SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL- SENAI/ES GERÊNCIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA PLANO DO CURSO DE AUXILIAR DE COZINHA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL- SENAI/ES GERÊNCIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA PLANO DO CURSO DE AUXILIAR DE COZINHA"

Transcrição

1 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL- SENAI/ES GERÊNCIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

2 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL- SENAI/ES FEDERAÇÃO DAS INDUÚSTRIAS DO ESPÍRITO SANTO - FINDES Presidente: Marcos Guerra DEPARTAMENTO REGIONAL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Diretora Regional: Solange Maria Nunes Siqueira GERÊNCIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA Gerente Executivo: João Marcos Del Puppo DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO (DED) Gerente: Lucia Helena Cunha DIVISÃO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL (DEP) Gerente: Zilka Sulamita Teixeira ANALISTA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Grasielle Braga Andrade SENAI-ES. Qualificação Profissional Básica: Plano do curso de Auxiliar de Cozinha versão 1.00 Espírito Santo, PLANO DE CURSO APOIO PEDAGÓGICO Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional do Estado do Espírito Santo Avenida Nossa Senhora da Penha, 2053, Ed. FINDES, Santa Lúcia, Vitória, ES GEET Gerência Executiva de Educação e Tecnologia DED Departamento de Educação DEP Divisão de Educação Profissional Espírito Santo

3 SUMÁRIO 1- JUSTIFICATIVA INFORMAÇÕES DO CURSO OBJETIVO GERAL PERFIL PROFISSIONAL Competência Geral Competências de Gestão PÚBLICO ALVO REQUISITOS DE ACESSO DOCUMENTOS PARA MATRÍCULA DESENHO CURRICULAR CONTEÚDO FORMATIVO MATERIAIS / CONSUMÍVEIS INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PERFIL DO DOCENTE CRITÉRIOS PARA APROVAÇÃO NO CURSO MATERIAL DIDÁTICO BIBLIOGRÁFICA DE APOIO CERTIFICAÇÃO EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CURSO

4 1- JUSTIFICATIVA Este documento apresenta a estrutura e o Itinerário formativo para atuação profissional como Auxiliar de Cozinha e resulta do trabalho de desenho curricular elaborado a partir de perfil profissional definido por grupo de especialista do mercado de Cozinha Industrial e do SENAI /ES. Trata-se de um programa formativo flexível, concebido dentro dos princípios metodológicos e orientações da Concepção de Educação profissional do SENAI /ES, com o intuito de favorecer a construção progressiva da competência de transferência de conhecimentos. Qualificação Profissional Básica É o processo ou resultado de formação e desenvolvimento de competências de um determinado perfil profissional definido no mercado de trabalho Na conclusão de curso é conferido certificado de qualificação profissional, conforme Diretrizes da Educação Profissional do SENAI: Diretriz 71 Os cursos e programas de qualificação profissional básica destinam-se a jovens e adultos, a partir de 16 anos de idade, e têm por objetivo formar e desenvolver competências de um determinado perfil profissional.. Os cursos de Formação Inicial e Continuada ministrada pelo SENAI-DR/ES são ofertados de acordo com a programação de suas Unidades Operacionais, através do Plano de Trabalho e dos Planos de Cursos. Em um mercado carente, concorrido e exigente, o curso auxiliar de cozinha visa prover profissionais qualificados e preparado para atuar com o mais alto padrão de qualidade, seguindo as normas da vigilância sanitária, segurança e meio ambiente, de modo a obter o maior desempenho em suas tarefas. 4

5 2- INFORMAÇÕES DO CURSO CURSO Auxiliar de Cozinha CBO Código SGE MODALIDADE Qualificação Profissional Área Tecnológica Alimentos e Bebidas CARGA HORÁRIA 220 horas 3- OBJETIVO GERAL Proporcionar o desenvolvimento das capacidades técnicas, sociais, metodológicas e organizativas referente ao auxilio na elaboração de lanches e refeições em cozinhas industriais, dentro dos padrões de qualidade e segurança alimentar estabelecidos. 4- PERFIL PROFISSIONAL 4.1 Competência Geral Planejar, controlar e desenvolver rotinas de trabalho auxiliando na preparação e conservação dos alimentos, visando organizar e dinamizar as atividades na cozinha. Observando as normas relativas à segurança e higiene e saúde no ambiente de trabalho, preservando o meio ambiente. 4.2 Competências de Gestão Manter relacionamento interpessoal Manter-se atualizado Ter capacidade de organização Comunicar-se com clareza Administrar conflitos Ter capacidade de negociação Ser pró-ativo Ter ética profissional 5

6 5- PÚBLICO ALVO Trata-se de um programa de formação inicial e continuada de trabalhadores, destinados jovens e adultos com conhecimentos mínimos correspondentes ao 6º ano do Ensino Fundamental. 6- REQUISITOS DE ACESSO Para a inscrição e a matrícula no Curso de Auxiliar de Cozinha os candidatos devem: ter idade mínima de 16 anos completos e, no máximo; ter concluído o 6º ano do Ensino Fundamental; Saber ler e escrever e realizar as quatro operações fundamentais com números fracionários (adição, subtração, multiplicação e divisão). 7- DOCUMENTOS PARA MATRÍCULA cópia do documento de identidade; cópia do comprovante de residência; e cópia do CPF; Nota: Os alunos que se enquadram nos requisitos previstos na Gratuidade Regimental do SENAI, deverão ter sua situação de baixa renda atestada mediante auto-declaração, conforme artigos 68 e 69/2008 do Regimento Interno do SENAI. 8- DESENHO CURRICULAR UNIDADES CURRICULARES Auxiliar de Cozinha 220 horas Carga horária 220 horas 9- CONTEÚDO FORMATIVO 1.0. Formação Social 20h 1.1. Relações de Gênero x Mercado de Trabalho 1.2. Introdução aos Direitos Humanos 1.3. Diversidade Sexual 6

7 1.4. Relações Raciais no Mundo do Trabalho 1.5. Ética, Moral, Valores e Postura Profissional 1.6. Impacto da Tecnologia no Mercado de Trabalho e Direitos Trabalhistas 1.7. Código de Defesa do Consumidor e Meio Ambiente 1.8. Sustentabilidade e Processo Seletivo de Lixo Úmido e Seco 1.9. Apresentação Pessoal e Atendimento ao Cliente Empreendedorismo 2.0. Comunicação e Informática 20h 2.1. Elementos Constitutivos de Comunicação (Emissor, Receptor, Mensagem, Canal e Código) 2.2. Leitura e Interpretação Técnica de Interpretação Textos Técnicos, Elaboração de Textos, Manuais, Instruções de Trabalho Uso do Dicionário 2.3. Informática Básica Aplicativos Editor de Texto Planilhas Eletrônicas Internet e Intranet Segurança da Informação (Ameaças ao Sistema Computacional, Agente de Segurança) 2.4. Relações Interpessoais Comunicação Interação Vida em Grupo 3.0. Matemática Básica 20h 3.1. Unidades e Conversão de Medidas Massa Comprimento Volume Inter-relações 3.2. Cálculos Adição Subtração 7

