6/16/2014 INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS INSTRUMENTAIS DE ANÁLISE MÉTODOS DE SEPARAÇÃO CROMATOGRAFIA. Tipos de Métodos de Separação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "6/16/2014 INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS INSTRUMENTAIS DE ANÁLISE MÉTODOS DE SEPARAÇÃO CROMATOGRAFIA. Tipos de Métodos de Separação"

Transcrição

1 INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS INSTRUMENTAIS DE ANÁLISE MÉTODOS DE SEPARAÇÃO CROMATOGRAFIA Prof. Wendell Coltro Tipos de Métodos de Separação 1) CLÁSSICOS: precipitação, destilação e extração - Tiveram uso intenso até a metade do século XX; - Técnicas úteis para amostras com poucos componentes (em altas concentrações) e relativamente puras; - Porém são pouco seletivas e apresentam baixa sensibilidade. 2) INSTRUMENTAIS: cromatografia e eletroforese - Técnicas imbatíveis na separação de amostras multicomponentes; - Apresentam alta seletividade e sensibilidade; - Sistema integrado (análise é feita de modo completo). 1

2 Introdução a Métodos Cromatográficos CROMATOGRAFIA (Definição): técnica analítica (clássica ou instrumental) que permite a separação de misturas por interação diferencial dos seus componentes entre uma FASE ESTACIONÁRIA (líquido ou sólido) e uma FASE MÓVEL (líquido ou gás). A Cromatografia foi inventada (e assim denominada) no início do século 20 (1903) pelo botânico russo Mikhail Tswett. Ele empregou a técnica para separar vários pigmentos de plantas (como a clorofila e a xantofila) passando soluções desses componentes através de uma coluna de vidro empacotada com carbonato de cálcio (CaCO 3 ). As espécies separadas apareciam como bandas coloridas na coluna, daí originando o nome da técnica: CROMATOGRAFIA: do grego CHROMA (COR) + GRAPHEIN (ESCREVER) EXPERIMENTO DE TSWETT PRINCÍPIO BÁSICO DE UMA SEPARAÇÃO CROMATOGRÁFICA 2

3 CLASSIFICAÇÃO DOS MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS EM COLUNA Classificação Geral Método Específico F.E. Tipo Equil. Cromatografia Líquida (CL) (F.M.: líquido) Líquido-líquido ou partição Líquido ads. sólido Partição Fase líquido-ligado Esp. org. ligadas sólido Partição Líquido-sólido ou adsorção sólido Adsorção Troca iônica Resina de troca iônica Troca iônica Exclusão por tamanho Líquido interstícios sólido Cromatografia Gasosa (CG) (F.M.: gás) Gás-líquido Líquido ads. sólido Partição Fase gás-ligado Esp. org. ligadas sólido Partição Gás-sólido sólido Adsorção Cromatografia c/ fluido supercrítico (CFS) (F.M.: fluido supercrítico) Esp. org. ligadas sólido Partição CARACTERÍSTICAS DE UM PICO GAUSSIANO - A eficiência de uma coluna (medida do alargamento da banda de um pico) pode ser medida quantitativamente através de duas grandezas: (1) NÚMERO DE PRATOS TEÓRICOS (N) - N mede a relação entre o tempo de retenção de um pico e a sua variância (σ) t R N s 2 t t R2 R2 N 16 N 5 54 w w b2 2 h 2, [7] F Quanto maior t R e menor s (ou w b ou w h ), maior será N. N é adimensional. 3

4 PRATO TEÓRICO: equivalente a uma etapa de equilíbrio entre as duas fases PRATO TEÓRICO: equivalente a uma etapa de equilíbrio entre as duas fases IMPORTÂNCIA DO NÚMERO DE PRATOS TEÓRICOS N 1 > N 2 > N 3 4

5 IMPORTÂNCIA DE N NA SEPARAÇÃO CROMATOGRÁFICA N=2500 N=1500 EXEMPLO DE CÁLCULO DE N - Assumindo que t R = 5 minutos e w b = 0,5 min (atenção: t R e w b devem estar na mesma unidade; N é adimensional!!!) - Substituindo-se esses valores na equação de N =????? (2) ALTURA EQUIVALENTE A UM PRATO TEÓRICO (H): compara eficiência de colunas de diferentes comprimentos H L N [8] L= comprimento da coluna N= número de pratos teóricos da coluna - H nos dá o comprimento da coluna que corresponde ao valor de um prato. - No exemplo anterior de cálculo de N, se considerarmos que a análise foi realizada em uma coluna de 30 cm, e sabendo-se que N=1600, substituindo-se na equação [8], temos: H = 30 cm / 1600 H = 0,01875 cm 5

6 INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS INSTRUMENTAIS DE ANÁLISE MÉTODOS DE SEPARAÇÃO CROMATOGRAFIA GASOSA CROMATOGRAFIA À GÁS (ou GASOSA): CG ( GC ) Fase móvel: gás X Fase estacionária: sólido ou líquido CROMATOGRAFIA À GÁS (CG) 1) Cromatografia gás-sólido: F.M. é um gás; F.E. é um sólido. - Retenção dos analitos ocorre por adsorção física; - Não tem ampla aplicação (retenção irreversível de analitos); - Aplicada a analitos de baixo P.M. e pouco polares (isômeros). 6

7 CROMATOGRAFIA À GÁS (CG) 1) Cromatografia gás-sólido: F.M. é um gás; F.E. é um sólido. - Retenção dos analitos ocorre por adsorção física; - Não tem ampla aplicação (retenção irreversível de analitos); - Aplicada a analitos de baixo P.M. e pouco polares (isômeros). 2) Cromatografia gás-líquido: F.M. é um gás; F.E. é um líquido adsorvido ou quimicamente ligado a um suporte sólido. - Técnica denominada simplesmente de cromatografia gasosa; - Separação dos analitos baseada no fenômeno de partição; - Ampla aplicação em todas as áreas da ciência. CROMATOGRAFIA GÁS-LÍQUIDO (CGL) ou apenas (CG) - F.M. é um gás (não interage com analito); - F.E. é um líquido de alto ponto de ebulição adsorvido física ou quimicamente a um suporte sólido. suporte fase líquida Gás - O fenômeno físico-químico responsável pela interação do analito + F.E. líquida é a ABSORÇÃO. O equilíbrio envolvido no processo de eluição do analito da coluna é a PARTIÇÃO do analito entre a F.M. (gás) e a F.E. (líquido). - A absorção ocorre no INTERIOR da F.E. líquida (fenômeno INTRAfacial). 7

8 COMPONENTES DE UM SISTEMA DE CG Pressurização da fase móvel 2. Controle de fluxo 3. Introdução da amostra 4. Forno 5. Coluna 6. Detector 7. Aquisição e tratamento dos dados FOTOGRAFIA DE UM SISTEMA DE CG Estação de gases Injetor Integrador Forno e Coluna Painel de controle Forno com coluna Detector FID Gás de arraste Injetor Coluna capilar Integrador 8

9 resposta 6/16/2014 COMPONENTES AQUECIDOS EM UM SISTEMA DE CG Gás de arraste Registrador Injetor Coluna Aquecido para vaporizar amostra Detector Aquecida para controlar t R Tratamento de dados Aquecido para manter limpo AMOSTRAS TÍPICAS ANALISADAS POR CG Gases, líquidos ou sólidos (introduzidos na vapor de vapor); A amostra necessita ser VOLÁTIL; Massa molecular entre 2 e 1000 daltons; Compostos orgânicos ou inorgânicos. CROMATOGRAMA TÍPICO tempo de retenção 9

10 SISTEMA DE INTRODUÇÃO DE AMOSTRA: MICROSERINGAS SISTEMA DE INTRODUÇÃO DE AMOSTRA: VÁLVULAS DE INJEÇÃO Gás arraste P/ coluna P/ coluna Posição de injeção da amostra amostra loop injeção Posição de envio da amostra para coluna INTRODUÇÃO DE AMOSTRA EM CG: DEVE-SE EVITAR INTRODUZIR AMOSTRAS NA FORMA DE BANDAS LARGAS!!! t t=0 = 0 Banda Estreita Banda Larga t t=x = x 10

11 INJETOR TÍPICO DE UM SISTEMA DE CG Gás de arraste Seringa Coluna Septo Bloco aquecido Lã de vidro MODOS DE INJEÇÃO DA AMOSTRA: SPLIT (divisão da amostra) descarte: 1 ml/min p/ coluna 1 ml/min Fluxo total: 102 ml/min descarte: 100 ml/min MODOS DE INJEÇÃO DA AMOSTRA: SPLITLESS (sem divisão da amostra) descarte: 1 ml/min p/ coluna 1 ml/min Fluxo total: 2 ml/min descarte: 0 ml/min 11

12 MODOS DE INJEÇÃO DA AMOSTRA: ON COLUMN (inj. direta na coluna) descarte: 0 ml/min p/ coluna 1 ml/min Fluxo total: 1 ml/min descarte: 0 ml/min MANIPULAÇÃO CORRETA DA SERINGA DE INJEÇÃO SISTEMA DE INTRODUÇÃO DE AMOSTRA: MICRO EXTRAÇÃO EM FASE SÓLIDA (SPME) 12

13 SPME: INTRODUÇÃO DA FIBRA NO SISTEMA DE CG SISTEMAS DE DETECÇÃO PARA CG - CARACTERÍSTICAS DO DETECTOR IDEAL PARA CG: 1. Sensibilidade adequada; 2. Boa estabilidade e reprodutibilidade; 3. Resposta linear por várias ordens de grandeza; 4. Suportar altas temperaturas; 5. Resposta rápida; 6. Seletivo; 7. Não destrutivo. Nenhum detector apresenta todas as características citadas, sendo que sua escolha deve basear-se na finalidade analítica, bem como no tipo de amostra a ser analisada. Análise Qualitativa usando CG - A CG é um excelente método para a confirmar a presença ou ausência de um determinado analito em uma amostra (após a adição do padrão do composto de interesse, nenhum novo pico deve aparecer no cromatograma). - Existem basicamente três meios de ser realizar uma análise qualitativa utilizando a técnica de CG: 1. Tempo de Retenção 2. Métodos Gráficos (Índices) 3. Métodos Analíticos Auxiliares 13

14 Tempo de Retenção Tempo de Retenção Vantagens da CG Elevada resolução Alta velocidade de análise Alta sensibilidade Ótima exatidão 14

15 OTIMIZAÇÃO DE UMA SEPARAÇÃO POR CG - Comprimento da coluna; - Diâmetro interno da coluna; - Tubulação da coluna; - Fase líquida presente na F.E.; - Tamanho da amostra (quantidade injetada). INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS INSTRUMENTAIS DE ANÁLISE MÉTODOS DE SEPARAÇÃO CROMATOGRAFIA LÍQUIDA CROMATOGRAFIA LÍQUIDA (ou a LÍQUIDO) (CLAE OU HPLC ) CLAE: Cromatografia Líquida de Alta Eficiência HPLC: High Performance Liquid Chromatography Fase móvel: líquido X Fase estacionária: sólido ou líquido 15

16 EFICIÊNCIA DE UMA COLUNA DE CLAE Efeito do diâmetro da partícula 10 µm 5 µm 3 µm Eficiência como função do D p Tamanho da partícula D p (µm) t R (min) N o pratos (N) Pressão (bar) 5, , , , Cromatograma mostrando o efeito da eficiência como função do D p - CLAE não pode ser realizada em colunas capilares abertas : problema da baixa difusão do soluto na fase móvel líquida. 16

17 Em quais casos deve-ser usar a CLAE? MODOS DE CROMATOGRAFIA LÍQUIDA 1) CROMATOGRAFIA DE PARTIÇÃO (LÍQUIDO-LÍQUIDO) 2) CROMATOGRAFIA DE ADSORÇÃO (LÍQUIDO-SÓLIDO) 3) CROMATOGRAFIA DE TROCA IÔNICA 4) CROMATOGRAFIA DE EXCLUSÃO POR TAMANHO (OU CROMATOGRAFIA EM GEL) APLICAÇÕES DA TÉCNICA DE CLAE 17

18 Componentes de um sistema de CLAE Fotografia de uma sistema de CLAE (1) 18

19 Fotografia de uma sistema de CLAE (2) Componentes de um sistema de CLAE Reservatórios de F.M. a) Eluição com gradiente F.M.: início 40:60 (v/v) de metanol/h 2 O ; aumento do metanol numa razão de 8%/min. b) Eluição isocrática F.M.: 50:50 (v/v) de metanol/h 2 O durante toda a análise. 19

20 Sistemas de Bombeamento - Requisitos para um eficiente sistema de bombeamento: 1. Geração de pressões de até 6000 psi; 2. Saída com ausência de pulsos; 3. Velocidades de fluxo (vazão) variando de 0,1 a 10 ml/min; 4. Controle e reprodutibilidade relativa de fluxo de 0,5%; 5. Componentes resistentes a corrosão (aço inox ou teflon). Existem 3 tipos de bombas para CLAE: 1) bombas recíprocas, 2) bombas do tipo seringa e 3) bombas pneumáticas Sistemas de Injeção de Amostras - O método mais utilizado para introdução de amostras em CLAE está baseado em alças (em inglês, loop) de amostragem que podem ser trocadas de acordo com a necessidade analítica (volumes de 5 a 500 µl). - Alças de amostragem permitem a introdução de amostras a pressões de até 7000 psi com excelente precisão. Sistema de alça de amostragem para CLAE Posição de Carregamento da Amostra (load) Posição de Injeção (Inject) 20

21 Colunas para CLAE - As colunas para CLAE geralmente são construídas em tubos de aço inox. Os custos variam em torno de 200 a 1000 doláres (ou mais), dependendo do tipo de F.E. Coluna típica para CLAE Colunas analíticas usadas em CLAE Detectores utilizados em CLAE - Diferente do que ocorre em CG, em CLAE não existe um detector universalmente aplicável, como o FID. - O detector ideal em CLAE deve ter as mesmas propriedades listadas para os detectores de CG, com exceção do fornecimento de resposta em grande intervalo de temperatura. - Os detectores usados em CLAE são de dois tipos básicos: 1) Detectores de propriedades universais: respondem a propriedades da F.M. como um todo (ex: índice de refração) 2) Detectores de propriedades do soluto: respondem a certas propriedades do soluto, como absorbância no UV ou fluorescência. 21

22 Principais detectores utilizados em CLAE Detectores de Absorbância > Volume cela pequeno: 1 a 10 µl > L da cela: 2 a 10 mm > Cela em Z : aumento do caminho óptico Detectores de Absorbância UV 1) UV com Filtros - São fotômetros, com uma lâmpada de mercúrio como fonte. A linha em 254 nm (mais intensa) é isolada por filtros. - Outras linhas podem ser isoladas: 250, 313, 334 e 365 nm. - Esse tipo de detector é restrito a compostos que absorvem radiação em tais comprimentos de onda. - Fontes de filamento de deutério e de tungstênio com filtros apropriados também podem ser úteis para algumas aplicações. 22

23 1) UV com Monocromadores - A maioria dos equipamentos de CLAE vem equipados com um espectrofotômetro de varredura com redes ópticas, incluindo a radiação UV e Visível. - Com esses equipamentos pode-se utilizar-se de diferentes comprimentos de ondas (aquele apropriado para cada pico sendo eluído da coluna) se os compostos são suficientemente separados um do outro. - Os detectores espectrofotométricos UV mais poderosos são aqueles equipados com arranjo de diodos, que permitem a coleta de dados de um espectro inteiro em cerca de 1 segundo. Detector de UV com arranjo de diodos para CLAE Detectores de Fluorescência - O esquema desse tipo de detector é similar aos fluorímetros e espectrofluorímetros, com a fluorescencia sendo observada perpendicularmente ao eixo de excitação. - Os detectores mais simples usam uma fonte de mercúrio com um ou mais filtros para isolar a bande de emissão de radiação. - A grande vantagem dos detectores de fluorescência está na sua alta sensibilidade. - Detectores de fluorescência são utilizados em CLAE na análise de compostos farmacêuticos, produtos naturais e produtos do petróleo. 23

24 Detectores de Índice de Refração - Esse tipo de detector tem a vantagem de responder a quase todos os analitos. As desvantagens incluem sua alta sensibilidade a mudanças de temperatura e a sua baixa sensibilidade de detecção. Esquema de um detector de índice de refração diferencial Detectores Eletroquímicos - São baseados nos fenômenos de amperometria, polarografia, coulometria e condutometria. Sendo que o mais utilizado baseia-se na amperometria (simplicidade). Grupos funcionais detectáveis por amperometria Cela de um detector amperométrico para CLAE 24

25 MODOS DE OPERAÇÃO EM CLAE MODOS DE OPERAÇÃO EM CLAE Cromatografia de Partição - Pode ser subdividida em: cromatografia líquido-líquido e cromatografia de fase ligada. - Cromatografia líquido-líquido: a F.E. líquida é adsorvida fisicamente sobre a superfície de um suporte sólido. - Cromatografia fase ligada: a F.E. é quimicamente ligada sobre a superfície de um suporte. Colunas para Cromatografia de Fase Ligada - A grande maioria dos suportes para F.E. utilizados em CLAE são preparados à base de sílica. 25

26 - Os recobrimentos mais utilizados como fase ligada são siloxanos formados por reação da superfície hidrolisada da sílica com um organoclorossilano: - A cobertura por silanização está limitada a 4 µmol/m 2 devido a efeitos estéricos. Para desativar os grupos SiOH restantes faz-se umareação com trimetilcloro-silano (processo chamado endcapping). Cromatografia de Fase Ligada: Fase Normal e Fase Reversa - A subdivisão da cromatografia de fase ligada em fase normal e fase reversa está baseada na polaridade relativa das fases móvel e estacionária. CROMATOGRAFIA DE FASE NORMAL - Nesse modo de cromatografia, a F.E. é polar e a F.M. é não-polar. - Em cromatografia de fase normal, a F.E. tem caráter polar (sintetizada a partir da sílica com grupos funcionais polares): - Em cromatografia de fase normal, os analitos polares tem maior afinidade pela F.E. (polar) e, portanto, ficam mais retidos na coluna e são os últimos a serem eluídos da coluna: Fase estacionária polar (sílica, NH 2, CN) Fase móvel apolar (Hexano, diclorometano) amostra Analito mais polar Analito mais apolar - A F.M. não contém água. Os solventes mais comumente utilizados são: hexano e diclorometano. Um solvente e característica polar (como metanol) pode ser usado em pequenas proporções para dar seletividade a F.M. na eluição de analitos mais polares. - A cromatografia de fase normal é mais utilizada na análise de compostos lipofílicos: óleos, gorduras, lípidios. 26

27 CROMATOGRAFIA DE FASE REVERSA - Nesse modo de cromatografia, a F.E. é não-polar e a F.M. é polar. - Em cromatografia de fase reversa, a F.E. tem caráter apolar (sintetizada a partir da sílica com grupos funcionais apolares): Octadecil (C18) Octil (C8) - Em cromatografia de fase reversa, os analitos apolares tem maior afinidade pela F.E. (apolar) e, portanto, ficam mais retidos na coluna e são os últimos a serem eluídos: (A) analito mais polar (B) analito menos polar Suporte da partícula Fase ligada Área intersticial (F.M.) 27

28 Fase estacionária apolar (C8, C18) Fase móvel polar (metanol, acetonitrila, água) amostra Analito mais apolar Analito mais polar - A F.M. contém água. Os solventes mais comumente utilizados são: metanol e acetonitrila. A força de eluição para os analitos é dada pela proporção do solvente orgânico. A proporção de água na F.M. é utilizada para controlar o processo de retenção dos analitos. - Fase Reversa é o modo de CLAE mais utilizado (em cerca de 75% dos métodos). Pode ser utilizado na separaç ão de compostos não iônicos, polares, até a compostos de polaridade intermediária. Efeito do Solvente em Fase Reversa separação rápida separação lenta separação muito lenta 28

29 Efeito do Tamanho do Cadeia sobre a Eficiência de Separação Fase Normal x Fase Reversa: tempos de eluição para uma mistura de compostos Desenvolvimento de Métodos em Cromatografia de Partição (Fase Normal e Fase Reversa) Seleção da Coluna - A polaridade da F.E. da coluna deve ser combinada de maneira próxima com a polaridade dos analitos a serem separados. A F.M. (de polaridade diferente) é usada para eluição. - Uma vez feita a escolha da F.M. e da F.E., o analista deve realizar uma série de experimentos (tentativa e erro) até conseguir a separação dos analitos de interesse. Caso a separação não seja ideal, deve-se escolher outro sistema F.M./F.E. - Polaridade dos analitos: hidrocarbonetos < éteres < ésteres < cetonas < aldeídos < amidas < aminas < alcoóis < água. 29

30 Seleção da Fase Móvel - A F.M. em cromatografia de partição deve ser escolhida de modo a se obter uma resolução adequada para todos os compostos em estudo. - Em CLAE a maneira mais fácil de se obter uma boa resolução é através da manipulação do fator de retenção (k), que é muito dependente da F.M. utilizada. > Isso pode ser feito variando-se a proporção dos solventes utilizados na F.M. - Caso os ajustes dos valores de k não dêem os resultados esperados na resolução, a variação nos fatores de retenção (α) devem ser realizados. > Isso pode ser feito mudando-se a composição dos solventes usados na F.M. APLICAÇÕES DA CROMATOGRAFIA DE PARTIÇÃO - A cromatografia de partição, mais especificamente a cromatografia em fase reversa, aproxima-se de um sistema universal ideal para a cromatografia líquida devido à sua ampla aplicabilidade e facilidade de manipulação dos fatores k e α quando se utiliza uma fase móvel aquosa. 30

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS Aula 1 - Introdução a Cromatografia Profa. Daniele Adão DEFINIÇÃO Conjunto de técnicas de separação cujo princípio depende da distribuição diferenciada dos componentes de uma mistura

Leia mais

Cromatografia Líquida

Cromatografia Líquida Analítica V: Aula 10 Cromatografia Líquida ATENÇÃO À SEQUENCIA DAS PRÁTICAS: Para a Prática de 08/11 cada grupo deverá trazer: - um pacote de M&M (embalagem marrom, de 104 g) - um par de luvas de procedimento

