Circuitos Elétricos 1 - Análise Senoidal e Propriedades Gerais dos Circuitos em C.A. Impedância Elétrica

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Circuitos Elétricos 1 - Análise Senoidal e Propriedades Gerais dos Circuitos em C.A. Impedância Elétrica"

Transcrição

1 Circuitos Elétricos 1 - Análise Senoidal e Propriedades Gerais dos Circuitos em C.A. Impedância Elétrica Na disciplina de Eletricidade constatou-se que a análise no tempo de um circuito com condensadores e bobinas exige a obtenção e a resolução de uma equação diferencial. Constatou-se ainda que a dinâmica temporal desta classe de circuitos é composta por duas parcelas essencialmente distintas: a solução natural e a solução forçada pelas fontes independentes do circuito. A solução natural é tipicamente constituída por funções exponenciais negativas, portanto funções que tendem para zero com o tempo, ao passo que a solução forçada impõe ao circuito uma dinâmica cuja forma é estabelecida por fontes independentes. Por exemplo, verificou-se que as fontes independentes senoidais conduzem a soluções forçadas senoidais, cuja amplitude e fase na origem são função da freqüência angular (ω) e dos parâmetros do circuito. Uma das características mais interessantes dos circuitos lineares é o fato de as soluções forçadas senoidais em todos os nós e componentes do circuito apresentarem exatamente a mesma freqüência angular da fonte independente. A principal conseqüência desta propriedade é a possibilidade de reduzir a análise da solução forçada senoidal à identificação das amplitudes e das fases na origem dos sinais. A análise da solução forçada senoidal de um circuito conduz aos conceitos de fasor e de impedância elétrica. O fasor de uma variável senoidal é um número complexo com informação relativa à amplitude e à fase na origem, desprezando assim a informação relativa à freqüência que à partida se sabe ser igual em todos os nós e componentes do circuito. Por outro lado, a impedância elétrica de um elemento ou circuito mais não é que a relação entre os fasores da tensão e da corrente aos terminais respectivos, sendo, portanto, em geral um número complexo dependente da frequência angular da senóide sob análise. O fato de as relações fasoriais entre tensão e corrente elétrica nos elementos R, C e L serem de tipo linear, apesar de entre números complexos, permite que a solução forçada senoidal de um circuito possa ser estudada recorrendo aos métodos e teoremas típicos da análise dos circuitos resistivos puros. Por exemplo, é possível estender a aplicação dos métodos das malhas e dos nós à análise da solução forçada senoidal de um circuito, recorrendo ainda aos resultados dos teoremas de Norton, de Thévenin, de Millman, de Miller, da sobreposição das fontes e da máxima transferência de potência. 1.1 Fasor e Impedância Números Complexos e Sinais Senoidais Os números complexos podem ser representados em dois formatos básicos (Figura 1.1): no formato retangular P = a + jb (1.1) em que a e b definem as coordenadas retangulares do ponto no plano, e no formato polar P = P θ (1.2) cuja representação em notação exponencial é P = Pe jθ (1.3) e em que P eθ definem, respectivamente, o módulo e o ângulo com a horizontal do segmento que une o ponto com a origem. A conversão entre estes dois formatos baseia-se nas regras Figura 1.1 Representação de um número complexo nos formatos retangular (a) e polar (b) Circuitos Elétricos 1 1

2 (1.4) E (1.5) Os sinais senoidais são caracterizados por uma amplitude, uma frequência angular e uma fase na origem. Por exemplo, o sinal v(t) = Vcos(ωt+θ) (1.6) define uma tensão elétrica senoidal de amplitude máxima V, frequência angular ω e fase na origem θ. Por outro lado, as funções cos(x) e sin(x) podem ser expressas em notação exponencial (1.7) e (1.8) respectivamente, podendo as exponenciais complexas expressar-se nas formas (1.9) e (1.10) Uma notação alternativa para as funções cos(x) e sin(x) consiste na utilização dos operadores Real de e Imaginário de. Neste caso, (1.11) e (1.12) Os operadores Real de e Imaginário de gozam das seguintes propriedades: (1.13) Circuitos Elétricos 1 2

3 ou seja, relativamente ao operador derivada, e (1.18) que após aplicação sucessiva das propriedades enunciadas em (1.13) e (1.14) se simplifica para relativamente ao operador adição. Admita-se Recorrendo então à notação que se estabelecida pretende derivar anteriormente, o resultado e sabendo da soma que de duas sin(x)=cos(x-π/2), funções senoidais, obtém-se por exemplo (1.14) (1.17) (1.15) (1.16) Circuitos Elétricos 1 3

4 (1.21) valores que se repetem com uma periodicidade T=2π/ω. A periodicidade da função em (1.20) indica que o segmento que une o centro do plano complexo aos pontos sobre a circunferência de raio A roda com uma velocidade angular de ω rad/s. No entanto, se considerar um novo referencial que roda no sentido anti-horário com uma velocidade angular ω, então nesse plano obtém-se (Figura 11.2.b) (1.22) grandeza que é complexa, designada por fasor e representada pelas formas (1.23) ou (1.24) Figura 1.2 Conceito de fasor A importância da notação fasorial na análise do regime forçado senoidal deve-se ao fato de nos circuitos lineares excitados por fontes senoidais as tensões e as correntes em todos os nós e componentes do circuito serem também senoidais e com a mesma frequência angular. As metodologias de análise e de representação das grandezas podem, portanto, ser abreviadas, de modo a conterem apenas a informação relativa à amplitude e à fase na origem, relegando para segundo plano aquela relativa à frequência angular (e ao tempo) que, como se disse, é comum a todo o circuito. No entanto, a informação relativa à dinâmica temporal pode sempre ser recuperada, por exemplo através da seqüência de operações (1.25) Impedância Elétrica Considere-se a resistência representada na Figura 1.3.a, em conjunto com a Lei de Ohm correspondente (1.26) e admita-se que a corrente é senoidal, i(t)=icos(ωt+θ). De acordo com (1.26), a tensão aos terminais da resistência é também senoidal (1.27) Circuitos Elétricos 1 4

5 e apresenta uma fase na origem idêntica à da corrente. A representação da Lei de Ohm em notação exponencial (1.28) permite escrever a relação fasorial (1.29) Figura 1.3 Impedância elétrica da resistência a qual, basicamente, indica que os fasores da corrente e da tensão na resistência se encontram relacionados pelo parâmetro resistência elétrica. Como se indica na Figura 1.3.b, e dada a natureza real do parâmetro R, os fasores da tensão e da corrente na resistência encontram-se em fase. Designa--se por impedância elétrica da resistência o cociente entre os fasores da tensão e da corrente (Figura 1.3.c) Ω, ohm (1.30) Considere-se agora o condensador representado na Figura 1.4, cuja característica tensão-corrente é expressa pela derivada (1.31) e admita-se ainda que a tensão aplicada é senoidal, v(t)=vcos(ωt+θ). Neste caso, a representação em notação exponencial (1.32) permite escrever a relação fasorial entre a tensão e a corrente (1.33) a qual indica que no condensador o fasor da corrente se encontra avançado de π/2 radianos relativamente ao fasor da tensão (Figura 1.4.b). A impedância elétrica do condensador é um número imaginário puro (Figura 1.4.b) Ω, ohm (1.34) Circuitos Elétricos 1 5

6 cujo módulo é inversamente proporcional à frequência angular da senóide sob análise. Figura 1.4 Impedância elétrica do condensador Por isto analogia é, com os resultados anteriores, verifica-se que a característica tensão-corrente da bobina (Figura 1.5) (1.35) (1.39) conduz A relação à relação (1.37) indica fasorial que o fasor da tensão na bobina se encontra avançada de π/2 radianos relativamente à corrente. de onde se obtém a expressão da impedância elétrica (1.36) Ω, ohm (1.37) Figura 1.5 Impedância elétrica da bobina Considere-se o circuito RL representado na Figura 1.6.a e admita-se que a tensão aplicada é senoidal. Neste caso, (1.38) Circuitos Elétricos 1 6

