Alfabetização e Letramento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Alfabetização e Letramento"

Transcrição

1 Alfabetização e Letramento

2

3 Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri

4

5 Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização A Escrita no Processo de Alfabetização Objetivo de aprendizado Nesta unidade estudaremos sobre A escrita no processo de alfabetização. Qual é papel da escrita e sua função. Também abordaremos o papel do aluno e do professor nesse processo e a importância de ter um ambiente alfabetizador. Atenção Para um bom aproveitamento do curso, leia o material teórico atentamente antes de realizar as atividades. É importante também respeitar os prazos estabelecidos no cronograma. 5

6 Unidade: A Escrita no Processo de Alfabetização Contextualização Explore Para iniciarmos a nossa conversa, assista o vídeo Educação e Vida, disponível no seguinte endereço: O vídeo possibilita refletirmos sobre o processo de aprendizagem entre as pessoas. O que cada um pode fazer para ajudar o outro. Como o professor pode ajudar e qual o seu papel no processo de ensino na alfabetização? 6

7 A Escrita no Processo de Alfabetização Nesta unidade o foco central será sobre o papel da escrita no processo de alfabetização. A escrita é algo que tanto a criança como os jovens e adultos estão sempre envolvidos, seja de maneira direta ou indiretamente. Mas o que é interessante é que muitas vezes os professores estão mais preocupados de como as crianças escrevem do que exatamente com a escrita em si. Por exemplo, preocupa-se mais em ensinar com a letra cursiva que para muitos é o jeito correto, em vez de utilizar inicialmente a letra bastão em que a criança tem mais facilidade para realizar porque a coordenação motora não está tão desenvolvida. Mas nem todos pensam assim, causando um mal estar entre os alunos por algumas vezes não conseguirem realizar as atividades propostas pelo professor, ficando dessa forma frustrado com a escrita. Dessa maneira, perde o interesse, à vontade, o desejo de aprender a escrever. Estamos acostumados aos vários tipos de letras e não percebemos que a criança que está aprendendo a ler e a escrever desconhece esse mundo dos vários tipos de letras, ou seja, a primeira letra do alfabeto pode aparecer para o aluno de várias formas como: A, a, A, a, A, a É como Luiz Carlos Cagliari afirma: Para nós, adultos, qualquer A é A, seja ele escrito como for. Quando a criança começa a aprender a escrever ninguém lhe diz isso e, muitas vezes, ela fica admirada diante das coisas que a professora (e os adultos) fazem com as letras. Com o tempo acaba aprendendo indiretamente o que a escola pretende. O grande problema nesse caso é que a escola ensina a escrever sem ensinar o que é escrever, joga com a criança sem lhe dizer as regras do jogo. (CAGLIARI, L. C. Alfabetização & Linguística. São Paulo: Scipione, 2003, p. 97). Essa questão da letra cursiva ou bastão é apenas um ponto que leva a criança a ter o interesse pela escrita ou não. E não podemos deixar de pensar que a escrita é um dos objetivos mais importantes da alfabetização juntamente é claro com a leitura, não podemos desvincular uma da outra. Segundo Cagliari a escrita tem como objetivo principal permitir a leitura. E a leitura nada mais é do que a interpretação da escrita, ou seja, consiste na tradução dos símbolos escritos na fala. 7

8 Unidade: A Escrita no Processo de Alfabetização Ninguém escreve ou lê sem motivo, sem motivação (Cagliari, 2003, p. 102), é preciso proporcionar para as crianças os variados tipos de materiais impressos, já falamos sobre isso na unidade anterior, quando o aluno tem acesso com a linguagem escrita de diversos tipos como: jornais, livros, revistas, placas de trânsito ou ruas, painéis, bilhetes etc., todo material que seja possível apresentar para as crianças é válido por dois pontos a serem levantados, o primeiro é de que muitas crianças não terão esse conhecimento, ou melhor, só terão esse contato com os materiais impressos por meio do que é dado para ele na escola. E o segundo ponto é mostrar para o aluno e fazer com que ele possa descobrir o aspecto funcional da comunicação escrita, fazendo com que ele tenha curiosidade e o leve a refletir sobre a escrita e assim, irá aprender sobre o significado da escrita. Agora, refletindo a respeito de como as crianças pensam sobre a escrita, precisamos retomar as questões das hipóteses da escrita. Lembrando! O que são hipóteses de escrita? De acordo com Emília Ferreiro e Ana Teberosky as crianças elaboram diversas hipóteses demonstrando o funcionamento do sistema de escrita. O professor poderá verificar por meio das hipóteses realizadas pelas crianças de como elas entendem a escrita ou de como vê esse processo. Então, vejamos as definições de cada fase: Pré-Silábico-A criança nessa fase registra as chamadas garatujas, desenhos que não tem uma definição tão clara. Aos poucos ela passa a fazer desenhos com traços mais definidos, mas não fáceis de decifrar. No nível pré-silábico temos a ausência de relação entre a escrita e os sons da fala. Doce Bala Silábico - Nesse nível a criança já consegue estabelecer as relações entre o som e as letras, então, quer representar cada letra por um símbolo e vão utilizar também de letras, pseudoletras e números. A criança define as partes das palavras, ou seja, a sílaba, mas nessa fase ela representa não a sílaba por completo, algumas vezes irá colocar mais letras do que necessário, pois acredita ser o correto. Silábico sem valor: Elefante Cachorro Sapo Rã 8

