ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2"

Transcrição

1 ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2 Novembro 2014 Paulo Bento Gerenciamento da Qualidade de Fornecedores Eixo,Motor e Cambio 1

2 TE/OSV-P Daimler Trucks 2 Temas : Processo de gestão da qualidade de fornecedores. Porque utilizar a VDA 2. Quando aplicar a VDA 2. Principais dificuldades em aplicar a VDA 2. Processo de submissão de amostras. Fluxo de atividades. Analise de risco. Requisitos de submissão. Liberação do processo de produção e do produto-ppf.

3 TE/OSV-P Daimler Trucks 3 Temas : Processo de gestão da qualidade de fornecedores. Porque utilizar a VDA 2. Quando aplicar a VDA 2. Principais dificuldades em aplicar a VDA 2. Processo de submissão de amostras. Fluxo de atividades. Analise de risco. Requisitos de submissão. Liberação do processo de produção e do produto-ppf.

4 Daimler Trucks Saídas do Processo Compras / Presidência. Anfavea. Ferramentas Avaliação de Capacidade - OEE/ LPA. Revalidação de amostras. Task Force. VDA 6.3. VDA 6.5. Eficácia de 8D. Revisão do acordo de metas. Ressarcimento. Embarque controlado. Diagnóstico de Indicadores fornecedores PPF - Avaliação do processo ( Liberação do processo de produção e do produto ). DPVQ (Custos Garantia). IQDM (Logis). E-SEP (Logis). Refugo. Processo de Gestão da Qualidade de Fornecedores A Ação Corretiva AÇÃO CORRETIVA CHECAR C Checar P Planejar PLANEJAR EXECUTAR D Executar Entradas do processo PAF ( Avaliação inicial ) / TS 16949/ L.O / L.A/ pedido de compras. Desenvolvimento Matriz para análise/classificação de risco. Características Especiais (DS/DZ). PSM (Gerenciamento preventivo)/ PSV (Preparação de série) - Risco A. VDA 6.3 ( P2-P4 ). VDA 2-Requisito de Amostras. APQP ( VDA 4.3 ). Produção VDA 6.3 (P5 P7). EMPB - Avaliação documentação. EMPB - Avaliação das amostras. (Dimensional/Material/Montabilidade) PSM / PSV ( Risco A ).

5 TE/OSV-P Daimler Trucks 5 Temas : Processo de gestão da qualidade de fornecedores; Porque utilizar a VDA 2. Quando aplicar a VDA 2. Principais dificuldades em aplicar a VDA 2. Processo de submissão de amostras. Fluxo de atividades. Analise de risco. Requisitos de submissão. Liberação do processo de produção e do produto-ppf.

6 TE/OSV-P Daimler Trucks 6 Porque utilizar a VDA 2? Conforme a ISO/TS : A organização deve planejar e desenvolver os processos necessários para a realização do produto. ( 7.1 ). A organização deve estar em conformidade com um procedimento de aprovação de produto e processo de manufatura reconhecido pelo cliente. ( ). A aprovação de produto deveria ser subsequente a verificação do processo de manufatura ( ). Conforme MBST, Requisitos específicos e Condições de compras: Em conformidade com ISO/TS 16949, MBST, Requisitos específicos e Condições de compras, o fornecedor deverá apresentar à MBBras um processo de aprovação de produto e validação do processo de produção, conforme os requisitos descritos na VDA 2 (versão vigente).

7 TE/OSV-P Daimler Trucks 7 Temas : Processo de gestão da qualidade de fornecedores. Porque utilizar a VDA 2. Quando aplicar a VDA 2. Principais dificuldades em aplicar a VDA 2. Processo de submissão de amostras. Fluxo de atividades. Analise de risco. Requisitos de submissão. Liberação do processo de produção e do produto-ppf.

8 TE/OSV-P Daimler Trucks 8 Quando aplicar a VDA 2? Quando do desenvolvimento de novo produto; Quando houver alteração de produto; Quando houver alteração do processo de produção; Quando houver mudança do local de produção; Quando houver transferência e/ou reforma de ferramental; Quando ferramental / fornecimento estiver inativo por mais de um ano; Na correção de discrepância; Na mudança do subfornecedor e/ou em outras situações em que a MBBras achar necessário a reapresentação do processo de homologação da amostra EMPB/PPF. Atenção : Fornecedor deve observar a matrix de gatilho.

