Indicadores de Desempenho do SGQ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Indicadores de Desempenho do SGQ"

Transcrição

1 Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos: objetivos, metas e indicadores dos processos. Indicadores de Eficácia X Eficiência Objetivos, metas e indicadores: definidos pela organização e pelas partes interessadas. Como trabalhar cada indicador. 1

2 Indicadores de Desempenho do SGQ cont. A importância de critérios corretos na seleção de indicadores. Aumentar a motivação dos colaboradores na obtenção de objetivos claramente definidos. Medição da implementação e eficácia de melhorias. Critério mais eficaz em tomadas de decisões estratégicas e correção de eventuais desvios. As partes interessadas: Clientes externos relacionados aos produtos intencionais dos processos: clientes intermediários e finais (usuários). Necessidades: atendimento aos requisitos acordados no fornecimento (produto ou serviço). 2

3 As partes interessadas: Clientes internos relacionados aos produtos intencionais dos processos: os processos clientes da organização. Necessidades: atendimento aos requisitos acordados no fornecimento (produto ou serviço). As partes interessadas: Órgãos Governamentais Necessidades: cumprimento das legislações, portarias, regulamentos. Investidores, acionistas Necessidades: um bom retorno sobre os investimentos aplicados na organização. 3

4 Processo: Definição: Uma atividade ou um conjunto de atividades que usa recursos e que é gerenciada de forma a possibilitar a transformação de entradas em saídas pode ser considerado um processo. Um processo afeta a TODAS as partes interessadas. Necessita ser gerenciado para atingir os seus objetivos, ou seja: as necessidades das partes interessadas. Processo: A organização deve ter objetivos definidos para atender e conquistar seu mercado (todas as partes interessadas). Os sistemas de gestão das organizações são formados por seus processos. Os processos devem ser desenvolvidos para garantir o atendimento aos requisitos das partes interessadas. Então... os objetivos de uma organização são atingidos através dos seus processos. 4

5 Processo: Como saber se a organização está atendendo a todas as necessidades das partes interessadas? Como saber se os processos estão gerando as suas saídas de forma a atender as necessidades das partes interessadas? Como saber se os investimentos realizados foram bem aplicados e estão dando o retorno esperado? Como saber se novos investimentos são necessários para atingir os resultados esperados? Processo: Através da Medição e Monitoramento: Plan Act Do CHECK 5

6 Processo: PARTES INTERESSADAS RESPONSABILIDADE DA DA ADMINISTRAÇÃO DIREÇÃO PARTES INTERESSADAS CLIENTE CLIENTE REQUISITOS REQUISITOS ENTRADA GESTÃO DE RECURSOS REALIZAÇÃO DO PRODUTO MEDIÇÃO, ANÁLISE E E MELHORIA SAÍDA PRODUTO SATISFAÇÃO SATISFAÇÃO Com o quê (Recursos) Com quem (Competência) Dono do Processo Missão do Processo Entradas Saídas Como (Procedimentos) Indicadores de Desempenho Processos de Suporte 6

7 Processo: Eficácia X Eficiência Eficácia: extensão na qual as atividades planejadas são realizadas e os resultados planejados alcançados. Relaciona-se com as saídas do processo, com o cumprimento da sua missão (foco no cliente direto). Eficiência: relação entre o resultado alcançado e os recursos usados. Relaciona-se com o uso dos principais recursos (MO, energia, MP...) necessários para gerar as saídas do processo. Processo: 7

8 Processo: EFICIÊNCIA 2 - Fazer o que não deve ser feito, não atingir resultados, com poucos recursos. 1 - Fazer o que não deve ser feito, não atingir resultados, com muitos recursos 4 - Fazer o que deve ser feito, atingir resultados, com poucos recursos. 3 - Fazer o que deve ser feito, atingir resultados, com muitos recursos. EFICÁCIA Processo: Eficácia X Eficiência - Exemplos 2 A produção completou o pedido 2 dias depois da data acordada com o cliente. 2 As peças foram entregues nos prazos, porém o cliente reclamou que estavam fora das especificações 3 A produção foi entregue na data combinada com o cliente, porém foi necessário realizar 10% de horas extras nos 2 dias anteriores. 3 Os produtos foram entregues dentro das especificações, porém o refugo foi 3 vezes maior que o previsto. 8

