Números Complexos. Note com especial atenção o sinal "-" associado com X C. Se escrevermos a expressão em sua forma mais básica, temos: = 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Números Complexos. Note com especial atenção o sinal "-" associado com X C. Se escrevermos a expressão em sua forma mais básica, temos: = 1"

Transcrição

1 1 Números Complexos. Se tivermos um circuito contendo uma multiplicidade de capacitores e resistores, se torna necessário lidar com resistências e reatâncias de uma maneira mais complicada. Por exemplo, considere o circuito acima. R3 e C3 estão em série, mas combinados com R2 em paralelo. A combinação em paralelo está então combinada em série com C2, e a sequencia se repete com R1 e C1. Usando a representação vetorial podemos facilmente calcular a impedância de R3 associado com C3, mas tentar combinar esta associação com R2 fica bastante complicado. A complicação apenas aumenta quando incluirmos os outros elementos. Precisamos então de uma maneira de lidar com componentes resistivos e componentes reativos de modo que possamos separá-los (pois são diferentes), mas usando-os de uma mesma maneira. Felizmente existe uma maneira de fazer isto. O requisito básico é que possamos separar os componentes reativos e marcá-los de uma maneira que a apropriada defasagem de 90 fique evidente. Podemos fazer isso introduzindo um novo operador matemático i, que representa tal rotação. Similarmente, -i indica uma rotação de -90. Rotações de 180 são indicadas por i i ou i². Uma vez que i é um fator multiplicador, é também verdade que i² -1. Se você já trabalhou com números imaginários, este conceito será familiar a você. Frequentemente alguns autores usam a letra j para representar este operador, para não haver confusão com a letra i representando corrente elétrica. Neste contexto, a impedância do nosso exemplo experimental para o circuito RC série deve ser indicada como Z15k i.15,92k. Números escritos neste formato são conhecidos como números complexos e neste texto serão indicados por letras em negrito. Todos os cálculos intermediários relativos ao circuito são realizados usando números complexos, e a conversão final para determinar Z (o módulo de Z) como uma impedância simples é realizada apenas no passo final, ou as vezes nem é feita. Note com especial atenção o sinal "-" associado com X C. Se escrevermos a expressão em sua forma mais básica, temos: 1

2 2 pois como sabemos a reatância capacitiva esta atrasada de 90 em relação á resistência, ou seja, possui uma defasagem de -90. mas É claro que 1 e então podemos escrever e ainda e ( 1 ) Se Z é um número complexo, ε ou I ou ambos também devem ser complexos para que a igualdade seja válida. O ângulo de fase do gerador é dado por 1 Isto simplesmente significa que a voltagem está atrasada em relação à corrente no circuito, o que já sabemos. No exemplo numérico do circuito RL teríamos Z i e de forma geral, a impedância seria descrita por + pois como sabemos a reatância indutiva esta adiantada de 90 em relação à resistência, ou seja, possui uma defasagem de +90.

3 3 Temos ainda que como! +! (+!)+! + e # $ # $ % & '(( ) &. O ângulo de fase do gerador é dado por! Isto simplesmente significa que a voltagem está adiantada em relação à corrente no circuito, o que já sabemos. Esta abordagem que faz uso de números complexos está diretamente relacionada com a representação vetorial. É uma abordagem, digamos estática, simples e bastante apropriada para o cálculo das impedâncias, fases e amplitudes (e valores rms) das correntes e tensões no circuito. Uma abordagem mais abrangente pode ser aplicada usando números complexos na resolução das equações diferenciais usando uma representação complexa dependente do tempo. Da equivalência entre as representações cartesianas e polares dos números complexos temos que ) *(+,cos()+0)1()2 cos()+ sen() onde vemos que () cos() )() Tomemos então a equação diferencial do circuito RC série que desenvolvemos anteriormente 5 () 5() () E substituímos ε (real) por sua representação complexa ε temos 5 5 5() ()

4 4 E devemos obviamente supor que a solução buscada deva ser uma função complexa I da forma ) *((+'6) pois sabemos que no circuito RC a corrente está defasada em relação à voltagem da fonte, como argumentado anteriormente. Assim como para a tensão, a corrente real que passa pelo circuito pode ser obtida tomando )() Voltando para a equação diferencial temos então 5 5 ) *(+ 5 ) *((+'6) ) *((+'6) ) *(+ ) *((+'6) + 1 ) *((+'6) ) *6 + 1 ) *6 (780+0)1)+ 1 (780+0)1) 780 0) )1 Como as partes imaginárias e reais da igualdade devem ser também iguais temos que o que nos dá e dando 0)1()]+ : cos() 0 1 cos() : 0)1()0

5 5 +( 1 ) resultados que já tínhamos obtido anteriormente. Adiante, iremos usar números complexos sempre que necessário para ajudar a descrever o desenvolvimento de vários circuitos. Circuito RC paralelo O circuito RC paralelo ao lado comportase bem diferente quando CA é aplicada a ele do que quando aplicamos CC. Com uma voltagem CC aplicada, o capacitor irá carregar rapidamente com a voltagem da fonte, e a partir deste ponto a corrente fluirá somente através do resistor. Porém, quando um a tensão CA é aplicada, o capacitor não conseguira nunca atingir a carga completa e, portanto uma corrente sempre irá fluir pelo capacitor. Sabemos que no circuito paralelo a voltagem será sempre a mesma sobre todos os elementos. Entretanto, a corrente I que flui pelo resistor R não é a mesma que flui através de C. Então, I R está em fase com ε, mas I C está adiantada em relação à ε por 90. Porque a voltagem é a mesma sobre todos os elementos, devemos usar a voltagem como referência e determinar a corrente total no circuito em termos da voltagem. Para isso usamos a Lei de Ohm. Sabemos que I R V/R, mas a defasagem de +90 da corrente em C requer o uso de número complexos. Então I C i(v/x C ). A corrente total é então: I + + > Dois pontos devem ser destacados sobre esta equação: Primeiro, lembre-se que i(ε/x C )ε/(-ix C ). Ou de outro modo, lembre-se que a reatância capacitiva é definida como X C 1/(ωC). Incluindo o fator "i" fator, temos que 1/(iωC). Isto novamente nos dá -ix C para a capacitância reativa. O Segundo ponto é que, uma vez que ε é o mesmo em todos os termos da equação acima, podemos dividir cada membro por ε e removê-lo da equação. Portanto, a equação que realmente devemos resolver é:

6 Para associações em paralelo, pode ser mais conveniente o uso da admitânica Y, das condutâncias G e das susceptâncias B. Estes valores são respectivamente os inversos das impedâncias, resistências e reatâncias. A unidade no SI de admitância, condutâncias e susceptâncias é o siemens (S) e 1S 1/Ω. Fazendo uso destas grandezas temos:? 1 ; A 1 ; B C 1 D C ; B E 1 D E! e para uma associação em paralelo e? A+(B E +B C )? Cálculos envolvendo números complexos A equação acima é simplesmente o embrião da equação para a equação mais geral para impedâncias em circuitos paralelos. Temos aqui uma resistência enquanto que no outro termo temos uma reatância. Isso significa lidar com o incômodo "i" em um termo. Felizmente isto não é uma grande dificuldade como parece ser. A expressão para impedâncias em paralelo é simplesmente uma adaptação da expressão para resistores em paralelo. Se agruparmos todos os resistores juntos para formarmos um resistor R equivalente e também agruparmos os capacitores em um capacitor C equivalente e o mesmo para um indutor L equivalente, a expressão geral para estes elementos em paralelo torna-se:.( ) +( ) No nosso caso temos apenas R e C, e o então o fator X L é simplesmente retirado da equação ficando então:.( ) Para completar o cálculo, devemos remover o termo "i" do denominador. Podemos fazer isso aplicando a identidade:

7 7 (a + b)(a b) a² b² Neste caso, ( + )( ) ² ² ² ² + ² Então, podemos multiplicar a expressão para a impedância paralela por (R+iX C )/(R+iX C ) e obteremos o seguinte resultado:.( ).(+ ) ( ).(+ ) ( ).(+ ) ( ).(+ ), + 2, + 2 Esta expressão nos dá um número real no denominador tornando os cálculos possíveis. Nossa impedância paralela tem agora um termo real e um termo imaginário e pode ser escrita como:, + 2, + 2 Esta expressão pode ser usada para calcular a impedância paralela de um resistor e um capacitor se a frequência do sinal é conhecida. Para verificar esta expressão matemática, vamos testar um exemplo prático. Tomemos ε 0 5V, R100Ω e X C 200Ω. Então: ,05K ,025K M %( + ) %( 0,05 +0,025 ) 0,0559K M ,44Q O próximo passo é calcular Z usando a equação que derivamos anteriormente, e comparar aquele resultado com o acima. Se nossa matemática estiver correta, os resultados devem bater. Por simplicidade vamos calcular primeiramente o denominador (D) e os

8 8 dois numeradores (N1) e (N2) e então introduziremos estes valores na equação. R S S S1 R S2 R % ,44Q Vemos que ambos os conjuntos de cálculos produzem precisamente o mesmo resultado. Isto indica que nosso método de calcular impedância sem saber (ou usar) a voltagem aplicada é perfeitamente válido. Circuito RL paralelo Quando um sinal CA é aplicado a um circuito RL, o circuito apresenta uma significante impedância à passagem da corrente. Esta impedância é dependente da frequência, uma vez que dela depende X L, mas para uma dada frequência, a impedância é independente do tempo. Como esperado, o tratamento equivalente à Lei de Ohm é aplicável, como nos circuitos anteriores. Como a voltagem é a mesma para todos os ela será a nossa referência. A corrente fornecida pelo gerador é, entretanto, a soma das correntes que atravessam R e L, tendo em mente que o indutor se opões às mudanças na corrente que o atravessam, de modo que nele a corrente está atrasada de 90 em relação à sua voltagem. Portanto, a equação para as correntes deve ser: I + > Se movermos o i para o denominador da fração devemos mudar seu sinal. Isto está de acordo com o fato de que. iωlix L. Como no

9 9 circuito RC paralelo, podemos dividir a equação por ε e calcular a impedância complexa deste circuito. Ou seja: Para calcular a impedância total do circuito faremos uso da equação apresentada no item anterior:.( ) +( ) e agora deixaremos somente os valores de R e L, eliminando os fatores que contém X C da equação. Teremos então:. + E completamos os cálculos usando a mesma relação usada anteriormente para remover i" do denominador..( ).( ) (+ ).( ), + 2 +, + 2 A impedância do circuito RL é então um número complexo que pode ser escrito como: +, + 2 +, + 2 Circuito LC série O circuito esquematizado ao lado mostra uma associação em série ideal de um capacitor e um indutor ligados a um gerador. Como no circuito RC e RL examinados anteriormente o capacitor C e o indutor L formam um divisor da tensão fornecida pelo gerador. Neste caso ideal, entretanto, não temos o resistor para colocar um limite na corrente que flui no circuito temos

10 10 somente X C e X L. Para este exemplo vamos assumir valores numéricos. Seja a frequência f1 MHz (1,000,000 Hz), L150µH e C220pF, e ε rms 10V. Estes valores nos parecem razoáveis, mas quando medimos a voltagem V C sobre o capacitor encontramos V Crms 33V e sobre o indutor encontramos V Lrms 43V enquanto a fonte de voltagem continua fornecendo 10V. O que está acontecendo? Como podemos ter 76V sobre dois componentes em série enquanto sobre a fonte temos 20V? A resposta será evidente se lembrarmos dos circuitos RC e RL série tratados anteriormente e se observarmos o diagrama de vetores que representa as tensões no circuito mostrado ao lado. Uma vez que temos um circuito em série, a corrente no circuito é a mesma em todos os elementos. Como não temos resistência no circuito, não temos voltagem resistiva e, portanto só temos o vetor representativo da corrente (em vermelho) no ângulo de referência (fase 0 ). Sabemos que a voltagem está avançada em relação à corrente no indutor, de modo que V L teme uma fase de +90. Sabemos também que no capacitor a voltagem está atrasada em relação à corrente, de modo que V C tem uma fase de -90. Isto nos dá a pista do que está acontecendo neste circuito e como podemos ter V C e V L tão maiores do que a voltagem da fonte. Estas voltagens estão em oposição e se cancelam parcialmente, de modo que é a diferença entre estas duas voltagens que deve se igualar à voltagem da fonte, e de fato 43V- 33V10V. Se X L > X C, a associação será puramente indutiva para a fonte. Se X C > X L, o circuito parecerá capacitivo. A questão que permanece é como determinar a intensidade dos vetores V C e V L. Os cálculos para este circuito são equivalentes ao que fizemos para os circuitos anteriores. Em geral, temos: Vamos usar em nossos cálculos os valores reais pois sabemos de antemão as orientações relativas das tensões e da corrente.

11 11 Primeiramente temos que calcular o valor de ω necessário para ao cálculo das reatâncias: e então temos: ω2πf6, ,000, ,3 rad/s! ,3 x 0, ,48Ω ,43Ω ,3 x %( ) 942,48 723,43 219,05Ω ,05 45,652ZK [ 0, [ 942,48 43 [ 0, [ 723,43 33 Que confirmam os valores apresentados. O fato de que possamos ter nos elementos dos circuitos voltagens consideravelmente maiores do que a voltagem fornecida pela fonte demanda dois cuidados na montagem deste tipo de circuito. Primeiro os valores limites suportados pelos indutores e capacitores não devem ser limitados pelos valores da fonte e em segundo, muito cuidado deve ser tomado no manuseio destes circuitos. Uma vez que a impedância total do circuito é a diferença entre X L e X C, o que acontece se estes dois valores são iguais. Não deve ser difícil encontrar valores de capacitores e indutores que a uma dada frequência se encaixe neste caso. Qual será o comportamento do circuito neste caso? Quando X L X C Examinamos um caso específico de um circuito LC e seu comportamento sob uma particular frequência. Sabemos que se aumentarmos a frequência o valor de X L aumenta enquanto que o valor de X C diminui. Por outro lado, se diminuirmos a frequência, o valor de X L diminui enquanto que o valor de X C aumenta. A mesma questão apresentada logo anteriormente pode ser colocada da seguinte forma. Qual será o comportamento do circuito numa específica corrente quando X L X C? Como podemos determinar esta particular frequência?

12 12 Encontrar esta frequência mágica não é problema, basta igualarmos os valores de X L X C :! 1 1! 1! 1 \ 2]! Se este resultado te parece familiar, deveria. Esta é a frequência de ressonância do circuito LC não forçado que calculamos anteriormente e chamamos de ω 0. A frequência de ressonância é a mesma com uma voltagem CA aplicada, mas a voltagem AC forçada elimina perdas no circuito e as oscilações não terminam. Na ressonância, quando X L X C, também é verdade que X L -X C 0. Portanto, não existe componente reativo em Z na frequência de ressonância. Na ausência de qualquer resistência, I cresce sem limites e torna-se, teoricamente, infinita. A fonte de voltagem deve se comportar como se estivesse ligada em um curto circuito. Na verdade, não existem circuitos completamente livres de resistência, e qualquer resistência presente servirá para limitar a corrente. Entretanto se a resistência é muito pequena, a corrente ainda será muito alta. Em muitos caos, um resistor é deliberadamente adicionado ao circuito para definir uma impedância mínima e uma corrente máxima na ressonância. Circuito LC série a No diagrama mostrado ao lado temos uma associação em paralelo de uma indutância ideal e um capacitor ideal, ligados uma fonte. Usaremos neste caso os mesmos valores utilizados no circuito LC série. Teremos então:

13 13 E de acordo com a Lei de Ohm ε rms 10V. f 1 MHz. (ω ,3 rad/s) L 150 µh. (X L Ω) C 220 pf. (X C Ω) 10 0, ,61ZK 942, , ,82ZK 723,43 Se medirmos a corrente fornecida pela fonte encontraremos 3,21mA a diferença entre I L e I C. A questão para este circuito é: De onde vem a corrente extra que atravessa os dois elementos L e C e para onde ela vai? que Os vetores mostrados ao lado, que representam este circuito têm a resposta. Aqui a voltagem é a mesma para os dois elementos pois temos um associação em paralelo, e ela é usada como referência. Não existe resistência de modo não temos corrente em fase com a voltagem aplicada. Sabemos que a corrente está atrasada em relação á voltagem de 90 no indutor e por isso desenhamos o vetor de I L em -90. Similarmente, sabemos que a corrente está adiantada de 90 no capacitor e da mesma forma desenhamos I C em +90. Combinando estes dois vetores opostos notamos que o vetor soma é de fato a diferença entre eles. Isto está de acordo com os valores apresentados no exemplo. A corrente restante em L e C é devida à energia obtida da fonte quando o gerador foi ligado e que adiante está sendo transferida entre o capacitor e o indutor, sem passar pela fonte. Se começamos com uma voltagem máxima no gerador, o capacitor C é instantaneamente e completamente carregado. Uma

14 14 vez que a corrente está defasada de 90 com a voltagem, a corrente neste instante é zero. Mas a partir daí C descarrega sobre L, com a voltagem decrescendo enquanto a corrente cresce. Quando C está completamente descarregado, a voltagem é nula e a corrente sobre L está em seu máximo e o campo magnético em L cresce até seu valor máximo. Isto completa ¼ do ciclo. No segundo quarto de ciclo o campo magnético colapsa e tenta manter a corrente fluindo sobre L. Esta corrente agora carrega C, mas com polaridade inversa da carga original. Quando a corrente cai para zero e a voltagem em C atinge seu valor máximo, o segundo quarto de ciclo é completado. Na segunda metade do ciclo temos o mesmo comportamento no circuito, exceto que as polaridades são inversas e as correntes fluem no sentido contrário. Na conclusão da segunda metade o capacitor está novamente com a voltagem máxima inicial e o ciclo se repete. O cálculo da impedância combinada de L e C se faz pela tradicional expressão produto-sobre-soma das associações em paralelo, utilizando das impedâncias complexas para considerar as diferenças de fase entre os componentes, ou seja: ( )( ) ( )+( ) ( ) Esta equação nos diz duas coisas a respeito da combinação paralela de L e C. 1- A defasagem entre a corrente e a voltagem no gerador será comandada pela componente com menor reatância. Isto é razoável pois será este elemento que drenará a maior quantidade de corrente. 2- A impedância da associação paralela pode ser maior que qualquer reatância individual. Isto se deve ao fato de que as fases opostas das correntes em L e C forçam o denominador da fração a ser a diferenças entre as reatâncias, e não a soma. Porque o denominador é a diferença entre X L e X C, temos aqui uma questão óbvia. O que acontece quando X L X C a condição que acontecerá na frequência de ressonância do circuito. Claramente existe um problema quando temos um zero no denominador de uma fração. Quando X L X C

15 15 Na frequência de ressonância do circuito LC paralelo sabemos que X L X C. Nesta frequência, de acordo com a equação acima, a impedância efetiva da combinação paralela de L e C deve ser infinitamente grande. De fato, isto é o que acontece para este circuito teórico utilizando componentes teoricamente ideais. As correntes fluindo por L e C podem ser determinadas pela Lei de Ohm, como fizemos anteriormente. A corrente drenada da fonte é a diferença entre I L e I C. Entretanto, quando X L X C e a mesma voltagem é aplicada aos dois componentes, suas correntes são também iguais e a diferença sendo zero nenhuma corrente é drenada da fonte. Isto corresponde a uma impedância infinita ou a um circuito aberto. Isto não significa que corrente não flui por L e C. Toda a corrente circulando nestes elementos está simplesmente circulando, indo e voltando entre estes dois elementos, sem envolver a fonte. As correntes calculadas com a Lei de Ohm estão fluindo através de L e C, mas permanecem confinadas somente a estes elementos. Como resultado deste comportamento o circuito LC paralelo é chamado de circuito tanque porque ele mantém a corrente circulando, sem perdêla. Existe outro fator a se considerar quando trabalhando com um circuito LC tanque: A magnitude da corrente. Podemos combinar uma série de valores de L e C para uma dada frequência de ressonância. Tenha em mente que na ressonância: 1! Enquanto o produto L x C permanecer o mesmo, a frequência de ressonância é a mesma. Entretanto se usarmos um valor de L alto e um valor de C baixo, suas reatâncias serão altas e a quantidade de corrente circulando no tanque será pequena. Por outro lado, usando baixos valores de L e altos valores de C, suas reatâncias serão baixas e a quantidade de corrente circulando no tanque será muito maior. Muitas aplicações deste tipo de circuito são dependentes da quantidade de corrente assim como da frequência de ressonância e estes fatores devem ser levados em conta. De fato, em circuitos reais não se pode evitar possuir alguma resistência, especialmente em L. É possível ter uma corrente no circuito tanque tão alta que a energia perdida em R (Pi 2 R) é suficiente para literalmente queimar L.

Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara

Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara ELETRIIDADE Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 2 Parâmetros da forma de onda senoidal Vp iclo Vpp omo representar o gráfico por uma equação matemática?

Leia mais

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Introdução Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Potência é a quantidade de maior importância em

Leia mais

Laboratório de Circuitos Elétricos II

Laboratório de Circuitos Elétricos II PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II NOME DO ALUNO: Laboratório de Circuitos Elétricos II Prof. Alessandro

Leia mais

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada ELETRICIDADE Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Associação de impedâncias As impedâncias

Leia mais

Circuitos Elétricos Senoides e Fasores

Circuitos Elétricos Senoides e Fasores Circuitos Elétricos Senoides e Fasores Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Introdução Corrente contínua x corrente alternada. Ver War of Currentes

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 Resistores lineares

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba EMENTA Carga Elétrica Campo Elétrico Lei de Gauss Potencial Elétrico Capacitância Corrente e resistência

Leia mais

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios.

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios. Conteúdo programático: Elementos armazenadores de energia: capacitores e indutores. Revisão de características técnicas e relações V x I. Caracterização de regime permanente. Caracterização temporal de

Leia mais

Princípios de Eletricidade e Eletrônica. Aula 2 Reatância. Prof. Marcio Kimpara

Princípios de Eletricidade e Eletrônica. Aula 2 Reatância. Prof. Marcio Kimpara 1 Princípios de Eletricidade e Eletrônica Aula 2 Reatância Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG / Engenharia Elétrica Campo Grande MS 2 Para relembrar (aula passada)... Tensão e Corrente Alternada

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

Circuitos Capacitivos

Circuitos Capacitivos CEFET BA Vitória da Conquista Análise de Circuitos Circuitos Capacitivos Prof. Alexandre Magnus Conceito Um capacitor é um dispositivo elétrico formado por 2 placas condutoras de metal separadas por um

Leia mais

Apresentação da disciplina 4. Módulo I 6-83. Módulo II 85-164. Módulo III 167-217. Módulo IV 220 259. Módulo V 261 a 272. Módulo VI 273 a 287

Apresentação da disciplina 4. Módulo I 6-83. Módulo II 85-164. Módulo III 167-217. Módulo IV 220 259. Módulo V 261 a 272. Módulo VI 273 a 287 1 2 Apresentação da disciplina 4 Módulo I 6-83 Módulo II 85-164 Módulo III 167-217 Módulo IV 220 259 Módulo V 261 a 272 Módulo VI 273 a 287 Módulo VII 290 a 312 Módulo VIII 314 a 329 3 Caro aluno, A disciplina

Leia mais

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é ver como filtros de freqüência utilizados em eletrônica podem ser construídos a partir de um circuito RC. 2. MATERIAL

Leia mais

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010 3 - Sistemas em Corrente Alternada Carlos Marcelo Pedroso 18 de março de 2010 1 Considerações sobre Potência e Energia A potência fornecida a uma carga à qual está aplicada um tensão instantânea u e por

Leia mais

Lei de Coulomb: Campo Elétrico:

Lei de Coulomb: Campo Elétrico: Lei de Coulomb: Método para distribuição de cargas: Dividir a distribuição em infinitos dq Analisar feito por dq Dividir em suas componentes dfx e dfy Analisar se há alguma forma de simetria que simplifica

Leia mais

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia ENG 1403 Circuitos Elétricos e Eletrônicos Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia Guilherme P. Temporão 1. Introdução Nas últimas duas aulas, vimos como circuitos com

Leia mais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais 01) Considerando a figura abaixo, determine: a) Tensão de pico; b) Tensão pico a pico; c) Período; d) Freqüência. 02) Considerando a

Leia mais

Circuito RLC-Série em Regime CA

Circuito RLC-Série em Regime CA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II Prof. Alessandro L. Koerich Circuito RLC-Série em Regime CA Objetivo

Leia mais

APLICAÇÕES DE NÚMEROS COMPLEXOS

APLICAÇÕES DE NÚMEROS COMPLEXOS http://hermes.ucs.br/ccet/deme/emsoares/inipes/complexos/ APLICAÇÕES DE NÚMEROS COMPLEXOS Silvia Carla Menti Propicio Universidade de Caxias do Sul Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III 1. OBJETIVOS CARGA E DESCARGA DE UM CAPACITOR a) Levantar, em um circuito RC, curvas de tensão no resistor

Leia mais

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Amplificador básico Amplificador básico É um circuito eletrônico, baseado em um componente ativo, como o transistor ou a válvula, que tem como função amplificar um sinal de

Leia mais

Circuitos CA I. 1 Resumo da aula anterior. Aula 6. 5 de abril de 2011

Circuitos CA I. 1 Resumo da aula anterior. Aula 6. 5 de abril de 2011 Circuitos CA I Aula 6 5 de abril de 20 Resumo da aula anterior Estudamos a teoria formulada por Lammor que permite explicar a existência de diamagnetismo em algumas substancia. Basicamente a teoria supõe

Leia mais

Filtros de sinais. Conhecendo os filtros de sinais.

Filtros de sinais. Conhecendo os filtros de sinais. Filtros de sinais Nas aulas anteriores estudamos alguns conceitos importantes sobre a produção e propagação das ondas eletromagnéticas, além de analisarmos a constituição de um sistema básico de comunicações.

Leia mais

Introdução aos circuitos seletores de frequências. Sandra Mara Torres Müller

Introdução aos circuitos seletores de frequências. Sandra Mara Torres Müller Introdução aos circuitos seletores de frequências Sandra Mara Torres Müller Aqui vamos estudar o efeito da variação da frequência da fonte sobre as variáveis do circuito. Essa análise constitui a resposta

Leia mais

Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas

Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas elétricas ou a seleção de freqüências em filtros para caixas

Leia mais

Potência e Fator de Potência. Fernando Soares dos Reis, Dr. Eng.

Potência e Fator de Potência. Fernando Soares dos Reis, Dr. Eng. Potência e Fator de Potência, Dr. Eng. Sumário Introdução; Objetivos; Revisão de Conceitos Fundamentais de Potência C.C. Potência Instantânea; Potência Média ou Ativa; Transferência Máxima de Potência

Leia mais

LEI DE OHM LEI DE OHM. Se quisermos calcular o valor da resistência, basta dividir a tensão pela corrente.

LEI DE OHM LEI DE OHM. Se quisermos calcular o valor da resistência, basta dividir a tensão pela corrente. 1 LEI DE OHM A LEI DE OHM é baseada em três grandezas, já vistas anteriormente: a Tensão, a corrente e a resistência. Com o auxílio dessa lei, pode-se calcular o valor de uma dessas grandezas, desde que

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas. E=0, 1 B=0, 2 E= B t, 3 E

Ondas Eletromagnéticas. E=0, 1 B=0, 2 E= B t, 3 E Ondas Eletromagnéticas. (a) Ondas Planas: - Tendo introduzido dinâmica no sistema, podemos nos perguntar se isto converte o campo eletromagnético de Maxwell em uma entidade com existência própria. Em outras

Leia mais

Circuitos Elétricos III

Circuitos Elétricos III Circuitos Elétricos III Prof. Danilo Melges (danilomelges@cpdee.ufmg.br) Depto. de Engenharia Elétrica Universidade Federal de Minas Gerais A Transformada de Laplace em análise de circuitos parte 1 A resistência

Leia mais

Circuitos Elétricos Circuitos Magneticamente Acoplados

Circuitos Elétricos Circuitos Magneticamente Acoplados Introdução Circuitos Elétricos Circuitos Magneticamente Acoplados Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Os circuitos que estudamos até o momento

Leia mais

EXPERIÊNCIA 8 TRANSFORMADORES, CIRCUITOS EM CORRENTE ALTERNADA E FATOR DE POTÊNCIA

EXPERIÊNCIA 8 TRANSFORMADORES, CIRCUITOS EM CORRENTE ALTERNADA E FATOR DE POTÊNCIA EXPEÊNA 8 ANSFOMADOES, UOS EM OENE AENADA E FAO DE POÊNA 1 NODUÇÃO O transformador é um dispositivo elétrico que permite modificar a amplitude de tensões e correntes onsiste basicamente de duas bobinas

Leia mais

Associação de resistores

Associação de resistores Associação de resistores É comum nos circuitos elétricos a existência de vários resistores, que encontram-se associados. Os objetivos de uma associação de resistores podem ser: a necessidade de dividir

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3 Linhas de Força Mencionamos na aula passada que o físico inglês Michael Faraday (79-867) introduziu o conceito de linha de força para visualizar a interação elétrica entre duas cargas. Para Faraday, as

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO 34 4.4 Experimento 4: Capacitância, capacitores e circuitos RC 4.4.1 Objetivos Fundamentar o conceito de capacitância e capacitor; Realizar leituras dos valores de capacitância de capacitores; Associar

Leia mais

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 CAPACITOR O capacitor é um dispositivo utilizado nos circuitos elétricos que apresenta um comportamento em corrente

Leia mais

Princípios de Corrente Alternada

Princípios de Corrente Alternada Capítulo 2 Princípios de Corrente Alternada 2.1 Porque corrente alternada? No final do séc. XIX com o crescimento econômico e as novas invenções em máquinas elétricas, foram propostas duas formas de distribuição

Leia mais

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 Curso Técnico em Eletrônica Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM Prof. Ariovaldo Ghirardello INTRODUÇÃO Os controles de potência,

Leia mais

ELETRICIDADE 2 EL2A2

ELETRICIDADE 2 EL2A2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO ELETRICIDADE 2 EL2A2 CURSO: TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL MÓDULO: SEGUNDO PROFESSOR:

Leia mais

(1) Slide 1. Osciladores e temporizadores

(1) Slide 1. Osciladores e temporizadores (1) Slide 1 Osciladores e temporizadores A maioria dos equipamentos eletrônicos inclui alguma forma de oscilador ou temporizador, que podem ser com formatos de onda pulsada, senoidal, quadrada, em dente-de-serra

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

Trabalho Prático Nº 6.

Trabalho Prático Nº 6. Trabalho Prático Nº 6. Título: Carga Predominantemente Resistiva, Carga Predominantemente Indutiva e Carga Resistiva e Indutiva em paralelo. Objetivo: Este trabalho prático teve como objetivo montar três

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Francisco Erberto de Sousa 11111971 Saulo Bezerra Alves - 11111958 Relatório: Capacitor, Resistor, Diodo

Leia mais

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros nstrumentos de Medidas Elétricas Nesta prática vamos estudar o princípios de funcionamentos de instrumentos de medidas elétrica, em particular, voltímetros, amperímetros e ohmímetros. Sempre que surgir

Leia mais

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica PONTIFÍCIA UNIERIDADE CATÓICA DE GOIÁ DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍICA Professor: Renato Medeiros MAF 1292 Eletricidade e Eletrônica NOTA DE AUA II Goiânia 2014 Diodos Retificadores Aqui trataremos dos

Leia mais

Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006. PdP. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos

Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006. PdP. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos TUTORIAL Montagem da Ponte H Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br contato@maxwellbohr.com.br

Leia mais

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico Amplificador Operacional Básico Eng.: Roberto Bairros dos Santos. Um empreendimento Bairros Projetos didáticos www.bairrospd.kit.net Este artigo descreve como identificar o amplificador operacional, mostra

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC MEDIDAS ELÉTRIC AS MANUAL DO PROFESSOR Manual

Leia mais

canal 1 canal 2 t t 2 T

canal 1 canal 2 t t 2 T ircuito L (Prova ) --7 f [khz] L T [s] s canal canal t t T Fig. ircuito usado Tarefas: ) Monte o circuito da figura usando o gerador de funções com sinais harmônicos como força eletromotriz. Use um resistor

Leia mais

Exercícios de Física sobre Circuitos Elétricos com Gabarito

Exercícios de Física sobre Circuitos Elétricos com Gabarito Exercícios de Física sobre Circuitos Elétricos com Gabarito (Unicamp-999 Um técnico em eletricidade notou que a lâmpada que ele havia retirado do almoxarifado tinha seus valores nominais (valores impressos

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário ntrodução 5 ndução 6 Auto-indução 7 ndutores em corrente alternada 14 Fator de qualidade (q) 16 Determinação experimental da indutância de um indutor 16 Associação de indutores 18 Relação de fase

Leia mais

5 Circuitos Equivalentes

5 Circuitos Equivalentes 5 Circuitos Equivalentes 5.1 Circuitos Equivalentes Nos capítulos anteriores já se apresentaram diversos exemplos de circuitos equivalentes, por exemplo, resistências em série e em paralelo ou a chamada

Leia mais

Circuitos Osciladores

Circuitos Osciladores Circuitos Osciladores Em virtude da realimentação do sinal, a estabilidade do circuito deve ser analisada pois quando a freqüência aumenta, o deslocamento de fase varia e como parte deste sinal é adicionado

Leia mais

1º Experimento 1ª Parte: Resistores e Código de Cores

1º Experimento 1ª Parte: Resistores e Código de Cores 1º Experimento 1ª Parte: Resistores e Código de Cores 1. Objetivos Ler o valor nominal de cada resistor por meio do código de cores; Determinar a máxima potência dissipada pelo resistor por meio de suas

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos. 3º Trimestre de 2002

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos. 3º Trimestre de 2002 MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos 1 Exercícios Pré-Laboratório Semana 1 1.1 Filtro RC 3º Trimestre de 2002 Figura 1:

Leia mais

Vetores Lidando com grandezas vetoriais

Vetores Lidando com grandezas vetoriais Vetores Lidando com grandezas vetoriais matéria de vetores é de extrema importância para o ensino médio basta levar em consideração que a maioria das matérias de física envolve mecânica (movimento, dinâmica,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia

Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia Oscilações 1. Movimento Oscilatório. Cinemática do Movimento Harmônico Simples (MHS) 3. MHS e Movimento

Leia mais

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 1

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 1 597 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Movimentos Periódicos Para estudar movimentos oscilatórios periódicos é conveniente ter algum modelo físico em mente. Por exemplo, um

Leia mais

As leituras no voltímetro V e no amperímetro A, ambos ideais, são, respectivamente,

As leituras no voltímetro V e no amperímetro A, ambos ideais, são, respectivamente, 1. (Espcex (Aman) 015) Em um circuito elétrico, representado no desenho abaixo, o valor da força eletromotriz (fem) do gerador ideal é E 1,5 V, e os valores das resistências dos resistores ôhmicos são

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = =

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = = Energia Potencial Elétrica Física I revisitada 1 Seja um corpo de massa m que se move em linha reta sob ação de uma força F que atua ao longo da linha. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo

Leia mais

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo Capítulo 1 Números Complexos 11 Unidade Imaginária O fato da equação x 2 + 1 = 0 (11) não ser satisfeita por nenhum número real levou à denição dos números complexos Para solucionar (11) denimos a unidade

Leia mais

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Diodo A natureza de uma junção p-n é que a corrente elétrica será conduzida em apenas uma direção (direção direta) no sentido da seta e não na direção contrária (reversa).

