Marketing Esportivo ( Resultados com ética e compromisso social )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marketing Esportivo ( Resultados com ética e compromisso social )"

Transcrição

1 Marketing Esportivo ( Resultados com ética e compromisso social ) Marco Bechara Por Empresário. Diretor presidente da BCG ( consultoria de Gestão Empresarial ); Prof. do MBA da FGV e UNESA; Graduado em Educação Física / UGF; Pós-Graduado em Administração Esportiva / UGF; Especialista em Marketing / ESPM; Mestre em Planejamento e Administração Esportiva / UGF. Rio de Janeiro,

2 Í N D I C E Pág. Introdução... 3 Marketing no esporte x Marketing esportivo... 4 O esporte como produto: como interpretar?... 8 Proposta de Qualidade para as federações esportivas Conclusão Referências Bibliográficas

3 Introdução Este e-book é uma síntese da minha dissertação de mestrado, defendida em Escrever sobre a relação do Marketing com o esporte, é um grande desafio para qualquer profissional, pois é necessário interpretar as modalidades esportivas como produtos de características de fenômeno social. Apesar da dissertação ter sido defendida há 8 anos, minha visão, minhas críticas e minhas sugestões ainda são bem atualizadas. Meu estudo apresenta dados que tentam evidenciar a necessidade da adaptação de valores morais aos dirigentes esportivos e a criação de novos conhecimentos a serem aplicados no universo esportivo, em particular na administração das federações esportivas, que na realidade deveriam intercambiar conhecimentos de todas as áreas. Não acreditamos que o somatório das partes (várias áreas de conhecimento, estudadas segmentadamente, como é o caso dos cursos de faculdades), nos dê o "TODO" (realidade do mercado de trabalho/administração do esporte), ou seja, o "TODO" é dialético e as "partes" ideologicamente são funcionalistas e corporativistas. Vivemos hoje neste "TODO", e se não soubermos interpretá-lo e produzirmos socialmente no mesmo, talvez seja porque não conseguimos pensar de forma contextualizada, nos acomodando às "partes", que segmentam visões particularizadas muito longe da compreensão do que venha a ser "Desenvolvimento Social". Considero o meu estudo como relevante, a partir do momento em que observo o processo e os resultados do esporte Brasileiro, no que se refere à contribuição do progresso social. Me acompanhe nesta pequena viajem: 3

4 Marketing no esporte x Marketing esportivo: O termo marketing teve uma imagem tão deturpada no século XX, que o meu orientador, com muita sabedoria, me convenceu a trocar a expressão para qualidade. O Prof. Votre me fez ver que a minha visão de um Marketing ético e compromissado socialmente, ainda não era entendido e nem aceito pela grande maioria dos estudiosos dos fenômenos sociais. Porém, neste artigo, 7 anos depois, acredito que posso revelar as minhas verdadeiras interpretações sobre o que vem a ser Marketing. Para isso, estabeleço uma divisão sobre dois termos muito utilizados. São eles: Marketing no esporte São ações de investimentos, feitos no esporte, pela iniciativa privada ou pública, visando retorno de imagem e de mercado, como conseqüência dos trabalhos de comunicação; É a utilização do esporte, por organizações que visam lucro ou interesses específicos, como veículos de comunicação de sua: marca, nome, logotipo ou logomarca; São estratégias do planejamento de marketing, da iniciativa privada ou pública, sem nenhum compromisso social, visando a utilização das relações e dos acontecimentos esportivos, a fim de permitir a visibilidade do seu: nome, marca, logotipo ou logomarca; gerando uma maior participação na mente, e consequentemente uma maior participação no mercado. 4

5 Formas de marketing no esporte Patrocínio de eventos; Apoio de eventos; Patrocínio de equipes; Patrocínio de atletas; Compra de espaço nas mídias que transmitem eventos esportivos (durante os eventos e nos intervalos); Compra de espaços físicos de exibitécnicas, no local do evento; Investimento em mídias alternativas (compra de espaço: na roupa do atleta, no boné do corredor, etc.); Licenciamento; Franquia; Promoções de venda; Marketing Esportivo - É o processo de planejamento percebido pelos usuários, que objetiva o desenvolvimento do esporte nos 3 níveis (formação, participação e performance), através de uma perspectiva humanizante; - É o processo, percebido pelos usuários, através do qual o esporte é parte integrante da educação permanente; - É o planejamento e a administração do esporte, levando em consideração a percepção do usuário e os "fatores de desenvolvimento" do mesmo; - É o trabalho que visa desenvolver o esporte, através da aplicação dos conhecimentos de administração e marketing, nas 3 manifestações esportivas (formação, participação e performance); proporcionando satisfação dos usuários; 5

6 - É o processo de reflexão da prática, na interferência da realidade social, buscando a valorização do ser humano, com bases na educação moral, a fim de desenvolver o esporte, na busca do progresso social. Missão Filosófica - Proporcionar os fatores de desenvolvimento do esporte, provocando transformações mentais e sociais, a fim de humanizar, socializar e despertar valores morais em seus praticantes, num processo de "Educar para a vida"; Fatores de desenvolvimento do esporte - Utilização de novos recursos tecnológicos para popularizar e democratizar as práticas esportivas, bem como aumentar seus adeptos; - Pesquisas nos 3 níveis (formação, participação e performance) para se conhecer melhor as diferentes realidades; - Planejamento e pensamento estratégico e administração estratégica; - Fixação de etapas para o desenvolvimento; - Integração do sistema de comunicação (popularizar o esporte) com os grupos sociais; - Melhor formação de dirigentes esportivos; - O trabalho de "base" feito pelos professores de educação física; - Melhor formação de técnicos e treinadores; - Acesso aos conhecimentos imprescindíveis (administração e marketing), para todos os envolvidos com a organização dos esportes; - Integração do esporte com a comunicação social (propaganda, relações públicas e jornalismo); - Aperfeiçoamento técnico dos praticantes, através de intercâmbios; - Criação de mais espaços físicos para a prática esportiva; - Criação e perpetuação de ídolos esportivos; - Criação e aproveitamento dos equipamentos para a prática esportiva; - Organização das competições; 6

