Estudo de Viabilidade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo de Viabilidade"

Transcrição

1 Universidade Federal de Pernambuco - UFPE Centro de Informática - CIn Estudo de Viabilidade Congretz Recife, Novembro de

2 Equipe Anderson Luiz (alfr) Eduardo Macedo (erbm) José Araújo (jasn) Rodolfo Santos (rsvc) Professor Jaelson Castro Ciência da Computação 2

3 Sumário 1. Introdução pag Apresentação das Alternativas para o Sistema pag Alternativa pag Alternativa pag Alternativa pag Estudo de Viabilidade Operacional pag Alternativa pag Alternativa pag Alternativa pag Estudo de Viabilidade Técnica pag Alternativa pag Alternativa pag Alternativa pag Estudo de Viabilidade de Cronograma pag Alternativa pag Alternativa pag Alternativa pag Estudo de Viabilidade Econômica pag Alternativa pag Alternativa pag Alternativa pag Análise Final das Alternativas pag Recomendação e Considerações Finais pag. 21 Referências Bibliográficas pag. 22 Relatório de Equipe pag. 23 Apêndices pag. 24 3

4 1. Introdução O estudo de viabilidade tem como objetivo auxiliar na decisão da continuidade do projeto, baseado em possíveis alternativas de solução, oferecendo à gerência informações que ajudam na tomada de decisão. De forma sucinta, o estudo de viabilidade mostra se o projeto deve ou não ser feito e se irá, realmente, beneficiar os usuários interessados. Para este estudo, buscamos solucionar um problema recorrente em eventos e conferências onde existem várias palestras ocorrendo ao mesmo tempo e, eventualmente, pessoas de outros estados. Em eventos desse porte, sempre há a necessidade de alocação de congressistas em quartos de hotel e gerenciamento dos seus horários na programação científica. O problema foi identificado através de conversas com a FEJEPE (Federação de Empresas Juniores do Estado de Pernambuco) [Apêndice A], que necessita de um sistema que automatize e gerencie a alocação dos recursos disponíveis. 4

5 2. Apresentação das Alternativas Através de entrevistas realizadas com membros da FEJEPE [Apêndice B], verificamos que, atualmente, a empresa utiliza um sistema, desenvolvido por freelancers contratados, para resolver o problema citado. Porém, esse software não é reaproveitado após o evento, fazendo com que, em um próximo evento, um novo sistema seja desenvolvido. Os sistemas desenvolvidos precisam gerenciar os quartos do hotel, permitindo que cada congressista aloque-se com seus amigos em um quarto, e alocações na programação científica, permitindo gerenciar a quantidade de pessoas na sala, encerrando as inscrições automaticamente quando a lotação for atingida. Diante dessa situação, foram propostas três diferentes alternativas que visam resolver o problema identificado: 2.1. Alternativa 1: Utilizar um sistema de gerenciamento de eventos já existente Nessa alternativa seria utilizado um software de gerenciamento já existente no mercado. O sistema escolhido foi o icongresso [Apêndice C]. Todos esses sistemas, inclusive o escolhido, apresentam atividades básicas, como pagamento e inscrição, porém nenhum deles oferece o serviço de reserva de quartos, o qual deverá ser realizado por pessoas do FEJEPE e funcionará através de trocas de entre os congressistas e os organizadores. Embora as etapas de pagamento e inscrição estejam bem consolidados no icongresso, elas não serão utilizadas pela FEJEPE, pois ela já possui um serviço desse tipo, o qual não se tem interesse em abandonar Alternativa 2: Google Docs: Utilizar o Google Docs, que oferece diversas facilidades como o múltiplo acesso, disponibilidade em rede e integração com serviços do Google. 5

6 Nessa alternativa, os congressistas devem, primeiramente, enviar um para a organização com a escolha do quarto (juntamente com os outros integrantes, caso existam). Após a confirmação do quarto, um outro deve ser enviado por cada congressista informando quais palestras ele gostaria de participar. Várias pessoas da organização tem que ficar responsável por alocar (em quartos e palestras), manualmente, cada congressista através de planilhas do Google Docs. Por fim, a programação de cada congressista é impressa e anexada no crachá Alternativa 3: Congretz Um sistema web único que poderá ser utilizado em qualquer evento organizado pela FEJEPE. Esta alternativa possuirá as mesmas características do sistema utilizado atualmente, porém, de uma maneira que possa ser reutilizável, eliminando a necessidade de desenvolvimento para cada evento. 6

7 3. Viabilidade Operacional Nessa seção, analisaremos a viabilidade operacional de cada alternativa, ou seja, verificaremos a aceitação de cada solução. Utilizaremos, para tal, o framework PIECES, que possui as seis características abaixo listadas como métricas. Performance: Avalia o tempo de resposta das operações realizadas levando em consideração a necessidade de rapidez. Informação: Leva em consideração a organização e a utilização dos dados, ou seja, se eles estão corretos, bem formatados, e se estão acessíveis em tempo hábil. Economia: Avalia a relação custo/benefício de uma determinada alternativa para a empresa. Controle: Refere-se à segurança dos dados e corretude dos mesmos. Eficiência: Refere-se à utilização adequada dos recursos disponíveis, procurando diminuir ao máximo a ociosidade. flexibilidade. Serviços: Avalia a confiabilidade do sistema, facilidade de uso e sua 3.1. Alternativa 1: Sistema de gerenciamento de eventos já existente Performance: Nesta alternativa a performance pode ser comprometida pelo fato de a ferramenta gerenciar vários eventos simultaneamente. Informação: Os sistemas mais consolidados no mercado em geral gerenciam bem os dados do usuário e apresentam boa disponibilidade. 7