Leia mais

Números complexos são aqueles na forma a + bi, em que a e b são números reais e i é o chamado número imaginário.

Números complexos são aqueles na forma a + bi, em que a e b são números reais e i é o chamado número imaginário. 10. NÚMEROS COMPLEXOS 10.1 INTRODUÇÃO Números complexos são aqueles na forma a + bi, em que a e b são números reais e i é o chamado número imaginário. O número a é denominado parte real do número complexo

Leia mais

O Capacitor Q = V. C. V C = Vcc. (1 e t/τ ) τ = R. C

O Capacitor Q = V. C. V C = Vcc. (1 e t/τ ) τ = R. C O Capacitor Componente eletrônico constituído de duas placas condutoras, separadas por um material isolante. É um componente que, embora não conduza corrente elétrica entre seus terminais, é capaz de armazenar

Leia mais

Prof. Graça. Circuitos elétricos CC

Prof. Graça. Circuitos elétricos CC 01 Prof. Graça Circuitos elétricos CC Circuitos elétricos de CC Conteúdo Circuitos Equivalentes Princípio da Superposição Elementos Lineares egras de Kirchoff Divisor de tensão Circuito de várias malhas

Leia mais

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 15

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 15 Ondas (continuação) Ondas propagando-se em uma dimensão Vamos agora estudar propagação de ondas. Vamos considerar o caso simples de ondas transversais propagando-se ao longo da direção x, como o caso de

Leia mais

Laboratório 7 Circuito RC *

Laboratório 7 Circuito RC * Laboratório 7 Circuito RC * Objetivo Observar o comportamento de um capacitor associado em série com um resistor e determinar a constante de tempo do circuito. Material utilizado Gerador de função Osciloscópio

Leia mais

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO RADIOELETRICIDADE O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO Fonte: ANATEL DEZ/2008 RADIOELETRICIDADE TESTE DE AVALIAÇÃO 635 A maior intensidade do campo magnético

Leia mais

EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS

EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS 1.1 OBJETIVOS Familiarização com instrumentos de medidas e circuitos elétricos. Utilização do multímetro nas funções: voltímetro, amperímetro e ohmímetro. Avaliação dos

Leia mais

Aula 3 Circuito paralelo de corrente contínua. marcela@edu.estacio.br

Aula 3 Circuito paralelo de corrente contínua. marcela@edu.estacio.br Aula 3 Circuito paralelo de corrente contínua marcela@edu.estacio.br Elementos em paralelo Resistência total Circuitos em paralelo Lei de Kirchhoff para corrente Regra do divisor de corrente Circuito aberto

Leia mais

I Retificador de meia onda

I Retificador de meia onda Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica é alternada ao passo que os dispositivos eletrônicos operam com tensão contínua. Então é necessário retificá-la

Leia mais

U = R.I. Prof.: Geraldo Barbosa Filho AULA 06 CORRENTE ELÉTRICA E RESISTORES 1- CORRENTE ELÉTRICA

U = R.I. Prof.: Geraldo Barbosa Filho AULA 06 CORRENTE ELÉTRICA E RESISTORES 1- CORRENTE ELÉTRICA AULA 06 CORRENTE ELÉTRICA E RESISTORES 1- CORRENTE ELÉTRICA Movimento ordenado dos portadores de carga elétrica. 2- INTENSIDADE DE CORRENTE É a razão entre a quantidade de carga elétrica que atravessa

Leia mais

Exemplo de utilização do Scilab na solução de circuitos elétricos em cc. 16V E3. Fig. 1 circuito resistivo CC

Exemplo de utilização do Scilab na solução de circuitos elétricos em cc. 16V E3. Fig. 1 circuito resistivo CC Neste material é apresentado um exemplo simples de utilização do Scilab na solução de circuitos elétricos em cc. Os comandos apresentados neste tutorial servem também para o Octave. Os nomes das varáveis

Leia mais

Antena Escrito por André

Antena Escrito por André Antena Escrito por André Antenas A antena é um dispositivo passivo que emite ou recebe energia eletromagnéticas irradiada. Em comunicações radioelétricas é um dispositivo fundamental. Alcance de uma Antena

Leia mais

objetivo Exercícios Meta da aula Pré-requisitos Aplicar o formalismo quântico estudado neste módulo à resolução de um conjunto de exercícios.

objetivo Exercícios Meta da aula Pré-requisitos Aplicar o formalismo quântico estudado neste módulo à resolução de um conjunto de exercícios. Exercícios A U L A 10 Meta da aula Aplicar o formalismo quântico estudado neste módulo à resolução de um conjunto de exercícios. objetivo aplicar os conhecimentos adquiridos nas Aulas 4 a 9 por meio da

Leia mais

Circuito RC: Processo de Carga e Descarga de Capacitores

Circuito RC: Processo de Carga e Descarga de Capacitores Departamento de Física - IE - UFJF As tarefas desta prática têm valor de prova! Leia além deste roteiro também os comentários sobre elaboração de gráficos e principalmente sobre determinação de inclinações

Leia mais

Um capacitor não armazena apenas carga, mas também energia.

