Isolamento de microrganismos de cateter venoso central através do método de Maki e Sonicação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Isolamento de microrganismos de cateter venoso central através do método de Maki e Sonicação"

Transcrição

1 Isolamento de microrganismos de cateter venoso central através do método de Maki e Sonicação Rossana Sette de Melo Rêgo Francisco Montenegro de Melo Kedma de Magalhães Lima

2 INTRODUÇÃO O cateterismo venoso central, procedimento largamente utilizado no tratamento dos pacientes internados em UTI, apesar de apresentar inúmeros benefícios, representa uma fonte potencial de complicações infecciosas. Métodos diagnósticos de inf. relacionadas a cateteres vasculares: 1 Removendo o cateter Cultura qualitativa Cultura semi-quantitativa Método de Maki Cultura quantitativa Sonicação 2 Sem remover o cateter Cultura quantitativa de sangue Veia periférica X cateter

3 INTRODUÇÃO Biofilme: bactéria/fungos/algas aderidos a superfícies, organizados em microcolônias ou emblocados em matriz exracelular resistência aos antimicrobianos proteção contra as defesas do hospedeiro Refratária ao tratamento convencional Representa a fonte mantida de infecção Comparar a eficácia dos métodos de Sonicação (cultura quantitativa) e Método de Maki (cultura semi-quantitativa) em relação ao isolamento de microrganismos a partir de cateter venoso central retirado de pacientes internados em UTI.

4 Método de Maki: METODOLOGIA Foram avaliadas 100 pontas de catéter retiradas de pacientes de UTI de dois hospitais - Recife - PE Consiste na rolagem da ponta do cateter sobre placa de meio de cultura Com leitura após 24 horas de incubação em estufa de 37 C. Contagem > ou igual a 15 UFC = infecção. Menor contagem = contaminação Isolamento de agentes da face extra-luminal do cateter. Siegman-Ygra & cols. Diagnosis of vascular catheter-related bloodstream infection: a meta-analysis. J Clin Microbiol 1997, 35:928-36

5 METODOLOGIA Método de sonicação: Imersão da ponta do cateter em NaCl a 0,9% estéril Seguido de banho ultrassônico por 10 min Cultivo em Agar Sangue, incubação a 37 C e leitura após horas É considerado positivo crescimento >1000 UFC Isolamento de agentes de ambas as faces do cateter.

6 RESULTADOS Bactérias, como Pseudomonas aeruginosa, Proteus mirabilis, Staphylococcus aureus, Acinetobacter baumanii e fungos, como Candida tropicalis, C. albicans, C. parapsilosis etrichosporonasahii foram isolados de ambos os métodos. Cultura quantitativa Cultura semi-quantitativa

7 RESULTADOS Comparação entre os métodos de cultura Quantitativa e Semi-quantitativa para detecção de bactérias e fungos em cateter venoso central utilizados por pacientes de UTI Técnicas de Cultura Resultados Quantitativa (Sonicação) Semiquantitativa (Maki) P < 0.05 Positivos Negativos Total

8 RESULTADOS n positivos negativos sonificação maki Métodos

9 CONCLUSÃO A cultura quantitativa demonstrou maior eficácia para o isolamento de bactérias e fungos, mesmo sendo utilizada após a cultura semi-quantitativa que remove em parte os microrganismos da via extraluminal do cateter.

10 Rossana Sette de Melo Rêgo KB Medicina Diagnóstica PE

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 6 Preparação aquosa para uso Preparação para uso Contagem de Microrganismos Mesófilos Aeróbios Totais edição, 2010. 5.5.3.1.2 Preparação aquosa para uso Preparação para uso Contagem de Fungos

Leia mais

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA Enfª Marcia Daniela Trentin Serviço Municipal de Controle de Infecção Esta aula foi apresentada na Oficina de Capacitação para a utilização do Sistema Formsus na notificação

Leia mais

Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT

Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT Informações do Sistema de Notificação Estadual de Infecções Hospitalares de Mato Grosso Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT Indicadores de IH Sistema

Leia mais

HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ HOSPITAL UNIVERSITÁRIO WALTER CANTÍDIO - HUWC MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND - MEAC

HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ HOSPITAL UNIVERSITÁRIO WALTER CANTÍDIO - HUWC MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND - MEAC PROTOCOLOS ASSISTENCIAIS DO HUWC INFECÇÃO DE CORRENTE SANGUÍNEA RELACIONADA A CATETERES INTRAVASCULARES 1. INTRODUÇÃO Evelyne Santana Girão Infecções relacionadas a cateteres intravasculares são importante

Leia mais

PRECAUÇÕES E ISOLAMENTOS. (Falhas na adesão ás práticas de prevenção)

PRECAUÇÕES E ISOLAMENTOS. (Falhas na adesão ás práticas de prevenção) PRECAUÇÕES E ISOLAMENTOS (Falhas na adesão ás práticas de prevenção) Transmissão de agentes infecciosos Podem ser encontrados: -Meio ambiente,ar, água e solo; -Utensílios; -Equipamentos; -Seres vivos -

Leia mais

II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL

II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL 1 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO... 3 II - NOTIFICAÇÃO... 3 1. Vigilância / Requerimentos...

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FREQÜÊNCIA E PERFIL DE SENSIBILIDADE DE MICRORGANISMOS ISOLADOS DE UROCULTURAS REALIZADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

AVALIAÇÃO DA FREQÜÊNCIA E PERFIL DE SENSIBILIDADE DE MICRORGANISMOS ISOLADOS DE UROCULTURAS REALIZADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 27 AVALIAÇÃO DA FREQÜÊNCIA E PERFIL DE SENSIBILIDADE DE MICRORGANISMOS ISOLADOS DE UROCULTURAS REALIZADAS EM UM HOSPITAL

Leia mais

Infecção Bacteriana Aguda do Trato Respiratório Inferior

Infecção Bacteriana Aguda do Trato Respiratório Inferior ESPECIALIZAÇÃO EM MICROBIOLOGIA APLICADA CASCAVEL - 2009 Infecção Bacteriana Aguda do Trato Respiratório Inferior Profa. Vera Lucia Dias Siqueira Bacteriologia Clínica DAC - UEM Sistema Respiratório Pneumonias

Leia mais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Prof. Cláudio Galuppo Diniz Prof. Cláudio 1 Qualquer tipo de infecção adquirida

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE DIÁLISE

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE DIÁLISE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS - CCD CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA "PROF. ALEXANDRE VRANJAC" DIVISÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

Leia mais

Relatório do I Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde

Relatório do I Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Relatório do I Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde I - RESUMO EXECUTIVO Responsáveis: - Adélia Aparecida Marçal dos Santos Gerência de

Leia mais

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA CONCEITO A Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAV) é infecção diagnosticada após 48h de ventilação mecânica até a sua suspensão. ETIOLOGIA Tabela 1. Microorganismos

Leia mais

FACULDADE ASSIS GURGACZ CRISTIANE PERSEL

FACULDADE ASSIS GURGACZ CRISTIANE PERSEL FACULDADE ASSIS GURGACZ CRISTIANE PERSEL ATIVIDADE HEMOLÍTICA DE CANDIDA ALBICANS ISOLADA DE DIFERENTES AMOSTRAS CLÍNICAS DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL PÚBLICO DE CASCAVEL, PARANÁ CASCAVEL 2011

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Em relação a epidemiologia e bioestatística aplicadas ao controle de infecções hospitalares, julgue os itens a seguir. 41 No registro de variáveis contínuas, a exatidão do registro tem fundamental valor

Leia mais

PREVALÊNCIA MICROBIANA EM DIVERSAS AMOSTRAS CLÍNICAS OBTIDAS DE PACIENTES DO CTI DE UM HOSPITAL MILITAR

PREVALÊNCIA MICROBIANA EM DIVERSAS AMOSTRAS CLÍNICAS OBTIDAS DE PACIENTES DO CTI DE UM HOSPITAL MILITAR PREVALÊNCIA MICROBIANA EM DIVERSAS AMOSTRAS CLÍNICAS OBTIDAS DE PACIENTES DO CTI DE UM HOSPITAL MILITAR Cecília Santana Bala Pereira Discente do Curso de Farmácia da Universidade Severino Sombra, Vassouras/RJ,

Leia mais

EXAMES MICROBIOLÓGICOS. Profa Dra Sandra Zeitoun

EXAMES MICROBIOLÓGICOS. Profa Dra Sandra Zeitoun EXAMES MICROBIOLÓGICOS Profa Dra Sandra Zeitoun Exames microbiológicos Os microorganismos que causam doenças infecciosas são definidos como patógenos, pois se multiplicam e causam lesão tecidual. Todos

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Luiz Nobre Rodrigues Dpto de Saúde Comunitária da UFC Faculdade de Medicina

Prof. Dr. Jorge Luiz Nobre Rodrigues Dpto de Saúde Comunitária da UFC Faculdade de Medicina Prof. Dr. Jorge Luiz Nobre Rodrigues Dpto de Saúde Comunitária da UFC Faculdade de Medicina Caso Clínico Masc, 30 anos, apresentando febre após QT para LMA (3 o ciclo). Nos 2 ciclos anteriores apresentou

Leia mais

Como preparar. Meios comerciais devem ser hidratados. Primeiramente devem ser pesados. Tansferir para um frasco

Como preparar. Meios comerciais devem ser hidratados. Primeiramente devem ser pesados. Tansferir para um frasco MEIOS DE CULTURA Como preparar Meios comerciais devem ser hidratados Primeiramente devem ser pesados Tansferir para um frasco Hidratar em pequena quantidade e misturar Depois deve-se acrescentar o restante

Leia mais

Estudo da contaminação fúngica de superfícies na prevenção da infeção. Da deteção da origem de surtos ao controlo de qualidade da desinfeção.

Estudo da contaminação fúngica de superfícies na prevenção da infeção. Da deteção da origem de surtos ao controlo de qualidade da desinfeção. Estudo da contaminação fúngica de superfícies na prevenção da infeção. Da deteção da origem de surtos ao controlo de qualidade da desinfeção. Raquel Sabino Departamento de Doenças Infeciosas Unidade de

Leia mais

Urocultura. Introdução

Urocultura. Introdução Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Urocultura Introdução A infecção do trato urinário (ITU) situa-se entre as

Leia mais

Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática. Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com.

Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática. Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com. Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com.br Definição de caso de Infecção de Corrente Sanguínea relacionada

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA INFECÇÃO As infecções são doenças que envolvem bactérias, fungos, vírus ou protozoários e sua proliferação pode ser vista quando o paciente tem os sintomas,

Leia mais

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre

Leia mais

Princípios de Assepsia

Princípios de Assepsia Princípios Científicos da Intervenção de Enfermagem Relacionados à Assepsia Enfa. Esp. Renata Romualdo Princípios de Assepsia 1 Áreas Críticas: Princípios de Assepsia Ambientes que abrigam procedimentos

Leia mais

Uso de antibióticos no tratamento das feridas. Dra Tâmea Pôssa

Uso de antibióticos no tratamento das feridas. Dra Tâmea Pôssa Uso de antibióticos no tratamento das feridas Dra Tâmea Pôssa Ferida infectada Ruptura da integridade da pele, quebra da barreira de proteção Início do processo inflamatório: Dor Hiperemia Edema Aumento

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Prevenção da Infecção da Corrente Sangüínea relacionada ao uso de cateter venoso central

Diretrizes Assistenciais. Prevenção da Infecção da Corrente Sangüínea relacionada ao uso de cateter venoso central Diretrizes Assistenciais Prevenção da Infecção da Corrente Sangüínea relacionada ao uso de cateter venoso central Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Prevenção da Infecção da Corrente Sangüínea

Leia mais

Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo?

Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo? 10 a Jornada de Controle de Infecção Hospitalar CCIH Hospital de Câncer de Barretos da Maternidade Sinhá Junqueira Ribeirão Preto, 29 e 30 de julho de 2005 Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo?

Leia mais

Tempo, Clima e Hospital: Sazonalidade e Determinantes das Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS)

Tempo, Clima e Hospital: Sazonalidade e Determinantes das Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) Tempo, Clima e Hospital: Sazonalidade e Determinantes das Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) Carlos Magno Castelo Branco Fortaleza Professor Adjunto / Disciplina de Moléstias Infecciosas

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE BANHEIROS DE BARES DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE BANHEIROS DE BARES DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE BANHEIROS DE BARES DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

Jorge Alberto S. Ferreira e Ane Elise B. Silva

Jorge Alberto S. Ferreira e Ane Elise B. Silva POP: M 13 Página 1 de 6 1. Sinonímia: Cultura de secreção vaginal, cultura de conteúdo vaginal, cultura de secreção uretral, cultura de endocervical, cultura de lesão genital, pesquisa de Haemophilus ducreyi,

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Infecções por Candida em unidade de terapia intensiva (UTI) Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Infecções por Candida em unidade de terapia intensiva (UTI) 1.1- INTRODUÇÃO

Leia mais

Adriano de Lima Machado

Adriano de Lima Machado 1. Sinonímia: POP: M 15 Página 1 de 8 - Cultura ou secreção de orofaringe, cultura ou secreção de nasofaringe, secreção nasal, punção de seios maxilares, raspado de lesão da boca. - Secreção conjuntival,

Leia mais

INFORME TÉCNICO Nº 01/2007 ASSUNTO: CONTROLE DE BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES

INFORME TÉCNICO Nº 01/2007 ASSUNTO: CONTROLE DE BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde- Controle de Infecção INFORME

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS Novembro de 2009 PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS ÍNDICE Pág. I. INTRODUÇÃO... 2 II. ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Infecções do Trato Urinário

Infecções do Trato Urinário Infecções do Trato Urinário Anatomia e Fisiologia do Trato Urinário Órgãos secretores: Rins (2) Órgãos excretores: Ureteres (2) Bexiga Uretra Fonte: http://www.auladeanatomia.com Microbiota Normal da Uretra

Leia mais

Incidência de bactérias causadoras de Infecções do Trato Urinário em um hospital de Ilha Solteira no ano de 2010

Incidência de bactérias causadoras de Infecções do Trato Urinário em um hospital de Ilha Solteira no ano de 2010 Incidência de bactérias causadoras de Infecções do Trato Urinário em um hospital de Ilha Solteira no ano de 2010 Marcia Cristina Bento Ramos 1, Tatiane Ferreira Petroni 2 1. Discente do Curso de Biomedicina-FITL/AEMS,

Leia mais

Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle *

Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, dezembro de 2010. Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle * Embora o controle

Leia mais

Impacto de novas instalações na incidência de infecção hospitalar. Filipe Macedo Enf.º GCL-PPCIRA (Hospital Vila Franca de Xira)

Impacto de novas instalações na incidência de infecção hospitalar. Filipe Macedo Enf.º GCL-PPCIRA (Hospital Vila Franca de Xira) Impacto de novas instalações na incidência de infecção hospitalar Filipe Macedo Enf.º GCL-PPCIRA (Hospital Vila Franca de Xira) O Hospital Hoje Um novo edifício Novas capacidades Bloco Operatório, UCI,

Leia mais

Módulo 4 PREVENÇÃO DE INFECÇÕES EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

Módulo 4 PREVENÇÃO DE INFECÇÕES EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA PREVENÇÃO DE INFECÇÕES EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Luiz Fernando Aranha Camargo Ana Paula Coutinho Carla Morales Guerra Sérgio Barsanti Wey Coordenador: Eduardo Alexandrino Servolo de Medeiros São

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS Emergência CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva

Leia mais

Unidade IX Microbiologia de água destinada ao consumo humano

Unidade IX Microbiologia de água destinada ao consumo humano Unidade IX Microbiologia de água destinada ao consumo humano Dorit Schuller 1. Recolha de amostras para análise microbiológica 3 2. Contagem total de microrganismos 4 3. Pesquisa e quantificação de Escherichia

Leia mais

TÍTULO: INFECÇÃO RELACIONADA Á ASSISTÊNCIA Á SAÚDE EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA E SUA RELAÇÃO COM MICRORGANISMOS RESISTENTES

TÍTULO: INFECÇÃO RELACIONADA Á ASSISTÊNCIA Á SAÚDE EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA E SUA RELAÇÃO COM MICRORGANISMOS RESISTENTES Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: INFECÇÃO RELACIONADA Á ASSISTÊNCIA Á SAÚDE EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA E SUA RELAÇÃO COM

Leia mais

CAPACIDADE DE FORMAÇÃO DE BIOFILMES POR DIFERENTES BACTÉRIAS PATOGÊNICAS

CAPACIDADE DE FORMAÇÃO DE BIOFILMES POR DIFERENTES BACTÉRIAS PATOGÊNICAS CAPACIDADE DE FORMAÇÃO DE BIOFILMES POR DIFERENTES BACTÉRIAS PATOGÊNICAS Saskia Rosani BERGAMIN 1 ; Vanessa SCHUH 2 ; Karine DALLA COSTA 2, Marina Leda RIBEIROS 2, Sheila Mello da SILVEIRA 3 ; Alessandra

Leia mais

O papel do ambiente na transmissão de infecção. Enf. Angela F. Sola SCIH - Hospital Nove de Julho Mestre pela Disciplina de Infectologia UNIFESP

O papel do ambiente na transmissão de infecção. Enf. Angela F. Sola SCIH - Hospital Nove de Julho Mestre pela Disciplina de Infectologia UNIFESP O papel do ambiente na transmissão de infecção Enf. Angela F. Sola SCIH - Hospital Nove de Julho Mestre pela Disciplina de Infectologia UNIFESP Reservatórios / Fontes Ar Enxoval Superfícies Como ocorre

Leia mais

INFECÇÕES HOSPITALARES EM PACIENTES INFECTADOS COM HIV 9 a Jornada de Infecção Hospitalar de Ribeirão Preto Infecção pelo HIV Alterações de imunidade relacionadas ao HIV: Depleção de células c CD4 (< 250,

Leia mais

Resultados de 5 anos da Estratégia Multimodal, para melhoria da Higiene das Mãos. Elaine Pina Elena Noriega DGS/DQS/DGQ/PPCIRA

Resultados de 5 anos da Estratégia Multimodal, para melhoria da Higiene das Mãos. Elaine Pina Elena Noriega DGS/DQS/DGQ/PPCIRA Resultados de 5 anos da Estratégia Multimodal, para melhoria da Higiene das Mãos Elaine Pina Elena Noriega DGS/DQS/DGQ/PPCIRA 5 de maio de 2014 Iniciativa da OMS: Desafio Mundial para a Segurança do Doente

Leia mais

FREQUÊNCIA DE FUNGOS DERMATÓFITOS EM ONICOMICOSES

FREQUÊNCIA DE FUNGOS DERMATÓFITOS EM ONICOMICOSES Anais da Academia de Ciências e Tecnologia de São José do Rio Preto. 2008: 1(1): FREQUÊNCIA DE FUNGOS DERMATÓFITOS EM ONICOMICOSES FERNANDA CRISTOVÂO CATTÂNEO Resumo. As micoses superficiais de pele são

Leia mais

PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES.

PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES. PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES. Francisco Eugênio Deusdará de Alexandria e Mestre em Genética e Toxicologia Aplicada Qualquer alteração do padrão de resposta ao tratamento usual de uma

Leia mais

LUCIETE ALMEIDA SILVA AGENTES DE INFECÇÕES HOSPITALARES EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS

LUCIETE ALMEIDA SILVA AGENTES DE INFECÇÕES HOSPITALARES EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS LUCIETE ALMEIDA SILVA AGENTES DE INFECÇÕES HOSPITALARES EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação Multidisciplinar em Patologia Tropical

Leia mais

Conceito básicos e cadeia epidemiológica de transmissão de infecção.

Conceito básicos e cadeia epidemiológica de transmissão de infecção. Conceito básicos e cadeia epidemiológica de transmissão de infecção. Juliana Arruda de Matos Doutora em infectologia pela UFRJ Médica infectologista do HUCFF UFRJ Chefe substituta da Área de Infecção Hospitalar

Leia mais

três infecções mais comuns e temidas em pessoas com FC. Aquisição da Pseudomonas aeruginosa

três infecções mais comuns e temidas em pessoas com FC. Aquisição da Pseudomonas aeruginosa Prevenção de Infecção Cruzada na Fibrose Cística: Informação sobre iniciativas relativamente simples que melhoraram o prognóstico de pessoas com FC na Dinamarca Por Claus Moser, Médico Doutor e Niels Høiby,

Leia mais

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA DESTILADA E OSMOSE REVERSA 1. Wendel da Silva Lopes 2, Andressa da Silva Lopes 3, Adriana Maria Patarroyo Vargas 4.

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA DESTILADA E OSMOSE REVERSA 1. Wendel da Silva Lopes 2, Andressa da Silva Lopes 3, Adriana Maria Patarroyo Vargas 4. 525 QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA DESTILADA E OSMOSE REVERSA 1 Wendel da Silva Lopes 2, Andressa da Silva Lopes 3, Adriana Maria Patarroyo Vargas 4. Resumo: A água utilizada para fins farmacêuticos

Leia mais

2º ENCONTRO DE ESTERILIZAÇÃO Métodos de validação de limpeza de acordo com as especificidades dos materiais utilizados na saúde

2º ENCONTRO DE ESTERILIZAÇÃO Métodos de validação de limpeza de acordo com as especificidades dos materiais utilizados na saúde 2º ENCONTRO DE ESTERILIZAÇÃO Métodos de validação de limpeza de acordo com as especificidades dos materiais utilizados na saúde * Profª Dra. Kazuko Uchikawa Graziano Departamento de Enfermagem Médico Cirúrgica

Leia mais

Possivelmente espécies captnofílicas, incluindo Corynebacterium e Lactobacillius.

Possivelmente espécies captnofílicas, incluindo Corynebacterium e Lactobacillius. INFECÇÕES DO TRACTO URINÁRIO Comuns, especialmente nas mulheres Normalmente agudas e de curta duração; Infecções severas podem resultar em perda de função renal e sequelas permanentes Aquisição Via ascendente

Leia mais

Prática 2: Cultura de Microrganismos

Prática 2: Cultura de Microrganismos Prática 2: Cultura de Microrganismos Introdução Os microrganismos tal como outros organismos vivos necessitam de obter os nutrientes apropriados do seu meio ambiente. Assim se queremos cultivar e manter

Leia mais

BASTONETES GRAM NEGATIVOS NÃO FERMENTADORES DA GLICOSE. Microbiologia 2011.1 Prof. Thiago Marconi Cardoso

BASTONETES GRAM NEGATIVOS NÃO FERMENTADORES DA GLICOSE. Microbiologia 2011.1 Prof. Thiago Marconi Cardoso BASTONETES GRAM NEGATIVOS NÃO FERMENTADORES DA GLICOSE Microbiologia 2011.1 Prof. Thiago Marconi Cardoso VIAS DE DEGRADAÇÃO DA GLICOSE 1. Via Embdem Meyerhof Parnas (EMP) Glicose usada na ausência de O

Leia mais

Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares e método de tratamento Cannon Hygiene

Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares e método de tratamento Cannon Hygiene Seminários 2015 Resíduos Hospitalares Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares e método de tratamento Cannon Hygiene Francisco Valente OBJETIVOS Informação sobre as obrigações legais dos

Leia mais

Controle de bactéria multirresistente

Controle de bactéria multirresistente Controle de bactéria multirresistente Módulo Especial VII Núcleo de Controle de Infecção Hospitalar HRT, Revisão 2009 1 Controle de bactéria multirresistente 1- Conceitos Bactéria multirresistente (BMR):

Leia mais

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: RELAÇÃO DA OCORRÊNCIA DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO DE ACORDO COM A IDADE, FATORES DE RISCO,

Leia mais

Humancare. Minha recomendação eficaz: Forros hospitalares da OWA. Coleção OWAlifetime

Humancare. Minha recomendação eficaz: Forros hospitalares da OWA. Coleção OWAlifetime Humancare Minha recomendação eficaz: Forros hospitalares da OWA Coleção OWAlifetime Humancare norma NF S 90-351 A norma francesa NF S 90-351 A norma internacionalmente reconhecida NF S 90-351 com a exigência

Leia mais

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL Definição: Infecção urinária sintomática associada ao cateter: Febre > 38 o C ou sensibilidade suprapúbica e cultura positiva

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do Trato Urinário. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do Trato Urinário. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do Trato Urinário Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea Data de Realização: 23/03/2009 Data de Revisão: Data da Última

Leia mais

Avaliação da resistência microbiana em hospitais privados de Fortaleza - Ceará*

Avaliação da resistência microbiana em hospitais privados de Fortaleza - Ceará* Rev. Bras. arm. 9 (): 83-87, 23 PESQUISA/RESEARCH Avaliação da resistência microbiana em hospitais privados de ortaleza - Ceará* Evaluation of antimicrobial resistance in private hospitals in ortaleza-

Leia mais

Acessos Vasculares e Infecção Relacionada à Cateter*

Acessos Vasculares e Infecção Relacionada à Cateter* RBTI 2007:19:2:227-230 Artigo DE REVISÃO Acessos Vasculares e Infecção Relacionada à Cateter* Vascular Access and Catheter Associated Blood-Stream Infections Marcelo Bonvento 1 RESUMO JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS:

Leia mais

PROFILAXIA CIRÚRGICA. Valquíria Alves

PROFILAXIA CIRÚRGICA. Valquíria Alves PROFILAXIA CIRÚRGICA Valquíria Alves INFECÇÃO DO LOCAL CIRÚRGICO (ILC) Placeholder for your own subheadline A infecção do local cirúrgico (ILC) é uma complicação comum da cirurgia, com taxas de incidência

Leia mais

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência.

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência. Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI Hospitais de Longa Permanência ncia 2011 Premissas 1.Todos os sintomas devem ser novos ou com piora

Leia mais

MATERIAIS, UTENSÍLIOS E PRODUTOS UTILIZADOS PELO SERVIÇO DE HIGIENE: O RACIONAL TEÓRICO, CONTROVÉRSIAS E A PRÁTICA

MATERIAIS, UTENSÍLIOS E PRODUTOS UTILIZADOS PELO SERVIÇO DE HIGIENE: O RACIONAL TEÓRICO, CONTROVÉRSIAS E A PRÁTICA MATERIAIS, UTENSÍLIOS E PRODUTOS UTILIZADOS PELO SERVIÇO DE HIGIENE: O RACIONAL TEÓRICO, CONTROVÉRSIAS E A PRÁTICA Isa Rodrigues Silveira isa@hu.usp.br Considerações sobre a HIGIENE HOSPITAR... O papel

Leia mais

B BRAUN. Askina Calgitrol Ag. Curativo de Alginato e Prata para Feridas. SHARING EXPERTISE

B BRAUN. Askina Calgitrol Ag. Curativo de Alginato e Prata para Feridas. SHARING EXPERTISE Askina Calgitrol Ag Curativo de Alginato e Prata para Feridas. Askina Calgitrol Ag é um curativo desenvolvido pela tecnologia B. Braun que combina a alta capacidade de absorção do alginato de cálcio e

Leia mais

12/18/2014. Ana Luiza ASSESSORA TÉCNICA SEALED DIVERSEY. Tecnologias de Higienização Hospitalar

12/18/2014. Ana Luiza ASSESSORA TÉCNICA SEALED DIVERSEY. Tecnologias de Higienização Hospitalar Ana Luiza ASSESSORA TÉCNICA SEALED DIVERSEY CARE Tecnologias de Higienização Hospitalar Cenário A taxa de infecção hospitalar; Alto índice de infecções hospitalares; Alto custo no tratamento; Limpeza e

Leia mais

PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar

PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Fev 2011 1 Como prevenir a disseminação de Enterobactérias

Leia mais

Alzira Maria da Silva Martins

Alzira Maria da Silva Martins Faculdade de Ciências Farmacêuticas Dep. Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica Curso de Tecnologia Químico-Farmacêutica Dissertação para obtenção do grau de Mestre Alzira Maria da Silva Martins Orientadora:Prof.

Leia mais

TOBREX. Solução Oftálmica Estéril e Pomada Oftálmica Estéril

TOBREX. Solução Oftálmica Estéril e Pomada Oftálmica Estéril TOBREX TOBRAMICINA 0,3% Solução Oftálmica Estéril e Pomada Oftálmica Estéril FORMA FARMACÊUTICA, VIA DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÃO: Frasco plástico conta-gotas contendo 5 ml de Solução Oftálmica Estéril

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 7CTDTQAMT02.P QUALIDADE HIGIENICO SANITÁRIO DE MANIPULADORES DE ALGUMAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTOS DO MUNICIPIO DE JOAO PESSOA PB Maria Amélia de Araújo Vasconcelos (2), Ana Maria Vieira de Castro (1), Angela

Leia mais

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar 1 Serviço de Controle de Infecção Hospitalar 2013-2014 1. COMPREENDENDO OS MICRORGANISMOS MULTIRRESISTENTES (MR) 2 A resistência microbiana é um fenômeno mundial, que ocorre de forma natural, onde os microrganismos

Leia mais

INFECÇÃO HOSPITALAR NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: FATORES DE RISCO E MORTALIDADE 1

INFECÇÃO HOSPITALAR NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: FATORES DE RISCO E MORTALIDADE 1 25 INFECÇÃO HOSPITALAR NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: FATORES DE RISCO E MORTALIDADE 1 THE HOSPITAL INFECTION IN THE INTENSIVE CARE UNIT: RISK FACTORS AND MORTALITY Larissa Martins SOSSAI 2 Caroline

Leia mais

BUNDLE PARA PREVENÇÃO DE INFECÃO PRIMARIA DE CORRENTE SANGUÍNEA

BUNDLE PARA PREVENÇÃO DE INFECÃO PRIMARIA DE CORRENTE SANGUÍNEA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER SCIH SERVIÇO DE CONTROLE INFECÇAO HOSPITALAR BUNDLE PARA PREVENÇÃO DE INFECÃO PRIMARIA DE CORRENTE SANGUÍNEA Introdução As infecções

Leia mais

Figura 1 Principais áreas de atuação

Figura 1 Principais áreas de atuação AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA GREVE DA ANVISA NO SETOR DE SAÚDE A Associação Brasileira da Indústria de Alta Tecnologia de Equipamentos, Produtos e Suprimentos Médico-Hospitalares realizou junto as suas empresas

Leia mais

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU M Pr02 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO A infecção do trato urinário relacionada à assistência à saúde (ITU-RAS) no adulto

Leia mais

PERFIL BACTERIOLÓGICO DAS MÃOS DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE DO CENTRO CIRÚRGICO E DO PÓS-OPERATÓRIO DO HOSPITAL GERAL DE PALMAS

PERFIL BACTERIOLÓGICO DAS MÃOS DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE DO CENTRO CIRÚRGICO E DO PÓS-OPERATÓRIO DO HOSPITAL GERAL DE PALMAS PERFIL BACTERIOLÓGICO DAS MÃOS DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE DO CENTRO CIRÚRGICO E DO PÓS-OPERATÓRIO DO HOSPITAL GERAL DE PALMAS Gabriella Oliveira Mendes¹, Maria Cristina da Silva Pranchevicius² e Pedro Manuel

Leia mais

Monitorização da Qualidade em Serviços de Saúde

Monitorização da Qualidade em Serviços de Saúde Infecções e Cuidados de Saúde Hospital Magalhães Lemos 12 Dezembro.2008 Monitorização da Qualidade em Serviços de Saúde Porto,12 de Dezembro 2008 Enquadramento do Processo Negocial com os Serviços de Saúde

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) Enf.ª Cláudia Cristina Castro de Andrade SEC/SCIH devidos créditos! Plágio é Crime! UM POUCO DE HISTÓRIA... Até a metade do século XIX ISC= óbito Joseph Lister,

Leia mais

XIV CURSO DE CAPACITAÇÃO E PREVENÇÃO EM CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR DA AECIHERJ CONCEITOS BÁSICOS E INTRODUÇÃO A INFECÇÃO HOSPITALAR

XIV CURSO DE CAPACITAÇÃO E PREVENÇÃO EM CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR DA AECIHERJ CONCEITOS BÁSICOS E INTRODUÇÃO A INFECÇÃO HOSPITALAR XIV CURSO DE CAPACITAÇÃO E PREVENÇÃO EM CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR DA AECIHERJ CONCEITOS BÁSICOS E INTRODUÇÃO A INFECÇÃO HOSPITALAR Vítor Martins Médico Infectologista ASSUNTOS QUE ABORDAREMOS - Colonização

Leia mais

CULTURA DE SECREÇÕES PURULENTAS

CULTURA DE SECREÇÕES PURULENTAS ESPECIALIZAÇÃO EM MICROBIOLOGIA APLICADA CASCAVEL - 2009 CULTURA DE SECREÇÕES PURULENTAS Prof a. Vera Lucia Dias Siqueira Setor de Bacteriologia Clínica LEPAC - UEM SECREÇÕES PURULENTAS INFECÇÕES CUTÂNEAS

Leia mais

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Hospitais Públicos P e Privados Elaine Pina O NOME DAS COISAS What s s there in a name? A rose by any other name would smell as sweet William Shakespeare

Leia mais

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação 1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação hospitalar (desde que não incubada previamente à internação)

Leia mais

Prática 1 MATERIAL E TÉCNICAS BÁSICAS UTILIZADAS NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA

Prática 1 MATERIAL E TÉCNICAS BÁSICAS UTILIZADAS NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA Prática 1 MATERIAL E TÉCNICAS BÁSICAS UTILIZADAS NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA Prática 1 Microrganismos Localização em todos os ambientes naturais; Populações mistas; Necessidade de isolamento. Cultura

Leia mais

Manual de Microbiologia Clínica para o Controle de Infecção em Serviços de Saúde

Manual de Microbiologia Clínica para o Controle de Infecção em Serviços de Saúde Manual de Microbiologia Clínica para o Controle de Infecção em Serviços de Saúde Edição Comemorativa para o IX Congresso Brasileiro de Controle de Infecção e Epidemiologia Hospitalar Salvador, 30 de agosto

Leia mais

PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS

PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS A maior parte dos casos são as chamadas comunitárias ou não nosocomiais Típica Não relacionada à faixa etária. Causada por S. pneumoniae, H. influenzae e S. aureus. Sintomatologia

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 51 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 3.1. Biocidas utilizados Os compostos químicos utilizados nos experimentos de corrosão e análise microbiológica foram o hipoclorito de sódio e o peróxido

Leia mais

Autor(es): PIRES, Patrícia; MINHUEY, Nestor Raul Instituição: UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC

Autor(es): PIRES, Patrícia; MINHUEY, Nestor Raul Instituição: UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC Titulo: ESTUDO COMPARATIVO DA MICROBIOTA ENCONTRADA NO AMBIENTE ODONTOLÓGICO DURANTE UM DIA DE TRABALHO SOB VENTILAÇÃO NATURAL E NA SUPERFÍCIE DO AR CONDICIONADO. Autor(es): PIRES, Patrícia; MINHUEY, Nestor

Leia mais

Indicadores de Segurança do Paciente Prevenção e Controle de Infecção

Indicadores de Segurança do Paciente Prevenção e Controle de Infecção Indicadores de Segurança do Paciente Prevenção e Controle de Infecção Densidade de incidência de infecção primária de corrente sanguínea (IPCS) em pacientes em uso de cateter venoso central (CVC), internados

Leia mais

Infecção hospitalar: distribuição topográfica e microbiológica em um hospital público de ensino

Infecção hospitalar: distribuição topográfica e microbiológica em um hospital público de ensino Infecção hospitalar: distribuição topográfica e microbiológica em um hospital público de ensino Hospital infection: surveying and microbiological distribution in a public hospital of education Fernanda

Leia mais

Forma farmacêutica e apresentação Suspensão otológica - Embalagem contendo 5 ml de suspensão acompanhado de conta-gotas.

Forma farmacêutica e apresentação Suspensão otológica - Embalagem contendo 5 ml de suspensão acompanhado de conta-gotas. Otociriax ciprofloxacino hidrocortisona Forma farmacêutica e apresentação Suspensão otológica - Embalagem contendo 5 ml de suspensão acompanhado de conta-gotas. USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 1 ANO.

Leia mais

Quais as Medidas Adotadas pelos Profissionais da Área de Saúde após s a Publicação da RDC-8, de 27/02/2009 Antonio Tadeu Fernandes Presidente da ABIH www.ccih.med.br Medidas para redução da ocorrência

Leia mais

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte II 2012/1

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte II 2012/1 Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte II 2012/1 1. Um homem de 42 anos sabe que está com HIV/AIDS. Qual

Leia mais

SANITIZAÇÃO DE AMBIENTES. Guilherme Francisco Botana

SANITIZAÇÃO DE AMBIENTES. Guilherme Francisco Botana Curso - Higienização em sistemas de ar condicionado e ambientes SANITIZAÇÃO DE AMBIENTES Guilherme Francisco Botana Fontes de Contaminação Ambientes Climatizados Fonte Primária Fonte Secundaria Fonte Terciária

Leia mais

ANÁLISE DA INFECÇÃO HOSPITALAR EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NA PARAÍBA NO PERIODO DE 2012 A 2014

ANÁLISE DA INFECÇÃO HOSPITALAR EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NA PARAÍBA NO PERIODO DE 2012 A 2014 Artigo Original ANÁLISE DA INFECÇÃO HOSPITALAR EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NA PARAÍBA NO PERIODO DE 2012 A 2014 Mabel Calina de França Paz 1*, Delfina Indira Fiel Maria Fortes 2, Diego Henrique Gomes

Leia mais