Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP."

Transcrição

1 Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP.

2 FMEA, ISO/TS, APQP, PPAP Pretendemos, neste módulo, mostrar todas as ligações e vínculos existentes entre a ferramenta do FMEA, já detalhada nos módulos anteriores, com: ISO/TS (Technical Specification), norma específica desenvolvida para Sistemas da Qualidade da Indústria Automotiva; APQP (Advanced Product Quality Planning) - Planejamento Avançado da Qualidade do Produto; PPAP (Production Part Approval Process) - Processo de Aprovação de Peças de Produção. É preciso ficar claro que essas ligações visam buscar uma visão sistêmica, integrada, do Sistema de Gerenciamento da Qualidade.

3 ISO TS (Technical Specification) Ela representa um acordo entre os membros de um comitê técnico, publicável se for aprovada por pelo menos 2/3 dos membros votantes. Sua análise crítica é feita a cada 3 anos, para se decidir se ela será transformada numa Norma Internacional. Foi desenvolvida pelo IATF (International Automotive Task Force) e por representantes do ISO/TC 176 (Gerenciamento e Garantia da Qualidade), e seus sub-comitês. Escopo: Ela especifica, em conjunto com a ISO 9001, requisitos do sistema da qualidade, para projeto, desenvolvimento, produção e, se relevante, instalação e serviços associados de produtos automotivos. Aplica-se a sites fornecedores e sub-fornecedores de peças de produção e serviços, que forneçam: Peças ou materiais; Tratamento térmico, pintura, superficial, ou outro serviço de acabamento; Outros produtos especificados pelo cliente.

4 Objetivos da ISO / TS Estabelecer diretrizes comuns para o desenvolvimento de Sistemas da Qualidade, sendo específico para a Indústria Automotiva; Proporcionar condições necessárias, para a melhoria contínua e inovações; Padronizar métricas, para definir os indicadores de desempenho; Prevenir as causas, de produtos e serviços não conformes; Reduzir as perdas, em toda a base de fornecimento da indústria automobilística, seja no produto ou serviço; Diminuir a variação de processo, de produto ou de serviço; Padronizar os requisitos da qualidade hoje existentes, evitando múltiplas certificações.

5 Composição da ISO/TS Prefácio Parte 0 Introdução Parte 1 Escopo Parte 2 Referências Normativas Parte 3 Termos e Definições Partes 4, 5, 6, 7 e 8 Requisitos do sistema de gestão Anexo A Plano de controle Bibliografia

6 ISO/TS - Requisitos do sistema da qualidade 4 - Sistema de gestão da qualidade requisitos gerais requisitos gerais da documentação 5 - Responsabilidade da Direção comprometimento da direção foco no cliente política da qualidade planejamento responsabilidade, autoridade e comunicação análise crítica pela direção 6 - Administração de recursos provisão de recursos recursos humanos infra-estrutura ambiente de trabalho 7 - Realização do produto planejamento da realização do produto processos relacionados a cliente projeto e desenvolvimento aquisição produção e fornecimento de serviço controle de dispositivos de medição e monitoramento 8 - Medição, análise e melhoria generalidades medição e monitoramento controle de produto não conforme análise de dados melhoria Requisitos do sistema da qualidade

7 O FMEA e a ISO TS Elemento 7.3 Projeto e desenvolvimento Avaliação multidisciplinar A organização deve usar uma abordagem multidisciplinar, para preparar a realização do produto, incluindo: o desenvolvimento, a finalização e a monitoria das características especiais. O desenvolvimento e análise crítica dos FMEA s, deve incluir ações para reduzir riscos potenciais, bem como o desenvolvimento e análise crítica dos Planos de Controle Características especiais A organização deve identificar as características especiais (ver d) e: Incluir todas as características especiais no plano de controle; Atender a todos as definições e símbolos especificados; Identificar os documentos de controle de processo, incluindo desenhos, FMEA s, Planos de Controle e instruções do operador, com o símbolo de característica especial do cliente, ou símbolo/notação equivalente da organização, incluindo aqueles passos do processo que afetam as características especiais. Nota: A característica especial pode incluir características do produto e parâmetros do processo.