8 Economia: O fator econômico mostra-se o grande problema desta proposta. Os custos se tornam bastante elevados uma vez que é necessário contratar o sistema a cada novo evento. Além disso, o sistema apresenta diversas funcionalidades que não são necessárias, logo o cliente estará pagando por algo que ele não irá usar. contratada. Controle: A segurança e corretude dos dados é responsabilidade da empresa Eficiência: Atualmente os sistemas existentes no mercado fornecem diversas funcionalidades desnecessárias para o problema aqui abordado. Portanto existiria uma utilização inadequada de recursos. Serviços: O sistema é fácil de se usar e apresenta boa confiabilidade. Além de atender bem as necessidades da FEJEPE no gerenciamento dos eventos Alternativa 2: Google Docs Performance: Apesar de se utilizar de uma ferramenta feita pelo Google, a qual possui um bom tempo de resposta, a necessidade de trocar s para conclusão de determinadas tarefas torna esse tempo indeterminado, podendo acontecer em questão de minutos ou em questão de dias. Além dos s, a vazão também pode ser afetada, já que pessoas irão gerenciar os dados, e quanto maior a quantidade de dados a serem geridos, menor será a vazão. Informação: Neste caso, os dados serão acessados em tempo hábil, porém, a corretude e formatação dos dados será totalmente dependente das pessoas que iriam controlar a planilha do Google Docs, tornando maiores as chances de ocorrerem falhas. Economia: O custo desse tipo de aplicação é zero, porém o gerenciamento de grande quantidade de informação sendo feito por pessoas seria bastante conturbado, podendo levar a erros constantes. 8

9 Controle: A segurança e a corretude dos dados fica bastante comprometida, pois como eles estariam sendo constantemente manipulados por pessoas, as chances de ocorrência de falhas tanto de segurança quanto de corretude aumentam a medida que cresce o número de indivíduos gerenciadores. Eficiência: A utilização do Docs se mostra ineficiente uma vez que esta não é uma ferramenta de gerenciamento de eventos. Nesta alternativa, a eficiência poderia sofrer por outros dois motivos diferentes. No caso onde houvesse um número bem maior de pessoas para gerir poucos dados, pois parte delas ficariam ociosas durante a execução das tarefas, ou o caso contrário, onde teriam muitos dados para poucas pessoas, havendo uma sobrecarga. Serviço: O Google Docs possui uma alta confiabilidade, bem como uma boa facilidade de uso, o usuário não teria dificuldade alguma em usar os recursos oferecidos pelo mesmo. Porém, esta ferramenta não tem as características apropriadas para a atividade. O usuário teria que usar os recursos do Docs de forma improvisada Alternativa 3: Congretz (Sistema reutilizável) Perfomance: Utilizando a abordagem de um produto que será reutilizável, ele será desenvolvido para ter uma vazão bastante superior em relação às outras duas alternativas, visto que a primeira alternativa dá suporte a vários eventos simultaneamente, desconsiderando performance. Quanto ao Google Docs, uma pessoa tem que preencher e colher manualmente os dados, diminuindo bastante o fluxo de informações transmitidas. Informação: Os dados ficarão armazenados na Amazon, um provedor de nuvem do tipo IaaS. Para tal, será usado o Heroku, outro provedor de nuvem do tipo PaaS que facilitará o uso. Os dois provedores são bastante conhecidos em nível de confiabilidade, garantindo que a informação estará acessível em uma taxa de 99,9% de certeza. 9

10 Economia: Essa alternativa tem um valor de implementação mais caro que a alternativa 1, porém esse gasto ocorre apenas uma vez, em quanto que na alternativa 1 existe o custo para cada evento. Em relação ao Google Docs, que é gratuito, o benefício de se usar um sistema automatizado termina pagando o custo de implementação. Para manutenção do sistema no ar, como a demanda é baixa, a versão gratuita dos servidores de nuvem serão suficientes. Controle: Existirão níveis de acesso diferenciados. Organizadores do evento terão poderes para criar quartos e programações, além de poder gerar o relatório da programação científica. Os congressistas serão usuários que terão poder, apenas, de se alocarem em quartos e escolherem sua programação. É importante salientar aos envolvidos que nunca forneçam sua senha a terceiros. Eficiência: O sistema utilizará todos os recursos possíveis. Uma vantagem é a elasticidade provida pela nuvem, fazendo com que, caso haja necessidade, pode-se aumentar o uso de alguns dos recursos de forma rápida e simples, pagando somente o excedente. Serviço: São feitos de tal forma que facilitam a inserção de um novo evento, tais como seus recursos, tornando-o bastante flexível para eventos do tipo realizado pela FEJEPE e compatíveis com os navegadores web mais usados. A tabela abaixo mostra de forma resumida o resultado obtido. A1 A2 A3 Performance Razoável Fraco Bom Informação Bom Fraco Bom Economia Fraco Bom Razoável Controle Razoável Fraco Razoável 10

11 Eficiência Fraco Fraco Bom Serviços Bom Fraco Bom Tabela 3.1 Tabela comparativa do Estudo de Viabilidade Operacional 11

12 4. Viabilidade Técnica Todas as alternativas são viáveis do ponto de vista técnico. A fim de avaliar as alternativas analisadas, notas foram definidas para cada alternativa de acordo com a reutilização, se o sistema pode ser útil a diversos eventos; a necessidade de internet para acesso ao sistema; e escalabilidade, considerando a alta demanda de usuários acessando o sistema Alternativa 1: Para a alternativa um, o sistema já foi desenvolvido pela empresa, portanto não existe a necessidade técnica de desenvolvimento. A empresa se utiliza de seu site para o gerenciamento, e as ferramentas utilizadas para o sistema estão a critério da mesma. Como já existem diversos eventos que se utilizam deste sistema, esta alternativa se torna bem viável Alternativa 2: As ferramentas e a infraestrutura utilizadas já foram desenvolvidas por terceiros, portanto não precisa desenvolver algo a mais, tornando a alternativa bastante simples e de baixo custo para que ser efetuada. As ferramentas utilizadas seriam o Google Docs (planilha online do Google) Alternativa 3: O sistema será desenvolvido com aspectos semelhantes ao que acontece atualmente, porém utilizando o framework web de Python, chamado Django. Para persistência dos dados um SGBD de MySQL será utilizado devido ao bom conhecimento dos desenvolvedores e pela sua fácil integração com o framework web citado anteriormente. 12

13 Para atender os usuários pela internet, um servidor na nuvem torna-se essencial, tendo como escolha o provedor de serviço Heroku. Abaixo são definidas as notas para as alternativas baseadas nos critérios estabelecidos. Nota Alternativa 1 8,0 Alternativa 2 8,0 Alternativa 3 8,0 Tabela 4.1 Notas de Viabilidade Técnica 13

