Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda."

Transcrição

1 Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação Edição Data Observação 01 Maio/2004 Elaboração do requisito especifico para DaimlerChrysler do Brasil 02 Julho / 2006 Atualização dos requisitos específicos 03 Agosto/ Fevereiro/ Novembro/ Novembro / Abril / 2012 Atualizações dos aspectos: 2, 3.6, , 7.1.1, 7.1.4, , 8.2.1, , nota 1 e acrescentado nota 2 Somente alteração da razão social DaimlerChrysler do Brasil para Mercedes-Benz do Brasil e da sigla DCBr para MBBras Atualizações dos aspectos: 2, 3.6, 5.1.1, 7.1.1, , , , , , , 8.2.1, e nota 2. Atualizações dos aspectos: 2, 3.5, 3.6, , 7.1.1, 7.1.4, , 7.3.1, , , 8.2.1, , nota 1 e nota 2 Atualização dos aspectos: 3.6, 4.2.4, 5.1.1, , , , , e , novo Fevereiro / 2014 Atualização dos aspectos: 4.2.4, , , , 7.6.1, Março/2015 Atualização dos aspectos: 3.6, 7.3.1, 8.2.1, 8.5.2, Notas: 1. Escopo 1. Generalidades ISO/TS e este documento são fundamentais para definir os requisitos do sistema de qualidade para fornecedores da Mercedes-Benz do Brasil. Estes requisitos devem ser incluídos em qualquer escopo de registro/certificação para ISO/TS16949 emitido por uma IATF reconhecida. Será reconhecida como satisfatória nos critérios de fornecedores MBBras para registro/certificação de terceira parte. É esperado que o fornecedor reconheça as exigências dos departamentos funcionais da MBBras (Desenvolvimento, Compras, Gestão da Qualidade, Logística e Produção) no pedido para cotação e comunicação, para familiarizar sua organização e fornecedores com estas exigências e verificar a implementação delas, inclusive a verificação do desempenho e eficácia. Todos os requisitos ISO/TS e os requisitos específicos da Mercedes-Benz do Brasil devem ser reconhecidos pela organização e documentados no sistema de qualidade do fornecedor. Os requisitos específicos do cliente Mercedes-Benz do Brasil aplicam-se exclusivamente a todos os fornecedores da Mercedes-Benz do Brasil. Caso algum fornecedor tenha como cliente outra fábrica do grupo Daimler, este também deverá atender aos Requisitos Específicos da mesma. 1 de 7

2 2. Referência normativa MBST - Mercedes Benz Special Terms edição vigente disponibilizado no site Condições de Compras MBBras edição vigente; DBL(s) ou MBB-F(s) normas de especificação e ensaios materiais; Caderno de Encargos; Nota: Cópias dos volumes VDA estão disponíveis no IQA Termos e definições Onde existir incompatibilidade de terminologia entre ISO/TS e este documento, este documento deve prevalecer. Caso contrário às definições da ISO/TS são aplicáveis. 3.1 Termos e definições para a indústria automotiva Peça ativa Uma peça ativa é a que está sendo fornecida atualmente para o cliente de equipamento original ou de aplicação de serviços. Ferramentais das peças ativas de propriedade MBBras, quando findar a vida útil ou não servirem mais para o fim a que se destinavam na ocasião em que foram dados em comodato, os ferramentais devem ser devolvidos para MBBras. Para peças com ferramental que não são de propriedade da MBBras ou situações onde peças múltiplas são feitas no mesmo ferramental, é necessário uma confirmação por escrito da MBBras para desativar a peça. 3.2 Peças de Reposição (Aftermarket) Peças de reposição são as que a MBBras disponibiliza às suas concessionárias e/ou postos de serviços, destinados à manutenção ou conserto de veículos e agregados produzidos pelas empresas do grupo Daimler. Peças de reposição podem ou não ser produzidas com as especificações de equipamento original. 3.3 Cliente Com a finalidade da ISO/TS a referência cliente neste documento deve ser interpretada como Mercedes-Benz do Brasil para fornecedores que procuram certificação de terceira parte para ISO/TS Mercedes-Benz do Brasil Mercedes-Benz do Brasil envolve todas as unidades que possuem plantas de produção no Brasil de veículos comerciais, de passeio, agregados e comercialização de peças de reposição. 3.5 Estudo de Processo Inicial Estudos de Processos Iniciais (Pp / Ppk) são estudos em curto prazo administrados para obter, mais cedo, informações sobre o desempenho de um processo novo ou revisado relativo às necessidades internas ou aos requisitos e especificações do cliente. Em muitos casos, deveriam ser administrados estudos de processo iniciais em vários pontos na avaliação de novos processos (por exemplo, no equipamento ou no ferramental na planta do subfornecedor, depois da instalação na planta do fornecedor). Este estudo deve ser baseado em dados de variáveis obtidos através do uso de cartas de controle. Veja Manual AIAG CEP (Controle Estatístico do Processo), VDA. 2 (Liberação do Produto e Processo) e MBST 13 (aspecto Comprovação da Capacidade do Processo). 2 de 7

