DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA"

Transcrição

1 DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial uma abordagem textual do que se refere às práticas de desenvolvimento da escrita utilizadas em sala de aula. Tendo como objetivo verificar as situações de aprendizagem a partir da análise da pesquisa realizada numa escola municipal de Jequié, partindo de um aprofundamento maior da obra de Emília Ferreiro e Ana Teberosky Psicogênese da escrita (1989), que revelam os processos de aprendizagem da criança e abordam em atividades respondidas por crianças, os métodos utilizados no processo de alfabetização. Por fim, compara as propostas pedagógicas aos pressupostos teóricos que a norteiam no desenvolvimento da escrita através do desenho. PALAVRAS-CHAVE: desenvolvimento da escrita; alfabetização; processo de aprendizagem. INTRODUÇÃO Este trabalho parte de uma pesquisa feita com os alunos de 6 (seis) anos, da Escola Municipal do Centro Comunitário Lagoa Dourada, tendo por objetivo analisar como acontece o desenvolvimento do processo de escrita e leitura, analisando como este processo está organizado e se este possibilita promover o desenvolvimento das competências básicas - falar, ler e escrever. E, para tanto, nos embasamos nos estágios de escrita definido por Emília Ferreiro e Ana Teberosky. 1 Discente do curso de Pedagogia da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB/ Campus de Jequié 2 Discente do curso de Pedagogia da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB/ Campus de Jequié 3 Discente do curso de Pedagogia da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB/ Campus de Jequié -

2 Sabendo que o desenvolvimento e a representação da grafia para criança estão associados à origem do processo de desenvolvimento da escrita durante a história, bem como ao contexto cultural e as técnicas complexas que a envolve na produção ao longo da história, observa-se então, que a função social da escrita se realiza culturalmente por mediação feita por relações sociais e afetivas do mundo exterior do indivíduo. Partindo deste princípio, a compreensão de como se constitui a produção gráfica da criança está associada ao modo de interagir e reconstruir as especificidades da linguagem a cada momento para a criança. As representações e as modificações da grafia realizada através dos rabiscos e desenhos até a produção escrita são características e percepções da linguagem da criança através das vivências e interações com o contexto sociocultural. No entanto, quanto se trata de abordar o processo de alfabetização e letramento é preciso compreender a concepção de linguagem. Considerado o ensino da língua e o desenvolver da competência comunicativa, ligado ao uso da gramática internalizada ao falante e a tudo que é significativo para melhorar a expressão dos textos trabalhados, no grau em que o educando possa assimilar o conhecimento. Diante deste processo de construção de aprendizagem da escrita é que a criança vai recorrer aos aspectos primitivos da mesma, dando sequência a uma evolução, ao sistema de escrita do sujeito. Ao escrever e desenhar, a criança busca evidenciar traços da sua linguagem que ocorrem principalmente no processo de apropriação desse sistema, são as etapas de representação, que as autoras vem colocar como realismo simbólico da criança. Por isso, se torna importante propiciar a criança um contexto rico de experiências capazes de proporcionar uma aprendizagem significativa. Por isso a relevância deste trabalho, que se constitui como uma importante fonte de pesquisa para compreender a construção do conhecimento da criança nos diversos estágios da aprendizagem, desde as primeiras interpretações simbólicas até a produção escrita.

3 Sendo assim, a pesquisa realizada busca como ponto de partida apoiar os conteúdos trabalhados, partindo do concreto para analisar os aspectos verbais e não verbais desenvolvidos pela criança, justificando as necessidades diárias do contexto escolar e compreendendo as situações de aprendizagem que favoreça o desenvolvimento significativo. DO DESENHO À ESCRITA E A LEITURA Fundamentando-se nas concepções de Emília Ferreiro e Ana Teberosky, no livro Psicogênese da língua escrita, de 1989, onde as respectivas autoras sentem a necessidade de realizar uma pesquisa com 54 (cinquenta e quatro) crianças numa faixa etária de quatro a seis anos para verificar como ocorre o processo de desenvolvimento da escrita e da leitura nas mesmas, analisando as hipóteses levantadas para justificar as respostas destas crianças, verificando desde o rabisco, até a construção de orações e frases, é possível perceber o quadro do desenvolvimento do processo de escrita e leitura de crianças da rede pública municipal de Jequié, tomando como amostra para análise alguns alunos de seis anos, de uma escola municipal situada em Jequié. As referidas autoras visam em um dos capítulos da obra supracitada estabelecer uma proximidade entre educação e letramento, apresentando as diferenças entre letramento escolar e letramento não escolar, propondo a partir de então os conceitos de dimensão individual e de dimensão ideológica. Uma das concepções mais importantes dessas autoras diz respeito ao desenvolvimento da linguagem falada, que segundo elas é responsável pelo processo de desenvolvimento da escrita, propondo a partir disso que o educador propicie a transição do deslocamento da linguagem do desenhar coisas para desenhar a fala. Para essa pesquisa acontecer, Ferreiro e Tiberosky demonstrou interesse em descobrir o processo de construção da escrita, planejando algumas situações experimentais. Colocando, assim, as crianças em evidência com a sua própria escrita, de como ela vê a leitura, entende e como propõe para si.

