Medidas de Controle de Infecção Hospitalar

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Medidas de Controle de Infecção Hospitalar"

Transcrição

1 Medidas de Controle de Infecção Hospitalar Seminário Internacional de Pandemia de Influenza Rio de Janeiro, 18 de novembro 2005 Dra. Cristiana M. Toscano Organização Pan-Americana da Saúde

2 Agradecimentos Divisão de Qualidade em Serviços de Saúde, CDC Denise Cardo Programa de Influenza, CDC Tim Uyeki ANVISA Adélia A. M. Santos HC-FMUSP/ SES-SP Édison Manrique OMS

3 Sumário Estratégias de prevenção de Influenza Vírus da influenza e formas de transmissão Medidas de controle de infecção Influenza anual Influenza aviária A(H5N1) Pandemia de influenza Proteção de profissionais de saúde Planejamento para pandemia nos serviços de saúde

4 Prevenção - Estratégas primárias Influenza anual = influenza pandêmica Vacinação Diagnostico precoce de casos Tratamento com antivirais Medidas de controle de infecção prevenção da transmissão durante cuidados com paciente

5 Pandemia de Influenza

6 Photo: Gavin Joynt SARS

7 Epidemiologia das Infecções

8 Diretrizes para precauções e isolamento em serviços de saúde - Precauções padrão Destinadas para o cuidado de todos os pacientes independente do seu estado infeccioso Lavagem das mãos Antes e após todo contato com paciente e entre dois procedimentos realizados no mesmo paciente, utilizando água e sabão Uso de luvas Quando há possibilidade de contato com sangue, fluidos corporais, secreção, excreções ou materiais potencialmente infectantes Uso de avental Quando há possibilidade de contato da pele ou roupas do profissional de saúde com sangue ou líquidos corporais potencialmente infectantes

9 Diretrizes para precauções e isolamento em serviços de saúde - Precauções padrão Uso de máscara, óculos e protetor facial Quando há possibilidade de respingos de sangue ou líquidos corporais potencialmente infectantes atingirem a face do profissional de saúde Descarte de materiais pérfuro-cortantes Em caixas específicas para descarte que devem ser dispostas em locais visíveis e de fácil acesso. O re-encape de agulhas é proibido Descontaminação de superfícies Caso haja presença de sangue ou líquidos corporais potencialmente infectantes em superfícies Artigos e equipamentos Limpeza e desinfecção ou esterilização após o uso

10 Precauções adicionais por modo de transmissão Importância de todos os líquidos corporais, secreções e excreções na transmissão de patógenos Baseadas na forma de transmissão Devem ser usadas para pacientes conhecidos com suspeita de infecção ou colonização Precauções adicionais Contato Gotículas Aerossóis

11 Influenza humana Recomendações para controle de infecção Refs: Updated Infection Control Measures for the prevention and control of influenza in healthcare facilities, CDC, Jan

12 Agente Situação Hospedeiro Reservatório Susceptibilidade Porta de entrada Porta de saída Modo de transmissão Influenza Virus Influenzae Homem Animais/humanos Geral em não vacinados Trato respiratório Trato respiratório Por goticulas principalmente

13 Características - Influenza Período de incubação curto Sintomas 1-4 dias após exposição 2-3 dias na maioria dos casos Transmissão: pessoa a pessoa Gotículas grandes: tosse ou espirro Replicação em células epiteliais das vias respiratórias Outras formas de transmissão? Contato direto ou por aerossóis pouco conhecidas Diferenciar entre infecção comunitária ou hospitalar Tempo entre admissão e início de sintomas comunitária: <48-72 h hospitalar: =48-72 h

14 Forma de transmissão

15 Precauções para Gotículas Gotículas respiratórias Geradas por tosse, espirro ou procedimentos Geralmente >5 µm de diâmetro Gotículas não se propagam mas de 1 metro da fonte Transmissão envolve contato da gotícula com mucosa ou conjuntiva da boca ou nariz de indivíduo suscetível Uso de máscara ao entrar no quarto, a menos de 1 metro do paciente Particulas não permenecem suspensas no ar por períodos prolongados de tempo Manejo especial de ventilação não é necessário

16 Precauções de Contato Transmissão direta através de contato Transmissão indireta Objetos intermediários contaminados Usar luvas e avental ao entrar no quarto Descarte de luvas e avental aosair do quarto Lavar mãos antes e depois Limitar transporte e movimentação do paciente Limitar compartilhamento de equipamentos

17 Controle de Infeção Precauções de contato e gotículas Luvas Avental Máscaras cirúgicas (quando a menos de 1 metro do paciente) Mudar em cada contato com paciente Lavagem de mãos Antes e depois de cada contato com paciente Água e sabão (ou álcool-gel) Máscaras no paciente durante o transporte Transmissão por aerossóis não é significativa

18 Isolamento e coorte Colocação do paciente em quarto individual ou com grupo de outros pacientes com influenza Pensar em separar casos confirmados de casos não-confirmados, se testes diagnósticos disponíveis Se necessário, criar uma enfermaria de influenza no hospital Triagem de novos pacientes com influenza ou quadro flu-like

19 Rastrear e restringir profissionais Vigilância ativa de profissionais de saúde Avaliar febre e quadro gripal Restringir movimentação de profissionais entre enfermarias Coorte de profissionais Restrição de profissionais ao trabalho Ficar em casa Questões de compensação Retorno ao trabalho 5d após início dos sintomas