3 3.6 Indicadores de Qualidade e Performance dos Fornecedores Unidade São Bernardo do Campo = EBSC (External Balanced ScoreCard) disponibilizado através do portal Covisint Unidade Campinas = EBSC (External Balanced ScoreCard) disponibilizado através do portal Covisint Unidade Juiz de Fora = EBSC (External Balanced ScoreCard) disponibilizado através do portal Covisint 3.7 Fornecedores Fornecedores são definidos como fabricantes de: Matéria prima, Peças ou serviços para produção e reposição Prestadores de serviços de tratamento térmico, tratamento superficial, pintura, embalagem de peças e outros serviços de acabamento, diretamente para a Mercedes-Benz do Brasil. 3.8 Subcontratados ou Subfornecedores Subcontratados ou subfornecedores é definido como o fornecedor de matéria-prima, peça, serviço para produção, serviço de tratamento térmico, superficial, pintura, embalagem de peças e outros serviços de acabamento para um fornecedor da Mercedes-Benz do Brasil. 4 Sistema de Gestão da Qualidade Especificações de engenharia Todas as alterações de especificações devem ser previamente comunicadas ao cliente, dando início a um novo processo de aprovação do produto e/ou processo, com aprovação do cliente, conforme os requisitos descritos na VDA 2, MBST 13 (aspecto: Razões para Submissão de Amostra EMPB e Notificação às áreas MBBras) e Pedido de Compras. Todas as alterações do produto e processo também devem ser registradas no currículo da peça Controle de registros Para a definição e controle de documentos e registros deve ser considerada a diretiva da norma VDA. 1 A rastreabilidade deverá ser mantida para os itens com características especiais DS/DZ e para os itens definidos pelo representante da área da qualidade de fornecedores da MBBras. A identificação do produto com característica especial DS/DZ deve garantir a rastreabilidade dos registros de controle relacionados à característica especial DS/DZ Retenção de registros Os documentos e registros da qualidade que estejam associados às características especiais DS/DZ devem ser arquivados por um período mínimo de 15 anos Documentação do processo de amostra considerar MBST 13 (aspecto 15: Tempo de Arquivo da Documentação do Processo EMPB/PPF de Itens com Características de Segurança (DS/DZ) Eficiência do processo Também devem ser considerados nas análises críticas da alta direção: os resultados das auditorias realizadas pela MBBras (auditoria de processo e/ou outra ferramenta similar adotada pela MBBras), os indicadores de performance divulgados pela MBBras e as auditorias internas de processo. 3 de 7