7 (1.39) e a impedância do conjunto é (1.40) A impedância elétrica de um componente ou de um conjunto de componentes é um número complexo cuja representação no formato polar é (Figuras 1.6.b), em que Z e ϕ representam o módulo e a fase, respectivamente, ao passo que no formato retangular é (Figura 1.6.c), em que R e X representam, respectivamente, as partes real e imaginária (esta última é vulgarmente designada por reatância). O inverso da impedância designa-se por admitância elétrica, cuja unidade é o siemens (S). Figura 1.6 Circuito RL (a) e representação em coordenadas retangulares (b) e polares (c) da impedância elétrica Na Tabela 1.1 resumem-se as características tensão-corrente no domínio do tempo, as relações fasoriais, as impedâncias e as admitâncias elétricas dos componentes resistência, condensador e bobina. COMPONENTE DOMÍNIO TEMPO NOTAÇÃO IMPEDÂNCIA FASORIAL (Ω) resistência v(t)=ri(t) V=RI R G condensador I=jωCV jωc ADMITÂNCIA (S) bobina V=jωLI jωl 1.2 Leis de Kirchhoff em Notação Fasorial Tabela 1.1 Resistência, condensador e bobina A validade das Leis de Kirchhoff estende-se à análise em notação fasorial do regime forçado senoidal. Por exemplo, o somatório dos fasores de tensão ao longo de um caminho fechado satisfaz a igualdade (Figura 1.7.a) (1.41) o mesmo se verificando com o somatório dos fasores das correntes incidentes num qualquer nó de um circuito (Figura 1.7.b) Circuitos Elétricos 1 7 (1.42)

8 (1.42) A aplicação conjunta das Leis de Kirchhoff e das relações fasoriais da resistência, do condensador e da bobina, permitem obter para as impedâncias exatamente as mesmas regras de associação em série e em paralelo estabelecidas anteriormente, no âmbito dos circuitos resistivos puros. Por exemplo, no circuito da Figura 1.7.a verifica-se que Figura 1.7 Leis de Kirchhoff em notação fasorial (1.43) ou seja, (1.44) igualdade na qual se inscreve a expressão da associação em série de impedâncias (1.45) Por outro lado, a aplicação da Lei de Kirchhoff das correntes ao circuito da Figura 1.7.b permite obter sucessivamente (1.46) e (1.47) igualdades nas quais se inscreve a expressão da associação em paralelo de admitâncias (1.48) ou seja, (1.49) Pode ainda demonstrar-se que as regras dos divisores de tensão e de corrente, estudados anteriormente, são transponíveis para a análise fasorial do regime forçado senoidal. Por exemplo, e referindo aos dois circuitos representados em 1.8, verifica-se que Circuitos Elétricos 1 8

9 representados em 1.8, verifica-se que (1.50) no caso do divisor de tensão em (a), e (1.51) no caso do divisor de corrente em (b). Figura 1.8 Divisores de tensão (a) e de corrente (b) em notação fasorial 1.3 Métodos de Análise em Notação Fasorial Os métodos de análise de circuitos são generalizáveis à análise fasorial do regime forçado senoidal. Os procedimentos de aplicação dos métodos dos nós e das malhas coincidem na forma com aqueles estabelecidos anteriormente. São válidas todas as considerações relativas à construção da matriz do circuito e dos vetores coluna das variáveis e das fontes independentes, para além, naturalmente, dos diversos casos particulares que permitem identificar a priori o número de equações linearmente independentes e a dimensão da relação matricial a resolver. Em vez de repetir os dois métodos alternativos, e naturalmente todos os seus casos particulares, optou-se por desenvolver dois exemplos de aplicação cuja resolução ilustra as diferenças existentes na parte numérica da obtenção dos resultados. Considere-se então o circuito representado na Figura 1.9, com duas fontes de tensão senoidais de igual frequência angular, V s1 e V s2, e três impedâncias, Z 1, Z 2 e Z 3, todas elas especificadas no formato polar. Pretende-se determinar o fasor da corrente na impedância Z 1, no sentido indicado na figura. Figura 1.9 Método das malhas em notação fasorial (as fases estão especificadas em grau) De acordo com o procedimento estabelecido, a aplicação da Lei de Kirchhoff das tensões às malhas-1 e -2 permite escrever a relação matricial (1.52) cujas variáveis são os fasores das correntes nas malhas-1 e -2. A aplicação da regra de Cramer permite obter a expressão do fasor da corrente I 1 Circuitos Elétricos 1 9 (1.53)

10 (1.53) a qual, por substituição dos valores indicados na Figura 1.9, conduz ao valor (a fase é especificada em radianos) I 1 = ma (1.54) ou seja i 1 (t) = 49.2 cos(ωt+0.098) ma (1.55) Considere-se agora o circuito representado na Figura 1.10, no qual se indicam os valores da capacidade, da indutância, das resistências e da frequência angular da senóide imposta pela fonte de corrente. Pretende-se determinar o fasor da tensão V C1 aos terminais do condensador. A aplicação da Lei de Kirchhoff das correntes aos nós-1 e -2 do circuito permite escrever a relação matricial (1.56) cujas variáveis são os fasores das tensões nos nós-1 e -2. A aplicação da regra de Cramer permite obter a expressão do fasor da tensão V 1 (1.57) cuja solução numérica é V 1 = (1.58) No domínio do tempo, a tensão aos terminais do condensador toma então a forma v 1 (t)= cos(10000t-0.927) (1.59) Circuitos Elétricos 1 10

11 1.3 Métodos de Análise em Notação Fasorial Figura 1.10 Método dos nós em notação fasorial Os métodos de análise de circuitos são generalizáveis à análise fasorial do regime forçado senoidal. Os procedimentos de aplicação dos métodos dos nós e das malhas coincidem na forma com aqueles estabelecidos no anterior. São válidas todas as considerações relativas à construção da matriz do circuito e dos vetores coluna das variáveis e das fontes independentes, para além, naturalmente, dos diversos casos particulares que permitem identificar a priori o número de equações linearmente independentes e a dimensão da relação matricial a resolver. Em vez de repetir os dois métodos alternativos, e naturalmente todos os seus casos particulares, optou-se por desenvolver dois exemplos de aplicação cuja resolução ilustra as diferenças existentes na parte numérica da obtenção dos resultados. Considere-se então o circuito representado na Figura 1.9, com duas fontes de tensão senoidais de igual frequência angular, V s1 e V s2, e três impedâncias, Z 1, Z 2 e Z 3, todas elas especificadas no formato polar. Pretende-se determinar o fasor da corrente na impedância Z 1, no sentido indicado na figura. Figura 1.9 Método das malhas em notação fasorial (as fases estão especificadas em grau) De acordo com o procedimento estabelecido anteriormente, a aplicação da Lei de Kirchhoff das tensões às malhas- 1 e -2 permite escrever a relação matricial (1.52) cujas variáveis são os fasores das correntes nas malhas-1 e -2. A aplicação da regra de Cramer permite obter a expressão do fasor da corrente I 1 Circuitos Elétricos 1 11 (1.53)

12 (1.53) a qual, por substituição dos valores indicados na Figura 1.9, conduz ao valor (a fase é especificada em radianos) I 1 = ma (1.54) ou seja i 1 (t) = 49.2 cos(ωt+0.098) ma (1.55) Considere-se agora o circuito representado na Figura 1.10, no qual se indicam os valores da capacidade, da indutância, das resistências e da frequência angular da senóide imposta pela fonte de corrente. Pretende-se determinar o fasor da tensão V C1 aos terminais do condensador. A aplicação da Lei de Kirchhoff das correntes aos nós-1 e -2 do circuito permite escrever a relação matricial (1.56) cujas variáveis são os fasores das tensões nos nós-1 e -2. A aplicação da regra de Cramer permite obter a expressão do fasor da tensão V 1 (1.57) cuja solução numérica é V 1 = (1.58) No domínio do tempo, a tensão aos terminais do condensador toma então a forma v 1 (t)= cos(10000t-0.927) (1.59) Circuitos Elétricos 1 12

13 1.4 Teoremas Básicos em Notação Fasorial Transformação de Fonte Figura 1.10 Método dos nós em notação fasorial Uma fonte de tensão senoidal não ideal, expressa por um fasor de tensão (V s ) e por uma impedância (Z s ), pode ser transformada numa fonte de corrente senoidal por aplicação da transformação (1.60) e (1.61) Figura 1.11 Transformação de fonte em notação fasorial Na Figura 1.12 representam-se alguns exemplos de fontes às quais se aplicou o teorema da transformação de fonte. Circuitos Elétricos 1 13

14 Por exemplo, no caso (b) verifica-se que Figura 1.12 Transformação de fonte em notação fasorial (1.62) e que (1.63) em que θ s representa a fase na origem da fonte de tensão e ϕ s o ângulo do número complexo representativo da impedância da fonte Teorema de Thévenin e Equivalente de Norton A metodologia de cálculo dos equivalentes de Thévenin e de Norton fasoriais baseia-se num conjunto de procedimentos em tudo semelhantes aos estabelecidos anteriormente, para os circuitos resistivos puros. Na Figura 1.13 apresentam-se diversos circuitos que exemplificam a metodologia de cálculo dos equivalentes de Thévenin e de Norton em notação fasorial. Circuitos Elétricos 1 14

15 Figura 1.13 Equivalentes de Thévenin e de Norton em notação fasorial No circuito da Figura 1.13.a, o fasor da tensão de Thévenin coincide com a tensão em aberto medida entre os terminais a-b, (1.64) ao passo que a impedância de Thévenin é expressa por (1.65) Circuitos Elétricos 1 15

16 No caso de 1.13.b, a fonte de corrente de Norton é (1.66) e a impedância (1.67) Finalmente, nos circuitos de 1.13.c e 1.13.d obtêm-se, respectivamente, os equivalentes de Thévenin (1.68) (1.69) e (1.70) Teorema da Sobreposição das Fontes A generalização do teorema da sobreposição das fontes à análise fasorial do regime forçado senoidal - ou seja, a adição dos fasores associados a fontes senoidais distintas - só pode efetuar-se nos casos em que se verifique uma mesma frequência angular. Na Figura 1.14 visualiza-se a causa desta limitação da aplicação do teorema da sobreposição das fontes: os fasores associados a frequências angulares distintas reportam-se a planos complexos distintos, em particular devido à diferente velocidade angular com que cada plano é suposto girar. Por outro lado, frequências angulares distintas conduzem a valores também distintos para as impedâncias dos elementos condensadores e bobina, devendo as contribuições de cada uma das fontes reportar-se aos seus parâmetros próprios. Figura 1.14 Fasores de sinais senoidais com frequências angulares distintas Considere-se então o circuito representado na Figura 1.15.a e admita-se que as duas fontes independentes senoidais se caracterizam pela mesma frequência angular. Circuitos Elétricos 1 16

17 Figura 1.15 Teorema da sobreposição das fontes (fontes senoidais com idêntica frequência angular) De acordo com o teorema da sobreposição das fontes (em notação fasorial), o fasor da tensão V 2 é expresso pelo somatório (1.71) em que (Figura 1.15.b) (1.72) e (Figura 1.15.c) (1.73) ou seja, (1.74) O fasor em (1.74) corresponde à expressão no domínio do tempo (1.75) Considere-se agora o circuito da Figura 1.16.a e admita-se que as duas fontes de sinal são senoidais, mas apresentam frequências angulares distintas, ω 1 ω 2. Circuitos Elétricos 1 17

18 apresentam frequências angulares distintas, ω 1 ω 2. Figura 1.16 Teorema da sobreposição das fontes (fontes senoidais com frequências angulares distintas) As conseqüências desta diferença são basicamente duas: (i) as impedâncias dos componentes do circuito diferem consoante a fonte considerada; (ii) os fasores relativos a cada uma das fontes não podem ser adicionados entre si, sendo necessário convertê-los primeiramente para o domínio do tempo. Assim, no caso da fonte V s (Figura 1.16.b) o fasor da tensão V 2 é (1.76) subjacente ao qual se encontra a frequência ω 1 =1000 rad/s, ao passo que no caso da fonte I s (Figura 1.16.c) o fasor é (1.77) em que ω 2 =10000 rad/s. No domínio do tempo a tensão v 2 (t) é expressa por (1.78) um resultado distinto daquele obtido em (1.75) Teorema de Millman A generalização do teorema de Millman é conseqüência da validade da transformação de fonte no regime forçado senoidal. Como a Figura 1.17 indica visualmente, a aplicação sucessiva da transformação de fonte permite associar e simplificar tanto a associação em paralelo de fontes de tensão não ideais, como a associação em série de fontes Circuitos de corrente. Elétricos A informação 1 contida nas figuras é suficiente 18 para constatar a igualdade na forma entre o teorema de Millman em notação fasorial e no domínio do tempo.

19 e simplificar tanto a associação em paralelo de fontes de tensão não ideais, como a associação em série de fontes de corrente. A informação contida nas figuras é suficiente para constatar a igualdade na forma entre o teorema de Millman em notação fasorial e no domínio do tempo Teorema de Miller Circuitos Elétricos 1 19 Figura 1.17 Teorema de Millman Considere-se o circuito da Figura 1.18, relativamente ao qual se pretende determinar a impedância equivalente à direita dos terminais a-b.

20 direita dos terminais a-b. Figura 1.18 Teorema de Miller A particularidade deste circuito consiste no fato de a impedância Z se encontrar ligada a dois terminais entre os quais existe uma relação de ganho, conseguido pela fonte dependente -av x. A aplicação da Lei de Kirchhoff das tensões à única malha do circuito permite escrever a igualdade (1.79) na qual se inscreve a impedância à direita dos terminais a-b (1.80) A relação (1.80) indica que a impedância Z é dividida pelo fator (1+a), indicativo da tensão que na realidade se encontra aplicada aos terminais. Um resultado de particular interesse inscrito na relação (1.80) é o designado efeito de Miller sobre a capacidade dos condensadores. Como se indica na Figura 1.19, nos casos em que a impedância Z é definida por um condensador, Z=(jωC) -1, o valor aparente da capacidade é amplificado de um fator (1+a) (1.81) O efeito de Miller é amplamente utilizado na compensação da resposta em frequência de amplificadores operacionais e na redução do efeito de injeção do sinal de relógio em circuitos amostradores-retentores de sinal. 1.5 Potência Figura 1.19 Efeito de Miller sobre a capacidade de um condensador Potência nos Elementos R, C e L Considere-se o circuito representado na Figura 1.20 e admita-se que o fasor da fonte de tensão é V s =V 0. Circuitos Elétricos 1 20

21 ou ainda (1.88) Figura 1.20 Potência dissipada numa resistência no regime forçado sinusoidal Dada ou seja, a natureza real da resistência, o fasor da corrente no circuito encontra-se em fase com o da tensão (1.82) (1.87) Em Uma valores vez que instantâneos, a potência instantânea é periódica no tempo, e em particular com período duplo daqueles característicos da corrente e da tensão (Figura 1.21.b), o valor médio respectivo é dado pelo integral (1.83) e que em conjunto conduzem à expressão da potência instantânea (1.86) (1.84) (1.85) Circuitos Elétricos 1 21

22 (1.89) valor que no caso dos sinais senoidais é dado por (1.90) Considere-se agora o circuito da Figura 1.21, cujos fasores da tensão e da corrente se encontram desfasados de π/2 radianos, (1.91) ou seja, (1.92) e (1.93) respectivamente. A potência instantânea fornecida ao condensador (Figura 1.21.b) é expressa pelo produto (1.94) cujo valor médio no tempo é nulo, (1.95) O resultado em (1.105) indica que o condensador não dissipa energia elétrica, pelo contrário é um elemento capaz de armazenar e restituir energia à fonte de alimentação. É facilmente demonstrável que a potência média dissipada numa bobina é identicamente nula. Figura 1.21 Potência acumulada num condensador no regime forçado senoidal Potência nos Circuitos RC e RL Circuitos Elétricos 1 22

23 Considere-se o circuito RC da Figura 1.22, relativamente ao qual se pretende determinar as potências instantânea e média fornecida pela fonte. Figura 1.22 Potência dissipada num circuito RC De acordo com a metodologia estabelecida anteriormente, o fasor da corrente no circuito é expresso pelo cociente (1.96) em que ϕ=artg(-1/ωrc). As expressões da tensão e da corrente no domínio do tempo são, respectivamente, (1.97) e (1.98) A potência instantânea fornecida ao circuito pela fonte é expressa pelo produto (1.99) ou ainda (1.100) cujo valor médio no tempo é (1.101) Circuitos Elétricos 1 23

24 ou (1.102) ou ainda (1.103) em que Z define o módulo da impedância do conjunto RC. Observando o triângulo das impedâncias da Figura 1.22.b verifica-se que (1.104) isto é, que a potência fornecida pela fonte ao circuito coincide na íntegra com aquela dissipada na resistência (1.105) O resultado expresso por (1.105) concorda com a conclusão obtida anteriormente para as potências médias dissipadas pelos elementos resistência e condensador. A potência fornecida pela fonte é, assim, composta por duas parcelas: (i) uma parcela relativa à energia dissipada por efeito de Joule na resistência, que constitui um processo irreversível; (ii) e outra parcela, alternadamente acumulada e restituída pelo condensador à fonte. Estas trocas de energia contribuem apenas para aumentar a amplitude máxima da corrente no circuito. Pode facilmente demonstrar-se que a potência fornecida por uma fonte a um circuito RL coincide com aquela estabelecida em (1.105) Potências Ativa, Reativa e Aparente Considere-se o circuito representado em 1.23.a, constituído por uma fonte de tensão senoidal e uma impedância Z=R+jX (Figuras a e b). Circuitos Elétricos 1 24

25 Figura 1.23 Potências aparente, ativa e reativa Admita-se ainda que a parte imaginária da impedância é positiva (hipótese que equivale a considerar a carga como um circuito RL), que o fasor da tensão aplicada é (1.106) que representa a potência alternadamente trocada entre a fonte de tensão e o elemento acumulador de energia. As e potências que, portanto, aparentes, o fasor reativas da corrente e ativas no (ativa circuito no sentido é (Figura de 1.23.c) potência dissipada por efeito de Joule sobre as resistências) definem o triângulo das potências representado na Figura 1.23.d. As potências ativa e reativa definem os catetos do triângulo, em direções perpendiculares entre si, ao passo que a hipotenusa do mesmo define (1.107) a O define potência produto a potência aparente. aparentemente O cociente entre fornecida a potência ao circuito dissipada pela por fonte, efeito potência de Joule que e a inclui potência seja aparente a fracção dissipada na parte resistiva da impedância, seja a parte trocada com a parte imaginária. Por outro lado, designa-se por potência reativa o produto VA, volt-ampere (1.108) (1.110) VAr, volt-ampere reativo (1.109) Circuitos Elétricos 1 25

26 (1.110) é designado por fator de potência da carga e constitui uma medida da eficácia com que a potência é transferida da fonte para a carga. Quando o fator de potência é inferior à unidade, a corrente no circuito encontra-se acima do valor estritamente necessário para transferir a potência que na realidade se transfere, ocorrendo perdas de energia desnecessárias por efeito de Joule sobre as linhas de distribuição. A correção do fator de potência é uma das tarefas que mais preocupa as companhias distribuidoras de energia elétrica. Com efeito, os consumidores de energia elétrica, sejam eles os motores das fábricas, os eletrodomésticos nas casas etc., conduzem em geral a impedâncias com caráter indutivo, isto é, a cargas cuja parte imaginária é positiva. Nestes casos, o fator de potência pode ser aumentado introduzindo, em paralelo com a carga, um condensador de compensação, conduzindo assim à redução da parte reativa da potência Teorema da Máxima Transferência de Potência No âmbito dos circuitos resistivos puros, constatou-se que a máxima transferência de potência entre uma fonte e uma carga ocorre quando estas se encontram adaptadas, isto é, quando a carga e a resistência de saída da fonte apresentam valores idênticos. Este teorema pode ser generalizado ao âmbito da análise fasorial do regime forçado senoidal, concluindo-se neste caso que a máxima transferência de potência ocorre quando as impedâncias da fonte e da carga são complexas conjugadas. Considere-se então o circuito representado na Figura 1.24, constituído por uma fonte de tensão senoidal com impedância de saída Z s =R s +jx s, e por uma carga complexa, Z=R+jX. O fasor da corrente no circuito é dado pelo cociente Figura 1.24 Teorema da máxima transferência de potência (1.111) cujo módulo é (1.112) De acordo com os resultados obtidos na secção anterior, o valor médio da potência ativa (de Joule) efetivamente dissipada pela carga é (1.113) Independentemente das partes resistivas da impedância de saída da fonte e da carga, R s e R respectivamente, ambas positivas, o máximo da transferência de potência ocorre certamente quando Circuitos Elétricos 1 26

27 (1.114) dado que estas podem ser positivas (as bobinas) ou negativas (os condensadores). Neste caso, a expressão da potência média em (1.113) simplifica-se para (1.115) expressão que coincide na forma com aquela obtida anteriormente no âmbito da análise dos circuitos resistivos puros. A determinação do máximo de (1.115) conduz então ao resultado (1.116) o qual, em conjunto com (11.114), permite escrever a condição de máxima transferência de potência (1.117) Na Figura 1.25 ilustra-se o significado prático da adaptação de impedâncias entre fonte e carga: a igualdade X=-X s equivale a cancelar a parte reativa do conjunto de impedâncias formado pela fonte e pela carga, ou seja, a reconduzir o circuito à forma encontrada na análise das redes resistivas puras (Figura 1.25.b). Convém, no entanto, salientar o fato de a adaptação de impedâncias se verificar apenas para uma frequência angular bem definida. Significa isto que a escolha da impedância de carga deve ser feita em função da frequência para a qual se pretende maximizar a transferência de potência. Sumário Figura 1.25 Adaptação de impedâncias O regime forçado senoidal estuda as relações existentes entre as amplitudes e as fases das variáveis tensões e corrente elétrica nos circuitos excitados exclusivamente por fontes senoidais. O fasor é uma entidade complexa que compila a informação relativa à amplitude e à fase na origem de uma senóide de tensão ou corrente, ao passo que a impedância elétrica é o número complexo resultante do cociente entre os fasores de tensão e corrente num componente. Os elementos resistência, condensador e bobina apresentam impedâncias dadas por R, jωl e 1/jωC, respectivamente, sendo nos dois últimos casos uma função da frequência angular sob análise. As Leis de Kirchhoff das tensões e das correntes, as regras de associação série e paralelo de impedâncias e as regras dos divisores de tensão e de corrente são generalizáveis à análise fasorial do regime forçado senoidal. O mesmo sucede com os métodos das malhas e dos nós, e os teoremas da transformação de fonte, de Thévenin, de Norton, da sobreposição das fontes, de Millman e de Miller. Apenas a resistência é responsável pela dissipação de energia (o efeito de Joule). Os elementos condensadores e bobina acumulam e restituem energia às fontes. Circuitos Elétricos 1 27

28 bobina acumulam e restituem energia às fontes. A máxima transferência de potência entre uma fonte e uma carga complexa ocorre quando a carga e a impedância de saída da fonte são complexas conjugadas. Esta situação é designada por adaptação de impedâncias. Exercícios de Aplicação *1.1 Admitindo que a relação entre a corrente e a tensão num componente é dada por: (a) v(t)= 10 cos(10000t) e i(t)= 0.01 cos(10000t); (b) v(t)= 10 cos(10000t+π/2) e i(t)= 0.01 cos(10000t); (c) v(t)= 10 cos(10000t+π/2) e i(t)= 0.01 cos(10000t+π). Indique qual o tipo de elemento em questão. *1.2 Considere as seguintes expressões das tensões elétricas v 1 (t) e v 2 (t) aos terminais de dois elementos de um circuito: (a) v 1 (t)=10cos(10000t) e v 2 (t)=10cos(10000t+π/2); (b) v 1 (t)=10cos(t+π/3) e v 2 (t)=10cos(t+π/2). Em cada um dos casos determine a expressão da tensão v(t)=v 1 (t)+v 2 (t), recorrendo à notação fasorial. *1.3 Efetue os seguintes cálculos: (a) (b) *1.4 Determine o valor do módulo, da fase, da parte real e da parte imaginária das impedâncias e admitâncias representadas na Figura E1.4. Em qualquer dos casos, considere uma frequência f=1000 Hz. Figura E Considere o circuito representado na Figura E1.5. Determine os valores numéricos dos seguintes fasores e impedâncias: (a) a impedância vista à direita dos terminais da fonte; (b) o fasor da corrente fornecida pela fonte de tensão. Circuitos Elétricos 1 28

29 Figura E1.5 *1.6 Considere o circuito representado na Figura E1.6. Por aplicação do método dos nós, determine o fasor da tensão aos terminais do condensador. Estabeleça também a expressão da tensão no domínio do tempo. Figura E1.6 *1.7 Considere o circuito representado na Figura E1.7. Determine a expressão da corrente i(t) na resistência R. Figura E Considere os circuitos representados na Figura 1.8. Por aplicação do método dos nós ou das malhas, obtenha a relação matricial relativa às tensões e às correntes nos diversos nós e elementos do circuito. Circuitos Elétricos 1 29

30 Figura E1.8 *1.9 Determine os equivalentes de Thévenin e Norton dos circuitos representados na Figura E1.9. Figura E1.9 *1.10 Por aplicação do teorema da sobreposição das fontes, determine a expressão da tensão v o (t) indicada no circuito representado na Figura E1.10. Admita que: (a) ω 1 =ω 2 =1000 rad/s; (b) ω 1 =1000 rad/s e ω 2 =500 rad/s. Circuitos Elétricos 1 30

31 Figura E Considere os circuitos representados na Fig.E Determine o valor da indutância (L) e da resistência (R) para as quais se verifica a máxima transferência de potência entre a fonte e a carga RL. Figura E Considere o circuito representado na Figura E1.12. Determine: (a) a potência instantânea transferida para cada elemento; (b) a potência média dissipada por cada elemento; (c) a potência ativa, aparente e reativa fornecida pela fonte. Desenhe o respectivo triângulo das potências. Figura E1.12 Circuitos Elétricos 1 31

Amplificador Operacional

Amplificador Operacional Amplificador Operacional Os modelos a seguir, referem-se a modelos elétricos simplificados para os amplificadores de tensão e de corrente sem realimentação. Os modelos consideram três elementos apenas:

Leia mais

Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS

Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS Prof. José Roberto Marques (direitos reservados) A ENERGIA DAS REDES ELÉTRICAS A transformação da energia de um sistema de uma forma para outra, dificilmente

Leia mais

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Num metal os electrões de condução estão dissociados dos seus átomos de origem passando a ser partilhados por todos os iões positivos do sólido, e constituem

Leia mais

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS 01 - Questão Esta questão deve ser corrigida? SIM NÃO Um transformador de isolação monofásico, com relação de espiras N

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP)

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP) LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP) NOTA RELATÓRIO -.... Grupo:............ Professor:...Data:... Objetivo:............ 1 - Considerações gerais

Leia mais

Circuitos Elétricos Leis Básicas

Circuitos Elétricos Leis Básicas Circuitos Elétricos Leis Básicas Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Introdução Como determinar os valores de tensão, corrente e potência em

Leia mais

Circuitos Elétricos Senoides e Fasores

Circuitos Elétricos Senoides e Fasores Circuitos Elétricos Senoides e Fasores Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Introdução Corrente contínua x corrente alternada. Ver War of Currentes

Leia mais

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada ELETRICIDADE Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Associação de impedâncias As impedâncias

Leia mais

Prof. Sérgio Rebelo. Curso Profissional Técnico de Eletrónica, Automação e Comando

Prof. Sérgio Rebelo. Curso Profissional Técnico de Eletrónica, Automação e Comando Prof. Sérgio ebelo Curso Profissional Técnico de Eletrónica, Automação e Comando Eletricidade e Eletrónica - Elenco Modular Módulo Análise de Circuitos em Corrente Contínua 3 Módulo Análise de Circuitos

Leia mais

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS Neste capítulo será apresentada uma prática ferramenta gráfica e matemática que permitirá e facilitará as operações algébricas necessárias à aplicação dos métodos

Leia mais

Amplificadores Operacionais

Amplificadores Operacionais Universidade Federal de Lavras Departamento de Ciência da Computação COM145 Eletrônica Básica Amplificadores Operacionais Prof. João C. Giacomin DCC-UFLA 1 Amplificadores Operacionais Este texto foi escrito

Leia mais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais 01) Considerando a figura abaixo, determine: a) Tensão de pico; b) Tensão pico a pico; c) Período; d) Freqüência. 02) Considerando a

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Introdução Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Potência é a quantidade de maior importância em

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA

CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA Departamento de Física da Faculdade de iências da Universidade de Lisboa Electromagnetismo 2007/08 IRUITOS DE ORRENTE ONTÍNU 1. Objectivo Verificar as leis fundamentais de conservação da energia e da carga

Leia mais

Caderno de Exercícios

Caderno de Exercícios Instituto Politécnico do Porto Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Electrotécnica Curso de Engenharia Electrotécnica Electrónica e Computadores Disciplina de FEELE Caderno

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA RELATÓRIO - NOTA... Grupo:............ Professor:...Data:... Objetivo:............ 1 - Considerações gerais A parte

Leia mais

Questão 3: Um resistor de 10Ω é alimentado por uma tensão contínua de 50V. A potência dissipada pelo resistor é:

Questão 3: Um resistor de 10Ω é alimentado por uma tensão contínua de 50V. A potência dissipada pelo resistor é: Questão 1: Dois resistores de 1Ω e 2Ω, conectados em série, são alimentados por uma fonte de tensão contínua de 6V. A tensão sobre o resistor de 2Ω é: a) 15V. b) 2V. c) 4V. d) 5V. e) 55V. Questão 2:A resistência

Leia mais

E S C O L A S E C U N D Á R I A E M Í D I O N A V A R R O D E

E S C O L A S E C U N D Á R I A E M Í D I O N A V A R R O D E E S C O L A S E C U N D Á R I A E M Í D I O N A V A R R O P L A N I F I C A Ç Ã O D E S I S T E M A S A N A L Ó G I C O S E D I G I T A I S 0 º A N O Ano Lectivo 004 / 005 Professor José Matias PlanifSAD0-004

Leia mais

Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara

Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara ELETRIIDADE Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 2 Parâmetros da forma de onda senoidal Vp iclo Vpp omo representar o gráfico por uma equação matemática?

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS II

CIRCUITOS ELÉTRICOS II CIRCUITOS ELÉTRICOS II Prof.: Helder Roberto de O. Rocha Engenheiro Eletricista Doutorado em Computação Corrente Elétrica Quantidade de carga elétrica deslocada por unidade de tempo As correntes elétricas

Leia mais

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios.

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios. Conteúdo programático: Elementos armazenadores de energia: capacitores e indutores. Revisão de características técnicas e relações V x I. Caracterização de regime permanente. Caracterização temporal de

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família AULA 12 - AJUSTAMENTO DE CURVAS E O MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS Ajustamento de Curvas Sempre que desejamos estudar determinada variável em função de outra, fazemos uma análise de regressão. Podemos dizer

Leia mais

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF NOME: TURMA: DATA: / / OBJETIVOS: Ler o valor nominal de cada resistor através do código de cores. Conhecer os tipos de

Leia mais

ANÁLISE DE CIRCUITOS

ANÁLISE DE CIRCUITOS NÁLISE DE CIRCUITOS Corrente Contínua 1 Na figura seguinte representa um voltímetro e um amperímetro. Se indicar 0,6 m, quanto deverá marcar? U 50kΩ Figura 1 2 Se R b = 3R a, qual a tensão entre e B (sabendo

Leia mais

Sum u ário i Introdução Indução Auto-indução Indutores em corrente alternada Fator de qualidade (q)

Sum u ário i Introdução Indução Auto-indução Indutores em corrente alternada Fator de qualidade (q) Sumário ntrodução 5 ndução 6 Auto-indução 7 ndutores em corrente alternada 14 Fator de qualidade (q) 16 Determinação experimental da indutância de um indutor 16 Associação de indutores 18 Relação de fase

Leia mais

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1. Adrielle C. Santana

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1. Adrielle C. Santana PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1 Adrielle C. Santana Vantagem da Corrente Alternada O uso da corrente contínua tem suas vantagens, como por exemplo, a facilidade de controle de velocidade de motores

Leia mais

por séries de potências

por séries de potências Seção 23: Resolução de equações diferenciais por séries de potências Até este ponto, quando resolvemos equações diferenciais ordinárias, nosso objetivo foi sempre encontrar as soluções expressas por meio

Leia mais

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA Existem dois tipos de corrente elétrica: Corrente Contínua (CC) e Corrente Alternada (CA). A corrente contínua tem a característica de ser constante no tempo, com

Leia mais

Modelagem de Sistemas Dinâmicos. Eduardo Camponogara

Modelagem de Sistemas Dinâmicos. Eduardo Camponogara Equações Diferenciais Ordinárias Modelagem de Sistemas Dinâmicos Eduardo Camponogara Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina DAS-5103: Cálculo Numérico para Controle

Leia mais

Sistema de equações lineares

Sistema de equações lineares Sistema de equações lineares Sistema de m equações lineares em n incógnitas sobre um corpo ( S) a x + a x + + a x = b a x + a x + + a x = b a x + a x + + a x = b 11 1 12 2 1n n 1 21 1 22 2 2n n 2 m1 1

Leia mais

Medida de Grandezas Eléctricas

Medida de Grandezas Eléctricas Medida de Grandezas Eléctricas As grandezas eléctricas normalmente medidas são: Tensão Corrente Potência eléctrica Energia eléctrica Os valores destas grandezas podem ser obtidas por diferentes formas,

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá EEL 012 Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia

Universidade Federal de Itajubá EEL 012 Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia Universidade Federal de Itajubá EEL 012 Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia Guia da 2 a aula prática 2014 Carga RLC Monofásica Assunto: - Medição de potência em carga RLC monofásica e correção

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE MATEMÁTICA, ESTATÍSTICA E COMPUTAÇÃO CIENTÍFICA Matemática Licenciatura. (Números Complexos)

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE MATEMÁTICA, ESTATÍSTICA E COMPUTAÇÃO CIENTÍFICA Matemática Licenciatura. (Números Complexos) UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE MATEMÁTICA, ESTATÍSTICA E COMPUTAÇÃO CIENTÍFICA Matemática Licenciatura (Números Complexos) Jéssica Roldão de Oliveira Assis RA 160332 Campinas 2014 1 HISTÓRIA

Leia mais

APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA

APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE POMPEIA CURSO TECNOLOGIA EM MECANIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA Autor: Carlos Safreire Daniel Ramos Leandro Ferneta Lorival Panuto Patrícia de

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros 2º ciclo PCA - 6º ano Planificação Anual 2013-2014 MATEMÁTICA METAS CURRICULARES

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010 3 - Sistemas em Corrente Alternada Carlos Marcelo Pedroso 18 de março de 2010 1 Considerações sobre Potência e Energia A potência fornecida a uma carga à qual está aplicada um tensão instantânea u e por

Leia mais

Medidas elétricas em altas frequências

Medidas elétricas em altas frequências Medidas elétricas em altas frequências A grande maioria das medidas elétricas envolve o uso de cabos de ligação entre o ponto de medição e o instrumento de medida. Quando o comprimento de onda do sinal

Leia mais

Introdução ao estudo de equações diferenciais

Introdução ao estudo de equações diferenciais Matemática (AP) - 2008/09 - Introdução ao estudo de equações diferenciais 77 Introdução ao estudo de equações diferenciais Introdução e de nição de equação diferencial Existe uma grande variedade de situações

Leia mais

Exercícios Adicionais

Exercícios Adicionais Exercícios Adicionais Observação: Estes exercícios são um complemento àqueles apresentados no livro. Eles foram elaborados com o objetivo de oferecer aos alunos exercícios de cunho mais teórico. Nós recomendamos

Leia mais

Sinais Senoidais. A unidade de freqüência no SI é o Hertz (Hz) e o tempo é dado em segundos (s).

Sinais Senoidais. A unidade de freqüência no SI é o Hertz (Hz) e o tempo é dado em segundos (s). Campus Serra COORDENADORIA DE AUTOMAÇÂO INDUSTRIAL Disciplina: ELETRÔNICA BÁSICA Professor: Vinícius Secchin de Melo Sinais Senoidais Os sinais senoidais são utilizados para se representar tensões ou correntes

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 Resistores lineares

Leia mais

Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo.

Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo. Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Cinemática Básica: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo. Velocidade: Consiste na taxa de variação dessa distância

Leia mais

Retas e Planos. Equação Paramétrica da Reta no Espaço

Retas e Planos. Equação Paramétrica da Reta no Espaço Retas e lanos Equações de Retas Equação aramétrica da Reta no Espaço Considere o espaço ambiente como o espaço tridimensional Um vetor v = (a, b, c) determina uma direção no espaço Dado um ponto 0 = (x

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Medeiros EXERCÍCIOS NOTA DE AULA IV Goiânia - 2014 EXERCÍCIOS 1. Uma partícula eletrizada positivamente é

Leia mais

FÍSICA Adriano Jorge. Aula 1 - Eletrodinâmica

FÍSICA Adriano Jorge. Aula 1 - Eletrodinâmica FÍSICA Adriano Jorge Aula 1 - Eletrodinâmica E Coulomb (C) i Ampère (A) Segundos (s) 1 A = 1 C/s 19 e 16, 10 C i 1 18A i 2 12A Resistores e Resistência Unidade(SI): 1 (ohm) 1V / A Potência Dissipada

Leia mais

Problemas sobre Sistemas Não Lineares

Problemas sobre Sistemas Não Lineares Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Controlo em Espaço de Estados Problemas sobre Sistemas Não Lineares Organizada por J. Miranda Lemos 0 J. M. Lemos IST P. (Construção do

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas

Escola Básica e Secundária de Velas Escola Básica e Secundária de Velas Planificação Anual do 12º Ano Matemática A Ano letivo 2015 /2016 1º Período 2º Período 3º Período Nº DE BLOCOS PREVISTOS 39 32 24 Apresentação 0,5 1º Período 2º Período

Leia mais

V = 0,30. 0,20. 0,50 (m 3 ) = 0,030m 3. b) A pressão exercida pelo bloco sobre a superfície da mesa é dada por: P 75. 10 p = = (N/m 2 ) A 0,20.

V = 0,30. 0,20. 0,50 (m 3 ) = 0,030m 3. b) A pressão exercida pelo bloco sobre a superfície da mesa é dada por: P 75. 10 p = = (N/m 2 ) A 0,20. 11 FÍSICA Um bloco de granito com formato de um paralelepípedo retângulo, com altura de 30 cm e base de 20 cm de largura por 50 cm de comprimento, encontra-se em repouso sobre uma superfície plana horizontal.

Leia mais

Vibrações Mecânicas. Vibração Livre Sistemas com 1 GL. Ramiro Brito Willmersdorf ramiro@willmersdorf.net

Vibrações Mecânicas. Vibração Livre Sistemas com 1 GL. Ramiro Brito Willmersdorf ramiro@willmersdorf.net Vibrações Mecânicas Vibração Livre Sistemas com 1 GL Ramiro Brito Willmersdorf ramiro@willmersdorf.net Departamento de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Pernambuco 2015.1 Introdução Modelo 1

Leia mais

Fichas de sistemas de partículas

Fichas de sistemas de partículas Capítulo 3 Fichas de sistemas de partículas 1. (Alonso, pg 247) Um tubo de secção transversal a lança um fluxo de gás contra uma parede com uma velocidade v muito maior que a agitação térmica das moléculas.

Leia mais

5 Circuitos Equivalentes

5 Circuitos Equivalentes 5 Circuitos Equivalentes 5.1 Circuitos Equivalentes Nos capítulos anteriores já se apresentaram diversos exemplos de circuitos equivalentes, por exemplo, resistências em série e em paralelo ou a chamada

Leia mais

Prof. Marcos Antonio

Prof. Marcos Antonio Prof. Marcos Antonio 1- DEFINIÇÃO É o ramo da eletricidade que estuda as cargas elétricas em movimento bem como seus efeitos. 2- CORRENTE ELÉTRICA E SEUS EFEITOS É o movimento ordenado de partículas portadoras

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL MATEMÁTICA 3 DOMÍNIOS OBJETIVOS ATIVIDADES

PLANIFICAÇÃO ANUAL MATEMÁTICA 3 DOMÍNIOS OBJETIVOS ATIVIDADES PLANIFICAÇÃO ANUAL MATEMÁTICA 3 DOMÍNIOS OBJETIVOS ATIVIDADES Números naturais Conhecer os numerais ordinais Utilizar corretamente os numerais ordinais até centésimo. Contar até um milhão Estender as regras

Leia mais

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5 Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias Trajectórias Planas Índice Trajectórias. exercícios............................................... 2 2 Velocidade, pontos regulares e singulares 2 2. exercícios...............................................

Leia mais

Laboratórios de CONTROLO (LEE) 2 o Trabalho Motor DC Controlo de Velocidade

Laboratórios de CONTROLO (LEE) 2 o Trabalho Motor DC Controlo de Velocidade Laboratórios de CONTROLO (LEE) 2 o Trabalho Motor DC Controlo de Velocidade Baseado no trabalho Controlo de Velocidade de um motor DC de E. Morgado, F. Garcia e J. Gaspar João Miguel Raposo Sanches 1 o

Leia mais

CONVERSORES DIRECTOS

CONVERSORES DIRECTOS Temática Electrónica de Potência Capítulo Generalidades Secção Estruturas de conversão CONVERSORES DIRECTOS INTRODUÇÃO Neste curso, define-se o que se entende por conversor directo: é um circuito electrónico,

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = =

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = = Energia Potencial Elétrica Física I revisitada 1 Seja um corpo de massa m que se move em linha reta sob ação de uma força F que atua ao longo da linha. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A22 (1) O circuito a seguir amplifica a diferença de

Leia mais

1 Propagação de Onda Livre ao Longo de um Guia de Ondas Estreito.

1 Propagação de Onda Livre ao Longo de um Guia de Ondas Estreito. 1 I-projeto do campus Programa Sobre Mecânica dos Fluidos Módulos Sobre Ondas em Fluidos T. R. Akylas & C. C. Mei CAPÍTULO SEIS ONDAS DISPERSIVAS FORÇADAS AO LONGO DE UM CANAL ESTREITO As ondas de gravidade

Leia mais

Trabalho realizado por forças constantes que atuam num sistema em qualquer direção

Trabalho realizado por forças constantes que atuam num sistema em qualquer direção 1 Trabalho realizado por forças constantes que atuam num sistema em qualquer direção A noção de trabalho Trabalho potente, resistente e nulo Trabalho realizado por mais do que uma força constante Representação

Leia mais

Electricidade e magnetismo

Electricidade e magnetismo Electricidade e magnetismo Circuitos eléctricos 3ª Parte Prof. Luís Perna 2010/11 Corrente eléctrica Qual a condição para que haja corrente eléctrica entre dois condutores A e B? Que tipo de corrente eléctrica

Leia mais

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto.

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Classes Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

Analisador de Espectros

Analisador de Espectros Analisador de Espectros O analisador de espectros é um instrumento utilizado para a análise de sinais alternados no domínio da freqüência. Possui certa semelhança com um osciloscópio, uma vez que o resultado

Leia mais

Os pólos do mesmo sinal repelem-se, norte com norte e sul com sul, e os pólos de sinal contrário atraem-se, sul com norte e norte com sul.

Os pólos do mesmo sinal repelem-se, norte com norte e sul com sul, e os pólos de sinal contrário atraem-se, sul com norte e norte com sul. A- Magnetismo 1- Íman Chama-se íman ao corpo que possui a propriedade de atrair ferro, níquel ou cobalto. Existem ímanes naturais denominados de magnetite, e ímanes artificiais constituídos por aço e ferro.

Leia mais

Conteúdo Programático Anual MATEMÁTICA

Conteúdo Programático Anual MATEMÁTICA MATEMÁTICA 1º BIMESTRE 5ª série (6º ano) CALCULANDO COM NÚMEROS NATURAIS 1. Idéias associadas à adição 2. Idéias associadas à subtração 3. Idéias associadas à multiplicação 4. Idéias associadas à divisão

Leia mais

CAPÍTULO 2. Grafos e Redes

CAPÍTULO 2. Grafos e Redes CAPÍTULO 2 1. Introdução Um grafo é uma representação visual de um determinado conjunto de dados e da ligação existente entre alguns dos elementos desse conjunto. Desta forma, em muitos dos problemas que

Leia mais

Coordenadas Polares Mauri C. Nascimento Dep. De Matemática FC Unesp/Bauru

Coordenadas Polares Mauri C. Nascimento Dep. De Matemática FC Unesp/Bauru Coordenadas Polares Mauri C. Nascimento Dep. De Matemática FC Unesp/Bauru Dado um ponto P do plano, utilizando coordenadas cartesianas (retangulares), descrevemos sua localização no plano escrevendo P

Leia mais

FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2015 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Uma mola comprimida por uma deformação x está em contato com um corpo de massa m, que se encontra

Leia mais

EA616B Análise Linear de Sistemas Resposta em Frequência

EA616B Análise Linear de Sistemas Resposta em Frequência EA616B Análise Linear de Sistemas Resposta em Frequência Prof. Pedro L. D. Peres Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação Universidade Estadual de Campinas 2 o Semestre 2013 Resposta em Frequência

Leia mais

Sistemas trifásicos. Introdução

Sistemas trifásicos. Introdução Sistemas trifásicos Introdução Em circuitos elétricos de potência, a energia elétrica é gerada, transmitida, distribuída e consumida sob a forma e trifásica, Uma das vantagens dos circuitos trifásicos

Leia mais

ELETRODINÂMICA: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E EFEITO JOULE¹

ELETRODINÂMICA: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E EFEITO JOULE¹ ELETRODINÂMICA: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E EFEITO JOULE¹ Ana Célia Alves dos Santos² Débora da Cruz Alves² Gustavo Gomes Benevides² Júlia Fabiana de Oliveira Barboza² Stefanie Esteves da Silva² Stephanye

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo. Critérios de Avaliação. Ano Letivo 2015/16 Disciplina MATEMÁTICA 3.º Ano

Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo. Critérios de Avaliação. Ano Letivo 2015/16 Disciplina MATEMÁTICA 3.º Ano Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo Critérios de Avaliação Ano Letivo 2015/16 Disciplina MATEMÁTICA 3.º Ano Números e Operações Números naturais Utilizar corretamente os numerais ordinais

Leia mais

ESPAÇOS MUNIDOS DE PRODUTO INTERNO

ESPAÇOS MUNIDOS DE PRODUTO INTERNO ESPAÇOS MUNIDOS DE PRODUTO INTERNO Angelo Fernando Fiori 1 Bruna Larissa Cecco 2 Grazielli Vassoler 3 Resumo: O presente trabalho apresenta um estudo sobre os espaços vetoriais munidos de produto interno.

Leia mais

S O IC N Â C E etro) M O TR C (taquím LE E S étrico TO N E M A o taquim C C V o Transdutores Transdutores de velocidade: dínam E E T D IP

S O IC N Â C E etro) M O TR C (taquím LE E S étrico TO N E M A o taquim C C V o Transdutores Transdutores de velocidade: dínam E E T D IP Accionamentos Electromecânicos / Selecção de Conversores Carlos Ferreira 1 Para fechar a malha é necessária a utilização de transdutores das variáveis. Conforme a grandeza a controlar assim é o transdutor

Leia mais

MATEMÁTICA 7.º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014 / 2015

MATEMÁTICA 7.º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014 / 2015 GRUPO DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA 7.º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014 / 2015 (Em conformidade com o Programa de Matemática homologado em 17 de junho de 2013 e com as de Matemática homologadas em 3

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA

REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA 1 REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA revisão mar06 1 - Introdução A maioria dos sistemas elétricos de potência é em corrente alternada. As instalações em corrente contínua são raras e tem aplicações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A3 (1A) CONVERSÃO TEMPERATURA-TENSÃO (A) Determine

Leia mais

Bacharelado Engenharia Civil

Bacharelado Engenharia Civil Bacharelado Engenharia Civil Disciplina: Física Geral e Experimental I Força e Movimento- Leis de Newton Prof.a: Msd. Érica Muniz Forças são as causas das modificações no movimento. Seu conhecimento permite

Leia mais

Potência e Fator de Potência. Fernando Soares dos Reis, Dr. Eng.

Potência e Fator de Potência. Fernando Soares dos Reis, Dr. Eng. Potência e Fator de Potência, Dr. Eng. Sumário Introdução; Objetivos; Revisão de Conceitos Fundamentais de Potência C.C. Potência Instantânea; Potência Média ou Ativa; Transferência Máxima de Potência

Leia mais

XXIX Olimpíada Internacional de Física

XXIX Olimpíada Internacional de Física XXIX Olimpíada Internacional de Física Reykjavík, Islândia Parte Experimental Segunda-feira, 6 de Julho de 1998 Lê isto primeiro: Duração: 5 H 1. Utiliza apenas a esferográfica que te foi dada. 2. Usa

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Nesta secção, estuda-se o comportamento ideal de alguns dos dipolos que mais frequentemente se podem encontrar nos circuitos

Leia mais

PUCGoiás Física I. Lilian R. Rios. Rotação

PUCGoiás Física I. Lilian R. Rios. Rotação PUCGoiás Física I Lilian R. Rios Rotação O movimento de um cd, de um ventilador de teto, de uma roda gigante, entre outros, não podem ser representados como o movimento de um ponto cada um deles envolve

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS FACTORIAIS

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS FACTORIAIS Capítulo II INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS FACTORIAIS A Análise Factorial de Correspondências é uma técnica simples do ponto de vista matemático e computacional. Porém, devido ao elevado suporte geométrico desta

Leia mais

EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO. Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo.

EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO. Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo. EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO 11.1 OBJETIVOS Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo. 11.2 INTRODUÇÃO Força de Lorentz Do ponto de vista formal,

Leia mais

Circuitos Elétricos III

Circuitos Elétricos III Circuitos Elétricos III Prof. Danilo Melges (danilomelges@cpdee.ufmg.br) Depto. de Engenharia Elétrica Universidade Federal de Minas Gerais A Transformada de Laplace em análise de circuitos parte 1 A resistência

Leia mais

Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 1 de fevereiro de 2016 120 minutos

Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 1 de fevereiro de 2016 120 minutos Ano Letivo 2015/ 2016 Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 1 de fevereiro de 2016 120 minutos Objeto de avaliação O teste tem por referência o programa de Física e Química A para

Leia mais

TD DE FÍSICA 2 Questões de Potencial elétrico e Trabalho da Força Elétrica PROF.: João Vitor

TD DE FÍSICA 2 Questões de Potencial elétrico e Trabalho da Força Elétrica PROF.: João Vitor 1. (Ita) Considere as afirmações a seguir: I. Em equilíbrio eletrostático, uma superfície metálica é equipotencial. II. Um objeto eletrostaticamente carregado induz uma carga uniformemente distribuída

Leia mais

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980 Questão 1. Uma venda imobiliária envolve o pagamento de 12 prestações mensais iguais a R$ 10.000,00, a primeira no ato da venda, acrescidas de uma parcela final de R$ 100.000,00, 12 meses após a venda.

Leia mais

Exercícios Leis de Kirchhoff

Exercícios Leis de Kirchhoff Exercícios Leis de Kirchhoff 1-Sobre o esquema a seguir, sabe-se que i 1 = 2A;U AB = 6V; R 2 = 2 Ω e R 3 = 10 Ω. Então, a tensão entre C e D, em volts, vale: a) 10 b) 20 c) 30 d) 40 e) 50 Os valores medidos

Leia mais

Além do Modelo de Bohr

Além do Modelo de Bohr Além do Modelo de Bor Como conseqüência do princípio de incerteza de Heisenberg, o conceito de órbita não pode ser mantido numa descrição quântica do átomo. O que podemos calcular é apenas a probabilidade

Leia mais

Corrente Alternada Trifásica

Corrente Alternada Trifásica Corrente Alternada Trifásica 1- Sistemas trifásicos A utilização dos sistemas trifásicos em toda a cadeia de energia tem um carácter praticamente exclusivo. Somente a nível da utilização vamos encontrar

Leia mais

TC 2 UECE 2012 FASE 1 PROF. : Célio Normando

TC 2 UECE 2012 FASE 1 PROF. : Célio Normando TC UECE 01 FASE 1 PROF. : Célio Normando Conteúdo: Cinemática - MRUV 1. Um avião vai decolar em uma pista retilínea. Ele inicia seu movimento na cabeceira da pista com velocidade nula e corre por ela com

Leia mais

7 - Análise de redes Pesquisa Operacional CAPÍTULO 7 ANÁLISE DE REDES. 4 c. Figura 7.1 - Exemplo de um grafo linear.

7 - Análise de redes Pesquisa Operacional CAPÍTULO 7 ANÁLISE DE REDES. 4 c. Figura 7.1 - Exemplo de um grafo linear. CAPÍTULO 7 7 ANÁLISE DE REDES 7.1 Conceitos Básicos em Teoria dos Grafos Diversos problemas de programação linear, inclusive os problemas de transporte, podem ser modelados como problemas de fluxo de redes.

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais Prova de Exame Nacional de Matemática Aplicada às Ciências Sociais Prova 835 2011 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Para: Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento

Leia mais

Cotagem de dimensões básicas

Cotagem de dimensões básicas Cotagem de dimensões básicas Introdução Observe as vistas ortográficas a seguir. Com toda certeza, você já sabe interpretar as formas da peça representada neste desenho. E, você já deve ser capaz de imaginar

Leia mais