Como controlar a mastite por Prototheca spp.?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como controlar a mastite por Prototheca spp.?"

Transcrição

1 novembro 2013 QUALIDADE DO LEITE marcos veiga dos santos Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP O diagnóstico da mastite causada por Prototheca spp. pode ser realizado pela cultura microbiológica de amostras do quarto afetado, uma vez que este microrganismo é facilmente isolado com os meios de cultura tradicionalmente usados para as demais bactérias Como controlar a mastite por Prototheca spp.? Vacas com mastite causada por Prototheca spp. apresentam pronunciada redução da produção de leite. O tratamento com antimicrobianos pode resultar em redução temporária da gravidade dos sintomas, mas não elimina o agente causador da mastite e as vacas tendem a permanecer infectadas de forma crônica. Conheça medidas para reduzir e controlar a mastite por Prototheca spp. nos rebanhos» 24

2 novembro 2013 Os estudos científicos sobre as causas da mastite bovina indicam que diferentes microrganismos podem ser causadores de infecções na glândula mamária, como as bactérias, os fungos, as leveduras, as microalgas e, em raras ocasiões, os vírus. Já foram identificados mais de 130 diferentes tipos de microrganismos causadores de mastite, no entanto as bactérias são a causa mais comum desta infecção. Em termos práticos, pode-se classificar os microrganismos causadores de mastite, com base na forma de transmissão, em dois grupos: patógenos contagiosos ou ambientais. Os contagiosos são aqueles adaptados à sobrevivência no interior da glândula mamária. Além disso, é mais comum apresentarem alta incidência de mastite subclínica, longa persistência na glândula mamária e ocorrência de casos clínicos esporádicos. Por outro lado, o principal reservatório de patógenos ambientais é o próprio ambiente em que a vaca se encontra. Os agentes ambientais podem ser considerados patógenos oportunistas, pois invadem a glândula mamária, mas não são bem adaptados para multiplicação no interior do úbere, o que leva a uma resposta inflamatória imediata e muitas vezes de alta gravidade. Por isso, esta forma de mastite está associada com infecção de curta duração que pode resultar em redução da produção de leite e até mesmo na morte do animal. Os agentes ambientais de maior relevância em infecções intramamárias são os coliformes e as espécies de estreptococos ambientais (exceto o S. agalactiae). Conhecendo a Prototheca spp. Prototheca spp. pode ser um agente oportunista causador de mastite clínica e subclínica, cuja ocorrência já foi descrita em diversos países como Canadá, Estados Unidos, Brasil, Alemanha e Japão. Prototheca é uma microalga, unicelular e aclorofilada, que não possui capacidade de fotossíntese. Em rebanhos bem manejados e com adequado controle de mastite, a incidência de mastite causada por Prototheca spp. é esporádica, sendo identificada em 0,1% a 5% de amostras submetidas para cultura microbiológica. No entanto, em alguns rebanhos com surtos de mastite por este agente, a incidência da doença por atingir até 30% das vacas. Dentre as espécies de Prototheca spp. identificadas como causadoras de mastite bovina, as principais são P. zopfii, P. wickerhamii e P. blaschkeae. A mastite causada por Prototheca spp. não pode ser diferenciada visualmente, somente com base nos sintomas clínicos, de outros tipos de mastite causada por bactérias. A mastite causada por Prototheca spp. geralmente apresenta-se na forma crônica, sem o aparecimento de sintomas clínicos e sistêmicos, mas ocorre significativa elevação da contagem de células somáticas (CCS). No entanto, pode ocorrer também a forma aguda e clínica da doença. Nos casos agudos, podem ser observados sintomas de secreção purulenta e com elevado número do microrganismos no leite. Vacas com mastite causada por Prototheca spp. apresentam pronunciada redução da produção de leite. O diagnóstico e isolamento da mastite causada por Prototheca spp. pode ser facilmente realizado pela cultura microbiológica de amostras do quarto afetado, uma vez que este microrganismo é facilmente isolado com os meios de cultura tradicionalmente usados para as demais bactérias. Mesmo que a maioria das cepas de Prototheca spp. apresente susceptibilidade O descarte de vacas infectadas por Prototheca spp. é a principal medida de controle da doença no rebanho, uma vez que o tratamento não apresenta bons resultados moderada a alguns antimicrobianos e alguns anti-fúngicos (polymixina B, gentamicina, nystatina, anfotericina B), o uso destes antimicrobianos para o tratamento das vacas com sintomas clínicos não é recomendável em razão de: a) altos custos do tratamento, b) grau irreversível de lesão na glândula mamária, c) baixa taxa de cura. O tratamento com os antimicrobianos pode resultar em redução temporária da gravidade dos sintomas, no entanto, não ocorre a eliminação do agente causador da mastite e as vacas tendem a permanecer infectadas com infecções crônicas. Fatores de risco Prototheca zopfii é considerado um microrganismo de origem ambiental. Desta forma, a alta contaminação dos tetos por Prototheca spp. aumenta o risco de ocorrência de novos casos de mastite. Rebanhos alojados em sistemas de confinamento total apresentam maior incidência da mastite causada por Prototheca spp. do que rebanhos em sistema de pastejo. Os microrganismos do gênero Prototheca spp. já foram isolados a partir de diversas fontes ambientais, principalmente habitats úmidos e ricos em material orgânico, tais como plantas, solo, lama, lagoas, água de bebedouros, alimentos, fezes de bovinos e galpões de confinamento de vacas leiteiras. A presença de Prototheca spp. em fezes indica que este microrganismo sobrevive ao processo digestivo do trato gastrointestinal, e desta forma, pode contaminar praticamente todos os ambientes que entram em contato com as fezes das vacas. Da mesma forma, as fezes de bezerras alimentadas com leite produzido por vacas com mastite causada por Prototheca spp. podem ser uma importan-» 25