4 Responsabilidade para a Qualidade Responsabilidade e autoridade aos operadores para a qualidade do produto e do processo, deve ser considerado o requisito disposto no sub-elemento P6.3.1 da VDA 6.3-2ª edição Planejamento da Realização do Produto - Suplementar O fornecedor deve incluir como especificação técnica às normas DBL's (MBB-F s), Cadernos de Encargos e Caderno de Obrigações (quando aplicados), MBST, Pedido de Compras de Peças e Pedido de Ferramental, Requisitos de Submissão da Amostra, VDA(s) 1, 2, 4.3 e 6.3, e Manuais AIAG APQP, FMEA, CEP e MSA, nas edições vigentes em português Controle de Alterações Qualquer alteração no produto ou processo deve ser notificada a MBBras para obter a concordância da mesma, independente de ser um produto patenteado e/ou Black Box. Todas as alterações efetuadas no produto e no processo também precisam ser registradas no currículo da peça, registrar Q-Stand (nível de modificação da peça no processo) e o ZGS (nível de modificação de engenharia do item), dando início a um novo processo de aprovação do produto e/ou processo (EMPB), ver MBST 13 (aspecto: Razões para Submissão de EMPB e Notificação às áreas MBBras) Características especiais designadas pelo cliente Devem ser considerados no caderno de encargos (quando aplicado), desenhos de produto, pedido de compras e requisito da amostra. Considerar as definições e requisitos da VDA. 1, VDA 2, VDA 4.3 e manuais AIAG APQP e FMEA Simbologia do grupo Daimler DS (característica especial de segurança) e DZ (característica especial de legislação) Análise crítica de requisitos relacionados ao produto Devem ser considerados pelo fornecedor as definições e requisitos do caderno de encargos (quando aplicado), pedido de compras, desenhos e DBL s (MBB-F s) Planejamento do Projeto e Desenvolvimento do Processo Produtivo Devem ser considerados os prazos de desenvolvimento MBBras (fechamento dos Quality Gates do Projeto) e também os Requisitos de Submissão - VDA2, conforme formulário próprio MBBras Requisitos de Amostra. Para produto com risco A deve ser considerado a aplicação do PSV (Preventive Supplier Management) Entradas do projeto do produto Devem ser considerados pelo fornecedor as definições e requisitos do pedido de compras e do caderno de encargos (quando aplicado) Características especiais O fornecedor deve conhecer todas as resoluções legais e normativas de seu produto, também considerar o disposto no item deste documento. A simbologia do grupo Daimler DS e/ou DZ devem ser adotados nos desenhos do fornecedor que são enviados para homologação MBBras durante a fase de desenvolvimento do produto. Para tanto, as áreas parceiras de desenvolvimento de produtos MBBras devem ser contatadas para fornecer as informações cabíveis. Para identificação das características especiais nos documentos de controle de processo (desenhos internos, fluxograma, FMEA s, planos de controle, instrução operacionais, outros) podem ser aplicadas à simbologia do fornecedor, necessitando somente manter uma tabela de correlação com as características MBBras (DS e ou DZ). 4 de 7

5 No desenvolvimento e produção de peças com características especiais de segurança DS/DZ considerar as definições e requisitos dos MBST13 (aspectos 8 e 12.1: Produtos com Característica de Segurança DS/DZ e Capacidade do Processo para Itens com Característica de Segurança DS/DZ) e MBST14 (aspecto 4: Relevância dos Produtos com Características Especiais) Processo de Aprovação de Produto Devem ser considerados os requisitos de submissão da VDA 2, isto inclui o preenchimento e envio para MBBras do relatório da composição do material/substância alimentado no IMDS. Os fornecedores da MBBras devem aplicar os requisitos de submissão da VDA 2 ou do PAPP 4ª edição para os seus fornecedores Aquisição Deve ser assegurada a capacidade dos subfornecedores no atendimento aos prazos de desenvolvimento e entrega de lotes, capacidade produtiva e garantia da qualidade Desenvolvimento do Sistema de Gestão da Qualidade do fornecedor Os fornecedores da MBBras devem ser certificados ISO TS Para fornecedores exclusivos de peças de reposição e de produtos remanufaturado é também aceita a certificação ISO 9001 Para fornecedores da MBBras prestadores de serviços de tratamento térmico, tratamento superficial, pintura e outros serviços de acabamentos ligados a produção é também aceita a certificação ISO 9001 Para os subfornecedores é exigida a certificação ISO 9001 Obrigatoriedade de notificação à MBBras dos seguintes documentos : Os fornecedores devem enviar cópia do certificado ISO TS na certificação inicial e nas renovações das certificações, para o controle da MBBras. Fornecedores exclusivos de peças de reposição, de produtos remanufaturados e prestadores de serviço enviar certificação ISO 9001 A Carta de recomendação do OCC (Organismo Certificador Credenciado) é aceita pela MBBras, até a emissão do certificado, período máximo de validade da carta de recomendação 120 dias, após a data de emissão Carta do fornecedor informando que está no período de follow up do processo de certificação, constando a data que foi realizada a auditoria, o nome do Organismo Certificador e a data prevista para o encerramento do processo de certificação. Nota: Os documentos devem ser enviados para: Fornecedor comum para as plantas de S.B.C, Juiz de Fora e Campinas ou fornecedor exclusivo planta S.B.C, para: Fornecedor exclusivo planta Juiz de Fora Fornecedor exclusivo planta Campinas 5 de 7

