Biossegurança RISCOS BIOLOGICOS. UNISC Departamento de Biologia e Farmácia Prof. Jane Renner

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Biossegurança RISCOS BIOLOGICOS. UNISC Departamento de Biologia e Farmácia Prof. Jane Renner"

Transcrição

1 Biossegurança RISCOS BIOLOGICOS UNISC Departamento de Biologia e Farmácia Prof. Jane Renner

2 Risco biológico Definição Agente de origem biológica que possui a capacidade de produzir efeitos deletérios em humanos, tais como: toxinas, microorganismos, e alérgenos derivados destes organismos.

3 Biossegurança O trabalho laboratorial executado de forma adequada e bem planejada previne a exposição indevida a agentes considerados de risco à saúde e evitando acidentes BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO

4 Tipos de Riscos

5

6 Riscos biológicos Amostras provenientes de seres vivos: plantas, animais, bactérias, leveduras, fungos, parasitas bactérias fungos

7 Riscos biológicos Amostras provenientes de animais e seres humanos: sangue, urina, escarro, secreções, derrames cavitários, peças cirúrgicas, peças cirúrgicas, biópsias, entre outras.

8 Riscos Biológicos NB-1 Nível de Biossegurança 1: microorganismo suscetíveis de causar enfermidades no homem e em animais. O Nível de Biossegurança 1 representa um nível básico de contenção que se baseia nas práticas padrões de microbiologia sem uma indicação de barreiras primárias ou secundárias, com exceção de uma pia para a higienização das mãos.

9

10 Riscos Biológicos NB-2 Nível de Biossegurança 2: Microorganismos capazes de provocar enfermidades no homem e em animais. O vírus da hepatite B, o HIV, a salmonela e o Toxoplasma spp. são exemplos de microorganismos designados para este nível de contenção. O Nível de Biossegurança 2 é adequado para qualquer trabalho que envolva sangue humano, líquidos corporais, tecidos ou linhas de células humanas primárias onde a presença de um agente infeccioso pode ser desconhecido.

11 Riscos Biológicos NB-2 Nível de Biossegurança 2: barreiras primárias: escudos para borrifos, proteção facial, aventais e luvas devem ser utilizados de maneira adequada. Cabine de segurança biológica As barreiras secundárias pias para higienização das mãos e instalações para descontaminação de lixo devem existir com o objetivo de reduzir a contaminação potencial do meio ambiente.

12

13 Riscos Biológicos NB-3 Nível de Biossegurança 3: microorganismo capazes de provocar enfermidades graves no homem e em animais. O Mycobacterium tuberculosis, é um exemplo de microorganismo determinado para este nível. Os riscos primários causados aos trabalhadores que lidam com estes agentes incluem a autoinoculação, a ingestão e a exposição aos aerossóis infecciosos.

14 Riscos Biológicos NB-3 Nível de Biossegurança 3: Todas as manipulações laboratoriais deverão ser realizadas em uma CSB (Cabine de Segurança Biológica) ou em um outro equipamento de contenção como uma câmara hermética de geração de aerossóis. As barreiras secundárias para esse nível incluem o acesso controlado ao laboratório e sistemas de ventilação que minimizam a liberação de aerossóis infecciosos do laboratório.

15

16 Riscos Biológicos NB-4 Nível de Biossegurança 4: microorganismo capazes de provocar enfermidades graves no homem e em animais, representando grande risco para os trabalhadores de saúde, sendo alto o risco de transmissibilidade na comunidade. Ex: vírus ebola, influenza mutante

17 Riscos Biológicos NB-4 Nível Biossegurança 4: de O completo isolamento dos trabalhadores de laboratórios em relação aos materiais infecciosos aerossolizados é realizado primariamente em cabines de segurança biológica Classe III ou com um macacão individual suprido com pressão de ar positivo.

18 Equipamentos de proteção

19 Equipamentos de proteção EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) AVENTAL LUVAS MASCARAS OCULOS NR 66 --MTE

20 Equipamentos de proteção EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO COLETIVA: Capelas Chuveiro Pias Lava-olhos NR 66 --MTE

21 Equipamentos de Proteção coletiva Cabine Química Exaustão Janela de Proteção Bancada revestida com material resistente Pia com água corrente Manuseio de material concentrado, corrosivo, volátil, irritante.

22 Equipamentos de Proteção coletiva Cabine de Fluxo Laminar Manuseio de material biológico Filtro tipo Hepa Bancada de aço inox Janela de proteção Não aconselhável manuseio de substância química concentrada, volátil, corrosiva, ácida

23 Equipamentos de proteção coletiva O chuveiro e lava olhos deve ser testado toda a semana para garantir seu funcionamento No lava olhos a água deve ser filtrada Pressão da água deve ser de 30 psi

24 BIOSSEGURANÇA EM LABORATÓRIOS DE PESQUISA: BOAS PRÁTICAS LABORATORIAIS (BPL)

25 Biossegurança em laboratórios Conhecimento Educação Bom senso Responsabilidade Comprometimento Cobrança

26 Boas práticas Descontaminar as superfícies de trabalho antes e após o uso. O jaleco de trabalho deve permanecer sempre dentro do laboratório e ser higienizado com freqüência. Boas práticas laboratoriais.