4 A pesquisa realizada por estas autoras busca analisar quais estágios a criança precisa passar para de fato ser alfabetizada, concentrando o foco nos mecanismos cognitivos relacionados à leitura e a escrita, fazendo um processo de análise das respostas de cada criança pesquisada, demonstrando com esta, os artifícios que as crianças usam no processo de aprendizagem da aquisição da língua. Um dos aspectos fundamentais citados por essas autoras, embasadas nas concepções de Vigotsky, refere-se ao desenvolvimento da escrita e da linguagem, as quais para elas se constituem por meio da história, da cultura e do progresso da sociedade. Associando a escrita a representações de símbolos, os quais são representados através das experiências e da linguagem inicial da criança, partindo de hipóteses para colocações concretas em construção. E, é partindo destas colocações concretas que a criança inicia sua leitura de mundo, se inserindo na sociedade, iniciando-se no processo de letramento não escolar. Partindo deste contexto, diante da associação da simbologia ao processo de aprendizagem da criança, ressalta-se a importância do desenho no desenvolvimento da escrita, que de acordo com as referidas autoras, embasadas nas teorias de Piaget, afirmam que o simbolismo da criança está associado aos estágios de desenvolvimentos cognitivos, os quais contribuem para a construção da psicomotricidade e oralidade da criança. ANÁLISE DOS DADOS Para análise dos dados colhidos, tomamos como objeto de estudo, dentre os sete analisados, a aluna X 4, buscando averiguar quais os avanços que esta criança desenvolveu no decorrer de todo o período letivo, correlacionando estes avanços 4 Por questões éticas, prefere-se manter em sigilo a identificação da criança. A referida aluna tem seis anos e este cursando o 1º Ano, sendo representada nesta pesquisa pela incógnita X.

5 aos estágios de desenvolvimento da aprendizagem apresentados por Ferreiro e Tiberosky. Diante da imagem em seguimento percebemos que os desenhos da aluna em questão já são bem desenvolvidos. Quando solicitada para descobrir a adivinhação: MORO NELA... TEM PORTA E TEM JANELA. COMEÇA COM C e desenhar, ela além de desenhar a casa, constrói todo um cenário composto por árvores, flores, grama e nuvens tudo muito bem posicionados. Figura 1: Desenhando do seu jeito

6 Fonte: Exemplo retirado da página 12 do caderno de atividades. Atividade realizada em 15/03/12. Averiguamos nesta aluna, fazendo referência ao processo inicial de aquisição da escrita, que esta inicia este processo escrevendo muitas vezes de forma espelhada. Isso acontece porque no processo de aprendizagem da linguagem escrita a criança, utiliza de várias tentativas, pois, ainda não se sabe todas as regras. Em nossa cultura se lê e se escreve da esquerda para a direita, ao contrário de outras culturas que escrevem da direita para a esquerda. É preciso compreender que a criança em processo de alfabetização está adquirindo a noção de direita e esquerda. Figura 2: Comece a contar!

7 Fonte: Exemplo retirado da página 39 do caderno de atividades. Atividade realizada em 02/05/12. Vale ressaltar, que este perfil de escrita, hoje ainda é observável nesta aluna, pois em alguns momentos, menos constantes que nas atividades analisadas do período inicial do ano letivo, ainda é possível perceber a escrita espelhada. Mas, observa-se uma significativa evolução neste sentido, principalmente, com relação à escrita no reconhecimento dos números. Essas tentativas acontecem até o momento em que a criança atinge a escrita convencional. Figura 3: Aquisição da escrita Fonte: Exemplo retirado da página 26 do caderno de atividades. Atividade realizada em 20/07/12.

8 No que diz respeito ao trabalho realizado com a leitura de imagem, nota-se em alguns momentos a dificuldade da criança em reconhecer as imagens, pois estas não condizem nestes dados momentos com a realidade do aluno, trazendo, por exemplo, imagens de animais que não fazem parte do cotidiano familiar da criança. Além disso, é notável perceber que a criança na alfabetização costuma escrever as palavras de acordo ao tamanho do nome a ser escrito como a exemplo da palavra pernilongo com poucas letras e vaca com muitas. Isso acontece porque, no pensamento das crianças, o pernilongo é pequeno, logo precisa de poucas letras. Já a vaca é grande, então precisa de muitas letras ou utilizam as letras do próprio nome em ordem diferente para muitas palavras. Figura 4: Escrevendo do seu jeito Fonte: Exemplo retirado da página 41 do caderno de atividades. Atividade realizada em 07/05/12. Diante da pesquisa realizada por Ferreiro (1995), foram definidos cinco níveis sucessivos aos quais as crianças vão superando até chegar ao último nível que é a

9 escrita alfabética. Estando alfabetizada (alfabetização enquanto aquisição da leitura e da escrita), é o processo de escolarização que terá a responsabilidade de cuidar das questões gramaticais e do aperfeiçoamento da escrita. No Nível 1 a criança escreve por meio de linhas e curvas ou mesclando entre uma e outra. Embora esse traçado seja parecido nas crianças desse mesmo nível, é a subjetividade, a intenção de cada criança é que vai diferenciar o significado por isso só quem escreveu poderá interpretar a intenção que teve. Quando a criança cria hipótese de que palavras (objetos) diferentes devem ser representadas de forma diferente, já se encontra no Nível 2. A criança se utiliza de formas gráficas variadas para representar o objeto, podendo (como já fora dito) permutar formas gráficas que conhece para representar objetos diferentes. No Nível 3, a criança tenta atribuir uma letra para cada som das palavras que tenta escrever. Surge então um conflito: a hipótese que criou dos valores sonoros já não dão conta. Diante disso a criança tenta representar o som com o maior número possível de caracteres tentando ajustar a escrita ao valor sonoro das palavras. Esse conflito é característico do Nível 4, e representa a passagem da hipótese silábica (Nível 3) para a hipótese alfabética onde a criança reconhece que cada letra possui um valor sonoro menor que a sílaba e analisa esses sons para montar as palavras (Nível 5). Tendo em vista as respostas dadas pela criança X, e considerando as hipóteses levantadas por ela para justificar suas conclusões, percebe-se também, a atribuição de letras de acordo a quantidade de sílabas da palavra. Sendo assim, a aluna ainda se encontrava no NÍVEL 3: atribuindo uma letra para cada sílaba. Isto é possível observar na atividade que solicitou, através de um ditado, que ela escrevesse as palavras bola janela e mala e que depois desenhasse, foi observado que na primeira palavra a criança X atribuiu a vogal O para representar a sílaba BO e a vogal A para representar a sílaba LA. A palavra JANELA foi escrita corretamente, talvez por ter sido escrita na questão anterior. Quanto a palavra MALA, foi representada por AM, onde a aluna também se utilizou da