6 Plano de Controle Para os produtos com característica especial (DS e/ou DZ) o plano de controle obrigatoriamente deverá ser submetido à MBBras. Comprovação da submissão é feita através da assinatura do especialista da qualidade de fornecedor MBBras no plano de controle que ficará em poder do fornecedor Ferramental de Produção de Propriedade do Cliente Direitos e deveres dos fornecedores em relação ao uso de ferramentais de propriedade MBBras para produção de série e reposição estão descritos no MBST 31 edição vigente Análise de sistemas de medição Deve ser considerado o manual AIAG do MSA edição vigente. Dispensa de equipamento para estudo MSA na fase de desenvolvimento da amostra, deve ser analisado caso a caso pelo especialista da MBBras, de acordo com a utilização do equipamento. Critérios de aceitação MBBras para estudo de R&R: SISTEMAS DE MEDIÇÃO NOVOS SISTEMAS DE MEDIÇÃO USADOS RR S 20% RR > 20% RR S 30% RR > 30% APROVADO REPROVADO APROVADO REPROVADO Laboratórios externos O fornecedor deve utilizar Laboratórios de Ensaio e Calibração cujo escopo necessário seja Acreditado pelo INMETRO (RBLE Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaio e RBC Rede Brasileira de Calibração). Nos casos onde o Laboratório a ser utilizado pelo fornecedor ainda não tem as Acreditações necessárias junto ao INMETRO, os serviços de Ensaio e Calibração contratados devem ser Reconhecidos por uma Rede Metrológica Estadual. Concessões MBBras até Janeiro de 2016: O fornecedor poderá utilizar os Laboratórios de Ensaio e Calibração com escopo Qualificado disponíveis no site do IQA (Instituto da Qualidade Automotiva), ou; Utilização pelo fornecedor de Laboratório que comprove (evidencie): 1. A Rastreabilidade dos padrões utilizados no Ensaio ou na Calibração; 2. A existência de métodos de Ensaio e Calibração validados e documentados; 3. A existência de mão de obra capacitada para a execução do serviço contratado. Nota: Tais comprovações devem ser mantidas em arquivos pelo fornecedor e disponibilizadas para consulta a qualquer tempo, tanto por solicitação da MBBras, como por solicitação de Organismos de Certificação Satisfação do Cliente O desempenho do fornecedor é monitorado em função do resultado dos nossos indicadores. Unidade São Bernardo do Campo = EBSC (External Balanced ScoreCard) Unidade Campinas = EBSC (External Balanced ScoreCard) Unidade Juiz de Fora = EBSC (External Balanced ScoreCard) 6 de 7

7 Auditoria do processo de manufatura O procedimento para realização da auditoria interna do processo de manufatura deve contemplar o Elemento do Processo P6 da VDA 6.3 2ª edição Medição e monitoramento dos processos de fabricação Devem ser considerados os requisitos especificados na VDA. 2 (Item 4.5.3) e MBST 13 (aspecto Comprovação da Capacidade do Processo) Inspeção de Layout e ensaios funcionais As inspeções de "Layout" devem ser executadas anualmente após a aprovação do produto, cabendo a MBBras qualquer alteração da freqüência. Análises dimensional, material e funcional (quando aplicável) devem ser executadas de forma simultânea, em todos os produtos fornecidos a MBBras Itens de Aparência Relatórios para itens de aparência são solicitados no requisito da amostra (requisitos de submissão VDA2) Ação Corretiva As ações corretivas geradas por uma reclamação da MBBras devem ser enviadas através do portal esep++ no prazo conforme descrito abaixo: Para os fornecedores nacionais: a. Ações de contenção: disponibilizar as peças que estão em conformidade em até 24 horas. b. Submeter, à MBBras, as ações de contenção realizadas, bem como as ações corretivas planejadas (descritas no formulário 8D), em 5 dias úteis. Para os fornecedores internacionais: a. Ações de contenção: notificar, a MMBras, em 5 dias úteis b. Ações corretivas implementadas e relatório 8D respondido: retornar à MMBras em até 30 dias Solução de problemas Aplicação da metodologia MASP, sendo o 8D, respondido em formulário próprio do fornecedor e anexado no portal de comunicação esep++ ou respondido dentro do formulário disponibilizado no próprio portal esep++ NOTAS: 1. Dúvidas pertinente aos requisitos específicos do cliente e solicitações de derrogas devem ser encaminhadas e verificadas com as seguintes pessoas: Unidade São Bernardo do Campo (Fornecedores Unidade São Bernardo do Campo) Edson Minoru Fukuda - Tel de 7