8 Divisão Multiplicação 3.3. Fundamentos Razão Proporções Porcentagem 3.4. Conjuntos Numéricos Naturais Inteiros Racionais Reais 3.5. Medidas de Grandezas Geométricas Área Comprimento Volume 4.0. Estrutura e Organização do Trabalho 16h 4.1. Estrutura Organizacional Visão Estratégica: Princípios, Missão, Valores, Metas, Objetivos Ambiente Organizacional Plano de Rotina de Trabalho 4.2. Técnicas de Trabalho em Equipe Aspectos Interpessoais do Trabalho em Equipe Relações Humanas: Comunicação, Integração Organização e Controle Postura Profissional: Ética, Flexibilidade, Aparência Física, Adaptabilidade, Empreendedorismo 4.3. Saúde e Segurança do Trabalho NR EPI EPC Ergonomia 4.4. Organização do Local de Trabalho Higiene e Limpeza Métodos de Organização 8

9 Organização dos Equipamentos, Instrumentos e Ferramentas Descartes de Materiais Legislação e Normas de Segurança e Socioambiental 5.0. Nutrição e Alimentos 16h 5.1. Conceitos Básicos de Nutrição 5.2. A Importância dos Alimentos na Alimentação e na Nutrição 5.3. Armazenagem dos Alimentos 6.0. Layout e Apresentação das Preparações 08h 6.1. Montagem e Arrumação de Cubas 6.2. Leiaute dos Ambientes 6.3. Decoração Voltada para Cozinha em Geral 7.0. Condições Gerais de Preparo 10h 7.1. Matéria Prima Recepção Pesagem Tipos e Integridade da Embalagem Espécies Técnicas de Acondicionamento Equipamentos e Utensílios: Tipos e Operacionalização Controle e Registros: Peso / Quantidade, Tipo, Temperatura, Identificação do Local Resíduos Procedimentos Seleção Classificação Destinação 7.2. Pré-Preparo Definição Ambiente Organização Higienização 9

10 Produto Equipamentos e Utensílios: Tipos e Operacionalização para cada Padrões de Controles Espécie Identificação do Local Quantidade Peso Temperatura Check-list Perdas Rendimentos Cortes Limpeza Resíduos Procedimentos Seleção Classificação Destinação 8.0. Auxilio no Preparo de Alimentos Cárneos 30h Tipos de Cortes: Bovinas, Aves, Suínos, Pescados, Caprinos Etapas do Pré-Preparo Otimização do Tempo de Preparo conforme Ficha Técnica Recortes: Bovinas, Aves, Suínos, Pescados, Caprinos Classificação das Carnes: Tamanho, Porção, Tipo, Característica Preparações Preliminares: Recheios, Coberturas Temperos e Ingredientes Técnicas de Cocção: Calor seco, Calor úmido, Calor misto ou combinado, Métodos auxiliares, Métodos de Cocção Modernos Técnicas de Dessalga Técnicas de Hidratação Congelamento e Resfriamento Características Organolépticas: Cor, Sabor, Textura, Odor 10

11 Abertas segundo Instruções do Rótulo Identificação dos Produtos Industrializados com Embalagens Armazenamento de Carnes Pré-preparado ATIVIDADE 1ª PRÁTICA: Frango recheado e Dessalga de pescado Elementos de competência 1.0 Aplicar técnicas de cortes. 2.0 Demonstrar construção de recheios. 3.0 Demonstrar preenchimento de recheio. Padrões de desempenho 1.1 Efetuando desossa de frango. 2.1 Efetuando a feição de recheios. 3.1 Preenchendo o frango com recheios diversos. Máquina/Ferramentas e Equipamentos Equipamentos: Forno, assadeira, facas diversas, tabua de corte; Materiais de higiene: - Touca, avental, luva. 4.0 Aplicar técnicas de cocção. 4.1 Efetuando cocção através de calor seco. 5.0 aplicar técnicas de dessalga. 5.1 Realizando a dessalga de um pescado. 6.0 Aplicar técnicas de tempero. 6.1Efetuando o tempero do produto Auxilio no Preparo de Entradas e Guarnições 30h 9.1. Matéria Prima Recepção Tipos de Matérias-Primas e Ingredientes: Temperos, Cereais, Produtos Lácteos, Vegetais, Gorduras, Açúcares, Farináceos, Bebidas Alcoólicas e Não Alcoólicas e Outros Tipos de Cortes: Vegetais, Massas Identificação dos Tipos de Matéria-Prima: Perecíveis, Não-Perecíveis e Semi-Perecíveis Etapas do Pré-Preparo Otimização do Tempo de Preparo conforme Ficha Técnica 11

12 Operações Preliminares do Pré-Preparo para Vegetais: Lavagem, Limpeza e/ou Higienização, Seleção, Descasque, Corte Preparações Preliminares para Cereais: Seleção, Limpeza e Hidratação Pré-Preparações Culinárias (Mise-em-Place): Caldos, Saladas Cruas e Cozidas, Molhos Básicos e Derivados Temperos e Ingredientes Técnicas de Cocção: Calor Seco, Calor Úmido, Calor Misto ou Combinado, Métodos Auxiliares, Métodos de Cocção Modernos Congelamento e Resfriamento Características Organolépticas: Cor, Sabor, Textura, Odor Identificação dos Produtos Industrializados com Embalagens Abertas segundo Instruções do Rótulo Armazenamento e Conservação dos Produtos Pré-Preparado: Vácuo, Desidratação, Secagem, Concentração, Atmosfera Modificada ATIVIDADE 2ª PRÁTICA: Saladas Elementos de competência 1.0 Aplicar técnicas de preparo de vegetais. 2.0 Aplicar técnicas de cortes de legumes. 3.0 Aplicar técnicas de tempero. Padrões de desempenho 1.1 Selecionando os vegetais; 1.2 Realizando limpeza dos vegetais. 2.1Efetuando cortes diversos em vegetais. 3.1 Temperando os vegetais. Máquina/Ferramentas e Equipamentos Equipamentos: Facas diversas, tabua de corte; Materiais de higiene: Touca, aventa e luva. 4.0 Aplicar técnicas de apresentação de saladas. 4.1 Montando pratos de saladas diversas Auxilio no Preparo de Sobremesas 20h Matéria-Prima: Recepção Tipos de Matérias-Primas e Ingredientes: Temperos, Cereais, Produtos Lácteos, Gorduras, Açúcares, Farináceos, Bebidas Alcoólicas e Não Alcoólicas e Outros Organolépticas: Características Tipos de Cortes. 12