14 5. Viabilidade de Cronograma Esta seção refere-se, especificamente, ao cronograma do projeto. Serão considerados aqui todos os prazos envolvidos nas atividades para cada uma das alternativas. É de extrema importância que o estudo de viabilidade do cronograma esteja o mais condizente possível com a realidade, visto que a FEJEPE tem prazos de eventos a serem realizados e precisam se programar com calma para que tudo funcione da maneira esperada. Por esse e outros motivos é de grande importância que as informações geradas estejam estritamente corretas Alternativa 1: Para a primeira alternativa, é necessário que o cliente entre em contato com a empresa, através do site, passando as informações necessárias. O prazo para que a contratante receba o treinamento, insira no sistema as informações solicitadas e inicie o gerenciamento do evento no site, fica em torno de quatro semanas. Esse prazo é suficiente para que torne essa alternativa bastante viável Alternativa 2: Para a segunda alternativa (Google Docs), como o software já está desenvolvido, o prazo ficaria em torno de duas semanas, sendo uma delas gasta para a implantação das planilhas, com as devidas fórmulas e formatação, e a outra para o treinamento da utilização da ferramenta Alternativa 3: Para a terceira alternativa, o prazo de implantação e implementação do sistema é de aproximadamente quatro meses. A grande diferença dessa alternativa é que o 14

15 sistema pode ser reutilizado em novos eventos. Portanto, não haveria um novo gasto de tempo para cada evento. Nota Alternativa 1 9,0 Alternativa 2 10,0 Alternativa 3 7,0 Tabela 5.1 Notas de Viabilidade de Cronograma 15

16 6. Viabilidade Econômica O estudo de viabilidade econômica tem como objetivo ajudar a avaliar o plano de investimento a ser realizado em cada alternativa, definindo seus custos e benefícios e decidindo se serão ou não vantajosas. Será apresentado a seguir uma breve descrição dos custos e benefícios de cada alternativa e a análise do estudo de viabilidade econômica para estas, tendo como base o ROI (retorno sobre investimento) e o payback (tempo necessário para recuperar o que foi investido) de cada uma delas. Para informações mais detalhadas, vide [Apêndice D]. No caso da FEJEPE, que não tem um orçamento muito folgado, a viabilidade enconômica tem peso três num total de dez e poderemos ver que nem todas as alternativas são melhores economicamente do que a solução atualmente utilizada. Isso mostra a importância de um estudo como este, pois nem sempre terceirizar uma solução automatizada sai mais barato Alternativa 1: Custos envolvidos Investimento inicial do software Custo com mensalidade Treinamento Salário dos funcionários responsáveis pelo gerenciamento Tabela 6.1 Custos envolvidos para a alternativa 1 16

17 Benefícios Tangíveis e intangíveis Maior comodidade e confiabilidade na alocação dos congressistas Baixa probabilidade de ocorrer inconsistência nos dados dos congressistas Operações de alocação são feitas rapidamente Tempo de desenvolvimento reduzido em 50% Tabela 6.2 Benefícios para a alternativa 1 Conclusão Essa alternativa é totalmente descartada se levarmos em conta apenas a viabilidade econômica, pois ela é mais cara que o que se faz atualmente. Por esse fator, a FEJEPE nunca iria recuperar o investimento feito e não há payback. Nota zero. Tabela 6.3 Conclusão para a alternativa Alternativa 2: Custos envolvidos Salário dos gerenciadores das planilhas. Treinamento dos gerenciadores das planilhas. Tabela 6.4 Custos envolvidos para a alternativa 2 Benefícios Tangíveis e intangíveis Redução de custos Tempo de desenvolvimento reduzido em 75% Tabela 6.5 Benefícios para a alternativa 2 17

18 Conclusão A alternativa dois é a melhor solução entre as apresentadas e melhor também que a abordagem atual. Com um ROI de 160% essa alternativa possui payback imediato, isto é, já no primeiro mês a FEJEPE recuperaria o investimento feito. Tabela 6.6 Conclusão para a alternativa Alternativa 3: Custos envolvidos Salário dos desenvolvedores Aluguel do servidor Salário dos funcionários responsáveis pelo gerenciamento Treinamento dos gerenciadores das planilhas. Tabela 6.7 Custos envolvidos para a alternativa 3 Benefícios Tangíveis e intangíveis Maior comodidade e confiabilidade na alocação dos congressistas Baixa probabilidade de ocorrer inconsistência nos dados dos congressistas Operações de alocação são feitas rapidamente Sistema reutilizável para todos os eventos sem custo extra Tabela 6.8 Benefícios para a alternativa 3 18

19 Conclusão A terceira alternativa é a única que apresenta custos com desenvolvimento, por esse motivo ela é a que tem maior custo no primeiro ano, porém, durante os anos seguintes é a que tem o menor custo. O seu ROI é de 29% e o payback é de 3,22 anos. Tabela 6.9 Conclusão para a alternativa 3 19

20 7. Análise final das alternativas Nesta seção sintetizamos e comparamos os resultados das análises das alternativas propostas para determinar a abordagem mais adequada e viável. A Figura 7.1 mostra a matriz de análise que leva em consideração os quatro pilares aqui estudados. Peso Alternativa 1 Alternativa 2 Alternativa 3 Operacional Técnica Cronograma Econômica Total 10 5,2 7,8 8,1 Tabela 7.1 Tabela comparativa do estudo de viabilidade Consideramos pesos diferentes para cada estudo a fim de adequar as notas para as necessidades da FEJEPE de acordo com as importâncias passadas pela organização. 20

21 8. Recomendações e Considerações Finais De acordo com este documento de viabilidade, podemos observar que a melhor opção de solução é a alternativa três, que nada mais é do que a criação de um sistema próprio que possa ser utilizado para a organização e gerenciamento de todos os eventos organizados pela FEJEPE. Com essa solução haverá um grande gasto inicial com o desenvolvimento do projeto, porém, ao longo dos anos, o retorno irá compensar o valor gasto. Outra grande vantagem é que ele será feito para uso exclusivo da FEJEPE, e com isso poderá ser otimizado para os processos da organização. 21

22 Referências Bibliográficas [1] - Especificação de Requisitos e Validação de Sistema. Acesso em: 22 de novembro de Disponível em: 22

23 Relatório de Equipe Nome Esforço Assinatura Anderson Luiz 25% Eduardo Macedo 25% José Araújo 25% Rodolfo Santos 25% 23