9 Objetivos e Metas: Objetivo Representa a intenção da organização/ processo em atingir algum resultado. Meta Representa o conjunto de escolhas para atingir um objetivo. (Meta = Objetivo + Recursos + Tempo). A meta deve ser: M Mensurável E Específica T Tempo A Alcançável S Significado Relevante Indicadores: Medem os níveis de desempenho dos processos, indicando se os objetivos estão sendo alcançados e possibilitando a escolha das ações para a correção das tendências. Permitem que a alta direção e os gestores dos processos comuniquem a política e missão empresa/processos a todos os níveis hierárquicos, envolvendo todos os colaboradores no atingimento das metas organizacionais. 9

10 Objetivos, Metas e Indicadores exemplos: Objetivo: Subir a produtividade da manufatura em 15%. Indicador: Produtividade (faturamento/horas trabalhadas), com periodicidade de cálculo semanal. Meta: Aumentar a produtividade de R$5200,00/hora trabalhada para R$5980,00/hora trabalhada até o final de 2011 investindo R$40.000,00 nas seguintes ações: Redução do tempo de troca das ferramentas. Resp.: Marcelo Ferramentaria, Alfredo Manufatura, Dorival Engenharia de Manufatura; Organizar a produção por células de manufatura. Resp.: Alfredo Manufatura, Dorival Engenharia de Manufatura. Objetivos, Metas e Indicadores X Normas: ISO 9001: Objetivos da qualidade - A Alta Direção deve assegurar que os objetivos da qualidade, incluindo aqueles necessários para atender aos requisitos do produto (ver a), sejam estabelecidos nas funções e nos níveis pertinentes da organização. Os objetivos da qualidade devem ser mensuráveis e consistentes com a política da qualidade. 10

11 Objetivos, Metas e Indicadores X Normas: ISO/TS 16949: Suplemento (ao item 5.4.1) - A Alta Direção deve definir os objetivos da qualidade e medições que devem ser incluídos no plano de negócios e usados no desdobramento da política da qualidade. NOTA: Os objetivos da qualidade devem considerar as expectativas do cliente e ser passíveis de serem alcançados dentro de um período de tempo definido. Indicadores - Eficácia X Eficiência - Exemplos Processo Logística: performance de entrega é um indicador de eficácia (todo cliente deseja 100%) mas, valor de estoque ou giro de inventário são indicadores de eficiência (todo empresário gostaria de ter o estoque o mais baixo possível). Processo Produção: % de devolução ou reclamação são indicadores de eficácia (todo cliente deseja 0%) mas, % de retrabalho e % de refugo são indicadores de eficiência (todo empresário gostaria de ter zero de refugo e retrabalho). 11

12 Metas: fixas, móveis, frequência, sazonais, limites, combinação 4,5 vlr limite ,5 3 2,5 2 1,5 1 0, h 9h 10h 11h 12h 13h 14h 15h 16h 17h 18h 19h Valor Média 3 vlr alerta limite Média móvel 4,5 4 3,5 3 2,5 2 1,5 1 0, Valor Média 3 12

13 Limites de aceitação e desejável h 9h 10h 11h 12h 13h 14h 15h 16h 17h 18h 19h vlr alerta limite frequência vlr limite 13