10 hipótese de representar uma letra para cada sílaba, só que além da aluna X demonstrar ter utilizado de tal hipótese, escreveu da direita para esquerda. Figura 5: Reconhecendo palavras e desenhos Fonte: Exemplo retirado da página 26 do caderno de atividades. Atividade realizada em 10/04/12. É válido enfatizar que houve um significativo avanço neste aspecto, já que, é possível analisar uma preocupação em tentar respeitar o número de caracteres da palavra e não mais atribuição de uma letra a cada sílaba da palavra. Figura 6: Compreendendo minha escrita Fonte: Exemplo retirado da página 98 do caderno de atividades. Atividade realizada em 20/07/12.

11 Observe que a escrita da palavra PÃO está correta e que, ao tentar escrever as palavras bermuda e lobo, a referida aluna demonstra ter avançada para o Nível 4, pois, para ajustar a escrita ao som da palavra acaba por escrever BELUSN e LOE. Quanto à leitura de texto, as autoras nos mostram através de exemplos que as crianças têm dificuldade em atribuir valor a certos componentes da frase e por isso acabam unindo um verbo ou artigo à palavra que o precede, como se estes fossem uma parte silábica da outra palavra. É o que vemos no exemplo abaixo: Figura 7: Reescrevendo a frase Fonte: Exemplo retirado da página 58 do caderno de atividades. Atividade realizada em 25/05/12. Com esta hipótese, pode-se observar que, por visualizar o sujeito como parte importante, a criança não consegue se utilizar do recurso de recorte silábico. Ainda que ela saiba que existe um verbo (a palavra que indica a ação do sujeito) ela não sabe identificar no texto tal palavra, nem em que posição se encontra. Quando a criança faz a transcrição da oralidade para escrita ela só pega elementos essenciais do texto e utiliza-se dessas partes principais para construir hipóteses, até mesmo da oralidade.

12 Contudo, através da abordagem de vários tipos de mensagens e as das formas cotidianas de produção oral é que normalmente a criança consegue obter um bom domínio da oralidade. Que funcionam principalmente sob a forma de reação imediata das palavras de outros interlocutores e de outras formas de comunicação oral que se interligam ao gênero e apoiam a aprendizagem escolar. CONSIDERAÇÕES FINAIS Através das observações feitas com os alunos e principalmente com a aluna X do 1 ano de uma escola municipal situada no município de Jequié, pode-se perceber que todas as crianças não se chegam a escola sem saber de nada no que se refere à língua, pois de acordo com Emília Ferreiro e Ana Tiberosky o conhecimento só se concretiza através do sujeito dotado de saberes e do objeto a conhecer, no qual o objeto serve de oportunidades para que o conhecimento se desenvolva. Em relação ao desenvolvimento da leitura e da escrita é preciso que toda criança passe pelas quatro fases para que seja alfabetizada e através das atividades da aluna X, foi visível aos níveis que se passaram no decorrer do ano letivo, as suas dificuldades e desenvolvimentos. As repetições de erros, em relação à forma espelhada de algumas letras e números, a junção de sílaba com verbo, as escritas de letras para representarem sílabas ou sílabas para representarem palavras, mostram que foram suficientes à aluna X entender o que realmente estava sendo pedido e mesmo, assim, volta a se repetir a algum tempo depois. De acordo com a concepção construtivista, a compreensão da criança ao objeto de conhecimento, esta ligada a possibilidade dela reconstruir este objeto por ter compreendido o que se deve fazer e quais são suas leis de composição. Daí se explica o processo da aluna X nas atividades.

13 Portanto para que aconteça o processo de alfabetização com eficiência, o professor tem que perceber o educando como um ser ativo e não como um ser passivo que só faz receber e aprender o que lhe é ensinado. Estimular os aspectos motores, cognitivos e afetivos é de fundamental importância, mas, tem que ser voltado ao contexto da realidade sócio-cultural do aluno. Para Ferreiro e Tiberosky, é necessário que o professor fique atento as representações da escrita dos alunos para saber agir nas diferentes situações, pois, é através da evolução dos alunos que se constroem, desconstroem e reconstroem a sua aprendizagem. Cabe ao professor organizar atividades que vem ajudar a reflexão da criança sobre a escrita, pois é na prática que ela aprende. REFERÊNCIA FERREIRO, Emília e TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da Língua Escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA ALFABÉTICA: UMA ANÁLISE DA ESCRITA DE DISCENTES DO 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA ALFABÉTICA: UMA ANÁLISE DA ESCRITA DE DISCENTES DO 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA ALFABÉTICA: UMA ANÁLISE DA ESCRITA DE DISCENTES DO 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Francisca Roseneide Gurgel Campêlo Graduanda de Pedagogia CAMEAM/UERN Francisca Rozângela Gurgel

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade I ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa A teoria construtivista: principais contribuições, possibilidades de trabalho pedagógico. Conceito de alfabetização: história e evolução.