9 Silábico com valor: Elefante Cachorro Sapo Rã Silábico-alfabético - Nessa fase a criança utiliza dois níveis, o silábico e o alfabético ao mesmo tempo, esse momento é o que chamamos de transição. A criança nesse nível começa acrescentar letras em algumas sílabas, como por exemplo, ditar a palavra CAVALO, a criança poderá escrever da seguinte maneira: CAViO ou também KVALO, a escrita irá variar porque dependerá do conhecimento linguístico de cada criança. Elefante Cachorro Sapo Rã Nesse nível a escrita apresenta sílabas completas e sílabas representadas por uma só letra. Alfabético - É o nível que se pode dizer que a criança já está compreendendo o sistema linguístico e de como se organiza. Nessa fase já consegue ler e representa graficamente as palavras e pequenas frases. Nesse nível as escritas são construídas com base em uma correspondência entre fonemas (sons) e grafemas (letras). Elefante Cachorro Sapo Rã É importante salientar que conhecer o valor sonoro convencional é conhecer a letra, ou seja, o nome e perceber sua relação com o som. Fazer a correspondência entre o fonema (som) e o grafema (letra). Pode-se dizer que quando isso ocorre à criança está conseguindo entender o processo da escrita e está entendendo que há uma relação entre a fala e a escrita. Outro ponto importante é fazer questionamentos para a criança sobre o que ela escreve anotar as respostas para depois perceber o desenvolvimento da criança. E como podemos iniciar o processo de alfabetização? Ou é apropriado partir da aprendizagem por meio dos textos? A autora Maria Fernandes salienta que Isso leva a uma mudança na prática pedagógica. Iniciar a alfabetização pelas vogais ou sílabas simples, organizadas numa determinada sequência, em lugar de facilitar, pode dificultar a aprendizagem dos alunos, pois essa escolha desconsidera que, no início do processo de reflexão sobre a escrita, as crianças acreditam que palavras com poucas letras não podem ser lidas. É caminhar na contramão do processo dos alunos. Mais real é apresentar todo alfabeto e permitir que os alunos pensem, comparem, analisem textos e palavras para que percebam o funcionamento do sistema linguístico e possam compreender as partes (letras e palavras) no todo (texto) e o todo (texto) com suas partes (letras e palavras). (FERNANDES, M. Os segredos da alfabetização. São Paulo: Cortez, 2008, p. 129). 9

10 Unidade: A Escrita no Processo de Alfabetização Há uma variedade de textos e os educadores precisam proporcionar para os alunos os diversos tipos, e, principalmente trabalhar com eles as funções que cada texto possui e isso deve acontecer na escola. Trocando Ideias Na maioria das vezes a preocupação maior é com a memorização e o que realmente precisa ser levado em consideração e o que é mais importante é a compreensão dos significados dos textos. Inicia-se com o contato com a leitura, com a interpretação e com a escrita espontânea dos alunos, se preocupando em proporcionar para eles situações reais de comunicação. A interação com os mais variados tipos de textos é importante, porque acredita-se que mesmo aquela criança que não saiba ler convencionalmente, por meio dessa interação ela aprenderá as características da linguagem. Ao disponibilizar os diversos tipos de materiais: livros de história, gibis, revistas, jornais, folhetos de propaganda, embalagens e outros materiais que sejam de interesse do aluno. É importante lembrar que as atividades preparadas pelo professor devem ser desafiadoras, aquelas que tragam situações problema, ou seja, devem ser atividades que os alunos precisam pensar, refletir, argumentar, usar todo o conhecimento que possui para assimilar aquilo que ainda não sabe. Sabemos que o aprendiz é o protagonista para a construção de seu conhecimento, ele irá utilizar todo o seu conhecimento para aprender os outros. O professor tem o papel de transmitir, mediar, orientar e fazer as intervenções necessárias no processo de aprendizagem, mas será o aluno que irá receber as diversas informações e transformá-las em conhecimento. Vamos contextualizar? Observe a seguinte sugestão de atividade com texto. CARTA ENIGMÁTICA CRIANÇAS CUIDEM DE SEU BRINQUE COM ELE DE. NÃO DEIXEM DE DAR E DAR E PRINCIPALMENTE DE DAR Trabalhar com carta enigmática é interessante porque a criança terá contato com as imagens e também com a escrita. Isso facilita para a criança as relações que fará para o entendimento do texto. 10

11 É claro que quando for dado esse tipo de texto para as crianças que não sabem ler, ou seja, no início da alfabetização, a intervenção do professor na interpretação do texto é fundamental. Outro tipo de atividade que pode ser feita com crianças que ainda não sabem escrever é contar histórias. Assim, podem pedir para as crianças contarem as histórias e o professor faz a transcrição. Além de fazer os registros podem armazenar as histórias para que as crianças possam observar e fazer as relações entre elas e, principalmente relacionar o texto oral com o escrito. Algo como produto final da atividade das crianças contarem histórias, pode propor para montarem um livro com as histórias produzidas por elas. Isso motiva, e dá um incentivo maior na aprendizagem delas, porque elas conseguem visualizar concretamente aquilo que construiu. É um estímulo para a produção de textos. O importante é incentivar as crianças a escreverem espontaneamente, como o autor Cagliari afirma: Elas precisam escrever o mais livremente possível. Podem-se programar as atividades, por exemplo, pedir que recortem alguma fotografia de revista e escrevam uma história a partir dela. O que não se deve fazer é pedir que contem uma história de cinco linhas, usando só palavras conhecidas, e respondam a perguntas do tipo: quem, quando, onde, como, por quê etc. Esse tipo de camisa-de-força é altamente inconveniente, pois quebra a iniciativa da própria criança e limita sua reflexão pessoal. Tende a padronizar a expressão individual literária, com prejuízo futuro para o aprendizado da escrita e da leitura. (CAGLIARI, L. C. Alfabetização & Linguística. São Paulo: Scipione, 2003, p. 129). Ideias Chave A escrita espontânea é essencial e não se deve deixar de lado que nessa fase de desenvolvimento da aprendizagem da escrita da criança precisa ser algo prazeroso, ou seja, a brincadeira precisa fazer parte do processo. Deve utilizar brincadeiras, atividades com música, jogos que possam utilizar letras e palavras. Assim, a aprendizagem torna-se algo bom, em que a criança irá ter cada vez mais o desejo de aprender e descobrir o mundo da escrita. O professor tem algo para acrescentar para seus alunos, ele é o parceiro no processo de aprendizagem. José Juvêncio Barbosa (1994) coloca que O papel do professor nos primeiros momentos da aprendizagem não se resume a transmitir conhecimento; seu papel é o de criar situações significativas que deem condições à criança de se apropriar de um conhecimento ou de uma prática. (BARBOSA, J. J. Alfabetização e Leitura. São Paulo: Cortez, 1994, p. 128) 11