27 Boas práticas Ao transportar materiais líquidos ou semi-líquidos, acondicioná-los em recipiente fechado Organizar protocolos e materiais antes das tarefas Evitar trabalhar sozinho(a) Não atender o telefone ou abrir portas usando luvas descartáveis Não utilizar mais do que um equipamento em uma mesma tomada

28 Boas práticas Não cheirar nem provar qualquer produto químico Quando for trabalhar, manter a bancada livre de cadernos, livros ou qualquer material que não faça parte da tarefa Evitar que a chama permaneça acesa durante muito tempo dentro da cabine de segurança biológica

29 Boas práticas

30 Boas práticas Lavar as mãos antes e depois de trabalhar no laboratório.

31 Boas práticas Evitar respingos, geração de aerossóis, derramamentos e contaminações Ter protocolos de segurança parra cada caso!!

32 Boas práticas Limpeza e organização Limpeza no horário de trabalho!!

33 Boas práticas Geração e segregação de resíduos

34 Boas práticas

35 Boas práticas Procedimento correto Profissional manipulando centrífuga com uso de equipamentos de proteção individual: óculos protetores, luvas, máscara e guarda-pó

36 Boas práticas Jamais manipule vidro quebrado diretamente com as mãos. Ao descartá-lo, envolva-o em papel ou papelão de forma a evitar eventual acidente no ato da coleta do lixo. Diferencie vidro quebrado de vidro contamindao

37 A lembrança do bom senso

38 Lei de Murrphy Se existe a mínima ou remota possibilidade de alguma coisa dar errado, dará.

BIOSSEGURANÇA Conceitos e Requisitos do Guia de Boas Práticas da OCDE e ligação com requisitos da ABNT NBR ISO/IEC 17025 e ABNT ISO Guia 34

BIOSSEGURANÇA Conceitos e Requisitos do Guia de Boas Práticas da OCDE e ligação com requisitos da ABNT NBR ISO/IEC 17025 e ABNT ISO Guia 34 Conceitos e Requisitos do Guia de Boas Práticas da OCDE e ligação com requisitos da ABNT NBR ISO/IEC 17025 e ABNT ISO Guia 34 Fernanda Sabagh A origem do conceito Década de 70 na Califórnia inicia uma

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

Meio Ambiente e Gerenciamento de Resíduos em. Eng. Maria Fernanda S.S. Mattos fernanda@cfhr.epm.br Núcleo de Proteção Radiológica da UNIFESP

Meio Ambiente e Gerenciamento de Resíduos em. Eng. Maria Fernanda S.S. Mattos fernanda@cfhr.epm.br Núcleo de Proteção Radiológica da UNIFESP Meio Ambiente e Gerenciamento de Resíduos em Laboratórios rios Clínicos Eng. Maria Fernanda S.S. Mattos fernanda@cfhr.epm.br Núcleo de Proteção Radiológica da UNIFESP A segurança nas atividades laboratoriais

Leia mais

O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO PELOS ALUNOS E TÉCNICOS DA FACULDADE NOVAFAPI

O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO PELOS ALUNOS E TÉCNICOS DA FACULDADE NOVAFAPI O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO PELOS ALUNOS E TÉCNICOS DA FACULDADE NOVAFAPI Francisca Miriane de Araújo- NOVAFAPI Lorena Bezerra Barros- NOVAFAPI Marcela de Lacerda Valença- NOVAFAPI Márcio Edivandro

Leia mais

BIOSSEGURANÇA EM LABORATÓRIOS DE PESQUISA: EPI, EPC

BIOSSEGURANÇA EM LABORATÓRIOS DE PESQUISA: EPI, EPC Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Microbiologia e Parasitologia BIOSSEGURANÇA EM LABORATÓRIOS DE PESQUISA: EPI, EPC Edmundo C. Grisard Universidade Federal de Santa Catarina Legislação

Leia mais

Líquidos e sólidos manipulados. Não deve ocorrer: Contaminação entre materiais Contaminação da equipe de trabalho/pesquisa Equipamentos Meio ambiente

Líquidos e sólidos manipulados. Não deve ocorrer: Contaminação entre materiais Contaminação da equipe de trabalho/pesquisa Equipamentos Meio ambiente Fontes de contaminação ou riscos Líquidos e sólidos manipulados Não deve ocorrer: Contaminação entre materiais Contaminação da equipe de trabalho/pesquisa Equipamentos Meio ambiente Precauções Padrão Precauções

Leia mais

Profa. Songeli Menezes Freire Profa. Maria Teresita Bendicho

Profa. Songeli Menezes Freire Profa. Maria Teresita Bendicho Profa. Songeli Menezes Freire Profa. Maria Teresita Bendicho Proteção Individualnas operações com riscos* diversos ao analista e ao grupo em ambiente de trabalho EPI/DPI é considerado o equipamento ou

Leia mais

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA (EPCs) E EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPIs)

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA (EPCs) E EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPIs) EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA (EPCs) E EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPIs) EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL O que são? Para que usá-los? - Proteção do contato com agentes infecciosos e substâncias

Leia mais

Biossegurança no uso de Cabine de Segurança Biológica no. manuseio de substâncias químicas, drogas e radioisótopos.

Biossegurança no uso de Cabine de Segurança Biológica no. manuseio de substâncias químicas, drogas e radioisótopos. Biossegurança no uso de Cabine de Segurança Biológica no manuseio de substâncias químicas, drogas e radioisótopos. Francelina Helena Alvarenga Lima e Silva, M.Sc. 1 As Cabines de Segurança Biológicas (CSB)

Leia mais

BIOSSEGURANÇA. com ênfase na RDC ANVISA 302. Prof. Archangelo P. Fernandes

BIOSSEGURANÇA. com ênfase na RDC ANVISA 302. Prof. Archangelo P. Fernandes BIOSSEGURANÇA com ênfase na RDC ANVISA 302 Prof. Archangelo P. Fernandes BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento Conhecimento

Leia mais

MÓDULO PRÁTICO. Curso de Actualização sobre Diagnóstico da Infecção HIV-SIDA 11 Nov 2010

MÓDULO PRÁTICO. Curso de Actualização sobre Diagnóstico da Infecção HIV-SIDA 11 Nov 2010 MÓDULO PRÁTICO 11 Nov 2010 MÓDULO PRÁTICO Quirina dos Santos-Costa Pharm D, PhD Student Assistant Lecturer Unidade dos Retrovírus e Infecções Associadas - Centro de Patogénese Molecular Faculdade de Farmácia,

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL

NORMA PROCEDIMENTAL BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL 10.03.003 1/09 1. FINALIDADE Garantir que os princípios e normas de Biossegurança sejam implementados e seguidos permanentemente nos laboratórios e instalações do Hospital de Clínicas HC. 2. ÂMBITO DE

Leia mais

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola)

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Por orientação do Ministério da Saúde o transporte terrestre do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola), será realizado pelo

Leia mais

SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO I

SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO I ANEXO I BIOSSEGURANÇA NAS ATIVIDADES EXERCIDAS NA UNIDADE O Ministério da Saúde estabelece que para manipulação de microrganismos, devem ser atendidos alguns requisitos de segurança, conforme sua classe

Leia mais

Aula 04 - Equipamentos de proteção coletiva - EPC

Aula 04 - Equipamentos de proteção coletiva - EPC Equipamentos de Proteção Coletiva EPC O que são EPCs São equipamentos de contenção que possibilitam a proteção do trabalhador e do meio ambiente em uma determinada área. Devem estar instalados em locais

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NOCÕES BÁSICASB. Ione Pinto ioneppinto@hotmail.co m

BIOSSEGURANÇA NOCÕES BÁSICASB. Ione Pinto ioneppinto@hotmail.co m BIOSSEGURANÇA NOCÕES BÁSICASB Ione Pinto ioneppinto@hotmail.co m Definição de Biossegurança Conjunto de medidas voltadas para a prevenção ão, minimização ou eliminação de riscos inerentes as atividades

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE POR UNIDADE GERADORA E A SEGREGAÇÃO DOS RESÍDUOS POR GRUPO.

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE POR UNIDADE GERADORA E A SEGREGAÇÃO DOS RESÍDUOS POR GRUPO. 1 Unidade ou serviço Descrição do Resíduo Grupo Estado -Secreções, excreções, e outros fluidos orgânicos. -Recipientes e materiais resultantes do processo de assistência à saúde, que não contenha sangue

Leia mais

NORMAS BÁSICAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO DE QUÍMICA

NORMAS BÁSICAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO DE QUÍMICA NORMAS BÁSICAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO DE QUÍMICA NORMAS GERAIS O trabalho em laboratório exige concentração. Não converse desnecessariamente, nem distraia seus colegas. NORMAS PESSOAIS Adaptar-se

Leia mais

A) organização do laboratório e bancada; B)uso de EPI; C) uso de EPC; D)descontaminação:

A) organização do laboratório e bancada; B)uso de EPI; C) uso de EPC; D)descontaminação: Biossegurança Conjunto de medidas voltadas para prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às atividades de pesquisa, produção, ensino, desenvolvimento tecnológico e prestação de serviços

Leia mais

PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS

PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS Projetos que utilizem microorganismos (bactérias, vírus, viróides, fungos, parasitas, etc.), tecnologias com DNA recombinante (rdna) ou tecidos,

Leia mais

INSTITUTO MACAPAENSE DE ENSINO SUPERIOR IMMES COMISSÃO DE BIOSSEGURANÇA - CBioss

INSTITUTO MACAPAENSE DE ENSINO SUPERIOR IMMES COMISSÃO DE BIOSSEGURANÇA - CBioss INSTITUTO MACAPAENSE DE ENSINO SUPERIOR IMMES COMISSÃO DE BIOSSEGURANÇA - CBioss MANUAL DE BOAS PRÁTICAS: FORTALECENDO A BIOSSEGURANÇA NOS LABORATÓRIOS DO IMMES Macapá 2011 INTRODUÇÃO Biossegurança é uma

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

Resolução CONSEPE n o 0004/2005. Aprova o Manual de Biossegurança do Centro Universitário Filadélfia - UniFil

Resolução CONSEPE n o 0004/2005. Aprova o Manual de Biossegurança do Centro Universitário Filadélfia - UniFil Resolução CONSEPE n o 0004/2005 Aprova o Manual de Biossegurança do Centro Universitário Filadélfia - UniFil O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão do Centro Universitário Filadélfia, no uso de suas

Leia mais

Instrução Normativa CTNBio nº 6, de 28.02.97

Instrução Normativa CTNBio nº 6, de 28.02.97 Instrução Normativa CTNBio nº 6, de 28.02.97 Dispõe sobre as normas de classificação dos experimentos com vegetais geneticamente modificados quanto aos níveis de risco e de contenção. A COMISSÃO TÉCNICA

Leia mais

Bioquímicos, Auxiliares e Estagiários dos Setores de Microbiologia, Hematologia, Imunologia e Biologia Molecular do LAC - HNSC.

Bioquímicos, Auxiliares e Estagiários dos Setores de Microbiologia, Hematologia, Imunologia e Biologia Molecular do LAC - HNSC. 1. Identificação do Equipamento: Cabine de segurança biológica (CSB). Capela de exaustão (CE). POP: L 23 Página 1 de 5 1.1 Setor Alocado: Setores: Microbiologia, Imunologia, Biologia molecular. 1.3 Assistência

Leia mais

BIOSSEGURANÇA E NORMAS DE CONDUTA EM LABORATÓRIO

BIOSSEGURANÇA E NORMAS DE CONDUTA EM LABORATÓRIO BIOSSEGURANÇA E NORMAS DE CONDUTA EM LABORATÓRIO BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento Conhecimento 1 Cuidados necessários recomendados aos membros do setor e estudantes Conhecer a

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica NORMAS GERAIS PARA USO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CÂMPUS GOVERNADOR

Leia mais

BIOSSEGURANÇA em laboratórios

BIOSSEGURANÇA em laboratórios UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO BIOSSEGURANÇA em laboratórios Prof. Dr. Natalino Salgado Filho REITOR Prof. Dr. Antonio José Silva Oliveira VICE-REITOR Maria Elisa Cantanhede Lago Braga Borges PRÓ-REITORA

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: BIOSSEGURANÇA EM LABORATORIOS ANALITICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS AUTOR(ES):

Leia mais

Equipamento de Proteção Individual

Equipamento de Proteção Individual Equipamento de Proteção Individual NR 6 Equipamento de Proteção Individual De acordo com a NR-6 da Portaria nº 3214 de 8 de junho de 1978, do Ministério do Trabalho e Emprego, considera-se Equipamento

Leia mais

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco.

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. BIOSSEGURANÇA/RISCO S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. SIGLÁRIO ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CAT Comunicação de Acidente de Trabalho CDC Centro

Leia mais

O laboratório de pesquisa e seus riscos. Disciplina SFI5878 Biossegurançae Biocontençãoem Laboratórios

O laboratório de pesquisa e seus riscos. Disciplina SFI5878 Biossegurançae Biocontençãoem Laboratórios O laboratório de pesquisa e seus riscos. Disciplina SFI5878 Biossegurançae Biocontençãoem Laboratórios Risco em laboratório de pesquisa O laboratório de pesquisa apresenta diversos riscos derivados da

Leia mais

Acidentes com materiais perfurocortantes

Acidentes com materiais perfurocortantes Acidentes com materiais perfurocortantes Forma de transmissão: Oral-fecal Riscos biológicos Via respiratória (gotículas ou aérea) Contato Via sanguínea Alto risco Risco Intermediário Sem risco Sangue e

Leia mais

Ciência e Tecnologia Ambiental MANUAL DE BIOSSEGURANÇA

Ciência e Tecnologia Ambiental MANUAL DE BIOSSEGURANÇA Ciência e Tecnologia Ambiental MANUAL DE BIOSSEGURANÇA 2014 2 I. INTRODUÇÃO Este manual foi elaborado com o objetivo de levar aos usuários dos laboratórios de Ciências Tecnológicas e Ambientais informações

