Estudo de Viabilidade. GMon Sistema de Gerenciamento de Monitores. Curso: Ciências da Computação Professora: Carla Silva

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo de Viabilidade. GMon Sistema de Gerenciamento de Monitores. Curso: Ciências da Computação Professora: Carla Silva"

Transcrição

1 Estudo de Viabilidade GMon Sistema de Gerenciamento de Monitores Curso: Ciências da Computação Professora: Carla Silva Recife, 20 de Janeiro de

2 Sumário 1. Motivação Problema identificado Alternativas ao Sistema... 5 Alternativa Alternativa Alternativa Estudo de Viabilidade Operacional Estudo de Viabilidade Técnica... 7 Alternativa Alternativa Alternativa Estudo de Viabilidade de Cronograma... 8 Alternativa Alternativa Alternativa Estudo de Viabilidade Econômica... 9 Alternativa Alternativa Alternativa Considerações Finais Apêndice A Informações adicionais Apêndice B Detalhamento do Estudo de Viabilidade Operacional Alternativa Alternativa Alternativa Apêndice D: Detalhamento do estudo de Viabilidade Econômica Alternativa Alternativa Alternativa Resultado Final

3 1. Motivação Através de um estudo das experiências de pessoas comuns executando tarefas, é possível identificar falhas e pontos deficientes nos sistemas adotados. Para isso, a informatização de tarefas vêm se tornando um ponto muito forte para garantir agilidade e facilidade na execução de determinadas atividades. Porém, mesmo em sistemas informatizados, existem certas áreas que não foram totalmente cobertas e que oferecem uma determinada deficiência na execução dessas tarefas, e é nisso que se baseia o sistema proposto aqui. O GMon é um sistema de gerenciamento de monitores do Cin/UFPE que tem como função agilizar e facilitar as atividades burocráticas das monitorias, como cadastro, assinatura de termos entre outros. Nossa proposta é informatizar alguns setores que ainda necessitam bastante de checagens manuais dos monitores e professores orientadores, e que causam muita confusão, criando assim o Novo GMon. 3

4 2. Problema identificado Através de coleta de dados, entrevistas e observações foram identificados problemas em algumas áreas de cobertura do sistema antigo. Ver Apêndice B. Após uma análise de alguns procedimentos foi notado que alguns deles são muito carentes de uma execução de tarefas, por fora do sistema, do Coordenador de Monitoria. Também foi notado que muitos monitores e professores esqueciam de datas de entrega de documentos impressos, e tarefas no próprio sistema. Além disso, foi notado que no procedimento de assinatura de termos de monitoria existe uma deficiência muito grande com relação ao sistema, ou seja, é uma tarefa que exige muito mais dos monitores e professores do que do sistema. As tarefas estão melhor explicados no Apêndice A. Para evitar problemas futuros e facilitar o trabalho dos monitores, professores e do Coordenador de Monitoria serão propostas 3 alternativas ao sistema atual. 4

5 3. Alternativas ao Sistema Como já foi visto anteriormente, o sistema atual possui certas áreas deficientes, e serão propostas, nessa seção, alternativas ao sistema atual. Nessas alternativas, serão propostas uma atualização do sistema, ou seja, um reaproveitamento do sistema atual; outra solução seria criar um aplicativo móvel para facilitar o uso e tonar mais ágil para os usuários; e a última solução proposta seria contratar um novo funcionário para suprir as necessidades do sistema. Alternativa 1 Nesta solução a proposta é utilizar o sistema atual e modificar os setores identificados que poderiam ser melhor cobertos pelo sistema. A utilização se daria da mesma forma, um servidor central recebendo requisições de um portal web, porém alterado para receber novas funcionalidades. Porém receberia modificações como envio de e- mails de alerta e lembretes, e outras atividades via e- mail. Tarefas como assinatura de documentos teriam que ser realizadas por fora do sistema. Alternativa 2 Uma das maneiras de tornar mais ágil e integrar mais ao cotidiano dos usuários do sistema antigo, seria a criação de um aplicativo móvel do GMon, o MobMon. Nesse aplicativo seria possível realizar a maioria das tarefas do portal web além de adição de serviços de lembretes. Seria necessário, integrar a interface do aplicativo ao servidor e modificá- lo para atender novas solicitações do aplicativo móvel. Assinatura e impressão de documentos ainda teriam que ser feitas pelo portal web. Alternativa 3 A terceira forma de ajustar as deficiências do sistema atual seria a criação de um cargo chamado Gerente de Monitorias. Seria um funcionário contratado que estaria sempre verificando o GMon, e avisaria via e- mail, manualmente, aos usuários datas e sempre ficaria relembrando e verificando o status das obrigações dos usuários com o sistema além de coletar assinaturas ou agendar reuniões para coletar informações necessárias. Todo o serviço deficiente seria coberto por esse funcionário. 5

6 4. Estudo de Viabilidade Operacional Nesta seção será trabalhada a viabilidade operacional das três soluções propostas anteriormente. Na viabilidade operacional será levada em conta a eficiência, e custos de se instalar determinada solução e determinar se elas realmente serão úteis e verificar se estão de acordo com a urgência de resolução do problema. Neste estudo será utilizado o framework PIECES com inclusão da visão de Usuário e de Gerência, pois é um dos mais completos e simples modos de fazer uma análise operacional. Abaixo estará indicado apenas os resultados obtidos, para mais informações sobre o framework PIECES e sobre o detalhamento de obtenção dos resultados, verificar o Apêndice C. A primeira alternativa mostra- se bastante atrativa em relação aos serviços prestados e em relação ao custo já que se faria uso de um sistema pré- existente. A segunda alternativa é bastante interessante quanto à comodidade de se utilizar o sistema, e facilidade de gerenciamento, porém é mediana em relação à quantidade de informação disponibilizada e economia. A terceira alternativa tem problemas como ociosidade do funcionário em determinados períodos, além de não adicionar um serviço muito cômodo para o usuário final. Solução 1 Solução 2 Solução 3 Performance Informação Economia Controle Eficiência Serviços Usuário Gerência Bom Razoável Fraco Verifica- se que a primeira solução mostra- se a mais apta do ponto de vista operacional, logo em seguida a segunda, e por fim a terceira. 6