14 Indicadores - Eficácia X Eficiência - Exemplos Processo Manutenção: horas de máquina parada por manutenção é um indicador de eficácia (a produção não deseja esta situação) mas, o custo da manutenção é um indicador de eficiência (todo empresário gostaria que fosse o mais baixo possível). Processo Alta Direção: % de participação no mercado, satisfação dos clientes são indicadores de eficácia (quanto maior, melhor) mas, % de perdas nos processos são indicadores de eficiência (todo empresário gostaria de ter zero de perdas). Indicadores - Eficácia X Eficiência - Exemplos Os processos foram desenvolvidos para gerar os produtos e serviços intencionais da organização, portanto os aspectos ambientais e de saúde e segurança do trabalho fazem parte dos recursos utilizados nestes processos. Por esta razão todos os indicadores ambientais e de saúde de segurança no trabalho seriam classificados como de Eficiência. Se não poluímos o ambiente estamos poupando a natureza, se preservamos a saúde dos trabalhadores estamos poupando os recursos humanos, se economizamos energia estamos poupando o meio ambiente... Etc. 14

15 Seleção dos Indicadores Quais são as principais saídas do processo? Quais os principais recursos utilizados/ consumidos pelo processo? Quais são os principais aspectos relacionados ao meio ambiente e à saúde e segurança do trabalho relacionados ao processo? Quais objetivos/metas organizacionais estão relacionadas ao processo? As respostas a estas perguntas definirão os indicadores apropriados! Uso dos Indicadores Todo indicador deve ser constituído para representar o desempenho real do processo. A escolha de uma base comparativa adequada é fundamental para garantir esta propriedade, ex.: Custos na sua forma absoluta (refugo, garantia, horas extras, retrabalho, consumo de energia, etc.) podem não representar o desempenho real do processo ao qual está ligado, pois eles também estão relacionados com o faturamento/ volume de produção da organização. Nestes casos os mesmos deveriam ser representados através de uma relação com a variável faturamento ou volume de produção. 15

16 Uso dos Indicadores Usando uma base comparativa a avaliação é direta: REFUGO JUN/11 (%Fatur.) Ao invés de REFUGO JUL/11 (%Fatur.) TENDÊNCIA 4% 3% POSITIVA REFUGO JUN/11 (R$) REFUGO JUL/11 (R$) TENDÊNCIA R$ R$ NEGATIVA? O que levaria a uma avaliação errada da situação. Uso dos Indicadores Considerar a sazonalidade das vendas/ produção e estabelecer objetivos móveis ao longo do período avaliado. Ex.: bebidas, sorvetes, chocolates, datas comemorativas Considerar a interação dos processos para definição dos objetivos e metas, bem como os indicadores relacionados, ex.: Produtividade está associada aos resultados de horas paradas por manutenção, à qualidade dos itens adquiridos, às horas para realização de protótipos, etc. Consumo de energia está associado ao volume e ao mix de produção, às paradas por manutenção, ao emprego de novos processos, etc. 16

17 Uso dos Indicadores Processo Logística: não consegue entregar produto para o cliente se a Produção não cumprir o plano de fabricação, então, pode-se criar um indicador de eficácia para a Produção (seu fornecedor interno de produtos acabados), por exemplo: % de atendimento ao programa de fabricação. Processo Produção: não consegue atender o programa de fabricação se não tiver equipamentos disponíveis, então, pode-se criar um indicador de eficácia para a Manutenção (seu fornecedor interno de serviços de manutenção), por exemplo: % disponibilidade de máquina. Uso dos Indicadores Definir um memorial de cálculo para cada indicador: NOME Performance de Entrega UNIDADE DE MEDIDA % CRITÉRIO DE CÁLCULO FREQÜÊNCIA NÍVEL DE ABRANGÊNCIA FONTE RESPONSÁVEL (Pedidos entregues no prazo) x 100 / (Total dos pedidos) Semanal Um para cada cliente e um geral para todos clientes Sistema de dados Logic Gestor de Logística 17

18 Uso dos Indicadores O gestor do processo deve avaliar qual a frequência necessária para se identificar um desvio e aplicar uma contenção e ou uma ação corretiva de forma a manter o processo sob controle. Pode ser, por exemplo: por hora, por turno, diário, semanal, mensal, bimestral, semestral, anual, etc. Esta frequência deve levar em conta a estabilidade do processo; Respeitar a frequência da coleta das informações e dados, de maneira a não permitir que as informações envelheçam e levem a uma tomada de ações tardia; Atender aos critérios de medição definidos para legitimar os resultados obtidos; Uso dos Indicadores O gestor do processo deve documentar as ações tomadas para a correção das tendências e para a melhoria dos índices; Utilizar os meios existentes na empresa para divulgação dos índices dentre eles: Intranet, quadros de gestão a vista, etc. 18