20 Influenza aviária H5N1 Recomendações para controle de infecção Refs: Influenza A (H5N1):WHO Interim Infection Control Guidelines for HealthCare Facilities (10 March2004) Período de incubação curto Sintomas 2-7 dias após exposição, (mediana de 3 dias), incerto Casos humanos após exposição direta à aves infectadas Evidências indicam que o H5N1 tem baixo poder infectante Vírus inativado por álcool 70% e cloro Incerteza quanto ao papel da transmissão por aerossóis Gravidade da doença Recomendação = precauções para aerossóis

21 Precauções por aerossóis Aerossóis <5 µm diâmetro Pode ficar suspenso no ar por longos períodos Ex: Sarampo, varicella, tuberculose Proteção respiratória especial Respirador de proteção com eficácia mínima de 95% para partículas de até 3 µm (N95, N99, N100, PFF2 ou PFF3) Testada individualmente - Fit-tested Sistema de ventilação especial Unidades de isolamento com pressão negativa com sistema de exaustão Filtros HEPA Evitar que ar contaminado seja circulado

22 Pandemia por Influenza Atualização das recomendações Transmissão a partir de indivíduos doentes via respiratória, gotículas Precauções padrão e de gotículas Precauções por 14 dias após início de sintomas ou 7 dias após término da febre Ref: Updated Interim Recommendations for Infection Control in Health-Care Facilities Caring for Patients with Known or Suspected Avian Influenza Virus Infections, In draft

23 Quarto e transporte de pacientes Quarto individual com porta fechada Equipamentos de uso individual estetoscópio manguito termômetro Limitar a movimentação ou transporte do paciente fora do quarto Quando o transporte é necessário, uso de máscara cirúrgica para paciente Orientação ao paciente tossidor toilette respiratória

24 Orientações ao paciente tossidor Cobrir nariz e boca ao tossir ou espirrar Usar lenços de papel Descartar lenços após uso Higienização das mãos após contato com secreção respiratória Sentar a pelo meno 1 metro de distânciade outros pacientes Fornecer ao paciente Lenços Lixeiras queoperam sem uso das mãos Água, sabão e álcool Toalhas descartáveis para enxugar mãos

25 Higienização de maõs Antes e após contato com paciente Após retirada de luvas Após contato com sangue, fluidos corpóreos, secreções, excreções, objetos contaminados Lavagem com àgua e sabão seguida do uso de álcool 70% Procedimento com mãos livres Toalha de papel para secagem

26 Orientações - higienização das mãos Fonte: OMS

27 Procedimentos que geram aerossóis Precauções para aerossóis Intubação, sucção, nebulização Limitar procedimentos indutores Se necessário Limitar exposição de profissionais de saúde ao essencial Uso de EPI adequado Respiradores N95 Avental, luva Protetor ocular Uso de dispositivos de sucção fechados Ambiente restrito e protegido, quando possivel

28 Avental Vestindo adequadamente

29 Luvas Calçando adequadamente

30 Luvas Retirando adequadamente

31 Avental Retirando adequadamente

32 Máscara comum Colocando adequadamente

33 Máscara comum Retirando adequadamente

34 Protetor ocular Colocando adequadamente

35 Protetor ocular Retirando adequadamente

36 Respirador N95 Colocando adequadamente

37 Respirador N95 Retirando adequadamente

38 Sequência de uso de equipamento de proteção individual Paramentação 1 o Avental 2 o Mascara (ou N95) 3 o Óculos de proteção 4 o Luvas Desparamentação 1 o Luvas 2 o Óculos de proteção 3 o Avental 4 o Máscara

39 Pandemia da Influenza Preparação na área de controle de infecção

40 O que podemos fazer.como indivíduos? Diminuir a transmissão de influenza Lavagem de mãos Evitar contatode maõs com narize boca Cuidados ao espirrar e tossir Não ir ao trabalho enquanto estiver doente Evitar contatocom pessoas doentes Cessação de tabagismo Diminuir transmissão de influenza aviáriaa(h5n1) Evitar contatocom aves doentes ou mortas Diminuir transmissão de influenza humana Vacinação quando indicado

41 Preparação para pandemia em serviços de saúde Impacto de pandemias prévias Planejamento inter-pandêmico Vigilância Capacidade, demanda de serviço e equipamentos Comunicação e educação Lições aprendidas da SARS Estimativa de impacto futuro

42 Impacto nos serviços de saúde Alta demanda Estimado >25% aumento na demanda para leitos hospitalares, UTI e respiradores em uma pandemia leve Absenteísmo de profissionais de saúde Taxa de absenteísmo em 1957/58 (UK) = 20% 1/3 dos profissionais doentes durante o pico Disponibilidade de equipamentos críticos limitada

43 Planejamento Inter-Pandemico Desenvolver instrumento de planejamento e apoio à tomadade decisãopararesponder à umapandemia Conhecimento da situação entre profissionais de saúde Estimar demanda de serviços Priorizar leitos Considerar absenteísmo de profissionais Preparar recursos, diretrizes, manuais que possam ser adaptados durante uma pandemia Profissionais Pacientes e familiares Treinar profissionais Diagnóstico de indivíduos com influenza Apoiar atividades de vigilânca Manejo e tratamento de pacientes Estratégias de controle de infecção

44 Estimativas de demanda de serviços de saúde Instrumentos para estimar demanda: Software FluSurge Estimanumeros de hospitalizados e demanda de leitos hospitalares (UTI e não UTI) e repiradores Duração da pandemia (em semanas) Taxas de ataque Hipotético 8 semanas de duração, taxa de ataque 25% internações (variando ) óbitos (variando ) Pico da demanda por recursos hospitalares semana 5, maximo de 28% de todos os leitos não-uti, 77% de toda a capacidade de UTI e 42% de todos os ventiladores na área metropolitana