8 Unidade Campinas (Fornecedores de itens de reposição) Edson Henrique de Faria - Tel Unidade Juiz de Fora (Fornecedores exclusivo JDF) Danilo Gonçalves Tel Solicitação de derroga para Requisitos Específicos do cliente MBBras, não atendido. Somente poderá ser solicitada a derroga quando não há mais alternativa para o atendimento do Requisito Específico, devendo ser feita da seguinte forma: - A solicitação dever ser feita através de carta do fornecedor anexa ao , carta não pode estar protegida ou em formato pdf, resposta da solicitação será dada na própria carta e devolvida ao fornecedor; - Não deve ser solicitada mais de 1(uma) derroga por carta; - Na carta deve ser descrito na integra o Requisito Específico da MBBras e em seguida a solicitação de derroga; - A solicitação de derroga deve ser clara, citando o motivo da solicitação e o motivo do não atendimento do Requisito Específico MBBras e também o prazo para adequação; - Planos de ação, cronogramas de implantação, cartas explicativas e outras comprovações, devem ser anexadas no mesmo que está sendo enviada a carta de solicitação de derroga; - Derroga não deve ser solicitada durante o período da realização da auditoria de certificação, não concedemos derroga neste período que o OCC (Organismo Certificador) está executando a auditoria. A MBBras mantém arquivo on line das respostas das solicitações de derrogas, disponíveis para consulta dos auditores dos OCC s (Organismos Certificadores ). Somente deve ser considerada como válida as derrogas emitidas pelos representantes da MBBras (Unidades São Bernardo, Campinas e Juiz de Fora) citados acima (nota 1). Original em poder do emitente Edson Minoru Fukuda Mercedes Benz do Brasil Ltda TE/XML - OLL - Gerenciamento de Fornecedores - Métodos & Processos 8 de 7

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação Edição Data Observação 01 Maio/2004

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação Edição Data Observação 01 Maio/2004

Leia mais

ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2

ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2 ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2 Novembro 2014 Paulo Bento Gerenciamento da Qualidade de Fornecedores Eixo,Motor e Cambio 1 TE/OSV-P Daimler Trucks 2 Temas : Processo de gestão da qualidade de fornecedores.

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF.

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. Três Corações, 12 de janeiro de 2015. CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. 01/2015 Este documento pode ser utilizado

Leia mais

Manual da Qualidade Fornecedores 2007

Manual da Qualidade Fornecedores 2007 Manual da Qualidade Fornecedores 2007 www.metalurgicanunes.com.br 2 ÍNDICE 01 Introdução. 3 02 Filosofia da Qualidade 3 03 Políticas da Metalúrgica Nunes 4 04 Requisitos de Qualidade para fornecimento

Leia mais

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores Este Manual é de propriedade da Martiaço Indústria Ltda. Sem autorização não pode ser distribuído ou copiado. SUMÁRIO 1. A EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 4

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Betim, 30 de Março de 2015 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Esta carta atualiza e substitui, a partir de 15/04/2015, a CARTA DE REQUISITOS

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da Empresa ---------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES Requisitos e diretrizes para o sistema de gestão da qualidade e ambiental Página 1 de 9 1. REQUISITOS ESPECÍFICOS... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Geral... 3 1.3 Documentos

Leia mais

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO FAPARMAS Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO Sistema de Gestão da Qualidade ISO/TS 16949:22 2 / 5 Autor/Data José Ferraz 04/10/26 Aprovação/Data Sergio De Bortoli 04/10/26 s Descrições das

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL 1. Prefácio 1.1 Dados gerais O presente acordo de qualidade assegurada (QSV) define as exigências de qualidade para os fornecedores da REHAU. Assim, o acordo de qualidade assegurada REHAU QSV é a norma

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL Publicado:Fevereiro 2012 ESCLARECIMENTO REFERENTE À ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ISO/TS 16949:2009 APLICÁVEL A MHBR BRASIL LTDA 1-Generalidade Este anexo da Qualidade

Leia mais

CRE - Sistema de Controle de Requisitos Específicos. Requisitos Específicos Dos Processos. Data 27/5/2010 13:20:15 Página 1 de 20 Relatório frmrel002

CRE - Sistema de Controle de Requisitos Específicos. Requisitos Específicos Dos Processos. Data 27/5/2010 13:20:15 Página 1 de 20 Relatório frmrel002 s Específicos Dos Processos CRE - Sistema de Controle de s Específicos Página 1 de 20 ADM - ADMINISTRAÇÃO 4.2.4 CONTROLE DE REGISTROS DA 5 RESPONSABILIDADES DA DIRECAO 5.1 COMPROMETIMENTO DA DIRECAO PGI

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Betim, 25 de Março de 2011 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Atualiza e substitui, a partir de 11/04/2011, a CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da empresa ------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS Elaboração e Aprovação: Departamento de Gestão da Qualidade e

