Retificadores (ENG ) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais"

Transcrição

1 Retificadores (ENG ) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais 01) Considerando a figura abaixo, determine: a) Tensão de pico; b) Tensão pico a pico; c) Período; d) Freqüência. 02) Considerando a figura abaixo, determine: a) Tensão de pico; b) Tensão pico a pico; c) Período; d) Freqüência. Escalas: Vertical = 0,5 V/div; Horizontal = 100 μs/div. 03) Considerando a figura abaixo, determine: a) Tensão de pico; b) Tensão pico a pico; c) Corrente de pico; d) Corrente de pico a pico; c) Período; d) Freqüência; e) Defasagem entre tensão e corrente. 1

2 Escalas: Vertical = 1 V/div; Horizontal = 100 μs/div. 04) Considerando a figura a seguir, determine: a) Tensão de pico; b) Tensão pico a pico; c) Expressão da função v t (t). 05) Para a forma de onda mostrada na figura abaixo, determine: a) Tensão média; b) Tensão eficaz. 2

3 06) Para a forma de onda mostrada na figura abaixo, determine: a) Tensão média; b) Tensão eficaz. 07) Para a forma de onda mostrada na figura abaixo, determine: a) Período; b) Quantos ciclos aparecem na figura; c) Qual a freqüência em Hz; d) Qual a velocidade angular; e) Determine o valor de pico e o valor de pico a pico. 08) Para a forma de onda mostrada na figura abaixo, determine: a) Período; b) Quantos ciclos aparecem na figura; c) Qual a freqüência em Hz; d) Qual a velocidade angular; e) Determine o valor de pico e o valor de pico a pico. 3

4 09) Se uma forma de onda periódica tem uma freqüência de 30 Hz, qual o tempo (em segundos) necessário para completar 5 ciclos? 10) Qual a freqüência de uma onda periódica que completa 50 ciclos em 6 segundos? 11) Faça um esboço de uma onda quadrada periódica, que tenha uma freqüência de 10 khz e valor de pico de 5 V. 12) Para a forma de onda que aparece na tela de um osciloscópio mostrada abaixo, determine: a) Valor de pico; b) Período; c) Freqüência; d) Redesenhe esta forma de onda caso uma tensão de 100 mv fosse somada a ela. Escalas: Vertical = 100 mv/div; Horizontal = 20 μs/div. 13) Faça a conversão de ângulos, conforme o caso: a) 45 o em radianos; b) 60 o em radianos; c) π/4 em graus; d) π/3 em graus; e) 1,5 π em graus; f) 280 o em radianos. 14) Determine: a) Velocidade angular de uma onda cujo período é 5 s; b) Velocidade angular de uma onda cujo período é 100 ms; c) Velocidade angular de uma onda cuja freqüência é 1000 Hz; d) Freqüência de uma onda cuja velocidade angular é 600 rad/s; e) Freqüência de uma onda cuja velocidade angular é 10 krad/s. 15) Se uma onda senoidal sofre uma variação de fase de 45 o em 5 ms, determine a velocidade angular desta onda. 4

5 16) Calcule a amplitude e a freqüência com base nas expressões a seguir: a) 5sen377 t; b) 5sen 50 t ; c) 311 sent ; d) 1cos 377 t; e) 25 sen100 t. 17) Faça o esboço do gráfico da função 5 sen377 t abscissas (x): a) Ângulo em graus; b) Ângulo em radianos; c) Tempo em segundos. 18) Se vt 311 sen377 t meio ciclo? usando como unidade do eixo das, qual o tempo necessário (em segundos) para a onda completar 19) Com os dados abaixo, determine a expressão matemática da tensão senoidal. 50 v t V para 30 o e t 1ms. 20) Faça o esboço do gráfico da função 1 sen 377 t 45 o abscissas (x): a) Ângulo em graus; b) Ângulo em radianos; c) Tempo em segundos. usando como unidade do eixo das 21) Determine a diferença de fase em milissegundos entre as seguintes formas de onda: o o v t sen t i t sen t 22) Para a tela do osciloscópio mostrada a seguir, determine: a) Os períodos das duas ondas; b) As freqüências da duas ondas; c) Os valores eficazes das ondas; d) A diferença de fase entre as mesmas. 5

6 Escalas: Vertical = 0,25 V/div; Horizontal = 500 μs/div. 23) Calcule o valor médio para as formas de onda abaixo: 24) Calcule o valor eficaz da forma de onda periódica abaixo: 25) Para cada uma das formas de onda vistas na figura abaixo, determine: a) Período; b) Freqüência; c) Valor médio; d) Valor eficaz. 6

7 Escalas: Vertical = 20 mv/div; Horizontal = 20 μs/div. Escalas: Vertical = 0,25 V/div; Horizontal = 100 μs/div. 26) As expressões a seguir representam a tensão ou a corrente num resistor de 10 Ω. Determine a expressão senoidal para a corrente ou tensão, conforme o caso: a) vt 150 sen377 t ; b) vt 10 sen 377 t 45 o ; c) it 2sen 1000 t 30 o ; d) it 10 sen 377 t 90 o. 27) Determine a reatância indutiva (em ohms) de um indutor de 5 H no caso de: a) Corrente contínua; b) 30 Hz; c) 60 Hz; d) 1 khz. 28) Determine a indutância de um indutor cuja reatância é: a) 10 Ω em f = 1 Hz; b) 100 Ω em f = 100 Hz; c) 150 Ω em f = 1 khz. 29) Determine a freqüência para qual um indutor de 5 H apresenta as seguintes reatâncias: a) 10 Ω; b) 100 Ω. 30) São dadas a seguir expressões para a corrente ou tensão em uma reatância indutiva de 20 Ω. Determine a expressão senoidal para a tensão ou corrente, conforme o caso. a) vt 150 sen377 t ; b) vt 10 sen 377 t 45 o ; c) it 2sen 1000 t 30 o ; d) it 10 sen 377 t 90 o. 31) Determine a reatância capacitiva (em ohms) de um capacitor de 100 μf no caso de: a) Corrente contínua; b) 30 Hz; 7

8 c) 60 Hz; d) 1 khz. 32) Determine a capacitância de um capacitor cuja reatância é: a) 10 Ω em f = 1 Hz; b) 100 Ω em f = 100 Hz; c) 150 Ω em f = 1 khz. 33) Determine a freqüência para qual um capacitor de 500 μf apresenta as seguintes reatâncias: a) 10 Ω; b) 100 Ω. 34) São dadas a seguir expressões para a corrente ou tensão em uma reatância capacitiva de 20 Ω. Determine a expressão senoidal para a tensão ou corrente, conforme o caso. a) vt 150 sen 377 t ; b) vt 10 sen 377 t 45 o ; c) it 2sen 1000 t 30 o ; d) it 10 sen 377 t 90 o. 35) No caso dos pares de expressões para tensão e corrente dados a seguir, indique se o dispositivo envolvido é um capacitor, indutor ou resistor e os valores de C, L e R caso os dados sejam suficientes: a) vt 550 sen 377 t 60 o e it 10 sen 377 t 30 o b) vt 550 sen 500t 90 o e it 2sen 500 t 90 o ; c) vt 5sen 377 t 45 o e it 1sen 377 t 45 o. ; 36) Em que freqüência a reatância de um capacitor de 1 μf é igual à resistência de um resistor de 2 kω? 37) A reatância de um indutor é igual à resistência de um resistor de 10 kω na freqüência de 5 khz. Qual a indutância do indutor? 38) Determine a freqüência na qual um capacitor de 1 μf e um indutor de 10 mh têm a mesma reatância. 39) Determine o valor da capacitância necessária para termos uma reatância capacitiva de mesmo valor que a de uma bobina de 2 mh em 50 khz. 40) Calcule a perda média de potência e o fator de potência para os circuitos nos quais a corrente e a tensão de entrada são dadas pelas expressões a seguir: a) vt 50 sen t 30 o e it 10 sen t 60 o ; b) vt 50 sen t 20 o e it 2 sen t 40 o c) vt 50 sen t 80 o e it 3cos t 20 o. ; 41) O fator de potência de um circuito é de 0,5 atrasado. A potência dissipada é de 500 W. Se a v t 50 sen t 30 o, determine a corrente de entrada. tensão de entrada é dada por 8

9 42) Na figura abaixo, et 100 sen 100 t 20 o a) A corrente i; b) Calcule a indutância L; c) Determine a potência média no indutor., determine: 43) Na figura abaixo, it 5 sen377 t 20 o, determine: a) A tensão e; b) O valor da capacitância em μf; c) Determine a potência média no capacitor. 44) Realize a conversão dos seguintes números, conforme o caso: a) 4 j3 para a forma polar; b) 2 j5 para a forma polar; c) 2 j3 para a forma polar; d) 6 30 o para a forma retangular; e) 2 45 o para a forma retangular; f) o para a forma retangular. 45) Realize as seguintes operações com números complexos: a) 4 j3 2 j5 b) 4 j32 j5 ; ; o o c) ; 9

10 c) o o. 46) Escreva as expressões a seguir na forma de fasores: a) sen t 30 o b) 2 5 sen377 t 45 o ; c) 50 sen 377 t 0 o ; d) 2 10 cos 377 t 25 o ;. 47) Expresse os seguintes fasores relativos a correntes e tensões senoidais de 60 Hz: a) I o A; b) I 0,05 20 o A; c) V o V ; d) V 1120 o kv. 48) Para o sistema mostrado na figura a seguir, determine a expressão senoidal para a tensão desconhecida v a sabendo que: in o e v o b sen t e sen t 49) Para o sistema mostrado na figura a seguir, determine a expressão senoidal para a corrente desconhecida i 1 sabendo que: s o e i sen 377 t 30 o i sen t 10

11 50) Determine a expressão senoidal para a tensão aplicada e no sistema da figura abaixo: a o, v o b sen t e v o c sen t v sen t 52) Expresse as impedâncias dos componentes vistos na figura abaixo, tanto na forma polar como na forma retangular. 53) Determine a corrente i nos elementos da figura abaixo usando álgebra dos números complexos. Esboce as formas de onda de v e i no mesmo gráfico. 54) Determine a tensão v nos elementos visto na figura abaixo usando álgebra de números complexos. Esboce as formas de onda de v e i no mesmo gráfico. 11

12 55) Calcule a impedância total dos circuitos vistos na figura abaixo. Expresse a resposta nas formas retangular e polar e construa o gráfico das impedâncias. 56) Determine o tipo e o valor da impedância em ohms dos componentes dos circuitos em série que devem estar no interior das caixas vistas na figura abaixo, considerando as tensões e correntes indicadas. 57) Para o circuito da figura a seguir: a) Determine a impedância total Z T na forma polar; b) Construa o gráfico das impedâncias; c) Determine o valor de C em microfaradas e o de L em henries; d) Determine a corrente I e as tensões V R, V L e V C na forma fasorial; e) Construa o diagrama de fasores para as tensões E, V R, V L e V C e a corrente I; f) Calcule a potência média fornecida ao circuito; g) Calcule o fator de potência do circuito e indique se ele é atrasado ou adiantado; h) Determine as expressões senoidais para as tensões e a corrente; i) Construa o gráfico das formas de onda das tensões e da corrente no mesmo gráfico. 12

13 58) Calcule as tensões V 1 e V 2 para os circuitos vistos na figura abaixo, em forma fasorial: 59) Para o circuito da figura a seguir: a) Determine I, V R e V C em forma fasorial; b) Calcule o fator de potência total indicando se é atrasado ou adiantado; c) Calcule a potência média fornecida ao circuito; d) Construa o diagrama de impedâncias; e) Construa o diagrama de fasores para as tensões E, V R e V C e a corrente I. 60) Para o circuito da figura a seguir: a) Determine a impedância total; b) Determine I S, I C, I R e I L na forma fasorial; b) Determine a potência média entregue pela fonte. 13

14 61) Para o circuito da figura a seguir: a) Determine a impedância total; b) A tensão sobre os elementos. 62) Para o circuito da figura a seguir: a) Calcule E, I R e I L na forma fasorial; b) Calcule o fator de potência total indicando se ele é atrasado ou adiantado; c) Calcule a potência média fornecida ao circuito. 63) Para as telas de um osciloscópio de duplo traço ilustradas nas figuras abaixo, determine: a) Diferença de fase entre as formas de onda, indicando qual está adiantada ou atrasada; b) Determine os valores de pico a pico e eficaz de cada forma de onda; c) Calcule a freqüência de cada forma de onda. 14

15 Escalas: Vertical = 0,5 V/div; Horizontal = 100 μs/div. Escalas: Vertical = 2 V/div; Horizontal = 20 μs/div. 64) Para o circuito da figura abaixo, determine: a) Calcule Z T ; b) Determine I S ; c) Calcule I C ; d) Calcule V L. 65) Para o circuito da figura abaixo, determine: a) Calcule Z T ; b) Determine a corrente I S ; c) Calcule V C ; d) Calcule a potência média fornecida ao circuito. 15

16 66) Para o circuito da figura abaixo, determine: a) Calcule Z T ; b) Determine a corrente I S ; c) Calcule I 1 e I 2 em forma fasorial; d) Calcule as tensões V 1 e V ab ; e) Calcule a potência média fornecida ao circuito; f) Determine o fator de potência do circuito e indique se ele é atrasado ou adiantado. 67) Determine a potência média fornecida a R 4 no circuito abaixo: 68) Para o conjunto de lâmpadas (puramente resistivas) ilustrado na figura abaixo: a) Determine a potência total dissipada; b) Calcule a potência total reativa e aparente; c) Calcule a corrente I S ; d) Calcule a resistência de cada lâmpada para as condições de operação especificadas; e) Determine as correntes I 1 e I 2. 16

17 69) Para o circuito da figura abaixo: a) Determine a potência média fornecida a cada um dos componentes; b) Calcule a potência reativa para cada componente; c) Calcule a potência aparente de cada componente; d) Determine a potência total em watts, volts-ampères reativos e volts-ampères e o fator de potência FP do circuito; e) Desenhe o triângulo de potências; f) Calcule a energia dissipada pelo resistor em um ciclo completo da tensão de entrada. 70) Para o circuito visto na figura abaixo: a) Calcule a potência média fornecida a cada elemento; b) Determine a potência reativa para cada elemento; c) Determine a potência aparente para cada elemento; d) Calcule P T, Q T, S T e FP para o sistema; e) Desenhe o triângulo de potências; f) Calcule I S. 71) Para o circuito visto na figura abaixo: 17

18 a) Calcule a potência média fornecida a cada elemento; b) Determine a potência reativa para cada elemento; c) Determine a potência aparente para cada elemento; d) Calcule a potência total em watts, volts-ampères reativos e volts-ampères e o fator de potência FP do circuito; e) Desenhe o triângulo da potência. 72) A carga de um gerador de 120 V e 60 Hz é de 5 kw (resistiva0, 8 kvar (indutiva) e 2 kvar (capacitiva): a) Calcule o número total de kilovolts-ampères; b) Determine o FP das cargas combinadas; c) Calcule a corrente fornecida pelo gerador; d) Calcule a capacitância necessária para estabelecer um fator de potência unitário; e) Encontre a corrente fornecida pelo gerador com um fator de potência unitário e compare com o valor obtido no item (c). 73) As cargas de uma fábrica ligada a um sistema de 1 kv, 60 Hz, são as seguintes: 20 kw para aquecimento (fator de potência unitário); 10 kw (P i ) para motores de indução (fator de potência 0,7 atrasado); 5 kw para iluminação (fator de potência 0,85 atrasado). a) Desenhe o triângulo de potência para a carga total; b) Determine a capacitância necessária para tornar o fator de potência total igual a 1; c) Calcule a diferença entre as correntes totais no sistema compensado e no sistema nãocompensado. 18

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010 3 - Sistemas em Corrente Alternada Carlos Marcelo Pedroso 18 de março de 2010 1 Considerações sobre Potência e Energia A potência fornecida a uma carga à qual está aplicada um tensão instantânea u e por

Leia mais

Circuito RLC-Série em Regime CA

Circuito RLC-Série em Regime CA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II Prof. Alessandro L. Koerich Circuito RLC-Série em Regime CA Objetivo

Leia mais

Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara

Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara ELETRIIDADE Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 2 Parâmetros da forma de onda senoidal Vp iclo Vpp omo representar o gráfico por uma equação matemática?

Leia mais

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Introdução Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Potência é a quantidade de maior importância em

Leia mais

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada ELETRICIDADE Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Associação de impedâncias As impedâncias

Leia mais

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA Eletrônica Básica AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES

Leia mais

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS Neste capítulo será apresentada uma prática ferramenta gráfica e matemática que permitirá e facilitará as operações algébricas necessárias à aplicação dos métodos

Leia mais

Laboratório de Circuitos Elétricos II

Laboratório de Circuitos Elétricos II PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II NOME DO ALUNO: Laboratório de Circuitos Elétricos II Prof. Alessandro

Leia mais

Princípios de Corrente Alternada

Princípios de Corrente Alternada Capítulo 2 Princípios de Corrente Alternada 2.1 Porque corrente alternada? No final do séc. XIX com o crescimento econômico e as novas invenções em máquinas elétricas, foram propostas duas formas de distribuição

Leia mais

Circuitos Elétricos Senoides e Fasores

Circuitos Elétricos Senoides e Fasores Circuitos Elétricos Senoides e Fasores Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Introdução Corrente contínua x corrente alternada. Ver War of Currentes

Leia mais

CONCEITOS TEORICOS ESSESNCIAIS

CONCEITOS TEORICOS ESSESNCIAIS EXEÊNCA CCUTOS C SÉE COEÇÃO DO FATO DE OTÊNCA OBJETOS: - Aprender a ler os valores dos capacitores de poliéster e cerâmico; - erificar o comportamento do indutor em corrente alternada; - erificar o comportamento

Leia mais

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a.

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. 1. A Figura abaixo apresenta o oscilograma da forma de onda de tensão em um determinado nó de um circuito

Leia mais

Trabalho Prático Nº 6.

Trabalho Prático Nº 6. Trabalho Prático Nº 6. Título: Carga Predominantemente Resistiva, Carga Predominantemente Indutiva e Carga Resistiva e Indutiva em paralelo. Objetivo: Este trabalho prático teve como objetivo montar três

Leia mais

EXPERIÊNCIA 8 TRANSFORMADORES, CIRCUITOS EM CORRENTE ALTERNADA E FATOR DE POTÊNCIA

EXPERIÊNCIA 8 TRANSFORMADORES, CIRCUITOS EM CORRENTE ALTERNADA E FATOR DE POTÊNCIA EXPEÊNA 8 ANSFOMADOES, UOS EM OENE AENADA E FAO DE POÊNA 1 NODUÇÃO O transformador é um dispositivo elétrico que permite modificar a amplitude de tensões e correntes onsiste basicamente de duas bobinas

Leia mais

Lista de Exercícios Circuitos Trifásicos Equilibrados. Prof. Marcelo. Engenharia Elétrica IFG/Jataí

Lista de Exercícios Circuitos Trifásicos Equilibrados. Prof. Marcelo. Engenharia Elétrica IFG/Jataí Lista de Exercícios Circuitos Trifásicos Equilibrados Prof. Marcelo Engenharia Elétrica IFG/Jataí 8) Encontrar os parâmetros elétricos assinalados no circuito abaixo, e ilustrá-los através de um diagrama

Leia mais

Sinais Senoidais. A unidade de freqüência no SI é o Hertz (Hz) e o tempo é dado em segundos (s).

Sinais Senoidais. A unidade de freqüência no SI é o Hertz (Hz) e o tempo é dado em segundos (s). Campus Serra COORDENADORIA DE AUTOMAÇÂO INDUSTRIAL Disciplina: ELETRÔNICA BÁSICA Professor: Vinícius Secchin de Melo Sinais Senoidais Os sinais senoidais são utilizados para se representar tensões ou correntes

Leia mais

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Eletrônica Básica e Projetos Eletrônicos Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Clóvis Antônio Petry,

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

Lista 3. Física Experimental III (F 329 C) Rafael Alves Batista

Lista 3. Física Experimental III (F 329 C) Rafael Alves Batista Lista 3 Física Experimental III (F 329 C) Rafael Alves Batista 1) Considere uma fonte de tensão alternada senoidal. A partir do gráfico abaixo, faça o que se pede. a) Estime o período da onda. b) Estime

Leia mais

Filtro Passa-Baixa. Figura 1 Circuito do Filtro Passa Baixa

Filtro Passa-Baixa. Figura 1 Circuito do Filtro Passa Baixa ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO FACULDADE DE ENGENHARIA DE RESENDE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA Disciplina: Laboratório de Circuitos Elétricos Circuitos em Corrente Alternada 1. Objetivo Entre os filtros

Leia mais

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA A tensão alternada senoidal é a qual utilizamos em nossos lares, na indústria e no comércio. Dentre as vantagens, destacamos: Facilidade de geração em larga escala; Facilidade

Leia mais

ELETRICIDADE 2 EL2A2

ELETRICIDADE 2 EL2A2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO ELETRICIDADE 2 EL2A2 CURSO: TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL MÓDULO: SEGUNDO PROFESSOR:

Leia mais

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é:

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é: Questão 1: A tensão E no circuito abaixo vale: a) 0,5 V b) 1,0 V c) 2,0 V d) 5,0 V e) 10,0 V Questão 2: A resistência equivalente entre os pontos A e B na associação abaixo é de: a) 5 Ohms b) 10 Ohms c)

Leia mais

11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que:

11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que: TÉCNICO EM ELETRICIDADE 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Dado o circuito abaixo, determine a capacitância equivalente do circuito, sabendo que: C1 = 300µF C2 = C3 = 300µF C4 = C5 = C6

Leia mais

Potência e Fator de Potência. Fernando Soares dos Reis, Dr. Eng.

Potência e Fator de Potência. Fernando Soares dos Reis, Dr. Eng. Potência e Fator de Potência, Dr. Eng. Sumário Introdução; Objetivos; Revisão de Conceitos Fundamentais de Potência C.C. Potência Instantânea; Potência Média ou Ativa; Transferência Máxima de Potência

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito de sistemas de distribuição de energia elétrica, julgue os itens a seguir. 4 Ao operar em tensão secundária, um sistema de distribuição de energia elétrica funciona

Leia mais

Retificadores Monofásicos de Meia Onda com Carga Resistiva-Indutiva

Retificadores Monofásicos de Meia Onda com Carga Resistiva-Indutiva 6 Capítulo Retificadores Monofásicos de Meia Onda com Carga Resistiva-Indutiva Meta deste capítulo Estudar os conversores ca-cc monofásicos operando com carga resistiva-indutiva objetivos Entender o funcionamento

Leia mais

AC CIRCUIT (RL/RC/RLC)

AC CIRCUIT (RL/RC/RLC) AC CIRCUIT (RL/RC/RLC) Circuitos AC (RL/RC/RLC) M-1103A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./ Imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO RADIOELETRICIDADE O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO Fonte: ANATEL DEZ/2008 RADIOELETRICIDADE TESTE DE AVALIAÇÃO 635 A maior intensidade do campo magnético

Leia mais

Princípios de Eletricidade e Eletrônica. Aula 2 Reatância. Prof. Marcio Kimpara

Princípios de Eletricidade e Eletrônica. Aula 2 Reatância. Prof. Marcio Kimpara 1 Princípios de Eletricidade e Eletrônica Aula 2 Reatância Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG / Engenharia Elétrica Campo Grande MS 2 Para relembrar (aula passada)... Tensão e Corrente Alternada

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I QUALIDADE DE ENERGIA 1-Introdução ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Desde o princípio do método de transmissão de energia elétrica utilizando CA, ou ondas senoidais, o aparecimento de componentes harmônicas é um

Leia mais

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é ver como filtros de freqüência utilizados em eletrônica podem ser construídos a partir de um circuito RC. 2. MATERIAL

Leia mais

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 CAPACITOR O capacitor é um dispositivo utilizado nos circuitos elétricos que apresenta um comportamento em corrente

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Eletrônica Calcule a tensão Vo no circuito ilustrado na figura ao lado. A. 1 V. B. 10 V. C. 5 V. D. 15 V. Questão 22 Conhecimentos Específicos - Técnico

Leia mais

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1. Adrielle C. Santana

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1. Adrielle C. Santana PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1 Adrielle C. Santana Vantagem da Corrente Alternada O uso da corrente contínua tem suas vantagens, como por exemplo, a facilidade de controle de velocidade de motores

Leia mais

ANÁLISE DE CIRCUITOS E FORMAS DE ONDA

ANÁLISE DE CIRCUITOS E FORMAS DE ONDA ANÁLISE DE CIRCUITOS E FORMAS DE ONDA Aldo Lopes ECCEL ELETRÔNICA www.eccel.com.br Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização por escrito do autor. COPYRIGHT

Leia mais

Circuitos RLC em Corrente Alternada Senoidal Monofásica

Circuitos RLC em Corrente Alternada Senoidal Monofásica Escola Técnica Estadual Monteiro obato - IMO Apostila sobre: ircuitos em orrente Alternada Senoidal Monofásica (última atualização: 3/07/05) rofessor: Fabiano da osa Hollweg Taquara, S. SUMÁIO. AÍTUO OENTES

Leia mais

Números Complexos. Note com especial atenção o sinal "-" associado com X C. Se escrevermos a expressão em sua forma mais básica, temos: = 1

Números Complexos. Note com especial atenção o sinal - associado com X C. Se escrevermos a expressão em sua forma mais básica, temos: = 1 1 Números Complexos. Se tivermos um circuito contendo uma multiplicidade de capacitores e resistores, se torna necessário lidar com resistências e reatâncias de uma maneira mais complicada. Por exemplo,

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

Corrente Continua (DC) vs Corrente Alternada (AC)

Corrente Continua (DC) vs Corrente Alternada (AC) Introdução teórica aula 5: Osciloscópio e Gerador de Sinais Corrente Continua (DC) vs Corrente Alternada (AC) Ao final do século XIX o sistema de distribuição de energia Edison (Edison General Electric)

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A PROVA:

INSTRUÇÕES PARA A PROVA: CONCUSO PÚBLICO POFESSO / ELETOTÉCNICA GUPO MAGISTÉIO eservado ao CEFET-N 16 de setembro de 007 INSTUÇÕES PAA A POVA: Use apenas caneta esferográfica azul ou preta; Escreva o seu nome completo, o número

Leia mais

4. Estudo da Curva de Carga

4. Estudo da Curva de Carga 4 4. Estudo da Curva de Carga 4..Introdução No capítulo anterior foi introduzido o conceito de casamento de potencia de um gerador genérico que tem uma resistência interna e está conectado a uma carga

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

Circuitos Elétricos 1 - Análise Senoidal e Propriedades Gerais dos Circuitos em C.A. Impedância Elétrica

Circuitos Elétricos 1 - Análise Senoidal e Propriedades Gerais dos Circuitos em C.A. Impedância Elétrica Circuitos Elétricos 1 - Análise Senoidal e Propriedades Gerais dos Circuitos em C.A. Impedância Elétrica Na disciplina de Eletricidade constatou-se que a análise no tempo de um circuito com condensadores

Leia mais

Casamento de Impedância

Casamento de Impedância Disciplina: Ondas e ropaação Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnolóicas CCT Departamento de Enenharia Elétrica aboratório de Eletromanetismo E-3 Casamento de Impedância O casamento

Leia mais

Circuitos Elétricos Resposta em Frequência Parte 1

Circuitos Elétricos Resposta em Frequência Parte 1 Introdução Circuitos Elétricos Resposta em Frequência Parte 1 Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Na análise de circuitos CA estudamos como

Leia mais

Apresentação da disciplina 4. Módulo I 6-83. Módulo II 85-164. Módulo III 167-217. Módulo IV 220 259. Módulo V 261 a 272. Módulo VI 273 a 287

Apresentação da disciplina 4. Módulo I 6-83. Módulo II 85-164. Módulo III 167-217. Módulo IV 220 259. Módulo V 261 a 272. Módulo VI 273 a 287 1 2 Apresentação da disciplina 4 Módulo I 6-83 Módulo II 85-164 Módulo III 167-217 Módulo IV 220 259 Módulo V 261 a 272 Módulo VI 273 a 287 Módulo VII 290 a 312 Módulo VIII 314 a 329 3 Caro aluno, A disciplina

Leia mais

VERSÃO 1.0-2002 CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA ESTE MATERIAL TÉCNICO É UMA PUBLICAÇÃO DA VERT ENGENHARIA, SENDO VETADA A ENGº RICARDO PRADO TAMIETTI

VERSÃO 1.0-2002 CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA ESTE MATERIAL TÉCNICO É UMA PUBLICAÇÃO DA VERT ENGENHARIA, SENDO VETADA A ENGº RICARDO PRADO TAMIETTI C O R R E Ç Ã O D O F A T O R D E P O T Ê N C I A E N G º R I C A R D O P R A D O T A M I E T T I Engenharia C O P Y R I G H T 0 0 V E R T E N G E N H A R I A VERSÃO 1.0-00 ESTE MATERIAL TÉCNICO É UMA

Leia mais

CAPACITORES: ESTUDO DO REGIME TRANSITÓRIO

CAPACITORES: ESTUDO DO REGIME TRANSITÓRIO LISTA DE EXERCÍCIOS IFES - CAMPUS CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM CAPACITORES: ESTUDO DO REGIME TRANSITÓRIO Aluno: 1) Utilizando a figura a seguir como referência, responda: a) Explique como se dá o processo de

Leia mais

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem.

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem. Fator de Potência e sua correção A energia elétrica consumida em uma instalação industrial é composta basicamente por duas parcelas distintas, que são: BANCO DE CAPACITORES Nota: Energia consumida por

Leia mais

Circuitos Capacitivos

Circuitos Capacitivos CEFET BA Vitória da Conquista Análise de Circuitos Circuitos Capacitivos Prof. Alexandre Magnus Conceito Um capacitor é um dispositivo elétrico formado por 2 placas condutoras de metal separadas por um

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC MEDIDAS ELÉTRIC AS MANUAL DO PROFESSOR Manual

Leia mais

CARGOS DE CLASSE D TÉCNICO DE ELETRÔNICA E TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA: ELETRÔNICA

CARGOS DE CLASSE D TÉCNICO DE ELETRÔNICA E TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA: ELETRÔNICA 7 CEFET CARGOS DE CLASSE D TÉCNICO DE ELETRÔNICA E TÉCNICO DE LABORATÓRIO LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - O candidato recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com

Leia mais

Questão 3: Um resistor de 10Ω é alimentado por uma tensão contínua de 50V. A potência dissipada pelo resistor é:

Questão 3: Um resistor de 10Ω é alimentado por uma tensão contínua de 50V. A potência dissipada pelo resistor é: Questão 1: Dois resistores de 1Ω e 2Ω, conectados em série, são alimentados por uma fonte de tensão contínua de 6V. A tensão sobre o resistor de 2Ω é: a) 15V. b) 2V. c) 4V. d) 5V. e) 55V. Questão 2:A resistência

Leia mais

Medidas de mitigação de harmônicos

Medidas de mitigação de harmônicos 38 Apoio Harmônicos provocados por eletroeletrônicos Capítulo XII Medidas de mitigação de harmônicos Igor Amariz Pires* A maneira mais comum de mitigar harmônicos é por meio da utilização de filtros. O

Leia mais

Eletrotécnica. Relações Fasoriais para R, L e C; Conceitos de Impedância e Admitância; Associações de impedâncias e/ou admitâncias.

Eletrotécnica. Relações Fasoriais para R, L e C; Conceitos de Impedância e Admitância; Associações de impedâncias e/ou admitâncias. Eletrotécnica Relações Fasoriais para R, L e C; Conceitos de Impedância e Admitância; Associações de impedâncias e/ou admitâncias. Joinville, 28 de Fevereiro de 2013 Escopo dos Tópicos Abordados Relações

Leia mais

1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova

1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova EE.UFMG - ESCOLA DE ENGENHARIA DA UFMG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ELE 0 - CIRCUITOS POLIFÁSICOS E MAGNÉTICOS PROF: CLEVER PEREIRA 1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova

Leia mais

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 2: Osciloscópio e curvas do diodo. Alunos: 2-3-

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 2: Osciloscópio e curvas do diodo. Alunos: 2-3- Campus SERRA COORDENADORIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Disciplinas: ELETRÔNICA BÁSICA e ELETRICIDADE GERAL Professores: Vinícius Secchin de Melo Wallas Gusmão Thomaz Roteiro para experiências de laboratório

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL MÉDIO CARGO: Técnico da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Técnico 1 Padrão I (TM11) CADERNO DE PROVAS PROVA DISCURSIVA

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 SEMICONDUCTOR III Semiconductor III Semicondutor III M-1105A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Tipos de Medidores Medidor não-integrativo; Medidor integrativo; Medidor do valor médio retificado; Medidor de valor de pico; Medidor de valor eficaz. MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Processa o sinal CC sem

Leia mais

Notas sobre os instrumentos

Notas sobre os instrumentos 8 ircuitos de corrente alternada Notas sobre os instrumentos A. Precisão de alguns instrumentos: Antes de desperdiçar tempo querendo medir com mais precisão do que os instrumentos permitem, tenha presente

Leia mais

Laboratório de Circuitos Elétricos 1 2015/2. Experiência N o 02: Medidas AC

Laboratório de Circuitos Elétricos 1 2015/2. Experiência N o 02: Medidas AC Laboratório de Circuitos Elétricos 1 2015/2 Experiência N o 02: Medidas C I - Objetivos Familiarização com os equipamentos de laboratório: gerador de funções, osciloscópio e multímetro. II - Introdução

Leia mais

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Amplificador básico Amplificador básico É um circuito eletrônico, baseado em um componente ativo, como o transistor ou a válvula, que tem como função amplificar um sinal de

Leia mais

Indutor e Capacitor. Prof. Mário Henrique Farias Santos, M.Sc. 31 de Julho de 2009

Indutor e Capacitor. Prof. Mário Henrique Farias Santos, M.Sc. 31 de Julho de 2009 Indutor e Capacitor Prof. Mário Henrique Farias Santos, M.Sc. 3 de Julho de 2009 Introdução A partir deste momento introduziremos dois elementos dinâmicos de circuitos: indutor e capacitor. Porque são

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP)

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP) LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP) NOTA RELATÓRIO -.... Grupo:............ Professor:...Data:... Objetivo:............ 1 - Considerações gerais

Leia mais

1 - Formas de ondas alternadas senoidais

1 - Formas de ondas alternadas senoidais 1 - Formas de ondas alternadas senoidais OBJETIVOS Familiarizar-se com as características de uma forma de onda senoidal, incluindo seu formato geral, valor médio e valor eficaz. Ser capaz de determinar

Leia mais

TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNEDADE FEDEAL DEJUDEFOA Graduação em Engenharia Elétrica TANMÃO DE ENEGA ELÉTCA POF FLÁO ANDEON GOME E-mail: flaviogomes@ufjfedubr Aula Número: 04 Curso de Transmissão de Energia Elétrica Aula Número:

Leia mais

Introdução teórica aula 6: Capacitores

Introdução teórica aula 6: Capacitores Introdução teórica aula 6: Capacitores Capacitores O capacitor é um elemento capaz de armazenar energia. É formado por um par de superfícies condutoras separadas por um material dielétrico ou vazio. A

Leia mais

H7- Analisar o fator de potência de um motor. Prof. Dr. Emerson S. Serafim

H7- Analisar o fator de potência de um motor. Prof. Dr. Emerson S. Serafim H7- Analisar o fator de potência de um motor. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 Quais são as causas do BAIXO fator de potência? Motores SUPERdimensionados ou com POUCA carga. Lâmpadas de descarga: fluorescentes,

Leia mais

ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO

ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO 1 Introdução O osciloscópio é basicamente um dispositivo de visualização gráfico que mostra sinais elétricos no tempo. O osciloscópio pode ser

Leia mais

Eletricidade Aplicada - notas de aula

Eletricidade Aplicada - notas de aula Eletricidade Aplicada - notas de aula Carlos Kleber da Costa Arruda 1 - Universidade Candido Mendes 4 de junho de 2009 1 carloskleber@gmail.com 2 Sumário 1 Introdução 5 1.1 A eletricidade na prática.................................

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA RELATÓRIO - NOTA... Grupo:............ Professor:...Data:... Objetivo:............ 1 - Considerações gerais A parte

Leia mais

Experimento 1 Medidas Elétricas

Experimento 1 Medidas Elétricas _ Procedimento 1 Medida de resistência Experimento 1 Medidas Elétricas Código de R teórico R/R teórico R R medida1 R medida2 *Desvio **Desvio cores rel. Desvio * Desvio = ValorMedido ValorTeórico

Leia mais

TLA-Capacitores 1 NORMA PARA INSTALAÇÃO DE BANCO DE CAPACITORES EM BAIXA TENSÃO ÍNDICE PÁG.

TLA-Capacitores 1 NORMA PARA INSTALAÇÃO DE BANCO DE CAPACITORES EM BAIXA TENSÃO ÍNDICE PÁG. ÍNDICE 1. OBJETIVO...2 2. RESPONSABILIDADES...2 3. CONCEITUAÇÃO...2 3.1 CAPACITOR...2 3.2 CARGAS NÃO LINEARES...2 3.3 BANCO CAPACITIVO...2 3.4 CARGA INSTALADA...2 3.5 POTÊNCIA ATIVA...2 3.6 POTÊNCIA...2

Leia mais

Circuitos RC em Regime Alternado Sinusoidal

Circuitos RC em Regime Alternado Sinusoidal 2º Laboratório de Bases de Engenharia II 2005/2006 Circuitos RC em Regime Alternado Sinusoidal Para este laboratório, as alíneas a) da Experiência 1 e da Experiência 2 devem ser calculadas préviamente,

Leia mais

Amplificador de Radiofreqüência

Amplificador de Radiofreqüência Laboratório de Telecomunicações 1 Amplificador de Radiofreqüência Objetivos Comportamentais 1 Identificar um estágio amplificador de radiofreqüência utilizado em um transmissor típico e medir as tensões

Leia mais

CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA - lista de exercícios sobre transformadores antonioflavio@ieee.org

CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA - lista de exercícios sobre transformadores antonioflavio@ieee.org 1ª. Questão Considere as seguintes impedâncias e tensões de um transformador cuja potência nominal é S N. Z AT : impedância de dispersão, referida à alta tensão, em ohms; Z BT : impedância de dispersão,

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

Aula prática 07 Medição de Potência Reativa com Varímetro

Aula prática 07 Medição de Potência Reativa com Varímetro Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Circuitos Elétricos 3 Parte Prática Turma: ET35L E51/E52. Professor Clovis Aula prática 07 Medição de Potência Reativa com Varímetro OBJETIVO: Nesta aula prática

Leia mais

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba EMENTA Carga Elétrica Campo Elétrico Lei de Gauss Potencial Elétrico Capacitância Corrente e resistência

Leia mais

MÁQUINAS 1 CAPÍTULO 9

MÁQUINAS 1 CAPÍTULO 9 MÁQUA 1 CAÍTULO 9 TRAFORMADOR O transformador é um componente utilizado para converter o valor da amplitude da tensão de uma corrente alternada. O transformador é uma máquina elétrica que transfere energia

Leia mais

Estabilidade Transitória

Estabilidade Transitória Estabilidade Transitória Revisão em janeiro 003. 1 Introdução A geração de energia elétrica dos sistemas de potência é constituída de máquinas síncronas. que operam com uma determinada freqüência. O sistema

Leia mais

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O diodo de junção possui duas regiões de materiais semicondutores dos tipos N e P. Esse dispositivo é amplamente aplicado em circuitos chaveados, como, por exemplo, fontes de

Leia mais

ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA

ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469 engenharia@cp.com.br

Leia mais

Introdução aos circuitos seletores de frequências. Sandra Mara Torres Müller

Introdução aos circuitos seletores de frequências. Sandra Mara Torres Müller Introdução aos circuitos seletores de frequências Sandra Mara Torres Müller Aqui vamos estudar o efeito da variação da frequência da fonte sobre as variáveis do circuito. Essa análise constitui a resposta

Leia mais

V (t) = A sen 2π f t + A/3[sen 3 (2π f t)] + A/5[sen 5 ( 2π f t)] + A/7[sen 7 (2π f t)] + A/9[sen 9 (2π f t)]+

V (t) = A sen 2π f t + A/3[sen 3 (2π f t)] + A/5[sen 5 ( 2π f t)] + A/7[sen 7 (2π f t)] + A/9[sen 9 (2π f t)]+ Teoria de Fourier Domínio da Freqüência e Domínio do Tempo A teoria de Fourier estabelece que uma forma de onda periódica pode ser decomposta em harmônicos relacionados; senos ou cossenos em diferentes

Leia mais

- Para se aumentar a quantidade de líquido (W), para o mesmo copo de chopp, deve-se reduzir a quantidade de espuma (VAr). Desta forma, melhora-se a

- Para se aumentar a quantidade de líquido (W), para o mesmo copo de chopp, deve-se reduzir a quantidade de espuma (VAr). Desta forma, melhora-se a 6. FATOR DE POTÊNCIA O fator de potência é uma relação entre potência ativa e potência reativa, conseqüentemente energia ativa e reativa. Ele indica a eficiência com a qual a energia está sendo usada.

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO Curso de Engenharia Elétrica DANIEL BERTI THOMAZINI CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA: VANTAGENS E DESVANTAGENS

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO Curso de Engenharia Elétrica DANIEL BERTI THOMAZINI CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA: VANTAGENS E DESVANTAGENS UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO Curso de Engenharia Elétrica DANIEL BERTI THOMAZINI CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA: VANTAGENS E DESVANTAGENS Itatiba 2011 i UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO Curso de Engenharia Elétrica

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Eletricidade Análise de Circuitos alimentados por fontes constantes Prof. Ilha Solteira,

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Monofásico 1.1 Introdução 1.1.1 Motores

Leia mais

- SISTEMA TRIFÁSICO. - Representação senoidal

- SISTEMA TRIFÁSICO. - Representação senoidal - SISTEMA TRIFÁSICO - Representação senoidal As ligações monofásicas e bifásicas são utilizadas em grande escala na iluminação, pequenos motores e eletrodomésticos Nos níveis da geração, transmissão e

Leia mais

Filtros de sinais. Conhecendo os filtros de sinais.

Filtros de sinais. Conhecendo os filtros de sinais. Filtros de sinais Nas aulas anteriores estudamos alguns conceitos importantes sobre a produção e propagação das ondas eletromagnéticas, além de analisarmos a constituição de um sistema básico de comunicações.

Leia mais

Ponte de Wien Oscilador de quadratura Oscilador duplo T Oscilador Colpitt Etc.

Ponte de Wien Oscilador de quadratura Oscilador duplo T Oscilador Colpitt Etc. Amplificadores operacionais como Osciladores Em muitas aplicações é necessário gerar um sinal, que pode ter as mais diversas formas, retangular, senoidal, triangular, etc. Entretanto, o único sinal disponível

Leia mais

CATÁLAGO TÉCNICO SOLUÇÕES EM ECONOMIA DE ÁGUA E ENERGIA.

CATÁLAGO TÉCNICO SOLUÇÕES EM ECONOMIA DE ÁGUA E ENERGIA. CATÁLAGO TÉCNICO MODELO TRIFÁSICO MODELO BIFÁSICO FILTRO REDU-LUZ O que é SISTEMA REDU-LUZ Trata-se de filtro de linha capacitivo, montado em caixa ABS, encapsulado em resina inífoga (não propagadora de

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Eletrônica Em um circuito ressonante LC paralelo (bobina em paralelo com capacitor fixo), quando se introduz na bobina um núcleo de ferrita, o que ocorre com a freqüência

Leia mais

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES)

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) Baixos valores de fator de potência são decorrentes de quantidades elevadas de energia reativa. Essa condição resulta em aumento na corrente total que

Leia mais

ECONOMIZANDO ENERGIA POTÊNCIA; FATOR DE POTÊNCIA; ECONOMIA DE ENERGIA MULTÍMETRO DIGITAL E ALICATE AMPERIOMÉTRICO - 1 -

ECONOMIZANDO ENERGIA POTÊNCIA; FATOR DE POTÊNCIA; ECONOMIA DE ENERGIA MULTÍMETRO DIGITAL E ALICATE AMPERIOMÉTRICO - 1 - ECONOMIZANDO ENERGIA ELÉTRICA POTÊNCIA; FATOR DE POTÊNCIA; ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA; MULTÍMETRO DIGITAL E ALICATE AMPERIOMÉTRICO Autores: Antonio Xisto Vilela Neto Luiz Antonio Bertini - 1 - Índice

Leia mais