8 O FMEA e a ISO TS Saída do projeto e desenvolvimento suplementar A saída do projeto do produto deve ser expressa em termos que possam ser verificados e validados, contra os requisitos de entrada do projeto do produto. A saída do projeto do produto deve incluir: FMEA de projeto, resultados de confiabilidade, Características especiais do produto, especificações, Dispositivos à prova de erro do produto, como apropriado, Definição do produto, incluindo desenhos e dados matemáticos, Saída do projeto do processo de manufatura A saída do projeto do processo de manufatura deve ser expresso em termos que possam ser verificados, contra os requisitos de entrada do projeto do processo de manufatura, e validado. A saída do projeto do processo de manufatura deve incluir: Especificações e desenhos, Fluxogramas/layouts de processo de manufatura, FMEA s de processo de manufatura, Plano de controle (ver ), Instruções de trabalho,...

9 O FMEA e a ISO TS Elemento 7.5 Produção e fornecimento de serviços Plano de controle A organização deve: Desenvolver planos de controle (ver Anexo A), em nível de sistema, sub-sistema, componente e/ou material, para o produto fornecido, incluindo aqueles processos de produção de matéria prima, tanto quanto para peças, e Ter um plano de controle para pré-lançamento e produção, que considere as saídas dos FMEA s, de projeto e processo de manufatura, O Plano de controle deve: Listar os controles usados para o controle do processo de manufatura, Incluir os métodos para monitoria do controle exercido sobre as características especiais (ver ), definido tanto pelo cliente quanto pela organização,... Os Planos de controle devem ser analisados criticamente, e atualizados quando ocorrer qualquer alteração que afete o produto, o processo de manufatura, a medição, a logística, a fonte de fornecimento ou o FMEA (ver 7.1.4). Nota: A aprovação do cliente pode ser requerida depois da análise crítica ou atualização do Plano de controle.

10 APQP Planejamento Avançado da Qualidade do Produto (Advanced Product Quality Planning) (Parte integrante da ISO / TS) Método estruturado Através de equipes multifuncionais Compromisso da Alta Gerência Produtos que satisfaçam o cliente

11 Objetivos do APQP Comunicação eficiente, com todos os envolvidos Realização de todos os passos requisitados, dentro do prazo estabelecido Ocorrência mínima, de problemas e riscos de qualidade, no lançamento de novos produtos

12 FMEA e os Elementos do APQP APQP Planejamento Avançado da Qualidade do Produto 1. Decisão de Fornecimento 2. Inputs do Cliente 3. Craftsmanship 4. FMEA de Projeto 5. Revisão(ões) de Projeto/Manufatura 6. Plano e Relatório de Verificação do Projeto 7. Status APQP do Sub-contratado 8. Instalações, Ferramentas e Dispositivos 9. Plano de Controle do Protótipo 10.Construção do Protótipo 11.Desenhos e Especificações 12.Comprometimento da Equipe com a Viabilidade 13.Fluxograma do Processo de Manufatura 14. FMEA de Processo 15.Avaliação dos Sistemas de Medição 16.Plano de Controle de Pré- Lançamento 17.Instruções do Processo do Operador 18.Especificações de Embalagem 19.Trial Run da Produção 20.Plano de Controle de Produção 21.Estudo Preliminar da Capacidade do Processo 22.Teste de Validação de Produção 23.Entrega do PSW (Part Submission Warrant)

13 APQP - Eventos do FDPS FDPS = Sistema de Desenvolvimento de Produtos Ford KO (Kick off) = Início do programa PS1 (Pré strategical intent) = Intenção estratégica (Visão, missão, clientes, etc) PS2 (Pré strat. intent) = Intenção estratégica (Variações dos objetivos avaliadas) SI (Strategical intent) = Intenção estratégica SC (Strategical confirmation) = Confirmação estratégica PH (Proportions and hardpoints) = Proporções e pontos fortes PA (Program approval) = Aprovação do programa ST (Surface transfer) = Transferência de superfície PR (Product readliness) = Prontidão do produto CP (Confirmation prototype) = Protótipo de confirmação CC (Change cut-off) = Interrupção da mudança LR (Launch readliness) = Prontidão de lançamento LS (Launch sign-off) = Finalização do lançamento J1 (Job #1 achieved) = Job #1 cumprido FS (Final status) = Avaliação final