7 - Organização e estrutura do esporte no País (legislação esportiva); - Administração descentralizada e participativa em todos os níveis do esporte; - Identificação de cursos, seminários, encontros, congressos sobre a administração e o Marketing esportivo; - Investimentos Proporcionais nas três manifestações esportivas; - Descentralização do poder da informação e democratização através dos recursos da tecnologia. Sugestão política - Formação de uma política desportiva nacional, criando-se um organismo autônomo e amplo de nível ministerial; 7

8 O esporte como produto: Como interpretar? "O produto na vitrine" ou "o espetáculo esportivo": Para que o produto (modalidade esportiva) possa ser vista pelo público, e necessário colocarmos o mesmo na "virtude". Ou seja, é preciso que o espetáculo esportivo aconteça e aconteça bem. Para isto, acreditamos ser necessário atentarmos para: - O espetáculo esportivo deve ser sempre uma incógnita em relação a quem será o vencedor. Esta dúvida deve ser trabalhada de forma à se tornar efetivamente desafiadora, provocando a necessidade de comparecimento, por parte dos espectadores, ao espetáculo esportivo; desta forma o público comparece ao evento motivado e curioso. O espetáculo esportivo se torna "feio" e gerador de prejuízo, quando não atende à necessidade de vivência de emoções (vitória x derrota). Outra forma de deterioração do espetáculo esportivo é a violência; seja ela presente no espetáculo (acontece com os participantes ativos do espetáculo), ou presente na platéia (participantes passivos do espetáculo). "Quando o produto se estraga" ou a "violência no espetáculo esportivo": Das 3 manifestações esportivas, é no esporte-performance que a violência chega ao seu auge. Pressupostos da violência: No espetáculo: - Falta de preparo, seja: técnico, tático, físico ou psíquico de um dos competidores ou equipes, principalmente nas modalidades esportivas de contato; - Erros ou injustiças cometidas pelos árbitros e seus auxiliares (se for o caso). 8

9 Na platéia: - Os "desordeiros" vão ao espetáculo pré-dispostos a se envolverem em distúrbios. Existem 3 tipos de desordeiros: 1º) o incitador (é o que inicia o distúrbio e ativa a massa); 2º) o influenciado (é o que se deixa incitar e acompanha as ações do distúrbio); 3º) o vitimado (é o que sofre a violência e reage). Mas, ao reagir com a mesma energia, se torna um novo incitador, realimentando um ciclo vicioso. Como administrar a violência: A fim de evitarmos e comprometermos a imagem da modalidade esportiva, seja ela qual for, recomendamos: - Melhor formação dos dirigentes e dos árbitros, a fim de edificar a competência; - Despertar a consciência de atletas, através de reuniões e palestras esclarecedoras e alertantes, e das torcidas através de campanhas de propaganda; - Incentivar a ordem e a disciplina, de atletas e torcedores, através de premiações e até mesmo soma de pontos para a classificação. ( Ex.: torcida mais disciplinada: recebe 10 pontos. Equipe que cometa menor número de faltas: recebe 04 pontos a mais, na classificação; etc.) - Não permitir o acesso de objetos que possam colocar em risco integridade física dos participantes ativos e passivos, nos locais de competição: Revista pessoal e em bolsas (detectador de metais); Bafômetros; - Punir severamente os causadores de violência: ATIVOS (Em relação do espetáculo esportivo): afastamento dos espetáculos (períodos de suspensão) e Multa; PASSIVOS (Assistentes): Retirar do recinto e se for o caso "fichar" o elemento na polícia; 9

10 - Legislação esportiva prevendo punições severas para os envolvidos diretamente em violência, durante os espetáculos esportivos; - Punir os organizadores ou responsáveis pela segurança do espetáculo esportivo: Proibir novos espetáculos no local; Impor multa (paga pelo clube); Punir o dirigente; Perder pontos; - Criar normas que supervisionem as condições de segurança nos locais dos espetáculos esportivos. - Instruir e despertar a consciência dos profissionais da imprensa, que "A VIOLÊNCIA" NÃO DEVE SER FONTE DE NOTÍCIA; 10

11 Quando o produto começa a perder seus ingredientes ou a evasão dos atletas do esporte-performance. Boa parte ou a "nata" dos atletas do esporte-performance, saem do país para treinar ou complementar seu treinamento/formação, ou ainda devido às propostas financeiras sedutoras de clubes fora do país. Este fato vem causando um enorme prejuízo às modalidades esportivas, haja vista que seus ídolos não mais podem se mostrar e servir como exemplo para os que querem iniciar na modalidade. A fim de minimizar esta situação, muito presente no marketing no esporte e prejudicando o Marketing esportivo, acreditamos serem viáveis as seguintes recomendações: - Lei para patrocínio que atrelasse o investimento não só no esporteperformance, mas que garantisse um percentual do montante investido para ser aplicada na base (esporte-formação). - Estabelecimento de compromisso, durante um período ou em número de eventos, do ÍDOLO ESPORTIVO, servir como exemplo para futuras gerações; (escolinhas, seminários, palestras, debates, visitações e espetáculos beneficentes para o próprio esporte). - Deveriam criar ou melhor adequar incentivos fiscais e outros, para empresas que investissem nas modalidades esportivas: Incentivos maiores para investimentos na base; Incentivos proporcionais ao número de modalidades investidas. (quanto mais modalidades maior os benefícios). Os empresários ainda carecem de dados estatísticos fidedignos sobre as modalidades esportivas. Seria indispensável a criação de anuários estatísticos ( incluir o esporte nos estudos do IBGE ), a fim de demonstrar que o esporte é uma atividade economicamente produtiva que cria e distribui símbolos e conhecimento, reproduzindo todos os fenômenos sociais de uma cultura. 11

12 A Avaliação do Produto Acreditamos que uma avaliação da modalidade esportiva deve acontecer nos aspectos qualitativos e quantitativos. E que os resultados deveriam ser divulgados e informados à imprensa, aos órgãos de pesquisa e receber tratamento estatístico, a fim de passarem à constar nos anuários estatísticos. Seria muito difícil citarmos todas as informações que acreditamos serem relevantes para constar nestes anuários, pois este tópico deveria, antes, ser discutido por especialistas em esporte e em pesquisa, para um senso sobre o que é importante ser mensurado e divulgado. Mas, em uma tentativa bastante preliminar, procuramos relacionar o que acreditamos ser importante: 1. Divulgar os hábitos desportivos dos brasileiros: Características sociais das pessoas que praticam esportes, de acordo com as modalidades; Total de praticantes, por sexo, faixa-etária, e por modalidade; Por que as pessoas praticam esporte? A nível de preferência, qual o esporte que mais se motivam a assistir? Nível de escolaridade dos praticantes das diversas modalidades esportivas; Hábitos de consumo dos artigos esportivos. O que motiva? Freqüência da prática desportiva e épocas do ano; 2. Número de instituições de ensino (faculdades de educação física e escolas técnicas) por estado e o número de matriculados. 3. Número de profissionais (professores de educação física) atuando no esporte, nas suas três manifestações. 12

13 4. Número de eventos realizados, nas suas três manifestações, por modalidade e por Estado: cursos de arbitragem; cursos técnicos; cursos de administração esportiva; número de competições oficiais nacionais; número de competições oficiais internacionais, no país; audiência ativa dos eventos e especificações do público; audiência passiva dos eventos e especificações do público; número de cursos de: pós-graduação, conforme especializações; bem como número de profissionais pós-graduados; intercâmbios internacionais; número de pólos esportivos (escolhinhas); número de professores de ed. física e técnicos atuando; número de encontros, seminários, debates e congressos; 5. Total de investimento, em US$ (dólar), nas suas três manifestações, por modalidade, realizados pela iniciativa privada; 6. Número de instalações esportivas (ginásios, campos, estádios, quadras etc.). Por estado, e em todo o Brasil (públicos e privados); 7. Relação das mídias impressas especializadas e programas especializados na mídia eletrônica, por estado e em todo Brasil; 8. Números de bibliotecas especializadas, bem como o registro do número de livros sobre esporte (divididas por modalidades e por manifestações); 9. Número de centros de excelência para o esporte-performance; 13

14 10. Número de processos julgados nos Tribunais de Justiça Desportiva, por modalidades; 11. Mensuração da relação custo x benefício; dos investimentos nas diversas modalidades esportivas; 12. Retorno de mídia em (centímetro x coluna), nas diversas modalidades esportivas; 13. Importação de materiais esportivos para treinamento das equipes do esporteperformance, em dólar, por modalidade; 14. Situação dos resultados conseguidos por Estado, comparados (em medalhas, em participação etc.); 15. Número de academias por estado; 16. Número de confederações e suas respectivas federações com suas respectivas filiadas, comparadas; 17. Duração em meses dos investimentos realizados no esporte, por manifestação e por modalidade; 18. Média dos salários, dos profissionais que trabalham (professores, técnicos, médicos supervisores, massagistas, dirigentes e atletas) nas três manifestações esportivas, por modalidade; 19. Total de recursos humanos, trabalhando (registrados/clt), nas diversas manifestações e modalidades; 14

15 20. Número de projetos esportivos, que oportunizaram condições de uma nova vida para os menores carentes. (dados numéricos); Esta ausência de dados, bem como a não-divulgação dos mesmos em anuários estatísticos estaduais e federais, vem contribuindo para as seguintes conseqüências: A dificuldade de conhecimento real do potencial de uma modalidade esportiva, no que se refere a investimentos; A imprecisa identificação do público de uma determinada modalidade esportiva; A falta de visualização do esporte como uma tentativa economicamente produtiva; A falta de identificação do esporte como um fenômeno social; As modalidades esportivas sem conhecerem seus reais problemas, para uma futura transformação; A "pequena" expressão das atuações do Brasil no cenário desportivo internacional; A continuada atuação dos dirigentes esportivos, sem comprometimento social e amadores; A evasão de talentos esportivos para os países com o esporte melhor estruturado. Estas conseqüências são agravadas quando constatamos que está faltando uma preocupação maior das organizações que administram o esporte no país, em registrar seus eventos e analisá-los em relatórios anuais de atividades. Também está faltando que os organizadores de pesquisa se preocupem em dimensionar este fenômeno social que também é uma atividade econômica, no intuito de revelar e tornar público: a realidade brasileira, de hábitos desportivos; 15

16 do potencial gerador de negócios; contribuição do esporte para o Desenvolvimento Social. O trabalho conjunto de ambas organizações citadas anteriormente, é que poderá revelar o potencial deste fenômeno social, fazendo-o constar nos documentos que na verdade relatam a história do Brasil. O Produto e seus clientes O esporte, enquanto fenômeno social, se manifesta de três maneiras (como já vimos anteriormente), e estas manifestações acontecem sob a forma de modalidades esportivas, (voltei, handebol, futebol etc.). Todas as pessoas de forma ativa (envolvidas diretamente) ou de forma passiva (assistentes, torcidas etc.) são clientes do fenômeno esporte. E, através dele (esporte), se tornam: admiradores, praticantes, adeptos, torcedores, enfim, "CLIENTES"; pois, determinadas modalidades conquistam uns e outras modalidades conquistam outros. Você conhece alguma outra "coisa" ou "fenômeno" que tenha tantos clientes ( audiência ativa e receptiva ) quanto as OLIMPÍADAS? O produto e a concorrência O termo "concorrência", sob a ótica da Marketing esportivo, oportuniza a Interpretação da democracia no esporte, ou seja, já que existem modalidades esportivas, é dever da Marketing esportivo, fazê-las presentes (popularizar) em todas as regiões. Os "clientes" (usuários) tem liberdade de escolha, por qual modalidade optar. Na realidade, funciona como estímulo para o trabalho da Marketing esportivo das diversas modalidades. 16

17 Resumindo: buscar o "quantitativo" (esporte-formação e esporte-participação) e proporcionar condições de acesso, para quem quiser, o "qualitativo"(esporteperformance). Outro termo, relacionado a concorrência, que merece citação é "produtos substantivos". Entendemos que de acordo com os fins buscados, pelo meio esporte, podem ocorrer, por parte da clientela, a identificação destes objetivos fins em outros "produtos" que, na realidade, substituem os benefícios proporcionados pela modalidade esportiva. A título de exemplos poderíamos citar, entre inúmeras outras, o vídeo-game substituindo a modalidade esporte, na busca do desafio e de entretenimento. Portanto, acreditamos ser importante lembrar: Identifique, Conquiste e mantenha clientes, atento aos concorrentes, com ética e responsabilidade social. O composto do produto Quando adotamos o conceito de produto, o axioma para nossa interpretação é a visualização abrangente de "KOTLER", que nos diz que "Produto é tudo aquilo capaz de satisfazer um desejo ou uma necessidade" (Kotler, 1984, p. 173). E, esta definição abrange também serviços, pessoas, lugares, organizações e idéias. Consideramos como composto do produto esporte: a) Marca; b) Qualidade; Vejamos cada um deles: a) Marca: A Marca do esporte é fator preponderante para o seu desenvolvimento. Esta se apresenta com os nomes das diversas modalidades esportivas (vôlei, handebol, 17

18 futebol etc.) e seus símbolos (logotipo ou logomarca). Entendemos por logotipo o desenho que representa a modalidade esportiva, e por logomarca, o mesmo desenho acompanhado do nome (Marca). Por muitas vezes é necessário uma reavaliação da modalidades esportiva, quando identificamos a descontinuidade, e uma das estratégias adotadas, poderia ser a adaptação ou mesmo criação de um novo design (desenho), a fim de estimular o prolongamento do seu ciclo de vida, ou mesmo relançar o produto. Uma organização de administração esportiva deve ter apenas uma marca individualizada, para se comunicar com o mercado. A marca deve estar em consonância e equilíbrio constante com os demais compostos do produto, a fim de conseguir cumprir os objetivos traçados no desenvolvimento do esporte. Por ser o esporte um fenômeno social, a marca de suas modalidades tem acesso fácil ao mercado, porém sua aceitação depende da cultura esportiva do local. Desta forma podemos identificar a fácil aceitação de esportes, tidos como tradicionais em determinados Municípios, Estados e Países. A exploração da marca como alternativa de conseguir recursos financeiros, é uma excelente estratégia de licenciamento, que deveria ser melhor trabalhada pelas organizações esportivas. b) Qualidade Este composto do Produto, na realidade deveria ser a filosofia adotada pelas organizações, que administram o esporte. Sua importância é tal, que tornou-se foco da revolução administrativa, dos anos 80 (oitenta). 18

19 A qualidade está ligada a tudo que possa ocorrer como causa ou efeito do fenômeno social esporte, onde o maior beneficiário será sempre o usuário (ativo ou passivo). A qualidade busca a excelência dos resultados, como inúmeras outras formas de administrar, no entanto enaltece e atribui o mesmo valor ao processo. Ou seja, questiona-se ai a velha máxima de que o marketing é pragmático. E poderíamos dizer até que atuar no processo é a fase gloriosa da qualidade. A qualidade deve ser, em um futuro bem próximo, o princípio básico de vida, em todas as organizações, inclusive as organizações esportivas. b.1) A Qualidade esportiva relacionada aos demais compostos do marketing-mix (4 Ps): A QUALIDADE deve ser o fator de coerência e equilíbrio, buscando controlar educacionalmente o marketing no esporte em um futuro bem próximo, de uma nova sociedade, que tem no esporte mais uma alavanca propulsora. A qualidade interfere e se relaciona com todo o composto de marketing, na medida em que é visualizada como uma filosofia a ser adotada por toda organização. Isto é: qualidade no produto; qualidade no preço; qualidade no ponto de distribuição e qualidade na promoção (sistema de comunicação). b.2) Os princípios para se conseguir Qualidade esportiva: Deming, 1990, em sua clássica obra, relaciona os seus 14 (quatorze) princípios, para a transformação da administração, em busca da qualidade. Influenciado pelo autor e considerando o esporte como fenômeno social, identificamos o que chamamos de "Os Dez princípios", para conseguirmos implantar um processo de qualidade nas organizações esportivas. Estes princípios falam da organização como um todo, da conduta moral necessária dos dirigentes esportivos. 19

20 Os "dez princípios" da Qualidade esportiva: 1. Proporcionar a fé para a transformação; 2. Adotar a reforma-íntima; 3. Estabelecer a confiança no processo; 4. Instruir e educar; 5. Estimular a liderança; 6. Afastar o medo; 7. Desburocratizar; 8. Esquecer os dogmas; 9. Valorizar o qualitativo; 10. Práxis na transformação. Para entendermos a que nos referimos, podemos resumir: Ao comportamento moral dos dirigente esportivos, em suas práticas decisórias. Vejamos: 1. Proporcionar a fé para a transformação Este princípio se refere à importância do planejamento. Proporcionar a fé para a transformação, significa visualizar hoje as condições necessárias, acreditando e se dedicando às mesmas, com o firme propósito de reduzir as incertezas futuras e proporcionar transformações mentais e sociais através do desenvolvimento do esporte. A maioria dos administradores vivem no imediatismo de resolver problemas atuais e esquecem de criar e manter constância de propósitos, numa perspectiva futura de um esporte melhor, mais humano e mais social. Proporcionar a fé, como princípio de uma organização esportiva, é acreditar e fazer-se acreditar que a mudança é possível, se não nos iludirmos com a vaidade, não nos embriagarmos no egoísmo, visualizarmos e conhecermos de perto os problemas que afligem hoje a organização, interferindo na realidade, com o 20

21 propósito de passar-se de uma situação conhecida para uma outra situação, desejada, dentro de um intervalo de tempo pré-determinado. Quem serve de exemplo e apresenta condições, até pelo cargo que exerce, para proporcionar a fé para a transformação, é o dirigente esportivo. Porém, o verdadeiro exemplo é dado por aquele que não fica só em palavras e gestos entusiastas, o verdadeiro homem de fé é aquele que denota boa-vontade, com base nas leis morais, examinando-lhes a ausência espiritual para a práxis cotidiana. Proporcionar a fé para a transformação significa interpretar a qualidade como uma melhoria continuada, ou seja sempre buscando a perfeição, e se comprometer socialmente com: 1.1. investimentos; 1.2. Administração participativa; 1.3. Inovação investimentos em: Pesquisa - a fim de conhecer e tornar público, as informações consideradas importantes no tópico: Avaliação do produto. Treinamentos e valorização dos recursos humanos - administrar uma organização significa administrar primordialmente recursos humanos. Não conseguimos entender como algumas organizações conseguem separar o funcionário, dirigente, professor, ou o que seja, do ser humano. Acreditamos que é obrigação das organizações, estabelecer e trabalhar o projeto de vida das pessoas envolvidas no processo organizacional. O projeto de vida dos envolvidos em uma organização é fator preponderante para o sucesso das estratégias organizacionais. Os exemplos nos comprovam que organizações vencedoras tem á frente pessoas vencedoras. A valorização dos recursos humanos, significa se preocupar e interferir para melhorar a qualidade de vida das pessoas, e só assim, conseguimos identificar a qualidade das organizações esportivas. 21

22 O treinamento de recursos humanos, significa proporcionarmos condições de aprimoramento das funções existentes, através da apropriação do saber sistematizado, a fim de democratizá-lo, e do saber-fazer didático. Estes fatores é que nos darão condições de interferir no real histórico da administração esportiva Administração participativa: proporcionarmos a administração participativa significa ter humildade para reconhecer que não somos detentores de todos os conhecimentos, nem de todas as verdades. Significa saber ouvir e refletir para melhor decidir, ou até mesmo decidir juntos. Sobre este assunto, BALLALAI, 1988, foi bastante feliz quando escreveu: "Administração Participativa é a ação de comando que busca o envolvimento da coletividade comandada no equacionamento e nas soluções de problemas, através da descentralização do processo de tomada de decisão e da consequente criação de mecanismo próprios para essa descentralização. Mecanismos esses que são estabelecidos sob a forma de conselhos de colegiados aos quais serão solicitados, pelo comando, em momentos específicos como reuniões e assembleias, decisões que podem ou devem ser acatadas por esse comando. As decisões oriundas de tais mecanismos serão a expressão de consenso entre todos os operantes e o comando". (BALLALAI, 1988, p. 2) Lembramos, no entanto, que para proporcionarmos a Administração participativa, é fundamental que haja concomitantemente o investimento em treinamentos e valorização dos recursos humanos, a fim de termos a motivação necessária e o nível instrucional e educacional sem grandes diferenças, entre os participantes. Ou 22

23 seja, para atingirmos a qualidade, é necessário o esforço e a contribuição de todos ao mesmo tempo. Outro fato que merece citação e por acreditarmos na sua função social e organizacional, é dispormos de um profissional para funcionar como ONBUDSMAN da organização. Este profissional proporciona a participação de todos os envolvidos no processo, haja vista que trabalha como o "OUVIDO" da organização, recebendo, registrando e levando ao processo decisório todas as críticas dos: clientes, funcionários, árbitros, professores, dirigentes de menor escalão e as demais pessoas que queiram contribuir para o processo de mudanças. Estas críticas podem "chegar" ao onbudsman de forma direta, em conversa franca e aberta com a pessoa que observou o problema, ou de forma indireta, através da caixinha de sugestões. As formas de se conseguir detectar os problemas de uma organização esportivas, são muitas, e tem na pesquisa (formal, não formal e informal) a sua base. Muitas empresas comerciais e industriais, funcionam com o onbudsman através do serviço de atendimento ao cliente, onde detectam insatisfações de seus produtos e/ou serviços, através das reclamações, e identificam seus pontos fortes, pelos elogios. A fim de tornar a participação, como a forma de administrar, acreditamos que a implantação de um serviço de onbudsman, nas organizações esportivas, possa ser mais um casal, para muito mais prevenir do que remediar Inovação: O comprometimento social com a Inovação, requer trabalho árduo e insistente associado ao tino criativo. Inovar significa introduzir novidades, na busca da diferenciação (não ser igual às outras organizações esportivas). O conceito de introduzir novidades na administração das organizações esportivas é algo relativo, pois teríamos que conhecer em detalhes cada organização, afim de estabelecer diferenças sobre o que é, e o que não é novidade. Evitando este constrangimento, já que levaria a uma comparação entre as organizações, no que 23

24 se refere à ser "moderno" ou estar "obsoleto", passaremos a relatar ações e intenções administrativas que refletem a inovação, na busca da qualidade, são elas: 1. A criação e a estruturação do Sistema de Informação de Marketing (SIM), através da aquisição e a implantação de uma Central de Processamentos de Dados subdividida em : 1.1. Banco de dados específicos (dados do cotidiano da organização): Onde estão registrados: o cadastro de atletas, de clientes, de árbitros, de dirigentes, de professores de educação física, considerando inclusive o arquivo morto; 1.2. Banco de dados genéricos: Cadastro contendo as seguintes informações: endereço completo; dirigentes, telefone de contato, particularidades de atuação das organizações abaixo: Escolas municipais; Escolas estaduais; Escolas particulares; Escolas de samba; Confederações e respectivas federações; Divisão administrativa e/ou política do estado (Municípios e regiões); Regiões Administrativas do Município; Mídias impressas; Mídias eletrônicas; Clubes, associações e ligas, 24

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

C RS R O S NO N ÇÕ Ç ES

C RS R O S NO N ÇÕ Ç ES CURSO NOÇÕES BÁSICAS DOUTRINA ESPÍRITA de Si Mesmo EDITORA 1 / 9 Iluminação Interior Como iniciar o trabalho de iluminação de nossa própria alma? Deve-se começar com o autodomínio. Disciplina de sentimentos

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES QUESTÕES 01) A Administração recebeu influência da Filosofia e diversos filósofos gregos contribuíram para a Teoria da Administração. A forma democrática de administrar os negócios públicos é discutida

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

Instituição Beneficente A Luz Divina Grupo da Fraternidade CONDUTA DOS MÉDIUNS 07 / 08 / 2015

Instituição Beneficente A Luz Divina Grupo da Fraternidade CONDUTA DOS MÉDIUNS 07 / 08 / 2015 Instituição Beneficente A Luz Divina Grupo da Fraternidade CONDUTA DOS MÉDIUNS 07 / 08 / 2015 Durante os meus estudos, fiquei me perguntando, o que trazer de muito especial para compartilhar com os irmãos,

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL

PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL Tenho lido e ouvido muitos comentários nos últimos dias sobre o trabalho de formação no Brasil. Algumas pessoas, alguns profissionais

Leia mais

LEI DE JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE

LEI DE JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE CAPÍTULO 11 LEI DE JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE Justiça e direitos naturais Direito de propriedade. Roubo Caridade e amor ao próximo Amor maternal e filial JUSTIÇA E DIREITOS NATURAIS 873 O sentimento de justiça

Leia mais

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis CANDIDATURA DE DIRETOR GERAL AO CAMPUS CARAGUATATUBA PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis Nossa Primeira Razão de Ser: Nossos Alunos Proposta: Consolidação do Diretório

Leia mais

Carta pela Paz no Mundo

Carta pela Paz no Mundo Carta pela Paz no Mundo Marcus De Mario Esta carta é ao mesmo tempo um apelo à razão e à emoção, procurando falar às mentes e aos corações de todos os homens e mulheres da humanidade, da criança ao idoso,

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

O QUE MAIS TE DRESCREVE

O QUE MAIS TE DRESCREVE O QUE MAIS TE DRESCREVE 1 A B C D 2 A B C D 3 A B C D 4 A B C D 5 A B C D 6 A B C D 7 A B C D 8 A B C D 9 A B C D 10 A B C D 11 A B C D 12 A B C D 13 A B C D 14 A B C D 15 A B C D 16 A B C D 17 A B C D

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

PROCESSO DECISÓRIO EM ENFERMAGEM 1.

PROCESSO DECISÓRIO EM ENFERMAGEM 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I PROCESSO DECISÓRIO EM ENFERMAGEM 1. GRECO, ROSANGELA MARIA 2 Objetivo

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA

CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA APRESENTAÇÃO O Banco da Amazônia S.A., consciente da importância da ética nas relações com a comunidade em que atua, divulga este Código de Ética, que contém os padrões

Leia mais

Mobilização de Equipes para Alta Performance

Mobilização de Equipes para Alta Performance Mobilização de Equipes para Alta Performance Mobilização de Pessoas liderar é influenciar pessoas para que desenvolvam motivação para fazer o que "deve" ser feito com vontade e com o máximo de seu potencial

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

AULA 20. Atendimento

AULA 20. Atendimento AULA 20 Atendimento Marketing em Serviços Marketing em serviços pode ser definido com o conjunto de atividades que objetivam a análise, o planejamento, a implementação e o controle de programas destinados

Leia mais

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade...

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade... Entrevista com PEDRO MANDELLI Consultor na área de mudança organizacional, Pedro Mandelli é um dos maiores especialistas em desenho e condução de processos de mudança em organizações. É professor da Fundação

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Faça amizades no trabalho

Faça amizades no trabalho 1 Faça amizades no trabalho Amigos verdadeiros ajudam a melhorar a saúde, tornam a vida melhor e aumentam a satisfação profissional. Você tem um grande amigo no local em que trabalha? A resposta para essa

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Manual Prático de Avaliação do Desempenho

Manual Prático de Avaliação do Desempenho Tendo em conta o planeamento das actividades do serviço, deve ser acordado conjuntamente entre o superior hierárquico e o trabalhador, o plano individual e os objectivos definidos para o período em avaliação.

Leia mais

Perfil de estilos de personalidade

Perfil de estilos de personalidade Relatório confidencial de Maria D. Apresentando Estilos de venda Administrador: Juan P., (Sample) de conclusão do teste: 2014 Versão do teste: Perfil de estilos de personalidade caracterizando estilos

Leia mais

São distintos os conteúdos expostos pela comunicação interna e externa:

São distintos os conteúdos expostos pela comunicação interna e externa: 31 6 COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL Um dos principais objetivos da comunicação institucional é o estabelecimento de relações duradouras com os seus públicos. Isso é possível através de ações personalizadas

Leia mais

ESPIRITA FELIZ - COMO FAZER PARA EVOLUIR NA ESCALA ESPIRITA - ESPIRITA FELIZ COMO FAZER PARA EVOLUIR NA ESCALA ESPIRITA ESPIRITISMO BENEFÍCIOS

ESPIRITA FELIZ - COMO FAZER PARA EVOLUIR NA ESCALA ESPIRITA - ESPIRITA FELIZ COMO FAZER PARA EVOLUIR NA ESCALA ESPIRITA ESPIRITISMO BENEFÍCIOS ESPIRITA FELIZ - COMO FAZER PARA EVOLUIR NA ESCALA ESPIRITA - ESPIRITA FELIZ COMO FAZER PARA EVOLUIR NA ESCALA ESPIRITA ESPIRITISMO BENEFÍCIOS MENSAGENS ESPIRITAS E-BOOK C.E.S. JOVEM ESPIRITA FELIZ COMO

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Código de ética e Conduta

Código de ética e Conduta DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS GlobalPET Reciclagem S.A Agosto /2014 Código de ética e Conduta Sumário 1. Introdução 2. Objetivos 3. Código de Conduta 4. Código de Ética 5. Valores éticos 6. Princípios

Leia mais

Código de Ética AccessBrasil 1

Código de Ética AccessBrasil 1 Código de Ética AccessBrasil 1 Sumário 01. Objetivos 02. Estrutura Operacional e Fluxo de Informações 03. Missão e Valores 04. Relações com Fornecedores 05. Relações com Clientes e Consumidores 06. Negociações

Leia mais

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor.

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. MANUAL DO VOLUNTÁRIO Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. Apresentação No decorrer do ano de 2010, muitas mudanças estruturais ocorreram na Casa do Bom Menino. Podemos colher alguns frutos positivos

Leia mais

Estrutura empresarial e Controle de Qualidade da Presidência ao Nível Técnico;

Estrutura empresarial e Controle de Qualidade da Presidência ao Nível Técnico; Estrutura empresarial e Controle de Qualidade da Presidência ao Nível Técnico; Geraldo José Piancó Junior _ Rio de Janeiro - Brasil 1. O Contexto O Futebol alcançou no mundo moderno o "status" de maior

Leia mais

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. Outra característica marcante: Cada palestra é um projeto

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

A comunicação e o marketing. como ferramentas estratégicas de gestão social

A comunicação e o marketing. como ferramentas estratégicas de gestão social A comunicação e o marketing como ferramentas estratégicas de gestão social Ricardo Voltolini* Transformar causas em marcas fortes que tenham longevidade, personalidade, consistência e sejam uma referência

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

PROJETO BOM CIDADÃO INVESTIR NO CIDADÃO DO FUTURO ATRAVÉS DO ESPORTE KARATÊ

PROJETO BOM CIDADÃO INVESTIR NO CIDADÃO DO FUTURO ATRAVÉS DO ESPORTE KARATÊ PROJETO BOM CIDADÃO INVESTIR NO CIDADÃO DO FUTURO ATRAVÉS DO ESPORTE KARATÊ ÍNDICE 1 APRESENTAÇÃO DO PROJETO 2 JUSTIFICATIVA 3 A IMPORTÂNCIA DO PROJETO NA ACADEMIA 4 OBJETIVO 5 METAS 6 METODOLOGIA 7 O

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

Inovação & Criatividade

Inovação & Criatividade PORTFÓLIO DE TREINAMENTOS O cursos, treinamentos e palestras da KaminskiAvalca Consultoria Empresarial possuem índice de satisfação superior a 95%. Realizados de forma dinâmica e prática, buscam utilizar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Gestão de Conflitos Organizacionais Jefferson Menezes de Oliveira Santa Maria, dezembro de 2006 INTRODUÇÃO

Leia mais

A Visão. Uma Introdução

A Visão. Uma Introdução 1 A Visão Uma Introdução Muitas pessoas sabem, já desde a infância ou juventude, o que querem ser na vida quando forem adultos, como, por exemplo, médico(a), enfermeiro (a), músico (a), advogado (a), ou

Leia mais

31 descobertas sobre liderança

31 descobertas sobre liderança ALTA GERÊNCIA 31 descobertas sobre liderança Estudo Leadership Forecast 2005-2006, realizado pela firma de consultoria Development Dimensions International (DDI), buscou analisar como são percebidas em

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado:

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: Questão nº 1 Produto Para fazer frente ao problema de prazo de entrega do produto, a Megabooks poderia compensá-lo com uma agregação de valor ao produto. Poderia, por exemplo, utilizar uma sobrecapa personalizada

Leia mais

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo saber como é desenvolvido o trabalho de Assessoria de Imprensa, sendo um meio dentro da comunicação que através

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE PESSOAS GERÊNCIA DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PESSOAL MANUAL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE PESSOAS GERÊNCIA DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PESSOAL MANUAL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE PESSOAS GERÊNCIA DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PESSOAL MANUAL DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 006 2 2 APRESENTAÇÃO Este manual é uma ferramenta de consulta

Leia mais

EMPREENDA! 6ª Edição - DÚVIDAS FREQUENTES

EMPREENDA! 6ª Edição - DÚVIDAS FREQUENTES EMPREENDA! 6ª Edição - DÚVIDAS FREQUENTES O que é o EMPREENDA? É uma competição de empreendedorismo e inovação, que em 2013 chega a sua 6ª edição, voltada para todos os alunos de cursos Técnicos, do Programa

Leia mais

RECOMENDAÇÃO DE NORMAS DE COMPORTAMENTO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL E DE FUTSAL

RECOMENDAÇÃO DE NORMAS DE COMPORTAMENTO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL E DE FUTSAL Conselho de Arbitragem RECOMENDAÇÃO DE NORMAS DE COMPORTAMENTO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL E DE FUTSAL Abril /2013 1 / 4 1. INTRODUÇÃO O Futebol evolui consideravelmente nos últimos anos e a competitividade

Leia mais

Palestra 1 Mudança Organizacional. Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças

Palestra 1 Mudança Organizacional. Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças Palestra 1 Mudança Organizacional Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças 02 de Dezembro de 2009 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Cartilha para os. Colaboradores. Rua 105-C, nº 16 Setor Sul - Goiânia/GO CEP: 74.080-310. 62 3224-4767 www.pontaleng.com.br contato@pontaleng.com.

Cartilha para os. Colaboradores. Rua 105-C, nº 16 Setor Sul - Goiânia/GO CEP: 74.080-310. 62 3224-4767 www.pontaleng.com.br contato@pontaleng.com. Cartilha para os 62 3224-4767 www.pontaleng.com.br contato@pontaleng.com.br Rua 105-C, nº 16 Setor Sul - Goiânia/GO CEP: 74.080-310 Colaboradores Cartilha para o colaborador A PONTAL ENGENHARIA acredita

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA VOCÊ LEVAR SUA VIDA AO PRÓXIMO NÍVEL LUIZ FELIPE CARVALHO

PRINCÍPIOS PARA VOCÊ LEVAR SUA VIDA AO PRÓXIMO NÍVEL LUIZ FELIPE CARVALHO 6 PRINCÍPIOS PARA VOCÊ LEVAR SUA VIDA AO PRÓXIMO NÍVEL LUIZ FELIPE CARVALHO Súmario Introdução 03 #1 Desenvolva-se Pessoalmente 05 #2 Pratique Autoconhecimento 07 #3 Seja Líder de Si Mesmo 08 #4 Controle

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês

Leia mais

Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano

Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano Socióloga - Consultora em Gestão de Pessoas - Personal & Professional Coach 1. Cenários organizacionais: Como delimitar

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

Atenção: Revista em desenvolvimento

Atenção: Revista em desenvolvimento Editorial Atenção: Revista em desenvolvimento Estamos iniciando nossa primeira edição, de um produto até agora novo, não na tecnologia empregada que já é sucesso na Europa, e sim em seu conteúdo. As revistas

Leia mais

Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor

Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. A maioria absoluta das avaliações obtêm excelentes resultados,

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E INSTRUÇÕES PARA DELEGADO AO JOGO NOS JOGOS OFICIAIS DOS CAMPEONATOS DISTRITAIS

MANUAL DE NORMAS E INSTRUÇÕES PARA DELEGADO AO JOGO NOS JOGOS OFICIAIS DOS CAMPEONATOS DISTRITAIS MANUAL DE NORMAS E INSTRUÇÕES PARA DELEGADO AO JOGO NOS JOGOS OFICIAIS DOS CAMPEONATOS DISTRITAIS Associação de Futebol de Aveiro 1. INTRODUÇÃO O Delegado ao jogo desempenha uma das funções mais importantes

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL EDUCAÇÃO E GESTÃO DA TECNOLOGIA (STE)

SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL EDUCAÇÃO E GESTÃO DA TECNOLOGIA (STE) STE/02 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL EDUCAÇÃO E GESTÃO DA TECNOLOGIA (STE) AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E POTENCIAL EM 360º NYDIA GUIMARÃES E ROCHA ABB RESUMO

Leia mais

DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 2011 WANDERSON S. PARIS INTRODUÇÃO Não se pretende aqui, reproduzir os conteúdos das normas ou esgotar o tema versado por elas. A ideia é apenas

Leia mais

ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional)

ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional) ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional) 1 Senhor (a) Avaliador (a), a) Para Autoavaliação: utilizar a coluna "A" do campo ; b) Para Avaliação da Equipe de Trabalho: utilizar

Leia mais

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil.

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. RADIOBRÁS Empresa Brasileira de Comunicação S. A. Diretoria de Gestão de Pessoas e Administração

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

PRISMA EDIFICAÇÕES E ENGENHARIA

PRISMA EDIFICAÇÕES E ENGENHARIA PRISMA EDIFICAÇÕES E ENGENHARIA 2 Código de Conduta Prisma Edificações e Engenharia I - O que é o Código de Conduta da Prisma Edificações e Engenharia? O Código de Conduta da Prisma é um instrumento criado

Leia mais

1. A comunicação é atividade institucional e deve ser regida pelo princípio da

1. A comunicação é atividade institucional e deve ser regida pelo princípio da 1 SUGESTÕES PARA UMA POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO COMITÊ DE POLÍTICAS DE COMUNICAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO (CPCOM), REUNIÃO DE 30 DE MARÇO DE 2011 Redesenhado a partir da Constituição

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 6 ANEXO II METODOLOGIAS (A) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 7 A) Metodologias utilizadas no Curso de Administração, bacharelado: a) Aulas Expositivas, Fórum de Debates, Dinâmica de Grupo, Seminários, Estudos de

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman - Seção RJ - www.aborjouvidores.org.br

Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman - Seção RJ - www.aborjouvidores.org.br Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman - Seção RJ - www.aborjouvidores.org.br ÉTICA: A RESPONSABILIDADE SOCIAL DO OUVIDOR/OMBUDSMAN Rui Maldonado ABO/RJ aborj_ouvidores@yahoo.com.br Empresa Cidadã:

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS

PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS AGI.01 1ª 1 / 7 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. INTRODUÇÃO... 2 3. ABRANGÊNCIA E APLICABILIDADE... 2 4. PRINCÍPIOS GERAIS... 2 5. COLABORADORES... 3 A Conduta Pessoal e Profissional... 3 B Condutas não Aceitáveis...

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA EMBU GUAÇU - ADEG

ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA EMBU GUAÇU - ADEG ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA EMBU GUAÇU - ADEG REGIMENTO INTERNO ADEG Home 14 INDICE INTRODUÇÃO -------------------------------------------------------------------------------. 03 1. DEVERES DA ASSOCIAÇÃO ------------------------------------------------------

Leia mais

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (através do

Leia mais

ESCOLA DE GOVERNO DE ALAGOAS REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS

ESCOLA DE GOVERNO DE ALAGOAS REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS ESCOLA DE GOVERNO DE ALAGOAS REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS ( Decreto nº 24.202, de 07 de janeiro de 2013 Anexo Único Publicado no Diário Oficial do Estado de 08 de janeiro

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

COMO VENDER. A IMAGEM DA SUA ESCOLA Dicas que garantem a visibilidade da sua instituição

COMO VENDER. A IMAGEM DA SUA ESCOLA Dicas que garantem a visibilidade da sua instituição BP COMO VENDER A IMAGEM DA SUA ESCOLA Dicas que garantem a visibilidade da sua instituição PRODUTOS EDUCACIONAIS MULTIVERSO Avenida Batel, 1750 Batel CEP 80420-090 Curitiba/PR Fone: (41) 4062-5554 Editor:

Leia mais

AUTORAS ROSANGELA SOUZA

AUTORAS ROSANGELA SOUZA AUTORAS ROSANGELA SOUZA Especialista em Gestão Empresarial com MBA pela FGV e Professora de Estratégia na Pós-Graduação da FGV. Desenvolveu projetos acadêmicos sobre segmento de idiomas, planejamento estratégico

Leia mais

LIDERANÇA DA NOVA ERA

LIDERANÇA DA NOVA ERA LIDERANÇA DA NOVA ERA Liderança da Nova Era Liderança é a realização de metas por meio da direção de colaboradores. A liderança ocorre quando há lideres que induzem seguidores a realizar certos objetivos

Leia mais

SESSÃO 2: Explorando Profissões

SESSÃO 2: Explorando Profissões SESSÃO 2: Explorando Profissões CURRÍCULO DE PROGRAMA Muitas meninas adolescentes (e adultos também) dizem que não tem ideia do que querem fazer com o resto de suas vidas. Embora que algumas meninas sonham

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA Aula 16/02/2012

ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA Aula 16/02/2012 FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE UNIPAC DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua Tiradentes, nº. 66 Centro Uberlândia/MG - Telefax: (34) 3291-2100

Leia mais

Marketing Digital de resultado para PMEs. Monitoramento na Internet A arma competitiva das pequenas e médias empresas

Marketing Digital de resultado para PMEs. Monitoramento na Internet A arma competitiva das pequenas e médias empresas Monitoramento na Internet A arma competitiva das pequenas e médias empresas 1 Sumário I II V Porque monitorar? O que monitorar? Onde monitorar? Como engajar? 2 Por que Monitorar? 3 I II V Nas mídias sociais

Leia mais

O Guia do Relacionamento para o corretor moderno

O Guia do Relacionamento para o corretor moderno O Guia do Relacionamento para o corretor moderno Introdução 3 O que é marketing de relacionamento 6 Como montar uma estratégia de relacionamento 9 Crie canais de relacionamento com o cliente 16 A importância

Leia mais

Por Prof. Pedro Mandelli Filho*

Por Prof. Pedro Mandelli Filho* Por Prof. Pedro Mandelli Filho* Reunião às 8h00? Nem pensar. Ele só chega às 9h. Não fale com ele antes que ele tome um café, porque ele ainda está meio dormindo. Não, é melhor não marcar até às 11h00,

Leia mais

ATENDIMENTO AO CLIENTE

ATENDIMENTO AO CLIENTE ATENDIMENTO AO CLIENTE Tópicos a serem apresentados: O que é? Para que serve? Objetivos do Curso. Conteúdo Programático. Empresa As Pessoas O Produto O serviço Atendimento Competitividade Tipos de Clientes

Leia mais