9 TE/OSV-P Daimler Trucks 9 Temas : Processo de gestão da qualidade de fornecedores. Porque utilizar a VDA 2. Quando aplicar a VDA 2. Principais dificuldades em aplicar a VDA 2. Processo de submissão de amostras. Fluxo de atividades. Analise de risco. Requisitos de submissão. Liberação do processo de produção e do produto-ppf.

10 N:\TL - Documentação LM\5-Treinamentos\2-Qualidade\Treinamento EMPB_VDA2_ Daimler Trucks 10 Principais dificuldades em aplicar a VDA 2? Falta de planejamento para desenvolvimento do produto e processo; Falta conhecimento dos requisitos da amostra conforme VDA2; Processo de desenvolvimento com foco na amostra ( falta foco no processo ); Falta finalização do processo PPF ( Liberação do processo de produção e do produto ) por não conhecer a VDA 2; Falta de treinamento relacionado a norma; Tier 2, 3... não tem conhecimento da VDA 2; Quebra de paradigma ( PAPP não é VDA 2 ); ATENÇÃO : Para o sucesso de um desenvolvimento de produto/processo é fundamental a comprovação de capabilidade do processo de produção ( qualitativa e quantitativa ) sob condições de produção seriada.

11 TE/OSV-P Daimler Trucks 11 Temas : Processo de gestão da qualidade de fornecedores. Porque utilizar a VDA 2. Quando aplicar a VDA 2. Principais dificuldades em aplicar a VDA 2. Processo de submissão de amostras. Fluxo de atividades. Analise de risco. Requisitos de submissão. Liberação do processo de produção e do produto-ppf.

12 TE/OSV-P Daimler Trucks 12 Processo de submissão de amostras : O processo de apresentação de amostras divide-se em três fases : Fase Zero : Planejamento do desenvolvimento do produto e processo. Fase nobre do processo de desenvolvimento sendo que o APQP é um método estruturado para definir e estabelecer as etapas necessárias para garantir que um produto satisfaça o cliente. ( VDA 4.3 ). Fase Um : (EMPB Relatório de Exame de Primeira Amostra); o fornecedor providenciará as amostras iniciais em meios definitivos de produção, quantidade de peças e documentação necessária, conforme prazo solicitado e estabelecido nos Requisitos da Amostra. Fase dois : ( PPF - liberação do processo de produção e do produto); ocorre após a provação do EMPB iniciando-se a fase de aprovação do processo após três meses de produção e/ ou produção de 125 peças.

13 TE/OSV-P Daimler Trucks 13 Temas : Processo de gestão da qualidade de fornecedores. Porque utilizar a VDA 2. Quando aplicar a VDA 2. Principais dificuldades em aplicar a VDA 2. Processo de submissão de amostras. Fluxo de atividades. Analise de risco. Requisitos de submissão. Liberação do processo de produção e do produto-ppf.

14 N:\TL - Documentação LM\1-Processos LM Daimler Trucks APROVAÇÃO DO PRODUTO E PROCESSO EMPB/PPF - BASE VDA 2 Input Pedido de Compras Analise de Risco Abertura do processo de amostra no sistema amostra-pedi Requisitos de submissão da amostra Acompanhamento Desenvolvimento da Amostra no fornecedor Verificação do processo de amostra feita pelo GF/GFQ no fornecedor Analise da amostra na MBBras Emissão e envio do relatório EMPB - Dados mestre do item - Rastreabilidade através do ZGS e Q-Stand - Quantidade de peças necessária para cada área MBBras Informa: - classificação do risco - nível de submissão - quantidade de peças - característica DS/DZ - requisitos submissão do processo -prazo da amostra - Requisito da amostra RA inserido no portal esep++ pelo LM - Peças risco A aplicação PSV pelo LM - Peças risco A1 aplicação check list característica de segurança DS/DZ - Cronogramas APQP e VDA Acompanhamento in loco das fase de desenvolvimento produto e processo - Peças de risco A, A1 e B1 -Check dos requisitos de submissão e peças de amostra - Requisitos de submissão inserido no portal esep++ pelo fornecedor - Dimensional e material TLP - Montabilidade TEP/BDE - Teste Funcional (desempenho) TP/BD - EMPB aprovado libera o fornecimento de série - Relatório EMPB inserido no portal esep++ pelo TLP

