ouve. Considera sim, como processo de interação, momento de inter-agir ( sujeito + sujeito), construção de significados, trocas lingüísticas segundo as relações que cada um mantém com a língua. A atividade sugerida para o Letramento infantil é a que se materializa na forma de discurso, de práticas discursivas, desenvolvidas desde o inicio da alfabetização.

20 A atividade sugerida para o letramento Se materializa na forma de discurso, de práticas discursivas, desenvolvidas desde o inicio da alfabetização. Os textos orais (fala) e escritos (escrita) são usados dependendo das produções e sempre estabelecendo a construção de respostas para: Quem escreve?o que escreve?para quem escreve? Quando e onde escreve (situação temporal, espacial, social e cultural)?

21 Após a fundamentação do termo letramento Necessário pensar que a escola precisa considerar as situações pedagógicas: Promover práticas de oralidade e de escrita, integradas, favorecendo a identificação das relações estabelecidas entre a fala e a escrita. Desenvolver habilidades de uso da língua escrita em situações discursivas, motivando a ler textos de diferentes tipos e funções. Produzir textos para diferentes interlocutores, em diferentes situações e condições de produção. Desenvolver habilidades de ouvir textos orais e de diferentes gêneros, com diferentes funções.

22 Trabalho textual Permite à criança compreender como funciona a escrita e como pode ser empregada socialmente. A sala de aula deve conter material escrito como livros, jornais, gibis, revistas e cartazes que estimulem a leitura da criança.

23 Atividades de ação pedagógica Jogos para contato com a linguagem escrita: Leitura de obra de arte;atividades com rótulos; texto coletivo; notícias; jogos de rimas; procurando palavras;músicas; bilhete; Acesso a textos diversificados: Textos práticos;textos informativos; textos literários; textos extraverbais.

24 Análise linguística Porque embasa a aquisição do valor sonoro convencional à criança e a ajuda na reconstrução do código linguístico. O trabalho com análise linguística possibilita à criança corresponder sons com as letras e adquirir valores sonoros convencionais.

25 Atividades de ação pedagógica Alfabeto ilustrado: pedir para as crianças recortarem de revistas gravuras cujos nomes comecem com a letra de seu nome. Alfabeto concreto: solicitar às crianças que separem objetos ou figuras e classifiquem-nas de acordo com a letra com que começa cada objeto ou figura coletada.

26 Ler e escrever Hoje se sabe que as crianças constroem simultaneamente conhecimentos sobre a escrita e a linguagem que se escreve. Ler para os alunos. Assumir a situação de escriba, quando eles ainda não sabem ler e escrever.

27 Interatividade Para começar a alfabetização o que o professor deve usar: a letra cursiva ou a letra de fôrma? a) Cursiva. b) De fôrma. c) As duas. d) Qualquer uma. e) A letra que o professor preferir

28 Letra cursiva e letra de fôrma A criança tem maior contato com a letra de fôrma devido ao seu uso frequente por jornais, revistas, letreiros, informes de supermercado etc. Seu traçado é fácil e as letras são separadas uma das outras, o que possibilita a identificação da letra pela criança e a sua percepção das regras de combinação do código linguístico.

29 Ortografia e gramática Alguns professores não corrigem os textos escritos. Não ajudam na construção correta da imagem mental das palavras no texto.

30 Autocorreção A própria criança pode re-escrever as palavras erradas, após a comparação com as palavras certas. O professor pode grifar as incorretas e pedir que procure as corretas no dicionário, internet, livros etc.

31 Pontuação Ensina-se pontuação quando o aluno é alfabético e escreve texto. Um texto coletivo pode ser dramatizado como se não houvesse pontuação e junto com as crianças colocar a pontuação. Trabalhar a respeito das expressões faciais e que no texto são representadas pela pontuação para expressar nossos pensamentos.

32 Avaliação. A avaliação está relacionada à visão que o professor, os pais, os alunos e a equipe como um todo têm do mundo, de suas expectativas em relação ao processo do ensino e da aprendizagem.