24 Apêndices Apêndice A - Sobre a FEJEPE A Federação de Empresas Juniores do estado de Pernambuco (FEJEPE) - entidade responsável pelo desenvolvimento, regulamentação e divulgação das empresas juniores do estado - atua juntamente a órgãos públicos e privados, autoridades governamentais e a sociedade em geral, a fim fomentar cada vez mais o movimento Pernambucano. A FEJEPE é o agente principal de disseminação do Movimento Empresa Júnior em Pernambuco e sua atuação é de grande significado não só para os estudantes que participam do movimento, mas para toda a sociedade, devido à importância das empresas juniores e seu forte impacto socioeconômico. Referenciais Estratégicos: Missão: Representar, desenvolver e promover a integração do MEJ Pernambucano Visão: Ao final de 2012, seremos reconhecidos como o agente facilitador do desenvolvimento das Empresas Juniores de Pernambuco, estando presente nas principais IES do estado Valores: Comprometimento; Sinergia; Postura empreendedora; Transparência; Orgulho de ser MEJ. 24

25 Apêndice B - Dados e Coleta de Informações O problema foi identificado através de conversas com o ex-conselheiro da FEJEPE e coordenador geral do ENEEJ último evento realizado pela mesma nesse ano -, Flávio Vasconcelos e coor. Após esse momento, iniciamos o processo de comunicação com a federação, entrando em contato com o atual diretor de marketing, Hugo Bessa. Inicialmente, perguntamos se esse era um problema real para então realmente nos aprofundarmos no assunto. Como o problema foi validado, elaboramos três entrevistas diferentes para os públicos afetados, que são os congressistas, os organizadores e os desenvolvedores. Se tratando de organizadores, entramos em contato com Gisely Melo e Dante Tomei, coordenadora de engajamento e vice coordenador do ENEEJ 2013, respectivamente, e que já estão trabalhando para o próximo evento da FEJEPE, que acontecerá em Foram feitas as seguintes perguntas: 1. Como funciona o gerenciamento do evento atualmente, desde a abertura das inscrições? 2. Como funciona a etapa após a confirmação do pagamento do congressista? 3. Quais os problemas vistos por você e o que poderia melhorar? 4. Quais reclamações feitas pela equipe organizadora? 5. Quais reclamações feitas pelos congressistas? 6. Quanto tempo demora-se para o desenvolvimento da solução hoje? Tabela B1 Entrevista feita com os organizadores 25

26 Já com relação a congressistas, entramos em contato com Bruna Cruz e José Luciano, presidente executiva e diretor de marketing do CITi (Empresa júnior do CIn/UFPE), respectivamente. Bruna e José já participaram de diversos eventos e conhecem bem a realidade. Foram feitas as seguintes perguntas: 1. Como funciona a etapa após o seu pagamento? 2. Quais os problemas vistos por você e o que poderia melhorar? 3. Quais reclamações feitas pelos outros congressistas? Tabela B2 Entrevista feita com os congressistas Por fim, entrevistamos André Carneiro, assessor de TI da Brasil Júnior - Confederação Brasileira de Empresas Juniores - e que desenvolveu o sistema do ENEEJ 2013, último a ser utilizado pela FEJEPE. Foram feitas as seguintes perguntas: 1. Como você foi chamado para o projeto? 2. Quais dificuldades enfrentadas antes do desenvolvimento? 3. Quais dificuldades enfrentadas durante o desenvolvimento? 4. O resultado final fazia o que era pedido? 5. O sistema foi entregue dentro do prazo? Tabela B3 Entrevista feita com um dos desenvolvedores 26

27 Apêndice C - Sobre o icongresso O icongresso é um sistema web para administração de eventos que já foi usado em vários eventos nacionais e internacionais. Nele existem telas personalizadas para cada tipo de usuário (participante, avaliador, coordenador ou administrador do sistema), o que facilita a interação de cada um deles com o software. Maiores detalhes podem ser encontrados no site Apêndice D - Detalhamento do Estudo de Viabilidade Econômica Abordagem Atual Período de Desenvolvimento Custo com desenvolvedores Item Qtd Valor unitário Valor Total(R$) Salário Programador 2 800, ,00 Salário Designer 1 400,00 400,00 TOTAL ,00 Tabela D1 Custos com Desenvolvedores da Abordagem Atual Despesas fixas mensais Item Qtd Valor unitário Valor Total(R$) Aluguel do Servidor 1 35,00 35,00 Tabela D2 Despesas fixas mensais durante período de desenvolvimento da abordagem atual 27

28 Custos totais no período de desenvolvimento A seguir listamos o total de despesas durante os dois meses de desenvolvimento do sistema. Mês Valor Total(R$) Mês ,00 Mês ,00 TOTAL 4.070,00 Tabela D3 Custos totais no período de desenvolvimento da Abordagem Atual Período após o Desenvolvimento Despesas Fixas Mensais Item Qtd Valor unitário Valor Total(R$) Salário gerenciador 2 200,00 400,00 Aluguel do servidor 1 35,00 35,00 TOTAL ,00 Tabela D4 Despesas fixas mensais após o desenvolvimento da abordagem atual Custos totais após o período de desenvolvimento Considerando os salários dos gerenciadores e o aluguel do servidor a abordagem atual tem um custo mensal de 435,00 durante os três meses de evento. 28

29 Período Valor(R$) Mês 1 435,00 Mês 2 435,00 Mês 3 435,00 TOTAL 1.305,00 Tabela D5 Custos totais após o período de desenvolvimento da abordagem atual Custo total Período Valor(R$) 1º Ano 5.375,00 2º Ano 5.375,00 3º Ano 5.375,00 4º Ano 5.375,00 5º Ano 5.375,00 TOTAL ,00 Tabela D6 Custo total da abordagem atual Alternativa 1 Investimento Inicial 29

30 Item Qtd Valor unitário Valor Total(R$) Sistema 1 700,00 700,00 Treinamento 2 150,00 300,00 TOTAL ,00 Tabela D7 Investimento Inicial da alternativa 1 Despesas Fixas Mensais Item Qtd Valor unitário Valor Total(R$) Salário gerenciador 2 200,00 400,00 Mensalidade do Sistema 1 300,00 300,00 TOTAL ,00 Tabela D8 Despesas fixas mensais da alternativa 1 Custos totais durante a utilização do sistema A seguir listamos o custo total de utilização da alternativa 1 durante três meses de duração de um evento. Período Valor(R$) Mês ,00 Mês 2 700,00 Mês 3 700,00 TOTAL 3.100,00 Tabela D9 Custos totais da alternativa 1 durante o a utilização do sistema 30

31 Custo total Período Valor(R$) 1º Ano 3.100,00 2º Ano 3.100,00 3º Ano 3.100,00 4º Ano 3.100,00 5º Ano 3.100,00 TOTAL ,00 Tabela D10 Custo total da alternativa 1\ Análise de retorno de investimento - Valores em Reais (R$) Categoria Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Investimento 1.000, , , , ,00 Custo de operação e manutenção 3.100, , , , ,00 Fator de desconto (6%) 1 0,94 0,88 0,82 0,76 Custos corrigidos 4.100, , , , ,00 Custos acumulados 4.100, , , , ,00 Benefícios do sistema 4.070, , , , ,00 Fator de desconto (6%) 1 0,94 0,88 0,82 0,76 31

32 Benefícios corrigidos 4.070, , , , ,20 Benefícios acumulados 4.070, , , , ,00 Resultado acumulado 30,00 118,20 264,60 469,20 732,00 ROI -3% Payback Tabela D11 Análise de retorno de investimento da alternativa 1 Alternativa 2 Investimento O investimento inicial envolve o treinamento dos 5 gerenciadores das planilhas. Item Treinamento (1 semana) Valor Total(R$) 500,00 TOTAL 500,00 Tabela D12 Investimento inicial da alternativa 2 32

33 Despesas fixas mensais Item Qtd Valor unitário Valor Total(R$) Salário dos gerenciadores das planilhas 5 200, ,00 TOTAL ,00 Tabela D13 Despesas fixas mensais da alternativa 2 Custo Total Período Valor (R$) 1º ano 3.500,00 2º ano 3.500,00 3º ano 3.500,00 4º ano 3.500,00 5º ano 3.500,00 TOTAL ,00 Tabela D14 Custo total da alternativa 2 Análise de retorno de investimento - Valores em Reais(R$) Categoria Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Investimento 500,00 500,00 500,00 500,00 500,00 Custo de operação e manutenção 1.000, , , , ,00 33

34 Fator de desconto (6%) 1 0,94 0,88 0,82 0,76 Custos corrigidos 1.500, , , , ,00 Custos acumulados 1.500, , , , ,00 Benefícios do sistema 4.070, , , , ,00 Fator de desconto (6%) 1 0,94 0,88 0,82 0,76 Benefícios corrigidos 4.070, , , , ,20 Benefícios acumulados 4.070, , , , ,00 Resultado acumulado 2.570, , , , ,00 ROI 160% Payback Imediato Tabela D15 Análise de retorno de investimento da alternativa 2 Alternativa 3 Período de desenvolvimento Despesas fixas mensais 34

35 Item Qtd Valor unitário Valor Total(R$) Salário Programador 2 800, ,00 Salário Designer 1 400,00 400,00 Servidor 1 35,00 35,00 TOTAL ,00 Tabela D16 Despesas fixas mensais durante o período de desenvolvimento da alternativa 3 Custos totais no período de desenvolvimento Mês Valor Total(R$) Mês ,00 Mês ,00 Mês ,00 Mês ,00 TOTAL 8.140,00 Tabela D17 Custos totais no período de desenvolvimento da alternativa 3 Período após o desenvolvimento Treinamento Abaixo é apresentado o custo necessário para o treinamento dos funcionários. O treinamento dura aproximadamente uma semana e o valor por funcionário é de R$

36 Item Treinamento (1 semana) Valor Total(R$) 200,00 TOTAL 200,00 Tabela D18 Custo de treinamento da alternativa 3 Despesas Fixas Mensais Item Qtd Valor unitário Valor Total(R$) Salário gerenciador 2 200,00 400,00 Aluguel do servidor 1 35,00 35,00 Tabela D19 Despesas fixas mensais após o período de desenvolvimento da alternativa 3 Custos totais após o período de desenvolvimento Após o desenvolvimento do sistema, os custos se resumem ao salário dos gerenciadores e ao aluguel do servidor durante o evento. Mês Valor Total(R$) Mês 1 435,00 Mês 2 435,00 Mês 3 435,00 TOTAL 1.305,00 Tabela D20 Custos totais após o período de desenvolvimento da alternativa 3 36

37 Custo total Período Valor(R$) 1º Ano 9.445,00 2º Ano 1.305,00 3º Ano 1.305,00 4º Ano 1.305,00 5º Ano 1.305,00 TOTAL ,00 Tabela D21 Custo total da alternativa 3 Análise de retorno de investimento - Valores em Reais (R$) Categoria Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Investimento 8.140, Custo de operação e manutenção 1.305, , , , ,00 Fator de desconto (6%) 1 0,94 0,88 0,82 0,76 Custos corrigidos 9.445, , , ,10 991,80 Custos acumulados 9.445, , , , ,00 Benefícios do sistema 4.070, , , , ,00 Fator de desconto (6%) 1 0,94 0,88 0,82 0,76 37

38 Benefícios corrigidos 4.070, , , , ,20 Benefícios acumulados 4.070, , , , ,00 Resultado acumulado 5.375, ,90 342, , ,00 ROI 29% Payback 3,22 Tabela D22 Análise de retorno de investimento da alternativa 3 38

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Ciência da Computação Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Taciana Lima Lourenço Silva Schuenemann Estudo de Viabilidade Clínica médica

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Estudo de Viabilidade SorveTech (Sistema de Gerenciamento) Professora: Carla Silva Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

Estudo de Viabilidade Projeto de promoções dirigidas em shoppings

Estudo de Viabilidade Projeto de promoções dirigidas em shoppings UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Estudo de Viabilidade Projeto de promoções dirigidas em shoppings Professora: Carla Taciana (ctlls@cin.ufpe.br)

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade Desenvolvimento de Sistema Web de Auxílio a Treinos Físicos (Personal Trainer Virtual) Curso de Ciência da Computação Centro de Informática - UFPE 23/10/2012 Prof. Carla Silva Sumário

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Silva Equipe (Ciência da Computação): Airton Sobral (asds) Alan Gomes (aga) Glauco Roberto (grps)

Leia mais

Estudo de Viabilidade CondoMine. Recife, outubro de 2012 Centro de Informática, Universidade Federal de Pernambuco

Estudo de Viabilidade CondoMine. Recife, outubro de 2012 Centro de Informática, Universidade Federal de Pernambuco Estudo de Viabilidade CondoMine Recife, outubro de 2012 Centro de Informática, Universidade Federal de Pernambuco SUMÁRIO Motivação... 4 1. Introdução... 5 2. Apresentação das Alternativas para o Sistema...

Leia mais

Estudo de Viabilidade. GMon Sistema de Gerenciamento de Monitores. Curso: Ciências da Computação Professora: Carla Silva

Estudo de Viabilidade. GMon Sistema de Gerenciamento de Monitores. Curso: Ciências da Computação Professora: Carla Silva Estudo de Viabilidade GMon Sistema de Gerenciamento de Monitores Curso: Ciências da Computação Professora: Carla Silva Recife, 20 de Janeiro de 2012 1 Sumário 1. Motivação... 3 2. Problema identificado...

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade Projeto InfoSupply Professora: Carla Silva Recife, 28 de Outubro de 2012. Controle de Versões Versão Responsável pela modificação Modificação realizada Sumário 1. Motivação... 1 2.

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE. Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos

ESTUDO DE VIABILIDADE. Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos ESTUDO DE VIABILIDADE Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Projeto CI. Curso: Engenharia da Computação Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Silva

Projeto CI. Curso: Engenharia da Computação Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Silva Projeto CI Curso: Engenharia da Computação Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Silva Recife, 28 de outubro de 2012 Sumário 1. Motivação... 4 2. Introdução:

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE Andressa T.R. Fenilli 1, Késsia R.C.Marchi 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil andressa.trf@gmail.com, kessia@unipar.br Resumo. Computação em

Leia mais

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com SUMÁRIO Introdução... 4 Nuvem pública: quando ela é ideal... 9 Nuvem privada: quando utilizá-la... 12 Alternativas de sistemas

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC 1 Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC Edilberto Silva 1, André Luiz (1012545), Andreia Pereira da Silva (1012547) Carlos Alberto (1012206), Humberto César de Carvalho

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

Termo de Abertura Sistema de Vendas de Pizzas Online (PizzaWeb) - Versão 1.0

Termo de Abertura Sistema de Vendas de Pizzas Online (PizzaWeb) - Versão 1.0 Termo de Abertura Sistema de Vendas de Pizzas Online (PizzaWeb) - Versão 1.0 Versão do Documento: 1.1 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011 1.0 Montar o Termo de Abertura.

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade WorkerTraining Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Silva Cynthia Raphaella, Húgaro Bernardino, Jéssica Barbalho e Wellton Thiago Recife, 20/01/2013

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1.

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica ESPECIFICAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UMA FERRAMENTA AUTOMATIZADA DE APOIO AO GERSE: GUIA DE ELICITAÇÃO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS EMBARCADOS Autor(es) BARBARA STEFANI

Leia mais

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING)

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) Thiago Batista de Oliveira¹, Júlio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil thiagoolyveira@gmail.com,juliocesarp@unipar.br

Leia mais

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao»

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Proposta Comercial Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Data 14 de setembro de 2012 Preparado para: «Nome» «Sobrenome» 1. Objetivo

Leia mais

Registro e Acompanhamento de Chamados

Registro e Acompanhamento de Chamados Registro e Acompanhamento de Chamados Contatos da Central de Serviços de TI do TJPE Por telefone: (81) 2123-9500 Pela intranet: no link Central de Serviços de TI Web (www.tjpe.jus.br/intranet) APRESENTAÇÃO

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes

Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Incidentes Os usuários do negócio ou os usuários finais solicitam os serviços de Tecnologia da Informação para melhorar a eficiência dos seus próprios processos de negócio, de forma que

Leia mais

Entenda agora as mudanças para as novas contratações do FIES

Entenda agora as mudanças para as novas contratações do FIES Entenda agora as mudanças para as novas contratações do FIES Em notícias divulgadas nos meios de comunicação o Ministério da Educação informou as mudanças constantes relacionadas ao FIES. Segue abaixo

Leia mais

Tableau Online Segurança na nuvem

Tableau Online Segurança na nuvem Tableau Online Segurança na nuvem Autor(a): Ellie Fields Diretora Sênior de Marketing de Produtos, Tableau Software Junho de 2013 p2 A Tableau Software entende que os dados são um dos ativos mais estratégicos

Leia mais

Tecnologia Web Focada em Negócios

Tecnologia Web Focada em Negócios Tecnologia Web Focada em Negócios Palestra: Otimização e Transparência no processo de compras. Marcos Carrara Outplan Empresa Catarinense com 13 anos de mercado. Produtos: Futebolcard Moke OutBuyCenter

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? As ofertas de nuvem pública proliferaram, e a nuvem privada se popularizou. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina - Sistemas Distribuídos Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 12 Computação em Nuvem Sumário Introdução Arquitetura Provedores

Leia mais

INSTRUMENTO NORMATIVO 004 IN004

INSTRUMENTO NORMATIVO 004 IN004 1. Objetivo Definir um conjunto de critérios e procedimentos para o uso do Portal Eletrônico de Turismo da Região disponibilizado pela Mauatur na Internet. Aplica-se a todos os associados, empregados,

Leia mais

Palavras-chave: Tecnologia da Informação, Armazenamento, Nuvem, Internet.

Palavras-chave: Tecnologia da Informação, Armazenamento, Nuvem, Internet. 1 COMPUTAÇÃO EM NUVEM Leonardo André Junges 1 Neimar Sierota 2 Palavras-chave: Tecnologia da Informação, Armazenamento, Nuvem, Internet. 1 INTRODUÇÃO Nos dias atuais encontramos tudo ou praticamente tudo

Leia mais

Grécia Um Framework para gerenciamento de eventos científicos acadêmicos utilizando componentes

Grécia Um Framework para gerenciamento de eventos científicos acadêmicos utilizando componentes Grécia Um Framework para gerenciamento de eventos científicos acadêmicos utilizando componentes Resumo Este trabalho apresenta uma infra-estrutura para gerenciamento de eventos científicos acadêmicos na

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

Documento de Requisitos

Documento de Requisitos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Documento de Requisitos Sistema Gerenciador de Atendimento de Chamados Técnicos Grupo: Luiz Augusto Zelaquett

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

Versão <1.0> Documento de Requisitos. Documento de Requisitos. Equipe:

Versão <1.0> Documento de Requisitos. Documento de Requisitos. Equipe: Versão Documento de Requisitos Documento de Requisitos Equipe: Bruno Harada (bhhc) Edilson Augusto Junior (easj) José Ivson Soares da Silva (jiss) Pedro Rodolfo da Silva Gonçalves (prsg) Raphael

Leia mais

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Parceiros de serviços em nuvem gerenciada Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Implemente a versão mais recente do software da SAP de classe mundial,

Leia mais

2. O que informatizar?

2. O que informatizar? A INFORMÁTICA NO CONSULTÓRIO MÉDICO No fascículo anterior, comentamos como a gestão de custos, mesmo sendo feita de maneira simplista, auxilia o consultório a controlar e avaliar seus resultados, permitindo

Leia mais

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos White Paper TenStep 2007 Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos Não há nenhuma duvida

Leia mais

PARA QUE SERVE O CRM?

