Estudo de Viabilidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo de Viabilidade"

Transcrição

1 Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Estudo de Viabilidade SorveTech (Sistema de Gerenciamento) Professora: Carla Silva Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas 1 P ágina

2 Recife, 28 de outubro de 2012 Índice Motivação... 3 Introdução: O Problema Identificado... 4 Apresentação das Alternativas... 5 Estudo da Viabilidade Operacional... 6 Estudo da Viabilidade Técnica... 8 Estudo da Viabilidade de Cronograma... 9 Estudo da Viabilidade Econômica Análise Final das Alternativas Recomendações e Considerações Finais Apêndices Apêndice A: Sobre a Zeca s Apêndice B: Contatos e Coleta de Informações Apêndice C: Deficiência no sistema de gerenciamento Apêndice D: Avaliação dos participantes do grupo P ágina

3 Motivação O advento da computação permitiu que as atividades antes feitas pelos humanos pudessem ser automatizadas, permitindo uma maior organização e eficiência. A partir dessa premissa, temos como motivação construir um sistema de gerenciamento de uma empresa de sorvetes, mais precisamente a Zeca s. No nosso projeto, pretendemos propor um sistema, o SorveTech, para tentar melhorar a administração da empresa, aumentando os lucros e melhorando a produtividade da empresa e de seus funcionários. Nesse sistema, faremos uma maior interação e integração entre os diversos setores da empresa, aumentando a velocidade de comunicação entre eles. Com esse sistema também podemos manter registro do que foi pedido e do que foi feito e de como foi feito, e todas as informações podem ser guardadas de forma segura e com backup. 3 P ágina

4 Introdução: O Problema Identificado No nosso projeto, nos baseamos na empresa Zeca s de picolés e sorvetes, mas o sistema que propomos pode ser utilizado em qualquer empresa de organização semelhante (que produz qualquer tipo de alimento). Mais detalhes sobre a empresa analisada podem ser encontrados no Apêndice A. No Apêndice B pode ser encontrada uma entrevista realizada com o intuito de entender melhor o dia- a- dia da empresa, assim como os problemas apresentados nela. No Apêndice C estão listados os principais problemas encontrados no sistema atual da empresa. Em geral, esse tipo de empresa é organizada em departamentos diferentes (ex.: máquinas e logística, estoque, gerência, administração e financeiro). O setor de máquinas e logística é responsável pelo recebimento dos pedidos, pela produção do pedido, e pela distribuição do produto final. O setor de estoque é responsável pelo gerenciamento da quantidade de produtos e mantimentos disponível na empresa. Caso seja detectada a falta de algum recurso, esse setor informa aos outros o que falta para poder ser feita a solicitação devida. O setor de gerência recebe as solicitações dos outros setores e as avalia, decidindo se são viáveis ou não. O setor de administração gerencia os pagamentos da empresa e é responsável pelos contratos atuais da empresa. O setor financeiro registra gastos e ganhos da empresa, também sendo responsável pela análise de redução de gastos e ampliação de investimentos. 4 P ágina

5 Apresentação das Alternativas Atualmente, os setores da empresa são organizados separadamente, cada qual com seu sistema informatizado, havendo pouca interação entre eles. Alternativa 1 Nessa alternativa, o sistema será mantido basicamente o mesmo, apenas adequando o sistema às novas máquinas disponíveis. Essa alternativa seria a de mais fácil implementação e a mais barata, porém não solucionaria as falhas organizacionais que a empresa apresenta atualmente, falhas que são basicamente consequências do fato de cada setor da empresa ter o seu sistema de software executados separadamente. Alternativa 2 Nessa opção, seria desenvolvido um sistema web, na qual os dados da empresa seriam armazenados num servidor externo, e poderiam ser acessados a partir de qualquer computador conectado à web. Alternativa 3 Nessa alternativa, seria desenvolvido um sistema desktop, em que os dados seriam armazenados num servidor próprio da empresa, e não na web como na alternativa anterior. 5 P ágina

6 Estudo da Viabilidade Operacional Nesta seção serão apresentados os resultados obtidos pelo estudo comparativo entre as alternativas propostas com relação à viabilidade operacional de cada uma. Para tal estudo, utilizamos a estrutura PIECES (performance, informação, economia, controle, eficiência e serviços). Alternativa 1 Performance Esse método não é um sistema muito ágil, por conta da pouca interação entre os diferentes setores da companhia. Além disso, o sistema desenvolvido foi feito com uma tecnologia antiga. Informação Nesse método, a gerência não tem tantas informações disponíveis, além do que elas podem estar desatualizadas, pela falta de comunicação entre as diferentes partes. Economia Esse método apresenta- se bastante econômico, pois consiste em pequenas alterações no sistema que já está atualmente implantado na empresa. Controle Essa alternativa apresenta pequenas brechas de segurança devido ao fato do sistema ter sido implementado com uma tecnologia ultrapassada. Eficiência Essa alternativa apresenta baixa eficiência, devido a falta de comunicação entre os setores da empresa. Serviços Esta alternativa apresenta serviços não muito confiáveis, flexíveis ou extensíveis, devido ao fato de ter sido implementada com uma tecnologia ultrapassada. Alternativa 2 Performance Nesse método, a vazão depende da conexão com a Internet, que se não for muito boa na empresa pode comprometer a performance do sistema. Além disso, o servidor web pode cair, e a empresa não terá acesso aos dados. Informação As informações neste sistema estão de mais fácil acesso, pois qualquer um com acesso a Internet pode olhar as informações e atualizar as mesmas. Economia Esse sistema não é muito barato, pois há custos envolvidos na implantação de novas tecnologias, treinamento de funcionários que vão trabalhar com ela, além dos custos de manutenção do contrato com o servidor web. Controle Essa alternativa apresenta um maior risco de segurança à empresa, pois o sistema teria os seus dados guardados em um servidor web sujeito a ataques de hackers. 6 P ágina