3 novembro 2013 QUALIDADE DO LEITE FIQUE ATENTO! A presença de Prototheca spp. em fezes indica que este microrganismo sobrevive ao processo digestivo do trato gastrointestinal, e desta forma, pode contaminar praticamente todos os ambientes que entram em contato com as fezes das vacas. Da mesma forma, as fezes de bezerras alimentadas com leite produzido por vacas com mastite causada por Prototheca spp. podem ser uma importante fonte de contaminação ambiental. O risco de ocorrência de mastite causada por Prototheca spp. aumenta significativamente após procedimentos de tratamento intramamário com antibióticos, principalmente quando as condições de higiene são precárias. Isto ocorre porque pode-se introduzir a Prototheca spp. para dentro da glândula mamária durante os procedimentos de tratamento te fonte de contaminação ambiental. Prototheca spp. pode ser encontrada no ambiente de rebanhos leiteiros com ou sem a ocorrência prévia de mastite causada por este microrganismo. Isto indica uma ampla distribuição deste agente no ambiente de fazendas leiteiras com ou sem histórico prévio de mastite causada por este agente. Portanto, não é somente a presença ou o aumento da contaminação por Prototheca spp. no ambiente das vacas leiteiras que aumentam o risco de mastite causada por este agente, mas sim outros fatores de risco que aumentam a chance desta contaminação ambiental ser introduzida na glândula mamária. Deficiências na higiene do manejo préordenha das vacas leiteiras e o não oferecimento de alimentos após a ordenha são os fatores de risco da ocorrência de mastite causada por Prototheca spp. Resíduos de alimentos altamente contaminados com Prototheca spp. também são fontes de contaminação ambiental e podem causar ocorrência de surtos de mastite causada por Prototheca spp. O risco de ocorrência de mastite causada por Prototheca spp. aumenta significativamente após procedimentos de tratamento intramamário com antibióticos, principalmente quando as condições de higiene são precárias. Isto ocorre porque pode-se introduzir a Prototheca spp. para dentro da glândula mamária durante os procedimentos de tratamento. Como controlar a mastite por Prototheca spp.? Em rebanhos com alta incidência ou surtos de mastite por Prototheca spp., a transmissão entre vacas pode ocorrer durante a ordenha. Sendo assim, as vacas infectadas podem se tornar uma fonte de infecção para as vacas sadias, além de causar a contaminação do ambiente. Nos rebanhos com histórico de mastite causada por Prototheca spp., recomenda-se que as vacas infectadas sejam identificadas, segregadas e serem ordenhadas separadamente do restante do rebanho. O descarte das vacas infectadas por Prototheca spp. é a principal medida de controle para redução da doença no rebanho, uma vez que o tratamento não apresenta bons resultados. Em termos gerais, a prevenção e o controle da mastite causada por Prototheca spp. consistem das mesmas medidas utilizadas para o controle de mastite ambiental. As principais medidas de controle têm como objetivo reduzir a contaminação dos tetos com fezes ou água contaminada no período pré e pós-ordenha. Entre as principais medidas preventivas, recomenda-se o uso da desinfecção dos tetos antes e após a ordenha (pré e pós-dipping), oferecimento de alimentos para as vacas após a ordenha (para evitar que as vacas se deitem imediatamente após a ordenha) e melhoria do padrão de limpeza e higiene de instalações e camas das vacas. Além disso, as vacas não devem ter acesso a locais com acúmulo de água contaminada (lagoas, poças de água), restos de alimentos contaminados ou com alta umidade e matéria orgânica. Em resumo, Prototheca spp. pode ser um agente oportunista causador de mastite bovina. Nos rebanhos leiteiros bem manejados, a ocorrência de mastite causada por Prototheca spp. é esporádica e de baixa incidência. Contudo, em rebanhos com deficiências de higiene das instalações, no manejo de ordenha e na higiene nos procedimentos de tratamentos intramamários, esta doença pode-se tornar endêmica.» 26

