Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo"

Transcrição

1 Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalurgia Aperfeiçoamento Profissional: Soldagem Eletrodo Revestido em Aço Carbono e Inoxidável SÃO PAULO

2 Formação Inicial e Continuada - Plano de Curso de Especialização Profissional Soldagem Eletrodo Revestido em Aço Carbono e Inoxidável SENAI-SP, 2009 Diretoria Técnica Coordenação Gerência de Educação Elaboração Gerência de Educação Escola SENAI Mário Henrique Simonsen CFP 5.10, Piracicaba Escola SENAI Eng.º Octávio Marcondes Ferraz CFP 6.02, Ribeirão Preto 2

3 SUMÁRIO I. APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL SOLDAGEM ELETRODO REVESTIDO EM AÇO CARBONO E INOXIDÁVEL... 5 a) Objetivo...5 b) Requisitos de Acesso...5 c) Perfil do Aperfeiçoamento Profissional Soldagem Eletrodo Revestido em Aço Carbono e Inoxidável...5 II. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR... 6 a) Quadro de Organização Curricular...6 b) Enfoque didático-pedagógico...6 c) Ementa de conteúdo formativo...8 d) Organização de turmas...14 III. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO IV. CRITÉRIOS DE APROVEITAMENTO DE CONHECIMENTOS E EXPERIÊNCIAS ANTERIORES V. INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS VI. PESSOAL DOCENTE E TÉCNICO VII. CERTIFICADOS

4 4

5 I. APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL SOLDAGEM ELETRODO REVESTIDO EM AÇO CARBONO E INOXIDÁVEL 1 a) Objetivo O Curso de Aperfeiçoamento Profissional Soldagem Eletrodo Revestido em Aço Carbono e Inoxidável tem por objetivo o desenvolvimento de competências relativas ao processo de soldagem Eletrodo Revestido, permitindo a aquisição de capacidades relativas à soldagem nas posições horizontal, vertical e sobre-cabeça em chapas de aço carbono e aço inoxidável considerando a legislação pertinente, normas técnicas, bem como aspectos de saúde e meio ambiente. b) Requisitos de Acesso Os candidatos ao curso devem: ter concluído a 6ª série ou 7º ano 2 do Ensino Fundamental, ter, no mínimo, 18 anos completos; ter concluído o curso de qualificação profissional Soldador Eletrodo Revestido - ER ou comprovar conhecimentos e experiências anteriores referentes a esse aperfeiçoamento, adquiridos em outros cursos, no trabalho ou em outros meios informais. c) Perfil do Aperfeiçoamento Profissional Soldagem Eletrodo Revestido em Aço Carbono e Inoxidável Corta, prepara e solda material metálico pelo processo Eletrodo Revestido, nas posições horizontal, vertical e sobre-cabeça, para confecção e recuperação de equipamentos, máquinas, estruturas metálicas e ferramentas, utilizando materiais em aço carbono e aço inoxidável, montando e preparando o equipamento de soldagem e seguindo legislação pertinente, procedimentos e normas técnicas, de qualidade, de preservação ambiental, de saúde e segurança. 1 Este Aperfeiçoamento Profissional faz parte do Itinerário Formativo da Área Metalurgia, disponível na Intranet, área Ensino Itinerários Formativos. 2 De acordo com a Lei Federal de 6 de fevereiro de 2006 que institui o ensino fundamental de 9 anos. 5

6 II. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR a) Quadro de Organização Curricular LEGISLAÇÃO UNIDADES CURRICULARES CARGA HORÁRIA TOTAL (HORAS) Lei Federal n o 9394/96 Decreto Federal nº5154/04 Lei Federal nº11741/08 Tecnologia dos Materiais - Aço Inoxidável 12 Soldagem em Aço Carbono 4F e 4G - ER 24 Soldagem em Aço Inoxidável 2F, 2G e 3G - ER 24 Carga Horária Total 60 b) Enfoque didático-pedagógico Os processos de ensino e de aprendizagem devem ser planejados pelo docente e desenvolvidos com a utilização de diferentes métodos, estratégias e técnicas, tendo em vista a aquisição de capacidades técnicas, sociais, organizativas e metodológicas e conhecimentos definidos como conteúdo formativo e necessário para o desempenho profissional do Soldador Eletrodo Revestido. Desse modo, o curso deve ser desenvolvido a partir da proposição de situações contextualizadas e desafiadoras, tais como situações-problema que envolva tarefas, operações ou ensaios. Além disso, podem ser desenvolvidos projetos, pesquisas e atividades que levem o aluno ao entendimento tecnológico da área de soldagem processo Eletrodo Revestido. No decorrer do processo formativo, deve-se observar: a avaliação não tem um fim em si mesma, mas insere-se como estratégia fundamental para o desenvolvimento de competências; a avaliação não enfocará aspectos isolados da teoria desvinculada da prática, sem estabelecer relações entre elas; a avaliação fomentará a resolução de problemas em que seja necessário mobilizar conhecimentos, habilidades e atitudes. a avaliação enfatizará a proposição de situações, hipotéticas ou não, de ordem teórica e prática, que envolvem elementos relevantes na caracterização de desempenho profissional do Soldador Processo Eletrodo Revestido; os resultados das avaliações deverão ser sempre discutidos com os alunos, para que haja clareza sobre o pretendido e o alcançado. 6

7 Ademais, o processo de avaliação deve estar centrado principalmente nos resultados demonstrados pelo aluno durante a realização das situações de aprendizagem propostas. 7

8 c) Ementa de conteúdo formativo MÓDULO DE APERFEIÇOAMENTO SOLDAGEM ELETRODO REVESTIDO EM AÇO CARBONO E INOXIDÁVEL Unidade Curricular: Tecnologia dos Materiais - Aço Inoxidável - 12 horas CONTEÚDO FORMATIVO Capacidades Técnicas Conhecimentos Identificar as propriedades mecânicas do metal de base. Identificar propriedades físicas, mecânicas e metalúrgicas dos metais de base utilizados na soldagem. Identificar as propriedades mecânicas e metalúrgicas (estrutura cristalina) dos aços inoxidáveis. Identificar tipos e propriedades de metais de base utilizados nos processos de soldagem. Identificar tipos,características e aplicabilidade e propriedades mecânicas e metalúrgicas(estrutura cristalina) dos aços inoxidáveis. 1 Aço Inoxidável: 1.1 Tipos; 1.2 Características 1.3 Classificação; 1.4 Propriedades físicas; 1.5 Propriedades químicas; 1.6 Propriedades mecânicas e metalúrgicas; 1.7 Estrutura cristalina, 1.8 Aplicabilidade; 2 Corrosão: 2.1 Definição; 2.2 Tipos; 2.3 Características; 2.4 Causas e efeitos. Identificar tipos,características e aplicabilidade e sodabilidade dos aços inoxidáveis. Identificar tipos e características de corrosão em aços inoxidaveis. Capacidades sociais, organizativas e metodológicas Trabalhar em equipe; Prever conseqüências; Ter racicínio lógico; Ser analítico; Ter atenção a detalhes; Ser organizado. 8

9 MÓDULO DE APERFEIÇOAMENTO SOLDAGEM ELETRODO REVESTIDO EM AÇO CARBONO E INOXIDÁVEL Unidade Curricular: Soldagem em Aço Carbono 4F e 4G - ER - 24 horas CONTEÚDO FORMATIVO Capacidades Técnicas Conhecimentos Ajustar parâmetros de máquinas, na soldagem pelo processo eletrodo revestido, de acordo com procedimentos. Analisar, no procedimento, as informações referentes a temperatura interpasse, na soldagem em aço de baixa liga, na posição sobre cabeça, pelo processo eletrodo Aplicar técnicas de movimentação do eletrodo revestido para revestimento de peças Aplicar normas de segurança em circuitos elétricos, na operação de máquinas, na soldagem pelo processo eletrodo Aplicar normas de segurança, de acordo com o local de trabalho, na soldagem pelo processo eletrodo Aplicar técnicas de inclinação do eletrodo, na soldagem em aço de baixa liga, na posição 4F e 4G, pelo processo eletrodo Aplicar técnicas de limpeza entre os passes, na soldagem de peças em aço baixo carbono, pelo processo eletrodo Aplicar técnicas de movimentação do eletrodo na soldagem em aço baixo carbono. Aplicar técnicas de pré e pós-aquecimento, na soldagem em aço de baixa liga, na posição sobre cabeça, pelo processo eletrodo Aplicar técnicas de pré-aquecimento, no controle de temperatura, na soldagem em aço de baixa liga, na posição sobre cabeça, pelo processo eletrodo Avaliar as condições de acabamento, após a aplicação dos processos de limpeza entre os passes de soldagem da junta soldada, no processo eletrodo Avaliar viabilidade técnica e econômica dos processos de limpeza de superfície da junta a ser soldada, na soldagem por eletrodo Compatibilizar dados de temperatura medidos em instrumento e equiparar com o procedimento, na soldagem em aço de baixa liga, na posição sobre cabeça, pelo processo eletrodo Consultar, em catálogos e manuais, as especificações de máquinas, ferramentas e acessórios utilizados na preparação de emendas do cordão de solda, na soldagem por eletrodo Controlar temperatura entre os passes, de acordo com procedimentos, na soldagem em aço de baixa liga, na posição sobre cabeça, pelo processo eletrodo Controlar temperatura entre os passes, na soldagem em aço de baixa liga, na posição plana, pelo processo eletrodo 1 Técnicas de Pré-aquecimento, controle de temperatura de interpasse e de pós-aquecimento: 1.1 Fundamentos do processo, técnicas e equipamentos. 2 Soldagem com eletrodo revestido 2.1 Fundamentos do processo; 2.2 Equipamentos de soldagem; 2.3 Tipos características e aplicabilidade das máquinas para soldagem; 2.4 Acessórios para soldagem; 2.5 Consumíveis; 2.6 Características e aplicações; 2.7 Descontinuidades induzidas pelo processo. 3 Técnicas de limpeza entre os passes, na soldagem de peças em aço baixo carbono. 4 Utilização de Técnicas de Movimentação do Eletrodo. 5 Soldagem com o processo eletrodo Revestido: 5.1 Ângulos e movimentos laterais; Sentido da soldagem; 5.2 Ângulo de inclinação transversal; 5.3 Ângulo de inclinação longitudinal; 5.4 Comprimento do arco elétrico na soldagem. 6 Soldagem de junta de angulo, em aço baixo carbono, na posição 4F, utilizando eletrodo de revestimento básico, nos diâmetros de 2,5 mm e 3,25 mm. 7 Soldagem de junta de topo, em aço baixo carbono, na posição 4G, utilizando eletrodo de revestimento básico, nos diâmetros de 2,5 mm e 3,25 mm. 8 Normas de segurança, de acordo com o local de trabalho, na soldagem pelo processo eletrodo revestido; 8.1 Ambiente de soldagem: Leiaute, piso, pintura, iluminação, ventilação e exaustão. 9 Avaliação visual da limpeza entre passes em juntas soldadas no processo eletrodo 10 Tipos de processos de limpeza entre os passes de soldagem da junta soldada. 11 Tipos de processos de limpeza de superfície da junta ser soldada. 12 Tipos características e aplicabilidade das máquinas, ferramentas e acessórios utilizados na preparação de 9

10 MÓDULO DE APERFEIÇOAMENTO SOLDAGEM ELETRODO REVESTIDO EM AÇO CARBONO E INOXIDÁVEL Unidade Curricular: Soldagem em Aço Carbono 4F e 4G - ER - 24 horas Definir máquinas, ferramentas e acessórios para preparação de emendas nos cordões de solda, na soldagem pelo processo eletrodo Definir máquinas, ferramentas e acessórios, na soldagem por eletrodo revestido, de acordo com o processo de limpeza da junta soldada. Definir técnicas para soldagem de revestimento, de acordo com o material. Executar limpeza mecânica entre os passes de soldagem, na soldagem por eletrodo Identificar normas de segurança, de acordo com o local de trabalho (ambientes confinados, riscos de queda, incêndio, explosão, etc), na soldagem pelo processo eletrodo Identificar risco de acidentes em ambientes de soldagem. Preparar, de acordo com procedimentos, a emenda do cordão de solda, na soldagem pelo processo eletrodo Realizar cálculo de temperatura de interpasse, fazendo conversão de unidades, a partir de resultados obtidos em instrumentos de medição, na soldagem em aço de baixa liga, na posição sobre cabeça, pelo processo eletrodo revestido Selecionar corretamente os EPI e EPC na soldagem de peças pelo processo eletrodo Selecionar polaridade da corrente elétrica na operação de máquinas de soldagem pelo processo eletrodo revestido, seguindo normas e procedimentos. Soldar aço de baixa liga na posição sobre cabeça, com eletrodo apropriado, pelo processo eletrodo Soldar junta de topo em aço baixo carbono, na posição 4G, utilizando eletrodo de revestimento básico, nos diâmetros de 2,5 mm e 3,25 mm. Utilizar acessórios de soldagem, de acordo com o procedimento, no processo de soldagem eletrodo Utilizar corretamente os EPI e EPC de soldagem pelo processo eletrodo (2) Utilizar EPI e EPC de acordo com o processo de limpeza da junta soldada, na soldagem por eletrodo Utilizar EPI para operar máquinas de soldagem, pelo processo eletrodo Utilizar EPIs adequados ao processo de soldagem em aço de baixa liga, na posição sobre cabeça, pelo processo eletrodo (2) Utilizar EPIs adequados na aplicação de técnicas de controle de temperatura de interpasse, na soldagem em aço de baixa liga, na posição sobre cabeça, pelo processo eletrodo Utilizar fonte de corrente para soldagem, de acordo com o procedimento, no processo de soldagem eletrodo CONTEÚDO FORMATIVO emendas do cordão de solda. 13 Técnicas para emendas dos cordões de solda. 14 Avaliação visual da limpeza em juntas soldadas. 15 Tipos, características e aplicabilidade da limpeza mecânica entre os passes de soldagem. 16 Regulagem de parâmetros de soldagem nas posições 4F e 4G 17 Regulagem de parâmetros, seguindo especificações técnicas definidas em catálogos e em procedimentos. 18 Segurança e higiene na soldagem: 18.1 Radiações emitidas na soldagem; raios ultravioleta; raios infravermelho; 18.2 Proteção ocular e facial; área protegida pelos equipamentos; materiais utilizados nos equipamentos; visor para lente filtrante e lente de proteção; ventilação, lentes de proteção, lentes filtrantes; manutenção; vestuário de proteção, luvas, macacões, casacos, aventais, mangas, perneiras, aventais conjugados, touca, sapato de segurança; protetores auriculares; equipamentos de proteção respiratória. 19 Tipos características e aplicabilidade dos acessórios de soldagem: 19.1 Picador de escória, 19.2 Tenaz, 19.3 Escova com fios de aço, 19.4 Martelete pneumático. 20 Técnicas de controle de temperatura na soldagem. 10

11 MÓDULO DE APERFEIÇOAMENTO SOLDAGEM ELETRODO REVESTIDO EM AÇO CARBONO E INOXIDÁVEL Unidade Curricular: Soldagem em Aço Carbono 4F e 4G - ER - 24 horas Utilizar máquinas, ferramentas e acessórios para preparação de emendas nos cordões de solda, na soldagem pelo processo eletrodo Utilizar, na soldagem pelo processo eletrodo revestido, EPI e EPC de acordo com o processo de limpeza da junta soldada. Capacidades sociais, organizativas e metodológicas CONTEÚDO FORMATIVO Trabalhar em equipe; Prever conseqüências; Ter racicínio lógico; Ser analítico; Ter atenção a detalhes; Ser organizado. 11

12 MÓDULO DE APERFEIÇOAMENTO SOLDAGEM ELETRODO REVESTIDO EM AÇO CARBONO E INOXIDÁVEL Unidade Curricular: Soldagem em Aço Inoxidável 2F, 2G e 3G - ER - 24 horas CONTEÚDO FORMATIVO Capacidades Técnicas Conhecimentos Ajustar parâmetros de máquinas, na soldagem pelo processo eletrodo revestido, de acordo com procedimentos. Analisar, no procedimento, as informações referentes a temperatura interpasse, na soldagem em aço inoxidável, na posição horizontal vertical e sobre cabeça, pelo processo eletrodo Aplicar técnicas de movimentação do eletrodo revestido para revestimento de peças Aplicar normas de segurança em circuitos elétricos, na operação de máquinas, na soldagem pelo processo eletrodo Aplicar normas de segurança, de acordo com o local de trabalho, na soldagem pelo processo eletrodo Aplicar técnicas de inclinação do eletrodo, na soldagem em aço inoxidável, na posição 2F, 2G, 3G e 4G, pelo processo eletrodo Aplicar técnicas de limpeza entre os passes, na soldagem de peças em aço inoxidável, pelo processo eletrodo Aplicar técnicas de movimentação do eletrodo na soldagem em aço inoxidável. Aplicar técnicas de pré-aquecimento, no controle de temperatura, na soldagem em aço inoxidável, na posição horizontal vertical e sobre cabeça, pelo processo eletrodo Avaliar as condições de acabamento, após a aplicação dos processos de limpeza entre os passes de soldagem da junta soldada, no processo eletrodo Avaliar viabilidade técnica e econômica dos processos de limpeza de superfície da junta a ser soldada, na soldagem por eletrodo Especificações de máquinas, ferramentas e acessórios utilizados na preparação de emendas do cordão de solda, na soldagem por eletrodo Definir máquinas, ferramentas e acessórios para preparação de emendas nos cordões de solda, na soldagem pelo processo eletrodo Definir máquinas, ferramentas e acessórios, na soldagem por eletrodo revestido, de acordo com o processo de limpeza da junta soldada. Executar limpeza mecânica entre os passes de soldagem, na soldagem por eletrodo Identificar normas de segurança, de acordo com o local de trabalho (ambientes confinados, riscos de queda, incêndio, explosão, etc), na soldagem pelo processo eletrodo Identificar risco de acidentes em ambientes de soldagem. Preparar, de acordo com procedimentos, a emenda 1 Técnicas de Pré-aquecimento, controle de temperatura de interpasse e de pós-aquecimento: 1.1 Fundamentos do processo, técnicas e equipamentos. 2 Soldagem com eletrodo revestido 2.1 Fundamentos do processo; 2.2 Equipamentos de soldagem; 2.3 Tipos características e aplicabilidade das máquinas para soldagem; 2.4 Acessórios para soldagem; 2.5 Consumíveis; 2.6 Características e aplicações; 2.7 Descontinuidades induzidas pelo processo. 3 Técnicas de limpeza entre os passes, na soldagem de peças em aço inoxidável. 4 Utilização de Técnicas de Movimentação do Eletrodo. 5 Soldagem com o processo eletrodo Revestido: 5.1 Ângulos e movimentos laterais; Sentido da soldagem; 5.2 Ângulo de inclinação transversal; 5.3 Ângulo de inclinação longitudinal; 5.4 Comprimento do arco elétrico na soldagem. 6 Soldagem de junta de angulo, em aço inoxidável, na posição 2F, utilizando eletrodo de revestimento básico, nos diâmetros de 2,5 mm e 3,25 mm. 7 Soldagem de junta de topo, em aço inoxidável, na posição 2G,3G e 4G, utilizando eletrodo de revestimento básico, nos diâmetros de 2,5 mm e 3,25 mm. 8 Normas de segurança, de acordo com o local de trabalho, na soldagem pelo processo eletrodo revestido; 8.1 Ambiente de soldagem: Leiaute, piso, pintura, iluminação, ventilação e exaustão. 9 Avaliação visual da limpeza entre passes em juntas soldadas no processo eletrodo 10 Tipos de processos de limpeza entre os passes de soldagem da junta soldada. 11 Tipos de processos de limpeza de superfície da junta ser soldada. 12 Tipos características e aplicabilidade das máquinas, 12

13 MÓDULO DE APERFEIÇOAMENTO SOLDAGEM ELETRODO REVESTIDO EM AÇO CARBONO E INOXIDÁVEL Unidade Curricular: Soldagem em Aço Inoxidável 2F, 2G e 3G - ER - 24 horas do cordão de solda, na soldagem pelo processo eletrodo Realizar cálculo de temperatura de interpasse, fazendo conversão de unidades, a partir de resultados obtidos em instrumentos de medição, na soldagem em a aço inoxidável, na posição horizontal vertical e sobre cabeça, pelo processo eletrodo revestido Selecionar corretamente os EPI e EPC na soldagem de peças pelo processo eletrodo Selecionar polaridade da corrente elétrica na operação de máquinas de soldagem pelo processo eletrodo revestido, seguindo normas e procedimentos. Soldar aço inoxidável na posição sobre cabeça, com eletrodo apropriado, pelo processo eletrodo Soldar junta de topo em aço inoxidável, na posição 2G, 3G e 4G, utilizando eletrodo de revestimento básico, nos diâmetros de 2,5 mm e 3,25 mm. Utilizar acessórios de soldagem, de acordo com o procedimento, no processo de soldagem eletrodo Utilizar corretamente os EPI e EPC de soldagem pelo processo eletrodo (2) Utilizar EPI e EPC de acordo com o processo de limpeza da junta soldada, na soldagem por eletrodo Utilizar EPI para operar máquinas de soldagem, pelo processo eletrodo Utilizar EPIs adequados ao processo de soldagem em aço inoxidável, na posição sobre cabeça, pelo processo eletrodo (2) Utilizar EPIs adequados na aplicação de técnicas de controle de temperatura de interpasse, na soldagem em aço inoxidável, na posição sobre cabeça, pelo processo eletrodo Utilizar fonte de corrente para soldagem, de acordo com o procedimento, no processo de soldagem eletrodo Utilizar máquinas, ferramentas e acessórios para preparação de emendas nos cordões de solda, na soldagem pelo processo eletrodo Utilizar, na soldagem pelo processo eletrodo revestido, EPI e EPC de acordo com o processo de limpeza da junta soldada. CONTEÚDO FORMATIVO ferramentas e acessórios utilizados na preparação de emendas do cordão de solda. 13 Técnicas para emendas dos cordões de solda. 14 Avaliação visual da limpeza em juntas soldadas. 15 Tipos, características e aplicabilidade da limpeza mecânica entre os passes de soldagem. 16 Regulagem de parâmetros de soldagem nas posições 2F,2G, 3G e 4G 17 Regulagem de parâmetros, seguindo especificações técnicas definidas em catálogos e em procedimentos. 18 Tipos características e aplicabilidade dos acessórios de soldagem: 18.1 Picador de escória, 18.2 Tenaz, 18.3 Escova com fios de aço, 18.4 Martelete pneumático. 19 Técnicas de controle de temperatura na soldagem. Capacidades sociais, organizativas e metodológicas Trabalhar em equipe; Prever conseqüências; Ter racicínio lógico; Ser analítico; Ter atenção a detalhes; Ser organizado. 13

14 d) Organização de turmas As turmas devem ser organizadas com um número máximo de alunos em função da capacidade dos ambientes pedagógicos e com um número mínimo que garanta a auto-suficiência do curso, considerando, prioritariamente, a qualidade dos processos de ensino e de aprendizagem e o desenvolvimento das aulas dentro do enfoque didático-pedagógico proposto. III. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Os critérios de avaliação, promoção, recuperação e retenção de alunos são os definidos pelo Regimento Comum das Unidades Escolares SENAI, aprovado pelo Parecer CEE nº 528/98, e complementados na Proposta Pedagógica da unidade escolar. IV. CRITÉRIOS DE APROVEITAMENTO DE CONHECIMENTOS E EXPERIÊNCIAS ANTERIORES Em conformidade com o artigo 11 da Resolução CNE/CEB nº 4/99, a Unidade Escolar: poderá aproveitar conhecimentos e experiências anteriores, desde que diretamente relacionados com o perfil profissional de conclusão da respectiva qualificação ou habilitação profissional, adquiridos: I - no ensino médio; II - em qualificações profissionais e etapas ou módulos de nível técnico concluídos em outros cursos; III- em cursos de educação profissional de nível básico, mediante avaliação do aluno; IV - no trabalho ou por outros meios informais, mediante avaliação do aluno; V - e reconhecidos em processos formais de certificação profissional. A avaliação será feita por especialistas da Unidade Escolar, especialmente designados pela direção, atendidas as diretrizes e procedimentos constantes na proposta pedagógica. 14

15 V. INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS Para o desenvolvimento das aulas devem ser utilizados os mesmos ambientes pedagógicos e equipamentos existentes para os cursos regulamentados da mesma área tecnológica, incluindo-se a Biblioteca que dispõe de acervo bibliográfico adequado para o desenvolvimento do curso e faz parte do sistema de informação do SENAI. VI. PESSOAL DOCENTE E TÉCNICO O quadro de docentes para o curso de Soldagem Eletrodo Revestido em Aço Carbono e Inoxidável deve ser composto, preferencialmente, por profissionais técnicos, com formação e experiência profissional condizentes com o aperfeiçoamento. VII. CERTIFICADOS Para o aperfeiçoamento profissional concluído será conferido o certificado de Soldagem Eletrodo Revestido em Aço Carbono e Inoxidável. 15

16 CONTROLE DE REVISÕES REV. DATA NATUREZA DA ALTERAÇÃO 00 08/10/2009 Primeira Emissão

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Gestão

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Tecnologia

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada de Trabalhadores (Resolução CNE/CEB 5154/04) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalmecânica

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalurgia

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5.154/04 e Lei Federal nº 11.741/2008) PLANO DE CURSO Área: Manutenção Mecânica

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: Eletroeletrônica

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica : Metalurgia

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalurgia

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: Eletroeletrônica

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: Eletroeletrônica

Leia mais

SOLDADOR DE MATERIAIS METÁLICOS

SOLDADOR DE MATERIAIS METÁLICOS SOLDADOR DE MATERIAIS METÁLICOS (Arame Tubular, Eletrodo Revestido, MIG/MAG e TIG) Esquemas de Certificação Maio de 2015 Página 1 de 42 SUMÁRIO Soldador de Materiais Metálicos no Processo Arame Tubular...

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Logística

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Tecnologia

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: Eletroeletrônica

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: Montador de Equipamentos Eletroeletrônicos 200 horas ÁREA: ELETROELTRÔNICA MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CETEC - Araguaina Plano de

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada de Trabalhadores (Resolução CNE/CEB 5154/04) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalmecânica

Leia mais

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI. Robson Braga de Andrade. Presidente DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DIRET

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI. Robson Braga de Andrade. Presidente DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DIRET CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DIRET Rafael Esmeraldo Lucchesi Ramacciotti Diretor de Educação e Tecnologia SERVIÇO NACIONAL

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO. Área Profissional: Saúde

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO. Área Profissional: Saúde Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO Área Profissional: Saúde Qualificação: Operador de Ponte Rolante SÃO PAULO Março 2004 Plano de Curso de Qualificação

Leia mais

Prêmio Soldador Padrão 2016

Prêmio Soldador Padrão 2016 Prêmio Soldador Padrão 2016 Inscrições de 01/04/2016 até 15/07/2016 INSCRIÇÕES GRATUITAS Instruções aos Competidores INTRODUÇÃO O Prêmio Soldador Padrão tem como objetivo estimular o aprendizado e o desenvolvimento

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 11741/08 e Lei nº 11.741/08) PLANO DE CURSO Área: Manutenção Mecânica Qualificação:

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada de Trabalhadores (Resolução CNE/CEB 5154/04) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalmecânica

Leia mais

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO PLANO DE CURSO RESUMIDO CURSO Montador de Andaimes CBO 7155-45 COD-SGE 014.059 MODALIDADE Qualificação Profissional Área Tecnológica Construção Civil CARGA HORÁRIA 180 horas ITINERÁRIO Regional I. OBJETIVO

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem: - Grande aplicação nas atividades industriais que existem no mundo moderno: construção naval, ferroviária, aeronáutica e automobilística,

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DO ESPÍRITO SANTO GERÊNCIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA PLANO DO CURSO

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DO ESPÍRITO SANTO GERÊNCIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA PLANO DO CURSO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DEPARTAMENTO REGIONAL DO ESPÍRITO SANTO GERÊNCIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA PLANO DO CURSO OPERADOR DE EMPILHADEIRA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL BÁSICA

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Logística

Leia mais

FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA DA SOLDAGEM

FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA DA SOLDAGEM FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA DA SOLDAGEM NORMA FBTS N-008 Novembro/15 Revisão 0 CRITÉRIOS PARA A QUALIFICAÇÃO E A CERTIFICAÇÃO DE SUPERVISORES E ENCARREGADOS DE SOLDAGEM FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalurgia

Leia mais

Plano de Curso Não Regulamentado - Qualificação Profissional

Plano de Curso Não Regulamentado - Qualificação Profissional PERFIL PROFISSIONAL / IDENTIFICAÇÃO DA OCUPAÇÃO: Ocupação: Operador de Empilhadeira CBO: 7822-20 Educação Profissional: Nível da Qualificação: Área Tecnológica: Competência Geral: Requisitos de Acesso:

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11.741/08) PLANO DE CURSO Área: Segurança do Trabalho

Leia mais

Detalhes DBC. - Manual versão 1.05 - Junho de 2012. o x i g ê n i o. Máscara de Solda de auto-escurecimento DBC-600 CA 27617.

Detalhes DBC. - Manual versão 1.05 - Junho de 2012. o x i g ê n i o. Máscara de Solda de auto-escurecimento DBC-600 CA 27617. DBC o x i g ê n i o Detalhes - Manual versão 1.0 - Junho de 2012 Máscara de Solda de auto-escurecimento DBC-00 CA 21 Manual do Usuário Índice Conteúdo 1) Breve histórico das máscaras 2) Componentes deste

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC DR. FRANCISCO NOGUEIRA DE LIMA Código: 059 Município: CASA BRANCA - SP Eixo Tecnológico: SAÚDE, AMBIENTE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: TÉCNICO

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça - SP Eixo Tecnológico: Controle e Processo Industrial Habilitação

Leia mais

Equipamentos de Proteção Individual (EPI)

Equipamentos de Proteção Individual (EPI) Equipamentos de Proteção Individual (EPI) SEGURANÇA NA SOLDAGEM Segurança na Soldagem 1.1 - Principais riscos para um soldador 1.1.1 - Poluição por fumos de soldagem 1.1.2 - Radiações visíveis e invisíveis

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: METALMECÂNICA Aperfeiçoamento

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Leis Federais nº 9.394/96 e nº 11.741/08 Decreto Federal nº 5.154/04, e Resoluções CNE/CEB

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS A VAGAS NOS CURSOS DE ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA AVANÇADA

PROCESSO DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS A VAGAS NOS CURSOS DE ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA AVANÇADA PROCESSO DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS A VAGAS NOS CURSOS DE ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA AVANÇADA 1. APRESENTAÇÃO 1.1. O Departamento Nacional do SENAI, por meio do Programa SENAI de Capacitação Docente PSCD, abre

Leia mais

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO PLANO DE CURSO RESUMIDO CURSO Carpinteiro de Obras CBO 7155-25 COD-SGE 013.541 MODALIDADE Qualificação Profissional Básica Área Tecnológica Construção Civil CARGA HORÁRIA 220 horas ITINERÁRIO Regional

Leia mais

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SMAW

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SMAW Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SMAW 1. Objetivos: Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem manual com eletrodos revestidos. Familiarizar-se

Leia mais

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação:

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação: Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais Fundamentos Definição e princípio de operação: A soldagem a arco com eletrodo de tungstênio e proteção gasosa (Gas Tungsten

Leia mais

I - RELATÓRIO: 7137/2013, de 04/11/2013 PARECER CEE/PE Nº 113/2013-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 21/10/2013

I - RELATÓRIO: 7137/2013, de 04/11/2013 PARECER CEE/PE Nº 113/2013-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 21/10/2013 INTERESSADA: ESCOLA TÉCNICA SER MAIS - RECIFE/PE ASSUNTO: CREDENCIAMENTO DA INSTITUIÇÃO PARA A OFERTA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E AUTORIZAÇÃO DOS CURSOS TÉCNICO EM MECÂNICA E TÉCNICO

Leia mais

Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e de Proteção Coletiva (EPC)

Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e de Proteção Coletiva (EPC) Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e de Proteção Coletiva (EPC) PCC 2302 Gestão da Produção na Construção Civil Profº Francisco Ferreira Cardoso Juliana Bueno Silva Thales Landgraf Soraia Regina

Leia mais

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO PLANO DE CURSO RESUMIDO CURSO Mecânico de Motocicletas CBO 9144-15 COD-SGE 013.529 MODALIDADE Qualificação Profissional Área Tecnológica Automotiva CARGA HORÁRIA 320 horas ITINERÁRIO Regional I. OBJETIVO

Leia mais

Aula 8. Equipamentos de Proteção Coletiva e Individual META DA AULA OBJETIVOS

Aula 8. Equipamentos de Proteção Coletiva e Individual META DA AULA OBJETIVOS Aula 8 Equipamentos de Proteção Coletiva e Individual META DA AULA Compreender os aspectos essenciais de Combate a Incêndio e os Equipamentos de Proteção Coletiva e Individual. OBJETIVOS Ao final desta

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Química

Leia mais

Centro de Formação Profissional Aloysio Ribeiro de Almeida SOLDAGEM TIG

Centro de Formação Profissional Aloysio Ribeiro de Almeida SOLDAGEM TIG Centro de Formação Profissional Aloysio Ribeiro de Almeida SOLDAGEM TIG Presidente da FIEMG Robson Braga de Andrade Gestor do SENAI Petrônio Machado Zica Diretor Regional do SENAI e Superintendente de

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 194 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2010 (DOU de 08/12/10 Seção 1 Pág. 85) Altera a Norma

Leia mais

Portaria DSST n.º 05, de 28 de outubro de 1991 30/10/91. Portaria DSST n.º 03, de 20 de fevereiro de 1992 21/02/92

Portaria DSST n.º 05, de 28 de outubro de 1991 30/10/91. Portaria DSST n.º 03, de 20 de fevereiro de 1992 21/02/92 NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria SSMT n.º 05, de 07 de maio de 1982 17/05/82

Leia mais

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI)

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) Transcrito pela Nutri Safety * 6.1 Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora - NR, considera-se Equipamento de Proteção Individual - EPI, todo

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO. Área Profissional: GESTÃO

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO. Área Profissional: GESTÃO Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO Área Profissional: GESTÃO Segmento da área: Administração Industrial Aprendizagem Industrial: Assistente Administrativo

Leia mais

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENAÇÃO DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL SUBGERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em

Leia mais

Programação de Cursos de Formação Inicial e Continuada

Programação de Cursos de Formação Inicial e Continuada ESCOLA SENAI DE MAUÁ Programação de Cursos de Formação Inicial e Continuada S NA ÁREA DE AUTOMAÇÃO Eletropneumática 40 27/04/2016 19/05/2016 15h 18h X X X X X Eletropneumática 40 04/07/2016 27/07/2016

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC: Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça - SP Eixo Tecnológico: Indústria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior e Profissional

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior e Profissional INTERESSADO: Centro de Estudos e Pesquisas em Eletrônica Profissional e Informática Ltda/CEPEP EMENTA: Credencia o Centro de Estudos e Pesquisas em Eletrônica Profissional e Informática Ltda/CEPEP, na

Leia mais

I Data: 24/07/03. II Grupo de Estudo:

I Data: 24/07/03. II Grupo de Estudo: Parecer do Grupo Técnico de Auditoria em Saúde 007/03 Tema: Luvas de Procedimento I Data: 24/07/03 II Grupo de Estudo: Adolfo Orsi Parenzi. Clemilda Alvarenga Coelho Elen Cristina Queiroz Rezende Pinto

Leia mais

Processos de fabricação

Processos de fabricação Processos de fabricação SOLDAGEM 1 Soldagem: introdução A soldagem está intimamente ligada às mais importantes atividades industriais que existem no mundo moderno: construção naval, ferroviária, aeronáutica

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 063 CONSUPER/2013

RESOLUÇÃO Nº 063 CONSUPER/2013 RESOLUÇÃO Nº 063 CONSUPER/2013 Dispõe sobre a regulamentação de Curso de Formação Inicial e Continuada ou Qualificação Profissional do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense. O

Leia mais

Diferença EPI para dispositivos Perfurocortantes. Luciana Affonso Gerente Mkt

Diferença EPI para dispositivos Perfurocortantes. Luciana Affonso Gerente Mkt Diferença EPI para dispositivos Perfurocortantes Luciana Affonso Gerente Mkt SP, Agosto 2010 Definição EPI NR6 Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora - NR, considera-se Equipamento de Proteção

Leia mais

DELIBERAÇÃO CEE N 314, DE 08 DE SETEMBRO DE 2009.

DELIBERAÇÃO CEE N 314, DE 08 DE SETEMBRO DE 2009. Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DELIBERAÇÃO CEE N 314, DE 08 DE SETEMBRO DE 2009. Estabelece

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado

Regulamento de Estágio Supervisionado Regulamento de Estágio Supervisionado Escola SENAI Almirante Tamandaré ( V 5 ) Regulamento de Estágio Supervisionado Curso Técnico 1 Estágio Regulamento de Estágio Supervisionado SENAI-SP, 2007 Trabalho

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVOS EIXO TECNOLÓGICO: CURSO: Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial ( ) PROEJA (

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ENGENHARIA DE SOLDAGEM

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ENGENHARIA DE SOLDAGEM PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ENGENHARIA DE SOLDAGEM 1. APRESENTAÇÃO A Pós-graduação em Engenharia de Soldagem propicia a oportunidade de especialização na tecnologia e controle da qualidade da soldagem, além

Leia mais

PROCESSOS DE SOLDAGEM

PROCESSOS DE SOLDAGEM PROCESSOS DE SOLDAGEM PROCESSOS DE SOLDAGEM SOLDA POR FUSÃO Combinação Gás/Metal Oxi-acetilenico Oxi-hidrogenio Oxigênio com gás metano, propano, natural Ar-acetileno PROCESSOS DE SOLDAGEM SOLDA POR FUSÃO

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Resolução CNE/CEB 5154/04) Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: Gráfica Qualificação

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO. Área Profissional: Saúde e Segurança no Trabalho

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO. Área Profissional: Saúde e Segurança no Trabalho Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO Área Profissional: Saúde e Segurança no Trabalho Aperfeiçoamento: SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 18/12/1997 CÂMARA OU COMISSÃO: CEB

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 18/12/1997 CÂMARA OU COMISSÃO: CEB PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 18/12/1997 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Ver Resolução CNE/CEB nº 1/1998 INTERESSADO: SERVIÇO

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO Prof. Msc Milene Silva Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista, desenvolvimentista e críticas. Função

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL CONTINUADA (FIC) PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL CONTINUADA (FIC) RECICLADOR Florestal 2014 Reitora da Universidade Federal de Viçosa Nilda de Fátima Ferreira Soares Pró-Reitor de Ensino Vicente de Paula

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Docente 2013 Ensino Técnico Etec de Nova Odessa Código: 234 Município: Nova Odessa Eixo Tecnológico: Segurança Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Qualificação: Sem Qualificação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: Especialização Profissional Técnica

Leia mais

XLIII PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE

XLIII PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE XLIII PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE O Futuro da Educação a Distância na Educação Básica Francisco Aparecido Cordão facordao@uol.com.br Dispositivos da LDB e DECRETOS

Leia mais

NR 6 E P I. Equipamento de Proteção Individual. Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978

NR 6 E P I. Equipamento de Proteção Individual. Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 NR 6 E P I Equipamento de Proteção Individual Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 A sexta Norma Regulamentadora, cujo título é Equipamento de Proteção Individual (EPI), estabelece: definições legais,

Leia mais

PLANO DE CURSO QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

PLANO DE CURSO QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PLANO DE CURSO QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL 1 - NOME DO CURSO AUXILIAR ADMINISTRATIVO 2 - OBJETIVO Preparar profissionais para realizar atividades de rotinas administrativas, organização de documentos e apoio

Leia mais

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA (EPCs) E EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPIs)

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA (EPCs) E EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPIs) EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA (EPCs) E EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPIs) EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL O que são? Para que usá-los? - Proteção do contato com agentes infecciosos e substâncias

Leia mais

Cursos de Formação Inicial e Continuada

Cursos de Formação Inicial e Continuada Cursos de Formação Inicial e Continuada 1º Semestre de 2015 Não jogue este impresso em vias públicas Automação Construção Civil Eletroeletrônica Gestão Logística Manutenção Mecânica Mecânica Metalmecânica

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico 1º semestre

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico 1º semestre Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico 1º semestre ETEC Dr. Júlio Cardoso Código: 078 Município: Franca/SP Eixo Tecnológico: Controle

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado

Regulamento de Estágio Supervisionado SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL Departamento Regional de São Paulo Antônio Souza Noschese Regulamento de Estágio Supervisionado Santos SP Antonio Souza Noschese CORPO ADMINISTRATIVO Diretor:

Leia mais

DIVISÃO DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DVSMT PROTEÇÃO DA CABEÇA, FACE E OLHOS

DIVISÃO DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DVSMT PROTEÇÃO DA CABEÇA, FACE E OLHOS PROTEÇÃO DA CABEÇA, FACE E OLHOS CAPACETE DE SEGURANÇA CAP1 Proteção da cabeça do usuário contra impactos provenientes de queda ou projeção de objetos. a) Casco: deve ser confeccionado em polietileno de

Leia mais

Nome da Instituição: SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC SÃO PAULO. 01. Especialização Técnica de Nível Médio em Contabilidade Financeira

Nome da Instituição: SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC SÃO PAULO. 01. Especialização Técnica de Nível Médio em Contabilidade Financeira Nome da Instituição: SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC SÃO PAULO CNPJ: 03.709.814/0001-98 Data: 07 de agosto de 2006 Número do Plano: 94 Área do Plano: Gestão Plano de Curso para: 01. Especialização

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA

CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA O Curso Técnico de Nível Médio em Mecânica, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais são organizados em 3 módulos de 400 horas. Ao final do curso, 400 horas de estágio

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico. Professor: Alexandre Martins

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico. Professor: Alexandre Martins PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANGUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Fundamentos, NR s Componente Curricular: Fundamentos da Saúde

Leia mais

SENAI - CE CFP - Antônio Urbano de Almeida - AUA

SENAI - CE CFP - Antônio Urbano de Almeida - AUA Unidade Escolar CNPJ Razão Social Nome de Fantasia Esfera Administrativa Endereço (Rua, No) Cidade/UF/CEP Telefone/Fax E-mail de Contato Site da Unidade Área do Plano 03.768.202/0002-57 SENAI - CFP - Antônio

Leia mais

INTERESSADO: Centro de Formação Profissional CEFOP

INTERESSADO: Centro de Formação Profissional CEFOP INTERESSADO: Centro de Formação Profissional CEFOP EMENTA: Reconhece os cursos de educação profissional de nível médio de Técnico de Biblioteconomia e de Técnico de Contabilidade, na modalidade educação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 01 DE SETEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 01 DE SETEMBRO DE 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Conselho Superior Avenida Vicente Simões, 1111 Bairro Nova Pouso Alegre 37550-000 - Pouso Alegre/MG Fone:

Leia mais

Rede Nacional de Certificação Profissional e Formação Inicial e Continuada -

Rede Nacional de Certificação Profissional e Formação Inicial e Continuada - Rede Nacional de Certificação Profissional e Formação Inicial e Continuada - PROGRAMA INTERINSTITUCIONAL DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL EM SONDADOR Grupo de Trabalho da Rede CERTIFIC: Wilson Consciani -

Leia mais

Reunião Plenária do Fórum Nacional dos Conselhos Estaduais de Educação FNCE Região Centro Oeste

Reunião Plenária do Fórum Nacional dos Conselhos Estaduais de Educação FNCE Região Centro Oeste Reunião Plenária do Fórum Nacional dos Conselhos Estaduais de Educação FNCE Região Centro Oeste Educação à Distância no Território Nacional: desafios e perspectivas Francisco Aparecido Cordão facordao@uol.com.br

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico 1º Semestre

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico 1º Semestre Plano de Trabalho Docente 2015 Etec Ensino Técnico 1º Semestre ETEC Dr. Júlio Cardoso Código: 078 Município: Franca Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional de: Técnico

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Técnico Etec: Dr. Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica

Leia mais

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA.

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. CLAUSULA PRIMEIRA: OBJETIVO. 1.1. Estabelecer diretrizes de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR FUNÇÃO: Recuperação / Reabilitação SUBFUNÇÃO: PRÓTESE FIXA III CÓDIGO

Leia mais

Equipamentos de Proteção Individual EPI.

Equipamentos de Proteção Individual EPI. Equipamentos de Proteção Individual EPI. Considera-se EPI todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS LEGAIS Artigo 1º- O presente regulamento de estágios do Centro Universitário do Norte Paulista

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA PEDRO ROGÉRIO GARCIA- FATTEP FUNDAÇÃO ADOLPHO BÓSIO DE EDUCAÇÃO NO TRANSPORTE-FABET EDICLÉIA KARINE MANTHEI

FACULDADE DE TECNOLOGIA PEDRO ROGÉRIO GARCIA- FATTEP FUNDAÇÃO ADOLPHO BÓSIO DE EDUCAÇÃO NO TRANSPORTE-FABET EDICLÉIA KARINE MANTHEI 0 FACULDADE DE TECNOLOGIA PEDRO ROGÉRIO GARCIA- FATTEP FUNDAÇÃO ADOLPHO BÓSIO DE EDUCAÇÃO NO TRANSPORTE-FABET EDICLÉIA KARINE MANTHEI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Concórdia- SC 2014 1 EDICLÉIA KARINE

Leia mais

PREFEITURA DE NOVA VENÉCIA-ES SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015.

PREFEITURA DE NOVA VENÉCIA-ES SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015. PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015. DISPÕE SOBRE O FUNCIONAMENTO E ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DAS UNIDADES DE ENSINO DA EDUCAÇÃO INFANTIL EM TEMPO INTEGRAL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE NOVA VENÉCIA-ES

Leia mais

b) óculos de segurança para trabalhos que possam causar ferimentos nos olhos, provenientes de impacto de partículas;

b) óculos de segurança para trabalhos que possam causar ferimentos nos olhos, provenientes de impacto de partículas; NORMA REGULAMENTADORA 6 NR 6 - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI (1006.000-7) 6.1. Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora - NR, considera-se Equipamento de Proteção Individual - EPI

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS - DEX UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS - UFLA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS - DEX UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS - UFLA 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS - DEX UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS - UFLA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Em consonância

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos - SP Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecânica

Leia mais

FICHA DE CURSO. Máximo: 25. Código da Ficha 001/0000 Revisão 00. Data: 00/00/0000. Curso: Pintor de Paredes

FICHA DE CURSO. Máximo: 25. Código da Ficha 001/0000 Revisão 00. Data: 00/00/0000. Curso: Pintor de Paredes Curso: Pintor de Paredes Carga Horária Total: 108 h Eixo Tecnológico: Infraestrutura Nº de Participantes: Máximo: 25 FICHA DE CURSO Modalidade: Qualificação Área: Construção Civil CBO: 7166-10 Código da

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico 1º Semestre

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico 1º Semestre Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico 1º Semestre ETEC Dr. Júlio Cardoso Código: : 078 Município: Franca Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em

Leia mais

Portaria Inep nº 219 de 26 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 27 de julho de 2011, Seção 1, págs. 16 e 17

Portaria Inep nº 219 de 26 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 27 de julho de 2011, Seção 1, págs. 16 e 17 Portaria Inep nº 219 de 26 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 27 de julho de 2011, Seção 1, págs. 16 e 17 O Presidente, Substituto, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

Corte Plasma. Processo de corte plasma

Corte Plasma. Processo de corte plasma Corte Plasma Processo de corte plasma CORTE PLASMA Plasma Três estados físicos da matéria: Sólido - Gelo Líquido - Água Gasoso - Vapor A diferença básica: o quanto de energia existe em cada um deles. Gelo

Leia mais