MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR"

Transcrição

1 MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR METALÚRGICA KNIF LTDA Junho/2013 1

2 REGISTRO DAS MODIFICAÇÕES REVISÃO DATA MOTIVO 00 02/04/09 Emissão do documento 01 05/08/09 Modificação dos itens 5.5 e /07/10 Modificação dos itens 3.2, 4.4, 5.1, 5.7, 6.1, 7.2 até /06/11 Inserção do item /06/13 Revisado o item Especificações de Recebimento e 7.2 Avaliação do Sistema de Gestão do Fornecedor NOME ASSINATURA STATUS DO DOCUMENTO ELABORADO Antonio Gelado C. Junior DEPARTAMENTO APROVADO DEPARTAMENTO Compras Adão Januario Silva Qualidade 2

3 Índice 3.0 Sistema da Qualidade Monitoramento e Desenvolvimento do Fornecedor 3.2 Auditoria in-loco 3.3 Fornecedores Auditados 3.4 Monitoramento do Plano de Ação 3.5 Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores 4.0 Fornecimento Cotação 4.2 Pedido de Compra 4.3 Comunicação entre Fornecedor e Knif 4.4 Solicitação de Amostra Inicial 5.0 Requisitos Específicos Homologação de Fornecedores 5.2 Lista de Fornecedores Homologados 5.3 Relatório de amostras 5.4 Quantidade e identificação da a mostra 5.5 Certificado de Qualidade 5.6 International Material Data System IMDS 6.0 Recebimento Horário de Recebimento 6.2 Corpo de Prova 6.3 Especificações de Recebimento 6.4 Registro de recebimento 3

4 7.0 Garantia da Qualidade Sistema da Qualidade do Fornecedor (SQF) 7.2 Avaliação do Sistema de Gestão do Fornecedor 7.3 Pontuação do Sistema da Qualidade do Fornecedor Avaliação do Sistema da Qualidade Avaliação da Qualidade de Fornecedores PPM mensal Avaliação da Pontualidade de Entrega PE Número de RAC s Número de RAC s recebidas dos Clientes Frete extra 7.4 Cálculo do Índice de Qualidade do Fornecedor (IQF) 7.5 Ação Corretiva 7.6 Descredenciamento do Fornecedor 8.0 Entrega e Identificação Embalagem 8.2 Identificação 9.0 Custo da Qualidade Melhoria Contínua

5 1. OBJETIVO A Metalúrgica Knif está comprometida em prover total satisfação dos clientes, através de produtos e serviços que atendam as suas necessidades e expectativas em um ambiente de prevenção e melhoria continua. Para que o sucesso aconteça, necessitamos de que cada fornecedor seja participante integral da cadeia de fornecimento, através do seu comprometimento total com o aperfeiçoamento da qualidade e cumprimento das expectativas e exigências descritas neste Manual. Requeremos que os nossos fornecedores implementem um sistema de gestão da qualidade em conformidade com a Norma ISO 9001:2000 no mínimo direcionada para a ISO/TS A Metalúrgica Knif tem como referência esta fonte de informações, apresentando os requisitos mínimos exigidos para a qualificação do fornecedor. Este Manual é parte integrante do Pedido de Compra. A Direção da Metalúrgica Knif sabe da importância de uma boa cadeia de fornecimento, recomendando aos fornecedores a aplicação deste Manual para assegurar a satisfação total dos nossos clientes e a evolução natural da parceria. Nossa intenção ao elaborar esse Manual de Fornecedores é para contribuir para o desenvolvimento de nossos fornecedores e para tanto nos colocamos a disposição para esclarecimentos de quaisquer dúvidas através do telefone (11) Ramal 233 e/ou com o Gerente da Qualidade. Antonio Gelado Cabello Junior Comprador Adão Januario Silva Supervisor da Qualidade 5

6 2. REFERÊNCIA A Metalúrgica Knif desenvolveu o Manual para Fornecimento utilizando os seguintes documentos como referência: a) Especificação Técnica ISO / TS 16949: Requisitos específicos para aplicação da ISO 9001:2000 para organizações de produção automotiva e serviços relevantes; b) Manual de Referência Processo de Aprovação de Peça de Produção PPAP c) Manual de Referência Análise de Sistema de Medição MSA d) Manual de Referência Controle Estatístico do Processo CEP e) Manual de Referência Análise do Modo e Efeito da Falha FMEA f) Manual de Referência APQP 6

7 3 Sistema da Qualidade A impressão deste documento tem característica de cópia não controlada Definimos abaixo os objetivos para a qualidade da nossa cadeia de fornecedores, pois acreditamos que a parceria eficaz, entre cliente e fornecedor, traz grandes benefícios a ambos, portanto incentivamos e apoiamos os fornecedores para que tenham um Sistema de Gestão da Qualidade forte e consistente com a realidade atual, no qual a produtividade e a competitividade sejam fundamentais. 3.1 Monitoramento e Desenvolvimento do Fornecedor A Metalúrgica Knif faz o monitoramento e desenvolvimento de toda cadeia de fornecedores através do Índice da Qualidade de Fornecimento IQF. O objetivo maior é garantir a qualidade de fornecimento e adequação da cadeia de fornecedores, para que estes atendam as nossas metas e objetivos traçados com nossos clientes e para que possamos assim, atender as demandas do mercado. 3.2 Auto Avaliação e Auditoria In-loco Quando uma empresa é contatada para ser fornecedor da Metalúrgica Knif, o mesmo receberá através do Processo Comprar, um questionário de auto-avaliação sobre o Sistema da Qualidade, o qual deverá retornar preenchido no máximo em 02 dias. Após essa auto-avaliação, o fornecedor será auditado In-loco, com relação ao seu sistema da qualidade, produto e processo. Nos casos em que o sistema da qualidade do fornecedor alcançar pontuação abaixo do que estabelecido neste Manual, um plano de ação deverá ser enviado para Qualidade e uma nova auditoria In-loco será reagendada após vencida a última data do plano de ação entregue. Nossos fornecedores serão auditados anualmente conforme planejamento do Processo Comprar, considerando a data da última auditoria in loco. O objetivo desta auditoria consiste em evidenciar a eficiência do processo do fornecedor. 3.3 Fornecedores Auditados Todos os fornecedores de produtos, serviços e/ou comodites, (citados abaixo) que impactam diretamente na qualidade final do produto, são passíveis de auditorias: Matéria-prima Componentes (standards, fabricação especial, etc.) Beneficiamento 7