Christiano Rehbein HAGEMEYER. christhiano@gmail.com Universidade Estadual do Centro Oeste- UNICENTRO

Christiano Rehbein HAGEMEYER. christhiano@gmail.com Universidade Estadual do Centro Oeste- UNICENTRO QUALIDADE DO LEITE: FATORES QUE INTERFEREM E A IMPORT ツ NCIA DA A ヌテ O DOS PRODUTORES Autor: Izamara de oliveira FERREIRA. izarf.oli@hotmail.com Co-autores: Luiz Fernando Rizzardi SILVESTRI. luizsilvestri@globo.com

Leia mais

DOENÇA GRANULOMATOSA CRÓNICA

DOENÇA GRANULOMATOSA CRÓNICA DOENÇA GRANULOMATOSA CRÓNICA Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA

Leia mais

um inimigo que se respira A LEGIONELOSE: PROCESSO DE CONTAMINAÇÃO

um inimigo que se respira A LEGIONELOSE: PROCESSO DE CONTAMINAÇÃO DOENÇA DOS LEGIONÁRIOS Leg ionela um inimigo que se respira É hóspede indesejável dos sistemas de climatização, duches e outras fontes de vapor de água ou de aerossol, mas apenas é detectada em casos graves.

Leia mais

Informe aos profissionais de saúde sobre as características da infecção por Mycobacterium abscessus, medidas para diagnóstico, tratamento e prevenção

Informe aos profissionais de saúde sobre as características da infecção por Mycobacterium abscessus, medidas para diagnóstico, tratamento e prevenção Informe aos profissionais de saúde sobre as características da infecção por Mycobacterium abscessus, medidas para diagnóstico, tratamento e prevenção Em decorrência das infecções causadas por micobactéria,

Leia mais

BIOSSEGURIDADE EM AVICULTURA: controle integrado de doenças

BIOSSEGURIDADE EM AVICULTURA: controle integrado de doenças BIOSSEGURIDADE EM AVICULTURA: controle integrado de doenças Luiz Sesti, Méd. Vet., MSc, PhD Gerente de Desenvolvimento Técnico Multimix Nutrição Animal Ltda Campinas, SP, Brasil lacs@multimix.com.br 1.

Leia mais

Boas Práticas de Pós-colheita de Frutas e Hortaliças

Boas Práticas de Pós-colheita de Frutas e Hortaliças 1 Boas Práticas de Pós-colheita de Frutas e Hortaliças CENCI, S. A.. Boas Práticas de Pós-colheita de Frutas e Hortaliças na Agricultura Familiar. In: Fenelon do Nascimento Neto. (Org.). Recomendações

Leia mais

Alguns indicadores de avaliação de bem-estar em vacas leiteiras revisão. Some indicators for the assessment of welfare in dairy cows a review

Alguns indicadores de avaliação de bem-estar em vacas leiteiras revisão. Some indicators for the assessment of welfare in dairy cows a review ARTIGO DE REVISÃO REVISTA PORTUGUESA DE CIÊNCIAS VETERINÁRIAS Alguns indicadores de avaliação de bem-estar em vacas leiteiras revisão Some indicators for the assessment of welfare in dairy cows a review

Leia mais

Tuberculose. Perguntas

Tuberculose. Perguntas Tuberculose Perguntas e Respostas Tuberculose PERGUNTAS E RESPOSTAS Elaboração: Divisão de Tuberculose CVE Av.Dr. Arnaldo 351, 6ºAndar Fone: 3066-8294 3066-8291 Internet : www.cve.saude.sp.gov.br Capa

Leia mais

Boas Práticas Agrícolas para Produção de Alimentos Seguros no Campo. Cuidados até a Colheita. Série Qualidade e Segurança dos Alimentos

