PROFILAXIA CIRÚRGICA. Valquíria Alves

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROFILAXIA CIRÚRGICA. Valquíria Alves"

Transcrição

1 PROFILAXIA CIRÚRGICA Valquíria Alves

2 INFECÇÃO DO LOCAL CIRÚRGICO (ILC) Placeholder for your own subheadline A infecção do local cirúrgico (ILC) é uma complicação comum da cirurgia, com taxas de incidência entre 2 e 20%, e está associada a alta morbilidade, mortalidade e custos..

3

4 DEFINIÇÃO DE ILC Infecção relacionada com o procedimento cirúrgico: ocorre no local da incisão cirúrgica ou próximo dele (incisional ou órgão/espaço) nos primeiros trinta dias do pós-operatório ou até um ano no caso de colocação de prótese European Center for Disease Control and Prevention ECDC

5 INFECÇÕES DO LOCAL CIRÚRGICO 25% 75% 33% 42% INCISIONAL SUPERFICIAL INCISIONAL PROFUNDA ORGÃO/ESPAÇO Fonte prevalência de infecção adquirida no hospital e do uso de antimicrobianos nos Hospitais Portugueses Inquérito 2012, DGS

6 RISCO DE INFECÇÃO Factores relacionados com o doente Factores relacionados com a cirurgia Idade avançada Obesidade Diabetes outros Duração Limpeza do procedimento cirúrgico

7 PREVENÇÃO DA ILC cuidados pósoperatórios técnica cirúrgica asséptica profilaxia antibiótica preparação adequada préoperatória reduz o risco 80% Seite 7

8 Homem- hibrido de primata + microrganismos Estômago UFC/ml Lactobacillus, Streptococcus, Staphylococcus, Enterobactereaceae, Helicobacter Duodeno e jejuno UFC/ml Lactobacillus, Streptococcus, Staphylococcus, Enterobactereaceae, Anaeróbios e fungos leveduriformes Colon UFC/ml Bacteroides, Clostridium, outros Anaeróbios, Staphylococcus, Enterobactereaceae, Fungos leveduriformes Seite 8

9 QUE MICRORGANISMOS? População microbiana do doente: Estas bactérias endógenas podem estar presentes em pequeno número Ferida cirúrgica condições muito favoráveis à sua proliferação: - Hemorragia - Isquemia - Modificação do potencial de oxirredução

10 OBJECTIVO DA PROFILAXIA Impedir a proliferação microbiana Manter níveis tecidulares Durante todo o acto cirúrgico Diminuir o risco e incidência de ILC

11 Profilaxia cirúrgica Placeholder for your own subheadline Em que cirurgias? Que antimicrobiano? Que dose? Timing? Duração?

12 PROFILAXIA CIRÚRGICA As situações em que é adequada (nível de evidência A): nos casos em que há um grande risco de infecção cirurgia limpa-contaminada em que o prognóstico é reservado no caso de ILC cirurgia cardíaca, neurocirurgia, implantação de próteses e doentes imunodeprimidos

13 PROFILAXIA CIRÚRGICA As situações em que NÃO é adequada (nível de evidência A): cirurgia contaminada e suja implementar terapêutica antimicrobiana

14 PROFILAXIA CIRÚRGICA RISCOS A utilização desnecessária não reduz a incidência de ILC e aumenta a probabilidade de aquisição de microrganismos resistentes. Pode, também, aumentar o risco de aquisição de colite por Clostridium difficile. Os riscos são tanto maiores quanto mais prolongada é a profilaxia e quanto maior é o número de antimicrobianos utilizados

15 Profilaxia cirúrgica Placeholder for your own subheadline Em que cirurgias? Que antimicrobiano? Que dose? Timing? Duração?

16 O agente antimicrobiano para profilaxia antibiótica cirúrgica deve ser : Seguro, barato Seleccionado tendo em conta a população microbiana endógena das diversas regiões abordadas cirurgicamente Isolamento de contacto

17 Profilaxia cirúrgica PCR em tempo real Que antimicrobianos? cefazolina (2g EV) Cefalosporina de primeira geração, barata, pouco tóxica, activa contra Staphylococcus aureus meticilina sensível, alguns Staphylococcus coagulase negativa e alguns bacilos Gram negativo. Primeira escolha para cirurgias limpas e em muitas limpas-contaminadas

18 Profilaxia cirúrgica PCR em tempo real Que antimicrobianos? cefoxitina (2g EV) Cefalosporina de segunda geração com menor actividade nos Gram positivo, mas com melhor espectro em relação a anaeróbios (Bacteroides grupo fragillis) e bacilos Gram negativo. Adequada para procedimentos que envolvam tubo digestivo baixo

19 Profilaxia cirúrgica Que antimicrobianos? Vancomicina se Staphylococcus aureus resistente à meticilina (SAMR) como causa provável de ILC

20 Profilaxia cirúrgica Que antimicrobianos? Doentes colonizados por microrganismos MDR ou XDR no, ou perto do, local cirúrgico deve estabelecer-se uma PA personalizada (Nível de evidência B).

21 Profilaxia cirúrgica PCR em tempo real Que antimicrobianos? Se história de alergia à penicilina (Nível de evidência A): se baixo risco de anafilaxia (exantema após penicilina) - cefalosporinas

22 Profilaxia cirúrgica PCR em tempo real Que antimicrobianos? Se história de alergia à penicilina (Nível de evidência A): se alto risco de anafilaxia (angioedema, dificuldade respiratória e urticária), pode usar-se: - vancomicina ou a clindamicina para bactérias Gram positivo - aminoglicosídeo, ciprofloxacina, levofloxacina, aztreonam se bacilos Gram negativo - metronidazol ou a clindamicina se anaeróbios

23 Profilaxia cirúrgica Placeholder for your own subheadline Em que cirurgias? Que antimicrobiano? Que dose? Timing? Duração?

24 Profilaxia antibiótica cirúrgica A- Dose inicial para PA é o dobro da dose usual No obeso (índice de massa corporal >35Kg/m 2 ), a dose de betalactâmicos é ainda duplicada (dose habitual de profilaxia x 2) (Nível de evidência A) Doentes pediátricos com peso superior a 40 kg devem receber doses baseadas no peso, excepto quando a Isolamento de contacto Que dose? dose assim calculada exceda a dose padrão recomendada (Nível de evidência B).

25 Profilaxia cirúrgica Placeholder for your own subheadline Em que cirurgias? Que antimicrobiano? Que dose? Timing? Duração?

26 Profilaxia antibiótica cirúrgica Timing? assegurar concentrações séricas e tecidulares durante toda a cirurgia Incisão cirúrgica A- Muito cedo Isolamento de contacto 60 minutos Muito tarde

27 Profilaxia antibiótica cirúrgica Timing? assegurar concentrações séricas e tecidulares durante a cirurgia Incisão cirúrgica A- Muito cedo Isolamento de contacto 120 minutos se vancomicina ou quinolonas Muito tarde

28 Profilaxia cirúrgica Placeholder for your own subheadline Em que cirurgias? Que antimicrobiano? Que dose? Timing? Duração?

29 PROFILAXIA CIRÚRGICA Nos procedimentos com duração não superior a 2 horas, deve usar-se uma dose única (Nível de evidência A)

30 PROFILAXIA CIRÚRGICA PCR em tempo real Quando repetir a dose inicial - Cirurgias mais prolongadas - Procedimentos com perda de sangue intraoperatório superior a 1500 ml

31 PROFILAXIA CIRÚRGICA Repetir cada duas vezes a semivida do antibiótico, em doentes com função renal normal, nomeadamente conforme a tabela abaixo (Nível de evidência A): Cefoxitina Cefazolina Cefuroxima Clindamicina Metronidazol Amoxicilina + ácido clavulânico De 2 em 2 horas De 4 em 4 horas De 4 em 4 horas De 6 em 6 horas De 8 em 8 horas De 2 em 2 horas

32 PROFILAXIA CIRÚRGICA PCR em tempo real Em doentes de alto risco, poderá manter-se a profilaxia nas primeiras 24 horas (e nunca para além deste limite): na cirurgia cardiotorácica na cirurgia vascular na cirurgia ortopédica Excepcionalmente

33 PROFILAXIA ANTIBIÓTICA EM CIRURGIA + de 24 Horas 64% Dose única 19% 24 Horas 17% Fonte Prevalência de Infecção Adquirida no Hospital e do uso de antimicrobianos nos Hospitais Portugueses 2012 DGS

PROFILAXIA DA INFECÇÃO DA FERIDA CIRÚRGICA E TRAUMA

PROFILAXIA DA INFECÇÃO DA FERIDA CIRÚRGICA E TRAUMA PROFILXI D INFECÇÃO D FERID CIRÚRGIC E TRUM INDICÇÕES 1. Cirurgia limpa-contaminada 2. Cirurgia limpa: a. Com prótese vascular b. Com prótese intra-articular c. Em que a infecção do local cirúrgico se

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS Novembro de 2009 PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS ÍNDICE Pág. I. INTRODUÇÃO... 2 II. ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Parâmetros para profilaxia cirúrgica

Parâmetros para profilaxia cirúrgica Parâmetros para profilaxia cirúrgica O objetivo da profilaxia antimicrobiana em cirurgia é prevenir a infecção de sítio cirúrgico, atingindo níveis do antibiótico no sangue e nos tecidos que exceda, em

Leia mais

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Versão eletrônica atualizada em fev/2012 O agente etiológico e seu habitat A doença estreptocócica neonatal é causada por uma bactéria,

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COORDENADORIA DE CONTROLE E INFECÇÃO HOSPITALAR Uso de Antimicrobianos Vancomicina

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COORDENADORIA DE CONTROLE E INFECÇÃO HOSPITALAR Uso de Antimicrobianos Vancomicina HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COORDENADORIA DE CONTROLE E INFECÇÃO HOSPITALAR Uso de Antimicrobianos Vancomicina Preâmbulo: Vancomicina é um glicopeptídeo que tem uma ação bactericida por inibir

Leia mais

Microbiologia no controlo e prevenção de IACS. Valquíria Alves Viana do Castelo 2014

Microbiologia no controlo e prevenção de IACS. Valquíria Alves Viana do Castelo 2014 Microbiologia no controlo e prevenção de IACS Valquíria Alves Viana do Castelo 2014 Microbiologia: Componente essencial em qualquer Programa de Controlo de Infecção PPCIRA 2013 Clinical Microbiology and

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO Antibioticoprofilaxia em Cirurgias Limpas, Potencialmente Contaminadas e Contaminadas

PROTOCOLO CLÍNICO Antibioticoprofilaxia em Cirurgias Limpas, Potencialmente Contaminadas e Contaminadas Antibioticoprofilaxia em Cirurgias Limpas, Potencialmente e Código: PC.CIH.001 Data: 08/06/2010 Versão: 1 Página: 1 de 5 RESULTADO ESPERADO/OBJETO: O objetivo da antibioticoprofilaxia (ATBp) em qualquer

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

ENDOFTALMITE uma complicação grave da cirurgia de catarata

ENDOFTALMITE uma complicação grave da cirurgia de catarata MANUELA BERNARDO ENDOFTALMITE uma complicação grave da cirurgia de catarata A perda de visão pode ser severa e irreversível Este trabalho foi elaborado seguindo as recomendações da ESCRS 2013 INCIDÊNCIA

Leia mais

Dra. Thaís Guimarães

Dra. Thaís Guimarães Dra. Thaís Guimarães ANTIMICROBIANOS Produtos capazes de destruir microorganismos ou de suprimir sua multiplicação ou crescimento. Antibióticos = produzidos por microorganismos Quimioterápicos = sintetizados

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) Enf.ª Cláudia Cristina Castro de Andrade SEC/SCIH devidos créditos! Plágio é Crime! UM POUCO DE HISTÓRIA... Até a metade do século XIX ISC= óbito Joseph Lister,

Leia mais

Doente do sexo feminino, obesa, com 60 anos apresenta insuficiência venosa crónica, febre, sinais inflamatórios numa perna e não é diabética.

Doente do sexo feminino, obesa, com 60 anos apresenta insuficiência venosa crónica, febre, sinais inflamatórios numa perna e não é diabética. REVISÃO INTEGRADA DOS ANTIBACTERIANOS Casos clínicos Caso 1 infecções da pele Doente do sexo feminino, obesa, com 60 anos apresenta insuficiência venosa crónica, febre, sinais inflamatórios numa perna

Leia mais

Antimicrobianos: onde estamos e para onde vamos?

Antimicrobianos: onde estamos e para onde vamos? Antimicrobianos: onde estamos e para onde vamos? Dra. Vanessa Schultz Médica Infectologista Especialização em Gestão de Risco Hospitalar Coordenadora do SCIH do Hospital Mãe de Deus Canoas Não possuo;

Leia mais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Prof. Cláudio Galuppo Diniz Prof. Cláudio 1 Qualquer tipo de infecção adquirida

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLO DE STAPHYLOCOCCUS AUREUS COM RESISTÊNCIA À METICILINA (MRSA) NA UNIDADE LOCAL DE SAÚDE DE MATOSINHOS, EPE (ULSM)

POLÍTICA DE CONTROLO DE STAPHYLOCOCCUS AUREUS COM RESISTÊNCIA À METICILINA (MRSA) NA UNIDADE LOCAL DE SAÚDE DE MATOSINHOS, EPE (ULSM) POLÍTICA DE CONTROLO DE STAPHYLOCOCCUS AUREUS COM RESISTÊNCIA À METICILINA (MRSA) NA UNIDADE LOCAL DE SAÚDE DE MATOSINHOS, EPE (ULSM) Isabel Neves Trabalho desenvolvido pela CCI e S. Patologia Clínica

Leia mais

Pacote de medidas (bundle) Expediente

Pacote de medidas (bundle) Expediente Expediente Coordenação e Edição Carolina Guadanhin Coordenação Técnica Ivan Pozzi Cláudia Carrilho Produção e Edição Dayane Santana Revisão Gramatical Jackson Liasch Projeto Gráfico OZLondrina Impressão

Leia mais

USAR OS ANTIBIÓTICOS DE FORMA RESPONSÁVEL

USAR OS ANTIBIÓTICOS DE FORMA RESPONSÁVEL INFORMAÇÃO PARA O PÚBLICO SOBRE O DIA EUROPEU DOS ANTIBIÓTICOS O Dia Europeu dos Antibióticos terá lugar no dia 18 de Novembro de 2009. Este dia tem por objectivo proporcionar uma oportunidade de sensibilização

Leia mais

3. Na maioria das situações de profilaxia antibiótica cirúrgica (Nível de Evidência A) (1,2,3,4,5) :

3. Na maioria das situações de profilaxia antibiótica cirúrgica (Nível de Evidência A) (1,2,3,4,5) : NÚMERO: 031/2013 DT: 31/12/2013 TULIZÇÃO 18/12/2014 SSUNTO: Profilaxia ntibiótica Cirúrgica na Criança e no dulto PLVRS-CHVE: Profilaxia, antibióticos, cirurgia, infeção PR: Médicos do Sistema de Saúde

Leia mais

Antibioticoterapia NA UTI. Sammylle Gomes de Castro PERC 2015.2

Antibioticoterapia NA UTI. Sammylle Gomes de Castro PERC 2015.2 Antibioticoterapia NA UTI Sammylle Gomes de Castro PERC 2015.2 O uso racional de Antimicrobianos 1) Qual antibiótico devo escolher? 2) Antibióticos dão reações alérgicas? 3) Vírus fica bom com antibiótico?????????

Leia mais

Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias

Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAI VI Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias Bactérias anaeróbias não-esporuladas Participam

Leia mais

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Hospitais Públicos P e Privados Elaine Pina O NOME DAS COISAS What s s there in a name? A rose by any other name would smell as sweet William Shakespeare

Leia mais

Oxigenação tecidular Normotermia Antibioterapia profilática. Técnica cirúrgica Duração da cirurgia Hemorragia/Transfusão

Oxigenação tecidular Normotermia Antibioterapia profilática. Técnica cirúrgica Duração da cirurgia Hemorragia/Transfusão INFECÇÃO DO LOCAL CIRÚRGICO: DESTINO, AGOIRO?? José Polónia (CHP-HSA) HSA) Ignaz Semmelweis 1840 s Joseph Lister 1860 s William Halsted 1880 s John Burke 1960 s Oxigenação tecidular Normotermia Antibioterapia

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOCIÊNCIAS APLICADAS À FARMÁCIA Perfil de Sensibilidade de Staphylococcus aureus e conduta terapêutica em UTI adulto de Hospital Universitário

Leia mais

Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA

Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA USO ADULTO USO OTOLÓGICO Forma farmacêutica e apresentação Solução otológica: frasco contendo 10 ml com conta-gotas. Composição Cada (1 ml) contém

Leia mais

Profilaxia intraparto para EGB. Importância para o RN. Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP

Profilaxia intraparto para EGB. Importância para o RN. Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP Profilaxia intraparto para EGB Importância para o RN Abordagem do RN com Risco de Infecção ovular e colonizado por Streptococcus do grupo B Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP Infecção

Leia mais

Nota Técnica: Prevenção da infecção neonatal pelo Streptococcus agalactiae (Estreptococo Grupo B ou GBS)

Nota Técnica: Prevenção da infecção neonatal pelo Streptococcus agalactiae (Estreptococo Grupo B ou GBS) Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Áreas Técnicas da Saúde da Mulher e da Criança e Assistência Laboratorial Nota Técnica: Prevenção da infecção neonatal pelo Streptococcus

Leia mais

MANUAL DE ANTIBIOTICOPROFILAXIA CIRÚRGICA

MANUAL DE ANTIBIOTICOPROFILAXIA CIRÚRGICA MANUAL DE ANTIBIOTICOPROFILAXIA CIRÚRGICA manual.indd 1 Serviço de Controle de Infecção Hospitalar SCIH Índice Parâmetros para Antibióticoprofilaxia Cirúrgica... Cirurgia Cardíaca... Cirurgia de Cabeça

Leia mais

Relatório do I Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde

Relatório do I Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Relatório do I Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde I - RESUMO EXECUTIVO Responsáveis: - Adélia Aparecida Marçal dos Santos Gerência de

Leia mais

Relatório ESTUDO EUROPEU DE PREVALÊNCIA DE INFEÇÃO ASSOCIADA A CUIDADOS DE SAÚDE E USO DE ANTIBIÓTICOS EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS

Relatório ESTUDO EUROPEU DE PREVALÊNCIA DE INFEÇÃO ASSOCIADA A CUIDADOS DE SAÚDE E USO DE ANTIBIÓTICOS EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS Relatório ESTUDO EUROPEU DE PREVALÊNCIA DE INFEÇÃO ASSOCIADA A CUIDADOS DE SAÚDE E USO DE ANTIBIÓTICOS EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS RESULTADOS NACIONAIS (2010) Departamento da Qualidade na Saúde

Leia mais

TOPLANINA teicoplanina 400 mg Liófilo injetável

TOPLANINA teicoplanina 400 mg Liófilo injetável TOPLANINA teicoplanina 400 mg Liófilo injetável FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Toplanina é um pó liófilo injetável de coloração branca a quase branca, para uso após reconstituição. Apresenta-se em frasco-ampola

Leia mais

APROVADO EM 15-04-2011 INFARMED

APROVADO EM 15-04-2011 INFARMED FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Amoxicilina + Ácido Clavulânico Hikma 2000 + 200 mg Pó para Solução para Perfusão, Amoxicilina e Ácido Clavulânico Leia atentamente este folheto antes

Leia mais

TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA em ODONTOPEDIATRIA SANDRA ECHEVERRIA

TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA em ODONTOPEDIATRIA SANDRA ECHEVERRIA TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA em ODONTOPEDIATRIA SANDRA ECHEVERRIA Frequência cardíaca em função da idade Idade (anos) Andrade, 2002 Batimentos/minuto 1 110-130 2 90-115 3 80-105 7-14 80-105 14-21 78-85 Acima

Leia mais

Microbiologia Clínica

Microbiologia Clínica Microbiologia Clínica A descoberta dos microrganismos Lentes 200 a 300 X As primeiras observações: Leeuwenhoek (em 1677) 1 Leeuwenhoek: microrganismos ("animálculos ) Pasteur (1822-1895) 2 A geração espontânea

Leia mais

ZINFORO ceftarolina fosamila. Pó para solução para infusão de ceftarolina fosamila 600mg em embalagens com 10 frascos.

ZINFORO ceftarolina fosamila. Pó para solução para infusão de ceftarolina fosamila 600mg em embalagens com 10 frascos. ZINFORO ceftarolina fosamila I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ZINFORO ceftarolina fosamila APRESENTAÇÕES Pó para solução para infusão de ceftarolina fosamila 600mg em embalagens com 10 frascos. VIA DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo?

Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo? 10 a Jornada de Controle de Infecção Hospitalar CCIH Hospital de Câncer de Barretos da Maternidade Sinhá Junqueira Ribeirão Preto, 29 e 30 de julho de 2005 Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo?

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA: SUA IMPORTÂNCIA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA: SUA IMPORTÂNCIA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO ANÁLISE MICROBIOLÓGICA: SUA IMPORTÂNCIA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO MSC INES STRANIERI LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JULIO MULLER - HUJM UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO - UFMT

Leia mais

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA EMPÍRICA DA FEBRE NEUTROPÉNICA

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA EMPÍRICA DA FEBRE NEUTROPÉNICA TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA EMPÍRICA DA FEBRE NEUTROPÉNICA DEFINIÇÕES Febre neutropénica: T. auricular > 38ºC mantida durante 1 h, em doente com contagem absoluta de neutrófilos (CAN) < 500/mm 3, ou < 1000/mm

Leia mais

Metronidazol Inpharma

Metronidazol Inpharma FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Composição: Metronidazol Inpharma Comprimidos e Pó para suspensão oral Comprimidos: Cada comprimido contém 250 mg de metronidazol. Excipientes: Amido de

Leia mais

CONDUTA NAS INFECÇÕES DE SÍTIO CIRURGICO

CONDUTA NAS INFECÇÕES DE SÍTIO CIRURGICO CAPÍTULO 3 CONDUTA NAS INFECÇÕES DE SÍTIO CIRURGICO Laryssa Portela Joyce Façanha FC Medeiros A incidência de infecção pós-operatória é de aproximadamente 38% das infecções nosocomiais. Entre as infecções

Leia mais

II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL

II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL 1 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO... 3 II - NOTIFICAÇÃO... 3 1. Vigilância / Requerimentos...

Leia mais

DOSES E EFEITOS LATERAIS DOS ANTIMICROBIANOS

DOSES E EFEITOS LATERAIS DOS ANTIMICROBIANOS DOSES E EFEITOS LATERAIS DOS ANTIMICROBIANOS Antimicrobianos Dose de manutenção em adultos com função renal normal Efeitos laterais Aminoglicosídeos Amicacina 15 mg/kg q24h EV Efeitos laterais comuns a

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do Trato Urinário. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do Trato Urinário. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do Trato Urinário Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea Data de Realização: 23/03/2009 Data de Revisão: Data da Última

Leia mais

CONDUTA NAS INFECÇÕES DE SÍTIO CIRURGICO. Quadro 1. Fatores de Risco para Infecções do Sitio Cirúrgico.CIRÚR Cirurgias Ginecológicas

CONDUTA NAS INFECÇÕES DE SÍTIO CIRURGICO. Quadro 1. Fatores de Risco para Infecções do Sitio Cirúrgico.CIRÚR Cirurgias Ginecológicas CAPÍTULO 3 CONDUTA NAS INFECÇÕES DE SÍTIO CIRURGICO Laryssa Portela Joyce Façanha FC Medeiros A incidência de infecção pós-operatória é de aproximadamente 38% das infecções nosocomiais. Entre as infecções

Leia mais

Clostridium difficile: quando valorizar?

Clostridium difficile: quando valorizar? Clostridium difficile: quando valorizar? Sofia Bota, Luís Varandas, Maria João Brito, Catarina Gouveia Unidade de Infecciologia do Hospital D. Estefânia, CHLC - EPE Infeção a Clostridium difficile Diarreia

Leia mais

ENSINO CURRICULUM NACIONAL. Cápsulas de Antibiótico

ENSINO CURRICULUM NACIONAL. Cápsulas de Antibiótico O Capítulo 4.1, Antibióticos e Medicamentos, aborda a questão da utilização dos antibióticos e outros medicamentos no tratamento de várias doenças infecciosas. Nesta actividade prática, ácidos e bases

Leia mais

INFECÇÃO POR Staphylococcus aureus

INFECÇÃO POR Staphylococcus aureus INFECÇÃO POR Staphylococcus aureus Atualmente no HUCFF quase 100% das amostras de MRSA isoladas em infecções hospitalares apresentam o fenótipo de CA-MRSA (S. aureus resistente a oxacilina adquirido na

Leia mais

PROJECTO - PILOTO DE MONITORIZAÇÃO DO CONSUMO DE ANTIBIÓTICOS EM MEIO HOSPITALAR

PROJECTO - PILOTO DE MONITORIZAÇÃO DO CONSUMO DE ANTIBIÓTICOS EM MEIO HOSPITALAR PROJECTO - PILOTO DE MONITORIZAÇÃO DO CONSUMO DE ANTIBIÓTICOS EM MEIO HOSPITALAR INFARMED Observatório do Medicamento e Produtos de Saúde UNIDADE DE MISSÃO HOSPITAIS SA Relatório Junho de 2005 INFARMED

Leia mais

MORBIDADE FEBRIL PUERPERAL. Professora Marília da Glória Martins

MORBIDADE FEBRIL PUERPERAL. Professora Marília da Glória Martins MORBIDADE FEBRIL PUERPERAL Professora Marília da Glória Martins Definição Denomina-se infecção puerperal qualquer processo infecioso bacteriano do trato genital, que ocorra nos primeiros dez dias de puerpério,

Leia mais

XXXIII Congresso Médico da Paraíba. Dr. Marcus Sodré

XXXIII Congresso Médico da Paraíba. Dr. Marcus Sodré XXXIII Congresso Médico da Paraíba Dr. Marcus Sodré Chamamos sinusite aos processos inflamatórios e/ou infecciosos que acometem as cavidades paranasais. Referências anatômicas Nariz : septo, cornetos médios

Leia mais

ÍNDICE TÍTULO PAGINA

ÍNDICE TÍTULO PAGINA PNCI 2004 PNCI 1 ÍNDICE TÍTULO PAGINA - NOTA INTRODUTÓRIA 3 - COMPOSIÇÃO DO GRUPO DE TRABALHO PARA - ELABORAÇÃO DA RECOMENDAÇÃO 3 - NTRODUÇÃO 4 - DEFINIÇÕES DA INFECÇÃO DO LOCAL CIRÚRGICO 4 - CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

Terapia antimicrobiana nas infecções do pé diabético

Terapia antimicrobiana nas infecções do pé diabético J Vasc Br 2003, Vol. 2, Nº1 61 SIMPÓSIO PÉ DIABÉTICO Terapia antimicrobiana nas infecções do pé diabético Antimicrobial therapy in diabetic foot infections Hélio S. Sader 1, Anaí Durazzo 2 O paciente diabético

Leia mais

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO As infecções bacterianas nos RN podem agravar-se muito rápido. Os profissionais que prestam cuidados aos RN com risco de infecção neonatal têm por

Leia mais

Infeções associadas aos cuidados de saúde

Infeções associadas aos cuidados de saúde Inês Catarina Da Silva Goulão Infeções associadas aos cuidados de saúde Dissertação orientada pela Professora Doutora Maria João Simões Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Faculdade de Ciências

Leia mais

Mesa - redonda. Programas Nacionais. Programa Nacional da Prevenção das Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde

Mesa - redonda. Programas Nacionais. Programa Nacional da Prevenção das Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde Mesa - redonda Programas Nacionais Programa Nacional da Prevenção das Infecções Associadas Cuidados de Saúde Cristina Costa Programa Nacional de Prevenção das Resistências antimicrobianos Ana Leça Moderadora

Leia mais

Norma aplicada ao Vestuário para Bloco Operatório EN 13795

Norma aplicada ao Vestuário para Bloco Operatório EN 13795 3as Jornadas APHH 1 Norma aplicada ao Vestuário para Bloco Operatório EN 13795 Alexandra Coelho 2 Fabrico de Dispositivos Médicos PME Líder ISO 9001 ISO 13485 Marcação CE, Dispositivos Médicos classe I

Leia mais

teicoplanina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999

teicoplanina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 teicoplanina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome Genérico: teicoplanina APRESENTAÇÕES teicoplanina 200 mg: cada frasco-ampola contém 200 mg de teicoplanina na forma

Leia mais

PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES.

PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES. PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES. Francisco Eugênio Deusdará de Alexandria e Mestre em Genética e Toxicologia Aplicada Qualquer alteração do padrão de resposta ao tratamento usual de uma

Leia mais

2. DEFINIÇÕES E CONCEITOS

2. DEFINIÇÕES E CONCEITOS NORMA Utilização de antisséticos Elaborado em: Abril 2014 Revisão: 2017 Aprovado em: 09.04.2014 1. INTRODUÇÃO Devido à incidência crescente de infeções nosocomiais e ao aparecimento de estirpes de bactérias

Leia mais

PREVENÇÃO DA INFECÇÃO CIRÚRGICA

PREVENÇÃO DA INFECÇÃO CIRÚRGICA HOSPITAL DE SANTA MARIA COMISSÃO DE CONTROLO DA INFECÇÃO HOSPITALAR Piso 6, Tel. 5401/1627 Norma n.º 4 (Actualização em Março de 2006) PREVENÇÃO DA INFECÇÃO CIRÚRGICA De acordo com o Inquérito de Prevalência

Leia mais

Procedimento da Higiene das Mãos

Procedimento da Higiene das Mãos HIGIENE DAS MÃOS Pág. 1/7 Objetivo Melhorar as práticas de higiene das mãos dos profissionais de saúde. Reduzir a transmissão cruzada de microrganismos patogénicos. Âmbito Todos os serviços clínicos e

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

Manual de Microbiologia Clínica para o Controle de Infecção em Serviços de Saúde

Manual de Microbiologia Clínica para o Controle de Infecção em Serviços de Saúde Manual de Microbiologia Clínica para o Controle de Infecção em Serviços de Saúde Edição Comemorativa para o IX Congresso Brasileiro de Controle de Infecção e Epidemiologia Hospitalar Salvador, 30 de agosto

Leia mais

1. ORGANIZAÇÃO DOS CUIDADOS DE SAÚDE POR NÍVEIS

1. ORGANIZAÇÃO DOS CUIDADOS DE SAÚDE POR NÍVEIS ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 003/2011 DATA: 21/01/2011 Organização de cuidados, prevenção e tratamento do Pé Diabético Pé Diabético Conselhos Directivos das Administrações Regionais

Leia mais

Uso de antibióticos no tratamento das feridas. Dra Tâmea Pôssa

Uso de antibióticos no tratamento das feridas. Dra Tâmea Pôssa Uso de antibióticos no tratamento das feridas Dra Tâmea Pôssa Ferida infectada Ruptura da integridade da pele, quebra da barreira de proteção Início do processo inflamatório: Dor Hiperemia Edema Aumento

Leia mais

Autores: Franco, Luís José Gonçalves (luisjgfranco@sapo.pt)

Autores: Franco, Luís José Gonçalves (luisjgfranco@sapo.pt) ARTIGO OPINIÃO Infecção Associada aos Cuidados de Saúde Autores: Franco, Luís José Gonçalves (luisjgfranco@sapo.pt) 2010 Enfermeiro Especialista em Enfermagem Médico-cirúrgica Bloco Operatório Central

Leia mais

Capítulo 18 (ex-capítulo 2) CÓDIGO V

Capítulo 18 (ex-capítulo 2) CÓDIGO V Capítulo 18 (ex-capítulo 2) CÓDIGO V O código V é uma classificação suplementar que se destina a classificar situações e outras circunstâncias que não as de doença ou lesão, que aparecem registadas como

Leia mais

MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09

MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09 MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09 TEICOSTON teicoplanina APRESENTAÇÕES Pó liófilo injetável. Embalagem contendo 1 frasco-ampola de 200 mg ou 400 mg + 1 ampola de diluente de 3 ml. VIA DE ADMINISTRAÇÃO:

Leia mais

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites na Criança Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites Quadro Clínico Inflamação de estruturas faríngeas com: Eritema Edema Exsudato faríngeo Úlcera

Leia mais

1º Curso de Antimicrobianos da AECIHERJ INTRODUÇÃO A ANTIBIÓTICOS DRA. DEBORA OTERO

1º Curso de Antimicrobianos da AECIHERJ INTRODUÇÃO A ANTIBIÓTICOS DRA. DEBORA OTERO 1º Curso de Antimicrobianos da AECIHERJ INTRODUÇÃO A ANTIBIÓTICOS DRA. DEBORA OTERO Antimicrobianos antimicrobiano (anti+microbiano) Que extermina micróbios ou impede sua proliferação antibiótico (anti+bio+t+ico)

Leia mais

Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério Resultados Nacionais

Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério Resultados Nacionais Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério da Saúde Resultados Nacionais Dia 5 de Maio, Compromisso Mundial de Higienização das mãos Direcção-Geral da Saúde Campanha Nacional de Higiene das mãos Situação

Leia mais

STAPHYLOCOCCUS AUREUS RESISTENTES EM ANIMAIS DE COMPANHIA

STAPHYLOCOCCUS AUREUS RESISTENTES EM ANIMAIS DE COMPANHIA Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 16, n. 16, p. 95 101 STAPHYLOCOCCUS AUREUS RESISTENTES EM ANIMAIS DE COMPANHIA FREITAS, Adriano Biase de 1 PEREIRA, Jeane Quintiliano 2 TEIXEIRA, Daniel Ribeiro

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FREQÜÊNCIA E PERFIL DE SENSIBILIDADE DE MICRORGANISMOS ISOLADOS DE UROCULTURAS REALIZADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

AVALIAÇÃO DA FREQÜÊNCIA E PERFIL DE SENSIBILIDADE DE MICRORGANISMOS ISOLADOS DE UROCULTURAS REALIZADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 27 AVALIAÇÃO DA FREQÜÊNCIA E PERFIL DE SENSIBILIDADE DE MICRORGANISMOS ISOLADOS DE UROCULTURAS REALIZADAS EM UM HOSPITAL

Leia mais

HOSPITAL FÊMINA. Administração de Medicamentos

HOSPITAL FÊMINA. Administração de Medicamentos HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA COMISSÃO DE MEDICAMENTOS COMISSÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCO SERVIÇO DE FARMÁCIA Administração de Medicamentos Farmª Luciane Lindenmeyer Farmª Raquel

Leia mais

Estratégia de economia nos serviços de saúde através da terapia sequencial antimicrobiana.

Estratégia de economia nos serviços de saúde através da terapia sequencial antimicrobiana. Estratégia de economia nos serviços de saúde através da terapia sequencial antimicrobiana. Cláudia Aparecida Avelar Ferreira 1, Bruno Luttembarck Barreto Vianna 2 Justificativa A tendência mundial pelo

Leia mais

Bactomax. teicoplanina. Pó liófilo injetável 200mg e 400mg. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

Bactomax. teicoplanina. Pó liófilo injetável 200mg e 400mg. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Bactomax teicoplanina Pó liófilo injetável 200mg e 400mg Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Bactomax 200mg e 400mg teicoplanina APRESENTAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE SÍTIO CIRÚRGICO

MANUAL DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE SÍTIO CIRÚRGICO MANUAL DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DE SÍTIO CIRÚRGICO POR QUE PREVENIR? As infecções de sítio cirúrgico (ISC) representam: 15% do total das infecções adquiridas durante a assistência à saúde; a terceira complicação

Leia mais

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar 1 Serviço de Controle de Infecção Hospitalar 2013-2014 1. COMPREENDENDO OS MICRORGANISMOS MULTIRRESISTENTES (MR) 2 A resistência microbiana é um fenômeno mundial, que ocorre de forma natural, onde os microrganismos

Leia mais

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Conceitos Básicos Organismo Vivo Conceitos Básicos Organismo Vivo

Leia mais

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA A diarreia é definida por um aumento na frequência das dejecções ou diminuição da consistência das fezes e por uma massa fecal>200g/dia. Pode

Leia mais

Cefradur CEFRADINA 1. O QUE É CEFRADUR E PARA QUE É UTILIZADO

Cefradur CEFRADINA 1. O QUE É CEFRADUR E PARA QUE É UTILIZADO Cefradur CEFRADINA Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. Caso tenha dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico. Este medicamento

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA INFECÇÃO As infecções são doenças que envolvem bactérias, fungos, vírus ou protozoários e sua proliferação pode ser vista quando o paciente tem os sintomas,

Leia mais

Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp.

Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp. Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp. Síntese das investigações desde a descoberta de novos antimicrobianos Final do século XIX: Pasteur efetuou relatos sobre antagonismo entre diferentes

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei :

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : Nos últimos anos, a ocorrência de bactérias resistentes aos principais compostos antibióticos tem aumentado, havendo inclusive

Leia mais

Hospital Universitário Pedro Ernesto Comissão de Controle de Infecção Hospitalar. Guia de Antibioticoterapia 2014

Hospital Universitário Pedro Ernesto Comissão de Controle de Infecção Hospitalar. Guia de Antibioticoterapia 2014 Hospital Universitário Pedro Ernesto Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Guia de Antibioticoterapia 2014 Situação Clínica Situações Especiais Erisipela ou Celulite Clavulim Oxacilina sepse ou sepse

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT

Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT Informações do Sistema de Notificação Estadual de Infecções Hospitalares de Mato Grosso Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT Indicadores de IH Sistema

Leia mais

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA Academia Nacional de Medicina PANCREATITE AGUDA TERAPÊUTICA José Galvão-Alves Rio de Janeiro 2009 PANCREATITE AGUDA FORMAS EVOLUTIVAS INÍCIO PANCREATITE AGUDA 1º - 4º Dia Intersticial Necrosante 6º - 21º

Leia mais

UNIDADE DE CIRURGIA DE AMBULATÓRIO 2

UNIDADE DE CIRURGIA DE AMBULATÓRIO 2 Vigilância Epidemiológica da Infeção do Local Cirúrgico Após Hospitalar em Cirurgia de Ambulatório UNIDADE DE CIRURGIA DE AMBULATÓRIO 2 HOSPITAL SANTO ANTÓNIO CAPUCHOS Realizado por: Luísa Lopes Maria

Leia mais

Orientações para procedimentos odontológicos em pacientes com doenças neuromusculares

Orientações para procedimentos odontológicos em pacientes com doenças neuromusculares Orientações para procedimentos odontológicos em pacientes com doenças neuromusculares Dra. Ana Lúcia Langer* Os pacientes com doenças neuromusculares possuem peculiaridades que necessitam ser reforçadas

Leia mais

RELATO DE CASO. Data da internação: 05/06/06

RELATO DE CASO. Data da internação: 05/06/06 CASO CLÍNICO RELATO DE CASO Data da internação: 05/06/06 Identificação: G.V.S., masculino, 45 anos, solteiro (vive matrimonialmente), natural do Rio de Janeiro RJ, religião espírita QP: Pus em bolsa escrotal

Leia mais

PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar

PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Fev 2011 1 Como prevenir a disseminação de Enterobactérias

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE MANUAL DE OPERACIONALIZAÇÃO

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE MANUAL DE OPERACIONALIZAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE MANUAL DE OPERACIONALIZAÇÃO Fevereiro de 2008 PNCI Autores Ana Cristina Costa Direcção de Serviços da Qualidade Clínica,

Leia mais

Impacto de novas instalações na incidência de infecção hospitalar. Filipe Macedo Enf.º GCL-PPCIRA (Hospital Vila Franca de Xira)

Impacto de novas instalações na incidência de infecção hospitalar. Filipe Macedo Enf.º GCL-PPCIRA (Hospital Vila Franca de Xira) Impacto de novas instalações na incidência de infecção hospitalar Filipe Macedo Enf.º GCL-PPCIRA (Hospital Vila Franca de Xira) O Hospital Hoje Um novo edifício Novas capacidades Bloco Operatório, UCI,

Leia mais

Meningite Bacteriana

Meningite Bacteriana Meningite Bacteriana Conceito Infecção aguda que acomete as leptomeninges (aracnóide e pia-máter), envolvendo o cérebro e a medula espinhal. Page 2 Epidemiologia Doença comum, de alta mortalidade e morbidade

Leia mais

Antibacterianos nas infecções do trato urinário

Antibacterianos nas infecções do trato urinário UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO IV Antibacterianos nas infecções do trato urinário Infecções do trato urinário Bacteriúria

Leia mais

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12 1. Objectivo o Estabelecer normas para o processamento dos dispositivos médicos, baseadas em padrões de qualidade. o Estabelecer condições de

Leia mais

Floxedol destina-se a ser utilizado em adultos e crianças com idade igual ou superior a um ano de idade.

Floxedol destina-se a ser utilizado em adultos e crianças com idade igual ou superior a um ano de idade. FOLHETO INFORMATIVO FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR floxedol 3 mg/ml Gel oftálmico Ofloxacina Leia atentamente este folheto antes de utilizar este medicamento. - Conserve este folheto.

Leia mais

Resultados de 5 anos da Estratégia Multimodal, para melhoria da Higiene das Mãos. Elaine Pina Elena Noriega DGS/DQS/DGQ/PPCIRA

Resultados de 5 anos da Estratégia Multimodal, para melhoria da Higiene das Mãos. Elaine Pina Elena Noriega DGS/DQS/DGQ/PPCIRA Resultados de 5 anos da Estratégia Multimodal, para melhoria da Higiene das Mãos Elaine Pina Elena Noriega DGS/DQS/DGQ/PPCIRA 5 de maio de 2014 Iniciativa da OMS: Desafio Mundial para a Segurança do Doente

Leia mais

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE Todos os indivíduos com suspeita de Pneumonia Adquirida na Comunidade (PAC) devem realizar telerradiografia do tórax (2 incidências)(nível A). AVALIAÇÃO

Leia mais