PARA QUE SERVE O CRM? Neste mês, nós aqui da Wiki fomos convidados para dar uma entrevista para uma publicação de grande referência no setor de varejo, então resolvemos transcrever parte da entrevista e apresentar as 09 coisas

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Manual de Utilização Site Peper

Manual de Utilização Site Peper Manual de Utilização Site Peper - Corretor - Introdução Com o objetivo de otimizar a produção e o controle operacional ligados ao PEPER Proteção Escolar Permanente, a Patente Seguros e o Colégio 24 Horas,

Leia mais

1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade.

1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade. 1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade. Todos nós da AGI Soluções trabalhamos durante anos

Leia mais

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 a computação na nuvem está presente em todos os lugares e está crescendo 72% das empresas

Leia mais

Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade?

Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? RESUMO DA SOLUÇÃO CA SERVICE MANAGEMENT - GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? O CA Service Management

Leia mais

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1, Tiago Piperno Bonetti 1, Ricardo Germano 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor]

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Data Gerador do documento: Gerente de Negociação: Versões Versão Data Revisão Autor Aprovação (Ao assinar abaixo, o cliente concorda com todos os

Leia mais

Elaboração dos documentos

Elaboração dos documentos Estudo de Caso Área de conhecimento Gerência de Escopo Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. A Presidência dos Correios vislumbrou a possibilidade da Empresa apresentar aos seus clientes

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

EMISSÃO DE CERTIFICADOS ELETRÔNICOS NOS EVENTOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS VIDEIRA

EMISSÃO DE CERTIFICADOS ELETRÔNICOS NOS EVENTOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS VIDEIRA EMISSÃO DE CERTIFICADOS ELETRÔNICOS NOS EVENTOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS VIDEIRA Jeferson Boesing 1 ; Tiago Heineck 2 ; Angela Maria Crotti da Rosa 3 ; Leila Lisiane Rossi 4 INTRODUÇÃO Alunos

Leia mais

Acordo de Nível de Serviço (SLA)

Acordo de Nível de Serviço (SLA) Faculdade de Tecnologia Acordo de Nível de Serviço (SLA) Alunos: Anderson Mota, André Luiz Misael Bezerra Rodrigo Damasceno. GTI 5 Noturno Governança de tecnologia da informação Prof. Marcelo Faustino

Leia mais

R E G U L A M E N T O

R E G U L A M E N T O Premiação para associações comunitárias, empreendedores sociais, institutos de pesquisa, micro e pequenas empresas, ONGs e universidades sobre Iniciativas Inovadoras em Sustentabilidade R E G U L A M E

Leia mais

Cláudia Araújo Coordenadora Diego Macêdo Programador Marcelo Rodrigues Suporte

Cláudia Araújo Coordenadora Diego Macêdo Programador Marcelo Rodrigues Suporte BCON Sistema de Controle de Vendas e Estoque Declaração de escopo Versão 1.0 Histórico de Revisão Elaborado por: Filipe de Almeida do Amaral Versão 1.0 Aprovado por: Marcelo Persegona 22/03/2011 Time da

Leia mais

O Novo Portal Etilux também foi criado para ser um facilitador para nossa Força de Vendas, abrangendo as seguintes características:

O Novo Portal Etilux também foi criado para ser um facilitador para nossa Força de Vendas, abrangendo as seguintes características: INTRODUÇÃO: O Novo Portal Etilux também foi criado para ser um facilitador para nossa Força de Vendas, abrangendo as seguintes características: Ser uma alternativa para substituição dos volumosos e pesados

Leia mais

Estudo de Caso. Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A.

Estudo de Caso. Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. Estudo de Caso Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. A Presidência dos Correios vislumbrou a possibilidade da Empresa apresentar aos seus clientes um novo serviço, que foi denominado de

Leia mais

URL amigável e otimização mínima para os mecanismos de busca. O sistema é integrado ao Google Analytics para auxiliar a medição do número de acessos.

URL amigável e otimização mínima para os mecanismos de busca. O sistema é integrado ao Google Analytics para auxiliar a medição do número de acessos. 1 - A AGÊNCIA Fundada em 1999, a Link e Cérebro é uma empresa 100% nacional sediada em São Paulo SP. Nossa missão é aproximar nossos clientes do seu público alvo através da internet. O corpo técnico conta

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais

Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Fontes PMBOK, 2004. Project

Leia mais

Integração da Digitação de Eventos

Integração da Digitação de Eventos Integração da Digitação de Eventos Índice 1. APRESENTAÇÃO... 1 1.1. Primeiro Acesso... 1 1.2. Conhecendo a Plataforma... 3 1.2.1. Seleção da Empresa... 3 1.2.2. Sair do sistema/minhas Configurações...

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 10 Fato Real A batalha pelos dados Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob licença Creative

Leia mais

Política de Software Seguro da empresa Produção S.A

Política de Software Seguro da empresa Produção S.A Política de Software Seguro da empresa Produção S.A 1 Índice 1.0 - Introdução ----------------------------------------------------------------------------------3 2.0 - Objetivo -------------------------------------------------------------------------------------4

Leia mais

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Tema: Apresentador: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Objetivo desta palestra será resolver as seguintes questões: Porque fazer um PDTI? Quais os benefícios

Leia mais

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Governança de TI - Aula 2 Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com Projetos Altos investimentos em TI - importante que tenhamos processos eficazes para

Leia mais

Engenharia de Software: conceitos e aplicações. Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com

Engenharia de Software: conceitos e aplicações. Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com Engenharia de Software: conceitos e aplicações Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com 1 Objetivos da aula Apresentar os conceitos de Engenharia de Software e explicar a sua importância.