7 5. Estudo de Viabilidade Técnica Visto as alternativas ao sistema atual, aqui serão classificadas visto à sua tecnologia a ser empregada no desenvolvimento e operação das mesmas. Alternativa 1 Para esta alternativa as tecnologias empregadas em desenvolvimento web serão em php para as requisições do servidor, além de webdesign em html e css. Será necessário também inspecionar o código e a arquitetura do sistema atual. Alternativa 2 Serão necessários conhecimento em desenvolvimento mobile, e para abranger a maior parte dos Sistemas Operacionais móveis atualmente seria necessário o desenvolvimento da aplicação em Android e ios. Além do mais seria necessário inspecionar a arquitetura do sistema atual e integrar com o aplicativo móvel. Alternativa 3 Será preciso contratar um funcionário e treiná- lo sobre como usar o sistema e como realizar suas tarefas. 7

8 6. Estudo de Viabilidade de Cronograma Será tratado aqui o tempo que as alternativas levarão para serem implantadas. Alternativa 1 Para uma modificação no sistema será necessário um mês, já que o trabalho será analisar o sistema atual e inserir pequenas modificações em seu código. Alternativa 2 Estima- se que para analisar o sistema, e desenvolver o aplicativo em duas versões com tecnologias diferentes seja necessário 4 meses de trabalho, pois, a análise de sistema será um processo rápido, e a parte mais demorada será a de desenvolvimento dos aplicativos em si que estima- se que demore 2 meses cada garantindo a qualidade do software criado. Alternativa 3 A instalação dessa solução é quase imediata, estima- se que em uma semana ela possa surtir efeito. 8

9 7 - Estudo de Viabilidade Econômica De forma que o GMon é um software sem intenção lucrativa, não há qualquer retorno financeiro nas alternativas apresentadas. O software foi criado visando a praticidade na organização de monitorias por parte dos monitores, professores e coordenadores de monitoria. Desta forma, achamos desnecessário calcular o tempo de payback e Return Of Investment (ROI) neste estudo. Como já foi dito, o Gmon é de extrema importância para uma parte fundamental dentro do Centro de Informática e mesmo não tendo retorno financeiro sua melhoria afetaria beneficamente a vida de muitos de seus usuários, seja com o melhor uso do tempo, muito escasso para todos, ou na melhor comunicação, especialmente necessária quando há muitos desencontros de agendas. Alternativa 1 Custos : Salário do Profissional Web Computador Licenças necessárias ao desenvolvimento Benefícios: Solução mais rápida Usuários mais informados Menor quantidade de deadlines descumpridas Alternativa 2 Custos: Salário do Profissional Web Salário do Profissional Mobile Compra de 2 computadores Hospedagem Web melhor Licenças necessárias ao desenvolvimento Manutenção de Software Benefícios: Melhoria na facilidade de acesso Maior agilidade nos processos de comunicação entre usuários Melhor visualização 9

10 Alternativa 3 Custos: Salário do Gerente de Monitorias Computador Mesa Cadeira Material de Escritório Licença de Softwares necessários Benefícios: Não é preciso desenvolver software Usuários continuariam com software a que estão acostumados Trato mais humano 10

11 8. Considerações Finais Levando em conta os estudos realizados, será feita uma análise das alternativas empregadas, levando em conta com mais consideração, os estudos de viabilidade econômica e operacional, já que são os mais cruciais para a viabilização do projeto. Alternativa 1 Alternativa 2 Alternativa 3 Peso Operacional Técnica Cronograma Econômica Total 9,0 7,4 6,8 9 Vê- se então que a alternativa 1 é a mais viável de ser realizada pelo baixo custo econômico com grande retorno de benefícios além de não ser tão complicada de ser executada. Ela não é a melhor em todos os quesitos, mas tem uma boa sustentabilidade em todos eles, o que a torna a melhor opção. 11

12 9. Apêndice A Informações adicionais Foi executado um trabalho de pesquisa de dados através de observações, análise de tarefas e entrevistas informais à monitores. Foram analisadas tarefas e informações fornecidas através de uma visita ao sistema atual, o portal web, e foi bastante útil para entender funcionalidades da ferramenta além de métodos de utilização da mesma. Esse trabalho de pesquisa também foi útil para entender melhor o sistema, que é um sistema de gerenciamento de monitores do Cin/UFPE, que foi criado com o intuito de facilitar as tarefas administrativas e de gerenciamento dos monitores do centro. Esta ferramenta têm sido bastante útil pois informatiza muitas tarefas manuais, como pesquisa por informações e cadastros. Porém através de observações e entrevistas a monitores pode- se observar certos defeitos na execução de algumas tarefas feitas pelo sistema e das que não são cobertos pelo mesmo. Observou- se que dentre os procedimentos realizados o de preenchimento e assinatura de termos de monitoria foi o mais deficiente. Foi notado que é necessário preenchimento via o GMon dos alunos e professores, e essa tarefa é repassada entre essas duas partes algumas vezes por um período limitado, porém o sistema não avisa externamente a quem a tarefa está designada, e isso faz com que seja necessária uma visita constante do sistema para verificar de quem é a responsabilidade. Notou- se também que após essa execução ainda existe o processo da assinatura dos termos, que precisam ser assinadas por cada monitor e pelo professor orientador e então entregue ao coordenador de monitoria, e como todos precisam assinar sempre é necessário verificar se foi o último monitor a assinar e entregar para o coordenador. Essas duas tarefas descritas anteriormente causam uma demora muito grande entre a troca de papéis que pode fazer com que o prazo de entrega seja descumprido e os monitores recebam a nota mínima por isso. Mesmo que alguns já tenham cumprido seus deveres, se um dos monitores não tiver a responsabilidade de cumprir com seus deveres todos são prejudicados. E a partir desse problema que propomos soluções para tal problema. 12

13 10. Apêndice B Detalhamento do Estudo de Viabilidade Operacional O estudo de viabilidade operacional é um dos mais importantes, pois ele verifica a executabilidade e poder da solução a ser empregada, e é crucial na escolha de alguma alternativa a um problema. Apesar disso ele não é o único que deve ser levado em conta, porém, é um dos mais importantes. Para analisar a viabilidade operacional, usamos o framework PIECES, adicionado do ponto de vista de usuário e gerência. PIECES é uma sigla para Performance, Informação, Economia, Controle, Eficiência, e Serviços. O detalhamento desses quesitos, mais o de ponto de vista de usuário e de gerência serão expostos a seguir: Performance: Também conhecido como Throughput, é a vazão do sistema, ou seja, o tempo de resposta do sistema ao usuário relativo à necessidade do mesmo. Informação: Nada mais é do que a medida da quantidade de informação útil que está sendo disponibilizada para o usuário. Economia: Mede a proporção Custo x Benefício da solução. Controle: É a medição da robustez e capacidade de manipulação de dados com segurança. Eficiência: É o uso dos recursos da solução, ou seja, é a razão que mede se todos os recursos serão utilizados com frequência e se não ficarão ociosos por determinados períodos com prejuízos. Serviço: É a quantidade de serviços fornecidos e completude dos mesmos, levando em conta o tempo de vida útil da solução. Usuário: É a comodidade e usabilidade que o sistema fornece para o usuário. Gerência: É a capacidade de gerenciamento da solução para o cliente. Tendo em vista esses oito quesitos as 3 soluções serão melhor detalhadas em relação a eles em seguida. Alternativa 1 13

