Controle de bactéria multirresistente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Controle de bactéria multirresistente"

Transcrição

1 Controle de bactéria multirresistente Módulo Especial VII Núcleo de Controle de Infecção Hospitalar HRT, Revisão

2 Controle de bactéria multirresistente 1- Conceitos Bactéria multirresistente (BMR): A caracterização de uma bactéria multirresistente depende de fatores clínicos, epidemiológicos e microbiológicos. Qualquer alteração do padrão de resposta ao tratamento usual de uma infecção ou dos resultados dos testes de sensibilidade antimicrobiana de uma espécie de microorganismos deve ser avaliada quanto à necessidade de medidas especiais de controle de transmissão. Padrões de caracterização de multirresistência pelo antibiograma são apresentados no Anexo 1. Pessoa colonizada: qualquer pessoa que possui cultura positiva para BMR, mas não possui sinais ou sintomas de infecção causada pelo microrganismo. Cada BMR coloniza, geralmente, sítios específicos. Por exemplo, o MRSA coloniza a região anterior das narinas, as lesões cutâneas e, menos freqüentemente, o períneo, as axilas, o reto e a vagina. Enterococos colonizam intestino grosso e região genital. As mãos são provavelmente contaminadas a partir desses sítios. A pessoa colonizada pode transferir BMR para outras pessoas, atuando como portador transitório ou persistente. Portador persistente: pessoa que está persistentemente colonizada pelo BMR, em um ou mais sítios. A colonização pode persistir por tempo variável: semanas, meses ou anos. Paciente infectado: paciente que apresenta evidência clínica ou laboratorial de doença causada por BMR. Paciente com BMR: paciente colonizado e/ou infectado por BMR. 2- Aspectos epidemiológicos da transmissão de bactéria multirresistente Para fins didáticos pode-se considerar o seguinte modelo de transmissão de BMR nos hospitais: Fonte de Microrganismo (Reservatório) Hospedeiro Suscetível Via de transmissão: contato direto e indireto Figura 1 Modelo epidemiológico de transmissão de BMR 2

3 Reservatório: é o local onde a BMR subsiste, multiplica e/ou permanece continuamente. No hospital, o principal reservatório de BMR é o paciente colonizado ou infectado por esse agente. A importância do ambiente e das outras pessoas (profissional de saúde e acompanhante) é, na maioria das vezes, mínima. A introdução de BMR num hospital ocorre mais comumente por meio da admissão de um paciente colonizado ou infectado que atua como reservatório. No modelo apresentado, o reservatório pode-se constituir também em fonte, ao transmitir o microrganismo diretamente para um hospedeiro. Fonte de microrganismo: é o local onde o BMR está presente ao se transferir para o hospedeiro. Não necessariamente esse local fornece condições para a permanência contínua do agente. As mãos dos profissionais de saúde são as principais fontes de BMR no hospital. Ao cuidar de um paciente colonizado ou infectado com BMR, o profissional de saúde pode-se tornar portador da bactéria em suas mãos. A contaminação das mãos pode acontecer também a partir de sítios colonizados da própria pessoa ou a partir de artigos e superfícies contaminados com secreções, excreções, etc. Se não lavar as mãos de forma adequada ou se não trocar as luvas, ele pode transferir o BMR para outro paciente, para o ambiente ou mesmo colonizar sítios do seu próprio corpo. Embora, na maioria das vezes o profissional de saúde seja apenas um portador transitório, esse tempo pode ser suficiente para a disseminação de BMR. Via de transmissão: é o modo como a BMR é transferido da fonte para o hospedeiro suscetível. A transmissão, predominantemente, ocorre através do contato direto ou indireto. Contato direto é a principal via de transmissão de BMR. Nessa situação é necessário o contato físico entre a fonte e o hospedeiro suscetível, o que geralmente ocorre através das mãos dos profissionais de saúde. Contato indireto ocorre através de um objeto intermediário. Roupas, luvas, instrumentos e outros artigos contaminados podem se interpor entre a fonte e o hospedeiro. Esta via é particularmente importante para os microrganismos com capacidade de sobrevivência no meio ambiente. Algumas BMR possuem grande capacidade de sobrevivência em objetos inanimados, inclusive em superfícies secas (Ex.: Enterococos e Acinetobacter baumannii). Hospedeiro suscetível: é o indivíduo com potencial de ser colonizado/infectado ao entrar em contato com BMR. Geralmente, o paciente é primeiro colonizado para depois tornar-se infectado. Fatores do hospedeiro que propiciam uma maior vulnerabilidade à colonização e/ou à infecção pelo BMR: paciente submetido à antibioticoterapia, sobretudo se prolongada e/ou de largo espectro, paciente com traqueostomia ou em hemodiálise, lesões cutâneas, etc. Fatores ambientais que aumentam a probabilidade de exposição ao BMR: hospitalização prolongada, restrição ao leito com total dependência da equipe de saúde, internação em setores onde BMR é freqüente (por ex.: UTI e unidade de tratamento de queimados), internação em leito próximo a um paciente com BMR, etc. Todas essas situações predispõem, sobretudo ao contato direto por meio das mãos dos profissionais de saúde. 3

4 3- Medidas de controle de bactéria multirresistente A principal estratégia para interromper a transmissão de BMR em hospitais é estabelecer uma barreira entre a fonte de microorganismo e o hospedeiro: Fonte de Microrganismo (Reservatório) Hospedeiro Suscetível Precauções básicas e adicionais Figura 2 Precauções para o controle de transmissão de BMR As precauções básicas e adicionais 1 são o principal conjunto de medidas para controlar a disseminação das bactérias multirresistentes e outros agentes infecciosos transmitidos, sobretudo pelo contato. A base da aplicação da aplicação das precauções é o desenvolvimento de um modelo de gestão participativa que permita alcançar a seguinte meta: 100% das vezes, 100% da equipe, 100% dos cuidados. Comparando a um muro de tijolos, as precauções básicas correspondem à principal parte da altura de um muro e a existência de uma equipe multiprofissional estimulada e capacitada compara-se à base do muro. Querer construir as precauções básicas sem a base é estar sujeito à queda do muro. E pior, querer completar o muro com as precauções adicionais sem priorizar as precauções básicas é assentar tijolos no vazio. 4- Meus cinco momentos para higiene das mãos : uma leitura adaptada à nossa realidade Uma nova abordagem sobre higiene das mãos para o processo de entendimento, treinamento, monitoramento e comunicação em higiene das mãos foi proposta pela equipe do controle de infecção hospitalar do Hospital Universitário de Genebra (1). Este modelo está sendo indicado pela Aliança Mundial para a Segurança dos Pacientes (OMS) como ação estratégica para incrementar a segurança dos pacientes e profissionais. (Anexo 2 Figuras 1 e 2) Essa abordagem coincide em parte com a proposta elaborada pelo NCIH/ HRT sobre precauções básicas e adicionais de contato (3). (Anexo 2 Figuras 3 e 4) 1 As precauções básicas nesta versão foram adaptadas para o controle de BMR em hospitais e serviços de saúde. Originalmente uma versão de maior abrangência está descrita no Manual de Precauções para o Isolamento Hospitalar. SES-DF (2002) ou no Módulo Básico de Controle de infecção Hospitalar (NCIH/HRT, Revisão 2004). As precauções básicas também incluem medidas para a proteção do profissional de saúde quanto ao respingo de sangue e líquidos orgânicos e a prevenção de acidentes com material perfurocortante. 4

5 Em ambos os modelos, a definição conceitual de um espaço individualizado do paciente é o ponto central para o entendimento da transmissão de microrganismos pela via do contato (direto ou indireto). Partindo do conceito de duas superfícies: área do paciente & área de assistência que possuem a capacidade de trocar microbiota e de dois sítios: limpo & contaminado, foram definidos cinco momentos ou oportunidades para realizar a higiene das mãos. As oportunidades de higiene das mãos são da responsabilidade de cada um e de toda a equipe. 5- Outras medidas para prevenir e controlar bactérias multirresistentes: Além da interrupção da via de transmissão, que são as principais medidas e que devem ser aplicadas de forma aplicação universal e permanente, outras estratégias envolvendo o hospedeiro suscetível e a fonte de microrganismos também devem ser aplicadas em algumas circunstâncias: Diminuir os fatores de risco do hospedeiro: Fonte Hospedeiro Figura 3: Reforçando as defesas do hospedeiro e diminuindo sua suscetibilidade Uso racional de antimicrobianos Diagnosticar e tratar a infecção efetivamente, por meio de protocolos clínicos de diagnóstico e terapia de infecções. Utilização criteriosa de procedimentos invasivos Prevenir a infecção, preservando os mecanismos de defesa natural e, quando estritamente necessário, introduzir e manter dispositivos invasivos de forma adequada. Diminuição do período de internação 5

6 5.2 - Reduzir a magnitude da fonte/ reservatório: Fonte Hospedeiro Figura 4: Eliminando ou reduzindo a magnitude da fonte de microrganismo Identificar pacientes com BMR Na admissão quando provenientes de setores de risco (Ex.: UTI), realizar a vigilância laboratorial de BMR Consultar protocolos específicos de vigilância laboratorial para cada tipo de bactéria (NCIH/HRT) Assinalar o prontuário do paciente, indicando a bactéria multirresistente no formulário Controle de Bactéria Multirresistente, Anexo 4. Essa formulário deve ficar facilmente acessível, possivelmente na contracapa do prontuário Esta medida visa facilitar a identificação em casos de reinternação ou no seguimento ambulatorial. Descolonizar (em geral somente o MRSA) e/ou tratar as infecções por BMR Consultar Protocolo de Descolonização de MRSA (NCIH/HRT) 6 - Higiene das superfícies para o controle de bactéria multirresistente A área ou unidade do paciente é o espaço físico hospitalar onde o paciente permanece a maior parte do tempo, durante o seu período de internação. Em geral, compreende o leito cama, o mobiliário e os equipamentos de uso exclusivo do paciente, o piso e as paredes próximas ao leito. Cada setor deve possuir uma padronização que atenda as particularidades da assistência ao paciente. (Consultar Protocolo que exemplifica a distinção da área do paciente - NCIH/HRT) A composição da unidade do paciente tem implicações na definição da área do paciente e da área da assistência. A partir desta caracterização, são definidos os cuidados de organização e higienização dessa área, respeitando o caráter individualizado de cada paciente e sua área e evitando a troca de microbiota com a área da assistência e com a de outros pacientes. A higiene das superfícies compreende os processos de descontaminação, limpeza e desinfecção. Quando o paciente está em precauções básicas, a limpeza concorrente diária da área do paciente deve ser feita após a arrumação da cama. No mínimo, esta higienização deve compreender a limpeza com detergente e pano úmido (de uso único) da grade lateral, das manivelas, do suporte de soro e dos painéis de equipamentos. Quando houver contaminação com matéria orgânica deve se realizar a desinfecção com álcool 70%, três aplicações. A tabela a seguir procura estabelecer as superfícies compreendidas na higienização conforme a situação. Quando o paciente está em precauções adicionais, inserir a desinfecção (em geral, álcool a 70%) sempre após a limpeza, independentemente da contaminação. 6

7 Anexo 1Caracterização pelo antibiograma das principais bactérias multirresistentes BMR isolado antibiograma MRSA Staphylococcus aureus R à oxacilina Estafilococos resistentes ou intermediários à vancomicina (VRSA ou VISA) Enterococos resistente à vancomicina (VRE) BGN hiperprodutoras de beta-lactamases (AmpC) 2 BGN produtoras de beta-lactamases de espectro estendido (ESBL) Enterobactérias produtoras de carbapenemase (KPC) Pseudomonas Panresistente Acinetobacter Panresistente Bactérias naturalmente multirresistentes Staphylococcus aureus Enterococcus faecium e, menos freqüentemente, E. faecalis -Grupo CESP: Citrobacter spp.; Enterobacter spp.; Serratia marcescens.; Providencia stuartti; Proteus vulgaris; -outras BGN: AmpC plasmidial Eschericia coli e Klebsiella spp., principalmente -outras BGN Klebsiella spp. (KPC) e outras Enterobacteriaceae Pseudomonas aeruginosa Acinetobacter baumannii/ haemolyticus Burkholderia cepacia e Stenotrophomonas maltophilia R ou I à vancomicina R à vancomicina Difícil caracterização da resistência antimicrobiana em laboratórios clínicos 3. R à ceftazidima e/ou à cefotaxima, ceftriaxona, aztreonam, penicilinas antipseudomonas. R às cefalosporinas e penicilinas em geral (também ao aztreonam) R à imipenem e/ou meropenem R à imipenem e/ou meropenem, amicacina, ciprofloxacino, cefalosporinas em geral. R à imipenem e/ou meropenem 2 Existe dificuldade laboratorial para a detecção de cepas estavelmente desreprimidas, obrigando análise da situação epidemiológica em conjunto com o NCIH. 3 A resistência pode se manifestar após início de terapia com beta-lactâmicos. A confirmação é feita através do monitoramento do perfil de sensibilidade no 3-4 º dia de tratamento com antibióticos indutores de beta-lactamases. 7

8 Anexo 2: 1. Área do paciente Precauções básicas e adicionais de contato A distinção da área do paciente e da área da assistência é essencial para o entendimento de que as duas superfícies possuem potencial para a troca de microrganismos e a subseqüente disseminação de patógenos multirresistentes. O ponto fundamental é: Cada paciente, os objetos e as superfícies em sua volta devem ser considerados como uma unidade individualizada, a área do paciente. Dentro da área do paciente, dois sítios - limpo e contaminado devem ser considerados adicionalmente para evitar a transmissão de microrganismos. 2. Manter sempre as precauções básicas 4 para todos os pacientes Todas as vezes que entrar na área do paciente, observar os 5 cuidados para evitar a troca de microbiota com a área da assistência. Esses cuidados compõem as precauções básicas para controlar a disseminação das bactérias multirresistentes e de outros agentes infecciosos transmitidos, sobretudo pelo contato. 1. Evitar o contato desnecessário com o paciente, com o leito e com objetos e equipamentos próximos. Evitar levar prontuários para as enfermarias. 2. Higienizar as mãos (higiene com água e sabão ou fricção com álcool)5 5 momentos. 3. Usar luvas quando houver possibilidade de contato úmido (sangue, secreções, excreções, pele não-íntegra, mucosas ou artigos contaminados com material orgânico). 4. Usar capote (avental de mangas compridas), durante procedimentos que possam sujar o uniforme ou o antebraço, por meio do contato ou respingo de líquidos orgânicos. 5. Usar artigos exclusivos (estetoscópio, termômetro, etc.) para cada paciente ou desinfetá-los após cada uso. A organização e a higienização diária (concorrente) da unidade do paciente fazem parte das precauções básicas. A área da assistência também deve ser higienizada diariamente. Realizar a limpeza geral e, em caso de contaminação com matéria orgânica, também fazer a desinfecção localizada. Detalhamento dos cuidados e recursos necessários nos Quadros 1: 4 Adaptadas do Manual de Precauções para o Isolamento Hospitalar. SES-DF (2002) 5 Consultar o Módulo Especial II sobre Higiene das mãos em estabelecimentos de Saúde. NCIH-HRT, (Revisão 2007) 8

9 Quadro 1 Precauções básicas 6 Orientações Área do paciente: Distinguir os objetos que compõem a área do paciente Higienizar as mãos. Observar os 5 momentos Vestir capote quando houver possibilidade de contato com fontes importantes de contaminação ou sujar o antebraço e roupa, especialmente ao dar banho no leito e durante a fisioterapia. Usar luvas quando houver possibilidade de contato com sangue, secreções, excreções, pele não-íntegra, mucosas ou artigos contaminados. Ao terminar os procedimentos, retirar as luvas e o capote com técnica adequada, evitando o contato com a superfície externa contaminada do capote 8. Após retirar luvas e capote, higienizar as mãos. Usar artigos e materiais exclusivos para exame e cuidados com o paciente. Na falta de tensiômetro individualizado, recomenda-se o uso de papel toalha entre a pele e o manguito. Os artigos reutilizáveis devem ser adequadamente limpos e desinfetados após o uso. Recursos Necessários Em geral: leito, mesinha, bomba de infusão, monitor, respirador,. Friccionar com álcool 70% em gel ou lavar as mãos com água e sabão 7. Capote (avental de procedimentos) de mangas compridas Luvas de procedimentos Hamper, contenedor de resíduos com tampa. Friccionar com álcool 70% em gel ou lavar as mãos com água e sabão. Artigos individualizados: estetoscópio, termômetro, tensiômetro, etc. Para desinfecção: bola de algodão + álcool 70%, três aplicações Precauções adicionais de contato As medidas de interrupção da transmissão por contato devem ser reforçadas (precauções de contato), quando da confirmação de colonização ou infecção por bactérias multirresistentes (item 6).Todas as vezes que cuidar de um paciente com precauções adicionais outros 5 cuidados devem ser observados: 6. Definir e identificar a área do paciente. Quando possível internar em leito específico. Manter sinalização sobre as precauções adicionais de forma que a equipe profissional tenha conhecimento. 7. Usar luvas quando houver a possibilidade de contato com o paciente ou qualquer artigo ou superfície da área do paciente. 6 As precauções básicas são originadas das precauções universais. As medidas que incluem a biossegurança devem ser consultadas no Manual de Precauções para o Isolamento Hospitalar. SES-DF (2002) e no Módulo Especial IV Exposição de Risco Biológico, NCIH (2007), disponível no site (link Taguatinga > Controle de Infecção Hospitalar) 7 Consultar o Módulo Especial II sobre Higiene das mãos em estabelecimentos de Saúde. NCIH-HRT, (Revisão 2007), disponível no site (link Taguatinga > Controle de Infecção Hospitalar) 8 Em geral, as luvas são as últimas a serem vestidas e as primeiras a serem retiradas, exceto se for reutilizar o capote. 9 Exposição ao álcool: friccionar deixar secar friccionar deixar secar friccionar deixar secar. 9

10 8. Usar capote quando houver a possibilidade de contato com o paciente ou qualquer artigo ou superfície da área do paciente. 9. Distinguir equipe de cuidados. Na medida do possível, definir em cada turno de trabalho uma equipe específica para cuidar dos pacientes em precauções de contato, ou pelo menos evitar que todos cuidem de todos. 10. Limpeza e desinfecção geral (concorrente) da área do paciente. Detalhamento dos cuidados e recursos necessários nos Quadros 2: Quadro 2 Precauções adicionais de contato Orientações Ainda que cada paciente possua uma área individualizada, pode ser necessário internar em leito específico com disponibilidade de banheiro privativo. Manter sinalização sobre as precauções adicionais de contato bem visível e próxima ao leito. Preferencialmente, manter equipe de saúde específica para cuidar dos pacientes em precauções de contato (coorte de profissionais). Calçar luvas quando houver possibilidade de contato das mãos com o paciente ou qualquer artigo ou superfície. Vestir capote quando houver possibilidade de contato. O leito, as superfícies e os equipamentos na área do paciente e da assistência devem ser submetidos à limpeza e desinfecção geral concorrente (diária). Recursos Necessários Quarto ou enfermaria específica Cartaz ou sinalização que toda a equipe tenha conhecimento do seu significado Principalmente, enfermeiros e técnicos de enfermagem em número adequado. Luvas de procedimentos Avental de mangas compridas Para desinfecção: Solução de hipoclorito de sódio ou álcool 70%. No caso de equipamentos, observar as instruções do fabricante. 4. Equipe de Gestão Participativa A disseminação de bactérias multirresistentes é combatida com a disponibilidade de recursos (pessoal capacitado, material, estrutura física) e com a qualificação dos processos de trabalho. Esses processos são definidos, gerenciados e integrados por meio da equipe de gestão participativa da Unidade ou Setor. O planejamento ascendente e a educação permanente são os principais instrumentos da gestão participativa. O compromisso coletivo é indispensável para o alcance da meta: A meta é que em 100% das vezes toda a equipe tenha 100% dos cuidados Portanto, todas as equipes da Unidade (equipe médica, de enfermagem, de fisioterapia, de higienização, etc.) devem ser capacitadas para a aplicação integral e contínua das precauções básicas e adicionais como parte do Programa de Educação Permanente. 10

11 5. Recomendações Gerais Manter em funcionamento adequado todas as Unidades de Higiene das Mãos, sobretudo os pontos de fricção com álcool. Revisar rotina de limpeza e desinfecção da Unidade, principalmente de banheiros e sanitários coletivos. Profissionais de outros setores devem ser orientados e observados quanto à aplicação das precauções básicas e adicionais. Visitantes devem ser orientados sobre higiene das mãos e cuidados ao entrar no ambiente individualizado do paciente (observar Normas de Visitantes e Acompanhantes do setor). No caso de paciente em precauções de contato, o acompanhante deve ser orientado e observado quanto à aplicação das precauções básicas e adicionais. Assinalar o prontuário do paciente, indicando a bactéria multirresistente no Formulário Precauções Básicas e Adicionais de Contato Orientadas para o Controle de Bactéria Multirresistente 10 (Anexo 4). Esta medida visa facilitar a identificação em casos de reinternação ou de transferência para outro setor. Havendo necessidade de transportar ou transferir o paciente para algum setor, avisar com antecedência o setor para o qual está sendo transportado, de forma que seja atendido rapidamente e com as devidas precauções básicas e adicionais. Objetos utilizados no transporte devem ser desinfetados. 6- Outras medidas para prevenir e controlar bactérias multirresistentes Prevenir a infecção, preservando os mecanismos de defesa natural e, quando estritamente necessário, introduzir e manter dispositivos invasivos de forma adequada. Diagnosticar e tratar a infecção efetivamente, por meio de protocolos clínicos de diagnóstico e terapia de infecções e programa de educação permanente da equipe. Indicar e escolher de forma racional os antimicrobianos, elaborar e implantar protocolos clínicos e aperfeiçoar o uso observando propriedades de farmacodinâmica e farmacocinética dos medicamentos. 10 Este formulário deve ser facilmente acessível, possivelmente na contracapa do prontuário. 11

12 Anexo 3: Figura 1 Precauções básicas para o controle de BMR 12

13 Anexo 3: Figura 2 Precauções adicionais de contato para o controle de BMR 13

14 Anexo 3: Figura 3 Área do paciente e área da assistência 14

15 Anexo 3: Figura 4 Meus cinco momentos de higiene das mãos 15

16 Anexo 4: Precauções básicas e adicionais de contato para o controle de BMR 11 Paciente: Bactéria multirresistente (assinalada) Isolado em: / / Material: X Bactéria Antibiograma MRSA Staphylococcus aureus R à oxacilina Estafilococos Resistentes a Vancomicina (VISA / VRSA) Enterococos Resistentes a Vancomicina (VRE) ESBL (beta-lactamases de espectro estendido) Enterobactérias produtoras de carbapenemase BGN hiperprodutoras de betalactamases AmpC Acinetobacter pan-resistente Pseudomonas pan-resistente Bactérias naturalmente multirresistentes Staphylococcus aureus R ou I á vancomicina Enterococcus faecium e, menos freqüentemente, E. faecalis R à vancomicina Eschericia coli e Klebsiella spp. (e outras BGN) ESBL Klebsiella spp. (KPC) e outras Enterobacteriaceae R à imipenem e/ou meropenem Citrobacter; Enterobacter; Serratia marcescens; Providencia stuartti; Proteus vulgaris; e outras BGN produtoras de beta-lactamases AmpC plasmidial 12 Acinetobacter spp R a imipenem/meropenem Pseudomonas aeruginosa R à imipenem/meropenem e a outros antibacterianos, exceto polimixinas. Stenotrophomonas maltophilia e Burkolderia cepacia A - Precauções Básicas (válidas para qualquer paciente, independentemente de Bactéria Multirresistente): Cada paciente, os objetos e as superfícies em sua volta devem ser considerados como uma unidade individualizada, a área do paciente. Todas as vezes que entrar na área do paciente, observar os cinco cuidados para evitar a troca de microbiota com a área da assistência: 1. Evitar o contato desnecessário com o paciente, com o leito e com objetos e equipamentos próximos. Evitar levar prontuários ou qualquer material desnecessário para as enfermarias. 2. Higienizar as mãos (Friccionar com álcool 70% em gel ou lavar as mãos com água e sabão 13 ). Antes e após o contato com o paciente ou com o ambiente do paciente (mesmo sem contato com o paciente), antes de procedimento em sítio limpo e após procedimento em sítio contaminado. 3. Vestir capote (avental de mangas compridas), durante procedimentos que possam sujar o uniforme ou o antebraço, por meio do contato ou respingo de líquidos orgânicos. 4. Usar luvas quando houver possibilidade de contato úmido (sangue, secreções, excreções, pele não-íntegra, mucosas ou artigos contaminados). Ao terminar os procedimentos, retirar as luvas e o capote com técnica adequada, evitando o contato com a superfície externa contaminada do capote 14. Após retirar luvas e capote, higienizar as mãos. 5. Usar artigos exclusivos (estetoscópio, termômetro, etc.) para cada paciente ou desinfetá-los após cada uso. Na falta de tensiômetro individualizado, recomenda-se o uso de papel toalha entre a pele e o manguito. Os artigos reutilizáveis devem ser adequadamente limpos e desinfetados após o uso. Para desinfecção: bola de algodão + álcool 70%, três aplicações 15. B - Precauções adicionais de contato (somente no caso de paciente com cultura indicando Bactéria Multirresistente) Todas as vezes que cuidar de um paciente com precauções adicionais outros cinco cuidados devem ser observados: 6. Definir e identificar a área do paciente. Internar o paciente em leito específico, sobretudo quando é necessário banheiro privativo. Manter sinalização sobre as precauções adicionais de forma que a equipe profissional tenha conhecimento. 7. Calçar luvas quando houver possibilidade de contato com o paciente ou qualquer artigo ou superfície da área do paciente. 8. Vestir capote quando houver possibilidade de contato. 9. Distinguir equipe de cuidados. Na medida do possível, definir em cada turno uma equipe específica para cuidar dos pacientes em precauções de contato, ou pelo menos evitar que todos cuidem de todos. 10. Limpeza e desinfecção geral (concorrente) da área do paciente (diária). Recomendações Gerais: Havendo necessidade de transportar ou transferir o paciente para algum setor, avisar com antecedência o setor para o qual está sendo transportado, de forma que seja atendido rapidamente e com as devidas precauções básicas e adicionais. Objetos utilizados no transporte devem ser desinfetados. No caso de paciente em precauções de contato, o acompanhante deve ser orientado e observado quanto à aplicação das precauções básicas e adicionais. 11 Este formulário deve estar facilmente acessível, facilitando a identificação em casos de reinternação ou de transferência para outro setor. 12 Em relação às BGN produtoras de AmpC, é difícil a caracterização laboratorial. É necessária a análise da situação epidemiológica em conjunto com o Núcleo de Controle de Infecção Hospitalar. 13 Consultar o Módulo Especial II sobre Higiene das mãos. Disponível no site >> Taguatinga > Controle de Infecção 14 Em geral, as luvas são as últimas a serem vestidas e as primeiras a serem retiradas, exceto se for reutilizar o capote. 15 Exposição ao álcool: friccionar deixar secar friccionar deixar secar friccionar deixar secar. 16

PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES.

PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES. PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES. Francisco Eugênio Deusdará de Alexandria e Mestre em Genética e Toxicologia Aplicada Qualquer alteração do padrão de resposta ao tratamento usual de uma

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010 Recomendações para prevenção e controle das enterobactérias produtoras

Leia mais

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Conceitos Básicos Organismo Vivo Conceitos Básicos Organismo Vivo

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

Medidas de Precaução

Medidas de Precaução Medidas de Precaução INFLUENZA A (H1N1) Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GGTES/Anvisa Medidas de Precaução Precaução Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

PRECAUÇÕES E ISOLAMENTOS. (Falhas na adesão ás práticas de prevenção)

PRECAUÇÕES E ISOLAMENTOS. (Falhas na adesão ás práticas de prevenção) PRECAUÇÕES E ISOLAMENTOS (Falhas na adesão ás práticas de prevenção) Transmissão de agentes infecciosos Podem ser encontrados: -Meio ambiente,ar, água e solo; -Utensílios; -Equipamentos; -Seres vivos -

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA: SUA IMPORTÂNCIA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA: SUA IMPORTÂNCIA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO ANÁLISE MICROBIOLÓGICA: SUA IMPORTÂNCIA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO MSC INES STRANIERI LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JULIO MULLER - HUJM UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO - UFMT

Leia mais

INFORME TÉCNICO Nº 01/2007 ASSUNTO: CONTROLE DE BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES

INFORME TÉCNICO Nº 01/2007 ASSUNTO: CONTROLE DE BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde- Controle de Infecção INFORME

Leia mais

PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar

PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Fev 2011 1 Como prevenir a disseminação de Enterobactérias

Leia mais

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar 1 Serviço de Controle de Infecção Hospitalar 2013-2014 1. COMPREENDENDO OS MICRORGANISMOS MULTIRRESISTENTES (MR) 2 A resistência microbiana é um fenômeno mundial, que ocorre de forma natural, onde os microrganismos

Leia mais

Relatório do I Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde

Relatório do I Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Relatório do I Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde I - RESUMO EXECUTIVO Responsáveis: - Adélia Aparecida Marçal dos Santos Gerência de

Leia mais

Precaução padrão e Isolamento

Precaução padrão e Isolamento Precaução padrão e Isolamento Precauções de Isolamento no Perioperatório Enf Dra.Valeska Stempliuk IEP/HSL Pontos importantes Modos de transmissão de patógenos Por que isolar? Quem deve saber que o paciente

Leia mais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Prof. Cláudio Galuppo Diniz Prof. Cláudio 1 Qualquer tipo de infecção adquirida

Leia mais

Higienização do Ambiente Hospitalar

Higienização do Ambiente Hospitalar Higienização do Ambiente Hospitalar Enfª Mirella Carneiro Schiavon Agosto/2015 O serviço de limpeza tem por finalidade preparar o ambiente de saúde para suas atividades, mantê-lo em ordem e conservar equipamentos

Leia mais

Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo?

Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo? 10 a Jornada de Controle de Infecção Hospitalar CCIH Hospital de Câncer de Barretos da Maternidade Sinhá Junqueira Ribeirão Preto, 29 e 30 de julho de 2005 Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo?

Leia mais

Doenças que necessitam de Precaução Aérea. TB pulmonar ou laríngea bacilífera Varicela / Herpes Zoster Sarampo

Doenças que necessitam de Precaução Aérea. TB pulmonar ou laríngea bacilífera Varicela / Herpes Zoster Sarampo O que isolar? Doenças que necessitam de Precaução Aérea TB pulmonar ou laríngea bacilífera Varicela / Herpes Zoster Sarampo TB pulmonar ou laríngea bacilífera Avaliação para TB Critérios para isolar Ser

Leia mais

ENTEROCOCCUS RESISTENTE A VANCOMICINA (VRE)

ENTEROCOCCUS RESISTENTE A VANCOMICINA (VRE) ENTEROCOCCUS RESISTENTE A VANCOMICINA (VRE) Profa Andréa d Avila Freitas CCIH-HUPE/UERJ Murray BE; N Engl J Med 2000;342:710-721 Características e tipos de resistência a Glicopeptídeos Característica Tipo

Leia mais

Limpeza Terminal e Concorrente de Isolamentos. Enfª Francyne Lopes Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus

Limpeza Terminal e Concorrente de Isolamentos. Enfª Francyne Lopes Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus Limpeza Terminal e Concorrente de Isolamentos Enfª Francyne Lopes Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus O Controle de Infecção e a Limpeza Ambiental Histórico Guerra da Criméia

Leia mais

Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT

Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT Informações do Sistema de Notificação Estadual de Infecções Hospitalares de Mato Grosso Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT Indicadores de IH Sistema

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA INFECÇÃO As infecções são doenças que envolvem bactérias, fungos, vírus ou protozoários e sua proliferação pode ser vista quando o paciente tem os sintomas,

Leia mais

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Recomendações para higienização das mãos em serviços de saúde.

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Recomendações para higienização das mãos em serviços de saúde. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Recomendações para higienização das mãos em serviços de saúde. São quatro as formas de higienização das mãos nos serviços de saúde: 1.Higienização simples das

Leia mais

Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle *

Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, dezembro de 2010. Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle * Embora o controle

Leia mais

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC 1- Introdução O propósito das Metas Internacionais de Segurança do Paciente é promover melhorias específicas

Leia mais

Procedimento da Higiene das Mãos

Procedimento da Higiene das Mãos HIGIENE DAS MÃOS Pág. 1/7 Objetivo Melhorar as práticas de higiene das mãos dos profissionais de saúde. Reduzir a transmissão cruzada de microrganismos patogénicos. Âmbito Todos os serviços clínicos e

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade PROTOCOLO: Limpeza concorrente e terminal do leito, cortinas, mobiliários e equipamentos hospitalares

Sistema de Gestão da Qualidade PROTOCOLO: Limpeza concorrente e terminal do leito, cortinas, mobiliários e equipamentos hospitalares Página: 1/9 INTRODUÇÃO: A limpeza e a desinfecção de superfícies são elementos que propiciam segurança e conforto aos pacientes, profissionais e familiares nos serviços de saúde. Colabora também para o

Leia mais

PROTOCOLOS DE SEGURANÇA. Cícero Andrade DO PACIENTE

PROTOCOLOS DE SEGURANÇA. Cícero Andrade DO PACIENTE PROTOCOLOS DE SEGURANÇA Cícero Andrade DO PACIENTE Finalidade Instituir e promover a higiene das mãos nos serviços de saúde do país com o intuito de prevenir e controlar as infecções relacionadas à assistência

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

Recomendações para Prevenção e Controle de Infecção por Microrganismos Multirresistentes

Recomendações para Prevenção e Controle de Infecção por Microrganismos Multirresistentes Recomendações para Prevenção e Controle de Infecção por Microrganismos Multirresistentes Serviço de Controle de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde 2015 Elizabeth Alves Salgado Diretor Técnico de

Leia mais

II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL

II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL 1 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO... 3 II - NOTIFICAÇÃO... 3 1. Vigilância / Requerimentos...

Leia mais

Impacto de novas instalações na incidência de infecção hospitalar. Filipe Macedo Enf.º GCL-PPCIRA (Hospital Vila Franca de Xira)

Impacto de novas instalações na incidência de infecção hospitalar. Filipe Macedo Enf.º GCL-PPCIRA (Hospital Vila Franca de Xira) Impacto de novas instalações na incidência de infecção hospitalar Filipe Macedo Enf.º GCL-PPCIRA (Hospital Vila Franca de Xira) O Hospital Hoje Um novo edifício Novas capacidades Bloco Operatório, UCI,

Leia mais

Precauções Padrão. Precaução Padrão

Precauções Padrão. Precaução Padrão Precauções Padrão Precaução Padrão Por todos os profissionais para todos os pacientes, na presença de risco de contato com sangue; fluidos corpóreos, secreções e excreções (exceção: suor); pele com solução

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS E PRECAUÇÕES. Bianca Fonseca Abril 2013

HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS E PRECAUÇÕES. Bianca Fonseca Abril 2013 HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS E PRECAUÇÕES Bianca Fonseca Abril 2013 Primeiro Desafio Global para Segurança do Paciente 2005 Portaria de segurança metas internacionais de segurança Por que higienizar as mãos?

Leia mais

Dra. Thaís Guimarães

Dra. Thaís Guimarães Dra. Thaís Guimarães ANTIMICROBIANOS Produtos capazes de destruir microorganismos ou de suprimir sua multiplicação ou crescimento. Antibióticos = produzidos por microorganismos Quimioterápicos = sintetizados

Leia mais

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola?

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola? Segue abaixo, uma série de perguntas e respostas elaboradas pela GGTES (com base em questionamentos enviados pelos estados), a fim de esclarecer dúvidas e complementar alguns pontos da Nota Técnica nº

Leia mais

Medidas de precaução e controle a serem adotadas na assistência a pacientes suspeitos de infecção por influenza A (H1N1)

Medidas de precaução e controle a serem adotadas na assistência a pacientes suspeitos de infecção por influenza A (H1N1) Medidas de precaução e controle a serem adotadas na assistência a pacientes suspeitos de infecção por influenza A (H1N1) I Introdução Com o aumento do número de casos de influenza A (H1N1), o que gerou

Leia mais

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS ASSEPSIA E CONTROLE DE INFECÇÃO Prof. MARCELO ALESSANDRO RIGOTTI LICENCIADO EM ENFERMAGEM e ESPECIALISTA EM CONTROLE DE INFEÇÃO Mestrando pela Escola de Enfermagem

Leia mais

PREVALÊNCIA MICROBIANA EM DIVERSAS AMOSTRAS CLÍNICAS OBTIDAS DE PACIENTES DO CTI DE UM HOSPITAL MILITAR

PREVALÊNCIA MICROBIANA EM DIVERSAS AMOSTRAS CLÍNICAS OBTIDAS DE PACIENTES DO CTI DE UM HOSPITAL MILITAR PREVALÊNCIA MICROBIANA EM DIVERSAS AMOSTRAS CLÍNICAS OBTIDAS DE PACIENTES DO CTI DE UM HOSPITAL MILITAR Cecília Santana Bala Pereira Discente do Curso de Farmácia da Universidade Severino Sombra, Vassouras/RJ,

Leia mais

Resultados de 5 anos da Estratégia Multimodal, para melhoria da Higiene das Mãos. Elaine Pina Elena Noriega DGS/DQS/DGQ/PPCIRA

Resultados de 5 anos da Estratégia Multimodal, para melhoria da Higiene das Mãos. Elaine Pina Elena Noriega DGS/DQS/DGQ/PPCIRA Resultados de 5 anos da Estratégia Multimodal, para melhoria da Higiene das Mãos Elaine Pina Elena Noriega DGS/DQS/DGQ/PPCIRA 5 de maio de 2014 Iniciativa da OMS: Desafio Mundial para a Segurança do Doente

Leia mais

O desafio é A Segurança do Paciente

O desafio é A Segurança do Paciente O desafio é A Segurança do Paciente CAISM - Fevereiro de 2011: Implantação do Segundo Desafio Global Cirurgias Seguras Salvam Vidas Profª Drª Roseli Calil Enfº Adilton Dorival Leite Conhecendo um pouco

Leia mais

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) 1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) ATUALIZAÇÃO: VERSÃO 11-27 DE OUTUBRO DE 2014 7.2.1. Introdução A detecção de casos suspeitos de

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 enfermeira, 01 farmacêutica e 01 infectologista e consultoresrepresentantes

Leia mais

Limpeza de Áreas Críticas e Isolamentos. Enfª Francyne Lopes Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus

Limpeza de Áreas Críticas e Isolamentos. Enfª Francyne Lopes Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus Limpeza de Áreas Críticas e Isolamentos Enfª Francyne Lopes Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus Agenda... Histórico controle de infecção e higienização do ambiente Permanência

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. Higienização das Mãos

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. Higienização das Mãos COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR *Definição: Higienização das Mãos Lavagem das mãos é a fricção manual vigorosa de toda superfície das mãos e punhos,

Leia mais

Microbiologia no controlo e prevenção de IACS. Valquíria Alves Viana do Castelo 2014

Microbiologia no controlo e prevenção de IACS. Valquíria Alves Viana do Castelo 2014 Microbiologia no controlo e prevenção de IACS Valquíria Alves Viana do Castelo 2014 Microbiologia: Componente essencial em qualquer Programa de Controlo de Infecção PPCIRA 2013 Clinical Microbiology and

Leia mais

Antibioticoterapia NA UTI. Sammylle Gomes de Castro PERC 2015.2

Antibioticoterapia NA UTI. Sammylle Gomes de Castro PERC 2015.2 Antibioticoterapia NA UTI Sammylle Gomes de Castro PERC 2015.2 O uso racional de Antimicrobianos 1) Qual antibiótico devo escolher? 2) Antibióticos dão reações alérgicas? 3) Vírus fica bom com antibiótico?????????

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLO DE STAPHYLOCOCCUS AUREUS COM RESISTÊNCIA À METICILINA (MRSA) NA UNIDADE LOCAL DE SAÚDE DE MATOSINHOS, EPE (ULSM)

POLÍTICA DE CONTROLO DE STAPHYLOCOCCUS AUREUS COM RESISTÊNCIA À METICILINA (MRSA) NA UNIDADE LOCAL DE SAÚDE DE MATOSINHOS, EPE (ULSM) POLÍTICA DE CONTROLO DE STAPHYLOCOCCUS AUREUS COM RESISTÊNCIA À METICILINA (MRSA) NA UNIDADE LOCAL DE SAÚDE DE MATOSINHOS, EPE (ULSM) Isabel Neves Trabalho desenvolvido pela CCI e S. Patologia Clínica

Leia mais

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola)

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Por orientação do Ministério da Saúde o transporte terrestre do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola), será realizado pelo

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS Novembro de 2009 PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS ÍNDICE Pág. I. INTRODUÇÃO... 2 II. ENQUADRAMENTO...

Leia mais

USAR OS ANTIBIÓTICOS DE FORMA RESPONSÁVEL

USAR OS ANTIBIÓTICOS DE FORMA RESPONSÁVEL INFORMAÇÃO PARA O PÚBLICO SOBRE O DIA EUROPEU DOS ANTIBIÓTICOS O Dia Europeu dos Antibióticos terá lugar no dia 18 de Novembro de 2009. Este dia tem por objectivo proporcionar uma oportunidade de sensibilização

Leia mais

GERENCIANDO O HOME CARE Utilizando os indicadores de desempenho para a melhor tomada de decisão. CONTROLE DE INFECÇÃO DOMICILIAR

GERENCIANDO O HOME CARE Utilizando os indicadores de desempenho para a melhor tomada de decisão. CONTROLE DE INFECÇÃO DOMICILIAR GERENCIANDO O HOME CARE Utilizando os indicadores de desempenho para a melhor tomada de decisão. CONTROLE DE INFECÇÃO DOMICILIAR Dra Carla Guerra Médica Infectologista Pronep-SP Patrocínio: Realização:

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Os acidentes de trabalho com material biológico e/ou perfurocortante apresentam alta incidência entre

Leia mais

PERIODICIDADE: NA OCORRÊNCIA DE ÓBITO. RESULTADOS ESPERADOS:

PERIODICIDADE: NA OCORRÊNCIA DE ÓBITO. RESULTADOS ESPERADOS: GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA CONCEIÇÃO NÚCLEO DE APOIO TÉCNICO DA GERÊNCIA ADMINISTRATIVA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRÃO MORGUE TAREFA: Remoção de pacientes obitados para o Morgue.

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 O Hospital realiza uma combinação complexa de atividades especializadas, onde o serviço de Higienização e Limpeza ocupam um lugar de grande importância. Ao se entrar em um

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

Protocolo de Higienização de Mãos ISGH Página 1

Protocolo de Higienização de Mãos ISGH Página 1 Protocolo de Higienização de Mãos ISGH Página 1 ELABORAÇÃO Bráulio Matias de Carvalho - Médico Infectologista- ISGH Selma Furtado Magalhães - Gerente de Risco - ISGH COLABORADORES Jamile de Sousa Pacheco

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE DIÁLISE

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE DIÁLISE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS - CCD CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA "PROF. ALEXANDRE VRANJAC" DIVISÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH Código: PCIH. SCIH. 001 Versão: 1.0 Revisão: 00 Página: 1de 9 PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH 2013 Código: PCIH. SCIH. 001 Versão: 1.0 Revisão: 00 Página: 2de 9 Programa de Atividades

Leia mais

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação 1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação hospitalar (desde que não incubada previamente à internação)

Leia mais

Princípios de Assepsia

Princípios de Assepsia Princípios Científicos da Intervenção de Enfermagem Relacionados à Assepsia Enfa. Esp. Renata Romualdo Princípios de Assepsia 1 Áreas Críticas: Princípios de Assepsia Ambientes que abrigam procedimentos

Leia mais

PROTOCOLO PARA A PRÁTICA DE HIGIENE DAS MÃOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE

PROTOCOLO PARA A PRÁTICA DE HIGIENE DAS MÃOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE PROTOCOLO PARA A PRÁTICA DE HIGIENE DAS MÃOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE DESAFIOS GLOBAIS: PRIMEIRO DESAFIO - 2005: Uma Assistência Limpa, é uma Assistência mais Segura (prevenção e redução de IRAS). Fonte imagem:

Leia mais

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA CONCEITO A Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAV) é infecção diagnosticada após 48h de ventilação mecânica até a sua suspensão. ETIOLOGIA Tabela 1. Microorganismos

Leia mais

Técnica de higienização simples das mãos/higienização antisséptica das mãos

Técnica de higienização simples das mãos/higienização antisséptica das mãos HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS Objetivos: As mãos constituem a principal via de transmissão de microrganismos durante a assistência prestada aos pacientes, pois a pele é um reservatório natural de diversos microrganismos

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 Medidas de prevenção: Higienizar as mãos com água e sabonete/sabão antes

Leia mais

LIMPEZA. Maria da Conceição Muniz Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ)

LIMPEZA. Maria da Conceição Muniz Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ) LIMPEZA Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem (UERJ) A limpeza é um dos elementos eficaz nas medidas de controle para romper a cadeia epidemiológica das infecções. Ela constitui um fator

Leia mais

Medidas de Controle e Prevenção da Infecção

Medidas de Controle e Prevenção da Infecção Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Protocolos Influenza A (H1N1) Medidas de Controle e Prevenção da Infecção Porta

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOCIÊNCIAS APLICADAS À FARMÁCIA Perfil de Sensibilidade de Staphylococcus aureus e conduta terapêutica em UTI adulto de Hospital Universitário

Leia mais

CENTRO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER Doc. nº. CAISM/ONCO24 Área de Oncologia Enfermaria de Oncologia Página 1 de 12

CENTRO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER Doc. nº. CAISM/ONCO24 Área de Oncologia Enfermaria de Oncologia Página 1 de 12 Área de Oncologia Enfermaria de Oncologia Página 1 de 12 O aparecimento de novas síndromes infecciosas, o surgimento de germes multirresistentes e o conhecimento da transmissibilidade das doenças comunitárias

Leia mais

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho Oncologia Aula 3: Legislação específica Profa. Camila Barbosa de Carvalho Legislações importante em oncologia - RDC n o. 220/2004 - RDC n o. 67/2007 - RDC n o. 50/2002 - RDC n o. 306/2004 - NR 32/2005

Leia mais

Segurança do Paciente - OMS

Segurança do Paciente - OMS COMPROMISSO MUNDIAL DE HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS: SALVE VIDAS HIGIENIZE SUAS MÃOS, CUIDADO LIMPO É CUIDADO SEGURO Hospital da Mulher CAISM / UNICAMP Aliança Mundial Para a Segurança do Paciente - OMS A World

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

MONITORAMENTO DA HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS: UM DESAFIO NA SEGURANÇA DO PACIENTE. Simone Moreira Esp. Prevenção e Controle de Infecção Mestre em Avaliação

MONITORAMENTO DA HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS: UM DESAFIO NA SEGURANÇA DO PACIENTE. Simone Moreira Esp. Prevenção e Controle de Infecção Mestre em Avaliação MONITORAMENTO DA HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS: UM DESAFIO NA SEGURANÇA DO PACIENTE Simone Moreira Esp. Prevenção e Controle de Infecção Mestre em Avaliação Segurança do Paciente Anos 50 e 60: estudos sobre eventos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER SERVIÇO DE CONTROLE INFECÇAO HOSPITALAR. Higienização das Mãos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER SERVIÇO DE CONTROLE INFECÇAO HOSPITALAR. Higienização das Mãos UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER SERVIÇO DE CONTROLE INFECÇAO HOSPITALAR SCIH Higienização das Mãos Introdução As infecções relacionadas à assistência à saúde constituem

Leia mais

PRECAUÇÕES NO SERVIÇO

PRECAUÇÕES NO SERVIÇO PRECAUÇÕES NO SERVIÇO CCIH DE SAÚDE Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro A disseminação de infecção dentro do hospital depende de três elementos: uma fonte

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 Enfermeira, 01 Farmacêutica e 01 Medico Infectologista e consultores-representantes

Leia mais

Forma farmacêutica e apresentação Suspensão otológica - Embalagem contendo 5 ml de suspensão acompanhado de conta-gotas.

Forma farmacêutica e apresentação Suspensão otológica - Embalagem contendo 5 ml de suspensão acompanhado de conta-gotas. Otociriax ciprofloxacino hidrocortisona Forma farmacêutica e apresentação Suspensão otológica - Embalagem contendo 5 ml de suspensão acompanhado de conta-gotas. USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 1 ANO.

Leia mais

AVALIAÇÃO CLÍNICA E MICROBIOLÓGICA DE ÚLCERAS VENOSAS DE PACIENTES ATENDIDOS EM SALAS DE CURATIVOS DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DE GOIÂNIA (GO) *

AVALIAÇÃO CLÍNICA E MICROBIOLÓGICA DE ÚLCERAS VENOSAS DE PACIENTES ATENDIDOS EM SALAS DE CURATIVOS DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DE GOIÂNIA (GO) * AVALIAÇÃO CLÍNICA E MICROBIOLÓGICA DE ÚLCERAS VENOSAS DE PACIENTES ATENDIDOS EM SALAS DE CURATIVOS DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DE GOIÂNIA (GO) * Silvana de Lima Vieira dos SANTOS¹ ; Maria Márcia BACHION¹

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA DOS MECANISMOS DE RESISTÊNCIA NAS INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE CAUSADAS POR ENTEROBACTÉRIAS

PLANO DE CONTINGÊNCIA DOS MECANISMOS DE RESISTÊNCIA NAS INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE CAUSADAS POR ENTEROBACTÉRIAS 1 PLANO DE CONTINGÊNCIA DOS MECANISMOS DE RESISTÊNCIA NAS INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE CAUSADAS POR ENTEROBACTÉRIAS Controle e prevenção da disseminação e propagação de mecanismos de resistência

Leia mais

CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO

CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO 13/04/2009 Levantamento inédito sobre a situação do controle da infecção hospitalar realizado pelo Conselho Regional

Leia mais

Antimicrobianos: onde estamos e para onde vamos?

Antimicrobianos: onde estamos e para onde vamos? Antimicrobianos: onde estamos e para onde vamos? Dra. Vanessa Schultz Médica Infectologista Especialização em Gestão de Risco Hospitalar Coordenadora do SCIH do Hospital Mãe de Deus Canoas Não possuo;

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Pelo presente termo de compromisso, de um lado a Secretaria de Estado da Saúde do Estado do Rio de Janeiro/ Fundo Estadual de Saúde, com endereço

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA IRAS As infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) consistem em eventos adversos ainda persistentes nos

Leia mais

Situação Epidemiológica da Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Dra Walria Toschi S/SUBPAV/SVS/CVE/GVDATA

Situação Epidemiológica da Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Dra Walria Toschi S/SUBPAV/SVS/CVE/GVDATA Situação Epidemiológica da Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Dra Walria Toschi S/SUBPAV/SVS/CVE/GVDATA Rio de Janeiro 11 de novembro de 2014 Epidemiologia O vírus Ebola foi identificado pela primeira vez em

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE POR UNIDADE GERADORA E A SEGREGAÇÃO DOS RESÍDUOS POR GRUPO.

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE POR UNIDADE GERADORA E A SEGREGAÇÃO DOS RESÍDUOS POR GRUPO. 1 Unidade ou serviço Descrição do Resíduo Grupo Estado -Secreções, excreções, e outros fluidos orgânicos. -Recipientes e materiais resultantes do processo de assistência à saúde, que não contenha sangue

Leia mais

PROTOCOLO HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS

PROTOCOLO HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS 1 páginas É um termo geral que se aplica às atividades de lavar as mãos ou friccioná-las com álcool gel. Essa higiene é considerada a medida mais eficaz para evitar a disseminação de infecções. PARA QUE

Leia mais

Sistema INERCO. Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias

Sistema INERCO. Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias Sistema INERCO Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias Sistema INERCO Instalação Ergonomia Controle de infecção Instalação O

Leia mais

Técnicas Básicas de Higienização Hospitalar. Validação da Limpeza do Ambiente

Técnicas Básicas de Higienização Hospitalar. Validação da Limpeza do Ambiente Técnicas Básicas de Higienização Hospitalar Validação da Limpeza do Ambiente Enfª Ms. Martiela Ribeiro Torres Borges Graduação em Enfermagem pela UFRGS Mestrado em Enfermagem pela UFRGS Enfermeira do Controle

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FREQÜÊNCIA E PERFIL DE SENSIBILIDADE DE MICRORGANISMOS ISOLADOS DE UROCULTURAS REALIZADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

AVALIAÇÃO DA FREQÜÊNCIA E PERFIL DE SENSIBILIDADE DE MICRORGANISMOS ISOLADOS DE UROCULTURAS REALIZADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 27 AVALIAÇÃO DA FREQÜÊNCIA E PERFIL DE SENSIBILIDADE DE MICRORGANISMOS ISOLADOS DE UROCULTURAS REALIZADAS EM UM HOSPITAL

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR Enf.ª Fabiane da Silva SCIH HCAN/MT ccih@hcancer.com.br Histórico da Higienização Hospitalar... Florence Nigthingale em 1854, revolucionou a forma de se pensar e planejar os hospitais.

Leia mais

INFORME TÉCNICO SOBRE A GRIPE CAUSADA PELO VÍRUS INFLUENZA A/H1N1

INFORME TÉCNICO SOBRE A GRIPE CAUSADA PELO VÍRUS INFLUENZA A/H1N1 INFORME TÉCNICO SOBRE A GRIPE CAUSADA PELO VÍRUS INFLUENZA A/H1N1 As características do vírus da influenza A (H1N1) e seu comportamento nos diversos países, o definem como de altíssima importância para

Leia mais

Implementação das Precauções Básicas de Prevenção e Controlo de Infeção e das Resistências aos Antimicrobianos. Maria Goreti Silva DGS/DQS/DGQ/PPCIRA

Implementação das Precauções Básicas de Prevenção e Controlo de Infeção e das Resistências aos Antimicrobianos. Maria Goreti Silva DGS/DQS/DGQ/PPCIRA Implementação das Precauções Básicas de Prevenção e Controlo de Infeção e das Resistências aos Antimicrobianos Maria Goreti Silva DGS/DQS/DGQ/PPCIRA 29 de Novembro de 2013 Questão de base As Precauções

Leia mais

2. Contra indicações relativas: Pacientes hemodinamicamente instáveis e cirurgias urológicas.

2. Contra indicações relativas: Pacientes hemodinamicamente instáveis e cirurgias urológicas. Revisão: 10/07/2013 PÁG: 1 CONCEITO Prática de higiene destinada a identificar pacientes em risco de desenvolver infecção da genitália, do trato urinário ou do trato reprodutivo e assegurar conforto físico.

Leia mais

Estabelecimentos de Saúde/Infec

Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Ana Luiza Rammé Ana Carolina Kraemer Roberta

Leia mais

Plano de Contingência de Saúde Pública de Portos

Plano de Contingência de Saúde Pública de Portos Plano de Contingência de Saúde Pública de Portos Gerência Geral de Instalações e Serviços de Interesse Sanitário, Meios de Transporte e Viajantes em Portos, Aeroportos e Fronteiras 18 e 19 de junho de

Leia mais

CCIH COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

CCIH COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR CCIH COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Prof. Grasiele Busnello LEI nº 9.431 de 06 de janeiro de 1997 Dispõe sobre a obrigatoriedade da manutenção de programa de Controle de Infecções Hospitalares.

Leia mais

A BACTÉRIA KPC: SUA CONTAMINAÇÃO E ALGUNS FATORES PREVENTIVOS

A BACTÉRIA KPC: SUA CONTAMINAÇÃO E ALGUNS FATORES PREVENTIVOS A BACTÉRIA KPC: SUA CONTAMINAÇÃO E ALGUNS FATORES PREVENTIVOS RESUMO Diego Terada de Oliveira 1 Rodrigo Barretto Vila 2 A respectiva abordagem visa discorrer sobre a importância de conhecermos as características

Leia mais

Limpeza e Desinfecção

Limpeza e Desinfecção Limpeza e Desinfecção Instrutora: Enf. Dr. Thaís S Guerra Stacciarini Conteúdo Limpeza e desinfecção LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE UNIDADE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DO POSTO DE ENFERMAGEM CONCORRENTE TERMINAL LIMPEZA

Leia mais

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar Enfª. Viviane Silvestre O que é Home Care? Metas Internacionais de Segurança do Paciente Metas Internacionais

Leia mais