45 Vacinação e uso de antivirais Planejar uso e estratégias de distribuição de antivirais em serviços de saúde Profissionais de saúde Pacientes Priorização do uso de vacinaa Quando disponíveis Promover vacinação contra influenza anual durante os períodos pré-pandêmicos para Minimizar risco de co-infecção com H5N1 e influenza anual

46 Conclusão Papel dos serviços de saúde fundamental Prover assistência de qualidade Profissionais em número adequado Equipamentos, leitos e serviços Prevenção de transmissão de infecção para pacientes e profissionais Detecção precoce Implementação de medidas de controle de infecção Coordenação próxima entre níveis nacional, estadual e municipal, enolvendo os serviços no planejamento

Normas conjuntas da Comissão de Controlo da Infecção e do Serviço de Saúde Ocupacional

Normas conjuntas da Comissão de Controlo da Infecção e do Serviço de Saúde Ocupacional NORMA DE PROCEDIMENTO Nº3 COMISSÃO DE CONTROLO DA INFECÇÃO E SERVIÇO DE SAÚDE OCUPACIONAL Elaborado em Agosto de 2009 Revisão nº Próxima revisão Assunto: RECOMENDAÇÕES PARA A PREVENÇÃO E CONTROLO DA INFECÇÃO

Leia mais

Medidas de Precaução

Medidas de Precaução Medidas de Precaução INFLUENZA A (H1N1) Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GGTES/Anvisa Medidas de Precaução Precaução Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

Informe Técnico sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1

Informe Técnico sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 Informe Técnico sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 DOCUMENTO PARA COMUNIDADE MÉDICA Coordenação: Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) Associação Médica Brasileira (AMB) Apoio

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa. Emergência em saúde pública: Ebola

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa. Emergência em saúde pública: Ebola Emergência em saúde pública: Ebola Situação atual Trata-se do maior surto de ebola já registrado nas últimas quatro décadas que já afetou 03 países do continente Africano* A OMS categorizou o atual surto

Leia mais

PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523

PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523 PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523 Ementa: Utilização de luvas de procedimentos para aplicação de vacina. 1. Do fato Profissionais de Enfermagem solicitam

Leia mais

Será que é influenza (gripe)? Quem tem sintomas de febre repentina, tosse e dor de garganta. Guia de consulta e Cuidado. (Tradução Provisória)

Será que é influenza (gripe)? Quem tem sintomas de febre repentina, tosse e dor de garganta. Guia de consulta e Cuidado. (Tradução Provisória) Será que é influenza (gripe)? Quem tem sintomas de febre repentina, tosse e dor de garganta. Guia de consulta e Cuidado (Tradução Provisória) Introdução: O outono é a estação do ano mais propícia para

Leia mais

Gripe A (H1 N1) Orientações e cuidados

Gripe A (H1 N1) Orientações e cuidados Gripe A (H1 N1) Orientações e cuidados O que é a gripe A (H1N1) ou gripe suína? É uma doença infecto-contagiosa aguda, causada pelo vírus influenza A (H1N1), que afeta o sistema respiratório e causa diversos

Leia mais

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 27.04.

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 27.04. I. Informações gerais Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências de Saúde Pública Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII Ocorrências de casos humanos na América do Norte

Leia mais

INFORME TÉCNICO 001/2014 3ª Atualização

INFORME TÉCNICO 001/2014 3ª Atualização SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE INFORME TÉCNICO 001/2014 3ª Atualização Subsecretaria de Vigilância em Saúde VIGILÂNCIA DA DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

Leia mais

Informações Básicas sobre o Novo Tipo de Influenza

Informações Básicas sobre o Novo Tipo de Influenza Informações Básicas sobre o Novo Tipo de Influenza 1 O que é o Novo Tipo de Influenza É o nome dado à doença causada pela presença do vírus da influenza A/H1N1, de origem suína, no corpo humano. Diz-se

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA

BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA Centro Universitário Newton Paiva Escola de Odontologia BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA Maria Aparecida Gonçalves de Melo Cunha O que é biossegurança? O termo biossegurança é formado pelo radical

Leia mais

Influenza A (H1N1) H1N1

Influenza A (H1N1) H1N1 Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Protocolos Influenza A (H1N1) H1N1 Medidas de Controle e Prevenção da Infecção

Leia mais

Seguem os números da gripe no Estado do Mato Grosso do Sul, considerando os três tipos de vírus de maior circulação (Influenza A H1N1, Influenza A

Seguem os números da gripe no Estado do Mato Grosso do Sul, considerando os três tipos de vírus de maior circulação (Influenza A H1N1, Influenza A Seguem os números da gripe no Estado do Mato Grosso do Sul, considerando os três tipos de vírus de maior circulação (Influenza A H1N1, Influenza A H3N2 e Influenza B): Relembrando... A gripe é uma doença

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

PREVENÇÃO DA GRIPE A(H1N1)V

PREVENÇÃO DA GRIPE A(H1N1)V PREVENÇÃO DA GRIPE A(H1N1)V Gripe A(H1N1)v Quais os sintomas? Os sintomas são semelhantes aos da gripe sazonal: RECOMENDAÇÕES Qual o modo de contágio? Pessoa a pessoa através de gotículas quando tosse

Leia mais

Gripe H1N1 ou Influenza A

Gripe H1N1 ou Influenza A Gripe H1N1 ou Influenza A A gripe H1N1 é uma doença causada por vírus, que é uma combinação dos vírus da gripe normal, da aviária e da suína. Essa gripe é diferente da gripe normal por ser altamente contagiosa

Leia mais

Isolamento de contenção

Isolamento de contenção Síndroma Respiratória Aguda Forum Nacional no contexto de uma nova estratégia para as doenças transmissíveis Isolamento de contenção Serviço de Doenças Infecciosas Hospital de S. João & Faculdade Medicina,

Leia mais

Entenda como o vírus é transmitido, os sintomas e como se proteger.