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA ESCRITA COMO INSTRUMENTO NORTEADOR PARA O ALFABETIZAR LETRANDO NAS AÇÕES DO PIBID DE PEDAGOGIA DA UFC

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA ESCRITA COMO INSTRUMENTO NORTEADOR PARA O ALFABETIZAR LETRANDO NAS AÇÕES DO PIBID DE PEDAGOGIA DA UFC AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA ESCRITA COMO INSTRUMENTO NORTEADOR PARA O ALFABETIZAR LETRANDO NAS AÇÕES DO PIBID DE PEDAGOGIA DA UFC Antônia Fernandes Ferreira; Gessica Nunes Noronha; Marielle Sâmia de Lima

Leia mais

AS INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO

AS INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO AS INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Flávia Araújo de Almeida, Pós-graduanda em Alfabetização, Letramento e Linguagem Matemática flaviamoc2007@yahoo.com.br Geisa Magela Veloso, Profa

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA INICIANDO A CONVERSA APROFUNDANDO O TEMA Por que ensinar gêneros textuais na escola? Registro

Leia mais

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ 19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ Waldemar dos Santos Cardoso Junior (Universidade Federal do Pará /Campus Universitário

Leia mais

Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná

Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE METODOLOGIA PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS E ALFABETIZAÇÃO FORMAÇÃO DE DOCENTES

Leia mais

Palavras chaves: Processo de Alfabetização. Aprendizagem. Leitura e escrita.

Palavras chaves: Processo de Alfabetização. Aprendizagem. Leitura e escrita. O PROCESSO DE APRENDIZAGEM DA ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS: ANÁLISE DOS NÍVEIS DE ESCRITA Alexsandra Vieira Cardoso Graduanda do curso de Letras IFPB Email: Morgana.vc1@hotmail.com Francisca Edneide Cesário

Leia mais

O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 975 O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Drielly Adrean Batista

Leia mais

O PIBID-UESB E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA FORMAÇÃO DO FUTURO PEDAGOGO

O PIBID-UESB E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA FORMAÇÃO DO FUTURO PEDAGOGO O PIBID-UESB E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA FORMAÇÃO DO FUTURO PEDAGOGO Elane Porto Campos-UESB Graduanda em Pedagogia pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Bolsista do subprojeto de Pedagogia PIBID/UESB-CAPES

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

PRODUÇÃO ESCRITA DAS CRIANÇAS: UM ESTUDO DE CASO NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MARTINHO ALVES DOS SANTOS

PRODUÇÃO ESCRITA DAS CRIANÇAS: UM ESTUDO DE CASO NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MARTINHO ALVES DOS SANTOS PRODUÇÃO ESCRITA DAS CRIANÇAS: UM ESTUDO DE CASO NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MARTINHO ALVES DOS SANTOS Andréa Aparecida Bernardo Santos BACH Mariana Pedroso RODRIGUES Mônica Medeiros FLORES 1 RESUMO:

Leia mais

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita.

Leia mais

Seminário do 16º COLE vinculado: 10

Seminário do 16º COLE vinculado: 10 Kelly Cristina Ducatti da Silva. Doutoranda UNICAMP/Campinas-SP, Professora do Ensino Fundamental (Prefeitura Municipal de Bauru) e Docente UNESP/BAURU kellyducatti@hotmail.com RELATO DE EXPERIÊNCIA: UM

Leia mais

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO Mayrla Ferreira da Silva; Flávia Meira dos Santos. Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mayrlaf.silva2@gmail.com

Leia mais

Retomando o fio da meada: a história dos métodos de alfabetização no Brasil

Retomando o fio da meada: a história dos métodos de alfabetização no Brasil Retomando o fio da meada: a história dos métodos de alfabetização no Brasil Marlene Coelho Alexandroff Analisando o panorama educacional do Brasil desde o final do século XIX, percebese que, ao se falar

Leia mais

ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA GT 01 - Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais Maria Gorete Nascimento Brum - UNIFRA- mgnb@ibest.com.br

Leia mais

Guia do Professor Introdução

Guia do Professor Introdução Guia do Professor Introdução Pesquisas realizadas pelo SAEB (Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica) mostram as dificuldades dos estudantes em resolver situações problemas. Essa situação é decorrente

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR DAS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM NO CARIRI DE 21 a 23 DE NOVEMBRO DE 2012 - ISSN 2318-8391

I SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR DAS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM NO CARIRI DE 21 a 23 DE NOVEMBRO DE 2012 - ISSN 2318-8391 ENSINO E APRENDIZAGEM DE LATIM NA URCA: UM ESTUDO DE CASO SOUZA, Yascara Simão 1 ARRUDA, Francisco Edmar Cialdine 2 RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar análises colhidas de materiais como

Leia mais

A COMPETÊNCIA LEITORA NOS ESPAÇOS DA COMUNIDADE DO PARANANEMA-PARINTINS/AM

A COMPETÊNCIA LEITORA NOS ESPAÇOS DA COMUNIDADE DO PARANANEMA-PARINTINS/AM 00092 A COMPETÊNCIA LEITORA NOS ESPAÇOS DA COMUNIDADE DO PARANANEMA-PARINTINS/AM Maria Valcirlene de Souza Bruce 1 Monica Silva Aikawa 2 Resumo: O artigo apresenta o resultado de uma intervenção pedagógica

Leia mais

A APRENDIZAGEM DA ESCRITA PELA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN INSERIDA EM UMA SALA DE AULA REGULAR

A APRENDIZAGEM DA ESCRITA PELA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN INSERIDA EM UMA SALA DE AULA REGULAR A APRENDIZAGEM DA ESCRITA PELA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN INSERIDA EM UMA SALA DE AULA REGULAR RESUMO Mda Maria Karolina de Macêdo Silva / UFRN Profª Drª Luzia Guacira dos Santos Silva / UFRN As escolas

Leia mais

Adequação dos estímulos; Especificação operacional; Estrutura flexível; Ordenação.