12 Unidade: A Escrita no Processo de Alfabetização E como fazer para o professor realmente proporcionar situação de aprendizagem significativa? Um ponto fundamental para o trabalho do professor nesse processo é ter um ambiente alfabetizador. E o que é um ambiente Alfabetizador? É aquele em que há o letramento ou cultura letrada, como alguns teóricos preferem chamar, que tenha livros, revistas, painéis, uma variedade de textos escritos que circulam na sociedade, ou seja, textos que os alunos possam ter experiências com situações reais de uso da leitura e da escrita. O contato com esses materiais faz com que a criança aprenda mais rápido tanto a ler como escrever. Fazer com que a sala de aula se torne um ambiente alfabetizador dependerá muito do professor porque sem dúvida ele precisa de muita dedicação, criatividade e inovação na construção desse ambiente. Algo importante é que os materiais sempre estejam ao alcance das crianças. O educador tem um papel fundamental de tornar suas aulas desafiadoras e interessantes que promovam pesquisas e descobertas. Ao professor compete ajudá-la a conquistar esse comportamento. Essa ajuda concretiza-se através de um ambiente rico e variado, que favoreça o aparecimento ou o desenvolvimento daquela aprendizagem e através de momentos precisos de organização do conhecimento adquirido. (BARBOSA, J. J. Alfabetização e Leitura. São Paulo: Cortez, 1994, p. 129). A aprendizagem acontece de maneira eficaz quanto mais à criança ter acesso a esses materiais e as situações de usos da leitura e da escrita e dessa maneira, ela será levada a construção de seu conhecimento. Nesse sentido Barbosa afirma: É desse modo que a escola proporciona uma experiência rica de situações de uso da escrita, favorecendo especialmente aquelas crianças que não tiveram a oportunidade de viver estas experiências em seu meio social e familiar. As crianças que provêm de ambientes povoados de livros e de leitores encontram maiores facilidades de êxito na aprendizagem da leitura e da escrita justamente por causa dessas experiências prévias com o mundo da escrita. (BARBOSA, J. J. Alfabetização e Leitura. São Paulo: Cortez, 1994, p. 129). 12

13 Ideias Chave Portanto, o aluno tem um papel importante na construção de seu conhecimento, porque é ele que irá transformar as informações dadas em conhecimento. Mas, não deixa de ser fundamental a participação do professor no processo de aprendizagem da leitura e da escrita, isso porque é o educador que irá planejar, organizar, proporcionar e oferecer as diversas situações de usos da leitura e da escrita. 13

14 Unidade: A Escrita no Processo de Alfabetização Material Complementar Explore Sobre Ambiente Alfabetizador: 14

15 Referências BARBOSA, J. J. Alfabetização e Leitura. São Paulo: Cortez, CAGLIARI, L. C. Alfabetização & Linguística. São Paulo: Scipione, FERNANDES, Maria. Os segredos da alfabetização. São Paulo: Cortez, FERREIRO, F. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas Sul,

16 Unidade: A Escrita no Processo de Alfabetização Anotações 16

17 Campus Liberdade Rua Galvão Bueno, 868 CEP São Paulo SP Brasil Tel: (55 11)

18

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade III ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Aula anterior O fim das cartilhas em sala de aula; Comunicação e linguagem; Sondagem da escrita infantil; Ao desenhar, a criança escreve;

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

OBJETIVO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA APRENDIZAGEM

OBJETIVO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA APRENDIZAGEM A FORMAÇÃO TEÓRICO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA NOVA CONCEPÇÃO DE ENSINO- APRENDIZAGEM PROFª.. MS. MARIA INÊS MIQUELETO CASADO 28/05/2009 OBJETIVO - Contribuir para a reflexão

Leia mais

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18).

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18). SUGESTÕES PARA O APROVEITAMENTO DO JORNAL ESCOLAR EM SALA DE AULA 1ª a 5ª série A cultura escrita diz respeito às ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Esse processo

Leia mais

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino Pedagogia Profª Silvia Perrone Ensino de Língua Portuguesa Roteiro Teorias que orientam o ensino: empirista e construtivista. A visão de texto nas diferentes teorias. Ensinar a produzir textos na escola.