Entenda como o vírus é transmitido, os sintomas e como se proteger. O Influenza A (H1N1) voltou a atacar este ano - e mais cedo do que o esperado, causando 75% dos casos de doenças respiratórias registrados no país, no momento. Entenda como o vírus é transmitido, os sintomas

Leia mais

Actualizado em 16-10-2009* Medidas de protecção individual em serviços de saúde

Actualizado em 16-10-2009* Medidas de protecção individual em serviços de saúde Medidas de protecção individual em serviços de saúde Estas medidas devem ser implementadas em todos os serviços de prestação de cuidados de saúde primários ou hospitalares, públicos ou privados, e durante

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA INFECÇÃO As infecções são doenças que envolvem bactérias, fungos, vírus ou protozoários e sua proliferação pode ser vista quando o paciente tem os sintomas,

Leia mais

15ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe

15ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe 15ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe O que é a gripe? A influenza (gripe) é uma infecção viral que afeta principalmente nariz, garganta, brônquios e, ocasionalmente, os pulmões. A infecção

Leia mais

Plano de contingência da gripe A (H1N1)

Plano de contingência da gripe A (H1N1) 0. Informação introdutória A. O que é a Gripe A (H1N1)? A gripe A é uma doença infecto-contagiosa que afecta o nariz, a garganta e todo o sistema respiratório, provocada por um novo vírus da Gripe: vírus

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre o vírus A(H7N9)* Questions and answers about the vírus A(H7N9)

Perguntas e Respostas sobre o vírus A(H7N9)* Questions and answers about the vírus A(H7N9) Republicação de Artigo * Questions and answers about the vírus A(H7N9) Centers for Disease Control and Prevention Uma nova cepa do vírus da influenza aviária foi descoberta em aves e pessoas na China.

Leia mais

Informações para os profissionais de saúde sobre os cuidados com o paciente suspeito ou confirmado de influenza suína 29/04/2009

Informações para os profissionais de saúde sobre os cuidados com o paciente suspeito ou confirmado de influenza suína 29/04/2009 Informações para os profissionais de saúde sobre os cuidados com o paciente suspeito ou confirmado de influenza suína 29/04/2009 1. Definição de caso suspeito Pessoa que apresente febre alta, de início

Leia mais

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA (EPCs) E EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPIs)

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA (EPCs) E EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPIs) EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA (EPCs) E EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPIs) EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL O que são? Para que usá-los? - Proteção do contato com agentes infecciosos e substâncias

Leia mais

Mulheres grávidas ou a amamentar*

Mulheres grávidas ou a amamentar* Doença pelo novo vírus da gripe A(H1N1) Fase Pandémica 6 OMS Mulheres grávidas ou a amamentar* Destaques: A análise dos casos ocorridos, a nível global, confirma que as grávidas constituem um grupo de

Leia mais

GRIPE sempre deve ser combatida

GRIPE sempre deve ser combatida GRIPE sempre deve ser combatida Aviária Estacional H1N1 SAZONAL suína GRIPE = INFLUENZA Que é a INFLUENZA SAZONAL? É uma doença própria do ser humano e se apresenta principalmente durante os meses de inverno

Leia mais

Precaução padrão e Isolamento

Precaução padrão e Isolamento Precaução padrão e Isolamento Precauções de Isolamento no Perioperatório Enf Dra.Valeska Stempliuk IEP/HSL Pontos importantes Modos de transmissão de patógenos Por que isolar? Quem deve saber que o paciente

Leia mais

Medidas de Controle e Prevenção da Infecção

Medidas de Controle e Prevenção da Infecção Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Protocolos Influenza A (H1N1) Medidas de Controle e Prevenção da Infecção Porta

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Gabinete Permanente de Emergências de Saúde Pública

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Gabinete Permanente de Emergências de Saúde Pública Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Gabinete Permanente de Emergências de Saúde Pública Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII INFLUENZA A(H1N1) PROTOCOLO DE PROCEDIMENTOS

Leia mais

NOTA TÉCNICA N o 014/2012

NOTA TÉCNICA N o 014/2012 NOTA TÉCNICA N o 014/2012 Brasília, 28 de agosto de 2012. ÁREA: Área Técnica em Saúde TÍTULO: Alerta sobre o vírus H1N1 REFERÊNCIA(S): Protocolo de Vigilância Epidemiológica da Influenza Pandêmica (H1N1)

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR

HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR HC UFPR COMITÊ DE INFLUENZA SUÍNA 27 de abril DIREÇÃO DE ASSISTÊNCIA SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA INFECTOLOGIA CLÍNICA - ADULTO E PEDIÁTRICA SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

Leia mais

Pesquisa Etiológica. Exame específico

Pesquisa Etiológica. Exame específico Influenza A (H1N1) O vírus A Influenza A(H1 N1) é uma doença respiratória e a transmissão ocorre de pessoa a pessoa, principalmente por meio de tosse, espirro ou de contato com secreções respiratórias

Leia mais

Perguntas e Respostas Influenza A (atualizado em 11/06/2009) MINISTÉRIO DA SAÚDE Assessoria de Comunicação

Perguntas e Respostas Influenza A (atualizado em 11/06/2009) MINISTÉRIO DA SAÚDE Assessoria de Comunicação Perguntas e Respostas Influenza A (atualizado em 11/06/2009) MINISTÉRIO DA SAÚDE Assessoria de Comunicação 1) Qual a diferença entre o nível 5 e o nível 6? O que difere os níveis de alerta 5 e 6 é o aumento

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

GRIPE. em suas mãos. A prevenção está. Adelmo LeãoPT. Deputado Estadual. Mandato. Participativo Mandato Participativo do Deputado Adelmo Carneiro Leão