7 Eficiência O sistema web seria desenvolvido de forma a apresentar uma maior eficiência com relação ao sistema atualmente implementado, devido ao fato de apresentar uma maior integração entre os dados. Serviços Por ser implementada com uma tecnologia amplamente utilizada, essa alternativa mostra- se flexível e extensível, além de apresentar uma boa confiabilidade, devida ao fato de ter- se disponíveis máquinas que podem guardar dados redundantes. Alternativa 3 Performance Essa alternativa é a que apresenta a melhor performance das três, pois com um servidor na empresa, os dados são acessados mais rapidamente. Informação Essa opção é tão boa quanto na alternativa 2, porém apresenta uma menor taxa de atualização, pois o servidor é local e não na web, fazendo com que o usuário tenha que estar na empresa. Economia Essa alternativa tem o maior custo imediato, pois consiste na implantação de uma nova tecnologia, como na alternativa anterior, mas com a modificação da necessidade da implantação de um servidor local, o que se torna mais caro em curto prazo com relação à compra de serviços já disponibilizados na web. Controle Esse sistema fornece uma boa segurança aos dados armazenados, pois já como estes estão salvos dentro da empresa, os dados só seriam acessíveis aos próprios funcionários. Eficiência Essa alternativa apresenta uma eficiência bastante similar a alternativa anterior, pois também permite uma maior integração entre as informações. Serviços Essa alternativa é tão flexível e extensível quanto a alternativa anterior, mas é um pouco menos confiável, pois os dados de backup seriam armazenados próximos aos dados originais, o que facilitaria uma perda generalizada (algo que seria difícil de acontecer num sistema web). Os resultados obtidos estão apresentados mais resumidamente na tabela abaixo: Alternativa Alternativa Alternativa Performance Informação Economia Controle Eficiência Serviços 7 P ágina

8 Estudo da Viabilidade Técnica O estudo da viabilidade técnica é referente à análise das alternativas propostas, buscando verificar a tecnologia proposta e o conhecimento técnico associado, além da existência de mão- de- obra especializada. Alternativa 1: Como essa primeira proposta já está sendo utilizada pela empresa há vários anos, a técnica já está madura e, portanto os usuários possuem uma grande base de conhecimento técnico associado. Assim, não há necessidade de cursos de especialização, reduzindo o custo e não impactando no cronograma. Como já foi dito, a empresa já possui funcionários especializados na tecnologia utilizada. Alternativa 2: Nesta segunda proposta, ao contrário da primeira, será necessária mão- de- obra especializada para executar os serviços de construção do website e hospedagem dos mesmos em servidores na rede. Conhecimentos como HTML, Java Web (JSP), Hibernate serão fundamentais para o desenvolvimento de páginas web completas. Além disso, serviços adicionais de manutenção serão periodicamente contratados para possíveis alterações e correções. Como toda a técnica relacionada ao desenvolvimento de webservices é amplamente difundida, sabe- se que é sim madura tecnicamente e viável. Alternativa 3: Nesta alternativa, também será necessária uma equipe de desenvolvedores especializados para implementar o software na versão para desktop. Um servidor local precisará ser adquirido e instalado. O desenvolvimento de softwares também é uma técnica muito consolidada atualmente, portanto é uma opção tecnicamente viável. 8 P ágina

9 Estudo de Viabilidade de Cronograma Como a empresa encontra- se estável financeiramente, não há urgência na realização do projeto, portanto os prazos serão desejáveis e não obrigatórios. Alternativa 1: O prazo para essa alternativa é de 1 mês, incluindo compra, recebimento e instalação das novas máquinas. Como essa modificação é simples, o tempo é suficiente para sua realização. Alternativa 2: Essa alternativa deverá ser implementada em 5 meses. Onde em 4 meses e 15 dias devem ser realizadas as seguintes operações: modelagem do banco de dados, implementação das páginas Web, elaboração do layout das páginas, contratação do servidor, testes e validação junto ao cliente. Os últimos 15 dias deverão ser dedicados ao treinamento dos funcionários para aprendizagem da operação do sistema. Por experiências passadas, é possível afirmar que o tempo estimado é viável para a realização da alternativa 2. Alternativa 3: Nessa alternativa, o prazo será de 4 meses. Onde 3 meses e 15 dias serão dedicados a realizar a codificação do programa, criação do layout do programa, compra e instalação do servidor, teste e validação junto ao cliente Os últimos 15 dias serão dedicados ao treinamento dos funcionários para aprendizagem da operação do sistema. Devido a baixa complexidade do sistema, é possível considerar o tempo estimado como suficiente para a realização das tarefas. 9 P ágina

10 Estudo da Viabilidade Econômica A análise a seguir apresenta um estudo de Viabilidade Econômica que pode ser aplicado a qualquer empresa de sorvetes e com apenas algumas pequenas mudanças, pode ser aplicado a qualquer empresa de alimentos. Custos: Alternativa 1 2 Máquinas para cada departamento (totalizando 10 máquinas) Instalações das máquinas Instalação dos softwares nas máquinas Compra das licenças do sistema operacional Benefícios: Aumento de 2% do lucro mensal da empresa devido ao aumento na agilidade do sistema (o lucro mensal atual da empresa é R$ ,00) Análise detalhada dos custos: Investimentos: Os investimentos necessários para a operacionalização desta alternativa consistem em novos computadores para substituir os antigos, que já se encontram ultrapassados, na resolução de problemas técnicos e na compra de novos softwares. Item Qtd Valor Unitario (R$) Valor Total (R$) Computador 10 R$ 2.000,00 R$ ,00 Instalação dos computadores 1 R$ 200,00 R$ 200,00 Compra das licenças do S.O. 10 R$ 100,00 R$ 1.000,00 Instalação dos softwares 10 R$ 50,00 R$ 500,00 TOTAL R$ ,00 Período de Desenvolvimento: Nesse período não serão realizados gastos devido ao fato de não necessitar mão- de- obra especializada para a realização da tarefa. Custos após o período de desenvolvimento: Também será necessário um gasto com manutenção do sistema, porém não haverá treinamento dos funcionários já que nenhum novo procedimento será estabelecido. 10 P ágina

11 sistema. Os custos relativos a este período compreendem as despesas com manutenção do Treinamento, Manutenção e Aluguel do servidor Item Valor (R$) Visita de manutenção R$ 50,00 Análise de Retorno do Investimento: Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Custos de Desenvolvimento R$ ,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 Custos de Operação e R$ 600,00 R$ 600,00 R$ 600,00 R$ 600,00 R$ 600,00 Manutenção Fator de desconto (8%) 1,00 0,92 0,84 0,76 0,68 Custos Corrigidos R$ 600,00 R$ 552,00 R$ 504,00 R$ 456,00 R$ 408,00 Custos Acumulados R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 Benefícios do sistema R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 Fator de Desconto (8%) 1,00 0,92 0,84 0,76 0,68 Benefícios corrigidos R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ 9.520,00 Benefícios acumulados R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 Resultado acumulado - R$ 8.300,00 R$ 4.028,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 ROI Payback 142,77% 1,67 Custo Total: O custo total do sistema foi especificado para um período de 5 anos. Consideramos, também, que no primeiro ano a manutenção é coberta pela garantia. Custo Total Período Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Valor (R$) R$ ,67 R$ 600,00 R$ 600,00 R$ 600,00 R$ 600,00 11 P ágina

