LEONARDO MODOLO CHRISPA EDI:A REALIDADE DOS SUPERMERCADOS DE LAVRAS - MG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEONARDO MODOLO CHRISPA EDI:A REALIDADE DOS SUPERMERCADOS DE LAVRAS - MG"

Transcrição

1 LEONARDO MODOLO CHRISPA EDI:A REALIDADE DOS SUPERMERCADOS DE LAVRAS - MG LAVRAS MG 2014

2 LEONARDO MODOLO CHRISPA EDI:A REALIDADE DOS SUPERMERCADOS DE LAVRAS - MG Monografia de Graduação apresentada ao Departamento de Ciência da Computação para obtenção do título de Bacharel em Sistemas de Informação Orientador Prof. Dr. Luiz Marcelo Antonialli Co-Orientador Prof. Dr. André Luiz Zambalde LAVRAS MG 2014

3

4 Dedico esta monografia à minha minha família, minha mãe Cássia meu pai Jorge e meu irmão Gabriel que nunca me deixaram desistir, é por vocês que sempre volto em casa, ao meu amor Giovanna que sempre apoiou nos momentos mais dificeis...

5 AGRADECIMENTOS Agradeço a todos tiveram participação de alguma maneira na minha graduação, nesta fase da minha vida onde aprendi muito e fiz muitos amigos. Agradeço ao meu orientador, Prof. Antonialli que me indicou este projeto e apesar das dificuldades sempre me ajudou. Agradeço ao meu coorientador, Prof. Zambalde pela paciêcia, pelas orientações e pelo espirito crítico que tornaram este trabalho possível. Agradeço a todos os membros da banca, que aceitaram prontamente meu convite para contribuir com o projeto. Agradeço a toda minha família de Lavras, a república vakatolada, André Luiz, Diego, Anderson, Danilo, Felipe, Elder, Elvis e Alysson. Agradeço também a todos os amigos da UFLA, Robert, Leandro, Vinicius Habib e muitos outros que já foram e outros que vieram. Finalizando eu agradeço a minha família.

6 RESUMO O objetivo deste trabalho foi verificar a existência do sistema EDI em dois supermercados da região de Lavras-Mg e seus impactos na tomada de decisão. O setor supermercadista vem buscando vantagens competitivas por meio da informatização e a busca de um relacionamento melhor com seus clientes e fornecedores. Para isso, o setor supermercadista tem feito um bom investimento em Tecnologia da Informação (TI), o que ainda não é o suficiente perto de outros setores, como o de indústria e de serviços. Foram realizadas entrevistas com roteiro semiestruturado para o levantamento dos dados nos supermercados. E constatado que o sistema EDI possivelmente não é viável a estas organizações observou-se como o sistema tem soluções para as organizações e como anda estagnado o atual quadro da tecnologia de informação nos supermercados estudados. Palavras-Chave: EDI;varejo;supermercados.

7 ABSTRACT With globalization and new technologies, as well as many solutions, a new problem is observed, large amounts of information, and how redundant are available, compared to this, there are solutions in the area of information systems called EDI. This project aims to analyze the supermarket sector organizations seeking competitive advantages through computerization, and the search for a better relationship with your customers and suppliers to do so, this supermarket sectors have made a good investment in Information Technology ( IT ), better low, close to other sectors of the industry and service. And check for EDI system in supermarkets in the region of Lavras and their impacts for decision making. We observed two of the four companies in the retail market, serving the entire region of the city of Lavras. Considering your current reality on the issue of automation, verifying the adoption and use of EDI systems. Interviews were conducted with semi-structured questionnaire to collect data in supermarkets. And found that the EDI system is possibly not viable for these organizations. Observe how the system has solutions for all types stagnant organization and how is the current context of information technology in the city s supermarkets. Keywords: EDI; retail; supermarkets.

8 SUMÁRIO 1 Introdução Contextualização e motivação Problema e objetivo Estrutura do projeto Referencial Teórico Eletronic Data Interchange - EDI Impactos do EDI para a Organização Política de implantação do EDI EDI no Varejo EDI no Comércio Eletrônico EDI no Magazine Luiza EDI nas Lojas Americanas S.A EDI no McDonald s EDI nos Supermercados EDI no Grupo Pão-Açúcar Metodologia Tipo de pesquisa Procedimentos Metodológicos Resultados e Discussões Estudos de multicasos Supermercado A Supermercado B EDI proposto para os supermercados Considerações Finais 56

9 Referências Bibliograficas 57

10 LISTA DE FIGURAS 2.1 Mostra atuação do EDI Mostra o processo de EDI nas organizações Mostra o processo de comunicaçao B2b e B2c Retratando a modelagem de acordo com os padrões Revista Eletrônica, modificado de Prates e Galão Sistema adotado pela rede Bom-Preço hoje Walmart

11 10 1 INTRODUÇÃO Com a acirrada competição entre as empresas, uma das estratégias adotadas por elas para elevar a eficiência nos processos tem sido a utilização de modernas tecnologias de produção e informação. Tais tecnologias vem transformando o mercado e proporcionando às empresas cada vez mais eficiência na gestão, maior qualidade de produtos/serviços e redução nos custos. A globalização vem trazendo diversas opções para a solução de problemas e com ela se geram novos problemas, entre eles o grande número de informações, muitas desnecessárias para o gerenciamento das organizações. Também a falta de segurança e a lentidão na utilização de informações que podem até prejudicar o desempenho dos gestores. No setor supermercadista a utilização da Tecnologia da Informação (TI) tem aumentado e se tornado cada vez mais indispensável para a gestão do negócio. Isto se deve a vários fatores, dentre os quais destaca-se a busca por maior eficiência no desempenho operacional, a redução de custos, a necessidade de integração com a cadeia logística imposta pelos fornecedores, as crescentes exigências legais, fiscais, tributárias e o ambiente de grande competitividade (CARVALHO e GALEGALE, 2006). O uso de tecnologias de informação no setor iniciou-se na retaguarda (back office) da organização nos departamentos de finanças, recursos humanos, contabilidade e, de forma "burocrática", nos setores de compras e controle de estoque. Numa segunda fase, deu-se início à automatização das frentes das lojas. Essa etapa culminou com a introdução maciça de tecnologias como: código de barras, leitura óptica/scanners, PDV/check out (com balanças eletrônicas e preenchimento de cheques), etiquetas eletrônicas nas prateleiras, transferência eletrônica de fundos, smatcard e outras tecnologias que objetivam otimizar a passagem dos clientes pelos caixas e tornar os PDV mais produtivos. (WERNER e SEGRE, 2002, p. 8).

12 11 No caso do presente estudo, buscou-se retratar o uso da tecnologia de informação nos supermercados da região da cidade de Lavras-MG, especialmente, com foco na utilização do EDI (Eletronic Data Interchange) ou troca eletrônica de dados. 1.1 Contextualização e motivação Segundo Tuunainen (1998), citado por Ferreira e Silveira (2007), os sistemas de EDI são usados em redes corporativas, para a troca de documentos e informações entre empresas, o que elimina papéis e burocracias, aumenta a velocidade de comunicação para o envio de documentos e reduz custos. O EDI é utilizado para conectar fornecedores e clientes, enviando pacotes de pedidos e faturas (entre outras coisas), de um computador ao outro (esses dados podem ser enviados por redes privadas e pela internet). As empresas estão buscando parceiros que as ajudem a gerar novas oportunidades de negócio. Esses parceiros podem ter muito pouco em comum um com o outro, mas podem dar origem a novas formas de relacionamento com clientes, fornecedores, grupos de interesse ou até mesmo concorrentes. Os sistemas EDI são utilizados para a troca de informações numa rede privada, ou não, entre diversas organizações; nessas trocas podem ser enviados e recebidos documentos de todos os tipos, contendo informações de vital importância. O EDI é usado para conectar fornecedores e clientes com mais velocidade e menos burocracia. Exemplo disso são grandes marcas como Carrefour, Pão de Açúcar e Walmart que se utilizam dessa tecnologia atualmente. O EDI pode ser considerado uma das ferramentas mais bem difundidas nas mais diversas redes de grandes empresas, inclusive as do setor supermercadista. Tais redes utilizam dessa ferramenta para ampliar e gerenciar negócios e mercados, empregando o sistema de maneira a obter vantagens estratégicas frente aos concorrentes.

13 Problema e objetivo A quantidade de informações disponíveis sobre as organizações são muitas e precisam estar disponíveis para serem extraídas facilmente. Por esse motivo, as organizações precisam estar sempre atualizadas no quesito tecnologia da informação. A evolução do mercado faz essa premissa ainda mais necessária. A comunicação com agilidade e sem erros é um problema a ser superado. Este trabalho teve como objeto de estudo as organizações do setor supermercadista, vantagens competitivas por meio da informatização, bem como um melhor relacionamento com clientes e fornecedores. Desse modo, objetivou-se verificar a existência de sistema EDI em supermercados da região de Lavras-MG e seus impactos na tomada de decisão. 1.3 Estrutura do projeto O capítulo 2 retrata os tópicos sobre o EDI: o que é EDI, como e onde ele é utilizado, suas vantagens e desvantagens; mostrar-se-á sua realidade no varejo e em supermercados. Os tipos de EDI disponíveis no mercado e também seus benefícios e dificuldades de aplicação. O capítulo 3 descreve os meios e a base que foram definidas para o desenvolvimento deste projeto, frisando os métodos, as qualificações e propriedades importantes do trabalho. No capítulo 4 são apresentados os resultados e as discussões sobre a pesquisa feitas nos supermercados de Lavras MG, retratando dificuldades encontradas, além da pesquisa feita nos mesmos. As conclusões, onde buscou-se demonstrar vantagens e desvantagens do EDI e um conhecimento mais aprofundado sobre o tema. Ao fim são apresentadas as referencias bibliográficas.

14 13 2 REFERENCIAL TEÓRICO Neste capítulo, inicialmente tem-se a conceituação do EDI, os tipo de EDI, impactos e políticas impostas por fornecedores e compradores. Na sequência, retratar-se-á exemplos da utilização do EDI no varejo, enfim, o quadro do EDI nos supermercados. 2.1 Eletronic Data Interchange - EDI Existem muitos canais para que haja a comunicação e a troca de informação entre diversos agentes de uma organização, seja no varejo, intermediadores, fabricantes, fornecedores e clientes; logo, mais informações são necessárias ao gestor para tomada de decisão frente aos problemas da organização. Com a competição global e o desenvolvimento de novas tecnologias ficou muito clara a necessidade do compartilhamento de dados ou ativos de informação entre os responsáveis pela cadeia de suprimentos, projetistas dos produtos, fabricantes e distribuidores (Bittar e Lima, 1997; Cash e Konsynk,1985;Clemonse e Mc Farlan, 1988; Gurbaxani e Wang, 1991). A adoção dos sistemas de informação e tecnologia dinamizou o fornecimento e disseminação dessas informações. A adoção destas tecnologias se tornou altamente indispensável para as organizações, a busca por um maior desempenho da organização e integração dos processos e em consequência um maior controle sobre o que ocorre dentro e fora da organização. Com o auxilio destas tecnologias, administração das empresas é feita com um pensamento mais gerencial, organizando e percebendo o que ocorre partes operacionais, táticas e gerenciais da organização. Obtendo assim, um grande facilitador para a tomada de decisão. De acordo com Cunha (2013), a tecnologia da informação é um fator determinante nas empresas, age nos processos de tomada de decisão dos gestores,

15 14 atendendo a complexidade, ao crescimento e à rentabilidade das organizações, garantindo assim uma vantagem competitiva. Como citado por Cunha (2013) o conceito de tecnologia da informação tais como os recursos tecnológicos e computacionais ativos de informação. Segundo Walton (1998), a TI quando utilizada nas organizações atua em uma grande gama de atividades com softwares e hardwares, permitindo coletar, armazenar, processar e acessar números e imagens e o controle de equipamentos e processos de trabalho. Cunha (2013) relaciona a TI como arma estratégica, pois a TI não só da apoio as operações de negócios existentes, como também permite que se viabilizem novas estratégias empresariais. Como mostrado por Andreasi e Gambarato (2010) a Tecnologia da Informação (TI) veio para ajudar os gestores e suas empresas através dos Sistemas de Informação (SI), amparando na tomada de decisão, no gerenciamento financeiro e no controle da qualidade. Abaixo citaremos alguns tipos de soluções em sistemas de informações que auxiliam seus gestores na tomada de decisão. Os SIG s conhecidos como sistemas de informações gerenciais, são sistemas que buscam o gerenciamento com informações sumarizadas e estruturadas, em uma base regular e recorrente. Um SIG é qualificado por sua estruturação, pelo mesmo processar um volume maior de ativos de informação, dar impulso ao controle operacional, permitir documentação ser particularizada (DA SILVA, 2007). Segundo Alvarez (2001) o ERP engloba as necessidades de informações de uma empresa qualquer. É um sistema computacional que se integraliza em diversos módulos, mesmo que independentes, dividem a mesma base de dados, e proporciona, como principal alvo, oferecer informações. Um Sistema de Apoio à Decisão fornece informações com o objetivo direcionando e apoiando os processos decisórios. Informações importantes são ar-

16 15 mazenadas, processadas, e apresentas de forma à contribuir para a decisão a ser adotada (SLACK, CHAMBERS e JOHNSTON, 2002). Gianesi e Corrêa (1993) afirmam que os Sistemas de Administração da Produção são a apoio, a alma da produtividade. Estes mostram em seus objetivos o planejamento e o controle do processo de manufatura. O OPT é um software aplicativo baseado em procedimentos heurísticos que visam elevar ao máximo a aplicação em três componentes para de produção: o fluxo de materiais, os estoques e as despesas operacionais. Reduzindo custos com materiais (ALVAREZ, 2001). Nesse contexto, o EDI surge como uma tecnologia de informação tem a capacidade de estreitar relações entre as empresas, de uma forma padronizada, melhorando os resultados dentre essas relações comerciais em termos estratégicos e operacionais das organizações. Figura 2.1: Mostra atuação do EDI.

17 16 Os sistemas EDI têm como função a troca eletrônica de dados entre as empresas, através de computadores e recursos de telecomunicações, também permitindo o intercâmbio de documentos. Ganhou importância difundindo-se nas últimas décadas, aumentando e eficiência e a competitividade do comércio varejista no Brasil. Como citado por Bittar e Lima (1997, pg. 1) o EDI é uma nomenclatura utilizada de maneira universalizar padrões Eletronic Data Interchange, conforme a norma ISO Esses conceitos foram inicialmente desenvolvidos na França. O EDI foi definido na padronização Francesa (Bittar e Lima, 1997 apud; Marcillet, 1994), EDIFRANCE como transferência de dados de computador para computador, entre parceiros de negócios, usando mensagens eletrônicas de dados, estruturados e agrupados, na forma de mensagens padrão; dessa forma, favorecem a diminuição de custos e aumentam a produtividade da companhia, melhorando procedimentos e reduzindo custos. Esta é uma nova forma de comunicação entre parceiros econômicos, trata-se de um sistema padronizado de troca eletrônica de informações dados ou ativos empresariais, o qual possui características básicas a integração automática entre os sistemas, com mínima intervenção humana. O EDI foi desenvolvido para atender às necessidades de comunicação eletrônica, tornando-se uma poderosa ferramenta de B2B (Business to Business), termo em inglês que significa comércio entre organizações e, basicamente, uma melhor relação entre cliente, empresa e fornecedor é o B2C (Business to Comerce), termo em inglês que significa negócio para o comércio, relação de organização e cliente. De acordo com Braz; Porto e Plonski (2000), o serviço para o processamento eletrônico de transações é um dos principais instrumentos adotados para que se possam obter diferenciais competitivos de maneira estratégica. Abaixo segue o processo de funcionamento do sistema EDI:

18 17 Figura 2.2: Mostra o processo de EDI nas organizações. De acordo com Gallon e Beuren (2011), o EDI pode dividir-se em duas categorias: o EDI puro ou tradicional, que compõe as mensagens padronizadas e utiliza os serviços da VAN ou Rede de Valor Agregado, redes privadas criadas ou estabelecidas diretamente com as necessidades da empresa que provém o meio para o transporte. É um cenário em que há vários tipos de mensagens sendo trocados pelas partes interessadas. A segunda categoria é a Web EDI que pode ligar as empresas menores ao sistema de EDI, em que o formulário com os dados da mensagem é acessível através da Internet.

19 18 Figura 2.3: Mostra o processo de comunicaçao B2b e B2c. Com a simples utilização de um software como browser e softwares de integração, esse serviço também é suportado pelas VAN s. (EAN Brasil, 2002). O modelo EDI VAN (Value Added Network Services) ou rede de valor agregado é mais difundido em empresas que priorizam a segurança acima de tudo; são tidas como redes de privadas voltadas inteiramente para determinada função na empresa. Utilizada de maneira a abrir um canal de comunicação particular para o envio de suas informações em padrões pré-determinados para elas mesmas na contratação do serviço VAN. Esse tipo de EDI, normalmente, é utilizado por empresas de grande porte que detêm um maior poder econômico perante as de menor tamanho pelo fato de que esses sistemas, além de caros, são desenvolvidos sob medida para essas organizações, ou seja, de acordo com as suas necessidades. É a solução para o problema de falta de padronização, de acordo com Bittar e Lima (1997); é normalmente encontrado em redes VAN, visto que o padrão básico utilizado em redes VAN nacional e internacional é compatível (EDIFACT, internacional e o RND, padrão muito utilizado nacionalmente em indústrias).

20 19 Como mostra Porto, Braz e Plonski (2000), o EDI transmitido via VAN é superior ao EDI via internet, no que se refere à inovação. O EDI provocou impactos positivos, apesar de estes apresentarem intensidade menor que os observados para a produtividade, possivelmente atrelados à reorganização das formas de trabalho, tornando-as menos burocráticas. A maioria das empresas que fazem o uso EDI utiliza as VAN s, porque estas oferecem comodidade e as liberam da administração de uma rede de comunicações potencialmente completa. As VAN s também proporcionam uma grande segurança nos dados transmitidos e outros serviços, como conversão de documentos para diferentes formatos e padrões, para ser interpretada corretamente, ou ainda conexão de usuários com outras redes. Essa modalidade de comércio eletrônico também é conhecida por EDI tradicional. As VAN s associadas à EAN no Brasil atualmente são a Embratel, a GE (Global Exchange Services), a IBM Brasil e Proceda. Abaixo se encontram citadas algumas empresas no Brasil que disponibilizam a tecnologia EDI em conjunto com redes VAN no Brasil: Interchange GEIS IBM TIVIT E as redes VAN para o suporte EDI: GXS Sterling Commerce Inovis Agora se aborda o contexto sobre EDI WEB, uma solução para muitas empresas que necessitam do sistema e não têm muito poder aquisitivo para adotá-lo.

21 20 São sistemas EDI que utilizam a internet para o envio de informações, através da web. É uma solução que está de acordo com as realidades das médias e pequenas empresas. Essas redes são muito discriminadas no cenário EDI, devido ao fato de que não proporcionam muita segurança aos dados que são transmitidos. Existem softwares que mostram uma segurança maior e, devido ao custo, a demanda por este tipo de sistema tem crescido rapidamente. O EDI e a Internet, segundo Porto, Braz e Plonski (2000 apud BITTAR; LIMA, 2004), surge para reduzir deficiências do EDI não só de padronização de sistemas e de dados mais também problemas como, alto custo tecnológico e falta de flexibilidade entre parceiros de negócios. Esses problemas são pela rede, que permite que empresas, mesmo com sistemas menos estruturados e com recursos financeiros escassos para aquisição de tecnologia.. Seguem alguns exemplos software que são voltados ao EDI WEB: EDIdEv: Kit para desenvolvedores para o sistema EDI de acordo com a necessidade da empresa. EDICOM: Tido como referência internacional em EDI em FATURAMENTO ELETRÔNICO, desenvolve modelos de transmissão e integração de dados entre empresas seguindo critérios da organização. Accura Aplication: Sistema automatizado para o tratamento de um grande volume de transações EDI ANSI x12 padrão entre os parceiros comerciais. Ben Select: suporta uma variedade de extratos e relatórios de dados, além de manuais seguro e dados programados e entrega de documentos aos transportadores e sistemas de folha de pagamento. Um grande problema para a adoção do EDI é a padronização de seus dados em compatibilidade com os seus parceiros comerciais. Este tema tem sido

22 21 muito abordado em diversas áreas de estudo sobre o EDI, principalmente com a integração do EDI com a internet. Isso também leva a um dilema sobre a utilização de sistemas abertos ou proprietários e padrões que sejam utilizados pela maioria das organizações para o aumento da harmonização de padrões. Com um número muito grande de organizações aderindo ao EDI, o custo para a harmonização de padrões entre eles está ficando cada vez mais elevado. O desenvolvimento de padronização envolve três tipos de informação: protocolos para a troca de informações o que permite o envio da informação entre as redes e os computadores, o desenvolvimento das mensagens que necessitam de uma concordância entre informações requeridas para a transação e a harmonização dos dados para redução de ambiguidades. Progressos consideráveis têm sido realizados com relação aos protocolos de troca de dados, através dos esforços de ofertantes de tecnologia e da existência de padrões públicos e industriais. Embora possa haver problemas técnicos, soluções técnicas universais já estão disponíveis e há softwares no mercado para lidar com a comunicação envolvendo diferentes protocolos e sistemas de rede. Agora, a responsabilidade pelo desenvolvimento das mensagens voltou-se para o nível global, com o papel crescente do processo UN/EDIFACT para desenvolvimento de padrões EDI. O EDIFACT tem sido bem sucedido em desenvolver a sintaxe EDI, resultando-se de fato em um padrão global de uso. Contudo, o problema reside em desenvolver padrões de mensagem globais, isso porque esses padrões têm a intenção de construir mensagens não ambíguas. Segundo (Marcillet, 1994) e citado por Bittar e Lima (2004existem dois padrões mais utilizados: o Ansi X12, nos Estados Unidos, e o EDIFACT (Eletronic Data Interchange for Administration, Commerce and Transport), na Europa Várias tentativas têm sido feitas para que exista uma nomenclatura mundial, mas isso tem se mostrado muito difícil.

23 22 De acordo com Iaderosa ( 1992) e citado por Bittar e Lima (2004). com O Brasil adota o padrão de documentos para EDI contidos em um diretório de mensagens chamado EDIFACT (Iaderosa, 1992). Dentro dele existe uma série de documentos formatados. No Brasil, segue-se a norma ABNT NBR Como citado por Patrizia (1996) o EDI é mais do que um simples pedido feito de forma eletrônica. Se não existem documentos padronizados, não há informações estruturadas dentro de um código pré-estabelecido. Figura 2.4: Retratando a modelagem de acordo com os padrões. Os padrões mais utilizados estão citados abaixo: EDIFACT: (EDI + For Administration Commerce and Transport). Padrão criado pela ONU com o objetivo principal de fixar uma padronização de mensagens para o intercâmbio de informações em nível mundial. usado no Brasil baseando-se na norma ABNT NBR Mais ANSI ASC X.121: América do Norte, Austrália e Nova Zelândia. UNTDI: Europa Ocidental.

24 23 Os dados transmitidos via EDI necessitam de estar bem estruturados contendo dados como número do produto, nome do produto, nome de cliente, quantidade e outras informações. É preciso deixar bem claro que muitas pessoas confundem o EDI com o eletronic mail, onde os dados são transmitidos de uma rede de internet e não existe o tratamento das informações como é feito no sistema EDI. O EDI pode ser qualificado como um sistema de cooperativa e de auxílio ao BI(Business Inteligence) em português inteligência de negócios, onde são necessárias pelo menos duas corporações participantes com objetivos de negócio diferentes. Esse sistema cooperativo pode envolver corporações, fornecedores e clientes; corporações em seus bancos, entre as join ventures de uma companhia ou entre os seus próprios competidores (Preston, 1998). O EDI para a sua adoção é uma etapa inicia; sua gestão da cadeia de informações é tida como muito radical por não apenas envolver um investimento de hardware e softwares e análise da rede corporativa, mas é também uma reestruturação da relação cliente-fornecedor, uma adaptação em novas práticas de trabalho e uma alteração no ciclo total de negócios (Preston 1988). Agora ressaltaremos algumas considerações sobre reposição de estoque, que nos negócios é feita de forma automática com o EDI; exemplo disso, os envios de pedidos transitados diariamente para o fornecedor, dados de movimento de saída de produtos das lojas dos clientes. O sistema vai controlando dados de estoque até que, atingido o estoque mínimo ou um limite pré-determinado, o mesmo já envia os devidos dados para que esta reposição seja efetuada, já enviando a nova remessa de produtos e emitindo suas notas fiscais. Elimina-se, assim, a necessidade de pedido que, através de contratos e processos legais, pode ficar a cargo do próprio fornecedor (Bittar e Lima, 1997). Essa prática em que o fornecedor fica a cargo do gerenciamento de estoque e entregas é chamado de VMI (Vendor Management Inventory). O EDI é fortemente ligado a esse conceito.

25 24 De acordo com Prates e Gallão (2007, p. 2 apud; Lummus 1997, p. 80), as transações frequentemente enviadas pelo EDI são as de compras, transporte e transações de pedidos entre um comprador e um vendedor, ordens de compra, aviso de estoque, despacho de material e transporte. Uma outra definição simples e objetiva é de que o EDI, para Prates e Gallão (2007, p. 2 apud Zabeo, 2002), basicamente trata-se de uma troca eletrônica de mensagens pré-formatadas, seguindo determinado padrão de tecnologia, ligando máquina com máquina. Em sua opinião, a eficiência, segurança e, de certa forma, simplicidade com que é feito esse processo, são algumas das razões que fazem com que o EDI tenha conseguido manter seu alto índice de aceitação nas empresas e esteja pronto para ser ampliado, ao contrário do que alguns chegaram a pensar, em razão do advento da internet. Os ganhos potenciais advindos da adoção do EDI vêm do aumento da competitividade, aumento de velocidade a uma base de acesso, controle mais estreito, dinâmico e inteligente sobre ações de todos os tipos na cadeia de suprimento; fornecem feedback s precisos num prazo curto a todos os participantes do canal de fornecimento, abrangendo outros métodos para a execução de ferramentas como o just-in-time, e troca de informações, agilidade e eficiência nos processos produtivos. Além disso, há a minimização dos custos transacionais já que os números de pessoas também envolvidas no processo são menores. É importante também citar o contexto da automatização de decisões lógicas através do EDI (sistemas de auxílio à inteligência de negócios), que trabalham analisando automaticamente as informações e, acima de tudo, melhora a qualidade da informação, confiança e parceria entre os fornecedores, prestadores de serviços e clientes, obtendo a sincronia dos processos de produção. O EDI veio para auxiliar e facilitar a implantação de melhorias de processos como o Just in Time(JIT), a política de não estoque, o quick response (QR) que veio para avançar no segmento dos códigos de barras e o gerenciamento da

26 25 qualidade total conhecido internacionalmente como o TQM (Total Quality Management) Impactos do EDI para a Organização A tecnologia EDI é considerada uma ferramenta adequada para a melhoria da troca de informações entre as empresas tornando-as mais viáveis, ágeis e confiáveis; mas, no contexto de uma nova de tecnologia para inovação, como todo um novo conhecimento a ser adotado, são sofridos impactos. Para esse efeitos existem muitos que as vezes são inesperados sendo necessário estudos que, por meio de análises, mostrem se esses impactos estarão alinhados com a realidade da empresa para que no momento da adoção do sistemas escolha se a viabilidade do mesmo é aceitável para a realidade da organização. É importante notar que para adoção de uma forma eficiente de automação, não apenas composto por adquirir novos equipamentos como um bom hardware e um bom software, exige-se também um treinamento adequado, adaptação do pessoal e definir novas metas frente à nova estrutura adotada, adaptando os processos da organização. Não basta apenas informatizar os antigos procedimentos ou incluir novos escopos e algumas tarefas de escape para o processo. Necessitase de uma mudança, de forma geral, em processo que são executados, modos de gerir a forma de organização da empresa. É também muito importante repensar o relacionamento organizacional, cliente e fornecedor, para alteração no ciclo de negócios. Nesse quadro de reestruturação é muito imprescindível a participação direta dos parceiros que também tem de estar antenados em novas atualizações para adoção da nova tecnologia EDI, se irá aderir a essa nova tecnologia ou adaptação da mesma com o EDI WEB. Ainda as consequências para adoção do novo sistema precisam ser levadas em consideração. Apesar de turbulentas, essas adequações organizacionais para o novo sistema mostram a organização. Um lado bom são

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Tecnologia da Administração O que veremos? EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Sintaxe Edifact (ONU) EDI For Administration

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Prof. Daniel J. Melo Brasil

Prof. Daniel J. Melo Brasil EDI Definição EDI é um acrônimo para Intercâmbio Eletrônico de Dados EDI refere-se a troca de estruturada de dados entre as organizações por meio eletrônico. EDI pode ser utilizado para a comunicação de

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO VILAS BOAS, M. A. A. 1 ; GOMES, E. Y. 2 1- Graduando em Sistemas de Informação na FAP - Faculdade de Apucarana 2- Docente do Curso

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini SI- Sistemas de Informação Professora: Mariana A. Fuini INTRODUÇÃO A informação é tudo na administração de uma organização. Mas para uma boa informação é necessário existir um conjunto de características

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS 1. Sabe-se que o conceito de Sistema de Informação envolve uma série de sistemas informatizados com diferentes características e aplicações, os quais, porém, têm em comum

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo Migração de sistemas antigos Avançando para um futuro competitivo A automação e controle é um dos mais importantes investimentos para garantir o sucesso da manufatura de qualquer indústria. Porém, por

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE O FLUXO TRADICIONAL E O EDI

COMPARAÇÃO ENTRE O FLUXO TRADICIONAL E O EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI Eletronic Data Interchange ) Troca de dados estruturados e padronizados, entre entidades, utilizando meio eletrônico, diminuindo a intervenção humana no processo. É

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular Material Cedido pelo Prof. Msc. Ângelo Luz Prof. Msc. André Luiz S. de Moraes 2 Materiais Mussum (187.7.106.14 ou 192.168.200.3) Plano de Ensino SISTEMAS

Leia mais

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo;

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo; Conceitos Comunicação; Formas de escritas; Bacharel Rosélio Marcos Santana Processo de contagem primitivo; roseliomarcos@yahoo.com.br Inicio do primitivo processamento de dados do homem. ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

Introdução. 1. O que é e-commerce?

Introdução. 1. O que é e-commerce? Introdução As vendas na internet crescem a cada dia mais no Brasil e no mundo, isto é fato. Entretanto, dominar esta ferramenta ainda pode ser um mistério tanto para micro quanto para pequenos e médios

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof. Odilon Zappe Jr Vantagens e Desvantagens do Comércio Eletrônico Vantagens Aumento do número de contatos da empresa com fornecedores e com outras empresas do mesmo ramo, e

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores OBJETIVOS Principais desafios de Supply Chain enfrentados pelas indústrias Premissas para criação de valor na comunicação interempresas

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

gesacad GESTÃO ACADÊMIDA DE ESCOLAS

gesacad GESTÃO ACADÊMIDA DE ESCOLAS gesacad GESTÃO ACADÊMIDA DE ESCOLAS Mais de uma década de experiência e evolução é o que dá ao sistema uma vasta gama de funcionalidades. Esse conhecimento que faz total diferença para sua empresa. xp+

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo.

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 1 TEMA Assunto: Redes de computadores. Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 2 PROBLEMA Problema: Qual a importância de criar uma rede estruturada em instituições

Leia mais

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística?

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística? Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Processamento de Pedidos e Aquisição/Programação de Produtos Primárias Apoio 1 2 Responsabilidades O Fluxo

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PROFESSOR: HAMIFRANCY MENESES 1 TÓPICOS ABORDADOS DEFINIÇÃO DE CANAL

Leia mais

Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas de ERP Enterprise Resource Planning Pacote de ferramentas que integram toda a empresa, a grande vantagem é que os dados

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN. O que é o GVN Parceiro: O perfil do GVN Parceiro

Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN. O que é o GVN Parceiro: O perfil do GVN Parceiro Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN O que é o GVN Parceiro: O GVN Parceiro é uma modalidade de parceria de negócios criada pelo Grupo Vila Nova para ampliar sua capilaridade de oferta e garantir que

Leia mais

TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR"

TÍTULO: COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR" CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE RIO PRETO

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas?

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas? XACT FOR ENTERPRISE A ênfase na produtividade é fundamental na mineração à medida que as minas se tornam mais profundas, as operações se tornam cada vez mais complexas. Empresas de reconhecimento mundial

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Software para distribuidoras de medicamentos SIMPLICIDADE E EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS.

Software para distribuidoras de medicamentos SIMPLICIDADE E EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS. Software para distribuidoras de medicamentos SIMPLICIDADE E EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS. Sobre o MedOne GESTÃO SIMPLIFICADA, EFICIÊNCIA GARANTIDA. Gestão simplificada, segurança

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Simplificando a TECNOLOGIA

Simplificando a TECNOLOGIA 3 Simplificando a TECNOLOGIA SEGURANÇA DESENVOLVIMENTO BANCO DE DADOS S O L U Ç Õ ES E M T E C N O L O G I A MISSÃO VISÃO Contribuir com o sucesso dos Clientes através da Ser a melhor provedora de Soluções

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

O que é ERP e suas vantagens

O que é ERP e suas vantagens Sistema 8Box ERP O que é ERP e suas vantagens Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa, possibilitando a automação e

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS CUSTOMER SUCCESS STORY Junho 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários:

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA Descrição da(s) atividade(s): Indicar qual software integrado de gestão e/ou ferramenta

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas. Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação Érico Veras Marques FGV/CIA/UFC

Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas. Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação Érico Veras Marques FGV/CIA/UFC Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação FGV/CIA/UFC Gastos e Investimentos % do Faturamento Média Grandes Empresas: 5,3% Média Indústria:

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

AUTOR(ES): IANKSAN SILVA PEREIRA, ALINE GRAZIELE CARDOSO FEITOSA, DANIELE TAMIE HAYASAKA, GABRIELA LOPES COELHO, MARIA LETICIA VIEIRA DE SOUSA

AUTOR(ES): IANKSAN SILVA PEREIRA, ALINE GRAZIELE CARDOSO FEITOSA, DANIELE TAMIE HAYASAKA, GABRIELA LOPES COELHO, MARIA LETICIA VIEIRA DE SOUSA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: TECNOLOGIA E SUA INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DA GESTÃO CONTÁBIL. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Mastermaq Softwares Há quase 20 anos no mercado, a Mastermaq está entre as maiores software houses do país e é especialista em soluções para Gestão

Leia mais