GRIPE. em suas mãos. A prevenção está. Adelmo LeãoPT. Deputado Estadual. Mandato. Participativo Mandato Participativo do Deputado Adelmo Carneiro Leão GRIPE A prevenção está em suas mãos. Adelmo LeãoPT Mandato Deputado Estadual Participativo Cuide bem da sua saúde! Apesar de serem doenças de origem viral, transmitidas por meio de gotículas de saliva

Leia mais

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 Medidas de prevenção: Higienizar as mãos com água e sabonete/sabão antes

Leia mais

Limpeza Terminal e Concorrente de Isolamentos. Enfª Francyne Lopes Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus

Limpeza Terminal e Concorrente de Isolamentos. Enfª Francyne Lopes Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus Limpeza Terminal e Concorrente de Isolamentos Enfª Francyne Lopes Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus O Controle de Infecção e a Limpeza Ambiental Histórico Guerra da Criméia

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NOCÕES BÁSICASB. Ione Pinto ioneppinto@hotmail.co m

BIOSSEGURANÇA NOCÕES BÁSICASB. Ione Pinto ioneppinto@hotmail.co m BIOSSEGURANÇA NOCÕES BÁSICASB Ione Pinto ioneppinto@hotmail.co m Definição de Biossegurança Conjunto de medidas voltadas para a prevenção ão, minimização ou eliminação de riscos inerentes as atividades

Leia mais

Medidas de precaução e controle a serem adotadas na assistência a pacientes suspeitos de infecção por influenza A (H1N1)

Medidas de precaução e controle a serem adotadas na assistência a pacientes suspeitos de infecção por influenza A (H1N1) Medidas de precaução e controle a serem adotadas na assistência a pacientes suspeitos de infecção por influenza A (H1N1) I Introdução Com o aumento do número de casos de influenza A (H1N1), o que gerou

Leia mais

SUMÁRIO. 5.1- Informações Gerais... 7 APRESENTAÇÃO...2 INTRODUÇÃO...3. 5.2 - Cuidados no Domicílio... 8 2 -DEFINIÇÃO DE CASO...4

SUMÁRIO. 5.1- Informações Gerais... 7 APRESENTAÇÃO...2 INTRODUÇÃO...3. 5.2 - Cuidados no Domicílio... 8 2 -DEFINIÇÃO DE CASO...4 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...2 INTRODUÇÃO...3 2 -DEFINIÇÃO DE CASO...4 2.1 - Caso de Síndrome Gripal...4 2.2 Caso de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG)...4 2.3 - Contato próximo de caso suspeito ou confirmado

Leia mais

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 28.04.

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 28.04. I. Informações gerais Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Gabinete Permanente de Emergências de Saúde Pública Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII Ocorrências

Leia mais

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Para entender a influenza: perguntas e respostas A comunicação tem espaço fundamental na luta contra qualquer doença. Um exemplo é o caso do enfrentamento da influenza

Leia mais

Vírus (H1N1)v. Medidas de Prevenção e Controlo Informação para Assistentes Operacionais 14 de Setembro 2009

Vírus (H1N1)v. Medidas de Prevenção e Controlo Informação para Assistentes Operacionais 14 de Setembro 2009 ESCOLA SECUNDÁRIA D. MARIA II PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DA GRIPE A Vírus (H1N1)v Medidas de Prevenção e Controlo Informação para Assistentes Operacionais 14 de Setembro 2009 Formas de Transmissão

Leia mais

Gripe A. Dr. Basil Ribeiro. Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo. Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva

Gripe A. Dr. Basil Ribeiro. Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo. Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva Gripe A Dr. Basil Ribeiro Medicina Desportiva Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva Vírus H1N1 - Introdução Gripe dos porcos altamente

Leia mais

PROTOCOLO HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS

PROTOCOLO HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS 1 páginas É um termo geral que se aplica às atividades de lavar as mãos ou friccioná-las com álcool gel. Essa higiene é considerada a medida mais eficaz para evitar a disseminação de infecções. PARA QUE

Leia mais

Precauções Padrão. Precaução Padrão

Precauções Padrão. Precaução Padrão Precauções Padrão Precaução Padrão Por todos os profissionais para todos os pacientes, na presença de risco de contato com sangue; fluidos corpóreos, secreções e excreções (exceção: suor); pele com solução

Leia mais

Norma de Orientação Farmacêutica Higienização das mãos Hygiènization des mains Hygienization of the hands

Norma de Orientação Farmacêutica Higienização das mãos Hygiènization des mains Hygienization of the hands p. 1 de 10k Norma de Orientação Farmacêutica Higienização das mãos Hygiènization des mains Hygienization of the hands 1ª EDIÇÃO Janeiro de p. 2 de 10k p. 3 de 10k Índice Introdução... 4 Campo de aplicação...

Leia mais

Prevenção da Gripe A(H1N1)v

Prevenção da Gripe A(H1N1)v Prevenção da Gripe A(H1N1)v Recomendações DSD Departamento da Qualidade na Saúde Quais os Sintomas? Os sintomas são semelhantes aos da gripe sazonal: Febre de início súbito (superior a 38ºC) Tosse Dores

Leia mais

3M Proteção Respiratória e Visual. Guia 3M. de Seleção de Equipamentos. para Proteção Respiratória e Visual em Ambientes da Saúde

3M Proteção Respiratória e Visual. Guia 3M. de Seleção de Equipamentos. para Proteção Respiratória e Visual em Ambientes da Saúde 3M Proteção Respiratória e Visual Guia 3M de Seleção de Equipamentos para Proteção Respiratória e Visual em Ambientes da Saúde 3 Saúde e segurança caminham juntos. É por isso que a 3M oferece uma linha

Leia mais

GRIPE A H1N1 Plano de Contingência Empresarial contra Influenza e para outras Emergências Médicas.

GRIPE A H1N1 Plano de Contingência Empresarial contra Influenza e para outras Emergências Médicas. GRIPE A H1N1 Plano de Contingência Empresarial contra Influenza e para outras Emergências Médicas. Federação da Indústria do Estado do Rio de Janeiro Serviço Social da Indústria - SESI Diretoria de Saúde

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [GRIPE (INFLUENZA A) SUÍNA]

www.drapriscilaalves.com.br [GRIPE (INFLUENZA A) SUÍNA] [GRIPE (INFLUENZA A) SUÍNA] 2 Gripe (Influenza A) Suína Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil I ÓBITOS, CASOS GRAVES E FATORES DE RISCO Entre 25 de abril e 8 de agosto, foram informados

Leia mais

Introdução. O objectivo desta apresentação:

Introdução. O objectivo desta apresentação: Prevenção da Gripe A Introdução O objectivo desta apresentação: Consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente, de modo, articulado, em cada fase da evolução da pandemia.

Leia mais

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção A gripe é uma doença causada pelo vírus da Influenza, que ocorre predominantemente nos meses mais frios do ano. Esse vírus apresenta diferentes subtipos que produzem a chamada gripe ou influenza sazonal.

Leia mais

Influenza A (H1N1) Aspectos Clínicos Dra. Dionne Rolim. Ceará, 2009

Influenza A (H1N1) Aspectos Clínicos Dra. Dionne Rolim. Ceará, 2009 Influenza A (H1N1) Aspectos Clínicos Dra. Dionne Rolim Ceará, 2009 Influenza Vírus - RNA Vírus A, B e C Família Orthomyxoviridae Fonte: Los Alamos National Laboratory Fonte: CDC Vírus Influenza Antígenos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA GERÊNCIA GERAL DE PORTOS, AEROPORTOS, FRONTEIRAS E RECINTOS ALFANDEGADOS - GGPAF INFLUENZA A (H1N1)

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA GERÊNCIA GERAL DE PORTOS, AEROPORTOS, FRONTEIRAS E RECINTOS ALFANDEGADOS - GGPAF INFLUENZA A (H1N1) AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA GERÊNCIA GERAL DE PORTOS, AEROPORTOS, FRONTEIRAS E RECINTOS ALFANDEGADOS - GGPAF INFLUENZA A (H1N1) Providências adotadas pelas autoridades brasileiras

Leia mais

GRIPE DAS AVES. Informação e Recomendações. Elaborado por: Castro Correia Director Clínico. 14 de Setembro de 2005

GRIPE DAS AVES. Informação e Recomendações. Elaborado por: Castro Correia Director Clínico. 14 de Setembro de 2005 GRIPE DAS AVES Informação e Recomendações Elaborado por: Castro Correia Director Clínico 14 de Setembro de 2005 Escritórios: Rua da Garagem, 1, 4º Piso / 2790-078 CARNAXIDE Sede Social: Avenida do Forte,

Leia mais

Até 10 horas. Não, é um meio pouco propício para ser contagiado.

Até 10 horas. Não, é um meio pouco propício para ser contagiado. GRIPE A (H1N1) Quanto tempo dura vivo o vírus suíno numa maçaneta ou superfície lisa? Quão útil é o álcool em gel para limpar-se as mãos? Até 10 horas. Torna o vírus inativo e o mata (desde que seja feito

Leia mais

DECAP AP Desincrustante Ácido

DECAP AP Desincrustante Ácido Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS DECAP AP Desincrustante Ácido 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Nome Comercial: Empresa: Desincrustante Ácido DECAP

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Plano de Contingência Gripe A (H1N1) SANTARÉM, JULHO, 2009 INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Gripe A (H1N1) Informações Gerais SANTARÉM, JULHO, 2009 Primeira pandemia

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 02 /2009 /ANVISA/SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS

NOTA TÉCNICA Nº 02 /2009 /ANVISA/SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS NOTA TÉCNICA Nº 02 /2009 /ANVISA/SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS Assunto: Atualização das orientações de serviço para PORTOS sobre Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional para o evento:

Leia mais

GRIPE H1N12009: MINIMIZANDO RISCOS

GRIPE H1N12009: MINIMIZANDO RISCOS GRIPE H1N12009: MINIMIZANDO RISCOS Beth Johnson Executive Vice President of Public Affairs National Restaurant Association Bruce Cords, Ph.D. Vice President Environment Food Safety & Public Health, Ecolab

Leia mais

Q TIC. Produtor/ Fornecedor:... Quimil Indústria e Comércio LTDA

Q TIC. Produtor/ Fornecedor:... Quimil Indústria e Comércio LTDA Revisão: 00 Data de revisão: 12/2011 Página 1 de 9 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto:... Produtor/ Fornecedor:... Endereço:...Via periférica II, 2460 CIA SUL- Simões Filho. Bahia.

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO ANA LUÍZA 21289 LUCAS - 23122 ARTTENALPY 21500 MARCELINA - 25723 CLECIANE - 25456 NAYARA - 21402

Leia mais

DESINFETANTE HIPEZA Desinfetante de Uso Geral

DESINFETANTE HIPEZA Desinfetante de Uso Geral Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS DESINFETANTE HIPEZA Desinfetante de Uso Geral 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Nome Comercial: Empresa: Desinfetante

Leia mais

Informe Técnico sobre o vírus Influenza A (H7N9)

Informe Técnico sobre o vírus Influenza A (H7N9) Informe Técnico sobre o vírus Influenza A (H7N9) SOBRE O VÍRUS INFLUENZA A (H7N9) O vírus influenza A (H7N9) é um subtipo de vírus influenza A de origem aviária. Esse subtipo viral A (H7N9) não havia sido

Leia mais

Enfª. Lahir Chaves Dias

Enfª. Lahir Chaves Dias CAPACITAÇÃO PARA O ENFRENTAMENTO DE POSSIVEL PANDEMIA DE INFLUENZA MEDIDAS DE BIOSSEGURANÇA PARA EQUIPES DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE Enfª. Lahir Chaves Dias Controle de Infecção HNSC MAIO/2009 PRÓXIMA PANDEMIA?