12 VPL $ ,00 $ ,00 $ ,00 $ ,00 $ ,00 $ ,00 $ ,00 $ 5.000,00 $ 0,00 - $ 5.000,00 - $ ,00 - $ , Anos Conclusão: Esta alternativa apresentou- se como a mais inviável no estudo econômico, pois possui o menor ROI e um Payback maior do que a das outras alternativas. Isso já era esperado, pois o sistema atual da empresa apresenta- se bastante falho, e embora fosse fácil aplicar essa alternativa, poucas vantagens seriam obtidas a partir dela. Alternativa 2: Custos Envolvidos: Pagamento dos salários dos programadores encarregados pela implementação do site e pelo design do layout da página Compra das ferramentas e licenças que serão utilizadas durante o desenvolvimento Pagamento dos salários dos funcionários encarregados pela limpeza dos ambientes de desenvolvimento Aluguel do servidor web Custo fixo com aluguel, energia, água, telefone e Internet para os desenvolvedores Gastos com materiais de escritório Manutenção de software Compra de novos equipamentos (computadores, impressoras, entre outros) Benefício: Aumento de 15% nos lucros da empresa, devido à maior eficiência e ao aumento da produtividade 12 P ágina

13 Análise detalhada dos custos: Investimentos: Os investimentos necessários para a operacionalização desta alternativa consistem em novos computadores, para substituir os antigos que já se encontraram ultrapassados e com problemas técnicos, além da compra de novos softwares. Item Qtd Valor Unitario (R$) Valor Total (R$) Computador 10 R$ 2.000,00 R$ ,00 Instalação dos computadores 1 R$ 200,00 R$ 200,00 Compra das licenças do S.O. 10 R$ 100,00 R$ 1.000,00 Instalação dos softwares 10 R$ 50,00 R$ 500,00 TOTAL R$ ,00 Período de Desenvolvimento: As despesas a seguir são relativas ao período de desenvolvimento do sistema, encerrando- se quando o sistema estiver finalizado (despesas de manutenção estão no próximo tópico). Despesas fixas mensais Item Qtd Valor Unitario (R$) Valor Total (R$) Salário programadores 2 R$ 2.000,00 R$ 4.000,00 Salário designer 1 R$ 2.000,00 R$ 2.000,00 Manutenção/Limpeza 1 R$ 150,00 R$ 150,00 Aluguel 1 R$ 500,00 R$ 500,00 Energia 1 R$ 400,00 R$ 400,00 Água 1 R$ 100,00 R$ 100,00 Telefone 1 R$ 100,00 R$ 100,00 Internet 1 R$ 300,00 R$ 300,00 Material de Escritório 1 R$ 200,00 R$ 200,00 Material de Limpeza 1 R$ 50,00 R$ 50,00 TOTAL R$ 7.800,00 As despesas a seguir são relativas a itens que não precisarão ser comprados, mas que serão alocados ao projeto durante sua fase de desenvolvimento. Por exemplo, estamos supondo que a empresa desenvolvedora já possui computadores. Portanto, não incluímos o custo de aquisição de computadores, mas sim o custo do seu uso. A taxa de depreciação de computadores é de 20% ao ano. No nosso planejamento, incluiremos no preço do computador os custos de obtenção e licenciamento dos softwares a serem usados no projeto. 13 P ágina

14 Hardware e Software Computador Qtd Valor Unitario (R$) Valor Total (R$) Hardware 3 R$ 2.000,00 R$ 6.000,00 Sistema Operacional 3 R$ 100,00 R$ 300,00 Ferramentas de desenvolvimento 3 R$ 200,00 R$ 600,00 Ferramentas de modelagem 1 R$ 2.000,00 R$ 2.000,00 TOTAL R$ 8.900,00 Custo Anual (20% do Total) R$ 1.780,00 Custo Mensal Custos totais no período de desenvolvimento: R$ 148,33 Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Mês 5 Total Mês Valor Total (R$) R$ 7.948,33 R$ 7.948,33 R$ 7.948,33 R$ 7.948,33 R$ 7.948,33 R$ ,67 Custos após o período de desenvolvimento: Os custos relativos a este período compreendem as despesas com treinamento de funcionários e manutenção do sistema, além do aluguel do servidor. Treinamento, Manutenção e Aluguel do servidor Item Valor (R$) Treinamento (1 mês) R$ 2.000,00 Visita de manutenção R$ 200,00 Aluguel do servidor R$ 200,00 Análise de Retorno do Investimento: Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Custos de Desenvolvimento R$ ,67 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 Custos de Operação e R$ 2.000,00 R$ 4.800,00 R$ 4.800,00 R$ 4.800,00 R$ 4.800,00 Manutenção Fator de desconto (8%) 1,00 0,92 0,84 0,76 0,68 Custos Corrigidos R$ 2.000,00 R$ 4.416,00 R$ 4.032,00 R$ 3.648,00 R$ 3.264,00 Custos Acumulados R$ ,67 R$ ,67 R$ ,67 R$ ,67 R$ ,67 Benefícios do sistema R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 14 P ágina

15 Fator de Desconto (8%) 1,00 0,92 0,84 0,76 0,68 Benefícios corrigidos R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 Benefícios acumulados R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 Resultado acumulado R$ ,33 R$ ,33 R$ ,33 R$ ,33 R$ ,33 ROI 459,63% Payback 1,24 Custo Total: O custo total do sistema foi especificado para um período de 5 anos. Estimamos que 1 mês de treinamento, realizado no primeiro ano, será necessário para que os funcionários se adaptem ao uso do programa. Consideramos, também, que no primeiro ano a manutenção é coberta pela garantia. Custo Total Período Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Total Valor (R$) R$ ,67 R$ 4.800,00 R$ 4.800,00 R$ 4.800,00 R$ 4.800,00 R$ ,67 $ ,00 $ ,00 $ ,00 $ ,00 VPL $ ,00 $ ,00 $ ,00 $ ,00 $ 0, Anos 15 P ágina

16 Conclusão: Assim como a alternativa 3, esta alternativa apresentou- se bastante viável economicamente, com um bom ROI e um Payback rápido. Alternativa 3: Custos Envolvidos: Pagamento dos salários dos programadores encarregados pela implementação do software e pelo design da interface Compra das ferramentas e licenças que serão utilizadas durante o desenvolvimento Pagamento dos salários dos funcionários encarregados pela limpeza dos ambientes de desenvolvimento Compra do servidor local Custo fixo com aluguel, energia, água, telefone e internet para os desenvolvedores Gastos com materiais de escritório Manutenção de software Compra de novos equipamentos (computadores, impressoras, entre outros) Benefício: Aumento de 15% nos lucros da empresa, devido à maior eficiência e ao aumento da produtividade Análise detalhada dos custos: Investimentos: Os investimentos necessários para a operacionalização desta alternativa consistem em novos computadores para substituir os antigos que já se encontraram ultrapassados e com problemas técnicos. Aliado à compra de novos softwares, também houve o investimento para a compra de um servidor local. Item Qtd Valor Unitário (R$) Valor Total (R$) Computador 10 R$ 2.000,00 R$ ,00 Instalação dos computadores 1 R$ 200,00 R$ 200,00 Compra das licenças do S.O. 10 R$ 100,00 R$ 1.000,00 Compra do Servidor 1 R$ 3.000,00 R$ 3.000,00 Instalação dos softwares 10 R$ 50,00 R$ 500,00 TOTAL R$ ,00 Período de Desenvolvimento: 16 P ágina