14 Performance: Boa, a performance do sistema web é a suficiente para que os usuários acessem com rapidez os dados e requisições necessárias. Informação: Boa, no portal web os usuários obteriam todas as informações necessárias para executar as tarefas. Economia: Boa, como seria feita uma reutilização do sistema antigo com apenas algumas modificações, a economia seria muito alta e os benefícios seriam trazidos completamente. Controle: Razoável, não teria uma segurança muito forte pois é desnecessário, e a alteração dos dados de monitores só pode ser feita pelo coordenador de monitoria. Eficiência: Razoável, pois os recursos ficariam pouco utilizados durante os períodos em que não há liberação e entrega de documentos. Serviço: Razoável, pois seria dada uma cobertura muito maior a áreas com problemas no sistema atual, porém se novas modificações fossem requisitadas o sistema teria que ser atualizado da mesma maneira que as novas funcionalidades foram adicionadas. Usuário: Razoável, pois é bastante cômoda a utilização pelo computador via web. Gerência: Razoável, pois os dados podem ser facilmente coletados ou modificados pelo coordenador de monitoria. Alternativa 2 Performance: Boa, a performance do MobMon apesar de ser um sistema ubíquo, é a necessária para o usuário, pois são executadas apenas tarefas simples como preenchimento de formulários. Informação: Razoável, pois nem todas as informações seriam dispostas para a versão móvel, apenas os serviços necessários seriam fornecidos. Economia: Fraca, apesar de gerar um sistema bastante cômodo e completo, seria necessário um capital muito grande para desenvolver um aplicativo do zero, e integrar suas requisições com o servidor. 14

15 Controle: Razoável, não teria uma segurança muito forte pois é desnecessário, e a alteração dos dados de monitores só pode ser feita pelo coordenador de monitoria. Eficiência: Razoável, pois os recursos ficariam pouco utilizados durante os períodos em que não há liberação e entrega de documentos. Serviço: Razoável, pois seria dada uma cobertura muito maior a áreas com problemas no sistema atual, porém se novas modificações fossem requisitadas o sistema teria que ser atualizado da mesma maneira que as novas funcionalidades foram adicionadas. Usuário: Bom, a comodidade da utilização pelo celular é incrível já que é um item que tem seu uso corrente por todo o dia, e as ações a serem executadas seriam executadas rapidamente. Gerência: Razoável, pois os dados podem ser facilmente coletados ou modificados pelo coordenador de monitoria. Alternativa 3 Performance: Fraca, pois o gerente de monitoria teria que ser contactado para que alguma solicitação fosse realizada e isso gastaria muito tempo entre a requisição e a resposta que seriam via e- mail. Informação: Boa, pois o gerente de monitoria teria o auxílio do portal para obter informações. Economia: Fraca, um funcionário teria que ser contratado e teria um gasto corrente por todo o semestre sendo que ele só trabalharia mesmo por praticamente dois meses. Controle: Fraco, não teria muita segurança nem controle dos dados requisitados pois se estiver sobrecarregado pode esquecer de coisas ou executar com erros. Eficiência: Fraco, pois os recursos ficariam pouco utilizados durante os períodos em que não há liberação e entrega de documentos e ainda tendo prejuízos como o salário. Serviço: Bom, pois seria dada uma cobertura muito maior a áreas com problemas no sistema atual, e as tarefas do coordenador de monitoria poderiam ser facilmente 15

16 modeladas diante de novas necessidades. Usuário: Razoável, a comodidade seria maior já que o gerenciamento seria executado pelo gerente de monitorias, porém reuniões e outras tarefas administrativas teriam que coincidir com a disponibilidade do gerente. Gerência: Bom, o gerente de monitoria teria controle quase total das informações e procedimentos e poderia facilmente verificar falhas na execução das suas tarefas. 16

17 11 - Apêndice D: Detalhamento do estudo de Viabilidade Econômica Alternativa 1 Os investimentos necessários à essa alternativa baseiam- se no acréscimo de novas funcionalidades ao sistema atual mediante o trabalho de um desenvolvedor web e a utilização de um computador pelo mesmo no período de no máximo um mês. O mesmo ficará encarregado do treinamento acerca das novas funcionalidades aos funcionários responsáveis pelo GMon. O serviço de manutenção será o mesmo já adotado pelo sistema atual, logo, não haverá custos adicionais. Item Profissional Web Computador Sistema Operacional Licença de Software de desenvolvimento Manutenção (por mês) Total Custo R$ 1.825,03 R$ 1600,00 R$ 200,00 R$ 130,00 R$ 0,00 R$ 3755,03 Em seguida a tabela de custos totais: Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Custos R$ 3755, Depreciação (10%a.a.) Custo Reajustado 1 0,9 0,81 0,73 0,66 R$ 3755, Conclusão: 17 Na solução há apenas a adição de novas funcionalidades ao sistema. Tais

18 funcionalidades serão cruciais para que seus usuários sejam mais bem informados sobre as atividades e obrigações que lhes são atribuídas, e com usuários mais informados continuamente o período de retorno por parte deles tende a ficar menor e assim deadlines burocráticas e acadêmicas podem ser concluídas com mais rapidez. Alternativa 2 Esta solução é mais completa e permite uma maior gama de possibilidades de uso pelos seus usuários. Os custos baseiam- se nos salários de Desenvolvedores Web e Mobile, além de computadores e softwares necessários. Uma hospedagem web melhor torna- se necessária devido à nova quantidade de acessos (Mobile + Web ). Na manutenção do software calculamos com uma taxa de depreciação de 10% ao ano. Eis a tabela de custos dos primeiros meses: Item Qtde Custo Profissional Web 1 R$ 1.825,03 Profissional Mobile 1 R$ 1.600,00 Computadores 2 R$ 3.200,00 Sistema Operacional 2 R$ 400,00 Hospedagem 0 R$ 0,00 Licenças necessárias 0 R$ 260,00 Total 0 R$ 7.385,03 Manutenção(por Mês) 0 R$ 0,00 Ao final do quarto mês os custos que permaneceriam seriam o de hospedagem e o de manutenção. Item Hospedagem Manutenção Total Custo R$ 100,00 R$ 61,54 R$ 161,54 Em seguida a tabela de custos totais: 18