14 APQP - Elemento 4: FMEA de Projeto DFMEA - Design Failure Mode and Effects Analysis Os modos de falha potenciais do projeto e as suas causas foram considerados? KO SI SC PH PA ST PR CP CC LR LS J1 FS Atualizações

15 APQP e DFMEA CARACTERÍSTICAS ESPECIAIS EM POTENCIAL CRÍTICA SEV = 9, 10 OCOR = QUALQUER YC SIGNIFICATIVA SEV = 5-8 OCOR 4 YS Expectativas: Requisitos de entrada: FMEA de Sistema, itens craftmanship, estilo. Equipe multifuncional (processo/projeto). Usar Handbook FORD para minimizar gap s. Usar histórico de campo. Verificar a eficácia das ações recomendadas. FMEA completo até a fase do <PA>.

16 APQP e DFMEA Entradas do Elemento Saídas do Elemento Histórico de FMEA s Especificações Histórico de qualidade Regulamentações FMEA de Projeto DFMEA Lista de características especiais em potencial Ações preventivas Quick Questions: (KO) - <SI>: Há uma lista de DFMEA s disponível, acordada pela engenharia de produto e manufatura e pelo fornecedor? <SI> - <PA>: Todos os DFMEA s estão disponíveis, completos e acessíveis? <SI> - <PA>: Todos os resultados/ações foram registrados/completados para todas as entradas dos DFMEA s, identificadas como SC/CC? <PA> - <CC>: Todos os DFMEA s foram revisados e atualizados, as ações tomadas foram registradas e os NPR s recalculados?

17 APQP - Elemento 14: FMEA de Processo PFMEA - Design Failure Mode and Effects Analysis Revisão e análise disciplinada do processo! KO SI SC PH PA ST PR CP CC LR LS J1 FS

18 APQP e PFMEA Entradas do Elemento Fluxograma do processo FMEA de processos similares Histórico de qualidade Desenho e especificações Características especiais em potencial PFMEA Quick Questions: Saídas do Elemento PFMEA Características especiais Ações preventivas e corretivas Expectativas: Usar equipe multifuncional. Usar o FMEA de projeto como entrada. Contemplar todo o potencial de falha, independente da ocorrência. O FMEA de processo é histórico. <SC> - (ST): Há uma lista de PFMEA s disponível, acordada entre a engenharia, a manufatura e a planta? <SC> - (CP): Todos os PFMEA s estão disponíveis, completos e acessíveis? <PR> - (CP): Todos os resultados/ações recomendados foram registrados/completados para todas as entradas de PFMEA identificadas como SC/CC? (CP) - <LS>: Os PFMEA s estão revisados e atualizados, as ações tomadas foram registradas e os NPR s foram recalculados?

19 APQP - Reliability & Robustness Timming KO SI SC PH PA ST PR CP CC LR LS J1 Histórico da Qualidade Limites P-Diagram Matriz de Gráfico de Saúde Interface Desenvolvimento do DFMEA Atualizações do DFMEA RCL RDM Desenvolvimento do PFMEA Atualizações do PFMEA Fresh Eyes Plano de Controle da Plano de Controle do Pré-Lançamento Planos de Controle Construção do Protótipo da Produção Desenvolvimento do DVP Atualizações do DVP Estudos Preliminares da Capabilidade do Processo KO KO SI SI Veículo PR CP CC CP LR LR LS FS J1 Kick Off Strategic Intent Definir SC Strategic Confirmation PH Proportions & Hardpoints PA Program Approval Sistemas Componentes ST Surface Transfer Projetar Product Readiness Confirmation Prototype Change Cut-Off Verificar Launch Sign-Off Launch Readiness Job 1 Lançar

20 PPAP PPAP = Processo de Aprovação de Peças de Produção (Production Part Approval Process) Objetivos: Verificar que os fornecedores da indústria automobilística, compreendem os requisitos de desenho e especificações do produto, e que dispõem de processos capazes de atendê-los. Esta capacidade será comprovada, através da realização de um lote efetivo de produção.