17 As despesas a seguir são relativas ao período de desenvolvimento do sistema, encerrando- se quando o sistema estiver finalizado (despesas de manutenção estão no próximo tópico). Despesas fixas mensais Item Qtd Valor Unitario Valor Total (R$) (R$) Salário programadores 2 R$ 2.000, ,00 Salário designer 1 R$ 2.000,00 R$ 2.000,00 Manutenção/Limpeza 1 R$ 150,00 R$ 150,00 Aluguel 1 R$ 500,00 R$ 500,00 Energia 1 R$ 400,00 R$ 400,00 Água 1 R$ 100,00 R$ 100,00 Telefone 1 R$ 100,00 R$ 100,00 Internet 1 R$ 300,00 R$ 300,00 Material de Escritório 1 R$ 200,00 R$ 200,00 Material de Limpeza 1 R$ 50,00 R$ 50,00 TOTAL R$ 7.800,00 As despesas a seguir são relativas a itens que não precisarão ser comprados, mas que serão alocados ao projeto durante sua fase de desenvolvimento. Por exemplo, estamos supondo que a empresa desenvolvedora já possui computadores. Portanto, não incluímos o custo de aquisição de computadores, mas sim o custo do seu uso. A taxa de depreciação de computadores é de 20% ao ano. No nosso planejamento, incluiremos no preço do computador os custos de obtenção e licenciamento dos softwares a serem usados no projeto. Hardware e Software Computador Qtd Valor Unitario (R$) Valor Total (R$) Hardware 3 R$ 2.000,00 R$ 6.000,00 Sistema Operacional 3 R$ 100,00 R$ 300,00 Ferramentas de desenvolvimento 3 R$ 200,00 R$ 600,00 Ferramentas de modelagem 1 R$ 2.000,00 R$ 2.000,00 TOTAL R$ 8.900,00 Custo Anual (20% do Total) R$ 1.780,00 Custo Mensal Custos totais no período de desenvolvimento: R$ 148,33 Mês 1 Mês Valor Total (R$) R$ 7.948,33 17 P ágina

18 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Total R$ 7.948,33 R$ 7.948,33 R$ 7.948,33 R$ ,33 Custos após o período de desenvolvimento Os custos relativos a este período compreendem as despesas com treinamento de funcionários e manutenção do sistema. Treinamento, Manutenção e Aluguel do servidor Item Valor (R$) Treinamento (1 mês) R$ 2.000,00 Visita de manutenção R$ 200,00 Análise de Retorno do Investimento: Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Custos de Desenvolvimento R$ ,33 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 Custos de Operação e R$ 2.000,00 R$ 2.400,00 R$ 2.400,00 R$ 2.400,00 R$ 2.400,00 Manutenção Fator de desconto (8%) 1,00 0,92 0,84 0,76 0,68 Custos Corrigidos R$ 2.000,00 R$ 2.208,00 R$ 2.016,00 R$ 1.824,00 R$ 1.632,00 Custos Acumulados R$ ,33 R$ ,33 R$ ,33 R$ ,33 R$ ,33 Benefícios do sistema R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 Fator de Desconto (8%) 1,00 0,92 0,84 0,76 0,68 Benefícios corrigidos R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 Benefícios acumulados R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 Resultado acumulado R$ ,67 R$ ,67 R$ ,67 R$ ,67 R$ ,67 ROI Payback 566,43% 1,25 Custo Total: O custo total do sistema foi especificado para um período de 5 anos. Estimamos que 1 mês de treinamento, realizado no primeiro ano, será necessário para que os funcionários se adaptem ao uso do programa. Consideramos, também, que no primeiro ano a manutenção é coberta pela garantia. 18 P ágina

19 Custo Total Período Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Total Valor (R$) R$ ,33 R$ 2.400,00 R$ 2.400,00 R$ 2.400,00 R$ 2.400,00 R$ ,33 $ ,00 $ ,00 $ ,00 $ ,00 VPL $ ,00 $ ,00 $ ,00 $ ,00 $ 0, Anos ] Conclusão: Assim como a alternativa anterior, esta apresenta uma boa viabilidade econômica, Os benefícios trazidos na organização da empresa são traduzidos em um bom ROI e um Payback curto. 19 P ágina

20 Análise Final das Alternativas Segue abaixo a matriz de análise de viabilidade do projeto, através da qual podemos escolher a alternativa mais adequada entre as sugeridas. Viabilidade Peso Alternativa 1 Alternativa 2 Alternativa 3 Operacional 30% Técnica 20% Cronograma 5% Econômica 45% Final 100% A análise operacional recebeu um peso de 30% devido ao fato que, como ela analisa os impactos da implantação do sistema de forma geral, então foi considerada como segundo lugar de importância porque, para nosso caso, o aumento dos lucros foi considerado prioritário. As notas referentes à viabilidade operacional foram calculadas a partir da tabela comparativa criada durante o estudo de viabilidade onde, a nota 10 foi dada à alternativa com maior pontuação obtida, nesse caso, a alternativa 3 e as demais alternativas tiveram suas notas calculadas proporcionalmente à melhor alternativa. A importância de analise de viabilidade técnica recebeu um peso de 20% devido ao fato das tecnologias utilizadas em todas as alternativas são de fácil acesso e utilização no mercado. Uma vez que todas as alternativas contam com a utilização de tecnologias existentes e usadas amplamente no mercado. A alternativa 1 recebeu nota 10 devido ao fato de toda a tecnologia necessária para ela já estar presente atualmente no sistema. As outras duas também receberam notas boas, não foi nota máxima porque elas teriam que ser incluídas no sistema. À viabilidade de cronograma foi atribuído o peso de 10% devido ao fato da empresa encontrar- se estável financeiramente e não há nenhuma urgência na realização do projeto, portanto os prazos não são obrigatórios. A nota 10 foi dada a alternativa com menor prazo de conclusão, quanto as outras alternativas, suas notas foram calculadas proporcionalmente à alternativa de menor prazo. A análise econômica foi considerada as mais importantes das viabilidades devido ao fato do aumento do lucro na empresa ter sido priorizado pelo próprio dono. As notas dessa categoria foram dadas a partir da analise das tabelas criadas no estudo de viabilidade 20 P ágina