Leia mais

ALERTA SARAMPO VACINAR, VACINAR e VACINAR ATUALIZAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA, ABRIL DE 2015

ALERTA SARAMPO VACINAR, VACINAR e VACINAR ATUALIZAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA, ABRIL DE 2015 ALERTA SARAMPO VACINAR, VACINAR e VACINAR ATUALIZAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA, ABRIL DE 2015 O estado de São Paulo não apresenta circulação endêmica do vírus do sarampo desde 2000, mas a doença continua ocorrendo

Leia mais

Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde- GGTES Gerência-Geral de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados- GGPAF

Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde- GGTES Gerência-Geral de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados- GGPAF PROTOCOLO DE USO DE EPI Orientações sobre a necessidade do uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPI s) para os serviços de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados. Gerência-Geral

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde. Atualização - Dengue. Situação epidemiológica e manejo clínico

Secretaria Municipal de Saúde. Atualização - Dengue. Situação epidemiológica e manejo clínico Secretaria Municipal de Saúde Atualização - Dengue Situação epidemiológica e manejo clínico Agente Etiológico Arbovírus do gênero Flavivírus: Den-1, Den-2, Den-3 e Den- 4. Modo de Transmissão: Aspectos

Leia mais

Prevenção da pneumonia por broncoaspiração, remoção de secreções de vias aéreas inferiores.

Prevenção da pneumonia por broncoaspiração, remoção de secreções de vias aéreas inferiores. Revisão: 24/05/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na retirada de secreções das vias aéreas inferiores com objetivo de manter a permeabilidade das vias aéreas, facilitar a oxigenação e prevenção da broncoaspiração.

Leia mais

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 000000122941 Data da revisão: 16.09.2015. Sikaflex -265. : Selante/ Adesivo

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 000000122941 Data da revisão: 16.09.2015. Sikaflex -265. : Selante/ Adesivo SEÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto : Código do produto : 000000122941 Tipo de produto : líquido Uso recomendado do produto químico e restrições de uso Uso da substância / preparação

Leia mais

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 DOCUMENTO PARA O PÚBLICO EM GERAL Coordenação: Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) Associação Médica Brasileira (AMB) Apoio e participação:

Leia mais

Gripe H1N1, o que a Escola precisa saber!

Gripe H1N1, o que a Escola precisa saber! 1 Gripe H1N1, o que a Escola precisa saber! O que é a gripe H1N1? A gripe H1N1, também conhecida como gripe A, é uma doença respiratória infecciosa de origem viral, que pode levar ao agravamento e ao óbito,

Leia mais

INFORMAÇÃO IMPORTANTE SOBRE A GRIPE SUÍNA

INFORMAÇÃO IMPORTANTE SOBRE A GRIPE SUÍNA INFORMAÇÃO IMPORTANTE SOBRE A GRIPE SUÍNA Este folheto contém informação importante para o ajudar a si e à sua família Guarde-o Bem Contactos Úteis Para se manter informado acerca da gripe suína telefone

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE ebola Medidas de prevenção e controle Elaboração Alexandre Braga Argus Leão Araújo Ana Maria Resende Argus Leão Araújo Cibele Amaral e S. Crivellari Leite Eleuza Maria

Leia mais

HIPEX SECANT Abrilhantador Secante para Louças

HIPEX SECANT Abrilhantador Secante para Louças Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS HIPEX SECANT Abrilhantador Secante para Louças 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Nome Comercial: Empresa: Abrilhantador

Leia mais

EDITAL DA CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2016

EDITAL DA CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2016 EDITAL DA CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2016 Visando a melhoria na qualidade de vida dos trabalhadores da indústria com ações voltadas à promoção da saúde, o Serviço Social da Indústria do Rio Grande

Leia mais

HIPEX FRIGOLAT 200 Detergente Alcalino Desincrustante

HIPEX FRIGOLAT 200 Detergente Alcalino Desincrustante Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS HIPEX FRIGOLAT 200 Detergente Alcalino Desincrustante 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Detergente Alcalino Desincrustante

Leia mais

Biossegurança RISCOS BIOLOGICOS. UNISC Departamento de Biologia e Farmácia Prof. Jane Renner

Biossegurança RISCOS BIOLOGICOS. UNISC Departamento de Biologia e Farmácia Prof. Jane Renner Biossegurança RISCOS BIOLOGICOS UNISC Departamento de Biologia e Farmácia Prof. Jane Renner Risco biológico Definição Agente de origem biológica que possui a capacidade de produzir efeitos deletérios em

Leia mais

CONFIRA DICAS PARA ENFRENTAR O ALTO ÍNDICE ULTRAVIOLETA

CONFIRA DICAS PARA ENFRENTAR O ALTO ÍNDICE ULTRAVIOLETA PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE Edifício Durval Silva, QD. 103 Sul, Rua SO-07, LT. 03, Centro CEP 77.016-010 Telefone: (63) 3218-5210 / E-mail: cievspalmas@gmail.com VIGILÂNCIA

Leia mais

INFORME TÉCNICO SOBRE A GRIPE CAUSADA PELO VÍRUS INFLUENZA A/H1N1

INFORME TÉCNICO SOBRE A GRIPE CAUSADA PELO VÍRUS INFLUENZA A/H1N1 INFORME TÉCNICO SOBRE A GRIPE CAUSADA PELO VÍRUS INFLUENZA A/H1N1 As características do vírus da influenza A (H1N1) e seu comportamento nos diversos países, o definem como de altíssima importância para

Leia mais

Gripe pandémica. Factos que deve conhecer acerca da gripe pandémica

Gripe pandémica. Factos que deve conhecer acerca da gripe pandémica Gripe pandémica Factos que deve conhecer acerca da gripe pandémica De que trata esta brochura? Esta brochura apresenta informações acerca da gripe pandémica. Dá resposta a 10 perguntas importantes acerca

Leia mais

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais.