8 3.4 Monitoramento do Plano de Ação Corretiva O Processo Controlar Qualidade e o Processo Comprar, fazem o acompanhamento e monitoramento dos prazos de adequação do Plano de Ação corretiva dos pontos considerados não-conformes, levantados durante as auditorias. 3.5 Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores Toda a cadeia de fornecedores é incentivada a fornecer evidências do desenvolvimento de seus produtos levando em consideração os requisitos da Norma ISO/TS 16949:2002. A Metalúrgica Knif planeja fazer a adequação dos planos de inspeção final dos nossos fornecedores em relação aos nossos planos de inspeção de recebimento. Esta adequação faz parte do primeiro passo rumo ao desenvolvimento dos fornecedores. 4 Fornecimento Todas as condições de fornecimento de produtos estão definidas e formalizadas no Manual da Qualidade do Fornecedor que define claramente as obrigações de cada parte. 4.1 Cotação Para itens novos em desenvolvimentos estas cotações são, sempre que possível, enviadas no mínimo para 3 (três) fornecedores que já façam parte do nosso quadro de fornecedores homologados e/ou novos fornecedores de (matéria-prima e/ou componentes e/ou beneficiamento a desenvolver). Os fornecedores deverão responder nossas cotações através via Fax / Correio / Meios Eletrônicos ou Em Mãos, e encaminhar ao Processo Comprar, no qual deverá constar no mínimo: a) Descrição do material, volume anual de fornecimento, informação de prazo de entrega para fornecimento do 1º lote, documentações pertinente amostra, alternativas de materiais utilizados, se for o caso, desenho do cliente, normas especificas, e toda especificação dos materiais pertinentes. b) A apresentação dos custos deve refletir os valores de transporte, embalagens, informação do lote mínimo de produção bem como as condições de pagamentos. c) O envio da proposta à Metalúrgica Knif deve ser feito para o Departamento de Compras. 8

9 4.2 Pedido de Compra A impressão deste documento tem característica de cópia não controlada O Processo Comprar emitirá o Pedido de Compra quando após recebimento da OP (Ordem de Produção) e/ou Solicitação de Compras para aquisição dos materiais produtivos e improdutivos. Todas as especificações necessárias para a compra de algum item deverão estar bem definidas no Pedido de Compra onde será enviado ao fornecedor via Fax / Correio / Meios Eletrônicos ou em mãos. Para os serviços de Beneficiamento de Calibração, laboratórios de ensaio físicos e químicos não serão necessário emissão do Pedido de Compra e sim a nota fiscal, sendo obrigatório utilizar a Rede Brasileira de Calibração (RBC), sendo dispensada a visita de avaliação. O Processo Controlar a Qualidade mantém o registro do credenciamento. Para serviços de Beneficiamento de tratamentos superficiais, termicos e acabamento, deverão ser contratados em empresas previamente Homologadas. O Pedido de Compra terá toda a validade até que haja alguma alteração nos dados, qualquer reclamação deverá ser feita num prazo de 1 (um) dia após a emissão. 4.3 Comunicação entre Fornecedor e a Metalúrgica Knif Todo o meio de comunicação entre o Fornecedor e a Knif deverá ser expressamente direto ao departamento de compras, que passará aos departamentos as solicitações pertinentes tais como: qualidade e/ou engenharia e/ou outros para que sejam tomadas ações mais rápidas possíveis. 4.4 Solicitação de Amostra Inicial Quando houver a necessidade de uma solicitação de amostra inicial, o Processo Desenvolver solicita ao Processo Planejar a emissão de uma ordem de produção que deverá ser passado ao Processo Comprar que fará todo o tramite na aquisição do material para um item novo e/ou modificado, o fornecedor deverá enviar juntamente com o lote de amostra inicial toda a documentação pertinente do PAPP. Tabela de níveis de submissão dos PPAP s Tratamentos superficiais - mínimo Nível II Matéria-prima - mínimo Nível II Tratamentos térmicos - mínimo Nível II Usinagens - mínimo Nível II Terceirização de serviços de estamparia - mínimo Nível III 9