21 econômica onde a melhor alternativa recebeu nota 10, e as demais receberam notas proporcionais à melhor alternativa. 21 P ágina

22 Recomendações e Considerações Finais Com a realização dos estudos de viabilidade aqui apresentados foi possível concluir que a opção mais apropriada para aprimorar o sistema de gerenciamento da empresa Zeca s e agilizar esse processo é a terceira alternativa: implantação de um sistema desktop de gerenciamento. O custo para essa implantação compensa bastante os lucros que serão obtidos com esse novo serviço, podendo também economizar tempo. Como a segunda alternativa também apresentou uma boa possibilidade de projeto, ou seja, também seria possível e viável sua implementação. Portanto, podemos ver que a criação e implantação desse sistema além de reduzir o tempo no gerenciamento da empresa, também gera lucros e facilidades no gerenciamento. Apesar de ser possível manter o sistema como está atualmente, o novo sistema se mostra muito mais eficaz, melhorando a organização da empresa em geral. 22 P ágina

23 Apêndice A: Sobre a Zeca s A tradicional sorveteria Zecas é oriunda da cidade de Olinda- PE. Fundada no ano de 1979 e consolidando- se no mercado através, não apenas da qualidade do seu produto, como também através do lançamento de exclusividades criativas como, por exemplo, o sorvete de tapioca. A empresa tem por objetivo principal vender sorvetes de qualidade com criatividade e a preços competitivos. A sorveteria está instalada no município de Abreu e Lima PE, em uma área de 10 Hectares com uma área construída de metros quadrados. A fábrica atual foi construía no ano de A empresa possui 550 colaboradores. Construída com conceitos modernos de instalação e é totalmente automatizada. Sua produção alcança na alta estação a produção de litros por mês e sua câmara frigorifica suporta um armazenamento de litros de sorvete. 23 P ágina

24 Apêndice B: Contatos e Coleta de Informações Ao entrar em contato com a empresa Zecas, foi possível identificar que o sistema de gerenciamento da empresa poderia ser agilizado e incrementado. Uma vez que o problema foi identificado, procuramos entender bem o funcionamento atual do sistema através de uma entrevista com o próprio dono da empresa. Segue abaixo os detalhes da entrevista realizada: Entrevista: Grupo: Como ocorrem as principais movimentações na empresa? Paulo: A empresa é dividida basicamente em 5 departamentos: Gerência, Administração, Vendas, Fábrica e Estoque. Todos os 4 últimos departamentos devem, sempre que houver uma requisição qualquer, comunicar a gerência para que ela possa repassar as requisições aos outros departamentos. Grupo: A empresa possui internet em todos os departamentos? Paulo: Sim. Internet com e sem fio. Grupo: Como os funcionários enviam as requisições com a gerência? Paulo: Os funcionários levam um formulário completado à mão até a sala da gerência. Daí a gerência gera um documento que deve ser dirigido ao setor destinado. Por exemplo, se o setor de estoque precisa de novos materiais, ele deve encaminhar esse pedido a gerencia, para que a gerencia gere um documento requisitando capital ao setor financeiro. Grupo: Os setores são informatizados? Paulo: Sim, porém os computadores são bem simples. Grupo: Nesse caso, pelo menos uma parte dos funcionários sabe utilizar o computador? Paulo: Sim, em todos os setores há funcionários que utilizam computadores. 24 P ágina

25 Apêndice C: Deficiência no Sistema de Gerenciamento Analisando o sistema de gerenciamento da empresa, identificamos alguns problemas que podemos resolver ou melhorar com alternativas. Os principais problemas foram: 1. O mais grave, foi a demora na realização das atividades que envolvem mais de um setor da empresa, já que nesses casos a gerência tinha sempre que intermediar as atividades. 2. O fato de os requerimentos serem entregues à gerência em um formulário de papel, que não só é muito lento de ser preenchido, como também há riscos de ser perdido. Além disso, o fato de ter que ser levado pessoalmente atrasa ainda mais esses procedimentos. 3. Mesmo possuindo computadores na empresa, eles não foram utilizados para melhorar o sistema de gerenciamento da empresa. 25 P ágina

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade Projeto InfoSupply Professora: Carla Silva Recife, 28 de Outubro de 2012. Controle de Versões Versão Responsável pela modificação Modificação realizada Sumário 1. Motivação... 1 2.

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Ciência da Computação Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Taciana Lima Lourenço Silva Schuenemann Estudo de Viabilidade Clínica médica

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade Desenvolvimento de Sistema Web de Auxílio a Treinos Físicos (Personal Trainer Virtual) Curso de Ciência da Computação Centro de Informática - UFPE 23/10/2012 Prof. Carla Silva Sumário

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Silva Equipe (Ciência da Computação): Airton Sobral (asds) Alan Gomes (aga) Glauco Roberto (grps)

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco - UFPE Centro de Informática - CIn Estudo de Viabilidade Congretz Recife, Novembro de 2013 1 Equipe Anderson Luiz (alfr) Eduardo Macedo (erbm) José Araújo (jasn) Rodolfo

Leia mais

Projeto CI. Curso: Engenharia da Computação Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Silva

Projeto CI. Curso: Engenharia da Computação Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Silva Projeto CI Curso: Engenharia da Computação Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Silva Recife, 28 de outubro de 2012 Sumário 1. Motivação... 4 2. Introdução:

Leia mais

RJMDocs ESTUDO DE VIABILIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA/ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA.

RJMDocs ESTUDO DE VIABILIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA/ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA/ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA RJMDocs ESTUDO DE VIABILIDADE Equipe: Nome Esforço da Equipe (%) Assinatura Aline Medeiros 25% Bruno

Leia mais

Estudo de Viabilidade CondoMine. Recife, outubro de 2012 Centro de Informática, Universidade Federal de Pernambuco

Estudo de Viabilidade CondoMine. Recife, outubro de 2012 Centro de Informática, Universidade Federal de Pernambuco Estudo de Viabilidade CondoMine Recife, outubro de 2012 Centro de Informática, Universidade Federal de Pernambuco SUMÁRIO Motivação... 4 1. Introdução... 5 2. Apresentação das Alternativas para o Sistema...

