PROGRAMAS DE USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS / RESISTÊNCIA ANTIMICROBIANA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMAS DE USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS / RESISTÊNCIA ANTIMICROBIANA"

Transcrição

1 Oficina: PROGRAMAS DE USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS / RESISTÊNCIA ANTIMICROBIANA Coordenação: Dra. Silvia Nunes Szente Fonseca Planilha de Notificação do CVE: como preencher? Geraldine Madalosso Divisão de Infecção Hospitalar CVE/CCD/SES - SP

2 Características dos Sistemas de Vigilância 1. Os sistemas de vigilância devem ser simples e contínuos. 2. Os sistemas de vigilância apresentarão, obrigatoriamente, três componentes Coleta de Dados Análise de Dados Ampla distribuição das informações analisadas a todos aqueles que as geraram e que delas necessitam tomar conhecimento Planejar Implementar Criar estratégias de saúde

3 Vigilância epidemiológica das infecções é a base do controle de infecção nos Estados Unidos desde 1960 Coleta sistemática, Análise Interpretação dos resultados Planejar Implementar Criar estratégias de saúde

4 Sistemas de Vigilância Epidemiológica de IH Vigilância no Mundo Epidemiológica de IH no Mundo NNISS/NHSN HELICS SSISS PREZIES KISS INCISO VICONOS/ INCLIMECC VIHDA/ INICC VICNISS

5 Monitoramento das IH Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) cabe às autoridades de saúde desenvolver um sistema para monitorizar infecções selecionadas e avaliar a efetividade de intervenções OMS, 2002

6 Sistema de Controle de Infecção Hospitalar - Brasil NACIONAL ESTADUAL MUNICIPAL ANVISA Legislações CVE Divisão de Infecção Hospitalar Coordena o sistema estadual Grupos regionais Coordena o sistema municipal Executa as ações Guias de recomendações Define normativas técnicas

7 Nível regional 28 Grupos de VE e VS Decreto Nº 51307, de 27 de novembro de 2006

8 CDL DVHOSP ILSL CENTRAL ICF CRONICAS Secretaria de Estado da Saúde - SP Coordenadoria de Controle de Doenças - CCD CRTAIDS IAL CVS DOMA OFTALMO TBC IMUNIZ CVE DTA HEPATITES RESP. ZOONOSES NIVE

9 Programa Estadual de IH Comitê Estadual IAL UNIFESP Instituto Adolfo Lutz CVS IIER APECIH Servidor Publico Estadual Centro de Vigilância Epidemiológica Centro de Vigilância Sanitária HC-FMUSP HC UNICAMP HC-UNESP Santa Casa de São Paulo Escola de Enfermagem USP Hospital Sírio Libanês

10 Divisão de Infecção Hospitalar Coordenação Estadual do Programa de Controle de IH Portaria de 1998 Prestar apoio técnico aos municípios, executando, supletivamente, ações, caso necessário Medidas de Prevenção Colaborar nas investigações de surtos Acompanhar, avaliar e divulgar os indicadores epidemiológicos de IH Sistema de Vigilância das IH no estado de São Paulo

11 Modelo de Vigilância para IH no Estado de São Paulo Abril de CVE implantou um novo sistema de vigilância para IH no Estado de São Paulo: Dados obtidos através de vigilância por objetivo Vigilância em unidades críticas em substituição à global Notificação adequada às características básicas do hospital Taxas calculadas espelham a qualidade dos processos de atendimento à saúde

12 Indicadores Selecionados Sistema de Vigilância de Infecção Hospitalar do Estado de São Paulo

13 Planilhas de Notificação 2013 Notificação mensal das IH em planilhas Excel de acordo com o tipo de hospital Hospital Geral Planilha 1, 1B, 2,3,4,5, 5B,6 Hospital Psiquiátrico/ Longa Permanência Planilha 7

14 Hospitais Gerais

15 Planilha de Identificação PLANILHA DE IDENTIFICAÇÃO DE HOSPITAL GERAL REGISTRO DE INFECÇÕES HOSPITALARES ANO DE NOTIFICAÇÃO: 2013 HOSPITAL: CNES: NATUREZA DO HOSPITAL: (X) SE PÚBLICO, QUAL ESFERA DE GOVERNO? (X) PÚBLICO FEDERAL PRIVADO ESTADUAL FILANTRÓPICO MUNICIPAL É CONVENIADO SUS? (X) NÚMERO DE LEITOS: (Nº) Sim Não TOTAL UTI ADULTO É INSTITUIÇÃO DE ENSINO? (X) UTI CORONARIANA Sim Não UTI PEDIATRICA UTI NEONATAL CCIH realiza vigilância de infecções cirúrgicas pós-alta? (X) Sim Não Em caso afirmativo, informar o método: busca telefônica: carta pré-selada para paciente dar retorno dos sintomas: ambulatório com acompanhamento de um membro da CCIH: outro: PRESIDENTE DA CCIH: MUNICÍPIO: GVE: RESPONSÁVEL NO MUNICÍPIO: RESPONSÁVEL NO GVE:

16 Infecções de Sítio Cirúrgico Cirurgia: Taxa de infecção em cirurgias limpas Taxa de Infecção em procedimentos cirúrgicos selecionados

17 Planilha 1 ISC em cirurgias limpas Julho Especialidade cirúrgica CCARD CGERA CIRPE CIVAS GASCI GINEC NEUCI ORTOP PLAST TORAX UROCI Total Número de infecções de sítio cirúrgico em cirurgia limpa (ISC) Número de cirurgias limpas realizadas (CL) Taxa ISC/CL

18 Planilha 1B ISC em procedimentos selecionados Julho Procedimento cirúrgico Apendicectomia laparoscópica Artroplastia de joelho Artroplastia Total de Quadril Colectomia laparoscópica Colecistectomia laparoscópica Craniotomia Herniorrafia/hernioplastia laparoscópica Histerectomia laparoscópica Mastectomia Parto cesariano Revascularização do miocárdio Número total de infecções de sítio cirúrgico (ISC) Número de procedimentos cirúrgicos realizados Taxa de Infecção de sítio cirúrgico (%) Vigilância pós-alta

19 Infecções associadas a dispositivos invasivos em unidades de terapia intensiva UTI Adulto, Pediátrica, Coronariana: infecções: pneumonia x ventilação mecânica infecção urinária x sonda vesical infecção corrente sanguínea (laboratorial e sepse clínica) x cateter central taxas de utilização de dispositivos (%): ventilador mecânico sonda vesical de demora cateter central

20 Planilha 2 Infecções em UTI Adulto, Coronariana e Pediátrica Julho Unidade UTI - 1 UTI - 2 UTI - 3 UTI - 4 UCO UTIPE PN (Número de pneumonias associadas a ventilador mecânico) IPCS Laboratorial (Número de IPCS laboratorial associada a cateter central) IPCS Clínica IU VM CT SV (Número de IPCS clínica associada a cateter central) (Número de infecções urinárias associadas a sonda vesical de demora) (Número de pacientes com ventilador mecânico/dia ) (Número de pacientes com cateter central / dia) (Número de pacientes com sonda vesical de demora / dia) DI IPCS Clin X CT DI IU X SV TX VM TX CT TX SV Unidade DI PN X VM DI IPCS Lab X CT UTI - 1 #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! UTI - 2 #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! UTI - 3 #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! UTI - 4 #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! UCO #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! UTIPE #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! Pacientesdia Indicador Nacional