33 O papel do erro no processo educativo e na avaliação O erro costuma ser desconfortante para quem o comete porque é visto como algo negativo, portanto, ninguém deve cometê-lo. Porém,segundo Piaget, os conceitos são construídos num processo de autorregulação, quando as pessoas corrigem as ações consideradas erradas por não alcançarem os objetivos propostos e estabelecidos.

34 Interatividade Por que a leitura e a escrita são considerados os conteúdos centrais da escola? a) Porque têm a função de incorporar a criança à cultura do grupo em que ela vive. b) Porque são considerados assuntos a serem abordados por todos os parentes das crianças. c) Porque os professores vivem discutindo essas questões e nunca conseguem chegar a um objetivo. d) Porque não há, em nenhuma escola brasileira, uma ideia formada a esse respeito. e) Porque nós, alunos, precisamos saber o que não devemos falar em uma situação escolar.

35 ATÉ A PRÓXIMA!

Índice. 5.1. Correção das Palavras do Texto... 5 5.2. Autocorreção... 5 5.3. Pontuação... 6 5.4. Escrita Ortográfica... 6. Grupo 5.

Índice. 5.1. Correção das Palavras do Texto... 5 5.2. Autocorreção... 5 5.3. Pontuação... 6 5.4. Escrita Ortográfica... 6. Grupo 5. GRUPO 5.4 MÓDULO 5 Índice 1. Reconstrução do Código Linguístico da Criança...3 2. Textos...3 3. Jogos de Análise Linguística...4 4. Letra Cursiva e Letra de Fôrma...4 5. Ortografia e Gramática...5 5.1.

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade I ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa A teoria construtivista: principais contribuições, possibilidades de trabalho pedagógico. Conceito de alfabetização: história e evolução.

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade III ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Aula anterior O fim das cartilhas em sala de aula; Comunicação e linguagem; Sondagem da escrita infantil; Ao desenhar, a criança escreve;

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG)

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) 1 QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) Este trabalho tem por objetivo traçar um perfil dos professores alfabetizadores da rede

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL LÍNGUA INGLESA ESCOLA: PROFESSOR: /DISCILPLINA: LÍNGUA INGLESA CICLO DE APRENDIZAGEM: / ANO: PERÍODO

PLANEJAMENTO ANUAL LÍNGUA INGLESA ESCOLA: PROFESSOR: /DISCILPLINA: LÍNGUA INGLESA CICLO DE APRENDIZAGEM: / ANO: PERÍODO PLANEJAMENTO ANUAL LÍNGUA INGLESA ESCOLA: PROFESSOR: /DISCILPLINA: LÍNGUA INGLESA CICLO DE APRENDIZAGEM: / ANO: PERÍODO HABILIDADES CONTEÚDOS ORIENTAÇÂO DIDÁTICA Listening RECURSO AVALIAÇÃO Ouve e entende

Leia mais

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino Pedagogia Profª Silvia Perrone Ensino de Língua Portuguesa Roteiro Teorias que orientam o ensino: empirista e construtivista. A visão de texto nas diferentes teorias. Ensinar a produzir textos na escola.

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

Alfabetização e Letramento www.scipione.com.br/letramento

Alfabetização e Letramento www.scipione.com.br/letramento AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM ORAL E DA LINGUAGEM ESCRITA PELA CRIANÇA Professor(a), ao abordarmos, no texto anterior, a linguagem escrita como uma das múltiplas linguagens da criança, procuramos enfatizar a

Leia mais

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC Coordenação de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa Ciclo de Aprendizagem I e II MARCOS

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Síntia Lúcia Faé Ebert Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS SMED/POA- Escola M. E. F. João Antônio Satte Cristiane Lumertz Klein Domingues

Leia mais

ALFABETIZAR LETRANDO: DESAFIOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA ALFABETIZADORA

ALFABETIZAR LETRANDO: DESAFIOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA ALFABETIZADORA ALFABETIZAR LETRANDO: DESAFIOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA ALFABETIZADORA Georgyanna Andréa Silva Morais ¹ RESUMO O presente artigo é parte integrante das discussões empreendidas na pesquisa do Mestrado em Educação

Leia mais

A APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO. Ano 02 Unidade 03

A APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO. Ano 02 Unidade 03 CONCURSO DA EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE CARGO: PROFESSOR 1 / 2015 A APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Ano 02 Unidade 03 ( F

Leia mais

A relação entre a fala e a escrita

A relação entre a fala e a escrita A relação entre a fala e a escrita Karen Alves da Silva Proposta e objetivo: Partindo de um episódio de escrita, podemos refletir sobre: de que maneira está posta a relação entre escrita e oralidade; como

Leia mais

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Título do artigo: UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Disciplina: Alfabetização Selecionadora: Beatriz Gouveia 16ª Edição do

Leia mais

LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Kelly Cristina Costa Martins 1 Simônica da Costa Ferreira 2 Introdução Nos dias atuais percebemos

Leia mais

PNAIC. CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa

PNAIC. CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa PNAIC POLO DE POÇOS OS DE CALDAS Equipe do PNAIC-CEAD CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa Supervisão de avaliação ão: Profa. Dra. Carla

Leia mais

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P.

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P. Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento Prof. Juliana P. Viecheneski O que nos vem à mente quando falamos em rotina? Na prática

Leia mais

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários.

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários. PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS Zeni Aguiar do Nascimento Alves i Zênio Hélio Alves ii O SESC LER Zona Norte de Natal desenvolve atividades que evidenciam a questão da

Leia mais

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18).

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18). SUGESTÕES PARA O APROVEITAMENTO DO JORNAL ESCOLAR EM SALA DE AULA 1ª a 5ª série A cultura escrita diz respeito às ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Esse processo

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

Disciplina:francês Aulas por semana: 4. 7.º anos

Disciplina:francês Aulas por semana: 4. 7.º anos Disciplina:francês Aulas por semana: 4 7.º anos Competências: competências comunicativas da receção e produção adequadas ao ano de escolaridade (Falar, Escrever, Ler, Ouvir) domínio das ferramentas linguísticas

Leia mais

4. Implicações pedagógicas

4. Implicações pedagógicas Esta criança tem 4 de idade. Verifica-se que se utiliza das letras de seu nome e apenas vai rearranjando sua ordem. Sua leitura é global. Caracterizando-se, portanto no nível 2 diferenciação na escrita.

Leia mais

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS TESTE 2 SEGUNDO SEMESTRE 2010 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Presidência do Instituto Nacional

Leia mais

A apropriação do Sistema de Escrita Alfabética e a Consolidação do Processo de Alfabetização. Unidade 3

A apropriação do Sistema de Escrita Alfabética e a Consolidação do Processo de Alfabetização. Unidade 3 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA A apropriação do Sistema de Escrita Alfabética e a Consolidação

Leia mais

CURRÍCULO 1º ANO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM

CURRÍCULO 1º ANO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM CURRÍCULO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM ORALIDADE Formar frases com seqüência e sentido. Relacionar palavras que iniciam com vogais. Associar primeira letra/som em palavras iniciadas por vogal. Falar

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA ALFABÉTICA: UMA ANÁLISE DA ESCRITA DE DISCENTES DO 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA ALFABÉTICA: UMA ANÁLISE DA ESCRITA DE DISCENTES DO 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA ALFABÉTICA: UMA ANÁLISE DA ESCRITA DE DISCENTES DO 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Francisca Roseneide Gurgel Campêlo Graduanda de Pedagogia CAMEAM/UERN Francisca Rozângela Gurgel

Leia mais

METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO E DA LÍNGUA PORTUGUESA 1. METODOLOGIA DO ENSINO DE ALFABETIZAÇÃO

METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO E DA LÍNGUA PORTUGUESA 1. METODOLOGIA DO ENSINO DE ALFABETIZAÇÃO METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO E DA LÍNGUA PORTUGUESA 1. METODOLOGIA DO ENSINO DE ALFABETIZAÇÃO Nos últimos anos, as discussões sobre o conhecimento de nossas crianças e jovens têm se multiplicado. As críticas

Leia mais

Plano de Estudo 3ª Etapa

Plano de Estudo 3ª Etapa Plano de Estudo 3ª Etapa NÍVEL DE ENSINO: ENSINO FUNDAMENTAL I ANO: 1º Srs. Pais, SAÚDE E PAZ! Esse plano de estudo tem como finalidade levá-los a conhecer melhor a proposta desenvolvida no 1º ano. Nele

Leia mais

Palavras chaves: Processo de Alfabetização. Aprendizagem. Leitura e escrita.