Leia mais

Exemplo de Plano para Desenvolvimento de Software

Exemplo de Plano para Desenvolvimento de Software Universidade Salgado de Oliveira Especialização em Tecnologia da Informação Qualidade em Engenharia de Software Exemplo de Plano para Desenvolvimento de Software Prof. Msc. Edigar Antônio Diniz Júnior

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco UFPE Centro de Informática CIn Estudo de Viabilidade Sistema de atendimento de Tele-Assistências NUTES (UFPE) Disciplina: Engenharia de Requisitos Professor: Jaelson

Leia mais

Estudo de Viabilidade. GMon Sistema de Gerenciamento de Monitores. Curso: Ciências da Computação Professora: Carla Silva

Estudo de Viabilidade. GMon Sistema de Gerenciamento de Monitores. Curso: Ciências da Computação Professora: Carla Silva Estudo de Viabilidade GMon Sistema de Gerenciamento de Monitores Curso: Ciências da Computação Professora: Carla Silva Recife, 20 de Janeiro de 2012 1 Sumário 1. Motivação... 3 2. Problema identificado...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Professor: Adriel Ziesemer Disciplina: Engenharia de Software TRABALHO ACADÊMICO Cristian Santos - nº 45671 Guilherme

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Mestrado em Ciência da Computação 2011.2 Estudo de Viabilidade Grupo: Fernanda Nóbrega de Medeiros Martins fnmm@cin.ufpe.br Mayara Benicio de Barros

Leia mais

Documento de Visão. Compras. T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Versão 2.

Documento de Visão. Compras. T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Versão 2. Documento de Visão Compras Versão 2.0 09/11/2010 Introdução Este documento abordará as questões pertinentes ao desenvolvimento do módulo Compras para o sistema T2Ti ERP. Breve descrição do produto O produto

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade WorkerTraining Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Silva Cynthia Raphaella, Húgaro Bernardino, Jéssica Barbalho e Wellton Thiago Recife, 20/01/2013

Leia mais

Documento de Requisitos

Documento de Requisitos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Documento de Requisitos Sistema Gerenciador de Atendimento de Chamados Técnicos Grupo: Luiz Augusto Zelaquett

Leia mais

Estudo de Viabilidade Projeto de promoções dirigidas em shoppings

Estudo de Viabilidade Projeto de promoções dirigidas em shoppings UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Estudo de Viabilidade Projeto de promoções dirigidas em shoppings Professora: Carla Taciana (ctlls@cin.ufpe.br)

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE. Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos

ESTUDO DE VIABILIDADE. Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos ESTUDO DE VIABILIDADE Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício

Leia mais

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos Plano de Testes Versão DeltaInfo Soluções para web Soluções para o mundo DeltaInfo 2 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autores

Leia mais

Software para especificação de motores de indução trifásicos

Software para especificação de motores de indução trifásicos Instituto Federal Sul-riograndense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Software para especificação de motores de indução trifásicos Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Neves

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SIG Aula N : 11 Tema: Como desenvolver e

Leia mais

Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC

Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC Objetivo O objetivo do projeto é especificar o desenvolvimento de um software livre com a finalidade de automatizar a criação de WEBSITES através do armazenamento

Leia mais

AmBev Controle de Produção

AmBev Controle de Produção Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Graduação em Ciência da Computação Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas (IF716) AmBev Controle de Produção Estudo de viabilidade

Leia mais

Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares.

Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares. Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares. Introdução A simulação do retorno sobre o investimento (do inglês ROI return on investment) tem sido utilizada como importante ferramenta

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

Gerenciador Financeiro CITi. Gerenciador Financeiro CITi

Gerenciador Financeiro CITi. Gerenciador Financeiro CITi (Sistema de Gerenciamento Financeiro) Especificação dos Requisitos do Software Gerenciador Financeiro CITi Versão 1.0 Autores: Bruno Medeiros de Oliveira Igor Rafael Medeiros Pedro Araújo de Melo Tiago

Leia mais

Cláudia Araújo Coordenadora Diego Macêdo Programador Marcelo Rodrigues Suporte

Cláudia Araújo Coordenadora Diego Macêdo Programador Marcelo Rodrigues Suporte BCON Sistema de Controle de Vendas e Estoque Declaração de escopo Versão 1.0 Histórico de Revisão Elaborado por: Filipe de Almeida do Amaral Versão 1.0 Aprovado por: Marcelo Persegona 22/03/2011 Time da

Leia mais

Política de Software Seguro da empresa Produção S.A

Política de Software Seguro da empresa Produção S.A Política de Software Seguro da empresa Produção S.A 1 Índice 1.0 - Introdução ----------------------------------------------------------------------------------3 2.0 - Objetivo -------------------------------------------------------------------------------------4

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

Projeto: Implantação de Sistema Objetivo

Projeto: Implantação de Sistema Objetivo Projeto: Implantação de Sistema Objetivo Permitir ao aluno o contato com sistemas de informação gerenciais e com algumas fases de implantação de sistemas, como, análise do sistema, definição da matriz

Leia mais

Documento técnico de negócios. Práticas recomendadas para implementar soluções automatizadas de teste funcional

Documento técnico de negócios. Práticas recomendadas para implementar soluções automatizadas de teste funcional Documento técnico de negócios Práticas recomendadas para implementar soluções automatizadas de teste funcional Índice Contents 3 Introdução 3 Testes funcionais e testes de unidades 4 Os prós e os contras

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS TM RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS A visão da computação em nuvem por Aad van Schetsen, vicepresidente da Compuware Uniface, que mostra por que

Leia mais

Plano de Projeto G Stock. G Stock. Plano de Projeto. Versão 1.0

Plano de Projeto G Stock. G Stock. Plano de Projeto. Versão 1.0 Plano de Projeto G Stock Plano de Projeto G Stock Versão 1.0 Histórico das Revisões Data Versão Descrição Autores 10/09/2010 1.0 Descrição inicial do plano de projeto Denyson José Ellís Carvalho Isadora

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARIACICA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO UNIDADE CENTRAL DE CONTROLE INTERNO COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DE CARIACICA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARIACICA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO UNIDADE CENTRAL DE CONTROLE INTERNO COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DE CARIACICA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº SLC-03.1/2014 Data: 20/03/2014 Versão: Original 01 SISTEMA ADMINISTRATIVO SLC - SISTEMA DE LICITAÇÕES E CONTRATOS. 02 ASSUNTO SLC-03.1 - CONTROLE DE ESTOQUES - CDC 03 SETORES ENVOLVIDOS

Leia mais

Distribuidor Geral de Linhas e ramais telefônicos.

