Tratamento das infecções por gram -

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tratamento das infecções por gram -"

Transcrição

1 V Congresso Norte Nordeste De Infectologia DEFAFIO NA TERAPIA ANTIMICROBIANA ATUAL Tratamento das infecções por gram - Cristiano Melo Gamba Médico Infectologista Hospital do Servidor Público Estadual SP AC Camargo Cancer Center SP Hospital Samaritano - SP

2 Conflito de interesses: - Pfizer

3 Bacilos Gram negativos IMPORTÂNCIA CLÍNICA Grandes causadores de infecções relacionadas à assistência à saúde. Grande morbi-mortalidade Patógenos com grande emergência de resistência Escacez de antimicrobianos

4 Epidemiologia Unidades Hospitalares Brasileiras - "SENTRY"" ITU * BACTEREMIA ** PNEUMONIA ** 4% 7% 5% 14% 6% 11% 4% 60% 9% 17% 35% 12% 6% 12% 9% 10% 13% 25% 11% 31% E.coli Enterobacter Klebsiella spp P. aeruginoisa P. mirabilis Outros E. coli Enterobacter Klebsiella spp P. aeruginoisa Staphylococcus spp Acinetobacter spp Outros E. coli Enterobacter Klebsiella spp P. aeruginoisa Staphylococcus spp Acinetobacter spp Outros MODIFICADO DE: *Gordon KA, Jones RN. Diagn microbiol Infec Dis 2003;45: ** Gales AC. Braz J Infect Dis, 2009;13(2):90-98

5 Distribuição percentual de microrganismos isolados em hemoculturas de pacientes com IPCS de UTI adulto. NMCIH/CCD/COVISA ano % 9% 18% 12% 2% 16% 15% 8% 14% 2% 59% GRAM - Acinetobacter Pseudomonas S.aureus Serratia Enterobacter Klebsiella E. coli S.epidermidis Candida Enterococcus

6 Agentes MR ano 2013 em UTI adulto Acinetobacter R carbapenemicos (328/377) 87% Klebsiella R carbapenemicos (187/333) 56,1% Pseudomonas aeruginosa R carbapenemicos (89/175) 50,8% NMCIH/CCD/COVISA

7 Klebsiella pneumoniae NISS (2003): Prevalência de K. pneumoniae em UTI produtora de ESBL = 20,6% Aumento de 47% comparado com o período de Grande disseminação mundial de ESBL

8 Klebsiella pneumoniae Prevalência de cepas produtoras de ESBL EUA = 5% Europa = 15-20% África do Sul = 36% Brasil = 50% Sader, 2001 Marra, R a aminoglicosídeos, fluorquinolonas e sulfas - Opção: carbapenêmicos (elevada afinidade PBPs, estabilidade B- lactamases, excelente permeabilidade através membrana externa)

9 Klebsiella pneumoniae Paterson DL et al Pacientes com bacteremia por K. pneumoniae produtora de ESBL MIC de 8 µg/ml e tratados com cefalosporinas Maior taxa de mortalidade MIC < 8 µg/ml taxa de mortalidade Carbapenêmicos ATB de escolha para o tratamento das infecções graves causadas por produtores de ESBL Paterson DL et al.. J Clin Microbiol Jun;39(6):

10 Klebsiella pneumoniae BJID 2004; 8 (1): 25-36

11 C A R B A P E N E M I C O S Ertapenem Imipenem Meropenem

12 Ertapenem Excelente atividade contra gram-positivos e gram-negativos aeróbicos e anaeróbicos Eficácia clínica comprovada em trabalhos clínicos e aprovados Carbapenem efetivo para tratamento de infecções graves não- Pseudomonas Carbapenem efetivo para o tratamento de infecções por Enterobactérias produtoras de ESBL Excelente tolerabilidade e mínima interação medicamentosa Baixo risco de desenvolvimento de resistência (especialmente BGNNF R a Carbapenêmicos) Um grama, uma dose, uma vez ao dia (EV ou IM)

13 Imipenem Meropenem Amplo espectro de ação: Cocos Gram positivos (exceto MRSA) Bacilos Gram negativos (incluindo BGNNF) Anaeróbios (exceto C. difficile) Útil no tratamento de infecções graves polimicrobianas Recomendado para terapia empírica em infecções hospitalares (PAV, PAH, ICS, ITU e IABD) Terapia de ESCOLHA nas infecções por Enterobactérias produtoras de ESBL

14 Klebsiella pneumoniae R a carbapenêmicos

15 Evolução do prefil de resistencia microbiana de agentes isoaldos em hemocultura - UTI adulto NMCIH/CCD/COVISA 55% 20%

16 Carbapenemase beta-lactamases que hidrolisam pelo menos um carbapenêmico (imipenem e/ou meropenem) Carbapenemases envolvidas em R adquiridas pertencem a classe A, B e D de Ambler Classe A : Codificadas no cromossomo (SME 1 a 3, IMI) de Enterobacter cloacae e Serratia marcescens Codificadas em plasmídeos (KPC de Klebsiella pneumoniae e GES em Pseudomonas aeruginosa ) Classe B: Metalo beta-lactamaese (séries IMP ou VIM) Metaloenzimas estão codificadas em plasmídeos e integrons e hidrolisam virtualmente todos os beta-lactâmicos exceto aztreonam Class D: Carbapenemases (OXA) relatadas em Acinetobacter baumannii que hidrolisam imipenem e meropenem marginalmente CARBAPENEMASE RESIDE EM ELEMENTOS GENÉTICOS MÓVEIS: Plasmídioss

17 OPÇÕES TERAPÊUTICAS

18 Sensibilidade in vitro # Bratu S, Mooty N, Nichani S et al. Emergence of KPC-possessing Klebsiella pneumoniae in Brooklyn, New York: epidemiology and recommendations for detection. Antimicrob Agents Chemother 2005; 49: # Bratu S, Tolaney P, Karumudi U et al. Carbapenemase-producing Klebsiella pneumoniae in Brooklyn, NY: molecular epidemiology and in vitro activity of polymyxin B and other agents. J Antimicrob Chemother 2005; 56: # Castanheira M, Sader HS, Deshpande LM et al. Antimicrobial activities of tigecycline and other broad-spectrum antimicrobials tested against serine carbapenemase- and metallo-blactamase-producing Enterobacteriaceae: report from the SENTRY Antimicrobial Surveillance Program. Antimicrob Agents Chemother 2008; 52:

19 CID 2010; 50:364-73

20 Considerações Tratamento Tigeciclina: Boa atividade in vitro Boa concentração tecidual intra-abdominal Não aprovada para ICS Baixa concentração urinária Aminoglicosídeos: Subótimos para tratamento abscessos e infecções intra-abdominais Polimixinas: Pilar da terapia atual mais segura Doses??? IRC??? Subótima para tratamento de pneumonia em monoterapia Fosfomicina: Alta concentração urinária J Antimicrob Chemother Jun; 65(6):

21 Sugestões para o Tratamento das Infecções Causadas por Enterobactérias Resistentes aos Carbapenêmicos - SBI - Comitê de Bacteriologia Clínica da SBI - Disponível em:

22 Importante agente etimológico de I.R.A.S EUA segundo patógeno causador de pneumonias hospitalares terceira causa mais comum de infecções urinárias quarta causa deinfecções de sítio cirúrgico sétimo patógeno mais comum em infecções da corrente sangüínea Brasil Pseudomonas aeruginosa (NNIS ) causa mais comum de infecções do trato respiratório segunda causa mais comum de infecções urinárias e infecções de sítio cirúrgico sexto patógeno mais comum em infecções da corrente sangüínea (SENTRY )

23 Pseudomonas aeruginosa 50 50% Crit Care Med 2008; 24:

24 Pseudomonas aeruginosa Opções Terapêuticas AZTREONAM

25 Pseudomonas aeruginosa Terapêutica: Infusão prolongada Santos Filho L, Eagye KJ, Kuti JL. Clin Microbiol Infect 2007;13(6): Lodise TP, Lomaestro B, Drusano G. Clin Infect Dis 2007; 44(3): PAV P. aeruginosa APACHE > 17 Infusão de Pipe-Tazo em 4 horas (N=41) Infusão intermitente (N=38) < mortalidade em 14 dias (p=0,04) < estadia na UTI (21 x 28 dias; p=0,02) Meropenem 2g EV de 8/8 horas em infusão de 3 h + Aminoglicosídeo > probabilidade de cobertura P. aeruginosa

26 Pseudomonas aeruginosa Terapêutica POLIMIXINAS Única opção terapêutica disponível quando não se é possível utilizar betalactâmico, aminoglicosídeos ou quinolonas. Toxicidade. Fato preocupante: relato de amostras clínicas com diminuição da sensibilidade à polimixina. R a carbapenens transferível = cepas bactérias intrinsicamente R a polimixina

27 Pseudomonas aeruginosa Terapêutica Combinação com aminoglicosídeos = controvérsia?? 2 metanálises Nenhuma vantagem (combinação x monoterapia) Mortalidade Eficácia clínica Prevenção de resistência Menos efeitos adversos = nefrotoxicidade (combinação) Bacteremia P. aeruginosa => melhora na sobrevida (combinação) Paul M, Benuri-Silbiger I, Soares-Weiser K, et al. BMJ 2004;328: Safdar N, Handelsman J, Maki DG. Lancet Inf Dis 2004;4(8):519 27

28 Acinetobacter sp Prevalência Peleg AY, et al. Clin Microbiol Rev, 2008,

29 Acinetobacter spp Giordan, 2007, Jerassy 2006, Robenshtok, 2006: Bacteremia por A. baumannii vs outros Gram negativos (inclusive K. pneumoniae e P. aeruginosa) Maior risco de morte!

30 Acinetobacter sp Ambiente quente e úmido UTIs = PAV Problema crescente nosocomial Traqueostomia Ventilação Mecânica Cirurgias recentes Cateter venoso central Internações UTI Nutrição parenteral Uso de Cefalosporinas 3ª, quinolonas e carbapenemas Mortalidade hospitalar: 8-23% Mortalidade UTI: 10-43% Falagas et al. Crit Care 2006; 1- (2): R48 Peleg AY et al. Clin Microbiol Rev 2008; 21(3): Peleg AY CID 2010:51 (1): Permanece no ambiente/superfícies por tempo prolongado

31 Acinetobacter spp Antimicrobiano Sensibilidade (%) Cefepime 36,7 Ceftazidima 28,9 Sentry- Brasil (2001) Piperacilinatazobactam 31,1 Imipenem 97,8 Meropenem 96,7 Ciprofloxacino 33,3 Levofloxacino 33,3 Amicacina 35,6 Gentamicina 38,9 BJID 2004; 2004;8(1):25-79 Polimixina B 98,2

32 Acinetobacter spp Marra AR et al. J Clin Microbiol Rev, 2011:

33 Acinetobacter sp TRATAMENTO MDR = opções limitadas Terapia empírica difícil + toxicidade TIGECICLINA AMINOGLICOSÍDEOS POLIMIXINAS SULBACTAM

34 Acinetobacter sp TRATAMENTO MDR = opções limitadas TIGECICLINA Atividade in vitro e clínica para A. baumannii MDR R relatada recentemente Conclusões limitadas em estudos de terapia p\ MDR PNM - taxa de sucesso % ICS dados mais limitados Munoz-Price LS: NEJM, 2008 Peleg AY CID 2010:51 (1): 79-84

35 Acinetobacter sp TRATAMENTO MDR = opções limitadas SULBACTAM Atividade antimicrobiana intrínseca S variável de acordo com geografia Ausência de trabalhos randomizados BCP/ICS: resultados = outros ATB Relatos de casos ou surtos = sucesso Wood GC et al. CID 2002:34 (11): Levin AS et. al - Antimicrob Chemother 2008;61 (6): Peleg AY CID 2010:51 (1): 79-84

36 Acinetobacter sp TRATAMENTO MDR = opções limitadas POLIMIXINAS Polimixina E (colistina) ou Polimixina B Eficácia: 55-80% Nefrotoxicidade / Neurotoxicidade Dose:??? Confusa??? Ausência de trabalhos randomizados PAV - ICS: resultados satisfatórios Falagas ME et al. CID: 2005; 40 (9): Peleg AY CID 2010:51 (1): 79-84

37 Acinetobacter sp TRATAMENTO Polimixinas B ou E (colistina) Poli B e E = eficácia e nefrotoxicidade comparáveis Nefrotoxicidade (até 37%) Neurotoxicidade (parestesias 27%) Colistina média 58% eficácia 60 casos infecções por A. baumannii e P. aeruginosa MDR (ICS 80% / PAV 25%) Revisão Polimixina B = 55 80% eficácia A. baumannii (dependendo estudo) Levin AS, Oliveira MS. Shock 2008;30:30-33 Falagas ME. CID 2005;40(9):

38 Acinetobacter sp TRATAMENTO Polimixina inalatória Estudos em associação com terapia EV demonstram benefício no tratamento PAV por BGN MDR, porém estudos ainda são necessários Kofteridis et al, CID 2010: caso-controle retrospectivo 66 casos PAV Poli EV e Poli EV + Inal erradição bacteriana p=.679, cura clínica p=.10, mortalidade.289 (IRA em 19%) Korbila et al, CMR 2010: cura clínica 79,5% IV + Inal vs 60,5% (p=.025)

39 Acinetobacter sp TRATAMENTO TERAPIA COMBINADA Muitos dados de estudos in vitro/animais Poucos dados comparativos em humanos Petrosillo et al (2008) = Revisão (4 estudos) 1 estudo: Mortalidade sem significância estatística Heterogenicidade de pacientes Petrosillo et al. Clin Microbiol Infect 2008; 14(9): Falagas et. al Clin Microbiol Infect 2006; 12 (12):

40 Acinetobacter sp TRATAMENTO TERAPIA COMBINADA Colistina + rifampicina - Eficácia que poli em clareamento bacteriano pulmão, porém rápida R monoterapi - Estudos in vitro Carbapenem + Sulbactam Falagas et al (2006): Colistina X Colistina+Meropenem Monoterapia: poucos pacientes Desfecho semelhante Petrosillo et al. Clin Microbiol Infect 2008; 14(9): Falagas et. al Clin Microbiol Infect 2006; 12 (12): Peleg AY CID 2010:51 (1): 79-84

41

42 Salvar os Carbapenemas É agora ou agora SALVEM OS Carbapenemas Obrigado

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA: SUA IMPORTÂNCIA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA: SUA IMPORTÂNCIA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO ANÁLISE MICROBIOLÓGICA: SUA IMPORTÂNCIA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO MSC INES STRANIERI LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JULIO MULLER - HUJM UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO - UFMT

Leia mais

Microbiologia no controlo e prevenção de IACS. Valquíria Alves Viana do Castelo 2014

Microbiologia no controlo e prevenção de IACS. Valquíria Alves Viana do Castelo 2014 Microbiologia no controlo e prevenção de IACS Valquíria Alves Viana do Castelo 2014 Microbiologia: Componente essencial em qualquer Programa de Controlo de Infecção PPCIRA 2013 Clinical Microbiology and

Leia mais

BACTÉRIAS GRAM NEGATIVAS MULTIRRESISTENTES

BACTÉRIAS GRAM NEGATIVAS MULTIRRESISTENTES II Simpósio: Destaques em Controle e Prevenção de Infecção Principais Temas Discutidos nos Congressos Internacionais de 2013. SHEA/APIC/ICPIC/ID WEEK/Congresso Mundial de Esterilização Mesa redonda: como

Leia mais

NEW DELHI METALO-BETA-LACTAMASE NDM. Marcelo Pillonetto LACEN/PR Curitiba, 04 de julho de 2013

NEW DELHI METALO-BETA-LACTAMASE NDM. Marcelo Pillonetto LACEN/PR Curitiba, 04 de julho de 2013 NEW DELHI METALO-BETA-LACTAMASE NDM Marcelo Pillonetto LACEN/PR Curitiba, 04 de julho de 2013 Resistência Bacteriana Previa ao uso de antimicrobianos Resistência intrínseca Resistência adquirida S.aureus

Leia mais

Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo?

Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo? 10 a Jornada de Controle de Infecção Hospitalar CCIH Hospital de Câncer de Barretos da Maternidade Sinhá Junqueira Ribeirão Preto, 29 e 30 de julho de 2005 Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo?

Leia mais

PREVALÊNCIA MICROBIANA EM DIVERSAS AMOSTRAS CLÍNICAS OBTIDAS DE PACIENTES DO CTI DE UM HOSPITAL MILITAR

PREVALÊNCIA MICROBIANA EM DIVERSAS AMOSTRAS CLÍNICAS OBTIDAS DE PACIENTES DO CTI DE UM HOSPITAL MILITAR PREVALÊNCIA MICROBIANA EM DIVERSAS AMOSTRAS CLÍNICAS OBTIDAS DE PACIENTES DO CTI DE UM HOSPITAL MILITAR Cecília Santana Bala Pereira Discente do Curso de Farmácia da Universidade Severino Sombra, Vassouras/RJ,

Leia mais

Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT

Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT Informações do Sistema de Notificação Estadual de Infecções Hospitalares de Mato Grosso Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT Indicadores de IH Sistema

Leia mais

Antimicrobianos: onde estamos e para onde vamos?

Antimicrobianos: onde estamos e para onde vamos? Antimicrobianos: onde estamos e para onde vamos? Dra. Vanessa Schultz Médica Infectologista Especialização em Gestão de Risco Hospitalar Coordenadora do SCIH do Hospital Mãe de Deus Canoas Não possuo;

Leia mais

Dra. Thaís Guimarães

Dra. Thaís Guimarães Dra. Thaís Guimarães ANTIMICROBIANOS Produtos capazes de destruir microorganismos ou de suprimir sua multiplicação ou crescimento. Antibióticos = produzidos por microorganismos Quimioterápicos = sintetizados

Leia mais

Pseudomonas aeruginosa e Acinetobacter spp: mecanismos de resistência e aspectos para a terapia. Beatriz M Moreira

Pseudomonas aeruginosa e Acinetobacter spp: mecanismos de resistência e aspectos para a terapia. Beatriz M Moreira Pseudomonas aeruginosa e Acinetobacter spp: mecanismos de resistência e aspectos para a terapia Beatriz M Moreira Bactérias Gram-negativas nãofermentadores Pequena exigência nutricional amplamente encontrados

Leia mais

Relatório do I Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde

Relatório do I Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Relatório do I Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde I - RESUMO EXECUTIVO Responsáveis: - Adélia Aparecida Marçal dos Santos Gerência de

Leia mais

Tempo, Clima e Hospital: Sazonalidade e Determinantes das Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS)

Tempo, Clima e Hospital: Sazonalidade e Determinantes das Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) Tempo, Clima e Hospital: Sazonalidade e Determinantes das Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) Carlos Magno Castelo Branco Fortaleza Professor Adjunto / Disciplina de Moléstias Infecciosas

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010 Recomendações para prevenção e controle das enterobactérias produtoras

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOCIÊNCIAS APLICADAS À FARMÁCIA Perfil de Sensibilidade de Staphylococcus aureus e conduta terapêutica em UTI adulto de Hospital Universitário

Leia mais

INFECÇÕES HOSPITALARES EM PACIENTES INFECTADOS COM HIV 9 a Jornada de Infecção Hospitalar de Ribeirão Preto Infecção pelo HIV Alterações de imunidade relacionadas ao HIV: Depleção de células c CD4 (< 250,

Leia mais

Antibioticoterapia NA UTI. Sammylle Gomes de Castro PERC 2015.2

Antibioticoterapia NA UTI. Sammylle Gomes de Castro PERC 2015.2 Antibioticoterapia NA UTI Sammylle Gomes de Castro PERC 2015.2 O uso racional de Antimicrobianos 1) Qual antibiótico devo escolher? 2) Antibióticos dão reações alérgicas? 3) Vírus fica bom com antibiótico?????????

Leia mais

1º Curso de Antimicrobianos da AECIHERJ INTRODUÇÃO A ANTIBIÓTICOS DRA. DEBORA OTERO

1º Curso de Antimicrobianos da AECIHERJ INTRODUÇÃO A ANTIBIÓTICOS DRA. DEBORA OTERO 1º Curso de Antimicrobianos da AECIHERJ INTRODUÇÃO A ANTIBIÓTICOS DRA. DEBORA OTERO Antimicrobianos antimicrobiano (anti+microbiano) Que extermina micróbios ou impede sua proliferação antibiótico (anti+bio+t+ico)

Leia mais

II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL

II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL 1 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO... 3 II - NOTIFICAÇÃO... 3 1. Vigilância / Requerimentos...

Leia mais

ISOLAMENTO DE Serratia marcescens PRODUTORA DE IMP E KPC: RELATO DE CASO

ISOLAMENTO DE Serratia marcescens PRODUTORA DE IMP E KPC: RELATO DE CASO ISOLAMENTO DE Serratia marcescens PRODUTORA DE IMP E KPC: RELATO DE CASO Tháigor Rezek Varella 1, Kesia Esther da Silva 2, Mariana Garcia Croda 3, Cecília Godoy Carvalhaes 4, Ana Cristina Gales 4, Simone

Leia mais

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PAV

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PAV PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PAV PAV PAV é a IRA mais prevalente nas UTIs (15%) 25% das infecções adquiridas nas UTIs No Brasil: 16-20 casos por 1000 vent/d Incidência tem relação direta com

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FREQÜÊNCIA E PERFIL DE SENSIBILIDADE DE MICRORGANISMOS ISOLADOS DE UROCULTURAS REALIZADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

AVALIAÇÃO DA FREQÜÊNCIA E PERFIL DE SENSIBILIDADE DE MICRORGANISMOS ISOLADOS DE UROCULTURAS REALIZADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 27 AVALIAÇÃO DA FREQÜÊNCIA E PERFIL DE SENSIBILIDADE DE MICRORGANISMOS ISOLADOS DE UROCULTURAS REALIZADAS EM UM HOSPITAL

Leia mais

TEMAS. Sepse grave e Choque Séptico Microrganismos produtores de KPC A problemática da Resistência Microbiana nas UTIs

TEMAS. Sepse grave e Choque Séptico Microrganismos produtores de KPC A problemática da Resistência Microbiana nas UTIs 5ª OFICINA DE INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS Francisco Kennedy S. F. de Azevedo Médico Infectologista Esta aula foi apresentada na Oficina de Capacitação para a utilização do Sistema Formsus na notificação

Leia mais

Unitermos: Klebsiella pneumoniae carbapenemase, Betalactamase, Resistência bacteriana a antimicrobianos, Infecção hospitalar

Unitermos: Klebsiella pneumoniae carbapenemase, Betalactamase, Resistência bacteriana a antimicrobianos, Infecção hospitalar Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial version ISSN 1676-2444 J. Bras. Patol. Med. Lab. vol.46 no.1 Rio de Janeiro Feb. 2010 - doi: 10.1590/S1676-24442010000100005 MEDICINA LABORATORIAL

Leia mais

Terapia antimicrobiana nas infecções do pé diabético

Terapia antimicrobiana nas infecções do pé diabético J Vasc Br 2003, Vol. 2, Nº1 61 SIMPÓSIO PÉ DIABÉTICO Terapia antimicrobiana nas infecções do pé diabético Antimicrobial therapy in diabetic foot infections Hélio S. Sader 1, Anaí Durazzo 2 O paciente diabético

Leia mais

Tratamento de infecções causadas por Acinetobacter spp. resistente a carbapenem

Tratamento de infecções causadas por Acinetobacter spp. resistente a carbapenem 1 MAURA SALAROLI DE OLIVEIRA Tratamento de infecções causadas por Acinetobacter spp. resistente a carbapenem Dissertação apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo para obtenção do

Leia mais

GUIA DE ANTIBIOTICOTERAPIA EMPÍRICA PARA O ANO DE 2011

GUIA DE ANTIBIOTICOTERAPIA EMPÍRICA PARA O ANO DE 2011 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR GUIA DE ANTIBIOTICOTERAPIA EMPÍRICA PARA O ANO DE 2011 INFECÇÕES S SITUAÇÃO CLÍNICA

Leia mais

ESPECTRO AMPLIADO (ESBL)

ESPECTRO AMPLIADO (ESBL) Disciplinarum Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 6, n. 1, 2005. 45 PREVALÊNCIA DE BETA LACTAMASES DE ESPECTRO AMPLIADO (ESBL) EM ENTEROBACTÉRIAS ISOLADAS DO TRATO URINÁRIO DE PACIENTES

Leia mais

PROGRAMAS DE USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS / RESISTÊNCIA ANTIMICROBIANA

PROGRAMAS DE USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS / RESISTÊNCIA ANTIMICROBIANA Oficina: PROGRAMAS DE USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS / RESISTÊNCIA ANTIMICROBIANA Coordenação: Dra. Silvia Nunes Szente Fonseca Planilha de Notificação do CVE: como preencher? Geraldine Madalosso Divisão

Leia mais

Novidades no Antibiograma para a Prática Clínica. Tereza Bandeira Faculdade de Medicina - Unichristus LabPasteur - DASA tereza.bandeira@dasa.com.

Novidades no Antibiograma para a Prática Clínica. Tereza Bandeira Faculdade de Medicina - Unichristus LabPasteur - DASA tereza.bandeira@dasa.com. Novidades no Antibiograma para a Prática Clínica Tereza Bandeira Faculdade de Medicina - Unichristus LabPasteur - DASA tereza.bandeira@dasa.com.br Agência Reguladoras Internacionais Criar e Reavaliar os

Leia mais

Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle *

Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, dezembro de 2010. Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle * Embora o controle

Leia mais

Hospital Universitário Pedro Ernesto Comissão de Controle de Infecção Hospitalar. Guia de Antibioticoterapia 2014

Hospital Universitário Pedro Ernesto Comissão de Controle de Infecção Hospitalar. Guia de Antibioticoterapia 2014 Hospital Universitário Pedro Ernesto Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Guia de Antibioticoterapia 2014 Situação Clínica Situações Especiais Erisipela ou Celulite Clavulim Oxacilina sepse ou sepse

Leia mais

Tratamento das Infecções Causadas por Enterobactérias Produtoras de ESBL - Implicações das Novas Recomendações do CLSI (2010)

Tratamento das Infecções Causadas por Enterobactérias Produtoras de ESBL - Implicações das Novas Recomendações do CLSI (2010) 1 Tratamento das Infecções Causadas por Enterobactérias Produtoras de ESBL - Implicações das Novas Recomendações do CLSI (2010) As betalactamases de espectro ampliado ou estendido (ESBL) recebem esta denominação

Leia mais

Infecções hospitalares por enterobactérias produtoras de Klebsiella pneumoniae carbapenemase em um hospital escola

Infecções hospitalares por enterobactérias produtoras de Klebsiella pneumoniae carbapenemase em um hospital escola ARTIGO ORIGINAL Infecções hospitalares por enterobactérias produtoras de Klebsiella pneumoniae carbapenemase em um hospital escola Nosocomial infections by Klebsiella pneumoniae carbapenemase producing

Leia mais

AVALIAÇÃO CLÍNICA E MICROBIOLÓGICA DE ÚLCERAS VENOSAS DE PACIENTES ATENDIDOS EM SALAS DE CURATIVOS DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DE GOIÂNIA (GO) *

AVALIAÇÃO CLÍNICA E MICROBIOLÓGICA DE ÚLCERAS VENOSAS DE PACIENTES ATENDIDOS EM SALAS DE CURATIVOS DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DE GOIÂNIA (GO) * AVALIAÇÃO CLÍNICA E MICROBIOLÓGICA DE ÚLCERAS VENOSAS DE PACIENTES ATENDIDOS EM SALAS DE CURATIVOS DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DE GOIÂNIA (GO) * Silvana de Lima Vieira dos SANTOS¹ ; Maria Márcia BACHION¹

Leia mais

PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar

PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Fev 2011 1 Como prevenir a disseminação de Enterobactérias

Leia mais

Controle de bactéria multirresistente

Controle de bactéria multirresistente Controle de bactéria multirresistente Módulo Especial VII Núcleo de Controle de Infecção Hospitalar HRT, Revisão 2009 1 Controle de bactéria multirresistente 1- Conceitos Bactéria multirresistente (BMR):

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE DIÁLISE

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE DIÁLISE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS - CCD CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA "PROF. ALEXANDRE VRANJAC" DIVISÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

Leia mais

Impacto de novas instalações na incidência de infecção hospitalar. Filipe Macedo Enf.º GCL-PPCIRA (Hospital Vila Franca de Xira)

Impacto de novas instalações na incidência de infecção hospitalar. Filipe Macedo Enf.º GCL-PPCIRA (Hospital Vila Franca de Xira) Impacto de novas instalações na incidência de infecção hospitalar Filipe Macedo Enf.º GCL-PPCIRA (Hospital Vila Franca de Xira) O Hospital Hoje Um novo edifício Novas capacidades Bloco Operatório, UCI,

Leia mais

Avaliação da resistência microbiana em hospitais privados de Fortaleza - Ceará*

Avaliação da resistência microbiana em hospitais privados de Fortaleza - Ceará* Rev. Bras. arm. 9 (): 83-87, 23 PESQUISA/RESEARCH Avaliação da resistência microbiana em hospitais privados de ortaleza - Ceará* Evaluation of antimicrobial resistance in private hospitals in ortaleza-

Leia mais

significativo de mortalidade. O uso extensivo de antimicrobianos dentro dos hospitais tem contribuído para a emergência e aumento do número de

significativo de mortalidade. O uso extensivo de antimicrobianos dentro dos hospitais tem contribuído para a emergência e aumento do número de 12 1 INTRODUÇÃO As bactérias gram-negativas não-fermentadoras estão amplamente distribuídas no meio ambiente e são causa crescente de infecções sérias em hospitais, onde afetam principalmente pacientes

Leia mais

Resistência aos Antimicrobianos em Infecção do Trato Urinário Comunitária. Rubens Dias Instituto Biomédico, UNIRIO

Resistência aos Antimicrobianos em Infecção do Trato Urinário Comunitária. Rubens Dias Instituto Biomédico, UNIRIO Resistência aos Antimicrobianos em Infecção do Trato Urinário Comunitária Rubens Dias Instituto Biomédico, UNIRIO FREQUÊNCIA ELEVADA DE ITU IMPORTÂNCIA Infecção bacteriana mais frequente na comunidade

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COORDENADORIA DE CONTROLE E INFECÇÃO HOSPITALAR Uso de Antimicrobianos Vancomicina

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COORDENADORIA DE CONTROLE E INFECÇÃO HOSPITALAR Uso de Antimicrobianos Vancomicina HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COORDENADORIA DE CONTROLE E INFECÇÃO HOSPITALAR Uso de Antimicrobianos Vancomicina Preâmbulo: Vancomicina é um glicopeptídeo que tem uma ação bactericida por inibir

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Luiz Nobre Rodrigues Dpto de Saúde Comunitária da UFC Faculdade de Medicina

Prof. Dr. Jorge Luiz Nobre Rodrigues Dpto de Saúde Comunitária da UFC Faculdade de Medicina Prof. Dr. Jorge Luiz Nobre Rodrigues Dpto de Saúde Comunitária da UFC Faculdade de Medicina Caso Clínico Masc, 30 anos, apresentando febre após QT para LMA (3 o ciclo). Nos 2 ciclos anteriores apresentou

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS Novembro de 2009 PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS ÍNDICE Pág. I. INTRODUÇÃO... 2 II. ENQUADRAMENTO...

Leia mais

BACTÉRIAS GRAM-NEGATIVAS RESISTENTES A CARBAPENÊMICOS: ANÁLISE DE 79 CASOS DE UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE ADULTO

BACTÉRIAS GRAM-NEGATIVAS RESISTENTES A CARBAPENÊMICOS: ANÁLISE DE 79 CASOS DE UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE ADULTO BACTÉRIAS GRAM-NEGATIVAS RESISTENTES A CARBAPENÊMICOS: ANÁLISE DE 79 CASOS DE UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE ADULTO MABEL DUARTE ALVES GOMIDES 1,2, ASTRÍDIA MARÍLIA DE SOUZA FONTES 2 ; CAIO FLÁVIO

Leia mais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Prof. Cláudio Galuppo Diniz Prof. Cláudio 1 Qualquer tipo de infecção adquirida

Leia mais

Doenças que necessitam de Precaução Aérea. TB pulmonar ou laríngea bacilífera Varicela / Herpes Zoster Sarampo

Doenças que necessitam de Precaução Aérea. TB pulmonar ou laríngea bacilífera Varicela / Herpes Zoster Sarampo O que isolar? Doenças que necessitam de Precaução Aérea TB pulmonar ou laríngea bacilífera Varicela / Herpes Zoster Sarampo TB pulmonar ou laríngea bacilífera Avaliação para TB Critérios para isolar Ser

Leia mais

PRECAUÇÕES E ISOLAMENTOS. (Falhas na adesão ás práticas de prevenção)

PRECAUÇÕES E ISOLAMENTOS. (Falhas na adesão ás práticas de prevenção) PRECAUÇÕES E ISOLAMENTOS (Falhas na adesão ás práticas de prevenção) Transmissão de agentes infecciosos Podem ser encontrados: -Meio ambiente,ar, água e solo; -Utensílios; -Equipamentos; -Seres vivos -

Leia mais

PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES.

PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES. PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES. Francisco Eugênio Deusdará de Alexandria e Mestre em Genética e Toxicologia Aplicada Qualquer alteração do padrão de resposta ao tratamento usual de uma

Leia mais

β-lactamases na família Enterobacteriaceae: Métodos de detecção e prevalência

β-lactamases na família Enterobacteriaceae: Métodos de detecção e prevalência Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Medicina Programa de Pós Graduação em Medicina Ciências Médicas β-lactamases na família Enterobacteriaceae: Métodos de detecção e prevalência Autora:

Leia mais

PROFILAXIA CIRÚRGICA. Valquíria Alves

PROFILAXIA CIRÚRGICA. Valquíria Alves PROFILAXIA CIRÚRGICA Valquíria Alves INFECÇÃO DO LOCAL CIRÚRGICO (ILC) Placeholder for your own subheadline A infecção do local cirúrgico (ILC) é uma complicação comum da cirurgia, com taxas de incidência

Leia mais

Resistência bacteriana na unidade de terapia intensiva Prof. José María Casellas

Resistência bacteriana na unidade de terapia intensiva Prof. José María Casellas VOLUME 1 NÚMERO 1 JULHO DE 2006 En Em español português Mensagens dos editores Critérios para o tratamento empírico da infecção em pacientes graves hospitalizados na unidade de terapia intensiva Introdução

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Médico assessor e sócio do Grupo Fleury

Declaração de Conflitos de Interesse. Médico assessor e sócio do Grupo Fleury Declaração de Conflitos de Interesse Médico assessor e sócio do Grupo Fleury ASESORIA MÉDICA INDO ALÉM NAS DOENÇAS INFECIOSAS C F H G Assessor Médico Fleury Medicina Diagnóstica POR QUE FAZER ASSESSORIA

Leia mais

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA CONCEITO A Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAV) é infecção diagnosticada após 48h de ventilação mecânica até a sua suspensão. ETIOLOGIA Tabela 1. Microorganismos

Leia mais

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência.

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência. Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI Hospitais de Longa Permanência ncia 2011 Premissas 1.Todos os sintomas devem ser novos ou com piora

Leia mais

Uso de antibióticos no tratamento das feridas. Dra Tâmea Pôssa

Uso de antibióticos no tratamento das feridas. Dra Tâmea Pôssa Uso de antibióticos no tratamento das feridas Dra Tâmea Pôssa Ferida infectada Ruptura da integridade da pele, quebra da barreira de proteção Início do processo inflamatório: Dor Hiperemia Edema Aumento

Leia mais

Mecanismos de Aquisição de Resistência Bacteriana Antimicrobianos.

Mecanismos de Aquisição de Resistência Bacteriana Antimicrobianos. Mecanismos de Aquisição de Resistência Bacteriana a Disciplinae IOSHIE IBARA TANAKA Antimicrobianos. Serviçode Microbiologia -2005 Como as bactérias vêm ao mundo? Por divisão binária da célula-mãe; Tempo

Leia mais

Raniê Ralph Pneumo. 06 de Outubro de 2008. Professor Valdério.

Raniê Ralph Pneumo. 06 de Outubro de 2008. Professor Valdério. 06 de Outubro de 2008. Professor Valdério. Pneumonia hospitalar Infecção respiratória é a segunda infecção em freqüência. A mais freqüente é a ITU. A IR é a de maior letalidade. A mortalidade das PN hospitalar

Leia mais

Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica em Adultos

Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica em Adultos 1/5 Fluxograma Febre Temperatura axila 38 C Leucocitose Leucócitos 11.000 céls./mm3 Suspeita Clínica: Infiltrado pulmonar novo, iniciado há mais de 48hs após início de ventilação mecânica, na presença

Leia mais

INFECÇÃO HOSPITALAR NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: FATORES DE RISCO E MORTALIDADE 1

INFECÇÃO HOSPITALAR NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: FATORES DE RISCO E MORTALIDADE 1 25 INFECÇÃO HOSPITALAR NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: FATORES DE RISCO E MORTALIDADE 1 THE HOSPITAL INFECTION IN THE INTENSIVE CARE UNIT: RISK FACTORS AND MORTALITY Larissa Martins SOSSAI 2 Caroline

Leia mais

INFORME TÉCNICO Nº 01/2007 ASSUNTO: CONTROLE DE BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES

INFORME TÉCNICO Nº 01/2007 ASSUNTO: CONTROLE DE BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde- Controle de Infecção INFORME

Leia mais

TÍTULO: INFECÇÃO RELACIONADA Á ASSISTÊNCIA Á SAÚDE EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA E SUA RELAÇÃO COM MICRORGANISMOS RESISTENTES

TÍTULO: INFECÇÃO RELACIONADA Á ASSISTÊNCIA Á SAÚDE EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA E SUA RELAÇÃO COM MICRORGANISMOS RESISTENTES Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: INFECÇÃO RELACIONADA Á ASSISTÊNCIA Á SAÚDE EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA E SUA RELAÇÃO COM

Leia mais

Guilherme Henrique Campos Furtado

Guilherme Henrique Campos Furtado Guilherme Henrique Campos Furtado PNEUMONIA HOSPITALAR CAUSADA POR Pseudomonas aeruginosa RESISTENTE A CARBAPENEM: FATORES DE RISCO E IMPACTO DO TRATAMENTO E DA PRESENÇA DA METALO-ΒETA-LACTAMASE SPM-1

Leia mais

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar 1 Serviço de Controle de Infecção Hospitalar 2013-2014 1. COMPREENDENDO OS MICRORGANISMOS MULTIRRESISTENTES (MR) 2 A resistência microbiana é um fenômeno mundial, que ocorre de forma natural, onde os microrganismos

Leia mais

INFECÇÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE PREVALÊNCIA EM UM HOSPITAL PÚBLICO DE ENSINO

INFECÇÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE PREVALÊNCIA EM UM HOSPITAL PÚBLICO DE ENSINO INFECÇÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE PREVALÊNCIA EM UM HOSPITAL PÚBLICO DE ENSINO NOSOCOMIAL INFECTION: STUDY OF PREVALENCE AT A PUBLIC TEACHING HOSPITAL INFECCIÓN HOSPITALARIA: ESTÚDIO DE PREVALÉNCIA EN UN

Leia mais

CATHETER-ASSOCIATED URINARY TRACT INFECTION: ANTIMICROBIAL SENSITIVITY PROFILE

CATHETER-ASSOCIATED URINARY TRACT INFECTION: ANTIMICROBIAL SENSITIVITY PROFILE Artigo Original INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO RELACIONADA AO CATETER: PERFIL DE SENSIBILIDADE ANTIMICROBIANA* CATHETER-ASSOCIATED URINARY TRACT INFECTION: ANTIMICROBIAL SENSITIVITY PROFILE INFECCIÓN DE TRACTO

Leia mais

INFECÇÕES POR KLEBSIELLA PNEUMONIAE RESISTENTE AOS CARBAPENÊMICOS EM HOSPITAL DE NÍVEL TERCIÁRIO: EPIDEMIOLOGIA E CARACTERIZAÇÃO

INFECÇÕES POR KLEBSIELLA PNEUMONIAE RESISTENTE AOS CARBAPENÊMICOS EM HOSPITAL DE NÍVEL TERCIÁRIO: EPIDEMIOLOGIA E CARACTERIZAÇÃO VIVIENI VIEIRA PRADO ALMEIDA INFECÇÕES POR KLEBSIELLA PNEUMONIAE RESISTENTE AOS CARBAPENÊMICOS EM HOSPITAL DE NÍVEL TERCIÁRIO: EPIDEMIOLOGIA E CARACTERIZAÇÃO Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Ana Luiza Rammé Ana Carolina Kraemer Elizabeth

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS Emergência CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva

Leia mais

3. Administre antibióticos de amplo espectro, de preferência bactericidas, em dose máxima e sem correção de dose para insuficiência renal ou

3. Administre antibióticos de amplo espectro, de preferência bactericidas, em dose máxima e sem correção de dose para insuficiência renal ou ATENÇÃO O ILAS disponibiliza esse guia apenas como sugestão de formato a ser utilizado. As medicações aqui sugeridas podem não ser adequadas ao perfil de resistência de sua instituição. GUIA DE ANTIBIOTICOTERAPIA

Leia mais

Epidemiologia das infecções hospitalares causadas por Pseudomonas aeruginosa e Acinetobacter baumannii em um hospital de Salvador-Ba

Epidemiologia das infecções hospitalares causadas por Pseudomonas aeruginosa e Acinetobacter baumannii em um hospital de Salvador-Ba I UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA Fundada em 18 de Fevereiro de 1808 Monografia Epidemiologia das infecções hospitalares causadas por Pseudomonas aeruginosa e Acinetobacter

Leia mais

Antimicrobianos contra cocos Gram positivos BIANCA GRASSI DE MIRANDA INFECTOLOGISTA HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO ESTADUAL HOSPITAL SAMARITANO

Antimicrobianos contra cocos Gram positivos BIANCA GRASSI DE MIRANDA INFECTOLOGISTA HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO ESTADUAL HOSPITAL SAMARITANO Antimicrobianos contra cocos Gram positivos BIANCA GRASSI DE MIRANDA INFECTOLOGISTA HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO ESTADUAL HOSPITAL SAMARITANO Cocos Gram positivos Gênero Estafilococos S. aureus Estafilo

Leia mais

Eficácia e Segurança da Tigeciclina, o Primeiro Antibiótico da Classe das Glicilciclinas

Eficácia e Segurança da Tigeciclina, o Primeiro Antibiótico da Classe das Glicilciclinas Latin American Journal of Pharmacy (formerly Acta Farmacéutica Bonaerense) Lat. Am. J. Pharm. 27 (6): 928-37 (2008) Review Received: March 24, 2008 Accepted: September 11, 2008 Eficácia e Segurança da

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do Trato Urinário. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do Trato Urinário. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do Trato Urinário Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea Data de Realização: 23/03/2009 Data de Revisão: Data da Última

Leia mais

Doente do sexo feminino, obesa, com 60 anos apresenta insuficiência venosa crónica, febre, sinais inflamatórios numa perna e não é diabética.

Doente do sexo feminino, obesa, com 60 anos apresenta insuficiência venosa crónica, febre, sinais inflamatórios numa perna e não é diabética. REVISÃO INTEGRADA DOS ANTIBACTERIANOS Casos clínicos Caso 1 infecções da pele Doente do sexo feminino, obesa, com 60 anos apresenta insuficiência venosa crónica, febre, sinais inflamatórios numa perna

Leia mais

Protocolo Assistencial de Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica em Adultos

Protocolo Assistencial de Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica em Adultos 1/8 Fluxograma 2/8 Medidas de Prevenção BUNDLE DE PREVENÇÃO: 1. Higienização das mãos conforme os 5 momentos preconizados pela OMS. A meta de higiene de mãos é de 75% de adesão. 2. Manter pacientes em

Leia mais

Objetivos, métodos e abrangência da Vigilância Epidemiológica das IRAS

Objetivos, métodos e abrangência da Vigilância Epidemiológica das IRAS III Simpósio Estadual de Controle de Infecção Hospitalar Objetivos, métodos e abrangência da Vigilância Epidemiológica das IRAS Enf. Thiago Batista Especialista em controle de infecção MBA em gestão em

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Em relação a epidemiologia e bioestatística aplicadas ao controle de infecções hospitalares, julgue os itens a seguir. 41 No registro de variáveis contínuas, a exatidão do registro tem fundamental valor

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA 1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA A VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA SEGUNDO A LEI 8.080, DE 1990, QUE INSTITUIU O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS), PODE SER DEFINIDA COMO: O CONJUNTO DE AÇÕES

Leia mais

Infecções por Bacterias Multiresistentes a Antimicrobianos: Medidas de Controle

Infecções por Bacterias Multiresistentes a Antimicrobianos: Medidas de Controle Infecções por Bacterias Multiresistentes a Antimicrobianos: Medidas de Controle Tigeciclina e Polimixina B, Glicopeptídeos S. aureus Acinetobacter spp. Enterobacter spp. Carbapenêmicos K. pneumoniae Carbapenêmicos

Leia mais

Isolamento de microrganismos de cateter venoso central através do método de Maki e Sonicação

Isolamento de microrganismos de cateter venoso central através do método de Maki e Sonicação Isolamento de microrganismos de cateter venoso central através do método de Maki e Sonicação Rossana Sette de Melo Rêgo Francisco Montenegro de Melo Kedma de Magalhães Lima INTRODUÇÃO O cateterismo venoso

Leia mais

Frequência e perfil de susceptibilidade a antibióticos de bactérias isoladas em uroculturas

Frequência e perfil de susceptibilidade a antibióticos de bactérias isoladas em uroculturas UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA Fundada em 18 de Fevereiro de 1808 Monografia Frequência e perfil de susceptibilidade a antibióticos de bactérias isoladas em uroculturas Humberto

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS Emergência CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva

Leia mais

65 ANOS ARQUIVOS BRASILEIROS DE MEDICINA NAVAL EDITORIAL. HNMD - Hospital Sentinela da ANVISA - Planejamento e implementação do projeto

65 ANOS ARQUIVOS BRASILEIROS DE MEDICINA NAVAL EDITORIAL. HNMD - Hospital Sentinela da ANVISA - Planejamento e implementação do projeto ARQUIVOS BRASILEIROS DE MEDICINA NAVAL VOLUME 65 Nº 1 JANEIRO/DEZEMBRO/2004 EDITORIAL NOTA DO REDATOR-CHEFE ARTIGOS ORIGINAIS Principais patógenos bacterianos em UTI: avaliação da resistência em cinco

Leia mais

Características microbiológicas de Klebsiella pneumoniae isoladas no meio ambiente hospitalar de pacientes com infecção nosocomial

Características microbiológicas de Klebsiella pneumoniae isoladas no meio ambiente hospitalar de pacientes com infecção nosocomial Universidade Católica de Goiás Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Mestrado em Ciências Ambientais e Saúde Características microbiológicas de Klebsiella pneumoniae isoladas no meio ambiente hospitalar

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE PATOLOGIA TROPICAL E SAÚDE PÚBLICA. Diana Christina Pereira Santos Gonçalves

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE PATOLOGIA TROPICAL E SAÚDE PÚBLICA. Diana Christina Pereira Santos Gonçalves MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE PATOLOGIA TROPICAL E SAÚDE PÚBLICA Diana Christina Pereira Santos Gonçalves DETECÇÃO DE METALO BETA LACTAMASE EM Pseudomonas aeruginosa

Leia mais

Óbitos associados à infecção hospitalar, ocorridos em um hospital geral de Sumaré-SP, Brasil

Óbitos associados à infecção hospitalar, ocorridos em um hospital geral de Sumaré-SP, Brasil PESQUISA Óbitos associados à infecção hospitalar, ocorridos em um hospital geral de Sumaré-SP, Brasil Mortality associated with nosocomial infection, occurring in a general hospital of Sumaré-SP, Brazil

Leia mais

BIBLIOTECA LAS CASAS Fundación Index http://www.index-f.com/lascasas/lascasas.php

BIBLIOTECA LAS CASAS Fundación Index http://www.index-f.com/lascasas/lascasas.php BIBLIOTECA LAS CASAS Fundación Index http://www.index-f.com/lascasas/lascasas.php Cómo citar este documento Pagno Paim, Roberta Soldatelli; Lorenzini, Elisiane. Incidência bacteriana e resistência antimicrobiana

Leia mais

Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp.

Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp. Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp. Síntese das investigações desde a descoberta de novos antimicrobianos Final do século XIX: Pasteur efetuou relatos sobre antagonismo entre diferentes

Leia mais

INFECÇÕES HOSPITALARES EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL PÚBLICO

INFECÇÕES HOSPITALARES EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL PÚBLICO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE/DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ENFERMAGEM MARCELO

Leia mais

Estabelecimentos de Saúde/Infec

Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Ana Luiza Rammé Ana Carolina Kraemer Roberta

Leia mais

HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ HOSPITAL UNIVERSITÁRIO WALTER CANTÍDIO - HUWC MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND - MEAC

HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ HOSPITAL UNIVERSITÁRIO WALTER CANTÍDIO - HUWC MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND - MEAC PROTOCOLOS ASSISTENCIAIS DO HUWC INFECÇÃO DE CORRENTE SANGUÍNEA RELACIONADA A CATETERES INTRAVASCULARES 1. INTRODUÇÃO Evelyne Santana Girão Infecções relacionadas a cateteres intravasculares são importante

Leia mais

Módulo 4 PREVENÇÃO DE INFECÇÕES EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

Módulo 4 PREVENÇÃO DE INFECÇÕES EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA PREVENÇÃO DE INFECÇÕES EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Luiz Fernando Aranha Camargo Ana Paula Coutinho Carla Morales Guerra Sérgio Barsanti Wey Coordenador: Eduardo Alexandrino Servolo de Medeiros São

Leia mais

Histórias de Sucesso no Controle da Infecção Hospitalar. Utilização da informática no controle da pneumonia hospitalar

Histórias de Sucesso no Controle da Infecção Hospitalar. Utilização da informática no controle da pneumonia hospitalar Utilização da informática no controle da pneumonia hospitalar Médico Assistente da Disciplina de Moléstias Infecciosas e Tropicais HC-FMRP-USP Médico da CCIH do Hospital Estadual de Ribeirão (HER) e HSP

Leia mais

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA Enfª Marcia Daniela Trentin Serviço Municipal de Controle de Infecção Esta aula foi apresentada na Oficina de Capacitação para a utilização do Sistema Formsus na notificação

Leia mais

A Microbiologia no controlo das IACS. Valquíria Alves Coimbra 2014

A Microbiologia no controlo das IACS. Valquíria Alves Coimbra 2014 A Microbiologia no controlo das IACS Valquíria Alves Coimbra 2014 Microbiologia: Componente essencial em qualquer Programa de Controlo de Infecção PPCIRA 2013 Clinical Microbiology and Infection Prevention

Leia mais

Incidência de bacteriemia em um hospital terciário do leste de Minas Gerais

Incidência de bacteriemia em um hospital terciário do leste de Minas Gerais Artigo Original Incidência de bacteriemia em um hospital terciário do leste de Minas Gerais Incidence of bacteremia in a tertiary hospital in eastern Minas Gerais Mateus Nader Cunha 1, Valter Roberto Linardi

Leia mais