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum. MERCOSUL/XXXVI SGT Nº11/P. RES. N /11 PROCEDIMENTOS COMUNS PARA AS INSPEÇÕES NOS FABRICANTES DE PRODUTOS MÉDICOS E PRODUTOS PARA DIAGNÓSTICO DE USO IN VITRO NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DAS RES. GMC Nº

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Requisitos e diretrizes para o Sistema de Gestão da Qualidade e Meio Ambiente, conforme padrões definidos pelas normas NBR ISO 9001:2008, NBR ISO 14001:2004 e pela

Leia mais

Processo de Certificação PGMQ -TV RSQM-DO-028-04-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO

Processo de Certificação PGMQ -TV RSQM-DO-028-04-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO Processo de Certificação PGMQ -TV O que é OCC? Organismos de Certificação Credenciado (Acreditado) pela CGCRE Conduzem e concedem a certificação de conformidade, com base em normas nacionais, regionais,

Leia mais

POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS

POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS Página 1 de 9 POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO Nome Data Assinatura 29/01/2014 Revisado por: Fernanda G. Brandão 26/03/2014 28/03/2014

Leia mais

Requisitos Específicos para ISO TS 16949

Requisitos Específicos para ISO TS 16949 Requisitos Específicos para ISO TS 16949 Revisão 01 MWM INTERNATIONAL Motores 1 Requisitos Específicos da MWM INTERNATIONAL Motores Para uso em conjunto com a norma ISO/TS 16949 1. ESCOPO Este documento

Leia mais

Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor

Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda Manual Do Fornecedor Revisão 08 21/03/2014 1 Sumário 1. Apresentação... 5 2. Generalidades... 5 3. Processo de Aprovação de Peça de Produção (PAPP)... 5 3.1 - Definição...

Leia mais

Ministério da Justiça

Ministério da Justiça Ministério da Justiça Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 47, de 13 de março de 1992 O Presidente do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização

Leia mais

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP.

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. FMEA, ISO/TS, APQP, PPAP Pretendemos, neste módulo, mostrar todas as ligações e vínculos existentes entre a ferramenta do

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES 1/32 MANUAL DA QUALIDADE DE MAXION STRUCTURAL COMPONENTS Unidade de Cruzeiro-SP Rua Dr. Othon Barcellos, 83 - Centro CEP 12.730-900 Cruzeiro-SP Fone : (12) 3184-1000 Fax.: (12) 3144-0247 Este Manual foi

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR METALÚRGICA KNIF LTDA Junho/2013 1 REGISTRO DAS MODIFICAÇÕES REVISÃO DATA MOTIVO 00 02/04/09 Emissão do documento 01 05/08/09 Modificação dos itens 5.5 e 7.5 02 27/07/10

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS Manual de Requisitos Específicos Para Fornecedores Elaborado por: Carlos Nascimento Aprovado por: Océlio Paggiatto Sistema da Qualidade Carlos Nascimento Océlio 02 2 SUMÁRIO: 1.0 Termo de Recebimento e

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços:

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial- Inmetro Portaria n.º 031, de 24 de fevereiro de 2006. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS

POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS Página 1 de 9 POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO Nome Data Assinatura 27/01/2014 Revisado por: Rominik M. Fontenele 03/10/2014

Leia mais

SUPRIMENTOS - FORNECEDORES

SUPRIMENTOS - FORNECEDORES SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 2 2. ÂMBITO... 2 3. CONCEITOS... 2 4. NORMAS E LEGISLAÇÕES APLICÁVEIS... 3 5. INSTRUÇÕES GERAIS... 3 6. PROCEDIMENTOS... 4 7. NATUREZA DAS ALTERAÇÕES... 7 8. ANEXOS... 7 Elaboração:

Leia mais

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 MANUAL FORNECEDORES A Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda pretende com este Manual aprimorar a relação com seus fornecedores e padronizar informações entre as partes.

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 1/15 MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 2/15 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1 Missão da empresa... 5 1.2 Política da Qualidade e Ambiental...5 1.3 Glossário... 6 2. DISPOSIÇÕES GERAIS...