19 Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Custos R$ ,12 R$ 1.938,48 R$ 1.938,48 R$ 1.938,48 R$ 1.938,48 Depreciação (10%a.a.) Custo Reajustado 1,00 0,90 0,81 0,73 0,66 R$ ,12 R$ 1.744,63 R$ 1.570,17 R$ 1.415,09 R$ 1.279,40 Conclusão: A possibilidade de estar mais perto dos seus usuários por meio de aparelhos móveis torna a solução mais eficaz porém mais complexa para ser implementada. Haveria um ganho considerável na facilidade de acesso, visto que seria muito mais prático acessar o sistema de qualquer lugar e a qualquer hora. Por tal motivo, os processos de comunicação entre seus usuários sentiria boa melhora na agilidade e visualização, tornando o serviço do coordenador de monitoria muito mais prático e ágil. Alternativa 3 Nesta solução, não precisaríamos implementar um novo software ou adicionar funcionalidades ao sistema atual. A mudança consiste na contratação de um novo funcionário com o cargo de Gerente de Monitorias o qual ficaria responsável por lidar com as dificuldades atuais no software. Eis a tabela de custos para o primeiro mês: Item Gerente de Monitorias Computador Cadeira Sistema Operacional Mesa Licenças necessárias Material de Escritório Total Custo R$ 1.200,00 R$ 1.600,00 R$ 120,00 R$ 200,00 R$ 400,00 R$ 120,00 R$ 50,00 R$ 3590,00 Após o primeiro mês, os custos contínuos seriam o salário do profissional e o seu material de escritório. 19

20 Item Gerente de Monitorias Material de Escritório Total Custo R$ 1.200,00 R$ 50,00 R$ 1250,00 Também devemos considerar aumento no salário do Gerente de Monitorias (será reajustado em 5% ao ano) e também o pagamento do 13º salário. Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Custos R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 Reajuste (5%a.a.) Custo Reajustado 1 1,05 1,1 1,16 1,22 R$ ,00 R$ ,50 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 Resultado Final Na tabela abaixo classificamos com nota de 5 a 10 os custos das soluções propostas: Solução 1 Solução 2 Solução 3 Total R$ 3755,03 R$ ,41 R$ ,50 Class Na tabela abaixo classificamos, de 5 a 10, os benefícios provocados por cada solução: Solução 1 Solução 2 Solução 3 Class A média entre as duas notas é considerada a classificação final: 20

21 Solução 1 Solução 2 Solução 3 Class

ESTUDO DE VIABILIDADE. Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos

ESTUDO DE VIABILIDADE. Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos ESTUDO DE VIABILIDADE Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício

Leia mais

Especificação Técnica Sistema ABS TEM+

Especificação Técnica Sistema ABS TEM+ Especificação Técnica Sistema ABS TEM+ A solução ABS TEM+ desenvolvida pela Vergence é baseada no conceito de TEM (Telecom Expenses Management), o qual visa a aplicação de melhoras em relação à tecnologia,

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade WorkerTraining Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Silva Cynthia Raphaella, Húgaro Bernardino, Jéssica Barbalho e Wellton Thiago Recife, 20/01/2013

Leia mais

FUNCIONALIDADES DO SISTEMA HOTEL CONTROLL. Login no Sistema:

FUNCIONALIDADES DO SISTEMA HOTEL CONTROLL. Login no Sistema: FUNCIONALIDADES DO SISTEMA HOTEL CONTROLL Login no Sistema: O login do sistema permite com que cada funcionário possua uma senha e tenha suas atividades no sistema registradas. Na reserva ou hospedagem,

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 28 Revisão para a Prova 2 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 28-28/07/2006 1 Matéria para a Prova 2 Gestão de projetos de software Conceitos (Cap. 21) Métricas (Cap.

Leia mais

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes Montagem e Manutenção Luís Guilherme A. Pontes Introdução Qual é a importância da Montagem e Manutenção de Computadores? Sistema Binário Sistema Binário Existem duas maneiras de se trabalhar e armazenar

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA NÚCLEO DE EMPREENDIMENTOS EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ARTES NECTAR.

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA NÚCLEO DE EMPREENDIMENTOS EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ARTES NECTAR. ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA NÚCLEO DE EMPREENDIMENTOS EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ARTES NECTAR. OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA CONSTRUÇÃO DO PORTAL E AQUISIÇÃO DE SOFTWARE DE GESTÃO DE

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 3: Políticas e Declaração de

Leia mais

O Gerenciamento de Documentos Analógico/Digital

O Gerenciamento de Documentos Analógico/Digital Tipos de GED: Document imaging Document management Document Imaging / Document Management O Gerenciamento de Documentos Analógico/Digital Mundo analógico Criação Revisão Processamento Arquivo Mundo digital

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO CAPÍTULO I 4 DA ORGANIZAÇÃO 4 CAPÍTULO II 5 DOS FUNCIONÁRIOS 5

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO CAPÍTULO I 4 DA ORGANIZAÇÃO 4 CAPÍTULO II 5 DOS FUNCIONÁRIOS 5 SUMÁRIO CAPÍTULO I 4 DA ORGANIZAÇÃO 4 CAPÍTULO II 5 DOS FUNCIONÁRIOS 5 CAPÍTULO III 5 DA INFRAESTRUTURA 5 Seção I 6 Das Dependências 6 Seção II 6 Do Hardware e Software 6 Seção III 7 Das Manutenções 7

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS DE REDE

ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS DE REDE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS DE REDE Introdução O administrador de redes geovanegriesang@ifsul.edu.br www.geovanegriesang.com Gerenciamento de redes Gerenciamento de rede é o ato de iniciar, monitorar e modificar

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO Utilitário ConfigXpress no CA IdentityMinder a minha solução de gerenciamento de identidades pode se adaptar rapidamente aos requisitos e processos de negócio em constante mudança? agility

Leia mais

c. Técnica de Estrutura de Controle Teste do Caminho Básico

c. Técnica de Estrutura de Controle Teste do Caminho Básico 1) Defina: a. Fluxo de controle A análise de fluxo de controle é a técnica estática em que o fluxo de controle através de um programa é analisado, quer com um gráfico, quer com uma ferramenta de fluxo

Leia mais

Proposta Comercial. SGVO - Sistema de Gerenciamento de Vendas Online Software de Gestão (CadastrandoCupom.com.br)