Adequação dos estímulos; Especificação operacional; Estrutura flexível; Ordenação. O plano de aula é caracterizado pela descrição específica de tudo que o professor realizará em classe durante as aulas de um período específico. Na sua elaboração alguns pontos são muito importantes como:

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE

PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE 1 PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE 1 Rochelle Lopes da Silva- UVA 2 Andrea Abreu Astigarraga- UVA INTRODUÇÃO De acordo

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Camila Lacerda Ortigosa Pedagogia/UFU mila.lacerda.g@gmail.com Eixo Temático: Educação Infantil Relato de Experiência Resumo

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

Caracterização da Escola

Caracterização da Escola 28 O CORDEL DOS TIRADENTES Flávia Helena Pontes Carneiro* helena.flavia@gmail.com *Graduada em Pedagogia, Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, Professora

Leia mais

Módulo III Objetos de Aprendizagem ALFABETIZAÇÃO

Módulo III Objetos de Aprendizagem ALFABETIZAÇÃO ALFABETIZAÇÃO Guia do professor Introdução A leitura e a escrita são instrumentos que auxiliam a promoção da inclusão social. Sendo assim, a alfabetização é um processo relevante e imprescindível para

Leia mais

ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59. Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br. Apresentação

ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59. Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br. Apresentação ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59 Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br Graduada em pedagogia e fonoaudiologia, Pós-graduada em linguagem, Professora da Creche-Escola

Leia mais

Índice. 1. Metodologia de Alfabetização...3. 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6

Índice. 1. Metodologia de Alfabetização...3. 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6 GRUPO 6.1 MÓDULO 6 Índice 1. Metodologia de Alfabetização...3 1.1. Qual o Conhecimento sobre o Sistema de Escrita dos Jovens e Adultos?... 3 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6

Leia mais

Psicogênese da Alfabetização Emilia Ferreiro. Rosa Maria Corrêa rosamc@pucminas.br

Psicogênese da Alfabetização Emilia Ferreiro. Rosa Maria Corrêa rosamc@pucminas.br Psicogênese da Alfabetização Emilia Ferreiro Rosa Maria Corrêa rosamc@pucminas.br Nível 1- Hipótese Pré- Silábica Não estabelece vínculo entre a fala e a escrita; Supõe que a escrita é outra forma de desenhar

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE JOGOS NO APRENDIZADO DA MATEMÁTICA RELACIONADO À APRENDIZAGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA 1

A UTILIZAÇÃO DE JOGOS NO APRENDIZADO DA MATEMÁTICA RELACIONADO À APRENDIZAGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA 1 A UTILIZAÇÃO DE JOGOS NO APRENDIZADO DA MATEMÁTICA RELACIONADO À APRENDIZAGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA 1 Ana Paula Martins Medeiros Castilho Cíntia de Melo Barbosa 1 Viviane Ap. Zacheu Viana 2 Terezinha Maia

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

A APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO. Ano 02 Unidade 03

A APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO. Ano 02 Unidade 03 CONCURSO DA EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE CARGO: PROFESSOR 1 / 2015 A APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Ano 02 Unidade 03 ( F

Leia mais

AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA

AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA Eliane Aparecida Galvão dos Santos 1 Dóris Pires Vargas Bolzan 2 Resumo Este trabalho é um recorte da pesquisa de Mestrado

Leia mais

O PAPEL DAS HABILIDADES DE REFLEXÃO FONOLÓGICA EM TURMAS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA)

O PAPEL DAS HABILIDADES DE REFLEXÃO FONOLÓGICA EM TURMAS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) O PAPEL DAS HABILIDADES DE REFLEXÃO FONOLÓGICA EM TURMAS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) Autor(a): Ana Paula Campos Cavalcanti Soares Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Educação Centro

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO USO DA LEITURA EM SALA DE AULA: UMA FERRAMENTA FUNDAMENTAL PARA O DESENVOLVIMENTO ENSINO APRENDIZAGEM.

A IMPORTÂNCIA DO USO DA LEITURA EM SALA DE AULA: UMA FERRAMENTA FUNDAMENTAL PARA O DESENVOLVIMENTO ENSINO APRENDIZAGEM. A IMPORTÂNCIA DO USO DA LEITURA EM SALA DE AULA: UMA FERRAMENTA FUNDAMENTAL PARA O DESENVOLVIMENTO ENSINO APRENDIZAGEM. Fábio Junior da SILVA Graduando do curso de Pedagogia UERN/ CAMEAM Priscila Rosane

Leia mais

A TECNOLOGIA DO HIPERTEXTO NA APRENDIZAGEM DE UM CURSO A DISTÂNCIA ON-LINE 1

A TECNOLOGIA DO HIPERTEXTO NA APRENDIZAGEM DE UM CURSO A DISTÂNCIA ON-LINE 1 A TECNOLOGIA DO HIPERTEXTO NA APRENDIZAGEM DE UM CURSO A DISTÂNCIA ON-LINE 1 Naziozênio A. LACERDA (UFPI/UFMG) 2 RESUMO: O objetivo deste trabalho é relatar uma experiência de uso da tecnologia do hipertexto

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO. META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico.

DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO. META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico. DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO Aula 3 META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno(a) deverá: ler

Leia mais

A ÁLGEBRA NO ENSINO FUNDAMENTAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO

A ÁLGEBRA NO ENSINO FUNDAMENTAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO A ÁLGEBRA NO ENSINO FUNDAMENTAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO Vilmara Luiza Almeida Cabral UFPB/Campus IV Resumo: O presente relato aborda o trabalho desenvolvido no projeto de intervenção

Leia mais

Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento

Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento Isabel Cristina Alves da Silva Frade(1) Introdução Como realizar um planejamento de trabalho de alfabetização e letramento com crianças de

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA Elisa Cristina Amorim Ferreira Universidade Federal de Campina Grande elisacristina@msn.com RESUMO: O trabalho docente é uma atividade

Leia mais

O ENSINO DA ARTE NO NÍVEL MÉDIO INTEGRADO AO TÉCNICO: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO RESUMO

O ENSINO DA ARTE NO NÍVEL MÉDIO INTEGRADO AO TÉCNICO: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO RESUMO O ENSINO DA ARTE NO NÍVEL MÉDIO INTEGRADO AO TÉCNICO: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO Mara Pereira da Silva IFPA- CRMB pereiracantora1@hotmail.com RESUMO A pesquisa foi realizada mediante análise

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A VISÃO DE ALGUMAS BOLSISTAS DO PIBID SOBRE SUA ATUAÇÃO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS

Leia mais

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS TESTE 2 SEGUNDO SEMESTRE 2010 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Presidência do Instituto Nacional

Leia mais

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS O JOGO SEGUNDO A TEORIA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO DE WALLON Cleudo Alves Freire Daiane Soares da Costa Ronnáli da Costa Rodrigues Rozeli Maria de Almeida Raimunda Ercilia Fernandes S. de Melo Graduandos

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

56,6% 51% 52% 49% 48% 48% 48% 49% 46% 46% 41%

56,6% 51% 52% 49% 48% 48% 48% 49% 46% 46% 41% 1 Alfabetização, Educação Infantil e acesso à cultura escrita: as possibilidades da escola de nove anos Nestes tempos em que o país parece ter finalmente acordado para a questão da qualidade da educação

Leia mais

PSICOLOGIA B 12º ANO

PSICOLOGIA B 12º ANO PSICOLOGIA B 12º ANO TEXTO DE APOIO ASSUNTO: Piaget Piaget apresenta uma teoria que privilegia o aspecto cognitivo do desenvolvimento, encarado como processo descontínuo, uma evolução por 4 estádios que

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PORTFÓLIO EM SALA DE AULA

UTILIZAÇÃO DE PORTFÓLIO EM SALA DE AULA UTILIZAÇÃO DE PORTFÓLIO EM SALA DE AULA Maisa Aline da Veiga 1 Carina Eberhardt. INTRODUÇÃO O presente artigo possui como finalidade apresentar experiências vivenciadas com o uso de portfólios em sala

Leia mais

Jogos Envolvendo Números Inteiros: Um Episódio na Classe de Sandra

Jogos Envolvendo Números Inteiros: Um Episódio na Classe de Sandra Jogos Envolvendo Números Inteiros: Um Episódio na Classe de Sandra Simone Cristina do Amaral Porto 1 GD7 Formação de Professores que Ensinam Matemática Resumo do trabalho. Este artigo discute um projeto

Leia mais

Índice. 5.1. Correção das Palavras do Texto... 5 5.2. Autocorreção... 5 5.3. Pontuação... 6 5.4. Escrita Ortográfica... 6. Grupo 5.

Índice. 5.1. Correção das Palavras do Texto... 5 5.2. Autocorreção... 5 5.3. Pontuação... 6 5.4. Escrita Ortográfica... 6. Grupo 5. GRUPO 5.4 MÓDULO 5 Índice 1. Reconstrução do Código Linguístico da Criança...3 2. Textos...3 3. Jogos de Análise Linguística...4 4. Letra Cursiva e Letra de Fôrma...4 5. Ortografia e Gramática...5 5.1.

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

O PROJETO BEPA E A INVESTIGAÇÃO DIDÁTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES ALFABETIZADORES

O PROJETO BEPA E A INVESTIGAÇÃO DIDÁTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES ALFABETIZADORES O PROJETO BEPA E A INVESTIGAÇÃO DIDÁTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Resumo Fernanda Guinoza Matuda 1 Maria Elena Roman de Oliveira Toledo 2 Esta pesquisa buscou, por

Leia mais

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas:

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas: 1 2 1 Apresentação Este documento tem por objetivo apresentar orientações para a redação e formatação do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) na modalidade de Artigo Científico. Para a elaboração do artigo

Leia mais

ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO

ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO 1 ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO Dóbia Pereira dos Santos NASCIMENTO Gisele da Paz NUNES Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão dobia@wgo.com.br

Leia mais

Alfabetização e letramento. Professora : Jackeline Miranda de Barros

Alfabetização e letramento. Professora : Jackeline Miranda de Barros Alfabetização e letramento Professora : Jackeline Miranda de Barros O que é alfabetização? O que é letramento? Qual o melhor método? Como alfabetizar? Para início de conversa, vamos exercitar nossa memória...

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças Deise Anne Terra Melgar (UNIPAMPA)¹ Vanessa David Acosta (UNIPAMPA)² Orientadora: Cristina Pureza Duarte Boéssio Temática:

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 5 Emilia Ferreiro, psicóloga e pesquisadora argentina, radicada no México, fez seu doutorado na Universidade de Genebra, sob a orientação de Jean Piaget e, ao contrário de outros grandes pensadores

Leia mais

REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA

REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA 178 REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA FEBA, Berta Lúcia Tagliari 1... ler é solidarizar-se pela reflexão, pelo diálogo com o outro, a quem altera e que o altera (YUNES, 2002,

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação

Universidade de Brasília Faculdade de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade de Brasília Faculdade de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação Relatório Final do Projeto Pontes M.Sc. Marli Vieira Lins de Assis Esp. Raimundo Nonato Damasceno Júnior Brasília DF

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA. Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br

A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA. Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br Resumo: o presente trabalho cujo tema é a Evolução do desenho da criança teve por objetivo identificar o processo

Leia mais

Centro Universitário Municipal de São José - USJ. Acadêmica: : Monique Cristina Gelsleuchter

Centro Universitário Municipal de São José - USJ. Acadêmica: : Monique Cristina Gelsleuchter Centro Universitário Municipal de São José - USJ Acadêmica: : Monique Cristina Gelsleuchter Orientadora: Profª. MSc Roberta Schnnor Buehring Objetivo Geral Analisar situações cotidianas da Educação Infantil,

Leia mais

Cognição: Piaget e Vygotsky

Cognição: Piaget e Vygotsky Cognição: Piaget e Vygotsky - 1 - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DISCIPLINA - ERGONOMIA COGNITIVA Cognição: Piaget e Vygotsky Professor: Francisco Antônio

Leia mais

ANÁLISE DE SOFTWARE EDUCATIVO NO ENSINO DE MATEMÁTICA. Palavras chave: Software Educativo; Construção do Conhecimento; Aprendizagem.