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO Grande parte das indústrias farmacêuticas, cosméticos e de veterinários, utilizam processos de terceirização, para otimizar suas produções, para casos

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo 1. Objetivo Este documento tem por objetivo comunicar os requisitos mínimos a todos os fornecedores de componentes, matérias

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL 1. Introdução O Falcão Bauer Ecolabel é um programa de rotulagem ambiental voluntário que visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação da conformidade do produto com

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Gestão da Qualidade TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Interpretação / Implantação da ISO 9001:2008 Compreender a filosofia

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas Requisitos Específicos Sampel Peças Automotivas REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 7 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão...

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece as condições necessárias para a concessão da Autorização para Uso do Selo de Identificação

Leia mais

REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO

REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO OBJETIVO Demonstrar a documentação básica necessária para atender aos requisitos de acreditação para ensaios. ISO 9001 X ISO 17025 Abordagem Abrangência

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER 1. Introdução A Certificação do Selo Ecológico Falcão Bauer possui caráter voluntário e visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação do diferencial ecológico apresentado

Leia mais

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma empresa no Selo Excelência ABCEM.

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES DA INDÚSTRIAS MANGOTEX LTDA.

REQUISITOS ESPECÍFICOS APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES DA INDÚSTRIAS MANGOTEX LTDA. Revisão: 01 Data: 09/10/14 Nº páginas: 1/17 REQUISITOS ESPECÍFICOS APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES DA INDÚSTRIAS MANGOTEX LTDA. Revisão: 01 Data: 09/10/14 Nº páginas: 2/17 ÍNDICE REQUISITOS PÁGINA Histórico

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes?

01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes? Questionário de auto-avaliação Nível 1 MÓDULO 1 - ADMINISTRAÇÃO 01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes? 02. A empresa tem definidos

Leia mais

Caderno de Encargos de Ferramental

Caderno de Encargos de Ferramental Caderno de Encargos de Ferramental TEV-MM-TLL 09.2009 Página 1 de 11 Índice 1. Objetivo 3 2. Procedimento 3 3. Escopo 3 4. Condições 4 5. Custos 4 6. Protótipo da ferramenta 4 7. Construção da ferramenta

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 18; Revisado em Março/ 2014 ÍNDICE 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado 3. Código de Conduta 4. Meio Ambiente 5.

Leia mais

Anexo 61 Manual de Fornecedores STIHL MANUAL DE FORNECEDORES

Anexo 61 Manual de Fornecedores STIHL MANUAL DE FORNECEDORES MANUAL DE FORNECEDORES LS 0082 Manual de Fornecedores 1 de 50 04.12.2013 Sumário INTRODUÇÃO... 5 DIRETRIZES DO FORNECEDOR... 6 CONTRATOS STIHL... 6 OBJETIVOS... 7 GESTÃO DA QUALIDADE... 8 1. SISTEMA DE

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Histórico de Revisões Rev. Modificações 01 30/04/2007 Primeira Emissão 02 15/06/2009 Alteração de numeração de PO 7.1 para. Alteração do título do documento de: Aquisição para: Aquisição / Qualificação

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 Aprova os Procedimentos Comuns para as Inspeções nos Fabricantes de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso in vitro nos Estados Partes, e dá

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98)

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98) Estabelece procedimentos para o credenciamento de laboratórios pelo Ministério do Trabalho

Leia mais

DIVISÃO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO ORIENTAÇÃO PARA FORNECEDORES DO COMAER SOBRE A ATIVIDADE DA GARANTIA GOVERNAMENTAL DA QUALIDADE

DIVISÃO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO ORIENTAÇÃO PARA FORNECEDORES DO COMAER SOBRE A ATIVIDADE DA GARANTIA GOVERNAMENTAL DA QUALIDADE DIVISÃO DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO ORIENTAÇÃO PARA FORNECEDORES DO COMAER SOBRE A ATIVIDADE DA GARANTIA GOVERNAMENTAL DA QUALIDADE Rev. Abril 2011 1 1 - Objetivo Orientar o fornecedor requerente

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Revisão03 Maio,2011 ThyssenKrupp ManualdeFornecedores ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo PREFÁCIO O acirramento da competição global pela liderança e conquista de novos

Leia mais

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial...

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial... SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...04 2. OBJETIVO...04 2.1 Fornecedores...04 2.2 Abrangência...05 3. REQUISITOS...05 3.1 Homologação...05 3.2 Documentos Obrigatórios...06 4. SUBMISSÃO DE PPAP...07 4.1 Fornecedor

Leia mais

5ª Edição Janeiro de 2008.