Leia mais

Biossegurança em Biotérios

Biossegurança em Biotérios Biossegurança em Biotérios Prof. André Silva Carissimi Faculdade de Veterinária UFGS Biossegurança é... o conjunto de ações a voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS DATA DE APROVAÇÃO: 31/08/2012 Página 1 de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Fabricado por Endereço Vedapac Laje Preto Lwart Química Telefone (14) 3269-5060 Fax (14) 3269-5003 email

Leia mais

Medidas de Precaução

Medidas de Precaução Medidas de Precaução INFLUENZA A (H1N1) Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GGTES/Anvisa Medidas de Precaução Precaução Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 30 DE ABRIL DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 30 DE ABRIL DE 2014. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS GOVERNADOR VALADARES CONSELHO ACADÊMICO Av. Minas Gerais, 5.189 - Bairro Ouro

Leia mais

SPANTA POMBO PASTILHA

SPANTA POMBO PASTILHA SPANTA POMBO PASTILHA CÓDIGO : 702 Páginas 1 de 5 01 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: Nome do produto... : SPANTA POMBO PASTILHA Fabricante... : INSETIMAX INDÚSTRIA QUÍMICA LTDA Endereço... : Rua Adelaide Zangrande

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Os acidentes de trabalho com material biológico e/ou perfurocortante apresentam alta incidência entre

Leia mais

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência.

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência. FISPQ- AMACIANTE MAIS Autorização ANVISA 3.03.374-7 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Amaciante Mais Tradicional Marca: Mais Código Interno do Produto: 06.01 Técnico Químico Responsável:

Leia mais

SEGURANÇA DO PROFISSIONAL

SEGURANÇA DO PROFISSIONAL SEGURANÇA DO PROFISSIONAL RISCO BIOLÓGICO Palestrante: Carolina Cardoso de Araujo Ferri Importância na Enfermagem Brasil: 1,5 milhões de profissionais São Paulo: 346.730 profissionais * Enfermeiros: 65.981

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS DATA DE APROVAÇÃO: 22/11/2011 Página 1 de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto LW Impercit Nome da empresa Lwart Química Ltda. Endereço Rodovia Marechal Rondon, Km 303,5, Lençóis Paulista-SP

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS DATA DE APROVAÇÃO: 31/08/2012 Página 1 de 6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Metrofix Fabricado por: Lwart Química Endereço Rodovia Marechal Rondon, Km 303,5, Lençóis Paulista-SP

Leia mais

Profa. Songeli Menezes Freire Profa. Maria Teresita Bendicho

Profa. Songeli Menezes Freire Profa. Maria Teresita Bendicho Profa. Songeli Menezes Freire Profa. Maria Teresita Bendicho Proteção Individualnas operações com riscos* diversos ao analista e ao grupo em ambiente de trabalho EPI/DPI é considerado o equipamento ou

Leia mais

DECAP AP Desincrustante Ácido

DECAP AP Desincrustante Ácido Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS DECAP AP Desincrustante Ácido 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Nome Comercial: Empresa: Desincrustante Ácido DECAP

Leia mais

NÍVEL DE BIOSSEGURANÇA 1

NÍVEL DE BIOSSEGURANÇA 1 NÍVEL DE BIOSSEGURANÇA 1 Nível de contenção laboratorial que se aplica aos laboratórios de ensino básico, onde são manipulados os microrganismos pertencentes a classe de risco 1. Não é requerida nenhuma

Leia mais

MANUAL DE BIOSSEGURANÇA LONDRINA PR

MANUAL DE BIOSSEGURANÇA LONDRINA PR MANUAL DE BIOSSEGURANÇA LONDRINA PR Organização Profa. Dra. Mirian Ribeiro Alves Agradecimentos Especiais à Comissão de Biossegurança do Centro Universitário Filadélfia Coordenação: Profa. Dra. Mirian

Leia mais

Precaução padrão e Isolamento

Precaução padrão e Isolamento Precaução padrão e Isolamento Precauções de Isolamento no Perioperatório Enf Dra.Valeska Stempliuk IEP/HSL Pontos importantes Modos de transmissão de patógenos Por que isolar? Quem deve saber que o paciente

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos Segurança Ocupacional

Gerenciamento de Resíduos Segurança Ocupacional Gerenciamento de Resíduos Segurança Ocupacional Maio / 2016 Eng. Jose Arnaldo Acidentes envolvendo produtos químicos Em 2014, ocorreram: Mais de 83.000 óbitos e 7,4 milhões de trabalhadores feridos decorrentes

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos (MSDS)

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos (MSDS) Página: 1/5 1 - Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: TEMED (N,N,N,N -Tetramethylenediamine) - Código de identificação do produto: 161-0800N - Nome da Empresa: BioAgency Biotecnologia

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO I NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS

SUMÁRIO CAPÍTULO I NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS 2 SUMÁRIO CAPÍTULO I NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS 1. INTRODUÇÃO... 5 2. OBJETIVOS... 5 3. PRINCÍPIOS DE BIOSSEGURANÇA... 6 4. TIPOS DE RISCO... 6 4.1 Riscos biológicos... 6 4.2 Classificação

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão Biossegurança

Procedimento Operacional Padrão Biossegurança a serviço da vida. www.biotecnica.ind.br 1 Índice Introdução 1 Definições 1 Treinamentos / Informações 2 Vigilância médica e de saúde 2 Normas de vigilância sanitária de funcionários que têm contato com

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO AMACIANTE DE ROUPAS 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO AMACIANTE DE ROUPAS 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO AMACIANTE DE ROUPAS 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA a) Nome do Produto: AMACIANTE DE ROUPAS. b) Código do Produto: c) Nome da Empresa: ICARAÍ

Leia mais

BIOSSEGURANÇA. Maria Emilia Aracema aracema@terra.com.br Farmacêutica-Bioquímica

BIOSSEGURANÇA. Maria Emilia Aracema aracema@terra.com.br Farmacêutica-Bioquímica BIOSSEGURANÇA Maria Emilia Aracema aracema@terra.com.br Farmacêutica-Bioquímica BIOSSEGURANÇA Biossegurança GERENCIAMENTO PONTO DE PARTIDA Risco O que entendemos por RISCO? CONCEITOS BÁSICOS RISCO (2000)

Leia mais

HIPEX SECANT Abrilhantador Secante para Louças

HIPEX SECANT Abrilhantador Secante para Louças Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS HIPEX SECANT Abrilhantador Secante para Louças 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Nome Comercial: Empresa: Abrilhantador

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PRODUTO QUIMICO

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PRODUTO QUIMICO SEÇÃO I Identificação do Produto Químico e da Empresa Nome do Produto: Nome da Empresa: IMPERCOTEPRIMER CITIMAT MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO LTDA. RUA COMENDADOR SOUZA 72/82 AGUA BRANCA SÃO PAULO SP CEP: 05037-090

Leia mais

Manejo dos Resíduos de Serviços de Saúde

Manejo dos Resíduos de Serviços de Saúde GERENCIAMENTO DE RISCO AMBIENTAL Manejo dos Resíduos de Serviços de Saúde Nos Estabelecimentos Assistenciais de Saúde Dados da Pesquisa Nacional de Saneamento Básico apontam que somente 63% dos municípios

Leia mais

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO;

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; Tipo do Serviço: ( ) Próprio ( )terceirizado Nome; Possui Licença sanitária? ( ) SIM ( ) NÃO N /ANO: Há um encarregado do setor

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TAR 1401

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TAR 1401 Código: FSP-250 Revisão: 1 Página: 1/5 1 Informação do produto e da empresa Nome do produto: LAB TAR 1401 Nome da empresa: Lab Analítica e Ambiental Ltda. Endereço: Rodovia Geraldo Scavone, 2300 Condomínio

Leia mais

Grill. Detergente desincrustante alcalino para remoção de gordura carbonizada.

Grill. Detergente desincrustante alcalino para remoção de gordura carbonizada. Grill Detergente desincrustante alcalino para remoção de gordura carbonizada. Alto poder de limpeza A composição de Suma Grill confere-lhe a propriedade de remover com eficiência sujidades provenientes

Leia mais

HIPEX FRIGOLAT 200 Detergente Alcalino Desincrustante

HIPEX FRIGOLAT 200 Detergente Alcalino Desincrustante Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS HIPEX FRIGOLAT 200 Detergente Alcalino Desincrustante 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Detergente Alcalino Desincrustante

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ

LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ Guilherme Viero, Marlise Shoenhals, Franciele A.C. Follador, Darlan Clóvis Vettorello Rech,

Leia mais

MANUAL DO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO

MANUAL DO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO MANUAL DO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO Manual desenvolvido pela equipe de monitoras, sob a supervisão da disciplina de Tecnologia de Alimentos (Curso de Nutrição) para normatização das atividades desenvolvidas

Leia mais

DESINFETANTE HIPEZA Desinfetante de Uso Geral

DESINFETANTE HIPEZA Desinfetante de Uso Geral Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS DESINFETANTE HIPEZA Desinfetante de Uso Geral 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Nome Comercial: Empresa: Desinfetante

Leia mais

Nome do produto: MC Injekt 2300 Top (A) Data da última revisão: 22/07/2011. - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda

Nome do produto: MC Injekt 2300 Top (A) Data da última revisão: 22/07/2011. - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: MC Injekt 2300 TOP (Parte A) - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Rua Henry Martin, 235