Boas Práticas Agrícolas para Produção de Alimentos Seguros no Campo. Cuidados até a Colheita. Série Qualidade e Segurança dos Alimentos Boas Práticas Agrícolas para Produção de Alimentos Seguros no Campo Cuidados até a Colheita Série Qualidade e Segurança dos Alimentos CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI CONSELHO NACIONAL DO SENAI

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE CONTROLE DE EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL CONCEA

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE CONTROLE DE EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL CONCEA 1 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE CONTROLE DE EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL CONCEA DIRETRIZ BRASILEIRA PARA O CUIDADO E A UTILIZAÇÃO DE ANIMAIS PARA FINS CIENTÍFICOS E DIDÁTICOS

Leia mais

Programa Conjunto da FAO/OMS sobre Normas Alimentares COMISSÃO DO CODEX ALIMENTARIUS. Codex Alimentarius. Higiene dos Alimentos.

Programa Conjunto da FAO/OMS sobre Normas Alimentares COMISSÃO DO CODEX ALIMENTARIUS. Codex Alimentarius. Higiene dos Alimentos. Programa Conjunto da FAO/OMS sobre Normas Alimentares COMISSÃO DO CODEX ALIMENTARIUS Codex Alimentarius Higiene dos Alimentos Textos Básicos Prefácio COMISSÃO DO CODEX ALIMENTARIUS E PROGRAMA CONJUNTO

Leia mais

Caracterização Socioeconômica da ATIVIDADE LEITEIRA NO PARANÁ. Sumário Executivo

Caracterização Socioeconômica da ATIVIDADE LEITEIRA NO PARANÁ. Sumário Executivo Caracterização Socioeconômica da ATIVIDADE LEITEIRA NO PARANÁ Sumário Executivo Financiamento: Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - Fundo Paraná CURITIBA 2009 GOVERNO DO ESTADO

Leia mais

SAUDE. CASO COMPLEXO 12 Vila Santo Antônio. Fundamentação Teórica: Abordagem de pequenos ferimentos na Atenção Primária.

SAUDE. CASO COMPLEXO 12 Vila Santo Antônio. Fundamentação Teórica: Abordagem de pequenos ferimentos na Atenção Primária. CASO COMPLEXO 12 Vila Santo Antônio : Abordagem de pequenos ferimentos na Atenção Primária Katsumi Osiro Urgências e emergências Lesões corto-contusas e mordeduras por animais são situações que levam a

Leia mais

F I C H A T É C A. Autor. Editor. Projecto Gráfico e Design. Forvisão - Consultoria em Formação Integrada, Lda., 2003, 1ª Edição, 300 Exemplares

F I C H A T É C A. Autor. Editor. Projecto Gráfico e Design. Forvisão - Consultoria em Formação Integrada, Lda., 2003, 1ª Edição, 300 Exemplares F I C "OS PERIGOS PARA A SEGURANÇA ALIMENTAR NO PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS" Autor Editor PAULO BAPTISTA ARMANDO VENÂNCIO FORVISÃO CONSULTORIA EM FORMAÇÃO INTEGRADA, LDA. Largo Navarros de Andrade, nº1,

Leia mais

CONVIVENDO COM A HEPATITE C. Manual de convivência. Segunda Edição Revista e Ampliada

CONVIVENDO COM A HEPATITE C. Manual de convivência. Segunda Edição Revista e Ampliada CONVIVENDO COM A HEPATITE C Manual de convivência Segunda Edição Revista e Ampliada Edição de 2003 O avanço do conhecimento nas pesquisas pode ter tornado obsoleta alguma colocação. Página 1 Carlos Varaldo

Leia mais

Qualidade da água do manancial subterrâneo em áreas urbanas de Feira de Santana (BA)

Qualidade da água do manancial subterrâneo em áreas urbanas de Feira de Santana (BA) 1019 Qualidade da água do manancial subterrâneo em áreas urbanas de Feira de Santana (BA) Groundwater quality in urban areas of Feira de Santana, State of Bahia Rita de Cássia Assis da Silva 1 Tânia Maria

Leia mais

Curso Básico de Controle de Infecção Hospitalar

Curso Básico de Controle de Infecção Hospitalar AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Curso Básico de Controle de Infecção Hospitalar Caderno E Programa do Controle de Infecção Hospitalar AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Diretor-Presidente

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO DE EXPOSIÇAO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO: HIV E HEPATITES B e C

RECOMENDAÇÕES PARA ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO DE EXPOSIÇAO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO: HIV E HEPATITES B e C RECOMENDAÇÕES PARA ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO DE EXPOSIÇAO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO: HIV E HEPATITES B e C Brasília - 2004 1 Ministério da Saúde Saraiva Felipe Secretaria de Vigilância em Saúde