10 As amostras devem ser controladas pelo fornecedor e devem atender todas as exigências de desenhos e especificações técnicas. Quando alguma especificação não puder ser atendida ou quando o fornecedor oferecer solução alternativa, a comunicação deverá ser encaminhada ao departamento de Engenharia e/ou Qualidade para análise e definição. 5 Requisito Específico PPAP s - Processo de Aprovação de Peça de Produção O PAPP é uma metodologia que faz parte do processo de homologação de todos os itens novos ou modificados a serem desenvolvidos pelos fornecedores. 5.1 Homologação de Fornecedores O Fornecedor será considerado homologado, a partir das seguintes etapas: a) a partir de uma solicitação comercial b) deverá ser realizada uma Visita Técnica para verificação do potencial do fornecedor para o serviço solicitado, verificando as certificações do fornecedor ( ISO, TS, VDA etc); c) tendo o Fornecedor potencial para fornecimento, será enviado um questionário de auto avaliação para checar o sistema da qualidade; d) o Processo Desenvolver envia amostras que deverão ser processadas e retornadas com os PPAP s; e) as amostras e os PPAP s aprovados, o Fornecedor será Auditado in loco baseado na norma VDA 6.3 para consolidar a nota do seu Sistema da Qualidade e poderá ser considerado Homologado para aquele(s) processo(s) se obtiver nota conforme item 7.2. A partir daí controlado sua performance pelo Recebimento e Compras. 5.2 Lista de Fornecedores Homologados O Processo Comprar manterá atualizada uma Lista de Fornecedores Homologados, onde somente Fornecedores Homologados poderão fornecer produtos para a Knif. 5.3 Relatório da Amostra Todas as amostras devem vir acompanhadas dos certificados de análise química e física do material, certificados de tratamento térmico e superficial (caso aplicável) do relatório dimensional, do material e certificado de submissão das amostras, ou ainda através de relatórios dos fornecedores desde que tenham no mínimo todas as características especificadas em nossos documentos (desenhos, normas, instruções etc.) e serão submetidas à aprovação para o Controle da Qualidade. 10

11 5.4 Quantidade e Identificação da Amostra As amostras deverão ser representativas de uma produção de um turno ou na quantidade de no mínimo 300 peças, que deverão vir identificadas conforme etiqueta Amostra Inicial. 5.5 Certificado de Qualidade Todos os materiais da Metalúrgica Knif devem vir acompanhados com seus respectivos certificados de qualidade, se não, o material será devolvido. Todos os certificados devem conter: Certificado de matéria-prima com especificação química e física; Certificado de tratamento superficial (salt-spray aderência, espessura da camada, etc) Certificado de tratamento térmico (dureza, profundidade da camada, etc). OBS: Todos os certificados deverão ser entregues eletronicamente, enviados para o recebimento, 5.6 IMDS - International Material Data System Todos os fornecedores deverão cadastrar seus produtos no IMDS. Quando da submissão de qualquer amostra, o ID (identificação) do material deverá estar identificado e deverá ser enviado, via IMDS a Engenharia de Desenvolvimento. Obs.: para maiores informações: 5.7 Inspeção de layout Os Fornecedores deverão realizar inspeção de layout a cada 2 anos, devendo estabelecer um cronograma de entrega dessa inspeção de layout, incluindo a contra prova dos certificados emitidos. Os resultados dessas inspeções deverão ser armazenadas a disposição da Knif. 6 Recebimento Todos os fornecedores de materiais da Metalúrgica Knif devem respeitar os horários conforme abaixo. 11

12 6.1 Horário de Recebimento O horário de recebimento dos materiais deverá ser respeitado conforme abaixo: Segunda-feira à Quinta-feira 07:15 até 16:00 h *Sexta-feira Nota importante: 07:15 até 14:00 h *Somente sob chamada itens críticos. Não será aceito entrega fora do horário acima definido, exceto se acordado com o departamento de Compras e/ou Logísticas. 6.2 Corpo de Provas Os Fornecedores de materiais da Metalúrgica Knif devem enviar corpo de prova lote juntamente com as entregas programadas. Nota : Caso o Fornecedor não encaminhe o corpo de prova conforme solicitado, será realizado uma cobrança de R$ 50,00 (cinquenta reais), sendo acrescido a quantia de R$100,00 ( cem reais ) na reincidência. O fornecedor que não atender o solicitado terá o seu fornecimento descontinuado e a sua volta como Fornecedor só ocorrerá a partir de uma reunião na Knif para se analisar as discrepâncias. 6.3 Especificações de Recebimento A Metalúrgica Knif dispõe de Planos de Controle de Recebimento, para todos os produtos e/ou serviços que são adquiridos externamente e nestas estão contidas todas as especificações necessárias que devem ser seguidas pelos nossos fornecedores. Qualquer divergência com relação ao pedido de compra deverá ser antecipadamente negociada com o nosso comprador, num prazo máximo de 05 dias úteis, caso contrário, os materiais serão devolvidos pelo nosso controle de recebimento e o fornecedor demeritado na avaliação do seu desempenho de entrega. Especificamente para as matéria primas deverão seguir as especificações: 1. Todos os materiais acima de 0,50mm, entregues em bobinas devem ter o diâmetro interno entre 400 e 500mm e o diâmetro externo no máximo 1000mm. Cada fardo deve conter no máximo 1800 kgs e as bobinas não devem ultrapassar 1000 kgs, independente de espessura e qualidade do material; 2. Todos os materiais em tiras não devem ultrapassar 1800 kgs por fardo e devem ter suas medidas de comprimento e largura conforme o pedido de compra ; 3. No recebimento, será checado a MP e verificado a existência do certificado, recebidos via ou junto a nota fiscal. O caminhão só será liberado após a confirmação dos mesmos. 12