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Fonte: Agência Fiocruz 1. Há casos de influenza A (H1N1) no Brasil? Não. Até

Leia mais

Gripe A (H1N1) de origem suína

Gripe A (H1N1) de origem suína Gripe A (H1N1) de origem suína A gripe é caracterizada como uma doença infecciosa com alto potencial de contagio causado pelo vírus Influenza. Este vírus apresenta três tipos, sendo eles o A, B e C. Observam-se

Leia mais

Plano de Contingência APPACDM de Elvas

Plano de Contingência APPACDM de Elvas Plano de Contingência APPACDM de, Setembro 2009 Índice: 1. Introdução 1 2. Objectivos e Âmbito de aplicação 2 3. Políticas e Princípios 3 4. Pressupostos 4 5. Activação do Plano 5 6. Plano de Contingência

Leia mais

PROTOCOLO DE PROCEDIMENTOS PARA O MANEJO DE CASOS E CONTATOS DE INFLUENZA A(H1N1) Atualizado em 28.06.2009

PROTOCOLO DE PROCEDIMENTOS PARA O MANEJO DE CASOS E CONTATOS DE INFLUENZA A(H1N1) Atualizado em 28.06.2009 Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Gabinete Permanente de Emergências de Saúde Pública Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII PROTOCOLO DE PROCEDIMENTOS PARA

Leia mais

CIRCULAR. ASSUNTO: Prevenção da Gripe A Orientações para a concepção de um plano de contingência

CIRCULAR. ASSUNTO: Prevenção da Gripe A Orientações para a concepção de um plano de contingência CIRCULAR N/ REFª: 68/2009 DATA: 27/07/09 ASSUNTO: Prevenção da Gripe A Orientações para a concepção de um plano de contingência Exmos. Senhores, Junto se remete documento sobre o assunto em epígrafe distribuído,

Leia mais

PANDEMIA GRIPE A/H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA INTERNO DA CÂMARA MUNICIPAL DE FREIXO DE ESPADA À CINTA

PANDEMIA GRIPE A/H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA INTERNO DA CÂMARA MUNICIPAL DE FREIXO DE ESPADA À CINTA PANDEMIA GRIPE A/H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA INTERNO DA CÂMARA MUNICIPAL DE FREIXO DE ESPADA À CINTA Setembro 2009 ÍNDICE 1. Introdução ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Os acidentes de trabalho com material biológico e/ou perfurocortante apresentam alta incidência entre

Leia mais

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A13 elaborada em 09/12/2010 Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose

Leia mais

O PAPEL DO ENFERMEIRO NA PREVENÇÃO DA GRIPE INFLUENZA A (H1N1): EDUCAÇÃO EM SAÚDE

O PAPEL DO ENFERMEIRO NA PREVENÇÃO DA GRIPE INFLUENZA A (H1N1): EDUCAÇÃO EM SAÚDE O PAPEL DO ENFERMEIRO NA PREVENÇÃO DA GRIPE INFLUENZA A (H1N1): EDUCAÇÃO EM SAÚDE SEVERO, Emanoel; GASPAR, Maria Dagmar da Rocha & ZARPELLON, Lídia Dalgallo INTRODUÇÃO O papel do enfermeiro na história

Leia mais

Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar. Informação para alunos e Pais

Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar. Informação para alunos e Pais Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar Informação para alunos e Pais O que éo vírus da Gripe A(H1N1)v? O vírus A(H1N1)v é um novo vírus da gripe, que afecta os seres humanos. Esta nova estirpe,

Leia mais

ASPECTOS LABORATORIAIS

ASPECTOS LABORATORIAIS INFLUENZA A (H1N1) 1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS LABORATORIAIS Os agentes infecciosos prioritários para investigação etiológica são os vírus influenza. As amostras de secreções respiratórias devem ser

Leia mais

Postura profissional e Segurança no trabalho

Postura profissional e Segurança no trabalho Postura profissional e Segurança no trabalho Ivete Apª Galdino Camilo e Marisa Harumi Kanaschiro DRH - S.E.S.M.T. HSL e FCMS - PUC/SP Não reproduza sem os devidos créditos! PLÁGIO É CRIME! Postura Profissional

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) LAT 54

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) LAT 54 LAT 54 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do Produto: LAT 54 - DETERGENTE SEMIPASTOSO ESPUMANTE Identificação da Empresa: Química Foz do Iguaçu Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda.

Leia mais

Recomendações para o atendimento à pacientes com hipersensibilidade do. É fundamental como cuidado pré-operatório identificar ou reconhecer pacientes

Recomendações para o atendimento à pacientes com hipersensibilidade do. É fundamental como cuidado pré-operatório identificar ou reconhecer pacientes Recomendações para o atendimento à pacientes com hipersensibilidade do tipo I ao látex Enf. Rosimeire A. Mendes Lopes Pré-operatório É fundamental como cuidado pré-operatório identificar ou reconhecer

Leia mais