Proposta Comercial. SGVO - Sistema de Gerenciamento de Vendas Online Software de Gestão (CadastrandoCupom.com.br) Av Washington Luis,774 Santo Amaro, 04662-001 São Paulo (SP) Fone: (11)2364-4998 http:// egsweb@egsweb.com.br Proposta Comercial SGVO - Sistema de Gerenciamento de Vendas Online Software de Gestão (CadastrandoCupom.com.br)

Leia mais

3 Qualidade de Software

3 Qualidade de Software 3 Qualidade de Software Este capítulo tem como objetivo esclarecer conceitos relacionados à qualidade de software; conceitos estes muito importantes para o entendimento do presente trabalho, cujo objetivo

Leia mais

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 Comentário geral: As provas apresentaram grau de dificuldade médio. Não houve uma preocupação da banca em aprofundar os conceitos ou dificultar a interpretação

Leia mais

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTO CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO

Leia mais

PROCESSOS DE CRIAÇÃO DE APLICATIVOS

PROCESSOS DE CRIAÇÃO DE APLICATIVOS PROCESSOS DE CRIAÇÃO DE APLICATIVOS Joaldo de Carvalho Wesley Oliveira Irlei Rodrigo Ferraciolli da Silva Rodrigo Clemente Thom de Souza INTRODUÇÃO O mundo está dominado pelos dispositivos móveis. A cada

Leia mais

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO 1. LICENCIAMENTO 1.1. Todos os componentes da solução devem estar licenciados em nome da CONTRATANTE pelo período de 36 (trinta e seis) meses; 1.2. A solução deve prover suporte técnico 8 (oito) horas

Leia mais

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1 Capítulo 2 Processos de Software slide 1 Tópicos apresentados Modelos de processo de software. Atividades de processo. Lidando com mudanças. Rational Unified Process (RUP). Um exemplo de um processo de

Leia mais

Escopo do Copilot Optimize - Elaboração de Relatórios

Escopo do Copilot Optimize - Elaboração de Relatórios Descrição do serviço Copilot Optimize - Elaboração de Relatórios CAA-1013 Visão geral do serviço Esta Descrição do serviço ( Descrição do serviço ) é firmada por você, o cliente, ( você ou Cliente ) e

Leia mais

Donare Sistema de Gerenciamento de Ações Humanitárias

Donare Sistema de Gerenciamento de Ações Humanitárias Donare Sistema de Gerenciamento de Ações Humanitárias Introdução: Este documento tem por objetivo descrever uma visão geral para o projeto intitulado Donare Sistema de Gerenciamento de Ações Humanitárias.

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com 1. Introdução Após décadas de incontáveis promessas sobre como aumentar à produtividade e qualidade de software,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Versão 1.0 2013 Todos os direitos reservados. www.jordaoengenharia.com.br

Versão 1.0 2013 Todos os direitos reservados. www.jordaoengenharia.com.br Versão 1.0 2013 Todos os direitos reservados. www.jordaoengenharia.com.br O Programa de P&D da Aneel foi instituído pela Aneel em 1999, e posteriormente foi regulamentado pela Lei 9.991 de 2000, tendo

Leia mais

UNEMAT SISTEMA DE INFORMAÇÃO (SI) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br

UNEMAT SISTEMA DE INFORMAÇÃO (SI) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br UNEMAT SISTEMA DE INFORMAÇÃO (SI) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br SINOP MT 2015-1 COMO SÃO DESENVOLVIDOS OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? São desenvolvimento como uma estrutura

Leia mais

COMO COMEÇAR 2016 se organizando?

COMO COMEÇAR 2016 se organizando? COMO COMEÇAR 2016 se organizando? Como começar 2016 se organizando? Conheça estratégias simples para iniciar o novo ano com o pé direito Você sabia que, de acordo com o Sebrae, os principais motivos que

Leia mais

Bem-vindo ao tópico sobre administração de listas de preços.

Bem-vindo ao tópico sobre administração de listas de preços. Bem-vindo ao tópico sobre administração de listas de preços. Nesse tópico, você aprenderá a administrar listas de preços no SAP Business One. Sua empresa atualiza múltiplas listas de preços para fornecer

Leia mais

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO?

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO? Índice BlueControl... 3 1 - Efetuando o logon no Windows... 4 2 - Efetuando o login no BlueControl... 5 3 - A grade de horários... 9 3.1 - Trabalhando com o calendário... 9 3.2 - Cancelando uma atividade

Leia mais

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW Ciclo de Vida Aula 2 Revisão 1 Processo de Desenvolvimento de Software 1 O Processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades, parcialmente ordenadas, com a finalidade de obter um produto

Leia mais

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) O PMBoK diz que: O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar, definir, combinar, unificar e coordenar

Leia mais

BSI Letramento Digital Prof. André Di Thommazo. Organização pessoal

BSI Letramento Digital Prof. André Di Thommazo. Organização pessoal Organização pessoal Os cursos de graduação exigem que os alunos cursem diversas disciplinas ao mesmo tempo e em alguns semestres a carga horária é grande. Em geral o aluno de ensino a distância tem outras

Leia mais

White-box test: Também conhecido como teste estrutural, tem por objetivo validar os dados derivados das funções do sistema.

White-box test: Também conhecido como teste estrutural, tem por objetivo validar os dados derivados das funções do sistema. 22. Planejamento, Especificação e Execução dos Testes A implantação de um sistema de boa qualidade, dentro de um prazo específico, pode ser seriamente prejudicada caso uma etapa extremamente importante

Leia mais

Informatização das administrações tributária e aduaneira Objetivos dos projetos de informatização da receita fiscal

Informatização das administrações tributária e aduaneira Objetivos dos projetos de informatização da receita fiscal Informatização das administrações tributária e aduaneira A informatização é uma parte importante dos projetos do Banco Mundial relacionados a impostos e alfândega. Baseando-se em projetos concluídos e

Leia mais

Sistema de Reserva de Laboratório Trabalho Semestral 2014.2. Versão 1.0

Sistema de Reserva de Laboratório Trabalho Semestral 2014.2. Versão 1.0 Sistema de Reserva de Laboratório Trabalho Semestral 2014.2 Versão 1.0 Conteúdo 1. Histórico 1 1.1 Solicitantes 1 1.2 Equipe envolvida 1 2. Conhecedor de domínio e descrição de usuário 1 2.1 Sumário dos