13 Identificação dos Tipos de Matéria-Prima: Perecíveis, Não Perecíveis e Semi-Perecíveis Etapas do Pré-Preparo Otimização do Tempo de Preparo conforme Ficha Técnica Operações Preliminares do Pré-Preparo para Vegetais: Lavagem, Limpeza e/ou Higienização, Seleção, Descasque, Corte Preparações Preliminares para Cereais: Seleção, Limpeza e Hidratação Pré-Preparações Culinárias (Mise-em-place): Molhos Doces, Caldas e Coberturas Preparações Preliminares para Massas: Amanteigadas, Crepe, Choux, Fermentadas e Folhada Temperos e Ingredientes Técnicas de Cocção: Calor Seco, Calor Úmido, Calor Misto ou Combinado, Métodos Auxiliares, Métodos de Cocção Modernos Congelamento e Resfriamento Características Organolépticas: Cor, Sabor, Textura, Odor Identificação dos Produtos Industrializados com Embalagens Abertas Segundo Instruções do Rótulo Armazenamento e Conservação dos Produtos Pré-Preparado: Vácuo, Desidratação, Secagem, Concentração, Atmosfera Modificada. ATIVIDADE 3ª PRÁTICA: Bananas Flambadas Elementos de competência 1.0 Aplicar técnicas de flambagem. 2.0 Aplicar técnicas de cozimento e banho-maria. 3.0 Aplicar técnicas de cocção; Padrões de desempenho 1.1 Realizando flambagem de alimentos. 2.1 Efetuando cozimento de alimentos; 3.1 Efetuando cocção; Máquina/Ferramentas e Equipamentos Equipamentos: Fogão, facas diversas, tabua de corte, frigideira; Materiais de Higiene: - Touca, avental, luva. 4.0 Aplicar técnicas de 4.1 Temperando as sobremesas; 13

14 tempero; 5.1 Examinando características 5.0 Checar características como aparência, cor e odor. organolépticas. 10- MATERIAIS / CONSUMÍVEIS PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS PARA CURSO DE AUXILIAR DE COZINHA MATERIAIS E EQUIPAMENTOS PARA CURSO DE AUXILIAR DE COZINHA - TURMA 20 ALUNOS - 180H N.º Descrição para turmas de 20 alunos Unid. Quant. Valor Unitário Valor Total 1 Avental Un 20 R$ 17,88 R$ 357,60 2 Touca Un 20 R$ 0,15 R$ 3,00 3 Luva Un 20 R$ 0,10 R$ 2,00 4 Frigideira Un 10 R$ 52,36 R$ 523,60 5 Tabua de corte Un 10 R$ 10,34 R$ 103,40 6 Faca para cozinha Un 10 R$ 28,57 R$ 285,70 7 Assadeira Un 10 R$ 21,18 R$ 211,80 TOTAL: R$ 1.487, INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS As atividades teóricas do curso de Auxiliar de Cozinha exigem sala de aula com aproximadamente 30m² para comportar todos os participantes, contendo carteira com apoio para caderno, mesa e cadeira para o docente, quadro branco de pincel, iluminação, temperatura e ventilação adequadas conforme norma de ergonomia NR-17. Os exercícios práticos deverão ser realizados dentro de uma cozinha industrial contendo fogão industrial com alimentação a gás GLP, forno a gás e elétrico, geladeira, batedeira, liquidificador industrial, pia grande para lavagem de utensílios, armários e mesa para preparo dos alimentos. Todos os equipamentos e ambientes devem ser seguros de acordo com as Normas Regulamentadoras, do Ministério do Trabalho, 14

15 Materiais Didáticos: Item Discriminação Quantidade 1 Projetor de Mídia 01 2 Quadro Branco 01 3 Pincel PERFIL DO DOCENTE Curso Superior em Gastronomia, Nutrição ou Curso Técnico em alimentos ou experiência comprovada como auxiliar de cozinha. 13- CRITÉRIOS PARA APROVAÇÃO NO CURSO Apuração da frequência - A apuração da frequência será por unidade curricular, sendo exigido o percentual mínimo de 75% (setenta e cinco por cento) de comparecimento às aulas, sendo este mínimo definido para atender a eventualidades no decorrer do curso. Critério para aprovação - Será considerado aprovado o aluno que apresentar rendimento, em termos de competências e domínio de conhecimentos (conteúdos, habilidades técnicas e atitudes), tendo como padrão mínimo o domínio de, pelo menos, 06 (seis) pontos, na escala de 0 (zero) a 10 (dez) das competências requeridas em cada unidade curricular; 14- MATERIAL DIDÁTICO Apostila de Cozinheiro Industrial disponível no Portal do Conhecimento. 15- BIBLIOGRAFIA DE APOIO Informar Bibliografia de apoio 16- CERTIFICAÇÃO Ao aluno que concluir, com aprovação, todas as unidades curriculares do curso, será conferido o certificado de Qualificação Profissional como Auxiliar de Cozinha. 15

16 17- EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CURSO N.º Nome Função 1 Zilka Sulamita Teixeira de Aguilar Pacheco Gestor responsável 2 Grasielle Braga Andrade Analista responsável 3 José Arlindo Nogueira Especialista 4 Centro de Educação Profissional de Aracruz Unidades operacionais de apoio e/ou docente 5 Eliane Pereira de Andrade Docente responsável pelo desenvolvimento 7 Empresas Parceiras 16

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DO ESPÍRITO SANTO GERÊNCIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA PLANO DO CURSO

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DO ESPÍRITO SANTO GERÊNCIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA PLANO DO CURSO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DO ESPÍRITO SANTO GERÊNCIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA PLANO DO CURSO OPERADOR DE EMPILHADEIRA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL BÁSICA

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DO ESPÍRITO SANTO GERÊNCIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA PLANO DO CURSO

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DO ESPÍRITO SANTO GERÊNCIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA PLANO DO CURSO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DO ESPÍRITO SANTO GERÊNCIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA PLANO DO CURSO ASSISTENTE ADMINISTRATIVO QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL BÁSICA

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DO ESPÍRITO SANTO GERÊNCIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA PLANO DO CURSO

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DO ESPÍRITO SANTO GERÊNCIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA PLANO DO CURSO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DO ESPÍRITO SANTO GERÊNCIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA PLANO DO CURSO ALIMOXARIFE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL BÁSICA EIXO TECNOLÓGICO:

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DO ESPÍRITO SANTO GERÊNCIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA PLANO DO CURSO

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DO ESPÍRITO SANTO GERÊNCIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA PLANO DO CURSO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DO ESPÍRITO SANTO GERÊNCIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA PLANO DO CURSO OPERADOR DE COMPUTADOR QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL BÁSICA EIXO

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DO ESPÍRITO SANTO GERÊNCIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA PLANO DO CURSO

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DO ESPÍRITO SANTO GERÊNCIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA PLANO DO CURSO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DO ESPÍRITO SANTO GERÊNCIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA PLANO DO CURSO MONTADOR E INSTALADOR DE MÓVEIS QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO PLANO DE CURSO RESUMIDO CURSO Montador de Andaimes CBO 7155-45 COD-SGE 014.059 MODALIDADE Qualificação Profissional Área Tecnológica Construção Civil CARGA HORÁRIA 180 horas ITINERÁRIO Regional I. OBJETIVO

Leia mais

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO PLANO DE CURSO RESUMIDO CURSO Mecânico de Motocicletas CBO 9144-15 COD-SGE 013.529 MODALIDADE Qualificação Profissional Área Tecnológica Automotiva CARGA HORÁRIA 320 horas ITINERÁRIO Regional I. OBJETIVO

Leia mais

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO PLANO DE CURSO RESUMIDO CURSO Carpinteiro de Obras CBO 7155-25 COD-SGE 013.541 MODALIDADE Qualificação Profissional Básica Área Tecnológica Construção Civil CARGA HORÁRIA 220 horas ITINERÁRIO Regional

Leia mais

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima Profª. Nensmorena Preza ALIMENTO Toda substância ou mistura de substâncias, no estado sólido, líquido, pastoso ou qualquer

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI Nº, DE 2005 (Do Sr. Alex Canziani) Dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de cozinheiro. Congresso Nacional decreta: Art. 1º Considera-se cozinheiro, para efeitos desta

Leia mais

EDITAL Nº 013, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2011.

EDITAL Nº 013, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2011. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS JI-PARANÁ Rua Rio Amazonas, 151 Bairro Jardim dos Migrantes 76900-730 Ji-Paraná RO EDITAL Nº 013, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2011. EDITAL PARA SELEÇÃO

Leia mais

III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO

III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO PLANO DE CURSO RESUMIDO CURSO Instalador Hidráulico Residencial CBO 7241-15 COD-SGE 014.395 MODALIDADE Qualificação Profissional Área Tecnológica Construção Civil CARGA HORÁRIA 220 horas ITINERÁRIO Regional

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Componente Curricular: Processamento de alimentos de origem vegetal

Plano de Trabalho Docente 2013. Componente Curricular: Processamento de alimentos de origem vegetal Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Produção Alimentícia Habilitação Profissional: Técnico em Alimentos

Leia mais

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS BOAS PRÁTICAS NA MANIPULAÇÃO E Sumário ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Normas Gerais Objetivos da Unidade de Alimentação e Nutrição Descrição Geral dos Serviços da UAN Dietas gerais e dietas especiais, destinadas

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: MECÂNICO DE AR CONDICIONADO AUTOMOTIVO - PRONATEC 200 horas ÁREA: AUTOMOTIVA MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CT PALMAS Plano de Curso

Leia mais

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM FIB - Faculdades Administração de Empresas 2009 MODELAGEM ESTUDO DE CASO: Trabalho solicitado pelo Prof.: Trabalho realizado para a disciplina de FIB - Faculdades

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO DE DISCIPLINA Curso: Nutrição (04) Ano: 2015 Semestre: 1 Período: 9 Disciplina / Unid. Curricular / Módulo: Estágio Supervisionado em Unidades de Código: DN62 Alimentação e Nutrição (Supervised Internship in Food and

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE CURSOS VAGAS LIMITADAS. Esteja pronto para o mercado de trabalho! Cursos em diversas áreas de atuação. JULHO AGOSTO 2015 CAMAÇARI

PROGRAMAÇÃO DE CURSOS VAGAS LIMITADAS. Esteja pronto para o mercado de trabalho! Cursos em diversas áreas de atuação. JULHO AGOSTO 2015 CAMAÇARI Esteja pronto para o mercado de trabalho! Cursos em diversas áreas de atuação. PROGRAMAÇÃO DE CURSOS JULHO AGOSTO 2015 CAMAÇARI VAGAS LIMITADAS www.ba.senac.br /senacbahia INFORMAÇÕES IMPORTANTES Os cursos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

Grande Diploma. Diploma de Cozinha. Diploma de Confeitaria. Certificado de Cozinha Básica. Certificado de Confeitaria Básica

Grande Diploma. Diploma de Cozinha. Diploma de Confeitaria. Certificado de Cozinha Básica. Certificado de Confeitaria Básica Duração 2 anos Grande Diploma Valor $57.000 A taxa de diploma inclui Ingredientes, uniformes, conjunto de facas Wüsthof e 2 livros Diploma de Cozinha Diploma de Confeitaria Horas por semana 18 Certificado

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

EDITAL 006/2014 - DA SELEÇÃO DE PROFESSOR PARA CURSOS DE GRADUAÇÃO

EDITAL 006/2014 - DA SELEÇÃO DE PROFESSOR PARA CURSOS DE GRADUAÇÃO EDITAL 006/2014 - DA SELEÇÃO DE PROFESSOR PARA CURSOS DE GRADUAÇÃO O Diretor Acadêmico da Faculdade Metropolitana da Grande Fortaleza FAMETRO, no uso de suas atribuições regimentais, torna pública a realização

Leia mais

Indicadores e/ou Parâmetros de Qualidade do Serviço de Ailmentos

Indicadores e/ou Parâmetros de Qualidade do Serviço de Ailmentos TÉCNICA DIETÉTICA E GASTRONOMIA Indicadores e/ou Parâmetros de Qualidade do Serviço de Ailmentos INDICADORES NO PREPARO DE ALIMENTOS Indicador de Parte Comestível (IPC): Valor > 1,00 IPC: usado para o

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO DO CURSO DE GASTRONOMIA DIRETORIA DE GRADUAÇÃO B111900 04 1º 80 PROGRAMA DE APRENDIZAGEM

PROGRAMA DO CURSO DO CURSO DE GASTRONOMIA DIRETORIA DE GRADUAÇÃO B111900 04 1º 80 PROGRAMA DE APRENDIZAGEM PROGRAMA DO CURSO DO CURSO DE GASTRONOMIA DISCIPLINA: Metodologia Científica B111900 04 1º 80 : Características do conhecimento científico. A linguagem científica, sua estrutura e sua lógica. O papel da

Leia mais

GUIA ORIENTADOR DO NÚCLEO DE INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA

GUIA ORIENTADOR DO NÚCLEO DE INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA GUIA ORIENTADOR DO NÚCLEO DE INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA Missão do Senai Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade

Leia mais

ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR

ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR INFORMAÇÕES GERAIS: Denominação: Curso Técnico em Infraestrutura Escolar Eixo Tecnológico: Apoio Educacional Titulação Conferida:

Leia mais

Hotelaria e Restauração

Hotelaria e Restauração Hotelaria e Restauração Código Carga UFCD UFCD Horária H 1755 Preparação de cremes de pastelaria e recheios 25 1760 Preparação de massas lêvedas especiais de pastelaria e padaria 50 1761 Preparação de

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

NOVA PORTARIA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PORTARIA Nº 2619/2011-SMS.G QUE REVOGA A PORTARIA Nº 1210

NOVA PORTARIA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PORTARIA Nº 2619/2011-SMS.G QUE REVOGA A PORTARIA Nº 1210 NOVA PORTARIA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PORTARIA Nº 2619/2011-SMS.G QUE REVOGA A PORTARIA Nº 1210 Panificador leia com atenção. Essa cartilha possui informações essenciais sobre a portaria, nª 2619/2011 SMS.G

Leia mais

Anexos. Auxiliar de Serviço Escolar. Vagas Edital 06 Escolaridade Mínima: Salário R$ 824,36. Ensino Fundamental Incompleto.

Anexos. Auxiliar de Serviço Escolar. Vagas Edital 06 Escolaridade Mínima: Salário R$ 824,36. Ensino Fundamental Incompleto. Vagas Edital 06 R$ 824,36 Carga horária: Auxiliar de Serviço Escolar Ensino Fundamental Incompleto. 40 horas semanais Realizar serviços manuais de limpeza de escolas e creches-escolas, acondicionamento

Leia mais

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI. Robson Braga de Andrade. Presidente DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DIRET

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI. Robson Braga de Andrade. Presidente DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DIRET CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DIRET Rafael Esmeraldo Lucchesi Ramacciotti Diretor de Educação e Tecnologia SERVIÇO NACIONAL

Leia mais

Menu Dzetta. Alimento seguro é sempre um bom negócio! para que você atenda seus clientes com Segurança e Qualidade!

Menu Dzetta. Alimento seguro é sempre um bom negócio! para que você atenda seus clientes com Segurança e Qualidade! Menu Dzetta para que você atenda seus clientes com Segurança e Qualidade! Alimento seguro é sempre um bom negócio! Rua Miguel de Frias, 206/403 Icaraí Niterói RJ Cep: 24.220-004 Tel: 55 (21) 2620-7474

Leia mais

Grande Diploma. Certificado de Cozinha Básica. Certificado de Confeitaria. Básica. Certificado de Cozinha Intermediária

Grande Diploma. Certificado de Cozinha Básica. Certificado de Confeitaria. Básica. Certificado de Cozinha Intermediária 9 meses Grande Diploma 1.324.000 Diploma de Cozinha Diploma de Confeitaria Certificado de Cozinha Básica Certificado de Confeitaria Básica Certificado de Cozinha Intermediária Certificado de Cozinha Superior

Leia mais

INTRODUÇÃO À DIETÉTICA

INTRODUÇÃO À DIETÉTICA INTRODUÇÃO À DIETÉTICA A Dietética é a disciplina que estuda as operações a que são submetidos os alimentos após a cuidadosa seleção e as modificações que os mesmos sofrem durante os processos culinários.

Leia mais

EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DE APRENDIZAGEM 2015 CSN-VOLTA REDONDA

EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DE APRENDIZAGEM 2015 CSN-VOLTA REDONDA EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DE APRENDIZAGEM 2015 CSN-VOLTA REDONDA O presente edital destina-se ao preenchimento de 144 (cento e quarenta e quatro) vagas para Jovens Aprendizes nos Cursos do Programa

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INDAIATUBA/SP

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INDAIATUBA/SP SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INDAIATUBA/SP GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL DE BOAS PRÁTICAS (MBP) E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS (POPs) PARA

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE CURSOS

PROGRAMAÇÃO DE CURSOS PROGRAMAÇÃO DE CURSOS maio junho VAGAS LIMITADAS Camaçari www.ba.senac.br /senacbahia INFORMAÇÕES IMPORTANTES Os cursos podem ser adiados e/ou cancelados, caso não haja número suficiente de alunos para

Leia mais

HOTELARIA HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário

HOTELARIA HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário HOTELARIA HOSPITALAR Sumário HOTELARIA HOSPITALAR Definição Atribuições Organograma da Hotelaria Hospitalar Diretor de Hotelaria Hospitalar (descrição de cargo) Ouvidoria ou Ombudsman Código de Ética do

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

GECPA GRUPO ESPIRITUALISTA CABOCLO PENA AZUL

GECPA GRUPO ESPIRITUALISTA CABOCLO PENA AZUL DESENVOLVENDO A ESCRITA E O RACIOCÍNIO GECPA LAR CRIANÇA ARTEIRA Página 1 de 10 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 APRESENTAÇÃO... 3 ESCOPO... 3 MATERIAIS A SEREM UTILIZADOS... 4 DETALHAMENTO DO PROJETO...

Leia mais

GUIA ORIENTADOR Da FORMAÇÃO INiCIAL E CONTINUADA

GUIA ORIENTADOR Da FORMAÇÃO INiCIAL E CONTINUADA GUIA ORIENTADOR Da FORMAÇÃO INiCIAL E CONTINUADA Missão do Senai Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

ENTRADA Salada Requintada

ENTRADA Salada Requintada ENTRADA Salada Requintada Rendimento: 6 porções (1 pires = 75 g) 1 pé de alface americana pequeno lavado 1 maço pequeno de rúcula lavado 100 g de peito de peru defumado em tiras 100 g de queijo minas em

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL. Qualificação Profissional Básica PLANO DE CURSO PRONATEC EAD. ELETRICISTA DE AUTOMÓVEIS 220 horas

FORMAÇÃO INICIAL. Qualificação Profissional Básica PLANO DE CURSO PRONATEC EAD. ELETRICISTA DE AUTOMÓVEIS 220 horas FORMAÇÃO INICIAL Qualificação Profissional Básica PLANO DE CURSO PRONATEC EAD ELETRICISTA DE AUTOMÓVEIS 220 horas (176 horas à distância e 44 presencial) ÁREA PROFISSIONAL: Automotiva EIXO TECNOLÓGICO:

Leia mais

Vigilância Sanitária de Serviços de Alimentação em Shoppings de Brasília-DF

Vigilância Sanitária de Serviços de Alimentação em Shoppings de Brasília-DF Vigilância Sanitária de Serviços de Alimentação em Shoppings de Brasília-DF Monitoramento da Qualidade de Alimentos no DF produtos analisados e motivos da condenação no Distrito Federal, 2014 85% 15% Sem