19 Uso dos Indicadores Torna-se mais fácil visualizar o resultado das medições dos indicadores quando usamos uma representação gráfica; O tipo de gráfico usado vai depender do tipo de informação que queremos visualizar; Valores relativos a um período anterior (ex.: ano anterior, meses anteriores, últimos 12 meses, etc.) para de avaliar a tendência do indicador; Valor encontrado para aquele indicador no respectivo mês em estudo; Uso dos Indicadores Inclusão de formas indicativas de STATUS, tais como setas indicativas de melhor ou pior situação, sistemática Farol (verde, amarelo e vermelho), entre outras. Ver ex.: PROCESSO Eficaz (vide critério) TENDENCIA (vide critério) Eficiência (vide critério) TENDENCIA (vide critério) REQUER AÇÕES? AÇÕES NECESSÁRIAS A X AC 03/11 em andamento. Responsável: Gestor Juvêncio SIM NÃO B X Aberta AC 06/11 Responsável: Gestor Aderbal 19

20 Ações: Contenção: é o modo mais rápido de evitar a propagação do problema (atual) e de reconduzir o processo a uma situação temporária de controle. Ação Corretiva: é a ferramenta mais importante para impulsionar e colocar em prática a melhoria contínua, onde as causas dos problemas (atuais) são identificadas e eliminadas, ou atenuadas. Ação Preventiva: é uma das ferramentas do planejamento da qualidade que identifica os problemas potenciais, conduzindo a eliminação ou a redução das suas causas e prevenindo ou mitigando as suas prováveis ocorrências. Ações: O gestor deve analisar tendências com intuito de corrigir o processo a tempo de garantir o atingimento das metas estabelecidas; Definir os critérios para a tomadas das ações após a análise do resultado da tendência e/ ou o resultado período considerado. Ex.: se durante 3 meses for contrário ao objetivo (embora ainda dentro do mesmo) e ou se o resultado do período for maior que do objetivo; Ter uma postura proativa. 20

21 Compartilhamento dos resultados: Os indicadores promovem a comunicação aos envolvidos sobre a performance dos processos. A informação, a percepção são os pontos de partida para o controle e a melhoria dos processos. Os resultados destes esforços são validados através dos indicadores após as implementação das ações. Esta realimentação promove a motivação dos envolvidos pela gestão dos processos aumentando a sinergia para o atingimento das metas. Legitimação dos resultados: Utilizando os indicadores de forma correta é possível legitimar a eficácia das ações tomadas para a contenção, melhoria ou a prevenção dos problemas que cercam os processos. As ações são tomadas em base aos fatos (indicadores). Posteriormente os fatos (indicadores) demonstrarão a eficácia das ações. 21

22 Sem MEDIR e ATUAR perdemos o foco no cliente! PARTES INTERESSADAS RESPONSABILIDADE DA DA ADMINISTRAÇÃO DIREÇÃO PARTES INTERESSADAS CLIENTE CLIENTE REQUISITOS REQUISITOS ENTRADA GESTÃO DE RECURSOS REALIZAÇÃO DO PRODUTO O PRODUTO É EMPURRADO PARA O CLIENTE SATISFAÇÃO NENHUMA SATISFAÇÃO SAÍDA PRODUTO Sem MEDIR e ATUAR ficamos sem rumo! 22

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão 1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão ISO 9001:2015 Histórico da série 2 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão Histórico da série REVISÕES DA SÉRIE ISO 9000 2000 2008 2015 1994 1987 3 2009 CBG Centro Brasileiro

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO 05.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE PORTFÓLIO CENÁRIO NEGATIVO DOS PORTFÓLIOS NAS ORGANIZAÇÕES GOVERNANÇA