13 6.4 Registro de Recebimento Todos os produtos constantes na lista de produtos inspecionáveis são inspecionados e seus dados transportados para o Sistema Microsiga que é utilizado para rastrear as informações referentes a cada produto fornecido pelos fornecedores. 7 Garantia da Qualidade O programa de Garantia da Qualidade é mantido em conjunto com todos os fornecedores, de forma a privilegiar e confirmar a nossa confiabilidade nos bons resultados obtidos pelos nossos fornecedores. 7.1 Sistema da Qualidade do Fornecedor (SQF) O Processo Controlar a Qualidade é responsável pela avaliação de todo o processo do Sistema da Qualidade do Fornecedor. Este Sistema foi desenvolvido com base na ISO/TS 16949:2002, avaliando o comprometimento, interesse e habilidade do fornecedor, quanto ao seu Sistema de Qualidade e Processo, as condições dos produtos e serviços e seus respectivos prazos e entrega, gerando o Índice de Qualidade do Fornecedor (IQF). 7.2 Avaliação do Sistema de Gestão do Fornecedor O Questionário de Avaliação do Fornecedor é subdividido em elementos correspondentes aos elementos da norma VDA 6.3. Se a questão não for aplicável, o fornecedor ou auditor Knif em sua Auto-Avaliação/Auditoria deve marcar N/A" na coluna do resultado, podendo utilizar o campo de observação para descrever o motivo da ausência da aplicação. O Campo "Total de Pontos do Elemento" será preenchido automaticamente quando da realização de sua Auto - Avaliação/Auditoria. No final da Auto-avaliação/Auditoria o Fornecedor ou auditor Knif deve preencher o campo "Resultado da Avaliação do Sistema da Qualidade e calcular o ISQF. PERCENTUAL DE CONFORMIDADE AVALIAÇÃO Excelente Auto-avaliação / Auditoria Knif SQF Bom Auto-avaliação / Auditoria Knif SQF Inaceitável Auto-avaliação / Auditoria Knif SQF Se o fornecedor obtiver pontuação menor ou igual a 79, terá seu cadastro bloqueado para novos negócios com a Knif, sendo solicitado um plano de ação e agendamento de nova auditoria, após 03 meses, o não atendimento a pontuação necessária o fornecedor será vetado. 13

14 7.3 Pontuação do Sistema da Qualidade do Fornecedor Avaliação do Sistema da Qualidade Para este elemento será considerado o certificado de qualidade do Fornecedor, conforme tabela: CERTIFICAÇÃO NOTA AVALIAÇÃO ISO TS ISO / VDA 90 2 SEM Avaliação da Qualidade de Fornecimento - PPM mensal Este indicador é atualizado mensalmente, sendo que o PPM é calculado com base na formula: PPM = Quantidades de peças e/ou kg recebida não-conformes X Quantidade total de peças e/ou kg recebidas Para as quantidades de peças e/ou kgs não-conformes, o fornecedor receberá uma RAC por não-conformidade. Nota: A meta para o Fornecedor é de 800 PPM s CRITÉRIO (PPM) CONCEITO AVALIAÇÃO Abaixo de 800 Boa qualidade a 1000 Qualidade regular - requer melhorias. 2 Acima de 1001 Ruim / Pobre - requer ações urgentes. 1 14

15 7.3.3 Avaliação da Pontualidade de Entrega - PE E realizado uma sistemática de recebimento, considerando até 24hs como tempo de segurança. Consideramos também a quantidade de peças solicitadas versus a quantidade efetivamente entregue. A classificação como segue: CLASSIFICAÇÃO NOTA AVALIAÇÃO Boa performance 95 a 100% 3 Performance regular 85 a 94.99% 2 Performance ruim Abaixo de 85% Número de RAC s (Análise das não-conformidades) Este elemento também compõe o calculo e é obtido com relação aos Relatórios de Ações Corretivas RAC s, emitidos para o fornecedor nesse período de um mês. Nº. de RAC s CONCEITO AVALIAÇÃO O Boa qualidade 3 Até 2 Qualidade regular - requer melhorias 2 Acima de 2 Ruim / Pobre - requer ações urgentes Número de RAC s recebidas dos Clientes Este elemento é obtido considerando os RAC s abertas pelos Clientes, onde existe o envolvimento do fornecedor, o qual será repassado ao mesmo, inclusive as despesas relacionadas. 15

16 Nº. de RAC s CONCEITO AVALIAÇÃO O Boa qualidade 3 Até 1 Qualidade regular - requer melhorias 2 Acima de 1 Ruim / Pobre - requer ações urgentes Frete Extra Este indicador se refere aos fretes extras praticados pelo fornecedor para cumprir programação, devido a atraso de entrega ou cumprimento da janela de entrega. FRETE EXTRA PONTUAÇÃO nenhuma ocorrência 3 até 2 ocorrências 2 acima de 2 ocorrências Nota da auditoria Este indicador se refere as notas das auditorias inicialmente auto auditavel, sendo substituídas gradativamente com auditorias realizadas in loco. NOTA DA AUDITORIA PONTUAÇÃO 90 A A 89,99 2 ABAIXO DE Cálculo do Índice de Qualidade do Fornecedor (IQF) O Índice de Qualidade do Fornecedor (IQF) deve ser atualizado mensalmente com base no SQF (Sistema de Qualidade do Fornecedor). O cálculo deve ser realizado, utilizando as informações dos 7 indicadores, multiplicando-se com os valores das pontuações. Portanto o máximo de pontos deverá ser de 21. NOTA: O fornecedor deve ser informado mensalmente seu índice mantendo seu sistema controlado na pontuação mínima exigida para fornecimento conforme tabela: 16