21 FMEA e os elementos do PPAP 1. Registros de projeto 2. Documentação de mudanças de engenharia 3. Aprovação de engenharia do cliente 4. FMEA de Projeto 5. Fluxograma do processo 6. FMEA de Processo 7. Planos de controle 8. Estudos da análise dos sistemas de medição 9. Resultados dimensionais 10. Resultados de testes de desempenho e de material 11. Estudo inicial do processo 12. Documentação do laboratório qualificado 13. Relatório de aprovação de aparência (RAA) 14. Amostra de Produto 15. Amostra padrão 16. Auxílio de checagem 17. Requisitos específicos do cliente 18. Certificado PPAP (PSW) 19. Checklist de requisitos de material a granel

22 FMEA e PPAP Cinco níveis de submissão possíveis no PPAP (Processo de Aprovação de Peça de Produção) Nível 1: Somente o certificado e o relatório de aprovação de aparência. Nível 2: Certificado com amostras do produto e dados de suporte. Nível 3: Todos os itens exceto amostra padrão e meios de inspeção. Nível 4: Certificado (sem amostras) e dados completos de suporte. Nível 5: Certificado com amostras do produto e todos os dados comprobatórios analisados na unidade de fabricação do fornecedor. Os itens que não são submetidos devem ser retidos e mantidos disponíveis na unidade de fabricação. Na falta de classificação de nível, o nível 3 deverá ser utilizado para todas as submissões.

23 PPAP / ISO TS Tabela de requisitos de retenção/submissão Nível de Submissão Requisitos Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5 1. Registros de Projeto de um Produto para Venda R S S * R - para componentes/ detalhes próprios R R R * R - para todos os outros componentes/ detalhes R S S * R 2. Documentos de mudança de engenharia, se houver R S S * R 3. Aprovação da engenharia do cliente, se requerido R R S * R 4. FMEA de Projeto (ver I.2.2.4) R R S * R 5. Diagramas de Fluxo de Processo R R S * R 6. FMEA de Processo R R S * R 7. Resultados Dimensionais R S S * R 8. Resultados de Teste de Materiais e Performance R S S * R 9. Estudo Inicial do Processo R R S * R 10. Estudos da Análise dos Sistemas de Medição R R S * R 11. Documentação do Laboratório Qualificado R S S * R 12. Plano de Controle R R S * R 13. Certificado de Submissão de Peças (PSW)... S S S S R 19. Registros de Conformidade com os Requisitos Específicos do R R S * R Cliente S=fornecedor deve submeter para a designada atividade de aprovação do produto do cliente e reter uma cópia dos registros ou itens de documentação em locais apropriados, incluindo manufatura. R = O fornece- dor deve reter em locais apropriados, incluindo manufatura, e deixar prontamente disponível para o representante do cliente quando pedido. * = O fornecedor deve reter em locais apropriados, e submeter sob pedido do cliente.

24 Fim do Módulo 4

Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto)

Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto) Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

Módulo 4 Apresentação e análise das Fases 4 e 5 do APQP, seus elementos/atividades e aplicações práticas

Módulo 4 Apresentação e análise das Fases 4 e 5 do APQP, seus elementos/atividades e aplicações práticas Módulo 4 Apresentação e análise das Fases 4 e 5 do APQP, seus elementos/atividades e aplicações práticas Fases do APQP e seus elementos Planejamento e definição 1. Decisão de fornecimento 2. Inputs do

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

Na Tabela C.1 abaixo será apresentada a estrutura comparativa entre os tópicos das normas NBR ISO 9001:2000 e ABNT ISO/TS 16949/2002.

Na Tabela C.1 abaixo será apresentada a estrutura comparativa entre os tópicos das normas NBR ISO 9001:2000 e ABNT ISO/TS 16949/2002. 1 Na Tabela C.1 abaixo será apresentada a estrutura comparativa entre os tópicos das normas NBR ISO 9001:2000 e ABNT ISO/TS 16949/2002. Norma NBR ISO 9001:2000 Esta norma é equivalente à ISO 9001:2000.

Leia mais

APQP PLANEJAMENTO AVANÇADO DA QUALIDADE DO PRODUTO

APQP PLANEJAMENTO AVANÇADO DA QUALIDADE DO PRODUTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO APQP PLANEJAMENTO AVANÇADO DA QUALIDADE DO PRODUTO Daniel Chaves H. da Silva Orientador: Professor Carlos Henrique Pereira Mello

Leia mais

Manual da Qualidade Fornecedores 2007

Manual da Qualidade Fornecedores 2007 Manual da Qualidade Fornecedores 2007 www.metalurgicanunes.com.br 2 ÍNDICE 01 Introdução. 3 02 Filosofia da Qualidade 3 03 Políticas da Metalúrgica Nunes 4 04 Requisitos de Qualidade para fornecimento

Leia mais

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos F-MEA Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos ADPO ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1 F-MEA Failure Mode and Effects Analisys Conceito É uma metodologia analítica utilizada para garantir que problemas

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

UNESP - 2013. Pós -graduação Lato Sensu. Carlos Henrique Lencioni

UNESP - 2013. Pós -graduação Lato Sensu. Carlos Henrique Lencioni Normas de Sistemas de Gestão da Qualidade Especialização em Gestão da Produção Pós -graduação Lato Sensu Carlos Henrique Lencioni 1 chlencioni@gmail.com.br Engenheiro Elétrico pela Escola Federal de Engenharia

Leia mais

- Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 -

- Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 - Seu parceiro na certificação - Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 - DQS do Brasil 2002/06/12 Razões para a revisão (1) Razões formais: Protocolo da ISO (análise critica a cada 5 anos) ISO TC 176:

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo 1. Objetivo Este documento tem por objetivo comunicar os requisitos mínimos a todos os fornecedores de componentes, matérias

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

ISO TS 16949:2002. Um ISO/PAS ou ISO/TS é revisto a cada três anos com o objetivo de decidir se pode ser transformado em uma Norma Internacional.

ISO TS 16949:2002. Um ISO/PAS ou ISO/TS é revisto a cada três anos com o objetivo de decidir se pode ser transformado em uma Norma Internacional. Prefácio A ISO(Organização Internacional para Normalização) é uma federação mundial de organizações de normalizações nacionais (entidades membros ISO). O trabalho de preparação de normas internacionais

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2

ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2 ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2 Novembro 2014 Paulo Bento Gerenciamento da Qualidade de Fornecedores Eixo,Motor e Cambio 1 TE/OSV-P Daimler Trucks 2 Temas : Processo de gestão da qualidade de fornecedores.

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade.

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. ISO 9001 2008 Carolina Rothe Luiz Gustavo W. Krumenauer Paulo Emílio Paulo Saldanha Relação das principais normas da Série

Leia mais

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores Este Manual é de propriedade da Martiaço Indústria Ltda. Sem autorização não pode ser distribuído ou copiado. SUMÁRIO 1. A EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 4

Leia mais

DISCIPLINA: Controle de Qualidade na Indústria

DISCIPLINA: Controle de Qualidade na Indústria PPGE3M/UFRGS DISCIPLINA: Controle de Qualidade na Indústria Profa. Dra. Rejane Tubino rejane.tubino@ufrgs.br SATC 2013 Fone: 3308-9966 Programa da Disciplina Apresentação da disciplina Conceitos preliminares.

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

Estrutura da ISO DIS 9001/2015 ISO/TC 176/SC 2 Document N1224, July 2014

Estrutura da ISO DIS 9001/2015 ISO/TC 176/SC 2 Document N1224, July 2014 Prefácio Introdução 0.1 Generalidades 0.2 As normas ISO para gestão da qualidade 0.3 Abordagem de processo 0.4 Ciclo PDCA 0.5 Pensamento baseado em risco Estrutura da ISO DIS 9001/2015 0.6 Compatibilidade

Leia mais

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL 1. Prefácio 1.1 Dados gerais O presente acordo de qualidade assegurada (QSV) define as exigências de qualidade para os fornecedores da REHAU. Assim, o acordo de qualidade assegurada REHAU QSV é a norma

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Manual de Qualidade de Fornecedor Requisitos do Programa. Índice

Manual de Qualidade de Fornecedor Requisitos do Programa. Índice Norma John Deere Manual de Qualidade de Fornecedor Requisitos do Programa Índice 1 Escopo... 2 2 Termos e Definições... 2 3 Sistema de Gerenciamento da Qualidade... 6 4 Responsabilidade de Gerenciamento...

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Requisitos e diretrizes para o Sistema de Gestão da Qualidade e Meio Ambiente, conforme padrões definidos pelas normas NBR ISO 9001:2008, NBR ISO 14001:2004 e pela

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Betim, 30 de Março de 2015 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Esta carta atualiza e substitui, a partir de 15/04/2015, a CARTA DE REQUISITOS

Leia mais

CRE - Sistema de Controle de Requisitos Específicos. Requisitos Específicos Dos Processos. Data 27/5/2010 13:20:15 Página 1 de 20 Relatório frmrel002

CRE - Sistema de Controle de Requisitos Específicos. Requisitos Específicos Dos Processos. Data 27/5/2010 13:20:15 Página 1 de 20 Relatório frmrel002 s Específicos Dos Processos CRE - Sistema de Controle de s Específicos Página 1 de 20 ADM - ADMINISTRAÇÃO 4.2.4 CONTROLE DE REGISTROS DA 5 RESPONSABILIDADES DA DIRECAO 5.1 COMPROMETIMENTO DA DIRECAO PGI

Leia mais

Análise de Modo e Efeito de Falha Potencial - FMEA. Apostila e Tabelas Recomendadas para Severidade Ocorrência e Detecção

Análise de Modo e Efeito de Falha Potencial - FMEA. Apostila e Tabelas Recomendadas para Severidade Ocorrência e Detecção Análise de Modo e Efeito de Falha Potencial - FMEA Apostila e Tabelas Recomendadas para Severidade Ocorrência e Detecção Professores: Diego Mondadori Rodrigues Ernani Matschulat Viviane Dorneles Tobias

Leia mais

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Anexo A (informativo) Correspondência entre, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Tabela A.1 - Correspondência entre, ISO 14001:1996 e ISO 9001:1994 Seção Seção ISO 14001:1996 Seção ISO 9001:1994

Leia mais

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Manual de Instruções Para Fornecedores Revisão Maio/2010 Código Capítulo CONTROLE DE REVISÃO Índice Pág. De M.DIR. 02-01 Instruções Preliminares 01 50 M.DIR. 02-02 Premissa 02

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Gestão da Qualidade TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Interpretação / Implantação da ISO 9001:2008 Compreender a filosofia

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES Requisitos e diretrizes para o sistema de gestão da qualidade e ambiental Página 1 de 9 1. REQUISITOS ESPECÍFICOS... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Geral... 3 1.3 Documentos

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

ISO/TS 16949 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. Sistema de Gestão de Qualidade

ISO/TS 16949 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. Sistema de Gestão de Qualidade ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ISO/TS 16949 Segunda edição 2002-03-01 Sistema de Gestão de Qualidade Requisitos específicos para aplicação da ISO 9001:2000 para produção automotiva e organizações pertinentes de

Leia mais

Requisitos Específicos para ISO TS 16949

Requisitos Específicos para ISO TS 16949 Requisitos Específicos para ISO TS 16949 Revisão 01 MWM INTERNATIONAL Motores 1 Requisitos Específicos da MWM INTERNATIONAL Motores Para uso em conjunto com a norma ISO/TS 16949 1. ESCOPO Este documento

Leia mais

Gestão de projetos na indústria automotiva: Metodologia APQP e as melhores práticas do PMI

Gestão de projetos na indústria automotiva: Metodologia APQP e as melhores práticas do PMI Gestão de projetos na indústria automotiva: Metodologia APQP e as melhores práticas do PMI SARAH APARECIDA DA CRUZ Centro Universitário do Sul de Minas sidney@unis.edu.br SIDNEY VERGINIO DA SILVA Centro

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE

FERRAMENTAS DA QUALIDADE FERRAMENTAS DA QUALIDADE FEMEA Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 1 Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 2 -

Leia mais

Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1

Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1 Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1 Conteúdo 1.0 Introdução 3 1.1 Escopo 3 1.2 Objetivo 3 1.3 Fundamentação 4 2.0 Requisitos do Sistema de Qualidade