ANÁLISE DE SOFTWARE EDUCATIVO NO ENSINO DE MATEMÁTICA. Palavras chave: Software Educativo; Construção do Conhecimento; Aprendizagem. ANÁLISE DE SOFTWARE EDUCATIVO NO ENSINO DE MATEMÁTICA. Débora Janaína Ribeiro e Silva Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba debora_jr10@yahoo.com.br Resumo Este trabalho teve como

Leia mais

LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Kelly Cristina Costa Martins 1 Simônica da Costa Ferreira 2 Introdução Nos dias atuais percebemos

Leia mais

O processo de aquisição da linguagem escrita: estudos de A. R. Lúria e L. S. Vygotsky

O processo de aquisição da linguagem escrita: estudos de A. R. Lúria e L. S. Vygotsky O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM ESCRITA: ESTUDOS DE A. R. LÚRIA E L. S. VYGOTSKY Ana Carolina Rosendo Gonzalez C. Baptista Edileusa Lopes de L. Alves Kátia Garcia Vanessa Leite * INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

AQUISIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: LINGUAGEM ESCRITA E ORAL

AQUISIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: LINGUAGEM ESCRITA E ORAL AQUISIÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: LINGUAGEM ESCRITA E ORAL Ana Virgínia Carvalho Moreira * Emanuela Maciel Cariri dos Santos * Fabiana Sousa dos Anjos * Geovânio Alves da Silva * Jardel Britto Ferreira *

Leia mais

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Adriana M. das Virgens Chagas (adrianachagas3@hotmail.com) Aluna de graduação do curso de Pedagogia das Faculdades Integradas de Aracruz Luciana C.

Leia mais

Palavras-chave: ensino de História; conceitos; aprendizagem.

Palavras-chave: ensino de História; conceitos; aprendizagem. Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1432 ENSINO DE HISTÓRIA E A IMPORTÂNCIA DOS CONCEITOS HISTÓRICOS Ayla Alves Chanthe 1 Cristiane Brito Santana Alves 1* Elton Pedroso Correa 1 Felipe Gurgatz 1 Gustavo Salomao 1

Leia mais

DA CALIGRAFIA À ESCRITA: EXPERIÊNCIAS DE SALA DE AULA. COMO MELHORAR A ESCRITA NO CADERNO?

DA CALIGRAFIA À ESCRITA: EXPERIÊNCIAS DE SALA DE AULA. COMO MELHORAR A ESCRITA NO CADERNO? DA CALIGRAFIA À ESCRITA: EXPERIÊNCIAS DE SALA DE AULA. COMO MELHORAR A ESCRITA NO CADERNO? Fábia da Silva de Oliveira Educadora do Ensino Fundamental I na Escola La Salle, Águas Claras/DF, Pedagoga com

Leia mais

HABILIDADES INFANTIS RELACIONADAS À PRÁTICA DE LEITURA E SUAS IMPLICAÇÕES ORTOGRÁFICAS NA ESCRITA

HABILIDADES INFANTIS RELACIONADAS À PRÁTICA DE LEITURA E SUAS IMPLICAÇÕES ORTOGRÁFICAS NA ESCRITA HABILIDADES INFANTIS RELACIONADAS À PRÁTICA DE LEITURA E SUAS IMPLICAÇÕES ORTOGRÁFICAS NA ESCRITA Humberto Pires Junior 1 Milene Peixer Loio 2 Introdução A presente pesquisa 3 busca relacionar habilidades

Leia mais

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (orientadora- UENP) Mariana Matheus Pereira da Silva (G- UENP/ campus Jac.) Introdução A língua é o instrumento fundamental para

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Educação Pré-Escolar 2014/15 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa em cada nível de educação e

Leia mais

CURIOSOS E PESQUISADORES: POSSIBILIDADES NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

CURIOSOS E PESQUISADORES: POSSIBILIDADES NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CURIOSOS E PESQUISADORES: POSSIBILIDADES NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA Cíntia Nunes (PPGEdu/UFRGS) Apoio: CNPq Resumo: Este trabalho trata de investigar a curiosidade e a pesquisa escolar sob um ponto

Leia mais

O LUGAR DA CRIANÇA NOS PROCESSOS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: CONCEPÇÕES EPISTEMOLÓGICAS DE PROFESSORAS DO PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

O LUGAR DA CRIANÇA NOS PROCESSOS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: CONCEPÇÕES EPISTEMOLÓGICAS DE PROFESSORAS DO PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL O LUGAR DA CRIANÇA NOS PROCESSOS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: CONCEPÇÕES EPISTEMOLÓGICAS DE PROFESSORAS DO PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Katlen Böhm Grando 1 UFPEL Observatório da Educação CAPES

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

Prof.ª Lísia Regina Ferreira Michels Dra em Psicologia da Educação (PUC- SP) Docente da UNIVALI

Prof.ª Lísia Regina Ferreira Michels Dra em Psicologia da Educação (PUC- SP) Docente da UNIVALI Repensando a educação inclusiva Prof.ª Lísia Regina Ferreira Michels Dra em Psicologia da Educação (PUC- SP) Docente da UNIVALI Percurso histórico: da segregação à inclusão As raízes históricas e culturais