Leia mais

IT 179 Saneamento Básico

IT 179 Saneamento Básico 4. ABASTECIMENTO DE ÁGUA 4.1 Usos da água São os seguintes os principais usos da água: - abastecimento doméstico; - bastecimento industrial; - irrigação; - dessedentação de animais; - aquicultura; - preservação

Leia mais

Capacitação para implementar boas práticas de bem-estar animal. Relatório do Encontro de Especialistas da FAO

Capacitação para implementar boas práticas de bem-estar animal. Relatório do Encontro de Especialistas da FAO Capacitação para implementar boas práticas de bem-estar animal Relatório do Encontro de Especialistas da FAO Capacitação para implementar boas práticas de bem-estar animal Relatório do Encontro de Especialistas

Leia mais

Manejo de ovos férteis: Cuidados da coleta até o nascimento

Manejo de ovos férteis: Cuidados da coleta até o nascimento CHAPTER 5 Manejo de ovos férteis: Cuidados da coleta até o nascimento Introdução A avicultura moderna é caracterizada pela obtenção de máximo desempenho e rendimento da ave, sendo fundamental o processo

Leia mais

Serviço de Pediatria. Varicela

Serviço de Pediatria. Varicela Varicela O que é a Varicela? É uma doença da infância muito frequente, das mais contagiosas, que surge principalmente no Inverno e na Primavera afectando todos os anos em Portugal milhares de crianças.

Leia mais

estauração LUME I - Iniciação VO Higiene e Segurança Alimentar na R Paulo Baptista / Mário Linhares Forvisão - Consultoria em Formação Integrada, S.A.

estauração LUME I - Iniciação VO Higiene e Segurança Alimentar na R Paulo Baptista / Mário Linhares Forvisão - Consultoria em Formação Integrada, S.A. Higiene e Segurança Alimentar na Restauração VOLUME I - Iniciação Paulo Baptista / Mário Linhares Forvisão - Consultoria em Formação Integrada, S.A. ficha técnica Título Higiene e Segurança Alimentar na

Leia mais

INFORMAÇÕES QUE A SOCIEDADE EUROPÉIA DE OZONIOTERAPIA RECOMENDA SEJAM DADAS AOS PACIENTES

INFORMAÇÕES QUE A SOCIEDADE EUROPÉIA DE OZONIOTERAPIA RECOMENDA SEJAM DADAS AOS PACIENTES INFORMAÇÕES QUE A SOCIEDADE EUROPÉIA DE OZONIOTERAPIA RECOMENDA SEJAM DADAS AOS PACIENTES (Traduzida, revisada e acrescida com mais informações pela ABOZ Associação Brasileira de Ozonioterapia) O que é

Leia mais

Uma parcela significativa das

Uma parcela significativa das José Roberto Guimarães e Edson Aparecido Abdul Nour Neste artigo é descrita a situação atual de tratamento de águas residuárias no Brasil, bem como os principais processos de tratamento. São discutidos

Leia mais

SESI/DR/AC ANUAL DE BIOSSEGUR ANÇA PROTOCOLOS DE BIOSSEGURANÇA PARA PROFISSIONAIS EM ODONTOLOGIA. Rio Branco-Ac, 2009 MANUAL DE BIOSSEGURANÇA MANU

SESI/DR/AC ANUAL DE BIOSSEGUR ANÇA PROTOCOLOS DE BIOSSEGURANÇA PARA PROFISSIONAIS EM ODONTOLOGIA. Rio Branco-Ac, 2009 MANUAL DE BIOSSEGURANÇA MANU ANUAL DE BIOSSEGUR ANÇA PROTOCOLOS DE BIOSSEGURANÇA PARA PROFISSIONAIS EM ODONTOLOGIA SESI/DR/AC Rio Branco-Ac, 2009 MANUAL DE BIOSSEGURANÇA MANU 1 UAL DE BIOSSEGURANÇA MANUAL DE BIOSSEGURANÇA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

SEGURANÇA NO AMBIENTE HOSPITALAR

SEGURANÇA NO AMBIENTE HOSPITALAR SEGURANÇA NO AMBIENTE HOSPITALAR www.anvisa.gov.br CAPÍTULO I Aspectos da Segurança no Ambiente Hospitalar 1. INTRODUÇÃO O Dr. Samuel Dwane Thomas, residente em urologia do Hospital Episcopal na Filadélfia

Leia mais