Leia mais

Eixo temático: Eixo III - Educação e trabalho docente: formação, remuneração, carreira e condições de trabalho. Resumo

Eixo temático: Eixo III - Educação e trabalho docente: formação, remuneração, carreira e condições de trabalho. Resumo A IMPORTÂNCIA DA SONDAGEM DA ESCRITA PARA O INÍCIO DE ATIVIDADES DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO DO PIBID NO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM ESCOLAS PÚBLICAS NORONHA, Gessica Nunes UFC gessicanunes.noronha@hotmail.com

Leia mais

Apropriação do sistema de escrita: capacidades a serem atingidas ao longo do ciclo de alfabetização na Educação Infantil

Apropriação do sistema de escrita: capacidades a serem atingidas ao longo do ciclo de alfabetização na Educação Infantil Maria Celia Montagna de Assumpção Apropriação do sistema de escrita: capacidades a serem atingidas ao longo do ciclo de alfabetização na Educação Infantil Nessa aula, você verá alguns conhecimentos que

Leia mais

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola http://luizsoaresdecassia.blogspot.com.br APRENDER A ESCREVER Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola Todos os anos, milhares de meninos e meninas do ensino fundamental de todo

Leia mais

Índice. 1. Metodologia de Alfabetização...3. 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6

Índice. 1. Metodologia de Alfabetização...3. 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6 GRUPO 6.1 MÓDULO 6 Índice 1. Metodologia de Alfabetização...3 1.1. Qual o Conhecimento sobre o Sistema de Escrita dos Jovens e Adultos?... 3 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6

Leia mais

VIVÊNCIAS DO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LECTO-ESCRITA RESUMO

VIVÊNCIAS DO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LECTO-ESCRITA RESUMO VIVÊNCIAS DO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LECTO-ESCRITA FROELICH, T. C. 1 UFSM tatyfch@gmail.com BOLZAN, D. P. V. 2 UFSM professoradoris@smail.ufsm.br RESUMO A alfabetização é um processo que desperta muitas

Leia mais

Alfabetização. O que pensam as crianças sobre a escrita. A psicogênese da língua escrita. Pedagogia. Profa. Silvia Perrone

Alfabetização. O que pensam as crianças sobre a escrita. A psicogênese da língua escrita. Pedagogia. Profa. Silvia Perrone Pedagogia Profa. Silvia Perrone Alfabetização O que pensam as crianças sobre a escrita Um breve histórico das idéias sobre alfabetização. A Psicogênese da Língua Escrita Emília Ferreiro. As hipóteses das

Leia mais

Palavras chaves: Processo de Alfabetização. Aprendizagem. Leitura e escrita.

Palavras chaves: Processo de Alfabetização. Aprendizagem. Leitura e escrita. O PROCESSO DE APRENDIZAGEM DA ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS: ANÁLISE DOS NÍVEIS DE ESCRITA Alexsandra Vieira Cardoso Graduanda do curso de Letras IFPB Email: Morgana.vc1@hotmail.com Francisca Edneide Cesário

Leia mais

PRÁTICAS VIVENCIADAS NO LABORATÓRIO DA DISCIPLINA PROCESSOS DE ALFABETIZAÇÃO

PRÁTICAS VIVENCIADAS NO LABORATÓRIO DA DISCIPLINA PROCESSOS DE ALFABETIZAÇÃO PRÁTICAS VIVENCIADAS NO LABORATÓRIO DA DISCIPLINA PROCESSOS DE ALFABETIZAÇÃO 1 Ana Kellen Coutinho Campos UNEB 2 Camila Vieira de Freitas - UNEB RESUMO O trabalho é baseado em vivências do laboratório

Leia mais

4. Implicações pedagógicas

4. Implicações pedagógicas Esta criança tem 4 de idade. Verifica-se que se utiliza das letras de seu nome e apenas vai rearranjando sua ordem. Sua leitura é global. Caracterizando-se, portanto no nível 2 diferenciação na escrita.

Leia mais

CONSTRUÇÃO DA LEITURA E ESCRITA NA 1ª FASE DO 1º CICLO NA ESCOLA FRANCISCO SOARES DE OLIVEIRA JACIARA -MT

CONSTRUÇÃO DA LEITURA E ESCRITA NA 1ª FASE DO 1º CICLO NA ESCOLA FRANCISCO SOARES DE OLIVEIRA JACIARA -MT CONSTRUÇÃO DA LEITURA E ESCRITA NA 1ª FASE DO 1º CICLO NA ESCOLA FRANCISCO SOARES DE OLIVEIRA JACIARA -MT Cimária França de Oliveira 1 Terezinha Felix Silva C. Deus 2 Resumo A função desse trabalho é de

Leia mais

A apropriação do Sistema de Escrita Alfabética e a Consolidação do Processo de Alfabetização. Unidade 3

A apropriação do Sistema de Escrita Alfabética e a Consolidação do Processo de Alfabetização. Unidade 3 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA A apropriação do Sistema de Escrita Alfabética e a Consolidação

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita

Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita 55 Ana Teberosky neste capítulo propomos uma experiência sobre linguagem escrita cujo enfoque é a interação entre os materiais, a atuação dos professores

Leia mais

O posicionamento teórico do alfabetizador e...

O posicionamento teórico do alfabetizador e... Page 1 of 6 suas conseqüências Prof. Ms. Joana Maria Rodrigues Di Santo Após as pesquisas de Emilia Ferreiro e Ana Teberosk sobre a psicogênese da língua escrita, ficou claro que a capacidade de ler e

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Letrinhas Mágicas. 2. EPISÓDIO TRABALHADO As Letrinhas no Trem. 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Nesse emocionante episódio, as vogais saem de

Leia mais

METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO: DIALOGANDO NAS PERSPECTIVAS DO DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA NA CRIANÇA E SUAS RELAÇÕES 1

METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO: DIALOGANDO NAS PERSPECTIVAS DO DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA NA CRIANÇA E SUAS RELAÇÕES 1 METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO: DIALOGANDO NAS PERSPECTIVAS DO DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA NA CRIANÇA E SUAS RELAÇÕES 1 Daniele Santiago Santos 2 Olivia Margarete Machado Queiroz Souza 3 Resumo: Este artigo