Leia mais

FATORES INOVADORES NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE LÍNGUA ESPANHOLA

FATORES INOVADORES NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE LÍNGUA ESPANHOLA FATORES INOVADORES NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE LÍNGUA ESPANHOLA que utiliza como instrumento inovador a produção de textos na língua espanhola, ou seja, desenvolver uma metodologia no processo de construção

Leia mais

Adultos: questões fundamentais da prática

Adultos: questões fundamentais da prática Alfabetização de Jovens e Adultos: questões fundamentais da prática pedagógica POR QUE SABER LER E ESCREVER? Domínio de habilidades de leitura e escrita é condição para: 1. Enfrentar exigências do mundo

Leia mais

LEITURA E ESCRITA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA PROPOSTA DE APRENDIZAGEM COM LUDICIDADE

LEITURA E ESCRITA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA PROPOSTA DE APRENDIZAGEM COM LUDICIDADE LEITURA E ESCRITA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA PROPOSTA DE APRENDIZAGEM COM LUDICIDADE Martyhellen Maria Monteiro da Silva - Acadêmica do 8º período do Curso de Pedagogia-UVA, Bolsista do PIBID/UVA-Pedagogia

Leia mais

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Autor: Telma Pantano Data: 30/12/2009 Releitura realizada por Lana Bianchi e Vera Lucia Mietto. A identificação precoce de um

Leia mais

4. Implicações pedagógicas

4. Implicações pedagógicas Esta criança tem 4 de idade. Verifica-se que se utiliza das letras de seu nome e apenas vai rearranjando sua ordem. Sua leitura é global. Caracterizando-se, portanto no nível 2 diferenciação na escrita.

Leia mais

PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA

PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA Naiane Novaes Nogueira 1 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB n_n_nai@hotmail.com José

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD Município: Pirassununga Estado: São Paulo Turma: 440 Pólo: Fundação de Ensino de Pirassununga Tutor (a): Inez Nunes Paula

Leia mais

A GENTE RECRIA POESIAS COM PALAVRAS E IMAGENS

A GENTE RECRIA POESIAS COM PALAVRAS E IMAGENS A GENTE RECRIA POESIAS COM PALAVRAS E IMAGENS Diana Carvalho (E. M. Argentina Sala de Leitura) Eixo temático: Fazendo escola com múltiplas linguagens RESUMO Este texto relata uma experiência em leitura

Leia mais

Palavras-chave: Ensino/Aprendizagem; Variações Linguísticas; Relação Professor/Aluno.

Palavras-chave: Ensino/Aprendizagem; Variações Linguísticas; Relação Professor/Aluno. ALFABETIZAÇÃO: UMA REFLEXÃO SOBRE A REALIDADE ESCOLAR Andréia de Fátima Freire Maia, UNICENTRO, PIBID CAPES Marieli Zviezykoski, UNICENTRO, PIBID CAPES Ângela Bona Josefi (Orientadora - UNICENTRO) Resumo:

Leia mais

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO REVELADO SOB UM OLHAR POÉTICO

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO REVELADO SOB UM OLHAR POÉTICO O PRECONCEITO LINGUÍSTICO REVELADO SOB UM OLHAR POÉTICO Carina Pereira de Paula Cristina Monteiro da Silva Juliana Aparecida Chico de Morais (Gdas-CLCA-UENP/CJ) Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (Orientadora-

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: DO PLANEJAMENTO À AÇÃO.

PROJETOS DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: DO PLANEJAMENTO À AÇÃO. PROJETOS DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: DO PLANEJAMENTO À AÇÃO. LETICIA VICENTE PINTO TEIXEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIAS). Resumo É sabido o quanto é grande o esforço das escolas em ensinar a leitura

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais- IFSULDEMINAS Universidade

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

CURRÍCULO 1º ANO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM

CURRÍCULO 1º ANO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM CURRÍCULO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM ORALIDADE Formar frases com seqüência e sentido. Relacionar palavras que iniciam com vogais. Associar primeira letra/som em palavras iniciadas por vogal. Falar

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DE APRENDER UM SEGUNDO IDIOMA NA PRIMEIRA INFÂNCIA

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DE APRENDER UM SEGUNDO IDIOMA NA PRIMEIRA INFÂNCIA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DE APRENDER UM SEGUNDO IDIOMA NA PRIMEIRA INFÂNCIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE ABC AUTOR(ES): LILIAM

Leia mais

Ana Carolina de Lima Santos (UERJ/EDU) Caroline da Silva Albuquerque (UERJ/EDU) Eixo temático 6: São tantos conteúdos... Resumo

Ana Carolina de Lima Santos (UERJ/EDU) Caroline da Silva Albuquerque (UERJ/EDU) Eixo temático 6: São tantos conteúdos... Resumo 1 A Pesquisa no Processo de Formação de Professores - Relatório da vivência no projeto A leitura no aperfeiçoamento do ensino: uma proposta de pesquisa participante Ana Carolina de Lima Santos (UERJ/EDU)

Leia mais

METODOLOGIA PARA CONSTRUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS NA EAD: DO PLANO DE ENSINO AO ROTEIRO DE TUTORIA.

METODOLOGIA PARA CONSTRUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS NA EAD: DO PLANO DE ENSINO AO ROTEIRO DE TUTORIA. 1 METODOLOGIA PARA CONSTRUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS NA EAD: DO PLANO DE ENSINO AO ROTEIRO DE TUTORIA. Maio/2008 Mara Yáskara Nogueira Paiva Cardoso Uniararas, marayaskara@uniararas.br Ana Carolina Castelli

Leia mais