21 Infecções Primárias de Corrente Sanguínea - IPCS UTI Adulto, Coronariana, Pediátrica e Neo: Hemoculturas positivas (IPCS Laboratorial) distribuição de microrganismos Marcadores de resistência UTI Adulto e Coronariana - Consumo de antimicrobianos (DDD)

22 Planilha 5 e 5B hemoculturas positivas de IPCS Julho UTI ADULTO Micro-organismo Nº Acinetobacter baumannii sensível aos carbapenêmicos Acinetobacter baumannii resistente aos carbapenêmicos Candida albicans Candida não albicans Positivo para leveduras (preencher somente quando o laboratório não identificar gênero ou espécie) Enterobacter spp sensível a carbapenêmicos e cefalosporina de 4ª geração Enterobacter spp resistente a carbapenêmicos e cefalosporina de 4ª geração Enterobacter spp sensível a carbapenêmicos e resistente a cefalosporina de 4ª geração Escherichia coli sensível a carbapenêmico e cefalosporina de 3ª e/ou 4ª geração Escherichia coli resistente a carbapenêmico e cefalosporina de 3ª e/ou 4ª geração Escherichia coli sensível a carbapenêmico e resistente a cefalosporina de 3ª e/ou 4ª geração Enterococcus spp sensível a vancomicina Enterococcus spp resistente a vancomicina Enterococcus faecalis sensível a vancomicina Enterococcus faecalis resistente a vancomicina Enterococcus faecium sensível a vancomicina Enterococcus faecium resistente a vancomicina Klebsiella pneumoniae sensível a carbapenêmicos e cefalosporinas de 3ª e/ou 4ª geração Klebsiella pneumoniae resistente a carbapenêmicos e cefalosporina de 3ª e/ou 4ª geração Klebsiella pneumoniae sensível a carbapenêmicos e resistente a cefalosporinas de 3ª e/ou 4ª geração Serratia spp sensível a carbapenêmicos e cefalosporinas de 3ª e/ou 4ª geração Serratia spp resistente a carbapenêmicos e cefalosporinas de 3ª e/ou 4ª geração Serratia spp sensível a carbapenêmicos e resistente a cefalosporinas de 3ª e/ou 4ª geração Pseudomonas aeruginosasensível a carbapenêmicos Pseudomonas aeruginosa resistente aos carbapenêmicos Staphylococcus aureus sensível a oxacilina Staphylococcus aureus resistente a oxacilina Staphylococcus aureus resistente a vancomicina Staphylococcus coagulase negativo sensível a oxacilina Staphylococcus coagulase negativo resistente a oxacilina Staphylococcus coagulase negativo resistente a vancomicina e/ou teicoplanina Outras Enterobacterias resistentes a carbapenêmicos e cefalosporinas de 3ª e/ou 4ª geração Outras Enterobacterias sensíveis a carbapenêmicos e cefalosporinas de 3ª e/ou 4ª geração Outras Enterobactérias sensíveis a carbapenêmicos e resistentes a cefalosporinas de 3ª e/ou 4ª geração Outros micro-organismos Total de micro-organismos isolados em pacientes com IPCS

23

24

25 Planilha 6 consumo de AMC Julho UTIA Nome genérico do antimicrobiano Apresentação nº unidades Total (g) Ampicilina-sulbactam (base sulbactam) FR AMP 1,5G Ampicilina-sulbactam (base sulbactam) FR AMP 3G Cefepima FR AMP 1G Cefepima FR AMP 2G Cefotaxima FR AMP 1G Ceftazidima FR AMP 1G Ceftriaxone FR AMP 1G Ciprofloxacina CP 250 MG Ciprofloxacina FR AMP 200 MG Ciprofloxacina CP 500 MG Ertapenem FR AMP 1G Imipenem FR AMP 250 MG Imipenem FR AMP 500 MG Levofloxacina FR AMP 250 MG Levofloxacina FR AMP 500 MG Levofloxacina CP 250 MG Levofloxacina CP 500 MG Linezolida BOLSA 600 MG Linezolida CP 600 MG Meropenem FR AMP 500 MG Meropenem FR AMP 1G Moxifloxacino BOLSA 400 MG Moxifloxacino CP 400 MG Piperacilina-tazobactam (base piperacilina) FR AMP 4,5G Piperacilina-tazobactam (base piperacilina) FR AMP 2,25G Sulfato de Polimixina B FR AMP UI (50 MG) Sulfato de Polimixina E FR AMP UI (50 MG) Teicoplanina FR AMP 200 MG Teicoplanina FR AMP 400 MG Vancomicina FR AMP 500 MG Vancomicina FR AMP 1G

26 Planilha 6 cálculo da DDD (x 1000 pac-dia) UTIA Julho A B Nome genérico Total (g) DDD padrão A/B consumo Ampicilina-sulbactam #DIV/0! Cefepima #DIV/0! Cefotaxima #DIV/0! Ceftazidima #DIV/0! Ceftriaxone #DIV/0! Ciprofloxacina oral #DIV/0! Ciprofloxacina parenteral 0 0,8 0 #DIV/0! Ertapenem #DIV/0! Imipenem #DIV/0! Levofloxacina oral 0 0,5 0 #DIV/0! Levofloxacina parenteral 0 0,5 0 #DIV/0! Linezolida oral 0 1,2 0 #DIV/0! Linezolida parenteral 0 1,2 0 #DIV/0! Meropenem #DIV/0! Moxifloxacino oral 0 0,4 0 #DIV/0! Moxifloxacino parenteral 0 0,4 0 #DIV/0! Piperacilina-tazobactam #DIV/0! Sulfato de Polimixina B 0 0,2 0 #DIV/0! Sulfato de Polimixina E 0 0,3 0 #DIV/0! Teicoplanina 0 0,4 0 #DIV/0! Vancomicina #DIV/0! #DIV/0! Pac-dia 0

27 Infecções em UTI Neonatal UTI Neonatal - Infecções (densidade de incidência por 1000 procedimentos-dia): pneumonia x ventilação mecânica infecção corrente sanguínea (laboratorial e sepse clínica) x cateter central/umbilical - Taxas de utilização de dispositivos (%): ventilador mecânico cateter central/umbilical

28 Julho Faixa de Peso ao nascer Planilha 3 Infecções em UTI Neonatal PN IPCS Laboratorial IPCS Clínica VM CT Pacientes-dia (Número de pneumonias associadas ao uso de ventilador mecânico) (Número de IPCS Laboratorial associada a cateter central) (Número de IPCS Clínica associada a cateter central) (Número de pacientes com ventilador mecânico/dia) (Número de pacientes com cateter central/dia) A- <750g B g C g D g E- >=2500g Peso ao nascer DI PN X VM DI IPCS Lab X CT DI IPCS Clin X CT TX VM TX CT A- <750g #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! B g #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! C g #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! D g #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! E- >=2500g #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! Indicador Nacional

29 Planilha 4 Consumo de produto alcoólico em UTI (HM) Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro TOTAL Mês do ano Quantidade de produto alcóolico utilizado (ml) UTI Adulto Número de pacientes-dia Consumo em ml por pac.dia

30 Excel Análise Avaliação de dados agregados: soma do numerador no período (n. de infecções) soma dos denominadores no período (n. de dispositivos ou pacientes-dia) Ranking de percentis: 10, 25, 50, 75, 90.