Palavras chaves: Processo de Alfabetização. Aprendizagem. Leitura e escrita. O PROCESSO DE APRENDIZAGEM DA ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS: ANÁLISE DOS NÍVEIS DE ESCRITA Alexsandra Vieira Cardoso Graduanda do curso de Letras IFPB Email: Morgana.vc1@hotmail.com Francisca Edneide Cesário

Leia mais

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Hernandes Santos, Amarílis Alfabetização na inclusão

Leia mais

Alfabetização e letramento. Professora : Jackeline Miranda de Barros

Alfabetização e letramento. Professora : Jackeline Miranda de Barros Alfabetização e letramento Professora : Jackeline Miranda de Barros O que é alfabetização? O que é letramento? Qual o melhor método? Como alfabetizar? Para início de conversa, vamos exercitar nossa memória...

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

Apropriação do SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA

Apropriação do SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA Unidade 3 6º encontro Orientadora: Elaine R. Cruz Ortega Apropriação do SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA Apropriação do SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA Ano 1: A escrita alfabética: por que ela é um sistema

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Educação Coordenadoria de Cooperação com os Municípios PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PAIC

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Educação Coordenadoria de Cooperação com os Municípios PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PAIC GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Educação Coordenadoria de Cooperação com os Municípios PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PAIC Caro (a) professor (a), ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS PARA O 2º ANO Cientes

Leia mais

111 ENSINO FUNDAMENTAL

111 ENSINO FUNDAMENTAL ENSINO FUNDAMENTAL 111 A ORGANIZAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NO MUNICÍPIO 112 O Sistema Público Municipal de Ensino de Viana, acompanhando as mudanças educacionais de ordem político-pedagógica

Leia mais

Por que o Joãozinho não aprende a ler. João Batista Araujo e Oliveira Presidente do Instituto Alfa e Beto

Por que o Joãozinho não aprende a ler. João Batista Araujo e Oliveira Presidente do Instituto Alfa e Beto Por que o Joãozinho não aprende a ler João Batista Araujo e Oliveira Presidente do Instituto Alfa e Beto PISA 2012 - Língua Portuguesa Média OCDE 500 Média Brasil 412 1o decil 340 9o decil 420 10o decil

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM

EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM COMUNICAÇÃO FASE I FASE II ORALIDADE Transmitir recados simples. Formar frases com seqüência. Argumentar para resolver conflitos. Verbalizar suas necessidades e

Leia mais

Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais

Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais Datas: 11 e 18 de Setembro Horário: 14:00h às 17:40h Carga Horária: 8 horas Vagas: O número mínimo de inscritos será: 20 pessoas

Leia mais

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Prof. Juliana Pinto Viecheneski LIVRO DIDÁTICO ONTEM E HOJE A escola tem um papel fundamental para garantir o contato com livros desde a primeira infância:

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Alfabetização Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) História

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As letrinhas mágicas. 2. EPISÓDIO TRABALHADO Uma tarde assustadora. 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Nesse emocionante episódio, enquanto as vogais

Leia mais

Aprendizagem e linguagem. Terezinha Costa Hashimoto Bertin tecabertin@uol.com.br

Aprendizagem e linguagem. Terezinha Costa Hashimoto Bertin tecabertin@uol.com.br Aprendizagem e linguagem Terezinha Costa Hashimoto Bertin tecabertin@uol.com.br Ensino e aprendizagem em língua portuguesa: alguns percursos Década de 70 Lei 5692/71 - Alteração de concepção sobre as áreas

Leia mais

Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 AQUISIÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA

Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 AQUISIÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/proletr/fasciculo_port.pdf Antônio Augusto Gomes Batista Ceris S. Ribas Silva Maria das Graças de Castro Bregunci Maria

Leia mais

Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná

Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE METODOLOGIA PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS E ALFABETIZAÇÃO FORMAÇÃO DE DOCENTES

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA. Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Período: Três semanas.

ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA. Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Período: Três semanas. ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática I Era uma vez um gato xadrez... Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA NO APRENDIZADO DA ESCRITA E DA LEITURA: UM OLHAR MAIS CUIDADOSO PARA OS DISLÉXICOS

A IMPORTÂNCIA NO APRENDIZADO DA ESCRITA E DA LEITURA: UM OLHAR MAIS CUIDADOSO PARA OS DISLÉXICOS A IMPORTÂNCIA NO APRENDIZADO DA ESCRITA E DA LEITURA: UM OLHAR MAIS CUIDADOSO PARA OS DISLÉXICOS Polyana Lucena Camargo de Almeida (G-UEL) poly_uel@yahoo.com.br Viviane Boneto Pinheiro (G-UEL) vivianeboneto@hotmail.com

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Projetos 2013. Turmas: Maternal e Mini Maternal PROJETO AMIZADE. Justificativa

Projetos 2013. Turmas: Maternal e Mini Maternal PROJETO AMIZADE. Justificativa Projetos 2013 Turmas: Maternal e Mini Maternal Justificativa PROJETO AMIZADE Devido aos constantes conflitos e preconceitos que se encontram e que presencia-se no dia a dia das crianças no seu meio social,

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

O APRENDIZADO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Moabe Vieira 1

O APRENDIZADO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Moabe Vieira 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos O APRENDIZADO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Moabe Vieira 1 Sônia Ferreira de

Leia mais

O posicionamento teórico do alfabetizador e...

O posicionamento teórico do alfabetizador e... Page 1 of 6 suas conseqüências Prof. Ms. Joana Maria Rodrigues Di Santo Após as pesquisas de Emilia Ferreiro e Ana Teberosk sobre a psicogênese da língua escrita, ficou claro que a capacidade de ler e

Leia mais

OBJETIVO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA APRENDIZAGEM

OBJETIVO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA APRENDIZAGEM A FORMAÇÃO TEÓRICO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA NOVA CONCEPÇÃO DE ENSINO- APRENDIZAGEM PROFª.. MS. MARIA INÊS MIQUELETO CASADO 28/05/2009 OBJETIVO - Contribuir para a reflexão

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 No ano de 2009 o Departamento de Educação Fundamental, tem como meta alfabetizar 100% das crianças dos anos iniciais

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO 1 POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO SOUSA, Grazielle de Jesus Leal de 1 RESUMO O ensino de língua portuguesa ainda é visto por muitas pessoas como um ensino mecânico, cheio de regras e

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Bruna Mendes Muniz 1 Gislaine Aparecida Puton Zortêa 2 Jéssica Taís de Oliveira Silva

Leia mais

Alfabetização. O que pensam as crianças sobre a escrita. A psicogênese da língua escrita. Pedagogia. Profa. Silvia Perrone

Alfabetização. O que pensam as crianças sobre a escrita. A psicogênese da língua escrita. Pedagogia. Profa. Silvia Perrone Pedagogia Profa. Silvia Perrone Alfabetização O que pensam as crianças sobre a escrita Um breve histórico das idéias sobre alfabetização. A Psicogênese da Língua Escrita Emília Ferreiro. As hipóteses das

Leia mais

A ALFABETIZAÇÃO NA PERSPECTIVA DE SUA EVOLUÇÃO E DA LUDICIDADE COMO FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA.

A ALFABETIZAÇÃO NA PERSPECTIVA DE SUA EVOLUÇÃO E DA LUDICIDADE COMO FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. A ALFABETIZAÇÃO NA PERSPECTIVA DE SUA EVOLUÇÃO E DA LUDICIDADE COMO FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. PRESTES, Jessica Franson Discente na Graduação do Curso de Pedagogia na

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos

Leia mais

1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação

1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação 1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação PORTUGUÊS Domínios em Domínios/Competências Fatores de ponderação Instrumentos de Domínio Cognitivo Compreensão oral 20% Registos e grelhas de observação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 16 outubro de 2012) No caso específico da disciplina de PORTUGUÊS, do 3.º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

Apropriação do sistema de escrita: capacidades a serem atingidas ao longo do ciclo de alfabetização na Educação Infantil

Apropriação do sistema de escrita: capacidades a serem atingidas ao longo do ciclo de alfabetização na Educação Infantil Maria Celia Montagna de Assumpção Apropriação do sistema de escrita: capacidades a serem atingidas ao longo do ciclo de alfabetização na Educação Infantil Nessa aula, você verá alguns conhecimentos que

Leia mais

ANEXO II CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS PARA A PROVA ESCRITA

ANEXO II CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS PARA A PROVA ESCRITA ANEXO II CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS PARA A PROVA ESCRITA PARA OS CARGOS DE SERVENTE E MOTORISTA Compreensão de textos. Confronto de frases corretas e incorretas. Emprego de maiúsculas. Separação silábica.

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA UNIDADE 3 ANO 1. Fevereiro de 2013

A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA UNIDADE 3 ANO 1. Fevereiro de 2013 A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA UNIDADE 3 ANO 1 Fevereiro de 2013 SUMÁRIO / PAUTA DO ENCONTRO A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA Iniciando a conversa (pág.5) Aprofundando o

Leia mais

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844 Filme: Juro que vi: O Curupira Gênero: Animação Diretor: Humberto Avelar Ano: 2003 Duração: 11 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Leia mais

FILGUEIRAS, Karina Fideles - FaE-UFMG GT: Alfabetização, Leitura e Escrita/n. 10 Agência Financiadora: não contou com financiamento

FILGUEIRAS, Karina Fideles - FaE-UFMG GT: Alfabetização, Leitura e Escrita/n. 10 Agência Financiadora: não contou com financiamento (CON)FUSÕES ENTRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: AS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NUMA ESCOLA PÚBLICA E NUMA ESCOLA PARTICULAR. FILGUEIRAS, Karina Fideles - FaE-UFMG GT: Alfabetização,

Leia mais

AQUISIÇÃO DA LEITURA E ESCRITA: ANÁLISES DE ATIVIDADES A LUZ DA PSICOLINGUÍSTICA

AQUISIÇÃO DA LEITURA E ESCRITA: ANÁLISES DE ATIVIDADES A LUZ DA PSICOLINGUÍSTICA AQUISIÇÃO DA LEITURA E ESCRITA: ANÁLISES DE ATIVIDADES A LUZ DA PSICOLINGUÍSTICA Marciel Alan Freitas de CASTRO (PIBIC CNPq/UERN) RESUMO: O referido trabalho constitui, antes, numa análise das atividades

Leia mais

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS Lucas Gabriel Seibert Universidade Luterana do Brasil lucasseibert@hotmail.com Roberto Luis Tavares Bittencourt Universidade Luterana do Brasil rbittencourt@pop.com.br

Leia mais

Plano de Estudo e de Desenvolvimento do Currículo

Plano de Estudo e de Desenvolvimento do Currículo DGEste - Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEONARDO COIMBRA FILHO, PORTO Código 152213 4.º ANO Ano Letivo 2014/2015 Aulas Previstas/Ano de Escolaridade Plano de Estudo e de Desenvolvimento

Leia mais

COLABORAÇÃO NA DOCÊNCIA EM UMA TURMA DE ALFABETIZAÇÃO.

COLABORAÇÃO NA DOCÊNCIA EM UMA TURMA DE ALFABETIZAÇÃO. COLABORAÇÃO NA DOCÊNCIA EM UMA TURMA DE ALFABETIZAÇÃO. LUCION, Jucélia Demezuk G (UNIOESTE/PIBID/CAPES/MEC), ARANHART, Leonice Tocheto G (UNIOESTE/PIBIDI/CAPES/MEC) SILVEIRA, Luciana G (UNIOESTE/PIBID/CAPES/MEC)

Leia mais

Alfabetizar letrando... Letrar alfabetizando: por quê? Como?

Alfabetizar letrando... Letrar alfabetizando: por quê? Como? Alfabetizar letrando... Letrar alfabetizando: por quê? Como? Patrícia Moura Pinho 1 Resumo: O presente texto trata da questão da alfabetização e as discussões teóricas e didáticas acerca da mesma, principalmente

Leia mais

11º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL: ALFABETIZAR LETRANDO

11º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL: ALFABETIZAR LETRANDO 11º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL: ALFABETIZAR LETRANDO Marcia Justina de Souza 1 Gizeli Aparecida Ribeiro de Alencar 2 Todas as formas existentes de alfabetização, de acordo

Leia mais

CONSTRUÇÃO DA LEITURA E ESCRITA NA 1ª FASE DO 1º CICLO NA ESCOLA FRANCISCO SOARES DE OLIVEIRA JACIARA -MT

CONSTRUÇÃO DA LEITURA E ESCRITA NA 1ª FASE DO 1º CICLO NA ESCOLA FRANCISCO SOARES DE OLIVEIRA JACIARA -MT CONSTRUÇÃO DA LEITURA E ESCRITA NA 1ª FASE DO 1º CICLO NA ESCOLA FRANCISCO SOARES DE OLIVEIRA JACIARA -MT Cimária França de Oliveira 1 Terezinha Felix Silva C. Deus 2 Resumo A função desse trabalho é de

Leia mais

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007)

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) Disciplina: Seminário de Leituras Orientadas em Linguística Aplicada Professoras: Graciela Hendges e Désirée Motta-Roth

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV DISCIPLINA : LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS GERAIS Ampliar gradativamente suas possibilidades de comunicação e

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

ATIVIDADES DE LETRAMENTO EM SALAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL

ATIVIDADES DE LETRAMENTO EM SALAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL ATIVIDADES DE LETRAMENTO EM SALAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL Elisabete Carvalho de Melo UFAC Introdução As discussões acerca do ensino da leitura e da escrita, nas últimas décadas, têm por um lado, acirrado

Leia mais

Caracterização da Escola

Caracterização da Escola 28 O CORDEL DOS TIRADENTES Flávia Helena Pontes Carneiro* helena.flavia@gmail.com *Graduada em Pedagogia, Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, Professora

Leia mais

AS INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO

AS INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO AS INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Flávia Araújo de Almeida, Pós-graduanda em Alfabetização, Letramento e Linguagem Matemática flaviamoc2007@yahoo.com.br Geisa Magela Veloso, Profa

Leia mais

1. Ensino Fundamental de 9 anos

1. Ensino Fundamental de 9 anos Eliete Bevilacqua Presta e Albanize Aparecida Arêdes Neves 1. Ensino Fundamental de 9 anos Reflexões sobre a organização do trabalho pedagógico nas salas do 1º ano Em cumprimento às determinações do governo

Leia mais

Papo com a Especialista

Papo com a Especialista Papo com a Especialista Silvie Cristina (Facebook) - Que expectativas posso ter com relação à inclusão da minha filha portadora da Síndrome de Down na Educação Infantil em escola pública? Quando colocamos

Leia mais

Palavras-chaves: Dificuldade de aprendizagem; leitura e escrita; sala de recursos; pré-leitura.

Palavras-chaves: Dificuldade de aprendizagem; leitura e escrita; sala de recursos; pré-leitura. Causas das dificuldades na leitura e escrita. Elsa Midori Shimazaki, Lucyanne Cecília Dias, Nerli Nonato Ribeiro Mori. Universidade Estadual de Maringá-PR, Lucilia Vernaschi de Oliveira; Universidade Estadual

Leia mais

Palavras-chave: alfabetização; gêneros textuais; letramento.

Palavras-chave: alfabetização; gêneros textuais; letramento. ALFABETIZANDO E LETRANDO: UMA EXPERIÊNCIA NO/DO PROJETO PACTO PELA ALFABETIZAÇÃO Claudionor Alves da Silva 1 Oney Cardoso Badaró Alves da Silva 2 Resumo: O objetivo deste trabalho é apresentar uma experiência

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

Objetivos Específicos. Estratégias em Língua Portuguesa. Leitura de histórias em quadrinhos. Desenhos próprios. Gibisão data show.

Objetivos Específicos. Estratégias em Língua Portuguesa. Leitura de histórias em quadrinhos. Desenhos próprios. Gibisão data show. PLANEJAMENTO Folclore Professor (a): Vanessa da Rosa Competências Leitura; Oralidade; Produção textual, Ortografia, Ritmo e Memória. Avançar em seus conhecimentos sobre a escrita, ao escrever segundo suas

Leia mais