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

Serviços em Nuvem: Oportunidade para Operadoras Parte III

Serviços em Nuvem: Oportunidade para Operadoras Parte III Serviços em Nuvem: Oportunidade para Operadoras Parte III Este artigo introduz os conceitos de computação em nuvem, Cloud Computing, e a insere no contexto de mercado de serviços ao apresenta-la como uma

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados DIFERENCIAIS Acredito que o desenvolvimento de soluções para Internet não é um trabalho qualquer, deve-se ter certa experiência e conhecimento na área para projetar sistemas que diferenciem você de seu

Leia mais

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software ECOFROTA TRIBUNAL THEMIS

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software ECOFROTA TRIBUNAL THEMIS 1 Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software ECOFROTA TRIBUNAL THEMIS EDILBERTO SILVA 1, AQUILA ISRAEL (1316079) 2, CYNTHIA FERREIRA (1316079) 2, MARKO DE CASTRO (1316119) 2, RAFAELA ALMEIDA (1316189)

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

1. Objetivo do Projeto

1. Objetivo do Projeto PROPOSTA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VISNET - INTERNET E COMUNICAÇÃO Desenvolvimento de Site para CDL 1. Objetivo do Projeto O CDL Online é o mais novo sistema interativo especialmente projetado para criar

Leia mais

Dell Premier. Guia de Compras e Pedidos. Fazendo Login na sua Página Premier. Três formas de comprar

Dell Premier. Guia de Compras e Pedidos. Fazendo Login na sua Página Premier. Três formas de comprar Dell Premier Guia de Compras e Pedidos A Dell Premier é o seu próprio site de suporte e compras seguro e personalizado, que permite um processo de compra fácil, eficiente e econômico. Examine este Guia

Leia mais

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart Sistemas ERP Profa. Reane Franco Goulart Tópicos O que é um Sistema ERP? Como um sistema ERP pode ajudar nos meus negócios? Os benefícios de um Sistema ERP. Vantagens e desvantagens O que é um ERP? ERP

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II Primeiro Trabalho Descrição do trabalho: Escrever um Documento de Visão. Projeto: Automatização do sistema que

Leia mais

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS João Antônio Bezerra Rodrigues¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí

Leia mais

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 1. Apresentação A RiSE Reuse in Software Engineering e o Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD), com o apoio do CNPq

Leia mais

Suporte Técnico. A ZRCR Informática presta suporte técnico, via telefone, e-mail ou Skype diretamente aos usuários do E-GESTAOBELEZA

Suporte Técnico. A ZRCR Informática presta suporte técnico, via telefone, e-mail ou Skype diretamente aos usuários do E-GESTAOBELEZA Suporte Técnico A ZRCR Informática presta suporte técnico, via telefone, e-mail ou Skype diretamente aos usuários do E-GESTAOBELEZA Horário de Atendimento De segunda-feira à sexta-feira das 09:00 ás 19:00

Leia mais

RJMDocs ESTUDO DE VIABILIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA/ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA.

RJMDocs ESTUDO DE VIABILIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA/ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA/ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA RJMDocs ESTUDO DE VIABILIDADE Equipe: Nome Esforço da Equipe (%) Assinatura Aline Medeiros 25% Bruno

Leia mais

O que é a BuenitStore

O que é a BuenitStore O que é a A é a plataforma desenvolvida pela Buenit para projetos de comércio eletrônico, baseada no modelo SaaS, onde é possível criar lojas virtuais de forma rápida, prática e funcional, com foco total

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

EMISSÃO DE CERTIFICADOS ELETRÔNICOS NOS EVENTOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS VIDEIRA

EMISSÃO DE CERTIFICADOS ELETRÔNICOS NOS EVENTOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS VIDEIRA EMISSÃO DE CERTIFICADOS ELETRÔNICOS NOS EVENTOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS VIDEIRA Autores : Jeferson BOESING; Tiago HEINECK; Angela Maria Crotti da ROSA; Leila Lisiane ROSSI Identificação

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Information Technology Infrastructure Library ITIL ITIL é um acrônimo de Information Technology Infraestruture Library. Criado em

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

SISTEMA INFORMATIZADO PARA CONTROLE DE JOGO E GERAÇÃO DE SÚMULAS DE HANDEBOL

SISTEMA INFORMATIZADO PARA CONTROLE DE JOGO E GERAÇÃO DE SÚMULAS DE HANDEBOL SISTEMA INFORMATIZADO PARA CONTROLE DE JOGO E GERAÇÃO DE SÚMULAS DE HANDEBOL ¹ Hélder SANTOS; ² Bruno FERREIRA; ¹ Estudante de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. IFMG campus Bambuí ² Professor do curso

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2 EDITAL 2015. para assessores

PROCESSO SELETIVO 2 EDITAL 2015. para assessores PROCESSO SELETIVO 2 EDITAL 2015 para assessores SUMÁRIO 1. Apresentação 2. Diretorias e cargos Diretoria da Presidência Diretoria da Vice-Presidência Diretoria Administrativo-Financeira Diretoria de Desenvolvimento

Leia mais

O custo da infra-estrutura no

O custo da infra-estrutura no O custo da infra-estrutura no projeto de redes de computadores José Maurício dos Santos Pinheiro Professor do Centro Universitário de Volta Redonda UniFOA Professor da Escola Técnica Pandiá Calógeras ETPC

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA ÁGUA E ESGOTO

INFLUÊNCIA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA ÁGUA E ESGOTO INFLUÊNCIA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA ÁGUA E ESGOTO Paulo Mailson Vieira da Mota Graduando em Sistemas de Informação e Técnico em Informática, Analista de TI do SAAE de Iguatu-CE. Endereço

Leia mais

Por que Office 365? Office 365 Por que usar?

Por que Office 365? Office 365 Por que usar? Por que Office 365? Office 365 Por que usar? POR QUE OFFICE 365? Olá. Nesse guia, vamos tratar de um serviço que está sendo extremamente procurado por executivos e especialistas em TI das empresas: o Office

Leia mais

GPEC FORMA Formação & Aperfeiçoamento www.gpecforma.com.br PRO JURÍDICO XE WEB SOFTWARE WEB PARA ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA

GPEC FORMA Formação & Aperfeiçoamento www.gpecforma.com.br PRO JURÍDICO XE WEB SOFTWARE WEB PARA ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA GPEC FORMA Formação & Aperfeiçoamento www.gpecforma.com.br PRO JURÍDICO XE WEB SOFTWARE WEB PARA ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA PRO JURÍDICO XE WEB Todo escritório de advocacia, de pequeno a grande porte necessita

Leia mais