Manual da Qualidade Fornecedores 2007

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual da Qualidade Fornecedores 2007"

Transcrição

1 Manual da Qualidade Fornecedores 2007

2 2 ÍNDICE 01 Introdução Filosofia da Qualidade 3 03 Políticas da Metalúrgica Nunes 4 04 Requisitos de Qualidade para fornecimento 4 05 Expectativas da Qualidade para os Fornecedores 5 06 Critérios de Qualificação 6 07 Avaliação do Desempenho dos Fornecedores Ação Corretiva 6 09 Comunicação com os Fornecedores 7 10 Desenvolvimento do Fornecedor 7 11 Cursos recomendados 8 12 Glossário. 9 Anexos 01 Necessidade de submissão do PPAP - QS 9000 (4ª Edição) Monitoramento de desempenho do fornecedor Controle de Revisões 12

3 3 1 - INTRODUÇÃO ESCOPO OBJETIVO O conteúdo deste Manual contempla os requisitos mínimos obrigatórios para fornecedores de materiais e serviços qualificados para Metalúrgica Nunes. Destacamos a filosofia da Metalúrgica Nunes no que se refere a fornecedores: Para exceder as expectativas dos clientes, a Metalúrgica Nunes espera alcançar qualidade e valor total nos produtos e serviços recebidos de seus fornecedores e associados. A Metalúrgica Nunes reconhece o papel importante desempenhado por parceiros inovadores e confiáveis no alcance de seus objetivos estratégicos. É necessária uma melhoria contínua na capacidade dos nossos fornecedores e associados para que a Metalúrgica Nunes consiga atingir os seus objetivos de desempenho. O objetivo deste Manual é comunicar os requisitos da Metalúrgica Nunes no que se refere a estruturação de um Sistema de Gestão da Qualidade para empresas que forneçam produtos e serviços. Foi designada a norma ISO 9001:2000 e Manuais Referenciais da QS º Edição como referência para implantação do sistema da qualidade, de todos os fornecedores de materiais produtivos das nossas fábricas e unidades de montagem. Os fornecedores de materiais produtivos deverão estar certificados a norma ISO 9001:2000 (no mínimo) até Dezembro de 2008 por solicitação dos Clientes da Metalúrgica Nunes. Os laboratórios fornecedores de serviços de inspeção, teste e calibração (laboratórios externos) devem atender aos requisitos da ISO IEC 17025: Jan ou equivalente, incluindo o uso de um escopo de laboratório até Dezembro A Metalúrgica Nunes sugere que seus fornecedores produtivos visem a implantação de um Sistema Gestão Ambiental baseado na norma ISO 14000:1996, pois breve isto se tornará um requisito obrigatório para fornecimento. Todos os fornecedores devem ter conhecimento das legislações aplicáveis à sua empresa / ramo de atividades e atendê-las de forma satisfatória. O fornecedor deve manter a Licença de Funcionamento/Operação, atualizada e controlada, devendo ser enviada cópia desta para Metalúrgica Nunes. 2 FILOSOFIA DA QUALIDADE

4 4 A Metalúrgica Nunes necessita de fornecedores que mantenham um sistema de gestão da qualidade documentado efetivo que comunique, identifique, coordene e controle todas as atividades chaves necessárias para produzir um produto de qualidade. O sistema deve estar baseado na filosofia da melhoria contínua, enquanto enfatiza a prevenção de defeitos e a redução de variação e desperdício na cadeia de fornecimentos. Melhoria contínua em produtos e processos são críticos para a Metalúrgica Nunes manter a atual posição no mercado. Espera-se que todos fornecedores da Metalúrgica Nunes se esforcem continuamente para efetivar melhorias nos produtos fornecidos. 3 POLÍTICA DA QUALIDADE: Entender para atender os requisitos dos clientes em serviços de usinagem fornecidos, focando a melhoria continua em seus processos. 4 - REQUISITOS DE QUALIDADE DE FORNECIMENTO A Metalúrgica Nunes possui alguns requisitos que deverão ser atendidos pelos seus fornecedores. São eles: 1 - Análise de Documentos de Compra: O fornecedor deve analisar criticamente todos os requisitos constantes do documento de compra, antes da aceitação do pedido (prazo de entrega, quantidade, horário de recebimento, etc.). Qualquer divergência deve ser comunicada e acordada com Metalúrgica Nunes no prazo estabelecido nos documentos. Atenção especial é requerida quando o item possuir desenho técnico, cujo número de revisão constará em campo específico do documento de compra. 2 - Processo de Aprovação de Peça de Produção (PPAP 4ª EDIÇÃO): Para inicio de fornecimento é necessário a aprovação da documentação e amostras de PPAP. Todo PPAP deverá vir acompanhado das respectivas amostras (nível 2 de submissão i- tens produtivos, ou conforme indicado no Pedido de Compra). A Metalúrgica Nunes indica o Manual de PPAP 4ª Edição do IQA ou AIAG como documento de referência. 3 Documentação requerida para PPAP nível 2: Certificado PSW Relatório Dimensional Relatório de Material(se aplicável) Relatório de Aparência(se solicitado) Desenho boleado (se solicitado) Fluxograma de Processo(se solicitado) FMEA(se solicitado) Plano de Controle(se solicitado) Estudos de Capacidade (Cpk 1,67 Mínimo se solicitado) Estudos de MSA.(se solicitado)

5 5 4 - Plano de Controle com base na norma TS 16949, anexo B: Independente do nível de submissão o fornecedor deverá possuir um Plano de Controle, o qual deve descrever o sistema para monitorar os métodos e processos para o controle das características críticas ou significativas, as quais, se houverem, devem priorizar a implementação de CEP. Os Planos de Controles e a implementação de Técnicas Estatísticas devem ser baseados nos manuais de referência da QS 9000, (APQP - Planejamento Avançado da Qualidade do Produto e Plano de Controle, CEP - Fundamentos do Controle Estatístico do Processo e FMEA - Análise de Modos e Efeitos de Falha). 5 - Qualidade na medição: o fornecedor deve possuir os equipamentos / instrumentos necessários para a medição dos itens que irá fornecer, de forma a assegurar a qualidade dos produtos entregues. Os equipamentos / instrumentos de inspeção, medição e ensaios devem ser identificados, calibrados de acordo com métodos definidos e documentados, mantendo registros da calibração realizada. Para os sistemas de medição referenciados nos planos de controle, deverão ser realizados estudos estatísticos para análise da variação presente nos resultados. Estes estudos devem ser baseados no Manual de Referência de Análise dos Sistemas de Medição (MSA), do QS Embalagem: é de responsabilidade do fornecedor o desenvolvimento de embalagens, em conjunto com a Metalúrgica Nunes, que garantam a integridade do produto fornecido, facilitando o manuseio e estocagem, a menos que embalagens específicas sejam definidas e requeridas. É estimulado o uso de materiais retornáveis e recicláveis. 7 Entregas: Os fornecedores devem entregar todos os produtos dentro dos prazos estabelecidos nos Documentos de Compra. O atendimento ao índice de Eficiência de Entregas deverá ser de 100%. 8 - Certificados de qualidade: Certificados de Sistema de Qualidade e/ou Meio Ambiente deverão ser enviados e atualizados para a Metalúrgica Nunes. 9 - Identificação: É imprescindível para o processo de recebimento e acompanhamento de todos os materiais a correta identificação do item (na parte externa da embalagem e marcado na própria peça quando especificado em desenho). A utilização de código de barras, visando a identificação do produto, poderá ser requerida pela Metalúrgica Nunes Comunicação: A Metalúrgica Nunes estimula seus fornecedores a utilizarem os meios de comunicação eletrônicos para facilitar a troca de informações. Os meios de comunicação utilizados atualmente são: Internet, , EDI. 5 - EXPECTATIVAS DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES A Metalúrgica Nunes adotou as normas da série ISO/TS e ISO 14000, como referência para o desenvolvimento do Sistema da Qualidade e Ambiental para o desenvolvimento de seus fornecedores. Esta relação abrange os fornecedores de: Itens ou serviços que afetam diretamente o desempenho / qualidade do produto;

6 6 Itens ou serviços que afetam as regulamentações governamentais de segurança, legislação e meio ambiente; A Metalúrgica Nunes incentiva a busca de premiações de sistemas de gestão da qualidade como, por exemplo: PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade assim como o PNQ - Prêmio Nacional da Qualidade e outras premiações regionais, etc. Os fornecedores, deverão buscar o atingir a pontuação mínima para cada requisito. 6 - CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO São os seguintes os critérios de qualificação inicial, utilizados pela Metalúrgica Nunes: CRITÉRIOS Avaliação por Auditoria Certificado ISO 9000 / QS 9000 / TS Credenciamento / Reconhecimento Serviços de Calibração, Inspeção e Testes Auto - Avaliação Avaliação Amostras do Produto / Teste Ferramentas Experiência Declarada de Outro Usuário Histórico de Fornecimento Avaliação de Qualificação Fornecedor Indicado pelo Cliente 7 - AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS FORNECEDORES O acompanhamento e monitoramento do desempenho do fornecedor de itens que afetam diretamente o desempenho e a qualidade do produto é realizado através do sistemática interna definida e enviada o índice de desempenho a cada fornecedor quando o mesmo não alcançar as metas definidas. Para o fornecedor poder fornecer à Metalúrgica Nunes este deverá inicialmente estar qualificado. 8 - AÇÃO CORRETIVA O fornecedor recebe o informe da ocorrência de não conformidade através do Relatório de Não-Conformidade (RNC), o qual é utilizado para monitorar as ações corretivas implementadas pelo fornecedor. Ao receber este documento, o fornecedor deve analisá-lo e respondê-lo no prazo máximo de sete dias úteis (pois o tempo de resposta será avaliado), evidenciando que o problema já está resolvido ou em fase final de solução. Seu processo será acionado sempre que: 1) Tiver ocorrência com qualidade (PPM);

7 7 2) Gerar uma parada no cliente; 3) A pontualidade de entrega apresentar valores menores que os definidos (IPE); 4) Gerar um desvio de qualidade por deficiência no fornecimento. OBSERVAÇÃO: Para a obtenção dos formulários necessários (PPAP, RNC, etc,) contatar o responsável pelos desenvolvimentos dos produtos. 9- COMUNICACÃO COM FORNECEDORES O canal de comunicação entre a Metalúrgica Nunes e seus fornecedores é baseado: Na análise das respostas ao questionamento contido nas pesquisas de opinião do fornecedor, realizadas periodicamente, onde são abordados os mais variados aspectos deste relacionamento. Contatos telefônicos, fax, , etc. Seminário de Fornecedores. Site na Internet: Avaliações e/ou auditorias em fornecedores. 10- DESENVOLVIMENTO DO FORNECEDOR A Metalúrgica Nunes está estruturada com pessoal qualificado para auxiliar no desenvolvimento dos fornecedores, através de sua atuação como segue: - Avaliações de caráter técnico, no sistema da qualidade e no sistema de gestão ambiental, nas instalações do fornecedor; - Reuniões técnicas e administrativas, onde são discutidas e analisadas as especificações do produto, do processo e do negócio envolvido; - Visitas dos fornecedores às instalações da Metalúrgica Nunes, apresentando a aplicação de seus produtos e possibilidades de melhorias; - Oportunidade de participação em equipes multidisciplinares de novos projetos; - Suporte na utilização das ferramentas da qualidade (Anexo 03); - Realização de Workshops de Fornecedores e cursos internos e palestras, disseminando aos fornecedores as tendências de mercado e novos requisitos de desenvolvimento. 11- CURSOS RECOMENDADOS:

8 8 Dentro do processo de Melhoria Contínua, sugerimos aos nossos fornecedores a busca de conhecimento no seguintes assuntos e implementação destes onde aplicável: ISO 9000, ISO 14000, ISO TS (ISO Automotiva), OHSAS e SA 8000; Fundamentos da Qualidade; Planejamento Estratégico; TPM Manutenção Produtiva Total; 5 S s; MASP - Metodologia Aplicada à Solução de Problemas; Benchmarking; Metrologia / ISO / MSA; Análise e Interpretação de Desenhos; Análise de Valor; FMEA; Poka Yoke (à prova de erros); Controle Estatístico de Processos (CEP); Informática; Gerenciamento de Processos; Ferramentas da Qualidade; APQP / PPAP 3ª Edição; Logística; Mapeamento de Processos.

9 GLOSSÁRIO AIAG - Automotive Industry Action Group. BENCHMARKING - Técnica utilizada para determinar as melhores práticas para um processo ou produto. CERTIFICAÇÃO DE TERCEIRA PARTE - Certificação realizada por organização qualificada credenciada por um organismo de credenciamento nacional para realizar auditorias ISO 9001:2000, QS 9000, ISO/TS e para certificar as instalações auditadas para um dado escopo (ex.: produto, processo, etc). DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDOR - Refere-se a todas as atividades projetadas para melhorar o desempenho do sistema da qualidade fundamental do fornecedor. FMEA Análise de Modos e Efeitos de Falha - Conjunto sistematizado de atividades para reconhecer e avaliar uma falha potencial de um produto/processo e/ou identificar ações que poderiam eliminar ou reduzir a oportunidade desta falha potencial ocorrer e/ou documentar o processo. FOLLOW-UP - Acompanhamento de ação solicitada IQA Instituto de Qualidade Automotiva. ISO Conjunto de normas sobre gestão ambiental. MELHORIA CONTÍNUA - O fornecedor deve continuamente melhorar em qualidade, serviço (incluindo entrega, prazos) e preço que beneficie todos os clientes. MSA - Análise dos Sistemas de Medição NÃO-CONFORMIDADE - Discrepância em relação ao produto, processo ou sistema da qualidade, verificada durante o recebimento ou processo de auditoria no fornecedor. OEM - Original Equipment Market, ou seja Montadora de veículos, estabelecida no Brasil. OHSAS Norma para Sistema de Gestão da Saúde e Segurança do Trabalho PNQ - Prêmio Nacional da Qualidade. PGQP - Programa Gaúcho de Qualidade e Produtividade PBQP - Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade PPAP - (Production Part Approval Process)- Processo de Aprovação de Peça de Produção. QSA - Avaliação do Sistema da Qualidade. É um dos manuais de referência da QS QUALIFICAÇÃO - Consiste na comprovação de que o fornecedor apresenta condições para o fornecimento de item(s) específico(s). RBC - Rede Brasileira de Calibração. RBLE - Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaios.

10 10 SA 8000 Norma para Responsabilidade Social RNC Relatório de Não-Conformidade. SKIP-LOT - Método utilizado para inspecionar, na forma de auditoria, somente alguns lotes recebidos pela Metalúrgica Nunes. A quantidade de lotes não inspecionados vai aumentando de forma crescente, em função da qualidade, até não ser mais necessário inspecionar o referido material, atingindo a qualidade assegurada para esse item. TRF - Troca Rápida de Ferramentas: Novos pedidos ou aumentos de programação, dificilmente poderão ser atendidos pelo fornecedor se não dispuser de um bom programa neste sentido. TS Normas técnicas para implantação de um Sistema da Qualidade ISO adequada as exigências do setor automotivo.

11 11 ANEXO 01 NECESSIDADE DE SUBMISSÃO OU RESSUBMISSÃO DO PPAP - QS 9000 (4ª edição) É necessário utilizar o Processo de Aprovação de Peças de Produção nos seguintes casos: 1 Peça ou conjunto novo, por exemplo: uma peça específica, material ou cor não préviamente fornecida para um determinado cliente. 2 Correção de discrepância(s) em peça ou conjunto submetido anteriormente. 3 Produto modificado por uma alteração de engenharia no desenho do produto, especificação ou material. 4 Uso de construção ou material opcional em relação ao que foi aprovado na peça ou conjunto anteriormente aprovado. 5 Produção usando ferramentas, matrizes, moldes, modelos, etc., novas ou modificadas (exceto ferramentas consumíveis como brochas, por exemplo), inclusive ferramental adicional ou de reposição. 6 Produção após o reparo ou reorganização de ferramental ou equipamento. 7 Produção após qualquer alteração no processo (layout, por exemplo) ou método de manufatura (fluxograma de processo). 8 Produção com ferramental e equipamento transferido para uma outra unidade de fabricação (outra localidade) ou localidade adicional àquela fornecedora. 9 Mudança de sub-fornecedor ou fonte de material de peças ou serviços de sub-fornecedores (ex.: tratamento térmico, tratamento superficial). 10 Após o ferramental ter ficado inativo para produção normal por doze meses ou mais. 11 Atendendo uma solicitação de cliente, de suspensão do fornecimento, devido a problemas de qualidade. - OBSERVAÇÂO: Os três primeiros itens são de caráter obrigatório, os demais itens poderão ter dispensa da Metalúrgica Nunes.

12 12 Anexo 02 Indicadores de Pontuação de Desempenho de Fornecedor A freqüência de avaliação e lançamento dos dados é mensal. Os resultados estarão disponíveis até no máximo o 5 º dia útil do mês subsequente. As metas da Metalúrgica Nunes com relação a Qualidade,100% Entrega,100% no prazo Ocorrências no Cliente, zero Solicitações de Desvio ao cliente, zero. A pontuação mínima exigida no do Fornecedor é um DGF de 90 Pontos. Indicadores: 1. Qualidade (40%) 2. Entrega (40%) Entrega pontual (100%) 3. Ocorrências no cliente (10%) Zero Ocorrências (100%) 4. Desvios solicitados ao cliente (10%) Zero desvios (100%) Anexo 3 CONTROLE DE REVISÕES DATA SEÇÃO PÁGINA REVISÃO DESCRIÇÃO DA ALTERAÇÃO 01/12/03 TODAS TODAS ZERO APROVADA A PRIMEIRA EDIÇÃO 02/01/07 TODAS TODAS 1 ADEQUAÇÃO A 4ª EDIÇÃO DE PPAP

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores Este Manual é de propriedade da Martiaço Indústria Ltda. Sem autorização não pode ser distribuído ou copiado. SUMÁRIO 1. A EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 4

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES Requisitos e diretrizes para o sistema de gestão da qualidade e ambiental Página 1 de 9 1. REQUISITOS ESPECÍFICOS... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Geral... 3 1.3 Documentos

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF.

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. Três Corações, 12 de janeiro de 2015. CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. 01/2015 Este documento pode ser utilizado

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Gestão da Qualidade TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Interpretação / Implantação da ISO 9001:2008 Compreender a filosofia

Leia mais

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 MANUAL FORNECEDORES A Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda pretende com este Manual aprimorar a relação com seus fornecedores e padronizar informações entre as partes.

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo 1. Objetivo Este documento tem por objetivo comunicar os requisitos mínimos a todos os fornecedores de componentes, matérias

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da Empresa ---------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Betim, 25 de Março de 2011 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Atualiza e substitui, a partir de 11/04/2011, a CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR METALÚRGICA KNIF LTDA Junho/2013 1 REGISTRO DAS MODIFICAÇÕES REVISÃO DATA MOTIVO 00 02/04/09 Emissão do documento 01 05/08/09 Modificação dos itens 5.5 e 7.5 02 27/07/10

Leia mais

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL 1. Prefácio 1.1 Dados gerais O presente acordo de qualidade assegurada (QSV) define as exigências de qualidade para os fornecedores da REHAU. Assim, o acordo de qualidade assegurada REHAU QSV é a norma

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Betim, 30 de Março de 2015 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Esta carta atualiza e substitui, a partir de 15/04/2015, a CARTA DE REQUISITOS

Leia mais

ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2

ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2 ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2 Novembro 2014 Paulo Bento Gerenciamento da Qualidade de Fornecedores Eixo,Motor e Cambio 1 TE/OSV-P Daimler Trucks 2 Temas : Processo de gestão da qualidade de fornecedores.

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da empresa ------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor

Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda. Manual Do Fornecedor Rossini Murta Industria Metálurgica Ltda Manual Do Fornecedor Revisão 08 21/03/2014 1 Sumário 1. Apresentação... 5 2. Generalidades... 5 3. Processo de Aprovação de Peça de Produção (PAPP)... 5 3.1 - Definição...

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL Publicado:Fevereiro 2012 ESCLARECIMENTO REFERENTE À ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ISO/TS 16949:2009 APLICÁVEL A MHBR BRASIL LTDA 1-Generalidade Este anexo da Qualidade

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE GESTÃO AUTOMOTIVA SEMINÁRIO APQP / PPAP Propiciar aos participantes uma visão crítica do APQP e do PPAP, seus benefícios

Leia mais

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS Manual de Requisitos Específicos Para Fornecedores Elaborado por: Carlos Nascimento Aprovado por: Océlio Paggiatto Sistema da Qualidade Carlos Nascimento Océlio 02 2 SUMÁRIO: 1.0 Termo de Recebimento e

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP.

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. FMEA, ISO/TS, APQP, PPAP Pretendemos, neste módulo, mostrar todas as ligações e vínculos existentes entre a ferramenta do

Leia mais

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial...

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial... SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...04 2. OBJETIVO...04 2.1 Fornecedores...04 2.2 Abrangência...05 3. REQUISITOS...05 3.1 Homologação...05 3.2 Documentos Obrigatórios...06 4. SUBMISSÃO DE PPAP...07 4.1 Fornecedor

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 Distribuidor: Associado: ISO 9001:2008 Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 02 03 03 03 04 05 05 06 06 06 07 08 08 08 09 09 10 10 12 12 13 14 14 15 Índice Missão, visão, valores 1. O manual do fornecedor

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas Requisitos Específicos Sampel Peças Automotivas REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 7 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão...

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC

Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC Supplier Development Dana Holding Corporation LLC Agosto 2012 SUMÁRIO i. INTRODUÇÃO... 4 ii. CONDUTA EMPRESARIAL... 5

Leia mais

CARTILHA PARA O USO DA MARCA

CARTILHA PARA O USO DA MARCA Página 1 de 11 PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO Este procedimento é parte integrante do Sistema de Gestão da Qualidade da BRICS. Quando disponível em domínio público, está sujeito a alterações sem aviso

Leia mais

Processo de Certificação PGMQ -TV RSQM-DO-028-04-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO

Processo de Certificação PGMQ -TV RSQM-DO-028-04-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO Processo de Certificação PGMQ -TV O que é OCC? Organismos de Certificação Credenciado (Acreditado) pela CGCRE Conduzem e concedem a certificação de conformidade, com base em normas nacionais, regionais,

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO PARTE 1 ESTRUTURA DO SGI Módulo SGI-1.0 - Introdução (04 horas) Apresentação da metodologia do Programa de Formação Manual do Aluno Critérios de aprovação e reposição de módulos Uso da plataforma do Ambiente

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ?

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ? PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES AVALIAÇÃO SASSMAQ (P.COM.26.00) O SASSMAQ é um Sistema de Avaliação de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade, elaborado pela Comissão de Transportes da ABIQUIM, dirigido

Leia mais

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade.

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. ISO 9001 2008 Carolina Rothe Luiz Gustavo W. Krumenauer Paulo Emílio Paulo Saldanha Relação das principais normas da Série

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES ÍNDICE 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 Introdução... 3 1.2 Objetivo... 3 1.3 Relações com Fornecedores... 3 1.4 Política do Sistema Integrado de Gestão (Qualidade e Meio Ambiente)... 4 2. DESENVOLVENDO

Leia mais

PROGRAMA ANUAL TREINAMENTOS EMPRESARIAIS 2008

PROGRAMA ANUAL TREINAMENTOS EMPRESARIAIS 2008 PROGRAMA ANUAL TREINAMENTOS EMPRESARIAIS 2008 Assessoria Treinamento e Gestão Rua Cel Nogueira Padilha, 1011 - Sala 6 - Sorocaba - São Paulo Fone / Fax 15 32345920 www.profort.com.br Página 1 de 9 TE-001

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES 1/32 MANUAL DA QUALIDADE DE MAXION STRUCTURAL COMPONENTS Unidade de Cruzeiro-SP Rua Dr. Othon Barcellos, 83 - Centro CEP 12.730-900 Cruzeiro-SP Fone : (12) 3184-1000 Fax.: (12) 3144-0247 Este Manual foi

Leia mais

NOSSA HISTÓRIA. Desde 1988, ano de fundação da Qualtec, desenvolvemos as melhores soluções para nossos clientes.

NOSSA HISTÓRIA. Desde 1988, ano de fundação da Qualtec, desenvolvemos as melhores soluções para nossos clientes. NOSSA HISTÓRIA Desde 1988, ano de fundação da Qualtec, desenvolvemos as melhores soluções para nossos clientes. Estamos preparados para atuar no desenvolvimento, implementação, aprimoramento, treinamento

Leia mais

Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto)

Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto) Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1

Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1 Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1 Conteúdo 1.0 Introdução 3 1.1 Escopo 3 1.2 Objetivo 3 1.3 Fundamentação 4 2.0 Requisitos do Sistema de Qualidade

Leia mais

Anexo 61 Manual de Fornecedores STIHL MANUAL DE FORNECEDORES

Anexo 61 Manual de Fornecedores STIHL MANUAL DE FORNECEDORES MANUAL DE FORNECEDORES LS 0082 Manual de Fornecedores 1 de 50 04.12.2013 Sumário INTRODUÇÃO... 5 DIRETRIZES DO FORNECEDOR... 6 CONTRATOS STIHL... 6 OBJETIVOS... 7 GESTÃO DA QUALIDADE... 8 1. SISTEMA DE

Leia mais

CRE - Sistema de Controle de Requisitos Específicos. Requisitos Específicos Dos Processos. Data 27/5/2010 13:20:15 Página 1 de 20 Relatório frmrel002

CRE - Sistema de Controle de Requisitos Específicos. Requisitos Específicos Dos Processos. Data 27/5/2010 13:20:15 Página 1 de 20 Relatório frmrel002 s Específicos Dos Processos CRE - Sistema de Controle de s Específicos Página 1 de 20 ADM - ADMINISTRAÇÃO 4.2.4 CONTROLE DE REGISTROS DA 5 RESPONSABILIDADES DA DIRECAO 5.1 COMPROMETIMENTO DA DIRECAO PGI

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Manual de Instruções Para Revisão JULHO/2015 CONTROLE DE REVISÃO Código Capítulo Índice Pág. De M.DIR. 02-01 Instruções Preliminares 01 17 M.DIR. 02-02 Premissa 02 17 M.DIR. 02-03

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Qual o significado de ISO? ISO International Organization for Standardization, é uma organização não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que foi criada em 1946

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS Elaboração e Aprovação: Departamento de Gestão da Qualidade e

Leia mais

DISCIPLINA: Controle de Qualidade na Indústria

DISCIPLINA: Controle de Qualidade na Indústria PPGE3M/UFRGS DISCIPLINA: Controle de Qualidade na Indústria Profa. Dra. Rejane Tubino rejane.tubino@ufrgs.br SATC 2013 Fone: 3308-9966 Programa da Disciplina Apresentação da disciplina Conceitos preliminares.

Leia mais

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação?

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação? O que é a norma ISO? Em linhas gerais, a norma ISO é o conjunto de cinco normas internacionais que traz para a empresa orientação no desenvolvimento e implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Software para Gerenciamento de Sistemas de Gestão

Software para Gerenciamento de Sistemas de Gestão Software para Gerenciamento de Sistemas de Gestão Sabemos que implementar e monitorar um Sistema de Gestão é um grande desafio, pois temos que planejar, controlar e verificar muitos registros, papéis,

Leia mais

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Referência RFI 011 Pergunta NBR ISO 9001:2000 cláusula: 2 Apenas os termos e definições da NBR ISO 9000:2000 constituem prescrições da NBR ISO 9001:2000,

Leia mais

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos F-MEA Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos ADPO ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1 F-MEA Failure Mode and Effects Analisys Conceito É uma metodologia analítica utilizada para garantir que problemas

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

CONSULTORIA. Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias

CONSULTORIA. Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias CONSULTORIA Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias PADRÃO DE QUALIDADE DESCRIÇÃO ISO 9001 Esse Modelo de Produto de Consultoria tem por objetivo definir e melhorar todos os processos da empresa,

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício Exemplo de Manual da Qualidade (Quality Manufacturing - Empresa Fictícia) Baseado nos 20 elementos da qualidade ISO 9001, existe uma correspondência de um para um entre os sistemas da qualidade da ISO

Leia mais

PLANEJAMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE - SIAC - NÍVEL C - EDIFICAÇÕES Empresa:

PLANEJAMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE - SIAC - NÍVEL C - EDIFICAÇÕES Empresa: 4. (b) Foi definido claramente o(s) subsetore(s) e tipo(s) de obra abrangido(s) pelo Sistema de Gestão da Qualidade. Não foi definido o subsetor e o tipo de obra abrangido pelo Sistema de Gestão pela Qualidade.

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL NORMA Nº NIE-CGCRE-039 APROVADA EM NOV/2009 Nº 01/05 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Complementares 5 Histórico

Leia mais

M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R

M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R Sem controle após a impressão SUMÁRIO 1. Objetivo Webdesk\Manual da Qualidade\Subsistema I Logística Pág. - 1 - de 23 2. Responsabilidade do Fornecedor

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil ERICO UMEZU THIAGO DA COL Empresa Bandeirante de Energia S/A Empresa Bandeirante de

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 18; Revisado em Março/ 2014 ÍNDICE 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado 3. Código de Conduta 4. Meio Ambiente 5.

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 1/15 MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 2/15 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1 Missão da empresa... 5 1.2 Política da Qualidade e Ambiental...5 1.3 Glossário... 6 2. DISPOSIÇÕES GERAIS...

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 Através da vasta experiência, adquirida ao longo dos últimos anos, atuando em Certificações de Sistemas de Gestão, a Fundação Vanzolini vem catalogando

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Manual de Instruções Para Fornecedores Revisão Maio/2010 Código Capítulo CONTROLE DE REVISÃO Índice Pág. De M.DIR. 02-01 Instruções Preliminares 01 50 M.DIR. 02-02 Premissa 02

Leia mais

Abordagem da Indústria Automotiva para Sistemas de Medição

Abordagem da Indústria Automotiva para Sistemas de Medição Abordagem da Indústria Automotiva para Sistemas de Medição Joselino Lacerda - Gerente de Qualidade Acumuladores Moura PRESENÇA Marca líder na América do Sul 6 plantas industriais Mais de 70 centros de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

MANUAL DA GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DA GESTÃO DA QUALIDADE Seção 1 Introdução / Escopo do Sistema de Gestão da Qualidade Seção 1 Introdução / Escopo do Sistema de Gestão da Qualidade Na busca contínua da melhoria da Qualidade, a SMIDDA preparou e aprovou este

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

5ª Edição Janeiro de 2008.

5ª Edição Janeiro de 2008. EMPRESAS RANDON MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES 5ª Edição Janeiro de 2008. Apresentação 4 1 - Introdução 5 1.1 Escopo 5 1.2 Objetivo Geral 5 2 - Aprovação de Fornecedores e Planejamento da Produção

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES 7.431 Rev: 2 Data: 13/5/214 1 de 43 Elaborado por: Daiane Pandolfo Joana Correa SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. ESCOPO... 4 3. APLICABILIDADE... 4 4. OBJETIVO... 5 5. REQUISITOS AMBIENTAIS... 5 6. ÉTICA

Leia mais

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO FAPARMAS Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO Sistema de Gestão da Qualidade ISO/TS 16949:22 2 / 5 Autor/Data José Ferraz 04/10/26 Aprovação/Data Sergio De Bortoli 04/10/26 s Descrições das

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

Prof. Dr. Carlos Eduardo Sanches da Silva Prof. Dr. Carlos Henrique Pereira Mello EPR 707 EPR 707 ENGENHARIA DO PRODUTO

Prof. Dr. Carlos Eduardo Sanches da Silva Prof. Dr. Carlos Henrique Pereira Mello EPR 707 EPR 707 ENGENHARIA DO PRODUTO EPR 707 Prof. Dr. Carlos Eduardo Sanches da Silva Prof. Dr. Carlos Henrique Pereira Mello EPR 707 ENGENHARIA DO PRODUTO O que é o PDP PDP é o processo de negócio que: Busca as especificações de projeto

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

AGENDA: Apresentação Horário Assunto

AGENDA: Apresentação Horário Assunto 1 AGENDA: Apresentação Horário Assunto Lucio Simões 13:30 Abertura Ivan Reszecki 13:35 1 Apresentação Metaltork Lindolfo Pascutti 14:15 2 Acordo com o fornecedor Intervalo 14:45 Coffee Break Ailton Viezzer

Leia mais

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha)

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) FMEA FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) Técnica auxiliar no projeto de sistemas, produtos, processos ou serviços. Flávio Fogliatto Confiabilidade 1 FMEA - Definição

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão... 3 6. Requisitos Gerais... 4 7. Requisitos Automotivos...

Leia mais