Leia mais

CARGOS E PERFIS PROFISSIONAIS DOS FUNCIONÁRIOS DE A&B 1. GERENTE GERAL

CARGOS E PERFIS PROFISSIONAIS DOS FUNCIONÁRIOS DE A&B 1. GERENTE GERAL CARGOS E PERFIS PROFISSIONAIS DOS FUNCIONÁRIOS DE A&B GERENTE GERAL Sexo: Masculino ou Feminino Idade: entre 25 e 40 anos Escolaridade: ensino superior completo (Administração, contabilidade ou hotelaria)

Leia mais

Boas Práticas de Manipulação em Serviços de Alimentação. Módulo 6 - Etapas da Manipulação dos Alimentos

Boas Práticas de Manipulação em Serviços de Alimentação. Módulo 6 - Etapas da Manipulação dos Alimentos Módulo 6 - Etapas da Manipulação dos Alimentos Aula 1 Seleção De Fornecedores, Compra E Recebimento Das Matérias- Primas, Ingredientes E Embalagens As matérias- primas, os ingredientes e as embalagens

Leia mais

revogada(o) por: Resolução RDC nº 263, de 22 de setembro de 2005

revogada(o) por: Resolução RDC nº 263, de 22 de setembro de 2005 título: Resolução RDC nº 93, de 31 de outubro de 2000 ementa: Dispõe sobre o Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade de Massa Alimentícia. publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União;

Leia mais

Ação Social Combatendo o Desperdício

Ação Social Combatendo o Desperdício ENCONTRO ANUAL DE DIRIGENTES E TÉCNICOS DE CEASAS Ação Social Combatendo o Desperdício Maceió/AL Junho 2010 Domingos Sávio Dornelas de Andrade Químico Industrial CEASA-PE APRESENTAÇÃO Esta modalidade mais

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE CURSOS VAGAS LIMITADAS. Esteja pronto para o mercado de trabalho! Cursos em diversas áreas de atuação.

PROGRAMAÇÃO DE CURSOS VAGAS LIMITADAS. Esteja pronto para o mercado de trabalho! Cursos em diversas áreas de atuação. Esteja pronto para o mercado de trabalho! Cursos em diversas áreas de atuação. PROGRAMAÇÃO DE CURSOS JULHO AGOSTO 2015 SANTO ANTÔNIO DE JESUS VAGAS LIMITADAS www.ba.senac.br /senacbahia INFORMAÇÕES IMPORTANTES

Leia mais

FAÇA DE CADA RECEITA UMA OBRA-PRIMA. CHEF Fundos Líquidos Concentrados

FAÇA DE CADA RECEITA UMA OBRA-PRIMA. CHEF Fundos Líquidos Concentrados FAÇA DE CADA RECEITA UMA OBRA-PRIMA. CHEF Fundos Líquidos Concentrados SEMPRE EM BUSCA DA EXCELÊNCIA CULINÁRIA, CHEF OFERECE A VOCÊ UMA LINHA COMPLETA DE PRODUTOS FEITA COM OS MELHORES INGREDIENTES. OS

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL FOLHA 1

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL FOLHA 1 INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - O formulário deve ser preenchido em 2 vias. - Preencher a máquina ou por computador. FOLHA 1 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Plano de Ensino. ALBEB - Alimentos e Bebidas Período Letivo 2012 - Anual Currículo 13002006 Carga Horária Anual 80 Série 4a Série

Plano de Ensino. ALBEB - Alimentos e Bebidas Período Letivo 2012 - Anual Currículo 13002006 Carga Horária Anual 80 Série 4a Série Faculdade Curso Disciplina Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Turismo ALBEB - Alimentos e Bebidas Período Letivo 2012 - Anual Currículo 13002006 Carga Horária Anual 80 Série 4a Série Ementa O estudo

Leia mais

EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DE APRENDIZAGEM 2014 CSN-VOLTA REDONDA

EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DE APRENDIZAGEM 2014 CSN-VOLTA REDONDA EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DE APRENDIZAGEM 2014 CSN-VOLTA REDONDA O presente edital destina-se ao preenchimento de 156 (cento e cinqüenta e seis) vagas para Jovens Aprendizes nos Cursos do Programa

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ

ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ A Vigilância Sanitária Municipal é responsável pela fiscalização de todos os stands, espaços, barracas, postos e/ou pontos de venda da área

Leia mais

1. Bolo de iogurte, açúcar mascavo e canela Ingredientes para o bolo:

1. Bolo de iogurte, açúcar mascavo e canela Ingredientes para o bolo: 1. Bolo de iogurte, açúcar mascavo e canela Ingredientes para o bolo: (200g) 1 ovo ¼ de xícara de manteiga mole, quase derretida 1 colher (sopa) de essência de baunilha 1 xícara de açúcar mascavo 1 colher

Leia mais

Regulamento do I Concurso Chefe Revelação UNICESUMAR A gastronomia em cena os sabores no mundo do cinema.

Regulamento do I Concurso Chefe Revelação UNICESUMAR A gastronomia em cena os sabores no mundo do cinema. Regulamento do I Concurso Chefe Revelação UNICESUMAR A gastronomia em cena os sabores no mundo do cinema. I. Critérios para a inscrição A inscrição dos candidatos será feita em duplas. O concurso terá

Leia mais

PROGRAMA FÁBRICA DE SOFTWARE POR UM VAREJO MAIS COMPETITIVO - PROCESSO SELETIVO 424/2015

PROGRAMA FÁBRICA DE SOFTWARE POR UM VAREJO MAIS COMPETITIVO - PROCESSO SELETIVO 424/2015 PROGRAMA FÁBRICA DE SOFTWARE POR UM VAREJO MAIS COMPETITIVO - PROCESSO SELETIVO 424/2015 1. Do programa É um projeto, que busca a inovação e a interação continua entre teoria e prática, subsidiando os

Leia mais

SELEÇÃO DE PROFESSOR PARA CURSOS DE GRADUAÇÃO

SELEÇÃO DE PROFESSOR PARA CURSOS DE GRADUAÇÃO EDITAL 002/2015 - DA SELEÇÃO DE PROFESSOR PARA CURSOS DE GRADUAÇÃO O Diretor Acadêmico da Faculdade Metropolitana da Grande Fortaleza FAMETRO, no uso de suas atribuições regimentais, torna pública a realização

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: CARPINTEIRO DE OBRAS - PRONATEC - 224 horas ÁREA: CONSTRUÇÃO MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): UNIDADE DE ARAGUAÍNA Plano de Curso Simplificado

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA UTILIZAÇÃO DOS CRITÉRIOS E INDICADORES DO PROJETO ALIMENTAÇÃO ESCOLAR SAUDÁVEL

GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA UTILIZAÇÃO DOS CRITÉRIOS E INDICADORES DO PROJETO ALIMENTAÇÃO ESCOLAR SAUDÁVEL GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA UTILIZAÇÃO DOS CRITÉRIOS E INDICADORES DO PROJETO ALIMENTAÇÃO ESCOLAR SAUDÁVEL Introdução O aumento da obesidade e inadequados hábitos alimentares durante a infância e a juventude

Leia mais

Empresa terceirizada, contratada para a produção e distribuição de refeições aos usuários da Universidade Federal do Amapá. Nº NOME TELEFONE E-MAIL

Empresa terceirizada, contratada para a produção e distribuição de refeições aos usuários da Universidade Federal do Amapá. Nº NOME TELEFONE E-MAIL PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP Nº 1.1.3.4 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E AÇÕES COMUNITÁRIAS DEPARTAMENTO DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO CHEFE

Leia mais

ABAGA Profissional Confeitaria Este manual apresenta o conceito e as regras da competição organizada pela ABAGA e serve de guia para competições

ABAGA Profissional Confeitaria Este manual apresenta o conceito e as regras da competição organizada pela ABAGA e serve de guia para competições ABAGA Profissional Confeitaria Este manual apresenta o conceito e as regras da competição organizada pela ABAGA e serve de guia para competições locais, regionais e nacionais na categoria profissional

Leia mais

FORMULÁRIO PADRÃO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS ENSINO INOVADOR

FORMULÁRIO PADRÃO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS ENSINO INOVADOR FORMULÁRIO PADRÃO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS ENSINO INOVADOR Título do Projeto: Práticas Profissionais em Gastronomia: Restaurante Unidade(s) de aprendizagem ou disciplina de referência: Práticas Profissionais

Leia mais

Nesta edição, a Saborama apresenta

Nesta edição, a Saborama apresenta Nesta edição, a Saborama apresenta uma seleção de delícias apresentadas no Blog Saída de Emergência. Com uma experiência incrível no preparo de alimentos, a Mell Santos, criadora do blog e parceira da

Leia mais

Manual de Orientações às Empresas

Manual de Orientações às Empresas Manual de Orientações às Empresas Aprendizagem Profissional Comercial em Serviços de Restaurante e Bar Carga horária: 1.333 horas Fevereiro 2014 Fls: [ 1 ] / [ 15] Prezado(a) Senhor(a) O Senac São Paulo

Leia mais

COMIDA DE RUA: SEGURANÇA ALIMENTAR E CRITÉRIOS DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA

COMIDA DE RUA: SEGURANÇA ALIMENTAR E CRITÉRIOS DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA Salvador, 07 de agosto de 2014 COMIDA DE RUA: SEGURANÇA ALIMENTAR E CRITÉRIOS DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA Diretoria de Vigilância á Saúde Vigilância Sanitária SPEIS COMIDA DE RUA: linhas de ação Ambulantes;

Leia mais

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL REGULAMENTO DO PROCESSO SELETIVO Nº 10.15 A FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU BRASIL (FPTI-BR) torna público que serão recebidas as inscrições para o Processo Seletivo nº 10.15 sob contratação em regime

Leia mais

UFSC - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CTC - CENTRO TECNOLÓGICO EQA - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS

UFSC - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CTC - CENTRO TECNOLÓGICO EQA - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS UFSC - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CTC - CENTRO TECNOLÓGICO EQA - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS RODRIGO MIZUKAWA RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO OTIMIZE

Leia mais

HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM COZINHA PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO

HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM COZINHA PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico Grupo de Formulação e Análises Curriculares GFAC HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM COZINHA Eixo Tecnológico: Turismo,

Leia mais

REALIZAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE PARAGUAÇU PROJETO - MAROLO: UM FRUTO, VÁRIAS IDEIAS!

REALIZAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE PARAGUAÇU PROJETO - MAROLO: UM FRUTO, VÁRIAS IDEIAS! REALIZAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE PARAGUAÇU PROJETO - MAROLO: UM FRUTO, VÁRIAS IDEIAS! APOIO ASSOCIAÇÃO TERRA DO MAROLO ESCRITÓRIO LOCAL DA EMATER-MG SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA CERVEJARIA

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Douglas Ferreira Guilherme Fileto João Gabriel Marques Matheus Pereira Matheus Silva River Bruno Plano de Negócio Trabalho Número 10 - Sumário Executivo; - A empresa;

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato-Sensu MBA EM GESTÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato-Sensu MBA EM GESTÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato-Sensu MBA EM GESTÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO Regulamentação de Pós-Graduação Lato-Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DO OESTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DO OESTE PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DO OESTE PROCESSO SELETIVO Nº001/2010 AUXILIARES DE SERVIÇOS GERAIS NOME DO CANDIDAT0: ASSINATURA: RIO DO OESTE 27 DE JANEIRO DE 2010 Instruções: Antes de começar a realizar

Leia mais

Gestão Setorial - Compras e Recebimento

Gestão Setorial - Compras e Recebimento Gestão Setorial - Compras e Recebimento Mario da Silva Oliveira GESTÃO é um conjunto de conhecimentos codificados cujo foco é a obtenção de resultados ( do inglês, management ). Esses resultados serão

Leia mais

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TECNOLOGIA DE ALIMENTOS A Tecnologia de Alimentos (T.A.) é das mais novas especialidades da necessidade da obtenção de mais fartas e constantes fontes alimentares. FATORES QUE CONTRIBUÍRAM PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Preparo de Alimentos Seguros

Preparo de Alimentos Seguros Preparo de Alimentos Seguros O que você precisa saber para preparar um alimento próprio para consumo? Alimento Seguro são aqueles que não oferecem riscos à saúde de quem o está consumindo, ou seja, o alimento

Leia mais

Manual de Orientações às Empresas

Manual de Orientações às Empresas Manual de Orientações às Empresas Aprendizagem Profissional Comercial em Serviços Administrativos em Instituições de Saúde Carga horária: 1.333 horas Fevereiro 2014 Fls: [ 1 ] / [ 14] Prezado(a) Senhor(a)

Leia mais

PREFEITURA DE ORLEANS CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2012 PROVA DE COZINHEIRO

PREFEITURA DE ORLEANS CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2012 PROVA DE COZINHEIRO CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PREFEITURA DE ORLEANS 01. Cozinhar deve ser um ato seguro. Quem cozinha precisa redobrar a atenção ao executar as suas tarefas, evitando as situações de risco que possam gerar

Leia mais

CHECK LIST TÉCNICO - COZINHA, BAR e SALÃO

CHECK LIST TÉCNICO - COZINHA, BAR e SALÃO CHECK LIST TÉCNICO - COZINHA, BAR e SALÃO O QUE É? Impresso utilizado para auxiliar em auditoria técnica na unidade. PORQUE DEVE SER FEITO? ) Para avaliar e registrar a qualidade técnica apresentada na

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE NUTRIÇÃO

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE NUTRIÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE NUTRIÇÃO - Estágio Supervisionado em Coletividade Sadia - Estágio Supervisionado em Nutrição Clínica - Estágio Supervisionado em Saúde Pública Rua Dom Bosco, 1308

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM ANIMAL

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM ANIMAL PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BRÉSCIA SECRETARIA DA AGRICULTURA SERVIÇO DE INSPEÇÃO MUNICIPAL - SIM INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA ACESSO AOS CURSOS DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL BÁSICA Processo Seletivo 2015.2 Agosto

PROCESSO SELETIVO PARA ACESSO AOS CURSOS DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL BÁSICA Processo Seletivo 2015.2 Agosto PROCESSO SELETIVO PARA ACESSO AOS CURSOS DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL BÁSICA Processo Seletivo 2015.2 Agosto O Diretor Regional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, Departamento Regional da Bahia-

Leia mais

PROCESSO SELETIVO N 001/2014 CONTRATAÇÃO DE JOVENS APRENDIZES

PROCESSO SELETIVO N 001/2014 CONTRATAÇÃO DE JOVENS APRENDIZES PROCESSO SELETIVO N 001/2014 CONTRATAÇÃO DE JOVENS APRENDIZES O Diretor Presidente da COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO CODEPAS, no uso de suas atribuições legais, e conforme determina o art.

Leia mais

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos Formalização do Funcionamento de Unidades de Alimentação e Nutrição Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos A sobrevivência de agrupamentos humanos está diretamente relacionada à existência de objetivos

Leia mais

SENAI - CE Centro Reg.de Trein.em Moagem e Panificação Sen.José Dias de Macêdo - CERTREM. Fortaleza - CE CEP: 60180-415

SENAI - CE Centro Reg.de Trein.em Moagem e Panificação Sen.José Dias de Macêdo - CERTREM. Fortaleza - CE CEP: 60180-415 Unidade Escolar CNPJ Razão Social Nome de Fantasia Esfera Administrativa Endereço (Rua, No) Cidade/UF/CEP Telefone/Fax E-mail de Contato Site da Unidade Área do Plano 03.768.202/0003-38 SENAI - Centro

Leia mais

Presidente Sérgio Curvelo Dória. Direção Gerusa Inês da B. Ferreira. Vice Presidente Marta Teixeira Barroso Fernandes

Presidente Sérgio Curvelo Dória. Direção Gerusa Inês da B. Ferreira. Vice Presidente Marta Teixeira Barroso Fernandes Presidente Sérgio Curvelo Dória Vice Presidente Marta Teixeira Barroso Fernandes Diretora de Projetos Educacionais Marilene da Silva Barbosa Ferreira Gerente de Gestão de Integrada José Augusto Almeida

Leia mais

Ficha Técnica de Fiscalização. Restauração e Bebidas

Ficha Técnica de Fiscalização. Restauração e Bebidas Legislação aplicável: Licenciamento: o Decreto-Lei n.º 168/97 de 04 de Julho, alterado e republicado pelo Decreto-Lei n.º 57/2002 de 11 de Março, que aprova o regime jurídico da instalação e funcionamento

Leia mais

ÍNDICE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO... 4 DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL... 6 GESTÃO E NEGÓCIOS...12 TURISMO, HOSPITALIDADE E LAZER...

ÍNDICE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO... 4 DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL... 6 GESTÃO E NEGÓCIOS...12 TURISMO, HOSPITALIDADE E LAZER... SENAC O Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) é uma entidade vinculada ao Sistema Fecomércio, cujo principal propósito é conduzir processos de representatividade na defesa dos interesses e

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA SECRETARIA DE SERVIÇOS URBANOS COORDENADORIA DE POSTURAS MUNICIPAL EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 001/2013

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA SECRETARIA DE SERVIÇOS URBANOS COORDENADORIA DE POSTURAS MUNICIPAL EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 001/2013 PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA SECRETARIA DE SERVIÇOS URBANOS COORDENADORIA DE POSTURAS MUNICIPAL EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 001/2013 A PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA, através da Secretaria Municipal

Leia mais

Sistema de Segurança Alimentar Operações de Higienização Página 1 de 1. Café da Quinta Sandra & Elisa - Serviços de Restauração, Lda.

Sistema de Segurança Alimentar Operações de Higienização Página 1 de 1. Café da Quinta Sandra & Elisa - Serviços de Restauração, Lda. Operações de Higienização Mês de de Dias/Área 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 Sanitários M Sanitários F Sanitários/Vestiários Armazém Mesas/Cadeiras

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as normas para

Leia mais

RELATÓRIO CONSOLIDADO DA PESQUISA DE AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS DO RESTAURANTE/LANCHONETE Período de apuração: 29/02 a 09/03/2016

RELATÓRIO CONSOLIDADO DA PESQUISA DE AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS DO RESTAURANTE/LANCHONETE Período de apuração: 29/02 a 09/03/2016 RELATÓRIO CONSOLIDADO DA PESQUISA DE AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS DO RESTAURANTE/LANCHONETE Período de apuração: 29/02 a 09/03/2016 A quantidade de empregados que responderam foi de 137, correspondendo a cerca

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Logística

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SENAI DR/ES N 025/2015 28/06/2015

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SENAI DR/ES N 025/2015 28/06/2015 COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SENAI DR/ES N 025/2015 28/06/2015 O SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial torna pública a realização de processo seletivo para provimento de vagas de Docentes

Leia mais

REQUISITOS GERAIS HÍGIO SANITÁRIOS E TECNICO-FUNCIONAIS PARA A OFERTA E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTARES NA FEIRA INTERNACIONAL DE LISBOA (FIL)

REQUISITOS GERAIS HÍGIO SANITÁRIOS E TECNICO-FUNCIONAIS PARA A OFERTA E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTARES NA FEIRA INTERNACIONAL DE LISBOA (FIL) MANUAL REQUISITOS GERAIS HÍGIO SANITÁRIOS E TECNICO-FUNCIONAIS PARA A OFERTA E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTARES NA FEIRA INTERNACIONAL DE LISBOA (FIL) O objectivo deste manual é fornecer informação

Leia mais

ENGENHARIA DE ALIMENTOS. COORDENADOR Regina Célia Santos Mendonça rmendoc@ufv.br

ENGENHARIA DE ALIMENTOS. COORDENADOR Regina Célia Santos Mendonça rmendoc@ufv.br ENGENHARIA DE ALIMENTOS COORDENADOR Regina Célia Santos Mendonça rmendoc@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2009 201 Engenheiro de Alimentos ATUAÇÃO O Engenheiro de Alimentos tem como campo profissional

Leia mais