Leia mais

Cromatografia Gasosa. Principles of Instrumental Analysis Skoog, West, Holler, Nieman. Thomson Learning; ISBN: 0030020786. Departamento de Química

Cromatografia Gasosa. Principles of Instrumental Analysis Skoog, West, Holler, Nieman. Thomson Learning; ISBN: 0030020786. Departamento de Química Capítulo X-5 Cromatografia Gasosa Principles of Instrumental Analysis Skoog, West, Holler, Nieman Thomson Learning; ISBN: 0030020786 1 Na cromatografia de fase gasosa (GC) a amostra é volatizada e injectada

Leia mais

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS Aula 5 Cromatografia a Gás Profa. Daniele Adão CROMATÓGRAFO CROMATOGRAMA Condição para utilização da CG Misturas cujos constituintes sejam VOLÁTEIS Para assim dissolverem-se, pelo

Leia mais

Cromatografia Gasosa e Cromatografia Líquida

Cromatografia Gasosa e Cromatografia Líquida Cromatografia Gasosa e Cromatografia Líquida Prof. Aloísio J.B. Cotta e-mail: acotta@ceunes.ufes.br http://www.ceunes.ufes.br/conteudo.asp?cod=1858 CAP. 31 e 32 do SKOOG. sinal Cromatografia Gasosa (CG)

Leia mais

15/05/2015 HISTÓRICO APLICAÇÕES CROMATOGRAFIA

15/05/2015 HISTÓRICO APLICAÇÕES CROMATOGRAFIA CROMATOGRAFIA Definição Geral A cromatografia é um método físico-químico de separação que se fundamenta na migração diferencial dos componentes de uma mistura devido a diferentes interações entre duas

Leia mais

- CROMATOGRAFIA EM CAMADA FINA (CCF)

- CROMATOGRAFIA EM CAMADA FINA (CCF) - CROMATOGRAFIA EM CAMADA FINA (CCF) Técnica de identificação e separação de compostos orgânicos Aplicações: - Identificação de componentes de uma mistura - Acompanhamento da evolução de uma reação - Análise

Leia mais

Cromatografia e suas aplicações em purificação de proteínas e peptídeos. Alexandre Rosolia Assessor Técnico - HPLC

Cromatografia e suas aplicações em purificação de proteínas e peptídeos. Alexandre Rosolia Assessor Técnico - HPLC Cromatografia e suas aplicações em purificação de proteínas e peptídeos Alexandre Rosolia Assessor Técnico - HPLC 1 - Cromatografia Líquida História e Evolução Alexandre Rosolia Assessor Técnico - HPLC

Leia mais

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS: MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS Aula 8 Cromatografia Liquida de Alta Eficiência CLAE (Continuação) Profa. Daniele Adão - Solvente grau HPLC (alta pureza): impurezas presentes na FM

Leia mais

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL CROMATOGRAFIA 2 1 6 Ed. Cap. 10 268-294 6 Ed. Cap. 6 Pg.209-219 6 Ed. Cap. 28 Pg.756-829 6 Ed. Cap. 21 Pg.483-501 3 Separação Química Princípios de uma separação. Uma mistura

Leia mais

TÉCNICAS CROMATOGRÁFICAS

TÉCNICAS CROMATOGRÁFICAS TÉCNICAS CROMATOGRÁFICAS Técnicas cromatográficas Termo cromatografia são atribuídos ao botânico Mikhael Tswett, em 1906. Chrom cor Graphe escrever Reed (Inglaterra) e Day (EUA) Petróleo Época Moderna

Leia mais

SEPARAÇÃO CROMATOGRÁFICA

SEPARAÇÃO CROMATOGRÁFICA SEPRÇÃO CROMTOGRÁFIC CLSSIFICÇÃO DE MÉTODOS CROMTOGRÁFICOS EM COLUN Classificação geral Método específico Fase estacionária Tipo de equilíbrio mostra Fase móvel Cromatografia líquida (LC) (fase móvel:

Leia mais

Cromatografia em camada delgada: Análise qualitativa da composição. de analgésicos. Alunos: Paula Gomes Paulo Sanches

Cromatografia em camada delgada: Análise qualitativa da composição. de analgésicos. Alunos: Paula Gomes Paulo Sanches Cromatografia em camada delgada: Análise qualitativa da composição Alunos: Paula Gomes Paulo Sanches Professores: Prof. Dr. José Eduardo de Oliveira Profa. Dra. Angela Regina Araújo de analgésicos Cromatografia

Leia mais

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS Aula 7 Cromatografia Liquida de Alta Eficiência CLAE Profa. Daniele Adão Cromatografia a líquido clássica O que é Cromatografia a líquido de alta eficiência - CLAE? Emprego de altas

Leia mais

fase fixa (quer em coluna quer em superfície plana) pode ser um líquido depositado num suporte sólido inerte (GC)

fase fixa (quer em coluna quer em superfície plana) pode ser um líquido depositado num suporte sólido inerte (GC) Cromatografia Cromatografia técnica baseada nas diferenças de distribuição dos componentes a separar entre duas fases: uma fase móvel e uma fase estacionária. técnica em que os componentes duma mistura

Leia mais

caso especial de micelas:= microfase/pseudofase/fase microdispersa/fase pseudo-estacionária

caso especial de micelas:= microfase/pseudofase/fase microdispersa/fase pseudo-estacionária Cromatografia Separação de solutos de uma solução por diferenças de coeficientes de partição Princípio: partição de um soluto entre duas fases sendo uma sólida ou estacionária e outra móvel, líquida ou

Leia mais

01/04/2015. Métodos Instrumentais Farmacêuticos FENÔMENOS DE SUPERFÍCIE. Cromatografia. Parte 2 CROMATOGRAFIA E ELETROFORESE CROMATOGRAFIA

01/04/2015. Métodos Instrumentais Farmacêuticos FENÔMENOS DE SUPERFÍCIE. Cromatografia. Parte 2 CROMATOGRAFIA E ELETROFORESE CROMATOGRAFIA Métodos Instrumentais Farmacêuticos FENÔMENOS DE SUPERFÍCIE Cromatografia CROMATOGRAFIA Plano de Aula -Princípios da separação de moléculas -Cromatografia: Classificação e mecanismos de separação -Cromatografia

Leia mais

CONCEITO CONCEITO HISTÓRIA 21/03/2013

CONCEITO CONCEITO HISTÓRIA 21/03/2013 CONCEITO Cromatografia é um processo físico de separação, no qual os componentes a serem separados distribuem-se em duas fases: fase estacionária e fase móvel. PROFA. ALESSANDRA GUEDES SALVADOR, 2013.

Leia mais

QUI 102 Metodologia Analítica

QUI 102 Metodologia Analítica QUI 102 Metodologia Analítica 1 semestre 2011 Profa. Maria Auxiliadora Costa Matos Prática: DETERMINAÇÃO DE ÁCIDO ACETILSALICÍLICO, ÁCIDO SALICÍLICO, PARACETAMOL E CAFEÍNA EM MEDICAMENTOS POR HPLC DETERMINAÇÃO

Leia mais

Cromatografia em Camada Delgada (CCD) ou Thin Layer Chromatography (TLC)

Cromatografia em Camada Delgada (CCD) ou Thin Layer Chromatography (TLC) Material disponível no site http://www.ufsm.br/larp Cromatografia em Camada Delgada (CCD) ou Thin Layer Chromatography (TLC) Prof. Renato Zanella (UFSM) A cromatografia em camada delgada é outra forma

Leia mais

HPLC - Cromatografia líquida de alta eficiência

HPLC - Cromatografia líquida de alta eficiência HPLC - Cromatografia líquida de alta eficiência HPLC High Performance (pressure) Liquid Chromatography nas colunas de enchimemto o fluxo é baixo mesmo para granulometrias elevadas (150-200 µm) < granulometria

Leia mais

A questão a seguir é do concurso público para Perito Criminal da Polícia Federal 2002

A questão a seguir é do concurso público para Perito Criminal da Polícia Federal 2002 A questão a seguir é do concurso público para Perito Criminal da Polícia Federal 2002) 39. A exposição a pesticidas tem levado a um incremento no número de casos de intoxicação que, muitas vezes, não são

Leia mais

Acromatografia é um método

Acromatografia é um método ATUALIDADES EM QUÍMICA Ana Luiza G. Degani Quezia B. Cass Paulo C. Vieira A seção "Atualidades em química" procura apresentar assuntos que mostrem como a química é uma ciência viva, seja com relação a

Leia mais

Separação de Compostos Orgânicos por Cromatografia em Papel e Extração por Solventes.

Separação de Compostos Orgânicos por Cromatografia em Papel e Extração por Solventes. Unidade 3 ( 6ª. e 7ª. Semanas): Separação de Compostos Orgânicos por Cromatografia em Papel e Extração por Solventes. Nessa Unidade, o experimento deverá ser realizado pelo Aluno em sua Casa envolvendo:

Leia mais

Sugerencias para el uso de equipos de CLAE. Geison Modesti Costa Escola de Verão em Farmacognosia Fevereiro, 2010 Florianópolis

Sugerencias para el uso de equipos de CLAE. Geison Modesti Costa Escola de Verão em Farmacognosia Fevereiro, 2010 Florianópolis Sugerencias para el uso de equipos de CLAE Geison Modesti Costa Escola de Verão em Farmacognosia Fevereiro, 2010 Florianópolis ESQUEMA DE FUNCIONAMENTO HPLC Injetor Bomba Reservatório Coluna Registrador

Leia mais

Aula 11. Prof. Rafael Sousa

Aula 11. Prof. Rafael Sousa Analítica V: Aula 11 Eletroforese capilar Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan EletroforeseCapilar(EC) TÉCNICA ELETROANALÍTICA HISTÓRICO

Leia mais

Aparelho de cromatografia líquida de alta eficiência (HPLC), modelo Prominence, marca SHIMADZU:

Aparelho de cromatografia líquida de alta eficiência (HPLC), modelo Prominence, marca SHIMADZU: Aparelho de cromatografia líquida de alta eficiência (HPLC), modelo Prominence, marca SHIMADZU: Os componentes de uma cromatografia líquida são: bomba, coluna cromatográfica, detector e o registrador.

Leia mais

GC - Cromatografia gás-líquido / sólido

GC - Cromatografia gás-líquido / sólido GC - Cromatografia gás-líquido / sólido Cromatografia gás-líquido separação de componentes de uma amostra por partilha entre uma fase móvel, gasosa, e uma fase estacionária, filme de líquido não volátil,

Leia mais

CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTA EFICIÊNCIA ANÁLISE DA CAFEÍNA EM BEBIDAS POR HPLC

CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTA EFICIÊNCIA ANÁLISE DA CAFEÍNA EM BEBIDAS POR HPLC 1 CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTA EFICIÊNCIA ANÁLISE DA CAFEÍNA EM BEBIDAS POR HPLC 1 - OBJECTIVO Pretende-se ilustrar a técnica de cromatografia líquida de alta eficiência (H.P.L.C.) aplicando-a na determinação

Leia mais

Agilent 1260 Infinity Soluções analíticas SFC. Desempenho de SFC muito melhor

Agilent 1260 Infinity Soluções analíticas SFC. Desempenho de SFC muito melhor Agilent 16 Infinity Soluções analíticas SFC Desempenho de SFC muito melhor SOLUÇÕES ANALÍTICAS SFC AGILENT 16 INFINITY DESEMPENHO DE SFC INFINITAMENTE MELHOR As soluções analíticas SFC Agilent 16 Infinity

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências e Tecnologia

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências e Tecnologia UNIVERSIDADE NVA DE LISBA Faculdade de Ciências e Tecnologia Síntese de ácido acetilsalicílico (aspirina). Análise por TLC do produto obtido. 1. Cromatografia Misturas de compostos podem ser separados

Leia mais

CENTRAL ANALÍTICA ESPECTROSCOPIA ATÔMICA

CENTRAL ANALÍTICA ESPECTROSCOPIA ATÔMICA CENTRAL ANALÍTICA ESPECTROSCOPIA ATÔMICA Com a descoberta que o átomo possui estrutura; isto é, é composta de partículas menores tais como elétrons os quais são ordenados de acordo a critérios quânticos

Leia mais

QUI 154 Química Analítica V Análise Instrumental. Aula 6 Métodos de Separação

QUI 154 Química Analítica V Análise Instrumental. Aula 6 Métodos de Separação Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Depto. de Química QUI 154 Química Analítica V Análise Instrumental Aula 6 Métodos de Separação Julio C. J. Silva Juiz de Fora, 2015

Leia mais

HIGH PERFORMANCE LIQUID CROMATOGRAPHY CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTA PERFORMANCE CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTO DESEMPENHO

HIGH PERFORMANCE LIQUID CROMATOGRAPHY CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTA PERFORMANCE CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTO DESEMPENHO HIGH PERFORMANCE LIQUID CROMATOGRAPHY CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTA PERFORMANCE CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTO DESEMPENHO CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTA EFICIÊNCIA (CLAE) 1 CONCEITOS E FUNDAMENTOS HPLC usa

Leia mais

Fotômetro de Chama. Alguns metais alcalinos e alcalino-terrosos têm espectros simples podem ser determinados por fotômetro de chama;

Fotômetro de Chama. Alguns metais alcalinos e alcalino-terrosos têm espectros simples podem ser determinados por fotômetro de chama; Fotômetro de Chama Alguns metais alcalinos e alcalino-terrosos têm espectros simples podem ser determinados por fotômetro de chama; De construção mais simples usam filtros tem menor custo; São aparelhos

Leia mais

Separação e Cromatografia de Proteínas

Separação e Cromatografia de Proteínas QBQ0316N: Bioquímica Experimental Farmácia São Paulo, 11 de setembro 2013 Separação e Cromatografia de Proteínas Universidade de São Paulo QBQ0316N: Bioquímica Experimental Farmácia São Paulo, 11 de setembro

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Determinação de cafeína por CLAE

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Determinação de cafeína por CLAE Página: 1 de 5 Nome Função Assinatura Data Elaboração: Liliamarta Novato Colaboradora Análise crítica: Alessandra Pulcineli RQ Substituta Aprovação: Francisco Jairo R. Fonseca RT 1. Objetivo A cafeína

Leia mais

Eletroforese Capilar(EC) EC - Técnica instrumental. Eletroforese capilar e Cromatografia Líquida 30/05/2012. Analítica V: 1S2012.

Eletroforese Capilar(EC) EC - Técnica instrumental. Eletroforese capilar e Cromatografia Líquida 30/05/2012. Analítica V: 1S2012. Analítica V: 1S2012 EC - Técnica instrumental Eletroforese capilar e Cromatografia Líquida Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan

Leia mais

4027 Síntese de 11-cloroundec-1-eno a partir de 10-undecen-1-ol

4027 Síntese de 11-cloroundec-1-eno a partir de 10-undecen-1-ol 4027 Síntese de 11-cloroundec-1-eno a partir de 10-undecen-1-ol OH SOCl 2 Cl + HCl + SO 2 C 11 H 22 O C 11 H 21 Cl (170.3) (119.0) (188.7) (36.5) (64.1) Classificação Tipos de reações e classes das substâncias

Leia mais

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA FSFAT DISSÓDIC DE DEXAMETASNA Dexamethasoni natrii phosphas H H H P Na Na F H C 22 H 28 FNa 2 8 P 516,41 02821 Fosfato dissódico de 9-fluoro-11β,17 diidroxi-16α-metil-3, 20- dioxopregna- 1,4 dieno-21-il

Leia mais

Parafínicos Quando existe predominância de hidrocarbonetos parafínicos. Naftênicos Quando existe predominância de hidrocarbonetos naftênicos.

Parafínicos Quando existe predominância de hidrocarbonetos parafínicos. Naftênicos Quando existe predominância de hidrocarbonetos naftênicos. PETRÓLEO E DERIVADOS ASELCO / TELEDYNE TIPOS DE PETRÓLEO Parafínicos Quando existe predominância de hidrocarbonetos parafínicos. Naftênicos Quando existe predominância de hidrocarbonetos naftênicos. Mistos

Leia mais

Cromatografia Gasosa 30/05/2012. No início da cromatografia. Princípio da cromatografia CROMATOGRAFIA GASOSA (CG) Início da CG: 1952

Cromatografia Gasosa 30/05/2012. No início da cromatografia. Princípio da cromatografia CROMATOGRAFIA GASOSA (CG) Início da CG: 1952 Analítica V: Aula 22-05-12 No início da cromatografia Mistura de substâncias coloridas (caroteno, clorofila e xantofila) foi separada : Cromatografia Gasosa Éter de petróleo (solvente) CaCO 3 (s) (adsorvente)

Leia mais

Espectroscopia Óptica Instrumentação e Aplicações. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti

Espectroscopia Óptica Instrumentação e Aplicações. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Espectroscopia Óptica Instrumentação e Aplicações CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Classificação dos métodos de análises quantitativas Determinação direta

Leia mais

FCVA/ UNESP JABOTICABAL FUNDAMENTOS DE CROMATOGRAFIA. DOCENTE: Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran

FCVA/ UNESP JABOTICABAL FUNDAMENTOS DE CROMATOGRAFIA. DOCENTE: Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran FCVA/ UNESP JABOTICABAL CURSO: Engenharia Agronômica FUNDAMENTOS DE CROMATOGRAFIA DOCENTE: Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran 1. CROMATOGRAFIA 1.1. Histórico A palavra cromatografia é de origem grega (kromatos

Leia mais

CROMATOGRAFIA: CURSO BÁSICO

CROMATOGRAFIA: CURSO BÁSICO CROMATOGRAFIA: CURSO BÁSICO Profa. Dra. Glaucia Maria F. Pinto 1 Cromatografia é a separação de uma mistura devido a diferentes afinidades que seus componentes possuem pela fase estacionária (líquida ou

Leia mais

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre ESPECTROMETRIA ATÔMICA Prof. Marcelo da Rosa Alexandre Métodos para atomização de amostras para análises espectroscópicas Origen dos Espectros Óticos Para os átomos e íons na fase gasosa somente as transições

Leia mais

Cromatografia Líquida

Cromatografia Líquida Analítica V Aula 11: 05-03-13 Cromatografia Líquida PRÓXIMA AULA TEÓRICA (Eletroforese Capilar): 12-03-13, às 08:15h, como Prof. Marcone Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br

Leia mais

4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL

4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL 39 4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL 4.1 O Processo de absorção atômica A absorção de energia por átomos livres, gasosos, no estado fundamental, é a base da espectrometria

Leia mais

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO 1. Introdução A melhor tecnologia para o monitoramento de baixas concentrações de ozônio (O 3 ) no ar ambiente é a da absorção de luz na faixa do Ultra Violeta

Leia mais

Objetivos. Critérios de Avaliação. Outline da disciplina PREPARO DE AMOSTRAS PARA ANÁLISE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS

Objetivos. Critérios de Avaliação. Outline da disciplina PREPARO DE AMOSTRAS PARA ANÁLISE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS PPGCF e PPGQ da UNIFAL-MG Disciplina QUI022 PREPARO DE AMOSTRAS PARA ANÁLISE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS Objetivos Fornecer aos alunos do curso de PPGQ e PPGCF conhecimentos básicos sobre as principais técnicas

Leia mais

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS Aula 6 Cromatografia a Gás (continuação) Profa. Daniele Adão FASES ESTACIONÁRIAS Conceitos Gerais REGRA GERAL: a FE deve ter características tanto quanto possível próximas das dos

Leia mais

C u r s o. Inspeção de sistemas de medição de Gás natural. Módulo 1 Cromatografia e Qualidade. do gás Natural

C u r s o. Inspeção de sistemas de medição de Gás natural. Módulo 1 Cromatografia e Qualidade. do gás Natural C u r s o Inspeção de sistemas de medição de Gás natural Módulo 1 Cromatografia e Qualidade do gás Natural C u r s o Inspeção de sistemas de medição de Gás natural Módulo 1 Cromatografia e Qualidade do

Leia mais

FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran

FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran 1. INTRODUÇÃO Átomos ou Íons: têm estados de energia característicos, nos quais os elétrons podem permanecer.

Leia mais

Processos em Engenharia: Processos de Separação

Processos em Engenharia: Processos de Separação Processos em Engenharia: Processos de Separação Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101 - Aula 10 p.1/44

Leia mais

Descritivo de produto. Fornecedor. www.pginstruments.com

Descritivo de produto. Fornecedor. www.pginstruments.com Descritivo de produto Fornecedor www.pginstruments.com ESPECTROFOTÔMETRO T90+ DESCRIÇÃO O T90 + é um espectrofotômetro duplo feixe de alto desempenho com largura de banda espectral variável 0.1. 0.2, 0.5,

Leia mais

QUI346 MÉTODOS DE SEPARAÇÃO CROMATOGRAFIA. Conceitos Prévios. Extração L-L. 10/05/2015 Mauricio X. Coutrim

QUI346 MÉTODOS DE SEPARAÇÃO CROMATOGRAFIA. Conceitos Prévios. Extração L-L. 10/05/2015 Mauricio X. Coutrim QUI346 MÉTODOS DE SEPARAÇÃO CROMATOGRAFIA Conceitos Prévios Extração L-L 10/05/2015 Mauricio X. Coutrim CROMATOGRAFIA Princípio CROMATOGRAFIA É UMA TÉCNICA DE SEPARAÇÃO (com diversos mecanismos) Definição:

Leia mais

SISTEMA DE CROMATOGRAFIA LIQUIDA

SISTEMA DE CROMATOGRAFIA LIQUIDA SISTEMA DE CROMATOGRAFIA LIQUIDA Sistema de Cromatografia Líquida de Alta Eficiência MODULAR, compatível com cromatografia líquida convencional e ultra-rápida com alta resolução, composto por: Bomba de

Leia mais

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno Introdução a Química Analítica Professora Mirian Maya Sakuno Química Analítica ou Química Quantitativa QUÍMICA ANALÍTICA: É a parte da química que estuda os princípios teóricos e práticos das análises

Leia mais

FARMACOPEIA MERCOSUL: DETERMINAÇÃO DE AFLATOXINAS

FARMACOPEIA MERCOSUL: DETERMINAÇÃO DE AFLATOXINAS MERCOSUL/XLIII SGT Nº 11/P.RES. Nº FARMACOPEIA MERCOSUL: DETERMINAÇÃO DE AFLATOXINAS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/11 e 22/14 do Grupo Mercado Comum.

Leia mais

Introdução à LC/MS. Introdução

Introdução à LC/MS. Introdução Introdução à LC/MS Introdução n LC provém a separação, em fase líquida, de misturas complexas, porém dificilmente fornece a identificação positiva de componentes individuais. n MS é uma técnica que auxilia

Leia mais

3. Materiais, amostras, procedimentos analíticos:

3. Materiais, amostras, procedimentos analíticos: 3. Materiais, amostras, procedimentos analíticos: 3.1 Materiais: A Tabela 3.1 apresenta os equipamentos e materiais utilizados, suas características principais, fornecedores, e em quais procedimentos os

Leia mais

EXTRAÇÃO EM FASE SÓLIDA SOLID PHASE EXTRACTION (SPE) Extração em fase sólida. Extração em fase sólida. Extração em fase sólida

EXTRAÇÃO EM FASE SÓLIDA SOLID PHASE EXTRACTION (SPE) Extração em fase sólida. Extração em fase sólida. Extração em fase sólida EXTRAÇÃ EM FASE SÓLIDA SLID PHASE EXTRACTIN (SPE) Extração em fase sólida Introduzida em meados da década de 70, como técnica alternativa, em vista das desvantagens de outras técnicas (ELL- grandes volumes

Leia mais

Centro Universitário Padre Anchieta

Centro Universitário Padre Anchieta Absorbância Centro Universitário Padre Anchieta 1) O berílio(ii) forma um complexo com a acetilacetona (166,2 g/mol). Calcular a absortividade molar do complexo, dado que uma solução 1,34 ppm apresenta

Leia mais

Investigando a cinza da casca do arroz como fase estacionária em cromatografia: Uma proposta para aulas de Química Orgânica Experimental na Graduação

Investigando a cinza da casca do arroz como fase estacionária em cromatografia: Uma proposta para aulas de Química Orgânica Experimental na Graduação Investigando a cinza da casca do arroz como fase estacionária em cromatografia: Uma proposta para aulas de Química Orgânica Experimental na Graduação João R de Freitas Filho (PQ) 1, Jucleiton José Rufino

Leia mais

FARMACOPEIA MERCOSUL: CROMATOGRAFIA

FARMACOPEIA MERCOSUL: CROMATOGRAFIA MERCOSUL/XLIII SGT Nº 11/P.RES. Nº FARMACOPEIA MERCOSUL: CROMATOGRAFIA TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/11 e 22/14 do Grupo Mercado Comum. CONSIDERANDO:

Leia mais

LÍQUIDOS: DETERMINAÇÃO DA VISCOSIDADE I. 1. Introdução

LÍQUIDOS: DETERMINAÇÃO DA VISCOSIDADE I. 1. Introdução LÍQUIDOS: DETERMINAÇÃO DA VISCOSIDADE I 1. Introdução No estado líquido as moléculas estão mais próximas uma das outras e entre elas existem forças atrativas. Para um líquido fluir suas moléculas devem

Leia mais

~1900 Max Planck e Albert Einstein E fóton = hυ h = constante de Planck = 6,63 x 10-34 Js. Comprimento de Onda (nm)

~1900 Max Planck e Albert Einstein E fóton = hυ h = constante de Planck = 6,63 x 10-34 Js. Comprimento de Onda (nm) Ultravioleta e Visível ~1900 Max Planck e Albert Einstein E fóton = hυ h = constante de Planck = 6,63 x 10-34 Js Se, c = λ υ, então: E fóton = h c λ Espectro Contínuo microwave Luz Visível Comprimento

Leia mais

Métodos Físicos de Análise - ABSORÇÃO ATÔMICA. Métodos Físicos de Análise MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE

Métodos Físicos de Análise - ABSORÇÃO ATÔMICA. Métodos Físicos de Análise MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE Métodos Físicos de Análise - ABSORÇÃO ATÔMICA Prof. Dr. Leonardo Lucchetti Mestre e Doutor em Ciências Química de Produtos Naturais NPPN/UFRJ Depto. de Química de Produtos Naturais Farmanguinhos Fiocruz

Leia mais

Instrumentação para Espectroscopia Óptica. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti

Instrumentação para Espectroscopia Óptica. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Instrumentação para Espectroscopia Óptica CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti INTRODUÇÃO Os componentes básicos dos instrumentos analíticos para a espectroscopia

Leia mais

Determinação dos Ácidos Benzóico e Sórbico em vinhos, alcoólicos por mistura e bebidas não alcoólicas por HPLC/DAD

Determinação dos Ácidos Benzóico e Sórbico em vinhos, alcoólicos por mistura e bebidas não alcoólicas por HPLC/DAD Página 1 de 5 1 Escopo Determinação simultânea de conservantes (ácido sórbico e ácido benzóico) em vinhos, alcoólicos por mistura e bebidas não alcoólicas, empregando a técnica de Cromatografia Líquida

Leia mais

Descritivo de produto. Fornecedor. www.velp.com

Descritivo de produto. Fornecedor. www.velp.com Descritivo de produto Fornecedor www.velp.com Cromatógrafo Master GC DESCRIÇÃO Atualmente, o número de amostras a serem analisadas tem aumentado em níveis consideráveis, o que torna o processo um desafio

Leia mais

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Armando Cristóvão Adaptado de "The Tools of Biochemistry" de Terrance G. Cooper Como funciona um espectrofotómetro O espectrofotómetro é um aparelho

Leia mais

LÍQUIDO F. coesão = F. repulsão

LÍQUIDO F. coesão = F. repulsão Tensoativos Tensoativos 1 Forças Tensões - Força de coesão: força que tende a reunir as moléculas. - Força de repulsão: força que tende a separar as moléculas. SÓLIDO F. coesão > F. repulsão LÍQUIDO F.

Leia mais

CEFET-QUÍMICA Unidade Rio de Janeiro ANÁLISE INSTRUMENTAL CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTA RESOLUÇÃO

CEFET-QUÍMICA Unidade Rio de Janeiro ANÁLISE INSTRUMENTAL CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTA RESOLUÇÃO CEFET-QUÍMICA Unidade Rio de Janeiro ANÁLISE INSTRUMENTAL CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTA RESOLUÇÃO 1- INTRODUÇÃO Nenhum registro das técnicas cromatográficas contemporâneas fica completo se não incluir

Leia mais

Bioquímica. Purificação de proteínas

Bioquímica. Purificação de proteínas Bioquímica Purificação de proteínas Estratégia geral - Liberação da proteína do material biológico - Podem ser separados por fracionamento celular - Pode-se separar proteínas por características: Solubilidade

Leia mais

6 Determinação de HPAs em peixes

6 Determinação de HPAs em peixes 6 Determinação de HPAs em peixes Várias técnicas analíticas têm sido usadas para determinar os níveis de HPAs e seus metabólitos em peixes. As técnicas mais comumente usadas incluem a cromatografia gasosa

Leia mais

Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases

Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases V1 O queéum Sistemade Condicionamento? O Que é um Sistema de Condicionamento? Amostra do Processo? Analisador Sistema de Condicionamento O sistema

Leia mais

QUÍMICA ANALÍTICA JOSÉ CARLOS MARQUES

QUÍMICA ANALÍTICA JOSÉ CARLOS MARQUES QUÍMICA ANALÍTICA JOSÉ CARLOS MARQUES http:// 2 Introdução Histórico / aspectos gerais Análise qualitativa / análise quantitativa Análise clássica / análise instrumental Análise espectrofotométrica Introdução

Leia mais

Métodos Físicos de Análise - ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA / VISÍVEL MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE

Métodos Físicos de Análise - ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA / VISÍVEL MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE Métodos Físicos de Análise - ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA / VISÍVEL Prof. Dr. Leonardo Lucchetti Mestre e Doutor em Ciências Química de Produtos Naturais NPPN/UFRJ Depto. de Química de Produtos Naturais

Leia mais

Amostragem. Amostragem

Amostragem. Amostragem Amostragem 1 Amostragem conjunto de operações com as quais se obtém, do material em estudo, uma porção relativamente pequena, de tamanho apropriado para o trabalho no laboratório, mas que ao mesmo tempo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO QUÍMICA APLICADA - MESTRADO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO QUÍMICA APLICADA - MESTRADO strado em Química Aplicada Seleção 2007 1/6 1 a etapa do Processo de Seleção 2007 - Parte 1 Questão 01: (A) Arranje, em ordem crescente de comprimento de onda, os seguintes tipos de fótons de radiação

Leia mais

Métodos Físicos de Análise - CROMATOGRAFIA

Métodos Físicos de Análise - CROMATOGRAFIA - CROMATOGRAFIA Prof. Dr. Leonardo Lucchetti Mestre e Doutor em Ciências Química de Produtos Naturais NPPN/UFRJ Depto. de Química de Produtos Naturais Farmanguinhos Fiocruz Docente do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Ensaio de Proficiência

Ensaio de Proficiência Ensaio de Proficiência Cromatografia de Íons - Variações de Cátions e Ânions - Bruno César Diniz Metrohm Pensalab bcd@metrohm.com.br IC - Ânions e Cátions Conteúdo Precisão X Exatidão Qualificação de Operação

Leia mais

Cromat. Líquida. Cromatografia Líquida. Fase Estacionária. Sílica: SiO 2. X H 2 O, também chamado do ácido silícico é a mais empregada.

Cromat. Líquida. Cromatografia Líquida. Fase Estacionária. Sílica: SiO 2. X H 2 O, também chamado do ácido silícico é a mais empregada. Cromatografia Líquida Fase Estacionária Sílica: SiO 2. X H 2 O, também chamado do ácido silícico é a mais empregada. Alumina: Al 2 O 3. X H 2 O, também é largamente empregado. (Adaptado de Harris Quantitative

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 2 ª ETAPA 2015 PERÍODO DA ETAPA: 01/09/2015 á 04/12/2015 TURMA: 9º Ano EF II DISCIPLINA: CIÊNCIAS / QUÍMICA 1- S QUE SERÃO TRABALHADOS DURANTE A ETAPA : Interações elétricas e

Leia mais

Introdução aos métodos espectrométricos. Propriedades da radiação eletromagnética

Introdução aos métodos espectrométricos. Propriedades da radiação eletromagnética Introdução aos métodos espectrométricos A espectrometria compreende um grupo de métodos analíticos baseados nas propriedades dos átomos e moléculas de absorver ou emitir energia eletromagnética em uma

Leia mais

Equipamentos de Controle de

Equipamentos de Controle de Módulo VI Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Controle da emissão de material particulado Filtros de Manga Coletores Inerciais ou Gravitacionais Coletores

Leia mais

ESPECTROSCOPIA VISÍVEL E ULTRAVIOLETA

ESPECTROSCOPIA VISÍVEL E ULTRAVIOLETA ESPECTROSCOPIA VISÍVEL E ULTRAVIOLETA Princípios básicos A espectrofotometria visível e ultravioleta é um dos métodos analíticos mais usados nas determinações analíticas em diversas áreas. É aplicada para

Leia mais

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação que funciona com cargas intermitentes. Você é convidado

Leia mais

Escola de Cromatografia

Escola de Cromatografia Instituto Internacional de Cromatografia (IIC) Escola de Cromatografia Cursos de Extensão 2011 1. A ESCOLA DE CROMATOGRAFIA ΠΑΡΘΕΝΩΝ (The Parthenon), Athens, Greece (438 B.C.) Coordenação Científica: Instituto

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ PRISE/PROSEL- 1ª ETAPA DISCIPLINA QUIMICA EIXO TEMÁTICO: MATÉRIA, TRASFORMAÇÕES QUÍMICAS E AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ PRISE/PROSEL- 1ª ETAPA DISCIPLINA QUIMICA EIXO TEMÁTICO: MATÉRIA, TRASFORMAÇÕES QUÍMICAS E AMBIENTE PRISE/PROSEL- 1ª ETAPA EIXO TEMÁTICO: MATÉRIA, TRASFORMAÇÕES QUÍMICAS E AMBIENTE COMPETÊNCIA HABILIDADE CONTEÚDO - Compreender as transformações químicas em linguagem discursivas. - Compreender os códigos

Leia mais

Aula MÉTODOS DE SEPARAÇÃO. Prof. Rafael Sousa

Aula MÉTODOS DE SEPARAÇÃO. Prof. Rafael Sousa Analítica V: Aula 10 30-07-13 MÉTODOS DE SEPARAÇÃO Cromatografia Gasosa Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan Discutindo os Exercícios

Leia mais

Química em Solventes não Aquosos. Prof. Fernando R. Xavier

Química em Solventes não Aquosos. Prof. Fernando R. Xavier Química em Solventes não Aquosos Prof. Fernando R. Xavier UDESC 2013 Reações químicas podem acontecer em cada uma das fases ordinárias da matéria (gasosa, líquida ou sólida). Exemplos: Grande parte das

Leia mais

4/8/2007. Análise de vitaminas

4/8/2007. Análise de vitaminas Métodos ensaios biológicos em animais e humanos apenas usados quando não existem métodos alternativos ensaios microbiológicos com protozoários, bactérias e leveduras requerem passos de extracção da vitamina

Leia mais

FARMACOPEIA MERCOSUL: ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA E VISIVEL

FARMACOPEIA MERCOSUL: ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA E VISIVEL MERCOSUL/XLIII SGT Nº 11/P.RES. Nº FARMACOPEIA MERCOSUL: ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA E VISIVEL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/11 e 22/14 do Grupo

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO CÁLCIO NUMA ÁGUA POR ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORÇÃO ATÓMICA

DETERMINAÇÃO DO CÁLCIO NUMA ÁGUA POR ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORÇÃO ATÓMICA DETERMINAÇÃO DO CÁLCIO NUMA ÁGUA POR ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORÇÃO ATÓMICA Eng.ª Maria Fátima Sá barroso Métodos Instrumentais de Análise I Engenharia Química Elaborado por: Vera Pereira nº990542 Turma:

Leia mais

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos 3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos A espectroscopia estuda a interação da radiação eletromagnética com a matéria, sendo um dos seus principais objetivos o estudo dos níveis de energia

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 78, de 24 de setembro de 2015 DOU de 25/09/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 78, de 24 de setembro de 2015 DOU de 25/09/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 78, de 24 de setembro de 2015 DOU de 25/09/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

6 Métodos Analíticos para a Determinação de Estanho

6 Métodos Analíticos para a Determinação de Estanho 38 6 Métodos Analíticos para a Determinação de Estanho Diversos métodos seletivos e sensíveis são empregados na determinação do estanho, que pode ser dividida em dois grupos: a determinação do seu conteúdo

Leia mais

4.6.4. Cromatografia gasosa com detector de massa acoplado (GC-MS)

4.6.4. Cromatografia gasosa com detector de massa acoplado (GC-MS) 78 4.6.4. Cromatografia gasosa com detector de massa acoplado (GC-MS) Os espectrômetros de massa constam de quatro partes básicas: um sistema de manipulação para introduzir a amostra desconhecida no equipamento;

Leia mais