Leia mais

Estudo de Viabilidade Projeto de promoções dirigidas em shoppings

Estudo de Viabilidade Projeto de promoções dirigidas em shoppings UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Estudo de Viabilidade Projeto de promoções dirigidas em shoppings Professora: Carla Taciana (ctlls@cin.ufpe.br)

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS Versão : 31 de dezembro de 2008 CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO...3 2. ORGANIZAÇÃO DA GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL...3

Leia mais

Minuta de Termo de Referência

Minuta de Termo de Referência Minuta de Termo de Referência Contratação de serviço para elaboração do mapeamento, análise, propostas e implantação de melhorias nos processos de trabalho da Coordenadoria Geral de Licenciamento Ambiental

Leia mais

Principais Responsabilidades:

Principais Responsabilidades: DESENHO DE CARGO E TAREFAS DO DESENVOLVEDOR WEB Conhecimento dos sistemas gerenciadores de banco (MySQL), modelagem de dados, inglês técnico. Conhecimento em plataformas e metodologias de desenvolvimento

Leia mais

SISTEMA DE SERVIÇOS DE INFRA-ESTRUTURA DA UFRGS

SISTEMA DE SERVIÇOS DE INFRA-ESTRUTURA DA UFRGS SISTEMA DE SERVIÇOS DE INFRA-ESTRUTURA DA UFRGS Instituição: UFRGS Autores: Ricardo Vieira, José Luis Machado e Álvaro Juscelino Lanner Área: Sistema de Informações Introdução. O trabalho aqui proposto

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE. Os custos das instituições

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE. Os custos das instituições GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE Os custos das instituições Dra Janice Donelles de Castro - Professora do Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de

Leia mais

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana

Leia mais

Atendimento de Demandas CTIC

Atendimento de Demandas CTIC Fluxo de Atendimento de Demandas - CTIC Atendimento de Demandas CTIC Coordenação de Sistemas Fluxo de Atendimento de Demandas - CTIC Público Alvo: Áreas Usuárias dos Sistemas da UFOPA e Equipe de Coordenação

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

TREINAMENTO SISTEMA ACADÊMICO (SA) E WEBDIÁRIO

TREINAMENTO SISTEMA ACADÊMICO (SA) E WEBDIÁRIO MEC-SETEC INSTITUTO FEDERAL DE CIÊNCIA, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ Gerência de Tecnologia da Informação TREINAMENTO SISTEMA ACADÊMICO (SA) E WEBDIÁRIO Janeiro de 2009 NOTA DE CONFIDENCIALIDADE

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 1

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 1 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 1 Índice 1. Introdução...3 1.1. O que é um Computador?... 3 1.2. Máquinas Multiníveis... 3 2 1. INTRODUÇÃO 1.1 O QUE É UM COMPUTADOR? Para estudarmos como um computador

Leia mais

Controle de tempo, controle de ponto e faturação Software para gestão de projetos e tarefas

Controle de tempo, controle de ponto e faturação Software para gestão de projetos e tarefas Controle de tempo, controle de ponto e faturação Software para gestão de projetos e tarefas Disponível na nuvem via web, no seu tablet ou smartphone Suporte on-line excelente, em tempo real e na a sua

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 3-1. A CAMADA DE REDE (Parte 1) A camada de Rede está relacionada à transferência de pacotes da origem para o destino. No entanto, chegar ao destino pode envolver vários saltos em roteadores intermediários.

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 SOFTWARE DE CONTROLE DE ARMAMENTO EM QUARTEL MILITAR Kahic Ribeiro de Almeida Rocha 1 ; Montgomery Scofield Ferreira Furletti; Luiz Fernando Ribeiro de Paiva¹ ¹Universidade de Uberaba - UNIUBE, Uberaba

Leia mais

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento.

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento. PROGRAMA DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS FUNDEP REGULAMENTO PARA CADASTRAMENTO DE PROJETOS UFMG A Fundep//Gerência de Articulação de Parcerias convida a comunidade acadêmica da UFMG a cadastrar propostas de acordo

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Ciência da Computação Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Taciana Lima Lourenço Silva Schuenemann Estudo de Viabilidade Clínica médica

Leia mais

ITIL v3 - Operação de Serviço - Parte 1

ITIL v3 - Operação de Serviço - Parte 1 ITIL v3 - Operação de Serviço - Parte 1 É na Operação de Serviço que se coordena e realiza as atividades e processos necessários para fornecer e gerenciar serviços em níveis acordados com o usuário e clientes

Leia mais

Manual Operativo do Sistema de Monitoramento do Plano Plurianual de Ação Governamental - PPAG APRESENTAÇÃO

Manual Operativo do Sistema de Monitoramento do Plano Plurianual de Ação Governamental - PPAG APRESENTAÇÃO 4ª Edição revisada abril/2014 APRESENTAÇÃO O Plano Plurianual de Ação Governamental PPAG é um planejamento de médio prazo da esfera pública, que explicita diretrizes, objetivos, ações, programas e metas

Leia mais

MODELO: TERMO DE ABERTURA DE PROJETO

MODELO: TERMO DE ABERTURA DE PROJETO MODELO: TERMO DE ABERTURA DE PROJETO Instituição Executora: GTI Soluções inteligentes Título do Projeto: Sistema de controle de questões e avaliações Cliente: FACULDADE SENAC-DF Termo de Abertura do Projeto

Leia mais

* Técnicas Avançadas. Desenvolvimento de SOFTWARES. Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo com Joomla e Magento

* Técnicas Avançadas. Desenvolvimento de SOFTWARES. Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo com Joomla e Magento * Técnicas Avançadas Desenvolvimento de SOFTWARES Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo com Joomla e Magento * Tópicos Sistema de Gerenciamento de Conteúdo CMS. Fron-end Back-end Instalando Site e Lojas

Leia mais

Classificação de Sistemas: Sistemas Empresariais

Classificação de Sistemas: Sistemas Empresariais Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Ciências Contábeis Prof.: Maico Petry Classificação de Sistemas: Sistemas Empresariais DISCIPLINA: Sistemas de Informação Gerencial O QI da empresa

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Departamento de Informática Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação Laboratório de Desenvolvimento Distribuído de Software Estágio de Docência Cronograma e Método de Avaliação Datas Atividades

Leia mais

Onde encontrar. Para utilização em rede (Multiusuário) Suporte. Página principal do RDL www.suframa.gov.br www.fpf.br/rdl.

Onde encontrar. Para utilização em rede (Multiusuário) Suporte. Página principal do RDL www.suframa.gov.br www.fpf.br/rdl. Onde encontrar Página principal do RDL www.suframa.gov.br www.fpf.br/rdl Para utilização em um único computador (Monousuário) RDL Completo software de instalação adequado para a utilização em somente um

Leia mais

ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL

ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL Anexo VI -fls.1/7 ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL Serão apresentados a seguir os conceitos, requisitos e especificações básicas do Sistema de Monitoramento e Controle

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

POLÍTICA DE PRIVACIDADE POLÍTICA DE PRIVACIDADE Veja como protegemos suas informações. 1. DA ABRANGÊNCIA DESTA POLÍTICA DE PRIVACIDADE a. Como a Advisenet usa informações pessoais? Este documento explicita a forma pela qual a

Leia mais

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho vi http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Administração de Redes de Computadores Resumo de Serviços em Rede Linux Controlador de Domínio Servidor DNS

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Estudo de Viabilidade SorveTech (Sistema de Gerenciamento) Professora: Carla Silva Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP 2015 ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Dos Objetivos Específicos... 2 3. Dos Envolvidos

Leia mais

7 perguntas para fazer a qualquer fornecedor de automação de força de vendas

7 perguntas para fazer a qualquer fornecedor de automação de força de vendas 7 perguntas para fazer a qualquer fornecedor de automação de força de vendas 1. O fornecedor é totalmente focado no desenvolvimento de soluções móveis? Por que devo perguntar isso? Buscando diversificar

Leia mais

sendo bastante acessível e compreendido pelos usuários que o utilizarem.

sendo bastante acessível e compreendido pelos usuários que o utilizarem. APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA Claudiléia Gaio Bandt 1 ; Tiago Heineck 2 ; Patrick Kochan 3 ; Leila Lisiane Rossi 4 ; Angela Maria Crotti da Rosa 5 INTRODUÇÃO Este artigo descreve

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Tipo de pesquisa

4 Metodologia. 4.1. Tipo de pesquisa 4 Metodologia Este capítulo descreve a metodologia adotada na execução do trabalho de pesquisa: definição da variável alvo, delimitação da população, processo de seleção da amostra, técnicas e procedimentos

Leia mais

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia O Sistema Operacional que você usa é multitasking? Por multitasking, entende-se a capacidade do SO de ter mais de um processos em execução ao mesmo tempo. É claro que, num dado instante, o número de processos

Leia mais

GARANTIA LIMITADA DO FABRICANTE NOKIA PARA NOKIA COM WINDOWS PHONE

GARANTIA LIMITADA DO FABRICANTE NOKIA PARA NOKIA COM WINDOWS PHONE GARANTIA LIMITADA DO FABRICANTE NOKIA PARA NOKIA COM WINDOWS PHONE ATENÇÃO! Esta Garantia Limitada do Fabricante ( Garantia ) aplica-se apenas a produtos Nokia com o Windows Phone autênticos, vendidos

Leia mais

Gestão de Pessoas - Ênfase em Recrutamento, Seleção e Integração de novos funcionários.

Gestão de Pessoas - Ênfase em Recrutamento, Seleção e Integração de novos funcionários. Gestão de Pessoas - Ênfase em Recrutamento, Seleção e Integração de novos funcionários. Módulo 3: Etapa 1 Treinamento e qualificação O Processo de Qualificação / Treinamento e Desenvolvimento Até agora

Leia mais

Resumo do artigo. Modelagem Organizacional com CommonKADS: O Serviço de Emergências Médicas

Resumo do artigo. Modelagem Organizacional com CommonKADS: O Serviço de Emergências Médicas Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Disciplina: PROJETOS I Aluno: Cleosvaldo G. Vieira Jr cgvjr@inf.ufsc.br Resumo do artigo Modelagem Organizacional com CommonKADS: O Serviço de

Leia mais

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES 1 PPA-UFCG PROGRAMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES (MAPAS VIVOS DA UFCG) 2 DIMENSÃO MISSÃO E PDI MAPAS VIVOS DE

Leia mais

Título: Jurídico-Financeiro: Rompendo barreiras, atingindo o sucesso Categoria: Modelo de Gestão Temática: Financeiro

Título: Jurídico-Financeiro: Rompendo barreiras, atingindo o sucesso Categoria: Modelo de Gestão Temática: Financeiro Título: Jurídico-Financeiro: Rompendo barreiras, atingindo o sucesso Categoria: Modelo de Gestão Temática: Financeiro Resumo: Durante muito tempo a diretoria de Jurídico-Financeiro realizava suas atividades

Leia mais

Passo a Passo do Cadastro Funcionários no SIGLA Digital

Passo a Passo do Cadastro Funcionários no SIGLA Digital Passo a Passo do Cadastro Funcionários no SIGLA Digital Funcionários Página 1 de 12 O cadastro de funcionários permite cadastrar o usuário que vai utilizar o SIGLA Digital e também seus dados pessoais.

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

Experiência de contratação de empresa de contagem de Pontos de Função para auxílio na gestão de contrato administrativo

Experiência de contratação de empresa de contagem de Pontos de Função para auxílio na gestão de contrato administrativo Experiência de contratação de empresa de contagem de Pontos de Função para auxílio na gestão de contrato administrativo Ricardo Gaspar (21) 2172-8078 ricardo.gaspar@bndes.gov.br 22 de Julho de 2014 Objetivo

Leia mais

TERMO DE CONFIDENCIALIDADE

TERMO DE CONFIDENCIALIDADE TERMO DE CONFIDENCIALIDADE Este material e as informações nele contidas são propriedades da PONTO SISTEMAS. Nenhuma parte deste documento pode ser reproduzida ou transmitida sem prévia autorização da PONTO

Leia mais

meses e de ganhos financeiros muito maiores do que quando se é empregado é um erro comum. Além disso, a idéia de não ter chefe é extremamente

meses e de ganhos financeiros muito maiores do que quando se é empregado é um erro comum. Além disso, a idéia de não ter chefe é extremamente DICAS PARA ABRIR UM ESCRITÓRIO CONTÁBIL Começar um empreendimento requer coragem. Estar preparado para esse momento é fundamental, pois não vale, em hipótese alguma, aplicar o seu dinheiro no desconhecido.

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: LECTRON INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução /Normativa, 2010 EMENTA

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE DO SITE ATLETASPELOBRASIL.ORG.BR

POLÍTICA DE PRIVACIDADE DO SITE ATLETASPELOBRASIL.ORG.BR POLÍTICA DE PRIVACIDADE DO SITE ATLETASPELOBRASIL.ORG.BR 1. INFORMAÇÕES PRELIMINARES 1.1. Nossa política de privacidade, às vezes, poderá ser modificada para atender eventuais necessidades. Verifique esta

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software

3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software 3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software A tarefa de planejar os ciclos de construção do software pode partir de diretrizes básicas. Estas diretrizes visam orientar que os ciclos de

Leia mais

PORTAL DE COMUNICAÇÃO DE CRIAÇÃO. Sistema de solicitação de proteção de propriedades intelectuais on-line.