31 Análise Critérios de exclusão da análise global: Plan1: < 250 cirurgias limpas realizadas no período todo Plan2: < 500 pacientes-dia no período todo (UTI Ad, Ped, UCO) Plan3: < 50 pacientes-dia no período todo, por faixa de peso (UTI Neonatal) Plan1B, 5, 5B e 6: sem critérios de exclusão Evitar dispersão dos dados pela inclusão de hospitais com denominador extremamente pequeno

32 Notificação de acordo com complexidade do Hospital

33 Fluxo de Informação Hospital Hospital Hospital Hospital Hospital Município Município GVE CVE CVS

34 Dados em hospitais Envio de 12 meses 9024 planilhas de notificação em 2012 Dados Informação para Ação

35 Retroalimentação de dados Envio de relatório com consolidado anual aos responsáveis nos GVEs Apresentação dos dados anuais do estado em evento aberto Publicação dos dados do SVIH no Boletim Epidemiológico Paulista - BEPA

36

37 nº hospitais notificantes Hospitais notificantes Ano de Notificação

38 nº hospitais notificantes Número de hospitais notificantes por mês jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez mês de notificação

39 Hospitais notificantes GVE 2012 GVE Nome GVE TOTAL com critério 2012* Hospitais recebidos em 2012 % resposta GVE XI Araçatuba ,0% GVE XII Araraquara ,0% GVE XIII Assis ,8% GVE XIV Barretos ,0% GVE XV Bauru ,0% GVE XVI Botucatu ,0% GVE XVII Campinas ,4% GVE XXVIII Caraguatatuba ,0% GVE XVIII Franca ,8% GVE IX Franco da Rocha ,0% GVE XXXII Itapeva ,3% GVE XXX Jales ,0% GVE XIX Marília ,7% GVE VIII Mogi das Cruzes ,0% GVE X Osasco ,0% GVE XX Piracicaba ,7% GVE XXI Presidente Prudente ,0% GVE XXII Presidente Venceslau ,0% GVE XXIII Registro ,7% GVE XXIV Ribeirão Preto ,0% GVE VII Santo André ,0% GVE XXV Santos ,0% GVE XXVI São João da Boa Vista ,7% GVE XXIX São José do Rio Preto ,5% GVE XXVII São José dos Campos ,0% GVE I São Paulo ,6% GVE XXXI Sorocaba ,9% GVE XXXIII Taubaté ,0% Total ,6% 93%GVE>80%

40 nº hospitais Planilhas enviadas de Plan1 Plan 1B Plan2 Plan3 Plan5AD Plan 5B PED tipo de planilhas Plan 5B NEO Plan6 Plan4 Plan7

41 DI (x1000 dispositivos-dia) DI (x 1000 dispositivos-dia) DI (x1000 dispositivos-dia) Mediana das Taxas de Infecção em UTI Adulto ESP, 2004 a ,00 20,00 15,00 Pneumonia associada a ventilação 19,92 19,40 16,98 15,52 16,25 16,32 15,20 14,16 13,33 R² = 0,8726 Infecção Primária de Corrente Sanguinea Laboratorial 6,00 R² = 0,0014 4,97 5,07 4,71 4,85 5,00 4,62 4,42 4,14 4,20 3,94 4,00 10,00 3,00 2,00 5,00 1,00 0, , Infecção do trato urinário 9,00 8,00 7,00 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 1,00 0,00 8,29 7,27 R² = 0,7975 6,37 6,42 6,67 6,33 6,07 5,96 5,

42 Microrganismos isolados em Hemocultura - UTI Adulto Outras Enterobacterias 6% S aureus 17% S epidermidis 20% Pseudomonas sp 8% Acinetobacter 14% Klebsiella sp 14% Candida sp 8% Enterococcus 5% Enterobacter 3% E Coli 3% Acinetobacter Candida sp Enterobacter E Coli Enterococcus Klebsiella sp Serratia spp Pseudomonas sp S aureus S epidermidis Outras Enterobacterias Serratia spp 2% 314 hospitais N=5745

43 Microrganismos isolados em Hemocultura - UTI Adulto Candidas em IPCS Laboratorial Candida albicans 39; 8% Candida não albicans 215; 45% Positivo para leveduras 221; 47%

44 Resistência Microbiana UTI Adulto % resistencia 90,0 80,0 70,0 60,0 80,8 60,3 70,1 76,2 50,0 40,0 30,0 20,0 35,6 18,1 18,7 34,7 25,2 32,8 32,3 30,2 40,9 19,3 26,9 10,0 0,0 7,9 9,4 0,0 1,5

45 Evolução da Resistência Microbiana em UTI Adulto a ,0% % Resistêcia Comparativo 80,0% 70,0% 60,0% 80,8% 75% 68% 56% 65,0% 61% 59% 56% 70,1% 67% 65% 60% 72% 77,4% 50,0% 40,0% 30,0% 30% 28% 27% 22,8% 34% 30% 31,1% 29% 40,9% 38% 39% 39% 32,8% ,0% 14% 10,0% 0,0% A.baumanii res. Imipenem (carbapenemico) E.coli res. cefalo 3ªg (ESBL) VRE K.pneumoniae res. cefalo 3ªg (ESBL) Pseudomonas sp. res. Imipenem (carbapenemico) MRSA SCN res. Oxa K.pneumoniae res. a carbapenêmicos

46 Microrganismos isolados em Hemocultura - UTI Ped Outras Enterobacterias 8% S epidermidis 18% Acinetobacter 7% Candida sp 17% Acinetobacter Candida sp Enterobacter 6% Enterobacter E Coli Enterococcus S aureus 13% Enterococcus 5% Klebsiella sp Serratia spp Pseudomonas sp Pseudomonas sp 9% Klebsiella sp 13% E Coli 2% S aureus S epidermidis Outras Enterobacterias Serratia spp 2% 122 hospitais N=932

47 Microrganismos isolados em Hemocultura - UTI Neo hospitais N=2259

48 Consumo de Antimicrobianos

49 Consumo de AMC e DDD Planilha 6 DDD UTI Adulto P10 P25 P50 P75 P90 Ceftriaxone 48,46 99,30 169,91 245,60 359,37 Piperacilina-tazobactam 0,00 38,64 103,60 165,16 212,06 Vancomicina 30,79 58,01 100,72 164,22 227,96 Meropenem 0,00 18,98 64,48 124,10 204,84 Cefepima 6,90 18,81 46,27 97,02 149,78 Imipenem 0,00 3,74 27,84 78,74 119,76 Ciprofloxacina parenteral 3,39 9,88 20,96 39,91 79,57 Levofloxacina parenteral 0,00 0,85 9,57 27,53 64,57 Sulfato de Polimixina B 0,00 0,00 7,52 28,70 57,72 Teicoplanina 0,00 0,00 5,49 48,32 129,56 Ciprofloxacina oral 0,00 0,76 3,86 12,28 23,62 Ampicilina-sulbactam 0,00 0,00 1,12 8,55 25,83 Levofloxacina oral 0,00 0,00 1,10 5,25 17,48 Ceftazidima 0,00 0,00 0,78 6,51 17,78 Cefotaxima 0,00 0,00 0,00 0,34 8,17 Ertapenem 0,00 0,00 0,00 0,59 10,91 Linezolida oral 0,00 0,00 0,00 0,00 0,64 Linezolida parenteral 0,00 0,00 0,00 8,25 34,77 Moxifloxacino oral 0,00 0,00 0,00 0,00 3,33 Moxifloxacino parenteral 0,00 0,00 0,00 1,91 22,22 Sulfato de Polimixina E 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Total de AMC 431,67 567,10 732,31 935, ,29 DDD Mediana Sulfato de Polimixina E Moxifloxacino oral Linezolida oral Cefotaxima Levofloxacina oral Ciprofloxacina oral Sulfato de Polimixina B Ciprofloxacina parenteral Cefepima Vancomicina Ceftriaxone 0,00 50,00 100,00 150,00 200, hospitais P50

50 Consumo de AMC e DDD (x1000 pacdia) Classe AMC Percentil consumo de antimicrobianos em UTI Adulto (DDDx1000pac-dia) Classes antimicrobianas p10 p25 p50 p75 p90 Cefalosporinas 55,36 118,11 216,96 349,47 535,10 Glicopeptídeos 30,79 58,01 106,20 212,54 357,52 Carbapenêmicos 0,00 22,72 92,33 203,43 335,51 Piperacilina-tazobactam 0,00 38,64 103,60 165,16 212,06 Quinolonas 3,39 11,49 35,49 86,88 210,78 Polimixina B 0,00 0,00 7,52 28,70 57,72 Ampicilina-sulbactam 0,00 0,00 1,12 8,55 25,83 Linezolida 0,00 0,00 0,00 8,25 35,41 Polimixina E 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00

51 Agosto 2006

52 Setembro 2008 LANÇAMENTO MANUAL DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES ASSOCIADAS A PROCEDIMENTOS ESTÉTICOS

53 Março 2011

54 Agosto 2011

55

56 Vigilância Epidemiológica (OMS, 2002) Qualidade da assistência à saúde inclui a documentação dos resultados A monitorização das IH é um fator de segurança para o paciente VE: considerada como um processo efetivo para reduzir a freqüência das IH

57 Vigilância Epidemiológica Vigilância epidemiológica + Medidas de Controle Redução das taxas de IH e mortalidade Infect Control Hosp Epidemiol 2005; 26:

58 Conhecimento realidade Melhoria da qualidade da Assistência à Saúde Indicadores Vigilância

59 Considerações Finais O monitoramento dos indicadores epidemiológicos são importantes para o direcionamento de ações de prevenção e controle de IH tanto para os hospitais como para os gestores em todos os níveis de gestão Não só prevenção e controle, mas também, avaliação da qualidade de práticas de controle. Divulgação dos dados: estímulo a notificação e comparabilidade (benchmarking) Emergência das demandas dos consumidores por informações de desempenho dos serviços de saúde

60 Equipe Técnica: Denise Brandão de Assis Geraldine Madalosso Silvia Alice Ferreira Yara Yatiyo Yassuda Zuleida M. Polachini Site: Apoio: Carlos Eduardo O. Godoy

Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT

Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT Informações do Sistema de Notificação Estadual de Infecções Hospitalares de Mato Grosso Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT Indicadores de IH Sistema

Leia mais

Planilha de Notificação o de Indicadores Epidemiológicos de IRAS do Estado de São S o Paulo CVE/COVISA: como preencher?

Planilha de Notificação o de Indicadores Epidemiológicos de IRAS do Estado de São S o Paulo CVE/COVISA: como preencher? Planilha de Notificação o de Indicadores Epidemiológicos de IRAS do Estado de São S o Paulo CVE/COVISA: como preencher? Geraldine Madalosso Divisão de Infecção Hospitalar CVE/CCD/SES - SP Características

Leia mais

Relatório do I Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde

Relatório do I Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Relatório do I Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde I - RESUMO EXECUTIVO Responsáveis: - Adélia Aparecida Marçal dos Santos Gerência de

Leia mais

Como avaliar dados de infecção hospitalar

Como avaliar dados de infecção hospitalar Montando meu programa de vigilância epidemiológica: o que não pode faltar Parte II Como avaliar dados de infecção hospitalar Geraldine Madalosso Divisão de Infecção Hospitalar-CVE gmadalosso@saude.sp.gov.br

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE DIÁLISE

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE DIÁLISE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS - CCD CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA "PROF. ALEXANDRE VRANJAC" DIVISÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

Leia mais

II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL

II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL 1 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO... 3 II - NOTIFICAÇÃO... 3 1. Vigilância / Requerimentos...

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA: SUA IMPORTÂNCIA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA: SUA IMPORTÂNCIA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO ANÁLISE MICROBIOLÓGICA: SUA IMPORTÂNCIA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO MSC INES STRANIERI LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JULIO MULLER - HUJM UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO - UFMT

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Análise dos dados das Infecções Hospitalares/Infecções Relacionadas a Assistência a Saúde do Estado do Paraná no período entre Junho a Dezembro de 2009. Departamento de Vigilância Sanitária/SESA Comissão

Leia mais

Instruções para o preenchimento da planilha de indicadores epidemiológicos de infecção relacionada à asssistência à saúde (IrAS)

Instruções para o preenchimento da planilha de indicadores epidemiológicos de infecção relacionada à asssistência à saúde (IrAS) PREFEITURA DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA COORDENAÇÃO MUNICIPAL DE CONTROLE DE INFECÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE COMCISS (Av.

Leia mais

Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo?

Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo? 10 a Jornada de Controle de Infecção Hospitalar CCIH Hospital de Câncer de Barretos da Maternidade Sinhá Junqueira Ribeirão Preto, 29 e 30 de julho de 2005 Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo?

Leia mais

TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DO SEGURADO EMPREGADO, DOMÉSTICO E AVULSO

TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DO SEGURADO EMPREGADO, DOMÉSTICO E AVULSO TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DO SEGURADO EMPREGADO, DOMÉSTICO E AVULSO A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2010 Salário-de-contribuição (R$) INSS até 1.040,22 8,00% de 1.040,23 até 1.733,70 9,00% de 1.733,71 até 3.467,40

Leia mais

PROJETO ESTADUAL REDUÇÃO DE INFECÇÃO DE CORRENTE SANGUÍNEA (ICS) ASSOCIADA A CATETER VENOSO CENTRAL (CVC) EM UTI RESULTADOS. Denise Brandão de Assis

PROJETO ESTADUAL REDUÇÃO DE INFECÇÃO DE CORRENTE SANGUÍNEA (ICS) ASSOCIADA A CATETER VENOSO CENTRAL (CVC) EM UTI RESULTADOS. Denise Brandão de Assis PROJETO ESTADUAL REDUÇÃO DE INFECÇÃO DE CORRENTE SANGUÍNEA (ICS) ASSOCIADA A CATETER VENOSO CENTRAL (CVC) EM UTI RESULTADOS Denise Brandão de Assis Diretora Técnica Divisão de Infecção Hospitalar CVE/CCD/SES

Leia mais

Antibioticoterapia NA UTI. Sammylle Gomes de Castro PERC 2015.2

Antibioticoterapia NA UTI. Sammylle Gomes de Castro PERC 2015.2 Antibioticoterapia NA UTI Sammylle Gomes de Castro PERC 2015.2 O uso racional de Antimicrobianos 1) Qual antibiótico devo escolher? 2) Antibióticos dão reações alérgicas? 3) Vírus fica bom com antibiótico?????????

Leia mais

Priscila do Nascimento Cordeiro de Almeida DCIH/DVS/SESPA

Priscila do Nascimento Cordeiro de Almeida DCIH/DVS/SESPA Priscila do Nascimento Cordeiro de Almeida DCIH/DVS/SESPA PARA QUÊ SERVE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO? Os sistemas de informação têm como objetivo a aquisição do conhecimento que deve fundamentar a gestão

Leia mais

PRECAUÇÕES E ISOLAMENTOS. (Falhas na adesão ás práticas de prevenção)

PRECAUÇÕES E ISOLAMENTOS. (Falhas na adesão ás práticas de prevenção) PRECAUÇÕES E ISOLAMENTOS (Falhas na adesão ás práticas de prevenção) Transmissão de agentes infecciosos Podem ser encontrados: -Meio ambiente,ar, água e solo; -Utensílios; -Equipamentos; -Seres vivos -

Leia mais

Sistema de Vigilância Epidemiológica das Infecções Hospitalares do Estado de São Paulo Análise dos dados de 2005

Sistema de Vigilância Epidemiológica das Infecções Hospitalares do Estado de São Paulo Análise dos dados de 2005 Rev Saúde Pública 2007;41(4):674-683 Informes Técnicos Institucionais Technical Institutional Reports Divisão de Infecção Hospitalar do Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac. Coordenadoria

Leia mais

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP 2 ª Reunião do GT de Indicadores Hospitalares 09/04/2012 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Comparação

Leia mais

Antimicrobianos: onde estamos e para onde vamos?

Antimicrobianos: onde estamos e para onde vamos? Antimicrobianos: onde estamos e para onde vamos? Dra. Vanessa Schultz Médica Infectologista Especialização em Gestão de Risco Hospitalar Coordenadora do SCIH do Hospital Mãe de Deus Canoas Não possuo;

Leia mais

PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES.

PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES. PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES. Francisco Eugênio Deusdará de Alexandria e Mestre em Genética e Toxicologia Aplicada Qualquer alteração do padrão de resposta ao tratamento usual de uma

Leia mais

Denise Brandão de Assis Diretora Técnica da Divisão de Infecção Hospitalar CVE/CCD/SES - SP

Denise Brandão de Assis Diretora Técnica da Divisão de Infecção Hospitalar CVE/CCD/SES - SP Projeto Estadual para Redução de Infecção de Corrente Sanguínea em Unidades de Terapia Intensiva: intervenção de baixo custo, grandes resultados Denise Brandão de Assis Diretora Técnica da Divisão de Infecção

Leia mais

3. Administre antibióticos de amplo espectro, de preferência bactericidas, em dose máxima e sem correção de dose para insuficiência renal ou

3. Administre antibióticos de amplo espectro, de preferência bactericidas, em dose máxima e sem correção de dose para insuficiência renal ou ATENÇÃO O ILAS disponibiliza esse guia apenas como sugestão de formato a ser utilizado. As medicações aqui sugeridas podem não ser adequadas ao perfil de resistência de sua instituição. GUIA DE ANTIBIOTICOTERAPIA

Leia mais

Microbiologia no controlo e prevenção de IACS. Valquíria Alves Viana do Castelo 2014

Microbiologia no controlo e prevenção de IACS. Valquíria Alves Viana do Castelo 2014 Microbiologia no controlo e prevenção de IACS Valquíria Alves Viana do Castelo 2014 Microbiologia: Componente essencial em qualquer Programa de Controlo de Infecção PPCIRA 2013 Clinical Microbiology and

Leia mais

Informações para elaboração dos. Indicadores Epidemiológicos de IH. no Estado de MT 1

Informações para elaboração dos. Indicadores Epidemiológicos de IH. no Estado de MT 1 Informações para elaboração dos Indicadores Epidemiológicos de IH no Estado de MT 1 (Registro no EDA sob nº. 397.700 Livro 740 Folha 360) 2013 Revisão fev /2013 1 Elaboração: Enfª Ms. Rosangela de Oliveira

Leia mais

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROGRAMA ESTADUAL DE DST/AIDS DE SÃO PAULO MAIO 2014 SITUAÇÃO E METAS GLOBAIS - UNAIDS ELIMINAR INFECÇÕES PELO HIV EM CRIANÇAS E REDUZIR MORTE MATERNA

Leia mais

Controle da infecção hospitalar no Estado de São Paulo. Cilmara Polido Garcia

Controle da infecção hospitalar no Estado de São Paulo. Cilmara Polido Garcia Controle da infecção hospitalar no Estado de São Paulo Cilmara Polido Garcia Períodos de 1855 N. de soldados admitidos no hospital N. (%) de soldados que morreram Janeiro a março 10.283 3354 (33) Abril

Leia mais

Indicadores Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde

Indicadores Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Indicadores Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos UIPEA Gerência Geral

Leia mais

Vigilância das Infecções Hospitalares no Estado de São Paulo

Vigilância das Infecções Hospitalares no Estado de São Paulo Vigilância das Infecções Hospitalares no Estado de São Paulo Dados 2004-2008 SECRETARIA DA SAÚDE Vigilância das Infecções Hospitalares no Estado de São Paulo Dados 2004-2008 Julho 2009 Governo do Estado

Leia mais

Gráfico 01: Número de EAS que notificaram mensalmente dados de IRAS no SONIH em 2013:

Gráfico 01: Número de EAS que notificaram mensalmente dados de IRAS no SONIH em 2013: BOLETIM INFORMATIVO DENSIDADES DE INCIDÊNCIA DE INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE NO ESTADO DO PARANÁ, NOTIFICADAS ATRAVÉS DO SISTEMA ONLINE DE NOTIFICAÇÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SONIH) Os

Leia mais

Uso de antibióticos no tratamento das feridas. Dra Tâmea Pôssa

Uso de antibióticos no tratamento das feridas. Dra Tâmea Pôssa Uso de antibióticos no tratamento das feridas Dra Tâmea Pôssa Ferida infectada Ruptura da integridade da pele, quebra da barreira de proteção Início do processo inflamatório: Dor Hiperemia Edema Aumento

Leia mais

PREVALÊNCIA MICROBIANA EM DIVERSAS AMOSTRAS CLÍNICAS OBTIDAS DE PACIENTES DO CTI DE UM HOSPITAL MILITAR

PREVALÊNCIA MICROBIANA EM DIVERSAS AMOSTRAS CLÍNICAS OBTIDAS DE PACIENTES DO CTI DE UM HOSPITAL MILITAR PREVALÊNCIA MICROBIANA EM DIVERSAS AMOSTRAS CLÍNICAS OBTIDAS DE PACIENTES DO CTI DE UM HOSPITAL MILITAR Cecília Santana Bala Pereira Discente do Curso de Farmácia da Universidade Severino Sombra, Vassouras/RJ,

Leia mais

Taxa de utilização de cateter venoso central (CVC) na UTI Neonatal

Taxa de utilização de cateter venoso central (CVC) na UTI Neonatal Taxa de utilização de cateter venoso central (CVC) na UTI Neonatal V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-SEG-06 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método

Leia mais

Resultados de 5 anos da Estratégia Multimodal, para melhoria da Higiene das Mãos. Elaine Pina Elena Noriega DGS/DQS/DGQ/PPCIRA

Resultados de 5 anos da Estratégia Multimodal, para melhoria da Higiene das Mãos. Elaine Pina Elena Noriega DGS/DQS/DGQ/PPCIRA Resultados de 5 anos da Estratégia Multimodal, para melhoria da Higiene das Mãos Elaine Pina Elena Noriega DGS/DQS/DGQ/PPCIRA 5 de maio de 2014 Iniciativa da OMS: Desafio Mundial para a Segurança do Doente

Leia mais

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência.

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência. Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI Hospitais de Longa Permanência ncia 2011 Premissas 1.Todos os sintomas devem ser novos ou com piora

Leia mais

INFECÇÕES HOSPITALARES EM PACIENTES INFECTADOS COM HIV 9 a Jornada de Infecção Hospitalar de Ribeirão Preto Infecção pelo HIV Alterações de imunidade relacionadas ao HIV: Depleção de células c CD4 (< 250,

Leia mais

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar 1 Serviço de Controle de Infecção Hospitalar 2013-2014 1. COMPREENDENDO OS MICRORGANISMOS MULTIRRESISTENTES (MR) 2 A resistência microbiana é um fenômeno mundial, que ocorre de forma natural, onde os microrganismos

Leia mais

Monitorização da Qualidade em Serviços de Saúde

Monitorização da Qualidade em Serviços de Saúde Infecções e Cuidados de Saúde Hospital Magalhães Lemos 12 Dezembro.2008 Monitorização da Qualidade em Serviços de Saúde Porto,12 de Dezembro 2008 Enquadramento do Processo Negocial com os Serviços de Saúde

Leia mais

Dra. Thaís Guimarães

Dra. Thaís Guimarães Dra. Thaís Guimarães ANTIMICROBIANOS Produtos capazes de destruir microorganismos ou de suprimir sua multiplicação ou crescimento. Antibióticos = produzidos por microorganismos Quimioterápicos = sintetizados

Leia mais

Tempo, Clima e Hospital: Sazonalidade e Determinantes das Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS)

Tempo, Clima e Hospital: Sazonalidade e Determinantes das Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) Tempo, Clima e Hospital: Sazonalidade e Determinantes das Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) Carlos Magno Castelo Branco Fortaleza Professor Adjunto / Disciplina de Moléstias Infecciosas

Leia mais

2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097. de Umuarama.

2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097. de Umuarama. 24 2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097 de Umuarama. 2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097 25 ANEXO I DO REGULAMENTO A QUE SE REFERE O DECRETO Nº 9510/2013 26 2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097 ANEXO

Leia mais

Estabelecimentos de Saúde/Infec

Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Ana Luiza Rammé Ana Carolina Kraemer Roberta

Leia mais

Perfil e Jornada de Trabalho da Equipe de Profissionais da Estação Juventude Local

Perfil e Jornada de Trabalho da Equipe de Profissionais da Estação Juventude Local PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL SECRETARIA NACIONAL DE JUVENTUDE Perfil e Jornada de Trabalho da Equipe de Profissionais da Estação Juventude Local a) COORDENADOR ADJUNTO: 01 (Contratação Temporária

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 enfermeira, 01 farmacêutica e 01 infectologista e consultoresrepresentantes

Leia mais

Impacto de novas instalações na incidência de infecção hospitalar. Filipe Macedo Enf.º GCL-PPCIRA (Hospital Vila Franca de Xira)

Impacto de novas instalações na incidência de infecção hospitalar. Filipe Macedo Enf.º GCL-PPCIRA (Hospital Vila Franca de Xira) Impacto de novas instalações na incidência de infecção hospitalar Filipe Macedo Enf.º GCL-PPCIRA (Hospital Vila Franca de Xira) O Hospital Hoje Um novo edifício Novas capacidades Bloco Operatório, UCI,

Leia mais

Reunião Comitê Dengue. Situação Epidemiológica www.cve.saude.sp.gov.br. Situação Entomológica do Aedes aegypti. no Estado de São Paulo

Reunião Comitê Dengue. Situação Epidemiológica www.cve.saude.sp.gov.br. Situação Entomológica do Aedes aegypti. no Estado de São Paulo Reunião Comitê Dengue Situação Epidemiológica www.cve.saude.sp.gov.br Situação Entomológica do Aedes aegypti no Estado de São Paulo NÚMERO DE CASOS AUTÓCTONES DE DENGUE NO ÚLTIMOS ANOS, ESTADO DE SP 2007-2015*

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC Nº 7, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2010

RESOLUÇÃO-RDC Nº 7, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2010 RESOLUÇÃO-RDC Nº 7, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2010 Dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva e dá outras providências. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional

Leia mais

Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle *

Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, dezembro de 2010. Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle * Embora o controle

Leia mais

AVALIAÇÃO CLÍNICA E MICROBIOLÓGICA DE ÚLCERAS VENOSAS DE PACIENTES ATENDIDOS EM SALAS DE CURATIVOS DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DE GOIÂNIA (GO) *

AVALIAÇÃO CLÍNICA E MICROBIOLÓGICA DE ÚLCERAS VENOSAS DE PACIENTES ATENDIDOS EM SALAS DE CURATIVOS DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DE GOIÂNIA (GO) * AVALIAÇÃO CLÍNICA E MICROBIOLÓGICA DE ÚLCERAS VENOSAS DE PACIENTES ATENDIDOS EM SALAS DE CURATIVOS DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DE GOIÂNIA (GO) * Silvana de Lima Vieira dos SANTOS¹ ; Maria Márcia BACHION¹

Leia mais

Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil

Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Secretaria de Estado da Saúde Vigilância Epidemiológica em âmbito hospitalar Revista de Saúde Pública, vol. 41, núm.

Leia mais

Tratamento das infecções por gram -

Tratamento das infecções por gram - V Congresso Norte Nordeste De Infectologia DEFAFIO NA TERAPIA ANTIMICROBIANA ATUAL Tratamento das infecções por gram - Cristiano Melo Gamba Médico Infectologista Hospital do Servidor Público Estadual SP

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 Enfermeira, 01 Farmacêutica e 01 Medico Infectologista e consultores-representantes

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DOS INDICADORES DE INFECÇÃO RELACIONADA À ASSISTÊNCIA À SAÚDE REALIZADO PELO NÚCLEO ESTADUAL DE CONTROLE DE

RELATÓRIO ANUAL DOS INDICADORES DE INFECÇÃO RELACIONADA À ASSISTÊNCIA À SAÚDE REALIZADO PELO NÚCLEO ESTADUAL DE CONTROLE DE 1 RELATÓRIO ANUAL DOS INDICADORES DE INFECÇÃO RELACIONADA À ASSISTÊNCIA À SAÚDE REALIZADO PELO NÚCLEO ESTADUAL DE CONTROLE DE 1INTRODUÇÃO INFECÇÃO HOSPITALAR-NECIH EM 2014 As Infecções Relacionadas à Assistência

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

Controle de bactéria multirresistente

Controle de bactéria multirresistente Controle de bactéria multirresistente Módulo Especial VII Núcleo de Controle de Infecção Hospitalar HRT, Revisão 2009 1 Controle de bactéria multirresistente 1- Conceitos Bactéria multirresistente (BMR):

Leia mais

Boletim informativo Segurança do Paciente e Qualidade Assistencial em Serviços de Saúde

Boletim informativo Segurança do Paciente e Qualidade Assistencial em Serviços de Saúde VOLUME 1 NÚMERO 2 Boletim informativo Segurança do Paciente e Qualidade Assistencial em Serviços de Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Brasília, Jan-Jul de 2011. Prevenção e controle das

Leia mais

Histórias de Sucesso no Controle da Infecção Hospitalar. Utilização da informática no controle da pneumonia hospitalar

Histórias de Sucesso no Controle da Infecção Hospitalar. Utilização da informática no controle da pneumonia hospitalar Utilização da informática no controle da pneumonia hospitalar Médico Assistente da Disciplina de Moléstias Infecciosas e Tropicais HC-FMRP-USP Médico da CCIH do Hospital Estadual de Ribeirão (HER) e HSP

Leia mais

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante INTRODUÇÃO II - DO OBJETO E DESCRIÇÃO DOS PRODUTOS III - DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA IV - DAS CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO V - DO RECEBIMENTO DA DOCUMENTAÇÃO E DA PROPOST VI - ABERTURA DOS ENVELOPES VII - DA DOCUMENTAÇÃO

Leia mais

INFECÇÕES EM NEONATOLOGIA

INFECÇÕES EM NEONATOLOGIA INFECÇÕES EM NEONATOLOGIA V Congresso Norte Nordeste de Infectologia Fortaleza-Ceará Dezembro-2014 Gláucia Ferreira INTRODUÇÃO o As Infecções relacionadas à asssistência à saúde em neonatologia afetam

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS Estado do Paraná

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS Estado do Paraná SECRETARIA EXECUTIVA LEI Nº 3.336, DE 30 DE AGOSTO DE 2006 Dispõe sobre a criação de empregos públicos para a execução dos Programas de Saúde da Família e Agentes Comunitários de Saúde. A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

DECRETO Nº 7.294, DE 6 DE SETEMBRO DE 2010 DOU 08.09.2010. Dispõe sobre a Política de Mobilização Nacional.

DECRETO Nº 7.294, DE 6 DE SETEMBRO DE 2010 DOU 08.09.2010. Dispõe sobre a Política de Mobilização Nacional. DECRETO Nº 7.294, DE 6 DE SETEMBRO DE 2010 DOU 08.09.2010 Dispõe sobre a Política de Mobilização Nacional. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea "a",

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES E CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS HOSPITAL GERAL

MANUAL DE ORIENTAÇÕES E CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS HOSPITAL GERAL SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS - CCD CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA "PROF. ALEXANDRE VRANJAC" DIVISÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR INFECÇÃO HOSPITALAR MANUAL

Leia mais

CAPÍTULO I DO APOIO A GESTÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE CAPÍTULO II DA CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE

CAPÍTULO I DO APOIO A GESTÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE CAPÍTULO II DA CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE LEI N.º 1.297, DE 06 DE JULHO DE 2010. Dispõe sobre apoio a Gestão do Sistema Único de Saúde, da realização de conferências no âmbito municipal, da reformulação e funcionamento do Conselho Municipal de

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 100, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 100, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 100, DE 2015 Altera a Lei nº 9.961, de 28 de janeiro de 2000, para determinar que a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) estabeleça o índice máximo de reajuste das contraprestações

Leia mais

BACTÉRIAS GRAM NEGATIVAS MULTIRRESISTENTES

BACTÉRIAS GRAM NEGATIVAS MULTIRRESISTENTES II Simpósio: Destaques em Controle e Prevenção de Infecção Principais Temas Discutidos nos Congressos Internacionais de 2013. SHEA/APIC/ICPIC/ID WEEK/Congresso Mundial de Esterilização Mesa redonda: como

Leia mais

Estado de São Paulo. Histórias de sucesso no controle de infecção hospitalar: experiência de hospitais públicos, universitários e privados

Estado de São Paulo. Histórias de sucesso no controle de infecção hospitalar: experiência de hospitais públicos, universitários e privados Histórias de sucesso no controle de infecção hospitalar: experiência de hospitais públicos, universitários e privados Estado de São Paulo Cilmara Polido Garcia Surto de Mycobacterium spp em implantes mamários

Leia mais

O papel do ambiente na transmissão de infecção. Enf. Angela F. Sola SCIH - Hospital Nove de Julho Mestre pela Disciplina de Infectologia UNIFESP

O papel do ambiente na transmissão de infecção. Enf. Angela F. Sola SCIH - Hospital Nove de Julho Mestre pela Disciplina de Infectologia UNIFESP O papel do ambiente na transmissão de infecção Enf. Angela F. Sola SCIH - Hospital Nove de Julho Mestre pela Disciplina de Infectologia UNIFESP Reservatórios / Fontes Ar Enxoval Superfícies Como ocorre

Leia mais

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA Enfª Marcia Daniela Trentin Serviço Municipal de Controle de Infecção Esta aula foi apresentada na Oficina de Capacitação para a utilização do Sistema Formsus na notificação

Leia mais

A consulta ao banco de dados e sua análise foram feitas por meio dos softwares de uso livre EPI-INFO e TABWIN

A consulta ao banco de dados e sua análise foram feitas por meio dos softwares de uso livre EPI-INFO e TABWIN Neste item serão apresentados os resultados finais da análise dos óbitos de pacientes do SUS ocorridos nos hospitais psiquiátricos da região de Sorocaba entre 2004 e 2011. A contagem dos óbitos e do número

Leia mais

PESQUISA ADEMI DO MERCADO IMOBILIÁRIO

PESQUISA ADEMI DO MERCADO IMOBILIÁRIO PESQUISA ADEMI DO MERCADO IMOBILIÁRIO RELATÓRIO DE JANEIRO DE 214 I INTRODUÇÃO O objetivo deste relatório é analisar os resultados da Pesquisa ADEMI no mês de janeiro de 214 no que diz respeito ao VSO

Leia mais

A Pneumonia Nosocomial (PN) ou Pneumonia Adquirida em Meio Hospitalar é

A Pneumonia Nosocomial (PN) ou Pneumonia Adquirida em Meio Hospitalar é I INTRODUÇÃO I - INTRODUÇÃO A Pneumonia Nosocomial (PN) ou Pneumonia Adquirida em Meio Hospitalar é um tema de actualidade crescente, cuja incidência tem aumentado nas duas últimas décadas (1). É a segunda

Leia mais

INFECÇÃO HOSPITALAR NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: FATORES DE RISCO E MORTALIDADE 1

INFECÇÃO HOSPITALAR NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: FATORES DE RISCO E MORTALIDADE 1 25 INFECÇÃO HOSPITALAR NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: FATORES DE RISCO E MORTALIDADE 1 THE HOSPITAL INFECTION IN THE INTENSIVE CARE UNIT: RISK FACTORS AND MORTALITY Larissa Martins SOSSAI 2 Caroline

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS E PRECAUÇÕES. Bianca Fonseca Abril 2013

HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS E PRECAUÇÕES. Bianca Fonseca Abril 2013 HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS E PRECAUÇÕES Bianca Fonseca Abril 2013 Primeiro Desafio Global para Segurança do Paciente 2005 Portaria de segurança metas internacionais de segurança Por que higienizar as mãos?

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA 1 MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO-RDC Nº 2, DE 25 DE JANEIRO DE 2010 (*) Dispõe sobre o gerenciamento de tecnologias em saúde em estabelecimentos de saúde. A Diretoria

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Luiz Nobre Rodrigues Dpto de Saúde Comunitária da UFC Faculdade de Medicina

Prof. Dr. Jorge Luiz Nobre Rodrigues Dpto de Saúde Comunitária da UFC Faculdade de Medicina Prof. Dr. Jorge Luiz Nobre Rodrigues Dpto de Saúde Comunitária da UFC Faculdade de Medicina Caso Clínico Masc, 30 anos, apresentando febre após QT para LMA (3 o ciclo). Nos 2 ciclos anteriores apresentou

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Em relação a epidemiologia e bioestatística aplicadas ao controle de infecções hospitalares, julgue os itens a seguir. 41 No registro de variáveis contínuas, a exatidão do registro tem fundamental valor

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOCIÊNCIAS APLICADAS À FARMÁCIA Perfil de Sensibilidade de Staphylococcus aureus e conduta terapêutica em UTI adulto de Hospital Universitário

Leia mais

REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTÊNCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDE RM NOVO TERMO DE ADESÃO

REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTÊNCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDE RM NOVO TERMO DE ADESÃO REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTÊNCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDE RM NOVO TERMO DE ADESÃO Atribuições dos participantes da Rede RM 1) Gestor dos Hospitais Colaboradores da Rede RM Indicar

Leia mais

Doenças que necessitam de Precaução Aérea. TB pulmonar ou laríngea bacilífera Varicela / Herpes Zoster Sarampo

Doenças que necessitam de Precaução Aérea. TB pulmonar ou laríngea bacilífera Varicela / Herpes Zoster Sarampo O que isolar? Doenças que necessitam de Precaução Aérea TB pulmonar ou laríngea bacilífera Varicela / Herpes Zoster Sarampo TB pulmonar ou laríngea bacilífera Avaliação para TB Critérios para isolar Ser

Leia mais

TEMAS. Sepse grave e Choque Séptico Microrganismos produtores de KPC A problemática da Resistência Microbiana nas UTIs

TEMAS. Sepse grave e Choque Séptico Microrganismos produtores de KPC A problemática da Resistência Microbiana nas UTIs 5ª OFICINA DE INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS Francisco Kennedy S. F. de Azevedo Médico Infectologista Esta aula foi apresentada na Oficina de Capacitação para a utilização do Sistema Formsus na notificação

Leia mais

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA CONCEITO A Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAV) é infecção diagnosticada após 48h de ventilação mecânica até a sua suspensão. ETIOLOGIA Tabela 1. Microorganismos

Leia mais

Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis: Os Avanços no Controle do HIV e. O Descompasso no Controle da. Sífilis Congênita

Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis: Os Avanços no Controle do HIV e. O Descompasso no Controle da. Sífilis Congênita Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis: Os Avanços no Controle do HIV e O Descompasso no Controle da Sífilis Congênita Porquê é um Desafio para a Saúde Pública? Agente etiológico conhecido História natural

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FREQÜÊNCIA E PERFIL DE SENSIBILIDADE DE MICRORGANISMOS ISOLADOS DE UROCULTURAS REALIZADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

AVALIAÇÃO DA FREQÜÊNCIA E PERFIL DE SENSIBILIDADE DE MICRORGANISMOS ISOLADOS DE UROCULTURAS REALIZADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 27 AVALIAÇÃO DA FREQÜÊNCIA E PERFIL DE SENSIBILIDADE DE MICRORGANISMOS ISOLADOS DE UROCULTURAS REALIZADAS EM UM HOSPITAL

Leia mais

Produção de mamografias no SUS do Estado de São Paulo Production of mammographies by SUS from the state of São Paulo

Produção de mamografias no SUS do Estado de São Paulo Production of mammographies by SUS from the state of São Paulo Nesta edição Nº 16 Produção de mamografias no SUS do Estado de São Paulo Production of mammographies by SUS from the state of São Paulo José Dínio Vaz Mendes I ; Mônica Aparecida Marcondes Cecilio II ;

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2015

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2015 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2015 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

USAR OS ANTIBIÓTICOS DE FORMA RESPONSÁVEL

USAR OS ANTIBIÓTICOS DE FORMA RESPONSÁVEL INFORMAÇÃO PARA O PÚBLICO SOBRE O DIA EUROPEU DOS ANTIBIÓTICOS O Dia Europeu dos Antibióticos terá lugar no dia 18 de Novembro de 2009. Este dia tem por objectivo proporcionar uma oportunidade de sensibilização

Leia mais

Propostas por Segmentos: Docente, TAEs e Discente

Propostas por Segmentos: Docente, TAEs e Discente Propostas por Segmentos: Docente, TAEs e Discente A ELEIÇÃO OCORRERÁ DIAS 14 E 15 DE ABRIL Para votar é necessário apresentar o crachá ou documento oficial com foto. Neste caso, é preciso saber o número

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Pelo presente termo de compromisso, de um lado a Secretaria de Estado da Saúde do Estado do Rio de Janeiro/ Fundo Estadual de Saúde, com endereço

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS Emergência CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar

PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Fev 2011 1 Como prevenir a disseminação de Enterobactérias

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO ÚNICO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO DO DISTRITO FEDERAL (PoSIC/SEPLAN) Sumário OBJETIVO... 2 DO ESCOPO DA POLÍTICA... 2 DOS CONCEITOS

Leia mais

HOSPITAL REGIONAL DE DIVINOLÂNDIA CONDERG-CONSÓRCIO DE DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO DE GOVERNO DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA

HOSPITAL REGIONAL DE DIVINOLÂNDIA CONDERG-CONSÓRCIO DE DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO DE GOVERNO DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA 1. Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar - CCIH, formada por Membros Executores e Consultores, tem como objetivo, elaborar e implementar o programa anual de controle de infecções,

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 13/2015, DE 4 DE MAIO DE 2015

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 13/2015, DE 4 DE MAIO DE 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO SUPERIOR Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3227-5564 3235-1741 ramal 2003 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº

Leia mais

GUIA DE ANTIBIOTICOTERAPIA EMPÍRICA PARA O ANO DE 2011

GUIA DE ANTIBIOTICOTERAPIA EMPÍRICA PARA O ANO DE 2011 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR GUIA DE ANTIBIOTICOTERAPIA EMPÍRICA PARA O ANO DE 2011 INFECÇÕES S SITUAÇÃO CLÍNICA

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS Emergência CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES E CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS

MANUAL DE ORIENTAÇÕES E CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS - CCD CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA "PROF. ALEXANDRE VRANJAC" DIVISÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR INFECÇÃO HOSPITALAR MANUAL

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE DO TRABALHADOR EPS/ST-SUS/SP Diário Oficial do Estado Nº 37, Seção 1, 24 de fevereiro de 2011

IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE DO TRABALHADOR EPS/ST-SUS/SP Diário Oficial do Estado Nº 37, Seção 1, 24 de fevereiro de 2011 Circular 047/2011 São Paulo, 24 de Fevereiro de 2011. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE DO TRABALHADOR EPS/ST-SUS/SP Diário Oficial do Estado Nº 37,

Leia mais

SOFTWARE DE ACOMPANHAMENTO DE PROJETOS RURAIS

SOFTWARE DE ACOMPANHAMENTO DE PROJETOS RURAIS SOFTWARE DE ACOMPANHAMENTO DE PROJETOS RURAIS 25.01.2010 ÍNDICE 1. Notificação de Início do Acompanhamento... 3 2. Software para Elaboração de Projetos Agropecuários... 5 2.1. Ícones... 6 3. Cadastro do

Leia mais

ANÁLISE DA INFECÇÃO HOSPITALAR EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NA PARAÍBA NO PERIODO DE 2012 A 2014

ANÁLISE DA INFECÇÃO HOSPITALAR EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NA PARAÍBA NO PERIODO DE 2012 A 2014 Artigo Original ANÁLISE DA INFECÇÃO HOSPITALAR EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NA PARAÍBA NO PERIODO DE 2012 A 2014 Mabel Calina de França Paz 1*, Delfina Indira Fiel Maria Fortes 2, Diego Henrique Gomes

Leia mais