17 SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO (IQF) GRAU DE CLASSIFICAÇÃO CLASSIFICAÇÃO 19 a 21 pontos 16 a 18 pontos 13 a 15 pontos Menos de 13 pontos Totalmente Satisfatório Preferencial para novos negócios Satisfatório deve desenvolver plano de ações para melhorias de performance Insatisfatório - desenvolver e apresentar plano de ação para corrigir os problemas e poderá ser bloqueado para novos negócios Bloqueado ações de contenção emergenciais devem ser desenvolvidas. Bloqueado para novos negócios. A B C D A pontuação do fornecedor e sua classificação devem ser registradas no Índice de Qualidade de Fornecedor (IQS). 7.5 Ação Corretiva O fornecedor deverá apresentar um plano de ação corretiva na seguinte condição: Na Auditoria de Sistema e Processo Knif, quando qualquer elemento apresentar uma nota inferior a 50% dos pontos para aquele elemento; A comunicação ao fornecedor sobre a necessidade de submissão de um plano de ação corretiva deverá ser feita através da emissão de um Relatório de Ação Corretiva - RAC (enviado via fax/ ). O prazo para a resposta inicial ( contenção ) é de 18 horas e fechamento da Relatório de Ação Corretiva deverá ser em 10 dias. Nota : Caso o Fornecedor não responda dentro do prazo de 18 horas, será realizado uma cobrança de R$ 50,00 (cinquenta reais), sendo acrescido a quantia de R$100,00 ( cem reais )após o 10º dia. O fornecedor que não atender o solicitado terá o seu fornecimento descontinuado e a sua volta como Fornecedor só ocorrerá a partir de uma reunião na Knif para se analisar as discrepâncias. 7.6 Descredenciamento do fornecedor Todo fornecedor que venha a permanecer com o Índice de Qualidade de Fornecimento (IQF) abaixo da classificação C, estabelecida neste manual, por um período consecutivo de 6 meses, e sem um plano de ação de adequação com prazo máximo de 6 meses para solução do problema, será descredenciado como 17

18 fornecedor para o item em questão. O Processo Controlar Qualidade informará ao Processo Comprar para que providencie a cotação do item com outro fornecedor. 8. ENTREGA E IDENTIFICAÇÃO A Metalúrgica Knif tem suas regras em relação à entrega e identificação dos seus produtos que devem cumpridos. 8.1 Embalagem Todos os produtos desenvolvidos pelos nossos fornecedores deverão obedecer aos nossos critérios de embalagem conforme nossa comunicação ao fornecedor que será enviada via e/ou fax. 8.2 Identificação Todos os produtos enviados a Metalúrgica Knif, deverão estar identificados com uma etiqueta que terá as seguintes informações: Descrição do Material (NBR 5007); Classificação do Material (G4/RL); Espessura do Material (1, ,04); Largura do Material (33, ,50); Comprimento do Material (bobina); Quantidade em kg e/ou peça Número da peça fornecida; Nota: Qualquer informação adicional o Departamento de Compras deverá ser contatado. 9. CUSTO DA QUALIDADE Incentivando todos os fornecedores a desenvolverem um método e meios que tornem o seu custo da qualidade eficiente e eficaz. As tendências da qualidade tais como: desempenho operacional; serviços, produtividade, eficiência e os próprios custos da não qualidade, são fatores importantíssimos dentro do processo de produção da cadeia de fornecedores, principalmente quando estes são comparados com os de seus concorrentes. Os progressos e as tendências globais devem ser acompanhados através de objetivos pré-definidos e monitorados, e principalmente se necessário, ações corretivas serão tomadas para adequá-los às suas expectativas e principalmente às expectativas de seus clientes. 18

19 Nota: Quando reclamações do cliente / campo, os custos da documentação e do atendimento ao cliente serão repassados diretamente para o Fornecedor. Quando retrabalhos forem realizados nas dependências da Knif advindos de não-conformidades dos Fornecedores, esses custos serão repassados, calculando-se o tempo de retrabalho versus custo da hora do retrabalho. 10 MELHORIA CONTÍNUA Nosso objetivo é adquirir somente produtos de fornecedores preferenciais, para tanto, esperamos que seja uma estratégia dos nossos fornecedores o desenvolvimento e a melhoria contínua da qualidade. Esperamos também que esteja dentro dessa estratégia o conceito Zero- Defeito, onde o objetivo é a prevenção ao invés da detecção, para isto os itens abaixo são considerações essenciais: Prevenção de defeitos/falhas; Prevenção de defeitos/falhas; Análise e eliminação da causa raiz dos defeitos/falhas; Atitude pró-ativa orientada pela qualidade por parte dos colaboradores; Aplicação de procedimentos preventivos; Desta forma nossos fornecedores devem identificar oportunidade de melhoria e produtividade tais como: Refugo, retrabalho, e reparo; Parada não programada de máquina; Manuseio e armazenamentos excessivos; Desperdício de mão de obra e material; Tempo excessivos de preparação de máquina, entre outros. De forma geral, gostaríamos que nossos fornecedores se conscientizassem que somente através da melhoria contínua dos nossos processos, produtos, serviços e relacionamento, é que podemos firmar uma relação de parceria duradoura, colocando-nos à disposição para colaborar dentro destes importantes desafios que são os mesmos colocados a nós por todos os nossos clientes. 19

20 PROTOCOLO DE RECEBIMENTO DE MODIFICAÇÕES DO MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES Declaramos ter recebido as modificações do Manual da Qualidade para Fornecedores da Metalúrgica Knif Ltda e estamos cientes das instruções descritas no mesmo. NOME DA EMPRESA: NOME DO RESPONSÁVEL : DATA: ASSINATURA: Revisão 04 / Julho

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores Este Manual é de propriedade da Martiaço Indústria Ltda. Sem autorização não pode ser distribuído ou copiado. SUMÁRIO 1. A EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 4

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 Distribuidor: Associado: ISO 9001:2008 Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 02 03 03 03 04 05 05 06 06 06 07 08 08 08 09 09 10 10 12 12 13 14 14 15 Índice Missão, visão, valores 1. O manual do fornecedor

Leia mais

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas Requisitos Específicos Sampel Peças Automotivas REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 7 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão...