Leia mais

Prof. Adilson Spim Gestão da Qualidade ISO 9001:2008 1

Prof. Adilson Spim Gestão da Qualidade ISO 9001:2008 1 Certificação NBR Requisitos A partir da versão 1994, a série ISO 9000 passou a ser conhecida como família ISO 9000 ; leva em conta duas situações, a contratual e não contratual; Para a situação não contratual

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

PROGRAMA ANUAL TREINAMENTOS EMPRESARIAIS 2008

PROGRAMA ANUAL TREINAMENTOS EMPRESARIAIS 2008 PROGRAMA ANUAL TREINAMENTOS EMPRESARIAIS 2008 Assessoria Treinamento e Gestão Rua Cel Nogueira Padilha, 1011 - Sala 6 - Sorocaba - São Paulo Fone / Fax 15 32345920 www.profort.com.br Página 1 de 9 TE-001

Leia mais

livros indicados e / ou recomendados

livros indicados e / ou recomendados Material complementar. Não substitui os livros indicados e / ou recomendados Prof. Jorge Luiz - 203 Pág. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE - SGQ Sistema de Gestão da Qualidade SGQ é a estrutura a ser criada

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL Publicado:Fevereiro 2012 ESCLARECIMENTO REFERENTE À ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ISO/TS 16949:2009 APLICÁVEL A MHBR BRASIL LTDA 1-Generalidade Este anexo da Qualidade

Leia mais

Matrizes de Correlaça o ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015

Matrizes de Correlaça o ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015 2015 Matrizes de Correlaça o ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015 Texto traduzido e adaptado por Fernando Fibe De Cicco, Coordenador de Novos Projetos do QSP. Outubro de 2015. Matrizes de correlação entre a ISO

Leia mais

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO:

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Objetivo do Prêmio PBQP-H 2009/2010 É um prêmio único no mundo. O objetivo geral é fazer a distinção das organizações da construção civil que elevam os patamares

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu São Paulo, 01 de Outubro de 2010 Nomes: Cícero Marcelino RA: 200509458 Daniele Teixeira RA: 200605045 Edson Pereira RA: 200607727 Matheus Monteiro RA: 200709765 Rodrigo Pavin

Leia mais

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Giovani faria Muniz (FEG Unesp) giovanifaria@directnet.com.br Jorge Muniz (FEG Unesp) jorgemuniz@feg.unesp.br Eduardo

Leia mais

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 Está em andamento o processo de revisão da Norma ISO 9001: 2015, que ao ser concluído resultará na mudança mais significativa já efetuada. A chamada família ISO 9000

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos MB Consultoria Av. Constantino Nery, Nº 2789, Edifício Empire Center, Sala 1005 a 1008 Manaus - Amazonas - Brasil CEP: 69050-002 Telefones: (92) 3656.2452 Fax: (92) 3656.1695 e-mail: mb@netmb.com.br Site:

Leia mais

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação?

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação? O que é a norma ISO? Em linhas gerais, a norma ISO é o conjunto de cinco normas internacionais que traz para a empresa orientação no desenvolvimento e implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF.

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. Três Corações, 12 de janeiro de 2015. CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. 01/2015 Este documento pode ser utilizado

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS 2012 Relevância: Impacta diretamente na saúde do paciente, na qualidade do produto e na integridade dos dados que devem provar que o sistema

Leia mais

Anexo 61 Manual de Fornecedores STIHL MANUAL DE FORNECEDORES

Anexo 61 Manual de Fornecedores STIHL MANUAL DE FORNECEDORES MANUAL DE FORNECEDORES LS 0082 Manual de Fornecedores 1 de 50 04.12.2013 Sumário INTRODUÇÃO... 5 DIRETRIZES DO FORNECEDOR... 6 CONTRATOS STIHL... 6 OBJETIVOS... 7 GESTÃO DA QUALIDADE... 8 1. SISTEMA DE

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando?