15 N:\TL - Documentação LM\1-Processos LM Daimler Trucks EMPB APROVAÇÃO DO PRODUTO E PROCESSO EMPB/PPF - BASE VDA 2 Acompanhamento da performance de fornecimento Aprovação do PPF - Acompanhamento dos lotes fornecidos até 3 meses após SOP - Indicadores de performance de qualidade (IQDM) logística (logis/esep) - Atendimento na integra do check list aprovação do PPF - PPF (liberação do produto e processo) concluído - Liberação total do processo de amostra feito no sistema Amostra-Pedi

16 TE/OSV-P Daimler Trucks 16 Temas : Processo de gestão da qualidade de fornecedores. Porque utilizar a VDA 2. Quando aplicar a VDA 2. Principais dificuldades em aplicar a VDA 2. Processo de submissão de amostras. Fluxo de atividades. Analise de risco. Requisitos de submissão. Liberação do processo de produção e do produto-ppf.

17 TE/OSV-P Daimler Trucks 17 Avaliação de Risco Avaliação de risco durante a fase de desenvolvimento 1.1 Complexidade do Risco/Inovação da peça 0,1,2 1.2 Falhas críticas no passado 1.3 Efeitos de mudanças 2.1 Fornecedor Crítico 2.2 Escopo da Entrega para fornecimento 2.3 Gerenciamento de Projeto no fornecedor 3.1 Risco da Tecnologia da Produção /Processo de Produção 3.2 Risco na Produção de Máquinas /Equipamento 3.3 Infraestrutura de Risco/Logística 4.1 Lead time dos equipamentos da produção / ferramentas 4.2 Lead time do material 4.3 Criticidade do Prazo ou nível de maturidade Processo para avaliação da habilidade/competência do fornecedor para desenvolver um determinado produto, reunindo a demanda de requisitos da qualidade e logística para produção de série.

18 ANÁLISE DE RISCO PARA O FORNECEDOR DO DESENVOLVIMENTO Item: Denominação: Familia: Fornecedor: GF/GFQ: No. Critério Descrição Avaliação auxiliar Pontuação Nota 1.1 Complexidade do Risco Sistema complexo, módulo ou peças/componentes complexos - Elevada quantidade de funções; Muitas interfaces e dependências para outras partes / componentes; - Expectativa de alta de mudanças durante a fase de desenvolvimento; - Funções/características relacionadas com segurança 2 Peças/componentes simples - Baixa quantidade de funções; - Interfaces com outro peças / componentes claramente definidos 1 Peças Normalizadas Inovação do Risco Alto nível de inovação Novo conceito, nova funcionalidade, novos materiais, novas tecnologias de procução 2 Avanço; Variação - Aumento da funcionalidade; - Atualização de software; - Variação e/ou melhoria da versão existente 1 Estado técnico Design/função existente em produtos adquiridos na série Falhas críticas no passado Elevada taxa de falhas no passado - Grande quantidade de problemas de qualidade no passado; Falha significa alto custo de garantia (> / ano); - Falha é imediatamente percebida pelo cliente e requer visita imediata e não planejada à concessionária 2 Baixa taxa de falhas no passado Várias falhas e problemas de qualidade no passado, falhas de restrição na comodidade, podendo ser reparado nas visitas programadas nas concessionária 1 Não há questões críticas no passado Desconhecimento de problemas críticos / falhas no passado Efeitos das mudanças Alta expectativa das mudanças impactarem no prazo Experiencias de projetos do passado tem mostrado que mudanças tem um grande impacto na sequencia dos processos/atividades e nos prazos programado 2 Mudanças sem impacto critico Gestão de mudanças é suficiente para gerenciar as alterações durante a fase de desenvolvimento 1 Baixa expectativa das mudanças São esperadas pequenas alterações, sem impactos na sequencia das atividades atividades Competência e capacidade do fornecedor no desenvolvimento Baixa competência e capacidade no desenvolvimento Risco Médio - Fornecedor tem pouco ou nenhuma experiência no desenvolvimento deste tipo de peça/componente; - Grande quantidade de desenvolvimento nos sub fornecedores Fornecedor tem experiência no desenvolvimento deste tipo de peça/componente, mas para outras montadoras (OEMs); 2 1 Alta competência e capacidade no desenvolvimento Fornecedor estabelecido para Mercedes Benz no desenvolvimento deste tipo de peça e componente TE/OSV-P Daimler Trucks 18 0

19 TE/OSV-P Daimler Trucks Gerenciamento de projetos no fornecedor Crítico - Nenhuma experiência ou déficit de cooperação com a Mercedes Benz; - Não é clara a organização para projetos de cliente e nenhuma atribuição de contatos nos projetos anteriores 2 Padrão Desenvolvimento do fornecedor é conhecido mas para outras peças/componente (novas pessoas de contato) 1 Risco baixo - Experiência muito boa de desenvolvimento com o fornecedor no passado; - Não há dificuldades esperadas na cooperação com o fornecedor no futuro Riscos da produção Risco alto - Ferramental long lead (>12 months); Local de produção / requisitos de máquinas não conhecidos; - Ferramentaria (fabricante da ferramenta) não conhecida; - Nova tecnologia de produção; Performace da qualidade (ppm 0 km) no passado não é satisfatória 2 Risco médio - Ferramental long lead (6-12 months) ; - Mudanças no ferramental tem impacto no prazo e custo; - Já existe maquinário tem que ser ajustado ou reformado parcialmente 1 Risco baixo Tecnologia de produção padrão, nenhuma alteração comparando ao processo atual, o conceito para máquinas e ferramentas é conhecido e/ou não deve ser adaptado/ajustado Prazo ou nível de maturidade crítico Risco alto - Prazo crítico para o projeto; - Começo tardio do desenvolvimento junto ao fornecedor; - Esperadas mudanças nas especificações; - Exigências de testes longos; - Plano de medidas não são suficientes para realização dos marcos do projeto (necessário atenção no gerenciamento) 2 Risco médio Prazos e impacto nos processos devem ser claramente definidos no início do projeto e medidas tem de ser determinadas 1 Risco baixo Não são esperados problemas e falhas no planejamento e na realização dos prazos e nível de maturidade do produto 0 Avaliação A: Pontos B: Pontos C: 0-02 Pontos Resultado:

20 TE/OSV-P Daimler Trucks 20 Temas : Processo de gestão da qualidade de fornecedores. Porque utilizar a VDA 2. Quando aplicar a VDA 2. Principais dificuldades em aplicar a VDA 2. Processo de submissão de amostras. Fluxo de atividades. Analise de risco. Requisitos de submissão. Liberação do processo de produção e do produto-ppf.

21 Daimler Trucks 21 Requisitos da Amostra e Níveis de Submissão VDA 2 Requisitos de Submissão - VDA 2 01: Teste Dimensional 02: Teste Funcional 03: Teste Material 04: Teste de Tato 05: Teste Acústico 06: Teste Olfato 07: Teste de Aparência 08: Teste de Tratamento Superficial 09: Teste de Compatibilidade Eletromagnética (EMC) 10: Testes de Confiabilidade 11: FMEA de Projeto 12: Liberação do Projeto 13: FMEA de Processo 14: Diagrama de Fluxo de Processo 15: Plano de Controle da Produção 16: Comprovação de Capabilidade do Processo 17: Lista dos Meios de Medição e Equipamentos de teste 18: Estudo e Análise do Sistema de Medição 19: Check List Característica de Segurança (DS/DZ) 20: Folha de Dados Materiais / IMDS 21: Meios de Transporte / Embalagens 22: Certificados 23: Aprovação do Processo (PPF) 24: Outro 25: Currículo da Peça 26: Lista de Componentes e Sub-Fornecedores 27: Montabilidade (no Cliente) Nível de Submissão X X X X X X X* X* X* X* X* X* X* X* X* X* X* X* X* X* X* X* X* X* X X X X X X X X X X Requisito para o respectivo nível de submissão; submetido a MBBras X* Requisito para o respectivo nível de submissão; para analise do GF/GFQ, os documentos permanecem no fornecedor V Requisito a ser acordado com o cliente em casos individuais NA Requisito não aplicado Requisitos VDA 2 1. A apresentação dos documentos e amostras somente pode ocorrer quando todas as especificações tiverem sido atendidas. No caso de divergência, o fornecedor deverá obter uma autorização por escrito para apresentação do processo (PPF) e anexá-la ao processo; 2. Independente do nível de submissão, o fornecedor deve comprovar o atendimento a todos os requisitos (aplicáveis) da tabela; Níveis de submissão conforme norma VDA 2 Nível de submissão 1: fornecedor conhecido, sem problemas nas amostras e fornecimento da série; produtos de fácil fabricação, modificação simples; família de produtos, um nº de lote é avaliado conf. nível 2 ou 3, os demais nº dos lotes conf. Nível 1 Nível de submissão 2: fornecedor novo; problemas de qualidade em fornecedores conhecidos; problemas com produtos fabricados em processo semelhante; novo processo de produção (produtos novos); Nível de submissão 3: novos processos de produção; produtos complexos, de difícil fabricação, processos de produção difícil de dominar; itens com características DS/DZ;

22 O CLIENTE EM CASOS INDIVIDUAIS Daimler Trucks 22 Capa Dimensional Material Funcional Montabilidade +Certificados de Qualidade + Certificados V = REQUISITO A SER ACORDADO COM V Lista de componentes e fornecedores Curr í culo da pe ç a V Check List caracteristica DS/DZ Ficha técnica do ferramental

23 TE/OSV-P Daimler Trucks 23 Temas : Processo de gestão da qualidade de fornecedores. Porque utilizar a VDA 2. Quando aplicar a VDA 2. Principais dificuldades em aplicar a VDA 2. Processo de submissão de amostras. Fluxo de atividades. Analise de risco. Requisitos de submissão. Liberação do processo de produção e do produto-ppf.

24 Processo deve ser avaliado observando no mínimo uma hora de produção ( Ideal um turno de produção ) executando reavaliação de toda a documentação técnica, indicadores e capacidade produtiva. Daimler Trucks

25 N:\TL - Documentação LM\5-Treinamentos\2-Qualidade\Treinamento EMPB_VDA2_ Daimler Trucks 25 OBRIGADO

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

Manual da Qualidade Fornecedores 2007

Manual da Qualidade Fornecedores 2007 Manual da Qualidade Fornecedores 2007 www.metalurgicanunes.com.br 2 ÍNDICE 01 Introdução. 3 02 Filosofia da Qualidade 3 03 Políticas da Metalúrgica Nunes 4 04 Requisitos de Qualidade para fornecimento

Leia mais

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL 1. Prefácio 1.1 Dados gerais O presente acordo de qualidade assegurada (QSV) define as exigências de qualidade para os fornecedores da REHAU. Assim, o acordo de qualidade assegurada REHAU QSV é a norma

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da Empresa ---------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da empresa ------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas Requisitos Específicos Sampel Peças Automotivas REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 7 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão...

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP.

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. FMEA, ISO/TS, APQP, PPAP Pretendemos, neste módulo, mostrar todas as ligações e vínculos existentes entre a ferramenta do

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão... 3 6. Requisitos Gerais... 4 7. Requisitos Automotivos...

Leia mais

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores Este Manual é de propriedade da Martiaço Indústria Ltda. Sem autorização não pode ser distribuído ou copiado. SUMÁRIO 1. A EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 4

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR METALÚRGICA KNIF LTDA Junho/2013 1 REGISTRO DAS MODIFICAÇÕES REVISÃO DATA MOTIVO 00 02/04/09 Emissão do documento 01 05/08/09 Modificação dos itens 5.5 e 7.5 02 27/07/10

Leia mais

Aplicação de Sistema Eletrônico para Planejamento das Etapas de Desenvolvimento de Produtos na Suspensys

Aplicação de Sistema Eletrônico para Planejamento das Etapas de Desenvolvimento de Produtos na Suspensys Aplicação de Sistema Eletrônico para Planejamento das Etapas de Desenvolvimento de Produtos na Suspensys Autor: Esequiel Berra de Mello, Suspensys, Grupo Randon Apresentador: Tomas L. Rech Ebis Soluções

Leia mais

Anexo 61 Manual de Fornecedores STIHL MANUAL DE FORNECEDORES

Anexo 61 Manual de Fornecedores STIHL MANUAL DE FORNECEDORES MANUAL DE FORNECEDORES LS 0082 Manual de Fornecedores 1 de 50 04.12.2013 Sumário INTRODUÇÃO... 5 DIRETRIZES DO FORNECEDOR... 6 CONTRATOS STIHL... 6 OBJETIVOS... 7 GESTÃO DA QUALIDADE... 8 1. SISTEMA DE

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES 1/32 MANUAL DA QUALIDADE DE MAXION STRUCTURAL COMPONENTS Unidade de Cruzeiro-SP Rua Dr. Othon Barcellos, 83 - Centro CEP 12.730-900 Cruzeiro-SP Fone : (12) 3184-1000 Fax.: (12) 3144-0247 Este Manual foi

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL Publicado:Fevereiro 2012 ESCLARECIMENTO REFERENTE À ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ISO/TS 16949:2009 APLICÁVEL A MHBR BRASIL LTDA 1-Generalidade Este anexo da Qualidade

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor

Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda Manual Do Fornecedor Revisão 08 21/03/2014 1 Sumário 1. Apresentação... 5 2. Generalidades... 5 3. Processo de Aprovação de Peça de Produção (PAPP)... 5 3.1 - Definição...

Leia mais

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 Está em andamento o processo de revisão da Norma ISO 9001: 2015, que ao ser concluído resultará na mudança mais significativa já efetuada. A chamada família ISO 9000

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Betim, 25 de Março de 2011 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Atualiza e substitui, a partir de 11/04/2011, a CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Betim, 30 de Março de 2015 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Esta carta atualiza e substitui, a partir de 15/04/2015, a CARTA DE REQUISITOS

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE QUALITY MANAGEMENT PLAN Preparado por Mara Lúcia Menezes Membro do Time Versão 3 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto 15/11/2010

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo 1. Objetivo Este documento tem por objetivo comunicar os requisitos mínimos a todos os fornecedores de componentes, matérias

Leia mais

01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes?

01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes? Questionário de auto-avaliação Nível 1 MÓDULO 1 - ADMINISTRAÇÃO 01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes? 02. A empresa tem definidos

Leia mais

CRE - Sistema de Controle de Requisitos Específicos. Requisitos Específicos Dos Processos. Data 27/5/2010 13:20:15 Página 1 de 20 Relatório frmrel002

CRE - Sistema de Controle de Requisitos Específicos. Requisitos Específicos Dos Processos. Data 27/5/2010 13:20:15 Página 1 de 20 Relatório frmrel002 s Específicos Dos Processos CRE - Sistema de Controle de s Específicos Página 1 de 20 ADM - ADMINISTRAÇÃO 4.2.4 CONTROLE DE REGISTROS DA 5 RESPONSABILIDADES DA DIRECAO 5.1 COMPROMETIMENTO DA DIRECAO PGI

Leia mais

Gerenciamento Integrado de Ferramentas de Corte

Gerenciamento Integrado de Ferramentas de Corte Gerenciamento Integrado de Ferramentas de Corte DESAFIOS DA INDÚSTRIA Eng. Jardel Lemos do Prado jardel.prado@adeptmec.com Eng. Rafael B. Mundim mundim@ita.br SUMÁRIO Histórico 1900-2000 Definição do Gerenciamento

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3.

CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3. CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3. PROBLEMA: É UM OBSTÁCULO QUE ESTÁ ENTRE O LOCAL ONDE SE ESTÁ E O LOCAL EM QUE SE GOSTARIA DE ESTAR. ALÉM DISSO, UM PROBLEMA

Leia mais

Estrutura da ISO DIS 9001/2015 ISO/TC 176/SC 2 Document N1224, July 2014

Estrutura da ISO DIS 9001/2015 ISO/TC 176/SC 2 Document N1224, July 2014 Prefácio Introdução 0.1 Generalidades 0.2 As normas ISO para gestão da qualidade 0.3 Abordagem de processo 0.4 Ciclo PDCA 0.5 Pensamento baseado em risco Estrutura da ISO DIS 9001/2015 0.6 Compatibilidade

Leia mais

M A N U A L D A Q U A L I D A D E

M A N U A L D A Q U A L I D A D E M A N U A L D A Q U A L I D A D E 14ª Versão Última atualização: MANUAL DA QUALIDADE - Rev. Data Elaborado por Descrição da alteração 01 10/06/2012 Hélio Lipiani Versão Inicial 02 20/07/2010 Hélio Lipiani

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação Edição Data Observação 01 Maio/2004

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF.

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. Três Corações, 12 de janeiro de 2015. CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. 01/2015 Este documento pode ser utilizado

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Requisito Específico Item Subitem Norma/Requisito Requisito Ação

Requisito Específico Item Subitem Norma/Requisito Requisito Ação Página 1 de 91 AGRALE - AGRALE MANUAL DO FORNECEDOR AGRALE 004 4.11 ISO/TS 16949-8.3.4 4.11 - APROVAçãO DOS DESVIOS DE ENGENHARIA CASO OCORRAM DESVIOS EM RELAçãO AO ESPECIFICADO NA DOCUMENTAçãO TéCNICA,

Leia mais

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Manual de Instruções Para Fornecedores Revisão Maio/2010 Código Capítulo CONTROLE DE REVISÃO Índice Pág. De M.DIR. 02-01 Instruções Preliminares 01 50 M.DIR. 02-02 Premissa 02

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação Edição Data Observação 01 Maio/2004

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS Manual de Requisitos Específicos Para Fornecedores Elaborado por: Carlos Nascimento Aprovado por: Océlio Paggiatto Sistema da Qualidade Carlos Nascimento Océlio 02 2 SUMÁRIO: 1.0 Termo de Recebimento e

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

Shadow 3 www.dynatech.net.br

Shadow 3 www.dynatech.net.br Resumo das funcionalidades dos módulos de Gestão Comercial Acompanhamento dos Pedidos por Cliente, por Produto, por Número do Pedido do Cliente Acompanhamento do Pedido por Data de Entrega, por Emissão

Leia mais

Prof. Dr. Carlos Eduardo Sanches da Silva Prof. Dr. Carlos Henrique Pereira Mello EPR 707 EPR 707 ENGENHARIA DO PRODUTO

Prof. Dr. Carlos Eduardo Sanches da Silva Prof. Dr. Carlos Henrique Pereira Mello EPR 707 EPR 707 ENGENHARIA DO PRODUTO EPR 707 Prof. Dr. Carlos Eduardo Sanches da Silva Prof. Dr. Carlos Henrique Pereira Mello EPR 707 ENGENHARIA DO PRODUTO O que é o PDP PDP é o processo de negócio que: Busca as especificações de projeto

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES Requisitos e diretrizes para o sistema de gestão da qualidade e ambiental Página 1 de 9 1. REQUISITOS ESPECÍFICOS... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Geral... 3 1.3 Documentos

Leia mais

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES MANUAL DE FORNECEDORES Versão: b Manual de Fornecedores 1 de 56 PREFÁCIO Este Manual de Fornecedores está dividido em oito blocos, conforme destacado a seguir: Gestão da Qualidade Desenvolvimento Auditorias

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Processos de Gerenciamento de Projetos Para que um projeto seja bem-sucedido,

Leia mais

Elementos de um Processo

Elementos de um Processo Auditor Interno ISO/TS 16949:2002 Arquivo com alguns slides do curso, já incluindo nova abordagem solicitada pelo IATF aos auditores durante os exames de requalificação em 2006. (Abordagem do IATF) 1 Elementos

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software. As

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

Anexo 2 Apêndice 3 PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIO

Anexo 2 Apêndice 3 PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIO ANEXO DO CONTRATO Anexo 2 Apêndice 3 PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIO Outubro - 2012 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PROCEDIMENTO PARA GESTÃO DO PARQUE TECNOLÓGICO... 3 3. ORIENTAÇÕES

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

- Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 -

- Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 - Seu parceiro na certificação - Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 - DQS do Brasil 2002/06/12 Razões para a revisão (1) Razões formais: Protocolo da ISO (análise critica a cada 5 anos) ISO TC 176:

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta.

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações METODOLOGIA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES ORIGEM Departamento de

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R

M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R Sem controle após a impressão SUMÁRIO 1. Objetivo Webdesk\Manual da Qualidade\Subsistema I Logística Pág. - 1 - de 23 2. Responsabilidade do Fornecedor

Leia mais

UNESP - 2013. Pós -graduação Lato Sensu. Carlos Henrique Lencioni

UNESP - 2013. Pós -graduação Lato Sensu. Carlos Henrique Lencioni Normas de Sistemas de Gestão da Qualidade Especialização em Gestão da Produção Pós -graduação Lato Sensu Carlos Henrique Lencioni 1 chlencioni@gmail.com.br Engenheiro Elétrico pela Escola Federal de Engenharia

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR MANUAL DO FORNECEDOR Página: 1/21 MANUAL DO FORNECEDOR 1 ÍNDICE 1 ÍNDICE... 2 2 INTRODUÇÃO... 3 3 PRÉ-REQUISITOS PARA FORNECIMENTO... 4 4 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS FORNECEDORES... 6 5 AMOSTRAS INICIAIS...

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

Soluções ERP e de Gestão de Produção para a Indústria Sistema de Gestão de Produção Integrado, Versão para Ferramentarias

Soluções ERP e de Gestão de Produção para a Indústria Sistema de Gestão de Produção Integrado, Versão para Ferramentarias Sistema de Gestão de Produção Integrado, Versão para Ferramentarias Principais Necessidades do Setor Controlar os prazos de entrega de forma dinâmica e eficiente Controlar a compra de matéria prima e componentes

Leia mais

MBA em Administração e Qualidade

MBA em Administração e Qualidade MBA em Administração e Qualidade Sistemas ISO 9000 e Auditorias da Qualidade Aula 5 Prof. Wanderson Stael Paris Olá! Confira no vídeo a seguir alguns temas que serão abordados nesta aula. Bons estudos!

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

RANKING DE INTERCÂMBIO

RANKING DE INTERCÂMBIO RANKING DE INTERCÂMBIO Ranking de Intercâmbio A Unimed do Brasil na busca pela qualificação dos processos operacionais do Sistema Unimed, vem trabalhando na modernização do Ranking de Intercâmbio, de forma

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Gestão da qualidade Conceito e histórico da qualidade Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Como é vista a qualidade Redução de custos Aumento de produtividade Conceito básico de qualidade Satisfação

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 21; Revisado em Dezembro/ 2015 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

Jonas de Souza H2W SYSTEMS

Jonas de Souza H2W SYSTEMS Jonas de Souza H2W SYSTEMS 1 Tecnólogo em Informática Fatec Jundiaí MBA em Gerenciamento de Projetos FGV Project Management Professional PMI Mestrando em Tecnologia UNICAMP Metodologia de apoio à aquisição

Leia mais

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade A Gestão da Qualidade Total, do inglês Total Quality Management - TQM é uma estratégia de administração completa que tem como objetivo

Leia mais

GESTÃO DE PROCESSOS GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 1

GESTÃO DE PROCESSOS GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 1 GESTÃO DE PROCESSOS GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 1 COMPETITIVIDADE Rentabilidade Fluxo de caixa Crescimento de mercado GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 2 FOCO EM RESULTADOS Gestão dos processos associados

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Manual de Instruções Para Revisão JULHO/2015 CONTROLE DE REVISÃO Código Capítulo Índice Pág. De M.DIR. 02-01 Instruções Preliminares 01 17 M.DIR. 02-02 Premissa 02 17 M.DIR. 02-03

Leia mais

C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563.

C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563. MANUAL DA QUALIDADE PARA CORPORATIVO C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563.694/0001-92 - Inscrição Estadual:

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

SEQUÊNCIA: TIPOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. PROF. MARTIUS V R Y RODRIGUEZ, DSc TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

SEQUÊNCIA: TIPOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. PROF. MARTIUS V R Y RODRIGUEZ, DSc TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO TIPOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 Prof. Martius Vicente Rodriguez y Rodriguez, DSc - 1 TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1. TIPOS DE 2. ARQUITETURAS DE SISTEMAS - CRM 3. KNOWLEDGE DISCOVERY IN DATABASE 4. SISTEMAS

Leia mais

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO FAPARMAS Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO Sistema de Gestão da Qualidade ISO/TS 16949:22 2 / 5 Autor/Data José Ferraz 04/10/26 Aprovação/Data Sergio De Bortoli 04/10/26 s Descrições das

Leia mais

Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto)

Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto) Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS CICLO DE VIDA DE PROJETOS (viabilidade até a entrega / iniciação ao encerramento) RELEVÂNCIA SOBRE AS AREAS DE CONHECIMENTO FATORES IMPACTANTES EM PROJETOS

Leia mais

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Este é um documento controlado somente quando no formato de arquivo eletrônico e utilizado como fonte a cópia na web site www.dhb.com.br para o status do nível

Leia mais