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CAMPUS ANISIO TEIXEIRA-INSTITUTO MULTIDICIPLINAR EM SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE LABORATÓRIOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CAMPUS ANISIO TEIXEIRA-INSTITUTO MULTIDICIPLINAR EM SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE LABORATÓRIOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CAMPUS ANISIO TEIXEIRA-INSTITUTO MULTIDICIPLINAR EM SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE LABORATÓRIOS NORMAS INTERNAS DO LABORATÓRIO DE BIOTECNOLOGIA E GENÉTICA

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BATERIA MOURA 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa: Endereço: Bateria Moura Acumuladores Moura

Leia mais

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS ASSEPSIA E CONTROLE DE INFECÇÃO Prof. MARCELO ALESSANDRO RIGOTTI LICENCIADO EM ENFERMAGEM e ESPECIALISTA EM CONTROLE DE INFEÇÃO Mestrando pela Escola de Enfermagem

Leia mais

Biossegurança em Laboratórios de Análises Clínicas

Biossegurança em Laboratórios de Análises Clínicas Academia de Ciência e Tecnologia Biossegurança em Laboratórios de Análises Clínicas Larissa Barbosa Zochio São José do Rio Preto 2009 Resumo A Biossegurança é um conjunto de ações voltadas para prevenção,

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: SOLUÇÃO 2 - ORTOTOLIDINA

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: SOLUÇÃO 2 - ORTOTOLIDINA NOME DO PRODUTO: SOLUÇÃO 2 - ORTOTOLIDINA DATA DA ÚLTIMA REVISÃO: 09/08/2013 1/7 FISPQ NRº. 022 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA. - Nome do Produto: Ortotolidina - Solução - Nome Comercial: Solução

Leia mais

1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: CURATON CQ FISPQ n 052 emissão 02/02/09 Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Curaton CQ Código do produto: 11130 Nome

Leia mais

ELABORADO: Ana Cristina

ELABORADO: Ana Cristina 1/11 1. OBJETIVO. Estabelecer as diretrizes para a segurança relacionada com os riscos físicos, químicos e biológicos no Laboratório do Grupo Santa Helena Saúde, com a finalidade de reduzir ou eliminar

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS DATA DE APROVAÇÃO: 22/11/2011 Página 1 de 6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto LW 55 - Primer Nome da empresa Lwart Química Ltda. Endereço Rodovia Marechal Rondon, Km 303,5, Lençóis

Leia mais

Rebrilhar Catalisador Ureia-Formol

Rebrilhar Catalisador Ureia-Formol 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome comercial do Produto: Nome da Empresa: Rebrilhar Resinas e Vernizes Ltda. Endereço: Rua Luiz de Moraes Rego, nº. 505 Jardim do Bosque Leme/SP Telefones: 19-35186900

Leia mais

Comércio de Produtos Químicos

Comércio de Produtos Químicos Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos FISPQ 1.) Identificação do Produto Nome do Produto: Pombo Código do Produto: Pr 295307 2.) Composição e Informação sobre os Ingredientes Substância:

Leia mais

A Diretora da Faculdade de Jaraguá, no âmbito de suas atribuições conferidas pela portaria de sua nomeação, resolve:

A Diretora da Faculdade de Jaraguá, no âmbito de suas atribuições conferidas pela portaria de sua nomeação, resolve: Portaria n. 041/2011 Esta portaria estabelece o REGULAMENTO E NORMAS ESPECÍFICAS DO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Faculdade de Jaraguá. A Diretora da Faculdade de Jaraguá, no âmbito de suas atribuições conferidas

Leia mais

BIOSSEGURANÇA DA TEORIA À PRÁTICA NO ENSINO DE BIOTECNOLOGIA. Dra. Maria Antonia Malajovich Instituto de Tecnologia ORT do Rio de Janeiro

BIOSSEGURANÇA DA TEORIA À PRÁTICA NO ENSINO DE BIOTECNOLOGIA. Dra. Maria Antonia Malajovich Instituto de Tecnologia ORT do Rio de Janeiro ANBIO - VI Congresso Brasileiro de Biossegurança (2009) BIOSSEGURANÇA DA TEORIA À PRÁTICA NO ENSINO DE BIOTECNOLOGIA Dra. Maria Antonia Malajovich Instituto de Tecnologia ORT do Rio de Janeiro MariaAntonia@ort.org.br

Leia mais

MANUAL INSTITUCIONAL DE BIOSSEGURANÇA

MANUAL INSTITUCIONAL DE BIOSSEGURANÇA UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. MANUAL INSTITUCIONAL DE BIOSSEGURANÇA (UNIDADE DE ENSINO DE AMPARO) São Paulo 2010 1 Apresentação A Biossegurança tem sido definida no meio acadêmico,

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Extrutop Código interno: AGM215 e AGM216 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

Assinale a alternativa correta: a) V,V,F.F b) V,F,V,F c) V,F,F,F d) V,V,F,V e) V,V,V,F

Assinale a alternativa correta: a) V,V,F.F b) V,F,V,F c) V,F,F,F d) V,V,F,V e) V,V,V,F AUXILIAR OPERACIONAL 1. A desinfecção é o processo de destruição de agentes infecciosos. Assinale a alternativa correta: a) pode ser feita através de meios físicos e químicos b) deve ser realizada com

Leia mais

Nome do produto: BIOAGLOPAR PET

Nome do produto: BIOAGLOPAR PET Data da última revisão: 17/04/2014 Pagina 1/5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Bioaglopar PET NCM: 3209.10.20 - Código interno de identificação do produto: 1.3.2.004 - Nome da

Leia mais

Resposta: No terço externo das tubas uterinas (=trompas, ovidutos, trompas de Falópio) Tubas uterinas útero endométrio

Resposta: No terço externo das tubas uterinas (=trompas, ovidutos, trompas de Falópio) Tubas uterinas útero endométrio 1 a Questão: (15 pontos) Uma mulher de 30 anos tem um ciclo padrão de 28 dias e deseja engravidar. A data da última menstruação foi no dia 1 o do mês passado. Suas dosagens hormonais estão normais. a)

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104 Código: FSP-261 Revisão: 1 Página: 1/5 1 Informação do produto e da empresa Nome do produto: LAB TIN 3104 Nome da empresa: Lab Analítica e Ambiental Ltda. Endereço: Rodovia Geraldo Scavone, 2300 Condomínio

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 923, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO Nº 923, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009 Módulo II Ética e Profissões es. 923/09 ESLUÇÃ Nº 923, DE 13 DE NVEMB DE 2009 Dispõe sobre procedimentos e responsabilidades do Médico Veterinário e do Zootecnista em relação à biossegurança no manuseio

Leia mais

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ADEFOAMER TS

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ADEFOAMER TS 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DO FABRICANTE Nome do Produto: DISPERSANTE GTS Fabricante: GTS QUÍMICA LTDA. Rua Benedito Mascarenhas, 635 - Centro. CEP 57130-000 Santa Luzia do Norte/AL CNPJ: 06.877.748/0001-53

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015 Descarte de resíduos infectantes e perfurocortantes. 1. Objetivo e aplicação Conforme as resoluções vigentes, os estabelecimentos de serviços de saúde são responsáveis pelo

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos Página 1de5 1.Identificação do Produto e da Empresa Nome comercial : ISOL TERM Identificação da Empresa : Faber Tecnologia Indústria e Comércio Ltda Rua Hudson 351 Distrito Industrial Bairro Jardim Canadá

Leia mais

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Indufix Código interno: 2000 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

LAUDO 012/2013 SAE C.S. SANTA MARTA. SMS LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE/ PERICULOSIDADE N 012/2013 1

LAUDO 012/2013 SAE C.S. SANTA MARTA. SMS LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE/ PERICULOSIDADE N 012/2013 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE - SMS GERÊNCIA DE SAÚDE DO SERVIDOR MUNICIPAL - GSSM EQUIPE DE PERÍCIA TÉCNICA - EPT LAUDO 012/2013 SAE C.S. SANTA MARTA. SMS LAUDO PERICIAL

Leia mais

Medidas de Controle de Infecção Hospitalar

Medidas de Controle de Infecção Hospitalar Medidas de Controle de Infecção Hospitalar Seminário Internacional de Pandemia de Influenza Rio de Janeiro, 18 de novembro 2005 Dra. Cristiana M. Toscano Organização Pan-Americana da Saúde Agradecimentos

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante NOME DO PRODUTO: Solução Titulante 1/12 FISPQ NRº. 28 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome Comercial do Produto: Solução Titulante Nome Químico: Solução Ácida a 0,1 N Nome da Empresa: Hidroazul

Leia mais

01 Identificação do produto e da Empresa. 02 Composição e informações sobre os ingredientes. 03 Identificação de perigos

01 Identificação do produto e da Empresa. 02 Composição e informações sobre os ingredientes. 03 Identificação de perigos Página: 01/05 01 Identificação do produto e da Empresa Natureza Química : Limpador de Uso Geral Autorização de Funcionamento / MS : nº 3.02.599-9 Registro no Ministério da Saúde : 3.2599.0103.001-4 Aceita

Leia mais

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF A Comissão de segurança do Instituto de Química da UFF(COSEIQ) ao elaborar essa proposta entende que sua função é vistoriar, fiscalizar as condições

Leia mais

Normas e Procedimentos de Biossegurança para Atividades em Contenção. Vania Moda Cirino AMG/IAPAR Rio de Janeiro RJ Setembro de 2009

Normas e Procedimentos de Biossegurança para Atividades em Contenção. Vania Moda Cirino AMG/IAPAR Rio de Janeiro RJ Setembro de 2009 Normas e Procedimentos de Biossegurança para Atividades em Contenção Vania Moda Cirino AMG/IAPAR Rio de Janeiro RJ Setembro de 2009 A lógica da avaliação de riscos de OGMs Princípios gerais: A informação

Leia mais