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES Requisitos e diretrizes para o sistema de gestão da qualidade e ambiental Página 1 de 9 1. REQUISITOS ESPECÍFICOS... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Geral... 3 1.3 Documentos

Leia mais

Manual da Qualidade Fornecedores 2007

Manual da Qualidade Fornecedores 2007 Manual da Qualidade Fornecedores 2007 www.metalurgicanunes.com.br 2 ÍNDICE 01 Introdução. 3 02 Filosofia da Qualidade 3 03 Políticas da Metalúrgica Nunes 4 04 Requisitos de Qualidade para fornecimento

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 1/15 MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 2/15 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1 Missão da empresa... 5 1.2 Política da Qualidade e Ambiental...5 1.3 Glossário... 6 2. DISPOSIÇÕES GERAIS...

Leia mais

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS Manual de Requisitos Específicos Para Fornecedores Elaborado por: Carlos Nascimento Aprovado por: Océlio Paggiatto Sistema da Qualidade Carlos Nascimento Océlio 02 2 SUMÁRIO: 1.0 Termo de Recebimento e

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão... 3 6. Requisitos Gerais... 4 7. Requisitos Automotivos...

Leia mais

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 MANUAL FORNECEDORES A Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda pretende com este Manual aprimorar a relação com seus fornecedores e padronizar informações entre as partes.

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Manual de Instruções Para Revisão JULHO/2015 CONTROLE DE REVISÃO Código Capítulo Índice Pág. De M.DIR. 02-01 Instruções Preliminares 01 17 M.DIR. 02-02 Premissa 02 17 M.DIR. 02-03

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL Publicado:Fevereiro 2012 ESCLARECIMENTO REFERENTE À ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ISO/TS 16949:2009 APLICÁVEL A MHBR BRASIL LTDA 1-Generalidade Este anexo da Qualidade

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial...

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial... SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...04 2. OBJETIVO...04 2.1 Fornecedores...04 2.2 Abrangência...05 3. REQUISITOS...05 3.1 Homologação...05 3.2 Documentos Obrigatórios...06 4. SUBMISSÃO DE PPAP...07 4.1 Fornecedor

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO FAPARMAS Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO Sistema de Gestão da Qualidade ISO/TS 16949:22 2 / 5 Autor/Data José Ferraz 04/10/26 Aprovação/Data Sergio De Bortoli 04/10/26 s Descrições das

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da Empresa ---------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF.

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. Três Corações, 12 de janeiro de 2015. CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. 01/2015 Este documento pode ser utilizado

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 18; Revisado em Março/ 2014 ÍNDICE 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado 3. Código de Conduta 4. Meio Ambiente 5.

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da empresa ------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563.

C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563. MANUAL DA QUALIDADE PARA CORPORATIVO C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563.694/0001-92 - Inscrição Estadual:

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES

Manual da Qualidade para Fornecedores MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 APLICAÇÃO... 3 3 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES... 3 3.1 Empresas Certificadas... 4 3.2 Empresas não Certificadas... 4 3.3 Avaliação

Leia mais

13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE

13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE 13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE O estudo de caso a seguir, procura simular os acontecimentos em uma auditoria de sistema de gestão da qualidade baseado na norma ISO 9001:2000. Identifique

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES ÍNDICE 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 Introdução... 3 1.2 Objetivo... 3 1.3 Relações com Fornecedores... 3 1.4 Política do Sistema Integrado de Gestão (Qualidade e Meio Ambiente)... 4 2. DESENVOLVENDO

Leia mais

A impressão deste documento tem característica de cópia não controlada. As cópias serão obtidas diretamente do site http:compras.cetiqt.senai.br.

A impressão deste documento tem característica de cópia não controlada. As cópias serão obtidas diretamente do site http:compras.cetiqt.senai.br. 1. OBJETIVO O SENAI CETIQT está comprometido em prover total satisfação dos clientes, através de produtos e serviços que atendam as suas necessidades e expectativas em um ambiente de prevenção e melhoria

Leia mais

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO MBA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE SÃO PAULO 2009 Gerson C. Anis e grupo de trabalho SUMÁRIO RESUMO...2

Leia mais

01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes?

01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes? Questionário de auto-avaliação Nível 1 MÓDULO 1 - ADMINISTRAÇÃO 01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes? 02. A empresa tem definidos

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL 1. Prefácio 1.1 Dados gerais O presente acordo de qualidade assegurada (QSV) define as exigências de qualidade para os fornecedores da REHAU. Assim, o acordo de qualidade assegurada REHAU QSV é a norma

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Betim, 30 de Março de 2015 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Esta carta atualiza e substitui, a partir de 15/04/2015, a CARTA DE REQUISITOS

Leia mais

MANUAL DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS

MANUAL DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS 1 de 17 UMA PARCERIA DE SUCESSO É O SEGREDO PARA A QUALIDADE TOTAL! DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS Elaborado por: N - Data da Revisão Data da Emissão Aprovado por: CARIMBO

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor

Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda Manual Do Fornecedor Revisão 08 21/03/2014 1 Sumário 1. Apresentação... 5 2. Generalidades... 5 3. Processo de Aprovação de Peça de Produção (PAPP)... 5 3.1 - Definição...