Leia mais

PARTICIPANTES Nome Área Assinatura Nome Área Assinatura Mario Pereira da Silva Ger. Industrial

PARTICIPANTES Nome Área Assinatura Nome Área Assinatura Mario Pereira da Silva Ger. Industrial RELATÓRIO DE ANÁLISE CRÍTICA PELA DIREÇÃO Data da Reunião: 15/03/2011 Data da Próima Reunião: março/2012 Folha: Total de 4 PARTICIPANTES Nome Área Assinatura Nome Área Assinatura Mario Pereira da Silva

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

Profa. Ghislaine Miranda Bonduelle

Profa. Ghislaine Miranda Bonduelle Profa. Ghislaine Miranda Bonduelle ISO DIS 9001:2015 PREVISÃO : SETEMBRO DE 2015 FASE: FINAL DRAFT TEMPO PARA ADEQUAÇÃO: 3 ANOS a contar da data da publicação PRINCIPAIS MUDANÇAS Manutenção do foco em

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos INTERPRETAÇÃO ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade CAPÍTULO: Preâmbulo ISO 9001:2008 0.1 - Generalidades: foi esclarecido que a conformidade com requisitos

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima INDICADORES DE RH E METAS ORGANIZACIONAIS JÚLIO SÉRGIO DE LIMA Blumenau SC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO E PERSPECTIVAS DE NEGOCIO, ARQUITETURA DE MEDIÇÃO DO DESEMPENHO E NIVEIS DOS

Leia mais

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação?

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação? O que é a norma ISO? Em linhas gerais, a norma ISO é o conjunto de cinco normas internacionais que traz para a empresa orientação no desenvolvimento e implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes?

01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes? Questionário de auto-avaliação Nível 1 MÓDULO 1 - ADMINISTRAÇÃO 01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes? 02. A empresa tem definidos

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Sistemas de Indicadores de Desempenho

Sistemas de Indicadores de Desempenho Sistemas de Indicadores de Desempenho Aula 11 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Indicadores Indicadores são formas de representação quantificáveis das características de produtos

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão ISO 9001:2008 Alterações e Adições da nova versão Notas sobe esta apresentação Esta apresentação contém as principais alterações e adições promovidas pela edição 2008 da norma de sistema de gestão mais

Leia mais

ISO 9001:2015 Nos preparando para recebê-la! 4 - Contextualizando a organização 6 - Planejamento

ISO 9001:2015 Nos preparando para recebê-la! 4 - Contextualizando a organização 6 - Planejamento ISO 9001:2015 Nos preparando para recebê-la! 4 - Contextualizando a organização 6 - Planejamento 08 de Maio, 2015 Palestrante: Silvana Chaves SILVANA APARECIDA CHAVES Cursando MBA de Gestão Ambiental e

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE Índice O que é um SGA e o que é ISO 14001?...2 ISO 14001:1996. Suas perguntas respondidas...3 O sistema

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior Aula IV Unidade II E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior Aula IV Unidade II E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior Aula IV Unidade II E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de TI Os modelos atuais para governança partem de processos empresariais serviços prestados, modelos

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL JANEIRO 2013 RESUMO EXECUTIVO A ACCENT é uma empresa especializada em soluções tradução e localização de software, publicações técnicas, conteúdo de sites e material institucional e educativo. ESTRUTURA

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

Norma ISO 9001:2008. Gestão da Qualidade

Norma ISO 9001:2008. Gestão da Qualidade Norma ISO 9001:2008 Gestão da Qualidade Sistemas da Qualidade e Qualidade Ambiental ISO 9000 e ISO 14000 Prof. M. Sc. Helcio Suguiyama 1- Foco no cliente 2- Liderança 3- Envolvimento das Pessoas 4- Abordagem

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

Elementos de um Processo

Elementos de um Processo Auditor Interno ISO/TS 16949:2002 Arquivo com alguns slides do curso, já incluindo nova abordagem solicitada pelo IATF aos auditores durante os exames de requalificação em 2006. (Abordagem do IATF) 1 Elementos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções.

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções. Revisão 1 Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento Coletar informação; e Identificar as direções. Precisa; Clara; Econômica; Flexível; Confiável; Dirigida; Simples; Rápida;

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Preparação da Auditoria da Qualidade. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT

Preparação da Auditoria da Qualidade. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Preparação da Auditoria da Qualidade Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT O que é auditoria? Processo sistemático, independente e documentado de se obter evidências e avaliálas objetivamente para determinar

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL Autores Gerson Luiz Chaves Vandro Luiz Pezzin RGE - RIO GRANDE ENERGIA S.A. RESUMO Os riscos presentes nas atividades que envolvem a distribuição

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

Indicadores de desempenho de processos de negócio

Indicadores de desempenho de processos de negócio Indicadores de desempenho de processos de negócio 14:30, a sala de reunião de uma empresa. De um lado da mesa estão o gerente de um produto, um usuário-chave representante do cliente, do outro se encontram

Leia mais

Indicadores de Desempenho Conteúdo

Indicadores de Desempenho Conteúdo Indicadores de Desempenho Conteúdo Importância da avaliação para a sobrevivência e sustentabilidade da organização O uso de indicadores como ferramentas básicas para a gestão da organização Indicadores

Leia mais

BANCO CENTRAL DO BRASIL 2009/2010

BANCO CENTRAL DO BRASIL 2009/2010 BANCO CENTRAL DO BRASIL 2009/2010 CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS E PLANOS DE CONTINGÊNCIA Professor: Hêlbert A Continuidade de Negócios tem como base a Segurança Organizacional e tem por objeto promover a proteção

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade 1621131 - Produzido em Abril/2011 Gestão da Qualidade A Gestão da Qualidade é um modelo de mudança cultural e comportamental, através de uma liderança persistente

Leia mais

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 Ana Francisco Gestora de Cliente Tópicos Enquadramento do Processo de Revisão Principais Alterações Pensamento Baseado em Risco Informação Documentada Princípios da Qualidade

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E AMBIENTAL ISO 9001:2008 + ISO 14001:2004

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E AMBIENTAL ISO 9001:2008 + ISO 14001:2004 ISO 91:28 + ISO 141:24 1. PROPÓSITO: Descrever o Sistema de Gestão da Qualidade e Ambiental (SGQA) da MONDIL MONTAGEM INDUSTRIAL, comprovando assim a sua plena adequação à norma NBR ISO 91:28 Sistemas

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação.

Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação. Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação. SoftExpert PLM Suite é uma solução que oferece os requisitos e as habilidades necessárias que as empresas precisam para gerenciar com êxito

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 Andreia Martins Gestora de Cliente andreia.martins@apcer.pt Tópicos Enquadramento do Processo de Revisão Principais Alterações Pensamento Baseado em Risco Informação Documentada

Leia mais

Seminário GVcev Ferramentas e Aplicações voltadas à melhoria dos processos. Márcio Roldão INDG

Seminário GVcev Ferramentas e Aplicações voltadas à melhoria dos processos. Márcio Roldão INDG Seminário GVcev Ferramentas e Aplicações voltadas à melhoria dos processos Márcio Roldão INDG ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL - INDG; NOVAS OPORTUNIDADES DE MELHORIA DOS RESULTADOS:

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Risk Tecnologia Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Aplicável às Atuais e Futuras Normas ISO 9001, ISO 14001,

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS Alexandre Dias de Carvalho INMETRO/CGCRE/DICLA 1/ 28 NBR ISO/IEC 17025 Estabelece requisitos gerenciais e técnicos para a implementação de sistema de gestão da qualidade

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Bureau Veritas Certification. Responsabilidade Social, a Internacionalização e a Gestão do Risco