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? A publicação prevista para Novembro de 2015 tem como propósito refletir as mudanças no ambiente em que a norma é usada e garantir que a mesma mantenha-se adequada

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

Prof. Dr. Carlos Eduardo Sanches da Silva Prof. Dr. Carlos Henrique Pereira Mello EPR 707 EPR 707 ENGENHARIA DO PRODUTO

Prof. Dr. Carlos Eduardo Sanches da Silva Prof. Dr. Carlos Henrique Pereira Mello EPR 707 EPR 707 ENGENHARIA DO PRODUTO EPR 707 Prof. Dr. Carlos Eduardo Sanches da Silva Prof. Dr. Carlos Henrique Pereira Mello EPR 707 ENGENHARIA DO PRODUTO O que é o PDP PDP é o processo de negócio que: Busca as especificações de projeto

Leia mais

Proposta de Metodologia para Homologação Rápida de Novos Produtos na Indústria Automobilística

Proposta de Metodologia para Homologação Rápida de Novos Produtos na Indústria Automobilística Proposta de Metodologia para Homologação Rápida de Novos Produtos na Indústria Automobilística Fast Approval of New Products Methodology Proposition for Automotive Industries ANDERSON RICARDO ALTIERI Universidade

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão 1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão ISO 9001:2015 Histórico da série 2 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão Histórico da série REVISÕES DA SÉRIE ISO 9000 2000 2008 2015 1994 1987 3 2009 CBG Centro Brasileiro

Leia mais

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Este é um documento controlado somente quando no formato de arquivo eletrônico e utilizado como fonte a cópia na web site www.dhb.com.br para o status do nível

Leia mais

Engenharia do Produto

Engenharia do Produto Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Departamento de Eletrônica Engenharia do Produto Slides elaborados a partir de Rozenfeld et al. (2006) AULA 6 Favor colocar

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

Elementos de um Processo

Elementos de um Processo Auditor Interno ISO/TS 16949:2002 Arquivo com alguns slides do curso, já incluindo nova abordagem solicitada pelo IATF aos auditores durante os exames de requalificação em 2006. (Abordagem do IATF) 1 Elementos

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PAS 99:2006. Especificação de requisitos comuns de sistemas de gestão como estrutura para a integração

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PAS 99:2006. Especificação de requisitos comuns de sistemas de gestão como estrutura para a integração Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PAS 99:2006 Especificação de requisitos comuns de sistemas de gestão como estrutura para a integração RESUMO/VISÃO GERAL (visando à fusão ISO 31000

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos SET/2000 PROJETO NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680

Leia mais

Módulo 3. Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Requisitos 4.2, 5.1, 5.2 e 5.3 Exercícios

Módulo 3. Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Requisitos 4.2, 5.1, 5.2 e 5.3 Exercícios Módulo 3 Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Requisitos 4.2, 5.1, 5.2 e 5.3 Exercícios 4.2 - Requisitos de documentação 4.2.1 - Generalidades A documentação do SGQ

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28 o. andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

SISTEMA DE QUALIDADE FARMACÊUTICA Q10

SISTEMA DE QUALIDADE FARMACÊUTICA Q10 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL PARA HARMONIZAÇÃO DE REQUISITOS TÉCNICOS PARA REGISTRO DE MEDICAMENTOS PARA USO HUMANO GUIA ICH HARMONIZADO PELO TRIPARTITE SISTEMA DE QUALIDADE FARMACÊUTICA Q10 Versão atual

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 Prof. Dr. João Batista Turrioni Objetivo geral Introduzir e discutir a importância da adoção de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor

Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda Manual Do Fornecedor Revisão 08 21/03/2014 1 Sumário 1. Apresentação... 5 2. Generalidades... 5 3. Processo de Aprovação de Peça de Produção (PAPP)... 5 3.1 - Definição...

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da Empresa ---------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos SET/2000 PROJETO NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeir o Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

NORMA ISO/IEC 14598. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

NORMA ISO/IEC 14598. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com NORMA ISO/IEC 14598 Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Contexto Normas e Modelos de Qualidade Engenharia de Software Qualidade de Software ISO/IEC 14598 - Avaliação da Qualidade de Produto

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Norma ISO 9001:2008. Gestão da Qualidade

Norma ISO 9001:2008. Gestão da Qualidade Norma ISO 9001:2008 Gestão da Qualidade Sistemas da Qualidade e Qualidade Ambiental ISO 9000 e ISO 14000 Prof. M. Sc. Helcio Suguiyama 1- Foco no cliente 2- Liderança 3- Envolvimento das Pessoas 4- Abordagem

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais