Apresentação da Ferrero Consultoria

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apresentação da Ferrero Consultoria"

Transcrição

1

2 Apresentação da Ferrero Consultoria Especializada em Captação de Recursos para organizações do Terceiro Setor. Missão: Contribuir para o desenvolvimento de uma sociedade mais justa e igualitária, capacitando instituições filantrópicas à sustentação financeira. 23 anos de atuação na área de Captação de Recursos. Know-howimplantado em mais de 190 instituições filantrópicas, localizadas em 21 estados e 477 cidades brasileiras, Argentina e Chile.

3 Apresentação da Ferrero Consultoria Mapa de Atuação da Ferrero Consultoria:

4 Apresentação da Ferrero Consultoria Resultados aproximados do know-how da Ferrero Consultoria, em 2013: 3500 profissionais atuando na execução dos projetos 153 milhões de reais captados

5 Apresentação da Ferrero Consultoria Captação de Recursos: Projetos Sociais Telemarketing Emendas Parlamentares Elaboração, desenvolvimento, implantação e avaliação de projetos de Captação de Recursos. Palestras, cursos e oficinas para Captadores de Recursos. Planejamento estratégico, comunicação, marketing e CRM para Captação de Recursos. Software para Captação de Recursos via telemarketing.

6 Portfólio: Dentre os projetos desenvolvidos, destacamos alguns :

7 Estatística do Terceiro Setor: Evolução do 3º Setor no Brasil e no Estado de São Paulo: Fonte: CEMPRE/IBGE (2010/2011)

8 Captação de Recursos: O que é Captação de Recursos? É um processo desenvolvido pelas organizações que, a partir de um conjunto de estratégias e procedimentos, levantam recursos para a sustentabilidade institucional. A Captação de Recursos é um processo, não uma atividade pontual. Deve ser muito bem planejada antes de qualquer ação. É baseada em relacionamentos,compromissos, parcerias e alianças de longo prazo. A Captaçãode Recursos é uma consequência de um bom planejamento estratégico com definição de objetivos, metas, cronogramas, orçamentose com o apoio da comunicação e do marketing. É importante lembrar que o termo recursos refere-se a recursos financeiros, mas tambéma pessoas(recursos humanos), materiais e serviços.

9 Mobilização de Recursos: O que é Mobilização de Recursos? Nos últimos anos, vem ganhando força a expressão Mobilização de Recursos, que tem um sentido mais amplo do que Captação de Recursos. O termo mobilização amplia o conceito de recurso para além da fonte financeira: considera o trabalho voluntário de diversas especialidades, os materiais, os equipamentos, os serviços, os relacionamentos, entre outros. Mobilizar está mais relacionado a movimentar e otimizar os recursos já disponíveis. Fonte:

10 Captação de Recursos: Diversificação das Fontes: Nenhuma das fontes de recursos deve representar mais de um terço da receita de uma instituição. Exemplo ideal: um terço pessoa física, um terço pessoa jurídica e um terço governamental. 33% 33% P. Física P. Jurídica Governo 33%

11 Fontes de Captação de Recursos: Fontes de Captação de Recursos: Face-to-face (cara a cara): abordagem na rua de forma planejada. Ex: UNICEF. Campanhas Capitais: grandes campanhas, realizadas num período determinado e com finalidades específicas. Ex: aquisição de um equipamento muito caro, construção de um novo prédio(teleton). Campanhas Anuais: grandes campanhas realizadas anualmente (recorrentes) que podem ser utilizadas para a manutenção da organização. Ex: Criança Esperança. Marketing Relacionado a Causa: empresas e ONGs fazem uma parceria que irá beneficiar ambas. Ex: Fundação Abrinq e Copagáz (repasse de um valor a cada botijão vendido).

12 Fontes de Captação de Recursos: Arredondamento de Compras: as lojas arredondam o valor de compra para cima e a diferença é doada para uma organização. Ex: Lojas Mariza. Fundos Patrimoniais: Fundos compostos por doações, com a condição de seu principal (valor doado) ser mantido intacto e investido (período definido ou perpétuo). Ex: Fundação Vitae. Internet: aos doadores colaboram para as organizações através da internet. Ex: APAEdeSãoPaulo. Telemarketing: as organizações ligam para as pessoas, apresentam o trabalho desenvolvido pela instituição e a convidam a fazer a doação. Ex: APAEs, GRAACC, CasasAndréLuiz,... Click-to-call: Mistura de telemarketing com internet. O interessado em doar enviaumamensagem/secadastranositeerecebeumaligação.

13 Fontes de Captação de Recursos: Apadrinhamento: são doações tangibilizadas. Ex: um aluno, xx árvores, xx crianças. Ex: Médicos Sem Fronteiras. Payroll / Workplace Giving: doações no ambiente de trabalho. Geralmente via desconto na folha de pagamento. Mala Direta: envio de cartas para os potenciais doadores. Venda de Produtos: lojas sociais (inclusive virtuais), produtos comercializados. Ex:IMIP,NACCeSOSMataAtlântica. Heranças / Legados: prática pouco utilizada no Brasil. Com grande potencial de crescimento.

14 Fontes de Captação de Recursos: Grandes doadores pessoa física: normalmente estas doações são de valores expressivos e direcionadas a projetos específicos. Crowdfunding:financiamento colaborativo de projetos. Ex. Juntos.com.vc Projetos (PJ): captação através de cotas apresentadas às empresas que têm interesse (ou perfil) em associar a sua marca ou imagem ao investimento/organização. Editais (empresariais e públicos): elaborados por empresas que praticam RSE, fundações, agências internacionais, governos nacionais e internacionais. Democratiza e profissionaliza o processo de captação. Ex: Fundação Boticário, GOOGLE(1 milhão de reais para 4 organizações). Leis de incentivo fiscais: o doador (PJ e PF) se beneficia mediante as doações. Cada lei possui o seu critério de dedução. Ex: PRONAS/PCD, PRONON (IMIP-PE), FUMCAD(APAE de SP), FIA(APAE de Goiânia),...

15 Fontes de Captação de Recursos: Emendas e convênios governamentais: financiamento direto do governo a projetos, aquisição de bens, serviço,... Ex: SICONV. Membros mantenedores: PF ou PJ que contribuem regularmente, pois se identificam e/ou se sensibilizam com a causa, missão ou visão da organização. Fundações e organismos internacionais: organização e agências internacionais que selecionam projetos através de modelos de formulários, processos e critérios padronizados. Ex: Banco Mundial, Agências da ONU (OMS, PAM, UNICEF), GTZ(Alemanha), JICA(Japão), CIDA(Canadá), USAID(EUA),... Eventos: fonte de recursos não carimbado e importante ferramenta para obtenção de mailing. Como corridas, caminhadas, viradas culturais, aluguel de espaços da instituição (salas, auditórios,...), bingos, festa junina, festa da primavera, almoços, jantares, chás, churrasco, festa do sorvete,...

16 Departamento de Captação de Recursos: Como contratar um Captador de Recursos? Recrutamento Interno: Transferência de departamento; Promoção de pessoal;

17 Departamento de Captação de Recursos: Recrutamento e seleção: Recrutamento Externo: Bancodedadosouarquivodefichasdecandidatos; Apresentação de candidatos por funcionários/voluntários da organização; Cartazes ou anúncio(na entrada da organização e em locais públicos); Contato com sindicatos e associações de classe; Contato com agremiações estudantis, diretórios acadêmicos, centros de integração empresa-escola; Cooperação mútua com outras organizações que podem indicar candidatos; Anúncios em jornais, sites especializados no 3º setor, revistas e rádios; Agências de recrutamento e seleção de pessoal.

18 Departamento de Captação de Recursos: Recrutamento e seleção: Seleção: Análise curricular; Entrevista; Testes. Ex: psicotécnicos, de personalidade e de conhecimento técnico; Dinâmicas de grupo.

19 Departamento de Captação de Recursos: Perfil do Captador de Recursos: Idade: Fonte / pesquisa da ABCR:

20 Departamento de Captação de Recursos: Perfil do Captador de Recursos: Formação acadêmica: Fonte / pesquisa da ABCR:

21 Departamento de Captação de Recursos: Perfil do Captador de Recursos: Formação na graduação: Fonte / pesquisa da ABCR:

22 Departamento de Captação de Recursos: Perfil do Captador de Recursos: Tempo de experiência com Captação de Recursos: Obs: Os Captadores novatos precisam de muito treinamento (elaboração de projetos, planejamento estratégico, negociação,...). Fonte / pesquisa da ABCR:

23 Departamento de Captação de Recursos: Perfil do Captador de Recursos: Vinculo profissional do Captador com a organização: Fonte / pesquisa da ABCR:

24 Departamento de Captação de Recursos: Perfil do Captador de Recursos: Formas de remuneração(atenção aos aspectos gerais): Fonte / pesquisa da ABCR:

25 Departamento de Captação de Recursos: Perfil do Captador de Recursos: Remuneração(em R$): Fonte / pesquisa da ABCR: Considerações sobre a remuneração: A organização deve seguir o mesmo padrão de remuneração que pratica para os demais funcionários da instituição, com nível aproximado de formação acadêmica, qualificação profissional e responsabilidade. Quanto mais elevada a formação acadêmica e maior o tempo de experiência, maior será a remuneração mensal(lógica do mercado).

26 Clima Organizacional e Motivação: Clima Organizacional: é a qualidade do ambiente institucional, que é percebida pelos membros da organização e que influencia o comportamento e os resultados dos mesmos. O líder (inclusive a diretoria) tem papel fundamental neste processo. Motivação: Éumaenergia,umaforçaquenosimpulsionanadireçãodealgumacoisa; É uma energia intrínseca que está dentro de nós; nasce de nossas necessidades interiores. Porque a motivação é intrínseca, não podemos motivar os outros. Ninguémmotivaninguém,nóséquenosmotivamosounão. Tudo o que podemos fazer pelos outros é estimular, incentivar, provocar sua motivação. O principal objetivo de um programa de motivação é comprometer o funcionário com a causa, missão e visão da organização, visando integrá-lo a cultura da instituição.

27 Motivação: Algumas ações do líder para estimular a motivação da equipe: Trabalhe a sensibilização; Pratique uma remuneração justa; Invista em treinamento e desenvolvimento, desde o início; Desafie as pessoas a alcançarem seu padrão de excelência; Explicite as metas e objetivos desejados pela organização; Deixe claro e reforce periodicamente a Missão e a Visão da organização; Estimuleaspessoasasentiremorgulhodoquefazem,nãoimportaocargo/função; Promova formas de recompensas individuais, compatíveis aos fatores motivacionais; Reconheça o valor, elogie; Compartilhe autoridade: empowerment e delegação; Respeite as diferenças individuais.

28 Causas Mais Sensibilizadoras: Causas sociais consideradas mais importantes pelo doador (sensibilização): Fonte: PEREIRA, Custódio. Captação de Recursos Fund Raising: Conhecendo melhor porque as pessoas contribuem. São Paulo: Ed. Mackenzie, 2001

29 Causas Mais Sensibilizadoras: Causas sociais consideradas mais importantes pelo doador (sensibilização): Crianças + Deficientes físicos e/ou metais + Saúde Demais Causas Fonte: PEREIRA, Custódio. Captação de Recursos Fund Raising: Conhecendo melhor porque as pessoas contribuem. São Paulo: Ed. Mackenzie, 2001

30 Captação de Recursos: Principais motivos pelo qual as pessoas NÃO doam para uma causa social: Fonte: PEREIRA, Custódio. Captação de Recursos Fund Raising: Conhecendo melhor porque as pessoas contribuem. São Paulo: Ed. Mackenzie, 2001

31 Captação de Recursos - PF: Captação Pessoa Física Características a Serem Destacadas: O Captador deve apresentar o trabalho da instituição e convidar as pessoas a serem contribuintes. Objetivo de prospectar e fidelizar uma ampla carteira de doadores mensalistas / fidelizados. Liberdade de investimento do valor captado, por não se tratar de um recurso carimbado (como de projetos, emendas,...). Quanto maior o investimento em automação / tecnologia, melhor será o resultado.

32 Captação de Recursos PF (TMKT): Captação PF / TMKT Potenciais dos Conselhos das Apaesdo Estado de SP:

33 Estatística do Segundo Setor (empresas): Evolução do 2º Setor no Brasil: Fonte: CEMPRE/IBGE (2010/2011)

34 Captação de Recursos PJ: Quantidade de Empresas nas Regiões dos Conselhos das APAEs do Estado de SP: Fonte: 2011

35 Captação de Recursos : Mensuração do Potencial de Doação: Não basta que uma pessoa ou organização esteja motivada a doar, é necessário que ela tenha capacidade de realizar a doação. A primeira tarefa é a identificação de um grupo de doadores potenciais (ex: vide quadro anterior). Em seguida, para que possamos mensurar o potencial de doação, utilizamos o Princípio VIC(Vínculo, Interesse e Capacidade). Fonte: Livro Captação de Recursos da Teoria à Prática. Acesso:

36 Captação de Recursos : Princípio VIC: V(vínculo):qualéovínculoexistenteentreaONGeopotencialdoador?Quem seriaamelhorpessoanaongparasolicitaradoação? I (interesse): Até que ponto o potencial doador está interessado na causa em geral e na ONG em particular? Qual é o seu histórico de doação na comunidade? C(capacidade): Quanto poderá doar se tiver vontade? Fonte: Livro Captação de Recursos da Teoria à Prática. Acesso:

37 Captação de Recursos : Tabela de Pontuação de Doadores Atuais e Potenciais Princípio VIC: Utilizar escala de 1 a 5, sendo que 1 significa pouco e 5 muito. 1-Nome do Doador / Potencial Construtora Neymar Sr.Pedro de Almeida Gráfica do Toninho Fundação Crescer 2- Vínculo com a ONG 3-Interesseno trabalho da ONG 4-Capacidade de doar Total de Pontos ( ) Escore Final º º º º Fonte: Livro Captação de Recursos da Teoria à Prática. Acesso:

38 Riscos da Estagnação/Declínio da Captação : Despesas da organização aumentando(profissionalização) X Receita estagnada Gráfico do Ciclo de Vida do Produto

39 Ações para Manter o Crescimento da Captação : Realizar um trabalho transparente. Prestar contas periodicamente aos doadores e ex-doadores. Elaboração e cumprimento do Plano de Captação Anual. Caso haja estagnação da receita, realizar diagnóstico externo. Acompanhamento frequente dos resultados(software especializado, relatórios,...). Consultoria especializada em Captação de Recursos (treinamentos, elaboração das metas, acompanhamento dos resultados,...)

40 Sistema de Telemarketing Informatizado - STI: O Sistema de Telemarketing Informatizado, STI, é a nossa ferramenta responsável pelo processamento das doações, pelo gerenciamento completo da rotina e dos resultados do telemarketing e por isto influencia positivamente a produtividade; Possibilita a utilização de diferentes opções de base de dados: SQL, Oracle e Interbase / Firebird; Considerando que a Captação de Recursos se inicia a partir de um mailing, o STI incorpora e administra uma lista telefônica de contribuintes potenciais, segmentando a atuação por cidades, bairros e ruas.

41 Sistema de Telemarketing Informatizado - STI: Na tela da operação, disponibiliza abas quem classificam os doadores por específicos tipos de abordagem (Doadores Pagantes, Não Pagantes, Agendados, Confirmação, Recuperação, Listagem de Potenciais e Campanhas para Doações Extras); Com objetivo de ampliar as ferramentas de arrecadação das doações, o STI processa débitos automáticos (conta bancária, energia elétrica, telefone, etc), pagamentos via paygo, cartões de crédito, boletos bancários e emissão de recibos de doações a serem recebidos por mensageiros, utilizando inclusive tecnologia Androide;

42 Sistema de Telemarketing Informatizado - STI: Além da facilidade de operacionalização, apresenta ferramentas internas de auditoria, backup, atualização simultânea dos resultados em mais de 80 tipos de relatórios, consultas e gráficos. Estamos desenvolvendo uma ferramenta capaz de ler/digitalizar o cupom da Nota Fiscal.

43 Buscar aliados é a base da Captação de Recursos. Os recursos mais importantes são os nossos aliados. O dinheiro é consequência disso. Marcelo Estraviz Contato: Ferrero Assessoria e Consultoria em Fund Raising Rua Itapicuru, 369 -cj. 807 / 808 Perdizes -São Paulo /SP Brasil - CEP Fone/Fax: (11) Facebook: Ferrero Consultoria

Captação de Recursos. João Paulo Vergueiro presidente@captacao.org

Captação de Recursos. João Paulo Vergueiro presidente@captacao.org Captação de Recursos João Paulo Vergueiro presidente@captacao.org 27 de março de 2014 Palestrante Bacharel em administração pública na FGV-SP e em direito na USP, e mestre pela FGV; Trabalhou no Projeto

Leia mais

com João Paulo Vergueiro presidente@captacao.org

com João Paulo Vergueiro presidente@captacao.org A mobilização de recursos para organizações do Terceiro Setor com João Paulo Vergueiro presidente@captacao.org Palestrante Bacharel em administração pela FGV-SP e em direito pela USP, com mestrado em andamento

Leia mais

Encontros Estaduais/Regionais_2015 Oficinas de trabalho Sustentabilidade estratégias e ferramentas

Encontros Estaduais/Regionais_2015 Oficinas de trabalho Sustentabilidade estratégias e ferramentas Encontros Estaduais/Regionais_2015 Oficinas de trabalho Sustentabilidade estratégias e ferramentas MANUTENÇÃO DO OS LOCAL Algumas dicas para gestão de assuntos relacionados a sustentabilidade financeira

Leia mais

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria Agentes Financiadores Notícias e atualidades sobre Agentes Financiadores nacionais e internacionais página inicial A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores

Leia mais

Sobre o cenário da sustentabilidade das ONG no Brasil

Sobre o cenário da sustentabilidade das ONG no Brasil Sobre o cenário da sustentabilidade das ONG no Brasil Cristina Câmara Rio de Janeiro, 07 mar. 2012 Um grupo social organizado é movido por uma causa, estabelece alianças políticas com outros atores sociais

Leia mais

Padrão de Gestão e Transparência do Terceiro Setor

Padrão de Gestão e Transparência do Terceiro Setor O que é o Padrão de Gestão e Transparência O Padrão de Gestão e Transparência (PGT) é um conjunto de práticas e ações recomendadas para as organizações sem fins lucrativos brasileiras organizadas na forma

Leia mais

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Qualidade Gestão O tecnólogo em Gestão da Qualidade é o profissional que desenvolve avaliação sistemática dos procedimentos, práticas e rotinas internas e externas de uma entidade, conhecendo e aplicando

Leia mais

Doações por Terceiros - Pessoa Física e Pessoa Jurídica João Paulo Vergueiro presidente@captacao.org

Doações por Terceiros - Pessoa Física e Pessoa Jurídica João Paulo Vergueiro presidente@captacao.org Doações por Terceiros - Pessoa Física e Pessoa Jurídica João Paulo Vergueiro presidente@captacao.org Objetivo Doações por terceiros (pessoa física e pessoa jurídica): Desafios e possibilidades de uma organização

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 Instituto Lojas Renner Instituto Lojas Renner Promover a inserção de mulheres no mercado de trabalho por meio de projetos de geração de renda é o objetivo do Instituto Lojas

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Encontros Estaduais/Regionais_2015 Oficinas de trabalho Sustentabilidade orientações sobre projetos

Encontros Estaduais/Regionais_2015 Oficinas de trabalho Sustentabilidade orientações sobre projetos Encontros Estaduais/Regionais_2015 Oficinas de trabalho Sustentabilidade orientações sobre projetos Dicas para captação de recursos Anexo que consta do Manual de Procedimentos da Rede OSB Princípios da

Leia mais

Produto da Divisão Marketing

Produto da Divisão Marketing Marketing para o Terceiro Setor Produto da Divisão Marketing OBJETIVO Dispor ao mercado de entidades relacionadas ao Terceiro Setor, um leque de atividades relacionados ao marketing e comunicação voltados

Leia mais

Campanha Anual e Campanha Capital de Captação de Recursos*

Campanha Anual e Campanha Capital de Captação de Recursos* Campanha Anual e Campanha Capital de Captação de Recursos* O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público que visa promover e estruturar

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são:

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são: 24/2010 1. Identificação do Contratante Nº termo de referência: TdR nº 24/2010 Plano de aquisições: Linha 173 Título: consultor para desenvolvimento e venda de produtos e serviços Convênio: ATN/ME-10541-BR

Leia mais

Centro Comunitário Vila Gaúcha. Projeto Experimental II

Centro Comunitário Vila Gaúcha. Projeto Experimental II Centro Comunitário Vila Gaúcha Projeto Experimental II Apresentação da Empresa O Centro Comunitário Vila Gaúcha presta atendimento regular em Educação Infantil, Serviço de Apoio Sócio Educativo, Trabalho

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO. Fatima Gouvêa

PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO. Fatima Gouvêa PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO Fatima Gouvêa Comunicação = papel estratégico MISSÃO Gerar e tornar disponível conhecimento relevante e formar profissionais qualificados, devolvendo à sociedade o investimento

Leia mais

Seminário GVcev Franchising: Tendências e Desafios. Seleção e Recrutamento de Franqueados Filomena Garcia

Seminário GVcev Franchising: Tendências e Desafios. Seleção e Recrutamento de Franqueados Filomena Garcia Seminário GVcev Franchising: Tendências e Desafios Seleção e Recrutamento de Franqueados Filomena Garcia Filomena Garcia Sócia-Diretora do Grupo Cherto: Comercial, Expansão de Franquias e Rede de Negócios

Leia mais

HAFRA Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica. Apresentação de Serviços Profissionais

HAFRA Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica. Apresentação de Serviços Profissionais HAFRA Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica Apresentação de Serviços Profissionais SOBRE A Hafra Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica tem atuação no mercado empresarial do Rio de Janeiro e

Leia mais

Politica Nacional de Enfrentamento à epidemia de HIV/AIDS no Brasil:

Politica Nacional de Enfrentamento à epidemia de HIV/AIDS no Brasil: FUNDO POSITHiVO Politica Nacional de Enfrentamento à epidemia de HIV/AIDS no Brasil: Resposta Brasileira à epidemia de AIDS: Conjunção de esforços- Resposta Governamental & Sociedade Brasileira. Êxito

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Departamento de Responsabilidade Social (DRS) Diretoria Regional de Sorocaba

Departamento de Responsabilidade Social (DRS) Diretoria Regional de Sorocaba Departamento de Responsabilidade Social (DRS) Organograma do Departamento de Responsabilidade Social 80 anos Conselho de Administração do DRS Coordenador Geral Dr. Luiz Pagliato Coord. Amadeu Andreosi

Leia mais

15/10/2012. Oficina de Mobilização de Recursos. Apresentação. Estrutura de um Projeto. Programação. Conteúdos

15/10/2012. Oficina de Mobilização de Recursos. Apresentação. Estrutura de um Projeto. Programação. Conteúdos Apresentação Oficina de Mobilização de Recursos 1. Nome 2. Instituição 3. Você conhece os ODM? 4. Já trabalhou com projetos? 5. Expectativas com a Oficina? odm@fiepr.org.br Programação Estrutura de um

Leia mais

COMO SE ASSOCIAR 2014

COMO SE ASSOCIAR 2014 2014 QUEM SOMOS FUNDADO EM 2004, O CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL CHINA CEBC É UMA INSTITUIÇÃO BILATERAL SEM FINS LUCRATIVOS FORMADA POR DUAS SEÇÕES INDEPENDENTES, NO BRASIL E NA CHINA, QUE SE DEDICA À PROMOÇÃO

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS

PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS Parceria: Ingresso Agosto 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba Pós-Graduação em Política e Relações Governamentais O programa objetiva

Leia mais

Rio de Janeiro Avenida General Justo, 307 CEP: 20021-130 Rio de Janeiro PABX (21) 3804-9200 E-mail: cncrj@cnc.com.br

Rio de Janeiro Avenida General Justo, 307 CEP: 20021-130 Rio de Janeiro PABX (21) 3804-9200 E-mail: cncrj@cnc.com.br Rio de Janeiro 2011 2010 Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo Qualquer parte desta publicação pode ser reproduzida, desde que citada a fonte. Confederação Nacional do Comércio

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS Palestrante: Miriam Ferrari

CAPTAÇÃO DE RECURSOS Palestrante: Miriam Ferrari CAPTAÇÃO DE RECURSOS Palestrante: Miriam Ferrari Confiamos na educação como caminho na transformação social Vamos começar com uma reflexão: Quais seriam as estratégias mais assertivas para se captar recursos

Leia mais

CENÁRIO BRASILEIRO DO MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Atitudes e comportamento das OSCs e Empresas

CENÁRIO BRASILEIRO DO MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Atitudes e comportamento das OSCs e Empresas CENÁRIO BRASILEIRO DO MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Atitudes e comportamento das OSCs e 3º Seminário de Marketing Relacionado a Causas 25 de outubro de 2007 1 Objetivos Estudar atitudes e comportamentos

Leia mais

Fórum Paranaense de ONG AIDS.

Fórum Paranaense de ONG AIDS. RELATÓRIA TRABALHO DE SUBTEMAS XVII ERONG PR SUL 2013 REGIÃO SUL CURITIBA. ERONG PR SUL 2013 Cidade: CURITIBA UF: PARANÁ Pessoa/s de contato:amauri Instituição/es: Fórum Paranaense de ONG AIDS, Ferreira

Leia mais

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna A estratégia do PGQP frente aos novos desafios 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna PROCESSO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO MACROFLUXO ENTRADAS PARA O PROCESSO - Análise de cenários e conteúdos

Leia mais

Incentivo Fiscal Imposto de Renda sobre Pessoa Física IMPOSTO DE RENDA

Incentivo Fiscal Imposto de Renda sobre Pessoa Física IMPOSTO DE RENDA Incentivo Fiscal Imposto de Renda sobre Pessoa Física IMPOSTO DE RENDA O Imposto de Renda sobre Pessoa Física - IRPF é um tributo federal obrigatório a todos os trabalhadores brasileiros que obtiveram

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Jorn. Esp. Cris Guimarães

Jorn. Esp. Cris Guimarães As Relações Institucionais como Estratégia de Fortalecimento das Causas Sociais Jorn. Esp. Cris Guimarães Quem somos Missão: Potencializar o desenvolvimento integral da criança, adolescente e jovem numa

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA Aula 16/02/2012

ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA Aula 16/02/2012 FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE UNIPAC DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua Tiradentes, nº. 66 Centro Uberlândia/MG - Telefax: (34) 3291-2100

Leia mais

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL índice APRESENTAÇÃO...3 POLíTICA DE PATROCíNIOS DA VOLVO DO BRASIL...3 1. Objetivos dos Patrocínios...3 2. A Volvo como Patrocinadora...3 3. Foco de Atuação...4

Leia mais

Captação de Recursos. Fernando Cavalcanti 04.Jun.2013. Encontro de Capacitação sobre Projetos Sociais Capacitado, você pode mais!

Captação de Recursos. Fernando Cavalcanti 04.Jun.2013. Encontro de Capacitação sobre Projetos Sociais Capacitado, você pode mais! Captação de Recursos Fernando Cavalcanti 04.Jun.2013 Encontro de Capacitação sobre Projetos Sociais Capacitado, você pode mais! Como Captar Recursos? Existem diversas maneiras das organizações conseguirem

Leia mais

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA EVOLUÇÃO DO SEGMENTO DE PROMOÇÃO DE CRÉDITO: A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA Desenvolvendo Pessoas e Fortalecendo o Sistema Renato Martins Oliva Agenda O que é ABBC Missão e valores Bancos de pequena e média

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda, uma

Leia mais

Parceria de sucesso para sua empresa

Parceria de sucesso para sua empresa Parceria de sucesso para sua empresa A Empresa O Grupo Espaço Solução atua no mercado de assessoria e consultoria empresarial há 14 anos, sempre realizando trabalhos extremamente profissionais, pautados

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

Editorial. Um abraço e até a próxima! Stella Cintra Diretora-presidente

Editorial. Um abraço e até a próxima! Stella Cintra Diretora-presidente Editorial O mês de julho foi marcado por grandes acontecimentos. Um deles foi a comemoração dos 2 anos do projeto Marc Romano. Desejamos aos alunos, professores, voluntários e coordenação do projeto nossos

Leia mais

9 Plano de Marketing 9.1 Estratégias de Produto

9 Plano de Marketing 9.1 Estratégias de Produto 1 Sumário Executivo (O que é o plano de negócios) 2 Agradecimentos 3 Dedicatória 4 Sumário ( tópicos e suas respectivas páginas) 5 Administrativo - Introdução (O que foi feito no módulo administrativo)

Leia mais

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide A Nova América na vida das pessoas 8 Cultural Empresarial Missão Do valor do campo ao campo de valor

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais/CVB s 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda,

Leia mais

Fundos Patrimoniais ABCR SP 26/08/2013

Fundos Patrimoniais ABCR SP 26/08/2013 Fundos Patrimoniais ABCR SP 26/08/2013 1 Agenda 1 2 3 O que é um Fundo Patrimonial? Por que criar um Fundo Patrimonial? Captação de Recursos para um Fundo Patrimonial? 4 5 Estruturação de um Fundo Patrimonial

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Público Alvo: Investimento. Disciplinas: Profissionais graduados, que lidam ou estejam interessados em atuar com gestão e marketing de serviços.

Público Alvo: Investimento. Disciplinas: Profissionais graduados, que lidam ou estejam interessados em atuar com gestão e marketing de serviços. A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

Mobilização de Recursos e Sustentabilidade

Mobilização de Recursos e Sustentabilidade Mobilização de Recursos e Sustentabilidade XI Workshop Instituto Cândido de Des. Social 9/5/15 Danilo Tiisel danilo@socialprofit.com.br O QUE É CAPTAÇÃO OU MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS? CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 Missão Promover a inserção da mulher no mercado de trabalho, apoiando ações sociais empreendedoras, desenvolvidas por organizações da sociedade civil, que contribuam de forma

Leia mais

//Sobre VISÃO MISSÃO. Honestidade, Responsabilidade. Respeito. Colaboração.

//Sobre VISÃO MISSÃO. Honestidade, Responsabilidade. Respeito. Colaboração. . Quem somos //Sobre A Oficina1 é uma consultoria direcionada à tecnologia da informação, com foco na implementação dos ERPs Protheus e OpenBravo, além do aplicativo de Service Desk SysAid, abrangendo

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Lançamento. 25/agosto/2009

Lançamento. 25/agosto/2009 Lançamento Programa de Voluntariado Empresarial Sabesp 25/agosto/2009 Cenário externo Modelo de desenvolvimento insustentável; Desequilíbrio ambiental e escassez de recursos naturais; Aumento da pobreza,

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2012 Sumário 1. Apresentação 2. Projetos e ações 3. Gestão participativa 4. Comunicação institucional 5. Resultados 6. Planejamento 2013/2014 7. Agradecimentos 1. Apresentação A

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 O Presidente do Instituto Pauline Reichstul-IPR, torna público que receberá inscrições para o processo seletivo de pessoal para atuação no projeto Ações Integradas

Leia mais

projeto educa para o futuro

projeto educa para o futuro projeto educa para o futuro 15,7% das crianças, nas ruas, têm até 6 anos de idade? 54,7%, tem entre 12 e 17 e quase 30% entre 7 e 11 anos? as crianças estão nas ruas há cerca de 3 anos e meio? 82,6% permanecem

Leia mais

A Importância de Parcerias Estratégicas para a Transformação Social. Ilda Ribeiro Peliz Setembro 2008

A Importância de Parcerias Estratégicas para a Transformação Social. Ilda Ribeiro Peliz Setembro 2008 A Importância de Parcerias Estratégicas para a Transformação Social Ilda Ribeiro Peliz Setembro 2008 Responsabilidade Social O conceito da RSA não está mais entre as quatro paredes dos escritórios. A sociedade

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA VICE-DIRETORIA ADMINISTRATIVA

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA VICE-DIRETORIA ADMINISTRATIVA POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA VICE-DIRETORIA ADMINISTRATIVA ABRIL 2011 1 1. APRESENTAÇÃO A expansão das atividades de ensino e melhoramento da infraestrutura física ofertada tem exigido da Faculdade

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL Danilo Brandani Tiisel danilo@socialprofit.com.br MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS Características da Atividade Atividade planejada e complexa: envolve marketing, comunicação,

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

Fornecedores. Apresentação. www.grupoquantica.com. Nosso desafio é o seu sucesso!

Fornecedores. Apresentação. www.grupoquantica.com. Nosso desafio é o seu sucesso! Fornecedores www.grupoquantica.com Apresentação 2010 A idéia Fundado e idealizado por Cleber Ferreira, Consultor de Marketing e Vendas, autor do livro Desperte o Vendedor Interior com Técnicas de Vendas

Leia mais

Programas de. Andrea Goldschmidt andrea@apoenasustentavel.com.br

Programas de. Andrea Goldschmidt andrea@apoenasustentavel.com.br Programas de Voluntariado Empresarial Andrea Goldschmidt andrea@apoenasustentavel.com.br POSICIONAMENTO APOENA Visão Ser a mais completa empresa de consultoria em Gestão Sustentável do Brasil. Missão Disseminar,

Leia mais

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais:

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais: PROJETO DA SHELL BRASIL LTDA: INICIATIVA JOVEM Apresentação O IniciativaJovem é um programa de empreendedorismo que oferece suporte e estrutura para que jovens empreendedores de 18 a 30 anos desenvolvam

Leia mais

Fundraising - Captação de Recursos para Organizações sem fins lucrativos. Varejo. Lucrativos MANUAL DO CANDIDATO. ESPM - Campus Rodolfo Lima Martensen

Fundraising - Captação de Recursos para Organizações sem fins lucrativos. Varejo. Lucrativos MANUAL DO CANDIDATO. ESPM - Campus Rodolfo Lima Martensen Varejo Fundraising - Captação de Recursos para Organizações sem fins lucrativos Lucrativos MANUAL DO CANDIDATO ESPM - Campus Rodolfo Lima Martensen Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo/SP Informações:

Leia mais

A MANTOVANI tem investido constantemente em instalações e qualificação pessoal, visando sempre uma excelência no atendimento ao cliente.

A MANTOVANI tem investido constantemente em instalações e qualificação pessoal, visando sempre uma excelência no atendimento ao cliente. A MANTOVANI conta com instalações próprias e modernas, equipamentos de informática de última geração em todos os seus departamentos, desde o saguão de recepção até o auditório para treinamento e palestras.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Pós Graduação em Comunicação Organizacional Integrada

Pós Graduação em Comunicação Organizacional Integrada Público - alvo Pós Graduação em Organizacional Integrada Indicado para profissionais de comunicação organizacional, relações públicas, assessores de comunicação, gestores de comunicação, bem como para

Leia mais

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada PROJETO BÁSICO

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada PROJETO BÁSICO _.- f Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada PROJETO BÁSICO 1-0BJETO Definir as bases de uma proposta de ação com vistas à criação de um plano de atividades para a Livraria do IPEA. 2-OBJETIVO distribuição

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DAS AÇÕES DO PVCC

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DAS AÇÕES DO PVCC ESTADO: GOIÁS COORDENADOR: HENRIQUE RICARDO BATISTA PERÍODO DO RELATÓRIO: Ano de 20 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DAS AÇÕES DO PVCC ATIVIDADE DATA N o DE HORAS LOCAL (Município) OBJETIVO N o PART RESULTADO/

Leia mais

Principais dificuldades

Principais dificuldades Principais dificuldades A maior dificuldade apontada pelas organizações contábeis pesquisadas foi receber informações dos clientes com qualidade e prazo. Apenas 16% delas indicaram problemas com a aderência

Leia mais

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 1 Destaques do levantamento de referências de associações internacionais Além dos membros associados, cujos interesses são defendidos pelas associações, há outras

Leia mais

FLAMBOYANT SHOPPING CENTER

FLAMBOYANT SHOPPING CENTER FLAMBOYANT SHOPPING CENTER Nome do Projeto: Stand Flamboyant Social Período e Local de Implementação: Implementado a parir de 28 de Outubro de 2003. O stand está localizado em um dos principais pontos

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS

OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS FERRAMENTA A QUEM É DESTINADA? O QUE É O QUE FAZ OBJETIVOS Guia de finanças para as empresas sociais na África do Sul Guia Jurídico

Leia mais

Público Alvo: Investimento. Disciplinas:

Público Alvo: Investimento. Disciplinas: A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões. novembro 2012. apoio

Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões. novembro 2012. apoio Pesquisa de Gestão e Capacitação Organizacional no 3º Setor principais conclusões novembro 2012 apoio 2 do CEO Carta do CEO A pesquisa levanta questões interessantes relativas à sustentabilidade e à boa

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes

Escola de Formação Política Miguel Arraes Escola de Formação Política Miguel Arraes Curso de Atualização e Capacitação Sobre Formulação e Gestão de Políticas Públicas Módulo III Gestão das Políticas Públicas Aula 5 Parcerias na gestão e execução

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

AÇÕES SOCIAIS, AMBIENTAIS E CULTURAIS

AÇÕES SOCIAIS, AMBIENTAIS E CULTURAIS AÇÕES SOCIAIS, AMBIENTAIS E CULTURAIS Relatório de Atividades 2014 Sumário 1.0 Introdução - Pág 3 2.0 Quem Somos, Estatísticas, Valores - Pág 4 3.0 Projetos 2014 - Pág 5 a 15 3.1 Novo site - Pág 5 a 12

Leia mais

Contatos: (61)3395-6081/ 9500-0038 / 8218-1838 / 9608-1803

Contatos: (61)3395-6081/ 9500-0038 / 8218-1838 / 9608-1803 A PLANARH: Empresa voltada para o desenvolvimento e gerenciamento de projetos, processos de coaching, orientações vocacionais e profissionais, treinamentos, vivências integrativas e motivacionais, e desenvolvimento

Leia mais

Perfil do Investidor Brasileiro Experiências e Atuação Educacional da Bolsa

Perfil do Investidor Brasileiro Experiências e Atuação Educacional da Bolsa Perfil do Investidor Brasileiro Experiências e Atuação Educacional da Bolsa Daniel Pfannemüller Superintendente do Instituto Educacional BM&FBOVESPA Mar/2015 Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno

Leia mais

Feira Internacional de Frutas e Derivados, Tecnologia de Processamento e Logística 08 10 de Setembro de 2009 - ( 3ª. a 5ª.) Expo Center Norte

Feira Internacional de Frutas e Derivados, Tecnologia de Processamento e Logística 08 10 de Setembro de 2009 - ( 3ª. a 5ª.) Expo Center Norte Feira Internacional de Frutas e Derivados, Tecnologia de Processamento e Logística 08 10 de Setembro de 2009 - ( 3ª. a 5ª.) Expo Center Norte Pavilhão Amarelo São Paulo BEM VINDO A FRUIT & LOG 2009! ABRINDO

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Associativo AÇÃO ASSOCIATIVA

Programa de Desenvolvimento Associativo AÇÃO ASSOCIATIVA Programa de Desenvolvimento Associativo AÇÃO ASSOCIATIVA Objetivos 1 2 Atuação Integrada das Entidades Ampliar a Representatividade dos Sindicatos 3 Aumentar a Sustentabilidade do Sindicato 4 Estimular

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS OS INCENTIVOS FISCAIS

CAPTAÇÃO DE RECURSOS OS INCENTIVOS FISCAIS CAPTAÇÃO DE RECURSOS OS INCENTIVOS FISCAIS OS INCENTIVOS FISCAIS Incentivos fiscais são instrumentos utilizados pelo governo para estimular atividades específicas, por prazo determinado (projetos). Existem

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

EXISTE UM NOVO JEITO DE DELIGENCIAR. suas finanças. Ascent. Consultores

EXISTE UM NOVO JEITO DE DELIGENCIAR. suas finanças. Ascent. Consultores EXISTE UM NOVO JEITO DE DELIGENCIAR suas finanças Ascent MISSÃO Prestar serviços profissionais diferenciados que sejam uma ferramenta útil para a tomada de decisões e agreguem valor ao cliente, baseada

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio Plano de Negócios Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa Modelo de Planejamento prévio Fraiburgo, 2015 Plano de Negócios Um plano de negócios é uma descrição do negócio

Leia mais

Fortus Consultoria Contábil Case Qualidade. Gestão de Resultados Solução Independente de Setor e Tamanho

Fortus Consultoria Contábil Case Qualidade. Gestão de Resultados Solução Independente de Setor e Tamanho Fortus Consultoria Contábil Case Qualidade Gestão de Resultados Solução Independente de Setor e Tamanho A Motivação da Busca de Programas de Qualidade 34 Experiência com manuais sobre qualidade em indústria

Leia mais

GUIA PARA O GT RECURSOS FINANCEIROS

GUIA PARA O GT RECURSOS FINANCEIROS GUIA PARA O GT RECURSOS FINANCEIROS Um projeto é um empreendimento planejado que consiste num conjunto de atividades integradas e coordenadas, com o fim de alcançar objetivos específicos dentro dos limites

Leia mais

2. Classificar atos e fatos contábeis.

2. Classificar atos e fatos contábeis. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio de ASSISTENTE FINANCEIRO II.1 PROCESSOS DE OPERAÇÕES CONTÁBEIS Função: Planejamento de Processos Contábeis 1. Interpretar os fundamentos e conceitos da contabilidade.

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas:

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

Assessoria Consultoria Treinamento F I N A N C E I R A - E M P R E S A R I A L

Assessoria Consultoria Treinamento F I N A N C E I R A - E M P R E S A R I A L Assessoria Consultoria Treinamento F I N A N C E I R A - E M P R E S A R I A L Quem somos Bem vindo à Nord. Formada por profissionais oriundos do mercado financeiro, com formações multidisciplinares e

Leia mais