Leia mais

ANALISANDO TEXTOS FEITOS POR CRIANÇAS DE SEIS ANOS NA ESCOLA

ANALISANDO TEXTOS FEITOS POR CRIANÇAS DE SEIS ANOS NA ESCOLA ANALISANDO TEXTOS FEITOS POR CRIANÇAS DE SEIS ANOS NA ESCOLA Kecia Karine Santos de Oliveira (UFS) 1 INTRODUÇÃO A escrita se faz presente em todos os momentos da vida, nas suas diversas formas de representações

Leia mais

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Síntia Lúcia Faé Ebert Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS SMED/POA- Escola M. E. F. João Antônio Satte Cristiane Lumertz Klein Domingues

Leia mais

O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA SEGUNDO EMILIA FERREIRO.

O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA SEGUNDO EMILIA FERREIRO. O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA SEGUNDO EMILIA FERREIRO. Duarte, Karina. Rossi, Karla. Discentes da faculdade de ciências Humanas/FAHU. Rodrigues, Fabiana. Docente da faculdade de ciências Humanas/FAHU.

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA ALFABÉTICA: UMA ANÁLISE DA ESCRITA DE DISCENTES DO 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA ALFABÉTICA: UMA ANÁLISE DA ESCRITA DE DISCENTES DO 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA ALFABÉTICA: UMA ANÁLISE DA ESCRITA DE DISCENTES DO 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Francisca Roseneide Gurgel Campêlo Graduanda de Pedagogia CAMEAM/UERN Francisca Rozângela Gurgel

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade I ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa A teoria construtivista: principais contribuições, possibilidades de trabalho pedagógico. Conceito de alfabetização: história e evolução.

Leia mais

AUTOR(ES): CARMELITA PEREIRA ALVES DOS SANTOS, MARIA CRISTINA DE OLIVEIRA MACHI

AUTOR(ES): CARMELITA PEREIRA ALVES DOS SANTOS, MARIA CRISTINA DE OLIVEIRA MACHI TÍTULO: OS TEXTOS LITERÁRIOS NA APRENDIZAGEM NOS ANOS INICIAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): CARMELITA PEREIRA

Leia mais

Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento

Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento Isabel Cristina Alves da Silva Frade(1) Introdução Como realizar um planejamento de trabalho de alfabetização e letramento com crianças de

Leia mais

Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 AQUISIÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA

Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 AQUISIÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/proletr/fasciculo_port.pdf Antônio Augusto Gomes Batista Ceris S. Ribas Silva Maria das Graças de Castro Bregunci Maria

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Slides produzidos a partir do caderno: Currículo no ciclo de

Leia mais

PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE

PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE 1 PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE 1 Rochelle Lopes da Silva- UVA 2 Andrea Abreu Astigarraga- UVA INTRODUÇÃO De acordo

Leia mais

PRODUÇÃO ESCRITA DAS CRIANÇAS: UM ESTUDO DE CASO NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MARTINHO ALVES DOS SANTOS

PRODUÇÃO ESCRITA DAS CRIANÇAS: UM ESTUDO DE CASO NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MARTINHO ALVES DOS SANTOS PRODUÇÃO ESCRITA DAS CRIANÇAS: UM ESTUDO DE CASO NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MARTINHO ALVES DOS SANTOS Andréa Aparecida Bernardo Santos BACH Mariana Pedroso RODRIGUES Mônica Medeiros FLORES 1 RESUMO:

Leia mais

A ALFABETIZAÇÃO NA PERSPECTIVA DE SUA EVOLUÇÃO E DA LUDICIDADE COMO FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA.

A ALFABETIZAÇÃO NA PERSPECTIVA DE SUA EVOLUÇÃO E DA LUDICIDADE COMO FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. A ALFABETIZAÇÃO NA PERSPECTIVA DE SUA EVOLUÇÃO E DA LUDICIDADE COMO FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. PRESTES, Jessica Franson Discente na Graduação do Curso de Pedagogia na

Leia mais

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P.

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P. Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento Prof. Juliana P. Viecheneski O que nos vem à mente quando falamos em rotina? Na prática

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC 1. Dados do Município ou GERED a) Município: FLORIANÓPOLIS b)município/gered: SECRETARIA MUNICIPAL RELATÓRIO

Leia mais

SONDAGEM DE ALFABETIZAÇÃO: UMA ANÁLISE DAS HIPÓTESES DE ESCRITA

SONDAGEM DE ALFABETIZAÇÃO: UMA ANÁLISE DAS HIPÓTESES DE ESCRITA SONDAGEM DE ALFABETIZAÇÃO: UMA ANÁLISE DAS HIPÓTESES DE ESCRITA Regina Ferreira Terra Rodrigues Aluna do 5ª A do Curso de Pedagogia da FALS. Orientação: Profª Ms.Eliane A. Bacocina Cabe a este trabalho

Leia mais

A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA UNIDADE 3 ANO 1. Fevereiro de 2013

A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA UNIDADE 3 ANO 1. Fevereiro de 2013 A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA UNIDADE 3 ANO 1 Fevereiro de 2013 SUMÁRIO / PAUTA DO ENCONTRO A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA Iniciando a conversa (pág.5) Aprofundando o

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS Resumo DO ENSINO FUNDAMENTAL MARTINS, Esilda Cruz UEPG maria.esilda@hotmail.com Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora:

Leia mais

AQUISIÇÃO DA LEITURA E ESCRITA: ANÁLISES DE ATIVIDADES A LUZ DA PSICOLINGUÍSTICA

AQUISIÇÃO DA LEITURA E ESCRITA: ANÁLISES DE ATIVIDADES A LUZ DA PSICOLINGUÍSTICA AQUISIÇÃO DA LEITURA E ESCRITA: ANÁLISES DE ATIVIDADES A LUZ DA PSICOLINGUÍSTICA Marciel Alan Freitas de CASTRO (PIBIC CNPq/UERN) RESUMO: O referido trabalho constitui, antes, numa análise das atividades

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA. Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Período: Três semanas.

ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA. Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Período: Três semanas. ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática I Era uma vez um gato xadrez... Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto.

Leia mais

Leitura e Escrita na Educação Infantil

Leitura e Escrita na Educação Infantil Leitura e Escrita na Educação Infantil Testes de Desenvolvimento Denver Linguagem oral Leitura e escrita opcional. Não se aplica a todos. Os ritmos são variáveis, haveria dificuldade de padronização. Linguagem

Leia mais

Palavras-chave: alfabetização; gêneros textuais; letramento.

Palavras-chave: alfabetização; gêneros textuais; letramento. ALFABETIZANDO E LETRANDO: UMA EXPERIÊNCIA NO/DO PROJETO PACTO PELA ALFABETIZAÇÃO Claudionor Alves da Silva 1 Oney Cardoso Badaró Alves da Silva 2 Resumo: O objetivo deste trabalho é apresentar uma experiência

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As letrinhas mágicas. 2. EPISÓDIO TRABALHADO Uma tarde assustadora. 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Nesse emocionante episódio, enquanto as vogais

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA Aline Mendes da SILVA, Marcilene Cardoso da SILVA, Reila Terezinha da Silva LUZ, Dulcéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES, Departamento de Educação UFG - Campus

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

UMA BREVE ANÁLISE DO DESEMPENHO ESCOLAR NUMA TURMA DO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO 1. Resumo

UMA BREVE ANÁLISE DO DESEMPENHO ESCOLAR NUMA TURMA DO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO 1. Resumo UMA BREVE ANÁLISE DO DESEMPENHO ESCOLAR NUMA TURMA DO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO 1 NILÇA GUTEMBERG 2 Resumo Este artigo apresenta uma breve análise do desempenho escolar,numa turma do ciclo de alfabetização

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento Leonardo Rocha de Almeida Mestrando Profissional em Gestão Educacional Universidade

Leia mais

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar Angélica Fernanda Rossi-USC-Pedagogia.angelicafrossi@gmail.com Caroline Silvério-USC-Pedagogia kakarol_2009@hotmail.com

Leia mais

Apropriação do SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA

Apropriação do SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA Unidade 3 6º encontro Orientadora: Elaine R. Cruz Ortega Apropriação do SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA Apropriação do SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA Ano 1: A escrita alfabética: por que ela é um sistema

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E A AMPLIAÇÃO DE HORIZONTES: UMA EXPERIÊNCIA DE SUCESSO

ALFABETIZAÇÃO E A AMPLIAÇÃO DE HORIZONTES: UMA EXPERIÊNCIA DE SUCESSO ALFABETIZAÇÃO E A AMPLIAÇÃO DE HORIZONTES: UMA EXPERIÊNCIA DE SUCESSO Sônia Maria Rezende 1 RESUMO: Este relato de experiência abre possibilidades de ação para a ampliação dos processos de alfabetização

Leia mais

OS SENTIDOS DO LER E ESCREVER NA SOCIEDADE E NA ESCOLA

OS SENTIDOS DO LER E ESCREVER NA SOCIEDADE E NA ESCOLA OS SENTIDOS DO LER E ESCREVER NA SOCIEDADE E NA ESCOLA JOSE MABEL PEREIRA LOPES DAS NEVES (UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS). Resumo A pesquisa tem como objetivo conhecer quais os saberes que as ingressantes

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA

DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA Fernanda Cargnin Gonçalves 1 Introdução O embate entre os métodos de alfabetização

Leia mais

UM ESTUDO EM TORNO DA LINGUAGEM ESCRITA DE CRIANÇAS EM PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO ESCOLAR

UM ESTUDO EM TORNO DA LINGUAGEM ESCRITA DE CRIANÇAS EM PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO ESCOLAR UM ESTUDO EM TORNO DA LINGUAGEM ESCRITA DE CRIANÇAS EM PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO ESCOLAR Welber Angelo de Araujo(UFAL) welberaraujo@hotmail.com RESUMO Este artigo tem sua origem em uma das

Leia mais

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Prof. Juliana Pinto Viecheneski LIVRO DIDÁTICO ONTEM E HOJE A escola tem um papel fundamental para garantir o contato com livros desde a primeira infância:

Leia mais

Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais

Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais Datas: 11 e 18 de Setembro Horário: 14:00h às 17:40h Carga Horária: 8 horas Vagas: O número mínimo de inscritos será: 20 pessoas

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Educação Coordenadoria de Cooperação com os Municípios PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PAIC

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Educação Coordenadoria de Cooperação com os Municípios PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PAIC GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Educação Coordenadoria de Cooperação com os Municípios PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PAIC Caro (a) professor (a), ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS PARA O 2º ANO Cientes

Leia mais

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Título do artigo: UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Disciplina: Alfabetização Selecionadora: Beatriz Gouveia 16ª Edição do

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Estágio Supervisionado, Prática docente, Alfabetização.

PALAVRAS-CHAVE: Estágio Supervisionado, Prática docente, Alfabetização. Shirleide Santos do Nascimento¹ Suzane Santos Marques Bento² Soraneide Soares Dantas³ UMA EXPERIÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES II DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFRN: REFLEXÕES SOBRE

Leia mais

COLABORAÇÃO NA DOCÊNCIA EM UMA TURMA DE ALFABETIZAÇÃO.

COLABORAÇÃO NA DOCÊNCIA EM UMA TURMA DE ALFABETIZAÇÃO. COLABORAÇÃO NA DOCÊNCIA EM UMA TURMA DE ALFABETIZAÇÃO. LUCION, Jucélia Demezuk G (UNIOESTE/PIBID/CAPES/MEC), ARANHART, Leonice Tocheto G (UNIOESTE/PIBIDI/CAPES/MEC) SILVEIRA, Luciana G (UNIOESTE/PIBID/CAPES/MEC)

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E

Leia mais

Projeto: Filhotes. Eixo: Natureza e Sociedade Duração: Setembro/Outubro de 2012 Infantil I

Projeto: Filhotes. Eixo: Natureza e Sociedade Duração: Setembro/Outubro de 2012 Infantil I Projeto: Filhotes Eixo: Natureza e Sociedade Duração: Setembro/Outubro de 2012 Infantil I Justificativa: A escolha da temática FILHOTES para o infantil I se deve ao fato de que os animais em geral provocam

Leia mais

FACULDADE DE CALDAS NOVAS UNICALDAS CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE DE CALDAS NOVAS UNICALDAS CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE DE CALDAS NOVAS UNICALDAS CURSO DE PEDAGOGIA CLEUZIRA CUSTODIA PEREIRA GEANDRA SANTOS DA VITÓRIA NEICE FERREIRA DOS SANTOS SILVANA C. DA SILVA MACHADO ALFABETIZAÇÃO: Métodos e algumas reflexões

Leia mais

DISCURSOS SOBRE ALFABETIZAÇÃO DENTRO DO CONTEXTO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA

DISCURSOS SOBRE ALFABETIZAÇÃO DENTRO DO CONTEXTO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA 1 DISCURSOS SOBRE ALFABETIZAÇÃO DENTRO DO CONTEXTO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA Lilian Simone Leal Machado URZEDO 1, Rosely Ribeiro LIMA 2 (UFG/CAJ) lilianmachadoinove@hotmail.com

Leia mais

Índice. 5.1. Correção das Palavras do Texto... 5 5.2. Autocorreção... 5 5.3. Pontuação... 6 5.4. Escrita Ortográfica... 6. Grupo 5.

Índice. 5.1. Correção das Palavras do Texto... 5 5.2. Autocorreção... 5 5.3. Pontuação... 6 5.4. Escrita Ortográfica... 6. Grupo 5. GRUPO 5.4 MÓDULO 5 Índice 1. Reconstrução do Código Linguístico da Criança...3 2. Textos...3 3. Jogos de Análise Linguística...4 4. Letra Cursiva e Letra de Fôrma...4 5. Ortografia e Gramática...5 5.1.

Leia mais

Aprendizagem e linguagem. Terezinha Costa Hashimoto Bertin tecabertin@uol.com.br

Aprendizagem e linguagem. Terezinha Costa Hashimoto Bertin tecabertin@uol.com.br Aprendizagem e linguagem Terezinha Costa Hashimoto Bertin tecabertin@uol.com.br Ensino e aprendizagem em língua portuguesa: alguns percursos Década de 70 Lei 5692/71 - Alteração de concepção sobre as áreas

Leia mais

Cultura escrita: processos de formação docente no contexto da alfabetização

Cultura escrita: processos de formação docente no contexto da alfabetização Cultura escrita: processos de formação docente no contexto da alfabetização Resumo Este trabalho é o resultado de uma investigação desenvolvida por um grupo de pesquisa vinculado ao Programa de Pós Graduação

Leia mais

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita.

Leia mais

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO Tatiane Testa Ferrari e-mail: tatitferrari@ig.com.br Ticiane Testa Ferrari e-mail: ticiferrari@ig.com.br Araceli Simão Gimenes Russo e-mail:

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: teorias e práticas. Magda Soares 2014

ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: teorias e práticas. Magda Soares 2014 ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: teorias e práticas Magda Soares 2014 1 Conjunto de opiniões e ideias sobre um tema TEORIA Conjunto coerente de proposições, baseadas em evidências, sobre um tema 2 ALFABETIZAÇÃO?

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO: DO CONCEITO À PRÁTICA PEDAGÓGICA 1

ALFABETIZAÇÃO: DO CONCEITO À PRÁTICA PEDAGÓGICA 1 ALFABETIZAÇÃO: DO CONCEITO À PRÁTICA PEDAGÓGICA 1 Silvia M. Gasparian Colello 2 Parece indiscutível que as crianças de nossa sociedade devam aprender a ler e a escrever. No entanto, se perguntarmos aos

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM

EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM COMUNICAÇÃO FASE I FASE II ORALIDADE Transmitir recados simples. Formar frases com seqüência. Argumentar para resolver conflitos. Verbalizar suas necessidades e

Leia mais

COM A PALAVRA: EMILIA FERREIRO - ANÁLISE DE ESCRITAS DE CRIANÇAS DE ESCOLAS PÚBLICAS DA CIDADE DO NATAL/RN

COM A PALAVRA: EMILIA FERREIRO - ANÁLISE DE ESCRITAS DE CRIANÇAS DE ESCOLAS PÚBLICAS DA CIDADE DO NATAL/RN COM A PALAVRA: EMILIA FERREIRO - ANÁLISE DE ESCRITAS DE CRIANÇAS DE ESCOLAS PÚBLICAS DA CIDADE DO NATAL/RN EMILY DE MOURA* RESUMO Sabemos que a alfabetização de crianças e de jovens e adultos se dá por