Bureau Veritas Certification. Responsabilidade Social, a Internacionalização e a Gestão do Risco Bureau Veritas Certification Responsabilidade Social, a Internacionalização e a Gestão do Risco Responsabilidade Social, a Internacionalização e a Gestão do Risco A introdução da gestão do risco na ISO

Leia mais

Relatório de Atividade Técnica

Relatório de Atividade Técnica RUA DESEMBARGADOR JÚLIO GUIMARÃES, 275 SAÚDE -SÃO PAULO -BR-SP CEP: 04158-060 CNPJ: 46.995.494/0001-92 Telefone: (11) 5058-6066 Pessoa de Contato: ALMO BRACCESI (almo@betta.com.br) Tipo: Auditoria de Manutenção

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 2 Prefácio 3 A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normatização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto GESTÃO AMBIENTAL ISO 14000 Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto 1 A evolução do pensamento ambiental Crescimento é o que importa (que venha a poluição...) Conscientização (década

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DE ANÁLISE CRÍTICA PELA ALTA ADMINISTRAÇÃO ACPA

ATA DE REUNIÃO DE ANÁLISE CRÍTICA PELA ALTA ADMINISTRAÇÃO ACPA Página 1 de 15 Participantes: Mario Pereira - Diretor Fabril Magna Moraes - Gerente RH Wando Rosa - Gerente Produção Karen - CIPA Daniel Miranda - Representante Trabalhadores SA8000 Rodrigo Barbosa - Representante

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Direitos Reservados Monteiro Associados

APRESENTAÇÃO. Direitos Reservados Monteiro Associados APRESENTAÇÃO PROPÓSITO Fazer a DIFERENÇA no DESENVOLVIMENTO saudável e sustentável das PESSOAS e das ORGANIZAÇÕES. VISÃO VISÃO DA EMPRESA TERMOS NOTÓRIO RECONHECIMENTO DA NOSSA COMPETÊNCIA NA GESTÃO DAS

Leia mais

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 Carolina Nogueira Gestora de Cliente carolina.nogueira@apcer.pt Tópicos Enquadramento do Processo de Revisão Principais Alterações Pensamento Baseado em Risco Informação

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

ISO 9001:2015. www.apcergroup.com. Rui Oliveira APCER

ISO 9001:2015. www.apcergroup.com. Rui Oliveira APCER ISO 9001:2015 Rui Oliveira APCER Agenda Enquadramento do Processo de Revisão Principais Mudanças Pensamento Baseado em Risco Informação Documentada Princípios da Qualidade Próximos Passos Cronograma para

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão e Gerenciamento de Processos

Sistemas Integrados de Gestão e Gerenciamento de Processos Sistemas Integrados de Gestão e Gerenciamento de Processos Augusto Mainieri Irene Szyszka 14/09/2004 Lucem Sistemas Integrados de Gestão - Direitos Reservados 1 Sistemas Integrados de Gestão Irene Szyszka

Leia mais

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL Luiz Rodrigo Carvalho de Souza (1) RESUMO O alto nível de competitividade exige que as empresas alcancem um nível de excelência na gestão de seus

Leia mais

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico IETEC Instituto de Educação Tecnológica Artigo Técnico A Importância Do Desenvolvimento Dos Fornecedores Para A Atividade De Compras Autor: Fernando de Oliveira Fidelis Belo Horizonte MG 11 de Agosto de

Leia mais

Balanced Scorecard. Da estratégia às ações do dia-a-dia

Balanced Scorecard. Da estratégia às ações do dia-a-dia Balanced Scorecard Da estratégia às ações do dia-a-dia Perspectivas Em se tratando de gerenciamento de desempenho, perspectivas são os grandes vetores debaixo dos quais são agrupados objetivos, indicadores

Leia mais

10/7/2011 PLANEJAMENTO DE MARKETING

10/7/2011 PLANEJAMENTO DE MARKETING 1 PLANEJAMENTO DE MARKETING 2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1.Importância do Planejamento de Marketing 2. Considerações Organizacionais no Planejamento de Marketing 3.Planejamento de Database Marketing 4.Análise

Leia mais