Distribuidor Geral de Linhas e ramais telefônicos. Proposto por: Equipe do Departamento de Segurança Eletrônica e de Telecomunicações (DETEL) Analisado por: Diretor do Departamento de Segurança Eletrônica e de Telecomunicações (DETEL) Aprovado por: Diretor

Leia mais

PROJETO DO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

PROJETO DO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Universidade Federal de Pernambuco Departamento de Informática Curso de Especialização em Tecnologia da Informação Turma 3 PROJETO DO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Professor: Alexandre Vasconcelos

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE Pág. 1 0. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...2 2. OBJETIVOS....2 3. ESTIMATIVAS DO PROJETO....4 4. RISCOS DO PROJETO....5 4.1. Identificação e Análise dos Riscos....5 4.1.1. Riscos de Projeto...6 4.1.2. Riscos Técnicos....6

Leia mais

POLÍTICA ORGANIZACIONAL

POLÍTICA ORGANIZACIONAL POLÍTICA ORGANIZACIONAL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE NA DR TECH Data 01/03/2010 Responsável Doc ID Danielle Noronha PoliticaOrg_DR_V003 \\Naja\D\Gerenciamento\Política Localização Organizacional Versão

Leia mais

Diretrizes para criação de um padrão de desenvolvimento de sistemas de informação baseados em cots

Diretrizes para criação de um padrão de desenvolvimento de sistemas de informação baseados em cots Diretrizes para criação de um padrão de desenvolvimento de sistemas de informação baseados em cots Roosewelt Sanie Da Silva¹ 1 Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) Rodovia

Leia mais

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING)

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) Thiago Batista de Oliveira¹, Júlio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil thiagoolyveira@gmail.com,juliocesarp@unipar.br

Leia mais

Plano de Segurança da Informação

Plano de Segurança da Informação Faculdade de Tecnologia Plano de Segurança da Informação Alunos: Anderson Mota, André Luiz Misael Bezerra Rodrigo Damasceno. GTI 5 Noturno Governança de tecnologia da informação Prof. Marcelo Faustino

Leia mais

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO Curso: Gestão da Tecnologia da Informação Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS ORGANOGRAMA FUNCIANOGRAMA DESENHO DE CARGO E TAREFAS DO DESENVOLVEDOR

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE VI: Como desenvolver Sistemas de Informação e Gerenciar Projetos. Novos sistemas de informação são construídos como soluções para os problemas

Leia mais

Plano de Parcerias BuenitStore

Plano de Parcerias BuenitStore Plano de Parcerias Agências, Desenvolvedores e Designers 18.03.2015 v.2 Objetivo Apresentar ao mercado de criação digital a nossa proposta de parceria e colaboração técnica para criação de projetos de

Leia mais

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC 1. Diretor da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenar

Leia mais

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos Eficiência operacional no setor público Dez recomendações para cortar custos 2 de 8 Introdução Com grandes cortes no orçamento e uma pressão reguladora cada vez maior, o setor público agora precisa aumentar

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC Institui o Plano de Desenvolvimento de Recursos Humanos criando o Quadro

Leia mais

Catálogo de Cursos. Knowledge for excellence management

Catálogo de Cursos. Knowledge for excellence management Knowledge for excellence management Atenção: as informações deste catálogo estão sujeitas à alteração sem prévio aviso. Assegure-se de consultar sempre a revisão vigente deste documento. www.softexpert.com.br

Leia mais

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti. TI Aplicada Aula 02 Áreas e Profissionais de TI Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos

Leia mais

Documento de Requisitos Projeto SisVendas Sistema de Controle de Vendas para Loja de Informática.

Documento de Requisitos Projeto SisVendas Sistema de Controle de Vendas para Loja de Informática. Documento de Requisitos Projeto SisVendas Sistema de Controle de Vendas para Loja de Informática. 1 Introdução 1.1 Propósito O propósito deste documento de especificação de requisitos é definir os requisitos

Leia mais

Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado

Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado Neste capítulo iremos estudar como montar um curso à distância que, embora acessível via a Internet, tenha acesso controlado. Para isto, teremos

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Como Desenvolver Sistemas de Informação Capítulo 11 Pág. 337 2

Leia mais

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br SCRUM Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br Introdução 2 2001 Encontro onde profissionais e acadêmicos da área de desenvolvimento de software de mostraram seu descontentamento com a maneira com que os

Leia mais

Professor: Jaelson Castro. Equipe:

Professor: Jaelson Castro. Equipe: Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Graduação em Ciência da Computação (2008.1) Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas (IF716) Estudo de Viabilidade BichanoNet Professor:

Leia mais

ARQUITETURA TRADICIONAL

ARQUITETURA TRADICIONAL INTRODUÇÃO Atualmente no universo corporativo, a necessidade constante de gestores de tomar decisões cruciais para os bons negócios das empresas, faz da informação seu bem mais precioso. Nos dias de hoje,

Leia mais

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini SI- Sistemas de Informação Professora: Mariana A. Fuini INTRODUÇÃO A informação é tudo na administração de uma organização. Mas para uma boa informação é necessário existir um conjunto de características

Leia mais

Aplicativo Cliente/Servidor multicamadas para controle de uma rede de lojas via web utilizando Java

Aplicativo Cliente/Servidor multicamadas para controle de uma rede de lojas via web utilizando Java Aplicativo Cliente/Servidor multicamadas para controle de uma rede de lojas via web utilizando Java Aluno: Henrique Eduardo M. Oliveira Orientador: Prof. Dr. Leandro J. Komosinski Banca: Prof. M. Maria

Leia mais

NOVIDADES COMPLY VERSÃO 4.00

NOVIDADES COMPLY VERSÃO 4.00 NOVIDADES COMPLY VERSÃO 4.00 Página 1 de 15 Maiores informações a respeito dos assuntos destacados abaixo devem ser obtidas no Manual do Comply v4.00 disponível no Portal de Produtos. Página 2 de 15 CADASTROS

Leia mais

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual de Usuário Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual do Usuário GLPI 1. Introdução 3 2. Acessando o GLPI 4 3. Entendendo o processo de atendimento

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação

Fundamentos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação Objetivo da Aula Tecnologia e as Organizações, importância dos sistemas de informação e níveis de atuação dos sistemas de informação Organizações & Tecnologia TECNOLOGIA A razão e a capacidade do homem

Leia mais

Principais Responsabilidades:

Principais Responsabilidades: DESENHO DE CARGO E TAREFAS DO DESENVOLVEDOR WEB Conhecimento dos sistemas gerenciadores de banco (MySQL), modelagem de dados, inglês técnico. Conhecimento em plataformas e metodologias de desenvolvimento

Leia mais

Manual da G. L. T. Garantias Legais e Tecnológicas

Manual da G. L. T. Garantias Legais e Tecnológicas Manual da G. L. T. Garantias Legais e Tecnológicas Guia prático dos direitos e deveres dos usuários de produtos CISS. Dois Vizinhos Fevereiro 2011 ÍNDICE ÍNDICE... 2 G.L.T.??? O que é isso???... 3 Direitos

Leia mais

Organização de arquivos e pastas

Organização de arquivos e pastas Organização de arquivos e pastas Pasta compara-se a uma gaveta de arquivo. É um contêiner no qual é possível armazenar arquivos. As pastas podem conter diversas subpastas. Definir a melhor forma de armazenamento

Leia mais

agillize INFORMÁTICA APRESENTAÇÃO

agillize INFORMÁTICA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO Alguns de Nossos Clientes e Parceiros Tecnologias Algumas tecnologias e certificações que consolidam a qualidade de nossos projetos Apresentação - Agillize Informática A Agillize Informática

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

ANEXO II - Especificações Técnicas

ANEXO II - Especificações Técnicas ANEXO II - Especificações Técnicas Índice 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESCOPO... 24 1.1 OBJETIVO DESTE DOCUMENTO... 24 1.2 CARACTERÍSTICAS DAS SOLUÇÕES SAGER E SAAT... 24 1.3 COMPONENTES DO PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC

A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC O AMBIENTE OPERACIONAL QUE AGREGA A CONFIABILIDADE E O SUPORTE DA ITAUTEC À SEGURANÇA E À PERFORMANCE DO LINUX O LIBRIX É UMA DISTRIBUIÇÃO PROFISSIONAL LINUX

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. ANTECEDENTES:

TERMO DE REFERÊNCIA 1. ANTECEDENTES: TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA OU PROFISSIONAL CONSULTOR PARA O DESENHO, HABILITAÇÃO E MANUTENÇÃO DO PORTAL NA WEB DO INSTITUTO SOCIAL DO MERCOSUL. 1. ANTECEDENTES: Atualmente o site do Instituto

Leia mais

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO Virtualização A virtualização está presente tanto no desktop de um entusiasta pelo assunto quanto no ambiente de TI de uma infinidade de empresas das mais variadas áreas. Não se trata de "moda" ou mero

Leia mais

CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAPIVARI

CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAPIVARI CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAPIVARI TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO SICOCC Grupo: Flávio T. M. de Toledo Márcio P. Quagliato Mateus P. Quagliato RA: 2003D025 RA: 2003D021 RA: 2003D022 Profº: Vitor Brandi

Leia mais

LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO

LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO 2015 A LINHA CRIATIVA é uma solução de TI focada em produtos inteligentes e simples, actuando no sector de empresas de médio e pequeno porte, nas áreas

Leia mais

Fabricante Reduz os Custos, Melhora o Serviço e Dinamiza o Gerenciamento com a Virtualização

Fabricante Reduz os Custos, Melhora o Serviço e Dinamiza o Gerenciamento com a Virtualização Virtualização Microsoft: Da Estação de Trabalho ao Data Center Estudo de Caso de Solução de Cliente Fabricante Reduz os Custos, Melhora o Serviço e Dinamiza o Gerenciamento com a Virtualização Visão Geral

Leia mais

Ferramenta Colaborativa para Groupware

Ferramenta Colaborativa para Groupware Ferramenta Colaborativa para Groupware Rodolpho Brock UFSC Universidade Federal de Santa Catarina INE Deparrtamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Sistema de Informação rbrock@inf.ufsc.br

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

Análise dos procedimentos adotados na integração do desenvolvimento de software com a Interação Humano-Computador em empresas

Análise dos procedimentos adotados na integração do desenvolvimento de software com a Interação Humano-Computador em empresas Análise dos procedimentos adotados na integração do desenvolvimento de software com a Interação Humano-Computador em empresas Cristiano Cortez da Rocha, Eduardo Spolaor Mazzanti, Matheus Anversa Viera

Leia mais

Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX

Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX 1. Resumo Executivo Disponibilizar acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) da CELEPAR, baseado nas

Leia mais

Análise Estruturada de Sistemas

Análise Estruturada de Sistemas Análise Estruturada de Sistemas Capítulo 3 Estudo de Viabilidade Definição das Necessidades Funcionais O propósito desta etapa é produzir um documento formal que contenha uma descrição detalhada da proposta,

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARÁ MPCM CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2015

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARÁ MPCM CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2015 DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO 1 / 5 ANEXO 03 INFORMAÇÕES DOS CARGOS 1. CARGOS DE NÍVEL MÉDIO Cargo 01 Técnico em Administração Realizar atividades que envolvam a aplicação das

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações

Tecnologia e Sistemas de Informações Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 3 Componentes de SIs Pessoas SI Organiz. Unidades que exercem diferentes funções, tais

Leia mais

Departamento de Tecnologia da Informação

Departamento de Tecnologia da Informação Departamento de Tecnologia da Informação Objetivos O DTI é o departamento responsável por toda a arquitetura tecnológica do CRF- SP, ou seja, compreende todo o conjunto de hardware/software necessário

Leia mais

Você consegue dirigir seu carro sem um painel de controle? Você consegue gerenciar um Service Desk sem Indicadores?

Você consegue dirigir seu carro sem um painel de controle? Você consegue gerenciar um Service Desk sem Indicadores? Você consegue dirigir seu carro sem um painel de controle? Você consegue gerenciar um Service Desk sem Indicadores? Será que está acabando a gasolina? Qual o consumo médio do carro na Estrada ou na Cidade?

Leia mais

E t n erpr p ise R sou o r u ce Pl P ann n i n ng Implant nt ç a ã ç o ã de de S ist s e t m e a a E RP

E t n erpr p ise R sou o r u ce Pl P ann n i n ng Implant nt ç a ã ç o ã de de S ist s e t m e a a E RP Enterprise Resource Planning Implantação de Sistema ERP Jorge Moreira jmoreirajr@hotmail.com Conceito Os ERP s (Enterprise Resource Planning) são softwares que permitem a existência de um sistema de informação

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

Simplificando a TECNOLOGIA

Simplificando a TECNOLOGIA 3 Simplificando a TECNOLOGIA SEGURANÇA DESENVOLVIMENTO BANCO DE DADOS S O L U Ç Õ ES E M T E C N O L O G I A MISSÃO VISÃO Contribuir com o sucesso dos Clientes através da Ser a melhor provedora de Soluções

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 03 Profissões de TI Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos respectivos

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4. Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5 Por: Fabio Pozzebon Soares Página 1 de 11 Sistema ProJuris é um conjunto de componentes 100% Web, nativamente integrados, e que possuem interface com vários idiomas,

Leia mais

Ingram Micro Brasil garante excelência de backup e contingência com CA ARCserve Backup

Ingram Micro Brasil garante excelência de backup e contingência com CA ARCserve Backup CUSTOMER SUCCESS STORY Ingram Micro Brasil garante excelência de backup e contingência com CA ARCserve Backup PERFIL DO CLIENTE Indústria: Distribuição de produtos de tecnologia Empresa: Ingram Micro Brasil

Leia mais

Pós-Graduação Senac. Gerenciamento de Custos. Lista de Exercícios

Pós-Graduação Senac. Gerenciamento de Custos. Lista de Exercícios Pós-Graduação Senac Gerenciamento de Custos Lista de Exercícios Prof. Geovani Maciel 1 EXERCÍCIO 01 A empresa Tecnologia por Projetos Ltda atua no desenvolvimento de sistemas de gestão para seus clientes.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.1 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011 1.0 Versão

Leia mais