5ª Edição Janeiro de 2008. EMPRESAS RANDON MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES 5ª Edição Janeiro de 2008. Apresentação 4 1 - Introdução 5 1.1 Escopo 5 1.2 Objetivo Geral 5 2 - Aprovação de Fornecedores e Planejamento da Produção

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANUAL DA QUALIDADE DE DOALPLASTIC INDUSTRIA E COMÉRCIO LTDA. MATRIZ: AVENIDA DIRCEU DIAS CARNEIRO, 151 DISTRITO INDUSTRIAL II - CEP 13457-198 SANTA BÁRBARA D' OESTE - SP - BRASIL FILIAL: AVENIDA MAESTRO

Leia mais

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA Revisão 00-11 de outubro 2011 Fol. 1 de 11 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão... 3 6. Requisitos Gerais... 4 7. Requisitos Automotivos...

Leia mais

C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563.

C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563. MANUAL DA QUALIDADE PARA CORPORATIVO C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563.694/0001-92 - Inscrição Estadual:

Leia mais

ISO TS 16949:2002. Um ISO/PAS ou ISO/TS é revisto a cada três anos com o objetivo de decidir se pode ser transformado em uma Norma Internacional.

ISO TS 16949:2002. Um ISO/PAS ou ISO/TS é revisto a cada três anos com o objetivo de decidir se pode ser transformado em uma Norma Internacional. Prefácio A ISO(Organização Internacional para Normalização) é uma federação mundial de organizações de normalizações nacionais (entidades membros ISO). O trabalho de preparação de normas internacionais

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Manual de Instruções Para Revisão JULHO/2015 CONTROLE DE REVISÃO Código Capítulo Índice Pág. De M.DIR. 02-01 Instruções Preliminares 01 17 M.DIR. 02-02 Premissa 02 17 M.DIR. 02-03

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU TS01(EC)v09pt PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU 1 Conteúdo 1. ECOCERT: EXPERIÊNCIA EM SERVIÇOS PARA O SETOR DE ORGÂNICOS... 3 2. REGULAMENTOS DA

Leia mais

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ - (4.2.3 - Controle de Documentos) (820.40 Document Control) APROVAÇÃO MARCOS FERNANDES NUNES Gerente da QA/RA Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO GISELA CRISTINA LUÇOLLI NASS Assistente Administrativo APARECIDA

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA 1 Solicitação de Abertura do Processo de Homologação 1.1 Os fornecedores interessados em ter seus materiais

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO EM SISTEMAS EVOLUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL PBQP-H SUMÁRIO 5. ESCOPO E DEFINIÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS CRÍTICOS

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO EM SISTEMAS EVOLUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL PBQP-H SUMÁRIO 5. ESCOPO E DEFINIÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS CRÍTICOS Página: 1 de 15 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO 2. GERAL 3. SOLICITAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO 4. DOCUMENTAÇÃO DA QUALIDADE DA ORGANIZAÇÃO 5. ESCOPO E DEFINIÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS CRÍTICOS

Leia mais

Portaria Inmetro nº 480, de 30 de setembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA

Portaria Inmetro nº 480, de 30 de setembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria Inmetro nº 480, de 30 de setembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA OBJETO:

Leia mais

1º ENCONTRO NACIONAL DO PSQ ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO 2015

1º ENCONTRO NACIONAL DO PSQ ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO 2015 1º ENCONTRO NACIONAL DO PSQ ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO 2015 FABRICANTES, LOJISTAS, CONSTRUTORAS E CONSUMIDORES 1º ENCONTRO NACIONAL DO PSQ ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO 2015 PSQ Esquadrias de Alumínio 2015 Alberto

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção...

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção... Página 1 de 8 SUMÁRIO 1. Histórico de mudanças... 2 2. Escopo... 3 3. Manutenção... 3 4. Referências... 3 5. Definições... 3 6. Qualificação da equipe de auditores... 3 7. Condições gerais... 3 7.1 Selo

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

Atestado de Conformidade NR 12

Atestado de Conformidade NR 12 TÜV Rheinland do Brasil TÜV Rheinland é um organismo de certificação, inspeção, gerenciamento de projetos e treinamento, que foi fundada na Alemanha em 1872 com o objetivo de proteger os trabalhadores

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

Abordagem da Indústria Automotiva para Sistemas de Medição

Abordagem da Indústria Automotiva para Sistemas de Medição Abordagem da Indústria Automotiva para Sistemas de Medição Joselino Lacerda - Gerente de Qualidade Acumuladores Moura PRESENÇA Marca líder na América do Sul 6 plantas industriais Mais de 70 centros de

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais