CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1"

Transcrição

1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 Angela Freire O desenvolvimento das habilidades lingüísticas e comunicativas de ler e escrever, falar e ouvir com compreensão, não acontecem espontaneamente. Elas precisam ser ensinadas sistematicamente no Ensino Fundamental, sobretudo, nos anos iniciais. Os conhecimentos e as capacidades envolvidos na aquisição da língua escrita na fase inicial de alfabetização estão organizados em torno dos seguintes eixos 2 : I. Compreensão e valorização da cultura escrita. II. Apropriação do sistema de escrita III. Leitura IV. Produção de textos V. Desenvolvimento da oralidade. I. COMPREENSÃO E VALORIZAÇÃO DA CULTURA ESCRITA Uma parte significativa das crianças brasileiras que vivem sob condições econômicas desfavoráveis, sobretudo, as que estão nas escolas públicas, tem pouco acesso a práticas sociais de leitura e escrita, desconhecendo muitas de suas manifestações e utilidades Nesta direção, faz-se necessário que a escola, pela mediação do/a professor/a, proporcione a eles/as condições para: Conhecer, utilizar e valorizar os modos de manifestação e circulação da escrita na sociedade. Conhecer os usos e funções da escrita.. Desenvolver as capacidades necessárias para o uso da escrita. Saber usar os objetos de escrita presentes na cultura escolar. Visitas a diferentes espaços de circulação do texto escrito, como bancas de jornal, bibliotecas, livrarias. Audição de textos de gêneros variados como histórias, notícias, cartas, propagandas em diferentes suportes, como livros revistas, jornais, papel de carta. Entrevistas com jornaleiros, bibliotecários, escritores. Atividades de manuseio e exploração de suportes e materiais de escrita que possibilitem o/a alfabetizando/a aprender a lidar com o livro didático, com o livro de histórias, com as revistas, com jornais e suplementos infantis. Atividades que II. envolvam APROPRIAÇÃO a aprendizagem DO SISTEMA do uso do DE caderno, ESCRITA do lápis, da borracha, da régua, etc. 1

2 II. APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA Neste eixo organizam-se os conhecimentos e saberes, capacidades e atitudes que os/as alfabetizandos/as precisam adquirir para compreender as regras que orientam a leitura e a escrita no sistema alfabético, bem como o domínio da ortografia da Língua Portuguesa. Para tanto, faz-se necessário que eles/elas: Compreendam a diferença entre a escrita alfabética e outras formas gráficas: letra e desenhos, letras e rabiscos, letras e números, letras e símbolos gráficos como setas, asteriscos, sinais matemáticos. Dominem convenções gráficas, compreendendo a orientação e o alinhamento da escrita (se orienta de cima para baixo e da direita para esquerda), a função dos espaços em branco e dos sinais de pontuação. Reconheçam unidades fonológicas como rimas, sílabas, terminações de palavras. Identifiquem as letras do alfabeto, compreendendo a categorização gráfica e funcional das letras e utilizando diferentes tipos de letras (forma e cursiva, maiúscula e minúscula) tanto na leitura quanto na escrita. Compreendam a natureza alfabética do sistema de escrita (cujo princípio básico é o de que cada som é representado por uma letra, ou melhor, cada fonema por um grafema). Dominem as relações fonema/grafema, compreendendo as regularidades e irregularidades ortográficas. É importante frisar que a apropriação do sistema da escrita é um processo gradual e cada alfabetizando/a terá seu próprio ritmo. Muitas capacidades deste eixo podem não estar consolidadas logo no primeiro ano de escolaridade e vão demandar mais tempo. Exploração de sílabas, rimas, terminações semelhantes de palavras em jogos, desafios e parlendas. Identificação de fonema / grafema em um conjunto de palavras. Decomposição e composição de palavras em sílabas. Identificação e comparação da quantidade, da variação e da posição das letras de determinadas palavras: bingo, textos com lacunas, colocação de palavras em ordem alfabética, confronto entre a escrita produzida pelo/a alfabetizando/a e a escrita padrão. Exercícios que explorem as diferenças entre a escrita alfabética e outras formas gráficas, como, por exemplo, comparação entre desenhos, números, sinais matemáticos. Atividades que levem o/a alfabetizando/a a perceber que, em Língua Portuguesa, se escreve da esquerda para a direita, de cima para baixo. Atividades de exploração da segmentação dos espaços em branco e da pontuação de final de frases. Leitura em voz, apontando cada palavra lida, os espaços entre as palavras e os sinais de pontuação das frases. Exercícios de identificação de letras e de reconhecimento da ordem alfabética como bingo, forca, consulta à lista telefônica e ao dicionário. Atividades como observação, discussão de regras, jogos ortográficos, palavras cruzadas, charadas, caça-palavras, correção orientada de textos. Expor na sala de aula todas as letras do alfabeto, para que os/as alfabetizandos/as, sempre que for necessário, tenham um modelo para consultar. Vale lembrar que a identificação de diferentes tipos de letras pode ser iniciada no primeiro ano de escolaridade, mas o uso da letra cursiva na escrita não será exigido dos/as alfabetizandos/as que 2

3 ainda não sabem ler. À medida que se alfabetizam, eles/elas mesmos/as passam a demandar o uso da cursiva e terão mais facilidade para se apropriarem dela. III. LEITURA A leitura é considerada uma atividade ao mesmo tempo individual e social. Individual porque depende do processamento que cada sujeito realiza para compreender, isto é, depende da realização de operações mentais como percepção, análise, síntese, generalizações, inferências, entre outras. Social porque, quando alguém lê, o faz em contextos específicos de interação e isso envolve diferentes comportamentos, atitudes e objetivos na situação comunicativa. Conhecimentos e saberes, capacidades e atitudes envolvidas no processo de leitura: Desenvolvimento das capacidades relativas ao código escrito especificamente necessárias à leitura. Desenvolvimento das capacidades de decifração. - Saber decodificar palavras e textos escritos. - Saber ler reconhecendo globalmente as palavras. Estimular a leitura de livros diversificados. Ler e discutir os conteúdos dos textos. Valorizar a leitura como fonte de entretenimento. Cuidar dos livros e demais materiais escritos. Procurar informações em jornais e revistas. Levantar hipóteses sobre o conteúdo dos textos observando, por exemplo, imagens e outras pistas gráficas. Recontar textos. Observar a finalidade dos textos, a partir da análise do suporte em que foram veiculados, do gênero e da sua autoria. É importante salientar que o trabalho com a compreensão de texto deve ser iniciado antes mesmo que dos/as alfabetizandos/as tenham aprendido a decodificar e a reconhecer globalmente as palavras. Para tanto, faz-se necessário que o/a professor/a coloque-os em contato com diversos gêneros textuais, como por exemplo: Histórias, poemas, trovas, canções, parlendas, listas, agendas, propagandas, notícias, cartazes, receitas culinárias, instruções de jogos..., e leia para eles/elas em voz alta ou peça-lhes a leitura autônoma. Além disso, é desejável: Abordar as características gerais desses gêneros, perguntando: - Do que eles costumam tratar? Como costumam se organizar? Que recursos lingüísticos costumam usar? Para que servem? Propor aos alfabetizandos perguntas como: 3

4 - O texto que vamos ler vem num jornal? Num livro? Num folheto? Numa caixa de brinquedo? Que espécie (gênero) de texto será esse? Para que ele serve? Quem é que conhece outros textos parecidos com esse? Onde? Buscar informações sobre o autor do texto, a época em que ele foi publicado, com que objetivos foi escrito. Esses dados permitem situar o texto no contexto em que foi produzido e ampliam as possibilidades de compreensão e de fruição do que vai ser lido. Estimular a elaboração de hipóteses: - Este texto trata de que assunto? É uma história? É uma notícia? É triste? É engraçado? Promover a adivinhação do que o texto diz, pela suposição de que alguma coisa está escrita; pelo conhecimento do seu suporte: livro de história, jornal, revista, folheto, quadro de avisos, etc; pelo conhecimento de suas funções: informar, divertir, etc; pelo título, pelas ilustrações. Interromper no meio a leitura de uma história (ou de outro gênero de texto) e perguntar aos alfabetizandos o que eles/elas acham que vai acontecer, como o texto vai prosseguir, e por que pensam assim. Incentivar os/as alfabetizandos/as a lerem o texto nas entrelinhas, a produzirem inferências, a formularem e a testarem de hipóteses, a conectarem informações, a prestarem atenção e explicarem os não-ditos, a descobrirem e explicarem os porquês e as relações entre o texto e seu título, a fazerem extrapolações (isto é, projetando o sentido do texto para outras vivências, outras realidades). GÊNEROS TEXTUAIS: são as diferentes espécies de texto, escritos ou falados, que circulam e que são reconhecidos socialmente. Exemplo: bilhete, poema, letra de música, entre outros. SUPORTE: referem-se à base material que permite a circulação desses gêneros, com características físicas diferenciadas. Exemplo: jornal, livro, dicionário, placa, catálogo, agenda, entre outros. IV. PRODUÇÃO DE TEXTOS Assim como a leitura, a produção de um texto também é concebida como uma atividade social, visto que se relaciona a objetivos específicos e a leitores/as determinados/as. Isto implica que o como e o que escrever estão entrelaçados com o para que e o por que escrever. Ao entrar na escola, o/a alfabetizando aprende não só a escrever, mas, também, a compreender e a valorizar o uso da escrita para diferentes funções. Entretanto, as suas primeiras experiências de escrita não precisam se limitar a exercícios grafo-motores ou a atividades treinamento de habilidades sistema de escrita controladas de reproduzir escritos e preencher lacunas. Saber pegar no lápis e traçar letras, compondo sílabas e palavras, bem como dispor, ordenar e organizar o próprio texto de acordo com as convenções gráficas apropriadas são capacidades que devem ser desenvolvidas logo no início do processo de alfabetização. No início deste processo, os/as alfabetizandos/as podem: Participar da produção coletiva de textos, em que o/a professor/a faz o papel de escriba e registra o texto que eles vão produzindo. 4

5 À medida que o processo avança, eles vão ganhando autonomia e aprendendo a escrever sozinhos. Nesse sentido, é importante que, desde o início, o/a professor/a oriente o planejamento do texto em função de sua temática, de seu interlocutor, do suporte onde vai circular (escrever, por exemplo, um bilhete para os pais pedindo materiais para fazer uma receita de bolo na sala). Assim, os alfabetizandos devem aprender a: Selecionar o vocabulário, as estruturas sintáticas em função da situação de comunicação; e devem aprender, também, a revisar e re-elaborar seus textos para atenderem aos objetivos, ao destinatário e ao contexto de circulação previsto. Conhecimentos e saberes, capacidades e atitudes envolvidas no processo de produção de texto: Compreensão e valorização do uso da escrita com diferentes funções, em diferentes gêneros. Produção de textos escritos de gêneros diversos, adequados aos objetivos, ao destinatário e ao contexto de circulação: - Dispor, ordenar e organizar o próprio texto de acordo com as convenções gráficas apropriadas. - Escrever segundo o princípio alfabético e as regras ortográficas. - Planejar a escrita do texto considerando o tema central e seus desdobramentos. - Organizar os próprios textos segundo os padrões de composição usuais na sociedade. - Usar a variedade lingüística apropriada à situação de produção e de circulação, fazendo escolhas adequadas quanto ao vocabulário e à gramática. - Usar recursos expressivos (estilísticos e literários) adequados ao gênero e aos objetivos do texto. - Revisar e re-elaborar a própria escrita, segundo critérios adequados aos objetivos, ao destinatário e ao contexto de circulação previsto. Ler em voz alta para os/as alfabetizando/as histórias, notícias, propaganda, avisos, cartas circulares para os pais, etc. Trazer para a sala de aula textos escritos de diferentes gêneros, em diversos suportes ou portadores e explorar esse material com os/as alfabetizando/as (para que servem a que leitores se destinam, onde se apresentam, como se organizam, de que tratam e que tipo de linguagem utilizam). Fazer uso da escrita na sala de aula, com diferentes finalidades, envolvendo os/as alfabetizandos/as (registro da rotina do dia no quadro de giz, anotação de decisões coletivas, pauta de organização de trabalhos, jogos e festas coletivos, etc.). Escrever, por exemplo, um bilhete para os pais pedindo materiais para fazer uma receita de bolo na sala. V. DESENVOLVIMENTO DA ORALIDADE Só muito recentemente a linguagem oral passou a ser considerada como objeto de atenção do ensino. Quando o/a alfabetizando/a entra na escola: ele/ela já sabe fazer uso de uma fala cotidiana, utilizando a linguagem oral em suas interações para afirmar suas vontades, expressar seus sentimentos, manifestar suas preferências entre outras coisas. 5

6 À escola cabe o papel de aproximá-los dos usos da linguagem que são socialmente privilegiados, das práticas de linguagem que são valorizadas, da variante lingüística considerada padrão. Mas, ao mesmo tempo em que faz isso, a escola irá mostrar aos alfabetizandos que seu modo de falar, o que aprendeu com sua família, na sua comunidade, é também legítimo e que não se deve discriminar as pessoas pelo seu modo de falar. Ao participar das interações propostas em sala de aula, eles/elas vão aprendendo a ouvir e a falar em situações diferenciadas. Aprendendo, por exemplo, a ouvir o/a professor/a e a compreender o que ele/ela fala, a ouvir os/as colegas e esperar sua vez de falar, a ter atenção enquanto o outro fala, a respeitar a diversidade nos modos de falar. Simultaneamente, vão aprendendo também a dar recados, a contar casos sem perder o fio da meada, a expor oralmente idéias. Conhecimentos e saberes, capacidades e atitudes envolvidas no desenvolvimento da oralidade: Participação nas interações cotidianas em sala de aula: - Escuta com atenção e compreensão. - Respostas às questões propostas pelo/a professor/a. - Expondo opiniões nos debates com os/as colegas e com o/a professor/a. Respeito à diversidade das formas de expressão oral manifestas por colegas, professores/as e funcionários/as da escola, bem como por pessoas da comunidade extra-escolar. Usar a língua falada em diferentes situações escolares, buscando empregar a variedade lingüística adequada. Planejamento da fala em situações formais. Realização das tarefas cujo desenvolvimento dependa de escuta atenta e compreensão. Notas 1 O presente texto tem o objetivo de subsidiar os/as professores/as alfabetizadores/as na compreensão dos processos que estão envolvidos na aquisição do sistema de escrita alfabética, da leitura, da produção de texto e do desenvolvimento da oralidade. 2 Informações extraídas do Programa de Formação Continuada de Professores das Séries Iniciais do Ensino Fundamental (Pró-Letramento). Alfabetização e Linguagem, fascículo 1. Secretária de educação Básica (SEB). 2005, elaborado e sistematizado por Angela Freire, Pedagógica lotada na Coordenação de Ensino e Apoio Pedagógico (CENAP) / Núcleo de Tecnologia Educacional (NET-17), na Fábrica do Saber.. 6

ORGANIZAÇÃO DAS PRÁTICAS CURRICULARES DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Palavras-chave: alfabetização, letramento, ensino, aprendizagem.

ORGANIZAÇÃO DAS PRÁTICAS CURRICULARES DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Palavras-chave: alfabetização, letramento, ensino, aprendizagem. Revista Eletrônica de Educação de Alagoas Volume 01. Nº 01. 1º Semestre de 2013 ORGANIZAÇÃO DAS PRÁTICAS CURRICULARES DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Maria Vilma da SILVA 1 Resumo Este artigo apresenta os

Leia mais

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA - PIP MATRIZ CURRICULAR LÍNGUA PORTUGUESA CICLO DA ALFABETIZAÇÃO - 1º, 2º E 3º ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA - PIP MATRIZ CURRICULAR LÍNGUA PORTUGUESA CICLO DA ALFABETIZAÇÃO - 1º, 2º E 3º ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1. Compreensão e valorização da cultura escrita SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E FUNDAMENTAL

Leia mais

Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 AQUISIÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA

Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 AQUISIÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/proletr/fasciculo_port.pdf Antônio Augusto Gomes Batista Ceris S. Ribas Silva Maria das Graças de Castro Bregunci Maria

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM

EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM COMUNICAÇÃO FASE I FASE II ORALIDADE Transmitir recados simples. Formar frases com seqüência. Argumentar para resolver conflitos. Verbalizar suas necessidades e

Leia mais

Produção de inferência. Compreensão global.

Produção de inferência. Compreensão global. 2. APROPRIAÇÃO DO SISEMA DE ESCRIA 1. COMPREENSÃO E VALORIZAÇÃO DA CULURA ESCRIA ORGANIZAÇÃO MARIZ CURRICULAR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENAL PORUGUÊS: 2º ANO 1º BIMESRE EIXO CAPACIDADE CONEÚDO

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV DISCIPLINA : LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS GERAIS Ampliar gradativamente suas possibilidades de comunicação e

Leia mais

PLANOS DE AULA PARA TRABALHAR AS CAPACIDADES

PLANOS DE AULA PARA TRABALHAR AS CAPACIDADES PLANOS DE AULA PARA TRABALHAR AS CAPACIDADES 2012 Trabalhando com as capacidades O sucesso de um projeto pedagógico de alfabetização depende, crucialmente, do envolvimento dos profissionais comprometido

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA 1º PERÍODO

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA 1º PERÍODO 1º PERÍODO Prezados pais, Encaminhamos a Programação da 3ª Etapa de 2015, material que serve de apoio para o acompanhamento das habilidades que serão desenvolvidas. Lembramos que este planejamento é flexível

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III DISCIPLINA : LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS GERAIS Ampliar gradativamente suas possibilidades de comunicação e expressão, interessando-se por conhecer

Leia mais

A apropriação do Sistema de Escrita Alfabética e a Consolidação do Processo de Alfabetização. Unidade 3

A apropriação do Sistema de Escrita Alfabética e a Consolidação do Processo de Alfabetização. Unidade 3 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA A apropriação do Sistema de Escrita Alfabética e a Consolidação

Leia mais

INFORMATIVO 2015 GRUPO 3

INFORMATIVO 2015 GRUPO 3 INFORMATIVO 2015 GRUPO 3 3 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18).

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18). SUGESTÕES PARA O APROVEITAMENTO DO JORNAL ESCOLAR EM SALA DE AULA 1ª a 5ª série A cultura escrita diz respeito às ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Esse processo

Leia mais

Alfabetização. Introdução

Alfabetização. Introdução Alfabetização Introdução As parcerias entre o Instituto Ayrton Senna e governos estaduais e municipais são firmadas porque ambas as partes acreditam na importância do desenvolvimento do potencial das crianças

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Prof. Juliana Pinto Viecheneski LIVRO DIDÁTICO ONTEM E HOJE A escola tem um papel fundamental para garantir o contato com livros desde a primeira infância:

Leia mais

1. Ensino Fundamental de 9 anos

1. Ensino Fundamental de 9 anos Eliete Bevilacqua Presta e Albanize Aparecida Arêdes Neves 1. Ensino Fundamental de 9 anos Reflexões sobre a organização do trabalho pedagógico nas salas do 1º ano Em cumprimento às determinações do governo

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

NOME DO PROJETO PROJETO MERGULHANDO NA LEITURA 2013 PÚBLICO ALVO Educação Infantil e Ensino Fundamental I

NOME DO PROJETO PROJETO MERGULHANDO NA LEITURA 2013 PÚBLICO ALVO Educação Infantil e Ensino Fundamental I NOME DO PROJETO PROJETO MERGULHANDO NA LEITURA 2013 PÚBLICO ALVO Educação Infantil e Ensino Fundamental I OBJETIVOS GERAIS: Promover o hábito da leitura entre os alunos; Proporcionar ao aluno o prazer

Leia mais

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS LEITURA TESTE 2 2012 ELABORAÇÃO: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) Diretoria de Avaliação da Educação Básica (Daeb)

Leia mais

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P.

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P. Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento Prof. Juliana P. Viecheneski O que nos vem à mente quando falamos em rotina? Na prática

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS.

CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS. CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS. Elaine Cristina Rodrigues Gomes Vidal. Gruhbas Projetos Educacionais

Leia mais

ALFABETIZAR LETRANDO: DESAFIOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA ALFABETIZADORA

ALFABETIZAR LETRANDO: DESAFIOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA ALFABETIZADORA ALFABETIZAR LETRANDO: DESAFIOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA ALFABETIZADORA Georgyanna Andréa Silva Morais ¹ RESUMO O presente artigo é parte integrante das discussões empreendidas na pesquisa do Mestrado em Educação

Leia mais

Por que é importante planejar o fazer didático?

Por que é importante planejar o fazer didático? SECRETARIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA SEDUC COORDENADORIA DE COOPERAÇÃO COM OS MUNICÍPIOS - COPEM PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PAIC ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS PARA O 1º ANO Caro professor (a), Iniciamos mais

Leia mais

Competência Conteúdo Habilidade Eixo - Lingua (gem) comunicando

Competência Conteúdo Habilidade Eixo - Lingua (gem) comunicando PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP Marcos de Aprendizagem Ciclo de Aprendizagem I 1º Ano de Escolarização

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP Avaliação Diagnóstica Inicial para Classes do 4º ano do Ciclo de Aprendizagem

Leia mais

Apropriação do sistema de escrita: capacidades a serem atingidas ao longo do ciclo de alfabetização na Educação Infantil

Apropriação do sistema de escrita: capacidades a serem atingidas ao longo do ciclo de alfabetização na Educação Infantil Maria Celia Montagna de Assumpção Apropriação do sistema de escrita: capacidades a serem atingidas ao longo do ciclo de alfabetização na Educação Infantil Nessa aula, você verá alguns conhecimentos que

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: a Práxis Educacional

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: a Práxis Educacional SEMINÁRIO DE FORMAÇÃO DE GESTORES E EDUCADORES DO PROGRAMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: DIREITO À DIVERSIDADE Palmas-Tocantins-2012 DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: a Práxis Educacional Aida Monteiro trevoam@terra.com.br

Leia mais

Palavras-chave: alfabetização; gêneros textuais; letramento.

Palavras-chave: alfabetização; gêneros textuais; letramento. ALFABETIZANDO E LETRANDO: UMA EXPERIÊNCIA NO/DO PROJETO PACTO PELA ALFABETIZAÇÃO Claudionor Alves da Silva 1 Oney Cardoso Badaró Alves da Silva 2 Resumo: O objetivo deste trabalho é apresentar uma experiência

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: MENTIRA DA BARATA

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: MENTIRA DA BARATA SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E FUNDAMENTAL DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL SEQUÊNCIA DIDÁTICA: MENTIRA DA BARATA

Leia mais

MARCOS DE APRENDIZAGEM EDUCAÇÃO INFANTIL 0 a 3 Anos

MARCOS DE APRENDIZAGEM EDUCAÇÃO INFANTIL 0 a 3 Anos Prefeitura Municipal do Salvador Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP MARCOS DE APRENDIZAGEM EDUCAÇÃO INFANTIL 0 a 3 Anos COMPETÊNCIA CONTEÚDO

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA

A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA Resumo Gisele Brandelero Camargo 1 - UEPG Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Síntia Lúcia Faé Ebert Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS SMED/POA- Escola M. E. F. João Antônio Satte Cristiane Lumertz Klein Domingues

Leia mais

Teste Cognitivo Leitura e Escrita Gabarito Comentado

Teste Cognitivo Leitura e Escrita Gabarito Comentado Teste Cognitivo Leitura e Escrita Gabarito Comentado Programa Brasil Alfabetizado 2008 09.08-103C PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO - 2008 TESTE COGNITIVO DE LEITURA E ESCRITA - ENTRADA GABARITO COMENTADO CENTRO

Leia mais

HISTORIANDO GUARIBAS: UMA EXPERIÊNCIA DE ESCOLARIZAÇÃO DO SESC LER i

HISTORIANDO GUARIBAS: UMA EXPERIÊNCIA DE ESCOLARIZAÇÃO DO SESC LER i HISTORIANDO GUARIBAS: UMA EXPERIÊNCIA DE ESCOLARIZAÇÃO DO SESC LER i Rozenilda Maria de Castro Silva ii O trabalho que pretendemos socializar é o Projeto Pedagógico Historiando Guaribas, de alfabetização

Leia mais

Plano de Estudo 3ª Etapa

Plano de Estudo 3ª Etapa Plano de Estudo 3ª Etapa NÍVEL DE ENSINO: ENSINO FUNDAMENTAL I ANO: 1º Srs. Pais, SAÚDE E PAZ! Esse plano de estudo tem como finalidade levá-los a conhecer melhor a proposta desenvolvida no 1º ano. Nele

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade III ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Aula anterior O fim das cartilhas em sala de aula; Comunicação e linguagem; Sondagem da escrita infantil; Ao desenhar, a criança escreve;

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos (RE)DISCUTINDO AS ATIVIDADES DE LEITURA EM LIVROS DIDÁTICOS DE LINGUA PORTUGUESA SOB O VIÉS DO LETRAMENTO CRÍTICO Rosenil Gonçalina dos Reis e Silva (UFMT) rosenilreis@gmail.com Simone de Jesus Padilha

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 16 outubro de 2012) No caso específico da disciplina de PORTUGUÊS, do 3.º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

Língua Portuguesa. Expectativas de aprendizagem. Expressar oralmente seus desejos, sentimentos, idéias e pensamentos.

Língua Portuguesa. Expectativas de aprendizagem. Expressar oralmente seus desejos, sentimentos, idéias e pensamentos. Língua Portuguesa As crianças do 1º ano têm o direito de aprender e desenvolver competências em comunicação oral, em ler e escrever de acordo com suas hipóteses. Para isto é necessário que a escola de

Leia mais

O PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA E A INFLUÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR ALFABETIZADOR

O PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA E A INFLUÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR ALFABETIZADOR O PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA E A INFLUÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR ALFABETIZADOR GUIDI, Janete Aparecida 1 - UEM SHIMAZAKI, Elsa Midori 2 - UEM Grupo de Trabalho Formação de professores

Leia mais

Avaliação na Educação Infantil Legislação e Pesquisas

Avaliação na Educação Infantil Legislação e Pesquisas Avaliação na Educação Infantil Legislação e Pesquisas Maévi Anabel Nono UNESP Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas Departamento de Educação São José do Rio Preto Diversos pesquisadores têm

Leia mais

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC Coordenação de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa Ciclo de Aprendizagem I e II MARCOS

Leia mais

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Encontro 2 Coordenadores Pedagógicos CEFOR 05 de Junho 2013 Pauta Acolhimento Leitura deleite Apresentação / entrevista

Leia mais

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA RAQUEL MONTEIRO DA SILVA FREITAS (UFPB). Resumo Essa comunicação objetiva apresentar dados relacionados ao plano

Leia mais

Estudo e desenvolvimento de ferramentas digitais para apoio à alfabetização

Estudo e desenvolvimento de ferramentas digitais para apoio à alfabetização Prof. Dr. Diogo Porfírio de Castro Vieira Prof. Me. Guilherme Vaz Torres Prof.ª Me. Tania Cristina Pedreschi R. Squilaci Estudo e desenvolvimento de ferramentas digitais para apoio à alfabetização Brasil

Leia mais

Letramento: Um ano de histórias

Letramento: Um ano de histórias 1 Letramento: Um ano de histórias Joyce Morais Pianchão 1 RESUMO Ensinar a ler e escrever é a meta principal da escola. E para que todos exerçam seus direitos, exercendo com dignidade a sua cidadania na

Leia mais

Reunião com pais. Tema: Hábitos de estudo. 1. Objetivos da reunião. 2. Desenvolvimento

Reunião com pais. Tema: Hábitos de estudo. 1. Objetivos da reunião. 2. Desenvolvimento Tema: Hábitos de estudo 1. Objetivos da reunião 1.1. Aprofundar reflexões sobre a necessidade de se criarem hábitos de estudo. 1.2. Compreender que situações e posturas familiares simples tendem a ajudar

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL V

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL V CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL V OBJETIVOS GERAIS. Desenvolvimento da autoestima; Reconhecimento e descoberta do próprio corpo; Desenvolvimento

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013-2014

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013-2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013-2014 Agrupamento de Escolas Domingos Sequeira Área Disciplinar: Português Ano de Escolaridade: 3º Mês: outubro Domínios de referência Objetivos/Descritores Conteúdos Oralidade 1

Leia mais

ORGANIZAÇÃO MATRIZ CURRICULAR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

ORGANIZAÇÃO MATRIZ CURRICULAR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 2. APROPRAÇÃO DO SSTEMA DE ESCRTA 1. COMPREENSÃO E VALORZAÇÃO DA CULTURA ESCRTA ORGANZAÇÃO MATRZ CURRCULAR DOS ANOS NCAS DO ENSNO FUNDAMENTAL PORTUGUÊS: 1º ANO 1º BMESTRE EXO CAPACDADE CONTEÚDO 1º ANO

Leia mais

A LITERATURA INFANTIL NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO

A LITERATURA INFANTIL NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO 54 A LITERATURA INFANTIL NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Raíssa Pífano de Araújo* raissa_araujo_@hotmail.com Vanessa Titonelli Alvim* Titonelli.vanessa@yahoo.com.br *Graduanda em Pedagogia **Graduanda em

Leia mais

HISTÓRIA ORAL INTEGRADA A HISTÓRIA LOCAL: UM OLHAR SOBRE O VÍDEO TVESCOLA AULA LÁ FORA-PARTE II-MINHA COMUNIDADE

HISTÓRIA ORAL INTEGRADA A HISTÓRIA LOCAL: UM OLHAR SOBRE O VÍDEO TVESCOLA AULA LÁ FORA-PARTE II-MINHA COMUNIDADE HISTÓRIA ORAL INTEGRADA A HISTÓRIA LOCAL: UM OLHAR SOBRE O VÍDEO TVESCOLA AULA LÁ FORA-PARTE II-MINHA COMUNIDADE Resumo: Fabiana Machado da Silva Mestre em História Regional e Local (UNEB/ Campus V) A

Leia mais

Introdução a Engenharia de Produção. Instrumentos de Avaliação. EMENTA do curso. Bibliografia Básica. Instrumentos de Avaliação 20/03/2012

Introdução a Engenharia de Produção. Instrumentos de Avaliação. EMENTA do curso. Bibliografia Básica. Instrumentos de Avaliação 20/03/2012 Introdução a Engenharia de Produção Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO Introdução a Engenharia de Produção Objetivos 1. Apresentar ao educando o curso de Engenharia de Produção com suas diversas

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E A AMPLIAÇÃO DE HORIZONTES: UMA EXPERIÊNCIA DE SUCESSO

ALFABETIZAÇÃO E A AMPLIAÇÃO DE HORIZONTES: UMA EXPERIÊNCIA DE SUCESSO ALFABETIZAÇÃO E A AMPLIAÇÃO DE HORIZONTES: UMA EXPERIÊNCIA DE SUCESSO Sônia Maria Rezende 1 RESUMO: Este relato de experiência abre possibilidades de ação para a ampliação dos processos de alfabetização

Leia mais

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita.

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS

UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS Jorge Ferreira da Silva Filho Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Viegas Ribas Pesquisador e Consultor Psicopedagógico

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER PAULO FREIRE

A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER PAULO FREIRE Revista Científica FacMais A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER PAULO FREIRE Daniel Sotelo 1 Resenha da obra: FREIRE, Paulo. A Importância do Ato de Ler - em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez Editora

Leia mais

Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem

Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem A avaliação no Programa de Alfabetização é processual. O seu propósito é o de

Leia mais

FERNANDO FERNANDES DA SILVA PRODUÇÃO DIDÁTICO PEDAGÓGICA (OAC)

FERNANDO FERNANDES DA SILVA PRODUÇÃO DIDÁTICO PEDAGÓGICA (OAC) 1 FERNANDO FERNANDES DA SILVA PRODUÇÃO DIDÁTICO PEDAGÓGICA (OAC) IES: UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA ORIENTADOR: Prof. DARTAGNAN PINTO GUEDES ÁREA CURRICULAR: EDUCAÇÃO FÍSICA DEZEMBRO 2008 LONDRINA

Leia mais

BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS

BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS Projeto: Brinquedos e Brincadeiras Elaboração: Míria Azevedo de Lima Bartelega Função: Multiplicadora do Núcleo de Tecnologia Educacional SRE Varginha Colaboração: Daniela Chaves

Leia mais

Proposta de trabalho: Sequência Didática

Proposta de trabalho: Sequência Didática Proposta de trabalho: Sequência Didática Equipe Central/ SEE/ EENSA 2013 Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais Subsecretaria de Desenvolvimento da Educação Básica Superintendência de Desenvolvimento

Leia mais

1.3. OBJETIVOS ESPECÍFICOS

1.3. OBJETIVOS ESPECÍFICOS UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA UCB PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX DIRETORIA DE PROGRAMA COMUNITÁRIOS - DPC EDITAL PROJETO RONDON UCB 01/2012 EDITAL PARA SELEÇÃO DE ESTUDANTES PARA PARTICIPAÇÃO NO PROJETO

Leia mais

Programação da 2ª Etapa 2º Período Educação Infantil

Programação da 2ª Etapa 2º Período Educação Infantil Programação da 2ª Etapa 2º Período Educação Infantil Prezados Pais: Este documento foi preparado com o objetivo de oferecer a vocês informações sobre o trabalho que será realizado com as crianças durante

Leia mais

difusão de idéias ELABORAÇÃO DE UMA ESCALA PARA AVALIAÇÃO DE ALUNOS DA 1ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL I EM LÍNGUA PORTUGUESA

difusão de idéias ELABORAÇÃO DE UMA ESCALA PARA AVALIAÇÃO DE ALUNOS DA 1ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL I EM LÍNGUA PORTUGUESA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 ELABORAÇÃO DE UMA ESCALA PARA AVALIAÇÃO DE ALUNOS DA 1ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL I EM LÍNGUA PORTUGUESA Marialva Rossi Tavares Suely Amaral

Leia mais

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS TESTE 1 PRIMEIRO SEMESTRE 2011 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Presidência do Instituto Nacional

Leia mais

Quem é o cidadão que freqüenta os sites de ciência brasileiros

Quem é o cidadão que freqüenta os sites de ciência brasileiros Quem é o cidadão que freqüenta os sites de ciência brasileiros Dayse Lúcia M. Lima Instituto Nacional de Tecnologia INT/MCT Brasil Os portais das agências governamentais se tornaram o espaço preferencial

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Segundo o Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil : Educar significa, portanto, propiciar situações de cuidados, brincadeiras e aprendizagens

Leia mais

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita I n t e r v e n ç ã o E d u c a t i v a O acompanhamento musical do canto e da dança permite enriquecer e diversificar a expressão musical. Este acompanhamento pode ser realizado pelas crianças, pelo educador

Leia mais

Sugestões de Atividades para Alfabetização

Sugestões de Atividades para Alfabetização Sugestões de Atividades para Alfabetização Palmas 2014 SAEP - Sistema de Avaliação Educacional de Palmas TO Página 1 PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE AVALIAÇÃO, ESTATÍSTICA

Leia mais

Netiqueta Regras de convivência na Internet

Netiqueta Regras de convivência na Internet São alguns modelos de conduta que irão facilitar o relacionamento com os colegas e professor e contribuir para uma aprendizagem colaborativa e efetiva. O termo inglês NET (significa REDE ) e o termo ETIQUETA

Leia mais

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola http://luizsoaresdecassia.blogspot.com.br APRENDER A ESCREVER Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola Todos os anos, milhares de meninos e meninas do ensino fundamental de todo

Leia mais

COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS. Texto na íntegra

COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS. Texto na íntegra COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS TOLEDO, Daniela Maria de (Mestranda) RODRIGUES, Maria Alice de Campos (Orientadora); UNESP FCLAr Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar CAPES Texto

Leia mais

Apresentação. Situações de Aprendizagem Língua Portuguesa. Atuação 1 Matando a charada. Recomendada para 5a/6a EF. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Situações de Aprendizagem Língua Portuguesa. Atuação 1 Matando a charada. Recomendada para 5a/6a EF. Tempo previsto: 4 aulas Situações de Aprendizagem Língua Portuguesa Atuação 1 Matando a charada Recomendada para 5a/6a EF Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Decifrar uma charada significa

Leia mais

2º Grupo de Estudo Professores PEB1. Alfabetização e Letramento na Educação de Jovens e Adultos. Consultor/Analista em Políticas Públicas de Educação

2º Grupo de Estudo Professores PEB1. Alfabetização e Letramento na Educação de Jovens e Adultos. Consultor/Analista em Políticas Públicas de Educação 2º Grupo de Estudo Professores PEB1 Alfabetização e Letramento na Educação de Jovens e Adultos Rogério Luís Massensini Consultor/Analista em Políticas Públicas de Educação Agenda Abertura Objetivos do

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA ALFABETIZAÇÃO Fernanda Gonçalves Doro E.M. Gilberto de Alencar fgdoro@pop.com.br

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA ALFABETIZAÇÃO Fernanda Gonçalves Doro E.M. Gilberto de Alencar fgdoro@pop.com.br 1 PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA ALFABETIZAÇÃO Fernanda Gonçalves Doro E.M. Gilberto de Alencar fgdoro@pop.com.br No processo de aprendizagem da língua escrita, o trabalho com objetos significativos

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: UMA ANÁLISE ACERCA DOS CONCEITOS.

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: UMA ANÁLISE ACERCA DOS CONCEITOS. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: UMA ANÁLISE ACERCA DOS CONCEITOS. Gersivalda Mendonça da Mota (Universidade Tiradentes) historiagerssyn@hotmail.com Carlos Vinícius de Farias (Universidade Tiradentes) Alfabetizar

Leia mais

OBJETIVO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA APRENDIZAGEM

OBJETIVO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA APRENDIZAGEM A FORMAÇÃO TEÓRICO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA NOVA CONCEPÇÃO DE ENSINO- APRENDIZAGEM PROFª.. MS. MARIA INÊS MIQUELETO CASADO 28/05/2009 OBJETIVO - Contribuir para a reflexão

Leia mais

Mestrado Online respostas

Mestrado Online respostas Mestrado Online respostas Resumo 1. Por que razão escolheu este mestrado em regime online? 1. Escolhi o mestrado online porque é um mestrado que aborda questões relacionadas com a minha área de formação,

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL

RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo MATUCHESKI, Franciele Luci PUCPR francielematucheski@yahoo.com.br Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO: DIALOGANDO NAS PERSPECTIVAS DO DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA NA CRIANÇA E SUAS RELAÇÕES 1

METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO: DIALOGANDO NAS PERSPECTIVAS DO DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA NA CRIANÇA E SUAS RELAÇÕES 1 METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO: DIALOGANDO NAS PERSPECTIVAS DO DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA NA CRIANÇA E SUAS RELAÇÕES 1 Daniele Santiago Santos 2 Olivia Margarete Machado Queiroz Souza 3 Resumo: Este artigo

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

PLATAFORMA DOS CENTROS URBANOS

PLATAFORMA DOS CENTROS URBANOS PLATAFORMA DOS CENTROS URBANOS Consulta às Lideranças das Comunidades Consulta às Crianças e aos Adolescentes Síntese dos resultados Março 2010 Introdução Este relatório sintetiza os resultados de duas

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

UMA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DOCENTE ATRAVÉS DAS NARRATIVAS DISCENTES

UMA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DOCENTE ATRAVÉS DAS NARRATIVAS DISCENTES UMA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DOCENTE ATRAVÉS DAS NARRATIVAS DISCENTES Luciana Bessa Silva (bessaluciana@hotmail.com) RESUMO Como humanos, narramos nossos sentimentos, nossos desejos, nossas emoções, nossas

Leia mais

A coleção supera as expectativas a cada ano. E isso é só o começo.

A coleção supera as expectativas a cada ano. E isso é só o começo. porta aberta Nova edição Letramento e Alfabetização 1º ao 3º ano A coleção supera as expectativas a cada ano. E isso é só o começo. 25385COL38 Os 3 volumes iniciais são voltados para a aquisição do sistema

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO 1. PERFIL DO CURSO O Curso de Pedagogia da PUC Minas, alinhado com o ideário humanista defendido pela Instituição, compromete-se com

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO NO DESENVOLVIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO NO DESENVOLVIMENTO GESTÃO DO CONHECIMENTO NO DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS UTILIZANDO FERRAMENTAS DA EAD 04/2005 029-TC-C4 LANE PRIMO SENAC/CE laneprimo@aol.com C MÉTODOS E TECNOLOGIAS 4 EDUCAÇÃO CORPORATIVA

Leia mais

LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA

LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA INTRODUÇÃO Silvane Santos Souza(UNEB/Lusófona) No contexto atual em que a educação encontra-se inserida, surgem muitas inquietações

Leia mais

ORTOGRAFIA NA ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

ORTOGRAFIA NA ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS ORTOGRAFIA NA ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS O que é ortografia? A ortografia é uma convenção social criada para facilitar a comunicação escrita. Dominando-a, temos uma forma comum de escrever cada

Leia mais

IDOSOS E A LEITURA DE JORNAL.

IDOSOS E A LEITURA DE JORNAL. IDOSOS E A LEITURA DE JORNAL. Adriana Pastorello. Programa de Pós-Graduação Universidade Estadual Paulista Câmpus de Marília SP. Grupo de pesquisa: Processos de leitura e de escrita: apropriação e objetivação.

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades: OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL V - 2012 A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

Leia mais

CN Ensino Médio Oficina de Produção Textual Modalidade EaD Multas e infrações no trânsito Material do monitor

CN Ensino Médio Oficina de Produção Textual Modalidade EaD Multas e infrações no trânsito Material do monitor Prezado monitor Essa Oficina denominada Multas e infrações no trânsito objetiva auxiliar o aluno na elaboração de produções textuais. E para atingir esse objetivo trabalharemos com conteúdos, alguns já

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Pedagogia Obs.: Para proposta

Leia mais

A ORALIDADE, LEITURA E ESCRITA NO COTIDIANO INFANTIL

A ORALIDADE, LEITURA E ESCRITA NO COTIDIANO INFANTIL A ORALIDADE, LEITURA E ESCRITA NO COTIDIANO INFANTIL ILZE MARIA COELHO MACHADO (SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO). Resumo Este artigo sintetiza algumas práticas docentes que focalizam o trabalho com as

Leia mais

SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA ENSINO FUNDAMENTAL I NOME PRÓPRIO

SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA ENSINO FUNDAMENTAL I NOME PRÓPRIO SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA ENSINO FUNDAMENTAL I NOME PRÓPRIO A Secretaria Municipal da Educação (SME) apresenta sugestões de atividades que podem ser incorporadas ao planejamento pedagógico do 1º ao

Leia mais

2.2 O PERFIL DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL

2.2 O PERFIL DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL 2.2 O PERFIL DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL Ao conceber as instituições de Educação Infantil como espaços onde ocorre o processo educativo, processo este pelo qual os homens apropriam-se do desenvolvimento

Leia mais

UM ESTUDO EM TORNO DA LINGUAGEM ESCRITA DE CRIANÇAS EM PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO ESCOLAR

UM ESTUDO EM TORNO DA LINGUAGEM ESCRITA DE CRIANÇAS EM PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO ESCOLAR UM ESTUDO EM TORNO DA LINGUAGEM ESCRITA DE CRIANÇAS EM PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO ESCOLAR Welber Angelo de Araujo(UFAL) welberaraujo@hotmail.com RESUMO Este artigo tem sua origem em uma das

Leia mais