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: MENTIRA DA BARATA

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: MENTIRA DA BARATA SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E FUNDAMENTAL DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL SEQUÊNCIA DIDÁTICA: MENTIRA DA BARATA

Leia mais

O APRENDIZADO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Moabe Vieira 1

O APRENDIZADO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Moabe Vieira 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos O APRENDIZADO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Moabe Vieira 1 Sônia Ferreira de

Leia mais

Sugestões de Atividades para Alfabetização

Sugestões de Atividades para Alfabetização Sugestões de Atividades para Alfabetização Palmas 2014 SAEP - Sistema de Avaliação Educacional de Palmas TO Página 1 PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE AVALIAÇÃO, ESTATÍSTICA

Leia mais

SONDAGEM DE ALFABETIZAÇÃO: UMA ANÁLISE DAS HIPÓTESES DE ESCRITA

SONDAGEM DE ALFABETIZAÇÃO: UMA ANÁLISE DAS HIPÓTESES DE ESCRITA SONDAGEM DE ALFABETIZAÇÃO: UMA ANÁLISE DAS HIPÓTESES DE ESCRITA Letícia Guirao Marinelli Aluna do 3ª A do Curso de Pedagogia da FALS. Orientação: Profª Ms.Eliane A. Bacocina Durante o período em que cursamos

Leia mais

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA Camila Escarlety Costa 1, Jaciara Serafim De Souza 2, Lídia Thaislene Dos Santos 3, Nora Lucia Corrêa 4. 1 Universidade

Leia mais

ÁREAS DAS DIFICULDADES: Escrita RESUMO

ÁREAS DAS DIFICULDADES: Escrita RESUMO ÁREAS DAS DIFICULDADES: Escrita Mara E. Pacheco Magalhães Solange Araújo Dias Lopes Terezinha de Jesus Verli de Matos Aglae Castro da Silva Schlorke RESUMO Ler e escrever, portanto, são conhecimentos que

Leia mais

Alfabetização e Letramento www.scipione.com.br/letramento

Alfabetização e Letramento www.scipione.com.br/letramento AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM ORAL E DA LINGUAGEM ESCRITA PELA CRIANÇA Professor(a), ao abordarmos, no texto anterior, a linguagem escrita como uma das múltiplas linguagens da criança, procuramos enfatizar a

Leia mais

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização Juliana Ferreira Universidade Estadual Paulista UNESP- Araraquara E-mail: juliana.ferreiraae@gmail.com Silvio Henrique

Leia mais

Por que o Joãozinho não aprende a ler. João Batista Araujo e Oliveira Presidente do Instituto Alfa e Beto

Por que o Joãozinho não aprende a ler. João Batista Araujo e Oliveira Presidente do Instituto Alfa e Beto Por que o Joãozinho não aprende a ler João Batista Araujo e Oliveira Presidente do Instituto Alfa e Beto PISA 2012 - Língua Portuguesa Média OCDE 500 Média Brasil 412 1o decil 340 9o decil 420 10o decil

Leia mais

PLANO DE TRABALHO TÍTULO: PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA DAS CRIANÇAS

PLANO DE TRABALHO TÍTULO: PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA DAS CRIANÇAS PLANO DE TRABALHO TÍTULO: PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA DAS CRIANÇAS IDENTIFICAÇÃO O presente projeto de intervenção está sendo desenvolvido na Escola Municipal Professor

Leia mais

Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná

Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE METODOLOGIA PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS E ALFABETIZAÇÃO FORMAÇÃO DE DOCENTES

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

A EFICIÊNCIA DO MÉTODO SOCIOLINGÜÍSTICO DE ALFABETIZAÇÃO

A EFICIÊNCIA DO MÉTODO SOCIOLINGÜÍSTICO DE ALFABETIZAÇÃO A EFICIÊNCIA DO MÉTODO SOCIOLINGÜÍSTICO DE ALFABETIZAÇÃO ONAIDE SCHWARTZ MENDONÇA (DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO/ UNESP/PRESIDENTE PRUDENTE). Resumo Neste trabalho apresento resultados de pesquisa realizada

Leia mais

ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59. Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br. Apresentação

ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59. Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br. Apresentação ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59 Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br Graduada em pedagogia e fonoaudiologia, Pós-graduada em linguagem, Professora da Creche-Escola

Leia mais

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente BARCELOS-COELHO, Lenir de Jesus 155* BUENO, Ivonete 156** RESUMO: No contexto atual são patentes as dificuldades relacionadas

Leia mais

Oficina Alfabetização na Educação de Jovens e Adultos

Oficina Alfabetização na Educação de Jovens e Adultos Oficina Alfabetização na Educação de Jovens e Adultos Formadora: Priscila de Giovani priscilagiovani@uol.com.br Oficina: Alfabetização na Educação de Jovens e Adultos Apresentações: Nome/Unidade/Classe

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO

ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO Cristina Maria da Silva Lima cris86lima@yahoo.com.br Diana Gonçalves dos Santos dianasantos07@gmail.com (IEMCI/UFPA) Este estudo apresenta um relato

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

Psicogênese da Alfabetização Emilia Ferreiro. Rosa Maria Corrêa rosamc@pucminas.br

Psicogênese da Alfabetização Emilia Ferreiro. Rosa Maria Corrêa rosamc@pucminas.br Psicogênese da Alfabetização Emilia Ferreiro Rosa Maria Corrêa rosamc@pucminas.br Nível 1- Hipótese Pré- Silábica Não estabelece vínculo entre a fala e a escrita; Supõe que a escrita é outra forma de desenhar

Leia mais