PORTAL DE COMUNICAÇÃO DE CRIAÇÃO. Sistema de solicitação de proteção de propriedades intelectuais on-line. PORTAL DE COMUNICAÇÃO DE CRIAÇÃO Sistema de solicitação de proteção de propriedades intelectuais on-line. A Agência USP de Inovação, núcleo de inovação tecnológica da Universidade de São Paulo, lançou

Leia mais

Overview Virtual TechKnowledge DBA Virtual DBA Virtual DBA Virtual on-demand DBA Virtual DBA Virtual DBA Virtual

Overview Virtual TechKnowledge DBA Virtual DBA Virtual DBA Virtual on-demand DBA Virtual DBA Virtual DBA Virtual VTK DBAVirtual Overview A Virtual TechKnowledge, empresa estabelecida no mercado de informática a mais de cinco anos e com expertise em tecnologias de ambientes virtuais, bancos de dados e outras áreas

Leia mais

FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE GARANTIA DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE GARANTIA DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE GARANTIA DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE EQUIPAGEM DE CONSELHOS TUTELARES GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA RECEBIMENTO DE IMPRESSORAS Prezado(a) Representante Legal: Em continuação

Leia mais

Política de Conflitos de Interesses

Política de Conflitos de Interesses Política de Conflitos de Interesses Índice Índice 2 Política de Conflitos de Interesses 3 1. Introdução... 3 2. A nossa política de conflitos de interesses... 3 3. Conflitos de interesses estudos de investimento...

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB

18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB 18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB Autor(es) HARLEI MIGUEL DE ARRUDA LEITE Orientador(es) PLÍNIO ROBERTO SOUZA VILELA Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ

Leia mais

Agenda Semântica. Grupo: Francisco Rodrigues Júnior Guilherme Daher Ferreira Luana Vieira Morellato Renan Rigo

Agenda Semântica. Grupo: Francisco Rodrigues Júnior Guilherme Daher Ferreira Luana Vieira Morellato Renan Rigo Universidade Federal do Espírito Santo Inteligência Artificial Agenda Semântica Grupo: Francisco Rodrigues Júnior Guilherme Daher Ferreira Luana Vieira Morellato Renan Rigo Vitória 2007/02 Agenda Semântica

Leia mais

Plano de Negocio Sistemas Security

Plano de Negocio Sistemas Security Plano de Negocio Sistemas Security GOIÂNIA,05/12/2015 A Empresa A Sistema Security nasceu da idéia de Alunos do Senac quando cursavam o último período do curso de segurança da Informaçao. Área de Atuação

Leia mais

Sumário. Introdução ao Microsoft Project. 1 Microsoft Project, gerenciamento de projetos e você 3. 2 Visão geral do Project 11.

Sumário. Introdução ao Microsoft Project. 1 Microsoft Project, gerenciamento de projetos e você 3. 2 Visão geral do Project 11. Sumário Introdução... xiii A quem se destina este livro...xiii Como o livro está organizado...xiii Como baixar os arquivos de prática...xiv Suas configurações no Project...xv Suporte técnico...xvi Parte

Leia mais

PROPOSTA DE REFORMULAÇÃO DO PORTAL RECYT

PROPOSTA DE REFORMULAÇÃO DO PORTAL RECYT ANEXO 3 - Proposta de reformulação do Portal para apresentação na reunião PROPOSTA DE REFORMULAÇÃO DO PORTAL RECYT 1. Antecedentes e justificativa Antes de ser implantado, o Portal RECyT passou por um

Leia mais

Termo de Abertura Sistema de Vendas de Pizzas Online (PizzaWeb) - Versão 1.0

Termo de Abertura Sistema de Vendas de Pizzas Online (PizzaWeb) - Versão 1.0 Termo de Abertura Sistema de Vendas de Pizzas Online (PizzaWeb) - Versão 1.0 Versão do Documento: 1.1 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011 1.0 Montar o Termo de Abertura.

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 4 Projeto de Teste 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE E PROJETO DE TESTE... 3 1.

Leia mais

Há 17 anos no mercado, a PREMIUN Tecnologia desenvolve soluções para o gerenciamento e controle de gastos em telefonia.

Há 17 anos no mercado, a PREMIUN Tecnologia desenvolve soluções para o gerenciamento e controle de gastos em telefonia. Há 17 anos no mercado, a desenvolve soluções para o gerenciamento e controle de gastos em telefonia. Uma empresa de desenvolvimento de software, como a nossa, jamais seria bem sucedida ao longo de mais

Leia mais

Ao aderir ao Serviço o CLIENTE autoriza a PRESTADORA a realizar, direta ou indiretamente, o envio de solicitações do AVISO como Torpedo SMS.

Ao aderir ao Serviço o CLIENTE autoriza a PRESTADORA a realizar, direta ou indiretamente, o envio de solicitações do AVISO como Torpedo SMS. TERMO DE USO Serviço Aviso As disposições abaixo regulam a utilização do serviço AVISO ( SERVIÇO ), comercializado ao CLIENTE pela TELEFÔNICA BRASIL S/A, doravante denominada simplesmente VIVO ou PRESTADORA,

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema para Administração de Condomínios MANUAL USUÁRIO C H E Q U E S CONTROLE POR LEITURA DE CÓDIGO DE BARRAS. ENG Sistemas - 1 -

Manual do Usuário. Sistema para Administração de Condomínios MANUAL USUÁRIO C H E Q U E S CONTROLE POR LEITURA DE CÓDIGO DE BARRAS. ENG Sistemas - 1 - Sistema para Administração de Condomínios MANUAL DO USUÁRIO C H E Q U E S CONTROLE POR LEITURA DE CÓDIGO DE BARRAS ENG Sistemas - 1 - As informações abaixo dizem respeito às empresas que optaram por manter

Leia mais

Conceitos Básicos de Rede. Um manual para empresas com até 75 computadores

Conceitos Básicos de Rede. Um manual para empresas com até 75 computadores Conceitos Básicos de Rede Um manual para empresas com até 75 computadores 1 Conceitos Básicos de Rede Conceitos Básicos de Rede... 1 A Função de Uma Rede... 1 Introdução às Redes... 2 Mais Conceitos Básicos

Leia mais