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Revisão03 Maio,2011 ThyssenKrupp ManualdeFornecedores ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo PREFÁCIO O acirramento da competição global pela liderança e conquista de novos

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR MANUAL DO FORNECEDOR Página: 1/21 MANUAL DO FORNECEDOR 1 ÍNDICE 1 ÍNDICE... 2 2 INTRODUÇÃO... 3 3 PRÉ-REQUISITOS PARA FORNECIMENTO... 4 4 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS FORNECEDORES... 6 5 AMOSTRAS INICIAIS...

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Histórico de Revisões Rev. Modificações 01 30/04/2007 Primeira Emissão 02 15/06/2009 Alteração de numeração de PO 7.1 para. Alteração do título do documento de: Aquisição para: Aquisição / Qualificação

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES 1/32 MANUAL DA QUALIDADE DE MAXION STRUCTURAL COMPONENTS Unidade de Cruzeiro-SP Rua Dr. Othon Barcellos, 83 - Centro CEP 12.730-900 Cruzeiro-SP Fone : (12) 3184-1000 Fax.: (12) 3144-0247 Este Manual foi

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA E SERVIÇOS Este documento tem por finalidade regulamentar o fornecimento de equipamentos e serviços pela ENGEVAP ENGENHARIA E EQUIPAMENTOS LTDA., de acordo com a legislação em

Leia mais

ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2

ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2 ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2 Novembro 2014 Paulo Bento Gerenciamento da Qualidade de Fornecedores Eixo,Motor e Cambio 1 TE/OSV-P Daimler Trucks 2 Temas : Processo de gestão da qualidade de fornecedores.

Leia mais

MANUAL PARA FORNECEDORES

MANUAL PARA FORNECEDORES Página 1 de 11 SUMÁRIO: 1 VISÃO...3 2 MISSÃO...3 3 PRINCÍPIOS...3 4 POLÍTICA DE GESTÃO INOVA...4 5 - MENSAGEM AO FORNECEDOR...4 6 - OBJETIVO DO MANUAL...5 7 - REQUISITOS BÁSICOS DO SGQ...5 8 - AVALIAÇÃO

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 21; Revisado em Dezembro/ 2015 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANUAL DA QUALIDADE DE DOALPLASTIC INDUSTRIA E COMÉRCIO LTDA. MATRIZ: AVENIDA DIRCEU DIAS CARNEIRO, 151 DISTRITO INDUSTRIAL II - CEP 13457-198 SANTA BÁRBARA D' OESTE - SP - BRASIL FILIAL: AVENIDA MAESTRO

Leia mais

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Manual de Instruções Para Fornecedores Revisão Maio/2010 Código Capítulo CONTROLE DE REVISÃO Índice Pág. De M.DIR. 02-01 Instruções Preliminares 01 50 M.DIR. 02-02 Premissa 02

Leia mais

livros indicados e / ou recomendados

livros indicados e / ou recomendados Material complementar. Não substitui os livros indicados e / ou recomendados Prof. Jorge Luiz - 203 Pág. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE - SGQ Sistema de Gestão da Qualidade SGQ é a estrutura a ser criada

Leia mais

Gestão Laboratorial GESTÃO DE. Prof. Archangelo P. Fernandes

Gestão Laboratorial GESTÃO DE. Prof. Archangelo P. Fernandes Gestão Laboratorial GESTÃO DE EQUIPAMENTOS II Prof. Archangelo P. Fernandes GESTÃO DE EQUIPAMENTOS II Manutenção: conjunto de medidas necessárias, que permitam manter ou restabelecer um sistema no estado

Leia mais

Manual de Fornecedores Blitz Rev. 7

Manual de Fornecedores Blitz Rev. 7 Sumário 1. Mensagem ao Fornecedor...- 2-2. Política da Qualidade...- 2-3. Objetivo do manual...- 2-4. Aplicação...- 3-5. Definições...- 3-6. Confidencialidade...- 3-7. Requisitos Gerais...- 4-8. Verificação

Leia mais

M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R

M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R Sem controle após a impressão SUMÁRIO 1. Objetivo Webdesk\Manual da Qualidade\Subsistema I Logística Pág. - 1 - de 23 2. Responsabilidade do Fornecedor

Leia mais

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos F-MEA Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos ADPO ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1 F-MEA Failure Mode and Effects Analisys Conceito É uma metodologia analítica utilizada para garantir que problemas

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL Valinhos 2013 Introdução: A finalidade deste manual é aprimorar a relação entre a Santa Casa de

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

PROCEDIMENTO DE AUDITORIA INTERNA DO PROGRAMA 5 S HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES

PROCEDIMENTO DE AUDITORIA INTERNA DO PROGRAMA 5 S HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES Página 1 de 5 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2 CONDIÇÕES GERAIS 3 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 4 REGISTROS E ANEXOS HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES DATA REVISÃO ITENS REVISADOS ELABORAÇÃO APROVAÇÃO 24/06/2011 10/12/2011 Emissão

Leia mais

IQF - ÍNDICE DE QUALIDADE DO FORNECEDOR

IQF - ÍNDICE DE QUALIDADE DO FORNECEDOR IQF - ÍNDICE DE QUALIDADE DO FORNECEDOR FORNECEDOR: CÓDIGO DO FORNECEDOR: 81810 MARINGA S.A. CIMENTO E FERRO-LIGA. IQF - Índice de Qualidade do Fornecedor %) Anual) 82,00 FAMÍLIA: FERROS LIGAS / INOCULANTES

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/10 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para a execução de auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o sistema de gestão da qualidade é eficaz e está em conformidade com:

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

AGENDA: Apresentação Horário Assunto

AGENDA: Apresentação Horário Assunto 1 AGENDA: Apresentação Horário Assunto Lucio Simões 13:30 Abertura Ivan Reszecki 13:35 1 Apresentação Metaltork Lindolfo Pascutti 14:15 2 Acordo com o fornecedor Intervalo 14:45 Coffee Break Ailton Viezzer

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS Elaboração e Aprovação: Departamento de Gestão da Qualidade e

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Requisitos e diretrizes para o Sistema de Gestão da Qualidade e Meio Ambiente, conforme padrões definidos pelas normas NBR ISO 9001:2008, NBR ISO 14001:2004 e pela

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. * Revisão geral para atendimento à NBR ISO/IEC 17021-1:2015. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação 1 - Objetivo

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício Exemplo de Manual da Qualidade (Quality Manufacturing - Empresa Fictícia) Baseado nos 20 elementos da qualidade ISO 9001, existe uma correspondência de um para um entre os sistemas da qualidade da ISO

Leia mais

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 014

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 014 1/ 14 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão integral do PO, Indicadores e adequação dos registros e padrões. 02 Adequação as normas ISO 14001:2004 e OHSAS 18001:2007

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

www.megacursos.com.br O QUE É ISO?

www.megacursos.com.br O QUE É ISO? 1 O QUE É ISO? ISO significa International Organization for Standardization (Organização Internacional de Normalização), seu objetivo é promover o desenvolvimento de normas, testes e certificação, com

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Betim, 25 de Março de 2011 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Atualiza e substitui, a partir de 11/04/2011, a CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS

Leia mais

Certificações VMG ISO 9001 - TS 16949 - VDA 6.3

Certificações VMG ISO 9001 - TS 16949 - VDA 6.3 Certificações ISO 9001 - TS 16949 - VDA 6.3 As informações contidas neste documento são propriedades da INDÚSTRIA METALURGICA LTDA. Este documento não pode ser revelado, duplicado ou usado com nenhuma

Leia mais

MANUAL PARA FORNECEDORES

MANUAL PARA FORNECEDORES MANUAL PARA FORNECEDORES Regras para Seleção, Qualificação e Monitoria dos Fornecedores. Regras para Desenvolvimento de Produtos Regras para Aprovação do Produto e do Processo Edição 01 Outubro de 2011

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Certificação de sacolas plásticas impressas tipo camiseta

Certificação de sacolas plásticas impressas tipo camiseta Pág. Nº 1/13 SUMÁRIO Histórico das revisões 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Descrição do processo de certificação 6 Manutenção da certificação 7 Marcação dos produtos certificados

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES DA INDÚSTRIAS MANGOTEX LTDA.

REQUISITOS ESPECÍFICOS APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES DA INDÚSTRIAS MANGOTEX LTDA. Revisão: 01 Data: 09/10/14 Nº páginas: 1/17 REQUISITOS ESPECÍFICOS APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES DA INDÚSTRIAS MANGOTEX LTDA. Revisão: 01 Data: 09/10/14 Nº páginas: 2/17 ÍNDICE REQUISITOS PÁGINA Histórico

Leia mais

MBA em Administração e Qualidade

MBA em Administração e Qualidade MBA em Administração e Qualidade Sistemas ISO 9000 e Auditorias da Qualidade Aula 5 Prof. Wanderson Stael Paris Olá! Confira no vídeo a seguir alguns temas que serão abordados nesta aula. Bons estudos!

Leia mais

Aplica-se obrigatoriamente a todas as áreas que possuem empresas contratadas na Vale Fertilizantes.

Aplica-se obrigatoriamente a todas as áreas que possuem empresas contratadas na Vale Fertilizantes. Responsável Técnico: Alex Clementino Ferreira Gerência de Sistema de Gestão Público-alvo: Empregados designados para realizarem as auditorias. 1. OBJETIVO Nº: PGS-3209-82-04 Pág.: 1 de 8 Código de Treinamento:

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS NOCIVAS 1 - OBJETIVO

GESTÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS NOCIVAS 1 - OBJETIVO ITEM PÁGINA 1 OBJETIVO 1 2 DEFINIÇÃO DOS TERMOS 2 3 REFERÊNCIAS (NORMAS/ LEGISLAÇÃO/ REQUISITOS APLICÁVEIS). 2 4 RESPONSABILIDADES E ATIVIDADES PARA CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS. 3 5 ANÁLISE LABORATORIAL 4

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PO.GRH.01 01 1/9 1. OBJETIVO Descrever e fornecer informações quanto às atribuições, responsabilidades e pré-requisitos que constituem as funções da organização, e o levantamento da necessidade e realização

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

2. DEFINIÇÃO E CONCEITO

2. DEFINIÇÃO E CONCEITO 1/5 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para controlar todos os equipamentos e instrumentos do Laboratório do Grupo Santa Helena garantindo suas inspeções, manutenções e calibrações de forma a mantê-los

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece as condições necessárias para a concessão da Autorização para Uso do Selo de Identificação

Leia mais

Centro Espírita Nosso Lar Casas André Luiz

Centro Espírita Nosso Lar Casas André Luiz MANUAL DO FORNECEDOR INTRODUÇÃO Este manual tem por objetivo principal informar à cadeia de fornecedores os procedimentos e processos internos operacionais que viabilizam a avaliação de desempenho dos

Leia mais