Um capacitor não armazena apenas carga, mas também energia. Capacitores e Dielétricos (continuação) Energia armazenada num capacitor Um capacitor não armazena apenas carga, mas também energia. A energia armazenada num capacitor é igual ao trabalho necessário para

Leia mais

Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS

Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS Prof. José Roberto Marques (direitos reservados) A ENERGIA DAS REDES ELÉTRICAS A transformação da energia de um sistema de uma forma para outra, dificilmente

Leia mais

Circuitos de 2 ª ordem: RLC. Parte 1

Circuitos de 2 ª ordem: RLC. Parte 1 Circuitos de 2 ª ordem: RLC Parte 1 Resposta natural de um circuito RLC paralelo Veja circuito RLC paralelo abaixo: A tensão é a mesma e aplicando a soma de correntes que saem do nó superior temos: v R

Leia mais

ELETRICIDADE: CIRCUITOS ELÉTRICOS Experimento 1 Parte II: Medidas de corrente elétrica, tensão e resistência em circuitos de corrente

ELETRICIDADE: CIRCUITOS ELÉTRICOS Experimento 1 Parte II: Medidas de corrente elétrica, tensão e resistência em circuitos de corrente OBJETIVOS 9 contínua NOME ESCOLA EQUIPE SÉRIE PERÍODO DATA Familiarizar-se com o multímetro, realizando medidas de corrente, tensão e resistência. INTRODUÇÃO Corrente elétrica FÍSICA ELETRICIDADE: CIRCUITOS

Leia mais

PGMicro MIC46. Projeto de Circuitos Integrados Analógicos MOS. = Osciladores =

PGMicro MIC46. Projeto de Circuitos Integrados Analógicos MOS. = Osciladores = PGMicro MIC46 Projeto de Circuitos Integrados Analógicos MOS = Osciladores = Prof. Dr. Hamilton Klimach hamilton.klimach@ufrgs.br UFRGS Escola de Engenharia Departamento de Eng. Elétrica Oscilador é um

Leia mais

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas 1. Experimento 1 Geradores Elétricos 1.1. Objetivos Determinar, experimentalmente, a resistência interna, a força eletromotriz e a corrente de curto-circuito de

Leia mais

Transformada de Laplace. Parte 3

Transformada de Laplace. Parte 3 Transformada de Laplace Parte 3 Elementos de circuito no domínio da frequência O resistor no domínio da frequência Pela lei de OHM : v= Ri A transformada da equação acima é V(s) = R I(s) O indutor no domínio

Leia mais

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos motores elétricos de corrente contínua, o papel do comutador, as características e relações

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP)

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP) LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP) NOTA RELATÓRIO -.... Grupo:............ Professor:...Data:... Objetivo:............ 1 - Considerações gerais

Leia mais

Prof. Sergio Abrahão 17

Prof. Sergio Abrahão 17 DIFERENÇA DE POTENCIAL - DDP (U) (Tensão Elétrica) Vamos aqui definir diferença de potencial (d.d.p) ou tensão elétrica de duas maneiras. O de forma científica utilizará aquela adotada por Tipler em que

Leia mais

Retificadores Monofásicos de Meia Onda com Carga Resistiva-Indutiva

Retificadores Monofásicos de Meia Onda com Carga Resistiva-Indutiva 6 Capítulo Retificadores Monofásicos de Meia Onda com Carga Resistiva-Indutiva Meta deste capítulo Estudar os conversores ca-cc monofásicos operando com carga resistiva-indutiva objetivos Entender o funcionamento

Leia mais

Casamento de Impedância

Casamento de Impedância Disciplina: Ondas e ropaação Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnolóicas CCT Departamento de Enenharia Elétrica aboratório de Eletromanetismo E-3 Casamento de Impedância O casamento

Leia mais

Unidade 12 - Capacitores

Unidade 12 - Capacitores Unidade 1 - Capacitores Capacidade Eletrostática Condutor Esférico Energia Armazenada em um capacitor Capacitor Plano Associação de Capacitores Circuitos com capacitores Introdução Os primeiros dispositivos

Leia mais

Receptores elétricos

Receptores elétricos Receptores elétricos 1 Fig.20.1 20.1. A Fig. 20.1 mostra um receptor elétrico ligado a dois pontos A e B de um circuito entre os quais existe uma d.d.p. de 12 V. A corrente que o percorre é de 2,0 A. A

Leia mais

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS Neste capítulo será apresentada uma prática ferramenta gráfica e matemática que permitirá e facilitará as operações algébricas necessárias à aplicação dos métodos

Leia mais

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem.

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem. Fator de Potência e sua correção A energia elétrica consumida em uma instalação industrial é composta basicamente por duas parcelas distintas, que são: BANCO DE CAPACITORES Nota: Energia consumida por

Leia mais

Conceitos básicos do

Conceitos básicos do Conceitos básicos Conceitos básicos do Este artigo descreve os conceitos de memória eletrônica. Apresentar os conceitos básicos dos flip-flops tipo RS, JK, D e T, D Apresentar o conceito da análise de

Leia mais

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Carlos Alexandre Mello 1 Modelagem no Domínio da Frequência A equação diferencial de um sistema é convertida em função de transferência, gerando um modelo matemático de um sistema que algebricamente relaciona

Leia mais

Eletrotécnica. Relações Fasoriais para R, L e C; Conceitos de Impedância e Admitância; Associações de impedâncias e/ou admitâncias.

Eletrotécnica. Relações Fasoriais para R, L e C; Conceitos de Impedância e Admitância; Associações de impedâncias e/ou admitâncias. Eletrotécnica Relações Fasoriais para R, L e C; Conceitos de Impedância e Admitância; Associações de impedâncias e/ou admitâncias. Joinville, 28 de Fevereiro de 2013 Escopo dos Tópicos Abordados Relações

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo:

Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo: LEO - MEBiom Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo: Aprender a medir tensões e correntes eléctricas com um osciloscópio e um multímetro digital

Leia mais

Reta de Carga de Horwitz & Hill, p. 1059 Qual é a corrente através do diodo?

Reta de Carga de Horwitz & Hill, p. 1059 Qual é a corrente através do diodo? Slide 1 Reta de Carga de Horwitz & Hill, p. 1059 Qual é a corrente através do diodo? Uma forma tradicional de encontrar o ponto de operação de um circuito não-linear é através de retas de carga. O objetivo

Leia mais

Movimentos Periódicos: representação vetorial

Movimentos Periódicos: representação vetorial Aula 5 00 Movimentos Periódicos: representação vetorial A experiência mostra que uma das maneiras mais úteis de descrever o movimento harmônico simples é representando-o como uma projeção perpendicular

Leia mais